SlideShare uma empresa Scribd logo
Metalografia
FUNDAMENTOS DA
METALOGRAFIA DOS
AÇOS
Elizeu Ferreira dos Santos
ESTRUTURA CRISTALINA
• O aço compõe-se de átomos arranjados
ordenadamente, formando o que se
chama de estrutura cristalina.
• Ao conjunto de átomos que ocupam
posições fixas e formam uma estrutura dá
se o nome de célula unitária.
ESTRUTURA CRISTALINA
ESTRUTURA CRISTALINA
• As células unitárias organizam-se em três
dimensões, apresentando um contorno de
agregado de cristais irregulares.
• Um conjunto de células unitárias forma o
cristal com contorno geométrico, o qual
adquire contornos irregulares pelo seu
crescimento passa a chamar se de grão.
ESTRUTURA CRISTALINA
• Cada grão é constituído por milhares de
células unitárias que são grupos de
átomos que se dispõe em posições fixas
que dão origem aos reticulados.
ESTRUTURA CRISTALINA
• Existem 7 sistemas cristalinos: Triclínico,
monoclínico, ortorômbico, Hexagonal,
trigonal, tetragonal e cúbico.
• De acordo com a disposição dos átomos,
desses originam se desse sistema 14
disposições dos átomos formando os
reticulados.
ESTRUTURA CRISTALINA
ESTRUTURA CRISTALINA
ESTRUTURA CRISTALINA
• Os principais reticulados cristalinos,
segundo os quais cerca de dois terços
dos metais se cristalizam:
• Cúbico de Corpo Centrado (CCC): os
átomos se dispõe nos vértices e um no
centro de um cubo. Os metais que se
cristalizam nessa forma são: ferro na
temperatura ambiente (forma alotrópica
alfa), cromo, lítio, molibdênio, tântalo,
tungstênio entre outros.
ESTRUTURA CRISTALINA
ESTRUTURA CRISTALINA
• Cúbico de Face Centrada (CFC): os
átomos se dispõe nos vértices e nos
centros das faces dos cubos. É o caso do
ferro acima de 912°C (forma alotrópica
gama), alumínio, cobre, chumbo, etc.
ESTRUTURA CRISTALINA
• Hexagonal Compacta (HC): apresenta
doze átomos nos vértices de um prisma
de base hexagonal, dois átomos nos
centros das bases e três no seu interior.
Ex.: zinco e titânio.
CONSTITUINTES DO AÇO
• Duas amostras de aço ao carbono
• Mesmo tipo de tratamento térmico
• Uma com baixo teor de carbono (0,1%)
• Outra com teor médio de carbono (0,5%),
CONSTITUINTES DO AÇO
• Ao observar a amostra de baixo carbono
distinguem-se em maior quantidade grãos
claros, com pouco carbono, e alguns
grãos escuros com bastante carbono.
CONSTITUINTES DO AÇO
• Na amostra de médio carbono identificam-
se mais grãos escuros do que claros.
Portanto, ela contém mais carbono.
CONSTITUINTES DO AÇO
• Identificam-se dois constituintes da
estrutura do aço: grãos claros, chamados
ferrita, e grãos escuros, chamados
perlita.
• A ferrita apresenta uma estrutura (CCC).
Os átomos que compõem essa estrutura
organizam-se bem juntos entre si, de
modo que fica difícil a acomodação de
átomos de carbono na rede cristalina.
CONSTITUINTES DO AÇO
• A estrutura de ferrita consegue acomodar,
no máximo, 0,025% de átomos de
carbono a 723°C.
CONSTITUINTES DO AÇO
• Ao ampliar várias vezes o tamanho do
grão escuro, vê-se uma sequencia de
linhas ou lâminas claras e escuras. As
lâminas claras chamam-se ferrita, e as
escuras recebem o nome de cementita.
CONSTITUINTES DO AÇO
CONSTITUINTES DO AÇO
• A cementita constitui-se de 12 átomos de
ferro e 4 átomos de carbono. É, portanto,
um carboneto de ferro com dureza
elevada e é um dos responsáveis pela
dureza do aço. É representada por Fe3C.
• A perlita é formada de lâminas alternadas
com 88% de ferrita e 12% de cementita.
CONSTITUINTES DO AÇO
DIAGRAMA Fe-C
ALOTROPIA DO FERRO PURO
• A alotropia é a propriedade que certos
metais apresentam de possuírem
reticulados cristalinos diferentes,
conforme a temperatura.
• Na temperatura ambiente, o ferro puro
apresenta estrutura cristalina cúbica de
corpo centrado (CCC), denominada ferro
alfa (α).
DIAGRAMA Fe-C
• A partir de 912°C a estrutura CCC sofre
uma transformação alotrópica para a
estrutura (CFC), denominada ferro gama
(γ) ou austenita.
• Na temperatura de 1394°C ocorre uma
nova transformação alotrópica na qual a
estrutura CFC da austenita transforma-se
novamente em CCC, denominada ferro
delta (δ).
DIAGRAMA Fe-C
• O ferro delta (δ) CCC é estável até a
temperatura de 1538°C, que é a
temperatura de fusão do Fe puro.
• Acima de 1538°C a estrutura cristalina
CCC da ferrita δ torna-se amorfa, sem
ordenação cristalina, caracterizando o
estado líquido.
• O ferro líquido (L) é estável até a
temperatura de 2880°C, temperatura na
qual este passa para fase vapor.
DIAGRAMA Fe-C
Existem dois tipos de diagramas Fe-C:
• o diagrama Fe-C estável, que mostra o
equilíbrio entre o Fe e a grafita,
• e o diagrama Fe-Fe3C, metaestável, que
apresenta o equilíbrio entre o ferro e a
cementita (Fe3C).
Metalografia
DIAGRAMA Fe-C
Metalografia
Aços
• Aço eutetóide tem o teor de carbono de
0,77%. (Esta é composição particular
encontrada no diagrama de ferro-carbono em
que existe a transformação de austenita para
ferrita e cementita).
• Aço hipoeutetóide com teor de C entre 0
a 0,77% .
• Aço hipereutetóide com o teor de C
entre 0,77% a 2,11%.
Ferros Fundidos
• Ferro fundido eutético – quando o teor
de carbono corresponde ao ponto eutético
ou seja 4,30 % de C.
• Ferro fundido hipoeutético – quando o
teor de carbono esta entre 2,11% a
4,30%.
• Ferro fundido hipereutético – quando o
teor de carbono esta acima de 4,30%.
RESFRIAMENTO LENTO DOS AÇOS
HIPOEUTETÓIDES
RESFRIAMENTO LENTO DE UM AÇO
EUTETÓIDE
RESFRIAMENTO LENTO DOS AÇOS
HIPEREUTETÓIDES
PROPRIEDADES DAS FASES E CONSTITU-
INTES PRESENTES EM AÇOS AO
CARBONO
• Austenita (do nome do metalurgista
inglês Robert Austen) - Consiste em uma
solução sólida intersticial de C (com até
2,11%) no ferro CFC. Em aços ao
carbono e aços baixa liga só é estável
acima de 727°C. Apresenta resistência
mecânica em torno de 150 MPa e elevada
ductilidade e tenacidade. A austenita não
é magnética.
PROPRIEDADES DAS FASES E CONSTITU-
INTES PRESENTES EM AÇOS AO
CARBONO
• Ferrita (do latim "ferrum")- Consiste em
uma solução sólida intersticial de C (com
até 0,022%) no ferro CCC. A ferrita é
magnética e apresenta baixa resistência
mecânica, cerca de 300 MPa, excelente
tenacidade e elevada ductilidade.
PROPRIEDADES DAS FASES E CONSTITU-
INTES PRESENTES EM AÇOS AO
CARBONO
• Cementita (do latim "caementum")-
Denominação do carboneto de ferro Fe3C
contendo 6,7% de C e estrutura cristalina
ortorrômbica. Apresenta elevada dureza,
baixa resistência, baixa ductilidade e
baixa tenacidade.
PROPRIEDADES DAS FASES E CONSTITU-
INTES PRESENTES EM AÇOS AO
CARBONO
• A perlita é mistura mecânica das fases
ferrita (88% em peso) e cementita (12%
em peso) formada pelo crescimento
cooperativo destas fases. Apresenta
propriedades intermediárias entre a ferrita
e a cementita dependendo do tamanho e
espaçamento das lamelas de cementita.
METALOGRAFIA
• A Metalografia consiste do estudo dos
constituintes e das estruturas dos metais
e suas ligas. A apropriada preparação de
amostras para análise metalográfica, para
a caracterização dos materiais metálicos
requer que um rígido procedimento
seja seguido.
MACROGRAFIA
• O exame macrográfico verifica o
aspecto de uma superfície após
devidamente polida e atacada por um
reagente adequado. Por seu intermédio
tem-se uma ideia do conjunto, referente à
homogeneidade do material, a distribuição
e natureza das falhas, impureza e ao
processo de fabricação.
MACROGRAFIA
• A analise é feita a olho nu,com lupa
ou com utilização de microscópios
estéreos que favorecem a profundidade
de foco e dão, portanto, visão
tridimensional da área observada com
aumentos que podem variar de 5x a 64X.
Em geral as observações são feitas até
10X.
MICROGRAFIA
• Consiste no estudo dos produtos
metalúrgicos, com o auxílio do
microscópio, onde se pode observar e
identificar algumas características dos
metais como a granulação do material, a
natureza, a forma, a quantidade, e a
distribuição dos diversos constituintes ou
de certas inclusões. O microscópio
ótico é suficiente na maioria das vezes
para observação de propósito geral.
Corpo de prova
• Parte do material ou produto com
forma e dimensões especifica da
superfície a ser analisada podendo está
ser embutida ou não.
Corpo de prova embutido
• O embutimento é de grande importância
para o ensaio metalograficos, pois alem
de facilitar o manuseio de peças
pequenas, evita que amostras com
arestas rasguem a lixa ou o pano de
polimento; bem como o abaulamento
durante o polimento. Existem dois tipos
de embutimento o embutimento a frio
e o embutimento a quente.
Corpo de prova embutido a
quente
• No embutimento a quente, a amostra a
ser analisada é colocada em uma prensa
de embutimento com uma resina, sendo
que o mais comumente utilizado é a
baquelite; de baixo custo e dureza
relativamente alta.
Corpo de prova não embutido
• É o corpo de prova cujas dimensões da
superfície a analisar são suficientemente
grandes a ponto de não ser necessário o
embutimento.
Corte
• Às vezes é necessário particionar o
corpo de prova para obterem-se
amostras que servirão para análise
metalográfica. Operações mecânicas
como torneamento aplainamento e
outras, impõem severas alterações
microestruturais devido ao trabalho
mecânico a frio.
Corte
• O corte abrasivo oferece a melhor
solução para este seccionamento, pois
elimina por completo o trabalho
mecânico a frio, resultando em
superfícies planas com baixa rugosidade,
de modo rápido e seguro.
• O equipamento utilizado para o corte
conhecido como policorte, com discos
abrasivos intensamente refrigerados.
Embutimento
• A montagem da amostra é realizada
para facilitar o manuseio de peças
pequenas. O embutimento consiste em
circundar a amostra com um material
adequado, formando um corpo único. O
embutimento pode ser a frio e a quente,
dependendo das circunstâncias e da
amostra a ser embutida.
Embutimento a frio
• A frio, quando se usam resinas
sintéticas de polimerização rápida.
• Este embutimento é feito com resinas
auto-polimerizáveis, as quais consistem
geralmente de duas substâncias
formando um líquido viscoso quando
misturadas.
Embutimento a frio
• Esta mistura é vertida dentro de um molde
plástico onde se encontra a amostra,
polemizando-se após certo tempo. A
reação de polimerização, a despeito do
nome que é a operação de embutimento
a frio tem, é fortemente exotérmica,
atingindo temperaturas entre 50 e 120°
C, comum tempo de endurecimento
que varia de 0,2 a 24 h, dependendo do
tipo de resina empregada e do
Embutimento a quente
• Quando a amostra é embutida em
materiais termoplásticos por meio de
prensas, utilizando-se pressão e
aquecimento para efetuar a
polimerização.
• O método consiste em colocar o corpo de
prova com a face que se quer analisar em
contato com o êmbolo inferior da
máquina de embutimento.
Lixamento
• Operação que tem por objetivo eliminar
riscos e marcas mais profundas da
superfície dando um acabamento a
esta superfície, preparando-a para o
polimento.
• Existem dois processos de lixamento:
manual (úmido ou seco) e automático.
Lixamento
• A técnica de lixamento manual
consiste em se lixar a amostra
sucessivamente com lixas de
granulometria cada vez menor,
mudando-se de direção (90°) em cada
lixa subsequente até desaparecerem os
traços da lixa anterior.
Lixamento
• A sequencia mais adequada de lixas para
o trabalho metalográfico com aços é 100,
220, 320, 400, 600 e 1200.
• Para se conseguir um lixamento eficaz é
necessário o uso adequado da técnica de
lixamento.
Lixa
• Geralmente, para os trabalhos
metalográficos as lixas utilizadas têm
como grão abrasivo o óxido de
alumínio, em casos especiais, são
utilizados o diamante e o carbeto de boro.
• A granulometria é relatada em números.
Portanto, o número de grãos abrasivos é
definido pela quantidade de grãos mais
grossos que passam na malha de uma
peneira na área de uma polegada.
Lixa
Polimento
• Operação pós lixamento que visa um
acabamento superficial polido isento de
marcas, utiliza para este fim pasta de
diamante ou alumina.
• Antes de realizar o polimento deve-se
fazer uma limpeza na superfície da
amostra, de modo a deixá-la isentam de
traços abrasivos, solventes, poeiras e
outros.
Polimento mecânico
• É quando o mesmo é realizado através de
uma Politriz.
• Pode ser manual, quando a amostra é
trabalhada manualmente no disco de
polimento e automática quando as
amostras são lixadas em dispositivos
especiais e polidas sob a ação de cargas
variáveis.
Polimento mecânico
• O agente polidor mais utilizado para o
polimento mecânico é o diamante, devido
as suas características de granulometria,
dureza, forma dos grãos e poder de
desbaste.
Limpeza e secagem
• Antes de a amostra sofrer o ataque, a
mesma deve estar perfeitamente limpa e
seca, por isso utilizam-se líquidos de
baixo ponto de ebulição como o
álcool, éter, etc., os quais são
posteriormente secados rapidamente
através de um jato de ar quente fornecido
por uma ventoinha elétrica ou secador.
Limpeza e secagem
• Uma amostra lixada e polida está
pronta para o exame macro ou
microscópico desde que os seus
elementos estruturais possam ser
distinguidos uns dos outros.
• Ao incidir a luz sobre a superfície
metálica polida faz-se necessário um
contraste para distinguirem-se os
detalhes de sua estrutura. Tal
contraste é obtido por meio do ataque.
Ataque óptico
• O contraste é conseguido variando-se
apenas o sistema de iluminação
empregado. Os principais métodos são:
• iluminação campo escuro – largamente
empregado para observação de fendas,
poros, riscos, e inclusões.
• luz polarizada - indica para observação de
cristais isotrópicos (sistema cúbico) e
anisotrópicos (sistema hexagonal).
Métodos de ataque com modifi-
cação da superfície preparada
• Eletrolítico ou anódino – um ataque
seletivo para certos tipos de fases do
corpo de prova, colocado como ânodo
(perda de elétrons) em um determinado
eletrólito.
• Potenciostático – um ataque anódino,
onde a diferença de potencial é ajustada
para que certas fases da amostra sejam
evidenciadas de maneira bem definida.
Métodos de ataque com modifi-
cação da superfície preparada
• Físico – baseado na remoção de átomos
através da aplicação de energia suficiente
para separá-los da rede atômica. A energia
pode ser fornecida através de calor
(térmico) ou de elevada d.d.p (catódico).
• Térmico (gasoso) – a amostra é aquecida
sob vácuo para permitir rápida evaporação
dos elementos estruturais energizados.
Métodos de ataque com modifi-
cação da superfície preparada
• Ataque químico – a superfície sofre uma
série de transformações eletroquímicas
baseadas no processo de óxido-
redução, cujo aumento do contraste se
deve ás d.d.p. eletroquímico. São
formadas células locais onde os
constituintes quimicamente pobres atuam
como um ânodo, reagindo com o meio de
ataque de maneira mais intensa que os
mais nobres.
Métodos de ataque com modifi-
cação da superfície preparada
• Ataque por imersão
• Ataque por gotejamento
• Ataque por lavagem
• Ataque alternativo por imersão
• Ataque por esfregação
Reativos
Reativos
Reativos
Exemplos de Macrografia
• O trilho rompeu em serviço. Nota-se nitidamente, nesta seção como
a fratura acompanhou o contorno da zona segregada. Ataque: iodo.
Tamanho natural.
Exemplos de Macrografia
• Elo de corrente. Seção longitudinal. Ataque: iodo. 1,5 X.
Exemplos de Macrografia
• Solda oxiacetilênica de duas barras laminadas de aço doce.
Ataque: iodo. Tamanho natural.
Exemplos de Micrografia
• Aço hipereutetóide. Ataque: picrato de sódio. 200 X
Exemplos de Micrografia
• Ataque:picrato de sódio. 730 X.
Exemplos de Micrografia
• Aço com cerca de 0,5% de carbono esfriado lentamente.
Ataque: nítrico. 160 X.
Exemplos de Micrografia
• Aspecto com maior aumento da área delimitada na figura
anterior. Ataque: nítrico. 800 X
Exemplos de Micrografia
• 0,1% de C – ferrita + perlita
Exemplos de Micrografia
• 0,4% de C – ferrita + perlita
Exemplos de Micrografia
• 0,8% de C - perlita
Exemplos de Micrografia
• 1,3% de C – perlita + cementita
Metalografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 13 ferros fundidos nodulares
Aula 13   ferros fundidos nodularesAula 13   ferros fundidos nodulares
Aula 13 ferros fundidos nodulares
Ronald Vasconcelos
 
Ferros Fundidos
Ferros FundidosFerros Fundidos
Ferros Fundidos
guesta4c93c
 
Conformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - ForjamentoConformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - Forjamento
Gabriel Sana
 
Processo de obtenção de aço e ferro fundido
Processo de obtenção de aço e ferro fundidoProcesso de obtenção de aço e ferro fundido
Processo de obtenção de aço e ferro fundido
Juan Carlos Garcia Urrutia
 
Solidificação de metais
Solidificação de metaisSolidificação de metais
Solidificação de metais
fvnunes
 
5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono
Thulio Cesar
 
Tecnologia dos Materiais 3
Tecnologia dos Materiais 3Tecnologia dos Materiais 3
Tecnologia dos Materiais 3
Luciano Santos
 
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdfAula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
HelosaVictorino
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
elizethalves
 
Diagrama de ferro carbono
Diagrama de ferro carbonoDiagrama de ferro carbono
Diagrama de ferro carbono
LukasSeize
 
Grupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimentoGrupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimento
emc5714
 
07 materiais ferro fundido
07 materiais ferro fundido07 materiais ferro fundido
07 materiais ferro fundido
DougPabiton
 
Tratamentos térmicos
Tratamentos térmicosTratamentos térmicos
Tratamentos térmicos
Hertz Oliveira
 
Aula 10 ensaio de dureza
Aula 10   ensaio de durezaAula 10   ensaio de dureza
Aula 10 ensaio de dureza
Ronald Vasconcelos
 
Aula 07 fusão e vazamento
Aula 07   fusão e vazamentoAula 07   fusão e vazamento
Aula 07 fusão e vazamento
Ronald Vasconcelos
 
Materiais metalicos
Materiais metalicosMateriais metalicos
Materiais metalicos
Gino Andrade
 
Solda aula 3- processos
Solda   aula 3- processosSolda   aula 3- processos
Solda aula 3- processos
Roberto Villardo
 
Corrosão
CorrosãoCorrosão
Aços O que é?
Aços O que é?Aços O que é?
Aços O que é?
KLELTON BENETÃO
 
Metais propriedades mecânicas
Metais   propriedades mecânicasMetais   propriedades mecânicas
Metais propriedades mecânicas
damartini
 

Mais procurados (20)

Aula 13 ferros fundidos nodulares
Aula 13   ferros fundidos nodularesAula 13   ferros fundidos nodulares
Aula 13 ferros fundidos nodulares
 
Ferros Fundidos
Ferros FundidosFerros Fundidos
Ferros Fundidos
 
Conformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - ForjamentoConformação mecânica - Forjamento
Conformação mecânica - Forjamento
 
Processo de obtenção de aço e ferro fundido
Processo de obtenção de aço e ferro fundidoProcesso de obtenção de aço e ferro fundido
Processo de obtenção de aço e ferro fundido
 
Solidificação de metais
Solidificação de metaisSolidificação de metais
Solidificação de metais
 
5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono
 
Tecnologia dos Materiais 3
Tecnologia dos Materiais 3Tecnologia dos Materiais 3
Tecnologia dos Materiais 3
 
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdfAula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Diagrama de ferro carbono
Diagrama de ferro carbonoDiagrama de ferro carbono
Diagrama de ferro carbono
 
Grupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimentoGrupo encruamento e recozimento
Grupo encruamento e recozimento
 
07 materiais ferro fundido
07 materiais ferro fundido07 materiais ferro fundido
07 materiais ferro fundido
 
Tratamentos térmicos
Tratamentos térmicosTratamentos térmicos
Tratamentos térmicos
 
Aula 10 ensaio de dureza
Aula 10   ensaio de durezaAula 10   ensaio de dureza
Aula 10 ensaio de dureza
 
Aula 07 fusão e vazamento
Aula 07   fusão e vazamentoAula 07   fusão e vazamento
Aula 07 fusão e vazamento
 
Materiais metalicos
Materiais metalicosMateriais metalicos
Materiais metalicos
 
Solda aula 3- processos
Solda   aula 3- processosSolda   aula 3- processos
Solda aula 3- processos
 
Corrosão
CorrosãoCorrosão
Corrosão
 
Aços O que é?
Aços O que é?Aços O que é?
Aços O que é?
 
Metais propriedades mecânicas
Metais   propriedades mecânicasMetais   propriedades mecânicas
Metais propriedades mecânicas
 

Semelhante a Metalografia

- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais - Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
Giullyanno Felisberto
 
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
trabalhocasa3
 
Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13
restinho
 
Ferro acoconceitos
Ferro acoconceitosFerro acoconceitos
Ferro acoconceitos
Robert Ximenes
 
Aulas 01 a 03
Aulas 01 a  03Aulas 01 a  03
Aulas 01 a 03
MiltonQuintinoRios
 
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
davi almeida
 
Estrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metaisEstrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metais
José Geraldo Vicente da Silva
 
Cien mat aula3
Cien mat aula3Cien mat aula3
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
Guilherme Cuzzuol
 
Fundiã§ã£o conceitos bã¡sicos
Fundiã§ã£o conceitos bã¡sicosFundiã§ã£o conceitos bã¡sicos
Fundiã§ã£o conceitos bã¡sicos
aufr
 
Esab apostila metalurgia_da_soldagem
Esab apostila metalurgia_da_soldagemEsab apostila metalurgia_da_soldagem
Esab apostila metalurgia_da_soldagem
Márcio Leite
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinas
elizethalves
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
Leandro Barbosa
 
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalicDesenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Jho05
 
Aula5 materiais
Aula5 materiaisAula5 materiais
Aula5 materiais
Tiago Cruz
 
Aula+2_MM_Aços+para+Construção+Mecânica.ppt
Aula+2_MM_Aços+para+Construção+Mecânica.pptAula+2_MM_Aços+para+Construção+Mecânica.ppt
Aula+2_MM_Aços+para+Construção+Mecânica.ppt
Oswaldo Gonzales
 
Apostila metalurgiasoldagem - Senai
 Apostila metalurgiasoldagem - Senai Apostila metalurgiasoldagem - Senai
Apostila metalurgiasoldagem - Senai
Thrunks
 
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
Edimilson de Jesus Lana
 
Apostila - Metalurgia da Soldagem
Apostila - Metalurgia da SoldagemApostila - Metalurgia da Soldagem
Apostila - Metalurgia da Soldagem
Rubens Vilela
 
Metalurgia da Soldagem
Metalurgia da SoldagemMetalurgia da Soldagem
Metalurgia da Soldagem
Gringo73
 

Semelhante a Metalografia (20)

- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais - Propriedades - Ligas metálicas - Metais
- Propriedades - Ligas metálicas - Metais
 
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
8 Estruturas Cristalinas Cerâmicas v28.5.2015.pptx
 
Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13
 
Ferro acoconceitos
Ferro acoconceitosFerro acoconceitos
Ferro acoconceitos
 
Aulas 01 a 03
Aulas 01 a  03Aulas 01 a  03
Aulas 01 a 03
 
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
A ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS.pdf.
 
Estrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metaisEstrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metais
 
Cien mat aula3
Cien mat aula3Cien mat aula3
Cien mat aula3
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
 
Fundiã§ã£o conceitos bã¡sicos
Fundiã§ã£o conceitos bã¡sicosFundiã§ã£o conceitos bã¡sicos
Fundiã§ã£o conceitos bã¡sicos
 
Esab apostila metalurgia_da_soldagem
Esab apostila metalurgia_da_soldagemEsab apostila metalurgia_da_soldagem
Esab apostila metalurgia_da_soldagem
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinas
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
 
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalicDesenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
 
Aula5 materiais
Aula5 materiaisAula5 materiais
Aula5 materiais
 
Aula+2_MM_Aços+para+Construção+Mecânica.ppt
Aula+2_MM_Aços+para+Construção+Mecânica.pptAula+2_MM_Aços+para+Construção+Mecânica.ppt
Aula+2_MM_Aços+para+Construção+Mecânica.ppt
 
Apostila metalurgiasoldagem - Senai
 Apostila metalurgiasoldagem - Senai Apostila metalurgiasoldagem - Senai
Apostila metalurgiasoldagem - Senai
 
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
1901102rev0 apostila metalurgiasoldagem
 
Apostila - Metalurgia da Soldagem
Apostila - Metalurgia da SoldagemApostila - Metalurgia da Soldagem
Apostila - Metalurgia da Soldagem
 
Metalurgia da Soldagem
Metalurgia da SoldagemMetalurgia da Soldagem
Metalurgia da Soldagem
 

Metalografia

  • 3. ESTRUTURA CRISTALINA • O aço compõe-se de átomos arranjados ordenadamente, formando o que se chama de estrutura cristalina. • Ao conjunto de átomos que ocupam posições fixas e formam uma estrutura dá se o nome de célula unitária.
  • 5. ESTRUTURA CRISTALINA • As células unitárias organizam-se em três dimensões, apresentando um contorno de agregado de cristais irregulares. • Um conjunto de células unitárias forma o cristal com contorno geométrico, o qual adquire contornos irregulares pelo seu crescimento passa a chamar se de grão.
  • 6. ESTRUTURA CRISTALINA • Cada grão é constituído por milhares de células unitárias que são grupos de átomos que se dispõe em posições fixas que dão origem aos reticulados.
  • 7. ESTRUTURA CRISTALINA • Existem 7 sistemas cristalinos: Triclínico, monoclínico, ortorômbico, Hexagonal, trigonal, tetragonal e cúbico. • De acordo com a disposição dos átomos, desses originam se desse sistema 14 disposições dos átomos formando os reticulados.
  • 10. ESTRUTURA CRISTALINA • Os principais reticulados cristalinos, segundo os quais cerca de dois terços dos metais se cristalizam: • Cúbico de Corpo Centrado (CCC): os átomos se dispõe nos vértices e um no centro de um cubo. Os metais que se cristalizam nessa forma são: ferro na temperatura ambiente (forma alotrópica alfa), cromo, lítio, molibdênio, tântalo, tungstênio entre outros.
  • 12. ESTRUTURA CRISTALINA • Cúbico de Face Centrada (CFC): os átomos se dispõe nos vértices e nos centros das faces dos cubos. É o caso do ferro acima de 912°C (forma alotrópica gama), alumínio, cobre, chumbo, etc.
  • 13. ESTRUTURA CRISTALINA • Hexagonal Compacta (HC): apresenta doze átomos nos vértices de um prisma de base hexagonal, dois átomos nos centros das bases e três no seu interior. Ex.: zinco e titânio.
  • 14. CONSTITUINTES DO AÇO • Duas amostras de aço ao carbono • Mesmo tipo de tratamento térmico • Uma com baixo teor de carbono (0,1%) • Outra com teor médio de carbono (0,5%),
  • 15. CONSTITUINTES DO AÇO • Ao observar a amostra de baixo carbono distinguem-se em maior quantidade grãos claros, com pouco carbono, e alguns grãos escuros com bastante carbono.
  • 16. CONSTITUINTES DO AÇO • Na amostra de médio carbono identificam- se mais grãos escuros do que claros. Portanto, ela contém mais carbono.
  • 17. CONSTITUINTES DO AÇO • Identificam-se dois constituintes da estrutura do aço: grãos claros, chamados ferrita, e grãos escuros, chamados perlita. • A ferrita apresenta uma estrutura (CCC). Os átomos que compõem essa estrutura organizam-se bem juntos entre si, de modo que fica difícil a acomodação de átomos de carbono na rede cristalina.
  • 18. CONSTITUINTES DO AÇO • A estrutura de ferrita consegue acomodar, no máximo, 0,025% de átomos de carbono a 723°C.
  • 19. CONSTITUINTES DO AÇO • Ao ampliar várias vezes o tamanho do grão escuro, vê-se uma sequencia de linhas ou lâminas claras e escuras. As lâminas claras chamam-se ferrita, e as escuras recebem o nome de cementita.
  • 21. CONSTITUINTES DO AÇO • A cementita constitui-se de 12 átomos de ferro e 4 átomos de carbono. É, portanto, um carboneto de ferro com dureza elevada e é um dos responsáveis pela dureza do aço. É representada por Fe3C. • A perlita é formada de lâminas alternadas com 88% de ferrita e 12% de cementita.
  • 23. DIAGRAMA Fe-C ALOTROPIA DO FERRO PURO • A alotropia é a propriedade que certos metais apresentam de possuírem reticulados cristalinos diferentes, conforme a temperatura. • Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferro alfa (α).
  • 24. DIAGRAMA Fe-C • A partir de 912°C a estrutura CCC sofre uma transformação alotrópica para a estrutura (CFC), denominada ferro gama (γ) ou austenita. • Na temperatura de 1394°C ocorre uma nova transformação alotrópica na qual a estrutura CFC da austenita transforma-se novamente em CCC, denominada ferro delta (δ).
  • 25. DIAGRAMA Fe-C • O ferro delta (δ) CCC é estável até a temperatura de 1538°C, que é a temperatura de fusão do Fe puro. • Acima de 1538°C a estrutura cristalina CCC da ferrita δ torna-se amorfa, sem ordenação cristalina, caracterizando o estado líquido. • O ferro líquido (L) é estável até a temperatura de 2880°C, temperatura na qual este passa para fase vapor.
  • 26. DIAGRAMA Fe-C Existem dois tipos de diagramas Fe-C: • o diagrama Fe-C estável, que mostra o equilíbrio entre o Fe e a grafita, • e o diagrama Fe-Fe3C, metaestável, que apresenta o equilíbrio entre o ferro e a cementita (Fe3C).
  • 30. Aços • Aço eutetóide tem o teor de carbono de 0,77%. (Esta é composição particular encontrada no diagrama de ferro-carbono em que existe a transformação de austenita para ferrita e cementita). • Aço hipoeutetóide com teor de C entre 0 a 0,77% . • Aço hipereutetóide com o teor de C entre 0,77% a 2,11%.
  • 31. Ferros Fundidos • Ferro fundido eutético – quando o teor de carbono corresponde ao ponto eutético ou seja 4,30 % de C. • Ferro fundido hipoeutético – quando o teor de carbono esta entre 2,11% a 4,30%. • Ferro fundido hipereutético – quando o teor de carbono esta acima de 4,30%.
  • 32. RESFRIAMENTO LENTO DOS AÇOS HIPOEUTETÓIDES
  • 33. RESFRIAMENTO LENTO DE UM AÇO EUTETÓIDE
  • 34. RESFRIAMENTO LENTO DOS AÇOS HIPEREUTETÓIDES
  • 35. PROPRIEDADES DAS FASES E CONSTITU- INTES PRESENTES EM AÇOS AO CARBONO • Austenita (do nome do metalurgista inglês Robert Austen) - Consiste em uma solução sólida intersticial de C (com até 2,11%) no ferro CFC. Em aços ao carbono e aços baixa liga só é estável acima de 727°C. Apresenta resistência mecânica em torno de 150 MPa e elevada ductilidade e tenacidade. A austenita não é magnética.
  • 36. PROPRIEDADES DAS FASES E CONSTITU- INTES PRESENTES EM AÇOS AO CARBONO • Ferrita (do latim "ferrum")- Consiste em uma solução sólida intersticial de C (com até 0,022%) no ferro CCC. A ferrita é magnética e apresenta baixa resistência mecânica, cerca de 300 MPa, excelente tenacidade e elevada ductilidade.
  • 37. PROPRIEDADES DAS FASES E CONSTITU- INTES PRESENTES EM AÇOS AO CARBONO • Cementita (do latim "caementum")- Denominação do carboneto de ferro Fe3C contendo 6,7% de C e estrutura cristalina ortorrômbica. Apresenta elevada dureza, baixa resistência, baixa ductilidade e baixa tenacidade.
  • 38. PROPRIEDADES DAS FASES E CONSTITU- INTES PRESENTES EM AÇOS AO CARBONO • A perlita é mistura mecânica das fases ferrita (88% em peso) e cementita (12% em peso) formada pelo crescimento cooperativo destas fases. Apresenta propriedades intermediárias entre a ferrita e a cementita dependendo do tamanho e espaçamento das lamelas de cementita.
  • 39. METALOGRAFIA • A Metalografia consiste do estudo dos constituintes e das estruturas dos metais e suas ligas. A apropriada preparação de amostras para análise metalográfica, para a caracterização dos materiais metálicos requer que um rígido procedimento seja seguido.
  • 40. MACROGRAFIA • O exame macrográfico verifica o aspecto de uma superfície após devidamente polida e atacada por um reagente adequado. Por seu intermédio tem-se uma ideia do conjunto, referente à homogeneidade do material, a distribuição e natureza das falhas, impureza e ao processo de fabricação.
  • 41. MACROGRAFIA • A analise é feita a olho nu,com lupa ou com utilização de microscópios estéreos que favorecem a profundidade de foco e dão, portanto, visão tridimensional da área observada com aumentos que podem variar de 5x a 64X. Em geral as observações são feitas até 10X.
  • 42. MICROGRAFIA • Consiste no estudo dos produtos metalúrgicos, com o auxílio do microscópio, onde se pode observar e identificar algumas características dos metais como a granulação do material, a natureza, a forma, a quantidade, e a distribuição dos diversos constituintes ou de certas inclusões. O microscópio ótico é suficiente na maioria das vezes para observação de propósito geral.
  • 43. Corpo de prova • Parte do material ou produto com forma e dimensões especifica da superfície a ser analisada podendo está ser embutida ou não.
  • 44. Corpo de prova embutido • O embutimento é de grande importância para o ensaio metalograficos, pois alem de facilitar o manuseio de peças pequenas, evita que amostras com arestas rasguem a lixa ou o pano de polimento; bem como o abaulamento durante o polimento. Existem dois tipos de embutimento o embutimento a frio e o embutimento a quente.
  • 45. Corpo de prova embutido a quente • No embutimento a quente, a amostra a ser analisada é colocada em uma prensa de embutimento com uma resina, sendo que o mais comumente utilizado é a baquelite; de baixo custo e dureza relativamente alta.
  • 46. Corpo de prova não embutido • É o corpo de prova cujas dimensões da superfície a analisar são suficientemente grandes a ponto de não ser necessário o embutimento.
  • 47. Corte • Às vezes é necessário particionar o corpo de prova para obterem-se amostras que servirão para análise metalográfica. Operações mecânicas como torneamento aplainamento e outras, impõem severas alterações microestruturais devido ao trabalho mecânico a frio.
  • 48. Corte • O corte abrasivo oferece a melhor solução para este seccionamento, pois elimina por completo o trabalho mecânico a frio, resultando em superfícies planas com baixa rugosidade, de modo rápido e seguro. • O equipamento utilizado para o corte conhecido como policorte, com discos abrasivos intensamente refrigerados.
  • 49. Embutimento • A montagem da amostra é realizada para facilitar o manuseio de peças pequenas. O embutimento consiste em circundar a amostra com um material adequado, formando um corpo único. O embutimento pode ser a frio e a quente, dependendo das circunstâncias e da amostra a ser embutida.
  • 50. Embutimento a frio • A frio, quando se usam resinas sintéticas de polimerização rápida. • Este embutimento é feito com resinas auto-polimerizáveis, as quais consistem geralmente de duas substâncias formando um líquido viscoso quando misturadas.
  • 51. Embutimento a frio • Esta mistura é vertida dentro de um molde plástico onde se encontra a amostra, polemizando-se após certo tempo. A reação de polimerização, a despeito do nome que é a operação de embutimento a frio tem, é fortemente exotérmica, atingindo temperaturas entre 50 e 120° C, comum tempo de endurecimento que varia de 0,2 a 24 h, dependendo do tipo de resina empregada e do
  • 52. Embutimento a quente • Quando a amostra é embutida em materiais termoplásticos por meio de prensas, utilizando-se pressão e aquecimento para efetuar a polimerização. • O método consiste em colocar o corpo de prova com a face que se quer analisar em contato com o êmbolo inferior da máquina de embutimento.
  • 53. Lixamento • Operação que tem por objetivo eliminar riscos e marcas mais profundas da superfície dando um acabamento a esta superfície, preparando-a para o polimento. • Existem dois processos de lixamento: manual (úmido ou seco) e automático.
  • 54. Lixamento • A técnica de lixamento manual consiste em se lixar a amostra sucessivamente com lixas de granulometria cada vez menor, mudando-se de direção (90°) em cada lixa subsequente até desaparecerem os traços da lixa anterior.
  • 55. Lixamento • A sequencia mais adequada de lixas para o trabalho metalográfico com aços é 100, 220, 320, 400, 600 e 1200. • Para se conseguir um lixamento eficaz é necessário o uso adequado da técnica de lixamento.
  • 56. Lixa • Geralmente, para os trabalhos metalográficos as lixas utilizadas têm como grão abrasivo o óxido de alumínio, em casos especiais, são utilizados o diamante e o carbeto de boro. • A granulometria é relatada em números. Portanto, o número de grãos abrasivos é definido pela quantidade de grãos mais grossos que passam na malha de uma peneira na área de uma polegada.
  • 57. Lixa
  • 58. Polimento • Operação pós lixamento que visa um acabamento superficial polido isento de marcas, utiliza para este fim pasta de diamante ou alumina. • Antes de realizar o polimento deve-se fazer uma limpeza na superfície da amostra, de modo a deixá-la isentam de traços abrasivos, solventes, poeiras e outros.
  • 59. Polimento mecânico • É quando o mesmo é realizado através de uma Politriz. • Pode ser manual, quando a amostra é trabalhada manualmente no disco de polimento e automática quando as amostras são lixadas em dispositivos especiais e polidas sob a ação de cargas variáveis.
  • 60. Polimento mecânico • O agente polidor mais utilizado para o polimento mecânico é o diamante, devido as suas características de granulometria, dureza, forma dos grãos e poder de desbaste.
  • 61. Limpeza e secagem • Antes de a amostra sofrer o ataque, a mesma deve estar perfeitamente limpa e seca, por isso utilizam-se líquidos de baixo ponto de ebulição como o álcool, éter, etc., os quais são posteriormente secados rapidamente através de um jato de ar quente fornecido por uma ventoinha elétrica ou secador.
  • 62. Limpeza e secagem • Uma amostra lixada e polida está pronta para o exame macro ou microscópico desde que os seus elementos estruturais possam ser distinguidos uns dos outros. • Ao incidir a luz sobre a superfície metálica polida faz-se necessário um contraste para distinguirem-se os detalhes de sua estrutura. Tal contraste é obtido por meio do ataque.
  • 63. Ataque óptico • O contraste é conseguido variando-se apenas o sistema de iluminação empregado. Os principais métodos são: • iluminação campo escuro – largamente empregado para observação de fendas, poros, riscos, e inclusões. • luz polarizada - indica para observação de cristais isotrópicos (sistema cúbico) e anisotrópicos (sistema hexagonal).
  • 64. Métodos de ataque com modifi- cação da superfície preparada • Eletrolítico ou anódino – um ataque seletivo para certos tipos de fases do corpo de prova, colocado como ânodo (perda de elétrons) em um determinado eletrólito. • Potenciostático – um ataque anódino, onde a diferença de potencial é ajustada para que certas fases da amostra sejam evidenciadas de maneira bem definida.
  • 65. Métodos de ataque com modifi- cação da superfície preparada • Físico – baseado na remoção de átomos através da aplicação de energia suficiente para separá-los da rede atômica. A energia pode ser fornecida através de calor (térmico) ou de elevada d.d.p (catódico). • Térmico (gasoso) – a amostra é aquecida sob vácuo para permitir rápida evaporação dos elementos estruturais energizados.
  • 66. Métodos de ataque com modifi- cação da superfície preparada • Ataque químico – a superfície sofre uma série de transformações eletroquímicas baseadas no processo de óxido- redução, cujo aumento do contraste se deve ás d.d.p. eletroquímico. São formadas células locais onde os constituintes quimicamente pobres atuam como um ânodo, reagindo com o meio de ataque de maneira mais intensa que os mais nobres.
  • 67. Métodos de ataque com modifi- cação da superfície preparada • Ataque por imersão • Ataque por gotejamento • Ataque por lavagem • Ataque alternativo por imersão • Ataque por esfregação
  • 71. Exemplos de Macrografia • O trilho rompeu em serviço. Nota-se nitidamente, nesta seção como a fratura acompanhou o contorno da zona segregada. Ataque: iodo. Tamanho natural.
  • 72. Exemplos de Macrografia • Elo de corrente. Seção longitudinal. Ataque: iodo. 1,5 X.
  • 73. Exemplos de Macrografia • Solda oxiacetilênica de duas barras laminadas de aço doce. Ataque: iodo. Tamanho natural.
  • 74. Exemplos de Micrografia • Aço hipereutetóide. Ataque: picrato de sódio. 200 X
  • 75. Exemplos de Micrografia • Ataque:picrato de sódio. 730 X.
  • 76. Exemplos de Micrografia • Aço com cerca de 0,5% de carbono esfriado lentamente. Ataque: nítrico. 160 X.
  • 77. Exemplos de Micrografia • Aspecto com maior aumento da área delimitada na figura anterior. Ataque: nítrico. 800 X
  • 78. Exemplos de Micrografia • 0,1% de C – ferrita + perlita
  • 79. Exemplos de Micrografia • 0,4% de C – ferrita + perlita
  • 80. Exemplos de Micrografia • 0,8% de C - perlita
  • 81. Exemplos de Micrografia • 1,3% de C – perlita + cementita