Npa810 Inteligencia De Negocios

1.095 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.095
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Npa810 Inteligencia De Negocios

  1. 1. INTELIGÊNCIA DE NEGÓCIOS Caio Augustus Machado Cesar Nº. 12.105.127-0 Cristiane Mendonça Nº. 12.104.347-5 Rafael dos Santos Nogueira Nº. 12.105.243-5
  2. 2. Introdução <ul><li>Em geral, Inteligência nos Negócios é a chave para juntar informação , pessoas e tecnologia para dirigir com sucesso uma organização. </li></ul><ul><li>Apesar dos avanços no poder de avaliar tecnologias nunca acabar, a tecnologia não resolve, sozinha, problemas nos negócios. Tendo em vista que a Inteligência nos Negócios (IN) é um conceito multifacetado, é possível examiná-lo a partir de três diferentes perspectivas: </li></ul><ul><li>- Tomando melhores decisões mais rápido; </li></ul><ul><li>- Conversão de dados em informação; </li></ul><ul><li>- Usando um caminho racional na administração . </li></ul>Fonte: http://cyber.law.harvard.edu/iif/Syllabus
  3. 3. <ul><li>Assunto de segurança relacionado à privacidade. </li></ul><ul><li>Limitado principalmente ao cuidado do direito à intimidade, a honra e a privacidade das crianças e jovens. Dado que existem outros grupos em risco como os trabalhadores, é necessário ampliar os sujeitos da vulnerabilidade. </li></ul><ul><li>O problema da privacidade tem surgido com maior força graças à expansão da Web 2.0 ou redes sociais distribuídas nos locais com vulnerabilidade crescente. </li></ul><ul><li>As legislações sobre esse assunto estão em processo, pelo que os riscos aumentam consideravelmente. É por isso que boas legislações e regulamentações viáveis e aplicáveis são necessárias. </li></ul>Cybersecurity Fonte: The Future of the Internet and How to Stop It
  4. 4. Cybersecurity
  5. 5. The Future of the Internet <ul><li>09/01/2007  Steve Jobs apresentou um belo e brilhante dispositivo de engenharia: o I-Phone; </li></ul><ul><li>O I-Phone é a mistura de 3 produtos em apenas um  um IPod, um telefone inteligente com funcionalidades integradas e um dispositivo para acessar a Internet; </li></ul><ul><li>Projeto que levou a Apple a um extraordinário potencial de crescimento no mercado, e empurrando a indústria para um novo nível de concorrência nas maneiras de conectar-nos uns aos outros via web. </li></ul>
  6. 6. Battle of the Boxes <ul><li>Herman Holleritch era um engenheiro de 20 anos quando ajudou a compilar os dados dos Censos dos E.U.A em 1980; </li></ul><ul><li>Ele estava certo de que poderia inventar uma forma de compilar os dados automaticamente e criou a concepção de um sistema de cartões perfurados serem usados nas contagens; </li></ul><ul><li>O governo dos EUA encomendou a ele a contagem do Censo de 1980 com seu novo sistema; </li></ul><ul><li>Ao invés de vender o equipamento necessário ao governo, Holleritch alugou a uma taxa de mil dólares por ano para cada máquina; </li></ul>
  7. 7. Battle of the Boxes <ul><li>Com o esquema de aluguel Holleritch controlava todos os processos já que seus clientes não queriam ser sobrecarregados com a aprendizagem de como operar os próprios dispositivos; </li></ul><ul><li>Na década de 1960 o nome da empresa que dominou a computação empresarial foi Internacional Business Machines (IBM); </li></ul><ul><li>Todo o software foi empacotado com o aluguel da máquina como parte do Modelo de negócios da IBM; </li></ul><ul><li>Concorrentes da IBM não estavam satisfeitos, e em 1969 sob ameaças, tornou-se possível comprar um computador da IBM; </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A evolução se deu com os anos, quando os PC’s foram projetados para rodar softwares escritos por autores que não fossem do próprio fabricante; </li></ul><ul><li>O resultado foi um PC que seus próprios usuários poderiam programar; </li></ul><ul><li>Com a década de 1980 avançando, o PC aumentou em popularidade, e também a quantidade de coisas que um usuário poderia fazer aumentou dramaticamente; </li></ul>Battle of the Boxes
  9. 9. Battle of the Networks <ul><li>Como o preço do processadores dos computadores e componentes periféricos caíram muito, ficou mais fácil para a tecnologia do computador acabar na casa das pessoas; </li></ul><ul><li>Outra peça fundamental é a rede, quanto se custa para usar, como seus custos são medidos, e as circunstancias em que seus usuários podem se conectar uns aos outros; </li></ul><ul><li>O avanço mais importante foi o modem dial-up, uma parte crucial de processadores hardware na ponte das informações do consumidor e o mundo das redes de computadores, seja proprietário ou pela internet; </li></ul><ul><li>Com o advento do modem as pessoas podiam adquirir terminais simples ou PC’s e conectá-los a servidores centrais de uma linha telefônica; </li></ul>
  10. 10. Battle of the Networks <ul><li>Em 1990 o futuro parecia estar convergindo em um punhado de redes corporativas que não se interconectavam; </li></ul><ul><li>O design da rede foi publicamente disponível e livremente compartilhada desde seu desenvolvimento; </li></ul><ul><li>No início dos anos 1990, a Internet se bastava em algumas grandes empresas, que estavam ansiosas para começar usá-la para transferência de dados e para suas aplicações empresariais; </li></ul><ul><li>Falava-se em simplicidade da rede, que consistia em caracteristicas encontradas em outras redes para mantê-los seguros da Batalha das Redes; </li></ul>
  11. 11. Battle of the Networks <ul><li>Redes proprietárias como CompuServe e AOL foram construídas para oferecer diferentes serviços para diferentes pessoas, para assegurar que o usuário encontrou a ligação à rede necessita-se digitar um ID de usuário e uma senha. Sem ID, sem acesso à rede. </li></ul><ul><li>O futuro não precisa lembrar o passado, entretanto, um debate robusto existe hoje sobre a Batalha das Redes; </li></ul>
  12. 12. Futuro da Internet Fonte: The Future of the Internet and How to Stop It
  13. 13. Futuro da Internet <ul><li>Futuro da Internet é incerto o que sabemos apenas é que seremos surpreendidos como sempre fomos, mas sem exatidão da velocidade com que isso ocorrerá. </li></ul><ul><li>Futuramente, softwares poderão tomar decisões que hoje só um ser humano é capaz de tomar, por exemplo quando tratamos de relações pessoais. Tim O´Reilly </li></ul><ul><li>O que podemos prever é tendências, tais como, internet em computadores apenas em segundo plano, e sim, migrando para telefones celulares, é a mobilidade cada vez com mais força. </li></ul>Fonte: The Future of the Internet and How to Stop It
  14. 14. Futuro da Internet <ul><li>Em breve sistemas gerais serão interligados, e assim por exemplo através da internet (GPS), a polícia poderá multar veículos que ultrapassam a velocidade permitida sem a necessidade de radares. Tim O´Reilly </li></ul><ul><li>O futuro da internet mesmo está focado mesmo em tecnologias tais como a Cloud Computing, um modelo de computação ao qual possui processamento, armazenamento e softwares em algum lugar da rede, acessado remotamente via internet. Exemplos: Flickr, Youtube, Google Docs, etc. </li></ul><ul><li>A Cloud Computing segundo Gartner, é uma das três mais importantes tendências emergentes dos próximos 3 a 5 anos. </li></ul>Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,2636556,00.html
  15. 15. Futuro da Internet Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,2636556,00.html
  16. 16. Futuro da Internet <ul><li>Outra grande tendência também é a WEB Semântica, uma extensão da WEB que permitirá computadores e humanos trabalharem em cooperação, ela interliga significados de palavras, e desta forma tem como finalidade atribuir um sentido aos conteúdos publicados na internet de modo a ser perceptível tanto pelo ser humano quanto pelo computador. </li></ul>
  17. 17. Futuro da Internet <ul><li>A verdade é que cada vez mais o usuário que antes era um mero espectador de conteúdo deixará de ser e começará a produzir e divulgar o seu próprio conteúdo e a construir sua identidade na rede. (Blogs, Twitter e Redes Sociais). Portanto não resta dúvidas que todas as mídias tenderão a convergir para a Internet cada vez mais. </li></ul><ul><li>A tendência agora para as empresas que dependem ou dependerão cada vez mais da divulgação e da publicidade dos canais de comunicação criados pela Web 2.0 é lidar com um público cada vez mais ativo, e mais presente. </li></ul>Fonte: The Future of the Internet and How to Stop It
  18. 18. Futuro da Internet <ul><li>O que se espera da internet segundo especialistas é torná-la uma rede altamente móvel, com comunicações em tempo real, para transferências de arquivos de grande tamanho. Segundo, Tânia Regina, pesquisadora do CPQD, a internet terá que ser ubíqua, ou seja, todos os serviços precisam estar disponíveis ao usuário com a mesma qualidade, onde quer que ele esteja. Melhorias nos comando de voz e aproximação da realidade virtual com cada vez menos deslocamentos de funcionários até suas empresas. </li></ul>
  19. 19. Futuro da Internet <ul><li>Em termos de tecnologia muito se espera e a expectativa é sempre muito grande, porém, temos que aprender com as lições do Wikipedia (Web 2.0). </li></ul><ul><li>E lembrar da citação: “Not ready for prime time.” </li></ul><ul><li>Para no futuro estarmos prontos para o que a tecnologia pode nos proporcionar !!! </li></ul>Fonte: The Future of the Internet and How to Stop It
  20. 20. <ul><li>Quando agregamos valor a um produto queremos torná-lo mais atraente para os consumidores. </li></ul><ul><li>Tais agregações podem ser identificadas como: </li></ul><ul><li>- Facilidade de uso </li></ul><ul><li> - Redução de informação desnecessária </li></ul><ul><li> - Aumento da qualidade </li></ul><ul><li> - Economia de custo </li></ul>Valor da Informação Fonte: http://wwwp.fc.unesp.br/
  21. 21. Valor da Informação Fonte: http://wwwp.fc.unesp.br/
  22. 22. Modelo da Cadeia de Valor Fonte: http://www.ead.fea.usp.br/
  23. 23. Cinco Revoluções Tecnológicas
  24. 24. MODELOS ALTERNATIVOS DE POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO <ul><li>O MODELO DELTA (Hax e Wilde II) </li></ul><ul><li>A emergência da internet, com os anteriormente inimagináveis potenciais de comunicação, e as tecnologias subjacentes e-business, e-commerce , tornaram possíveis e disponíveis novas ferramentas, permitindo e viabilizando outras abordagens de negócios. </li></ul><ul><li>A abordagem do Modelo Delta integra os frameworks vantagem competitiva e cadeia de valor com o da visão baseada em recurso, e complementa-as com uma perspectiva estendida da empresa e a proposta de solução total ao cliente. </li></ul><ul><li>ELEMENTOS </li></ul><ul><li>Triângulo estratégico </li></ul><ul><li>Opções de alinhamento estratégico com as atividades operativas da empresa (3) </li></ul><ul><li>Processos adaptativos – alinhamento estratégias x operações </li></ul><ul><li>Métricas – agregadas e granulares </li></ul><ul><li>Customer bonding : </li></ul><ul><li>A intimidade e conectividade da economia em rede oferece oportunidades para criar posições competitivas baseadas na estrutura do cliente. Um negócio pode estabelecer conexão (link), conhecimento profundo e relacionamento estreito com o cliente, o que Hax e Wilde II chamam de customer bonding </li></ul>
  25. 25. Projeto Delta <ul><li>Arnold Hax </li></ul><ul><li>Expert internacionalmente conhecido nas áreas de </li></ul><ul><li>gerencia estratégica e gerencia de operações; </li></ul><ul><li>Sua pesquisa é voltada para o desenvolvimento e implantação de sistemas de planejamento estratégico formal para empresas de negócios; </li></ul><ul><li>Co-autor do The Delta Project , explora novas fontes de rentabilidade em uma economia de rede, que proporciona um quadro estratégico abrangente; </li></ul><ul><li>Outros livros de co-autoria de Hax são: The Strategy Concept and Process: A Pragmatic Approach; Strategic Management: An Integrative Perspective, 1st and 2nd editions; Production and Inventory Control; and Applied Mathematical programming. </li></ul>
  26. 26. Projeto Delta <ul><li>Dean Wilde II </li></ul><ul><li>Co-fundador CEO, e Gerente Diretor da DC Energy, </li></ul><ul><li>uma empresa de investimento e de negociação com </li></ul><ul><li>foco em energia; </li></ul><ul><ul><li>Mr. Wilde trabalhou no MIT, onde deu aulas de economia e estratégia no Sloan School of Management. Ele é co-autor com o Professor Arnoldo Hax do “The Delta Project” publicado pela Palgrave, uma subsidiária da Macmillan.  Ele também é autor de numerosos artigos para várias revistas de sobre negócios; </li></ul></ul><ul><ul><li>Mr. Wilde estudou em Iowa State University, 1978, onde graduou-se com louvor em física e no MIT Sloan School of Management, 1980, onde ele ganhou Masters of Science em Gerenciamento; </li></ul></ul>
  27. 27. Projeto Delta <ul><li>Mateus Tavares da Silva Cozer </li></ul><ul><li>Graduado em Ciência da Computação pela </li></ul><ul><li>Universidade Federal de Pernambuco (1998); </li></ul><ul><ul><li>Mestre em Administração pela Universidade de São Paulo (2006); </li></ul></ul><ul><ul><li>Atualmente é professor do Centro Universitário da FEI e pesquisador da Universidade de São Paulo; </li></ul></ul><ul><li>Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Marketing; </li></ul><ul><li>Atuando principalmente nos seguintes temas: Responsabilidade social; Marketing; Stakeholder engagement; Networks; Strategic Management; </li></ul>
  28. 28. Projeto Delta De Hax e Wilde II (1999), o projeto Delta sugere três posicionamentos estratégicos diferentes, especificamente o posicionamento de solução total para o cliente.
  29. 29. Projeto Delta <ul><ul><li>Empresa: Acionistas como proprietários mas “pertence” a seus clientes; </li></ul></ul><ul><ul><li>Estratégias com foco em reter e satisfazer o cliente; </li></ul></ul><ul><ul><li>Produtos padronizados utilizando canais de distribuição em massa ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Reconhecer e satisfazer as necessidades individuais dos clientes. </li></ul></ul>
  30. 30. Projeto Delta <ul><li>Custumer bonding </li></ul><ul><ul><li>Arquitetura, articulação e efetivação de criar e estabelecer relacionamento / vínculo com o cliente; </li></ul></ul><ul><ul><li>Mecanismo de criação de vínculos indissociáveis com o cliente; </li></ul></ul><ul><ul><li>Uso de estratégias para criar custumer bonding </li></ul></ul>
  31. 31. Projeto Delta <ul><li>Estratégias para custumer bonding: </li></ul><ul><ul><li>Melhor produto; </li></ul></ul><ul><ul><li>Solução total para clientes; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aprisionamento no sistema (lock-in) </li></ul></ul>
  32. 32. Projeto Delta <ul><li>Melhor Produto </li></ul><ul><ul><li>Estratégia preconizada Michael Porter; </li></ul></ul><ul><ul><li>Cliente seduzido pelas características e atributos intrínsecos do produto; </li></ul></ul><ul><ul><li>Foco no menor custo – vantagem de preço; </li></ul></ul><ul><ul><li>Diferencial – Características Únicas </li></ul></ul><ul><ul><li>(disposição para pagar preços maiores para obtê-los); </li></ul></ul><ul><ul><li>Foco central em igualar ou superar os competidores; </li></ul></ul><ul><ul><li>Apóia-se na rentabilidade do produto; </li></ul></ul><ul><ul><li>Busca de eficiência dos processos adm., operacional e comercial </li></ul></ul>
  33. 33. Projeto Delta <ul><li>Solução total para clientes </li></ul><ul><ul><li>Cliente como elemento diferenciado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Entendimento das suas expectativas e desejos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Base em estimular o relacionamento com o cliente; </li></ul></ul><ul><ul><li>Composição de produtos e serviços onde o cliente participa da criação de valor econômico; </li></ul></ul><ul><ul><li>Criar formas de conquistar, manter e servir o cliente por capacidades corporativas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Oferecer benefícios a partir da perspectiva do cliente; </li></ul></ul><ul><ul><li>Iniciativas integradas para gerar um conjunto de produtos diferenciados; </li></ul></ul>
  34. 34. <ul><li>Aprisionamento tecnológico (lock-in) é processo de dependência ao qual as organizações são submetidas ao fazerem a opção de uso de uma determinada tecnologia; </li></ul><ul><li>A dependência ocorre da dificuldade associada à troca dessa tecnologia por uma outra em razão dos alto custos (switching costs) envolvidos; </li></ul><ul><li>Um dos aspectos distintivos do aprisionamento baseado na informação é que ele tende a ser muito durável: o equipamento se desgasta, reduzindo os custos de troca, mas os banco de dados persistem e crescem intensificando o aprisionamento ao longo do tempo; </li></ul><ul><li>Aprisionamento no sistema </li></ul>Projeto Delta
  35. 35. Projeto Delta
  36. 36. Aprisionamento no Sistema
  37. 37. Projeto Delta
  38. 38. Projeto Delta
  39. 39. Rede de Valor <ul><ul><li>Fonte: Barry Nalebuff. Co-opetition. http://mayet.som.yale.edu/coopetition/index2.html </li></ul></ul>
  40. 40. Ciclo de aprisionamento no Sistema <ul><li>O princípio mais básico para aprendermos a lidar com o aprisionamento é anteciparmos todo o ciclo desde o início. </li></ul>Fonte: http://www.ead.fea.usp.br/
  41. 41. Cases
  42. 42. Agenda Estratégica do McDonald´s <ul><li>119 países, 31.129 restaurantes, 48 milhões de clientes </li></ul><ul><li>Marca global: US$ 26 bilhões </li></ul><ul><li>Brasil: </li></ul><ul><li>- 548 restaurantes, 1,5 milhão de clientes (dia) </li></ul><ul><ul><li>- Faturamento: R$1,9 bilhão (2004) </li></ul></ul><ul><ul><li>- 57,7 mil postos de trabalho </li></ul></ul><ul><ul><li>- Diálogo com grande variedade de stakeholders </li></ul></ul><ul><li>Forças da empresa: Fornecedores tradicionais e de alto </li></ul><ul><li>padrão </li></ul><ul><li>Fraquezas diagnóstico: </li></ul><ul><li>- Rede é referência no debate sobre obesidade </li></ul><ul><li>- Site corporativo tem layout envelhecido em relação aos </li></ul><ul><li>portais da rede em outros países </li></ul>
  43. 43. CRM – lealdade do consumidor <ul><li>Diálogo interativo </li></ul><ul><li>Campanhas e promoções </li></ul>Ações <ul><li>Qualidade da experiência </li></ul><ul><li>Fidelização </li></ul><ul><li>Dados imediatos para tomada de decisões </li></ul>Resultados <ul><li>Identificação e personalização </li></ul><ul><li>Segmentação e Diferenciação </li></ul><ul><li>Política de relacionamento (opt-in claro) </li></ul><ul><li>Customer tracking </li></ul>Mecanismos
  44. 44. CRM OPERACIONAL Back Office Front Office Interação com o cliente Data Warehouse Data Mart de Clientes Data Mart de Atividades De clientes PROCESSAMENTO CRM ANALÍTICO CRM COLABORATIVO Gerência de pedidos Produção Sistemas legados Automatização de atendimento Automatização de marketing Automatização de vendas Gerência de Categorias Gerência de Campanhas Voz, URA, Call Center Mobile E-mail Internet - Web Atendimento Direto nos restaurantes PROGRAMA CRM
  45. 45. Portal de Relacionamento McDonald’s Customer Bonding CRM aplicação prática do marketing de relacionamento Marketing de relacionamento interações dentro da rede de relacionamentos Fish feeders atratividade aliada à comunicação estratégica Conteúdos digitais experiência Comunicação interativa informação e transparência Marketing interativo campanhas e promoções Portal transacional B2C / leilões IRM Portal corporativo marca na web PORTAL DE RELACIONAMENTO
  46. 46. Customer Bonding
  47. 47. E-mail Marketing <ul><li>% venda gerada pela campanha </li></ul><ul><li>Perfil dos clientes </li></ul><ul><ul><li>Segmentação </li></ul></ul><ul><ul><li>Demografia </li></ul></ul>
  48. 48. Relacionamento CDN e McDonald’s <ul><li>CDN Interativa auxilia seus clientes a otimizar sua presença na internet e a aprimorar estratégias digitais; </li></ul><ul><li>João Rodarte, fundador e presidente do Grupo CDN, recebeu no dia 13 de setembro o Prêmio Aberje 2007 de “Personalidade do Ano em Comunicação Empresarial”; </li></ul><ul><li>Desde 2005, o portal do McDonald’s posicionou-se como o segundo mais visitado da marca na web; </li></ul><ul><li>A visitação atingiu picos de 1,8 milhão de visitas mensais, o número de clientes cadastrados superou a marca dos 3 milhões e a participação das vendas pela Internet cresceu mais de 50%; </li></ul><ul><li>Foi investido U$ 1 bilhão no portal do mc, com isso o ticket médio da Mc entrega subiu de R$ 17,00 para R$ 25,00 (ROI). </li></ul>Fonte: http://blog.cdni.com.br/
  49. 49. Agenda Estratégica do Site Omelete <ul><li>Site de Entretenimento sobre cultura POP; </li></ul><ul><li>Criado em junho de 2000 por amigos: Érico Borgo, </li></ul><ul><li>Marcelo Forlani, Pierre Mantovani e Renato Fabri ; </li></ul><ul><li>Em 2007 já possuía 120 mil visitas diárias. No mesmo ano </li></ul><ul><li>lançou revista impressa e a Omelete TV (conteúdo de vídeos); </li></ul><ul><li>Considerado o maior portal de cultura POP do Brasil; </li></ul><ul><li>Atualmente conta com diversos colaboradores e colunistas. </li></ul>Fonte: http://www.omelete.com.br
  50. 50. Agenda Estratégica do Site Omelete <ul><li>Pierre Mantovani e Renato Fabri são CEO e CCO, </li></ul><ul><li>respectivamente, da agência digital brasileira Tribal; </li></ul><ul><li>Em 2008 a multinacional publicitária Digitas anunciou </li></ul><ul><li>aquisição da Tribal; </li></ul><ul><li>A Digitas faz parte do Grupo Publicis, que pagou U$ 1 bilhão </li></ul><ul><li>pela mesma; </li></ul>Fonte: http://www.omelete.com.br
  51. 51. Site Omelete <ul><li>O site realiza promoções para lançamento de filmes. Filme: “Batman – Cavaleiro das Trevas” (boné, livro do filme e pôster); </li></ul><ul><li>Informações de bastidores dos cinemas; </li></ul><ul><li>Omelete TV: entrevistas, curiosidades e cinema; </li></ul><ul><li>Faturamento do ano passado foi de aproximadamente : R$ 800 mil </li></ul>Fonte: http://www.omelete.com.br
  52. 52. Site Omelete
  53. 53. Agenda Estratégica do Banco Itaú <ul><li>Serviços de finanças e seguros a mais de 12,4 milhões </li></ul><ul><li>de pessoas físicas e pequenas empresas; </li></ul><ul><li>3/11/2008 - Os controladores da Itaúsa e do Unibanco </li></ul><ul><li>Holdings comunicaram ao mercado a unificação das </li></ul><ul><li>operações financeiras dos Bancos Itaú e Unibanco. </li></ul><ul><li>Fundado em 1945, maior banco do hemisfério Sul após </li></ul><ul><li>fusão com o Unibanco; </li></ul>Fonte: http://www.itau.com.br
  54. 54. <ul><li>31/12/2008 – Com a fusão: 108 mil funcionários, um total de ativos de R$ 632.728 milhões, R$ 271.938 milhões em operações de crédito, incluindo avais e fianças, e R$ 600.381 milhões em recursos captados </li></ul><ul><li>Um dos maiores conglomerados do Hemisfério Sul, com valor de mercado que o situa entre as 20 maiores instituições financeiras do mundo. </li></ul><ul><li>Itaú Unibanco lucrou R$ 6,854 bilhões nos primeiros 9 meses do ano. O lucro líquido recorrente foi de R$ 7,677 bilhões, com rentabilidade anualizada de 22,2%. O valor de mercado em Bolsas de Valores era de R$ 161,046 bilhões no fim de setembro, o que situa o Itaú Unibanco como 11º colocado no ranking mundial de bancos em 30/9. </li></ul>Agenda Estratégica do Banco Itaú Fonte: http://www.itau.com.br
  55. 55. <ul><li>Olavo Egídio Setúbal (São Paulo, 15 de abril de 1923 — São Paulo, 27 de agosto de 2008) foi um engenheiro, professor universitário, industrial, banqueiro, chanceler e político brasileiro. </li></ul><ul><li>Foi prefeito da capital paulista, indicado pelo governador Paulo Egídio Martins. Filho do advogado, político, poeta e escritor Paulo Setúbal e de Francisca Egídio de Sousa Aranha, era formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e começou sua carreira empresarial ao fundar a Deca, com US$ 10mil, uma indústria especializada em louças sanitárias. Depois foi responsável pelo crescimento e expansão do Banco Itaú, do qual era um dos maiores acionistas e presidente do conselho, além de presidente executivo da holding do grupo, a Itaúsa. </li></ul><ul><li>Entre 1975 e 1979, foi prefeito da cidade de São Paulo, “gerir São Paulo é a mesma coisa que gerir uma Suíça e uma Biafra ao mesmo tempo“, e entre março de 1986 e fevereiro de 1987, durante o governo Sarney, foi ministro das Relações Exteriores, havia sido indicado por Tancredo Neves. F undou o Instituto Itaú Cultural, em 1987. </li></ul><ul><li>Percebeu, ainda no final dos anos 1980, o potencial que a linguagem digital poderia alcançar. Encampou a criação de um banco de dados informatizado sobre a arte brasileira, com a digitalização de obras desde a missão francesa no Império, no século XIX. A iniciativa tornou-se a Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais, que disponibiliza na internet para quase 500 mil pessoas por mês mais de 12 mil obras e quase 3 mil biografias de artistas brasileiros. </li></ul><ul><li>Olavo, morreu aos 85 anos de insuficiência cardíaca. </li></ul>Olavo Setúbal
  56. 56. Lucro Líquido Pro Forma (R$ Milhões) Retorno Anualizado Sobre o Patrimônio Líquido Médio - ROE Relatório Anual de 2008 11,921 10,004 Lucro Líquido Pro forma 2,143 (567) Total de Efeitos não Recorrentes (408) (59) Outros Efeitos não Recorrentes - (223) Amortização de Ágios 3,201 233 Alienação de Investimentos (206) (174) Provisão para Planos Econômicos (136) Efeitos da Adoção da Lei n.º 11,638 (443) (3,089) Provisão Adicional para Créditos de Liquidação Duvidosa - (888) Provisão para Gastos com Integração Itaú Unibanco - (1,414) Equalização de Critérios Contábeis - 5,183 Efeitos Decorrentes da Associação Itaú Unibanco (incorporação de ações) 9,779 10,571 Lucro Líquido Pro Forma Recorrente 2007 2008 R$ milhões      
  57. 57. Fonte: http://ww13.itau.com.br/PortalRI/HTML/port/infofinan/rao/2008/df/11.htm Balanço Patrimonial
  58. 58. Banco Itaú - Bankline
  59. 59. Agenda Estratégica da Dentsu <ul><li>28 países, 144 escritórios, Agência Digital Japonesa </li></ul><ul><li>Faturamento no mundo: US$ 17bilhões </li></ul><ul><li>Brasil: 32 funcionários </li></ul><ul><li>Principais clientes: </li></ul><ul><ul><li>- Microlins </li></ul></ul><ul><ul><li>- Ajinomoto </li></ul></ul><ul><ul><li>- Fast Shop </li></ul></ul><ul><ul><li>- NEC do Brasil </li></ul></ul><ul><ul><li>- Sony </li></ul></ul><ul><ul><li>- Toyota </li></ul></ul><ul><ul><li>- Nestlé </li></ul></ul><ul><ul><li>- Schin </li></ul></ul>Fonte: http://www.propmark.com.br/
  60. 60. Agência Dentsu
  61. 61. Bibliografia <ul><li>HAX, A.C; WILDE II, L. The delta project: discovering new sources of profitability in a Networked Economy. Palgrave, New York, 2001. </li></ul><ul><li>The Future of the Internet and How to Stop It. Published March 30, 2008 </li></ul><ul><li>Authored by Jonathan Zittrain </li></ul><ul><li>http://www.ead.fea.usp.br/cad-pesq/arquivos/v08-1art06.pdf </li></ul><ul><li>http://cyber.law.harvard.edu/iif/Syllabus </li></ul><ul><li>http://wwwp.fc.unesp.br/~yonezawa/si-papel.pdf </li></ul><ul><li>http://www.inovacaoenegocios.com/2008/07/o-futuro-da-internet-e-computadores.html </li></ul><ul><li>http://www.profissionaisdeweb.com/noticias/pesquisa-revela-qual-o-futuro-da-internet-e-da-tecnologia/ </li></ul><ul><li>http://www.dw-world.de/dw/article/0,,2636556,00.html </li></ul>

×