SlideShare uma empresa Scribd logo
ABCdaAgriculturaFamiliar
Como organizar
uma associação
Como organizar
uma associação
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Embrapa Informação Tecnológica
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Embrapa Informação Tecnológica
Brasília, DF
2006
Todos os direitos reservados.
A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em
parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei no. 9.610).
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação – CIP
Embrapa Informação Tecnológica
Como organizar uma associação. – Brasília, DF : Embrapa InformaçãoTecnológica,
2006.
45 p. : il. – (ABC da Agricultura Familiar, 1).
Compilação e edição, CW Produções Ltda.
ISBN 85-7383-338-6
1. Associativismo. 2. Associação rural.
CDD 334
Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na:
Embrapa Informação Tecnológica
Parque Estação Biológica (PqEB), Av. W3 Norte (final)
CEP 70770-901 Brasília, DF
Fone: (61) 3340-9999
Fax: (61) 3340-2753
vendas@sct.embrapa.br
www.sct.embrapa.br
Coordenação geral
Fernando do Amaral Pereira
Coordenação editorial
Lillian Alvares
Lucilene Maria de Andrade
Compilação e edição
CW Produções Ltda.
Revisão técnica
Marisa de Goes
Revisão de texto
Wesley José da Rocha
1ª edição
1ª impressão (2006): 1.000 exemplares
Editoração eletrônica
Mário César Moura de Aguiar
Capa
Carlos Eduardo Felice Barbeiro
Ilustração da capa
CW Produções Ltda.
(Eloi Neves Gameleira
Paulo Sérgio Soares)
©Embrapa2006
Apresentação
Empenhada em auxiliar o pequeno produtor, a
Embrapa lança o ABC da Agricultura Familiar, que
oferece valiosas instruções sobre o trabalho no campo.
Elaboradas em linguagem simples e objetiva,
as publicações abordam temas relacionados à
agropecuária e mostram como otimizar a atividade
rural. A criação de animais, técnicas de plantio,
práticas de controle de pragas e doenças, adubação
alternativa e fabricação de conservas de frutas são
alguns dos assuntos tratados.
De forma independente ou reunidas em
associações, as famílias poderão beneficiar-se
dessas informações e, com isso, diminuir custos,
aumentar a produção de alimentos, criar outras fontes
de renda e agregar valor a seus produtos.
Assim, a Embrapa cumpre o propósito adicional
de ajudar a fixar o homem no campo, pois coloca a
pesquisa a seu alcance e oferece alternativas de
melhoria na qualidade de vida.
Fernando do Amaral Pereira
Gerente-Geral
Embrapa InformaçãoTecnológica
Sumário
Por que criar uma associação? ................ 7
O que fazer para criar uma
associação?............................................. 8
Como criar uma associação ..................... 9
Quais os objetivos da associação? ......... 11
Quem pode ser sócio? ............................12
Quem se encarregará de fundar
a associação? .........................................13
O que é preciso para fundar
a associação? .........................................14
É hora de trabalhar: mantenha viva
a associação...........................................20
Modelos de atas e de estatuto ................23
6
7
Por que criar
uma associação?
Participar de uma associação tem muito
a ver com a pequena produção de alimentos.
Você sabe que as pessoas unidas têm
mais força do que sozinhas. Por isso, é
importante que os produtores rurais se juntem
em associações. Juntos, você e seus amigos
poderão:
• Comprar melhor e mais barato.
• Produzir melhor e em maior
quantidade.
• Beneficiar sua própria produção.
• Vender em quantidades maiores.
• Conseguir preço de venda mais alto.
• Defender seus interesses.
Mas, para criar uma associação, é
preciso pensar bastante no assunto. Só a
criação da associação não resolve nada.
8
Adiretoriaeossóciostêmquetrabalharjuntos
para que a associação vá em frente.
O que fazer para criar
uma associação?
A primeira coisa que você precisa fazer
é se reunir com seus vizinhos interessados,
para discutir o assunto.
Uma sugestão sobre as perguntas a
serem respondidas nas reuniões é a que
segue:
• Por que é preciso criar uma
associação?
• Quais serão os objetivos da
associação?
• Quem serão os sócios?
• Quem se encarregará de fundar a
associação?
• Onde funcionará a associação?
9
• Qual o valor da mensalidade a ser
paga pelos sócios?
• Como serão pagas as despesas de
registro da associação?
Tudo isso precisa ser bem discutido.
Por quê?
• Para que a associação nasça forte e
possa trabalhar por seus associados.
• Para que todos saibam o que está
acontecendo.
• Para que todos possam ajudar desde
a fundação da associação.
Como criar uma associação
Escolha um problema
Se você e seus vizinhos têm problemas
que precisam da força de um grupo para ser
resolvidos, então está na hora de criarem uma
associação.
10
Os problemas podem ser, por exemplo:
• O alto preço de um produto.
• Compradores que pagam muito
pouco por sua produção.
• A falta de escola perto de sua casa.
• A falta de estrada para levar seu
produto até a cidade.
Aqueles que têm o mesmo problema
devem se juntar para discuti-lo e buscar
soluções.
Escolha o caminho para a solução
Se um produto é muito usado na lavoura
e é muito caro, então vocês podem se unir
para comprá-lo em maior quantidade,
pagando assim um preço mais baixo.
Se os compradores pagam pouco pela
produção, então vocês podem se unir e
vender direto ao atacadista.
Se não existe escola por perto, então
vocês podem se unir para conseguir a
construção de uma.
11
O mesmo pode acontecer se o
problema é a falta de estradas, de um
depósito, da assistência de um agente de
saúde ou muitos outros.
Se um problema não pode ser resolvido
por você sozinho, junte-se aos outros para
fundar uma associação, e então buscar juntos
a solução.
Quais os objetivos
da associação?
Você e seus amigos é que decidem os
objetivos da associação, conforme os
problemas do grupo.
É importante não escolher objetivos
muito simples, porque, logo que forem
alcançados, a associação perderá sua razão
de existir.
Também não escolha objetivos muito
difíceis, porque os vizinhos podem desistir de
se associar.
12
Procure objetivos que interessem tanto
a você quanto a seus vizinhos. Assim, eles
entenderão quando você explicar a neces-
sidade de criarem uma associação.
Os objetivos da associação podem ser
mudados com o tempo. Quem decide isso
são os sócios. Não se esqueça: a associação
é para você e para seus vizinhos; ela é para o
bem de todos.
Quem pode ser sócio?
Todos os seus vizinhos podem ser
sócios, pois todos têm problemas parecidos.
Por isso, é importante escolher o problema e
o caminho para sua solução. A associação
juntará todos na luta por essa solução.
Ébomqueosinteressadosmoremperto
uns dos outros.Assim, fica mais fácil se reunir
e discutir os assuntos.
13
Quem se encarregará
de fundar a associação?
Depois de decidida a criação da
associação, é preciso tomar algumas
providências para que ela realmente passe a
existir: escrever o estatuto, fazer a assembléia
de fundação e outras. O melhor é escolher
as pessoas que tenham mais estudo ou
pessoas que tenham alguma experiência.
Peça ajuda a um técnico da extensão rural,
da prefeitura, da Embrapa, da cooperativa ou
de alguma organização de assistência aos
produtores. Eles poderão ajudá-los no que for
preciso para fundar a associação.
CWProduçõesLtda.
(PauloCésarRocha)
14
O que é preciso para
fundar a associação?
1 – Escrever o estatuto
O estatuto diz tudo sobre a associação
e seus sócios: seus direitos e deveres e seu
funcionamento. Tudo que estiver escrito nele
deverá ser cumprido; por isso, tudo deve ser
bem discutido entre os futuros sócios.
O estatuto deve estar pronto para ser lido e
aprovado na primeira reunião da associação.
O estatuto deve trazer:
• O nome da associação. Por exemplo,
Associação dos Produtores de Mel de
Vila Maria.
• Os objetivos. Quais problemas os
sócios querem resolver. Por exemplo,
como baixar o custo de produção e
de processamento do mel.
• Alocalização.Aassociação precisa de
um endereço. O ideal é que seja num
15
lugar pertencente a todos, como
uma escola ou um barracão que a
comunidade construiu em mutirão.
Mas pode funcionar na casa de um
dos sócios ou noutro lugar.
• O tempo de duração. Geralmente se
usa a palavra “indeterminado”. Isso
quer dizer que a associação não tem
prazo para acabar. Só tem fim quando
os sócios decidirem; mas, mesmo
assim, o ideal é nunca acabar, já que
novosproblemascertamentesurgirão.
• O modo como será administrada.
Essa parte diz como será a diretoria,
os conselhos e os outros órgãos, se
houver. Também explica como serão
as eleições, os cargos, a duração de
cada diretoria, de cada conselho, etc.
• O nome de quem vai representar a
associação. Quem vai falar em nome
da associação? Quem vai assinar os
papéis da associação? Quem vai
16
registrá-la? (Geralmente, é o presi-
dente que representa a associação).
• Omodocomosereformaráoestatuto.
Essa parte deve indicar o número
necessário de pessoas, o intervalo de
tempo entre uma reforma e outra.
• Os procedimentos a serem adotados
em caso de encerramento da associação.
Isso é uma exigência do governo.
É necessário que fique bem claro o que será
feito com tudo aquilo que a associação
comprar.
Veja um modelo de estatuto no final
deste texto.
2 – Fazer a assembléia de fundação
A assembléia de fundação é o momento
de criação de uma associação. É uma reunião
em que todos os interessados devem
participar. Os que estiverem nessa
assembléia serão os sócios fundadores da
associação.
17
Nessa reunião, dois participantes são
escolhidos: um será o presidente da
assembléia, o outro o secretário.
O presidente é quem dirige a reunião.
O secretário é quem anota tudo, para depois
fazer a ata. Na ata deve estar escrito o local e
o dia da reunião, o nome de todos os pre-
sentes e tudo que foi discutido e decidido na
reunião. A associação deve ter um Livro de
Atas, que é um caderno de capa dura e
páginasnumeradas,ondetodasasatasserão
escritas e assinadas por todos que estiverem
na reunião. Esse caderno é um documento
da associação e deve ser bem guardado.
Em geral, os sócios não querem aceitar
o cargo de secretário da associação por medo
de não saber fazer as atas. Pensam que é
muito difícil fazer ou entender uma ata. Nada
disso. É muito fácil. No final deste volume
existem modelos de atas.
Na assembléia de fundação é preciso:
• Que o estatuto preparado seja
aprovado.
• Que sejam eleitos os sócios que vão
18
dirigir a associação, formando a
Diretoria e o Conselho Fiscal.
• Que se discuta o valor da mensalidade
que os associados devem pagar, pois
a associação tem gastos.
3 – Registrar a associação
Depois de realizada a assembléia, o
secretário faz a ata de fundação, que deve
ser assinada por todos os sócios fundadores.
Além do nome, recomenda-se incluir o
número da identidade ou do registro de
nascimento, o estado civil e a profissão de
cada um. Dois registros devem ser feitos: um
no cartório, o outro no Posto da Receita
Federal.
Atenção!
Para fazer esses registros, a associação terá
que pagar algumas taxas. Recomenda-se
verificar, antes, qual será o valor, pois ele será
pago pelos sócios fundadores.
19
Registro no Cartório
de Títulos e Documentos
É feito na sede do município. Para isso,
é preciso levar os seguintes documentos:
• O estatuto original e duas cópias dele.
• Três cópias da ata de fundação.
• Duas cópias dos documentos de
identidade dos sócios eleitos para a
diretoria.
Registro no Posto da Receita Federal
É preciso levar os seguintes docu-
mentos:
• O estatuto já registrado no cartório.
• O caderno com a ata de fundação.
• A cópia do CPF do presidente eleito.
A Receita Federal fornecerá o número
do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica
(CNPJ). Com esse documento, é possível
abrir conta em banco para a associação.
20
No final deste texto, há modelos dos
seguintes documentos:
• Ata de assembléia de fundação de
uma associação.
• Ata de reunião ordinária de uma
associação.
• Estatuto de uma associação.
É hora de trabalhar:
mantenha viva
a associação
Para que a associação represente bem
seus sócios, é necessário que todos
trabalhem para fazer dela uma instituição
forte.
• Participe de todas as atividades da
associação, principalmente das
assembléias gerais.
• Pague suas contribuições em dia.
• Respeite as decisões da maioria.
21
• Cumpraoscompromissosassumidos.
• Vote nas eleições.
• Zele pelo patrimônio material e moral
da associação.
• Apresente sugestões para melhorar o
trabalho da associação.
• Candidate-se a um cargo da diretoria
e participe da administração.
Lembre-se: a união faz a força!
22
23
Modelos de atas
e de estatuto
Modelo de ata de fundação
ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DE
FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO
(Escreva o nome completo da associação)
Aos .... dias do mês de ..............., do ano
de ......., às ..... horas, em ................................
(nome do município), no Estado de .........,
reuniram-se as seguintes pessoas: (nome de
cada uma por extenso, nacionalidade, idade,
estado civil, RG, CPF e endereço).
Foi eleito para coordenar os trabalhos
.................................................. (nome, por
extenso, do presidente da assembléia), que
convidou.............................................................
(nome, por extenso, do secretário) para
secretariar a reunião e lavrar a presente ata.
O presidente da assembléia de fundação leu,
explicou e promoveu debate sobre a proposta
24
de estatuto para a associação. O estatuto foi
aprovado pelo voto dos sócios fundadores
acima indicados. A seguir, o presidente
determinou que fosse feita a eleição dos
membros da primeira Diretoria daAssociação
conforme o estatuto aprovado. Apurados os
votos, foram considerados eleitos os
seguintes associados ................ (indicar o
nome de cada um dos ocupantes dos cargos
e de seus substitutos). O presidente eleito da
Associação assumiu a direção dos trabalhos
e declarou que a partir daquele momento a
Associação (escrever o nome daAssociação)
estavacriada,comoobjetivode(escreveraqui
os objetivos principais da associação).
Nada mais havendo a tratar, o presidente
deu por encerrados os trabalhos e eu,
............................................ (nome do
secretário), lavrei a presente Ata que, depois
de lida e aprovada, foi assinada por todos os
sócios fundadores.
(local e data)
(assinatura do presidente, do secretário
da assembléia de fundação e de todos os
sócios fundadores)
25
Observações sobre a ata
• A ata da assembléia de fundação é
registrada num Livro de Atas, que
deve ter suas páginas numeradas.
A primeira página desse livro deve
constar de “Termo de abertura”,
dizendo sua finalidade, seguido das
assinaturas do secretário e do
presidente da associação, do local e
da data de fundação da associação.
• Otextodoestatutopodeserregistrado
no Livro deAtas, ou registrado em um
documento à parte (e depois copiado
no Livro de Atas).
• Além do Livro deAtas, deve haver um
Livro de Sócios (com folhas nu-
meradas e termo de abertura
explicando sua finalidade). Nesse
livro, cada sócio deve ter um número.
Nele, são registradas as ocorrências
referentes a cada um dos sócios
(pedidos de licença, infrações,
premiações,notificações, desliga-
mento, exclusão).
26
Ata é o documento onde se anotam os
acontecimentos ocorridos nas reuniões que
a associação realizar. O estatuto, os relatórios
e as atas são os documentos mais impor-
tantes de uma associação de agricultores.
O estatuto estabelece como o grupo deve
atuar e define os objetivos que os sócios
pretendem alcançar. Os relatórios e as atas
contam o desempenho do grupo, as facili-
dades, as dificuldades enfrentadas, as formas
utilizadas para cumprir as atividades e os
resultados alcançados. Nas atas e nos
relatórios, conta-se a vida da associação.
O relatório descreve as atividades
realizadas pela associação em determinado
tempo. Para ser bem feito, a diretoria da
associação deve ter em mãos as atas das
reuniões realizadas. A ata pode ser tão
importante quanto o estatuto, pois, quando
os sócios votam e aprovam uma decisão em
reunião e a registram na ata, esse registro
transforma-a em um apêndice do estatuto.
Ouseja,asregrasdefinidasnessaatapassam
a ter a mesma força legal daquelas incluídas
no estatuto que regulamentam a associação.
27
Deve ser feita uma ata completa ou um
resumo do que foi discutido em cada reunião.
As finalidades da ata são: registrar o que foi
discutido, as decisões tomadas e facilitar o
preparo dos relatórios. Para isso, é importante
que a ata seja bem escrita, que só registre o
queéimportanteequesejalidapelosecretário
no final de cada reunião (para completar e
corrigir o que foi dito) e no início da reunião
seguinte (para lembrar o que foi dito).
A ata da reunião anterior deve ser lida
na reunião seguinte para: lembrar o que foi
discutido e decidido, facilitar a compreensão
do assunto para quem não esteve presente
na reunião anterior e permitir que eles
contribuam com suas opiniões para as
decisões.
28
29
Modelo de ata de reunião ordinária
Abertura
Aos ....... dias do mês de ................ do
ano de ......., às ....... horas, na Sede da (nome
da associação) ................................., sob a
presidência do Sr. .........................-
..............................., tendo como secretário o
Sr. ...................................................., realizou-
se mais uma das reuniões ordinárias da
associação.
Presenças
Estiveram presentes os seguintes
sócios: (escrever o nome dos sócios
presentes)
Corpo da ata
Feita a leitura da ata da reunião anterior
pelo secretário, a mesma foi aprovada (ou
alterada). O presidente comunicou os
30
assuntos para discussão na presente reunião
(relacionar os assuntos). Escrever o que foi
discutido sobre cada um dos assuntos.
Escrever o que foi decidido.
Fechamento
Aseguir, o presidente declarou encerra-
da a reunião e convidou os presentes para a
próxima reunião, a realizar-se no dia ........,
de ............................, às .......... horas.
31
Modelo de estatuto
de uma associação de
pequenos produtores
CAPÍTULO I
Denominação, sede, objetivos, ações,
convênios e duração.
Art. 1° – Denominação, sede e
objetivos – A Associação (nome completo),
fundada em (data de fundação), é uma
organizaçãocivilsemfinslucrativos,comsede
nacidadede(nomedacidade).Temoobjetivo
de (escrever os objetivos, como na ata de
fundação).
Art. 2° – Ações – Para cumprir seus
objetivos, a associação orientará suas ações
no sentido de: (descrever o que a associação
vai fazer para alcançar seus objetivos)
I –
II –
32
III–
IV –
V –
VI – Representar os interesses e
defender os direitos dos associados.
Art. 3° – Prazo de duração – O prazo
de duração da associação será indeter-
minado, coincidindo o ano social com o ano
civil.
CAPÍTULO II
Estrutura e funcionamento
da associação
Art. 4º – Estrutura – A estrutura da
associação tem os seguintes órgãos:
Assembléia-Geral, Diretoria e Conselho-
Fiscal.
Art. 5º – A Assembléia-Geral – É o
33
órgão máximo normativo deliberativo,
composto por todos os sócios da associação.
§ 1° – A Assembléia-Geral reunir-se-á
uma vez por ano – por ocasião do exame e
aprovação das contas do exercício – no
máximo até 31 de março e, quando ne-
cessário, por convocação do presidente da
associação.
§ 2° – A Assembléia-Geral deverá ser
convocada com antecedência mínima de 15
dias, por meio que garanta que todos os
sócios serão avisados. Na convocação
constará os assuntos a serem tratados na
assembléia.
§3°– ÀAssembléia-Geralcompetefixar
as diretrizes e normas básicas de funcio-
namento da Entidade e decidir, em instância
final, sobre todos os assuntos que afetem o
desempenho da associação na consecução
de seus objetivos e, em especial:
a.Eleger o Conselho-Diretor e o Con-
selho-Fiscal entre seus integrantes e
34
deliberar sobre a admissão de novos
sócios.
b. Aprovar planos de trabalho e orça-
mentos, deliberar sobre a aquisição de
bens imóveis e deliberar sobre emprés-
timos, termos de cooperação, convênios,
acordos e contratos.
c. Examinar, julgar e aprovar relatórios e
prestações de contas da Diretoria, a cada
exercício social, e deliberar sobre normas
de organização, contabilidade, adminis-
tração de pessoal, financeira e de ma-
terial.
d. Determinar os salários de funcionários
e serviços de terceiros e as condições
de sua contratação, bem como o valor
máximo até o qual o presidente terá
autonomia para, sem consulta prévia à
Assembléia-Geral, emitir cheques e
ordens de pagamento em nome da
associação.
35
e. Decidir sobre as alterações deste
Estatuto, com a aprovação mínima de
2/3 dos sócios efetivos.
Art. 6º – A Diretoria – A Assembléia-
Geral elegerá, entre seus sócios, uma
Diretoria, composta por: um presidente, um
vice-presidente, um secretário e um
tesoureiro, todos com mandatos de dois anos,
admitida apenas uma reeleição.
§ 1° – Os cargos da Diretoria não serão
remunerados. Serão reembolsadas apenas
as despesas de viagem e de representação,
em favor da associação, desde que
comprovadas.
§ 2° – Ao presidente compete:
a. Convocar e presidir as reuniões,
administrar e garantir o cumprimento das
diretrizes e metas e normas gerais de
funcionamento da associação.
b. Informar, junto com os demais mem-
bros da Diretoria, sobre as atividades da
associação e os níveis de sua execução.
36
c. Assinar cheques e ordens de
pagamento em nome da associação,
observadas as disposição da Assem-
bléia-Geral, e termos de cooperação,
convênios, acordos, contratos e ajustes.
d. Contratar funcionários e serviços de
terceiros, como definido pelaAssembléia-
Geral, e determinar diretrizes de trabalho.
e. Representar a associação em juízo e
fora dele.
§ 3° – Ao vice-presidente compete
substituir o presidente em suas ausências e
impedimentos;
§ 4° – Ao secretário compete:
a. Registrar em Atas todos os atos,
acontecimentos e deliberações das
reuniões da Diretoria e da Assembléia-
Geral; zelar pela manutenção dos livros
e registro de sócios e demais escri-
turações de caráter social da associação.
37
b. Coordenar a comunicação com
associados e memória da entidade;
assessorar o presidente na condução e
no desenvolvimento das atividades
sociais e na realização das reuniões da
Diretoria.
§ 5° – Ao tesoureiro compete:
a. Responsabilizar-se pela manutenção
e integridade do patrimônio da asso-
ciação e pela administração das contas
da associação, desde seu registro apro-
priado até a relação formal dos serviços
de contabilidade.
b. Assinar, junto com o presidente, os
cheques e ordens de pagamento da
associação, observadas as determina-
ções da Assembléia-Geral.
Art. 7° – O Conselho-Fiscal – É
composto de três membros titulares e de três
suplentes,todoseleseleitosanualmenteentre
os sócios, na Assembléia-Geral. É o órgão
de fiscalização interna da associação, e a ele
38
compete:
a. Verificar a exatidão, a propriedade e a
concordância dos atos da Diretoria com as
diretrizes fixadas na Assembléia-Geral no
trato dos interesses financeiros da
associação.
b. Apresentar parecer sobre a prestação
de contas da Diretoria, por ocasião da
Assembléia Geral anual.
Art. 8° – Das eleições – A eleição para
os cargos da Diretoria e do Conselho-Fiscal
será feita por votação direta e secreta. Serão
considerados eleitos os candidatos que
obtiverem a maioria dos votos dos sócios.
Art. 9° – O voto e sua representação
– Cada sócio tem direito a apenas um voto.
Para votar, o sócio deve assinar o livro de
presenças e colocar seu nome e número de
matrícula.
Parágrafo único – O sócio que não
estiver em dia com o pagamento da mensa-
lidade não tem o direito de votar.
39
CAPÍTULO III
Sócios, admissão, direitos, deveres.
Art. 10O
– Os sócios – Poderá ser sócio
toda a pessoa que, sendo maior de idade ou
emancipada, legalmente, dedique-se ou
pretendadedicar-seàproduçãoagropecuária,
que concorde em adequar sua produção aos
padrões da associação e que concorde com
as disposições deste Estatuto.
Art. 11O
– Admissão – Para ser sócia,
a pessoa deve preencher e assinar uma
proposta de admissão. Aprovada a proposta
em Assembléia, os dados sobre o novo sócio
são registrados no cadastro de sócios da
associação. Depois disso, o novo sócio tem
todos os direitos e as obrigações decorrentes
deste Estatuto.
Parágrafo único – O número de
associados é ilimitado, não podendo ser
inferior a dez.
Art. 12O
– Direitos – São direitos dos
sócios: utilizar do espaço físico da associação
40
e dispor dos bens e serviços por ela ofere-
cidos, de acordo com as normas esta-
belecidas; votar e ser votado, salvo impe-
dimento legal, para a Diretoria e Conselho
Fiscal; participar das assembléias; solicitar
apoio da associação para a defesa de seus
direitos e interesses; demitir-se quando lhe
convier, desde que esteja em dia com a
associação; propor a admissão de novos
sócios.
Parágrafo único – O esposo da sócia,
ou a esposa do sócio, e seus filhos entre 14 e
17 anos poderão participar dos mesmos
direitos e obrigações dos sócios, salvo os de
votar e serem votados.
Art. 13° – Deveres – São deveres dos
sócios: realizar com a associação todas as
operações que constituem seus objetivos
econômicos e sociais; respeitar a indivi-
dualidade, as crenças e ideologias de todos
os membros da associação; zelar pelo
patrimônio da associação; pagar em dia a
contribuição mensal para manutenção da
associação; ser pontual nas reuniões
41
marcadas pela associação; garantir que sua
produção atenda aos padrões de qualidade
definidos pela associação; honrar seus
compromissos de produção, de participação
e de comercializar com a associação;
desempenhar com dedicação os cargos para
os quais foram eleitos ou nomeados.
Art. 14° – Demissão, eliminação,
exclusão.
a. A demissão do associado, que não
pode ser negada, ocorre quando for
requerida ao presidente, julgada em
Assembléia, anotada no livro de matrícula
e comunicada ao requerente. A elimi-
nação do associado, por infração a este
Estatuto, é julgada pela Assembléia e
executada pelo presidente, depois de
haver comunicado por escrito as razões.
Serão eliminados os sócios que exer-
cerem atividades consideradas preju-
diciais à associação e opostas a seus
objetivos, e os que deixaram de pagar
as mensalidades.
42
b. A exclusão do associado é feita por
ocasião de sua morte ou por incapa-
cidade civil. Sua exclusão é feita por
decisão da Assembléia e registrada no
livro de matrícula.
Em quaisquer dos casos (demissão,
eliminação ou exclusão), o associado não tem
direito à devolução dos pagamentos feitos,
nem dos fundos existentes, perdendo todos
os direitos.
Art. 15° – Contabilidade da asso-
ciação – Os serviços de contabilidade devem
ser organizados segundo as normas gerais e
disposições deste Estatuto.
Art. 16° – Os livros da associação –
Aassociaçãodevepossuirosseguinteslivros:
de matrícula, das atas das assembléias, de
presenças e o livro caixa.
Art. 17° – Patrimônio e fundos – Os
recursosdaassociaçãoserãoconstituídospor
contribuiçõesdemanutençãoperiódicasfeitas
pelos sócios; dotações orçamentárias
43
recebidas por ocasião da celebração de
termos de cooperação, convênios, acordos e
ajustes; receitas da venda de produtos e
realização de eventos; por bens e direitos
doados ou legados; por receitas diversas e
próprias.
Os saldos apurados no final de cada
exercício deverão ser aplicados na formação
de patrimônio, por meio da aquisição de bens
móveis, títulos, etc. A mensalidade, no valor
de 3% do salário mínimo, tem a finalidade de
cobrir as despesas mensais de manutenção
da associação. Essa mensalidade deve ser
paga ao tesoureiro.
Art. 18° – Disposições gerais e
transitórias – Em caso de dissolução,
atendidososencargoseasresponsabilidades
assumidos, os bens remanescentes serão
repassados, nos moldes da lei, a entidades
similares, as quais serão indicadas pela
Assembléia-Geral que deliberou pela disso-
lução.
44
45
Para mais informações e esclarecimentos,
procure um técnico da extensão rural, da
Embrapa, da prefeitura ou de alguma
organização de assistência aos agricultores.
Atenção!
46
47
Títulos lançados
• Como organizar uma associação
• Como plantar abacaxi
• Como plantar hortaliças
• Controle alternativo de pragas e
doenças das plantas
• Caupi: o feijão do Sertão
• Como cultivar a bananeira
• Adubação alternativa
• Cultivo de peixes
• Como produzir melancia
• Alimentação das criações na seca
• Conservas caseiras de frutas
Impressão e acabamento
Embrapa Informação Tecnológica
Informação Tecnológica
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
CGPE:5845
ISBN85-7383-338-6
Com o lançamento do ,
a Embrapa coloca à disposição do pequeno produtor
valiosas instruções sobre as atividades do campo.
Numa linguagem simples e objetiva, os títulos abordam
a criação de animais, técnicas de plantio, práticas
de controle de pragas e doenças, adubação alternativa
e fabricação de conservas de frutas, dentre outros
assuntos que exemplificam como otimizar o trabalho rural.
Inicialmente produzidas para atender demandas por
informação do Semi-Árido nordestino, as recomendações
apresentadas são de aplicabilidade prática também
em outras regiões do País.
Com o a Embrapa
demonstra o compromisso assumido com
o sucesso da agricultura familiar.
ABC da Agricultura Familiar
ABC da Agricultura Familiar,
9788573833386

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Abc coperativa

Guia para criação e gestão de Associações de Amigos de Museus
Guia para criação e gestão de Associações de Amigos de MuseusGuia para criação e gestão de Associações de Amigos de Museus
Guia para criação e gestão de Associações de Amigos de Museus
Mais Por Arte
 
Cartilha do Empreendedor
Cartilha do EmpreendedorCartilha do Empreendedor
Cartilha do Empreendedor
raiobrasil
 
T.e.a.b. 2
T.e.a.b. 2T.e.a.b. 2
T.e.a.b. 2
Miro Santos
 
A franquia do povo john milton fogg
A franquia do povo   john milton foggA franquia do povo   john milton fogg
A franquia do povo john milton fogg
Paulo Rogério Peixoto
 
Zanardi irb 2009-10
Zanardi   irb 2009-10Zanardi   irb 2009-10
Zanardi irb 2009-10
Alberto Bittencourt
 
Guia do Associativismo do Distrito de Lisboa
Guia do Associativismo do Distrito de LisboaGuia do Associativismo do Distrito de Lisboa
Guia do Associativismo do Distrito de Lisboa
JSD Distrital de Lisboa
 
Ebook: A Franquia do Povo
Ebook: A Franquia do PovoEbook: A Franquia do Povo
Ebook: A Franquia do Povo
Fórmula do Diamante
 
Tratado de sintonia
Tratado de sintoniaTratado de sintonia
Tratado de sintonia
Ariel Pascke
 
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Ariel Pascke
 
Tratado De Sintonia
Tratado De  SintoniaTratado De  Sintonia
Tratado De Sintonia
Ariel Pascke
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
Karlla Costa
 
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus CeresAssociativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
escola_associativismo
 
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
jhoarlles
 
Tudo começou no clube das insónias
Tudo começou no clube das insóniasTudo começou no clube das insónias
Tudo começou no clube das insónias
Helder Carvalho
 
MudançA De Vida
MudançA De VidaMudançA De Vida
MudançA De Vida
guest0ce96c
 
Captaçaoderecursos1
Captaçaoderecursos1Captaçaoderecursos1
Captaçaoderecursos1
Lilianeschneider
 
Captaçaoderecursos1
Captaçaoderecursos1Captaçaoderecursos1
Captaçaoderecursos1
Lilianeschneider
 
Livro guia manejo_comunitario
Livro guia manejo_comunitarioLivro guia manejo_comunitario
Livro guia manejo_comunitario
UFV
 
Palestra sobre Networking @ AMCHAM - São Paulo
Palestra sobre Networking @ AMCHAM - São PauloPalestra sobre Networking @ AMCHAM - São Paulo
Palestra sobre Networking @ AMCHAM - São Paulo
Maria Fernanda Andrade
 
De Vendedor Para Gerente De Clientes
De Vendedor Para Gerente De ClientesDe Vendedor Para Gerente De Clientes
De Vendedor Para Gerente De Clientes
Ricardo Jordão Magalhaes
 

Semelhante a Abc coperativa (20)

Guia para criação e gestão de Associações de Amigos de Museus
Guia para criação e gestão de Associações de Amigos de MuseusGuia para criação e gestão de Associações de Amigos de Museus
Guia para criação e gestão de Associações de Amigos de Museus
 
Cartilha do Empreendedor
Cartilha do EmpreendedorCartilha do Empreendedor
Cartilha do Empreendedor
 
T.e.a.b. 2
T.e.a.b. 2T.e.a.b. 2
T.e.a.b. 2
 
A franquia do povo john milton fogg
A franquia do povo   john milton foggA franquia do povo   john milton fogg
A franquia do povo john milton fogg
 
Zanardi irb 2009-10
Zanardi   irb 2009-10Zanardi   irb 2009-10
Zanardi irb 2009-10
 
Guia do Associativismo do Distrito de Lisboa
Guia do Associativismo do Distrito de LisboaGuia do Associativismo do Distrito de Lisboa
Guia do Associativismo do Distrito de Lisboa
 
Ebook: A Franquia do Povo
Ebook: A Franquia do PovoEbook: A Franquia do Povo
Ebook: A Franquia do Povo
 
Tratado de sintonia
Tratado de sintoniaTratado de sintonia
Tratado de sintonia
 
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
 
Tratado De Sintonia
Tratado De  SintoniaTratado De  Sintonia
Tratado De Sintonia
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
 
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus CeresAssociativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
 
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
 
Tudo começou no clube das insónias
Tudo começou no clube das insóniasTudo começou no clube das insónias
Tudo começou no clube das insónias
 
MudançA De Vida
MudançA De VidaMudançA De Vida
MudançA De Vida
 
Captaçaoderecursos1
Captaçaoderecursos1Captaçaoderecursos1
Captaçaoderecursos1
 
Captaçaoderecursos1
Captaçaoderecursos1Captaçaoderecursos1
Captaçaoderecursos1
 
Livro guia manejo_comunitario
Livro guia manejo_comunitarioLivro guia manejo_comunitario
Livro guia manejo_comunitario
 
Palestra sobre Networking @ AMCHAM - São Paulo
Palestra sobre Networking @ AMCHAM - São PauloPalestra sobre Networking @ AMCHAM - São Paulo
Palestra sobre Networking @ AMCHAM - São Paulo
 
De Vendedor Para Gerente De Clientes
De Vendedor Para Gerente De ClientesDe Vendedor Para Gerente De Clientes
De Vendedor Para Gerente De Clientes
 

Mais de pauloweimann

Mais e mais receitas
Mais e mais receitasMais e mais receitas
Mais e mais receitas
pauloweimann
 
Receitobas sorvetes e outras
Receitobas sorvetes e outrasReceitobas sorvetes e outras
Receitobas sorvetes e outras
pauloweimann
 
900 piadas
900 piadas900 piadas
900 piadas
pauloweimann
 
Rexetas
RexetasRexetas
Rexetas
pauloweimann
 
Muitas receitas
Muitas receitasMuitas receitas
Muitas receitas
pauloweimann
 
Ataque e defesa astral
Ataque e defesa astralAtaque e defesa astral
Ataque e defesa astral
pauloweimann
 
As ervas de a a z
As ervas de a a zAs ervas de a a z
As ervas de a a z
pauloweimann
 
Apocalipse para mosquitos moscas e afins
Apocalipse para mosquitos moscas e afinsApocalipse para mosquitos moscas e afins
Apocalipse para mosquitos moscas e afins
pauloweimann
 
Acessando o hemisfério direito do cérebro lidia peychaux
Acessando o hemisfério direito do cérebro   lidia peychauxAcessando o hemisfério direito do cérebro   lidia peychaux
Acessando o hemisfério direito do cérebro lidia peychaux
pauloweimann
 
A arca perdida da alianca tudor parfitt
A arca perdida da alianca   tudor parfittA arca perdida da alianca   tudor parfitt
A arca perdida da alianca tudor parfitt
pauloweimann
 
A abobada energetica k. h. scheer
A abobada energetica   k. h. scheerA abobada energetica   k. h. scheer
A abobada energetica k. h. scheer
pauloweimann
 
666 o limiar do inferno - jay anson
666   o limiar do inferno - jay anson666   o limiar do inferno - jay anson
666 o limiar do inferno - jay anson
pauloweimann
 
50 chás-e-seus-benefícios
50 chás-e-seus-benefícios50 chás-e-seus-benefícios
50 chás-e-seus-benefícios
pauloweimann
 
22 regras-de-ouro-para-adivinhos
22 regras-de-ouro-para-adivinhos22 regras-de-ouro-para-adivinhos
22 regras-de-ouro-para-adivinhos
pauloweimann
 
Receltas
ReceltasReceltas
Receltas
pauloweimann
 
Receituxas
ReceituxasReceituxas
Receituxas
pauloweimann
 
Receituxas variadas
Receituxas variadasReceituxas variadas
Receituxas variadas
pauloweimann
 
Receitouxas
ReceitouxasReceitouxas
Receitouxas
pauloweimann
 
Receitoukas
ReceitoukasReceitoukas
Receitoukas
pauloweimann
 
Receitolas
ReceitolasReceitolas
Receitolas
pauloweimann
 

Mais de pauloweimann (20)

Mais e mais receitas
Mais e mais receitasMais e mais receitas
Mais e mais receitas
 
Receitobas sorvetes e outras
Receitobas sorvetes e outrasReceitobas sorvetes e outras
Receitobas sorvetes e outras
 
900 piadas
900 piadas900 piadas
900 piadas
 
Rexetas
RexetasRexetas
Rexetas
 
Muitas receitas
Muitas receitasMuitas receitas
Muitas receitas
 
Ataque e defesa astral
Ataque e defesa astralAtaque e defesa astral
Ataque e defesa astral
 
As ervas de a a z
As ervas de a a zAs ervas de a a z
As ervas de a a z
 
Apocalipse para mosquitos moscas e afins
Apocalipse para mosquitos moscas e afinsApocalipse para mosquitos moscas e afins
Apocalipse para mosquitos moscas e afins
 
Acessando o hemisfério direito do cérebro lidia peychaux
Acessando o hemisfério direito do cérebro   lidia peychauxAcessando o hemisfério direito do cérebro   lidia peychaux
Acessando o hemisfério direito do cérebro lidia peychaux
 
A arca perdida da alianca tudor parfitt
A arca perdida da alianca   tudor parfittA arca perdida da alianca   tudor parfitt
A arca perdida da alianca tudor parfitt
 
A abobada energetica k. h. scheer
A abobada energetica   k. h. scheerA abobada energetica   k. h. scheer
A abobada energetica k. h. scheer
 
666 o limiar do inferno - jay anson
666   o limiar do inferno - jay anson666   o limiar do inferno - jay anson
666 o limiar do inferno - jay anson
 
50 chás-e-seus-benefícios
50 chás-e-seus-benefícios50 chás-e-seus-benefícios
50 chás-e-seus-benefícios
 
22 regras-de-ouro-para-adivinhos
22 regras-de-ouro-para-adivinhos22 regras-de-ouro-para-adivinhos
22 regras-de-ouro-para-adivinhos
 
Receltas
ReceltasReceltas
Receltas
 
Receituxas
ReceituxasReceituxas
Receituxas
 
Receituxas variadas
Receituxas variadasReceituxas variadas
Receituxas variadas
 
Receitouxas
ReceitouxasReceitouxas
Receitouxas
 
Receitoukas
ReceitoukasReceitoukas
Receitoukas
 
Receitolas
ReceitolasReceitolas
Receitolas
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 

Abc coperativa

  • 2. Como organizar uma associação Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Informação Tecnológica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Informação Tecnológica Brasília, DF 2006
  • 3. Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei no. 9.610). Dados Internacionais de Catalogação na Publicação – CIP Embrapa Informação Tecnológica Como organizar uma associação. – Brasília, DF : Embrapa InformaçãoTecnológica, 2006. 45 p. : il. – (ABC da Agricultura Familiar, 1). Compilação e edição, CW Produções Ltda. ISBN 85-7383-338-6 1. Associativismo. 2. Associação rural. CDD 334 Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Informação Tecnológica Parque Estação Biológica (PqEB), Av. W3 Norte (final) CEP 70770-901 Brasília, DF Fone: (61) 3340-9999 Fax: (61) 3340-2753 vendas@sct.embrapa.br www.sct.embrapa.br Coordenação geral Fernando do Amaral Pereira Coordenação editorial Lillian Alvares Lucilene Maria de Andrade Compilação e edição CW Produções Ltda. Revisão técnica Marisa de Goes Revisão de texto Wesley José da Rocha 1ª edição 1ª impressão (2006): 1.000 exemplares Editoração eletrônica Mário César Moura de Aguiar Capa Carlos Eduardo Felice Barbeiro Ilustração da capa CW Produções Ltda. (Eloi Neves Gameleira Paulo Sérgio Soares) ©Embrapa2006
  • 4. Apresentação Empenhada em auxiliar o pequeno produtor, a Embrapa lança o ABC da Agricultura Familiar, que oferece valiosas instruções sobre o trabalho no campo. Elaboradas em linguagem simples e objetiva, as publicações abordam temas relacionados à agropecuária e mostram como otimizar a atividade rural. A criação de animais, técnicas de plantio, práticas de controle de pragas e doenças, adubação alternativa e fabricação de conservas de frutas são alguns dos assuntos tratados. De forma independente ou reunidas em associações, as famílias poderão beneficiar-se dessas informações e, com isso, diminuir custos, aumentar a produção de alimentos, criar outras fontes de renda e agregar valor a seus produtos. Assim, a Embrapa cumpre o propósito adicional de ajudar a fixar o homem no campo, pois coloca a pesquisa a seu alcance e oferece alternativas de melhoria na qualidade de vida. Fernando do Amaral Pereira Gerente-Geral Embrapa InformaçãoTecnológica
  • 5.
  • 6. Sumário Por que criar uma associação? ................ 7 O que fazer para criar uma associação?............................................. 8 Como criar uma associação ..................... 9 Quais os objetivos da associação? ......... 11 Quem pode ser sócio? ............................12 Quem se encarregará de fundar a associação? .........................................13 O que é preciso para fundar a associação? .........................................14 É hora de trabalhar: mantenha viva a associação...........................................20 Modelos de atas e de estatuto ................23
  • 7. 6
  • 8. 7 Por que criar uma associação? Participar de uma associação tem muito a ver com a pequena produção de alimentos. Você sabe que as pessoas unidas têm mais força do que sozinhas. Por isso, é importante que os produtores rurais se juntem em associações. Juntos, você e seus amigos poderão: • Comprar melhor e mais barato. • Produzir melhor e em maior quantidade. • Beneficiar sua própria produção. • Vender em quantidades maiores. • Conseguir preço de venda mais alto. • Defender seus interesses. Mas, para criar uma associação, é preciso pensar bastante no assunto. Só a criação da associação não resolve nada.
  • 9. 8 Adiretoriaeossóciostêmquetrabalharjuntos para que a associação vá em frente. O que fazer para criar uma associação? A primeira coisa que você precisa fazer é se reunir com seus vizinhos interessados, para discutir o assunto. Uma sugestão sobre as perguntas a serem respondidas nas reuniões é a que segue: • Por que é preciso criar uma associação? • Quais serão os objetivos da associação? • Quem serão os sócios? • Quem se encarregará de fundar a associação? • Onde funcionará a associação?
  • 10. 9 • Qual o valor da mensalidade a ser paga pelos sócios? • Como serão pagas as despesas de registro da associação? Tudo isso precisa ser bem discutido. Por quê? • Para que a associação nasça forte e possa trabalhar por seus associados. • Para que todos saibam o que está acontecendo. • Para que todos possam ajudar desde a fundação da associação. Como criar uma associação Escolha um problema Se você e seus vizinhos têm problemas que precisam da força de um grupo para ser resolvidos, então está na hora de criarem uma associação.
  • 11. 10 Os problemas podem ser, por exemplo: • O alto preço de um produto. • Compradores que pagam muito pouco por sua produção. • A falta de escola perto de sua casa. • A falta de estrada para levar seu produto até a cidade. Aqueles que têm o mesmo problema devem se juntar para discuti-lo e buscar soluções. Escolha o caminho para a solução Se um produto é muito usado na lavoura e é muito caro, então vocês podem se unir para comprá-lo em maior quantidade, pagando assim um preço mais baixo. Se os compradores pagam pouco pela produção, então vocês podem se unir e vender direto ao atacadista. Se não existe escola por perto, então vocês podem se unir para conseguir a construção de uma.
  • 12. 11 O mesmo pode acontecer se o problema é a falta de estradas, de um depósito, da assistência de um agente de saúde ou muitos outros. Se um problema não pode ser resolvido por você sozinho, junte-se aos outros para fundar uma associação, e então buscar juntos a solução. Quais os objetivos da associação? Você e seus amigos é que decidem os objetivos da associação, conforme os problemas do grupo. É importante não escolher objetivos muito simples, porque, logo que forem alcançados, a associação perderá sua razão de existir. Também não escolha objetivos muito difíceis, porque os vizinhos podem desistir de se associar.
  • 13. 12 Procure objetivos que interessem tanto a você quanto a seus vizinhos. Assim, eles entenderão quando você explicar a neces- sidade de criarem uma associação. Os objetivos da associação podem ser mudados com o tempo. Quem decide isso são os sócios. Não se esqueça: a associação é para você e para seus vizinhos; ela é para o bem de todos. Quem pode ser sócio? Todos os seus vizinhos podem ser sócios, pois todos têm problemas parecidos. Por isso, é importante escolher o problema e o caminho para sua solução. A associação juntará todos na luta por essa solução. Ébomqueosinteressadosmoremperto uns dos outros.Assim, fica mais fácil se reunir e discutir os assuntos.
  • 14. 13 Quem se encarregará de fundar a associação? Depois de decidida a criação da associação, é preciso tomar algumas providências para que ela realmente passe a existir: escrever o estatuto, fazer a assembléia de fundação e outras. O melhor é escolher as pessoas que tenham mais estudo ou pessoas que tenham alguma experiência. Peça ajuda a um técnico da extensão rural, da prefeitura, da Embrapa, da cooperativa ou de alguma organização de assistência aos produtores. Eles poderão ajudá-los no que for preciso para fundar a associação. CWProduçõesLtda. (PauloCésarRocha)
  • 15. 14 O que é preciso para fundar a associação? 1 – Escrever o estatuto O estatuto diz tudo sobre a associação e seus sócios: seus direitos e deveres e seu funcionamento. Tudo que estiver escrito nele deverá ser cumprido; por isso, tudo deve ser bem discutido entre os futuros sócios. O estatuto deve estar pronto para ser lido e aprovado na primeira reunião da associação. O estatuto deve trazer: • O nome da associação. Por exemplo, Associação dos Produtores de Mel de Vila Maria. • Os objetivos. Quais problemas os sócios querem resolver. Por exemplo, como baixar o custo de produção e de processamento do mel. • Alocalização.Aassociação precisa de um endereço. O ideal é que seja num
  • 16. 15 lugar pertencente a todos, como uma escola ou um barracão que a comunidade construiu em mutirão. Mas pode funcionar na casa de um dos sócios ou noutro lugar. • O tempo de duração. Geralmente se usa a palavra “indeterminado”. Isso quer dizer que a associação não tem prazo para acabar. Só tem fim quando os sócios decidirem; mas, mesmo assim, o ideal é nunca acabar, já que novosproblemascertamentesurgirão. • O modo como será administrada. Essa parte diz como será a diretoria, os conselhos e os outros órgãos, se houver. Também explica como serão as eleições, os cargos, a duração de cada diretoria, de cada conselho, etc. • O nome de quem vai representar a associação. Quem vai falar em nome da associação? Quem vai assinar os papéis da associação? Quem vai
  • 17. 16 registrá-la? (Geralmente, é o presi- dente que representa a associação). • Omodocomosereformaráoestatuto. Essa parte deve indicar o número necessário de pessoas, o intervalo de tempo entre uma reforma e outra. • Os procedimentos a serem adotados em caso de encerramento da associação. Isso é uma exigência do governo. É necessário que fique bem claro o que será feito com tudo aquilo que a associação comprar. Veja um modelo de estatuto no final deste texto. 2 – Fazer a assembléia de fundação A assembléia de fundação é o momento de criação de uma associação. É uma reunião em que todos os interessados devem participar. Os que estiverem nessa assembléia serão os sócios fundadores da associação.
  • 18. 17 Nessa reunião, dois participantes são escolhidos: um será o presidente da assembléia, o outro o secretário. O presidente é quem dirige a reunião. O secretário é quem anota tudo, para depois fazer a ata. Na ata deve estar escrito o local e o dia da reunião, o nome de todos os pre- sentes e tudo que foi discutido e decidido na reunião. A associação deve ter um Livro de Atas, que é um caderno de capa dura e páginasnumeradas,ondetodasasatasserão escritas e assinadas por todos que estiverem na reunião. Esse caderno é um documento da associação e deve ser bem guardado. Em geral, os sócios não querem aceitar o cargo de secretário da associação por medo de não saber fazer as atas. Pensam que é muito difícil fazer ou entender uma ata. Nada disso. É muito fácil. No final deste volume existem modelos de atas. Na assembléia de fundação é preciso: • Que o estatuto preparado seja aprovado. • Que sejam eleitos os sócios que vão
  • 19. 18 dirigir a associação, formando a Diretoria e o Conselho Fiscal. • Que se discuta o valor da mensalidade que os associados devem pagar, pois a associação tem gastos. 3 – Registrar a associação Depois de realizada a assembléia, o secretário faz a ata de fundação, que deve ser assinada por todos os sócios fundadores. Além do nome, recomenda-se incluir o número da identidade ou do registro de nascimento, o estado civil e a profissão de cada um. Dois registros devem ser feitos: um no cartório, o outro no Posto da Receita Federal. Atenção! Para fazer esses registros, a associação terá que pagar algumas taxas. Recomenda-se verificar, antes, qual será o valor, pois ele será pago pelos sócios fundadores.
  • 20. 19 Registro no Cartório de Títulos e Documentos É feito na sede do município. Para isso, é preciso levar os seguintes documentos: • O estatuto original e duas cópias dele. • Três cópias da ata de fundação. • Duas cópias dos documentos de identidade dos sócios eleitos para a diretoria. Registro no Posto da Receita Federal É preciso levar os seguintes docu- mentos: • O estatuto já registrado no cartório. • O caderno com a ata de fundação. • A cópia do CPF do presidente eleito. A Receita Federal fornecerá o número do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ). Com esse documento, é possível abrir conta em banco para a associação.
  • 21. 20 No final deste texto, há modelos dos seguintes documentos: • Ata de assembléia de fundação de uma associação. • Ata de reunião ordinária de uma associação. • Estatuto de uma associação. É hora de trabalhar: mantenha viva a associação Para que a associação represente bem seus sócios, é necessário que todos trabalhem para fazer dela uma instituição forte. • Participe de todas as atividades da associação, principalmente das assembléias gerais. • Pague suas contribuições em dia. • Respeite as decisões da maioria.
  • 22. 21 • Cumpraoscompromissosassumidos. • Vote nas eleições. • Zele pelo patrimônio material e moral da associação. • Apresente sugestões para melhorar o trabalho da associação. • Candidate-se a um cargo da diretoria e participe da administração. Lembre-se: a união faz a força!
  • 23. 22
  • 24. 23 Modelos de atas e de estatuto Modelo de ata de fundação ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO (Escreva o nome completo da associação) Aos .... dias do mês de ..............., do ano de ......., às ..... horas, em ................................ (nome do município), no Estado de ........., reuniram-se as seguintes pessoas: (nome de cada uma por extenso, nacionalidade, idade, estado civil, RG, CPF e endereço). Foi eleito para coordenar os trabalhos .................................................. (nome, por extenso, do presidente da assembléia), que convidou............................................................. (nome, por extenso, do secretário) para secretariar a reunião e lavrar a presente ata. O presidente da assembléia de fundação leu, explicou e promoveu debate sobre a proposta
  • 25. 24 de estatuto para a associação. O estatuto foi aprovado pelo voto dos sócios fundadores acima indicados. A seguir, o presidente determinou que fosse feita a eleição dos membros da primeira Diretoria daAssociação conforme o estatuto aprovado. Apurados os votos, foram considerados eleitos os seguintes associados ................ (indicar o nome de cada um dos ocupantes dos cargos e de seus substitutos). O presidente eleito da Associação assumiu a direção dos trabalhos e declarou que a partir daquele momento a Associação (escrever o nome daAssociação) estavacriada,comoobjetivode(escreveraqui os objetivos principais da associação). Nada mais havendo a tratar, o presidente deu por encerrados os trabalhos e eu, ............................................ (nome do secretário), lavrei a presente Ata que, depois de lida e aprovada, foi assinada por todos os sócios fundadores. (local e data) (assinatura do presidente, do secretário da assembléia de fundação e de todos os sócios fundadores)
  • 26. 25 Observações sobre a ata • A ata da assembléia de fundação é registrada num Livro de Atas, que deve ter suas páginas numeradas. A primeira página desse livro deve constar de “Termo de abertura”, dizendo sua finalidade, seguido das assinaturas do secretário e do presidente da associação, do local e da data de fundação da associação. • Otextodoestatutopodeserregistrado no Livro deAtas, ou registrado em um documento à parte (e depois copiado no Livro de Atas). • Além do Livro deAtas, deve haver um Livro de Sócios (com folhas nu- meradas e termo de abertura explicando sua finalidade). Nesse livro, cada sócio deve ter um número. Nele, são registradas as ocorrências referentes a cada um dos sócios (pedidos de licença, infrações, premiações,notificações, desliga- mento, exclusão).
  • 27. 26 Ata é o documento onde se anotam os acontecimentos ocorridos nas reuniões que a associação realizar. O estatuto, os relatórios e as atas são os documentos mais impor- tantes de uma associação de agricultores. O estatuto estabelece como o grupo deve atuar e define os objetivos que os sócios pretendem alcançar. Os relatórios e as atas contam o desempenho do grupo, as facili- dades, as dificuldades enfrentadas, as formas utilizadas para cumprir as atividades e os resultados alcançados. Nas atas e nos relatórios, conta-se a vida da associação. O relatório descreve as atividades realizadas pela associação em determinado tempo. Para ser bem feito, a diretoria da associação deve ter em mãos as atas das reuniões realizadas. A ata pode ser tão importante quanto o estatuto, pois, quando os sócios votam e aprovam uma decisão em reunião e a registram na ata, esse registro transforma-a em um apêndice do estatuto. Ouseja,asregrasdefinidasnessaatapassam a ter a mesma força legal daquelas incluídas no estatuto que regulamentam a associação.
  • 28. 27 Deve ser feita uma ata completa ou um resumo do que foi discutido em cada reunião. As finalidades da ata são: registrar o que foi discutido, as decisões tomadas e facilitar o preparo dos relatórios. Para isso, é importante que a ata seja bem escrita, que só registre o queéimportanteequesejalidapelosecretário no final de cada reunião (para completar e corrigir o que foi dito) e no início da reunião seguinte (para lembrar o que foi dito). A ata da reunião anterior deve ser lida na reunião seguinte para: lembrar o que foi discutido e decidido, facilitar a compreensão do assunto para quem não esteve presente na reunião anterior e permitir que eles contribuam com suas opiniões para as decisões.
  • 29. 28
  • 30. 29 Modelo de ata de reunião ordinária Abertura Aos ....... dias do mês de ................ do ano de ......., às ....... horas, na Sede da (nome da associação) ................................., sob a presidência do Sr. .........................- ..............................., tendo como secretário o Sr. ...................................................., realizou- se mais uma das reuniões ordinárias da associação. Presenças Estiveram presentes os seguintes sócios: (escrever o nome dos sócios presentes) Corpo da ata Feita a leitura da ata da reunião anterior pelo secretário, a mesma foi aprovada (ou alterada). O presidente comunicou os
  • 31. 30 assuntos para discussão na presente reunião (relacionar os assuntos). Escrever o que foi discutido sobre cada um dos assuntos. Escrever o que foi decidido. Fechamento Aseguir, o presidente declarou encerra- da a reunião e convidou os presentes para a próxima reunião, a realizar-se no dia ........, de ............................, às .......... horas.
  • 32. 31 Modelo de estatuto de uma associação de pequenos produtores CAPÍTULO I Denominação, sede, objetivos, ações, convênios e duração. Art. 1° – Denominação, sede e objetivos – A Associação (nome completo), fundada em (data de fundação), é uma organizaçãocivilsemfinslucrativos,comsede nacidadede(nomedacidade).Temoobjetivo de (escrever os objetivos, como na ata de fundação). Art. 2° – Ações – Para cumprir seus objetivos, a associação orientará suas ações no sentido de: (descrever o que a associação vai fazer para alcançar seus objetivos) I – II –
  • 33. 32 III– IV – V – VI – Representar os interesses e defender os direitos dos associados. Art. 3° – Prazo de duração – O prazo de duração da associação será indeter- minado, coincidindo o ano social com o ano civil. CAPÍTULO II Estrutura e funcionamento da associação Art. 4º – Estrutura – A estrutura da associação tem os seguintes órgãos: Assembléia-Geral, Diretoria e Conselho- Fiscal. Art. 5º – A Assembléia-Geral – É o
  • 34. 33 órgão máximo normativo deliberativo, composto por todos os sócios da associação. § 1° – A Assembléia-Geral reunir-se-á uma vez por ano – por ocasião do exame e aprovação das contas do exercício – no máximo até 31 de março e, quando ne- cessário, por convocação do presidente da associação. § 2° – A Assembléia-Geral deverá ser convocada com antecedência mínima de 15 dias, por meio que garanta que todos os sócios serão avisados. Na convocação constará os assuntos a serem tratados na assembléia. §3°– ÀAssembléia-Geralcompetefixar as diretrizes e normas básicas de funcio- namento da Entidade e decidir, em instância final, sobre todos os assuntos que afetem o desempenho da associação na consecução de seus objetivos e, em especial: a.Eleger o Conselho-Diretor e o Con- selho-Fiscal entre seus integrantes e
  • 35. 34 deliberar sobre a admissão de novos sócios. b. Aprovar planos de trabalho e orça- mentos, deliberar sobre a aquisição de bens imóveis e deliberar sobre emprés- timos, termos de cooperação, convênios, acordos e contratos. c. Examinar, julgar e aprovar relatórios e prestações de contas da Diretoria, a cada exercício social, e deliberar sobre normas de organização, contabilidade, adminis- tração de pessoal, financeira e de ma- terial. d. Determinar os salários de funcionários e serviços de terceiros e as condições de sua contratação, bem como o valor máximo até o qual o presidente terá autonomia para, sem consulta prévia à Assembléia-Geral, emitir cheques e ordens de pagamento em nome da associação.
  • 36. 35 e. Decidir sobre as alterações deste Estatuto, com a aprovação mínima de 2/3 dos sócios efetivos. Art. 6º – A Diretoria – A Assembléia- Geral elegerá, entre seus sócios, uma Diretoria, composta por: um presidente, um vice-presidente, um secretário e um tesoureiro, todos com mandatos de dois anos, admitida apenas uma reeleição. § 1° – Os cargos da Diretoria não serão remunerados. Serão reembolsadas apenas as despesas de viagem e de representação, em favor da associação, desde que comprovadas. § 2° – Ao presidente compete: a. Convocar e presidir as reuniões, administrar e garantir o cumprimento das diretrizes e metas e normas gerais de funcionamento da associação. b. Informar, junto com os demais mem- bros da Diretoria, sobre as atividades da associação e os níveis de sua execução.
  • 37. 36 c. Assinar cheques e ordens de pagamento em nome da associação, observadas as disposição da Assem- bléia-Geral, e termos de cooperação, convênios, acordos, contratos e ajustes. d. Contratar funcionários e serviços de terceiros, como definido pelaAssembléia- Geral, e determinar diretrizes de trabalho. e. Representar a associação em juízo e fora dele. § 3° – Ao vice-presidente compete substituir o presidente em suas ausências e impedimentos; § 4° – Ao secretário compete: a. Registrar em Atas todos os atos, acontecimentos e deliberações das reuniões da Diretoria e da Assembléia- Geral; zelar pela manutenção dos livros e registro de sócios e demais escri- turações de caráter social da associação.
  • 38. 37 b. Coordenar a comunicação com associados e memória da entidade; assessorar o presidente na condução e no desenvolvimento das atividades sociais e na realização das reuniões da Diretoria. § 5° – Ao tesoureiro compete: a. Responsabilizar-se pela manutenção e integridade do patrimônio da asso- ciação e pela administração das contas da associação, desde seu registro apro- priado até a relação formal dos serviços de contabilidade. b. Assinar, junto com o presidente, os cheques e ordens de pagamento da associação, observadas as determina- ções da Assembléia-Geral. Art. 7° – O Conselho-Fiscal – É composto de três membros titulares e de três suplentes,todoseleseleitosanualmenteentre os sócios, na Assembléia-Geral. É o órgão de fiscalização interna da associação, e a ele
  • 39. 38 compete: a. Verificar a exatidão, a propriedade e a concordância dos atos da Diretoria com as diretrizes fixadas na Assembléia-Geral no trato dos interesses financeiros da associação. b. Apresentar parecer sobre a prestação de contas da Diretoria, por ocasião da Assembléia Geral anual. Art. 8° – Das eleições – A eleição para os cargos da Diretoria e do Conselho-Fiscal será feita por votação direta e secreta. Serão considerados eleitos os candidatos que obtiverem a maioria dos votos dos sócios. Art. 9° – O voto e sua representação – Cada sócio tem direito a apenas um voto. Para votar, o sócio deve assinar o livro de presenças e colocar seu nome e número de matrícula. Parágrafo único – O sócio que não estiver em dia com o pagamento da mensa- lidade não tem o direito de votar.
  • 40. 39 CAPÍTULO III Sócios, admissão, direitos, deveres. Art. 10O – Os sócios – Poderá ser sócio toda a pessoa que, sendo maior de idade ou emancipada, legalmente, dedique-se ou pretendadedicar-seàproduçãoagropecuária, que concorde em adequar sua produção aos padrões da associação e que concorde com as disposições deste Estatuto. Art. 11O – Admissão – Para ser sócia, a pessoa deve preencher e assinar uma proposta de admissão. Aprovada a proposta em Assembléia, os dados sobre o novo sócio são registrados no cadastro de sócios da associação. Depois disso, o novo sócio tem todos os direitos e as obrigações decorrentes deste Estatuto. Parágrafo único – O número de associados é ilimitado, não podendo ser inferior a dez. Art. 12O – Direitos – São direitos dos sócios: utilizar do espaço físico da associação
  • 41. 40 e dispor dos bens e serviços por ela ofere- cidos, de acordo com as normas esta- belecidas; votar e ser votado, salvo impe- dimento legal, para a Diretoria e Conselho Fiscal; participar das assembléias; solicitar apoio da associação para a defesa de seus direitos e interesses; demitir-se quando lhe convier, desde que esteja em dia com a associação; propor a admissão de novos sócios. Parágrafo único – O esposo da sócia, ou a esposa do sócio, e seus filhos entre 14 e 17 anos poderão participar dos mesmos direitos e obrigações dos sócios, salvo os de votar e serem votados. Art. 13° – Deveres – São deveres dos sócios: realizar com a associação todas as operações que constituem seus objetivos econômicos e sociais; respeitar a indivi- dualidade, as crenças e ideologias de todos os membros da associação; zelar pelo patrimônio da associação; pagar em dia a contribuição mensal para manutenção da associação; ser pontual nas reuniões
  • 42. 41 marcadas pela associação; garantir que sua produção atenda aos padrões de qualidade definidos pela associação; honrar seus compromissos de produção, de participação e de comercializar com a associação; desempenhar com dedicação os cargos para os quais foram eleitos ou nomeados. Art. 14° – Demissão, eliminação, exclusão. a. A demissão do associado, que não pode ser negada, ocorre quando for requerida ao presidente, julgada em Assembléia, anotada no livro de matrícula e comunicada ao requerente. A elimi- nação do associado, por infração a este Estatuto, é julgada pela Assembléia e executada pelo presidente, depois de haver comunicado por escrito as razões. Serão eliminados os sócios que exer- cerem atividades consideradas preju- diciais à associação e opostas a seus objetivos, e os que deixaram de pagar as mensalidades.
  • 43. 42 b. A exclusão do associado é feita por ocasião de sua morte ou por incapa- cidade civil. Sua exclusão é feita por decisão da Assembléia e registrada no livro de matrícula. Em quaisquer dos casos (demissão, eliminação ou exclusão), o associado não tem direito à devolução dos pagamentos feitos, nem dos fundos existentes, perdendo todos os direitos. Art. 15° – Contabilidade da asso- ciação – Os serviços de contabilidade devem ser organizados segundo as normas gerais e disposições deste Estatuto. Art. 16° – Os livros da associação – Aassociaçãodevepossuirosseguinteslivros: de matrícula, das atas das assembléias, de presenças e o livro caixa. Art. 17° – Patrimônio e fundos – Os recursosdaassociaçãoserãoconstituídospor contribuiçõesdemanutençãoperiódicasfeitas pelos sócios; dotações orçamentárias
  • 44. 43 recebidas por ocasião da celebração de termos de cooperação, convênios, acordos e ajustes; receitas da venda de produtos e realização de eventos; por bens e direitos doados ou legados; por receitas diversas e próprias. Os saldos apurados no final de cada exercício deverão ser aplicados na formação de patrimônio, por meio da aquisição de bens móveis, títulos, etc. A mensalidade, no valor de 3% do salário mínimo, tem a finalidade de cobrir as despesas mensais de manutenção da associação. Essa mensalidade deve ser paga ao tesoureiro. Art. 18° – Disposições gerais e transitórias – Em caso de dissolução, atendidososencargoseasresponsabilidades assumidos, os bens remanescentes serão repassados, nos moldes da lei, a entidades similares, as quais serão indicadas pela Assembléia-Geral que deliberou pela disso- lução.
  • 45. 44
  • 46. 45 Para mais informações e esclarecimentos, procure um técnico da extensão rural, da Embrapa, da prefeitura ou de alguma organização de assistência aos agricultores. Atenção!
  • 47. 46
  • 48. 47 Títulos lançados • Como organizar uma associação • Como plantar abacaxi • Como plantar hortaliças • Controle alternativo de pragas e doenças das plantas • Caupi: o feijão do Sertão • Como cultivar a bananeira • Adubação alternativa • Cultivo de peixes • Como produzir melancia • Alimentação das criações na seca • Conservas caseiras de frutas
  • 49. Impressão e acabamento Embrapa Informação Tecnológica
  • 50. Informação Tecnológica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CGPE:5845 ISBN85-7383-338-6 Com o lançamento do , a Embrapa coloca à disposição do pequeno produtor valiosas instruções sobre as atividades do campo. Numa linguagem simples e objetiva, os títulos abordam a criação de animais, técnicas de plantio, práticas de controle de pragas e doenças, adubação alternativa e fabricação de conservas de frutas, dentre outros assuntos que exemplificam como otimizar o trabalho rural. Inicialmente produzidas para atender demandas por informação do Semi-Árido nordestino, as recomendações apresentadas são de aplicabilidade prática também em outras regiões do País. Com o a Embrapa demonstra o compromisso assumido com o sucesso da agricultura familiar. ABC da Agricultura Familiar ABC da Agricultura Familiar, 9788573833386