SlideShare uma empresa Scribd logo
FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA
ALFABETIZAÇÃO AVANÇADA EM LÍNGUA PORTUGUESA,
MATEMÁTICA, TECNOLOGIA E EMPREENDEDORISMO
Alfabetização avancada
Versão 1
Ano 2012
Mirele Carolina Werneque Jacomel (Org.)
Alexandre Luiz Schlemper
Andréia Scariot
Marcia Beraldo Lagos
ALFABETIZAÇÃO AVANÇADA EM LÍNGUA PORTUGUESA,
MATEMÁTICA, TECNOLOGIA E EMPREENDEDORISMO
Os textos que compõem estes cursos, não podem ser reproduzidos sem autorização dos editores
© Copyright by 2012 - Editora IFPR
IFPR - INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ
Reitor
Prof. Irineu Mario Colombo
Chefe de Gabinete
Joelson Juk
Pró-Reitor de Ensino
Ezequiel Westphal
Pró-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional
Bruno Pereira Faraco
Pró-Reitor de Administração
Gilmar José Ferreira dos Santos
Pró-Reitor de Gestão de Pessoas e Assuntos Estudantis
Neide Alves
Pró-Reitor de Extensão, Pesquisa e Inovação
Silvestre Labiak Junior
Organização
Marcos José Barros
Cristiane Ribeiro da Silva
Projeto Gráfico e Diagramação
Leonardo Bettinelli
Introdução
O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego - PRONATEC,
tem como um dos objetivos a oferta de cursos de qualificação profissional e cursos técnicos
para trabalhadores/as e pessoas expostas à exclusão social.
Vale lembrar, também, que muitas dessas pessoas (jovens e/ou adultas) estão há
tempos fora da escola e que é preciso uma série de incentivos para que se motivem e finalizem o
curso escolhido.
No IFPR, o PRONATEC é entendido como uma ação educativa de muita importância.
Por isso, é necessário que essas pessoas possam também participar de outras atividades,
especialmente como alunos regulares em suas diversas formas de ensino: médio, técnico,
tecnológico, superior e outros. Essa instituição também oferece a possibilidade de participação
em projetos de pesquisa e extensão, além de contribuir para a permanência dos alunos com o
Programa deAssistência Estudantil.
O PRONATEC/IFPR pode ser visto, ainda, como um instrumento de inclusão social,
público e gratuito, e que tem como sua política de educação a formação de qualidade. Para isso,
os alunos do PRONATEC/IFPR podem fazer uso da estrutura de bibliotecas e laboratórios
sendo sua convivência na instituição de grande valia para os servidores (professores e técnicos
administrativos), bem como para os demais estudantes.
O PRONATEC/IFPR conta com diversos parceiros que contribuem para a realização
dos cursos. Essas parcerias são importantes tanto para o apoio de “selo de qualidade” quanto
possibilitam estrutura física para que os cursos possam acontecer. Porém, mesmo os cursos
ocorrendo em outros espaços (que não o do IFPR) não invalida a qualidade dos profissionais
que ministram as aulas, pois esses foram especialmente selecionados para essa atividade.
Anotações
Sumário
Unidade 1 - Língua Portuguesa
LÍNGUA E LINGUAGEM .....................................................................................................7
LENDO E RECONHECENDO O TEXTO..........................................................................15
GÊNEROS TEXTUAIS......................................................................................................21
TECENDO TEXTOS .........................................................................................................27
OS TIPOS DE DISCURSO E SEUS COMPONENTES....................................................33
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..................................................................................36
Unidade 2 - Matemática
CONCEITOS BÁSICOS....................................................................................................39
PORCENTAGEM E JUROS..............................................................................................53
ORGANIZANDO DADOS EM TABELAS ..........................................................................58
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ........................................................................................63
Unidade 3 - Informática básica
CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA ....................................................................65
SISTEMA OPERACIONAL LINUX – UM POUCO DA HISTÓRIA.....................................66
SISTEMAS APLICATIVOS – BrOffice ...............................................................................66
CALC.................................................................................................................................75
IMPRESS ..........................................................................................................................83
INTERNET ........................................................................................................................87
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..................................................................................93
Unidade 4 - Empreendedorismo
CONCEITOS FUNDAMENTAIS........................................................................................95
RECOMENDAÇÕES FINAIS ..........................................................................................112
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA.......................................................................................112
ANEXOS..........................................................................................................................113
Anotações
Unidade 1 - Língua Portuguesa
LÍNGUAE LINGUAGEM
A comunicação é uma capacidade que nos acompanha em todos os momentos do
desenvolvimento da nossa linguagem e é fundamental para irrompermos e superarmos as
barreiras sociais. Você já pensou nas situações em que somos enganados por não termos
conhecimento sobre determinados assuntos ou palavras? Ou, quando investimos mal nosso
salário simplesmente por falta de atenção... Nesta unidade, estudaremos conteúdos relaciona-
dos aos conceitos de língua e linguagem e sua importância na leitura e produção de textos do
nosso cotidiano.
Conceitos básicos de língua e linguagem
Toda língua representa um conjunto de signos (palavras) organizado em estruturas
linguísticas de regras, que, articulado ao contexto em que foi produzido, possibilita a produção
de sentidos dos textos no processo de comunicação e interação social.
A linguagem, por sua vez, é uma atividade social mais ampla, que contempla não só a
língua e o falante, mas o meio pelo qual o falante se expressa, como é o caso da linguagem de
sinais, gestos, cores, sons, linguagem literária, entre outras.
Asituação comunicativa
A situação comunicativa corresponde ao contexto da comunicação e, por isso, vários
fatores influenciam no modo como organizamos nossas expressões e também nos sentidos
que atribuímos aos textos que ouvimos e lemos.
Compreender nossa língua é um meio de sobrevivência. Nos apro-
priamos dos diferentes conhecimentos a medida que interagimos em
sociedade, e a interação significativa se realiza quando dominamos o
código através do qual nos comunicamos.Observe: a língua é um fato
social, portanto, é extensiva ao sujeito.
7
Unidade 1
Asituação comunicativa
A situação comunicativa corresponde ao contexto da comunicação e, por isso, vários
fatores influenciam no modo como organizamos nossas expressões e também nos sentidos
que atribuímos aos textos que ouvimos e lemos.
É preciso considerar na situação comunicativa todo o contexto em que os interlocutores
estão inseridos. Em algumas situações, é fundamental o uso da Norma Culta. Em outras, a
linguagem pode ser mais popular.
Norma culta e linguagem popular
Norma Culta – é a linguagem normatizada de acordo com um conjunto de regras
gramaticais mais rígidas, que está a serviço da comunicação em situações mais formais. É mais
presente na forma escrita da língua, mas pode ser exigida, por exemplo, em uma reunião de
trabalho, uma reunião de pais e professores, um ambiente jurídico, etc..
Linguagem Popular – é a representação da linguagem corriqueira, utilizada no
cotidiano, variante de estilos próprios dos falantes, grupos, regiões, etc. É o caso de conversas
durante as refeições, no bate-papo virtual, durante uma caminhada, etc.
Quando utilizar as variedades mais populares da Língua Portuguesa?
A fala e a escrita – em situações informais de comunicação, tanto para a modalidade
escrita, como para a modalidade oral, são permitidas variedades populares da língua, muitas
delas carregadas de gírias e neologismos. Uma receita culinária, por exemplo, pode apresentar
SITUAÇÃO COMUNICATIVA
Receptor da mensagemEmissor da mensagem
Mensagem
(de quem/que se fala)
Interlocutores são as pessoas envolvidas na comunicação.
8
a variedade popular da língua. Já em ambientes mais formais, o uso da Norma Culta é mais
apropriado. Por exemplo, uma carta escrita para um vereador de sua cidade deve apresentar
elementos linguístico-textuais próprios da Norma Culta da Língua Portuguesa, como o pronome
de tratamento referente a essa autoridade política, o uso adequado dos pronomes demonstrati-
vos, relativos, etc. Um trabalhador que se dirigisse ao chefe, no local de trabalho, usando gírias,
seria inadequado ao contexto.
Colocando em prática
Reconhecendo as diferentes situações comunicativas (atividades para sala de aula, no
caderno):
a) Leia o trecho abaixo e identifique a situação comunicativa:
Boa noite a todos e creio que para a maioria nós somos bem conhecidos e devem conhecer até
bem o barco; devem viajar bem mais do que a gente imagina, viajando pela internet, [...].É uma
satisfação termos conseguido realizar esse desafio e estarmos aqui, agora né... e, mas é
também um outro detalhe é que normalmente pessoas que saem para um projeto destes eh...
pelo menos a estatística mostra isso, o fazem já mais ah... com idade mais avançada:
trabalham, organizam a vida, aposentam-se e depois fazem um projeto. A gente resolveu dar
uma quebrada no meio aí né?... Fomos um pouco mais ousados ou aventureiros ou
displicentes (risos). Acabamos vivendo de poema; estamos muito bem obrigado. A viagem foi
ótima e por enquanto não há dinheiro nesse mundo que pagaria a experiência que a gente está
tendo e ... antes de ... Disponível em <http://www.veleiro.net/jornal/palestra.doc>. Acesso em
30 de dezembro de 2011.
Observação: tente visualizar a cena a partir do que trata o texto para compreender se é
necessário assumir uma postura mais formal ou menos formal.
b) Considerando a situação comunicativa, a linguagem está adequada ao contexto? Por quê?
Que grupo, provavelmente, foi receptor dessa mensagem?
c) Reescreva a fase abaixo, no seu caderno, passando-a para a linguagem formal.
‒ “Patrão, queria te falar para eu não ir trabalhar hoje à tarde pra levar minha mãe no médico que
ela tá doente.”
9
Para enfatizar o aprendizado (atividades extra-classe):
a) Após discutir o conteúdo desta unidade em sala de aula, e tirar suas dúvidas com seus/suas
professores/as, analise a tirinha abaixo, e escreva no caderno um comentário sobre seu
ponto de vista acerca dos problemas de comunicação.
Fonte: <http://marioaragao.com.br/o-poder-do-boato/charge-o-poder-do-boato>. Acesso em 12 de dezembro de
2011.
Conhecendo mais sobre o assunto:
a) Pesquise conteúdos sobre as Variedades Linguísticas e discuta em sala de aula a relevância
em compreender as diferentes situações comunicativas.
Unidade 1
10
Refletindo sobre o uso da língua
Nesta unidade, discutimos diferentes formas de se compreender e utilizar a língua. É
importante reconhecer o seu conceito, modalidades e fatores de organização textual para que
se promova a plena compreensão das mensagens que emitimos e recebemos. Para finalizar-
mos nossos trabalhos nesta unidade, observe uma situação comunicativa em um determinado
ambiente e descreva em seu caderno quais foram suas impressões acerca do comportamento
dos interlocutores, se estavam adequados ao contexto ou não.
Observação: nas aulas referentes a este módulo, o/a professor/a deverá propor atividades de
interpretação e compreensão de textos, formulando questionamentos sociológicos voltados
para a realidade de seus estudantes, além de perguntas que problematizem a linguagem.
Sugestão: estudo dos pronomes (de tratamento, possessivos, demonstrativos, relativos e
oblíquos), uso de sinônimos e antônimos, estudo das metáforas no cotidiano, entre outros.
Discutir, a partir do texto 01 (anexos) o contexto da produção da Carta, de Caminha.
11
Anotações
Anotações
Alfabetização avancada
Anotações
LENDO E RECONHECENDO OTEXTO
O texto representa a formalização de nossas ações linguísticas. É parte da comunicação.A
comunicação escrita é uma das maneiras de se formalizarem determinadas ações linguísticas.
Quem nunca anotou um compromisso inadiável, como o horário no dentista? Ou anotou todas
as despesas durante o mês para não se perder nas contas? Nos consultórios médicos, postos
de saúde ou nos murais de empresas, quase sempre os principais recados são dados em
cartazes.
Leitura e escrita de textos
A primeira leitura de um texto, dependendo de seu nível de complexidade, pode ser
insuficiente para a compreensão de seus efeitos de sentido. Uma leitura superficial pode
comprometer muitas situações, como, por exemplo, um manual de instruções em que o leitor
não entende como instalar corretamente um aparelho eletrônico. Para garantir a plena
compreensão do texto, é importante saber identificar alguns elementos fundamentais.
Tema – Todo texto possui um tema, ou assunto. Quando se identifica seu tema, a leitura
se torna bem mais fácil. É necessário identificar o tema principal e os assuntos periféricos de um
texto. Da mesma forma, todo texto possui uma intenção. Ou informar, ou divertir, ou convencer,
etc. A organização do texto ajuda a identificar a temática e a intenção. Os tópicos frasais e as
palavras-chave são os índices para isso.
Tópico frasal – Em geral, o tópico frasal inicia o texto com ideias generalizadas, mas há
também aqueles textos que possuem um tópico-frasal como conclusão. No primeiro caso,
denominamos Tópico frasal dedutivo, pois ele indica ao leitor o assunto apresentado e permite
que o mesmo antecipe alguma ideia sobre o texto. O segundo caso é denominado Tópico frasal
indutivo, aparecendo nos parágrafos referentes à conclusão do texto e induzindo o leitor a
internalizar determinadas ideias.
Palavras-chave: aparecem no texto de forma repetida, substituídas por sinônimo ou por
termos semelhantes.
Veja o exemplo abaixo:
No dia 21 de setembro comemora-se o dia da árvore. Essa data foi escolhida em razão da
chegada da primavera. Mas antes da escolha dessa data, acontecia no país, na última semana
de março, a festaAnual das Árvores, instituída pelo presidente Castelo Branco, em 1965.
15
Mais adiante, a árvore ganhou um dia especial em virtude de sua importância para a vida
humana e também com a chegada da primavera, onde ganham nova vida e abrem lindas flores
que dão origem a novas árvores.
Com a chegada da primavera podemos ver as cidades mais alegres, pois essas se enchem de
flores de todas as cores [...].
Disponível em: <http://www.brasilescola.com/datacomemorativas/dia-da-arvore.htm>.
Acesso em 29 de dezembro de 2011.
Neste trecho, a primeira oração representa o tópico frasal dedutivo.Aideia núcleo, ou
intenção, está representada no segundo parágrafo, pois o texto trata da importância das
árvores para nossa sobrevivência. As palavras-chave do texto são ÁRVORE, VIDAHUMANA,
PRIMAVERA.
Reconhecendo e aplicando alguns elementos textuais
 Em seu caderno, escreva um parágrafo a partir das três palavras-chave que estão abaixo.
Observação: Ao longo do texto, você pode repeti-las, substituí-las por sinônimos ou termos
semelhantes.
 Observe o pequeno texto abaixo, veja as palavras nele contidas e informe o lugar onde
apareceria um texto assim.
O texto representa a formalização de nossas ações linguísticas.
É parte da comunicação.
SALÁRIO – EMPREGO – SOBREVIVÊNCIA
Unidade 1
16
 Que palavras ou expressões levaram você a concluir sobre o lugar onde o texto apareceria?
 Em seu caderno, elabore um texto que apareceria num cartaz para convidar os colegas de
trabalho para o churrasco do final de ano. Procure motivar todos para a festa.
Para enfatizar o aprendizado (atividade extra-classe):
 Leia o texto 01, dos anexos desta primeira parte da apostila, localize a ideia-núcleo e o tópico
frasal. Em seguida, indique no texto três termos que podem representar as palavras-chave.
Conhecendo mais sobre o assunto:
 Procure artigos em revistas e recorte textos de, no máximo, cinco parágrafos. Nesses textos,
identifique o tópico frasal. Lembre-se de que há o tópico frasal indutivo e o dedutivo. Leve
para a sala de aula para que seu/sua professor/a promova uma atividade com esse material.
 Procure ler os editoriais de jornais e verificar quais as suas intenções. Tente identificar a
modalidade de linguagem que os jornalistas utilizam.
Práticas de leitura e escrita: agindo sobre o texto
Todo texto prevê um leitor “virtual”, que remete a um público alvo. Mas há textos em que
a primeira leitura não garante a plena compreensão do seu efeito de sentido. Uma leitura
superficial proporciona apenas uma vaga noção do que o texto informa. Para evitar as
superficialidades, é necessário buscar elementos que são comuns a determinados textos
(enunciados genéricos). Nesta unidade, conhecemos partes do texto que nos auxiliam na
compreensão e na elaboração da mensagem. No momento da escrita, fique atento ao modo
como as ideias são organizadas.Assim, sua mensagem será mais clara e objetiva.
Observação: nas aulas referentes a este módulo, o/a professor/a deverá propor atividades de
interpretação e compreensão de textos, formulando questionamentos sociológicos, voltados
para a realidade de seus estudantes, além de perguntas que problematizem a linguagem.
Sugestão: funções da linguagem, palavras compostas, novo acordo ortográfico.
Em caso de contato com a pele ou com os olhos, lave com água corrente em
abundância por pelo menos 15 minutos e procure um médico. Em caso de
ingestão ou inalação procure um médico levando a embalagem ou o rótulo do
produto. Não dê nada por via oral a uma pessoa inconsciente.
17
Anotações
Alfabetização avancada
Anotações
GÊNEROSTEXTUAIS
Nesta unidade, estudaremos um pouco sobre gêneros textuais e procuraremos
compreender porque é importante aprender e adquirir uma boa quantidade de modelos
textuais, para facilitar nossa comunicação no dia a dia e nos meios sociais diferentes do
cotidiano.
compreendendo a comunicação através dos gêneros textuais
Como já vimos neste material, as pessoas se comunicam por textos completos, sempre
com algum objetivo: solicitar algo, convencer alguém, contar alguma coisa que aconteceu,
divertir, informar, etc. Toda vez que alguém precisa praticar alguma dessas ações
comunicativas, busca na memória um modelo para se expressar.Trata-se de um modelo prévio,
que aprendemos durante nossa vida, com outras pessoas. A esse modelo é que chamamos de
gênero textual, ou seja, uma estrutura simbólica de linguagem que nos permite organizar textos
particulares a partir dela. Toda vez que elaboramos um novo texto, repetimos algumas
expressões que já utilizamos em outros textos produzidos anteriormente. Quanto mais modelos
de textos conhecemos, maior se torna nossa capacidade de comunicação, ou seja, quanto mais
gêneros textuais uma pessoa domina, mais fácil para atingir seus objetivos pela linguagem.
Um exemplo pode ser a carta pessoal. Toda vez que escrevemos uma carta para
alguém, é uma nova carta, ou seja, um novo texto. Mas toda vez, seguimos um padrão, quer
dizer, seguimos um GÊNERO, porque outras pessoas já escreveram cartas em outros
momentos da vida e não muda muito a estrutura maior. Outro exemplo pode ser uma palestra.
Todos sabemos que há um modelo para palestra e quando alguém vai prepará-la, antecipada-
Toda vez que alguém tem que produzir um texto, para se comuni-
car oralmente ou por escrito, é necessário inventar um modelo de
texto ou as pessoas já tem um modelo prévio, na memória?
O Gênero Textual é, portanto, uma megaestrutura de linguagem que o falante
possui na memória e que serve de suporte toda vez que vai produzir um novo
texto, seja ele oral ou escrito. Para cada situação comunicativa, o falante lança
mão de um padrão textual, conforme o objetivo que quer alcançar.
21
Unidade 1
mente, segue aquele modelo.
Basicamente há dois grandes grupos de gêneros. Os gêneros textuais do cotidiano,
espontâneos, que as pessoas já dominam e produzem sem muita dificuldade. São os chama-
dos gêneros primários. Alguns exemplos podem ser: pedido de informação na rua; cumprimen-
tos nos locais de trabalho; cumprimentos em casamentos; orientação de trabalho de forma oral;
pegadinhas; bronca, etc... E há os gêneros secundários, mais complexos, que precisam ser
mais bem elaborados, planejados de forma antecipada. Geralmente são gêneros de textos
formais e, em sua maioria, escritos.Alguns exemplos: carta de apresentação; elaboração de um
currículo; requerimentos; mandado de segurança; memorando; sentença judicial; romance;
conto; poema, notícia, reportagem, crônica, editorial de jornal, redação de vestibular. Esses
gêneros de texto não aparecem espontaneamente no dia a dia das pessoas e, normalmente,
aprende-se na escola ou nos locais de trabalho, de forma organizada.
Práticas sobre o gênero textual “texto de opinião”
É muito comum as pessoas terem que defender pontos de vista e opiniões em
situações formais. O padrão de um texto de opinião é, geralmente, assim: 1) Coloca-se o ponto
de vista, ou seja, uma PREMISSA; 2) Elaboram-se argumentos para provar que sua premissa
está certa e, finalmente, 3) Elabora-se a conclusão, a partir dos argumentos.
 Em seu caderno, responda às perguntas abaixo e você estará elaborando uma premissa, um
ponto de vista sobre um determinado assunto. Utilize apenas duas ou três linhas. Não
argumente. Apenas expresse seu ponto de vista sobre o assunto. A argumentação não
aparece no primeiro parágrafo de um texto de opinião.
1. Deveria haver um sistema de controle do conteúdo da televisão no Brasil?
2.ATV é uma ferramenta que auxilia ou prejudica a educação popular?
3.Atelevisão tem função mais educativa ou comercial?
 Depois de delimitar a tese/premissa e de assumir um ponto de vista, é hora de desenvolver
argumentos para defender a posição assumida. Fundamentar, provar, justificar, explicar,
demonstrar, convencer, persuadir, em uma palavra: argumentar. Para argumentar, há termos
e expressões próprios, que produzem efeitos diferentes, quando são bem utilizados. São os
chamados OPERADORES ARGUMENTATIVOS (de comparação, de prova, de sequencia-
ção, de explicação, etc.). Vamos praticar um pouco, no seu caderno.
22
1.ATV é espetacularização da dor alheia..., POIS...
2.Ao invés de política aTV prefere tragédias e consumo... e UM EXEMPLO pode ser...
3. O único objetivo daTV é fazer rir..., UMAVEZ QUE...
4.ATV é uma terapia coletiva engendrada de manipulação..., À MEDIDAQUE...
Para enfatizar o aprendizado (atividades extra-classe):
 Abaixo, temos um exemplo de texto do gênero informativo, que circulou numa revista de
saúde. Trata-se de um exemplo de gênero secundário, mais complexo, com a linguagem
própria da medicina. Sua tarefa é tornar o texto mais adequado a um público que procure, por
exemplo, o posto de saúde. Faça um cartaz com as mesmas informações, numa linguagem
mais simples. Se necessário, consulte um dicionário.
A viagem de um coágulo ao cérebro
Entenda como a arritmia cardíaca pode resultar em um AVC
Conhecendo mais sobre o assunto:
 Faça uma listagem dos gêneros de texto mais comuns no seu local de trabalho. Em uma lista,
coloque os gêneros do cotidiano que as pessoas mais utilizam (cumprimentos, ordem de
trabalho, pedidos de informação, etc...). Na outra lista, procure conversar com as pessoas
que elaboram os gêneros mais complexos, escritos. Esses, provavelmente, você encontrará
no setor administrativo. Converse, portanto, com as pessoas que trabalham nesse setor e
pergunte a elas que textos eles produzem para executarem o trabalho.
Leia alguns tópicos frasais abaixo sobre a relação TV e sociedade e, em
seguida, amplie-os desenvolvendo um parágrafo argumentativo onde se
estabeleça uma relação de causa/consequência. Utilize os nexos argumentati-
vos a seguir: porque, pois, uma vez que, visto que, à medida que, tendo em vista
que, por causa de (que), um exemplo.
1 – Pane Elétrica e trombos a caminho
A fibrilação atrial desregula os
batimentos do coração, fazendo com
que o sangue flua mais devagar ali.
Nesse ritmo, podem se formar
coágulos, aglomerados de células
vermelhas, nas paredes do átrio
esquerdo e em apêndices do órgão.
2 – Perigo à solta
Os coágulos que surgem
nessas áreas do coração
podem escapar dali, migrar
para o ventrículo esquerdo e,
depois, cair na circulação.
Assim, muitas vezes rumam
para a cabeça.
3 – Ponto Final: O Cérebro
Após viajar pelo sistema
circulatório, o coágulo chega,
enfim, à massa cinzenta,
obstruindo um das finas
artérias que a irriga. É dessa
forma que causa o temido
AVC.
23
Materializando os gêneros do nosso cotidiano–
a) Complete o quadro a seguir com as informações que você adquiriu nesta unidade.
Toda vez que alguém vai produzir um texto lança mão de informações que já existem na
memória, ou teria que inventar sempre um novo texto. Essas informações que existem na
memória como megaestruturas de linguagem nós chamamos de _______________________.
Esses, por sua vez, podem ser _____________________, aqueles do cotidiano e geralmente
orais, ou ______________________________, mais complexos, geralmente escritos.
b) Agora, observe os gêneros textuais abaixo e informe os que você já sabe fazer (x) dos que
você ainda precisa aprender.
1- Organização de um currículo. ( )
2- Pedido de informação na rua ( )
3- Escrever um conto ( )
4- Pedido de casamento ( )
5- Escrever um ofício ( )
6- Escrever um email ( )
7- Preencher formulário de inscrição em concurso ( )
8- Elaborar uma reclamação escrita para a Fornecedora de Energia Elétrica ( )
Observação: após responder a esta questão, pesquise sobre a estrutura dos gêneros textuais
que você ainda não sabe produzir e leve para sala de aula. Seu professor deve preparar uma
atividade que contemple essa necessidade.
Unidade 1
24
Anotações
Anotações
TECENDOTEXTOS
Textos são tecidos. Isso mesmo, os textos acontecem quando tecemos palavras. E o
processo é o mesmo da tecelagem, ou seja, do mesmo modo que um emaranhado de linhas
produz um tecido, um emaranhado de palavras produz um texto (MACHADO, 2003).
E todo texto é resultado de uma prática social, que conscientemente ou não, se vale de
estruturas textuais já existentes.Assim, produzimos textos que repetem essas estruturas ou as
transformam.Nosso objetivo nesta unidade é o de estudar a língua através de textos e desnudar
as articulações linguísticas com base nas características comuns a determinados gêneros e,
também, nas nossas experiências com a linguagem.
Produzindo textos e contextos
Uma redação é constituída por partes indissociáveis, sem as quais o texto torna-se
incoerente. Um texto é composto por palavras, frases, orações, períodos e parágrafos. Nos
textos dissertativos, aqueles em que se defendem opiniões, por exemplo, essas partes se
distribuem na introdução, desenvolvimento e conclusão. Independente da extensão dos textos,
todos devem apresentar uma coerência estrutural para que seja possível abstrair os
significados da mensagem.Aqui, daremos destaque para os textos de opinião.
Introdução
A introdução de um texto de opinião corresponde ao início, que pode ser representado
pelos primeiros parágrafos. Na introdução, geralmente, aparecem a apresentação do
tema/assunto e de argumentos secundários, isto é, que são construídos a partir do tópico frasal
(retome esse conceito na unidade anterior).
Exemplo:
Valeu a pena a CMSI?Aopinião geral a respeito da última Cúpula Mundial da Organização das
Nações Unidas (ONU) sobre a Sociedade da Informação (CMSI), realizada em dezembro de
2003, é que não. Os resultados da cúpula foram parcos, para um processo que foi árduo e caro.
Entretanto, Anriette Esterhuysen, diretora executiva da APC, sustenta que a partir da
perspectiva de várias organizações da sociedade civil que participaram de forma ativa, a CMSI
serviu para gerar uma nova oportunidade de solidariedade entre diversos setores ideológicos,
setoriais e geográficos.
Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000255.pdf>. Acesso
em 02 de jan de 2012).
27
Observe: que as três primeiras linhas do parágrafo apresentam a temática/assunto do texto,
caracterizando, assim, a introdução do texto que se desenvolverá. Na sequência, temos uma
das informações que esse texto apresenta, sobre a qual argumentos serão construídos no
desenvolvimento.
Desenvolvimento
Após a introdução, o texto apresenta o desenvolvimento das ideias e argumentos
anunciados nos primeiros parágrafos. Na parte do desenvolvimento, são expostas opiniões,
exemplificações, críticas, comparações. Enfim, elementos expressivos que dão suporte à
opinião expressa no início do texto. A extensão do desenvolvimento de um texto de opinião
depende do objeto do seu autor, daquilo que ele deseja fazer o outro acreditar.
Conclusão
Ao finalizar um texto de opinião, necessariamente devemos retomar o assunto sobre o
qual se expressa a opinião, mas de forma concisa. O objetivo da conclusão no texto de opinião é
finalizar o texto, mas de forma coerente e, normalmente, levando o leitor a crer que a opinião de
quem escreveu é a correta.
Vejamos, agora, como seriam distribuídas essas partes numa redação:
Recuperando os elementos textuais
Considerando todos os elementos que estruturam um texto de opinião e suas partes
Introdução A juventude, numa atitude que a diferencia das gerações passadas, enfrenta um
momento de alheamento em relação aos problemas coletivos que, de uma forma ou de
outra, afetam todos os brasileiros. (TESE/PREMISSA)
Desenvolvimento De maneira geral, pode-se dizer que os jovens não têm consciência de seu poder de
reivindicar e realizar mudanças. Canalizam, assim, toda a sua energia e ideias inovadoras
e contestadoras em motivos banais, tornando-se rebeldes sem causa. (ARGUMENTO)
Um exemplo dessa alienação é a ocorrência frequente dos chamados “flash mobs”, as
aglomerações instantâneas organizadas pela Internet. (ARGUMENTO) Nelas, pessoas,
sobretudo jovens, reúnem-se para venerar dinossauros gigantes e para pular em um pé
só, por exemplo. Com a mesma energia, as gerações passadas empenhavam-se em lutar
contra uma ditadura e pelo impeachment de um presidente corrupto.
Essa diferença é fruto, principalmente, de uma educação exageradamente liberal, que
gera a falta de compromisso e de luta por ideais conexos, tão necessários no país.
(ARGUMENTO)
Conclusão Uma construção de consciência participativa, aliada à educação, à informação e ao senso
crítico, podem reinventar essa realidade. Os jovens têm o potencial nas mãos, basta
aprender a usá-lo. (CONCLUSÃO)
Autora: Estudante/3º Ano do EM - 2006
Unidade 1
28
componentes, redija um texto de, no máximo, cinco parágrafos em seu caderno. Para isso,
escolha um dos temas abaixo:
Tema 01: “O homem tem sido substituído pela máquina”
Tema 02: “O conceito de família mudou com os processos de modernização”
Os trechos abaixo correspondem a introduções de textos. Leia-os e, em seu caderno,
resuma as ideias aí contidas em não mais que 25 palavras.
Leia o texto 02, dos anexos desta primeira parte da apostila, e explique quais relações
os argumentos da introdução possuem com os argumentos expostos no desenvolvimento.
Para enfatizar o aprendizado (atividades extraclasse):
 Descreva abaixo qual é o objetivo da cada parte de um texto de opinião:
Introdução: ________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
Desenvolvimento: ___________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
Conclusão: ________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
Autoridade e autoritarismo são coisas muito diferentes. Ambas as palavras têm o mesmo radical: autor. Mas
enquanto a primeira pode ser entendida como o poder de impor limites necessários para convivência em
sociedade, a segunda indica um exacerbamento desse poder, realizado pela simples imposição de uma ideia
sem possibilidade de contraposição (Revista Planeta ano 36 edição 433, p.48-51, outubro de 2008).
Há três tipos de células-tronco. As mais comuns são encontradas na medula do ser humano em qualquer idade,
mas seu poder de reprodução e especialização é baixo. Outro tipo são as células–tronco existentes no cordão
umbilical, mais potentes que as da medula. O tipo mais promissor são as células-tronco dos embriões humanos,
porém a ética não deve estar desvinculada destas pesquisas cientificas (Veja, 20/03/2005).
A evasão escolar ainda é um dos problemas que aflige muitas escolas. Entre as consequências, podemos
destacar a marginalização, baixa autoestima, distorção idade/serie, repetência, desemprego, desigualdade
social. Os responsáveis por este processo educacional não podem ficar indiferentes a este problema (Adaptado
da Revista Mundo JovemAgosto/2007).
29
Conhecendo mais sobre o assunto:
 Leia o texto 03, nos anexos, e localize a introdução, o desenvolvimento e a conclusão.
Destaque-as no texto e justifique sua indicação em seu caderno.
 Selecione três textos de jornais ou revistas e explique a relação entre o título e o
desenvolvimento do texto.
Praticando um pouco mais a escrita
Nesta unidade, enfatizamos que é necessário nos apropriarmos dos conhecimentos
acerca da produção textual para que possamos compreender de forma plena a materialidade
dos diferentes tipos de linguagem. Cada estrutura textual é construída de acordo com a
finalidade dos textos e um texto bem estruturado traduz de forma mais coerente seus
significados. Para finalizarmos este tópico, produza em seu caderno um texto que expresse sua
opinião sobre o seguinte tema: Educação, escolarização e pobreza.
Observação: nas aulas referentes a este módulo, o/a professor/a deverá propor atividades de
interpretação e compreensão de textos, formulando questionamentos sociológicos, voltados
para a realidade de seus estudantes, além de perguntas que problematizem a linguagem.
Sugestão: substantivação, locuções adverbiais, verbos e noções de oração.
Unidade 1
30
Anotações
Anotações
OSTIPOS DE DISCURSO E SEUS COMPONENTES
Tipologia discursiva: organizando a linguagem
Na unidade anterior dessa apostila mencionamos que escrever um texto é uma
atividade semelhante à tecelagem, pois, da mesma maneira que são utilizados fios de linha
para produzir um tecido, utilizamos palavras e frases para compor um texto. Além da
organização interna da língua, devemos nos preocupar com a organização entre as partes do
texto, pois, para cada tipo de texto, utilizamos determinadas ferramentas de linguagem. Nesta
unidade, estudaremos as tipologias textuais, isto é, modos de organizar nosso discurso
adequado a cada gênero textual.As tipologias discursivas articuladas aos gêneros e aos textos
concretos podem ser: descrição, narração, exposição, injunção, argumentação.
Detalhes que o texto pode registrar: a descrição
Dependendo do gênero textual escolhido e do objetivo a atingir, o autor do texto deve
detalhar lugares, pessoas, objetos, sentimentos, enfim, mostrar no texto particularidades de um
objeto, lugar ou pessoa. Nesse caso, as palavras escolhidas e o tempo verbal produzirão uma
sequência discursiva descritiva, o que possibilita ao leitor uma maior aproximação do tema
descrito. Exemplo:
AS PESSOAS nascem cigarra ou formiga, e nunca vão mudar, até o último dia de vida. As
cigarras são simpáticas, alegres, adoráveis, generosas, e que ninguém pense em dividir uma
conta de bar quando estão numa mesa. Nem por hipótese uma cigarra vai deixar de pagar a
despesa - é mais forte que elas. (Danuza Leão. Folha de São Paulo. 16.11.2008).
O que é narrar?
Quando se pretende contar algo que já aconteceu, oralmente ou por escrito,
normalmente utiliza-se o tempo verbal no passado e isso produz um discurso narrativo. Quer
dizer, um narrador organiza a narração de um fato ou sequência de fatos. Se o objetivo for o de
divertir, trata-se de uma ficção. Se o objetivo for apenas informar, como é o caso dos jornalistas,
trata-se de algo factual. Nos dois casos, a narração é marcada por personagens – fictícias ou
reais, tempo verbal no passado, um espaço determinado e um enredo, ou seja, o conteúdo, a
história. O narrador pode ainda contar algo que em que ele estava presente (em primeira
pessoa) ou algo de que ele ouvir falar, ou apenas viu.
33
Expor é diferente de narrar?
Quando se organiza uma sequência discursiva, com verbos no presente, para contar
algo a alguém, seja um fato, ou sequência de fatos, ao invés de NARRAÇÃO tem-se uma
EXPOSIÇÃO. A sequência discursiva expositiva é, portanto, diferente a narrativa. Na
exposição, quem produz o texto, oral ou escrito, dá a impressão de aproximar-se de quem lê ou
ouve. Veja-se o caso das narrativas de futebol, que, de fato, são bem mais expositivas que
narrativas, pois o locutor nos dá a impressão de que o fato está acontecendo no momento em
que se fala dele. E de fato está.
Vejamos esse exemplo de tipologia expositiva: Natércio chama Virgínia de ingênua e avisa
que jamais irá pedir sua ajuda novamente. Cícero conta a Julieta que deixou Conrado comandar
a Metalúrgica em sua ausência, mas pede a ela que tome conta dele.
Se colocarmos os verbos negritados no passado, teremos uma narração.
Tipologia injuntiva
Há discurso injuntivo quando os termos ou expressões orientam-se pela linguagem da
ORDEM ou do LEVAR A FAZER. É o caso das propagandas com linguagem direta, quando se
utilizam verbos no imperativo, por exemplo. “Beba...”, “Compre...”, “Use...”. Há injunção
também nas ordens indiretas, como as que utilizam os verbos no futuro do pretérito com o
objetivo de produzir polidez no discurso. Um exemplo: ao invés de mandar fechar a porta, a
professora pergunta: Fulano, você PODERIAfechar a porta, por favor? Da mesma forma, todos
os manuais de instrução, receitas, orientações técnicas e diversas regulamentações utilizam-
se do discurso injuntivo.
O discurso argumentativo
O discurso argumentativo é próprio dos textos de opinião, das dissertações, da
linguagem científica, da linguagem jurídica e dos parlamentos. Na língua portuguesa, há
diversos OPERADORES ARGUMENTATIVOS que auxiliam na produção de uma linguagem
para convencer o interlocutor. São as conjunções, os advérbios, alguns modalizadores verbais
e algumas figuras de linguagem apropriadas para produzirem imagens e figuras de argumentos
que pretendem levar o outro a acreditar que o que se está defendendo é o correto.
Unidade 1
34
Colocando em prática
Elabore, em seu caderno, um pequeno texto narrativo, com no mínimo três parágrafos,
cuja última frase, ou seja, o final da história, deve ser: E DAQUELE DIA EM DIANTE, LEITÃO
NUNCA MAISATRAVESSOUARUA. Crie um narrador de terceira pessoa (viu o fato, mas não
participou dele), utilize verbos no passado e procure ser criativo, produzindo um texto fictício.
Para enfatizar o aprendizado (atividades extraclasse): Dia sim, dia não, a família do
empresário Luiz Augusto - ele, a mulher e duas filhas - sai para jantar em São Paulo. No fim do
mês, são R$ 5.000 só em restaurantes. Fora os R$ 1.500 de supermercado. Com renda familiar
de R$ 15 mil mensais, não sobra nada para guardar.
O parágrafo acima está organizado em quatro frases. Cada uma contém uma
informação relativamente importante para o propósito geral do mesmo. Sua tarefa é oferecer as
mesmas informações em apenas uma frase, ou seja, retirando os pontos e colocando os
conectivos (preposições, conjunções, etc ) e outros termos necessários para manter o mesmo
sentido. Inicie seu texto pela última informação.
Conhecendo mais sobre o assunto: Agora você deve produzir um texto publicitário para
alertar as pessoas sobre os problemas do alcoolismo. O Gênero Textual será um Cartaz e as
tipologias mais utilizadas serão a descritiva e a injuntiva. Ou seja, ao final do cartaz você deve
levar o leitor a fazer algo. Observe cartazes ou material de divulgação, antes de produzir seu
texto.
Refletindo sobre a organização da linguagem
Nesta unidade, verificamos que para cada modalidade de texto, há predominância de
uma maneira de utilizar a língua. Trata-se das tipologias discursivas. Um conto, por exemplo,
pede que os verbos sejam utilizados no passado. Um texto de opinião exige verbos no presente
ou futuro e exige mais operadores argumentativos que uma crônica, por exemplo. Procure
observar a forma como as pessoas utilizam a linguagem no cotidiano e perceba a linguagem do
telejornal. Ou compare o jornal escrito com o jornal da televisão, para verificar a diferença na
utilização dos termos, expressões, tempos verbais, etc.
Sugestão: trabalhar os elementos da narrativa no texto 02 (anexos), e a função social da
Literatura.
35
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANTUNES, I. Aula de Português: encontro e interação. SP: Parábola, 2003.
_____, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. SP: Parábola, 2009.
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias –
Língua. 2010.
GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. 3 ed. SP: Ática, 2001.
MACHADO, A. M. O Tao da teia: sobre textos e têxteis. Estud. av. [online]. 2003, vol.17, n.49,
pp. 173-196. ISSN 0103-4014.
SEED PARANÁ. Diretrizes Curriculares da educação básica de Língua Portuguesa. 2008.
FONTES CONSULTADAS
<http://www.dominiopublico.gov.br>.
Danuza Leão. Folha de São Paulo. 16/11/2008.
Revista Veja, 20/03/2005.
Revista Planeta ano 36 edição 433, p. 48-51, outubro de 2008.
Revista Mundo Jovem,Agosto de 2007.
<http://www.brasilescola.com/datacomemorativas/dia-da-arvore.htm>.
Acesso em: 29 de dezembro de 2011.
<http://marioaragao.com.br/o-poder-do-boato/charge-o-poder-do-boato>.
Acesso em: 12 de dezembro de 2011.
Unidade 1
36
Anotações
Anotações
Unidade 2 - Matemática
CONCEITOS BÁSICOS
A ciência matemática é a parte de uma cultura que se tem definido como o conjunto de
conceitos em torno do qual uma população atua e pensa, e, quando utilizada como linguagem e
ferramenta de pensamento, constitui-se em indicador cultural. Esta ciência tem como
elementos básicos a lógica, a intuição, a análise, a construção, a generalidade e a
individualidade. Dessa forma, a matemática possibilita às pessoas estabelecer relações entre
os diferentes aspectos que fazem parte de seu contexto e de sua cultura, analisando
criticamente a diversidade presente na realidade em que vivem. Neste curso, temos como
objetivos específicos:
 Fornecer subsídios básicos de matemática, que alicerçam os Ensinos Fundamental e Médio,
para que o aluno possa compreender e resolver problemas com números reais;
 Compreender a relação de grandezas direta e inversamente proporcionais, por meio de
regra de três;
 Estudar funções, construir e analisar gráficos que são conceitos amplamente utilizados no
cotidiano, necessários ao entendimento de situações reais.
Números e Operações
O homem vive cercado pelos números:
39
Os números estão presentes no dia a dia, sejam nas movimentações de contas
bancárias, nas eleições, na medição de temperaturas, nas placas de veículos. Eles vêm
representados de diversas maneiras:
 Placas de carros, teclas de telefone, entre outros são os chamados números naturais, e se
apresentam assim: 0,1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,...
 As temperaturas podem ser positivas ou negativas; para a representação de altitude em
relação ao nível do mar também são utilizados números positivos ou negativos. Esses são os
números inteiros e se apresentam assim: ..., -3, -2, -1, 0, +1, +2 , +3, ...
 Os preços dos produtos em feiras, os números nos extratos bancários, medidas em receitas
de bolos, são exemplos de números racionais e se apresentam assim: ..., -24, 31; ...; -3; ...; -
1/2; ...; 0; ...; +3/5; ...; +9; ...
Utilizamos os números nas suas diferentes formas de representação, conforme a
necessidade de cada momento.
Analisando o contrachequ
EMPRESA: ______________________________________________________________
RECIBO DE PAGAMENTO DE SALÁRIO - REF: AGOSTO/2008
FUNCIONÁRIO:___________________________________________________________
CARGO:_________________________________________________________________
 Conversar com os alunos sobre a função do contracheque. Explique que se trata de um
documento em que a empresa especifica o ordenado bruto do funcionário, as deduções (de
Imposto de Renda, INSS) e os acréscimos (salário-família, horas extras, gratificações).
 Passeie pela nomenclatura: o que significa cada linha? A que mês o recibo se refere?
Pergunte aos alunos que trabalham como é o contracheque deles - tomando o cuidado de
não criar constrangimento, uma vez que muitos trabalham na informalidade. Aparecem
DESCRIÇÃO VENCIMENTOS DESCONTOS
SALÁRIO 525,00 ---
ALIMENTAÇÃO 130,00 ---
TRANSPORTE --- 27,00
INSS --- 50,00
TOTAL DE VENCIMENTOS
TOTAL DE DESCONTOS
LÍQUIDO A RECEBER
40
Unidade 2
outros itens além dos apresentados?
 Divida a turma em grupos de quatro alunos e peça que calculem o total de vencimentos.
Observe as estratégias utilizadas para resolver o problema e selecione quais delas quer
colocar em discussão. Pergunte quais são as vantagens e as desvantagens dos métodos
utilizados. Repita o procedimento para obter a soma dos descontos e o valor líquido a
receber.
 Proponha à classe o seguinte enunciado: "O trabalhador que recebeu este salário precisa
pagar as seguintes despesas – alimentação: 160 reais; água: 29 reais; luz: 50 reais; aluguel:
170 reais; prestação de um rádio: 40 reais. Qual é o total de despesas a pagar? Quanto sobra
do salário?" Dessa vez, deixe cada um trabalhar individualmente. Discuta novamente as
estratégias de resolução.
Trabalhando a leitura, escrita e interpretação dos números em matemática
 Construa uma frase para cada representação numérica abaixo, escrevendo os números por
extenso.
Calça n.° 40
5.° andar
25 km
12h45min
Vendas 556-0034
m2
28°C
Placa ABC 7489
 Trabalhar a leitura e a interpretação oral de cada item com os alunos.
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
41
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
42
Trabalhando com receitas
Observe as receitas que Dona Márcia fez para o aniversário de seu filho. A festa será
preparada para 40 pessoas, contando, inclusive, o aniversariante.
Brigadeiro
1 lata de leite condensado
3 colheres de sopa de chocolate em pó
1 colher de sopa de margarina
1 pacote de 100 gramas de chocolate granulado para confeitar
Modo de fazer
Misture os três primeiros ingredientes e leve ao fogo brando, mexendo sempre até que se
desprenda do fundo da panela. Despeje num prato fundo. Espere esfriar e enrole os docinhos,
passando-os pelo chocolate granulado, e coloque-os nas forminhas. Rende 40 docinhos.
Beijinho
1 lata de leite condensado
1 pacote de 150 gramas de coco ralado
1 colher de sopa de margarina
Açúcar cristal para confeitar
Modo de fazer
Misture tudo e leve ao fogo brando, mexendo sempre até que se desprenda do fundo da panela.
Despeje num prato fundo. Espere esfriar e enrole os docinhos, passando-os pelo açúcar cristal,
e coloque-os nas forminhas. Rende 40 docinhos.
Bolo de chocolate
7 ovos
7 colheres de sopa de açúcar
7 colheres de sopa de chocolate em pó
100 gramas de margarina
100 gramas de coco ralado
4 colheres de chá de fermento em pó
Modo de fazer
Bata todos os ingredientes no liquidificador. Despeje numa forma de buraco no meio, untada
com margarina e enfarinhada.Asse em fogo moderado.
Cobertura
43
1 lata de creme de leite
1 xícara de chá chocolate em pó
1 xícara de chá de açúcar
Leve ao fogo todos os ingredientes, mexendo sem parar. Assim que ferver, desligue o fogo,
antes que suba. Despeje sobre o bolo ainda quente. Rende 20 pedaços.
Cachorro-quente
16 pãezinhos de 100 gramas
16 salsichas
Ingredientes para o molho
1 cebola pequena
2 dentes de alho amassados
3 tomates maduros picadinhos
2 colheres de sopa de óleo
1 folha de louro
1 colher de sopa de cheiro verde
1 pitada de orégano
sal a gosto
Modo de Fazer: Numa panela coloque o óleo e refogue a cebola. Quando a mesma estiver
dourada, coloque o alho, o louro, o tomate, o sal e, por último, o cheiro verde e o orégano.
Quando começar a grudar no fundo da panela, acrescente 1/4 de copo de 200 ml de água e
deixe até levantar fervura. Acrescente 16 (dezesseis) salsichas previamente cozidas, cortadas
em rodelas. Querendo aumentar o molho, acrescente mais 1/4 de copo de água.
De acordo com as receitas, responda:
a) D. Márcia calculou que cada convidado consumiria 10 brigadeiros, 10 beijinhos, 2 pedaços de
bolo e 2 sanduíches. Calcule a quantidade de ingredientes necessários para cada receita.
b) Supondo que a festa fosse preparada para a metade do total de convidados, calcule a
quantidade de ingredientes para as receitas de D. Márcia.
c) Complete as tabelasA e B a seguir.
44
Unidade 2
Tabela A
Tabela B
d) O bolo rende 20 pedaços. Calcule quantos pedaços será possível obter se houver:
e) Faça uma lista com todos os ingredientes apontados nas receitas, estimando os preços.
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
Ingredientes do cachorro quente Dobro Triplo Metade
16 pãezinhos de 100 gramas
1 cebola pequena
2 dentes de alho
3 tomates
2 colheres de óleo
1 folha de louro
1 colher de cheiro verde
Ingredientes do brigadeiro Dobro Triplo Metade
1 lata de leite condensado
3 colheres de chocolate em pó
1 colher de sopa de margarina
1 pacote de 100 gramas de chocolate granulado
45
f) Com base na estimativa anterior, calcule o custo aproximado de cada receita.
g) Imagine que o aniversário seja o seu. Liste o nome dos seus convidados e estipule a
quantidade de receitas que será necessário fazer (não esqueça de contar você).
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
h) A previsão de tempo que D. Márcia fez para enrolar os docinhos está expressa nas tabelas a
seguir. Complete:
Tabela C
Tabela D
i) Observe as razões da estimativa de D. Márcia:
1 convidado 1 convidado
10 brigadeiros 2 fatias de bolo
Tempo (em minutos) 1 2 3 4 8 10 12 15 20
Docinhos enrolados 4
Tempo (em minutos) 0,5 2,5 4,5 7,5 10,5
Docinhos enrolados 2 10 14 22 34 38
46
Unidade 2
Agora complete as tabelas:
Tabela E
Tabela F
j) Dona Márcia estimou que cada convidado consumiria 500 ml de refrigerante. Quantos
refrigerantes de 2 litros foram adquiridos?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
k) Supondo que faltaram 10 pessoas à festa, quantos litros de refrigerante sobraram?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
Regra de três simples e composta
Entendemos por grandeza tudo aquilo que pode ser medido, contado. O volume, a
massa, a superfície, o comprimento, a capacidade, a velocidade, o tempo, são alguns exemplos
de grandezas. No nosso dia a dia encontramos varias situações em que relacionamos duas ou
mais grandezas.
Exemplos:
 Em uma corrida, quanto maior for a velocidade, menor será o tempo gasto nessa prova.Aqui
as grandezas são a velocidade e o tempo.
 Numa construção, quanto maior for o número de funcionários, menor será o tempo gasto
Convidado 2 3 4 5 10 12 15 30 35
Brigadeiro
Convidado 2 3 4 6 10 12 15 30 40
Fatias de bolo
47
para que esta fique pronta. Nesse caso, as grandezas são o número de funcionários e o
tempo.
Grandezas Diretamente Proporcionais
Em um determinado mês do ano, o litro de gasolina custava R$ 2,79. Tomando como
base esse dado podemos formar a seguinte tabela.
Tabela G
Observe: Se a quantidade de gasolina dobra, o preço a ser pago também dobra. Se a
quantidade de gasolina triplica o preço a ser pago também triplica. Neste caso, as duas
grandezas envolvidas, quantia a ser paga e quantidade de gasolina, são chamadas grandezas
diretamente proporcionais. Isto é, duas grandezas são chamadas diretamente proporcionais
quando dobrando uma delas, a outra também dobra; triplicando uma delas, a outra também
triplica.
Grandezas inversamente proporcionais
Um professor de matemática tem 24 livros para distribuir entre os seus melhores
alunos. Se ele escolher apenas 2 alunos, cada um deles receberá 12 livros. Se ele escolher 4
alunos, cada um deles receberá 6 livros. Se ele escolher 6 alunos, cada um deles receberá 4
livros.
Observe a tabela:
Tabela H
Quantidade de gasolina (em litros) Quantidade a pagar (em reais)
1 2,79
2 5,58
3 8,37
Número de alunos escolhidos. Números de livros para cada aluno
2 12
4 6
6 4
48
Unidade 2
Observe: Se o número de alunos dobra, a quantidade de livros cai pela metade. Se o
número de alunos triplica, a quantidade de livros cai para a terça parte. Isto é, duas grandezas
são inversamente proporcionais quando dobrando uma delas, a outra se reduz para a metade;
triplicando uma delas, a outra se reduz para a terça parte... e assim por diante.
Regra de três simples
Regra de três simples é um processo prático para resolver problemas que envolvam
quatro valores dos quais conhecemos três deles. Devemos, portanto, determinar um valor a
partir dos três já conhecidos.
Passos utilizados numa regra de três simples
1 - Construir uma tabela, agrupando as grandezas da mesma espécie em colunas e mantendo
na mesma linha as grandezas de espécies diferentes em correspondência.
2 - Identificar se as grandezas são diretamente ou inversamente proporcionais.
3 - Montar a proporção e resolver a equação.
Exemplos:
a) Se 8m de tecido custam 156 reais, qual o preço de 12 m do mesmo tecido?
Observe que as grandezas são diretamente proporcionais, aumentando o metro do
tecido aumenta na mesma proporção o preço a ser pago.
Observe que o exercício foi montado respeitando o sentido das setas.
Resposta:Aquantia a ser paga é de R$ 234,00.
49
b) Um carro, à velocidade de 60 km/h, faz certo percurso em 4 horas. Se a velocidade do carro
fosse de 80 km/h, em quantas horas seria feito o mesmo percurso?
Observe que as grandezas são inversamente proporcionais, aumentando a velocidade
o tempo diminui na razão inversa.
Resolução:
Observe que o exercício também foi montado respeitando os sentidos das setas.
Resposta: O tempo a ser gasto é 3 horas.
Regra de Três Composta
Aregra de três composta é utilizada em problemas com mais de duas grandezas, direta
ou inversamente proporcionais.
Exemplo:
a) Em 8 horas, 20 caminhões descarregam 160 m3 de areia. Em 5 horas, quantos caminhões
serão necessários para descarregar 125 m3?
50
Unidade 2
Aumentando o número de horas de trabalho, podemos diminuir o número de
caminhões. Portanto, a relação é inversamente proporcional (seta para cima na 1ª coluna).
Aumentando o volume de areia, devemos aumentar o número de caminhões. Portanto, a
relação é diretamente proporcional (seta para baixo na 3ª coluna). Devemos igualar a razão que
contém o termo x com o produto das outras razões de acordo com o sentido das setas.
Resolução:
Serão necessários 25 caminhões.
ATIVIDADES
Lembrete:
 organizar as informações em uma tabela;
 verificar a relação de proporcionalidade entre cada uma das grandezas com a grandeza que
queremos determinar, isto é, considere somente uma variação de cada vez.
1 - Em uma feira, há um cartaz, que diz o seguinte:
1 kg de batatinha ___________________________________________________R$ 3,80
3 kg de batatinha____________________________________________________R$ 9,60
5 kg de batatinha___________________________________________________R$ 15,00
Verifique se o preço total a pagar é diretamente proporcional ao “peso”. Justifique sua
resposta.
1 - No livro de receitas de D.Ana, encontramos a seguinte receita:
 Ovos na palha
 6 ovos
51
 1 colher de sopa de óleo
 100 gramas de salame fatiado e cortado em tiras
 ½ xícara (chá) de cebolinha verde picada
 100 gramas de batata palha
 1 colher (café) rasa de sal
 ½ colher (café) de pimenta-do-reino branca
 Rendimento: 3 porções
a)Como deverá ficar a receita se forem usados 12 ovos? E se forem usados somente 3 ovos?
b) O que se deve fazer com a receita para obter 9 porções?
c) Que fator de proporcionalidade você usou no item a para obter as outras quantidades de
ingredientes em cada um dos casos?
d)As grandezas ingredientes e rendimento são diretamente proporcionais?
1 - Se 20 litros de álcool custam R$ 25,00, quanto custarão 34 litros desse combustível no mes-
mo posto de abastecimento?
2 - Doze operários, trabalhando 8 horas por dia, fazem 20 m de muro em 10 dias. Quantas horas
devem trabalhar por dia 16 operários, nas mesmas condições, para concluir, em 6 dias, 13 m
do mesmo muro?
3 - O encarregado de uma obra quer encher um reservatório usando duas torneiras. Juntas elas
despejam 3600 litros de água em 5 horas. Em quantas horas 6 torneiras juntas, com a
mesma vazão que as anteriores, despejariam 5400 litros de água?
52
Unidade 2
PORCENTAGEM E JUROS
Porcentagem
O que tem mais água, uma uva ou uma banana?
Para responder corretamente são necessárias algumas informações, ou seja:
 Em uma uva de 5 g, há cerca de 4 g de água.
 Em uma banana de 100 g, há cerca de 75 g de água.
Mostrar aos alunos que há duas interpretações possíveis para a pergunta. Uma
possível resposta é que há mais água na banana (75 g, contra 4 g na uva). Nesse caso, estão
sendo comparados os valores absolutos de água na banana e na uva. Entretanto, uma
segunda interpretação refere-se aos valores relativos de água, isto é à proporção, ou à parte
que a água ocupa em cada fruta. Perguntar aos alunos como eles calculariam essas partes.
Conduzir a discussão para a representação fracionária das partes de água em cada fruta:
 Em cada 5 g de uva há 4 g de água. Portanto, a fração de água na uva é 4/5.
 Em cada 100 g de banana, há 75 g de água. Portanto, a fração de água na banana é 75/100.
Mas a pergunta permanece: qual fração é maior? Lembrar que para comparar frações,
é mais fácil deixá-las no mesmo denominador. Para achar uma fração equivalente a 4/5 que
tenha denominador 100, por exemplo, basta multiplicar numerador e denominador por 20,
chegando à fração 80/100.
Assim, fica fácil concluir que há proporcionalmente mais água na uva do que na banana
(80/100 contra 75/100).
 Relembrar os alunos que as frações de denominador 100, que apareceram no problema
acima, são chamadas de porcentagens, que são representadas pelo símbolo %:
80/100 = 80%
Reforçar o ponto fundamental:
porcentagens são frações de denominador 100!
75/100 = 75%
53
Mostrar que o termo “por cento” tem exatamente o mesmo significado de centésimo.
Assim, as porcentagens são usadas para representar partes, ou proporções, tomando
como referência (denominador) o número 100. Portanto, quando se diz que o percentual de
água na uva é 80%, isso significa que de cada 100 partes (em massa) da uva, 80 correspondem
à água.
Como veremos adiante, porcentagens são muito usadas para quantificar juros.
 Retomando a representação decimal de porcentagens:
 80% = 80/100 = 0,8
 1% = 1/100 = 0,01
 110% =110/100 = 1,1 (esta é uma parte maior do que a unidade, e isso é
perfeitamente possível)
 Temos dois tipos básicos de problemas que envolvem porcentagens:
 Problema Tipo 1: Calcular uma porcentagem de um número.
 Exemplo: Calcular 80% de 5 g.
 Resolução:
 Devemos multiplicar a porcentagem (na forma decimal é mais simples) pelo número
dado.
 0,8 ∙ 5 = 4 g.
 Problema Tipo 2: Calcular qual a porcentagem que um número representa de outro.
 Exemplo: O salário mínimo era de R$ 510,00 e passou para R$ 545,00. Qual foi o
aumento porcentual?
 Resolução:
 Primeiramente, deve-se identificar que a questão pede o aumento porcentual. Como
o aumento foi de R$ 35.00, deve-se descobrir que porcentagem 35 representa de
510. Para isso, basta dividir 35 por 510.
 = 0,0686... 0,069 = 6,9%.
O quadro abaixo sistematiza a forma de resolver ambos os tipos de problema.
Tipo 1 Calcular x% de y Multiplicar por y*
Tipo 2 Calcular a porcentagem que x representa de y Dividir x por y**
*Frequentemente, o cálculo torna-se mais simples se for escrito na forma decimal (exemplo 8% =8/100 =
0,08).
**Dividindo-se x por y na calculadora, o resultado sai na forma decimal. O valor do porcentual é obtido
multiplicando o resultado dessa divisão por 100, conforme o exemplo acima.54
Unidade 2
Atividades
1- Calcular 12,5% de R$ 500,00.
2- Calcular que porcentagem 12 representa de 60.
3- Com base em panfletos de propagandas das lojas e supermercados, escolha 5 itens de
mesma natureza anunciados para vendas a prazo e preencha a tabela abaixo com os dados
solicitados, fazendo os cálculos necessários.
Juros
Uma boa conceituação de juros encontra-se na enciclopédia Wikipédia.
“O juro pode ser compreendido como uma espécie de "aluguel sobre o dinheiro".Ataxa
seria uma compensação paga pelo tomador do empréstimo para ter o direito de usar o dinheiro
até o dia do pagamento. O credor, por outro lado, recebe uma compensação por não poder usar
esse dinheiro até o dia do pagamento e por correr o risco de não receber o dinheiro de volta
(risco de inadimplência).
A comparação com o aluguel é muito esclarecedora. Quando uma família aluga (toma
emprestado) um imóvel, ela se compromete a devolver para o proprietário, após um tempo
determinado, o imóvel mais um valor em dinheiro, referente ao aluguel. Nessa lógica, o próprio
dinheiro também pode ser visto como um bem a ser usado, assim como um imóvel. Quando
alguém aluga esse bem, deve pagar/receber por isso. Na vida cotidiana, há basicamente dois
tipos de situações que envolvem pagamento de juros:
 dívidas contraídas (empréstimos bancários, crediários etc)
 rendimento de aplicações financeiras (poupança, fundos etc).
NOME DA
MERCADORIA
PREÇO À
VISTA
N0 DE
PARCELAS
FINANCIADAS
PREÇO A
PRAZO
DIFERENÇA ENTRE O
PREÇO A VISTA E O
PREÇO A PRAZO
% DE JUROS
COBRADOS AO FINAL
DO FINANCIAMENTO
EM RELAÇÃO AO
PREÇO A VISTA
55
Praticamente em todas as situações, os juros são calculados como uma porcentagem
do valor devido/aplicado. Por isso é muito importante estar familiarizado com os cálculos de
porcentagem.
Juros Simples: são acréscimos que são somados ao capital inicial no final da aplicação.
Afórmula do Juro Simples é: j = C.i.t
Onde: j = juros, C = capital, i = taxa, t = tempo
Exemplo: Considere que uma pessoa empresta a outra a quantia de R$ 2.000,00, a juros
simples, pelo prazo de 3 meses, à taxa de 3% ao mês. Quanto deverá ser pago de juros?
Resolução:Antes de iniciarmos a resolução deste problema, devemos descobrir o que é o quê,
ou seja, quais dados fazem parte das contas.
Capital Aplicado (C): R$ 2.000,00 Tempo de Aplicação (t): R$ 3 meses
Taxa (i): 3% ou 0,03 ao mês (a.m.)
Fazendo o cálculo, teremos: J = C . i. t J = 2.000 x 3 x 0,03 R$ 180,00
Ao final do empréstimo, a pessoa pagará R$ 180,00 de juros. Observe, que se fizermos
a conta mês a mês, o valor dos juros será de R$ 60,00 por mês e esse valor será somado mês a
mês, nunca mudará
Juros Composto: são acréscimos que são somados ao capital, ao fim da cada período de
aplicação formando com esta soma um novo capital.
Afórmula dos Juros Compostos é: M = C. (1 + i)t
Onde: M = Montante, C = Capital, i = taxa de juros, t = tempo.
Considerando o mesmo problema anterior, da pessoa que emprestou R$ 2.000,00 a uma taxa
de 3% (0,03) durante 3 meses, em juros simples, teremos:
Capital Aplicado (C) = R$ 2.000,00 Tempo de Aplicação (t) = 3 meses
Taxa deAplicação (i) = 0,03 (3% ao mês)
Fazendo os cálculos, teremos: M = 2.000 ( 1 + 0,03)³ M = 2.000 . (1,03)³ M = R$ 2.185,45
Ao final do empréstimo, a pessoa pagará R$ 185,45 de juros. Observe, que se fizermos
a conta mês a mês, no primeiro mês ela pagará R$ 60,00, no segundo mês ela pagará R$ 61,80
56
Unidade 2
e no terceiro mês ela pagará R$ 63,65.
Normalmente quando fazemos uma compra a prazo, por exemplo, os juros cobrados
são os Juros Compostos. Praticamente todas lojas comerciais adotam os juros sobre juros
(Juros Compostos).
Atividades
1- João fez um empréstimo com um amigo por um período de 6 meses e pagou R$ 540,00 de
juros. Sabendo que a taxa foi de 3% ao mês, calcule o valor que João pediu emprestado?
2- Determine o montante produzido por um capital de R$ 20.000,00 a uma taxa de 12% a.a.
durante 5 meses, considerando-se juros simples.
3- Ana quer comprar uma televisão que custa à vista R$ 650,00. Como Ana não tem todo o
dinheiro para comprar, propôs que ela pagasse com um cheque pré-datado para 2 meses,
com um valor de R$ 721,50. Qual foi a taxa mensal cobrada?
4- Aplicando-se R$ 10.000,00 em um banco que paga juros compostos de 2% ao mês, quanto
será o montante após 4 meses?
Observação: Para todas as atividades, primeiro verificar o que se pede, ou seja, retirar os
dados do problema.
Atividades Propostas:Tratamento de Informação
57
Anotações
ORGANIZANDO DADOS EMTABELAS
Marília tinha em seu porta-níqueis 11 moedas, totalizando 1 real. Se não havia moeda
de R$ 0,25, quantas moedas e de quais valores havia no porta-níqueis de Marília?
Resolução:
Leitura e interpretação de dados em tabela
 Antes de iniciar a atividade, peça aos alunos que relatem suas experiências com o trânsito,
58
Unidade 2
especialmente no que se refere ao tipo de transporte que utilizam para ir ao trabalho, quais os
perigos que enfrentam no trânsito e de que modo se protegem desses perigos.
 Organize no quadro-negro uma tabulação do tipo de transporte utilizado pelos alunos para ir
ao trabalho.
 Com os dados coletados, construa um gráfico de colunas mostrando os procedimentos de
construção para os alunos.
 Comente sobre as infrações que os motoristas estão sujeitos e as consequências.
Leia os dados apresentados na tabela para responder às questões em seu caderno:
Fonte: <http://www.detran.go.org.br>.
a) Aque se referem os dados apresentados na tabela? Onde esses dados foram obtidos?
b) Que tipo específico de infração teve maior aplicação de multas nesse período?
c) Qual foi o total de multas aplicadas nesse período?
d)Ao ser multado por dirigir com fones de ouvido, o motorista paga aproximadamente 85 reais.
Qual foi o valor aproximado arrecadado pelo estado de Goiás com esse tipo de multa?
MEXA-SE
Uma pessoa que gasta 150 quilocalorias (Kcal) por dia em atividade física já não é
considerada sedentária. Veja no quadro em que atividades e em quanto tempo se podem gastar
essas quilocalorias.
 45 minutos lavando carro;
 20 minutos nadando;
MULTAS APLICADAS NO ESTADO DE GOIÁS (JANEIRO A JULHO D E 2006)
INFRAÇÃO TOTAL DE MULTAS
Desobedecer ao sinal fechado ou à parada obrigatória 41.516
Exceder o limite de velocidade 157.212
Apresentar falta ou a deficiência de equipamentos obrigatórios 17.299
Dirigir usando fones de ouvido 25.429
Deixar, o condutor ou o passageiro, de usar cinto de segurança 11.444
Outras infrações 223.941
59
 30 minutos jogando basquete;45 minutos lavando os vidros da janela ou o chão
da casa;
 30 minutos andando três quilômetros;
 15 minutos andando de bicicleta seis quilômetros.
a) Descubra em quanto tempo (x) se pode correr 3 quilômetros para gastar as 150 quilocalorias,
sabendo que:
_5_ + _4__ = _ 7_
x x+1 12
b) Se uma pessoa nadar 30 minutos por dia, quantas Kcal ela vai gastar?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
c) Laura gasta 45 minutos para ir e voltar da escola de bicicleta. Quantas quilocalorias ela
gasta?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
d) Se você nadar 40 minutos, gastar mais 300 Kcal jogando basquete, e ainda andar mais 6 km,
quantas quilocalorias irá gastar no total e em quanto tempo?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
Autoavaliação: são atividades para serem realizadas com base em conhecimentos já
adquiridos anteriormente e os revistos no curso.
1- Vou para Barro Preto, saindo de São Joaquim. Tenho duas opções de caminho: por São João
ou por Santa Maria. Observando o esquema diga: por qual destes caminhos o trajeto é
menor?
60
Unidade 2
2- Você sabe como determinar a idade de uma árvore? Quando a madeira é cortada no sentido
radial (em discos), conforme figura a seguir, aparecem linhas circulares claras e escuras –
são os anéis de crescimento. Cada par de anéis (1 claro e 1 escuro) representa um ano de
crescimento da árvore; contando-se os pares de anéis, tem se a “idade da árvore”.
Corte radial de uma árvore
a) Qual é a idade da árvore acima, se considerarmos as linhas que aparecem na ilustração?
b) O desenho que aparece no corte radial da árvore nos dá a idéia de uma figura plana. Que
figura é esta?
3- Lúcia fez um balanço de quantos litros de leite foram vendidos em seis dias da semana e
representou no quadro abaixo. Um dos números ficou ilegível. Descubra quantos litros de
leite ela vendeu no Sábado
LEVANTAMENTO DE VENDADE LEITE
4-Aloja de eletrodomésticos anotou as vendas do mês de maio:
a) Qual o eletrodoméstico mais vendido?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
b) Qual o que menos vendeu?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
Dias da semana seg ter qua qui sex sab dom
Litros de leite (vendidos) 17 22 34 35 27 -- 170
ELETRODOMÉSTICO TOTAL DE VENDAS VALOR UNITÁRIO
Liquidificador 5 78 reais
Ferro elétrico 3 45 reais
Batedeira 4 86 reais
Aspirador de pó 8 120 reais
61
c) Quantos eletrodomésticos foram vendidos no mês de maio?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
d) Quanto à loja recebeu vendendo?
Liquidificador________Ferro elétrico________Batedeira________Aspirador de pó________
62
Anotações
Unidade 2
BIBLIOGRAFIACONSULTADA
GIOVANNI, J. R. A conquista da matemática. São Paulo: FTD, 2002 (Coleção a Conquista da
matemática, 60 ao 90 ano)
PAIVA, M. Matemática: volume único. São Paulo: Editora Moderna, 1999.
Projeto Araribá: Matemática: Ensino Fundamental/ Obra coletiva, concebida desenvolvida e
produzida pela Editora Moderna, 2007.
<http://www.portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/eja/propostacurricular/primeirosegmento/pr
opostacurricular.pdf>.
<http://www.mundovestibular.com.br/articles/451/1/GRANDEZAS---REGRA-DE-
TRES/Paacutegina1.html>.
<http://pt.wikipedia.org/wiki/Juro>.
63
Anotações
Unidade 3 - Informática básica
CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA
Um computador para funcionar precisa de duas partes distintas, conhecidas como
hardware e software.
Hardware: é a parte física do computador, ou seja, são as peças que em conjunto formam um
computador. Exemplos de hardware são: mouse, teclado, monitor, memória, placa de vídeo,
placa de rede, dentre outros.
Software: é a parte lógica do computador, ou seja, são os programas do computador. Exemplos
de softwares são: Linux, Windows, Writer, Calc, Impress, Base, Word, Excel, PowerPoint,
dentre outros.
Os softwares se dividem nas seguintes categorias:
Software básico: é um conjunto de programas que auxiliam na execução de diversos
softwares aplicativos. É formado pelos seguintes componentes principais:
 Sistema Operacional: software que gerencia e controla o computador.
 Compiladores e Interpretadores: são softwares que traduzem ou interpretam os programas
escritos em diferentes linguagens de programação.
 Linguagens de Programação: conjunto de regras sintáticas e semânticas que permitem
escrever os programas de computadores.
 SoftwareAplicativo: são softwares utilizados para executar tarefas específicas dos usuários.
Por exemplo, um editor de textos, uma planilha de cálculo, um software contábil, entre outros.
SISTEMAOPERACIONAL
O sistema operacional é um software que gerencia o computador e torna possível a
interface entre o usuário e o computador. O sistema operacional é quem controla o gerencia-
mento de dispositivos físicos como memória, processador, disco rígido, entre outros, e que
permite a execução de aplicativos, como o BrOffice, por exemplo.
Quando ligamos o computador o sistema operacional inicia-se automaticamente
permitindo que o usuário possa dar seus comandos ao computador. Existem diversos tipos e
65
versões de sistemas operacionais, dentre eles destacam-se: Windows, Linux, Unix, OS 2,
MacOS, entre outros.
O sistema operacional que vamos estudar é o Linux por ser considerado software livre,
ou seja, não é necessário o usuário adquirir a licença para uso posterior. Esses softwares já vêm
acompanhados por uma licença de software livre.
SISTEMAOPERACIONALLINUX – UM POUCO DAHISTÓRIA
O Linux foi criado como um projeto universitário de um estudante finlandês, chamado
Linus Torvalds. Por volta de 1983, foi criada por Richard Stallman uma fundação sem fins
lucrativos, chamada Free Software Foudantion (FSF), cujo objetivo era lutar contra as
restrições de cópia e alterações de software, ou seja, incentivar a criação de software livre para
cópia e alterações. Pra tanto, a FSF criou uma licença pública geral chamada GNU (General
Public Licence) que regulamenta a distribuição e alterações no software e as condições para
cópia. Linus Torvalds resolveu disponibilizar o código-fonte do Linux sob a licença GNU com o
objetivo de conseguir a ajuda de outros desenvolvedores. A partir daí, muitos desenvolvedores
se interessaram pelo projeto e começaram a adicionar novas funcionalidades e recursos ao
sistema. Em 1991 a primeira versão oficial do Linux foi divulgada.
SISTEMASAPLICATIVOS – BrOffice
O BrOffice é uma suíte de escritório que integra editores de texto, planilhas de cálculo,
apresentação e editor de imagens, aplicativo de banco de dados e inclui aplicativos para
fórmulas matemáticas. Foi desenvolvido por uma comunidade de engenheiros com código
aberto, ou seja, seu código-fonte é disponibilizado podendo ser alterado, devido ao software ser
considerado livre.
O BrOffice é compatível com os formatos mais comuns do mercado como, por
exemplo, os aplicativos da Microsoft. Essa praticidade auxilia os usuários a executar um
arquivo, desde que seja da mesma família, em softwares distintos. Os aplicativos possuem uma
interface semelhante ao pacote Office da Microsoft, o que torna fácil a utilização dos aplicativos
do BROffice para os usuários que trabalham com a suíte da Microsoft.
Aplicativos BrOffice
Dentre os aplicativos do BROffice estudaremos o Writer, o Calc e o Impress.
66
Unidade 3
Writer: processador e editor de textos.
Calc: aplicativo utilizado para a criação de planilhas eletrônicas simples ou de cálculo. Os
cálculos são realizados através de funções matemáticas como somar, calcular média, valores
maiores ou menores, contar, dentre outros cálculos.
Impress: permite a criação de apresentações eletrônicas com a inserção de recursos multimí-
dia como imagens, sons, textos, animações. Essas apresentações podem ser utilizadas em
palestras, aulas e apresentações em geral.
Salvando um documento
O método para salvar um documento no BrOffice não muda entre um aplicativo e outro.
Para salvar um documento há duas considerações a serem observadas:
 Se for a primeira vez que você está salvando o documento clique no menuArquivo >> Salvar
Como ou pressione as teclas CTRL+ SHIFT + S. Uma tela será aberta para você e escolher o
local onde deseja armazenar o documento e inserir o nome do documento.
 Se você alterou um documento e deseja salvar as alterações clique no menu Arquivo >>
Salvar ou pressione as teclas CTRL+ S.
Figura 1 – Salvar e Salvar Como
Abrindo um documento
O método para abrir um documento já existente no BrOffice não muda entre um
aplicativo e outro.
Para abrir um documento clique no menuArquivo >>Abrir ou pressione as teclas CTRL
+ O. Na tela que se abre escolha o local onde o documento foi salvo. Clique no documento e
67
clique no botãoAbrir ou dê dois cliques sobre o arquivo escolhido.
Em qualquer uma das opções aparecerá a janela “Abrir” com a lista de pastas e
arquivos disponíveis ao uso.
Imprimindo um documento
Para imprimir um documento qualquer utilizando um dos aplicativos do BrOffice clique
no menu Arquivo >> Imprimir ou pressione as teclas CTRL + P. A tela de impressão aparecerá
no seu monitor.
Figura 2 – Imprimir Documento
Nome: selecione a impressora que será utilizada para a impressão do documento.
Propriedades: ativa o programa da impressora para serem ajustados.
Intervalo de impressão: através dessas opção é possível definir se todas as páginas do
documento serão impressas, ou se apenas algumas páginas serão impressas. Você deve
separar com ponto e vírgula se desejar imprimir páginas alternadas e dois pontos se desejar
imprimir páginas sequencias.
Cópias: definir o número de cópias de impressão do documento.
68
Unidade 3
Exercícios
O que é um software livre?
Quando se fala em software, o termo livre significa disponível, sem a necessidade de
comprá-lo para uso posterior.
Por que todo o computador precisa de um sistema operacional?
Como o próprio nome diz, o sistema operacional gerencia ou opera o computador.
O que é software aplicativo?
Todo sistema operacional precisa de softwares aplicativos para que o usuário possa
realizar tarefas específicas em um computador como, por exemplo, digitar uma carta ou fazer
uma planilha de cálculo.
O que é hardware?
Além do sistema operacional e softwares aplicativos, para um computador funcionar é
necessário montá-lo de forma adequada para que todas as funções sejam executadas de forma
satisfatória. Para isso existem várias peças que formam um computador como, por exemplo, o
teclado que permite a inserção de dados no computador.
O que é software? E como se classificam?
Quando você está trabalhando no computador você está executando programas para
poder realizar as suas tarefas como, por exemplo, digitar um texto ou acessar Internet.
Lembrando que isso só é possível porque existe um sistema que controla todas as ações do
usuário.
Por que o sistema operacional Linux não possui o editor de textos microsoft word?
Existem softwares que são considerados livres, ou seja, podem ser utilizados sem a
necessidade de adquirir uma licença para uso, e existem softwares que são considerados
proprietários, que necessitam adquirir uma licença para uso. O funcionamento dos softwares
69
aplicativos dependem de qual sistema operacional o usuário utiliza.
Qual a diferença entre os métodos salvar e salvar como?
Salvar significa armazenar o arquivo no computador. Esses arquivos podem ficar
armazenados no disco rígido - também chamado de HD (Hard Disk) – ou em mídias removíveis
como um pen drive, CD ou DVD. Sempre que um arquivo for criado é necessário salvá-lo para
uso posterior. Caso o arquivo não for salvo, ao desligar o computador o mesmo é perdido.
WRITER – PROCESSADOR E EDITOR DETEXTOS
O Writer é um processador e editor de texto que permite a criação e edição de textos
altamente profissionais, pois dispõe de recursos específicos para a formatação, inserção de
imagens e tabelas. Com ele é possível criar um simples texto como uma carta, ofício, memoran-
do, dentre outro documentos do gênero, como documentos mais complexos, como um livro ou
uma apostila.
INICIANDO O WRITER
 No Windows: Iniciar >> Programas >> BrOffice.org >> BrOffice.org Writer.
 No Linux:Aplicativos >> Escritório >> BrOffice.org Writer.
Figura 3 – Tela do Writer
1- Barra de Título - É onde fica localizado o nome do arquivo e do programa.
2- Barra de Menus - Contém os menus onde se encontram todos os comandos importantes do
BrOffice.org - Writer.
1
2
3
4
5
7
6
70
Unidade 3
3- Barra de Ferramentas Padrão - Contém os botões de atalho para as funções mais comuns
do BrOffice.org - Writer.
4- Barra de Formatação -Apresenta atalhos para os principais comandos de formatação.
5- Régua - indica os limites do texto, considerando as margens direita, esquerda, superior,
inferior e parágrafos.
6- Área de Edição - Local onde será editado o documento.
7- Barra de Status - Mostra informações como quantidade de páginas do documento, idioma
que está sendo utilizado, tecla INSERTligada ou desligada, zoom, etc.
Criando um documento novo de texto
Para criar um novo documento de texto clique em Arquivo >> Novo >> Documento de
texto ou pressione as teclas CTRLN.
Formatando caracteres
Ao digitar um texto no Writer, ou qualquer outro editor de textos, é necessário formatá-
lo, ou seja, dar uma aparência melhor ao texto. Para isso, é necessário fazer algumas
alterações no documento como tipo e tamanho da fonte, alinhamento, espaçamento entre as
linhas, formatação das margens do documento, dentre outras alterações.
Para alterar tamanho e tipo de fonte no Writer primeiramente você deve selecionar o
texto e clicar em Formatar >> Caracteres.
Figura 4 – Guia Caractere
Fonte: Lista de fontes disponíveis no sistema.
71
Tipos de fontes:Tipos para a fonte selecionada.
Tamanho: Lista de tamanhos para a fonte selecionada.
Idioma: Pode-se escolher o idioma para a fonte selecionada.
Formatando alinhamento do texto
Alinhamento é a posição do texto em relação às margens. Existe alinhamento à direita,
à esquerda, centralizado e justificado. Para defini-lo, clique no menu Formatar >> Parágrafo.
Figura 5 – Guia Parágrafo / Alinhamento
Alinhamento à esquerda: Nesta formatação o alinhamento se concentra apenas do lado
esquerdo, o final de cada linha do parágrafo é ajustado automaticamente pelo Writer.
Alinhamento à direita: Ao contrário do anterior, nesta formatação, a preocupação é com o
alinhamento à direita da linha.
Alinhamento ao centro: Neste caso não existe preocupação com as margens e sim, em
centralizar o texto em relação à largura da linha.
Alinhamento justificado: O parágrafo justificado alinha-se tanto a direita como a esquerda da
linha, por isso aparece alguns espaçamentos entre as palavras. O Writer apresenta a possibili-
dade de definir o alinhamento da última linha do parágrafo justificado.
72
Unidade 3
Formatando recuos e espaçamento do texto
Figura 6 – Guia Parágrafo / Recuos e Espaçamento
Recuo: Essa seção trabalha com avanço de parágrafo da esquerda e da direita, recuo
específico para a primeira linha, inclusive com valores negativos.
Antes do texto: Define a margem esquerda do parágrafo a partir da margem esquerda da
página.
Depois do texto: Define a margem direita do parágrafo a partir da margem direita da página.
Primeira linha: Define a margem esquerda da primeira linha do parágrafo a partir da margem
do parágrafo (antes do texto).
Espaçamento: Determina o espaço antes e depois do parágrafo onde se encontra o cursor.
Espaçamento de linhas: Define o espaço entre as linhas do mesmo parágrafo selecionado.
Configurando página
Para indicar qual o tamanho do papel e as margens da página, clique em Formatar >>
Página >> Guia Página.
73
Figura 7 – Guia Página
Formato do papel: Para indicar tamanhos pré-definidos, ou usando as caixas Largura eAltura,
indicando o tamanho certo do papel. Em Orientação indicamos se a página será Retrato (em pé)
ou Paisagem (deitada);
Margens: Indica o limite que o texto terá em relação às bordas da página.
CABEÇALHO E RODAPÉ
O cabeçalho, localizado na parte superior de uma página, é um espaço destinado para
que se possa inserir o timbre de uma empresa ou até mesmo a numeração de um documento. O
rodapé, localizado na parte inferior da página, também destinado a exibir a numeração de
páginas e outras informações.
Para exibir um Cabeçalho na página, clique em Inserir >> Cabeçalho >> Padrão. Note
que um pequeno retângulo passa a ser exibido na parte superior da sua página.
Digite dentro do Cabeçalho/Rodapé o que desejar e este será impresso em todas as
páginas do documento. Pode-se utilizar no Cabeçalho/Rodapé todos os tipos de formatações,
como se estivesse digitando um parágrafo normalmente.
As páginas podem ter Cabeçalhos/Rodapés diferentes. Por exemplo, em um livro cada
capítulo pode ter um cabeçalho diferente, pode-se, então, utilizar recursos avançados para a
realização dessa tarefa. Para tanto, deve-se utilizar estilos de páginas diferentes para cada
capítulo, conteúdo não visto nessa apostila.
74
Unidade 3
Numeração de páginas
Para adicionar numeração de páginas, primeiro é necessário escolher se a mesma
ficará no Cabeçalho ou no Rodapé. Na seqüência clique em Inserir >> Campos >> Número da
página.
Exercícios
1. Abra o editor de texto Writer e digite um texto qualquer (copie de um livro, se preferir) de no
mínimo 20 páginas e que tenha um título.
2. Formate o texto da seguinte forma:
a. Para o título aplique fonte Loma, tamanho 14 e cor vermelha. O alinhamento deve ser
centralizado.
b. Para o texto aplique fonte Dejavu Serif, tamanho 12 e cor cinza escuro. O alinhamento deve
ser justificado.Aplique parágrafo de 2,0 cm espaçamento entre linha de 1,5.
3. Salve o texto onde preferir com o nome deTexto1.
4. Feche o Writer.
5.Abra novamente o Writer e oTexto1 e faça as seguintes alterações.
6. Mude a cor da fonte do título para verde.
7. Mude o tamanho da fonte do texto para 10.
8. Salve novamente o documento.
CALC
O Calc é um aplicativo utilizado para a criação de planilhas eletrônicas simples ou de
cálculo. Os cálculos são realizados através de funções matemáticas como somar, calcular
média, valores maiores ou menores, contar, dentre outros cálculos.
Planilhas do broffice
Iniciando uma planilha no BrOffice
 No Windows: Iniciar >> Programas >> BrOffice.org >> BrOffice.org Calc
 No Linux:Aplicativos >> Escritório >> BrOffice.org Calc
75
Atela do BrOffice Calc
Figura 8 – Tela do Calc
O Calc é composto por um grupo de planilhas localizadas na parte inferior esquerda da
tela. Cada planilha é composta por um conjunto de linhas e colunas. As colunas são nomeadas
com as letras do alfabeto. As linhas são numeradas. Cada célula pode ser identificada pelo
cruzamento de uma coluna com uma linha, por exemplo, dizemos que a célula composta pela
colunaAe linha 1 chama-se célulaA1, sendo este o endereço da célula.
Criando uma nova planilha
Para criar uma nova planilha clique no menu Arquivo >> Novo >> Planilha ou pressione
as teclas CTRLN.
Trabalhando com dados em uma planilha
Nas células poderão ser digitados números, caracteres, caracteres especiais, etc. Ao
terminar a entrada de dados na célula, tecle Enter ouTab.
Se o texto for maior que o tamanho da célula, ele ocupará o espaço da próxima célula,
Barra de Título Barra de Menus Barra de Ferramentas Padrão
Barra de Formatação
BarradeFórmulas
Célula ativa
Planilha ativa
76
Unidade 3
se esta estiver vazia. Para resolver esse problema basta aumentar a largura da célula A1
clicando na divisão entre as células A e B (identificada na imagem) e arrastando até a posição
desejada.
Figura 9 – Tela do Calc / Planilha
Para excluir os dados de uma célula basta selecioná-la e pressionar a tecla Delete.
Para selecionar um conjunto de células clique sobre a primeira célula que deseja
selecionar e arraste até a posição desejada.
Alterando a altura das linhas
Selecione as linhas a serem alteradas e clique em Formatar >> Linha >>Altura, digite o
valor desejado e clique em Ok.
Para alterar a altura da linha manualmente, posicione o cursor entre uma linha e outra.
Quando o cursor do mouse alterar, clique e arraste até obter a altura da linha desejada.
Alterando a largura das colunas
Selecione as colunas a serem alteradas e clique em Formatar >> Coluna >> Largura,
digite o valor desejado e clique em Ok.
Para alterar a altura da linha manualmente, posicione o cursor entre uma coluna e
outra. Quando o cursor do mouse alterar, clique e arraste até obter a largura da coluna
desejada.
Alinhando dados nas células
Após a inserção dos dados na célula, eles são alinhados automaticamente.
Os dados numéricos são alinhados à direita nas células e os textuais alinhados à
esquerda. Para alinhar os dados de outra maneira, selecione a célula ou o intervalo de células,
clique em Formatar >> Células >>Alinhamento e selecione as opções desejadas.
77
Inserindo bordas nas células
Para colocar bordas nas células, selecione a célula ou o intervalo de células e clique em
Formatar >> Célula >> Bordas, selecione o estilo e a cor da borda e a disposição desejada e
clique Ok.
Formatando plano de fundo
Para inserir uma cor de fundo na célula selecione a célula ou o intervalo de células e
clique em Formatar >> Células >> Plano de fundo e selecione a cor desejada.
Formatando valores da célula
Em uma célula você pode inserir diferentes tipos de valores como data, hora, moeda,
texto, entre outros. Para cada tipo de dado inserido existe uma formatação pré-definida.
Exemplo: em uma célula que possui o valor do tipo moeda, é necessário inserir o sinal da moeda
como “R$”, por exemplo.
Para formatar os dados selecione o conjunto de células desejados clique no menu
Formatar >> Célula selecione a guia “Números” e opção “Moeda”.
Mesclando células
Mesclar células significa juntar as linhas ou colunas de um conjunto de células. Por
exemplo, você tem as colunas A, B, C e D, e deseja juntá-las, ou seja transformá-las em uma
linha você deve selecionar as colunas desejadas e mesclá-las. Para mesclar selecione as
linhas ou colunas desejadas e clique no botão Mesclar Células.
Barra de fórmulas
As fórmulas e os valores incluídos nas células aparecerão na barra de fórmulas, onde
também poderão ser modificados.
Figura 11 – Barra de Fórmulas
78
Unidade 3
O primeiro item da barra mostra o endereço da célula que está ativa no momento.
Toda fórmula deve ser precedida do sinal “=”.
Operações matemáticas e operadores aritméticos
As operações matemáticas seguem os padrões da matemática convencional.
Os operadores para realizar as operações matemáticas são:
Criando fórmulas
As fórmulas são utilizadas para facilitar e automatizar uma operação matemática.
Todas as fórmulas do Calc devem começar com o caractere “=” (igual), pois somente assim o
Calc entenderá que a entrada é uma fórmula e não um texto qualquer.
Exemplos de fórmulas:
Obs.: nas fórmulas devem-se utilizar somente os parênteses e não os colchetes e chaves para
realizar as operações.
Para melhorar os cálculos no Calc deve-se utilizar o endereço da célula ao invés do
operando.
Exemplo: Na célula B3 está o valor “5”; na célula C3 está o valor “10”. Desejamos multiplicar os
dois valores. Ao invés de fazermos a fórmula =5 * 10 onde os valores são multiplicados
diretamente, faz-se a fórmula =B3 * C3. Dessa forma o Calc localiza o valor contido na célula B3
e multiplica pelo valor contido na célula C3. Se o usuário alterar o valor da célula, não é
+ Soma
- Subtração
* Multiplicação
/ Divisão
% Porcentagem
^ Potenciação
2 x 5 = 2 * 5
2 + 5 = 2 + 5
15 – [2 + (5/2) + (2 x 4)] = 15 – (2 + (5 / 2) + (2 * 4))
79
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada
Alfabetização avancada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
Lygia Souza
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
Taty Cruz
 
01 língua portuguesa - técnico em enfermagem - versão 2012 - editora tradição
01   língua portuguesa - técnico em enfermagem - versão 2012 - editora tradição01   língua portuguesa - técnico em enfermagem - versão 2012 - editora tradição
01 língua portuguesa - técnico em enfermagem - versão 2012 - editora tradição
Tatiane Mota
 
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e línguaDidatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Velasco Carneiro Francisco
 
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
profamiriamnavarro
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Glacemi Loch
 
Oralidade me
Oralidade meOralidade me
Oralidade me
6066
 
Monografia em Língua Portuguesa
Monografia em Língua PortuguesaMonografia em Língua Portuguesa
Monografia em Língua Portuguesa
Jose Arnaldo Silva
 
Ensino de língua Portuguesa em Libras
Ensino de língua Portuguesa em LibrasEnsino de língua Portuguesa em Libras
Ensino de língua Portuguesa em Libras
Hudson Augusto
 
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e ContradiçõesSeminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
lagunaedu
 
Monografia urca 2009
Monografia urca 2009Monografia urca 2009
Monografia urca 2009
Izabel Maria de Matos
 
Professor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaProfessor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a Línguistica
Fernanda Moliterno
 
Projeto de pesquia em língua Portuguesa
Projeto de pesquia em língua PortuguesaProjeto de pesquia em língua Portuguesa
Projeto de pesquia em língua Portuguesa
Jose Arnaldo Silva
 
Material didático pronatec
Material didático   pronatecMaterial didático   pronatec
Material didático pronatec
telecomsenai
 
Introdução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoIntrodução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensão
ascotas
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
johnypakato
 
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
Luna Karoline
 
Ingles instrumental
Ingles instrumentalIngles instrumental
Ingles instrumental
Elina Fernandes
 
L livro maria josé
L livro  maria joséL livro  maria josé
L livro maria josé
Cristiane Trindade
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 

Mais procurados (20)

O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 
01 língua portuguesa - técnico em enfermagem - versão 2012 - editora tradição
01   língua portuguesa - técnico em enfermagem - versão 2012 - editora tradição01   língua portuguesa - técnico em enfermagem - versão 2012 - editora tradição
01 língua portuguesa - técnico em enfermagem - versão 2012 - editora tradição
 
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e línguaDidatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
 
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
 
Oralidade me
Oralidade meOralidade me
Oralidade me
 
Monografia em Língua Portuguesa
Monografia em Língua PortuguesaMonografia em Língua Portuguesa
Monografia em Língua Portuguesa
 
Ensino de língua Portuguesa em Libras
Ensino de língua Portuguesa em LibrasEnsino de língua Portuguesa em Libras
Ensino de língua Portuguesa em Libras
 
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e ContradiçõesSeminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
 
Monografia urca 2009
Monografia urca 2009Monografia urca 2009
Monografia urca 2009
 
Professor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaProfessor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a Línguistica
 
Projeto de pesquia em língua Portuguesa
Projeto de pesquia em língua PortuguesaProjeto de pesquia em língua Portuguesa
Projeto de pesquia em língua Portuguesa
 
Material didático pronatec
Material didático   pronatecMaterial didático   pronatec
Material didático pronatec
 
Introdução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoIntrodução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensão
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
 
Ingles instrumental
Ingles instrumentalIngles instrumental
Ingles instrumental
 
L livro maria josé
L livro  maria joséL livro  maria josé
L livro maria josé
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
 

Semelhante a Alfabetização avancada

1.5 - Comunicação e Linguagem - MIOLO.pdf
1.5 - Comunicação e Linguagem - MIOLO.pdf1.5 - Comunicação e Linguagem - MIOLO.pdf
1.5 - Comunicação e Linguagem - MIOLO.pdf
AlanCardoso38
 
L livro maria josé
L livro  maria joséL livro  maria josé
L livro maria josé
Cristiane Trindade
 
Tg comunicação e linguagens leitura e produção de textos na graduação
Tg comunicação e linguagens leitura e produção de textos na graduaçãoTg comunicação e linguagens leitura e produção de textos na graduação
Tg comunicação e linguagens leitura e produção de textos na graduação
Michele Souto
 
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
SMEdeItabaianinha
 
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
SMEdeItabaianinha
 
Educação fundamental orintações gerais português e matemática
Educação fundamental   orintações gerais português e matemáticaEducação fundamental   orintações gerais português e matemática
Educação fundamental orintações gerais português e matemática
pedagogiaaoaopedaletra.com Mendonca
 
Col alf.let. 02 lingua texto interacao
Col alf.let. 02 lingua texto interacaoCol alf.let. 02 lingua texto interacao
Col alf.let. 02 lingua texto interacao
Monica Psico
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
dicasdubr
 
Sintaxe definição e objeto
Sintaxe   definição e objetoSintaxe   definição e objeto
Sintaxe definição e objeto
Sérgio de Castro
 
Fundamentos Português
Fundamentos PortuguêsFundamentos Português
Fundamentos Português
Cristiane Marinho
 
Educação da criança surda
Educação da criança surdaEducação da criança surda
Educação da criança surda
Lidiana Freire
 
Prevenção iliteracia
Prevenção iliteraciaPrevenção iliteracia
Prevenção iliteracia
Ana Paula Santos
 
CBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua PortuguesaCBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua Portuguesa
Natan Campos
 
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO   Modo Oral 12ª ReplicaçãO   Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
sandravieira1969
 
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO   Modo Oral 12ª ReplicaçãO   Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
sandravieira1969
 
Projeto Nádia
Projeto NádiaProjeto Nádia
Projeto Nádia
Nadia Nair Costa Peres
 
LIVRO PROPRIETÁRIO - ANÁLISE TEXTUAL
LIVRO PROPRIETÁRIO - ANÁLISE TEXTUALLIVRO PROPRIETÁRIO - ANÁLISE TEXTUAL
LIVRO PROPRIETÁRIO - ANÁLISE TEXTUAL
Os Fantasmas !
 
Estágio 1o.dia
Estágio   1o.diaEstágio   1o.dia
Estágio 1o.dia
literenata
 
Apostila Análise Textual - Língua uso e discurso entremeios e fronteiras
Apostila Análise Textual - Língua uso e discurso   entremeios e fronteiras Apostila Análise Textual - Língua uso e discurso   entremeios e fronteiras
Apostila Análise Textual - Língua uso e discurso entremeios e fronteiras
Diego Moreau
 
Apresentação Sociesc
Apresentação SociescApresentação Sociesc
Apresentação Sociesc
Nadia Nair Costa Peres
 

Semelhante a Alfabetização avancada (20)

1.5 - Comunicação e Linguagem - MIOLO.pdf
1.5 - Comunicação e Linguagem - MIOLO.pdf1.5 - Comunicação e Linguagem - MIOLO.pdf
1.5 - Comunicação e Linguagem - MIOLO.pdf
 
L livro maria josé
L livro  maria joséL livro  maria josé
L livro maria josé
 
Tg comunicação e linguagens leitura e produção de textos na graduação
Tg comunicação e linguagens leitura e produção de textos na graduaçãoTg comunicação e linguagens leitura e produção de textos na graduação
Tg comunicação e linguagens leitura e produção de textos na graduação
 
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
 
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
Moduloiilinguaportuguesa5anoporjetoconseguir 121009091900-phpapp02 (1)
 
Educação fundamental orintações gerais português e matemática
Educação fundamental   orintações gerais português e matemáticaEducação fundamental   orintações gerais português e matemática
Educação fundamental orintações gerais português e matemática
 
Col alf.let. 02 lingua texto interacao
Col alf.let. 02 lingua texto interacaoCol alf.let. 02 lingua texto interacao
Col alf.let. 02 lingua texto interacao
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
 
Sintaxe definição e objeto
Sintaxe   definição e objetoSintaxe   definição e objeto
Sintaxe definição e objeto
 
Fundamentos Português
Fundamentos PortuguêsFundamentos Português
Fundamentos Português
 
Educação da criança surda
Educação da criança surdaEducação da criança surda
Educação da criança surda
 
Prevenção iliteracia
Prevenção iliteraciaPrevenção iliteracia
Prevenção iliteracia
 
CBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua PortuguesaCBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua Portuguesa
 
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO   Modo Oral 12ª ReplicaçãO   Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
 
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO   Modo Oral 12ª ReplicaçãO   Modo Oral 1
2ª ReplicaçãO Modo Oral 1
 
Projeto Nádia
Projeto NádiaProjeto Nádia
Projeto Nádia
 
LIVRO PROPRIETÁRIO - ANÁLISE TEXTUAL
LIVRO PROPRIETÁRIO - ANÁLISE TEXTUALLIVRO PROPRIETÁRIO - ANÁLISE TEXTUAL
LIVRO PROPRIETÁRIO - ANÁLISE TEXTUAL
 
Estágio 1o.dia
Estágio   1o.diaEstágio   1o.dia
Estágio 1o.dia
 
Apostila Análise Textual - Língua uso e discurso entremeios e fronteiras
Apostila Análise Textual - Língua uso e discurso   entremeios e fronteiras Apostila Análise Textual - Língua uso e discurso   entremeios e fronteiras
Apostila Análise Textual - Língua uso e discurso entremeios e fronteiras
 
Apresentação Sociesc
Apresentação SociescApresentação Sociesc
Apresentação Sociesc
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 

Alfabetização avancada

  • 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA ALFABETIZAÇÃO AVANÇADA EM LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA, TECNOLOGIA E EMPREENDEDORISMO
  • 3. Versão 1 Ano 2012 Mirele Carolina Werneque Jacomel (Org.) Alexandre Luiz Schlemper Andréia Scariot Marcia Beraldo Lagos ALFABETIZAÇÃO AVANÇADA EM LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA, TECNOLOGIA E EMPREENDEDORISMO
  • 4. Os textos que compõem estes cursos, não podem ser reproduzidos sem autorização dos editores © Copyright by 2012 - Editora IFPR IFPR - INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Reitor Prof. Irineu Mario Colombo Chefe de Gabinete Joelson Juk Pró-Reitor de Ensino Ezequiel Westphal Pró-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Bruno Pereira Faraco Pró-Reitor de Administração Gilmar José Ferreira dos Santos Pró-Reitor de Gestão de Pessoas e Assuntos Estudantis Neide Alves Pró-Reitor de Extensão, Pesquisa e Inovação Silvestre Labiak Junior Organização Marcos José Barros Cristiane Ribeiro da Silva Projeto Gráfico e Diagramação Leonardo Bettinelli
  • 5. Introdução O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego - PRONATEC, tem como um dos objetivos a oferta de cursos de qualificação profissional e cursos técnicos para trabalhadores/as e pessoas expostas à exclusão social. Vale lembrar, também, que muitas dessas pessoas (jovens e/ou adultas) estão há tempos fora da escola e que é preciso uma série de incentivos para que se motivem e finalizem o curso escolhido. No IFPR, o PRONATEC é entendido como uma ação educativa de muita importância. Por isso, é necessário que essas pessoas possam também participar de outras atividades, especialmente como alunos regulares em suas diversas formas de ensino: médio, técnico, tecnológico, superior e outros. Essa instituição também oferece a possibilidade de participação em projetos de pesquisa e extensão, além de contribuir para a permanência dos alunos com o Programa deAssistência Estudantil. O PRONATEC/IFPR pode ser visto, ainda, como um instrumento de inclusão social, público e gratuito, e que tem como sua política de educação a formação de qualidade. Para isso, os alunos do PRONATEC/IFPR podem fazer uso da estrutura de bibliotecas e laboratórios sendo sua convivência na instituição de grande valia para os servidores (professores e técnicos administrativos), bem como para os demais estudantes. O PRONATEC/IFPR conta com diversos parceiros que contribuem para a realização dos cursos. Essas parcerias são importantes tanto para o apoio de “selo de qualidade” quanto possibilitam estrutura física para que os cursos possam acontecer. Porém, mesmo os cursos ocorrendo em outros espaços (que não o do IFPR) não invalida a qualidade dos profissionais que ministram as aulas, pois esses foram especialmente selecionados para essa atividade.
  • 7. Sumário Unidade 1 - Língua Portuguesa LÍNGUA E LINGUAGEM .....................................................................................................7 LENDO E RECONHECENDO O TEXTO..........................................................................15 GÊNEROS TEXTUAIS......................................................................................................21 TECENDO TEXTOS .........................................................................................................27 OS TIPOS DE DISCURSO E SEUS COMPONENTES....................................................33 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..................................................................................36 Unidade 2 - Matemática CONCEITOS BÁSICOS....................................................................................................39 PORCENTAGEM E JUROS..............................................................................................53 ORGANIZANDO DADOS EM TABELAS ..........................................................................58 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ........................................................................................63 Unidade 3 - Informática básica CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA ....................................................................65 SISTEMA OPERACIONAL LINUX – UM POUCO DA HISTÓRIA.....................................66 SISTEMAS APLICATIVOS – BrOffice ...............................................................................66 CALC.................................................................................................................................75 IMPRESS ..........................................................................................................................83 INTERNET ........................................................................................................................87 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..................................................................................93 Unidade 4 - Empreendedorismo CONCEITOS FUNDAMENTAIS........................................................................................95 RECOMENDAÇÕES FINAIS ..........................................................................................112 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA.......................................................................................112 ANEXOS..........................................................................................................................113
  • 9. Unidade 1 - Língua Portuguesa LÍNGUAE LINGUAGEM A comunicação é uma capacidade que nos acompanha em todos os momentos do desenvolvimento da nossa linguagem e é fundamental para irrompermos e superarmos as barreiras sociais. Você já pensou nas situações em que somos enganados por não termos conhecimento sobre determinados assuntos ou palavras? Ou, quando investimos mal nosso salário simplesmente por falta de atenção... Nesta unidade, estudaremos conteúdos relaciona- dos aos conceitos de língua e linguagem e sua importância na leitura e produção de textos do nosso cotidiano. Conceitos básicos de língua e linguagem Toda língua representa um conjunto de signos (palavras) organizado em estruturas linguísticas de regras, que, articulado ao contexto em que foi produzido, possibilita a produção de sentidos dos textos no processo de comunicação e interação social. A linguagem, por sua vez, é uma atividade social mais ampla, que contempla não só a língua e o falante, mas o meio pelo qual o falante se expressa, como é o caso da linguagem de sinais, gestos, cores, sons, linguagem literária, entre outras. Asituação comunicativa A situação comunicativa corresponde ao contexto da comunicação e, por isso, vários fatores influenciam no modo como organizamos nossas expressões e também nos sentidos que atribuímos aos textos que ouvimos e lemos. Compreender nossa língua é um meio de sobrevivência. Nos apro- priamos dos diferentes conhecimentos a medida que interagimos em sociedade, e a interação significativa se realiza quando dominamos o código através do qual nos comunicamos.Observe: a língua é um fato social, portanto, é extensiva ao sujeito. 7
  • 10. Unidade 1 Asituação comunicativa A situação comunicativa corresponde ao contexto da comunicação e, por isso, vários fatores influenciam no modo como organizamos nossas expressões e também nos sentidos que atribuímos aos textos que ouvimos e lemos. É preciso considerar na situação comunicativa todo o contexto em que os interlocutores estão inseridos. Em algumas situações, é fundamental o uso da Norma Culta. Em outras, a linguagem pode ser mais popular. Norma culta e linguagem popular Norma Culta – é a linguagem normatizada de acordo com um conjunto de regras gramaticais mais rígidas, que está a serviço da comunicação em situações mais formais. É mais presente na forma escrita da língua, mas pode ser exigida, por exemplo, em uma reunião de trabalho, uma reunião de pais e professores, um ambiente jurídico, etc.. Linguagem Popular – é a representação da linguagem corriqueira, utilizada no cotidiano, variante de estilos próprios dos falantes, grupos, regiões, etc. É o caso de conversas durante as refeições, no bate-papo virtual, durante uma caminhada, etc. Quando utilizar as variedades mais populares da Língua Portuguesa? A fala e a escrita – em situações informais de comunicação, tanto para a modalidade escrita, como para a modalidade oral, são permitidas variedades populares da língua, muitas delas carregadas de gírias e neologismos. Uma receita culinária, por exemplo, pode apresentar SITUAÇÃO COMUNICATIVA Receptor da mensagemEmissor da mensagem Mensagem (de quem/que se fala) Interlocutores são as pessoas envolvidas na comunicação. 8
  • 11. a variedade popular da língua. Já em ambientes mais formais, o uso da Norma Culta é mais apropriado. Por exemplo, uma carta escrita para um vereador de sua cidade deve apresentar elementos linguístico-textuais próprios da Norma Culta da Língua Portuguesa, como o pronome de tratamento referente a essa autoridade política, o uso adequado dos pronomes demonstrati- vos, relativos, etc. Um trabalhador que se dirigisse ao chefe, no local de trabalho, usando gírias, seria inadequado ao contexto. Colocando em prática Reconhecendo as diferentes situações comunicativas (atividades para sala de aula, no caderno): a) Leia o trecho abaixo e identifique a situação comunicativa: Boa noite a todos e creio que para a maioria nós somos bem conhecidos e devem conhecer até bem o barco; devem viajar bem mais do que a gente imagina, viajando pela internet, [...].É uma satisfação termos conseguido realizar esse desafio e estarmos aqui, agora né... e, mas é também um outro detalhe é que normalmente pessoas que saem para um projeto destes eh... pelo menos a estatística mostra isso, o fazem já mais ah... com idade mais avançada: trabalham, organizam a vida, aposentam-se e depois fazem um projeto. A gente resolveu dar uma quebrada no meio aí né?... Fomos um pouco mais ousados ou aventureiros ou displicentes (risos). Acabamos vivendo de poema; estamos muito bem obrigado. A viagem foi ótima e por enquanto não há dinheiro nesse mundo que pagaria a experiência que a gente está tendo e ... antes de ... Disponível em <http://www.veleiro.net/jornal/palestra.doc>. Acesso em 30 de dezembro de 2011. Observação: tente visualizar a cena a partir do que trata o texto para compreender se é necessário assumir uma postura mais formal ou menos formal. b) Considerando a situação comunicativa, a linguagem está adequada ao contexto? Por quê? Que grupo, provavelmente, foi receptor dessa mensagem? c) Reescreva a fase abaixo, no seu caderno, passando-a para a linguagem formal. ‒ “Patrão, queria te falar para eu não ir trabalhar hoje à tarde pra levar minha mãe no médico que ela tá doente.” 9
  • 12. Para enfatizar o aprendizado (atividades extra-classe): a) Após discutir o conteúdo desta unidade em sala de aula, e tirar suas dúvidas com seus/suas professores/as, analise a tirinha abaixo, e escreva no caderno um comentário sobre seu ponto de vista acerca dos problemas de comunicação. Fonte: <http://marioaragao.com.br/o-poder-do-boato/charge-o-poder-do-boato>. Acesso em 12 de dezembro de 2011. Conhecendo mais sobre o assunto: a) Pesquise conteúdos sobre as Variedades Linguísticas e discuta em sala de aula a relevância em compreender as diferentes situações comunicativas. Unidade 1 10
  • 13. Refletindo sobre o uso da língua Nesta unidade, discutimos diferentes formas de se compreender e utilizar a língua. É importante reconhecer o seu conceito, modalidades e fatores de organização textual para que se promova a plena compreensão das mensagens que emitimos e recebemos. Para finalizar- mos nossos trabalhos nesta unidade, observe uma situação comunicativa em um determinado ambiente e descreva em seu caderno quais foram suas impressões acerca do comportamento dos interlocutores, se estavam adequados ao contexto ou não. Observação: nas aulas referentes a este módulo, o/a professor/a deverá propor atividades de interpretação e compreensão de textos, formulando questionamentos sociológicos voltados para a realidade de seus estudantes, além de perguntas que problematizem a linguagem. Sugestão: estudo dos pronomes (de tratamento, possessivos, demonstrativos, relativos e oblíquos), uso de sinônimos e antônimos, estudo das metáforas no cotidiano, entre outros. Discutir, a partir do texto 01 (anexos) o contexto da produção da Carta, de Caminha. 11 Anotações
  • 17. LENDO E RECONHECENDO OTEXTO O texto representa a formalização de nossas ações linguísticas. É parte da comunicação.A comunicação escrita é uma das maneiras de se formalizarem determinadas ações linguísticas. Quem nunca anotou um compromisso inadiável, como o horário no dentista? Ou anotou todas as despesas durante o mês para não se perder nas contas? Nos consultórios médicos, postos de saúde ou nos murais de empresas, quase sempre os principais recados são dados em cartazes. Leitura e escrita de textos A primeira leitura de um texto, dependendo de seu nível de complexidade, pode ser insuficiente para a compreensão de seus efeitos de sentido. Uma leitura superficial pode comprometer muitas situações, como, por exemplo, um manual de instruções em que o leitor não entende como instalar corretamente um aparelho eletrônico. Para garantir a plena compreensão do texto, é importante saber identificar alguns elementos fundamentais. Tema – Todo texto possui um tema, ou assunto. Quando se identifica seu tema, a leitura se torna bem mais fácil. É necessário identificar o tema principal e os assuntos periféricos de um texto. Da mesma forma, todo texto possui uma intenção. Ou informar, ou divertir, ou convencer, etc. A organização do texto ajuda a identificar a temática e a intenção. Os tópicos frasais e as palavras-chave são os índices para isso. Tópico frasal – Em geral, o tópico frasal inicia o texto com ideias generalizadas, mas há também aqueles textos que possuem um tópico-frasal como conclusão. No primeiro caso, denominamos Tópico frasal dedutivo, pois ele indica ao leitor o assunto apresentado e permite que o mesmo antecipe alguma ideia sobre o texto. O segundo caso é denominado Tópico frasal indutivo, aparecendo nos parágrafos referentes à conclusão do texto e induzindo o leitor a internalizar determinadas ideias. Palavras-chave: aparecem no texto de forma repetida, substituídas por sinônimo ou por termos semelhantes. Veja o exemplo abaixo: No dia 21 de setembro comemora-se o dia da árvore. Essa data foi escolhida em razão da chegada da primavera. Mas antes da escolha dessa data, acontecia no país, na última semana de março, a festaAnual das Árvores, instituída pelo presidente Castelo Branco, em 1965. 15
  • 18. Mais adiante, a árvore ganhou um dia especial em virtude de sua importância para a vida humana e também com a chegada da primavera, onde ganham nova vida e abrem lindas flores que dão origem a novas árvores. Com a chegada da primavera podemos ver as cidades mais alegres, pois essas se enchem de flores de todas as cores [...]. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/datacomemorativas/dia-da-arvore.htm>. Acesso em 29 de dezembro de 2011. Neste trecho, a primeira oração representa o tópico frasal dedutivo.Aideia núcleo, ou intenção, está representada no segundo parágrafo, pois o texto trata da importância das árvores para nossa sobrevivência. As palavras-chave do texto são ÁRVORE, VIDAHUMANA, PRIMAVERA. Reconhecendo e aplicando alguns elementos textuais  Em seu caderno, escreva um parágrafo a partir das três palavras-chave que estão abaixo. Observação: Ao longo do texto, você pode repeti-las, substituí-las por sinônimos ou termos semelhantes.  Observe o pequeno texto abaixo, veja as palavras nele contidas e informe o lugar onde apareceria um texto assim. O texto representa a formalização de nossas ações linguísticas. É parte da comunicação. SALÁRIO – EMPREGO – SOBREVIVÊNCIA Unidade 1 16
  • 19.  Que palavras ou expressões levaram você a concluir sobre o lugar onde o texto apareceria?  Em seu caderno, elabore um texto que apareceria num cartaz para convidar os colegas de trabalho para o churrasco do final de ano. Procure motivar todos para a festa. Para enfatizar o aprendizado (atividade extra-classe):  Leia o texto 01, dos anexos desta primeira parte da apostila, localize a ideia-núcleo e o tópico frasal. Em seguida, indique no texto três termos que podem representar as palavras-chave. Conhecendo mais sobre o assunto:  Procure artigos em revistas e recorte textos de, no máximo, cinco parágrafos. Nesses textos, identifique o tópico frasal. Lembre-se de que há o tópico frasal indutivo e o dedutivo. Leve para a sala de aula para que seu/sua professor/a promova uma atividade com esse material.  Procure ler os editoriais de jornais e verificar quais as suas intenções. Tente identificar a modalidade de linguagem que os jornalistas utilizam. Práticas de leitura e escrita: agindo sobre o texto Todo texto prevê um leitor “virtual”, que remete a um público alvo. Mas há textos em que a primeira leitura não garante a plena compreensão do seu efeito de sentido. Uma leitura superficial proporciona apenas uma vaga noção do que o texto informa. Para evitar as superficialidades, é necessário buscar elementos que são comuns a determinados textos (enunciados genéricos). Nesta unidade, conhecemos partes do texto que nos auxiliam na compreensão e na elaboração da mensagem. No momento da escrita, fique atento ao modo como as ideias são organizadas.Assim, sua mensagem será mais clara e objetiva. Observação: nas aulas referentes a este módulo, o/a professor/a deverá propor atividades de interpretação e compreensão de textos, formulando questionamentos sociológicos, voltados para a realidade de seus estudantes, além de perguntas que problematizem a linguagem. Sugestão: funções da linguagem, palavras compostas, novo acordo ortográfico. Em caso de contato com a pele ou com os olhos, lave com água corrente em abundância por pelo menos 15 minutos e procure um médico. Em caso de ingestão ou inalação procure um médico levando a embalagem ou o rótulo do produto. Não dê nada por via oral a uma pessoa inconsciente. 17
  • 23. GÊNEROSTEXTUAIS Nesta unidade, estudaremos um pouco sobre gêneros textuais e procuraremos compreender porque é importante aprender e adquirir uma boa quantidade de modelos textuais, para facilitar nossa comunicação no dia a dia e nos meios sociais diferentes do cotidiano. compreendendo a comunicação através dos gêneros textuais Como já vimos neste material, as pessoas se comunicam por textos completos, sempre com algum objetivo: solicitar algo, convencer alguém, contar alguma coisa que aconteceu, divertir, informar, etc. Toda vez que alguém precisa praticar alguma dessas ações comunicativas, busca na memória um modelo para se expressar.Trata-se de um modelo prévio, que aprendemos durante nossa vida, com outras pessoas. A esse modelo é que chamamos de gênero textual, ou seja, uma estrutura simbólica de linguagem que nos permite organizar textos particulares a partir dela. Toda vez que elaboramos um novo texto, repetimos algumas expressões que já utilizamos em outros textos produzidos anteriormente. Quanto mais modelos de textos conhecemos, maior se torna nossa capacidade de comunicação, ou seja, quanto mais gêneros textuais uma pessoa domina, mais fácil para atingir seus objetivos pela linguagem. Um exemplo pode ser a carta pessoal. Toda vez que escrevemos uma carta para alguém, é uma nova carta, ou seja, um novo texto. Mas toda vez, seguimos um padrão, quer dizer, seguimos um GÊNERO, porque outras pessoas já escreveram cartas em outros momentos da vida e não muda muito a estrutura maior. Outro exemplo pode ser uma palestra. Todos sabemos que há um modelo para palestra e quando alguém vai prepará-la, antecipada- Toda vez que alguém tem que produzir um texto, para se comuni- car oralmente ou por escrito, é necessário inventar um modelo de texto ou as pessoas já tem um modelo prévio, na memória? O Gênero Textual é, portanto, uma megaestrutura de linguagem que o falante possui na memória e que serve de suporte toda vez que vai produzir um novo texto, seja ele oral ou escrito. Para cada situação comunicativa, o falante lança mão de um padrão textual, conforme o objetivo que quer alcançar. 21
  • 24. Unidade 1 mente, segue aquele modelo. Basicamente há dois grandes grupos de gêneros. Os gêneros textuais do cotidiano, espontâneos, que as pessoas já dominam e produzem sem muita dificuldade. São os chama- dos gêneros primários. Alguns exemplos podem ser: pedido de informação na rua; cumprimen- tos nos locais de trabalho; cumprimentos em casamentos; orientação de trabalho de forma oral; pegadinhas; bronca, etc... E há os gêneros secundários, mais complexos, que precisam ser mais bem elaborados, planejados de forma antecipada. Geralmente são gêneros de textos formais e, em sua maioria, escritos.Alguns exemplos: carta de apresentação; elaboração de um currículo; requerimentos; mandado de segurança; memorando; sentença judicial; romance; conto; poema, notícia, reportagem, crônica, editorial de jornal, redação de vestibular. Esses gêneros de texto não aparecem espontaneamente no dia a dia das pessoas e, normalmente, aprende-se na escola ou nos locais de trabalho, de forma organizada. Práticas sobre o gênero textual “texto de opinião” É muito comum as pessoas terem que defender pontos de vista e opiniões em situações formais. O padrão de um texto de opinião é, geralmente, assim: 1) Coloca-se o ponto de vista, ou seja, uma PREMISSA; 2) Elaboram-se argumentos para provar que sua premissa está certa e, finalmente, 3) Elabora-se a conclusão, a partir dos argumentos.  Em seu caderno, responda às perguntas abaixo e você estará elaborando uma premissa, um ponto de vista sobre um determinado assunto. Utilize apenas duas ou três linhas. Não argumente. Apenas expresse seu ponto de vista sobre o assunto. A argumentação não aparece no primeiro parágrafo de um texto de opinião. 1. Deveria haver um sistema de controle do conteúdo da televisão no Brasil? 2.ATV é uma ferramenta que auxilia ou prejudica a educação popular? 3.Atelevisão tem função mais educativa ou comercial?  Depois de delimitar a tese/premissa e de assumir um ponto de vista, é hora de desenvolver argumentos para defender a posição assumida. Fundamentar, provar, justificar, explicar, demonstrar, convencer, persuadir, em uma palavra: argumentar. Para argumentar, há termos e expressões próprios, que produzem efeitos diferentes, quando são bem utilizados. São os chamados OPERADORES ARGUMENTATIVOS (de comparação, de prova, de sequencia- ção, de explicação, etc.). Vamos praticar um pouco, no seu caderno. 22
  • 25. 1.ATV é espetacularização da dor alheia..., POIS... 2.Ao invés de política aTV prefere tragédias e consumo... e UM EXEMPLO pode ser... 3. O único objetivo daTV é fazer rir..., UMAVEZ QUE... 4.ATV é uma terapia coletiva engendrada de manipulação..., À MEDIDAQUE... Para enfatizar o aprendizado (atividades extra-classe):  Abaixo, temos um exemplo de texto do gênero informativo, que circulou numa revista de saúde. Trata-se de um exemplo de gênero secundário, mais complexo, com a linguagem própria da medicina. Sua tarefa é tornar o texto mais adequado a um público que procure, por exemplo, o posto de saúde. Faça um cartaz com as mesmas informações, numa linguagem mais simples. Se necessário, consulte um dicionário. A viagem de um coágulo ao cérebro Entenda como a arritmia cardíaca pode resultar em um AVC Conhecendo mais sobre o assunto:  Faça uma listagem dos gêneros de texto mais comuns no seu local de trabalho. Em uma lista, coloque os gêneros do cotidiano que as pessoas mais utilizam (cumprimentos, ordem de trabalho, pedidos de informação, etc...). Na outra lista, procure conversar com as pessoas que elaboram os gêneros mais complexos, escritos. Esses, provavelmente, você encontrará no setor administrativo. Converse, portanto, com as pessoas que trabalham nesse setor e pergunte a elas que textos eles produzem para executarem o trabalho. Leia alguns tópicos frasais abaixo sobre a relação TV e sociedade e, em seguida, amplie-os desenvolvendo um parágrafo argumentativo onde se estabeleça uma relação de causa/consequência. Utilize os nexos argumentati- vos a seguir: porque, pois, uma vez que, visto que, à medida que, tendo em vista que, por causa de (que), um exemplo. 1 – Pane Elétrica e trombos a caminho A fibrilação atrial desregula os batimentos do coração, fazendo com que o sangue flua mais devagar ali. Nesse ritmo, podem se formar coágulos, aglomerados de células vermelhas, nas paredes do átrio esquerdo e em apêndices do órgão. 2 – Perigo à solta Os coágulos que surgem nessas áreas do coração podem escapar dali, migrar para o ventrículo esquerdo e, depois, cair na circulação. Assim, muitas vezes rumam para a cabeça. 3 – Ponto Final: O Cérebro Após viajar pelo sistema circulatório, o coágulo chega, enfim, à massa cinzenta, obstruindo um das finas artérias que a irriga. É dessa forma que causa o temido AVC. 23
  • 26. Materializando os gêneros do nosso cotidiano– a) Complete o quadro a seguir com as informações que você adquiriu nesta unidade. Toda vez que alguém vai produzir um texto lança mão de informações que já existem na memória, ou teria que inventar sempre um novo texto. Essas informações que existem na memória como megaestruturas de linguagem nós chamamos de _______________________. Esses, por sua vez, podem ser _____________________, aqueles do cotidiano e geralmente orais, ou ______________________________, mais complexos, geralmente escritos. b) Agora, observe os gêneros textuais abaixo e informe os que você já sabe fazer (x) dos que você ainda precisa aprender. 1- Organização de um currículo. ( ) 2- Pedido de informação na rua ( ) 3- Escrever um conto ( ) 4- Pedido de casamento ( ) 5- Escrever um ofício ( ) 6- Escrever um email ( ) 7- Preencher formulário de inscrição em concurso ( ) 8- Elaborar uma reclamação escrita para a Fornecedora de Energia Elétrica ( ) Observação: após responder a esta questão, pesquise sobre a estrutura dos gêneros textuais que você ainda não sabe produzir e leve para sala de aula. Seu professor deve preparar uma atividade que contemple essa necessidade. Unidade 1 24
  • 29. TECENDOTEXTOS Textos são tecidos. Isso mesmo, os textos acontecem quando tecemos palavras. E o processo é o mesmo da tecelagem, ou seja, do mesmo modo que um emaranhado de linhas produz um tecido, um emaranhado de palavras produz um texto (MACHADO, 2003). E todo texto é resultado de uma prática social, que conscientemente ou não, se vale de estruturas textuais já existentes.Assim, produzimos textos que repetem essas estruturas ou as transformam.Nosso objetivo nesta unidade é o de estudar a língua através de textos e desnudar as articulações linguísticas com base nas características comuns a determinados gêneros e, também, nas nossas experiências com a linguagem. Produzindo textos e contextos Uma redação é constituída por partes indissociáveis, sem as quais o texto torna-se incoerente. Um texto é composto por palavras, frases, orações, períodos e parágrafos. Nos textos dissertativos, aqueles em que se defendem opiniões, por exemplo, essas partes se distribuem na introdução, desenvolvimento e conclusão. Independente da extensão dos textos, todos devem apresentar uma coerência estrutural para que seja possível abstrair os significados da mensagem.Aqui, daremos destaque para os textos de opinião. Introdução A introdução de um texto de opinião corresponde ao início, que pode ser representado pelos primeiros parágrafos. Na introdução, geralmente, aparecem a apresentação do tema/assunto e de argumentos secundários, isto é, que são construídos a partir do tópico frasal (retome esse conceito na unidade anterior). Exemplo: Valeu a pena a CMSI?Aopinião geral a respeito da última Cúpula Mundial da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a Sociedade da Informação (CMSI), realizada em dezembro de 2003, é que não. Os resultados da cúpula foram parcos, para um processo que foi árduo e caro. Entretanto, Anriette Esterhuysen, diretora executiva da APC, sustenta que a partir da perspectiva de várias organizações da sociedade civil que participaram de forma ativa, a CMSI serviu para gerar uma nova oportunidade de solidariedade entre diversos setores ideológicos, setoriais e geográficos. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000255.pdf>. Acesso em 02 de jan de 2012). 27
  • 30. Observe: que as três primeiras linhas do parágrafo apresentam a temática/assunto do texto, caracterizando, assim, a introdução do texto que se desenvolverá. Na sequência, temos uma das informações que esse texto apresenta, sobre a qual argumentos serão construídos no desenvolvimento. Desenvolvimento Após a introdução, o texto apresenta o desenvolvimento das ideias e argumentos anunciados nos primeiros parágrafos. Na parte do desenvolvimento, são expostas opiniões, exemplificações, críticas, comparações. Enfim, elementos expressivos que dão suporte à opinião expressa no início do texto. A extensão do desenvolvimento de um texto de opinião depende do objeto do seu autor, daquilo que ele deseja fazer o outro acreditar. Conclusão Ao finalizar um texto de opinião, necessariamente devemos retomar o assunto sobre o qual se expressa a opinião, mas de forma concisa. O objetivo da conclusão no texto de opinião é finalizar o texto, mas de forma coerente e, normalmente, levando o leitor a crer que a opinião de quem escreveu é a correta. Vejamos, agora, como seriam distribuídas essas partes numa redação: Recuperando os elementos textuais Considerando todos os elementos que estruturam um texto de opinião e suas partes Introdução A juventude, numa atitude que a diferencia das gerações passadas, enfrenta um momento de alheamento em relação aos problemas coletivos que, de uma forma ou de outra, afetam todos os brasileiros. (TESE/PREMISSA) Desenvolvimento De maneira geral, pode-se dizer que os jovens não têm consciência de seu poder de reivindicar e realizar mudanças. Canalizam, assim, toda a sua energia e ideias inovadoras e contestadoras em motivos banais, tornando-se rebeldes sem causa. (ARGUMENTO) Um exemplo dessa alienação é a ocorrência frequente dos chamados “flash mobs”, as aglomerações instantâneas organizadas pela Internet. (ARGUMENTO) Nelas, pessoas, sobretudo jovens, reúnem-se para venerar dinossauros gigantes e para pular em um pé só, por exemplo. Com a mesma energia, as gerações passadas empenhavam-se em lutar contra uma ditadura e pelo impeachment de um presidente corrupto. Essa diferença é fruto, principalmente, de uma educação exageradamente liberal, que gera a falta de compromisso e de luta por ideais conexos, tão necessários no país. (ARGUMENTO) Conclusão Uma construção de consciência participativa, aliada à educação, à informação e ao senso crítico, podem reinventar essa realidade. Os jovens têm o potencial nas mãos, basta aprender a usá-lo. (CONCLUSÃO) Autora: Estudante/3º Ano do EM - 2006 Unidade 1 28
  • 31. componentes, redija um texto de, no máximo, cinco parágrafos em seu caderno. Para isso, escolha um dos temas abaixo: Tema 01: “O homem tem sido substituído pela máquina” Tema 02: “O conceito de família mudou com os processos de modernização” Os trechos abaixo correspondem a introduções de textos. Leia-os e, em seu caderno, resuma as ideias aí contidas em não mais que 25 palavras. Leia o texto 02, dos anexos desta primeira parte da apostila, e explique quais relações os argumentos da introdução possuem com os argumentos expostos no desenvolvimento. Para enfatizar o aprendizado (atividades extraclasse):  Descreva abaixo qual é o objetivo da cada parte de um texto de opinião: Introdução: ________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ Desenvolvimento: ___________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ Conclusão: ________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ Autoridade e autoritarismo são coisas muito diferentes. Ambas as palavras têm o mesmo radical: autor. Mas enquanto a primeira pode ser entendida como o poder de impor limites necessários para convivência em sociedade, a segunda indica um exacerbamento desse poder, realizado pela simples imposição de uma ideia sem possibilidade de contraposição (Revista Planeta ano 36 edição 433, p.48-51, outubro de 2008). Há três tipos de células-tronco. As mais comuns são encontradas na medula do ser humano em qualquer idade, mas seu poder de reprodução e especialização é baixo. Outro tipo são as células–tronco existentes no cordão umbilical, mais potentes que as da medula. O tipo mais promissor são as células-tronco dos embriões humanos, porém a ética não deve estar desvinculada destas pesquisas cientificas (Veja, 20/03/2005). A evasão escolar ainda é um dos problemas que aflige muitas escolas. Entre as consequências, podemos destacar a marginalização, baixa autoestima, distorção idade/serie, repetência, desemprego, desigualdade social. Os responsáveis por este processo educacional não podem ficar indiferentes a este problema (Adaptado da Revista Mundo JovemAgosto/2007). 29
  • 32. Conhecendo mais sobre o assunto:  Leia o texto 03, nos anexos, e localize a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. Destaque-as no texto e justifique sua indicação em seu caderno.  Selecione três textos de jornais ou revistas e explique a relação entre o título e o desenvolvimento do texto. Praticando um pouco mais a escrita Nesta unidade, enfatizamos que é necessário nos apropriarmos dos conhecimentos acerca da produção textual para que possamos compreender de forma plena a materialidade dos diferentes tipos de linguagem. Cada estrutura textual é construída de acordo com a finalidade dos textos e um texto bem estruturado traduz de forma mais coerente seus significados. Para finalizarmos este tópico, produza em seu caderno um texto que expresse sua opinião sobre o seguinte tema: Educação, escolarização e pobreza. Observação: nas aulas referentes a este módulo, o/a professor/a deverá propor atividades de interpretação e compreensão de textos, formulando questionamentos sociológicos, voltados para a realidade de seus estudantes, além de perguntas que problematizem a linguagem. Sugestão: substantivação, locuções adverbiais, verbos e noções de oração. Unidade 1 30
  • 35. OSTIPOS DE DISCURSO E SEUS COMPONENTES Tipologia discursiva: organizando a linguagem Na unidade anterior dessa apostila mencionamos que escrever um texto é uma atividade semelhante à tecelagem, pois, da mesma maneira que são utilizados fios de linha para produzir um tecido, utilizamos palavras e frases para compor um texto. Além da organização interna da língua, devemos nos preocupar com a organização entre as partes do texto, pois, para cada tipo de texto, utilizamos determinadas ferramentas de linguagem. Nesta unidade, estudaremos as tipologias textuais, isto é, modos de organizar nosso discurso adequado a cada gênero textual.As tipologias discursivas articuladas aos gêneros e aos textos concretos podem ser: descrição, narração, exposição, injunção, argumentação. Detalhes que o texto pode registrar: a descrição Dependendo do gênero textual escolhido e do objetivo a atingir, o autor do texto deve detalhar lugares, pessoas, objetos, sentimentos, enfim, mostrar no texto particularidades de um objeto, lugar ou pessoa. Nesse caso, as palavras escolhidas e o tempo verbal produzirão uma sequência discursiva descritiva, o que possibilita ao leitor uma maior aproximação do tema descrito. Exemplo: AS PESSOAS nascem cigarra ou formiga, e nunca vão mudar, até o último dia de vida. As cigarras são simpáticas, alegres, adoráveis, generosas, e que ninguém pense em dividir uma conta de bar quando estão numa mesa. Nem por hipótese uma cigarra vai deixar de pagar a despesa - é mais forte que elas. (Danuza Leão. Folha de São Paulo. 16.11.2008). O que é narrar? Quando se pretende contar algo que já aconteceu, oralmente ou por escrito, normalmente utiliza-se o tempo verbal no passado e isso produz um discurso narrativo. Quer dizer, um narrador organiza a narração de um fato ou sequência de fatos. Se o objetivo for o de divertir, trata-se de uma ficção. Se o objetivo for apenas informar, como é o caso dos jornalistas, trata-se de algo factual. Nos dois casos, a narração é marcada por personagens – fictícias ou reais, tempo verbal no passado, um espaço determinado e um enredo, ou seja, o conteúdo, a história. O narrador pode ainda contar algo que em que ele estava presente (em primeira pessoa) ou algo de que ele ouvir falar, ou apenas viu. 33
  • 36. Expor é diferente de narrar? Quando se organiza uma sequência discursiva, com verbos no presente, para contar algo a alguém, seja um fato, ou sequência de fatos, ao invés de NARRAÇÃO tem-se uma EXPOSIÇÃO. A sequência discursiva expositiva é, portanto, diferente a narrativa. Na exposição, quem produz o texto, oral ou escrito, dá a impressão de aproximar-se de quem lê ou ouve. Veja-se o caso das narrativas de futebol, que, de fato, são bem mais expositivas que narrativas, pois o locutor nos dá a impressão de que o fato está acontecendo no momento em que se fala dele. E de fato está. Vejamos esse exemplo de tipologia expositiva: Natércio chama Virgínia de ingênua e avisa que jamais irá pedir sua ajuda novamente. Cícero conta a Julieta que deixou Conrado comandar a Metalúrgica em sua ausência, mas pede a ela que tome conta dele. Se colocarmos os verbos negritados no passado, teremos uma narração. Tipologia injuntiva Há discurso injuntivo quando os termos ou expressões orientam-se pela linguagem da ORDEM ou do LEVAR A FAZER. É o caso das propagandas com linguagem direta, quando se utilizam verbos no imperativo, por exemplo. “Beba...”, “Compre...”, “Use...”. Há injunção também nas ordens indiretas, como as que utilizam os verbos no futuro do pretérito com o objetivo de produzir polidez no discurso. Um exemplo: ao invés de mandar fechar a porta, a professora pergunta: Fulano, você PODERIAfechar a porta, por favor? Da mesma forma, todos os manuais de instrução, receitas, orientações técnicas e diversas regulamentações utilizam- se do discurso injuntivo. O discurso argumentativo O discurso argumentativo é próprio dos textos de opinião, das dissertações, da linguagem científica, da linguagem jurídica e dos parlamentos. Na língua portuguesa, há diversos OPERADORES ARGUMENTATIVOS que auxiliam na produção de uma linguagem para convencer o interlocutor. São as conjunções, os advérbios, alguns modalizadores verbais e algumas figuras de linguagem apropriadas para produzirem imagens e figuras de argumentos que pretendem levar o outro a acreditar que o que se está defendendo é o correto. Unidade 1 34
  • 37. Colocando em prática Elabore, em seu caderno, um pequeno texto narrativo, com no mínimo três parágrafos, cuja última frase, ou seja, o final da história, deve ser: E DAQUELE DIA EM DIANTE, LEITÃO NUNCA MAISATRAVESSOUARUA. Crie um narrador de terceira pessoa (viu o fato, mas não participou dele), utilize verbos no passado e procure ser criativo, produzindo um texto fictício. Para enfatizar o aprendizado (atividades extraclasse): Dia sim, dia não, a família do empresário Luiz Augusto - ele, a mulher e duas filhas - sai para jantar em São Paulo. No fim do mês, são R$ 5.000 só em restaurantes. Fora os R$ 1.500 de supermercado. Com renda familiar de R$ 15 mil mensais, não sobra nada para guardar. O parágrafo acima está organizado em quatro frases. Cada uma contém uma informação relativamente importante para o propósito geral do mesmo. Sua tarefa é oferecer as mesmas informações em apenas uma frase, ou seja, retirando os pontos e colocando os conectivos (preposições, conjunções, etc ) e outros termos necessários para manter o mesmo sentido. Inicie seu texto pela última informação. Conhecendo mais sobre o assunto: Agora você deve produzir um texto publicitário para alertar as pessoas sobre os problemas do alcoolismo. O Gênero Textual será um Cartaz e as tipologias mais utilizadas serão a descritiva e a injuntiva. Ou seja, ao final do cartaz você deve levar o leitor a fazer algo. Observe cartazes ou material de divulgação, antes de produzir seu texto. Refletindo sobre a organização da linguagem Nesta unidade, verificamos que para cada modalidade de texto, há predominância de uma maneira de utilizar a língua. Trata-se das tipologias discursivas. Um conto, por exemplo, pede que os verbos sejam utilizados no passado. Um texto de opinião exige verbos no presente ou futuro e exige mais operadores argumentativos que uma crônica, por exemplo. Procure observar a forma como as pessoas utilizam a linguagem no cotidiano e perceba a linguagem do telejornal. Ou compare o jornal escrito com o jornal da televisão, para verificar a diferença na utilização dos termos, expressões, tempos verbais, etc. Sugestão: trabalhar os elementos da narrativa no texto 02 (anexos), e a função social da Literatura. 35
  • 38. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTUNES, I. Aula de Português: encontro e interação. SP: Parábola, 2003. _____, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. SP: Parábola, 2009. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias – Língua. 2010. GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. 3 ed. SP: Ática, 2001. MACHADO, A. M. O Tao da teia: sobre textos e têxteis. Estud. av. [online]. 2003, vol.17, n.49, pp. 173-196. ISSN 0103-4014. SEED PARANÁ. Diretrizes Curriculares da educação básica de Língua Portuguesa. 2008. FONTES CONSULTADAS <http://www.dominiopublico.gov.br>. Danuza Leão. Folha de São Paulo. 16/11/2008. Revista Veja, 20/03/2005. Revista Planeta ano 36 edição 433, p. 48-51, outubro de 2008. Revista Mundo Jovem,Agosto de 2007. <http://www.brasilescola.com/datacomemorativas/dia-da-arvore.htm>. Acesso em: 29 de dezembro de 2011. <http://marioaragao.com.br/o-poder-do-boato/charge-o-poder-do-boato>. Acesso em: 12 de dezembro de 2011. Unidade 1 36
  • 41. Unidade 2 - Matemática CONCEITOS BÁSICOS A ciência matemática é a parte de uma cultura que se tem definido como o conjunto de conceitos em torno do qual uma população atua e pensa, e, quando utilizada como linguagem e ferramenta de pensamento, constitui-se em indicador cultural. Esta ciência tem como elementos básicos a lógica, a intuição, a análise, a construção, a generalidade e a individualidade. Dessa forma, a matemática possibilita às pessoas estabelecer relações entre os diferentes aspectos que fazem parte de seu contexto e de sua cultura, analisando criticamente a diversidade presente na realidade em que vivem. Neste curso, temos como objetivos específicos:  Fornecer subsídios básicos de matemática, que alicerçam os Ensinos Fundamental e Médio, para que o aluno possa compreender e resolver problemas com números reais;  Compreender a relação de grandezas direta e inversamente proporcionais, por meio de regra de três;  Estudar funções, construir e analisar gráficos que são conceitos amplamente utilizados no cotidiano, necessários ao entendimento de situações reais. Números e Operações O homem vive cercado pelos números: 39
  • 42. Os números estão presentes no dia a dia, sejam nas movimentações de contas bancárias, nas eleições, na medição de temperaturas, nas placas de veículos. Eles vêm representados de diversas maneiras:  Placas de carros, teclas de telefone, entre outros são os chamados números naturais, e se apresentam assim: 0,1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,...  As temperaturas podem ser positivas ou negativas; para a representação de altitude em relação ao nível do mar também são utilizados números positivos ou negativos. Esses são os números inteiros e se apresentam assim: ..., -3, -2, -1, 0, +1, +2 , +3, ...  Os preços dos produtos em feiras, os números nos extratos bancários, medidas em receitas de bolos, são exemplos de números racionais e se apresentam assim: ..., -24, 31; ...; -3; ...; - 1/2; ...; 0; ...; +3/5; ...; +9; ... Utilizamos os números nas suas diferentes formas de representação, conforme a necessidade de cada momento. Analisando o contrachequ EMPRESA: ______________________________________________________________ RECIBO DE PAGAMENTO DE SALÁRIO - REF: AGOSTO/2008 FUNCIONÁRIO:___________________________________________________________ CARGO:_________________________________________________________________  Conversar com os alunos sobre a função do contracheque. Explique que se trata de um documento em que a empresa especifica o ordenado bruto do funcionário, as deduções (de Imposto de Renda, INSS) e os acréscimos (salário-família, horas extras, gratificações).  Passeie pela nomenclatura: o que significa cada linha? A que mês o recibo se refere? Pergunte aos alunos que trabalham como é o contracheque deles - tomando o cuidado de não criar constrangimento, uma vez que muitos trabalham na informalidade. Aparecem DESCRIÇÃO VENCIMENTOS DESCONTOS SALÁRIO 525,00 --- ALIMENTAÇÃO 130,00 --- TRANSPORTE --- 27,00 INSS --- 50,00 TOTAL DE VENCIMENTOS TOTAL DE DESCONTOS LÍQUIDO A RECEBER 40 Unidade 2
  • 43. outros itens além dos apresentados?  Divida a turma em grupos de quatro alunos e peça que calculem o total de vencimentos. Observe as estratégias utilizadas para resolver o problema e selecione quais delas quer colocar em discussão. Pergunte quais são as vantagens e as desvantagens dos métodos utilizados. Repita o procedimento para obter a soma dos descontos e o valor líquido a receber.  Proponha à classe o seguinte enunciado: "O trabalhador que recebeu este salário precisa pagar as seguintes despesas – alimentação: 160 reais; água: 29 reais; luz: 50 reais; aluguel: 170 reais; prestação de um rádio: 40 reais. Qual é o total de despesas a pagar? Quanto sobra do salário?" Dessa vez, deixe cada um trabalhar individualmente. Discuta novamente as estratégias de resolução. Trabalhando a leitura, escrita e interpretação dos números em matemática  Construa uma frase para cada representação numérica abaixo, escrevendo os números por extenso. Calça n.° 40 5.° andar 25 km 12h45min Vendas 556-0034 m2 28°C Placa ABC 7489  Trabalhar a leitura e a interpretação oral de cada item com os alunos. ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ 41
  • 44. ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ 42
  • 45. Trabalhando com receitas Observe as receitas que Dona Márcia fez para o aniversário de seu filho. A festa será preparada para 40 pessoas, contando, inclusive, o aniversariante. Brigadeiro 1 lata de leite condensado 3 colheres de sopa de chocolate em pó 1 colher de sopa de margarina 1 pacote de 100 gramas de chocolate granulado para confeitar Modo de fazer Misture os três primeiros ingredientes e leve ao fogo brando, mexendo sempre até que se desprenda do fundo da panela. Despeje num prato fundo. Espere esfriar e enrole os docinhos, passando-os pelo chocolate granulado, e coloque-os nas forminhas. Rende 40 docinhos. Beijinho 1 lata de leite condensado 1 pacote de 150 gramas de coco ralado 1 colher de sopa de margarina Açúcar cristal para confeitar Modo de fazer Misture tudo e leve ao fogo brando, mexendo sempre até que se desprenda do fundo da panela. Despeje num prato fundo. Espere esfriar e enrole os docinhos, passando-os pelo açúcar cristal, e coloque-os nas forminhas. Rende 40 docinhos. Bolo de chocolate 7 ovos 7 colheres de sopa de açúcar 7 colheres de sopa de chocolate em pó 100 gramas de margarina 100 gramas de coco ralado 4 colheres de chá de fermento em pó Modo de fazer Bata todos os ingredientes no liquidificador. Despeje numa forma de buraco no meio, untada com margarina e enfarinhada.Asse em fogo moderado. Cobertura 43
  • 46. 1 lata de creme de leite 1 xícara de chá chocolate em pó 1 xícara de chá de açúcar Leve ao fogo todos os ingredientes, mexendo sem parar. Assim que ferver, desligue o fogo, antes que suba. Despeje sobre o bolo ainda quente. Rende 20 pedaços. Cachorro-quente 16 pãezinhos de 100 gramas 16 salsichas Ingredientes para o molho 1 cebola pequena 2 dentes de alho amassados 3 tomates maduros picadinhos 2 colheres de sopa de óleo 1 folha de louro 1 colher de sopa de cheiro verde 1 pitada de orégano sal a gosto Modo de Fazer: Numa panela coloque o óleo e refogue a cebola. Quando a mesma estiver dourada, coloque o alho, o louro, o tomate, o sal e, por último, o cheiro verde e o orégano. Quando começar a grudar no fundo da panela, acrescente 1/4 de copo de 200 ml de água e deixe até levantar fervura. Acrescente 16 (dezesseis) salsichas previamente cozidas, cortadas em rodelas. Querendo aumentar o molho, acrescente mais 1/4 de copo de água. De acordo com as receitas, responda: a) D. Márcia calculou que cada convidado consumiria 10 brigadeiros, 10 beijinhos, 2 pedaços de bolo e 2 sanduíches. Calcule a quantidade de ingredientes necessários para cada receita. b) Supondo que a festa fosse preparada para a metade do total de convidados, calcule a quantidade de ingredientes para as receitas de D. Márcia. c) Complete as tabelasA e B a seguir. 44 Unidade 2
  • 47. Tabela A Tabela B d) O bolo rende 20 pedaços. Calcule quantos pedaços será possível obter se houver: e) Faça uma lista com todos os ingredientes apontados nas receitas, estimando os preços. ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ Ingredientes do cachorro quente Dobro Triplo Metade 16 pãezinhos de 100 gramas 1 cebola pequena 2 dentes de alho 3 tomates 2 colheres de óleo 1 folha de louro 1 colher de cheiro verde Ingredientes do brigadeiro Dobro Triplo Metade 1 lata de leite condensado 3 colheres de chocolate em pó 1 colher de sopa de margarina 1 pacote de 100 gramas de chocolate granulado 45
  • 48. f) Com base na estimativa anterior, calcule o custo aproximado de cada receita. g) Imagine que o aniversário seja o seu. Liste o nome dos seus convidados e estipule a quantidade de receitas que será necessário fazer (não esqueça de contar você). ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ h) A previsão de tempo que D. Márcia fez para enrolar os docinhos está expressa nas tabelas a seguir. Complete: Tabela C Tabela D i) Observe as razões da estimativa de D. Márcia: 1 convidado 1 convidado 10 brigadeiros 2 fatias de bolo Tempo (em minutos) 1 2 3 4 8 10 12 15 20 Docinhos enrolados 4 Tempo (em minutos) 0,5 2,5 4,5 7,5 10,5 Docinhos enrolados 2 10 14 22 34 38 46 Unidade 2
  • 49. Agora complete as tabelas: Tabela E Tabela F j) Dona Márcia estimou que cada convidado consumiria 500 ml de refrigerante. Quantos refrigerantes de 2 litros foram adquiridos? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ k) Supondo que faltaram 10 pessoas à festa, quantos litros de refrigerante sobraram? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ Regra de três simples e composta Entendemos por grandeza tudo aquilo que pode ser medido, contado. O volume, a massa, a superfície, o comprimento, a capacidade, a velocidade, o tempo, são alguns exemplos de grandezas. No nosso dia a dia encontramos varias situações em que relacionamos duas ou mais grandezas. Exemplos:  Em uma corrida, quanto maior for a velocidade, menor será o tempo gasto nessa prova.Aqui as grandezas são a velocidade e o tempo.  Numa construção, quanto maior for o número de funcionários, menor será o tempo gasto Convidado 2 3 4 5 10 12 15 30 35 Brigadeiro Convidado 2 3 4 6 10 12 15 30 40 Fatias de bolo 47
  • 50. para que esta fique pronta. Nesse caso, as grandezas são o número de funcionários e o tempo. Grandezas Diretamente Proporcionais Em um determinado mês do ano, o litro de gasolina custava R$ 2,79. Tomando como base esse dado podemos formar a seguinte tabela. Tabela G Observe: Se a quantidade de gasolina dobra, o preço a ser pago também dobra. Se a quantidade de gasolina triplica o preço a ser pago também triplica. Neste caso, as duas grandezas envolvidas, quantia a ser paga e quantidade de gasolina, são chamadas grandezas diretamente proporcionais. Isto é, duas grandezas são chamadas diretamente proporcionais quando dobrando uma delas, a outra também dobra; triplicando uma delas, a outra também triplica. Grandezas inversamente proporcionais Um professor de matemática tem 24 livros para distribuir entre os seus melhores alunos. Se ele escolher apenas 2 alunos, cada um deles receberá 12 livros. Se ele escolher 4 alunos, cada um deles receberá 6 livros. Se ele escolher 6 alunos, cada um deles receberá 4 livros. Observe a tabela: Tabela H Quantidade de gasolina (em litros) Quantidade a pagar (em reais) 1 2,79 2 5,58 3 8,37 Número de alunos escolhidos. Números de livros para cada aluno 2 12 4 6 6 4 48 Unidade 2
  • 51. Observe: Se o número de alunos dobra, a quantidade de livros cai pela metade. Se o número de alunos triplica, a quantidade de livros cai para a terça parte. Isto é, duas grandezas são inversamente proporcionais quando dobrando uma delas, a outra se reduz para a metade; triplicando uma delas, a outra se reduz para a terça parte... e assim por diante. Regra de três simples Regra de três simples é um processo prático para resolver problemas que envolvam quatro valores dos quais conhecemos três deles. Devemos, portanto, determinar um valor a partir dos três já conhecidos. Passos utilizados numa regra de três simples 1 - Construir uma tabela, agrupando as grandezas da mesma espécie em colunas e mantendo na mesma linha as grandezas de espécies diferentes em correspondência. 2 - Identificar se as grandezas são diretamente ou inversamente proporcionais. 3 - Montar a proporção e resolver a equação. Exemplos: a) Se 8m de tecido custam 156 reais, qual o preço de 12 m do mesmo tecido? Observe que as grandezas são diretamente proporcionais, aumentando o metro do tecido aumenta na mesma proporção o preço a ser pago. Observe que o exercício foi montado respeitando o sentido das setas. Resposta:Aquantia a ser paga é de R$ 234,00. 49
  • 52. b) Um carro, à velocidade de 60 km/h, faz certo percurso em 4 horas. Se a velocidade do carro fosse de 80 km/h, em quantas horas seria feito o mesmo percurso? Observe que as grandezas são inversamente proporcionais, aumentando a velocidade o tempo diminui na razão inversa. Resolução: Observe que o exercício também foi montado respeitando os sentidos das setas. Resposta: O tempo a ser gasto é 3 horas. Regra de Três Composta Aregra de três composta é utilizada em problemas com mais de duas grandezas, direta ou inversamente proporcionais. Exemplo: a) Em 8 horas, 20 caminhões descarregam 160 m3 de areia. Em 5 horas, quantos caminhões serão necessários para descarregar 125 m3? 50 Unidade 2
  • 53. Aumentando o número de horas de trabalho, podemos diminuir o número de caminhões. Portanto, a relação é inversamente proporcional (seta para cima na 1ª coluna). Aumentando o volume de areia, devemos aumentar o número de caminhões. Portanto, a relação é diretamente proporcional (seta para baixo na 3ª coluna). Devemos igualar a razão que contém o termo x com o produto das outras razões de acordo com o sentido das setas. Resolução: Serão necessários 25 caminhões. ATIVIDADES Lembrete:  organizar as informações em uma tabela;  verificar a relação de proporcionalidade entre cada uma das grandezas com a grandeza que queremos determinar, isto é, considere somente uma variação de cada vez. 1 - Em uma feira, há um cartaz, que diz o seguinte: 1 kg de batatinha ___________________________________________________R$ 3,80 3 kg de batatinha____________________________________________________R$ 9,60 5 kg de batatinha___________________________________________________R$ 15,00 Verifique se o preço total a pagar é diretamente proporcional ao “peso”. Justifique sua resposta. 1 - No livro de receitas de D.Ana, encontramos a seguinte receita:  Ovos na palha  6 ovos 51
  • 54.  1 colher de sopa de óleo  100 gramas de salame fatiado e cortado em tiras  ½ xícara (chá) de cebolinha verde picada  100 gramas de batata palha  1 colher (café) rasa de sal  ½ colher (café) de pimenta-do-reino branca  Rendimento: 3 porções a)Como deverá ficar a receita se forem usados 12 ovos? E se forem usados somente 3 ovos? b) O que se deve fazer com a receita para obter 9 porções? c) Que fator de proporcionalidade você usou no item a para obter as outras quantidades de ingredientes em cada um dos casos? d)As grandezas ingredientes e rendimento são diretamente proporcionais? 1 - Se 20 litros de álcool custam R$ 25,00, quanto custarão 34 litros desse combustível no mes- mo posto de abastecimento? 2 - Doze operários, trabalhando 8 horas por dia, fazem 20 m de muro em 10 dias. Quantas horas devem trabalhar por dia 16 operários, nas mesmas condições, para concluir, em 6 dias, 13 m do mesmo muro? 3 - O encarregado de uma obra quer encher um reservatório usando duas torneiras. Juntas elas despejam 3600 litros de água em 5 horas. Em quantas horas 6 torneiras juntas, com a mesma vazão que as anteriores, despejariam 5400 litros de água? 52 Unidade 2
  • 55. PORCENTAGEM E JUROS Porcentagem O que tem mais água, uma uva ou uma banana? Para responder corretamente são necessárias algumas informações, ou seja:  Em uma uva de 5 g, há cerca de 4 g de água.  Em uma banana de 100 g, há cerca de 75 g de água. Mostrar aos alunos que há duas interpretações possíveis para a pergunta. Uma possível resposta é que há mais água na banana (75 g, contra 4 g na uva). Nesse caso, estão sendo comparados os valores absolutos de água na banana e na uva. Entretanto, uma segunda interpretação refere-se aos valores relativos de água, isto é à proporção, ou à parte que a água ocupa em cada fruta. Perguntar aos alunos como eles calculariam essas partes. Conduzir a discussão para a representação fracionária das partes de água em cada fruta:  Em cada 5 g de uva há 4 g de água. Portanto, a fração de água na uva é 4/5.  Em cada 100 g de banana, há 75 g de água. Portanto, a fração de água na banana é 75/100. Mas a pergunta permanece: qual fração é maior? Lembrar que para comparar frações, é mais fácil deixá-las no mesmo denominador. Para achar uma fração equivalente a 4/5 que tenha denominador 100, por exemplo, basta multiplicar numerador e denominador por 20, chegando à fração 80/100. Assim, fica fácil concluir que há proporcionalmente mais água na uva do que na banana (80/100 contra 75/100).  Relembrar os alunos que as frações de denominador 100, que apareceram no problema acima, são chamadas de porcentagens, que são representadas pelo símbolo %: 80/100 = 80% Reforçar o ponto fundamental: porcentagens são frações de denominador 100! 75/100 = 75% 53
  • 56. Mostrar que o termo “por cento” tem exatamente o mesmo significado de centésimo. Assim, as porcentagens são usadas para representar partes, ou proporções, tomando como referência (denominador) o número 100. Portanto, quando se diz que o percentual de água na uva é 80%, isso significa que de cada 100 partes (em massa) da uva, 80 correspondem à água. Como veremos adiante, porcentagens são muito usadas para quantificar juros.  Retomando a representação decimal de porcentagens:  80% = 80/100 = 0,8  1% = 1/100 = 0,01  110% =110/100 = 1,1 (esta é uma parte maior do que a unidade, e isso é perfeitamente possível)  Temos dois tipos básicos de problemas que envolvem porcentagens:  Problema Tipo 1: Calcular uma porcentagem de um número.  Exemplo: Calcular 80% de 5 g.  Resolução:  Devemos multiplicar a porcentagem (na forma decimal é mais simples) pelo número dado.  0,8 ∙ 5 = 4 g.  Problema Tipo 2: Calcular qual a porcentagem que um número representa de outro.  Exemplo: O salário mínimo era de R$ 510,00 e passou para R$ 545,00. Qual foi o aumento porcentual?  Resolução:  Primeiramente, deve-se identificar que a questão pede o aumento porcentual. Como o aumento foi de R$ 35.00, deve-se descobrir que porcentagem 35 representa de 510. Para isso, basta dividir 35 por 510.  = 0,0686... 0,069 = 6,9%. O quadro abaixo sistematiza a forma de resolver ambos os tipos de problema. Tipo 1 Calcular x% de y Multiplicar por y* Tipo 2 Calcular a porcentagem que x representa de y Dividir x por y** *Frequentemente, o cálculo torna-se mais simples se for escrito na forma decimal (exemplo 8% =8/100 = 0,08). **Dividindo-se x por y na calculadora, o resultado sai na forma decimal. O valor do porcentual é obtido multiplicando o resultado dessa divisão por 100, conforme o exemplo acima.54 Unidade 2
  • 57. Atividades 1- Calcular 12,5% de R$ 500,00. 2- Calcular que porcentagem 12 representa de 60. 3- Com base em panfletos de propagandas das lojas e supermercados, escolha 5 itens de mesma natureza anunciados para vendas a prazo e preencha a tabela abaixo com os dados solicitados, fazendo os cálculos necessários. Juros Uma boa conceituação de juros encontra-se na enciclopédia Wikipédia. “O juro pode ser compreendido como uma espécie de "aluguel sobre o dinheiro".Ataxa seria uma compensação paga pelo tomador do empréstimo para ter o direito de usar o dinheiro até o dia do pagamento. O credor, por outro lado, recebe uma compensação por não poder usar esse dinheiro até o dia do pagamento e por correr o risco de não receber o dinheiro de volta (risco de inadimplência). A comparação com o aluguel é muito esclarecedora. Quando uma família aluga (toma emprestado) um imóvel, ela se compromete a devolver para o proprietário, após um tempo determinado, o imóvel mais um valor em dinheiro, referente ao aluguel. Nessa lógica, o próprio dinheiro também pode ser visto como um bem a ser usado, assim como um imóvel. Quando alguém aluga esse bem, deve pagar/receber por isso. Na vida cotidiana, há basicamente dois tipos de situações que envolvem pagamento de juros:  dívidas contraídas (empréstimos bancários, crediários etc)  rendimento de aplicações financeiras (poupança, fundos etc). NOME DA MERCADORIA PREÇO À VISTA N0 DE PARCELAS FINANCIADAS PREÇO A PRAZO DIFERENÇA ENTRE O PREÇO A VISTA E O PREÇO A PRAZO % DE JUROS COBRADOS AO FINAL DO FINANCIAMENTO EM RELAÇÃO AO PREÇO A VISTA 55
  • 58. Praticamente em todas as situações, os juros são calculados como uma porcentagem do valor devido/aplicado. Por isso é muito importante estar familiarizado com os cálculos de porcentagem. Juros Simples: são acréscimos que são somados ao capital inicial no final da aplicação. Afórmula do Juro Simples é: j = C.i.t Onde: j = juros, C = capital, i = taxa, t = tempo Exemplo: Considere que uma pessoa empresta a outra a quantia de R$ 2.000,00, a juros simples, pelo prazo de 3 meses, à taxa de 3% ao mês. Quanto deverá ser pago de juros? Resolução:Antes de iniciarmos a resolução deste problema, devemos descobrir o que é o quê, ou seja, quais dados fazem parte das contas. Capital Aplicado (C): R$ 2.000,00 Tempo de Aplicação (t): R$ 3 meses Taxa (i): 3% ou 0,03 ao mês (a.m.) Fazendo o cálculo, teremos: J = C . i. t J = 2.000 x 3 x 0,03 R$ 180,00 Ao final do empréstimo, a pessoa pagará R$ 180,00 de juros. Observe, que se fizermos a conta mês a mês, o valor dos juros será de R$ 60,00 por mês e esse valor será somado mês a mês, nunca mudará Juros Composto: são acréscimos que são somados ao capital, ao fim da cada período de aplicação formando com esta soma um novo capital. Afórmula dos Juros Compostos é: M = C. (1 + i)t Onde: M = Montante, C = Capital, i = taxa de juros, t = tempo. Considerando o mesmo problema anterior, da pessoa que emprestou R$ 2.000,00 a uma taxa de 3% (0,03) durante 3 meses, em juros simples, teremos: Capital Aplicado (C) = R$ 2.000,00 Tempo de Aplicação (t) = 3 meses Taxa deAplicação (i) = 0,03 (3% ao mês) Fazendo os cálculos, teremos: M = 2.000 ( 1 + 0,03)³ M = 2.000 . (1,03)³ M = R$ 2.185,45 Ao final do empréstimo, a pessoa pagará R$ 185,45 de juros. Observe, que se fizermos a conta mês a mês, no primeiro mês ela pagará R$ 60,00, no segundo mês ela pagará R$ 61,80 56 Unidade 2
  • 59. e no terceiro mês ela pagará R$ 63,65. Normalmente quando fazemos uma compra a prazo, por exemplo, os juros cobrados são os Juros Compostos. Praticamente todas lojas comerciais adotam os juros sobre juros (Juros Compostos). Atividades 1- João fez um empréstimo com um amigo por um período de 6 meses e pagou R$ 540,00 de juros. Sabendo que a taxa foi de 3% ao mês, calcule o valor que João pediu emprestado? 2- Determine o montante produzido por um capital de R$ 20.000,00 a uma taxa de 12% a.a. durante 5 meses, considerando-se juros simples. 3- Ana quer comprar uma televisão que custa à vista R$ 650,00. Como Ana não tem todo o dinheiro para comprar, propôs que ela pagasse com um cheque pré-datado para 2 meses, com um valor de R$ 721,50. Qual foi a taxa mensal cobrada? 4- Aplicando-se R$ 10.000,00 em um banco que paga juros compostos de 2% ao mês, quanto será o montante após 4 meses? Observação: Para todas as atividades, primeiro verificar o que se pede, ou seja, retirar os dados do problema. Atividades Propostas:Tratamento de Informação 57 Anotações
  • 60. ORGANIZANDO DADOS EMTABELAS Marília tinha em seu porta-níqueis 11 moedas, totalizando 1 real. Se não havia moeda de R$ 0,25, quantas moedas e de quais valores havia no porta-níqueis de Marília? Resolução: Leitura e interpretação de dados em tabela  Antes de iniciar a atividade, peça aos alunos que relatem suas experiências com o trânsito, 58 Unidade 2
  • 61. especialmente no que se refere ao tipo de transporte que utilizam para ir ao trabalho, quais os perigos que enfrentam no trânsito e de que modo se protegem desses perigos.  Organize no quadro-negro uma tabulação do tipo de transporte utilizado pelos alunos para ir ao trabalho.  Com os dados coletados, construa um gráfico de colunas mostrando os procedimentos de construção para os alunos.  Comente sobre as infrações que os motoristas estão sujeitos e as consequências. Leia os dados apresentados na tabela para responder às questões em seu caderno: Fonte: <http://www.detran.go.org.br>. a) Aque se referem os dados apresentados na tabela? Onde esses dados foram obtidos? b) Que tipo específico de infração teve maior aplicação de multas nesse período? c) Qual foi o total de multas aplicadas nesse período? d)Ao ser multado por dirigir com fones de ouvido, o motorista paga aproximadamente 85 reais. Qual foi o valor aproximado arrecadado pelo estado de Goiás com esse tipo de multa? MEXA-SE Uma pessoa que gasta 150 quilocalorias (Kcal) por dia em atividade física já não é considerada sedentária. Veja no quadro em que atividades e em quanto tempo se podem gastar essas quilocalorias.  45 minutos lavando carro;  20 minutos nadando; MULTAS APLICADAS NO ESTADO DE GOIÁS (JANEIRO A JULHO D E 2006) INFRAÇÃO TOTAL DE MULTAS Desobedecer ao sinal fechado ou à parada obrigatória 41.516 Exceder o limite de velocidade 157.212 Apresentar falta ou a deficiência de equipamentos obrigatórios 17.299 Dirigir usando fones de ouvido 25.429 Deixar, o condutor ou o passageiro, de usar cinto de segurança 11.444 Outras infrações 223.941 59
  • 62.  30 minutos jogando basquete;45 minutos lavando os vidros da janela ou o chão da casa;  30 minutos andando três quilômetros;  15 minutos andando de bicicleta seis quilômetros. a) Descubra em quanto tempo (x) se pode correr 3 quilômetros para gastar as 150 quilocalorias, sabendo que: _5_ + _4__ = _ 7_ x x+1 12 b) Se uma pessoa nadar 30 minutos por dia, quantas Kcal ela vai gastar? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ c) Laura gasta 45 minutos para ir e voltar da escola de bicicleta. Quantas quilocalorias ela gasta? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ d) Se você nadar 40 minutos, gastar mais 300 Kcal jogando basquete, e ainda andar mais 6 km, quantas quilocalorias irá gastar no total e em quanto tempo? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ Autoavaliação: são atividades para serem realizadas com base em conhecimentos já adquiridos anteriormente e os revistos no curso. 1- Vou para Barro Preto, saindo de São Joaquim. Tenho duas opções de caminho: por São João ou por Santa Maria. Observando o esquema diga: por qual destes caminhos o trajeto é menor? 60 Unidade 2
  • 63. 2- Você sabe como determinar a idade de uma árvore? Quando a madeira é cortada no sentido radial (em discos), conforme figura a seguir, aparecem linhas circulares claras e escuras – são os anéis de crescimento. Cada par de anéis (1 claro e 1 escuro) representa um ano de crescimento da árvore; contando-se os pares de anéis, tem se a “idade da árvore”. Corte radial de uma árvore a) Qual é a idade da árvore acima, se considerarmos as linhas que aparecem na ilustração? b) O desenho que aparece no corte radial da árvore nos dá a idéia de uma figura plana. Que figura é esta? 3- Lúcia fez um balanço de quantos litros de leite foram vendidos em seis dias da semana e representou no quadro abaixo. Um dos números ficou ilegível. Descubra quantos litros de leite ela vendeu no Sábado LEVANTAMENTO DE VENDADE LEITE 4-Aloja de eletrodomésticos anotou as vendas do mês de maio: a) Qual o eletrodoméstico mais vendido? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ b) Qual o que menos vendeu? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ Dias da semana seg ter qua qui sex sab dom Litros de leite (vendidos) 17 22 34 35 27 -- 170 ELETRODOMÉSTICO TOTAL DE VENDAS VALOR UNITÁRIO Liquidificador 5 78 reais Ferro elétrico 3 45 reais Batedeira 4 86 reais Aspirador de pó 8 120 reais 61
  • 64. c) Quantos eletrodomésticos foram vendidos no mês de maio? ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ d) Quanto à loja recebeu vendendo? Liquidificador________Ferro elétrico________Batedeira________Aspirador de pó________ 62 Anotações Unidade 2
  • 65. BIBLIOGRAFIACONSULTADA GIOVANNI, J. R. A conquista da matemática. São Paulo: FTD, 2002 (Coleção a Conquista da matemática, 60 ao 90 ano) PAIVA, M. Matemática: volume único. São Paulo: Editora Moderna, 1999. Projeto Araribá: Matemática: Ensino Fundamental/ Obra coletiva, concebida desenvolvida e produzida pela Editora Moderna, 2007. <http://www.portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/eja/propostacurricular/primeirosegmento/pr opostacurricular.pdf>. <http://www.mundovestibular.com.br/articles/451/1/GRANDEZAS---REGRA-DE- TRES/Paacutegina1.html>. <http://pt.wikipedia.org/wiki/Juro>. 63
  • 67. Unidade 3 - Informática básica CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA Um computador para funcionar precisa de duas partes distintas, conhecidas como hardware e software. Hardware: é a parte física do computador, ou seja, são as peças que em conjunto formam um computador. Exemplos de hardware são: mouse, teclado, monitor, memória, placa de vídeo, placa de rede, dentre outros. Software: é a parte lógica do computador, ou seja, são os programas do computador. Exemplos de softwares são: Linux, Windows, Writer, Calc, Impress, Base, Word, Excel, PowerPoint, dentre outros. Os softwares se dividem nas seguintes categorias: Software básico: é um conjunto de programas que auxiliam na execução de diversos softwares aplicativos. É formado pelos seguintes componentes principais:  Sistema Operacional: software que gerencia e controla o computador.  Compiladores e Interpretadores: são softwares que traduzem ou interpretam os programas escritos em diferentes linguagens de programação.  Linguagens de Programação: conjunto de regras sintáticas e semânticas que permitem escrever os programas de computadores.  SoftwareAplicativo: são softwares utilizados para executar tarefas específicas dos usuários. Por exemplo, um editor de textos, uma planilha de cálculo, um software contábil, entre outros. SISTEMAOPERACIONAL O sistema operacional é um software que gerencia o computador e torna possível a interface entre o usuário e o computador. O sistema operacional é quem controla o gerencia- mento de dispositivos físicos como memória, processador, disco rígido, entre outros, e que permite a execução de aplicativos, como o BrOffice, por exemplo. Quando ligamos o computador o sistema operacional inicia-se automaticamente permitindo que o usuário possa dar seus comandos ao computador. Existem diversos tipos e 65
  • 68. versões de sistemas operacionais, dentre eles destacam-se: Windows, Linux, Unix, OS 2, MacOS, entre outros. O sistema operacional que vamos estudar é o Linux por ser considerado software livre, ou seja, não é necessário o usuário adquirir a licença para uso posterior. Esses softwares já vêm acompanhados por uma licença de software livre. SISTEMAOPERACIONALLINUX – UM POUCO DAHISTÓRIA O Linux foi criado como um projeto universitário de um estudante finlandês, chamado Linus Torvalds. Por volta de 1983, foi criada por Richard Stallman uma fundação sem fins lucrativos, chamada Free Software Foudantion (FSF), cujo objetivo era lutar contra as restrições de cópia e alterações de software, ou seja, incentivar a criação de software livre para cópia e alterações. Pra tanto, a FSF criou uma licença pública geral chamada GNU (General Public Licence) que regulamenta a distribuição e alterações no software e as condições para cópia. Linus Torvalds resolveu disponibilizar o código-fonte do Linux sob a licença GNU com o objetivo de conseguir a ajuda de outros desenvolvedores. A partir daí, muitos desenvolvedores se interessaram pelo projeto e começaram a adicionar novas funcionalidades e recursos ao sistema. Em 1991 a primeira versão oficial do Linux foi divulgada. SISTEMASAPLICATIVOS – BrOffice O BrOffice é uma suíte de escritório que integra editores de texto, planilhas de cálculo, apresentação e editor de imagens, aplicativo de banco de dados e inclui aplicativos para fórmulas matemáticas. Foi desenvolvido por uma comunidade de engenheiros com código aberto, ou seja, seu código-fonte é disponibilizado podendo ser alterado, devido ao software ser considerado livre. O BrOffice é compatível com os formatos mais comuns do mercado como, por exemplo, os aplicativos da Microsoft. Essa praticidade auxilia os usuários a executar um arquivo, desde que seja da mesma família, em softwares distintos. Os aplicativos possuem uma interface semelhante ao pacote Office da Microsoft, o que torna fácil a utilização dos aplicativos do BROffice para os usuários que trabalham com a suíte da Microsoft. Aplicativos BrOffice Dentre os aplicativos do BROffice estudaremos o Writer, o Calc e o Impress. 66 Unidade 3
  • 69. Writer: processador e editor de textos. Calc: aplicativo utilizado para a criação de planilhas eletrônicas simples ou de cálculo. Os cálculos são realizados através de funções matemáticas como somar, calcular média, valores maiores ou menores, contar, dentre outros cálculos. Impress: permite a criação de apresentações eletrônicas com a inserção de recursos multimí- dia como imagens, sons, textos, animações. Essas apresentações podem ser utilizadas em palestras, aulas e apresentações em geral. Salvando um documento O método para salvar um documento no BrOffice não muda entre um aplicativo e outro. Para salvar um documento há duas considerações a serem observadas:  Se for a primeira vez que você está salvando o documento clique no menuArquivo >> Salvar Como ou pressione as teclas CTRL+ SHIFT + S. Uma tela será aberta para você e escolher o local onde deseja armazenar o documento e inserir o nome do documento.  Se você alterou um documento e deseja salvar as alterações clique no menu Arquivo >> Salvar ou pressione as teclas CTRL+ S. Figura 1 – Salvar e Salvar Como Abrindo um documento O método para abrir um documento já existente no BrOffice não muda entre um aplicativo e outro. Para abrir um documento clique no menuArquivo >>Abrir ou pressione as teclas CTRL + O. Na tela que se abre escolha o local onde o documento foi salvo. Clique no documento e 67
  • 70. clique no botãoAbrir ou dê dois cliques sobre o arquivo escolhido. Em qualquer uma das opções aparecerá a janela “Abrir” com a lista de pastas e arquivos disponíveis ao uso. Imprimindo um documento Para imprimir um documento qualquer utilizando um dos aplicativos do BrOffice clique no menu Arquivo >> Imprimir ou pressione as teclas CTRL + P. A tela de impressão aparecerá no seu monitor. Figura 2 – Imprimir Documento Nome: selecione a impressora que será utilizada para a impressão do documento. Propriedades: ativa o programa da impressora para serem ajustados. Intervalo de impressão: através dessas opção é possível definir se todas as páginas do documento serão impressas, ou se apenas algumas páginas serão impressas. Você deve separar com ponto e vírgula se desejar imprimir páginas alternadas e dois pontos se desejar imprimir páginas sequencias. Cópias: definir o número de cópias de impressão do documento. 68 Unidade 3
  • 71. Exercícios O que é um software livre? Quando se fala em software, o termo livre significa disponível, sem a necessidade de comprá-lo para uso posterior. Por que todo o computador precisa de um sistema operacional? Como o próprio nome diz, o sistema operacional gerencia ou opera o computador. O que é software aplicativo? Todo sistema operacional precisa de softwares aplicativos para que o usuário possa realizar tarefas específicas em um computador como, por exemplo, digitar uma carta ou fazer uma planilha de cálculo. O que é hardware? Além do sistema operacional e softwares aplicativos, para um computador funcionar é necessário montá-lo de forma adequada para que todas as funções sejam executadas de forma satisfatória. Para isso existem várias peças que formam um computador como, por exemplo, o teclado que permite a inserção de dados no computador. O que é software? E como se classificam? Quando você está trabalhando no computador você está executando programas para poder realizar as suas tarefas como, por exemplo, digitar um texto ou acessar Internet. Lembrando que isso só é possível porque existe um sistema que controla todas as ações do usuário. Por que o sistema operacional Linux não possui o editor de textos microsoft word? Existem softwares que são considerados livres, ou seja, podem ser utilizados sem a necessidade de adquirir uma licença para uso, e existem softwares que são considerados proprietários, que necessitam adquirir uma licença para uso. O funcionamento dos softwares 69
  • 72. aplicativos dependem de qual sistema operacional o usuário utiliza. Qual a diferença entre os métodos salvar e salvar como? Salvar significa armazenar o arquivo no computador. Esses arquivos podem ficar armazenados no disco rígido - também chamado de HD (Hard Disk) – ou em mídias removíveis como um pen drive, CD ou DVD. Sempre que um arquivo for criado é necessário salvá-lo para uso posterior. Caso o arquivo não for salvo, ao desligar o computador o mesmo é perdido. WRITER – PROCESSADOR E EDITOR DETEXTOS O Writer é um processador e editor de texto que permite a criação e edição de textos altamente profissionais, pois dispõe de recursos específicos para a formatação, inserção de imagens e tabelas. Com ele é possível criar um simples texto como uma carta, ofício, memoran- do, dentre outro documentos do gênero, como documentos mais complexos, como um livro ou uma apostila. INICIANDO O WRITER  No Windows: Iniciar >> Programas >> BrOffice.org >> BrOffice.org Writer.  No Linux:Aplicativos >> Escritório >> BrOffice.org Writer. Figura 3 – Tela do Writer 1- Barra de Título - É onde fica localizado o nome do arquivo e do programa. 2- Barra de Menus - Contém os menus onde se encontram todos os comandos importantes do BrOffice.org - Writer. 1 2 3 4 5 7 6 70 Unidade 3
  • 73. 3- Barra de Ferramentas Padrão - Contém os botões de atalho para as funções mais comuns do BrOffice.org - Writer. 4- Barra de Formatação -Apresenta atalhos para os principais comandos de formatação. 5- Régua - indica os limites do texto, considerando as margens direita, esquerda, superior, inferior e parágrafos. 6- Área de Edição - Local onde será editado o documento. 7- Barra de Status - Mostra informações como quantidade de páginas do documento, idioma que está sendo utilizado, tecla INSERTligada ou desligada, zoom, etc. Criando um documento novo de texto Para criar um novo documento de texto clique em Arquivo >> Novo >> Documento de texto ou pressione as teclas CTRLN. Formatando caracteres Ao digitar um texto no Writer, ou qualquer outro editor de textos, é necessário formatá- lo, ou seja, dar uma aparência melhor ao texto. Para isso, é necessário fazer algumas alterações no documento como tipo e tamanho da fonte, alinhamento, espaçamento entre as linhas, formatação das margens do documento, dentre outras alterações. Para alterar tamanho e tipo de fonte no Writer primeiramente você deve selecionar o texto e clicar em Formatar >> Caracteres. Figura 4 – Guia Caractere Fonte: Lista de fontes disponíveis no sistema. 71
  • 74. Tipos de fontes:Tipos para a fonte selecionada. Tamanho: Lista de tamanhos para a fonte selecionada. Idioma: Pode-se escolher o idioma para a fonte selecionada. Formatando alinhamento do texto Alinhamento é a posição do texto em relação às margens. Existe alinhamento à direita, à esquerda, centralizado e justificado. Para defini-lo, clique no menu Formatar >> Parágrafo. Figura 5 – Guia Parágrafo / Alinhamento Alinhamento à esquerda: Nesta formatação o alinhamento se concentra apenas do lado esquerdo, o final de cada linha do parágrafo é ajustado automaticamente pelo Writer. Alinhamento à direita: Ao contrário do anterior, nesta formatação, a preocupação é com o alinhamento à direita da linha. Alinhamento ao centro: Neste caso não existe preocupação com as margens e sim, em centralizar o texto em relação à largura da linha. Alinhamento justificado: O parágrafo justificado alinha-se tanto a direita como a esquerda da linha, por isso aparece alguns espaçamentos entre as palavras. O Writer apresenta a possibili- dade de definir o alinhamento da última linha do parágrafo justificado. 72 Unidade 3
  • 75. Formatando recuos e espaçamento do texto Figura 6 – Guia Parágrafo / Recuos e Espaçamento Recuo: Essa seção trabalha com avanço de parágrafo da esquerda e da direita, recuo específico para a primeira linha, inclusive com valores negativos. Antes do texto: Define a margem esquerda do parágrafo a partir da margem esquerda da página. Depois do texto: Define a margem direita do parágrafo a partir da margem direita da página. Primeira linha: Define a margem esquerda da primeira linha do parágrafo a partir da margem do parágrafo (antes do texto). Espaçamento: Determina o espaço antes e depois do parágrafo onde se encontra o cursor. Espaçamento de linhas: Define o espaço entre as linhas do mesmo parágrafo selecionado. Configurando página Para indicar qual o tamanho do papel e as margens da página, clique em Formatar >> Página >> Guia Página. 73
  • 76. Figura 7 – Guia Página Formato do papel: Para indicar tamanhos pré-definidos, ou usando as caixas Largura eAltura, indicando o tamanho certo do papel. Em Orientação indicamos se a página será Retrato (em pé) ou Paisagem (deitada); Margens: Indica o limite que o texto terá em relação às bordas da página. CABEÇALHO E RODAPÉ O cabeçalho, localizado na parte superior de uma página, é um espaço destinado para que se possa inserir o timbre de uma empresa ou até mesmo a numeração de um documento. O rodapé, localizado na parte inferior da página, também destinado a exibir a numeração de páginas e outras informações. Para exibir um Cabeçalho na página, clique em Inserir >> Cabeçalho >> Padrão. Note que um pequeno retângulo passa a ser exibido na parte superior da sua página. Digite dentro do Cabeçalho/Rodapé o que desejar e este será impresso em todas as páginas do documento. Pode-se utilizar no Cabeçalho/Rodapé todos os tipos de formatações, como se estivesse digitando um parágrafo normalmente. As páginas podem ter Cabeçalhos/Rodapés diferentes. Por exemplo, em um livro cada capítulo pode ter um cabeçalho diferente, pode-se, então, utilizar recursos avançados para a realização dessa tarefa. Para tanto, deve-se utilizar estilos de páginas diferentes para cada capítulo, conteúdo não visto nessa apostila. 74 Unidade 3
  • 77. Numeração de páginas Para adicionar numeração de páginas, primeiro é necessário escolher se a mesma ficará no Cabeçalho ou no Rodapé. Na seqüência clique em Inserir >> Campos >> Número da página. Exercícios 1. Abra o editor de texto Writer e digite um texto qualquer (copie de um livro, se preferir) de no mínimo 20 páginas e que tenha um título. 2. Formate o texto da seguinte forma: a. Para o título aplique fonte Loma, tamanho 14 e cor vermelha. O alinhamento deve ser centralizado. b. Para o texto aplique fonte Dejavu Serif, tamanho 12 e cor cinza escuro. O alinhamento deve ser justificado.Aplique parágrafo de 2,0 cm espaçamento entre linha de 1,5. 3. Salve o texto onde preferir com o nome deTexto1. 4. Feche o Writer. 5.Abra novamente o Writer e oTexto1 e faça as seguintes alterações. 6. Mude a cor da fonte do título para verde. 7. Mude o tamanho da fonte do texto para 10. 8. Salve novamente o documento. CALC O Calc é um aplicativo utilizado para a criação de planilhas eletrônicas simples ou de cálculo. Os cálculos são realizados através de funções matemáticas como somar, calcular média, valores maiores ou menores, contar, dentre outros cálculos. Planilhas do broffice Iniciando uma planilha no BrOffice  No Windows: Iniciar >> Programas >> BrOffice.org >> BrOffice.org Calc  No Linux:Aplicativos >> Escritório >> BrOffice.org Calc 75
  • 78. Atela do BrOffice Calc Figura 8 – Tela do Calc O Calc é composto por um grupo de planilhas localizadas na parte inferior esquerda da tela. Cada planilha é composta por um conjunto de linhas e colunas. As colunas são nomeadas com as letras do alfabeto. As linhas são numeradas. Cada célula pode ser identificada pelo cruzamento de uma coluna com uma linha, por exemplo, dizemos que a célula composta pela colunaAe linha 1 chama-se célulaA1, sendo este o endereço da célula. Criando uma nova planilha Para criar uma nova planilha clique no menu Arquivo >> Novo >> Planilha ou pressione as teclas CTRLN. Trabalhando com dados em uma planilha Nas células poderão ser digitados números, caracteres, caracteres especiais, etc. Ao terminar a entrada de dados na célula, tecle Enter ouTab. Se o texto for maior que o tamanho da célula, ele ocupará o espaço da próxima célula, Barra de Título Barra de Menus Barra de Ferramentas Padrão Barra de Formatação BarradeFórmulas Célula ativa Planilha ativa 76 Unidade 3
  • 79. se esta estiver vazia. Para resolver esse problema basta aumentar a largura da célula A1 clicando na divisão entre as células A e B (identificada na imagem) e arrastando até a posição desejada. Figura 9 – Tela do Calc / Planilha Para excluir os dados de uma célula basta selecioná-la e pressionar a tecla Delete. Para selecionar um conjunto de células clique sobre a primeira célula que deseja selecionar e arraste até a posição desejada. Alterando a altura das linhas Selecione as linhas a serem alteradas e clique em Formatar >> Linha >>Altura, digite o valor desejado e clique em Ok. Para alterar a altura da linha manualmente, posicione o cursor entre uma linha e outra. Quando o cursor do mouse alterar, clique e arraste até obter a altura da linha desejada. Alterando a largura das colunas Selecione as colunas a serem alteradas e clique em Formatar >> Coluna >> Largura, digite o valor desejado e clique em Ok. Para alterar a altura da linha manualmente, posicione o cursor entre uma coluna e outra. Quando o cursor do mouse alterar, clique e arraste até obter a largura da coluna desejada. Alinhando dados nas células Após a inserção dos dados na célula, eles são alinhados automaticamente. Os dados numéricos são alinhados à direita nas células e os textuais alinhados à esquerda. Para alinhar os dados de outra maneira, selecione a célula ou o intervalo de células, clique em Formatar >> Células >>Alinhamento e selecione as opções desejadas. 77
  • 80. Inserindo bordas nas células Para colocar bordas nas células, selecione a célula ou o intervalo de células e clique em Formatar >> Célula >> Bordas, selecione o estilo e a cor da borda e a disposição desejada e clique Ok. Formatando plano de fundo Para inserir uma cor de fundo na célula selecione a célula ou o intervalo de células e clique em Formatar >> Células >> Plano de fundo e selecione a cor desejada. Formatando valores da célula Em uma célula você pode inserir diferentes tipos de valores como data, hora, moeda, texto, entre outros. Para cada tipo de dado inserido existe uma formatação pré-definida. Exemplo: em uma célula que possui o valor do tipo moeda, é necessário inserir o sinal da moeda como “R$”, por exemplo. Para formatar os dados selecione o conjunto de células desejados clique no menu Formatar >> Célula selecione a guia “Números” e opção “Moeda”. Mesclando células Mesclar células significa juntar as linhas ou colunas de um conjunto de células. Por exemplo, você tem as colunas A, B, C e D, e deseja juntá-las, ou seja transformá-las em uma linha você deve selecionar as colunas desejadas e mesclá-las. Para mesclar selecione as linhas ou colunas desejadas e clique no botão Mesclar Células. Barra de fórmulas As fórmulas e os valores incluídos nas células aparecerão na barra de fórmulas, onde também poderão ser modificados. Figura 11 – Barra de Fórmulas 78 Unidade 3
  • 81. O primeiro item da barra mostra o endereço da célula que está ativa no momento. Toda fórmula deve ser precedida do sinal “=”. Operações matemáticas e operadores aritméticos As operações matemáticas seguem os padrões da matemática convencional. Os operadores para realizar as operações matemáticas são: Criando fórmulas As fórmulas são utilizadas para facilitar e automatizar uma operação matemática. Todas as fórmulas do Calc devem começar com o caractere “=” (igual), pois somente assim o Calc entenderá que a entrada é uma fórmula e não um texto qualquer. Exemplos de fórmulas: Obs.: nas fórmulas devem-se utilizar somente os parênteses e não os colchetes e chaves para realizar as operações. Para melhorar os cálculos no Calc deve-se utilizar o endereço da célula ao invés do operando. Exemplo: Na célula B3 está o valor “5”; na célula C3 está o valor “10”. Desejamos multiplicar os dois valores. Ao invés de fazermos a fórmula =5 * 10 onde os valores são multiplicados diretamente, faz-se a fórmula =B3 * C3. Dessa forma o Calc localiza o valor contido na célula B3 e multiplica pelo valor contido na célula C3. Se o usuário alterar o valor da célula, não é + Soma - Subtração * Multiplicação / Divisão % Porcentagem ^ Potenciação 2 x 5 = 2 * 5 2 + 5 = 2 + 5 15 – [2 + (5/2) + (2 x 4)] = 15 – (2 + (5 / 2) + (2 * 4)) 79