SlideShare uma empresa Scribd logo
DIRETRIZES GERAIS
     DA AÇÃO EVANGELIZADORA
      DA IGREJA NO BRASIL
               2011 – 2015
1


               Jesus Cristo,
    “Caminho, Verdade e Vida” (Jo 14, 6)
V
       INDICAÇÕES DE
    OPERACIONALIZAÇÃO
2
    (passos metodológicos)
1. Exigências para um plano eficaz
1º. Pés-no-chão
O melhor ponto de partida é sempre aquele onde a
gente está. Se ignoramos, não evangelizamos.
O que não é assumido não é redimido.
As boas respostas dependem das verdadeiras
perguntas. Não há fidelidade ao evangelho sem
fidelidade à realidade.
Para gerar processo, a ação precisa ser resposta aos
desafios reais da realidade, das pessoas, da
comunidade e da sociedade.                             3
2º. Olhos-no-horizonte
Para o ponto de partida, um ponto de chegada.
A realidade, por mais dura que seja, não tem a última
palavra. Há sempre um horizonte para quem tem fé.
O horizonte, que faz caminhar, é a esperança no Reino
de Vida, inaugurado por Jesus, já presente na
precariedade do presente.
O melhor ponto de chegada é a mesma realidade
transfigurada pela força do Evangelho.
A melhor imagem da ressurreição é a transfiguração.
                                                        4
3º. Sujar-as-mãos
De nada vale a consciência dos limites da realidade
e a esperança em sua plenitude, se não aterrissam em
ações concretas, que buscam realizar aquilo que se
espera na fé.

Como a ação pastoral está sujeita às mesmas
contingências de qualquer ação humana, aqui, nos
movemos no campo das mediações da ação, que
dependem das condições sócio-culurais do contexto.

                                                     5
2. Três momentos metodológicos
1º. A explicitação do marco referencial: a projeção
  da ação futura, se alicerça em duas referências: o
  ponto de partida (próprio contexto) e o ponto de
  chegada (o ideal para esta mesma realidade).

2º. A elaboração do marco operacional: apoiado no
  diagnóstico da realidade, se elabora o prognóstico
  da futura ação (objetivos e critérios de ação) e a
  programação (programas e projetos).

3º. A explicitação do marco organizacional: trata-se
  de definir o suporte organizacional da ação projetada e
  a avaliação.                                           6
3. Passos metodológicos
Primeiro passo: onde estamos
(marco da realidade)
    O melhor ponto de partida
    é sempre aquele onde a gente está.
    Trata-se de colocar os pés no chão.
As boas respostas pastorais dependem
da identificação das verdadeiras
necessidades de evangelização.            7
No âmbito da
sociedade,                 é importante
conhecer, pelo menos,       a situação
cultural, econômica, política e
ecológica.
No âmbito religioso, é preciso ter dados
da situação da experiência religiosa e da
caminhada da comunidade eclesial.
  (Nas atuais DGAE, o marco da realidade
                                           8
Segundo passo: onde precisamos estar
(marco doutrinal)
Na ação evangelizadora, o ponto
de chegada está no horizonte do
Evangelho do Reino de
Deus, inaugurado e mostrado por
Jesus.
   É preciso situá-
   lo, entretanto,   no próprio    9
Segundo tradição recente das DGAE, a
vida e a missão de todo cristão consiste
no exercício de tríplice múnus, recebido
no batismo: Ministério da Palavra, da
Liturgia e da Caridade.
A vivência do tríplice múnus se dá
no âmbito da pessoa, no âmbito da
comunidade e no âmbito da sociedade.
                                      10
Os três âmbitos constituem, tanto
o espaço como as realidades, nas quais
o Evangelho precisa ser encarnado.
A pessoa só se realiza em comunidade
e a comunidade eclesial existe para o
serviço de Deus na sociedade.
  (Nas atuais DGAE, o marco doutrinal
  está em “partir de Jesus Cristo” (4-16)
  e em “indicações de operacionalização”)   11
Terceiro passo: urgências pastorais
(diagnóstico pastoral)
Do confronto da realidade com o
horizonte da fé cristã, derivam
urgências pastorais.
  As atuais DGAE indicam cinco
  urgências, não soltas, mas que
  conformam um curso de ação:
                                      12
... para uma Igreja em estado
    permanente de missão (1ª),
... é preciso que a comunidade eclesial
    seja casa da iniciação à vida cristã (2ª),
... alicerçada sobre a Palavra de Deus (3ª),
... que leva a uma Igreja comunidade de
    comunidades (4ª),
 ... a serviço da vida plena pra todos (5ª).
     (Nas atuais DGAE, o diagnóstico pastoral
     está em “urgências na ação evangelizadora”.)   13
Quarto passo: o que queremos
alcançar (prognóstico pastoral)
Num processo de
planejamento,        os resultados
almejados se registra nos objetivos:
geral e específicos.
  Para uma maior comunhão
  entre as Igrejas Locais, as atuais   14

  DGAE propõem o Objetivo Geral:
Evangelizar,
 a partir de Jesus Cristo e na força do
 Espírito Santo, como Igreja
 discípula, missionária e
 profética, alimentada pela Palavra de
 Deus e pela Eucaristia, à luz da
 evangélica opção preferencial pelos
 pobres, para que todos tenham vida
 (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo.
(À luz dele, cada Igreja Local procurará elaborar seus
                                                         15
Quinto passo: como vamos agir
(critérios de ação)
A unidade eclesial e a eficácia na obra
evangelizadora, exigem critérios comuns
de ação.
Historicamente, à luz do Vaticano
II, as DGAE assumiram as
denominadas “seis dimensões” da ação  16

pastoral:
17



►dimensão comunitário-
participativa, ► dimensão missionária,
► dimensão bíblico-catequética,
► dimensão litúrgica,
► dimensão ecumênica e do diálogo
   inter-religioso,
► dimensão sócio-transformadora.
18


Ultimamente, inspiradas na Evangelii
Nuntiandi, as DGAE sugeriram as
denominadas quatro exigências de
um processo de evangelização:
       serviço, diálogo, anúncio e
       testemunho da comunhão.
São dois critérios equivalentes.
   (Nas atuais DGAE, os critérios de ação
   estão em “indicações de operacionalização”).
Sexto passo: o que vamos fazer
(programação)
Trata-se da intervenção na realidade
apreendida à luz da fé, buscando
responder às urgências
pastorais, segundo os objetivos e
critérios de ação estabelecidos.
É o momento da programação.
                                       19
As atuais DGAE oferecem “perspectivas
de ação” para cada uma das “urgências
na ação evangelizadora”.
  À luz das perspectivas
  indicadas, cabe a cada Igreja Local
  definir sua própria Programação
  Pastoral, que é mais do que um mero
  “cronograma”.
A eficácia exige ações em torno a Programas
                                          20
Sétimo passo: a renovação das
estruturas (marco organizacional)
 Mudadas as ações, é preciso
 igualmente mudar as estruturas
 que lhe dão suporte.
 É o momento de pensar a execução
 do novo plano, que sempre exige
 renovação institucional.           21
Trata-se de constituir e definir as
funções de:
  ►organismos de articulação da ação
    (assembleias, conselhos)
  ► mecanismos de coordenação
    (equipes de coordenação de âmbitos
    eclesiais e de serviços específicos)
  ► primeiros responsáveis
    (Bispo, pároco, coordenadores).
                                           22
Entre as estruturas que precisam
de urgente mudança está paróquia.
 Aparecida indica sua setorização
 em unidades menores, tendo à
 frente uma equipe de coordenação
 integrada por leigos e leigas
 e, dentro destes setores, a criação
 de comunidades de famílias.
                                       23

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Organização da catequese
Organização da catequeseOrganização da catequese
Organização da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015) Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
Bernadetecebs .
 
Igreja e sociedade
Igreja e sociedadeIgreja e sociedade
Igreja e sociedade
Ricardo Castro
 
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Rodrigo Catini Flaibam
 
Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidio...
Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidio...Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidio...
Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidio...
asscom
 
Introdução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igrejaIntrodução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igreja
Ricardo Castro
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
Rodrigo Catini Flaibam
 
aconselhamento pastoral
aconselhamento pastoralaconselhamento pastoral
aconselhamento pastoral
faculdadeteologica
 
04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades
Tiago Osb
 
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
José Vieira Dos Santos
 
Eclesiologia - Desenvolvimento Natural Da Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eclesiologia - Desenvolvimento  Natural Da  Igreja - Blog do Prof. Eduardo SalesEclesiologia - Desenvolvimento  Natural Da  Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eclesiologia - Desenvolvimento Natural Da Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eduardo Sales de lima
 
Diretrizes da Igreja no Brasil 2015 a 2019
Diretrizes da Igreja no Brasil 2015 a 2019Diretrizes da Igreja no Brasil 2015 a 2019
Diretrizes da Igreja no Brasil 2015 a 2019
José Vieira Dos Santos
 
A pessoa do catequista e sua identidade
A pessoa do catequista e sua identidadeA pessoa do catequista e sua identidade
A pessoa do catequista e sua identidade
Francisco Rodrigues
 
Estudo do documento 100
Estudo do documento 100Estudo do documento 100
Estudo do documento 100
IRINEU FILHO
 
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e olivaA missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
Éder Granado Raffa
 
O desenvolvimento natural da igreja
O desenvolvimento natural da igrejaO desenvolvimento natural da igreja
O desenvolvimento natural da igreja
Ivanei Silveira
 
Que Buscais
Que BuscaisQue Buscais
10 aconselhamento pastoral
10 aconselhamento pastoral10 aconselhamento pastoral
10 aconselhamento pastoral
faculdadeteologica
 
Planejamento pastoral sto antonio
Planejamento pastoral sto antonioPlanejamento pastoral sto antonio
Planejamento pastoral sto antonio
Ricardo Castro
 
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
José Vieira Dos Santos
 

Mais procurados (20)

Organização da catequese
Organização da catequeseOrganização da catequese
Organização da catequese
 
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015) Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2011-2015 (DGAE 2011-2015)
 
Igreja e sociedade
Igreja e sociedadeIgreja e sociedade
Igreja e sociedade
 
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
 
Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidio...
Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidio...Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidio...
Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidio...
 
Introdução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igrejaIntrodução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igreja
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
 
aconselhamento pastoral
aconselhamento pastoralaconselhamento pastoral
aconselhamento pastoral
 
04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades
 
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
 
Eclesiologia - Desenvolvimento Natural Da Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eclesiologia - Desenvolvimento  Natural Da  Igreja - Blog do Prof. Eduardo SalesEclesiologia - Desenvolvimento  Natural Da  Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eclesiologia - Desenvolvimento Natural Da Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
 
Diretrizes da Igreja no Brasil 2015 a 2019
Diretrizes da Igreja no Brasil 2015 a 2019Diretrizes da Igreja no Brasil 2015 a 2019
Diretrizes da Igreja no Brasil 2015 a 2019
 
A pessoa do catequista e sua identidade
A pessoa do catequista e sua identidadeA pessoa do catequista e sua identidade
A pessoa do catequista e sua identidade
 
Estudo do documento 100
Estudo do documento 100Estudo do documento 100
Estudo do documento 100
 
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e olivaA missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
 
O desenvolvimento natural da igreja
O desenvolvimento natural da igrejaO desenvolvimento natural da igreja
O desenvolvimento natural da igreja
 
Que Buscais
Que BuscaisQue Buscais
Que Buscais
 
10 aconselhamento pastoral
10 aconselhamento pastoral10 aconselhamento pastoral
10 aconselhamento pastoral
 
Planejamento pastoral sto antonio
Planejamento pastoral sto antonioPlanejamento pastoral sto antonio
Planejamento pastoral sto antonio
 
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
 

Semelhante a 6. dgae 2011 2015- cap. v (passos metodológicos)

Revista Encontro 02 - Agosto de 2012
Revista Encontro 02 - Agosto de 2012Revista Encontro 02 - Agosto de 2012
Revista Encontro 02 - Agosto de 2012
Rodrigo Catini Flaibam
 
Animação missionária presid. prudente
Animação missionária   presid. prudenteAnimação missionária   presid. prudente
Pami 2008 2012 #2009 = plano operacional pami-ieclb-lmpo
Pami 2008 2012 #2009 = plano operacional   pami-ieclb-lmpoPami 2008 2012 #2009 = plano operacional   pami-ieclb-lmpo
Pami 2008 2012 #2009 = plano operacional pami-ieclb-lmpo
Ricardo Cassen
 
Conage dizimo andre
Conage dizimo andreConage dizimo andre
Conage dizimo andre
conage2013
 
Direito canônico e a missão pe. altevir
Direito canônico e a missão pe. altevirDireito canônico e a missão pe. altevir
Projeto nacional de evangelização (2004 2007)- qvjcvv
Projeto nacional de evangelização (2004 2007)- qvjcvvProjeto nacional de evangelização (2004 2007)- qvjcvv
Projeto nacional de evangelização (2004 2007)- qvjcvv
babins
 
René Padilha
René PadilhaRené Padilha
René Padilha
Jailson Santos
 
Administração eclesial
Administração eclesial Administração eclesial
Administração eclesial
Conage
 
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Região Episcopal Belém
 
As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja  As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja
Oswaldo Michaelano
 
Planificação pastoral desde a visão apostólica de paulo c2
Planificação pastoral desde a visão apostólica de paulo c2Planificação pastoral desde a visão apostólica de paulo c2
Planificação pastoral desde a visão apostólica de paulo c2
Nestor Quintero A.
 
Sucessão Pastoral
Sucessão PastoralSucessão Pastoral
Sucessão Pastoral
Fabinho Lima
 
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 - 2015
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 - 2015Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 - 2015
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 - 2015
Bernadetecebs .
 
Diretrizes gerais da ação evangelizadora da igreja no brasil
Diretrizes gerais da ação evangelizadora da igreja no brasilDiretrizes gerais da ação evangelizadora da igreja no brasil
Diretrizes gerais da ação evangelizadora da igreja no brasil
babins
 
Cânones plano para a vida e missão
Cânones   plano para a vida e missãoCânones   plano para a vida e missão
Cânones plano para a vida e missão
Paulo Dias Nogueira
 
formacao pascom diocese sao joao da boa vista
formacao pascom diocese sao joao da boa vistaformacao pascom diocese sao joao da boa vista
formacao pascom diocese sao joao da boa vista
Edu Cunha
 
Tcc - Releitura da missão integral
Tcc - Releitura da missão integralTcc - Releitura da missão integral
Tcc - Releitura da missão integral
Diego Camilo
 
A utilização do método VJA para atingir a finalidade do MCC
A utilização do método VJA para atingir a finalidade do MCCA utilização do método VJA para atingir a finalidade do MCC
A utilização do método VJA para atingir a finalidade do MCC
GED Niterói, Movimento de Cursilhos de Cristandade
 
Exame diácono
Exame diáconoExame diácono
Exame diácono
Marcos Dias
 
Desafios da gestão
Desafios da gestãoDesafios da gestão
Desafios da gestão
Conage
 

Semelhante a 6. dgae 2011 2015- cap. v (passos metodológicos) (20)

Revista Encontro 02 - Agosto de 2012
Revista Encontro 02 - Agosto de 2012Revista Encontro 02 - Agosto de 2012
Revista Encontro 02 - Agosto de 2012
 
Animação missionária presid. prudente
Animação missionária   presid. prudenteAnimação missionária   presid. prudente
Animação missionária presid. prudente
 
Pami 2008 2012 #2009 = plano operacional pami-ieclb-lmpo
Pami 2008 2012 #2009 = plano operacional   pami-ieclb-lmpoPami 2008 2012 #2009 = plano operacional   pami-ieclb-lmpo
Pami 2008 2012 #2009 = plano operacional pami-ieclb-lmpo
 
Conage dizimo andre
Conage dizimo andreConage dizimo andre
Conage dizimo andre
 
Direito canônico e a missão pe. altevir
Direito canônico e a missão pe. altevirDireito canônico e a missão pe. altevir
Direito canônico e a missão pe. altevir
 
Projeto nacional de evangelização (2004 2007)- qvjcvv
Projeto nacional de evangelização (2004 2007)- qvjcvvProjeto nacional de evangelização (2004 2007)- qvjcvv
Projeto nacional de evangelização (2004 2007)- qvjcvv
 
René Padilha
René PadilhaRené Padilha
René Padilha
 
Administração eclesial
Administração eclesial Administração eclesial
Administração eclesial
 
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
 
As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja  As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja
 
Planificação pastoral desde a visão apostólica de paulo c2
Planificação pastoral desde a visão apostólica de paulo c2Planificação pastoral desde a visão apostólica de paulo c2
Planificação pastoral desde a visão apostólica de paulo c2
 
Sucessão Pastoral
Sucessão PastoralSucessão Pastoral
Sucessão Pastoral
 
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 - 2015
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 - 2015Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 - 2015
Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 - 2015
 
Diretrizes gerais da ação evangelizadora da igreja no brasil
Diretrizes gerais da ação evangelizadora da igreja no brasilDiretrizes gerais da ação evangelizadora da igreja no brasil
Diretrizes gerais da ação evangelizadora da igreja no brasil
 
Cânones plano para a vida e missão
Cânones   plano para a vida e missãoCânones   plano para a vida e missão
Cânones plano para a vida e missão
 
formacao pascom diocese sao joao da boa vista
formacao pascom diocese sao joao da boa vistaformacao pascom diocese sao joao da boa vista
formacao pascom diocese sao joao da boa vista
 
Tcc - Releitura da missão integral
Tcc - Releitura da missão integralTcc - Releitura da missão integral
Tcc - Releitura da missão integral
 
A utilização do método VJA para atingir a finalidade do MCC
A utilização do método VJA para atingir a finalidade do MCCA utilização do método VJA para atingir a finalidade do MCC
A utilização do método VJA para atingir a finalidade do MCC
 
Exame diácono
Exame diáconoExame diácono
Exame diácono
 
Desafios da gestão
Desafios da gestãoDesafios da gestão
Desafios da gestão
 

Mais de Pride Commerce - Assessoria e Consultoria na Internet - Uma empresa do Grupo DESTAKE --- Diretor: Vagner Fernandes David

Cortes de carnes - Explicativo
Cortes de carnes - ExplicativoCortes de carnes - Explicativo
Apresentação Isla Negra by Emporio Villa Real
Apresentação Isla Negra by Emporio Villa RealApresentação Isla Negra by Emporio Villa Real
Palavras positivas
Palavras positivasPalavras positivas
Sinais
SinaisSinais
Hino a alegria
Hino a alegriaHino a alegria
Neuropeptideos
NeuropeptideosNeuropeptideos
Uma mente dois cerebros
Uma mente dois cerebrosUma mente dois cerebros
Rain drops
Rain dropsRain drops
Principio 90 10-stephen covey
Principio 90 10-stephen coveyPrincipio 90 10-stephen covey
O tempo do tempo
O tempo do tempoO tempo do tempo
Gente fina
Gente finaGente fina
Eu desisto
Eu desistoEu desisto
Danca nas nuvens
Danca nas nuvensDanca nas nuvens
Amizade não é isso
Amizade não é issoAmizade não é isso
A velhice existe
A velhice existeA velhice existe
O baile da vida
O baile da vidaO baile da vida
Vai passar
Vai passarVai passar
Um mestre indiano osho
Um mestre indiano oshoUm mestre indiano osho
Sem etiqueta sem preço
Sem etiqueta   sem preçoSem etiqueta   sem preço
Seja
Seja Seja

Mais de Pride Commerce - Assessoria e Consultoria na Internet - Uma empresa do Grupo DESTAKE --- Diretor: Vagner Fernandes David (20)

Cortes de carnes - Explicativo
Cortes de carnes - ExplicativoCortes de carnes - Explicativo
Cortes de carnes - Explicativo
 
Apresentação Isla Negra by Emporio Villa Real
Apresentação Isla Negra by Emporio Villa RealApresentação Isla Negra by Emporio Villa Real
Apresentação Isla Negra by Emporio Villa Real
 
Palavras positivas
Palavras positivasPalavras positivas
Palavras positivas
 
Sinais
SinaisSinais
Sinais
 
Hino a alegria
Hino a alegriaHino a alegria
Hino a alegria
 
Neuropeptideos
NeuropeptideosNeuropeptideos
Neuropeptideos
 
Uma mente dois cerebros
Uma mente dois cerebrosUma mente dois cerebros
Uma mente dois cerebros
 
Rain drops
Rain dropsRain drops
Rain drops
 
Principio 90 10-stephen covey
Principio 90 10-stephen coveyPrincipio 90 10-stephen covey
Principio 90 10-stephen covey
 
O tempo do tempo
O tempo do tempoO tempo do tempo
O tempo do tempo
 
Gente fina
Gente finaGente fina
Gente fina
 
Eu desisto
Eu desistoEu desisto
Eu desisto
 
Danca nas nuvens
Danca nas nuvensDanca nas nuvens
Danca nas nuvens
 
Amizade não é isso
Amizade não é issoAmizade não é isso
Amizade não é isso
 
A velhice existe
A velhice existeA velhice existe
A velhice existe
 
O baile da vida
O baile da vidaO baile da vida
O baile da vida
 
Vai passar
Vai passarVai passar
Vai passar
 
Um mestre indiano osho
Um mestre indiano oshoUm mestre indiano osho
Um mestre indiano osho
 
Sem etiqueta sem preço
Sem etiqueta   sem preçoSem etiqueta   sem preço
Sem etiqueta sem preço
 
Seja
Seja Seja
Seja
 

6. dgae 2011 2015- cap. v (passos metodológicos)

  • 1. DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL 2011 – 2015 1 Jesus Cristo, “Caminho, Verdade e Vida” (Jo 14, 6)
  • 2. V INDICAÇÕES DE OPERACIONALIZAÇÃO 2 (passos metodológicos)
  • 3. 1. Exigências para um plano eficaz 1º. Pés-no-chão O melhor ponto de partida é sempre aquele onde a gente está. Se ignoramos, não evangelizamos. O que não é assumido não é redimido. As boas respostas dependem das verdadeiras perguntas. Não há fidelidade ao evangelho sem fidelidade à realidade. Para gerar processo, a ação precisa ser resposta aos desafios reais da realidade, das pessoas, da comunidade e da sociedade. 3
  • 4. 2º. Olhos-no-horizonte Para o ponto de partida, um ponto de chegada. A realidade, por mais dura que seja, não tem a última palavra. Há sempre um horizonte para quem tem fé. O horizonte, que faz caminhar, é a esperança no Reino de Vida, inaugurado por Jesus, já presente na precariedade do presente. O melhor ponto de chegada é a mesma realidade transfigurada pela força do Evangelho. A melhor imagem da ressurreição é a transfiguração. 4
  • 5. 3º. Sujar-as-mãos De nada vale a consciência dos limites da realidade e a esperança em sua plenitude, se não aterrissam em ações concretas, que buscam realizar aquilo que se espera na fé. Como a ação pastoral está sujeita às mesmas contingências de qualquer ação humana, aqui, nos movemos no campo das mediações da ação, que dependem das condições sócio-culurais do contexto. 5
  • 6. 2. Três momentos metodológicos 1º. A explicitação do marco referencial: a projeção da ação futura, se alicerça em duas referências: o ponto de partida (próprio contexto) e o ponto de chegada (o ideal para esta mesma realidade). 2º. A elaboração do marco operacional: apoiado no diagnóstico da realidade, se elabora o prognóstico da futura ação (objetivos e critérios de ação) e a programação (programas e projetos). 3º. A explicitação do marco organizacional: trata-se de definir o suporte organizacional da ação projetada e a avaliação. 6
  • 7. 3. Passos metodológicos Primeiro passo: onde estamos (marco da realidade) O melhor ponto de partida é sempre aquele onde a gente está. Trata-se de colocar os pés no chão. As boas respostas pastorais dependem da identificação das verdadeiras necessidades de evangelização. 7
  • 8. No âmbito da sociedade, é importante conhecer, pelo menos, a situação cultural, econômica, política e ecológica. No âmbito religioso, é preciso ter dados da situação da experiência religiosa e da caminhada da comunidade eclesial. (Nas atuais DGAE, o marco da realidade 8
  • 9. Segundo passo: onde precisamos estar (marco doutrinal) Na ação evangelizadora, o ponto de chegada está no horizonte do Evangelho do Reino de Deus, inaugurado e mostrado por Jesus. É preciso situá- lo, entretanto, no próprio 9
  • 10. Segundo tradição recente das DGAE, a vida e a missão de todo cristão consiste no exercício de tríplice múnus, recebido no batismo: Ministério da Palavra, da Liturgia e da Caridade. A vivência do tríplice múnus se dá no âmbito da pessoa, no âmbito da comunidade e no âmbito da sociedade. 10
  • 11. Os três âmbitos constituem, tanto o espaço como as realidades, nas quais o Evangelho precisa ser encarnado. A pessoa só se realiza em comunidade e a comunidade eclesial existe para o serviço de Deus na sociedade. (Nas atuais DGAE, o marco doutrinal está em “partir de Jesus Cristo” (4-16) e em “indicações de operacionalização”) 11
  • 12. Terceiro passo: urgências pastorais (diagnóstico pastoral) Do confronto da realidade com o horizonte da fé cristã, derivam urgências pastorais. As atuais DGAE indicam cinco urgências, não soltas, mas que conformam um curso de ação: 12
  • 13. ... para uma Igreja em estado permanente de missão (1ª), ... é preciso que a comunidade eclesial seja casa da iniciação à vida cristã (2ª), ... alicerçada sobre a Palavra de Deus (3ª), ... que leva a uma Igreja comunidade de comunidades (4ª), ... a serviço da vida plena pra todos (5ª). (Nas atuais DGAE, o diagnóstico pastoral está em “urgências na ação evangelizadora”.) 13
  • 14. Quarto passo: o que queremos alcançar (prognóstico pastoral) Num processo de planejamento, os resultados almejados se registra nos objetivos: geral e específicos. Para uma maior comunhão entre as Igrejas Locais, as atuais 14 DGAE propõem o Objetivo Geral:
  • 15. Evangelizar, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária e profética, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definitivo. (À luz dele, cada Igreja Local procurará elaborar seus 15
  • 16. Quinto passo: como vamos agir (critérios de ação) A unidade eclesial e a eficácia na obra evangelizadora, exigem critérios comuns de ação. Historicamente, à luz do Vaticano II, as DGAE assumiram as denominadas “seis dimensões” da ação 16 pastoral:
  • 17. 17 ►dimensão comunitário- participativa, ► dimensão missionária, ► dimensão bíblico-catequética, ► dimensão litúrgica, ► dimensão ecumênica e do diálogo inter-religioso, ► dimensão sócio-transformadora.
  • 18. 18 Ultimamente, inspiradas na Evangelii Nuntiandi, as DGAE sugeriram as denominadas quatro exigências de um processo de evangelização: serviço, diálogo, anúncio e testemunho da comunhão. São dois critérios equivalentes. (Nas atuais DGAE, os critérios de ação estão em “indicações de operacionalização”).
  • 19. Sexto passo: o que vamos fazer (programação) Trata-se da intervenção na realidade apreendida à luz da fé, buscando responder às urgências pastorais, segundo os objetivos e critérios de ação estabelecidos. É o momento da programação. 19
  • 20. As atuais DGAE oferecem “perspectivas de ação” para cada uma das “urgências na ação evangelizadora”. À luz das perspectivas indicadas, cabe a cada Igreja Local definir sua própria Programação Pastoral, que é mais do que um mero “cronograma”. A eficácia exige ações em torno a Programas 20
  • 21. Sétimo passo: a renovação das estruturas (marco organizacional) Mudadas as ações, é preciso igualmente mudar as estruturas que lhe dão suporte. É o momento de pensar a execução do novo plano, que sempre exige renovação institucional. 21
  • 22. Trata-se de constituir e definir as funções de: ►organismos de articulação da ação (assembleias, conselhos) ► mecanismos de coordenação (equipes de coordenação de âmbitos eclesiais e de serviços específicos) ► primeiros responsáveis (Bispo, pároco, coordenadores). 22
  • 23. Entre as estruturas que precisam de urgente mudança está paróquia. Aparecida indica sua setorização em unidades menores, tendo à frente uma equipe de coordenação integrada por leigos e leigas e, dentro destes setores, a criação de comunidades de famílias. 23