SlideShare uma empresa Scribd logo
ÁFRICA
Relevo e hidrografia
hipsometria
 
RELEVO
A maior parte do relevo africano é formada de planaltos elevados, sem variações significativas em seu modelado. Por serem formações muito antigas, esses planaltos sofreram grandes transformações ao longo das eras geológicas.
Em algumas porções do continente, porém, é visível a influência de processos tectônicos recentes - ligados principalmente a atividades vulcânicas -, que contribuíram para a formação de altas montanhas no extremo norte e na sua porção leste.
O  Monte Quilimanjaro , cujo pico é o mais alto da África, com 5.895 metros de altitude, está localizado na porção leste. No nordeste, como conseqüência de uma rica hidrografia, também encontramos grandes vales.
Podemos dividir o relevo da África em três porções principais:
Planalto Setentrional  Nessa porção localiza-se o Deserto do Saara, que ocupa um quarto do território continental. A noroeste dele está a Cadeia do Atlas, que se estende desde o litoral do Marrocos até a Tunísia, abrangendo a região conhecida pelo nome de Magreb (Marrocos, a Argélia, a Tunísia e o Saara Ocidental).
Planalto Centro-Meridional Com altitudes médias mais altas que as do Planalto Setentrional, a região compreende o centro-oeste e o sul do continente. A Bacia do Rio Congo e o Deserto do Kalahari são exceções dessa região, pois constituem duas grandes depressões .
Planalto Oriental Região de origem vulcânica, com altitudes elevadas e depressões. ou fossas tectônicas que deram origem a extensos lagos, como o  Tanganica , o Vitória (formador do Rio Nilo) e o Niassa. Um aspecto marcante nesse planalto é o  Rift Valley,  uma depressão alongada que forma um vale de norte a sul.
MONTE QUILIMANJARO
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
RIFT VALLEY
 
 
 
 
CLIMA E VEGETAÇÃO
 
 
 
 
Clima Encontram-se na África os climas temperado, semiárido, equatorial, desértico, tropical e mediterrâneo. Essa diversidade se deve, entre outros fatores, ao relevo e ao fato de o continente estar entre os Trópicos de Câncer e de Capricórnio, sendo cortado pelo linha do Equador.
Vegetação A vegetação africana é influenciada por seus diversos climas, pela distribuição do relevo e pelas correntes marítimas, entre outros fatores.
Florestas tropicais e equatoriais úmidas.  Estão localizadas na faixa que envolve a linha do Equador. A principal é a Floresta do Congo, uma extensa Floresta Equatorial drenada pela Bacia do Rio Congo.
Savanas.  Presentes em regiões com estações mais delimitadas: uma seca, no inverno, e outra chuvosa, no verão. Nas áreas mais úmidas, encontramos árvores, porém mais espaçadas que as da Floresta Equatorial, e grande diversidade de animais de médio e grande portes. Nas áreas mais secas, verifica-se a predominância de gramíneas e arbustos.
Estepes.  São vegetações rasteiras presentes nas áreas de clima semiárido que margeiam os desertos do Saara e do Kalahari
Campos temperados (pradarias).  Localizam-se na porção sudeste do continente, à qual os europeus puderam se adaptar melhor na época da colonização (do século XVII ao início do século XX).
Vegetação mediterrânea.  Encontra-se no extremo noroeste, sendo arbustiva nas áreas mais próximas do Mar Mediterrâneo, e de pinhos e cedros nas áreas mais chuvosas da Cadeia do Atlas.
Vegetação desértica.  Caracteriza-se pela adaptação à falta de chuvas. A flora dos desertos é formada por uma vegetação esparsa, abrangendo plantas de raízes profundas e cactos que armazenam água em seu interior. A maior parte do deserto não possui nenhuma cobertura vegetal.
HIDROGRAFIA
 
 
 
PLANÍCIE ALUVIAL DO RIO NILO
A regionalização da África
Por sua história, etnias e religiões, a África pode ser dividida em duas grandes regiões: África do Norte e África Subsaariana.
África Subsaariana Como o próprio nome revela, a África Subsaariana é a vasta região do continente compreendida ao sul do Deserto do Saara, povoada majoritariamente por povos negros.
Além da grande diversidade de paisagens, a região é marcada pela exploração colonial no passado recente. A principal herança da colonização foi a divisão política arbitrária feita pelos europeus, que colocaram dentro das mesmas fronteiras etnias rivais ou separaram grupos étnicos em territórios diferentes. Em razão dessa política, até hoje ocorrem diversos conflitos étnicos no continente.
África do Norte Limitada a norte pelo Mar Mediterrâneo, a noroeste pelo Oceano Atlântico e abrangida na maior parte pelo Deserto do Saara, a África do Norte é constituída pelos países de maioria árabe e islâmica: Argélia, Egito, Líbia, Marrocos, Mauritânia, Tunísia e Saara Ocidental (território anexado pelo Marrocos).
A região é caracterizada por forte concentração populacional no litoral do Mar Mediterrâneo, onde as condições naturais permitem o desenvolvimento da agropecuária, a exploração de petróleo e de outros minerais - fatores de atração populacional.
A proximidade do mar facilita o comércio desses países africanos com os de outros continentes. Na região, alguns países, como o Marrocos e o Egito, promoveram relativa industrialização. A colonização regional, foi predominantemente francesa, embora o Egito tenha integrado a esfera de influência britânica.
África Subsaariana Como o próprio nome revela, a África Subsaariana é a vasta região do continente compreendida ao sul do Deserto do Saara, povoada majoritariamente por povos negros.
A África Subsaariana apresenta baixíssimo IDH, caracterizado pela alta concentração de pobreza e pela fome que assola grande parte da população. Nessa região encontram-se as 26 nações com os piores índices de qualidade de vida do mundo; mais de 30% dos subsaarianos sofrem de fome crônica.
A presença de uma agricultura de subsistência, que se realiza ainda por meio do desmatamento e faz uso inadequado dos solos, colabora para aumentar o quadro de subdesenvolvimento. Associa-se a esse quadro a prática, em larga escala, das mono culturas de exportação  (plantations)  introduzidas no século XVIII pelos colonizadores.
A exceção à extrema pobreza e miséria em toda a África Subsaariana está na África do Sul, país que atingiu certo grau de industrialização e modernização devido à grande presença de ouro, ferro e pedras preciosas em seu território. Contribuíram também para o desenvolvimento do país os investimentos industriais de britânicos radicados na região.
 
 
 
 
 
O IMPACTO DO COLONIALISMO Para explicar a atual distribuição das populações africanas também devem ser levadas em conta as guerras entre as diversas nações e entre os diferentes grupos tribais, assim como a escravidão.
Esses fatores acabaram por incrementar a urbanização de algumas cidades e regiões portuárias e, ao mesmo tempo, provocaram um deslocamento populacional forçado e o esvaziamento de várias áreas no interior do continente.
A região é marcada pela exploração colonial no passado recente. A principal herança da colonização foi a divisão política arbitrária feita pelos europeus, que colocaram dentro das mesmas fronteiras etnias rivais ou separaram grupos étnicos em territórios diferentes. Em razão dessa política,  até hoje ocorrem diversos conflitos étnicos no continente.
Os colonizadores europeus também colaboraram na fundação de vários centros urbanos, com suas atividades comerciais entre a Europa e os territórios por eles controlados no continente africano.
 
 
 
 
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
Uilson Pereira da Silva
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
Christie Freitas
 
Antartida
AntartidaAntartida
Antartida
TI Medianeira
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
Prof.Marcio LHP
 
America latina
America latina America latina
America latina
Christie Freitas
 
América do sul
América do sulAmérica do sul
América do sul
Bruno Rangel Silvone
 
Oceania
OceaniaOceania
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da ÁsiaModulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
América anglo saxônica
América anglo saxônicaAmérica anglo saxônica
América anglo saxônica
Professor
 
América central
América  centralAmérica  central
América central
Agla Santos
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
áFrica população, regionalização e economia
áFrica população, regionalização e economiaáFrica população, regionalização e economia
áFrica população, regionalização e economia
flaviocosac
 
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
Cléber Figueiredo Beda de Ávila
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
Conceição Fontolan
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
Prof.Paulo/geografia
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
João José Ferreira Tojal
 
8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica
Alexandre Alves
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º ano
Simone Aguiar
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
Gustavo Silva de Souza
 

Mais procurados (20)

População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
 
Antartida
AntartidaAntartida
Antartida
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
 
America latina
America latina America latina
America latina
 
América do sul
América do sulAmérica do sul
América do sul
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da ÁsiaModulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
América anglo saxônica
América anglo saxônicaAmérica anglo saxônica
América anglo saxônica
 
América central
América  centralAmérica  central
América central
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
áFrica população, regionalização e economia
áFrica população, regionalização e economiaáFrica população, regionalização e economia
áFrica população, regionalização e economia
 
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º ano
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
 

Semelhante a AFRICA - ASPCETOS FÍSICOS E HUMANOS

África
África África
África
Camila Brito
 
Autorregulada 1 bim_9ano
Autorregulada 1 bim_9anoAutorregulada 1 bim_9ano
Autorregulada 1 bim_9ano
Carina Gomes
 
O continente africano
O continente  africanoO continente  africano
O continente africano
Colégio Nova Geração COC
 
O continente africano
O continente  africanoO continente  africano
O continente africano
Colégio Nova Geração COC
 
O continente africano
O continente  africanoO continente  africano
O continente africano
Colégio Nova Geração COC
 
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICAGEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
Henrique Pontes
 
África
ÁfricaÁfrica
África
Marcy Gomes
 
Africa - Natureza
Africa - NaturezaAfrica - Natureza
Africa - Natureza
Débora Sales
 
Africa - Natureza
Africa - NaturezaAfrica - Natureza
Africa - Natureza
Débora Sales
 
Aula 21 áfrica - quadro natural e humano
Aula 21   áfrica - quadro natural e humanoAula 21   áfrica - quadro natural e humano
Aula 21 áfrica - quadro natural e humano
Jonatas Carlos
 
Africa 2019 champ
Africa 2019 champAfrica 2019 champ
Africa 2019 champ
claudio galdino
 
Africa e artico
Africa e articoAfrica e artico
Africa e artico
lucianeg02blog1
 
África: aspectos físicos e naturais RIGHETTI
África: aspectos físicos e naturais RIGHETTIÁfrica: aspectos físicos e naturais RIGHETTI
África: aspectos físicos e naturais RIGHETTI
Ana Gabriela
 
O continente africano
O continente africanoO continente africano
O continente africano
rdbtava
 
Aspectos físicos e naturais da África
 Aspectos físicos e naturais da África Aspectos físicos e naturais da África
Aspectos físicos e naturais da África
Leticia Gabriele Saraiva
 
áFrica Aspectos FíSicos
áFrica Aspectos FíSicosáFrica Aspectos FíSicos
áFrica Aspectos FíSicos
ceama
 
A áFrica
A áFricaA áFrica
África
ÁfricaÁfrica
África
aroudus
 
A produção do espaço africano
A produção do espaço africano A produção do espaço africano
A produção do espaço africano
pedrohd8
 
africa.pdfeevfsadgsafgfsdg fgfsadgaf ga saf asg
africa.pdfeevfsadgsafgfsdg fgfsadgaf ga saf asgafrica.pdfeevfsadgsafgfsdg fgfsadgaf ga saf asg
africa.pdfeevfsadgsafgfsdg fgfsadgaf ga saf asg
VanizeeaHistria1
 

Semelhante a AFRICA - ASPCETOS FÍSICOS E HUMANOS (20)

África
África África
África
 
Autorregulada 1 bim_9ano
Autorregulada 1 bim_9anoAutorregulada 1 bim_9ano
Autorregulada 1 bim_9ano
 
O continente africano
O continente  africanoO continente  africano
O continente africano
 
O continente africano
O continente  africanoO continente  africano
O continente africano
 
O continente africano
O continente  africanoO continente  africano
O continente africano
 
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICAGEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
 
África
ÁfricaÁfrica
África
 
Africa - Natureza
Africa - NaturezaAfrica - Natureza
Africa - Natureza
 
Africa - Natureza
Africa - NaturezaAfrica - Natureza
Africa - Natureza
 
Aula 21 áfrica - quadro natural e humano
Aula 21   áfrica - quadro natural e humanoAula 21   áfrica - quadro natural e humano
Aula 21 áfrica - quadro natural e humano
 
Africa 2019 champ
Africa 2019 champAfrica 2019 champ
Africa 2019 champ
 
Africa e artico
Africa e articoAfrica e artico
Africa e artico
 
África: aspectos físicos e naturais RIGHETTI
África: aspectos físicos e naturais RIGHETTIÁfrica: aspectos físicos e naturais RIGHETTI
África: aspectos físicos e naturais RIGHETTI
 
O continente africano
O continente africanoO continente africano
O continente africano
 
Aspectos físicos e naturais da África
 Aspectos físicos e naturais da África Aspectos físicos e naturais da África
Aspectos físicos e naturais da África
 
áFrica Aspectos FíSicos
áFrica Aspectos FíSicosáFrica Aspectos FíSicos
áFrica Aspectos FíSicos
 
A áFrica
A áFricaA áFrica
A áFrica
 
África
ÁfricaÁfrica
África
 
A produção do espaço africano
A produção do espaço africano A produção do espaço africano
A produção do espaço africano
 
africa.pdfeevfsadgsafgfsdg fgfsadgaf ga saf asg
africa.pdfeevfsadgsafgfsdg fgfsadgaf ga saf asgafrica.pdfeevfsadgsafgfsdg fgfsadgaf ga saf asg
africa.pdfeevfsadgsafgfsdg fgfsadgaf ga saf asg
 

Mais de LUIS ABREU

WEBQUEST Região sul
WEBQUEST Região sulWEBQUEST Região sul
WEBQUEST Região sul
LUIS ABREU
 
WEBQUEST Região sudeste
WEBQUEST Região sudesteWEBQUEST Região sudeste
WEBQUEST Região sudeste
LUIS ABREU
 
WEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norteWEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norte
LUIS ABREU
 
WEBQUEST Região centro oeste
WEBQUEST Região centro oesteWEBQUEST Região centro oeste
WEBQUEST Região centro oeste
LUIS ABREU
 
WEBQUEST Região nordeste
WEBQUEST Região nordesteWEBQUEST Região nordeste
WEBQUEST Região nordeste
LUIS ABREU
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
LUIS ABREU
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário clima
LUIS ABREU
 
Seminário vegetação
Seminário vegetaçãoSeminário vegetação
Seminário vegetação
LUIS ABREU
 
Seminário relevo
Seminário relevoSeminário relevo
Seminário relevo
LUIS ABREU
 
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasilSeminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
LUIS ABREU
 
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologiaSeminario da agricultura tradicional à biotecnologia
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia
LUIS ABREU
 
Vegetação seminario de geografia
Vegetação   seminario de geografiaVegetação   seminario de geografia
Vegetação seminario de geografia
LUIS ABREU
 
íNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humanoíNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humano
LUIS ABREU
 
Blocos econômicos geografia
Blocos econômicos   geografiaBlocos econômicos   geografia
Blocos econômicos geografia
LUIS ABREU
 
Clima
ClimaClima
Clima
LUIS ABREU
 
Escala geográfica
Escala geográficaEscala geográfica
Escala geográfica
LUIS ABREU
 
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIATEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
LUIS ABREU
 
PAÍSES DO NORTE E DO SUL
PAÍSES DO NORTE E DO SULPAÍSES DO NORTE E DO SUL
PAÍSES DO NORTE E DO SUL
LUIS ABREU
 
Trabalho paisagem 1º ano
Trabalho paisagem 1º anoTrabalho paisagem 1º ano
Trabalho paisagem 1º ano
LUIS ABREU
 
Capitalismo socialismo introdução
Capitalismo  socialismo  introduçãoCapitalismo  socialismo  introdução
Capitalismo socialismo introdução
LUIS ABREU
 

Mais de LUIS ABREU (20)

WEBQUEST Região sul
WEBQUEST Região sulWEBQUEST Região sul
WEBQUEST Região sul
 
WEBQUEST Região sudeste
WEBQUEST Região sudesteWEBQUEST Região sudeste
WEBQUEST Região sudeste
 
WEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norteWEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norte
 
WEBQUEST Região centro oeste
WEBQUEST Região centro oesteWEBQUEST Região centro oeste
WEBQUEST Região centro oeste
 
WEBQUEST Região nordeste
WEBQUEST Região nordesteWEBQUEST Região nordeste
WEBQUEST Região nordeste
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário clima
 
Seminário vegetação
Seminário vegetaçãoSeminário vegetação
Seminário vegetação
 
Seminário relevo
Seminário relevoSeminário relevo
Seminário relevo
 
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasilSeminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
 
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologiaSeminario da agricultura tradicional à biotecnologia
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia
 
Vegetação seminario de geografia
Vegetação   seminario de geografiaVegetação   seminario de geografia
Vegetação seminario de geografia
 
íNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humanoíNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humano
 
Blocos econômicos geografia
Blocos econômicos   geografiaBlocos econômicos   geografia
Blocos econômicos geografia
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Escala geográfica
Escala geográficaEscala geográfica
Escala geográfica
 
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIATEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
 
PAÍSES DO NORTE E DO SUL
PAÍSES DO NORTE E DO SULPAÍSES DO NORTE E DO SUL
PAÍSES DO NORTE E DO SUL
 
Trabalho paisagem 1º ano
Trabalho paisagem 1º anoTrabalho paisagem 1º ano
Trabalho paisagem 1º ano
 
Capitalismo socialismo introdução
Capitalismo  socialismo  introduçãoCapitalismo  socialismo  introdução
Capitalismo socialismo introdução
 

Último

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 

Último (20)

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 

AFRICA - ASPCETOS FÍSICOS E HUMANOS

  • 4.  
  • 6. A maior parte do relevo africano é formada de planaltos elevados, sem variações significativas em seu modelado. Por serem formações muito antigas, esses planaltos sofreram grandes transformações ao longo das eras geológicas.
  • 7. Em algumas porções do continente, porém, é visível a influência de processos tectônicos recentes - ligados principalmente a atividades vulcânicas -, que contribuíram para a formação de altas montanhas no extremo norte e na sua porção leste.
  • 8. O Monte Quilimanjaro , cujo pico é o mais alto da África, com 5.895 metros de altitude, está localizado na porção leste. No nordeste, como conseqüência de uma rica hidrografia, também encontramos grandes vales.
  • 9. Podemos dividir o relevo da África em três porções principais:
  • 10. Planalto Setentrional Nessa porção localiza-se o Deserto do Saara, que ocupa um quarto do território continental. A noroeste dele está a Cadeia do Atlas, que se estende desde o litoral do Marrocos até a Tunísia, abrangendo a região conhecida pelo nome de Magreb (Marrocos, a Argélia, a Tunísia e o Saara Ocidental).
  • 11. Planalto Centro-Meridional Com altitudes médias mais altas que as do Planalto Setentrional, a região compreende o centro-oeste e o sul do continente. A Bacia do Rio Congo e o Deserto do Kalahari são exceções dessa região, pois constituem duas grandes depressões .
  • 12. Planalto Oriental Região de origem vulcânica, com altitudes elevadas e depressões. ou fossas tectônicas que deram origem a extensos lagos, como o Tanganica , o Vitória (formador do Rio Nilo) e o Niassa. Um aspecto marcante nesse planalto é o Rift Valley, uma depressão alongada que forma um vale de norte a sul.
  • 14.  
  • 15.  
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.  
  • 20.  
  • 21.  
  • 22.  
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 30.  
  • 31.  
  • 32.  
  • 33.  
  • 35.  
  • 36.  
  • 37.  
  • 38.  
  • 39. Clima Encontram-se na África os climas temperado, semiárido, equatorial, desértico, tropical e mediterrâneo. Essa diversidade se deve, entre outros fatores, ao relevo e ao fato de o continente estar entre os Trópicos de Câncer e de Capricórnio, sendo cortado pelo linha do Equador.
  • 40. Vegetação A vegetação africana é influenciada por seus diversos climas, pela distribuição do relevo e pelas correntes marítimas, entre outros fatores.
  • 41. Florestas tropicais e equatoriais úmidas. Estão localizadas na faixa que envolve a linha do Equador. A principal é a Floresta do Congo, uma extensa Floresta Equatorial drenada pela Bacia do Rio Congo.
  • 42. Savanas. Presentes em regiões com estações mais delimitadas: uma seca, no inverno, e outra chuvosa, no verão. Nas áreas mais úmidas, encontramos árvores, porém mais espaçadas que as da Floresta Equatorial, e grande diversidade de animais de médio e grande portes. Nas áreas mais secas, verifica-se a predominância de gramíneas e arbustos.
  • 43. Estepes. São vegetações rasteiras presentes nas áreas de clima semiárido que margeiam os desertos do Saara e do Kalahari
  • 44. Campos temperados (pradarias). Localizam-se na porção sudeste do continente, à qual os europeus puderam se adaptar melhor na época da colonização (do século XVII ao início do século XX).
  • 45. Vegetação mediterrânea. Encontra-se no extremo noroeste, sendo arbustiva nas áreas mais próximas do Mar Mediterrâneo, e de pinhos e cedros nas áreas mais chuvosas da Cadeia do Atlas.
  • 46. Vegetação desértica. Caracteriza-se pela adaptação à falta de chuvas. A flora dos desertos é formada por uma vegetação esparsa, abrangendo plantas de raízes profundas e cactos que armazenam água em seu interior. A maior parte do deserto não possui nenhuma cobertura vegetal.
  • 48.  
  • 49.  
  • 50.  
  • 53. Por sua história, etnias e religiões, a África pode ser dividida em duas grandes regiões: África do Norte e África Subsaariana.
  • 54. África Subsaariana Como o próprio nome revela, a África Subsaariana é a vasta região do continente compreendida ao sul do Deserto do Saara, povoada majoritariamente por povos negros.
  • 55. Além da grande diversidade de paisagens, a região é marcada pela exploração colonial no passado recente. A principal herança da colonização foi a divisão política arbitrária feita pelos europeus, que colocaram dentro das mesmas fronteiras etnias rivais ou separaram grupos étnicos em territórios diferentes. Em razão dessa política, até hoje ocorrem diversos conflitos étnicos no continente.
  • 56. África do Norte Limitada a norte pelo Mar Mediterrâneo, a noroeste pelo Oceano Atlântico e abrangida na maior parte pelo Deserto do Saara, a África do Norte é constituída pelos países de maioria árabe e islâmica: Argélia, Egito, Líbia, Marrocos, Mauritânia, Tunísia e Saara Ocidental (território anexado pelo Marrocos).
  • 57. A região é caracterizada por forte concentração populacional no litoral do Mar Mediterrâneo, onde as condições naturais permitem o desenvolvimento da agropecuária, a exploração de petróleo e de outros minerais - fatores de atração populacional.
  • 58. A proximidade do mar facilita o comércio desses países africanos com os de outros continentes. Na região, alguns países, como o Marrocos e o Egito, promoveram relativa industrialização. A colonização regional, foi predominantemente francesa, embora o Egito tenha integrado a esfera de influência britânica.
  • 59. África Subsaariana Como o próprio nome revela, a África Subsaariana é a vasta região do continente compreendida ao sul do Deserto do Saara, povoada majoritariamente por povos negros.
  • 60. A África Subsaariana apresenta baixíssimo IDH, caracterizado pela alta concentração de pobreza e pela fome que assola grande parte da população. Nessa região encontram-se as 26 nações com os piores índices de qualidade de vida do mundo; mais de 30% dos subsaarianos sofrem de fome crônica.
  • 61. A presença de uma agricultura de subsistência, que se realiza ainda por meio do desmatamento e faz uso inadequado dos solos, colabora para aumentar o quadro de subdesenvolvimento. Associa-se a esse quadro a prática, em larga escala, das mono culturas de exportação (plantations) introduzidas no século XVIII pelos colonizadores.
  • 62. A exceção à extrema pobreza e miséria em toda a África Subsaariana está na África do Sul, país que atingiu certo grau de industrialização e modernização devido à grande presença de ouro, ferro e pedras preciosas em seu território. Contribuíram também para o desenvolvimento do país os investimentos industriais de britânicos radicados na região.
  • 63.  
  • 64.  
  • 65.  
  • 66.  
  • 67.  
  • 68. O IMPACTO DO COLONIALISMO Para explicar a atual distribuição das populações africanas também devem ser levadas em conta as guerras entre as diversas nações e entre os diferentes grupos tribais, assim como a escravidão.
  • 69. Esses fatores acabaram por incrementar a urbanização de algumas cidades e regiões portuárias e, ao mesmo tempo, provocaram um deslocamento populacional forçado e o esvaziamento de várias áreas no interior do continente.
  • 70. A região é marcada pela exploração colonial no passado recente. A principal herança da colonização foi a divisão política arbitrária feita pelos europeus, que colocaram dentro das mesmas fronteiras etnias rivais ou separaram grupos étnicos em territórios diferentes. Em razão dessa política, até hoje ocorrem diversos conflitos étnicos no continente.
  • 71. Os colonizadores europeus também colaboraram na fundação de vários centros urbanos, com suas atividades comerciais entre a Europa e os territórios por eles controlados no continente africano.
  • 72.  
  • 73.  
  • 74.  
  • 75.  
  • 76.  
  • 77.