Exercícios de dissertação

5.726 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Exercícios de dissertação

  1. 1. Atividade de Língua PortuguesaEscreva uma conclusão para o texto dissertativoTexto 1O analfabetismo e a não-cidadaniaO analfabetismo é o desconhecimento do alfabeto, é a incapacidade de ler e/ouescrever. É um dos grandes problemas da maioria dos países, principalmente ossubdesenvolvidos, que sofrem bastante com altos índices de pessoas que não têmacesso a bens culturais.Entre as causas do analfabetismo pode-se destacar odesinteresse da classe política e entre as conseqüências a desestrutura da sociedade.Os políticos corruptos, infelizmente numerosos, aproveitam-se da situação deanalfabetismo da população que não exige punições contra eles, por não saberem seposicionar e lutar contra as atitudes que estão fora da lei. Para a classe política, nuncafoi prioridade investir em educação. Somente 5,8% do PIB do Brasil, por exemplo, éaplicado em educação, enquanto países desenvolvidos investem 15% do seu PIB.Assim, porque o acesso à escola é difícil, quando estudar deveria ser de grandeimportância, não o é. Só a educação abre melhores possibilidades de trabalho e decidadania, uma vez que o conhecimento dá ao indivíduo as ferramentas para lutarpelos seus direitos e a compreensão da extensão de seus deveres. Além disso, dá-lheoportunidades no meio cultural. Ser uma pessoa alfabetizada vai além de saber ler ouescrever, uma vez que favorece o desenvolvimento econômico e estrutural dasociedade._____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  2. 2. Atividade de Língua PortuguesaEscreva uma conclusão para o texto dissertativoTexto 2Quem são os analfabetos no Brasil?O analfabetismo não é só o desconhecimento do alfabeto e a incapacidade de lere/ou escrever. A compreensão desse estado vai além, destacam-se: o iletrismo, oanalfabetismo funcional e o analfabetismo tecnológico.O iletrismo é um tipo de analfabetismo muito comum na sociedade. É a falta decompreensão da leitura. Esse problema atinge todas as classes sociais. Lê-se, mas nãohá a decodificação da mensagem. No Brasil, esse problema é muito comum por causado empobrecimento conjunto da população e dos sistemas educacionais.Pode-se dizer que o analfabetismo funcional é um outro tipo de analfabetismobem comum. Constitui um problema silencioso e perverso que afeta as empresas. Nãose trata de pessoas que nunca foram à escola. Elas sabem ler, escrever e contar;chegam a ocupar cargos administrativos, mas não conseguem compreender a palavraescrita. Mesmo tendo aprendido a decodificar a escrita, geralmente frases curtas, nãodesenvolvem a habilidade de interpretação de textos. Esse tipo é normalmente usadopara ser um meio termo entre o analfabeto absoluto e o domínio pleno da leitura eescrita.Já o analfabetismo tecnológico é um dos tipos mais recentes. Há lugares no Brasilem que 88% da população não possuem internet. Resolver esse tipo de analfabetismo émais complexo, pois já basta o problema de milhões de pessoas não saberem ler nemescrever. Vários projetos governamentais tentam diminuir esse índice, mas váriosfatores não contribuem, como os preços das redes de internet e/ou computador emuitos locais não possuírem acesso a energia piorou internet (como a Amazônia, ou oSertão Nordestino)_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  3. 3. Atividade de Língua PortuguesaEnumere os parágrafos, dando-lhes uma sequência lógica.Texto 1O pão nosso( ) Seus sinais estão, por exemplo, no melhoramento das cidades em plena crise daadministração federal, no basta à corrupção e no movimento pela ética na política,na emergência de movimentos em favor da mulher, da criança ou na ecologia, noantirracismo. São antídotos contra a cultura autoritária que sempre ditou a receitado desastre social. Eles estão na confluência de duas tendências. Parte da elite nãoquer viver no apartheid sul-africano. E cada vez mais pobres querem sua cota decidadania. Essa maré vai empurrando a democracia da sociedade para o Estado,de baixo para cima, dos movimentos sociais para os partidos e instituiçõespolíticas.( ) É nela que eu hoje acredito. E, por causa dela, encontro-me outra vez com avelha questão que me levou à militância política: o que fazer com a miséria?Aceitá-la a título provisório? não dá; aquilo que produz miséria simplesmente nãopode ser aceito. A condenação ética da miséria passou a ser a luta contra a misériapara conquistar a democracia.( ) Pode haver revolta. Mas é improvável que o caminho da mudança no Brasilseja aberto com explosões sociais. A energia que pode ser usada agora para fazerum futuro diferente está aparentemente, em outras fontes de transformação.Porque há mudança no Brasil. Ela não corre, mas anda. Não corre, mas ocorre.( ) É preciso começar pela miséria. Essa é a energia da mudança que move a Açãoda Cidadania contra a Miséria e pela Vida, revelada na adesão de pessoas de todasas classes sociais, idades, tendências políticas e religiosas, parlamentares eprefeitos, empresas públicas e privadas , artistas e meios de comunicação e,sobretudo, na adesão de jovens à tarefa de recolher e distribuir alimento. Essajuventude está descobrindo o gosto de romper o círculo de giz da solidão e abrir oespaço fecundo da solidariedade. Esse mesmo gosto que há quarenta anos sereservava à militância.(Hebert de Souza in.Veja 25 anos Reflexões para o futuro)
  4. 4. Atividade de Língua PortuguesaEnumere os parágrafos, dando-lhes uma sequência lógica.Texto 4O medo socialEstudioso dos efeitos que a violência urbana e a corrupção têm causado noimaginário do brasileiro, o psicanalista pernambucano alerta para as armadilhasdo pânico, desmonta o mito de que "este país não presta" e aposta nos meios legais.( ) O crime é, assim, relativizado em seu valor de infração. Os criminosos agemcom consciências felizes. Não se julgam fora da lei ou da moral, pois conduzem-sede acordo com o que estipulam ser o preceito correto. A imoralidade da cultura daviolência consiste justamente na disseminação de sistemas morais particularizadose irredutíveis a ideais comuns, condição prévia para que qualquer atitudecriminosa possa ser justificada e legítima.( ) No Rio de Janeiro, uma senhora dirigia seu automóvel com o filho ao lado. Derepente foi assaltada por um adolescente, que a roubou, ameaçando cortar agarganta do garoto. Dias depois, a mesma senhora reconhece o assaltante na rua.Acelera o carro, atropela-o e mata-o, com a aprovação dos que presenciaram acena. Verídica ou não, a história é exemplar. Ilustra o que é a cultura da violência,a sua nova feição no Brasil.( ) Ela segue regras próprias. Ao expor as pessoas a constantes ataques à suaintegridade física e moral, a violência começa a gerar expectativas, a fornecerpadrões de respostas. Episódios truculentos e situações-limite passam a serimaginados e repetidos com o fim de caucionar a idéia de que só a força resolveconflitos. A violência torna-se um item obrigatório na visão de mundo que nos étransmitida. Cria a convicção tácita de que o crime e a brutalidade são inevitáveis.O problema, então, é entender como chegamos a esse ponto. Como e por queestamos nos familiarizando com a violência, tornado-a nosso cotidiano.( ) É preciso que a violência se torne corriqueira para que a lei deixe de serconcebida como o instrumento de escolha na aplicação da justiça. Sua proliferaçãoindiscriminada mostra que as leis perderam o poder normativo e os meios legais decoerção, a força que deveriam ter. Nesse vácuo, indivíduos e grupos passam aarbitrar o que é justo ou injusto, segundo decisões privadas, dissociadas deprincípios éticos válidos para todos.(Jurandir Freire Costa In.Revista Veja 25 anos Reflexões para o futuro)

×