SlideShare uma empresa Scribd logo
23 DE NOVEMBRO, 2ª FEIRA, 8:20, 1ª AULA
 50 minutos (8:20 / 9:10)
 1º - Aula expositiva / dialógica; (o professor fala sobre a matéria)
 -----------------------------------------------------------------------------------------------
 50 minutos (9:10 / 10:00)
 2º - Os alunos vão pesquisar com a ajuda do telemóvel pessoal,
quadros da fase neoplasticista do pintor Piet Mondrian ou
procuram , quadros, na pasta partilhada com os alunos.
 3º - Escolhem um quadro do pintor e concretizam uma
reprodução da obra escolhida, mas com palete de cores diferente
do original, podendo utilizar cores secundárias, verde, laranja, roxo ou
violeta, também neutros: branco, preto, cinzento e as usuais cores
primárias;
 4º - Numa folha A3 de papel cavalinho, desenham com a ajuda
de lapiseira e régua, a composição escolhida, apresentando
somente as linhas verticais e horizontais. Podem também
utilizar papel vegetal. As linhas devem ter 1 cm de espessura e
algumas 1,5 cm. Podem desenhar uma ou duas estruturas e
escolherem a que mais agradar.
 5º - Pintam a espessura das linhas, com a ajuda de uma caneta
ponta fina preta e de caneta de feltro preta.
9 DE DEZEMBRO, 4ªFEIRA,15:40, 2ª AULA
 100 minutos (15:40 / 17:25)
 Operacionalização da atividade:
 6º - Numa tela desenham, novamente, a estrutura
escolhida de linhas verticais e horizontais e já
concretizada na folha de papel cavalinho ou papel
vegetal;
 7º - Colocam fita adesiva nos limites dos
quadrados e retângulos desenhados na tela;
 8º - Depois pintam com a ajuda de pincéis
espatulados e tinta acrílica os quadrados e
retângulos. Deixam secar;
 9º - De seguida, colocam fitas adesivas nos
limites das linhas verticais e horizontais e
pintam as linhas de preto;
 10º - As bordas da tela são também pintadas no
prolongamento das cores da superfície da tela.
MATERIAL A UTILIZAR
 1 - 1 tela quadrada de 30cm x 30cm ou tela retangular 27
cm x 35 cm, no entanto pode ser outra mais pequena do que
as indicadas;
 2 - 3, 4 copos de plástico ou de vidro, com ou sem
tampa, podem ser copos de iogurte;
 3 - Tintas acrílicas:
- verde, laranja, roxo ou violeta (cores
secundárias)
- magenta, azul, amarelo (cores primárias)
- preto, branco, cinzento (neutros)
 Pode ser qualquer tom mais claro ou mais escuro destas
cores;
 4 - Colocar sabão líquido, dentro de uma embalagem
de vidro pequena, fechada, ou podem cortar um pedaço
de uma barra de sabão azul;
MATERIAL A UTILIZAR
 5 – Serão levados alguns pincéis para a turma, mas podem trabalhar com os
vossos pincéis;
 6 - 1 ou 2 panos, para limparem as mãos e o material de pintura molhado;
 7 - 1 embalagem de fita adesiva, para pintura, (precisam de pintar linhas
verticais e horizontais direitas, com 1 cm de espessura, e algumas com 1,5 cm);
 8 - 1 lapiseira 0,5 ou 0,7;
 9 - 1 borracha;
 10 - 1 lápis B4;
 11 - 1 régua de 50 cm;
 12 - 1 bloco A3 de papel vegetal, mas não de papel vegetal de arquiteto;
podem ser folhas de papel vegetal maiores que o A3 (a folha de papel vegetal
deve ter o tamanho da tela que comprarem);
 13 - 1 bloco A3 de papel cavalinho.
 14 - 1 ou 2 sacos de plástico para colocar panos molhados, na mochila.
 Podem aceder à classroom da turma para mais informações.
PASTA PARTILHADA DE QUADROS
 Link da pasta partilhada com os alunos,
com alguns quadros do pintor Piet
Mondrian:
 https://drive.google.com/drive/folders/1WfhggpYmjE9Q3bbFvlLcfMQytUMU4r-
l?usp=sharing
 Os alunos da turma, foram convidados,
por email, a aceder a esta pasta
partilhada.
 ver email institucional se não conseguir aceder ao link partilhado anterior.
PIET MONDRIAN - PINTOR
NEOPLASTICISMO
 Pieter Cornelis Mondrian é conhecido por Piet
Mondrian
 nasceu a 7 de março, em Amersfoort, em 1872, na
Holanda.
 morreu em 1944, em Nova York (71 anos)
 Criou o Neoplasticismo corrente artística do
Abstracionismo geométrico. 1917 a 1944
 Colaborou com a revista De Stijl, “o estilo”.
NEOPLASTICISMO
 Família
 O seu pai era padre holandês.
 A sua família era extremamente religiosa.
 Piet Mondrian foi influenciado por um tio Frits Mondriaan,
pintor.
 “Na base da pintura de Mondrian esteve sempre uma utopia
de fundo religioso. Ele era entusiasta da Teosofia - doutrina
esotérica criada pela russa Madame Blavatsky. Como fruto da
filosofia humanista e espiritual sincrética extraiu a noção de
que por baixo da matéria, estava uma engrenagem básica que
constituiria a essência do mundo, daí a simplicidade na sua
pintura, de linhas horizontais, verticais e das cores puras”.
 https://www.ebiografia.com/piet_mondrian/
 Vida e Obra
 Piet começou por ser professor entre 1892 e 1897 na Academia
de Belas Artes de Amesterdão.
NEOPLASTICISMO
 De início foi influenciado pelo naturalismo.
Windmill-in-the-GEIN 1906-07
 https://www.wikiart.org/en/piet-mondrian/windmill-in-the-gein-1907
NEOPLASTICISMO
 Foi também influenciado pelo impressionismo.
 Este movimento artístico deriva do nome do
quadro do pintor Claude Monet, Impressão:
nascer do sol 1872
NEOPLASTICISMO
 Pós impressionismo The Windmill in Sunlight,
1908 https://www.piet-mondrian.org/the-windmill-in-sunlight.jsp#prettyPhoto
 O tema do moinho de vento, que ocupa um lugar tão
importante na obra de Mondrian, levou-o em 1908 a criar
uma de suas obras-primas no novo estilo luminista.
 Algumas pessoas tendem a discernir a influência de Van
Gogh em Mondrian no Moinho de Vento à Luz do Sol.
NEOPLASTICISMO
 Pós impressionismo Avond (Evening): The
Red Tree 1908-10 , Museu Municipal de Haia
 https://www.kunstmuseum.nl/nl/bezoek/activiteiten/gratis-lezingen-op-zondag-11-juni
 Neste período de tempo, começou a pintar num estilo mais
abstrato. Ao longo dos anos, objetos e paisagens foram-se
decompondo em traços básicos. Para Mondrian o mínimo
era o máximo. “Na natureza, a superfície das coisas é bela,
mas a sua imitação é sem vida”, dizia ele.
NEOPLASTICISMO
 Piet Mondrian enquadra-se no pós-
impressionismo (período que vai desde a última
exposição impressionista em 1886 até1910.
 Em 1911 tudo mudou na pintura de Piet
Mondrian após ter visitado uma exposição em
Amsterdão sobre o Cubismo (movimento criado
pelo pintor Pablo Picasso e por Georges Braque).
 Foi influenciado pelo cubismo de 1917 a 1944
período em que desenvolveu a obra abstrata,
neoplasticista.
NEOPLASTICISMO
 CARACTERÍSTICAS DA OBRA NEOPLASTICISTA
 - as estruturas dos quadros são definidas por linhas
pretas ortogonais (horizontais e verticais);
 - não usa diagonais porque a linha diagonal induziria
à perceção da profundidade; de 1920 a 1940 as linhas
curvas e diagonais desaparecem dos seus quadros
 - as linhas definem espaços, quadrados e retângulos;
 - os quadrados e retângulos com espessura, poderiam
ser ou não preenchidos com uma cor primária:
amarelo, azul ou vermelho mas também pretos e
brancos (inexistentes em estado puro na natureza) e
cinzento; as cores primárias são influência das escolas
Bahaus e de Ulm, escolas de arte e design, Alemanha.
 - a pintura era geométrica e abstrata, sem
profundidade , contrariando a visão concreta do
mundo.
NEOPLASTICISMO
 Exposição interativa Piet Mondrian MoMA
NY https://www.moma.org/calendar/exhibitions/470/installation_images/29661#
https://www.moma.org/collection/works/4044
 Composition in blue, red and yellow-1921
NEOPLASTICISMO
 Composition-in-Black-and-White-with-
Double-Lines 1934
NEOPLASTICISMO
 Numa fase posterior neoplasticista, Piet Mondrian
liberta-se de alguma regras que ele próprio impôs à
sua pintura e criou obras como o quadro New York
City 3 1941 The Thyssen Bornemisza Collections
 Em 1940 durante a 2ª Guerra Mundial Piet Mondrian
muda-se para NY
NEOPLASTICISMO
 As composições integram ritmo, após a sua
descoberta do jazz. Acentua a cor nos seus
quadros Broadway Boogie-Woogie 1942
MoMA NY
NEOPLASTICISMO
 A sua obra neoplasticista foi copiada pela
arquitetura, escultura, design, moda e
publicidade. Red and blue chair by the
architect Gerrit Rietvelds 1918 MoMA NY
 https://www.behance.net/gallery/1112205/Red-and-Blue-Chair
 https://www.moma.org/collection/works/4044
NEOPLASTICISMO
 Em 1916 Piet Mondrian contacta com o pintor
Theo Van Doesburg o qual apresenta a Mondrian
o seu projeto gráfico a revista (períódico
mensal) De Stijl, Letterklankbeelden, cidade
de Leyden, Holanda
 O pintor Piet Mondrian segue este movimento
artístico holandês De Stijl criado em 1917
 Do movimento De Stijl faziam parte Teo Van
Doesburg – artista plástico, designer gráfico,
escritor, teórico e crítico de arte, poeta e
arquiteto, Piet Mondrian, pintor, Antony Kok
poeta, Robert Van ´t Hoff, arquiteto, Gerrit
Rietveld, arquiteto e designer, G.
Vantongerloo,escultor, entre outros.
NEOPLASTICISMO
 A revista De Stijl, Letterklankbeelden
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4d/Destijl_anthologiebonset.jpg
NEOPLASTICISMO
 Muitos dos ideais do neoplasticismo foram
apresentados na revista De Stijl, que se tornou
órgão fundamental de difusão do movimento
neoplástico durante mais de dez anos.
 Era também uma associação de artistas que,
ocasionalmente, entravam ou saiam deste grupo.
 Foram publicados manifestos na revista, em
1918, dois manifestos em 1920 e último
manifesto em 1923. De Stijl teve o seu fim em
1928.
NEOPLASTICISMO
 http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm (Tradução)
 Primeiro manifesto - De Stijl (1918)
NEOPLASTICISMO
 http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm
 https://www.readingdesign.org/de-stijl-manifesto
 Primeiro manifesto - De Stijl (1918)
 1. Há dois conhecimentos dos tempos: um antigo e um
novo. O antigo se dirige para o individualismo.
 O novo se dirige ao universal.
 A luta do individual contra o universal se revela tanto
na guerra mundial quanto na arte de nossa época.
 2. A guerra destrói o mundo antigo com o seu
conteúdo: a dominação individual sob todos os pontos
de vista.
 3. A arte nova atualiza o que está contido no novo
conhecimento dos tempos: proporções iguais do
universal e do individual.
 4. O novo conhecimento dos tempos está prestes a se
realizar em tudo, mesmo na vida exterior.
NEOPLASTICISMO
 http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm
 Primeiro manifesto - De Stijl 1918 (cont.)
 5. As tradições, os dogmas e as prerrogativas do
individualismo (o natural) opõem-se a esta
realização.
 6. O objetivo da revista de arte De Stijl é apelar
para todos aqueles que acreditam na reforma da
arte e da cultura para aniquilar tudo o que
impede o desenvolvimento, do mesmo modo que
fizeram no campo da arte nova suprindo a forma
natural que contraria a própria expressão da
arte, a consequência mais alta de cada
conhecimento artístico.
NEOPLASTICISMO
 http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm
 Primeiro manifesto - De Stijl 1918 (cont.)
 7. Os artistas de hoje tomaram parte na guerra mundial no
domínio espiritual, impelidos pelo mesmo conhecimento contra as
prerrogativas do individualismo: o capricho com todos aqueles que
combatem espiritualmente ou materialmente para a formação de
uma unidade internacional na Vida, na Arte e na Cultura.
 8. O órgão De Stijl, fundado com esse fim, despende todos os seus
esforços para tornar clara a nova ideia da vida. A colaboração de
todos é possível pelo: envio do nome, endereço, profissão à nossa
redação, como prova de assentimento; contribuições (críticas,
filosóficas, arquiteturais, científicas, literárias, musicais, etc.,
assim como reproduções fotográficas) para o periódico mensal De
Stijl; tradução em todas as línguas e publicação das ideias
publicadas em De Stijl.
 Assinatura dos colaboradores:
 Theo van Doesburg, pintor/ Robt van´t Hoff, arquiteto/ Vilmos
Huszar, pintor/ Antony Kok, poeta/ Piet Mondrian, pintor/ G.
Vantongerloo, escultor/ Jan Wils, arquiteto.
 http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm
 Quinto manifesto - De Stijl 1923
 Para uma construção coletiva
 I. Trabalhando coletivamente, examinamos a
arquitetura como unidade criada de todas as
artes, indústria técnica, etc., e descobrimos que a
conseqüência disso será um novo estilo.
 II. Examinamos as leis do espaço e suas variações
infinitas (isto é, os contrastes de espaço, as
dissonâncias de espaço, os complementos de
espaço, etc.) ... e descobrimos que todas essas
variações do espaço devem ser governadas como
uma unidade de equilíbrio.
NEOPLASTICISMO
 http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm
 Quinto manifesto - De Stijl 1923 (cont.)
 III. Examinamos as leis da cor no espaço e na duração
e descobrimos que as relações equilibradas desses
elementos dão enfim uma unidade nova e positiva.
 IV. Examinamos a relação entre o espaço e o tempo, e
descobrimos que o aparecimento desses dois
elementos através da cor produz uma nova dimensão.
 V. Examinamos as relações recíprocas da medida, da
proposição, do espaço, do tempo e dos materiais, e
descobrimos o método definitivo de construí-los como
uma unidade.
 VI. Pelo rompimento da caixa fechada (os muros, etc.)
acabamos com a dualidade do interior e do exterior.
 http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm
 Quinto manifesto - De Stijl 1923 (cont.)
 VII. Damos à cor seu verdadeiro lugar na arquitetura e
declaramos que a pintura separada da construção
arquitetural (isto é, o quadro) não tem nenhuma razão de
ser.
 VIII. A época da destruição está totalmente superada. Uma
nova época começa, a da construção.
 Paris 1923 Van Eesteren / Theo van Doesburg / G. Rietveld
 Neste último Manifesto Piet Mondrian já não estava
presente!
NEOPLASTICISMO
 Ver restantes manifestos em:
 http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm
 https://drive.google.com/drive/folders/1WfhggpYmjE9Q3bbFvlLcfMQytUMU4r-l?usp=sharing
 Rhythmus eines russischen Tanzes (Ritmo de
uma dança russa) Theo van Doesburg
Professor António Candeias 2020-2021

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Neoplasticismoslidefinal1
Neoplasticismoslidefinal1Neoplasticismoslidefinal1
Neoplasticismoslidefinal1
Larissa Rs
 
Aula teorica - Design Gráfico Pós-Moderno
Aula teorica - Design Gráfico Pós-ModernoAula teorica - Design Gráfico Pós-Moderno
Aula teorica - Design Gráfico Pós-Moderno
Venise Melo
 
Atividades com pintura artes3 ano 2009
Atividades com pintura artes3 ano 2009Atividades com pintura artes3 ano 2009
Atividades com pintura artes3 ano 2009
beljinaldo
 
Impressionismo e Pontilhismo
Impressionismo e PontilhismoImpressionismo e Pontilhismo
Impressionismo e Pontilhismo
Auriene
 
Aula 07 impressionismo e expressionismo
Aula 07 impressionismo e expressionismoAula 07 impressionismo e expressionismo
Aula 07 impressionismo e expressionismo
Marcio Duarte
 
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
Paula Poiet
 
7 neoplasticismo e bauhaus
7 neoplasticismo e bauhaus7 neoplasticismo e bauhaus
7 neoplasticismo e bauhaus
FBAUL História da arte contemporânea II
 
Impressionismo - cor luz tinta
Impressionismo - cor luz tintaImpressionismo - cor luz tinta
Impressionismo - cor luz tinta
Vitor Pedro
 
Pós modernismo
Pós modernismoPós modernismo
Pós modernismo
Denise Lima
 
Aula 03 pós moderno
Aula 03 pós modernoAula 03 pós moderno
Aula 03 pós moderno
Venise Melo
 
Artes visuais – conceitos de arte
Artes visuais – conceitos de arteArtes visuais – conceitos de arte
Artes visuais – conceitos de arte
EdesonLuizdasNeves
 
Artigo franz weissmann
Artigo franz weissmannArtigo franz weissmann
Artigo franz weissmann
atelieplasticaexposicao
 
Marcel duchamp
Marcel duchampMarcel duchamp
Marcel duchamp
Diogo Magalhães
 
Raizes design
Raizes designRaizes design
Raizes design
Denise Lima
 
De Stijl
De StijlDe Stijl
Pg movimentos artísticos
Pg   movimentos artísticosPg   movimentos artísticos
Pg movimentos artísticos
martojana
 
Marcel duchamp
Marcel duchampMarcel duchamp
Marcel duchamp
Diogo Magalhães
 
Um pouco de arte - parte I
Um pouco de arte - parte IUm pouco de arte - parte I
Um pouco de arte - parte I
renatamruiz
 
Um Pouco De Arte Parte II
Um Pouco De Arte Parte IIUm Pouco De Arte Parte II
Um Pouco De Arte Parte II
renatamruiz
 
Fat(2)
Fat(2)Fat(2)

Mais procurados (20)

Neoplasticismoslidefinal1
Neoplasticismoslidefinal1Neoplasticismoslidefinal1
Neoplasticismoslidefinal1
 
Aula teorica - Design Gráfico Pós-Moderno
Aula teorica - Design Gráfico Pós-ModernoAula teorica - Design Gráfico Pós-Moderno
Aula teorica - Design Gráfico Pós-Moderno
 
Atividades com pintura artes3 ano 2009
Atividades com pintura artes3 ano 2009Atividades com pintura artes3 ano 2009
Atividades com pintura artes3 ano 2009
 
Impressionismo e Pontilhismo
Impressionismo e PontilhismoImpressionismo e Pontilhismo
Impressionismo e Pontilhismo
 
Aula 07 impressionismo e expressionismo
Aula 07 impressionismo e expressionismoAula 07 impressionismo e expressionismo
Aula 07 impressionismo e expressionismo
 
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
 
7 neoplasticismo e bauhaus
7 neoplasticismo e bauhaus7 neoplasticismo e bauhaus
7 neoplasticismo e bauhaus
 
Impressionismo - cor luz tinta
Impressionismo - cor luz tintaImpressionismo - cor luz tinta
Impressionismo - cor luz tinta
 
Pós modernismo
Pós modernismoPós modernismo
Pós modernismo
 
Aula 03 pós moderno
Aula 03 pós modernoAula 03 pós moderno
Aula 03 pós moderno
 
Artes visuais – conceitos de arte
Artes visuais – conceitos de arteArtes visuais – conceitos de arte
Artes visuais – conceitos de arte
 
Artigo franz weissmann
Artigo franz weissmannArtigo franz weissmann
Artigo franz weissmann
 
Marcel duchamp
Marcel duchampMarcel duchamp
Marcel duchamp
 
Raizes design
Raizes designRaizes design
Raizes design
 
De Stijl
De StijlDe Stijl
De Stijl
 
Pg movimentos artísticos
Pg   movimentos artísticosPg   movimentos artísticos
Pg movimentos artísticos
 
Marcel duchamp
Marcel duchampMarcel duchamp
Marcel duchamp
 
Um pouco de arte - parte I
Um pouco de arte - parte IUm pouco de arte - parte I
Um pouco de arte - parte I
 
Um Pouco De Arte Parte II
Um Pouco De Arte Parte IIUm Pouco De Arte Parte II
Um Pouco De Arte Parte II
 
Fat(2)
Fat(2)Fat(2)
Fat(2)
 

Semelhante a 1 powerpoint-qr-code-alunos

Grandes artistas do século xx mondriam
Grandes artistas do século xx mondriamGrandes artistas do século xx mondriam
Grandes artistas do século xx mondriam
Uniasselvi soares
 
Piet Mondrian
Piet MondrianPiet Mondrian
Piet Mondrian
antoniojosetavares
 
Impressionismo 2012
Impressionismo 2012Impressionismo 2012
Impressionismo 2012
Adriana Guimarães Manaro
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Paulo Fonseca
 
O Impressionismo
O ImpressionismoO Impressionismo
O Impressionismo
Cinthya Nascimento
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismo
camilagarciaia
 
9o. Ano - Impressionismo -Claude Monet-
9o. Ano - Impressionismo -Claude Monet-9o. Ano - Impressionismo -Claude Monet-
9o. Ano - Impressionismo -Claude Monet-
ArtesElisa
 
Impressionismo_Características_arte.pptx
Impressionismo_Características_arte.pptxImpressionismo_Características_arte.pptx
Impressionismo_Características_arte.pptx
profaarriel
 
Impressoes Impressionistas
Impressoes ImpressionistasImpressoes Impressionistas
Impressoes Impressionistas
Raquel Mendes
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Arte Educadora
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Jorge Almeida
 
Apresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre ImpressionismoApresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre Impressionismo
C111atiusca
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
annaartes
 
Impressionismo 2013
Impressionismo 2013Impressionismo 2013
Impressionismo 2013
Adriana Guimarães Manaro
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte Contemporânea
Sergio Proença
 
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte ContemporaneaHistória da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
Raphael Lanzillotte
 
Impressionismo e Expressionismo - 3ª A - 2011
Impressionismo e Expressionismo - 3ª A - 2011Impressionismo e Expressionismo - 3ª A - 2011
Impressionismo e Expressionismo - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Camille Pissarro
Camille PissarroCamille Pissarro
Camille Pissarro
Carlos Vieira
 
NEOPLASTICISMO.pptx
NEOPLASTICISMO.pptxNEOPLASTICISMO.pptx
NEOPLASTICISMO.pptx
RildeniceSantos
 

Semelhante a 1 powerpoint-qr-code-alunos (20)

Grandes artistas do século xx mondriam
Grandes artistas do século xx mondriamGrandes artistas do século xx mondriam
Grandes artistas do século xx mondriam
 
Piet Mondrian
Piet MondrianPiet Mondrian
Piet Mondrian
 
Impressionismo 2012
Impressionismo 2012Impressionismo 2012
Impressionismo 2012
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
O Impressionismo
O ImpressionismoO Impressionismo
O Impressionismo
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismo
 
9o. Ano - Impressionismo -Claude Monet-
9o. Ano - Impressionismo -Claude Monet-9o. Ano - Impressionismo -Claude Monet-
9o. Ano - Impressionismo -Claude Monet-
 
Impressionismo_Características_arte.pptx
Impressionismo_Características_arte.pptxImpressionismo_Características_arte.pptx
Impressionismo_Características_arte.pptx
 
Impressoes Impressionistas
Impressoes ImpressionistasImpressoes Impressionistas
Impressoes Impressionistas
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Apresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre ImpressionismoApresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre Impressionismo
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Impressionismo 2013
Impressionismo 2013Impressionismo 2013
Impressionismo 2013
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte Contemporânea
 
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte ContemporaneaHistória da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
 
Impressionismo e Expressionismo - 3ª A - 2011
Impressionismo e Expressionismo - 3ª A - 2011Impressionismo e Expressionismo - 3ª A - 2011
Impressionismo e Expressionismo - 3ª A - 2011
 
Camille Pissarro
Camille PissarroCamille Pissarro
Camille Pissarro
 
NEOPLASTICISMO.pptx
NEOPLASTICISMO.pptxNEOPLASTICISMO.pptx
NEOPLASTICISMO.pptx
 

Mais de antoniojosetavares

Estat 1p
Estat 1pEstat 1p
Bd comporta2022
Bd comporta2022Bd comporta2022
Bd comporta2022
antoniojosetavares
 
Bd p nunes2022
Bd p nunes2022Bd p nunes2022
Bd p nunes2022
antoniojosetavares
 
Bd esas2022
Bd esas2022Bd esas2022
Bd esas2022
antoniojosetavares
 
7 relatorio-de-avaliacao2020-2021
7 relatorio-de-avaliacao2020-20217 relatorio-de-avaliacao2020-2021
7 relatorio-de-avaliacao2020-2021
antoniojosetavares
 
6 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2019-20
6 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2019-206 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2019-20
6 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2019-20
antoniojosetavares
 
5 plano-de-melhoria-2019-2020
5 plano-de-melhoria-2019-20205 plano-de-melhoria-2019-2020
5 plano-de-melhoria-2019-2020
antoniojosetavares
 
4 relatorio-de-avaliacao2018-2019
4 relatorio-de-avaliacao2018-20194 relatorio-de-avaliacao2018-2019
4 relatorio-de-avaliacao2018-2019
antoniojosetavares
 
3 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2017-18
3 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2017-183 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2017-18
3 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2017-18
antoniojosetavares
 
2 plano-de-melhoria-2017-2018
2 plano-de-melhoria-2017-20182 plano-de-melhoria-2017-2018
2 plano-de-melhoria-2017-2018
antoniojosetavares
 
1 relatorio-de-avaliacao2016-2017
1 relatorio-de-avaliacao2016-20171 relatorio-de-avaliacao2016-2017
1 relatorio-de-avaliacao2016-2017
antoniojosetavares
 
Protocolo de cooperacao_rbsal
Protocolo de cooperacao_rbsalProtocolo de cooperacao_rbsal
Protocolo de cooperacao_rbsal
antoniojosetavares
 
2014 15 2017-18
2014 15 2017-182014 15 2017-18
2014 15 2017-18
antoniojosetavares
 
2014 15 2017-18
2014 15 2017-182014 15 2017-18
2014 15 2017-18
antoniojosetavares
 
Cartaz1
Cartaz1Cartaz1
Sessaomediatica gnr
Sessaomediatica gnrSessaomediatica gnr
Sessaomediatica gnr
antoniojosetavares
 
Poemas sobre-alcacer-do-sal
Poemas sobre-alcacer-do-salPoemas sobre-alcacer-do-sal
Poemas sobre-alcacer-do-sal
antoniojosetavares
 
Regras funcionamento da be em TakeAway
Regras funcionamento da be em TakeAwayRegras funcionamento da be em TakeAway
Regras funcionamento da be em TakeAway
antoniojosetavares
 
Big6 biblioteca escolar
Big6   biblioteca escolarBig6   biblioteca escolar
Big6 biblioteca escolar
antoniojosetavares
 
Estatistica da esas graficos-google forms 2018-2019
Estatistica da esas graficos-google forms 2018-2019Estatistica da esas graficos-google forms 2018-2019
Estatistica da esas graficos-google forms 2018-2019
antoniojosetavares
 

Mais de antoniojosetavares (20)

Estat 1p
Estat 1pEstat 1p
Estat 1p
 
Bd comporta2022
Bd comporta2022Bd comporta2022
Bd comporta2022
 
Bd p nunes2022
Bd p nunes2022Bd p nunes2022
Bd p nunes2022
 
Bd esas2022
Bd esas2022Bd esas2022
Bd esas2022
 
7 relatorio-de-avaliacao2020-2021
7 relatorio-de-avaliacao2020-20217 relatorio-de-avaliacao2020-2021
7 relatorio-de-avaliacao2020-2021
 
6 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2019-20
6 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2019-206 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2019-20
6 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2019-20
 
5 plano-de-melhoria-2019-2020
5 plano-de-melhoria-2019-20205 plano-de-melhoria-2019-2020
5 plano-de-melhoria-2019-2020
 
4 relatorio-de-avaliacao2018-2019
4 relatorio-de-avaliacao2018-20194 relatorio-de-avaliacao2018-2019
4 relatorio-de-avaliacao2018-2019
 
3 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2017-18
3 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2017-183 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2017-18
3 relatorio-de-execucao-do-plano-de-melhoria-2017-18
 
2 plano-de-melhoria-2017-2018
2 plano-de-melhoria-2017-20182 plano-de-melhoria-2017-2018
2 plano-de-melhoria-2017-2018
 
1 relatorio-de-avaliacao2016-2017
1 relatorio-de-avaliacao2016-20171 relatorio-de-avaliacao2016-2017
1 relatorio-de-avaliacao2016-2017
 
Protocolo de cooperacao_rbsal
Protocolo de cooperacao_rbsalProtocolo de cooperacao_rbsal
Protocolo de cooperacao_rbsal
 
2014 15 2017-18
2014 15 2017-182014 15 2017-18
2014 15 2017-18
 
2014 15 2017-18
2014 15 2017-182014 15 2017-18
2014 15 2017-18
 
Cartaz1
Cartaz1Cartaz1
Cartaz1
 
Sessaomediatica gnr
Sessaomediatica gnrSessaomediatica gnr
Sessaomediatica gnr
 
Poemas sobre-alcacer-do-sal
Poemas sobre-alcacer-do-salPoemas sobre-alcacer-do-sal
Poemas sobre-alcacer-do-sal
 
Regras funcionamento da be em TakeAway
Regras funcionamento da be em TakeAwayRegras funcionamento da be em TakeAway
Regras funcionamento da be em TakeAway
 
Big6 biblioteca escolar
Big6   biblioteca escolarBig6   biblioteca escolar
Big6 biblioteca escolar
 
Estatistica da esas graficos-google forms 2018-2019
Estatistica da esas graficos-google forms 2018-2019Estatistica da esas graficos-google forms 2018-2019
Estatistica da esas graficos-google forms 2018-2019
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

1 powerpoint-qr-code-alunos

  • 1. 23 DE NOVEMBRO, 2ª FEIRA, 8:20, 1ª AULA  50 minutos (8:20 / 9:10)  1º - Aula expositiva / dialógica; (o professor fala sobre a matéria)  -----------------------------------------------------------------------------------------------  50 minutos (9:10 / 10:00)  2º - Os alunos vão pesquisar com a ajuda do telemóvel pessoal, quadros da fase neoplasticista do pintor Piet Mondrian ou procuram , quadros, na pasta partilhada com os alunos.  3º - Escolhem um quadro do pintor e concretizam uma reprodução da obra escolhida, mas com palete de cores diferente do original, podendo utilizar cores secundárias, verde, laranja, roxo ou violeta, também neutros: branco, preto, cinzento e as usuais cores primárias;  4º - Numa folha A3 de papel cavalinho, desenham com a ajuda de lapiseira e régua, a composição escolhida, apresentando somente as linhas verticais e horizontais. Podem também utilizar papel vegetal. As linhas devem ter 1 cm de espessura e algumas 1,5 cm. Podem desenhar uma ou duas estruturas e escolherem a que mais agradar.  5º - Pintam a espessura das linhas, com a ajuda de uma caneta ponta fina preta e de caneta de feltro preta.
  • 2. 9 DE DEZEMBRO, 4ªFEIRA,15:40, 2ª AULA  100 minutos (15:40 / 17:25)  Operacionalização da atividade:  6º - Numa tela desenham, novamente, a estrutura escolhida de linhas verticais e horizontais e já concretizada na folha de papel cavalinho ou papel vegetal;  7º - Colocam fita adesiva nos limites dos quadrados e retângulos desenhados na tela;  8º - Depois pintam com a ajuda de pincéis espatulados e tinta acrílica os quadrados e retângulos. Deixam secar;  9º - De seguida, colocam fitas adesivas nos limites das linhas verticais e horizontais e pintam as linhas de preto;  10º - As bordas da tela são também pintadas no prolongamento das cores da superfície da tela.
  • 3. MATERIAL A UTILIZAR  1 - 1 tela quadrada de 30cm x 30cm ou tela retangular 27 cm x 35 cm, no entanto pode ser outra mais pequena do que as indicadas;  2 - 3, 4 copos de plástico ou de vidro, com ou sem tampa, podem ser copos de iogurte;  3 - Tintas acrílicas: - verde, laranja, roxo ou violeta (cores secundárias) - magenta, azul, amarelo (cores primárias) - preto, branco, cinzento (neutros)  Pode ser qualquer tom mais claro ou mais escuro destas cores;  4 - Colocar sabão líquido, dentro de uma embalagem de vidro pequena, fechada, ou podem cortar um pedaço de uma barra de sabão azul;
  • 4. MATERIAL A UTILIZAR  5 – Serão levados alguns pincéis para a turma, mas podem trabalhar com os vossos pincéis;  6 - 1 ou 2 panos, para limparem as mãos e o material de pintura molhado;  7 - 1 embalagem de fita adesiva, para pintura, (precisam de pintar linhas verticais e horizontais direitas, com 1 cm de espessura, e algumas com 1,5 cm);  8 - 1 lapiseira 0,5 ou 0,7;  9 - 1 borracha;  10 - 1 lápis B4;  11 - 1 régua de 50 cm;  12 - 1 bloco A3 de papel vegetal, mas não de papel vegetal de arquiteto; podem ser folhas de papel vegetal maiores que o A3 (a folha de papel vegetal deve ter o tamanho da tela que comprarem);  13 - 1 bloco A3 de papel cavalinho.  14 - 1 ou 2 sacos de plástico para colocar panos molhados, na mochila.  Podem aceder à classroom da turma para mais informações.
  • 5. PASTA PARTILHADA DE QUADROS  Link da pasta partilhada com os alunos, com alguns quadros do pintor Piet Mondrian:  https://drive.google.com/drive/folders/1WfhggpYmjE9Q3bbFvlLcfMQytUMU4r- l?usp=sharing  Os alunos da turma, foram convidados, por email, a aceder a esta pasta partilhada.  ver email institucional se não conseguir aceder ao link partilhado anterior.
  • 7. NEOPLASTICISMO  Pieter Cornelis Mondrian é conhecido por Piet Mondrian  nasceu a 7 de março, em Amersfoort, em 1872, na Holanda.  morreu em 1944, em Nova York (71 anos)  Criou o Neoplasticismo corrente artística do Abstracionismo geométrico. 1917 a 1944  Colaborou com a revista De Stijl, “o estilo”.
  • 8. NEOPLASTICISMO  Família  O seu pai era padre holandês.  A sua família era extremamente religiosa.  Piet Mondrian foi influenciado por um tio Frits Mondriaan, pintor.  “Na base da pintura de Mondrian esteve sempre uma utopia de fundo religioso. Ele era entusiasta da Teosofia - doutrina esotérica criada pela russa Madame Blavatsky. Como fruto da filosofia humanista e espiritual sincrética extraiu a noção de que por baixo da matéria, estava uma engrenagem básica que constituiria a essência do mundo, daí a simplicidade na sua pintura, de linhas horizontais, verticais e das cores puras”.  https://www.ebiografia.com/piet_mondrian/  Vida e Obra  Piet começou por ser professor entre 1892 e 1897 na Academia de Belas Artes de Amesterdão.
  • 9. NEOPLASTICISMO  De início foi influenciado pelo naturalismo. Windmill-in-the-GEIN 1906-07  https://www.wikiart.org/en/piet-mondrian/windmill-in-the-gein-1907
  • 10. NEOPLASTICISMO  Foi também influenciado pelo impressionismo.  Este movimento artístico deriva do nome do quadro do pintor Claude Monet, Impressão: nascer do sol 1872
  • 11. NEOPLASTICISMO  Pós impressionismo The Windmill in Sunlight, 1908 https://www.piet-mondrian.org/the-windmill-in-sunlight.jsp#prettyPhoto  O tema do moinho de vento, que ocupa um lugar tão importante na obra de Mondrian, levou-o em 1908 a criar uma de suas obras-primas no novo estilo luminista.  Algumas pessoas tendem a discernir a influência de Van Gogh em Mondrian no Moinho de Vento à Luz do Sol.
  • 12. NEOPLASTICISMO  Pós impressionismo Avond (Evening): The Red Tree 1908-10 , Museu Municipal de Haia  https://www.kunstmuseum.nl/nl/bezoek/activiteiten/gratis-lezingen-op-zondag-11-juni  Neste período de tempo, começou a pintar num estilo mais abstrato. Ao longo dos anos, objetos e paisagens foram-se decompondo em traços básicos. Para Mondrian o mínimo era o máximo. “Na natureza, a superfície das coisas é bela, mas a sua imitação é sem vida”, dizia ele.
  • 13. NEOPLASTICISMO  Piet Mondrian enquadra-se no pós- impressionismo (período que vai desde a última exposição impressionista em 1886 até1910.  Em 1911 tudo mudou na pintura de Piet Mondrian após ter visitado uma exposição em Amsterdão sobre o Cubismo (movimento criado pelo pintor Pablo Picasso e por Georges Braque).  Foi influenciado pelo cubismo de 1917 a 1944 período em que desenvolveu a obra abstrata, neoplasticista.
  • 14. NEOPLASTICISMO  CARACTERÍSTICAS DA OBRA NEOPLASTICISTA  - as estruturas dos quadros são definidas por linhas pretas ortogonais (horizontais e verticais);  - não usa diagonais porque a linha diagonal induziria à perceção da profundidade; de 1920 a 1940 as linhas curvas e diagonais desaparecem dos seus quadros  - as linhas definem espaços, quadrados e retângulos;  - os quadrados e retângulos com espessura, poderiam ser ou não preenchidos com uma cor primária: amarelo, azul ou vermelho mas também pretos e brancos (inexistentes em estado puro na natureza) e cinzento; as cores primárias são influência das escolas Bahaus e de Ulm, escolas de arte e design, Alemanha.  - a pintura era geométrica e abstrata, sem profundidade , contrariando a visão concreta do mundo.
  • 15. NEOPLASTICISMO  Exposição interativa Piet Mondrian MoMA NY https://www.moma.org/calendar/exhibitions/470/installation_images/29661# https://www.moma.org/collection/works/4044  Composition in blue, red and yellow-1921
  • 17. NEOPLASTICISMO  Numa fase posterior neoplasticista, Piet Mondrian liberta-se de alguma regras que ele próprio impôs à sua pintura e criou obras como o quadro New York City 3 1941 The Thyssen Bornemisza Collections  Em 1940 durante a 2ª Guerra Mundial Piet Mondrian muda-se para NY
  • 18. NEOPLASTICISMO  As composições integram ritmo, após a sua descoberta do jazz. Acentua a cor nos seus quadros Broadway Boogie-Woogie 1942 MoMA NY
  • 19. NEOPLASTICISMO  A sua obra neoplasticista foi copiada pela arquitetura, escultura, design, moda e publicidade. Red and blue chair by the architect Gerrit Rietvelds 1918 MoMA NY  https://www.behance.net/gallery/1112205/Red-and-Blue-Chair  https://www.moma.org/collection/works/4044
  • 20. NEOPLASTICISMO  Em 1916 Piet Mondrian contacta com o pintor Theo Van Doesburg o qual apresenta a Mondrian o seu projeto gráfico a revista (períódico mensal) De Stijl, Letterklankbeelden, cidade de Leyden, Holanda  O pintor Piet Mondrian segue este movimento artístico holandês De Stijl criado em 1917  Do movimento De Stijl faziam parte Teo Van Doesburg – artista plástico, designer gráfico, escritor, teórico e crítico de arte, poeta e arquiteto, Piet Mondrian, pintor, Antony Kok poeta, Robert Van ´t Hoff, arquiteto, Gerrit Rietveld, arquiteto e designer, G. Vantongerloo,escultor, entre outros.
  • 21. NEOPLASTICISMO  A revista De Stijl, Letterklankbeelden https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4d/Destijl_anthologiebonset.jpg
  • 22. NEOPLASTICISMO  Muitos dos ideais do neoplasticismo foram apresentados na revista De Stijl, que se tornou órgão fundamental de difusão do movimento neoplástico durante mais de dez anos.  Era também uma associação de artistas que, ocasionalmente, entravam ou saiam deste grupo.  Foram publicados manifestos na revista, em 1918, dois manifestos em 1920 e último manifesto em 1923. De Stijl teve o seu fim em 1928.
  • 24. NEOPLASTICISMO  http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm  https://www.readingdesign.org/de-stijl-manifesto  Primeiro manifesto - De Stijl (1918)  1. Há dois conhecimentos dos tempos: um antigo e um novo. O antigo se dirige para o individualismo.  O novo se dirige ao universal.  A luta do individual contra o universal se revela tanto na guerra mundial quanto na arte de nossa época.  2. A guerra destrói o mundo antigo com o seu conteúdo: a dominação individual sob todos os pontos de vista.  3. A arte nova atualiza o que está contido no novo conhecimento dos tempos: proporções iguais do universal e do individual.  4. O novo conhecimento dos tempos está prestes a se realizar em tudo, mesmo na vida exterior.
  • 25. NEOPLASTICISMO  http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm  Primeiro manifesto - De Stijl 1918 (cont.)  5. As tradições, os dogmas e as prerrogativas do individualismo (o natural) opõem-se a esta realização.  6. O objetivo da revista de arte De Stijl é apelar para todos aqueles que acreditam na reforma da arte e da cultura para aniquilar tudo o que impede o desenvolvimento, do mesmo modo que fizeram no campo da arte nova suprindo a forma natural que contraria a própria expressão da arte, a consequência mais alta de cada conhecimento artístico.
  • 26. NEOPLASTICISMO  http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm  Primeiro manifesto - De Stijl 1918 (cont.)  7. Os artistas de hoje tomaram parte na guerra mundial no domínio espiritual, impelidos pelo mesmo conhecimento contra as prerrogativas do individualismo: o capricho com todos aqueles que combatem espiritualmente ou materialmente para a formação de uma unidade internacional na Vida, na Arte e na Cultura.  8. O órgão De Stijl, fundado com esse fim, despende todos os seus esforços para tornar clara a nova ideia da vida. A colaboração de todos é possível pelo: envio do nome, endereço, profissão à nossa redação, como prova de assentimento; contribuições (críticas, filosóficas, arquiteturais, científicas, literárias, musicais, etc., assim como reproduções fotográficas) para o periódico mensal De Stijl; tradução em todas as línguas e publicação das ideias publicadas em De Stijl.  Assinatura dos colaboradores:  Theo van Doesburg, pintor/ Robt van´t Hoff, arquiteto/ Vilmos Huszar, pintor/ Antony Kok, poeta/ Piet Mondrian, pintor/ G. Vantongerloo, escultor/ Jan Wils, arquiteto.
  • 27.  http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm  Quinto manifesto - De Stijl 1923  Para uma construção coletiva  I. Trabalhando coletivamente, examinamos a arquitetura como unidade criada de todas as artes, indústria técnica, etc., e descobrimos que a conseqüência disso será um novo estilo.  II. Examinamos as leis do espaço e suas variações infinitas (isto é, os contrastes de espaço, as dissonâncias de espaço, os complementos de espaço, etc.) ... e descobrimos que todas essas variações do espaço devem ser governadas como uma unidade de equilíbrio.
  • 28. NEOPLASTICISMO  http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm  Quinto manifesto - De Stijl 1923 (cont.)  III. Examinamos as leis da cor no espaço e na duração e descobrimos que as relações equilibradas desses elementos dão enfim uma unidade nova e positiva.  IV. Examinamos a relação entre o espaço e o tempo, e descobrimos que o aparecimento desses dois elementos através da cor produz uma nova dimensão.  V. Examinamos as relações recíprocas da medida, da proposição, do espaço, do tempo e dos materiais, e descobrimos o método definitivo de construí-los como uma unidade.  VI. Pelo rompimento da caixa fechada (os muros, etc.) acabamos com a dualidade do interior e do exterior.
  • 29.  http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm  Quinto manifesto - De Stijl 1923 (cont.)  VII. Damos à cor seu verdadeiro lugar na arquitetura e declaramos que a pintura separada da construção arquitetural (isto é, o quadro) não tem nenhuma razão de ser.  VIII. A época da destruição está totalmente superada. Uma nova época começa, a da construção.  Paris 1923 Van Eesteren / Theo van Doesburg / G. Rietveld  Neste último Manifesto Piet Mondrian já não estava presente!
  • 30. NEOPLASTICISMO  Ver restantes manifestos em:  http://www.uel.br/projetos/artetextos/textos/neoplastico.htm  https://drive.google.com/drive/folders/1WfhggpYmjE9Q3bbFvlLcfMQytUMU4r-l?usp=sharing  Rhythmus eines russischen Tanzes (Ritmo de uma dança russa) Theo van Doesburg Professor António Candeias 2020-2021