SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
GESTÃO PARTICIPATIVA, COMPORTAMENTO E MOTIVAÇÃO NA
                                ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
    Lucia Teresa Alexim de Sousa Accetta1, Eliana Napoleão Cozendey da Silva2 & Luis Perez Zotes3


          Inúmeras teorias já foram desenvolvidas sobre a motivação no ambiente de trabalho durante
toda a história das teorias administrativas e de Escolas de Administração. Grande parte dos estudos é
sobre o grau de motivação do indivíduo e as variáveis que influenciam seu comportamento.
          A questão da Motivação envolve (1) a adaptação do Homem ao trabalho, (2) a adaptação do
trabalho ao Homem e (3) a adaptação do Homem ao Homem, sendo esses três aspectos muito
importantes para a compreensão do fator humano nas organizações (KONDO, 1994).
          Cada organização possui características culturais singulares. Assim, o sucesso dos processos
motivacionais empregados por estas depende, em grande parte, do entendimento das relações que
envolvem o aspecto humano.
          Na administração participativa, a substituição dos estilos tradicionais de administrar pessoas
pela cooperação mútua traz a tona conceitos como: informar, envolver, delegar, consultar e perguntar,
tornando-se, por si mesma, uma ferramenta de motivação.
          Planejar e desenvolver projetos e parcerias sociais com o objetivo de dar continuidade a
sustentabilidade, não apenas da empresa, mas também do meio ambiente e comunidade envolvida,
têm sido um desafio, bem como a motivação dos indivíduos para argumentar sobre suas reais
necessidades.
          As transformações político-institucionais e a ampliação de canais de representatividade dos
setores organizados para atuarem junto aos órgãos públicos mostram a potencialidade de construção
de sujeitos sociais identificados por objetivos comuns na transformação da gestão da coisa pública,
associada à construção de uma nova institucionalidade das relações Estado/sociedade (JACOBI,
2000).
         O reconhecimento da importância da inclusão social para o desenvolvimento sustentável da
sociedade tem fomentado a iniciativa de algumas empresas no sentido de direcionar atenção especial
aos grupos socialmente excluídos, bem como proporcionar programas de maior valia por meio da
implantação de novos modelos de uso dos territórios criados pelo Estado, convencionalmente
denominados de áreas protegidas, com soluções efetivas e sustentáveis, que impactam em uma melhor


1
    Mestranda (LATEC/UFF)
2
    M. Sc. (LATEC/UFF)
3
    D.Sc. (LATEC/UFF)
qualidade de vida e estímulo para gerar renda e atendimento às questões sociais.
        1. Recursos humanos (RH). Representam condição necessária e urgente sem a qual serão
inviáveis ações direcionadas à região. A meta é de elevar de três para dez o percentual de RH na
região em relação ao total do país. Sugere- se: a) dobrar o número de doutores e mestres em cinco
anos e acrescentar mais 1/3 nos cinco anos seguintes; b) atrair pesquisadores seniors por meio de alta
compensação financeira e de oportunidade de desenvolver centros de pesquisa e ensino em áreas de
seu interesse e de interesse da região, articulados a competências regionais na composição das
equipes; c) criar mecanismos para que as empresas absorvam doutores (isenção de impostos, por
exemplo); d) condicionar projetos de pesquisa a ensino e treinamento, inclusive as cadeias para uso da
biodiversidade que devem ter ligações para frente – um produto comercializável – e para trás – ensino,
se possível em
        A motivação é fator crítico na gestão de pessoas segundo os conceitos da moderna
administração e influencia direta e indiretamente a cultura e práticas de excelência em qualidade e, por
conseguinte a capacidade sustentada da competitividade corporativa. Assim sendo, compreender
como agem os processos motivacionais é fundamental para a sobrevivência das organizações.
        O presente artigo fundamenta-se no princípio de que a motivação é resultado dos estímulos
que agem sobre os indivíduos, levando-os à ação. Tem por objetivo primário discutir o efeito da
gestão participativa sobre a motivação e o comportamento dos indivíduos nas organizações.
        A fim de alcançar o objetivo proposto foi conduzida uma pesquisa bibliográfica, seguindo
uma abordagem qualitativa (ALVES-MAZZOTTI, 1998), com foco nos temas: gestão participativa,
motivação e comportamento humano em comparação à administração pública.

DESENVOLVIMENTO

        É comum em Administração definir motivação como a vontade de empregar altos níveis de
esforço em direção a metas organizacionais condicionadas pela capacidade de satisfazer alguma
necessidade do indivíduo. Entretanto, nem sempre as razões pelas quais os indivíduos agem são claras.
        Durante décadas, diversos estudos foram realizados na busca do esclarecimento do fenômeno
da motivação humana nas organizações. As teorias de motivação são muitas, entretanto, parece claro
que os estudiosos tentam fechar o homem em esquemas redutores e enquadrá-lo numa concepção
simplória sobre a sua essência. É preciso ser cauteloso quanto a isso, pois deixar de considerar a
natureza complexa do homem pode originar uma perspectiva simplista, mecanicista e utilitarista, o
que não corrobora à boa gestão dos recursos humanos.
        Muito se discute sobre o papel dos indivíduos nas organizações relacionando-os ao seu
desempenho superior, discussão essa permeada pela concordância de alguns autores sobre o fato de as
pessoas representam o maior ativo intangível das organizações.
          Segundo Lemos (1999), as teorias da administração destacaram o papel do elemento humano
nas organizações. Seu papel é enfatizado de diversas maneiras e sua importância varia de teoria para
teoria.
          O indivíduo é, por definição, um ser psicossocial, de tríplice origem, o que lhe confere uma
complexidade singular e notável. Por esta razão é tarefa árdua estudar o homem com uma visão
fragmentada, sem considerar a sua enorme diversidade e complexidade.
          A compreensão de que o maior desafio do gestor público brasileiro é de natureza gerencial fez
com que se buscasse, um novo modelo focado em resultados e orientado para o cidadão.
          O modelo de gestão pública (BRASIL, 2005) elaborado pelo governo federal é a
representação de um sistema gerencial que orienta para a adoção de práticas de excelência que tem por
finalidade a elevação da qualidade dos serviços prestados aos cidadãos, além do aumento da
competitividade do país.
          A administração participativa, de maneira abrangente, pode ser definida como a valorização
da participação das pessoas no processo de tomada de decisão e solução de problemas. Assim sendo, a
administração pública é, por conceito, participativa.
          Alguns autores entendem as experiências participativas no serviço público como uma
possibilidade de intervenção consciente e criativa dos servidores num rompimento com a cultura de
submissão, uma forma de se adquirir conhecimentos que os habilitem para o exercício da democracia
em vários níveis.
          Mas a verdade é que a adoção de uma gestão pública focada em qualidade requer mudanças
na cultura organizacional, exigindo principalmente motivação, que conduz ao esforço, dedicação,
persistência e comprometimento.
          Administrar participativamente consiste em compartilhar as decisões que afetam a empresa,
não apenas com funcionários, mas também com usuários, fornecedores, e concessionários da
organização. É através da participação que os profissionais se envolvem com os objetivos e resultados
das organizações e se sentem parte integrante do processo, elevando o grau de interação com a cultura
organizacional.
          A participação das pessoas nos diversos níveis de decisão contribui para aumentar a qualidade
das decisões e da administração, bem como a satisfação e a motivação dos colaboradores. Entretanto,
participar não é natural nos modelos administrativos convencionais. Muitos paradigmas mantêm a
maioria dos trabalhadores alienados em relação ao controle de seu próprio trabalho e à gestão da
organização, desperdiçando o potencial de contribuição das pessoas.
          Administrar participativamente implica, entre outras coisas, no redesenho das estruturas
organizacionais, cargos e grupos de trabalho, além do sistema de normas e procedimentos, de forma
que a própria estrutura seja fator motivador da participação.
        Acreditar que a motivação age como fator influenciador do comportamento do indivíduo nas
organizações e entender como se dá o agrupamento dos aspectos relacionados a ela, auxiliam no
planejamento e implantação das ações de gestão dos recursos humanos, com foco na qualidade. A boa
gestão dos recursos humanos deve estar alerta ao fato de que o comportamento humano é complexo e
deve ser analisado de acordo com o momento e o contexto em que o indivíduo vive.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALVES-MAZZOTTI, A. J., Gewandsznajder, F. O Método nas Ciências Naturais e Sociais: Pesquisa
     Quantitativa e Qualitativa. São Paulo: Editora Pioneira, 1998.

BRASIL, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Programa nacional de gestão pública e
     desburocratização – GESPÚBLICA. 2005. Disponível em: http://www.gespublica.gov.
     br/gespublica/index_html. Acesso em: 13 de setembro de 2006.

KONDO, Yoshio. Motivação humana: um fator chave para o gerenciamento. São Paulo: Gente, 1994.

LEMOS, I. Motivação para o trabalho. 1999. Disponível em: http://www.geocities.com./
    bourbonstreet/delta/1102/rechum2.htm. Acesso em: 12 de agosto de 2006.

JACOBI, P. R. O Brasil depois do Rio+10. Revista do Departamento de Geografia da USP, São
     Paulo, n.15, p.19-29, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formato blog pdf
Formato blog pdfFormato blog pdf
Formato blog pdf
Cleusa Lago
 
As dimensões Culturais da Qualidade: Um Estudo em Empresas Ganhadoras do Prê...
As dimensões Culturais da Qualidade: Um Estudo em Empresas Ganhadoras do  Prê...As dimensões Culturais da Qualidade: Um Estudo em Empresas Ganhadoras do  Prê...
As dimensões Culturais da Qualidade: Um Estudo em Empresas Ganhadoras do Prê...
Daniel Negrini
 
ApresentaçãO Tcc Jussara
ApresentaçãO Tcc JussaraApresentaçãO Tcc Jussara
ApresentaçãO Tcc Jussara
adrianacarrazoni
 
Contrangimentos e forças das Equipas de Intervenção Precoce: Mudanças Desejáveis
Contrangimentos e forças das Equipas de Intervenção Precoce: Mudanças DesejáveisContrangimentos e forças das Equipas de Intervenção Precoce: Mudanças Desejáveis
Contrangimentos e forças das Equipas de Intervenção Precoce: Mudanças Desejáveis
Joaquim Colôa
 

Mais procurados (14)

Formato blog pdf
Formato blog pdfFormato blog pdf
Formato blog pdf
 
A Conquista Do EspaçO Profissional
A Conquista Do EspaçO ProfissionalA Conquista Do EspaçO Profissional
A Conquista Do EspaçO Profissional
 
Planejamento social, interdiciplinaridade, prática profissional e metodologia...
Planejamento social, interdiciplinaridade, prática profissional e metodologia...Planejamento social, interdiciplinaridade, prática profissional e metodologia...
Planejamento social, interdiciplinaridade, prática profissional e metodologia...
 
Trab. de processo sistematizacão
Trab. de processo sistematizacãoTrab. de processo sistematizacão
Trab. de processo sistematizacão
 
As dimensões Culturais da Qualidade: Um Estudo em Empresas Ganhadoras do Prê...
As dimensões Culturais da Qualidade: Um Estudo em Empresas Ganhadoras do  Prê...As dimensões Culturais da Qualidade: Um Estudo em Empresas Ganhadoras do  Prê...
As dimensões Culturais da Qualidade: Um Estudo em Empresas Ganhadoras do Prê...
 
ApresentaçãO Tcc Jussara
ApresentaçãO Tcc JussaraApresentaçãO Tcc Jussara
ApresentaçãO Tcc Jussara
 
Projeto apresentado para o gp helô
Projeto apresentado para o gp helôProjeto apresentado para o gp helô
Projeto apresentado para o gp helô
 
Coaching, mentoring ou career couseling
Coaching, mentoring ou career couselingCoaching, mentoring ou career couseling
Coaching, mentoring ou career couseling
 
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúdeGestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
 
Inplacement
InplacementInplacement
Inplacement
 
Desenvolvimento de competências para atuar de forma articulada no SUAS
Desenvolvimento de competências para atuar de forma articulada no SUASDesenvolvimento de competências para atuar de forma articulada no SUAS
Desenvolvimento de competências para atuar de forma articulada no SUAS
 
A Influencia da Cultura Organizacional em um Orgão Público da Cidade de Carir...
A Influencia da Cultura Organizacional em um Orgão Público da Cidade de Carir...A Influencia da Cultura Organizacional em um Orgão Público da Cidade de Carir...
A Influencia da Cultura Organizacional em um Orgão Público da Cidade de Carir...
 
000779376
000779376000779376
000779376
 
Contrangimentos e forças das Equipas de Intervenção Precoce: Mudanças Desejáveis
Contrangimentos e forças das Equipas de Intervenção Precoce: Mudanças DesejáveisContrangimentos e forças das Equipas de Intervenção Precoce: Mudanças Desejáveis
Contrangimentos e forças das Equipas de Intervenção Precoce: Mudanças Desejáveis
 

Destaque

Festival navidad 2012
Festival navidad 2012Festival navidad 2012
Festival navidad 2012
Maribel Diaz
 
Ana Patrícia, Mariana, Catarina, Cátia
Ana Patrícia, Mariana, Catarina, CátiaAna Patrícia, Mariana, Catarina, Cátia
Ana Patrícia, Mariana, Catarina, Cátia
Inês Varela
 
Seminário instalações industriais
Seminário instalações industriaisSeminário instalações industriais
Seminário instalações industriais
Drielly Dayanne
 
Traballo en diapositivas tema 5
Traballo en diapositivas tema 5Traballo en diapositivas tema 5
Traballo en diapositivas tema 5
ANXOMOREIRAS
 
Video guia tecnic
Video guia tecnicVideo guia tecnic
Video guia tecnic
Josep
 

Destaque (20)

Festival navidad 2012
Festival navidad 2012Festival navidad 2012
Festival navidad 2012
 
Agenda cultural
Agenda culturalAgenda cultural
Agenda cultural
 
Presentacion Taller Desarrollo de Blogs
Presentacion Taller Desarrollo de BlogsPresentacion Taller Desarrollo de Blogs
Presentacion Taller Desarrollo de Blogs
 
Ana Patrícia, Mariana, Catarina, Cátia
Ana Patrícia, Mariana, Catarina, CátiaAna Patrícia, Mariana, Catarina, Cátia
Ana Patrícia, Mariana, Catarina, Cátia
 
Jesus cristo1
Jesus cristo1Jesus cristo1
Jesus cristo1
 
Last sacrifice
Last sacrificeLast sacrifice
Last sacrifice
 
Primeira guerra
Primeira guerraPrimeira guerra
Primeira guerra
 
Indicator(1)
Indicator(1)Indicator(1)
Indicator(1)
 
Inovação e Crescimento Sustentavel
Inovação e Crescimento SustentavelInovação e Crescimento Sustentavel
Inovação e Crescimento Sustentavel
 
Module 1 IUT Bobigny : Organisation et Conception
Module 1 IUT Bobigny : Organisation et ConceptionModule 1 IUT Bobigny : Organisation et Conception
Module 1 IUT Bobigny : Organisation et Conception
 
Seminário instalações industriais
Seminário instalações industriaisSeminário instalações industriais
Seminário instalações industriais
 
Interacción asincrónica – colaboración en línea con revised2 feb_2012
Interacción asincrónica – colaboración en línea con revised2 feb_2012Interacción asincrónica – colaboración en línea con revised2 feb_2012
Interacción asincrónica – colaboración en línea con revised2 feb_2012
 
Iran
Iran Iran
Iran
 
Disposições constitucionais
Disposições constitucionaisDisposições constitucionais
Disposições constitucionais
 
Traballo en diapositivas tema 5
Traballo en diapositivas tema 5Traballo en diapositivas tema 5
Traballo en diapositivas tema 5
 
Perfil Del Trabajador Talentoso
Perfil Del Trabajador TalentosoPerfil Del Trabajador Talentoso
Perfil Del Trabajador Talentoso
 
Desenhos a lápis doug landis
Desenhos a lápis doug landisDesenhos a lápis doug landis
Desenhos a lápis doug landis
 
Ejercicio. andres.
Ejercicio. andres.Ejercicio. andres.
Ejercicio. andres.
 
Video guia tecnic
Video guia tecnicVideo guia tecnic
Video guia tecnic
 
Senales
SenalesSenales
Senales
 

Semelhante a Adm particip artigo_3

Comportamento organizacional
Comportamento organizacional Comportamento organizacional
Comportamento organizacional
Marlei88
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacional Comportamento organizacional
Comportamento organizacional
Marlei88
 
Comportamento organizacional debora
Comportamento organizacional deboraComportamento organizacional debora
Comportamento organizacional debora
Marlei88
 
Comportamento organizacional debora
Comportamento organizacional deboraComportamento organizacional debora
Comportamento organizacional debora
Marlei88
 
Comportamento organizacional debora
Comportamento organizacional deboraComportamento organizacional debora
Comportamento organizacional debora
Marlei88
 
Apostila de administração_pública
Apostila de administração_públicaApostila de administração_pública
Apostila de administração_pública
ArilsonLeao
 
ApresentaçãO Tcc Jussara
ApresentaçãO Tcc JussaraApresentaçãO Tcc Jussara
ApresentaçãO Tcc Jussara
adrianacarrazoni
 
Comportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-finalComportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-final
Sandra Oliveira
 

Semelhante a Adm particip artigo_3 (20)

Módulo IV Aula 1
Módulo IV Aula 1Módulo IV Aula 1
Módulo IV Aula 1
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacional Comportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacional Comportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Comportamento organizacional debora
Comportamento organizacional deboraComportamento organizacional debora
Comportamento organizacional debora
 
Comportamento organizacional debora
Comportamento organizacional deboraComportamento organizacional debora
Comportamento organizacional debora
 
Comportamento organizacional debora
Comportamento organizacional deboraComportamento organizacional debora
Comportamento organizacional debora
 
Gestao de pessoas_nas_organizacoes_gesta
Gestao de pessoas_nas_organizacoes_gestaGestao de pessoas_nas_organizacoes_gesta
Gestao de pessoas_nas_organizacoes_gesta
 
Liderança, Gestão Empresarial e de Pessoas
Liderança, Gestão Empresarial e de PessoasLiderança, Gestão Empresarial e de Pessoas
Liderança, Gestão Empresarial e de Pessoas
 
Apostila de administração_pública
Apostila de administração_públicaApostila de administração_pública
Apostila de administração_pública
 
Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Aula 1 adm rh histórico
Aula 1   adm rh históricoAula 1   adm rh histórico
Aula 1 adm rh histórico
 
gestao de pessoas
gestao de pessoasgestao de pessoas
gestao de pessoas
 
Gestão de Pessoas
Gestão de PessoasGestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
ApresentaçãO Tcc Jussara
ApresentaçãO Tcc JussaraApresentaçãO Tcc Jussara
ApresentaçãO Tcc Jussara
 
Comportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-finalComportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-final
 
ORGANIXAÇÕES PUBLICAS
ORGANIXAÇÕES PUBLICASORGANIXAÇÕES PUBLICAS
ORGANIXAÇÕES PUBLICAS
 
45120590 m nn kllkm n mj
45120590 m nn kllkm n mj 45120590 m nn kllkm n mj
45120590 m nn kllkm n mj
 
Gestão de Pessoas
Gestão de PessoasGestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Apostila rev 2010
Apostila rev 2010 Apostila rev 2010
Apostila rev 2010
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 

Adm particip artigo_3

  • 1. GESTÃO PARTICIPATIVA, COMPORTAMENTO E MOTIVAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Lucia Teresa Alexim de Sousa Accetta1, Eliana Napoleão Cozendey da Silva2 & Luis Perez Zotes3 Inúmeras teorias já foram desenvolvidas sobre a motivação no ambiente de trabalho durante toda a história das teorias administrativas e de Escolas de Administração. Grande parte dos estudos é sobre o grau de motivação do indivíduo e as variáveis que influenciam seu comportamento. A questão da Motivação envolve (1) a adaptação do Homem ao trabalho, (2) a adaptação do trabalho ao Homem e (3) a adaptação do Homem ao Homem, sendo esses três aspectos muito importantes para a compreensão do fator humano nas organizações (KONDO, 1994). Cada organização possui características culturais singulares. Assim, o sucesso dos processos motivacionais empregados por estas depende, em grande parte, do entendimento das relações que envolvem o aspecto humano. Na administração participativa, a substituição dos estilos tradicionais de administrar pessoas pela cooperação mútua traz a tona conceitos como: informar, envolver, delegar, consultar e perguntar, tornando-se, por si mesma, uma ferramenta de motivação. Planejar e desenvolver projetos e parcerias sociais com o objetivo de dar continuidade a sustentabilidade, não apenas da empresa, mas também do meio ambiente e comunidade envolvida, têm sido um desafio, bem como a motivação dos indivíduos para argumentar sobre suas reais necessidades. As transformações político-institucionais e a ampliação de canais de representatividade dos setores organizados para atuarem junto aos órgãos públicos mostram a potencialidade de construção de sujeitos sociais identificados por objetivos comuns na transformação da gestão da coisa pública, associada à construção de uma nova institucionalidade das relações Estado/sociedade (JACOBI, 2000). O reconhecimento da importância da inclusão social para o desenvolvimento sustentável da sociedade tem fomentado a iniciativa de algumas empresas no sentido de direcionar atenção especial aos grupos socialmente excluídos, bem como proporcionar programas de maior valia por meio da implantação de novos modelos de uso dos territórios criados pelo Estado, convencionalmente denominados de áreas protegidas, com soluções efetivas e sustentáveis, que impactam em uma melhor 1 Mestranda (LATEC/UFF) 2 M. Sc. (LATEC/UFF) 3 D.Sc. (LATEC/UFF)
  • 2. qualidade de vida e estímulo para gerar renda e atendimento às questões sociais. 1. Recursos humanos (RH). Representam condição necessária e urgente sem a qual serão inviáveis ações direcionadas à região. A meta é de elevar de três para dez o percentual de RH na região em relação ao total do país. Sugere- se: a) dobrar o número de doutores e mestres em cinco anos e acrescentar mais 1/3 nos cinco anos seguintes; b) atrair pesquisadores seniors por meio de alta compensação financeira e de oportunidade de desenvolver centros de pesquisa e ensino em áreas de seu interesse e de interesse da região, articulados a competências regionais na composição das equipes; c) criar mecanismos para que as empresas absorvam doutores (isenção de impostos, por exemplo); d) condicionar projetos de pesquisa a ensino e treinamento, inclusive as cadeias para uso da biodiversidade que devem ter ligações para frente – um produto comercializável – e para trás – ensino, se possível em A motivação é fator crítico na gestão de pessoas segundo os conceitos da moderna administração e influencia direta e indiretamente a cultura e práticas de excelência em qualidade e, por conseguinte a capacidade sustentada da competitividade corporativa. Assim sendo, compreender como agem os processos motivacionais é fundamental para a sobrevivência das organizações. O presente artigo fundamenta-se no princípio de que a motivação é resultado dos estímulos que agem sobre os indivíduos, levando-os à ação. Tem por objetivo primário discutir o efeito da gestão participativa sobre a motivação e o comportamento dos indivíduos nas organizações. A fim de alcançar o objetivo proposto foi conduzida uma pesquisa bibliográfica, seguindo uma abordagem qualitativa (ALVES-MAZZOTTI, 1998), com foco nos temas: gestão participativa, motivação e comportamento humano em comparação à administração pública. DESENVOLVIMENTO É comum em Administração definir motivação como a vontade de empregar altos níveis de esforço em direção a metas organizacionais condicionadas pela capacidade de satisfazer alguma necessidade do indivíduo. Entretanto, nem sempre as razões pelas quais os indivíduos agem são claras. Durante décadas, diversos estudos foram realizados na busca do esclarecimento do fenômeno da motivação humana nas organizações. As teorias de motivação são muitas, entretanto, parece claro que os estudiosos tentam fechar o homem em esquemas redutores e enquadrá-lo numa concepção simplória sobre a sua essência. É preciso ser cauteloso quanto a isso, pois deixar de considerar a natureza complexa do homem pode originar uma perspectiva simplista, mecanicista e utilitarista, o que não corrobora à boa gestão dos recursos humanos. Muito se discute sobre o papel dos indivíduos nas organizações relacionando-os ao seu desempenho superior, discussão essa permeada pela concordância de alguns autores sobre o fato de as
  • 3. pessoas representam o maior ativo intangível das organizações. Segundo Lemos (1999), as teorias da administração destacaram o papel do elemento humano nas organizações. Seu papel é enfatizado de diversas maneiras e sua importância varia de teoria para teoria. O indivíduo é, por definição, um ser psicossocial, de tríplice origem, o que lhe confere uma complexidade singular e notável. Por esta razão é tarefa árdua estudar o homem com uma visão fragmentada, sem considerar a sua enorme diversidade e complexidade. A compreensão de que o maior desafio do gestor público brasileiro é de natureza gerencial fez com que se buscasse, um novo modelo focado em resultados e orientado para o cidadão. O modelo de gestão pública (BRASIL, 2005) elaborado pelo governo federal é a representação de um sistema gerencial que orienta para a adoção de práticas de excelência que tem por finalidade a elevação da qualidade dos serviços prestados aos cidadãos, além do aumento da competitividade do país. A administração participativa, de maneira abrangente, pode ser definida como a valorização da participação das pessoas no processo de tomada de decisão e solução de problemas. Assim sendo, a administração pública é, por conceito, participativa. Alguns autores entendem as experiências participativas no serviço público como uma possibilidade de intervenção consciente e criativa dos servidores num rompimento com a cultura de submissão, uma forma de se adquirir conhecimentos que os habilitem para o exercício da democracia em vários níveis. Mas a verdade é que a adoção de uma gestão pública focada em qualidade requer mudanças na cultura organizacional, exigindo principalmente motivação, que conduz ao esforço, dedicação, persistência e comprometimento. Administrar participativamente consiste em compartilhar as decisões que afetam a empresa, não apenas com funcionários, mas também com usuários, fornecedores, e concessionários da organização. É através da participação que os profissionais se envolvem com os objetivos e resultados das organizações e se sentem parte integrante do processo, elevando o grau de interação com a cultura organizacional. A participação das pessoas nos diversos níveis de decisão contribui para aumentar a qualidade das decisões e da administração, bem como a satisfação e a motivação dos colaboradores. Entretanto, participar não é natural nos modelos administrativos convencionais. Muitos paradigmas mantêm a maioria dos trabalhadores alienados em relação ao controle de seu próprio trabalho e à gestão da organização, desperdiçando o potencial de contribuição das pessoas. Administrar participativamente implica, entre outras coisas, no redesenho das estruturas
  • 4. organizacionais, cargos e grupos de trabalho, além do sistema de normas e procedimentos, de forma que a própria estrutura seja fator motivador da participação. Acreditar que a motivação age como fator influenciador do comportamento do indivíduo nas organizações e entender como se dá o agrupamento dos aspectos relacionados a ela, auxiliam no planejamento e implantação das ações de gestão dos recursos humanos, com foco na qualidade. A boa gestão dos recursos humanos deve estar alerta ao fato de que o comportamento humano é complexo e deve ser analisado de acordo com o momento e o contexto em que o indivíduo vive. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES-MAZZOTTI, A. J., Gewandsznajder, F. O Método nas Ciências Naturais e Sociais: Pesquisa Quantitativa e Qualitativa. São Paulo: Editora Pioneira, 1998. BRASIL, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Programa nacional de gestão pública e desburocratização – GESPÚBLICA. 2005. Disponível em: http://www.gespublica.gov. br/gespublica/index_html. Acesso em: 13 de setembro de 2006. KONDO, Yoshio. Motivação humana: um fator chave para o gerenciamento. São Paulo: Gente, 1994. LEMOS, I. Motivação para o trabalho. 1999. Disponível em: http://www.geocities.com./ bourbonstreet/delta/1102/rechum2.htm. Acesso em: 12 de agosto de 2006. JACOBI, P. R. O Brasil depois do Rio+10. Revista do Departamento de Geografia da USP, São Paulo, n.15, p.19-29, 2002.