SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
8 poemas 8 mulheres 8 imagens

    Dia Internacional da Mulher
             8 de Março
Tens agora outro rosto, outra beleza:

Um rosto que é preciso imaginar,

E uma beleza mais furtiva ainda…

Assim te modelaram, caprichosas,

As sombras da lonjura,

Mãos irreais que tornam irreal

O barro que nos foge da retina.

Barro que em ti passou de luz carnal

A bruma feminina….


Mas nesse novo encanto

Te conjuro

Que permaneças.

Distante e preservada na distância.

Olímpica recusa, disfarçada

De terrena promessa

Feita aos olhos tentados e descrentes.

Nenhum mito regressa…

Todas as deusas são mulheres ausentes…
Miguel Torga
Coimbra, 20 de Março de 1963
Diário IX
A Mulher Mais Bonita do Mundo


estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram
flores novas na terra do jardim, quero dizer
que estás bonita.

entro na casa, entro no quarto, abro o armário,
abro uma gaveta, abro uma caixa onde está o teu fio
de ouro.


entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, como
se tocasse a pele do teu pescoço.

há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim.

estás tão bonita hoje.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

estás dentro de algo que está dentro de todas as
coisas, a minha voz nomeia-te para descrever
a beleza.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

de encontro ao silêncio, dentro do mundo,
estás tão bonita é aquilo que quero dizer.

José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"
Nunca Envelhecerás

       A tua cabeleira
é já grisalha ou mesmo branca?
Para mim é toda loira
e circundada de estrelas.
Sobre ela
o tempo não poisou
o inverno dos anos
que se escoam maldosos
insinuando rugas, fios brancos...

       Ao teu corpo colou-se
o vestido de seda,
como segunda pele;

entre os seios pequenos
viceja perene
um raminho de cravos...

Pétalas esguias
emolduram-te os dedos...
E revoadas de aves
traçam ao teu redor
volutas de primavera.

Nunca envelhecerás na minha lembrança!...

Saúl Dias, in "Sangue"
A Luz que Vem das Pedras


A luz que vem das pedras, do íntimo da
pedra,
tu a colhes, mulher, a distribuis
tão generosa e à janela do mundo.

O sal do mar percorre a tua língua;
não são de mais em ti as coisas mais.
Melhor que tudo, o voo dos insectos,
o ritmo nocturno do girar dos bichos,
a chave do momento em que começa o
canto
da ave ou da cigarra
— a mão que tal comanda no mesmo
gesto fere
a corda do que em ti faz acordar
os olhos densos de cada dia um só.
Quem está salvando nesta respiração
boca a boca real com o universo?

Pedro Tamen, in "Agora, Estar"
És Aquela que tudo te entristece
Irrita e amargura, tudo humilha;
Aquela a quem a Mágoa chamou filha;
A que aos homens e a Deus nada merece.

Aquela que o sol claro entenebrece


A que nem sabe a estrada que ora trilha,
Que nem um lindo amor de maravilha
Sequer deslumbra, e ilumina e aquece!

Mar-Morto sem marés nem ondas largas,
A rastejar no chão como as mendigas,
Todo feito de lágrimas amargas!

És ano que não teve Primavera...
Ah! Não seres como as outras raparigas
Ó Princesa Encantada da Quimera!...

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror
Saudade"
Retrato de Mulher Triste

Vestiu-se para um baile que não há.
Sentou-se com suas últimas jóias.
E olha para o lado, imóvel.

Está vendo os salões que se acabaram,
embala-se em valsas que não dançou,
levemente sorri para um homem.
O homem que não existiu.

Se alguém lhe disser que sonha,
levantará com desdém o arco das sobrancelhas,
Pois jamais se viveu com tanta plenitude.

Mas para falar de sua vida
tem de abaixar as quase infantis pestanas,
e esperar que se apaguem duas infinitas lágrimas.

Cecília Meireles, in 'Poemas (1942-1959)'
Há uma Mulher a Morrer Sentada

Há uma mulher a morrer sentada
Uma planta depois de muito tempo
Dorme sossegadamente
Como cisne que se prepara
Para cantar

Ela está sentada à janela. Sei que nunca
Mais se levantará para abri-la
Porque está sentada do lado de fora
E nenhum de nós pode trazê-la para dentro

Ela é tão bonita ao relento
Inesgotável

É tão leve como um cisne em pensamento
E está sobre as águas
É um nenúfar, é um fluir já anterior
Ao tempo

Sei que não posso chamá-la das margens

Daniel Faria, in "Dos Líquidos"
Eu não dei por esta mudança
Tão simples, tão certa, tão
fácil.
Em que espelho
Ficou perdida
A minha face?

Cecília Meireles

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lados Negativos da Tecnologia.
Lados Negativos da Tecnologia.Lados Negativos da Tecnologia.
Lados Negativos da Tecnologia.Nicole Gouveia
 
Ensaio Filosófico
Ensaio FilosóficoEnsaio Filosófico
Ensaio Filosóficonanasimao
 
Fontes de poluição
Fontes de poluiçãoFontes de poluição
Fontes de poluiçãoevaz1
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoRui Couto
 
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Graça Moutinho
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoGijasilvelitz 2
 
A fragilidade da vida humana
A fragilidade da vida humanaA fragilidade da vida humana
A fragilidade da vida humanaJorge Lopes
 
Etica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 CapituloEtica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 CapituloAna Santos Menoita
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anomluisavalente
 
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morteArgumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morteJoaquim Melro
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoGijasilvelitz 2
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoAndré Andros
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMaria Teixiera
 

Mais procurados (20)

A Lua de Joana
A Lua de JoanaA Lua de Joana
A Lua de Joana
 
Lados Negativos da Tecnologia.
Lados Negativos da Tecnologia.Lados Negativos da Tecnologia.
Lados Negativos da Tecnologia.
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Ensaio Filosófico
Ensaio FilosóficoEnsaio Filosófico
Ensaio Filosófico
 
Fontes de poluição
Fontes de poluiçãoFontes de poluição
Fontes de poluição
 
As críticas de sandel
As críticas de sandelAs críticas de sandel
As críticas de sandel
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do Convento
 
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
A fragilidade da vida humana
A fragilidade da vida humanaA fragilidade da vida humana
A fragilidade da vida humana
 
Etica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 CapituloEtica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 Capitulo
 
Direitos da mulher
Direitos da mulherDireitos da mulher
Direitos da mulher
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
 
Direitos das mulheres
Direitos das mulheresDireitos das mulheres
Direitos das mulheres
 
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morteArgumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
Argumentação e Filosofia: O exemplo da pena de morte
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
 
Desigualdade De Género
Desigualdade De GéneroDesigualdade De Género
Desigualdade De Género
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 

Destaque

Atividades sociologia trabalho lei de estágio e trabalho com carteira assinada
Atividades sociologia   trabalho lei de estágio e trabalho com carteira assinadaAtividades sociologia   trabalho lei de estágio e trabalho com carteira assinada
Atividades sociologia trabalho lei de estágio e trabalho com carteira assinadaDoug Caesar
 
Atividades de geografia violencia
Atividades de geografia violenciaAtividades de geografia violencia
Atividades de geografia violenciaDiana Souza
 
Cartilha Ilustrada Lei Maria da Penha
Cartilha Ilustrada Lei Maria da PenhaCartilha Ilustrada Lei Maria da Penha
Cartilha Ilustrada Lei Maria da PenhaAna Rita Esgario
 
ATIVIDADE - VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - Prof. Noé Assunção
ATIVIDADE - VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - Prof. Noé AssunçãoATIVIDADE - VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - Prof. Noé Assunção
ATIVIDADE - VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - Prof. Noé AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Lei maria da penha de uma forma resumida slide
Lei maria da penha de uma forma resumida slideLei maria da penha de uma forma resumida slide
Lei maria da penha de uma forma resumida slideLeandro Corrêa
 
Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Silvio Candido
 

Destaque (8)

Atividades sociologia trabalho lei de estágio e trabalho com carteira assinada
Atividades sociologia   trabalho lei de estágio e trabalho com carteira assinadaAtividades sociologia   trabalho lei de estágio e trabalho com carteira assinada
Atividades sociologia trabalho lei de estágio e trabalho com carteira assinada
 
Atividades de geografia violencia
Atividades de geografia violenciaAtividades de geografia violencia
Atividades de geografia violencia
 
Cartilha Ilustrada Lei Maria da Penha
Cartilha Ilustrada Lei Maria da PenhaCartilha Ilustrada Lei Maria da Penha
Cartilha Ilustrada Lei Maria da Penha
 
Atividades lei maria da penha (1)
Atividades lei maria da penha (1)Atividades lei maria da penha (1)
Atividades lei maria da penha (1)
 
ATIVIDADE - VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - Prof. Noé Assunção
ATIVIDADE - VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - Prof. Noé AssunçãoATIVIDADE - VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - Prof. Noé Assunção
ATIVIDADE - VIOLÊNCIA DOMÉSTICA - Prof. Noé Assunção
 
Lei maria da penha de uma forma resumida slide
Lei maria da penha de uma forma resumida slideLei maria da penha de uma forma resumida slide
Lei maria da penha de uma forma resumida slide
 
Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11
 
Atividades dirigidas
Atividades  dirigidasAtividades  dirigidas
Atividades dirigidas
 

Semelhante a 8 poemas 8 mulheres 8 imagens 8

8 poemas 8 mulheres 8 imagens 8
8 poemas 8 mulheres 8 imagens 88 poemas 8 mulheres 8 imagens 8
8 poemas 8 mulheres 8 imagens 8auroraoliveira
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBesaf Biblioteca
 
Jose Gomes Ferreira
Jose Gomes FerreiraJose Gomes Ferreira
Jose Gomes Ferreiratimtim100
 
Calendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_roselyCalendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_roselyGisele Santos
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leiturasguida04
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetasescola
 
Ana Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pésAna Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus péssullbreda
 
Vinicius de-moraes-novos-poemas-ii
Vinicius de-moraes-novos-poemas-iiVinicius de-moraes-novos-poemas-ii
Vinicius de-moraes-novos-poemas-iijcmucuge
 
Vinicius de-moraes-novos-poemas-ii
Vinicius de-moraes-novos-poemas-iiVinicius de-moraes-novos-poemas-ii
Vinicius de-moraes-novos-poemas-iijcmucuge
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra culturalBarbara Coelho
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do RomantismoGabriel Luck
 
A Segunda GeraçãO Do Romantismo
A Segunda GeraçãO Do RomantismoA Segunda GeraçãO Do Romantismo
A Segunda GeraçãO Do RomantismoGabriel Luck
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Gisele Santos
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018Sérgio Pitaki
 
Alma inquieta - Olavo Bilac
Alma inquieta - Olavo BilacAlma inquieta - Olavo Bilac
Alma inquieta - Olavo BilacGuilhermeGVPG
 

Semelhante a 8 poemas 8 mulheres 8 imagens 8 (20)

8 poemas 8 mulheres 8 imagens 8
8 poemas 8 mulheres 8 imagens 88 poemas 8 mulheres 8 imagens 8
8 poemas 8 mulheres 8 imagens 8
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
 
Desnho
DesnhoDesnho
Desnho
 
Jose Gomes Ferreira
Jose Gomes FerreiraJose Gomes Ferreira
Jose Gomes Ferreira
 
Calendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_roselyCalendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_rosely
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poema da semana
Poema da semanaPoema da semana
Poema da semana
 
Poema da semana
Poema da semanaPoema da semana
Poema da semana
 
Ana Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pésAna Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pés
 
Vinicius de-moraes-novos-poemas-ii
Vinicius de-moraes-novos-poemas-iiVinicius de-moraes-novos-poemas-ii
Vinicius de-moraes-novos-poemas-ii
 
Vinicius de-moraes-novos-poemas-ii
Vinicius de-moraes-novos-poemas-iiVinicius de-moraes-novos-poemas-ii
Vinicius de-moraes-novos-poemas-ii
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra cultural
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
A Segunda GeraçãO Do Romantismo
A Segunda GeraçãO Do RomantismoA Segunda GeraçãO Do Romantismo
A Segunda GeraçãO Do Romantismo
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
 
Alma inquieta - Olavo Bilac
Alma inquieta - Olavo BilacAlma inquieta - Olavo Bilac
Alma inquieta - Olavo Bilac
 
Poemas de vários autores
Poemas de vários autoresPoemas de vários autores
Poemas de vários autores
 

Mais de Clara Veiga

Powerpoint diário cruzado...marta polt
Powerpoint diário cruzado...marta poltPowerpoint diário cruzado...marta polt
Powerpoint diário cruzado...marta poltClara Veiga
 
Prof. graça congresso das eco-escolas
Prof. graça   congresso das eco-escolasProf. graça   congresso das eco-escolas
Prof. graça congresso das eco-escolasClara Veiga
 
Atividades do mês de outubro
Atividades do mês de outubroAtividades do mês de outubro
Atividades do mês de outubroClara Veiga
 
Atividades do mês de outubro
Atividades do mês de outubroAtividades do mês de outubro
Atividades do mês de outubroClara Veiga
 
Ana e Isabel Matos 9ºD
Ana e Isabel Matos 9ºDAna e Isabel Matos 9ºD
Ana e Isabel Matos 9ºDClara Veiga
 
Categorias Narrativa Sara 8e
Categorias Narrativa  Sara 8eCategorias Narrativa  Sara 8e
Categorias Narrativa Sara 8eClara Veiga
 
Modos LiteráRios E Textos LiteráRios Ou NãO Ana Lopes 8ºA Nº4
Modos LiteráRios E Textos LiteráRios Ou NãO  Ana Lopes 8ºA Nº4Modos LiteráRios E Textos LiteráRios Ou NãO  Ana Lopes 8ºA Nº4
Modos LiteráRios E Textos LiteráRios Ou NãO Ana Lopes 8ºA Nº4Clara Veiga
 

Mais de Clara Veiga (15)

Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Antonio mota
Antonio motaAntonio mota
Antonio mota
 
Powerpoint diário cruzado...marta polt
Powerpoint diário cruzado...marta poltPowerpoint diário cruzado...marta polt
Powerpoint diário cruzado...marta polt
 
Braga
BragaBraga
Braga
 
Braga
BragaBraga
Braga
 
Titus
TitusTitus
Titus
 
Prof. graça congresso das eco-escolas
Prof. graça   congresso das eco-escolasProf. graça   congresso das eco-escolas
Prof. graça congresso das eco-escolas
 
Saber fazer ppt
Saber fazer pptSaber fazer ppt
Saber fazer ppt
 
Saber fazer ppt
Saber fazer pptSaber fazer ppt
Saber fazer ppt
 
Saber fazer ppt
Saber fazer pptSaber fazer ppt
Saber fazer ppt
 
Atividades do mês de outubro
Atividades do mês de outubroAtividades do mês de outubro
Atividades do mês de outubro
 
Atividades do mês de outubro
Atividades do mês de outubroAtividades do mês de outubro
Atividades do mês de outubro
 
Ana e Isabel Matos 9ºD
Ana e Isabel Matos 9ºDAna e Isabel Matos 9ºD
Ana e Isabel Matos 9ºD
 
Categorias Narrativa Sara 8e
Categorias Narrativa  Sara 8eCategorias Narrativa  Sara 8e
Categorias Narrativa Sara 8e
 
Modos LiteráRios E Textos LiteráRios Ou NãO Ana Lopes 8ºA Nº4
Modos LiteráRios E Textos LiteráRios Ou NãO  Ana Lopes 8ºA Nº4Modos LiteráRios E Textos LiteráRios Ou NãO  Ana Lopes 8ºA Nº4
Modos LiteráRios E Textos LiteráRios Ou NãO Ana Lopes 8ºA Nº4
 

Último

04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 

Último (20)

Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 

8 poemas 8 mulheres 8 imagens 8

  • 1. 8 poemas 8 mulheres 8 imagens Dia Internacional da Mulher 8 de Março
  • 2. Tens agora outro rosto, outra beleza: Um rosto que é preciso imaginar, E uma beleza mais furtiva ainda… Assim te modelaram, caprichosas, As sombras da lonjura, Mãos irreais que tornam irreal O barro que nos foge da retina. Barro que em ti passou de luz carnal A bruma feminina…. Mas nesse novo encanto Te conjuro Que permaneças. Distante e preservada na distância. Olímpica recusa, disfarçada De terrena promessa Feita aos olhos tentados e descrentes. Nenhum mito regressa… Todas as deusas são mulheres ausentes… Miguel Torga Coimbra, 20 de Março de 1963 Diário IX
  • 3. A Mulher Mais Bonita do Mundo estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram flores novas na terra do jardim, quero dizer que estás bonita. entro na casa, entro no quarto, abro o armário, abro uma gaveta, abro uma caixa onde está o teu fio de ouro. entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, como se tocasse a pele do teu pescoço. há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim. estás tão bonita hoje. os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios. estás dentro de algo que está dentro de todas as coisas, a minha voz nomeia-te para descrever a beleza. os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios. de encontro ao silêncio, dentro do mundo, estás tão bonita é aquilo que quero dizer. José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"
  • 4. Nunca Envelhecerás A tua cabeleira é já grisalha ou mesmo branca? Para mim é toda loira e circundada de estrelas. Sobre ela o tempo não poisou o inverno dos anos que se escoam maldosos insinuando rugas, fios brancos... Ao teu corpo colou-se o vestido de seda, como segunda pele; entre os seios pequenos viceja perene um raminho de cravos... Pétalas esguias emolduram-te os dedos... E revoadas de aves traçam ao teu redor volutas de primavera. Nunca envelhecerás na minha lembrança!... Saúl Dias, in "Sangue"
  • 5. A Luz que Vem das Pedras A luz que vem das pedras, do íntimo da pedra, tu a colhes, mulher, a distribuis tão generosa e à janela do mundo. O sal do mar percorre a tua língua; não são de mais em ti as coisas mais. Melhor que tudo, o voo dos insectos, o ritmo nocturno do girar dos bichos, a chave do momento em que começa o canto da ave ou da cigarra — a mão que tal comanda no mesmo gesto fere a corda do que em ti faz acordar os olhos densos de cada dia um só. Quem está salvando nesta respiração boca a boca real com o universo? Pedro Tamen, in "Agora, Estar"
  • 6. És Aquela que tudo te entristece Irrita e amargura, tudo humilha; Aquela a quem a Mágoa chamou filha; A que aos homens e a Deus nada merece. Aquela que o sol claro entenebrece A que nem sabe a estrada que ora trilha, Que nem um lindo amor de maravilha Sequer deslumbra, e ilumina e aquece! Mar-Morto sem marés nem ondas largas, A rastejar no chão como as mendigas, Todo feito de lágrimas amargas! És ano que não teve Primavera... Ah! Não seres como as outras raparigas Ó Princesa Encantada da Quimera!... Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"
  • 7. Retrato de Mulher Triste Vestiu-se para um baile que não há. Sentou-se com suas últimas jóias. E olha para o lado, imóvel. Está vendo os salões que se acabaram, embala-se em valsas que não dançou, levemente sorri para um homem. O homem que não existiu. Se alguém lhe disser que sonha, levantará com desdém o arco das sobrancelhas, Pois jamais se viveu com tanta plenitude. Mas para falar de sua vida tem de abaixar as quase infantis pestanas, e esperar que se apaguem duas infinitas lágrimas. Cecília Meireles, in 'Poemas (1942-1959)'
  • 8. Há uma Mulher a Morrer Sentada Há uma mulher a morrer sentada Uma planta depois de muito tempo Dorme sossegadamente Como cisne que se prepara Para cantar Ela está sentada à janela. Sei que nunca Mais se levantará para abri-la Porque está sentada do lado de fora E nenhum de nós pode trazê-la para dentro Ela é tão bonita ao relento Inesgotável É tão leve como um cisne em pensamento E está sobre as águas É um nenúfar, é um fluir já anterior Ao tempo Sei que não posso chamá-la das margens Daniel Faria, in "Dos Líquidos"
  • 9. Eu não dei por esta mudança Tão simples, tão certa, tão fácil. Em que espelho Ficou perdida A minha face? Cecília Meireles