Revolução FrancesaProfº Hamilton Milczvski Jr
Fatores e antecedentes          Revolução Francesa é onome dado ao conjunto deacontecimentos que, entre 5 demaio de 1789 e...
Fatores e antecedentes         A Revolução é consideradacomo o acontecimento que deu início àIdade Contemporânea. Aboliu a...
O Antigo Regime         A sociedade francesa do século XVIIImantinha a divisão em três Ordens ouEstados típica do Antigo R...
O Iluminismo e a Revolução          As causas da revoluçãofrancesa são remotas e imediatas.Entre as do primeiro grupo, há ...
1ª fase da RevoluçãoA Revolução Francesa pode ser subdividida   em quatro períodos: a AssembléiaConstituinte, a Assembléia...
Assembleia Constituinte           O clero e a nobreza tentaramdiversas manobras para conter o ímpetoreformista do Terceiro...
A eclosão da Revolução      Essa decisão levou o rei a tomar      medidas mais drásticas, entre as        quais a demissão...
Queda da Bastilha          A intenção inicial dos rebeldesera tomar a Bastilha e se apoderar dapólvora lá armazenada. Cair...
Tomada da Bastilha – quadro de Jean-Pierre Louis Laurent Houel.
Declaração dos direitos do Homem e do Cidadão  Pouco depois, aprovava-se asolene "Declaração dos direitos  do Homem e do C...
Jean-Paul Marat        Pressionado pela opiniãopública, Luís XVI deixou Versalhes,estabelecendo-se no Palácio dasTulherias...
Monarquia Constitucional           Em 1791, iniciou-se a fasedenominada Monarquia Constitucional. Emagosto de 1792, uma in...
Danton e Robespierre         Os jacobinos, com apoio dos sans-culottes e da Comuna de Paris (designação quefoi dada ao nov...
A Era do Terror            Milhares de pessoas — a ex-rainha MariaAntonieta, o químico Antoine Lavoisier (consideradoo cri...
A Era do Terror          A guilhotina, um aparelhoconstituído por uma grandearmação reta, comaproximadamente 4 metros deal...
Guilhotinamento de   Robespierre.
Calendário da Revolução           Para sinalizar que novos tempos haviamse iniciado, os revolucionários instituíram um nov...
9 de Termidor           Muitos girondinos que sobreviveram aoTerror, aliados aos deputados da planície,                   ...
Convenção Termidoriana         O golpe de 9 Termidormarcou a queda da pequenaburguesia jacobina e a volta dagrande burgues...
O Diretório            Em 1795, a Convenção elaborouuma nova constituição - a Constituição do AnoIII -, suprimindo o sufrá...
A Liberdade guiando o povo – Eugène Delacroix
•   Arco do Triunfo, Paris -"A    Marselhesa" (ou "Partida dos    Voluntários de 1792"). É uma    obra cheia de energia e ...
Revolucao francesa
Revolucao francesa
Revolucao francesa
Revolucao francesa
Revolucao francesa
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revolucao francesa

1.395 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.395
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
188
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revolucao francesa

  1. 1. Revolução FrancesaProfº Hamilton Milczvski Jr
  2. 2. Fatores e antecedentes Revolução Francesa é onome dado ao conjunto deacontecimentos que, entre 5 demaio de 1789 e 9 de novembro de1799, alteraram o quadro político esocial da França. Ela começa com aconvocação dos Estados Gerais e aQueda da Bastilha e se encerra como golpe de estado do 18 deBrumário de Napoleão Bonaparte.Em causa estavam o Antigo Regime(Ancien Régime) e os privilégios doclero e da nobreza. Foi influenciadapelos ideais do Iluminismo e daIndependência dos EUA (1776).Está entre as maiores revoluções dahistória da humanidade.
  3. 3. Fatores e antecedentes A Revolução é consideradacomo o acontecimento que deu início àIdade Contemporânea. Aboliu aservidão e os direitos feudais eproclamou os princípios universais de"Liberdade, Igualdade e Fraternidade“,frase de autoria de Jean-JacquesRousseau. Para a França, abriu-se em1789 o longo período de convulsõespolíticas do século XIX, fazendo-a Luiz XVI – símbolo dopassar por várias repúblicas, uma Absolutismo francês.ditadura, uma monarquia constitucionale dois impérios. Jean-Jacques Russeau – (Liberté, Egalité, Fraternité),
  4. 4. O Antigo Regime A sociedade francesa do século XVIIImantinha a divisão em três Ordens ouEstados típica do Antigo Regime – Clero ouPrimeiro Estado, Nobreza ou Segundo Estado,e Povo ou Terceiro Estado – cada qualregendo-se por leis próprias (privilégios),com um Rei absoluto (ou seja, um Rei quedetinha um poder supremo independente) notopo da hierarquia dos Estados
  5. 5. O Iluminismo e a Revolução As causas da revoluçãofrancesa são remotas e imediatas.Entre as do primeiro grupo, há deconsiderar que a França passavapor um período de crise financeira.A participação francesa na Guerrada Independência dos EstadosUnidos da América, a participação(e derrota) na Guerra dos SeteAnos, os elevados custos da Cortede Luís XVI, tinham deixado asfinanças do país em mau estado. A reavaliação das basesdo Antigo Regime foi montada àluz do pensamento Iluminista,representado por Voltaire, Diderot,Montesquieu, John Locke,Immanuel Kant, entre outros. Elesforneceram pensamentos paracriticar as estruturas políticas esociais absolutistas e sugeriram aideia de uma maneira de conduzirliberal burguesa.
  6. 6. 1ª fase da RevoluçãoA Revolução Francesa pode ser subdividida em quatro períodos: a AssembléiaConstituinte, a Assembléia Legislativa, a Convenção e o Diretório. O período da Assembleia Constituinte decorre de 9 de julho de 1789 a 30 desetembro de 1791. As primeiras ações dos revolucionários deram-se quando, em 17 de junho, a reunião do Terceiro Estado seproclamou "Assembléia Nacional" e, poucodepois, "Assembléia Nacional Constituinte". Em 12 de julho, começam os motins em Paris, culminando com a revolta de populares armados que, em 14 de julho, Queda da Bastilha - 14 de julho de 1789 - invadiram o Arsenal dos Inválidos, à Jean-Pierre Houël. procura de munições e, em seguida, invadiram a Bastilha, uma fortaleza que fora transformada em prisão política.
  7. 7. Assembleia Constituinte O clero e a nobreza tentaramdiversas manobras para conter o ímpetoreformista do Terceiro Estado, cujosrepresentantes comparecem à Assembléiaapresentando as reclamações do povo. Os deputados da nobreza e doclero queriam que as eleições fossem porestado. O terceiro estado queria que avotação fosse individual, por deputado. Ante a impossibilidade de conciliartais interesses, Luís XVI tentou dissolver osEstados Gerais. Os representantes do TerceiroEstado rebelaram-se e invadiram a sala dojogo da péla (espécie de tênis em quadracoberta), em 15 de junho de 1789, etransformaram-se na Assembléia Nacional, O Juramento da Péla.jurando só se separar após a votação de umaconstituição para a França (Juramento daSala do Jogo da Péla). Em 9 de julho de1789, juntamente com muitos deputados dobaixo clero, os Estados Geraisautoproclamaram-se Assembleia NacionalConstituinte.
  8. 8. A eclosão da Revolução Essa decisão levou o rei a tomar medidas mais drásticas, entre as quais a demissão do ministro Jacques Necker, conhecido por suas posições reformistas. Em razão disso, a população de Paris se mobilizou e tomou as ruas da cidade. Os ânimos mais exaltados conclamavam todos a tomar as armas. A bandeira dos Bourbons foi substituída por uma tricolor (azul, branca e vermelha), que passou a ser a bandeira nacional. E, em toda a França, foram constituídas unidades da milícia e governos provisórios. Sessão inaugural dos Estados Gerais, em Versalhes (1789).
  9. 9. Queda da Bastilha A intenção inicial dos rebeldesera tomar a Bastilha e se apoderar dapólvora lá armazenada. Cairia assim umdos símbolos do Absolutismo. A Queda daBastilha causou profunda emoção nasprovíncias e acelerou a queda dosintendentes. A partir de então, a revoluçãoestendeu-se ao campo, com maiorviolência: os sans-culottes saquearam aspropriedades feudais, invadiram equeimaram os castelos e cartórios, paradestruir os títulos de propriedade dasterras (fase do Grande Medo). Temendo oradicalismo, na noite de 4 de agosto, aAssembléia Nacional Constituinte aprovoua abolição dos direitos feudais,gradualmente e mediante amortização,além de as terras da Igreja haverem sidoconfiscadas. Daí por diante, a igualdade Os sans-culottes eram artesãos, trabalhadores e atéjurídica seria a regra. pequenos proprietários que viviam nos arredores de Paris. Recebiam esse nome porque não usavam os elegantes calções que a nobreza vestia, mas uma calça de algodão grosseira.
  10. 10. Tomada da Bastilha – quadro de Jean-Pierre Louis Laurent Houel.
  11. 11. Declaração dos direitos do Homem e do Cidadão Pouco depois, aprovava-se asolene "Declaração dos direitos do Homem e do Cidadão". O lema dos revolucionários era "Liberdade, Igualdade eFraternidade", mas logo em 14 de junho de 1791, se aprovou a Lei de Le Chapelier que proibia os sindicatos detrabalhadores e as greves, compenas que podiam ir até à pena de morte. Em 19 de abril de 1791, o Estado nacionaliza e passa a administrar todos os bens da Igreja Católica, sendo aprovada em julho a Constituição Civil do Clero.
  12. 12. Jean-Paul Marat Pressionado pela opiniãopública, Luís XVI deixou Versalhes,estabelecendo-se no Palácio dasTulherias, em Paris (outubro de 1789).Ali, o monarca era mais acessível àsmassas parisienses. Fervilhavam os clubes: aimprensa tinha papel cada vez maiornos acontecimentos políticos. Jean-Paul Marat escrevia artigosincendiários. Jean-Paul Marat – organizador do jornal “O amigo do povo” (LAmi du peuple).
  13. 13. Monarquia Constitucional Em 1791, iniciou-se a fasedenominada Monarquia Constitucional. Emagosto de 1792, uma intensa mobilizaçãopopular destronou o rei, e depois de elaborara Carta Magna francesa, a AssembléiaNacional Constituinte dissolveu-se. Entre osrevolucionários de 1789, houve divisão.Aliada aos setores da nobreza liberal e dobaixo clero, formou-se o Clube dosGirondinos. O nome "girondino" (deve-se aofato de Brissot, principal líder dessa facção,representar o departamento da Gironda e deseus principais líderes serem provenientes delá). Os jacobinos (do francês jacobin)— assim chamados porque se reuniam noconvento de Saint Jacques — queriamaprofundar a revolução, aumentando osdireitos do povo; eram liderados pelapequena burguesia e apoiados pelos sans-culottes, as massas populares de Paris. Seusprincipais líderes foram Danton, Marat eRobespierre. Maximilien de Robespierre – o radical líder dos jacobinos.
  14. 14. Danton e Robespierre Os jacobinos, com apoio dos sans-culottes e da Comuna de Paris (designação quefoi dada ao novo governo local da cidade),assumiram o poder no momento crítico daRevolução. Os jornais populares utilizavam-se delinguagem grosseira para caracterizar osaristocratas e inimigos da revolução. Quando, em julho de 1793, Marat foi assassinado pela jovem Charlotte Corday, os ânimos se exaltaram. Considerado excessivamente moderado, Danton foi substituído por Robespierre e expulso do partido. O Comitê de Salvação Pública, liderado por Robespierre, assumiu plenos poderes. Georges Jacques Danton. Tinha início o Grande Terror, Terror Jacobino ou, simplesmente, Terror.
  15. 15. A Era do Terror Milhares de pessoas — a ex-rainha MariaAntonieta, o químico Antoine Lavoisier (consideradoo criador da Química moderna), aristocratas,clérigos, girondinos, especuladores, inimigos reaisou presumidos da revolução — foram detidas,julgadas sumariamente e guilhotinadas. Os direitosindividuais foram suspensos e, diariamente,realizavam-se, sob aplausos populares, execuçõespúblicas e em massa. O líder jacobino Robespierre,sancionando as execuções sumárias, anunciara que aFrança não necessitava de juízes, mas de maisguilhotinas. O resultado foi a condenação à morte de35 mil a 40 mil pessoas. Cansada do terror,execuções, congelamento de preços e dos excessosrevolucionários, a burguesia queria paz para seusnegócios. Essa posição era defendida pelos jacobinosliderados por Danton. Os sans-culottes — que eram aplebe urbana — pretendiam radicalizar mais arevolução, posição defendida pelos raivosos. A faltade habilidade política de Robespierre ficou evidentequando, declarando a "pátria em perigo", tomouuma série de medidas impopulares para evitar asradicalizações — os partidários e políticos mais Louis Antoine Léon de Saint-Just.radicais, como a ala esquerda, dos partidários deHébert, e da ala direita, que tinha como líder Danton,foram executados. A facção de centro, liderada porRobespierre e Saint-Just, triunfou, porém ficouisolada.
  16. 16. A Era do Terror A guilhotina, um aparelhoconstituído por uma grandearmação reta, comaproximadamente 4 metros dealtura, na qual era suspensa umalâmina triangular pesada que tinhaa função de decapitar rapidamenteo condenado, tinha sidoaprimorada pelo médico edeputado Joseph-Ignace Guillotin,com a intenção de tornar asexecuções mais humanas, já que oenforcamento ou a decapitaçãopelo machado podia ser ummétodo doloroso e demorado.Curiosamente, o doutor Guillotinterminou sendo executado peloseu próprio invento, o qualpermaneceu na ativa na França até1977. Guilhotinamento de Luiz XVI.Em 21 de Janeiro de 1793, às10h20, em Paris, sobre a Praça daRevolução, o rei, Luís XVI foicondenado à guilhotina por traição.É um dos maiores acontecimentosda Revolução Francesa.
  17. 17. Guilhotinamento de Robespierre.
  18. 18. Calendário da Revolução Para sinalizar que novos tempos haviamse iniciado, os revolucionários instituíram um novocalendário, rompendo com a convenção cristã,passando a considerar 1793, o ano da proclamaçãoda República, como primeiro ano deste novocalendário.No outono:Vindimiário (vendémiaire): 22 de setembro a 21 deoutubroBrumário (brumaire): 22 de outubro a 20 de novembroFrimário (frimaire): 21 de novembro a 20 de dezembroNo inverno:Nivoso (nivôse): 21 de dezembro a 19 de janeiroPluvioso (pluviôse): 20 de janeiro a 18 de fevereiroVentoso (ventôse): 19 de fevereiro a 20 de marçoNa primavera:Germinal: 21 de março a 19 de abrilFlorial (floréal): 20 de abril a 19 de maioPradial (prairial): 20 de maio a 18 de junhoNo verão:Messidor: 19 de junho a 18 de julhoTermidor (thermidor): 19 de julho a 17 de agostoFructidor: 18 de agosto a 20 de setembro.
  19. 19. 9 de Termidor Muitos girondinos que sobreviveram aoTerror, aliados aos deputados da planície, Prisão de Robespierrearticularam um golpe. Em 27 de julho (9 Termidor,de acordo com o calendário revolucionário francês) aConvenção, numa rápida manobra, derrubouRobespierre e seus partidários. Robespierre apeloupara que as massas populares saíssem em suadefesa. Mas os que podiam mobilizá-las — como osraivosos — estavam mortos, e os sans-culottes nãoatenderam ao chamado. Guilhotinamento de Robespierre. Robespierre e os dirigentes jacobinos foram guilhotinados sumariamente.
  20. 20. Convenção Termidoriana O golpe de 9 Termidormarcou a queda da pequenaburguesia jacobina e a volta dagrande burguesia girondina ao poder.O movimento popular entrou emfranca decadência. A Convenção Termidoriana(1794-1795) foi curta, mas permitiua reativação do projeto políticoburguês com a anulação de váriasdecisões montanhesas, como a Lei doPreço Máximo (congelamento daeconomia) e o encerramento dasupremacia da Junta de SalvaçãoPública. Foram extintas as prisõesarbitrárias e os julgamentossumários. Todos os clubes políticos O Comitê Revolucionário.foram dissolvidos e os jacobinospassaram a ser perseguidos.
  21. 21. O Diretório Em 1795, a Convenção elaborouuma nova constituição - a Constituição do AnoIII -, suprimindo o sufrágio universal eresgatando o voto censitário para as eleiçõeslegislativas, marginalizando, assim, grandeparcela da população. A carta reservava opoder à burguesia. No final de 1795, deacordo com a nova Constituição, a Convençãocedeu lugar ao Diretório, formado por cincomembros eleitos pelos deputados. Iniciou-se,assim, a República do Diretório. Uma nova constituição entregou oPoder Executivo ao Diretório, uma comissãoconstituída de cinco diretores eleitos por cincoanos. O Diretório (1794 a 1799) foi umafase conservadora, marcada pelo retorno daAlta Burguesia ao poder. Contudo, o governomostrou-se fraco. A ineficiência administrativa doDiretório iria possibilitar a subida ao poder dojovem general Napoleão Bonaparte.
  22. 22. A Liberdade guiando o povo – Eugène Delacroix
  23. 23. • Arco do Triunfo, Paris -"A Marselhesa" (ou "Partida dos Voluntários de 1792"). É uma obra cheia de energia e fogo, feita por François Rude. Ela exibe uma figura da pátria-mãe com asas, pedindo para que os voluntários lutem pela nação.

×