A História serve para fazer a Guerra

98 visualizações

Publicada em

Palestra sobre a importância da História e seu estudo.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
98
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A História serve para fazer a Guerra

  1. 1. A História serve para fazer a Guerra ou sobre o estudo da História A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  2. 2. A pergunta inicial: O que uma disciplina “livresca”... A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  3. 3. A pergunta inicial: A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). ...tem a ver com um evento tão bárbaro e brutal?
  4. 4. Primeira questão: O que se quer dizer, aqui, com “fazer a guerra”? A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  5. 5. Primeira questão: É menos o evento e mais o jogo. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  6. 6. Definindo guerra: • “[A] guerra é, portanto, um ato de força para compelir nosso oponente a fazer a nossa vontade.” (Clausewitz, Da guerra, 1827, Livro 1, Cap. 1). • A guerra é o conflito no seu grau máximo de violência. (Item 3.2.4.1). Conflito é um fenômeno social caracterizado pelo choque de vontades decorrente do confronto de interesses(...). (Item 3.1.2) – BRASIL, Doutrina Militar de Defesa, 2ª edição, 2007. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  7. 7. Um pouco de História da História A História é.... Heródoto e Tucídides: pais fundadores? Clio: A musa da História Isso quer dizer, existe desde sempre. A História não tem fundador, tem mãe, Mnemosyne (titanide), e musa, Clio.
  8. 8. Um pouco de história da História • Não há dúvidas de que o pensamento histórico surja na Grécia Antiga com Heródoto e Tucídides. • Mas, a história-conhecimento se institucionaliza em meio ao século XIX, servindo aos Estados Nacionais nascentes por meio do estudo minucioso da documentação de Arquivo (justificativa e legitimação dos poderes e das demandas estatais). • Com a Escola dos Annales (FR - 1929), desenvolver-se-á uma História Econômica e Social, uma Demografia Histórica, uma História Antropológica etc... A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  9. 9. Um pouco de história da História Ao longo do século XX, com a Profissionalização e Especialização do historiador (professor e pesquisador de História Econômica, História Social, História da cultura, do livro etc.); O desenvolvimento das outras Ciências Sociais e o impacto do Estruturalismo: tentativa de dotar as Humanidades de um caráter científico (o sujeito não importa, o que importa é a estrutura, o “sistema”). A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). A História passa a ser o estudo da dinâmica da sociedade e sua transformação (pós anos 1970): Passa-se de uma abordagem que privilegia o indivíduo para o estudo de coletividades; com uma atenção especial às mudanças.
  10. 10. A pergunta que não quer calar: A História importa? A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  11. 11. Em que consiste essa importância? Por quê? Por quais razões ou motivos? Para quê? Com qual finalidade? Para quem ela importa? A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). A importância da História Geralmente, sob a pergunta “a História importa?”, se encontram algumas perguntas:
  12. 12. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). Fonte das declarações: O Tuiuti, nº 84. http://migre.me/pHCET. Fonte das imagens: Wikipedia. Curiosamente, os militares enfatizam a importância da História: Do general alemão Moltke - o Velho: “A História Militar, por dominar a conduta prática da guerra (e não teórica) é uma fonte inesgotável de ensinamentos para a formulação de uma Doutrina Militar”. “A leitura Crítica da História Militar é condição de êxito para o militar”. Gal. Patton “Para alimentar o cérebro de um Exército na paz, para melhor prepará-lo para a eventualidade de uma guerra, não existe livro mais fecundo em lições e meditações do que o da História Militar”. (Mal. Ferdinand Foch, comandante francês da Primeira Guerra).
  13. 13. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). E alguns dos possíveis usos: O Exército dos EUA reconhece quatro maneiras de utilização de sua História: a) Como fonte de dados empíricos dos quais se possam deduzir princípios e procedimentos. b) Como um importante substitutivo de experiência pessoal em Arte e Ciência Militar. c) Como elemento auxiliar de redução do espaço entre o real e o imaginário. d) Campo base para o estabelecimento e identificação das necessidades do presente, relacionando-as com as do passado, bem como para o estabelecimento de novos padrões de pensamento e de conduta, não importando posição social e conveniências pessoais. (p. 5) Fonte: O Tuiuti, nº 84. http://migre.me/pHCET
  14. 14. Utilização da História do Exército segundo a Acad. Hist. Militar Terrestre do BR: 1. Valiosa substituta da ausência de experiência pessoal; 2. Fonte de dados empíricos, para deduzirem-se princípios ou características; 3. Fonte de dados comprovados, para viabilizar o planejamento, à luz das realidades culturais e operacionais do Brasil; 4. Elemento auxiliar para reduzir o espaço entre o desejável e a realidade; 5. Elemento para o estudo das reações do fator de decisão do terreno brasileiro, nas operações militares sobre ele realizadas em quase cinco séculos; (Análise crítica) 6. Meio auxiliar na instrução do combatente, sob a forma de exploração de casos históricos brasileiros, pois o ajudará a melhor aprender e fixar ideias abstratas, conceitos e fundamentos da Arte e Ciência da Guerra do Exército Brasileiro. Principalmente, casos que indiquem sucessos e fracassos e apontem ensinamentos decorrentes; 7. Valioso instrumento para o desenvolvimento das forças morais do combatente do Exército. Isto, através do culto e evocação dos heróis, feitos e tradições do Exército e da convicção, de que ele é instrumento a serviço da conquista ou preservação dos Objetivos Nacionais Permanentes do Brasil (ONP); 8. Fonte de exemplos edificantes de prática de virtudes militares, por militares do passado. Assunto de grande utilidade, face a invasão que ora se percebe de novas escalas de valores, ou axiológicas, relacionadas com o bem estar e não com a Felicidade. Esta, no caso do militar é a satisfação do dever bem cumprido e harmonia entre seus interesses e os da Nacionalidade. Ou, entre seus objetivos e os ONP; e 9. Elemento precioso, se pesquisado e estudado à luz da Doutrina do Exército ensinada nas escolas do Exército (AMAN, CPOR, EsAO, ECEME). Fonte: http://www.ahimtb.org.br/capitulo_3.PDF A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  15. 15. Para que serve a História? (Pergunta acerca da utilidade...) Por quê estudar História? (Quais são as razões ou motivos do dever, da obrigatoriedade de seu estudo.) Para que estudar a História? (Qual é ou quais são as finalidades de um tal estudo?) A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). A importância da História As perguntas anteriormente feitas, podem ser reelaboradas como:
  16. 16. Respondendo algumas questões... Para que serve a História? A pergunta acerca da utilidade busca derivar a importância da pesquisa histórica a partir dos seus possíveis usos ou aplicações práticas. É uma visão utilitária do conhecimento. (Corolário dessa visão: o que não tem utilidade, não vale...) A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  17. 17. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). Em contrapartida, é possível dizer: • A História se aplica a tudo (na medida em que tudo o que existe tem uma história própria, uma existência ao longo de um dado tempo), mas não é possível ou útil definir uma serventia em particular... • ... Implica que a História seja “gratuita” assim como as Artes e a Música o são, ou seja, ela não tem uma aplicação própria ou exclusiva. Isso é positivo porque implica uma não-obsolescência e uma liberdade (não obrigatoriedade).
  18. 18. Retomando duas questões... Por quê estudar História? Quais são as razões ou motivos? Para que estudar a História? Qual é ou quais são as finalidades de um tal estudo? A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  19. 19. Razões (ou citações) para se estudar a História “Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo”. GEORGE SANTAYANA A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). O dictum de Santayana:
  20. 20. Razões (ou citações) para se estudar a História “O progresso, longe de consistir em mudança, depende da capacidade de retenção. Quando a mudança é absoluta, não permanece coisa alguma a ser melhorada e nenhuma direção é estabelecida para um possível aperfeiçoamento; e quando a experiência não é retida, como acontece entre os selvagens, a infância é perpétua. Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo”. (grifos meus) GEORGE SANTAYANA http://super.abril.com.br/imagem/frases-santayana-1.jpg A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  21. 21. O dilema de Orwell “Aquele que controla o passado, controla o futuro. Aquele que controla o presente, controla o passado.” (George Orwell, 1984) A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  22. 22. Alexis de Toqueville • “Quando o passado não lança mais luz sobre o futuro, o espírito caminha nas trevas. (A Democracia na América, 1951, vol. 2:336). A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). Quand le passé n'éclaire plus l'avenir, l'esprit marche dans les ténèbres.
  23. 23. Para que estudar História? Qual é a finalidade de um tal estudo? • Papel ou Função identitária: dizer quem somos; • Papel ou Função civil: da nossa presença e participação no mundo; • Papel ou Função bélica: das condições e possibilidades de subjugar a vontade do outro. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  24. 24. Função bélica: das condições e possibilidades de subjugar a vontade do outro • “Saber estratégico” que pode ter um caráter emancipatório ou de controle e manipulação. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  25. 25. Função bélica: das condições e possibilidades de subjugar a vontade do outro • Inspiração: A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  26. 26. Função civil: da nossa presença e participação no mundo • Estar presente nesse mundo aqui e agora requer algum conhecimento do que veio antes, do legado que temos ou das condições a que estamos submetidos, e das regras do jogo que teremos que jogar ou não. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  27. 27. Função civil: da nossa presença e participação no mundo • Estar presente nesse mundo aqui e agora requer algum conhecimento do que veio antes, do legado que temos ou das condições a que estamos submetidos, e das regras do jogo que teremos que jogar ou não. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). ÉTICA
  28. 28. Função civil: da nossa presença e participação no mundo • Estar presente nesse mundo aqui e agora requer algum conhecimento do que veio antes, do legado que temos ou das condições a que estamos submetidos, e das regras do jogo que teremos que jogar ou não. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). ÉTICA SOLIDARIEDADE
  29. 29. Função civil: da nossa presença e participação no mundo • Estar presente nesse mundo aqui e agora requer algum conhecimento do que veio antes, do legado que temos ou das condições a que estamos submetidos, e das regras do jogo que teremos que jogar ou não. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). ÉTICA SOLIDARIEDADE POSICIONAMENTO POLÍTICO
  30. 30. Função identitária: dizer quem somos • É graças a História que nos reconhecemos como parte da comunidade humana, de uma dada nação ou país, tradição etc. Constituímos nossa identidade e instituímos uma alteridade. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). Quem é o Outro? Qual é o tipo de relação que temos com ele?
  31. 31. Recapitulando: Por quê estudar História? “Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo”. (George Santayana) “Aquele que controla o passado, controla o futuro. Aquele que controla o presente, controla o passado”. (George Orwell). “O passado não iluminando mais o futuro, o espírito marcha nas trevas”. (Alexis de Tocqueville).
  32. 32. Recapitulando: Para que estudar História? • Saber quem nós somos, quem são os outros (função, finalidade identitária). • Estabelecer nossa presença e participação no mundo (função ou finalidade civil). • Trabalhar pela emancipação ou pelo controle e manipulação do outro (função ou finalidade bélica).
  33. 33. Da malandragem intelectual... ...ou o que aprendi com o estudo da História.
  34. 34. O relativismo ou “vale-tudo” mesmo?... • “Valor é sempre valor para uma determinada pessoa ou para um determinado grupo de pessoas, portanto, relativo.” (H. J. KOELREUTTER, Sobre o valor e o desvalor da obra de arte) A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  35. 35. O relativismo ou “vale-tudo” mesmo?... • “Valor é sempre valor para uma determinada pessoa ou para um determinado grupo de pessoas, portanto, relativo.” (H. J. KOELREUTTER, Sobre o valor e o desvalor da obra de arte) • “Os valores são relativos, MAS NÃO SÃO INDIFERENTES.” (Beatriz SARLO). A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  36. 36. Pela objetividade... • “Devemos mudar nossas concepções e abandonar nosso hábito de igualar o pessoal ao subjetivo e o objetivo ao fatual ou impessoal”. A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). Hannah ARENDT, Homens em tempos sombrios, p. 68.
  37. 37. Pela objetividade... • “Como se reconhecem os valores objectivos? São valores reconhecidos por todos como tal. Por exemplo, se eu afirmar que misturando, amarelo- limão com o azul-turquesa se obtém um verde, quer se use têmpera, óleo, acrílicos, ou pastéis, estou a afirmar um valor objectivo. Não se pode dizer: para mim o verde obtém-se misturando o vermelho com o castanho. Num caso desses consegue-se um vermelho sujo, em certos casos um teimoso dirá que para ele isso é um verde, mas será apenas para ele e para mais ninguém.” (grifos meus)(Bruno Munari, Das coisas nascem coisas. Lisboa: Edições 70, 1981) A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  38. 38. Pela objetividade... • “A objetividade é o resultado de um trabalho”. (Francis VANOYE – Usos da linguagem). Ela não está dada, requer fidelidade... • “O acesso à fidelidade não é fácil, ela tem de ser conquistada; ela implica abandonos frequentes, mas não irresponsáveis.” (Tzvetan TODOROV, Poética da prosa). A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  39. 39. Muito Obrigado pela atenção! A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  40. 40. Para uma outra visão: A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP).
  41. 41. Referências: A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). CHAUNU, Pierre. História como ciência social: a duração, o espaço e o homem na época moderna. Rio de Janeiro: Zahar 1976. FFLCH-USP 901 C498hP e.2 DOSSE, Francois. A história em migalhas: dos annales a nova história. São Paulo: Ensaio 1994. FFLCH-USP 909 D724hp 1994 MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, história visual: balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História, São Paulo , v. 23, n. 45, p. 11-36, jul. 2003 . GOLDMANN, Lucien. Ciências humanas e filosofia : que é a sociologia? 12. ed. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil, 1993. FFLCH-USP 109 G619sP 12.ed. BENTO, Cláudio Moreira. Como estudar e pesquisar a História do Exército. Brasília: EME/AHIMTB, 1999, 2ª edição. Dispoível em: http://www.ahimtb.org.br/comoestudar.htm
  42. 42. Referências: A importância da História - Rodrigo Carlos do Nascimento (bacharel pela USP). HARTOG, François (org.)A história de Homero a Santo Agostinho(trad. Jacyntho Lins Brandão). Belo Horizonte: UFMG 2001. LACOSTE, Yves. A geografia - isso serve, em primeiro lugar para fazer a guerra. Campinas: Papirus, 2005. BRASIL, Doutrina Militar de Defesa, 2ª edição, 2007. Disponível em: http://www.defesa.gov.br/arquivos/File/legislacao/emcfa/publicacoes/md51_ m_04_doutrina_militar_de_defesa_2a_ed2007.pdf CLAUSEWITZ, Carl von, Da guerra, 1827 . Disponível em: https://www.egn.mar.mil.br/arquivos/cepe/DAGUERRA.pdf KOELLREUTTER, H. J.. Sobre o valor e o desvalor da obra de arte. Estudos Avançados., São Paulo , v. 13, n. 37, p. 251-260, Dec. 1999 . SARLO, Beatriz. Los estudios culturales y la crítica literária en la encrucijada valorativa. Disponível em:http://cholonautas.edu.pe/modulo/upload/sarl.pdf

×