SlideShare uma empresa Scribd logo
Cabeça de negro
Grupo: Adriana, Luanna, Ígor,
Madson e Estevão.
É uma fruta originária das regiões
andinas do Equador, da Bolívia e do Peru,
mas na atualidade cultivada como fruteira
nas regiões tropicais e subtropicais de todo
o mundo. É parecida com uma pinha.
Regiões andinas
Nomes científicos
Annona coriacea é uma espécie arbórea (que pertence
à árvore) de pequeno porte (até 7 m de altura) pertencente
à família Annonaceae.
A família Annonaceae é de grande porte, uma
característica marcante dos indivíduos deste grupo é que
sempre se apresentam com cascas aromáticas, folhas
alternas (uma folha em cada nó. normalmente, a folha
seguinte surge em uma posição diferente da anterior),
inteiras e simples de nervação pinada.
Diferentes tipos de nervação:
a. pinada b. reticulada c. paralelinérvea d. palmatinérvea e. dicotómica
Nomes populares
• O fruto é conhecido por vários nomes, entre os quais:
Ata, Fruta-do-conde, Condessa, Cabeça-de-negro,
Araticum-do-campo, Araticum-dos-lisos, Araticum-do-
brejo, Maloreiro e Marolinho.
É um fruto grande, que apresenta polpa adocicada, rica em
ferro, potássio, cálcio, vitamina C, vitamina A, vitamina B1
e B2.
A palavra araticum vem do
guarani (indígena), cujo
significado é fruto mole.
Esse nome é comumente
utilizado para muitas
variedades de Annona, como a
fruta-do-conde (Annona
squamosa), a graviola
(Annona muricata) e o
araticum-do-cerrado ou
cabeça de negro (Annona
crassiflora).
Graviola.
Cabeça de negro.Fruta-do-conde..
Utilidades:
• Fruto:
- Bolachas;
- Geleias;
- Sucos;
- Licores;
- Bolos;
- Sorvetes;
- Doces.
• Folhas e
sementes:
- Conter
diarreia;
- Inseticida;
- Fungicida
(que combate
fungos)
Quando aberto, o fruto oferece uma polpa cremosa, de
odor e sabor bem fortes, bem característicos. Sorveterias
de Brasília, Goiânia, Montes Claros e Belo
Horizonte já produzem sorvetes e picolés de
araticum.
Características morfológicas (forma)
O maroleiro é uma árvore decídua (que derruba suas
folhas) de 2,5 a 3,5 m de altura, com o diâmetro da
copa chegando a 2–4 m.
Possui sistema radicular (raíz) do tipo axial (raíz
principal de onde saem outras raízes) que atinge grandes
profundidades no solo, para absorver água e nutrientes. O
seu tronco é reto com galhos tortuosos, a casca é
corticosa e fendida.
Raiz Axial
Neste tipo de raiz subterrânea, típica das dicotiledôneas
(dicotiledôneas são duas classes de vegetais que pertencem
às plantas angiospermas - plantas com sementes
contidas no interior dos frutos - e também fanerógamas -
plantas com flores - atualmente classificadas como
magnoliófitas), é possível detectar com clareza uma raiz
principal distinta das raízes secundárias
• Folhas
Suas folhas são simples, alternas, de 5-16cm
de comprimento e 3 a 12 de largura,
possuem as margens lisas e nervações bem
marcadas na face superior;
sua consistência é bem
firme (coriácea).
• Flores
Flores de até 04 cm de comprimento; seis pétalas
livres, que pouco se abrem; carnosas, creme-
ferrugíneas.
• Frutos
De até 15 cm de diâmetro e 2kg de peso, do tipo sincarpo
(Fruto formado por um aglomerado de utrículos – célula -
como, p.ex., a amora). Globoso ou alongado, contêm
numerosas sementes presas a uma polpa branca, aquosa e
mole.
• Sementes
Sementes de até 1,5 cm de comprimento;
elipsóides (próxima do geoide na forma e no
tamanho); muitas por fruto.
• Habitat
A planta tem preferência por regiões de cerrado
com menor déficit de umidade, em Mato
Grosso, Mato Grosso do Sul, pequena parte do
interior de São Paulo e em partes isoladas
de Goiás, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão e
leste da Bahia. Mas é em Minas Gerais que o fruto
é típico e muito apreciado.
Agroecologia - Cabeça de negro
• Dispersão:
Gravidade ou animais.
• Polinização:
Besouros, que procuram as flores para
alimentação e acasalamento.
• Cresce nos cerrados brasileiros, sendo muito
resistente a seca, podendo ser cultivada a pleno
sol e em qualquer pequeno espaço . É rara,
rústica e não necessita cuidados especiais.
Ocorrência e produção de mudas
O araticunzeiro requer solos profundos, bem drenados, não
exige alta fertilidade e tolera bem os solos ácidos da região
Cerrado. As mudas devem ser plantadas no início da época
chuvosa.
Fontes:
• http://bbeletronica.cpac.embrapa.br/
• http://biologiainterativa.webnode.com.br/bio-vegetal/sistema-
radicular/
• http://www.safarigarden.com.br/muda-de-marolo-ou-cabeca-de-
negro-annona-crassiflora
• http://www.infoescola.com/plantas/raiz/
• http://www.tudosobreplantas.com.br
• http://www.conhecaminas.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Anderson Santos
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
Killer Max
 
Estresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídricoEstresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídrico
Dailson Oliveira
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Bruno Rodrigues
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
Gleyciane Fernandes
 
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaSistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Fisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasFisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantas
Ana Carolina Boa
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma
Diogo Provete
 
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
00367p
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
Joaquim André
 
As plantas-
As plantas-As plantas-
As plantas-
neldit
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
Railenne De Oliveira Celestino
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
Bruna Medeiros
 
Solo planta - atmosfera
Solo planta - atmosferaSolo planta - atmosfera
Solo planta - atmosfera
CETEP, FTC, FASA..
 
Resistência de plantas a insetos
Resistência de plantas a insetosResistência de plantas a insetos
Resistência de plantas a insetos
Adriana Fachim
 
Morfologia das palmeiras
Morfologia das palmeirasMorfologia das palmeiras
Morfologia das palmeiras
Raelly Silva
 
V.1 Plantas
V.1 PlantasV.1 Plantas
V.1 Plantas
Rebeca Vale
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Camila Rossi
 
Hormoniosvegetais
HormoniosvegetaisHormoniosvegetais
Hormoniosvegetais
Luiz Santos
 

Mais procurados (20)

Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
 
Estresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídricoEstresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídrico
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaSistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
 
Fisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasFisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantas
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma
 
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
 
As plantas-
As plantas-As plantas-
As plantas-
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Solo planta - atmosfera
Solo planta - atmosferaSolo planta - atmosfera
Solo planta - atmosfera
 
Resistência de plantas a insetos
Resistência de plantas a insetosResistência de plantas a insetos
Resistência de plantas a insetos
 
Morfologia das palmeiras
Morfologia das palmeirasMorfologia das palmeiras
Morfologia das palmeiras
 
V.1 Plantas
V.1 PlantasV.1 Plantas
V.1 Plantas
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
 
Hormoniosvegetais
HormoniosvegetaisHormoniosvegetais
Hormoniosvegetais
 

Semelhante a Agroecologia - Cabeça de negro

Apostilha meio ambiente
Apostilha meio ambienteApostilha meio ambiente
Apostilha meio ambiente
Uiles Martins
 
cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Arvores do RS: Henrique
Arvores do RS: HenriqueArvores do RS: Henrique
Arvores do RS: Henrique
Elisângela Ribas
 
Arvores do rs
Arvores do rsArvores do rs
Arvores do rs
Elisângela Ribas
 
Gminospermas
GminospermasGminospermas
Gminospermas
Bruna Medeiros
 
Apresentação agrofloresta
Apresentação agrofloresta Apresentação agrofloresta
Apresentação agrofloresta
giovanamorais_
 
Herbario =Dddd
Herbario  =DdddHerbario  =Dddd
Herbario =Dddd
anamendes21
 
Frutas tropicais
Frutas tropicais  Frutas tropicais
Frutas tropicais
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do paisAula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
GilsonRibeiroNachtig
 
Anadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - AngicoAnadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - Angico
carlinhosmatos
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
michelechristine
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
michelechristine
 
Plantas arbustivas
Plantas arbustivasPlantas arbustivas
Plantas arbustivas
Gonzales2009
 
Doc5
Doc5Doc5
Atividade Roberta
Atividade RobertaAtividade Roberta
Atividade Roberta
Elisângela Ribas
 
Parque da Maternidade
Parque da MaternidadeParque da Maternidade
Parque da Maternidade
Ana Cunha
 
Amb flora figueira da índia-vanessa jeanes de ramos
Amb flora figueira da índia-vanessa jeanes de ramosAmb flora figueira da índia-vanessa jeanes de ramos
Amb flora figueira da índia-vanessa jeanes de ramos
rvjeanes
 
E book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinaisE book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinais
ALTAIR SOUZA
 
Hortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionaisHortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionais
Joyce Muzy
 
Plantas silvestres comestíveis
Plantas silvestres comestíveisPlantas silvestres comestíveis
Plantas silvestres comestíveis
Ismael Rosa
 

Semelhante a Agroecologia - Cabeça de negro (20)

Apostilha meio ambiente
Apostilha meio ambienteApostilha meio ambiente
Apostilha meio ambiente
 
cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga
 
Arvores do RS: Henrique
Arvores do RS: HenriqueArvores do RS: Henrique
Arvores do RS: Henrique
 
Arvores do rs
Arvores do rsArvores do rs
Arvores do rs
 
Gminospermas
GminospermasGminospermas
Gminospermas
 
Apresentação agrofloresta
Apresentação agrofloresta Apresentação agrofloresta
Apresentação agrofloresta
 
Herbario =Dddd
Herbario  =DdddHerbario  =Dddd
Herbario =Dddd
 
Frutas tropicais
Frutas tropicais  Frutas tropicais
Frutas tropicais
 
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do paisAula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
 
Anadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - AngicoAnadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - Angico
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
Plantas arbustivas
Plantas arbustivasPlantas arbustivas
Plantas arbustivas
 
Doc5
Doc5Doc5
Doc5
 
Atividade Roberta
Atividade RobertaAtividade Roberta
Atividade Roberta
 
Parque da Maternidade
Parque da MaternidadeParque da Maternidade
Parque da Maternidade
 
Amb flora figueira da índia-vanessa jeanes de ramos
Amb flora figueira da índia-vanessa jeanes de ramosAmb flora figueira da índia-vanessa jeanes de ramos
Amb flora figueira da índia-vanessa jeanes de ramos
 
E book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinaisE book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinais
 
Hortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionaisHortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionais
 
Plantas silvestres comestíveis
Plantas silvestres comestíveisPlantas silvestres comestíveis
Plantas silvestres comestíveis
 

Mais de Adriana Andrade

História - Mesopotâmia
História - MesopotâmiaHistória - Mesopotâmia
História - Mesopotâmia
Adriana Andrade
 
Gestão Ambiental - Maremotriz
Gestão Ambiental - Maremotriz   Gestão Ambiental - Maremotriz
Gestão Ambiental - Maremotriz
Adriana Andrade
 
Climatologia - Raios e trovões
Climatologia - Raios e trovões  Climatologia - Raios e trovões
Climatologia - Raios e trovões
Adriana Andrade
 
Teorias da modernidade
Teorias da modernidadeTeorias da modernidade
Teorias da modernidade
Adriana Andrade
 
Januária - Cultura
Januária - CulturaJanuária - Cultura
Januária - Cultura
Adriana Andrade
 
Literatura - Vidas secas
Literatura - Vidas secasLiteratura - Vidas secas
Literatura - Vidas secas
Adriana Andrade
 
Literatura - A Moreninha
Literatura - A MoreninhaLiteratura - A Moreninha
Literatura - A Moreninha
Adriana Andrade
 
Artes - Franz Marc
Artes - Franz MarcArtes - Franz Marc
Artes - Franz Marc
Adriana Andrade
 
Ética: Derretimento de geleiras polares
Ética: Derretimento de geleiras polaresÉtica: Derretimento de geleiras polares
Ética: Derretimento de geleiras polares
Adriana Andrade
 
História - Manifestações Culturais no Brasil durante a Ditadura
História - Manifestações Culturais no Brasil durante a DitaduraHistória - Manifestações Culturais no Brasil durante a Ditadura
História - Manifestações Culturais no Brasil durante a Ditadura
Adriana Andrade
 
Geografia: Brasil e México
Geografia: Brasil e MéxicoGeografia: Brasil e México
Geografia: Brasil e México
Adriana Andrade
 

Mais de Adriana Andrade (11)

História - Mesopotâmia
História - MesopotâmiaHistória - Mesopotâmia
História - Mesopotâmia
 
Gestão Ambiental - Maremotriz
Gestão Ambiental - Maremotriz   Gestão Ambiental - Maremotriz
Gestão Ambiental - Maremotriz
 
Climatologia - Raios e trovões
Climatologia - Raios e trovões  Climatologia - Raios e trovões
Climatologia - Raios e trovões
 
Teorias da modernidade
Teorias da modernidadeTeorias da modernidade
Teorias da modernidade
 
Januária - Cultura
Januária - CulturaJanuária - Cultura
Januária - Cultura
 
Literatura - Vidas secas
Literatura - Vidas secasLiteratura - Vidas secas
Literatura - Vidas secas
 
Literatura - A Moreninha
Literatura - A MoreninhaLiteratura - A Moreninha
Literatura - A Moreninha
 
Artes - Franz Marc
Artes - Franz MarcArtes - Franz Marc
Artes - Franz Marc
 
Ética: Derretimento de geleiras polares
Ética: Derretimento de geleiras polaresÉtica: Derretimento de geleiras polares
Ética: Derretimento de geleiras polares
 
História - Manifestações Culturais no Brasil durante a Ditadura
História - Manifestações Culturais no Brasil durante a DitaduraHistória - Manifestações Culturais no Brasil durante a Ditadura
História - Manifestações Culturais no Brasil durante a Ditadura
 
Geografia: Brasil e México
Geografia: Brasil e MéxicoGeografia: Brasil e México
Geografia: Brasil e México
 

Agroecologia - Cabeça de negro

  • 1. Cabeça de negro Grupo: Adriana, Luanna, Ígor, Madson e Estevão.
  • 2. É uma fruta originária das regiões andinas do Equador, da Bolívia e do Peru, mas na atualidade cultivada como fruteira nas regiões tropicais e subtropicais de todo o mundo. É parecida com uma pinha. Regiões andinas
  • 3. Nomes científicos Annona coriacea é uma espécie arbórea (que pertence à árvore) de pequeno porte (até 7 m de altura) pertencente à família Annonaceae. A família Annonaceae é de grande porte, uma característica marcante dos indivíduos deste grupo é que sempre se apresentam com cascas aromáticas, folhas alternas (uma folha em cada nó. normalmente, a folha seguinte surge em uma posição diferente da anterior), inteiras e simples de nervação pinada.
  • 4. Diferentes tipos de nervação: a. pinada b. reticulada c. paralelinérvea d. palmatinérvea e. dicotómica
  • 5. Nomes populares • O fruto é conhecido por vários nomes, entre os quais: Ata, Fruta-do-conde, Condessa, Cabeça-de-negro, Araticum-do-campo, Araticum-dos-lisos, Araticum-do- brejo, Maloreiro e Marolinho. É um fruto grande, que apresenta polpa adocicada, rica em ferro, potássio, cálcio, vitamina C, vitamina A, vitamina B1 e B2.
  • 6. A palavra araticum vem do guarani (indígena), cujo significado é fruto mole. Esse nome é comumente utilizado para muitas variedades de Annona, como a fruta-do-conde (Annona squamosa), a graviola (Annona muricata) e o araticum-do-cerrado ou cabeça de negro (Annona crassiflora). Graviola. Cabeça de negro.Fruta-do-conde..
  • 7. Utilidades: • Fruto: - Bolachas; - Geleias; - Sucos; - Licores; - Bolos; - Sorvetes; - Doces. • Folhas e sementes: - Conter diarreia; - Inseticida; - Fungicida (que combate fungos)
  • 8. Quando aberto, o fruto oferece uma polpa cremosa, de odor e sabor bem fortes, bem característicos. Sorveterias de Brasília, Goiânia, Montes Claros e Belo Horizonte já produzem sorvetes e picolés de araticum.
  • 9. Características morfológicas (forma) O maroleiro é uma árvore decídua (que derruba suas folhas) de 2,5 a 3,5 m de altura, com o diâmetro da copa chegando a 2–4 m.
  • 10. Possui sistema radicular (raíz) do tipo axial (raíz principal de onde saem outras raízes) que atinge grandes profundidades no solo, para absorver água e nutrientes. O seu tronco é reto com galhos tortuosos, a casca é corticosa e fendida.
  • 11. Raiz Axial Neste tipo de raiz subterrânea, típica das dicotiledôneas (dicotiledôneas são duas classes de vegetais que pertencem às plantas angiospermas - plantas com sementes contidas no interior dos frutos - e também fanerógamas - plantas com flores - atualmente classificadas como magnoliófitas), é possível detectar com clareza uma raiz principal distinta das raízes secundárias
  • 12. • Folhas Suas folhas são simples, alternas, de 5-16cm de comprimento e 3 a 12 de largura, possuem as margens lisas e nervações bem marcadas na face superior; sua consistência é bem firme (coriácea).
  • 13. • Flores Flores de até 04 cm de comprimento; seis pétalas livres, que pouco se abrem; carnosas, creme- ferrugíneas.
  • 14. • Frutos De até 15 cm de diâmetro e 2kg de peso, do tipo sincarpo (Fruto formado por um aglomerado de utrículos – célula - como, p.ex., a amora). Globoso ou alongado, contêm numerosas sementes presas a uma polpa branca, aquosa e mole.
  • 15. • Sementes Sementes de até 1,5 cm de comprimento; elipsóides (próxima do geoide na forma e no tamanho); muitas por fruto.
  • 16. • Habitat A planta tem preferência por regiões de cerrado com menor déficit de umidade, em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, pequena parte do interior de São Paulo e em partes isoladas de Goiás, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão e leste da Bahia. Mas é em Minas Gerais que o fruto é típico e muito apreciado.
  • 18. • Dispersão: Gravidade ou animais. • Polinização: Besouros, que procuram as flores para alimentação e acasalamento.
  • 19. • Cresce nos cerrados brasileiros, sendo muito resistente a seca, podendo ser cultivada a pleno sol e em qualquer pequeno espaço . É rara, rústica e não necessita cuidados especiais. Ocorrência e produção de mudas
  • 20. O araticunzeiro requer solos profundos, bem drenados, não exige alta fertilidade e tolera bem os solos ácidos da região Cerrado. As mudas devem ser plantadas no início da época chuvosa.
  • 21. Fontes: • http://bbeletronica.cpac.embrapa.br/ • http://biologiainterativa.webnode.com.br/bio-vegetal/sistema- radicular/ • http://www.safarigarden.com.br/muda-de-marolo-ou-cabeca-de- negro-annona-crassiflora • http://www.infoescola.com/plantas/raiz/ • http://www.tudosobreplantas.com.br • http://www.conhecaminas.com