SlideShare uma empresa Scribd logo
BEATRIZ DE ASSIS
BRUNO PERIM
CAIO CESAR
CAROLINE PAIVA
GABRIELA CRISTINA
GABRIELA CONSTANSIO
LARISSA ARAUJO
MARIANA PEREIRA
MONICE GALDINO
PEDRO SOARES
THALIA CONSTANTINO
PROF. LUÍS ABREU
SÃO PAULO, 25 DE MAIO DE
2013
*SUMÁRIO
1. ESTRUTURA FUNDIÁRIA NO BRASIL
2. EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS AGRÍCOLAS
3. ESTÁTUTO DA TERRA
4. REFORMA AGRÁRIA
5. ÊXODO RURAL: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS
6. POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A AGRÍCULTURA
7. FLUXO DE CAPITAIS E MERCADORIAS ENTRE A
CIDADE E O CAMPO
*ESTRUTURA FUNDIARIA
NO BRASIL.
* Ao longo da história Brasileira, as
terras brasileiras foram controladas por
uma elite e hoje, também, por grandes
empresas. A concentração de terras, que
condena à tragédia milhões de pessoas,
teve início com a ocupação colonial e se
arrastou até os dias atuais.
*ORIGEM DA CONCENTRAÇÃO DE
TERRAS
* Primeiramente foram as Capitanias
Hereditárias e seus donatários,
pois temendo corsários e piratas
ingleses, franceses e holandeses que
viviam saqueando as riquezas  da terra
recém descoberta. Estas enormes faixas
de terras, foram doadas para nobres e
pessoas de confiança do rei. A função
dos nobres era administrar estas terras
*Contexto Histórico
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
* Posteriormente as Sesmarias, por
ser um país considerado continental,
os donatários doavam lotes de terras
menores para um Sesmeiro que tinha
como intuito, tornar a terra
produtiva. O Sesmeiro era obrigado a
pagar impostos para a Coroa
Portuguesa.
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
* A estrutura fundiária do Brasil foi
pouco alterada durante, e a maior parte
das terras estão nas mãos dos
latifundiários, inclusive ocupando áreas
indígenas. A modernização do setor
agrícola contribuiu para agravar a
concentração de terras. Por esses
motivos, hoje existe conflitos
intermináveis por melhores distribuições
de terras e condições de trabalho
*Concentração de terras
atualmente
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
* O Brasil convive com milhões de
trabalhadores sem terra numa situação
em que cerca de 40% da área das grandes
propriedades agropecuárias não são
aproveitadas para o cultivo, para a
criação de animais ou qualquer outra
atividade econômica
*MOVIMENTOS SOCIAS DO
CAMPO
• O que é :
* MST é o movimentos dos
trabalhadores sem terra.
• Fundamento :
* Há 26 anos em cascaval,
centenas de trabalhadores
rurais decidiram fundar um
movimento social camponês
autônomo .
* Lutar pela terra e pela reforma
agrária. O MST defende a autonomia
para as áreas indígenas ameaçadas
pelos latifundiários, a democratização
da água das áreas de imigração no
nordeste, punição para assassinos de
trabalhadores rurais e a cobrança do
pagamento de impostos territorial
rural.
*OBJETIVO
*LIGAS CAMPONESAS
• Criada em 1945 após a
redemocratização do governo por
Vargas.
• Lutavam contra o desapropriação
de terras e o reforma agraria imposta
pelo governo.
• Funcionavam em duas seções, a
organização de massas: que eram os
moradores das cidades.
• Organização política: apenas
aceitavam alguns candidatos que
tinham ideia ideológicas reunindo
ideias políticas e sociais.
• Teve fim em 1964 após o golpe
militar com o seu líder preso e
exilado.
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
* FORTALECER O POVOAMENTO DAS REGIÕES
DE MENOR DENSIDADE DEMOGRÁFICA.
* NOVAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO
AOS GRANDES PROPRIETÁRIOS OCASIONANDO
O DESRESPEITO ÀS LEGISLAÇÕES AMBIENTAIS.
* A MODERNIZAÇÃO CONSERVADORA
PERSISTIA COM OS PROBLEMAS
SOCIOAMBIENTAIS.
*EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS
AGRÍCULAS
*CENTRO OESTE
*ESTADOS: GOIÁS,
MATO GROSSO, MATO
GROSSO DO SUL.
*CENTRO OESTE
• EM 1930 INCENTIVO DO GOVERNO
VARGAS, COM A “MARCHA PARA
OESTE”.
• EM 1960 CONSTRUÇÃO DE BRASÍLIA
PELO PRESIDENTE JUSCELINO
KUBTSCHEK.
• EM 1970 O ESTADO CRIOU PLANOS
DE DESENVOLVIMENTO
DIRECIONADOS A ESSA REGIÃO.
• O MAIS IMPORTANTE FOI O
POLOCENTRO, QUE INCENTIVAVA A
OCUPAÇÃO PRODUTIVA DAS ÁREAS DO
CERRADO, COM O CRÉDITO RURAL.
• O CENTRO-OESTE PASSOU A
DESEMPENHAR UM PAPEL MAIS
RELEVANTE NA ECONÔMIA NACIONAL.
• CRIADA EM 1973 A EMPRESA BRASILEIRA DE
PESQUISA AGROPECUÁRIO FOI RESPONSÁVEL
PELA GERAÇÃO DE TECNOLOGIAS QUE
CONTRIBUIRAM PARA O AUMENTO DA
PRODUTIVIDADE QUANTO PARA EXPANSÃO
DAS FRONTEIRAS AGRÍCOLAS NO CERRADO.
ATRAVÉS DE PESQUISAS TORNOU POSSÍVEL O
CULTIVO DE SOJA NO CERRADO.
*AMAZÔNIA
• A PARTIR DOS ANOS 90 A SOJA
ALCANÇA A AMAZÔNIA.
ATUALMENTE, JÁ SE PLANTA
SOJA NA REGIÃO DE CERRADO,
DOS CAMPOS NATURAIS, EM
ÁREAS DE TRANSIÇÃO CERRADO-
FLORESTA OU SOBRE ÁREAS
DEGRADADAS DE PROJETOS
PECUÁRIOS FRACASSADOS.
• NO ESTADO DO AMAZONAS, A
PRODUÇÃO DE SOJA FOI
INCENTIVADA PELO PROGRAMA
TERCEIRO CICLO DE
DESENVOLVIMENTO.
• A OCUPAÇÃO DA AMAZÔNIA TEM
CONDUZIDO A UM AUMENTO DO
DESMATAMENTO NESTA REGIÃO. AS TRÊS
PRINCIPAIS FORMAS DE DESMATAMENTO
SÃO:
IMPLEMENTAÇÃO DO CULTIVO DE GRÃOS
(PRINCIPAL);
A CONVERSÃO DA FLORESTA PARA PASTAGEM;
O CORTE E A QUEIMA DA FLORESTA PARA
CULTURAS ANUAIS.
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
*VISÕES SOBRE A EXPANSÃO
DA SOJA NA AMAZÔNIA
•1ª VISÃO
O CULTIVO OCORRERIA NAS ÁREAS DE CERRADO
OU EM ÁREAS DEGRADADAS OU DESMATADAS DE
PROJETOS PECUÁRIOS INCENTIVADOS, E QUE A
EXPANSÃO DA SOJA CONTRIBUIRIA PARA
FORTALECER A POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO
AMBIENTAL.
•2ª VISÃO
CONTRARIANDO A PRIMEIRA VISÃO, A EXPANSÃO
DA SOJA INTENSIFICARIA A DESTRUIÇÃO DA
FLORESTA TROPICAL, ATRAVÉS DO “EFEITO DE
ARRASTO”.
*EVOLUÇÃO DO DESFLORESTAMENTO
NO SUL DO ESTADO DO AMAZONAS
• FORAM CONSTRUÍDAS A
TRANSAMAZÔNICA, A MANAUS PORTO-
VELHO(BR-319) E A BR-364( RIO
BRANCO- PORTO VELHO) QUE
CONTRIBUÍRAM PRA EXPANSÃO DAS
FRONTEIRAS AGRÍCOLAS.
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
• O DESMATAMENTO NESSA ÁREA DISTRIBUI-SE PELO ARCO DO
DESFLORESTAMENTO (REGIÃO ONDE A FRONTEIRA AGRÍCOLA
AVANÇA EM DIREÇÃO À FLORESTA E TAMBÉM ONDE
ENCONTRAM-SE OS MAIORES ÍNDICES DE DESMATAMENTO DA
AMAZÔNIA).
*MUNICÍPIO DE LÁBREA
-SITUA-SE NA ÁREA DO
ARCO DO
DESFLORESTAMENTO
-ESTE MUNICÍPIO É O
CAMPEÃO DE
DESMATAMENTO
-NO ESTADO DO
AMAZONAS.
*MUNICÍPIO DE CANUTAMA
- É CARACTERIZADO POR TAXAS DE
DESMATAMENTO PROGRESSIVAS, TANTO EM
ÁREAS DE FLORESTAS COMO EM ÁREAS DE
SAVANAS;
- FAZ PARTE DO
PÓLO DE GRÃOS
DO SUDOESTE
AMAZONENSE.
*MUNICÍPIO DE
HUMAITÁ
- APRESENTA AS
MAIS ELEVADAS
TAXAS DE
PRODUÇÃO DE
SOJA E ARROZ.
*MUNICÍPIO DE MANICORÉ
- O DESMATAMENTO DO MUNICIPIO
AUMENTOU ENTRE 2000/2004, QUE
APRESENTOU
A SEGUNDA
MAIOR TAXA
DE
DESMATAMENTO.
*ESTATUTO DA TERRA
• O Estatuto da Terra foi criado pela lei
4.504, de 30-11-1964, sendo portanto uma
obra do regime militar que acabava de ser
instalado no país através do golpe militar de
31-3-1964.
• Sua criação estará intimamente ligada ao
clima de insatisfação reinante no meio rural
brasileiro e ao temor do governo e da elite
conservadora pela eclosão de uma revolução
camponesa.
* As lutas camponesas no Brasil
começaram a se organizar desde a década
de 1950, com o surgimento de
organizações e ligas camponesas, de
sindicatos rurais e com atuação da Igreja
Católica e do Partido Comunista
Brasileiro. O movimento em prol de maior
justiça social no campo e da reforma
agrária generalizou-se no meio rural do
país e assumiu grandes proporções no
início da década de 1960.
* No entanto, esse movimento foi
praticamente aniquilado pelo regime
militar instalado em 1964. A criação do
Estatuto da Terra e a promessa de uma
reforma agrária foi a estratégia utilizada
pelos governantes para apaziguar, os
camponeses e tranqüilizar os grandes
proprietários de terra.
*As metas estabelecidas pelo Estatuto da
Terra eram basicamente duas: a execução
de uma reforma agrária e o
desenvolvimento da agricultura. Três
décadas depois, podemos constatar que a
primeira meta ficou apenas no papel,
enquanto a segunda recebeu grande
atenção do governo, principalmente no
que diz respeito ao desenvolvimento
capitalista ou empresarial da agricultura.
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
*REFORMA AGRÁRIA
• É um sistema em que ocorre a divisão de
terras, ou seja, propriedades particulares
(latifúndios improdutivos) são compradas pelo
governo a fim de lotear e distribuir para
famílias que não possuem terras para plantar.
• Dentro desses sistema as famílias ganham do
governo condições para o cultivo como as
sementes, implantação de irrigação,
financiamentos, infraestrutura e assistência
social.
• Para que possa ocorrer a reforma
agrária existe um conjunto de medidas
que especialistas dividem em quatro
reformas parciais, que são:
Reforma agrícola;
Reforma rural;
Reforma fundiária;
Regime de relações de poder.
ARGUMENTOS ARGUMENTOS
FAVORÁVEIS INFAVORÁVEIS
•Produção de alimentos
básicos;
•A geração de ocupação e
renda;
•O combate à fome e à miséria;
•A redução da migração do
campo para a cidade( êxodo
rural);
•A promoção da cidadania e da
justiça social;
•Acesso à propriedade da terra
aos que neles trabalham.
•Indisponibilidade de terras
improdutivas;
•A falta da competitividade de
pequenas propriedades diante
da concorrência do mercado;
• Não há necessidade de os
trabalhadores serem
proprietários, podendo assim
ser funcionário do grande
fazendeiro;
•Aumento dos impactos
ambientais por em alguns
casos forem destinadas terras
em áreas de preservação
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
* Podemos definir êxodo rural como
sendo o deslocamento de pessoas da zona
rural (campo) para a zona urbana
(cidades).
* Estima-se que entre 1950 e 2000 ,
mais de 50 milhões de pessoas migraram
das áreas rurais para as áreas urbanas.
*ÊXODO RURAL : CAUSAS E
CONSEQUÊNCIAS
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
• Os principais motivos são :
 Transição da agricultura tradicional
para a agricultura moderna.
 A expansão considerável da
agroindústria e a crescente
capitalização da agricultura.
 Expansão de industrias no país.
O inchaço das grandes metrópoles
brasileiras e o agravamento dos
diversos problemas urbanos como:
*ÊXODO RURAL:
CONSEQUÊNCIAS
Desemprego e
Violência
*ÊXODO RURAL:
CONSEQUÊNCIAS
Favelas e problemas
ambientais
Péssima qualidade
dos serviços de saúde
*ÊXODO RURAL:
CONSEQUÊNCIAS
*Políticas públicas para
Agricultura.
*AS POLÍTICAS PÚBLICAS FAVORÁVEIS À
AGRICULTURA FAMILIAR, SURGIRAM A
PARTIR DE 1990.
*OS FATORES QUE IMPULSIONARAM:
*NECESSIDADE DE INTERVENÇÃO DO
ESTADO DIANTE DA EXCLUSÃO SOCIAL
*FORTALECIMENTO DOS MOVIMENTOS
SOCIAS RURAIS.
* PRONAF (Programa Nacional da
Agricultura Familiar)
*SURGIU EM 1996 EM FUNÇÃO DAS
MANIFESTAÇÕES DOS TRABALHADORES
RURAIS POR UMA POLITICA EXCLUSIVA E
DIRECIONADA PARA A AGRICULTURA
FAMILIAR
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
* AS COOPERATIVAS DE PRODUÇÃO
CONTRIBUEM NO DESENVOLVIMENTO DA
AGRICULTURA FAMILIAR, POSSIBILITANDO QUE
OS PRODUTORES TENHAM MELHOR PODER DE
NEGOCIAÇÃO, NA AQUISIÇÃO DE INSULMOS E
NA COMERCIALIZAÇÃO.
* UM MEDIDA DE APOIO À AGRICULTURA
FAMILIAR POR PARTE DO GOVERNO É A
EXIGÊNCIA DE INSERIR SEUS PRODUTOS
COMO PARTE DA MERENDA ESCOLAR.
* ALÉM DA POLÍTICA DE GARANTIA DE
PREÇOS MINIMOS (PGPM) CRIADA EM 1996,
QUE CONTRIBUI PARA A REDUÇÃO DAS
VARIAÇÕES DE PREÇOS.
*O Plano Diretor e
o Êxodo Rural
*A FALTA DE PLANEJAMENTO EM COJUNTO
COM O CRESCIMENTO DESORDENADO SÃO
RESPONSÁVEIS PELA MAIORIA DOS
PROBLEMAS DAS CIDADES
CONTEMPORÂNEAS.
*PLANEJAR REPRESENTA ELEVADOS CUSTOS,
PRAZOS LONGOS E VONTADE POLÍTICA.
REALIDADE
EXPECTATIVA
* A SOLUÇÃO DE PROBLEMAS COMO:
*FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO,
*CRESCIMENTO URBANO DESORDENADO,
* OCUPAÇÃO IRREGULAR PARA EDIFICAÇÕES;
O GOVERNO PROMULGOU A LEI 10.257
( ESTATUTO DA CIDADE), QUE
ESTABELECE NORMAS DE ORDEM PÚBLICA
E INTERESSE SOCIAL QUE REGULAM O USO
DA PROPRIEDADE URBANA EM PROL DO
BEM COLETIVO, SEGURANÇA E DO BEM-
ESTAR DOS CIDADÕES.
* A LEI DETERMINA OS CRITÉRIOS DE
EXIGÊNCIA PARA QUE UM MUNICÍPIO
DESENVOLVA O PLANO DIRETOR, QUE TEM
COMO OBJETIVO ATENDER AS
NECESSIDADES DOS CIDADÕES , QUANTO A
QUALIDADE DE VIDA, JUSTIÇA SOCIAL E
ATIVIDADES ECONÔMICAS.
* PROMOVE ORGANIZAÇÃO E BOM
FUNCIONAMENTO DO TERRITÓRIO.
*É OBRIGATÓRIO PARA:
* CIDADES COM MAIS DE 20 MIL HABITANTES.
* MUNICÍPIOS DE REGIÕES METROPOLITANAS
OU AGLOMERAÇÕES URBANAS.
* INTEGRANTES DE ÁREAS DE INTERESSE
TURISTICO.
* ÁREAS DE INFLUÊNCIA DE
EMPRENDIMENTOS.
* ÁREAS DE COM ATIVIDADES DE
SIGNIFICATIVO IMPACTO AMBIEMTAL.
*COM O ÊXODO RURAL, HOUVE UM INCHAÇO,
AUMENTANDO A DEMANDA POR
PLANEJAMENTO E INFRAESTRUTURA, TENDO
UMA GRANDE MASSA DE PESSOAS SEM
CAPACITAÇÃO QUE DESLOCO-SE.
* MUITAS CIDADES POR SUAS CONDIÇÕES
NATURAIS VIRARAM FIXAÇÃO DE MORARIAS
EM LUGARES QUE DEVIAM SER DE
PRESERVAÇÃO AMBIENTAL, COMO:
*ENTORNO DE RIOS.
*ENCOSTAS.
*VALES.
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil
* O PLANO DIRETOR PASSOU A SER NECESSÁRIO,
JÁ QUE COMTRIBUI AOS GESTORES PÚBLICOS A
RESOLUÇÃO DOS PROBLEMAS URBANOS .
* AS EQUIPES RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO E
CUMPRIMENTO DESSES DESSES PROJETOS SÃO:
*ENGENHEIROS
*BIÓLOGOS
*GEÓGRAFOS
*BACHARÉIS EM DIREITO
*GEÓLOGOS
*ADMINISTRADORES,
*PROFISSIONAIS DA SAÚDES ETC..
- A relação entre o espaço rural e urbano
está diretamente ligada pela necessidade
de uma para com a outra, em relação a
fornecimento e abastecimento.
- Atualmente, ainda que a maior parte do
interior do Brasil é essencialmente rural, o
funcionamento das respectivas municípios-
sede é mantida a partir desses espaços
rurais que as cercam.
*FLUXOS DE CAPITAIS E
MERCADORIAS ENTRE CIDADE E
CAMPO
- Cidades (sobretudo de pequeno
porte) que dependem exclusivamente
das divisas provindas das atividades
agrícolas, são prejudicadas, sofrendo
com demissões, e em casos extremos
até fechamentos.
- Além dos fluxos de mercadorias e
produtos, há também o deslocamento
de pessoas entre esses espaços.
-Os técnicos formados voltam para os
campos afim de exercer e desenvolver suas
atividades. Além disso, com noções de
qualidade de vida e em oposição do estresse
da grandes cidades, eles optam por aplicar
o turismo rural, residindo em torno dos
municípios-sede.
- Famílias carentes que sobrevivem em
função das atividades do campo, obrigam-se
a procurar novas opções de emprego na
cidade, devido aos avanços tecnológicos.
*ROSE É UMA AGRICULTURA SEM-TERRA QUE,
COM OUTRAS 1.500 FAMÍLIAS,PARTICIPOU DA
PRIMMEIRA GRANDE OCUPAÇÃO DE UMA TERRA
IMPRODUTIVA NA FAZENDA ANONI, NO RIO
GRANDE DO SUL, ALVO DE UMA FERRENHA
DISPUTADA NA DÉCADA DE 80. A PARTIR DA
TRAJETÓRIA DA PERSONAGEM, O FILME
ABORDA A SENSÍVEL QUESTÃO DA REFORMA
AGRÁRIA NO BRASIL, NO PERÍODO DE
TRANSIÇÃO PÓS-REGIME MILITAR, RETRATANDO
O INÍCIO DE UM POLÊMICO E IMPORTANTE
MOVIMENTO SOCIAL, O MST.
REFERENCIA BIBLIOGRAFICA:
•APOSTILA : MOVIMENTO APRENDER - SESI-SP EDITORA
SITES DE APOIO:
•http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/sala_de
_aula/geografia/geografia_do_brasil/agricultura/brasi
l_reforma_agraria
•http://www.cptl.ufms.br/revista-
geo/jodenir_antonio.pdf
•http://www.sober.org.br/palestra/15/216.pdf
•http://vestibular.wikidot.com/apo:geo:des-agri-
centro-oeste-brasil
•http://www.suapesquisa.com/historiadobrasil/capitanias
-hereditarias.htm
•http://educacao.uol.com.br/disciplinas/geografia/conce
ntracao-fundiaria-raizes-historicas-da-questao-da-terra-
no-brasil.htm
•http://www.historiabrasileira.com/brasil-
colonia/sesmarias/
OBRIGADO
PELA
ATENÇÃO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O espaço geográfico rural
O espaço geográfico ruralO espaço geográfico rural
O espaço geográfico rural
Professor
 
Conceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na GeografiaConceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na Geografia
Isabel Vitória
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
igor-oliveira
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
Paulo Alexandre
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1
orlandoguedess
 
movimentos sociais NO CAMPO BRASILEIRO
movimentos sociais NO CAMPO BRASILEIROmovimentos sociais NO CAMPO BRASILEIRO
movimentos sociais NO CAMPO BRASILEIRO
Rogerio Gomes
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
marifonseca
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasil Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasil
João Paulo M. Marinho
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Cris Godoy
 
Agricultura no Brasil
Agricultura no BrasilAgricultura no Brasil
Agricultura no Brasil
Vanessa Albano
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
Kelwin Souza
 
Revolução verde ppt
Revolução verde pptRevolução verde ppt
Revolução verde ppt
Universidade do Estado do Amazonas
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
Dell Andrade
 
Aula exodo rural - urbanização
Aula   exodo rural - urbanizaçãoAula   exodo rural - urbanização
Aula exodo rural - urbanização
LUIS ABREU
 
Complexos agroindustriais emanuela
Complexos agroindustriais   emanuelaComplexos agroindustriais   emanuela
Complexos agroindustriais emanuela
Gabriel Reis
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jhonatan Max
 
Apresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura FamiliarApresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura Familiar
Claudio Bomfim
 
Cadeias produtivas
Cadeias produtivasCadeias produtivas
Cadeias produtivas
Waldo Santos
 
O conceito de região e sua discussão na Geografia
O conceito de região e sua discussão na GeografiaO conceito de região e sua discussão na Geografia
O conceito de região e sua discussão na Geografia
Patrícia Éderson Dias
 
Aculturacao assimilacao
Aculturacao assimilacaoAculturacao assimilacao
Aculturacao assimilacao
Suelly Francisco
 

Mais procurados (20)

O espaço geográfico rural
O espaço geográfico ruralO espaço geográfico rural
O espaço geográfico rural
 
Conceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na GeografiaConceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na Geografia
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1
 
movimentos sociais NO CAMPO BRASILEIRO
movimentos sociais NO CAMPO BRASILEIROmovimentos sociais NO CAMPO BRASILEIRO
movimentos sociais NO CAMPO BRASILEIRO
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasil Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasil
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
 
Agricultura no Brasil
Agricultura no BrasilAgricultura no Brasil
Agricultura no Brasil
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Revolução verde ppt
Revolução verde pptRevolução verde ppt
Revolução verde ppt
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Aula exodo rural - urbanização
Aula   exodo rural - urbanizaçãoAula   exodo rural - urbanização
Aula exodo rural - urbanização
 
Complexos agroindustriais emanuela
Complexos agroindustriais   emanuelaComplexos agroindustriais   emanuela
Complexos agroindustriais emanuela
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Apresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura FamiliarApresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura Familiar
 
Cadeias produtivas
Cadeias produtivasCadeias produtivas
Cadeias produtivas
 
O conceito de região e sua discussão na Geografia
O conceito de região e sua discussão na GeografiaO conceito de região e sua discussão na Geografia
O conceito de região e sua discussão na Geografia
 
Aculturacao assimilacao
Aculturacao assimilacaoAculturacao assimilacao
Aculturacao assimilacao
 

Destaque

Mecanização Agrícola - Entraves e Consequências
Mecanização Agrícola - Entraves e ConsequênciasMecanização Agrícola - Entraves e Consequências
Mecanização Agrícola - Entraves e Consequências
Bruno Anacleto
 
Descontinuidades e sombras acessos, usos e fontes de informação numa comunida...
Descontinuidades e sombras acessos, usos e fontes de informação numa comunida...Descontinuidades e sombras acessos, usos e fontes de informação numa comunida...
Descontinuidades e sombras acessos, usos e fontes de informação numa comunida...
ACORN-REDECOM
 
A forma _o_e_a_expans_o_do_territ_rio_brasileiro
A forma _o_e_a_expans_o_do_territ_rio_brasileiroA forma _o_e_a_expans_o_do_territ_rio_brasileiro
A forma _o_e_a_expans_o_do_territ_rio_brasileiro
Christiane Campos
 
A experiência de 90 anos da SRB na agropecuária brasileira
A experiência de 90 anos da SRB na agropecuária brasileiraA experiência de 90 anos da SRB na agropecuária brasileira
A experiência de 90 anos da SRB na agropecuária brasileira
BeefPoint
 
[Palestra] Bento Mineiro: Política de classe e o jovem produtor - Workshop Be...
[Palestra] Bento Mineiro: Política de classe e o jovem produtor - Workshop Be...[Palestra] Bento Mineiro: Política de classe e o jovem produtor - Workshop Be...
[Palestra] Bento Mineiro: Política de classe e o jovem produtor - Workshop Be...
AgroTalento
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
Renan Groth
 
Ourodeminas
OurodeminasOurodeminas
Rural fala a investidores interessados no agro brasileiro
Rural fala a investidores interessados no agro brasileiroRural fala a investidores interessados no agro brasileiro
Rural fala a investidores interessados no agro brasileiro
Sociedade Rural Brasileira (fan page)
 
Politicas Públicas de Desenvolvimento Rural no Brasil
Politicas Públicas de Desenvolvimento Rural no BrasilPoliticas Públicas de Desenvolvimento Rural no Brasil
Politicas Públicas de Desenvolvimento Rural no Brasil
UFPB
 
Regularização Fundiária Inominada (art. 71 da Lei no 11.977/2007)
Regularização Fundiária Inominada (art. 71 da Lei no 11.977/2007)Regularização Fundiária Inominada (art. 71 da Lei no 11.977/2007)
Regularização Fundiária Inominada (art. 71 da Lei no 11.977/2007)
IRIB
 
Avaliação de geografia_1º_ano_urbanização
Avaliação de geografia_1º_ano_urbanizaçãoAvaliação de geografia_1º_ano_urbanização
Avaliação de geografia_1º_ano_urbanização
Atividades Diversas Cláudia
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
Otacilio Ribeiro
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
Marcelus Fonseca
 
Urbanizaçãobrasileira i
Urbanizaçãobrasileira iUrbanizaçãobrasileira i
Urbanizaçãobrasileira i
Marcia Labres
 
Pp migrações
Pp migraçõesPp migrações
PRIVEST - Cap. 06 - Processos de Urbanização - 2º Ano - EM
PRIVEST - Cap. 06 - Processos de Urbanização - 2º Ano - EMPRIVEST - Cap. 06 - Processos de Urbanização - 2º Ano - EM
PRIVEST - Cap. 06 - Processos de Urbanização - 2º Ano - EM
profrodrigoribeiro
 
Pranchas A3
Pranchas A3Pranchas A3
Urbanização atual
Urbanização atualUrbanização atual
Urbanização atual
Ana Lucia Rodrigues
 
Urbanizao 1
Urbanizao 1Urbanizao 1
Urbanizao 1
023398
 
Projeto de industrialização de Juscelino Kubitechek
Projeto de industrialização de Juscelino KubitechekProjeto de industrialização de Juscelino Kubitechek
Projeto de industrialização de Juscelino Kubitechek
bvaguinho
 

Destaque (20)

Mecanização Agrícola - Entraves e Consequências
Mecanização Agrícola - Entraves e ConsequênciasMecanização Agrícola - Entraves e Consequências
Mecanização Agrícola - Entraves e Consequências
 
Descontinuidades e sombras acessos, usos e fontes de informação numa comunida...
Descontinuidades e sombras acessos, usos e fontes de informação numa comunida...Descontinuidades e sombras acessos, usos e fontes de informação numa comunida...
Descontinuidades e sombras acessos, usos e fontes de informação numa comunida...
 
A forma _o_e_a_expans_o_do_territ_rio_brasileiro
A forma _o_e_a_expans_o_do_territ_rio_brasileiroA forma _o_e_a_expans_o_do_territ_rio_brasileiro
A forma _o_e_a_expans_o_do_territ_rio_brasileiro
 
A experiência de 90 anos da SRB na agropecuária brasileira
A experiência de 90 anos da SRB na agropecuária brasileiraA experiência de 90 anos da SRB na agropecuária brasileira
A experiência de 90 anos da SRB na agropecuária brasileira
 
[Palestra] Bento Mineiro: Política de classe e o jovem produtor - Workshop Be...
[Palestra] Bento Mineiro: Política de classe e o jovem produtor - Workshop Be...[Palestra] Bento Mineiro: Política de classe e o jovem produtor - Workshop Be...
[Palestra] Bento Mineiro: Política de classe e o jovem produtor - Workshop Be...
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Ourodeminas
OurodeminasOurodeminas
Ourodeminas
 
Rural fala a investidores interessados no agro brasileiro
Rural fala a investidores interessados no agro brasileiroRural fala a investidores interessados no agro brasileiro
Rural fala a investidores interessados no agro brasileiro
 
Politicas Públicas de Desenvolvimento Rural no Brasil
Politicas Públicas de Desenvolvimento Rural no BrasilPoliticas Públicas de Desenvolvimento Rural no Brasil
Politicas Públicas de Desenvolvimento Rural no Brasil
 
Regularização Fundiária Inominada (art. 71 da Lei no 11.977/2007)
Regularização Fundiária Inominada (art. 71 da Lei no 11.977/2007)Regularização Fundiária Inominada (art. 71 da Lei no 11.977/2007)
Regularização Fundiária Inominada (art. 71 da Lei no 11.977/2007)
 
Avaliação de geografia_1º_ano_urbanização
Avaliação de geografia_1º_ano_urbanizaçãoAvaliação de geografia_1º_ano_urbanização
Avaliação de geografia_1º_ano_urbanização
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Urbanizaçãobrasileira i
Urbanizaçãobrasileira iUrbanizaçãobrasileira i
Urbanizaçãobrasileira i
 
Pp migrações
Pp migraçõesPp migrações
Pp migrações
 
PRIVEST - Cap. 06 - Processos de Urbanização - 2º Ano - EM
PRIVEST - Cap. 06 - Processos de Urbanização - 2º Ano - EMPRIVEST - Cap. 06 - Processos de Urbanização - 2º Ano - EM
PRIVEST - Cap. 06 - Processos de Urbanização - 2º Ano - EM
 
Pranchas A3
Pranchas A3Pranchas A3
Pranchas A3
 
Urbanização atual
Urbanização atualUrbanização atual
Urbanização atual
 
Urbanizao 1
Urbanizao 1Urbanizao 1
Urbanizao 1
 
Projeto de industrialização de Juscelino Kubitechek
Projeto de industrialização de Juscelino KubitechekProjeto de industrialização de Juscelino Kubitechek
Projeto de industrialização de Juscelino Kubitechek
 

Semelhante a Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil

Reforma Agrária no Brasil
Reforma Agrária no BrasilReforma Agrária no Brasil
Reforma Agrária no Brasil
quimsfilho
 
Reforma Agrária no Brasil
Reforma Agrária no BrasilReforma Agrária no Brasil
Reforma Agrária no Brasil
quimfilho
 
Reforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasilReforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasil
quimfilho
 
Estrutura fundiária brasileira
Estrutura fundiária brasileiraEstrutura fundiária brasileira
Estrutura fundiária brasileira
Colégio Nova Geração COC
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Victor Said
 
C:\Fakepath\Reforma1
C:\Fakepath\Reforma1C:\Fakepath\Reforma1
C:\Fakepath\Reforma1
ALCIONE
 
2º Mb Grupo 05
2º Mb   Grupo 052º Mb   Grupo 05
2º Mb Grupo 05
ProfMario De Mori
 
A hegemonia do latifundio na regiao norte de mato grosso 1
A hegemonia do latifundio na regiao norte de mato grosso 1A hegemonia do latifundio na regiao norte de mato grosso 1
A hegemonia do latifundio na regiao norte de mato grosso 1
Silvânio Barcelos
 
Tipos de produção agrícola - extensiva e intensiva
Tipos de produção agrícola - extensiva e intensivaTipos de produção agrícola - extensiva e intensiva
Tipos de produção agrícola - extensiva e intensiva
LusRobertoCavalcanti
 
Reforma Agrária Brasileira/Assuntos Possíveis para Enem!
Reforma Agrária Brasileira/Assuntos Possíveis para Enem!Reforma Agrária Brasileira/Assuntos Possíveis para Enem!
Reforma Agrária Brasileira/Assuntos Possíveis para Enem!
Joemille Leal
 
Movimentos sociais e ruarais no brasil
Movimentos sociais e ruarais no brasilMovimentos sociais e ruarais no brasil
Movimentos sociais e ruarais no brasil
Tiago Manoel Carlos
 
reforma agraria-.ppt
reforma agraria-.pptreforma agraria-.ppt
reforma agraria-.ppt
JANEGLAUCESILVANEDEL
 
Espaço agrário
Espaço agrárioEspaço agrário
Espaço agrário
Pedro Neves
 
estruturafundiriabrasileira
estruturafundiriabrasileiraestruturafundiriabrasileira
estruturafundiriabrasileira
IsadoraPaulino2
 
Agricultura brasileira
Agricultura brasileiraAgricultura brasileira
Agricultura brasileira
João José Ferreira Tojal
 
A LUTA PELA POSSE DA TERRA NO MARANHÃO: CASO DE CAXIAS/MA
A LUTA PELA POSSE DA TERRA NO MARANHÃO: CASO DE CAXIAS/MAA LUTA PELA POSSE DA TERRA NO MARANHÃO: CASO DE CAXIAS/MA
A LUTA PELA POSSE DA TERRA NO MARANHÃO: CASO DE CAXIAS/MA
Henrique Soares
 
Produção agropecuária em Nova Andradina-MS
Produção agropecuária em Nova Andradina-MSProdução agropecuária em Nova Andradina-MS
Produção agropecuária em Nova Andradina-MS
Anne Feld
 
2º Ma Grupo 05
2º Ma   Grupo 052º Ma   Grupo 05
2º Ma Grupo 05
ProfMario De Mori
 
UE7 - O Espaço Agropecuário Brasileiro
UE7 - O Espaço Agropecuário Brasileiro UE7 - O Espaço Agropecuário Brasileiro
UE7 - O Espaço Agropecuário Brasileiro
Silvio Araujo de Sousa
 
wepik-desbravando-os-desafios-da-agropecuaria-uma-jornada-criativa-pela-quest...
wepik-desbravando-os-desafios-da-agropecuaria-uma-jornada-criativa-pela-quest...wepik-desbravando-os-desafios-da-agropecuaria-uma-jornada-criativa-pela-quest...
wepik-desbravando-os-desafios-da-agropecuaria-uma-jornada-criativa-pela-quest...
TeachersZeroOne
 

Semelhante a Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil (20)

Reforma Agrária no Brasil
Reforma Agrária no BrasilReforma Agrária no Brasil
Reforma Agrária no Brasil
 
Reforma Agrária no Brasil
Reforma Agrária no BrasilReforma Agrária no Brasil
Reforma Agrária no Brasil
 
Reforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasilReforma agrária no brasil
Reforma agrária no brasil
 
Estrutura fundiária brasileira
Estrutura fundiária brasileiraEstrutura fundiária brasileira
Estrutura fundiária brasileira
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
 
C:\Fakepath\Reforma1
C:\Fakepath\Reforma1C:\Fakepath\Reforma1
C:\Fakepath\Reforma1
 
2º Mb Grupo 05
2º Mb   Grupo 052º Mb   Grupo 05
2º Mb Grupo 05
 
A hegemonia do latifundio na regiao norte de mato grosso 1
A hegemonia do latifundio na regiao norte de mato grosso 1A hegemonia do latifundio na regiao norte de mato grosso 1
A hegemonia do latifundio na regiao norte de mato grosso 1
 
Tipos de produção agrícola - extensiva e intensiva
Tipos de produção agrícola - extensiva e intensivaTipos de produção agrícola - extensiva e intensiva
Tipos de produção agrícola - extensiva e intensiva
 
Reforma Agrária Brasileira/Assuntos Possíveis para Enem!
Reforma Agrária Brasileira/Assuntos Possíveis para Enem!Reforma Agrária Brasileira/Assuntos Possíveis para Enem!
Reforma Agrária Brasileira/Assuntos Possíveis para Enem!
 
Movimentos sociais e ruarais no brasil
Movimentos sociais e ruarais no brasilMovimentos sociais e ruarais no brasil
Movimentos sociais e ruarais no brasil
 
reforma agraria-.ppt
reforma agraria-.pptreforma agraria-.ppt
reforma agraria-.ppt
 
Espaço agrário
Espaço agrárioEspaço agrário
Espaço agrário
 
estruturafundiriabrasileira
estruturafundiriabrasileiraestruturafundiriabrasileira
estruturafundiriabrasileira
 
Agricultura brasileira
Agricultura brasileiraAgricultura brasileira
Agricultura brasileira
 
A LUTA PELA POSSE DA TERRA NO MARANHÃO: CASO DE CAXIAS/MA
A LUTA PELA POSSE DA TERRA NO MARANHÃO: CASO DE CAXIAS/MAA LUTA PELA POSSE DA TERRA NO MARANHÃO: CASO DE CAXIAS/MA
A LUTA PELA POSSE DA TERRA NO MARANHÃO: CASO DE CAXIAS/MA
 
Produção agropecuária em Nova Andradina-MS
Produção agropecuária em Nova Andradina-MSProdução agropecuária em Nova Andradina-MS
Produção agropecuária em Nova Andradina-MS
 
2º Ma Grupo 05
2º Ma   Grupo 052º Ma   Grupo 05
2º Ma Grupo 05
 
UE7 - O Espaço Agropecuário Brasileiro
UE7 - O Espaço Agropecuário Brasileiro UE7 - O Espaço Agropecuário Brasileiro
UE7 - O Espaço Agropecuário Brasileiro
 
wepik-desbravando-os-desafios-da-agropecuaria-uma-jornada-criativa-pela-quest...
wepik-desbravando-os-desafios-da-agropecuaria-uma-jornada-criativa-pela-quest...wepik-desbravando-os-desafios-da-agropecuaria-uma-jornada-criativa-pela-quest...
wepik-desbravando-os-desafios-da-agropecuaria-uma-jornada-criativa-pela-quest...
 

Mais de LUIS ABREU

WEBQUEST Região sul
WEBQUEST Região sulWEBQUEST Região sul
WEBQUEST Região sul
LUIS ABREU
 
WEBQUEST Região sudeste
WEBQUEST Região sudesteWEBQUEST Região sudeste
WEBQUEST Região sudeste
LUIS ABREU
 
WEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norteWEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norte
LUIS ABREU
 
WEBQUEST Região centro oeste
WEBQUEST Região centro oesteWEBQUEST Região centro oeste
WEBQUEST Região centro oeste
LUIS ABREU
 
WEBQUEST Região nordeste
WEBQUEST Região nordesteWEBQUEST Região nordeste
WEBQUEST Região nordeste
LUIS ABREU
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
LUIS ABREU
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário clima
LUIS ABREU
 
Seminário vegetação
Seminário vegetaçãoSeminário vegetação
Seminário vegetação
LUIS ABREU
 
Seminário relevo
Seminário relevoSeminário relevo
Seminário relevo
LUIS ABREU
 
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologiaSeminario da agricultura tradicional à biotecnologia
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia
LUIS ABREU
 
Vegetação seminario de geografia
Vegetação   seminario de geografiaVegetação   seminario de geografia
Vegetação seminario de geografia
LUIS ABREU
 
íNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humanoíNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humano
LUIS ABREU
 
Blocos econômicos geografia
Blocos econômicos   geografiaBlocos econômicos   geografia
Blocos econômicos geografia
LUIS ABREU
 
Clima
ClimaClima
Clima
LUIS ABREU
 
Escala geográfica
Escala geográficaEscala geográfica
Escala geográfica
LUIS ABREU
 
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIATEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
LUIS ABREU
 
PAÍSES DO NORTE E DO SUL
PAÍSES DO NORTE E DO SULPAÍSES DO NORTE E DO SUL
PAÍSES DO NORTE E DO SUL
LUIS ABREU
 
Trabalho paisagem 1º ano
Trabalho paisagem 1º anoTrabalho paisagem 1º ano
Trabalho paisagem 1º ano
LUIS ABREU
 
Capitalismo socialismo introdução
Capitalismo  socialismo  introduçãoCapitalismo  socialismo  introdução
Capitalismo socialismo introdução
LUIS ABREU
 
Trabalho de geografia nordeste.......
Trabalho de geografia   nordeste.......Trabalho de geografia   nordeste.......
Trabalho de geografia nordeste.......
LUIS ABREU
 

Mais de LUIS ABREU (20)

WEBQUEST Região sul
WEBQUEST Região sulWEBQUEST Região sul
WEBQUEST Região sul
 
WEBQUEST Região sudeste
WEBQUEST Região sudesteWEBQUEST Região sudeste
WEBQUEST Região sudeste
 
WEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norteWEBQUEST Região norte
WEBQUEST Região norte
 
WEBQUEST Região centro oeste
WEBQUEST Região centro oesteWEBQUEST Região centro oeste
WEBQUEST Região centro oeste
 
WEBQUEST Região nordeste
WEBQUEST Região nordesteWEBQUEST Região nordeste
WEBQUEST Região nordeste
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário clima
 
Seminário vegetação
Seminário vegetaçãoSeminário vegetação
Seminário vegetação
 
Seminário relevo
Seminário relevoSeminário relevo
Seminário relevo
 
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologiaSeminario da agricultura tradicional à biotecnologia
Seminario da agricultura tradicional à biotecnologia
 
Vegetação seminario de geografia
Vegetação   seminario de geografiaVegetação   seminario de geografia
Vegetação seminario de geografia
 
íNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humanoíNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humano
 
Blocos econômicos geografia
Blocos econômicos   geografiaBlocos econômicos   geografia
Blocos econômicos geografia
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Escala geográfica
Escala geográficaEscala geográfica
Escala geográfica
 
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIATEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
TEORIA DOS MUNDOS - GEOGRAFIA
 
PAÍSES DO NORTE E DO SUL
PAÍSES DO NORTE E DO SULPAÍSES DO NORTE E DO SUL
PAÍSES DO NORTE E DO SUL
 
Trabalho paisagem 1º ano
Trabalho paisagem 1º anoTrabalho paisagem 1º ano
Trabalho paisagem 1º ano
 
Capitalismo socialismo introdução
Capitalismo  socialismo  introduçãoCapitalismo  socialismo  introdução
Capitalismo socialismo introdução
 
Trabalho de geografia nordeste.......
Trabalho de geografia   nordeste.......Trabalho de geografia   nordeste.......
Trabalho de geografia nordeste.......
 

Seminario a questão agrária, agrícola e o êxodo rural no brasil

  • 1. BEATRIZ DE ASSIS BRUNO PERIM CAIO CESAR CAROLINE PAIVA GABRIELA CRISTINA GABRIELA CONSTANSIO LARISSA ARAUJO MARIANA PEREIRA MONICE GALDINO PEDRO SOARES THALIA CONSTANTINO PROF. LUÍS ABREU SÃO PAULO, 25 DE MAIO DE 2013
  • 2. *SUMÁRIO 1. ESTRUTURA FUNDIÁRIA NO BRASIL 2. EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS AGRÍCOLAS 3. ESTÁTUTO DA TERRA 4. REFORMA AGRÁRIA 5. ÊXODO RURAL: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS 6. POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A AGRÍCULTURA 7. FLUXO DE CAPITAIS E MERCADORIAS ENTRE A CIDADE E O CAMPO
  • 3. *ESTRUTURA FUNDIARIA NO BRASIL. * Ao longo da história Brasileira, as terras brasileiras foram controladas por uma elite e hoje, também, por grandes empresas. A concentração de terras, que condena à tragédia milhões de pessoas, teve início com a ocupação colonial e se arrastou até os dias atuais. *ORIGEM DA CONCENTRAÇÃO DE TERRAS
  • 4. * Primeiramente foram as Capitanias Hereditárias e seus donatários, pois temendo corsários e piratas ingleses, franceses e holandeses que viviam saqueando as riquezas  da terra recém descoberta. Estas enormes faixas de terras, foram doadas para nobres e pessoas de confiança do rei. A função dos nobres era administrar estas terras *Contexto Histórico
  • 6. * Posteriormente as Sesmarias, por ser um país considerado continental, os donatários doavam lotes de terras menores para um Sesmeiro que tinha como intuito, tornar a terra produtiva. O Sesmeiro era obrigado a pagar impostos para a Coroa Portuguesa.
  • 8. * A estrutura fundiária do Brasil foi pouco alterada durante, e a maior parte das terras estão nas mãos dos latifundiários, inclusive ocupando áreas indígenas. A modernização do setor agrícola contribuiu para agravar a concentração de terras. Por esses motivos, hoje existe conflitos intermináveis por melhores distribuições de terras e condições de trabalho *Concentração de terras atualmente
  • 11. * O Brasil convive com milhões de trabalhadores sem terra numa situação em que cerca de 40% da área das grandes propriedades agropecuárias não são aproveitadas para o cultivo, para a criação de animais ou qualquer outra atividade econômica
  • 12. *MOVIMENTOS SOCIAS DO CAMPO • O que é : * MST é o movimentos dos trabalhadores sem terra. • Fundamento : * Há 26 anos em cascaval, centenas de trabalhadores rurais decidiram fundar um movimento social camponês autônomo .
  • 13. * Lutar pela terra e pela reforma agrária. O MST defende a autonomia para as áreas indígenas ameaçadas pelos latifundiários, a democratização da água das áreas de imigração no nordeste, punição para assassinos de trabalhadores rurais e a cobrança do pagamento de impostos territorial rural. *OBJETIVO
  • 14. *LIGAS CAMPONESAS • Criada em 1945 após a redemocratização do governo por Vargas. • Lutavam contra o desapropriação de terras e o reforma agraria imposta pelo governo. • Funcionavam em duas seções, a organização de massas: que eram os moradores das cidades.
  • 15. • Organização política: apenas aceitavam alguns candidatos que tinham ideia ideológicas reunindo ideias políticas e sociais. • Teve fim em 1964 após o golpe militar com o seu líder preso e exilado.
  • 17. * FORTALECER O POVOAMENTO DAS REGIÕES DE MENOR DENSIDADE DEMOGRÁFICA. * NOVAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO AOS GRANDES PROPRIETÁRIOS OCASIONANDO O DESRESPEITO ÀS LEGISLAÇÕES AMBIENTAIS. * A MODERNIZAÇÃO CONSERVADORA PERSISTIA COM OS PROBLEMAS SOCIOAMBIENTAIS. *EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS AGRÍCULAS
  • 18. *CENTRO OESTE *ESTADOS: GOIÁS, MATO GROSSO, MATO GROSSO DO SUL.
  • 19. *CENTRO OESTE • EM 1930 INCENTIVO DO GOVERNO VARGAS, COM A “MARCHA PARA OESTE”. • EM 1960 CONSTRUÇÃO DE BRASÍLIA PELO PRESIDENTE JUSCELINO KUBTSCHEK. • EM 1970 O ESTADO CRIOU PLANOS DE DESENVOLVIMENTO DIRECIONADOS A ESSA REGIÃO.
  • 20. • O MAIS IMPORTANTE FOI O POLOCENTRO, QUE INCENTIVAVA A OCUPAÇÃO PRODUTIVA DAS ÁREAS DO CERRADO, COM O CRÉDITO RURAL. • O CENTRO-OESTE PASSOU A DESEMPENHAR UM PAPEL MAIS RELEVANTE NA ECONÔMIA NACIONAL.
  • 21. • CRIADA EM 1973 A EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIO FOI RESPONSÁVEL PELA GERAÇÃO DE TECNOLOGIAS QUE CONTRIBUIRAM PARA O AUMENTO DA PRODUTIVIDADE QUANTO PARA EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS AGRÍCOLAS NO CERRADO. ATRAVÉS DE PESQUISAS TORNOU POSSÍVEL O CULTIVO DE SOJA NO CERRADO.
  • 22. *AMAZÔNIA • A PARTIR DOS ANOS 90 A SOJA ALCANÇA A AMAZÔNIA. ATUALMENTE, JÁ SE PLANTA SOJA NA REGIÃO DE CERRADO, DOS CAMPOS NATURAIS, EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO CERRADO- FLORESTA OU SOBRE ÁREAS DEGRADADAS DE PROJETOS PECUÁRIOS FRACASSADOS. • NO ESTADO DO AMAZONAS, A PRODUÇÃO DE SOJA FOI INCENTIVADA PELO PROGRAMA TERCEIRO CICLO DE DESENVOLVIMENTO.
  • 23. • A OCUPAÇÃO DA AMAZÔNIA TEM CONDUZIDO A UM AUMENTO DO DESMATAMENTO NESTA REGIÃO. AS TRÊS PRINCIPAIS FORMAS DE DESMATAMENTO SÃO: IMPLEMENTAÇÃO DO CULTIVO DE GRÃOS (PRINCIPAL); A CONVERSÃO DA FLORESTA PARA PASTAGEM; O CORTE E A QUEIMA DA FLORESTA PARA CULTURAS ANUAIS.
  • 25. *VISÕES SOBRE A EXPANSÃO DA SOJA NA AMAZÔNIA •1ª VISÃO O CULTIVO OCORRERIA NAS ÁREAS DE CERRADO OU EM ÁREAS DEGRADADAS OU DESMATADAS DE PROJETOS PECUÁRIOS INCENTIVADOS, E QUE A EXPANSÃO DA SOJA CONTRIBUIRIA PARA FORTALECER A POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL. •2ª VISÃO CONTRARIANDO A PRIMEIRA VISÃO, A EXPANSÃO DA SOJA INTENSIFICARIA A DESTRUIÇÃO DA FLORESTA TROPICAL, ATRAVÉS DO “EFEITO DE ARRASTO”.
  • 26. *EVOLUÇÃO DO DESFLORESTAMENTO NO SUL DO ESTADO DO AMAZONAS • FORAM CONSTRUÍDAS A TRANSAMAZÔNICA, A MANAUS PORTO- VELHO(BR-319) E A BR-364( RIO BRANCO- PORTO VELHO) QUE CONTRIBUÍRAM PRA EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS AGRÍCOLAS.
  • 28. • O DESMATAMENTO NESSA ÁREA DISTRIBUI-SE PELO ARCO DO DESFLORESTAMENTO (REGIÃO ONDE A FRONTEIRA AGRÍCOLA AVANÇA EM DIREÇÃO À FLORESTA E TAMBÉM ONDE ENCONTRAM-SE OS MAIORES ÍNDICES DE DESMATAMENTO DA AMAZÔNIA).
  • 29. *MUNICÍPIO DE LÁBREA -SITUA-SE NA ÁREA DO ARCO DO DESFLORESTAMENTO -ESTE MUNICÍPIO É O CAMPEÃO DE DESMATAMENTO -NO ESTADO DO AMAZONAS.
  • 30. *MUNICÍPIO DE CANUTAMA - É CARACTERIZADO POR TAXAS DE DESMATAMENTO PROGRESSIVAS, TANTO EM ÁREAS DE FLORESTAS COMO EM ÁREAS DE SAVANAS; - FAZ PARTE DO PÓLO DE GRÃOS DO SUDOESTE AMAZONENSE.
  • 31. *MUNICÍPIO DE HUMAITÁ - APRESENTA AS MAIS ELEVADAS TAXAS DE PRODUÇÃO DE SOJA E ARROZ.
  • 32. *MUNICÍPIO DE MANICORÉ - O DESMATAMENTO DO MUNICIPIO AUMENTOU ENTRE 2000/2004, QUE APRESENTOU A SEGUNDA MAIOR TAXA DE DESMATAMENTO.
  • 33. *ESTATUTO DA TERRA • O Estatuto da Terra foi criado pela lei 4.504, de 30-11-1964, sendo portanto uma obra do regime militar que acabava de ser instalado no país através do golpe militar de 31-3-1964. • Sua criação estará intimamente ligada ao clima de insatisfação reinante no meio rural brasileiro e ao temor do governo e da elite conservadora pela eclosão de uma revolução camponesa.
  • 34. * As lutas camponesas no Brasil começaram a se organizar desde a década de 1950, com o surgimento de organizações e ligas camponesas, de sindicatos rurais e com atuação da Igreja Católica e do Partido Comunista Brasileiro. O movimento em prol de maior justiça social no campo e da reforma agrária generalizou-se no meio rural do país e assumiu grandes proporções no início da década de 1960.
  • 35. * No entanto, esse movimento foi praticamente aniquilado pelo regime militar instalado em 1964. A criação do Estatuto da Terra e a promessa de uma reforma agrária foi a estratégia utilizada pelos governantes para apaziguar, os camponeses e tranqüilizar os grandes proprietários de terra.
  • 36. *As metas estabelecidas pelo Estatuto da Terra eram basicamente duas: a execução de uma reforma agrária e o desenvolvimento da agricultura. Três décadas depois, podemos constatar que a primeira meta ficou apenas no papel, enquanto a segunda recebeu grande atenção do governo, principalmente no que diz respeito ao desenvolvimento capitalista ou empresarial da agricultura.
  • 38. *REFORMA AGRÁRIA • É um sistema em que ocorre a divisão de terras, ou seja, propriedades particulares (latifúndios improdutivos) são compradas pelo governo a fim de lotear e distribuir para famílias que não possuem terras para plantar. • Dentro desses sistema as famílias ganham do governo condições para o cultivo como as sementes, implantação de irrigação, financiamentos, infraestrutura e assistência social.
  • 39. • Para que possa ocorrer a reforma agrária existe um conjunto de medidas que especialistas dividem em quatro reformas parciais, que são: Reforma agrícola; Reforma rural; Reforma fundiária; Regime de relações de poder.
  • 40. ARGUMENTOS ARGUMENTOS FAVORÁVEIS INFAVORÁVEIS •Produção de alimentos básicos; •A geração de ocupação e renda; •O combate à fome e à miséria; •A redução da migração do campo para a cidade( êxodo rural); •A promoção da cidadania e da justiça social; •Acesso à propriedade da terra aos que neles trabalham. •Indisponibilidade de terras improdutivas; •A falta da competitividade de pequenas propriedades diante da concorrência do mercado; • Não há necessidade de os trabalhadores serem proprietários, podendo assim ser funcionário do grande fazendeiro; •Aumento dos impactos ambientais por em alguns casos forem destinadas terras em áreas de preservação
  • 42. * Podemos definir êxodo rural como sendo o deslocamento de pessoas da zona rural (campo) para a zona urbana (cidades). * Estima-se que entre 1950 e 2000 , mais de 50 milhões de pessoas migraram das áreas rurais para as áreas urbanas. *ÊXODO RURAL : CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS
  • 44. • Os principais motivos são :  Transição da agricultura tradicional para a agricultura moderna.  A expansão considerável da agroindústria e a crescente capitalização da agricultura.  Expansão de industrias no país.
  • 45. O inchaço das grandes metrópoles brasileiras e o agravamento dos diversos problemas urbanos como: *ÊXODO RURAL: CONSEQUÊNCIAS
  • 47. Favelas e problemas ambientais Péssima qualidade dos serviços de saúde *ÊXODO RURAL: CONSEQUÊNCIAS
  • 48. *Políticas públicas para Agricultura. *AS POLÍTICAS PÚBLICAS FAVORÁVEIS À AGRICULTURA FAMILIAR, SURGIRAM A PARTIR DE 1990. *OS FATORES QUE IMPULSIONARAM: *NECESSIDADE DE INTERVENÇÃO DO ESTADO DIANTE DA EXCLUSÃO SOCIAL *FORTALECIMENTO DOS MOVIMENTOS SOCIAS RURAIS.
  • 49. * PRONAF (Programa Nacional da Agricultura Familiar) *SURGIU EM 1996 EM FUNÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES DOS TRABALHADORES RURAIS POR UMA POLITICA EXCLUSIVA E DIRECIONADA PARA A AGRICULTURA FAMILIAR
  • 51. * AS COOPERATIVAS DE PRODUÇÃO CONTRIBUEM NO DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR, POSSIBILITANDO QUE OS PRODUTORES TENHAM MELHOR PODER DE NEGOCIAÇÃO, NA AQUISIÇÃO DE INSULMOS E NA COMERCIALIZAÇÃO.
  • 52. * UM MEDIDA DE APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR POR PARTE DO GOVERNO É A EXIGÊNCIA DE INSERIR SEUS PRODUTOS COMO PARTE DA MERENDA ESCOLAR. * ALÉM DA POLÍTICA DE GARANTIA DE PREÇOS MINIMOS (PGPM) CRIADA EM 1996, QUE CONTRIBUI PARA A REDUÇÃO DAS VARIAÇÕES DE PREÇOS.
  • 53. *O Plano Diretor e o Êxodo Rural *A FALTA DE PLANEJAMENTO EM COJUNTO COM O CRESCIMENTO DESORDENADO SÃO RESPONSÁVEIS PELA MAIORIA DOS PROBLEMAS DAS CIDADES CONTEMPORÂNEAS. *PLANEJAR REPRESENTA ELEVADOS CUSTOS, PRAZOS LONGOS E VONTADE POLÍTICA.
  • 55. * A SOLUÇÃO DE PROBLEMAS COMO: *FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO, *CRESCIMENTO URBANO DESORDENADO, * OCUPAÇÃO IRREGULAR PARA EDIFICAÇÕES; O GOVERNO PROMULGOU A LEI 10.257 ( ESTATUTO DA CIDADE), QUE ESTABELECE NORMAS DE ORDEM PÚBLICA E INTERESSE SOCIAL QUE REGULAM O USO DA PROPRIEDADE URBANA EM PROL DO BEM COLETIVO, SEGURANÇA E DO BEM- ESTAR DOS CIDADÕES.
  • 56. * A LEI DETERMINA OS CRITÉRIOS DE EXIGÊNCIA PARA QUE UM MUNICÍPIO DESENVOLVA O PLANO DIRETOR, QUE TEM COMO OBJETIVO ATENDER AS NECESSIDADES DOS CIDADÕES , QUANTO A QUALIDADE DE VIDA, JUSTIÇA SOCIAL E ATIVIDADES ECONÔMICAS. * PROMOVE ORGANIZAÇÃO E BOM FUNCIONAMENTO DO TERRITÓRIO.
  • 57. *É OBRIGATÓRIO PARA: * CIDADES COM MAIS DE 20 MIL HABITANTES. * MUNICÍPIOS DE REGIÕES METROPOLITANAS OU AGLOMERAÇÕES URBANAS. * INTEGRANTES DE ÁREAS DE INTERESSE TURISTICO. * ÁREAS DE INFLUÊNCIA DE EMPRENDIMENTOS. * ÁREAS DE COM ATIVIDADES DE SIGNIFICATIVO IMPACTO AMBIEMTAL.
  • 58. *COM O ÊXODO RURAL, HOUVE UM INCHAÇO, AUMENTANDO A DEMANDA POR PLANEJAMENTO E INFRAESTRUTURA, TENDO UMA GRANDE MASSA DE PESSOAS SEM CAPACITAÇÃO QUE DESLOCO-SE. * MUITAS CIDADES POR SUAS CONDIÇÕES NATURAIS VIRARAM FIXAÇÃO DE MORARIAS EM LUGARES QUE DEVIAM SER DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL, COMO: *ENTORNO DE RIOS. *ENCOSTAS. *VALES.
  • 62. * O PLANO DIRETOR PASSOU A SER NECESSÁRIO, JÁ QUE COMTRIBUI AOS GESTORES PÚBLICOS A RESOLUÇÃO DOS PROBLEMAS URBANOS . * AS EQUIPES RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO E CUMPRIMENTO DESSES DESSES PROJETOS SÃO: *ENGENHEIROS *BIÓLOGOS *GEÓGRAFOS *BACHARÉIS EM DIREITO *GEÓLOGOS *ADMINISTRADORES, *PROFISSIONAIS DA SAÚDES ETC..
  • 63. - A relação entre o espaço rural e urbano está diretamente ligada pela necessidade de uma para com a outra, em relação a fornecimento e abastecimento. - Atualmente, ainda que a maior parte do interior do Brasil é essencialmente rural, o funcionamento das respectivas municípios- sede é mantida a partir desses espaços rurais que as cercam. *FLUXOS DE CAPITAIS E MERCADORIAS ENTRE CIDADE E CAMPO
  • 64. - Cidades (sobretudo de pequeno porte) que dependem exclusivamente das divisas provindas das atividades agrícolas, são prejudicadas, sofrendo com demissões, e em casos extremos até fechamentos. - Além dos fluxos de mercadorias e produtos, há também o deslocamento de pessoas entre esses espaços.
  • 65. -Os técnicos formados voltam para os campos afim de exercer e desenvolver suas atividades. Além disso, com noções de qualidade de vida e em oposição do estresse da grandes cidades, eles optam por aplicar o turismo rural, residindo em torno dos municípios-sede. - Famílias carentes que sobrevivem em função das atividades do campo, obrigam-se a procurar novas opções de emprego na cidade, devido aos avanços tecnológicos.
  • 66. *ROSE É UMA AGRICULTURA SEM-TERRA QUE, COM OUTRAS 1.500 FAMÍLIAS,PARTICIPOU DA PRIMMEIRA GRANDE OCUPAÇÃO DE UMA TERRA IMPRODUTIVA NA FAZENDA ANONI, NO RIO GRANDE DO SUL, ALVO DE UMA FERRENHA DISPUTADA NA DÉCADA DE 80. A PARTIR DA TRAJETÓRIA DA PERSONAGEM, O FILME ABORDA A SENSÍVEL QUESTÃO DA REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL, NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO PÓS-REGIME MILITAR, RETRATANDO O INÍCIO DE UM POLÊMICO E IMPORTANTE MOVIMENTO SOCIAL, O MST.
  • 67. REFERENCIA BIBLIOGRAFICA: •APOSTILA : MOVIMENTO APRENDER - SESI-SP EDITORA SITES DE APOIO: •http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/sala_de _aula/geografia/geografia_do_brasil/agricultura/brasi l_reforma_agraria •http://www.cptl.ufms.br/revista- geo/jodenir_antonio.pdf •http://www.sober.org.br/palestra/15/216.pdf •http://vestibular.wikidot.com/apo:geo:des-agri- centro-oeste-brasil