SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
> 1º semestre 2013 | edição 10
LIDERANÇA
Rodrigo
Dienstmann
assumepresidência
daCiscodoBrasil
VOZ DO CLIENTE
NETexpandeserviço
NOWeinstala
hotspotsemruasde
grandecirculação
INOVAÇÃO
Novas tecnologias
revolucionam sala de aula ;
Colégio Porto Seguro
adere ao WiFi
Bancos adotam ferramentas de
colaboração e personalizam atendimento
futuro
do
Aagência
Access Point - WAP121
Roteadores - RV180
Telefones - IP SPA 525G2
Switches - SG500-52P
SSoluções CCCisco para PPeqquennnas e MMéédiass Emmprreesas
Produtos que possibilitam a melhor comunicação, conexão e segurança
Andeloce.com
A Cisco ajuda as empresas a enfrentar os desafios tecnológicos.
Soluções de rede sem fio, infraestrutura de rede e comunicação unificada.
Visite a página de Lançamento da Linha Cisco para Pequenas e Médias Empresas
e saiba como podemos ajudá-lo a resolver sua crise tecnológica.
wwwww.cisco.o.o.com.br/d/descoconectctctadososananonononimimos
SS CCC PP qq nnn MMéé ss mm rree
wwww o.o.o. /d/d coco ctctct ososanonononimim
1
33
EDITORIAL
SUMÁRIO
CURTAS
04Liderança
Rodrigo Dienstmann assume
presidência da Cisco do Brasil
05Carro conectado
96 % dos brasileiros andariam em
carro que dispensa motorista
06Comunicação Unificada
UCC está na estratégia
de 78% dos líderes de TI
08Conexão
Cisco espera 50 bilhões de
dispositivos conectados até 2020
CONNECT
10Barômetro
Brasil rumo à Banda Larga 2.0
12Dados Móveis
Estudo constata que tráfego
alcançará 134,4 exabytes
14Internet de Todas as Coisas
IoE: oportunidade de US$ 14 trilhões
INOVAÇÃO
16Educação
Novas tecnologias
revolucionam sala de aula
20Telemedicina
Tecnologiavencepreconceitos
24Capa
O banco do futuro
já está em construção
VOZ DO CLIENTE
30WI-FI
Eniac adota solução com
autenticação integrada à base de
usuários
32Vídeo
NET NOW: alta definição sob
demanda e sem intervalos
34Acesso à rede
CPFL controla conectividade dentro
e fora do ambiente corporativo
PARCEIRO
36Carreira
Certificações Cisco: resultados
positivos na vida profissional
38Velocity
Times de marketing da Cisco alinham
estratégias com parceiros
ARTIGO
40Potencial
Como a Interneto of Everything
pode mudar a nossa rotina
EQUIPE RESPONSÁVEL
CISCO DO BRASIL
Presidente
Rodrigo Dienstmann
Diretor de Engenharia
Marcelo Ehalt
Diretor de Canais
Eduardo Almeida
Diretor de Marketing & RP
Marco Barcellos
CISCO LIVE MAGAZINE É UMA PUBLICAÇÃO DA CISCO DO BRASIL
Conselho Editorial
Adriana Bueno, Fabricio
Mazzari, Isabela Polito, Isabella
Micali, Jackeline Carvalho,
Mariana Fonseca, Monica
Lau, Renata Barros, Sandro
Barrella e Marco Barcellos.
PRODUÇÃO
Comunicação Interativa Editora
Jornalista Responsável
Jackeline Carvalho
MTB 12456
Diretora de Redação
Jackeline Carvalho
Reportagem
Jackeline Carvalho
Edição
Luciana Robles
Revisão
Comunicação Interativa
Asssessoria de Imprensa
In Press Porter Novelli
Arte
Marcelo Max
Tiragem
5000 exemplares
OS BANCOS NÃO SÃO MAIS OS MESMOS
P
ara aqueles que viveram os períodos de inflação em alta e corrida diária
às agências bancárias, é interessante notar que o relacionamento com
banco hoje é sinônimo de Internet. E caminha a passos largos para o
celular, ou seja, está cada vez mais à mão do cliente, sem filas e atropelos.
Isso provocou também uma inversão de papel das agências, que pouco a pouco
foram perdendo tamanho e ganhando ares de sala de visita, até chegarem ao es-
tágio de atendimento personalizado. Talvez hoje não mais com o cafezinho com
o gerente, mas recuperamos a oportunidade de olhar nos olhos de especialistas
para tirar dúvidas sobre investimentos, novos serviços ou gestão financeira. Um
laptop, tablet ou smartphones agora são suficientes para colocá-lo na frente de um
especialista dentro do banco. Ou mesmo uma Telepresença, como a do Bradesco
Next, em nossa reportagem de capa. Assim, rompemos a barreira da distância ou
de locomoção nas grandes cidades do país.
O atendimento também pode não acontecer na sua agência de origem, já que
as tecnologias de colaboração promovem isso. Mesmo em agências ou cidades
pequenas, o cliente pode ter acesso a um especialista para discutir seus planos de
investimento,semprecisardeumprofissionalnaagência100%dotempo.Bompara
obanco,queexploraoconceitodepresença,economizandotempoemelhorando
oatendimento.Bomparaocliente,quetemaoportunidadedeesclarecerdúvidase
receber informações diretamente da pessoa que vai influenciar suas decisões.
As tecnologias estão mudando os bancos, é verdade. Mas, vale lembrar que isto
é apenas o início da revolução da Internet de Todas as Coisas (IoE – Internet of
Everything), uma mudança no cenário mundial que representa um potencial eco-
nômicodeUS$14trilhõesparaasempresasdosetorprivadoatéapróximadécada.
Umresultadodiretodamaiorconectividadeentrepessoas,processos,dadosecoisas.
E,porfim,aCiscoLIVEMagazinecomemoraanomeaçãodeRodrigoDienstmann
comoonovopresidentedaCiscodoBrasil.Apartirdeagora,eleseráoresponsável
por comandar a filial brasileira e dar continuidade à estratégia da companhia de
incentivar a inovação e o desenvolvimento socioeconômico no país. Sem dúvida,
uma ótima notícia para todos nós.
Boa leitura!
Marco Barcellos
1
44
11CURTAS
6 RODRIGO DIENSTMANN É NOMEADO
PRESIDENTE DA CISCO DO BRASIL
6 CISCO AMPLIA
PORTFÓLIO DE
REDES PARA
ARMAZENAMENTO
EM DATA
CENTERS
A
Cisco lançou soluções de
redes para armazenamento
dedados dentro do portfó-
lio MDS, que promete me-
lhorarodesempenho,escalabilidadee
confiabilidade dos recursos, e ajudar
líderes de TI a lidar com as tendências
de computação em nuvem, big data
e a internet de todas as coisas.
Oportfólio,quecompreendeswitches
modularesdearmazenamento,servido-
res, gerenciamento central e o siste-
ma operacional da empresa, promete
ajudar companhias que necessitam
de acesso mais rápido a métricas de
negócios para melhorar a tomada de
decisão, inclusive na área da saúde.
Entre os produtos estão o MDS
9710 Multilayer Director, já dis-
ponível no mercado e que promete
largura de banda até três vezes maior
em switches modulares de armaze-
namento; e o MDS 9250i Multiser-
vice Fabric Switch, cuja previsão de
lançamento é no terceiro trimestre
do ano, e é recomendado para ser-
viços de redes de armazenamento
na matriz SAN.
De acordo com David Yen, vice
presidente sênior do grupo de Data
Center da Cisco, o anúncio consolida
a empresa como líder em tecnologia
para o mercado de switch modular
de armazenamento.
A
Cisco nomeou Rodrigo
Dienstmann como novo
presidente da empresa no
Brasil. O executivo será
responsável por dar continuidade à
estratégia da companhia de incenti-
var a inovação, a transformação e o
desenvolvimento socioeconômico,
expandindo a presença da Cisco
no País e destacando a importância
de investimentos em Tecnologia da
Informação e Comunicação – TIC
- para o crescimento e competitivi-
dade locais.
“O Brasil é um país estratégico para
a Cisco e uma fonte de crescimento
para a companhia. Nós queremos ser
o melhor e o mais estratégico par-
ceiro de tecnologia para o Brasil e
fazer com que a companhia se torne a
número 1 de TI no País”, afirma Jordi
Botifoll, presidente da Cisco Améri-
ca Latina. “Rodrigo é um executivo
experiente, com forte habilidade de
liderança e visão de negócios, e será
fundamental para aumentar nossa
presença no País”.
Dienstmann, que assumiu interi-
namente a presidência da empresa
em março de 2013, está na Cisco há
quatro anos. Neste período, ocupou
importantes cargos como diretor de
vendas dos segmentos de operadoras
e de empresas de grande porte.
O executivo tem mais de 20 anos
de experiência na indústria de tele-
comunicações e uma profunda com-
preensão do mercado brasileiro, com
passagens pela Oi, como diretor na
área de mercado; e como vice presi-
dente da GVT, além de outras posi-
ções executivas na Intelig, Iridium
Sudamérica e Siemens Telecom.
Dienstmann é graduado em Enge-
nharia Eletrônica e Telecomunica-
ções pela Universidade Federal Tec-
nológica do Paraná, e possui MBA
em Administração de Negócios pelo
IBMEC-RJ.
Executivo será responsável por dar
continuidade à estratégia da companhia de
incentivar a inovação, a transformação e o
desenvolvimento socioeconômico do País
55
Cisco marca presença no iPlanet 2013 e mostra que investir
em tecnologia traz competitividade para as PMEs
O
s números gerais do iPla-
net 2013, evento que reú-
ne empresas de TI e Au-
tomação, realizado pela
Officer Distribuidora, comprovam a
relevância do encontro: foram cerca
de 3800 pessoas, 30 estandes e mais
de 120 palestras técnicas e comerciais.
A Cisco esteve presente e, em
uma de suas palestras, mostrou que
para pequenas e médias empresas
(PMEs) ganharem competitividade
é necessário investir em tecnologia.
Segundo a diretora de vendas da
companhia, Ana Claudia Plihal, as
PMEs desconfiam da segurança dos
equipamentos de TI e, por isso, o de-
safio é fazê-las entender que adquirir
tecnologia é essencial para o futuro
dos negócios.
6 OPORTUNIDADE DE QUEM SAI NA FRENTE
6 CORRIDA VIRTUAL
Como afirma, “a primeira preocupa-
çãodeinvestimentoemtecnologiaque
apequenaemédiaempresatemé:como
eu mantenho isso seguro depois?”
Para reduzir essa desconfiança,
Ana Plihal defende iniciativas como
as da Cisco, que disponibiliza os
equipamentos para instalação, expe-
rimentação e validação dos recursos.
Em sua apresentação no iPlanet,
a executiva também lembrou que
a computação em nuvem ajudou a
democratizar o acesso à tecnologia.
“Em cloud, é possível adquirir solu-
ções sofisticadas, as mesmas utiliza-
das pelas grandes empresas”, disse.
Segundo a executiva, o preço das
soluções em cloud é um diferencial
relevante para as pequenas e médias
empresas, uma vez que o modelo de
cobrança é baseado no uso, o que
permite às empresas menores terem
condições de acesso ao que existe
de melhor no mercado.
96% dos brasileiros andariam em carro que dispensa motorista
U
m estudo feito pela Cis-
co sobre a experiência do
consumidor (Customer Ex-
perience Report) do setor
automotivo mostrou que o uso da
tecnologia tem sido relevante nesta
área, desde o processo de escolha e
compra à manutenção e à direção do
veículo. O estudo pesquisou mais de
1.5 mil consumidores em 10 países -
Alemanha,Brasil,Canadá,China,Esta-
dosUnidos,França,Índia,Japão,Reino
Unido e Rússia - e constatou que 61%
dos entrevistados usam websites das
montadores para pesquisas antes de
comprar um carro; e 78% dos consu-
midores confiam nas pesquisas online.
Dos entrevistados, 83% preferem
pesquisarinformaçõessobreumcarro
pela internet, e 61% usa o site do fa-
bricante, mas 17% preferem telefonar
ou ir a uma concessionária. Em média
65%dosentrevistadosinformaramque
compartilhariaminformaçõespessoais
comoaltura/peso,hábitosdedireçãoe
preferênciasementretenimentoseisso
levasse a um veículo e experiência de
direção mais customizados.
Valorização da marca e tecnologia
A pesquisa afirma que 47% valori-
zam a reputação da marca na adoção
da tecnologia ao comprar um veículo,
e globalmente os consumidores espe-
ram ver mais mudanças de transporte
na customização, segurança, tempo
e economia de custos.
Os mercados emergentes, como
Brasil, China e Índia, são os mais dis-
postos a oferecer informações so-
bre hábitos de direção, em troca de
eficiência em custo e tempo, e mos-
tram mais confiança em veículos
sem motorista. No Brasil, esse nível
de confiança é maior que em outros
países, e cerca de 92% deixariam
os filhos em carros automatizados,
ao contrário de consumidores do
Japão, França e Alemanha, onde 6%
permitiriam que os filhos andassem
em um veículo não pilotado
66
11CURTAS
No entanto,
investimentos em
tecnologias de
comunicações
unificadas e
colaboração podem
ser perdidos se não
cairem nas “graças”
dos usuários
UCC ESTÁ NA ESTRATÉGIA DE
78%DOSLÍDERESDE TI
O
s tomadores de decisão
da área de TI de grandes
organizações deverão in-
vestir US$ 53 milhões em
serviços de suporte a comunicações
unificadas e colaboração (UCC - Uni-
fied Communications and Collabora-
tion) nos próximos dois anos.
No entanto, a pesquisa mundial
sobre o uso de UCC nas Américas,
Austrália, Ásia, Europa e África do
Sul, encomendada pela Dimension
Data, aponta que esses investimentos
podem fracassar se os funcionários
não utilizarem os recursos.
De acordo com o estudo Dimen-
sion Data 2013 Global UCC Study,
feito pela Ovum, 78% dos entrevista-
dos disseram ter um plano estratégico
atualizado e orçamento para imple-
mentar “componentes selecionados”
de UCC. 43% tem um orçamento para
a “maioria dos componentes” de
UCC, enquanto 42% dos tomadores
de decisão indicaram ter orçamento
para realizar investimentos em “todos
ou na maioria dos aspectos” de UCC.
“Essa é uma mudança surpreen-
dente, especialmente quando as
condições econômicas e as limita-
ções operacionais colocam um freio
nos investimentos em comunicações
“Para as organizações
que querem formular
ou renovar uma
UCC, a opinião dos
colaboradores é
fundamental”
— CRAIG LEVIEUX, GERENTE GERAL
DO GRUPO DIMENSION DATA PARA
COMUNICAÇÕES CONVERGENTES
empresariais”, diz o gerente geral do
Grupo Dimension Data para Comuni-
cações Convergentes, Craig Levieux.
“Dos tomadores de decisão em TI
que fizeram grandes investimentos em
UCC nos últimos dois anos, 61% ci-
tou economias mensuráveis de custos,
produtividade e retenção de talentos.
Isso envia uma forte mensagem às or-
ganizações que não reconhecem as
comunicações unificadas como uma
arma estratégica de produtividade e
economias de custo”, diz.
Mas, por enquanto, as aspirações
de UCC das organizações não cor-
respondem às de seus funcionários.
A pesquisa revelou que as empre-
sas pecam ao deixar de avaliar o
perfil e as necessidades de seus
colaboradores. Segundo Levieux,
essa falta de conscientização dos
funcionários pode colocar em risco
o sucesso dos investimentos em
UCC, já que os tomadores de deci-
são afirmaram basear seus investi-
mentos na melhoria dos processos
empresariais e da produtividade.
“Para as organizações que querem
formular ou renovar uma UCC, a
opinião dos colaboradores é funda-
mental. Em um mundo onde mais e
mais funcionários trazem seus pró-
prios dispositivos para o trabalho,
a falta de entendimento entre os to-
madores de decisão e empregados
pode resultar em um custo acima
do real”, declara Levieux.
88
11CURTAS
Cisco aposta em recursos para colaboração
MERCADO GLOBAL
CHEGARÁA2020 COM 50
BILHÕES DE DISPOSITIVOS
CONECTADOS
A
Cisco informou, durante a
Enterprise Connect Orlan-
do 2013, que cerca de 50
bilhões de dispositivos es-
tarão conectados até 2020, o que pode
gerar um valor de US$ 14,4 trilhões. A
companhia aproveitou a oportunidade
para anunciar novas ferramentas para
soluções de colaboração.
Dos US$ 14 trilhões, Robert Lloyd,
presidente de desenvolvimento e ven-
das da Cisco, informou que cerca de
US$ 3 trilhões serão destinados à ino-
vação, enquanto US$ 3,7 trilhões para
melhorar a experiência do usuário; o
resto será distribuído na cadeia de ati-
vos, suprimentos e produtividade. Na
ocasião,ogestordemonstrouonovore-
cursodetelepresençadoCiscoWebEx.
O diferencial da solução, segundo
a Cisco, é a possibilidade de estender
a reunião para usuários externos à
corporação, pois o novo software
promete às empresas monitorar por-
tas, banda larga e infraestrutura, para
suportar a videoconferência e ajustar
recursos automaticamente.
“Permitindo a telepresença como
parte do software WebEx, podemos
estender a experiência em vídeo para
qualquer tipo de endpoint, sendo ou
não dispositivo móvel, sala de telepre-
sença ou telefone IP. Qualquer pessoa
com um browser pode ter capacidade
de vídeo”, explicou Thomas Wyatt,
vice presidente e gerente geral de
negócios de colaboração e infraes-
trutura da empresa.
Inovações
A Cisco também informou que tem
trabalhadonaexpansãodaarquitetura
medianet para endpoints de telepre-
sença e clientes da solução ‘Jabber’, e
explicou que a arquitetura provê à TI
gerenciamento com visibilidade den-
tro do tráfego de vídeo na rede e sin-
croniza endpoints automaticamente.
“O medianet está prestes a viabilizar
aplicações para interagir com a infra-
estrutura básica e otimizar a rede para
a entrega de vídeo”, adicionou Wyatt.
Por fim, a Cisco informou que ex-
pandiu produtos na forma VaaS (vídeo
como serviço) para os parceiros, e
pode entregar diferentes formas de
consumo para que o usuário possa
utilizar recursos de videoconferência
de forma segura, mas sem precisar
fazer ‘reserva’ ou digitar um código
de acesso. “Estamos lançando uma
sala de reunião virtual, um conceito
que permite a parceiros realizar uma
reunião ‘improvisada’ na nuvem”, co-
mentou Wyatt . “Os usuários querem
se encontrar em qualquer lugar e a
qualquer hora, apenas com uma cha-
mada rápida”, finalizou o executivo.
1010
11CONNECT
Conexões acima de 2Mbps cresceram 13,4%, sendo
57,6% até 2Mbps, e 42,2% na faixa de 10Mbps
MOBILIDADE DOMINA
EXPANSÃODA BANDA LARGA
O
Barômetro Cisco de Ban-
da 2.0, estudo conduzido
pela Cisco em parceria
com a IDC, analisou a
penetração da Banda larga no Bra-
sil, no segundo semestre de 2012, e
mostrou que o País alcançou a marca
dos 25,820 milhões de conexões (so-
madas as fixas e móveis), enquanto,
na primeira metade do ano passado,
o número foi 23,590 milhões.
No período, os serviços móveis
chegaram a 19,063 milhões, um cres-
cimento de 10,6%, enquanto as cone-
xões de banda larga fixa cresceram
9,1%. “O crescimento é impulsionado
pelo desejo de ter acesso ao serviço
em casa. O País é o terceiro no con-
sumo de notebooks no mundo e isso
empurra a penetração da banda larga”,
afirma João Bruder, analista especia-
lizado em telecomunicações da IDC.
Ele ainda destaca o crescimento
da banda larga 2.0, com conexões
acima de 2Mbps, que já oferecem
uma melhor experiência aos usuários
domésticos, e informa que o número
de conexões acima dessa marca cres-
ceu 13,4%, sendo 57,6% até 2Mbps, e
42,2% na faixa de 10Mbps ou mais.
Presente à apresentação do Barô-
metro, Márcio Carvalho, diretor de
produtos e serviços da NET, explicou
que, na companhia, 70% dos clientes
fazem parte dessa geração 2.0, e têm
conexões acima de 10Mbps. “Já esta-
mos vendo a NET chegar em regiões
carentes de infraestrutura, um gargalo
no Brasil. Nosso desafio é levar o ser-
viço para o interior do País”, destaca.
Das tecnologias fixas, ele informa
que o xDSL representa 5% das cone-
xões do período, enquanto o cabo
soma 31%. “Juntas essas tecnologias
representam94,8%dasconexões”,diz.
Anderson André, diretor geral do
segmento de provedores de serviços
da Cisco do Brasil, destaca que, em-
bora haja o crescimento na adoção
de fibra óptica, as outras tecnologias
continuarão dominantes no mercado.
Aumento do tráfego
Com os usuários móveis deman-
dando cada vez mais serviços, a
mobilidade e, consequentemente, o
tráfego de dados foram abordados
durante o encontro. Os executivos
da Cisco apontaram a necessidade de
investimentos em WiFi e offload das
redes móveis 3G e 4G para viabilizar
mais conexões.
“Os usuários de banda larga de-
mandam cada vez mais serviços,
como vídeos e jogos online. E tam-
bém há a demanda de OTT, que tem
o NetFlix como exemplo”, pontua
Giuseppe Marrara, diretor de ques-
tões regulatórias e governos da Cis-
co. Segundo ele, “o offload das redes
é essencial para escoar esse tráfego,
principalmente em locais com grande
concentração de pessoas”.
Anderson André conta que durante
6 SOBREPOSIÇÃO
Banda larga móvel
cresce mais que a fixa
Serviços móveis
tiveram expansão de
10,6%
Conexões de
banda larga fixa cresceram
9,1%
os Jogos Olímpicos de Londres, pri-
meira Olimpíada da era smartphones
e tablets, o WiFi fez a diferença para
viabilizar a comunicação de dados.
“Um aspecto importante é que Lon-
dres e Pequim tiveram mais hotspots
depois dos eventos mundiais”, comen-
ta, ao dizer que “o Brasil tem de 0,60%
a 0,70% da base global de hotspots”.
O diretor de questões regulatórias
e governos da Cisco também ressalta
a perspectiva positiva para o setor de
telecom em 2013. “Esse será um ano
importante para o setor de telecom,
com algumas regulamentações, como
oREPNBL,quedeveacelerarumasérie
de investimentos; regulamentação da
faixa de 700MHz, que será mais um
espectro global para 4G; o PNBL 2.0,
que surge com expectativa de baixo
custo para desoneração de serviços; e
por fim, a Lei das Antenas”.
1212
11CONNECT
Estudo constata que tráfego alcançará 134,4 exabytes
DADOS MÓVEIS ILIMITADOS
C
om a explosão do número
de dispositivos conecta-
dos, o tráfego global de
dados transitando através
das redes móveis deve crescer cerca
de 13 vezes nos próximos cinco anos,
chegando a 11,2 exabytes por mês,
ou 134,4 exabytes por ano. Somente
no Brasil, a previsão de aumento do
tráfego móvel, no mesmo período,
é de 12 vezes até 2017.
Revelado no início do ano pelo rela-
tório Visual Networking Index (VNI)
Global Mobile Data Traffic Forecast
2012-2017, o crescimento exponen-
cial se deve, em parte, ao crescimento
contínuo do número de dispositivos
conectadosàinternet,incluindoasapli-
cações máquina-a-máquina (M2M).
Paraseterideiadoimpactodestecres-
cimento,os134,4exabytesequivalem
a 30 trilhões de imagens, ou 10 fotos
tiradas diariamente durante um ano
inteiro por cada pessoa na terra.
Entre 2012 e 2017, a Cisco esti-
ma que o tráfego global de dados
móveis crescerá três vezes mais que
o tráfego global de dados fixos. Os
principais motivos do crescimento
são um maior número de usuários
móveis (de 4,3 bilhões em 2012 para
5,2 bilhões em 2017) e de disposi-
tivos e conexões M2M (10 bilhões
“As operadoras
precisarão de redes
mais inteligentes e
com melhor gestão”
— RODRIGO DIENSTMANN,
PRESIDENTE DA CISCO DO BRASIL
de devices, sendo 1,7 bilhão de co-
nexões M2M).
Além disso, as velocidades médias
das redes móveis saltarão mais de sete
vezes (de 0,5 Mbps para 3,9 Mbps) e
o consumo de vídeos deve chegar a
66% do tráfego móvel global.
Dados locais
No Brasil, a previsão é que o tráfego
aumente 12 vezes entre 2012 e 2017,
atingindo 251,5 mil terabytes (0,25
exabytes) por mês, o equivalente a
63 milhões de DVDs. O número é
568 vezes maior que todo o volume
de tráfego móvel no País há 10 anos.
A base instalada de dispositivos
móveis deve saltar de 285 milhões,
em 2012, para 357 milhões em 2017.
“Com o crescimento da nuvem, os
investimentosdasoperadorasemaplica-
çõespararedesmóveistambémaumen-
ta”,dizodiretordeoperadorasdaCisco
doBrasil,AndersonAndré.“Eovídeoé
o‘applicationkiller’,comaevoluçãopara
a alta definição (HD) e 3D. Por isso, a
necessidadedeasoperadorasinvestirem
cada vez mais em infraestrutura.”
1313
todo tráfego móvel no Brasil em cin-
co anos. “As operadoras terão que ter
redes mais inteligentes, com melhor
gestão”, pondera o presidente da Cis-
co do Brasil, Rodrigo Dienstmann. “Aí
entram os investimentos em WiFi,
pois quando explode o tráfego de da-
dos não basta simplesmente aumentar
o uso de antenas.”
6 BASE INSTALADA
A distribuição do tráfego de dados por dispositivo móvel, mensal:
Smartphones 167 milterabytes
Notebooks 53 milterabytes
Tablets 19 milterabytes
“Com o crescimento da
nuvem, os investimentos
das operadoras
em redes móveis
também aumenta”
— ANDERSON ANDRÉ,
DA CISCO DO BRASIL
Um ponto relevante do estudo é o
ganho de importância do WiFi: 90%
do tráfego total associado a dispo-
sitivos móveis e portáteis utilizarão
estas redes, 4% motivado pelo offlo-
ad das redes móveis convencionais.
O 4G será responsável por 7% das
conexões de dispositivos móveis e
M2M em 2017, tomando 30% de
1414
11CONNECT
Para o presidente global da Cisco, John Chambers, empresas que
anteciparem tendência obterão melhor desempenho
INTERNET DETODAS AS
COISAS CRIA OPORTUNIDADE
DEUS$ 14 TRILHÕES
E
m um futuro não tão distan-
te todas as coisas estarão co-
nectadas, o que significa uma
oportunidade econômica de
aproximadamente US$ 14 trilhões
para as empresas do setor privado
durante a próxima década. É o que
revela uma análise divulgada pela Cis-
co a respeito das potencialidades da
chamada Internet de Todas as Coisas,
ou IoE (Internet of Everything).
Este valor resultará do aumento
de receitas e da redução de custos
criados ou migrados entre as cor-
porações de 2013 até 2022, graças
à maior conectividade entre pessoas,
processos, dados e coisas.
Cerca de 66% deste valor virá de
transformações específicas, basea-
das em tecnologia como smart grid
e automações. Os outros 34% virão
de mudanças por toda a indústria,
inclusive aquelas relacionadas ao tra-
balho remoto (teletrabalho).
John Chambers, CEO da Cisco,
escreveu um artigo no qual analisa
as oportunidades da tecnologia. “A
Internet de Todas as Coisas tem o
potencial de aumentar os lucros das
empresas globais em 21% durante
os próximos 10 anos”, escreveu o
executivo. “Acredito que as empresas
e indústrias que rapidamente apro-
veitarem as vantagens da IoE serão
recompensadas com uma fatia maior
dessa crescente rentabilidade.”
Segundo os autores do relatório,
cinco fatores principais devem impul-
sionar a Internet de Todas as Coisas.
O primeiro deve ser a redução de cus-
tos com ativos, estimada em US$ 2,5
trilhões, pois estes passariam a ser
melhor controlados em um ambiente
totalmente conectado. Além disso, há
o aumento da eficiência e da produ-
tividade dos trabalhadores, gerando
ganhos de outros US$ 2,5 trilhões.
Outrofatorimportantedaconectivi-
dade universal é a redução de desper-
dícios logísticos e na cadeia de supri-
mentos,estimadaemUS$2,7trilhões.
Os últimos dois fatores são o aumento
donúmerodeclientesfinaisatravésdo
aprimoramentodaexperiênciadecon-
sumo (US$ 3,7 trilhões) e o aumento
“O IoE aumenta o lucro
das empresas em 21%”
— JOHN CHAMBERS, CEO DA CISCO
6CINCO
FATORES DEVEM
IMPULSIONAR
A INTERNET DE
TODAS AS COISAS:
Redução de custos com ativos
US$ 2,5 trilhões
Aumento da eficiência e da
produtividade dos trabalhadores
US$ 2,5 trilhões
Conectividade universal e
redução de desperdícios
logísticos e na cadeia
de suprimentos
US$ 2,7 trilhões
Aumento do número
de clientes finais
US$ 3,7 trilhões
Aumento da inovação, reduzindo
o tempo de chegada ao mercado
US$ 3 trilhões
da inovação, reduzindo o tempo de
chegada ao mercado (US$ 3 trilhões).
Tendências tecnológicas (nuvem e
mobilidade,bigdata,etc.)eeconômicas
estão impulsionando as cifras da IoE.
Pesquisadores estimam que 99,4% de
todososobjetosfísicosquepoderiam
ser conectados ainda não estão.
1515
1616
11INOVAÇÃO
A
snovasgeraçõesestãomais
conectadas,eainterativida-
de com os dispositivos, in-
clusive os móveis, pode ser
vistaemqualquerlugar.Nasinstituições
deensino,essaafirmaçãosetornacada
vezmaisverdadeiraecolocaosetorde
educação em evidência para fornece-
dores de serviços e produtos de TIC.
DuranteaInterdidática2013,FeiraIn-
ternacionaldeTecnologiaEducacional,
issofoicomprovadocomaapresentação
de tecnologias que podem tornar as sa-
las de aula mais dinâmicas e aumentar
a eficiência da área administrativa das
instituiçõesdeensino.Entreassoluções
estavamaSecretariadealunos3.0,Cor-
reção Digital de Gabaritos de Provas,
Lousas Digitais e Plataformas EAD.
Ricardo Santos, responsável pelo
desenvolvimento de negócios para
o mercado de Educação da Cisco,
conta que o Brasil tem dedicado,
gradativamente, maiores recursos à
educação. “Em 2000, cerca de 2% do
PIB (Produto Interno Bruto) foi des-
tinado à educação; no ano passado, o
número saltou para 5,1%, com o PIB
bem maior do que o de 2000”, diz.
Em paralelo, segundo executivos da
Cisco, a tecnologia aplicada à educa-
Recursos tecnológicos
apoiam plano pedagógico de
instituições de ensino e resultam
em melhor desempenho
para alunos e professores
EDUCAÇÃO 3.0:
UM CONCEITO BASEADO
EM COLABORAÇÃO
ção tem o desafio de se aliar ao plano
pedagógicodasinstituiçõesetornaro
ambientefavorávelaumnovoconceito
deaprendizagem,baseadoemrecursos
“A educação é uma
grande indústria e
há oportunidades
para trabalhar com
governos, iniciativa
privada, grandes e
pequenas empresas”
— RICHARD HALKETT, DIRETOR
EXECUTIVO DO SETOR PÚBLICO E
DE TRANSFORMAÇÃO EMPRESARIAL
NA REGIÃO DAS AMÉRICAS
de colaboração: a educação 3.0.
“A educação é uma grande indústria
eháoportunidadesparatrabalharcom
governos, iniciativa privada, grandes e
pequenas empresas; e é onde vemos
surgirnovasparcerias”,afirmaRichard
Halkett,diretorexecutivodosetorpú-
blico e de transformação empresarial
na região das Américas.
Ele menciona as grandes oportu-
nidades na área de educação para a
Cisco e atribui boa parte dessa eu-
foria ao uso de recursos de colabo-
ração, destacando que a tecnologia
não irá substituir o papel didático do
professor, mas permitirá o trabalho
conjunto dos alunos em sala de aula.
O executivo ainda ressalta que o
País tem passado por uma fase de
transformação, pois migrou da ‘dis-
tribuição de tecnologias’ para um
modelo mais estratégico. “Passa-
mos por uma fase de experimento
e distribuição de tecnologias, com
tablets e computadores para escolas.
Isso foi feito com boa intenção, mas
com pouco critério. Agora, temos a
chance de evitar que a tecnologia seja
usada de forma não pensada e não
integrada com o projeto pedagógico
da instituição de ensino”, conclui.
1717
“Analisamos todas as
soluções tecnológicas
e escolhemos a
Cisco, que era a mais
adequada para um
projeto desse porte”
— KALIL PETERMANN, GERENTE
DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
DO COLÉGIO VISCONDE
DE PORTO SEGURO
U
mdoslíderesdosegmentode
educação no Brasil, o Colé-
gioViscondedePortoSegu-
ro, que possui seis unidades
educacionais – quatro em São Paulo
e duas no interior - adotou tecnologia
Cisco para substituir o backbone de
toda rede corporativa. O projeto, que
atende as seis unidades, aumentou em
50% a capacidade da rede interna, en-
tregando a professores e alunos uma
infraestrutura que torna os recursos
tecnológicosdetodasasáreas,inclusive
das salas de aula, mais rápidos.
Para Kalil Petermann, gerente de
Tecnologia da Informação do Colégio
ViscondedePortoSeguro,aeficiência
operacional é o principal benefício.
No setor administrativo, a vantagem
se traduz em maior eficiência em pro-
cessosdefechamentofiscal,contábile
financeiro, enquanto nas salas de aula
a velocidade da rede impede interrup-
ções e paradas nos sistemas.
“Cada aula deve ser impecável. En-
tão, quanto menos interrupções, do
ponto de vista tecnológico, melhor.
Em uma aula de 45 minutos, cinco
minutos de parada já é um prejuízo
enorme”, explica Petermann.
A renovação da rede propiciou o
desenvolvimento de outros projetos
da instituição, como as lousas digitais
e plataforma EAD. “A Cisco tem uma
participação nesses projetos porque
toda estrutura de rede do Colégio é
dela”, diz o gestor.
Aliança
ParaPetermann,alémdapreocupação
comaáreadeeducação,aexperiênciada
Cisconorteouaescolhadosdispositivos
contratados para o backbone. “Anali-
samos todas as soluções tecnológicas
e escolhemos a Cisco, que era a mais
adequadaparaumprojetodesseporte”,
afirma Petermann.
Fernando Silva, especialista de edu-
cação para o segmento Commercial
da Cisco, informa que a companhia
desenhou a rede de acordo com a ne-
cessidade do cliente, e diz que o apoio
da equipe de TI da instituição foi in-
dispensável para o sucesso do projeto.
SegundoPetermann,essefoioprimei-
ro projeto conjunto feito pelas equipes
daCiscoedoColégioVicondedePorto
Seguro,masorelacionamentonãopara
por aí. As companhias já trabalham em
um projeto de CFTV, que combina se-
gurança e inteligência de rede.
COLÉGIO VISCONDE DE
PORTO SEGURO APOSTA
EM EFICIÊNCIA DE REDE
Instituição investiu na renovação do
backbone corporativo e aumentou
a eficiência da rede oferecida
para áreas estratégicas, como
administrativa e educacional
O Colégio Visconde de Porto Seguro aumentou em 50% a capacidade da rede interna, entregando a professores e alunos
uma infraestrutura que torna os recursos tecnológicos de todas as áreas mais rápidos
2020
Q
uase oito em cada dez
consumidores (76%) bra-
sileiros aceitariam receber
algum tipo de atendimen-
to médico por meio virtual. Segun-
do uma parcela ainda maior (84%),
a qualidade da assistência médica
é muito mais importante do que a
presença física de um médico du-
rante a consulta. Esses dados fazem
parte de um relatório global sobre
a experiência de clientes da área de
saúde feito pela Cisco, o Customer
Experience Report, que ouviu con-
sumidores e tomadores de decisão na
área de saúde em 10 países.
O estudo global foi realizado no
Estudo da Cisco mostra que pacientes preferem qualidade à
presença física do médico. Resultado coincide com lançamentos
da fabricante para saúde conectada
gência do aspecto digital com o físico,
existe a oportunidade de aumentar a
colaboração e o compartilhamento de
informação por parte dos provedores
para melhorar a experiência de atendi-
mento e operar com mais eficiência.”
Outro ponto importante é a ob-
tenção de informações médicas via
dispositivos móveis: no Brasil, 42%
dos consumidores fazem pesquisas
e 34% checam resultados de labo-
ratório em seus gadgets antes de ir
a consultas médicas. Os consumido-
res do país também têm interesse em
receber recomendações médicas via
tecnologia: 76% gostaria de receber
mais indicações sobre saúde nos seus
11INOVAÇÃO
TELEMEDICINA
VENCE PRECONCEITOS
início de 2013 e ouviu 1.547 consu-
midores e profissionais de saúde dos
EUA, Canadá, México, Brasil, Reino
Unido,Alemanha,Rússia,China,Índia
e Japão. Na média global, três quartos
(74%) dos consumidores dizem gos-
tar da ideia de se comunicar com um
médico usando a tecnologia ao invés
de uma consulta presencial, incluin-
do recursos de videoconferência e até
mesmo mensagens de celular (SMS).
“A experiência de pacientes e ope-
radoras é a principal preocupação em
todo o mundo”, pondera a executiva
de marketing para o setor público e
de saúde da Cisco, Kathy English.
“Devido ao crescimento da conver-
2121
computadores ou dispositivos móveis
(o maior índice de todos os países).
A pesquisa apontou ainda que qua-
tro em cada 10 consumidores têm
interesse em receber recomendação
sobre médicos e hospitais, entre ou-
tros dados de saúde, automaticamen-
te em computadores ou dispositivos
móveis. A mesma proporção de con-
sumidores (40%) gostaria de receber
lembretes de saúde – no Brasil esse
número salta para 76%.
Privacidade
Os profissionais de saúde se reve-
laram mais dispostos a compartilhar
informações pessoais e privadas do
que pacientes e outros cidadãos. A
maioria dos consumidores se sente à
vontade em disponibilizar na nuvem,
contanto que de forma segura, infor-
mações sobre a própria saúde.
Na América do Norte, a maioria
(80%) não vê problemas em enviar
históricos médicos completos e diag-
nósticos para as operadoras de planos
de saúde, para que elas tenham infor-
mações disponíveis para tratamen-
tos e diagnósticos mais precisos. Até
mesmo fornecer amostras de DNA
para médicos ou outros profissionais
de saúde parece uma boa ideia para
78% dos consumidores do mundo.
No Brasil, este índice chega a 88%.
Lançamentos
Noiníciode2013,aCiscoanunciou
três novas ofertas de saúde conecta-
da: a HealthPresence 2.5, o Services
for Connected Health (serviços) e o
Architectures for Connected Health
6 Cisco anuncia três novas ofertas de saúde conectada: a
HealthPresence 2.5, o Services for Connected Health (serviços)
e o Architectures for Connected Health (arquitetura de hardware)
2121
(arquitetura de hardware). O objetivo
é entregar softwares e serviços que
ajudematornarasinstituiçõesmédicas
maiscolaborativas,alémdeeficientese
precisas no tratamento dos pacientes.
OHealthPresence2.5éumaplatafor-
ma de colaboração para telemedicina
quepretendeviabilizarcuidadosmédi-
cos a um grande número de pacientes
atravésdeumaredequeaprimoraapro-
dutividade e os fluxos de informações
clínicas.Entreosrecursosestáousode
padrõesparaumavariedadededisposi-
tivosmédicos,quepodemserfacilmen-
te conectados via USB e S-Video, por
exemplo. A própria videoconferência
permite o uso de qualquer dispositi-
vo compatível com os padrões SIP e
H.323.EndpointsdaCisco,comooVX
Clinical Assistant, o SX20, o MX200
e o C60, bem como dispositivos de
outros fabricantes, podem ser confi-
guradosparafuncionarcomosistema.
Com a solução, o cliente pode esco-
lher a infraestrutura de hardware que
quer empregar para suporte à solução,
de acordo com necessidades específi-
cas, incluindo dispositivos de vídeo,
desktops e data center. A solução é
flexível, podendo ser implantada pela
própria equipe de TI da instituição de
saúde ou uma equipe certificada da
Cisco e dos parceiros.
Outra novidade é a disponibilidade
global do Cisco Services e do Cisco
Architectures para Saúde Conectada.
As duas soluções foram desenvolvidas
especificamente para que instituições
médicas possuam infraestruturas ro-
bustas, seguras e escaláveis para su-
portar tecnologias na área de saúde.
Construção e Normatização de Data Center
Rede Elétrica
Infraestrutura
Cabeamento Estruturado Metálico
Cabeamento Óptico
Wireless Indoor e Outdoor
Controle de Acesso
Telefonia IP
Sistemas de Monitoramento
Projeto de TI/Telecom
Sistema de Detecção e Combate a Incêndio
Equipe de Técnicos Residentes
LAN Switching
A Fundamentos desenvolve e
implementa projetos sob medida no
formato de “Turn Key”.
Serviços
Fone: (12) 2139-6600
E-mail:
fundamentos@fundamentos.com.br
Endereço:
Av. Francisco José Longo, 1612/1614
Vl. Bethânia - S. José dos Campos - SP
Entre em contato conosco:
www.fundamentos.com.br
2424
O BANCO DO FUTURO
JÁ ESTÁ EM CONSTRUÇÃO
11CAPA
Mobilidade,
biometria e
consultoria por
vídeo são algumas
das inovações
que já começam a
ser apresentadas
aos clientes da
rede bancária
2424
2525
“Não fazemos com que
os nossos clientes se
adaptem às nossas
tecnologias, fazemos
tecnologias adaptadas
às pessoas”
— LUCA CAVALCANTI, DIRETOR DOS
CANAIS DIGITAIS DO BRADESCO
E
nquanto no passado recente,
os bancos investiram forte-
mente em tecnologia para
esvaziar agências e, conse-
quentemente, reduzir custos ope-
racionais, hoje eles voltam os olhos
ao relacionamento querem sim, estar
mais próximos aos seus clientes e
oferecer um atendimento cada vez
mais personalizado.
Dois movimentos singulares do Bra-
desco são prova dessa nova realidade:
a abertura do Bradesco Next, instala-
do no Shopping JK Iguatemi, em São
Paulo; e a expansão do serviço de
depósito em cheque via smartphone.
Em ambos os casos está presente a
permanente busca por inovações que
ofereçam conveniência, segurança e
simplicidade ao cliente.
E tudo isso no “singular”. Os novos
serviços bancários visam atender às
demandas pessoais de cada cliente,
sem, obviamente, abandonar a ne-
cessidade de custo baixo e produti-
vidade. “Da década de 80 para agora
mudou o fator transacional. Hoje a
transação é feita essencialmente pela
internet, depois mobile e, por fim,
na agência, que é o canal mais caro.
“Quanto mais as transações corri-
queiras forem levadas para os canais
eletrônicos, maior será a eficiência do
banco”, lembra Rodrigo Montebelo
Gonsales, Vertical Senior Advisor
para Serviços Financeiros da Cisco.
Segundo ele, as tecnologias de co-
laboração devem ser ‘a bola da vez’
no front-end dos bancos, tendo em
vista as oportunidades de evolução
propostas por este ambiente. “Essa
é, hoje, a principal plataforma de
interação virtual do cliente com o
banco. Ela aproxima esses dois elos”,
comenta, citando o projeto Santan-
der Select, que contempla a interação
cliente/banco usando vídeo.
Outra ferramenta identificada
pelas instituições financeiras como
essencial para o relacionamento
moderno com os clientes são os
smartphones, hoje a segunda pla-
taforma mais usada pelos clientes
do Bradesco. O banco saltou de 1,5
milhão de transações pelo celular,
há dois anos, para 60 milhões, no
dia 03 de abril, e fechou aquele mês
com 6300 transações ocorrendo a
cada minuto pelo celular.
No final de maio, o mesmo Bra-
desco colocou em operação o depó-
sito em cheque para os clientes das
agências digitais e para os clientes
Prime. O produto foi testado por cin-
co meses e consiste na realização de
depósitos em cheques digitalizados,
por meio de um aplicativo instalado
nos aparelhos.
“Queremos propor uma solução
que faça a convergência do che-
que ao conceito digital”, diz Luca
Cavalcanti, diretor dos Canais Di-
gitais Bradesco. O aplicativo teve
como principal preocupação pro-
porcionar um tráfego em ambiente
seguro e, por isso, os dados farão
“Há bancos do
segmento Premium
que têm especialistas
circulando pelas
agências. Se este
profissional não precisar
ir à agência, o banco
ganha produtividade,
cobertura e aumenta
a disponibilidade”
— RODRIGO MONTEBELO GONSALES,
DA CISCO
2626
6 O Bradesco saltou de
1,5 milhão de transações
pelo cellular, há 2 anos,
para 60 milhões em abril
uso de assinatura digital, seguindo
padrões e protocolos de formatos
estabelecidos pelas normas vigentes.
Também, com o objetivo de trazer
o cliente de volta à agência com uma
oferta mais personalizada no atendi-
mento, sem filas e buscando ofertar
maior valor às transações, o Bradesco
colocou em operação, no ano pas-
sado, o Bradesco Next - um espaço
que propicia o contato com soluções
tecnológicas únicas, permitindo ao
cliente utilizar inovações que só ima-
ginaríamos existir no futuro.
“Não fazemos com que os nossos
clientes se adaptem às nossas tecno-
logias, fazemos tecnologias adapta-
das às pessoas”, diz Luca Cavalcanti.
Em seis meses, mais de 90 mil pes-
soas visitaram o ambiente no qual
é possível experimentar aplicações
que ainda estão em fase de laborário,
como m-token (mobile token), que
substitui o cartão de segurança, ou
o token convencional, pelo celular;
ou a biometria aplicada à seguran-
ça nos saques com o cartão. E tudo
acompanhado pelo robô “Link 237”.
“O cliente convive com o avatar,
fala com o atendente, baixa aplica-
11CAPA
6BRADESCO NEXT
O banco do futuro é composto pelas seguintes funcionalidades:
Link 237
a recepção do Bradesco Next fica a cargo do robô Link 237, que passeia
pelo espaço recepcionando os visitantes, emitindo sons e alterando sua
expressão facial
PainelMultiApps
parede interativa multitouch que reage ao calor gerado pelo movimento
do corpo. Na tela, com resolução máxima 4x full HD, atendentes virtuais
apresentam como utilizar os diferentes aplicativos para realizar operações
bancárias. O cliente acessa as informações por gestos. A tela será utilizada
também para apresentação de vídeos com as inovações do Bradesco
ATMNEXT
os inovadores caixas de autoatendimento do Bradesco Next apresentam
design diferenciado e mantém a privacidade do cliente, pois não
possibilitam a formação de fila atrás do usuário. Com design futurista, os
equipamentos oferecem tela touchscreen com navegação interativa. Os
comprovantes de transações de transferência são enviados por e-mail,
dispensando o uso de papel. As transações podem ser realizadas com os
cartões com dispositivo “contactless”, por aproximação, e o menu pode
ser acessado nos idiomas português, inglês e espanhol. Os ATMs também
estão ligados a um dispositivo PDA, ferramenta que identifica o cliente após
a realização uma operação; com essa identificação é possível, com a ajuda
de uma ferramenta de CRM, abordar o cliente e ofertar produtos e serviços
que possam ser de seu interesse.
Ciclo de Vida
mesa interativa com tela touch que possibilita consultoria financeira a partir
de um processo interativo. Pelo toque dos dedos, o cliente define seus
projetos de vida nos próximos anos e informa sua situação financeira. O
Banco aponta as melhores opções para atingir os objetivos e os dados, que
podem ser visualizados na mesa do gerente e também podem ser enviados
ao e-mail do cliente.
tivos da web, com ‘n’ opções, como
o QR Code, etc. Isso é o Next. O
cliente sai com a aplicação na palma
da mão”, sintetiza o executivo.
Atendimento em HD
Com o auxílio da Cisco, o Brades-
co construiu, no 2º piso do Next, a
área de assessoria financeira para
uma análise da capacidade de in-
vestimento atual e futura do cliente.
“Temosociclodeinvestimentoeociclo
de sonhos em uma tela touchscreen”,
narra Cavalcanti, explicando que a
aplicação pode mostrar o poder de
compra do cliente em uma determi-
nada janela de tempo.
Hátambémumasalaquesimulaage-
rência bancária do futuro, que foi equi-
padacomoauxíliodaCisco,eondeestá
instalada a mesa Ciclo de Vida – mesa
interativacomtelatouch,quepossibilita
No Bradesco Next, o cliente é
assistido por novas tecnologias,
inclusive por meio de vídeo
2828
promocisco@cisco.com
consultoria financeira em um processo
interativo,noqualgerenteeclientemovi-
mentamtelase,eventualmente,assistem
a vídeos explicativos.
“Esta é a aplicação que hoje temos
com a Cisco. Com altíssima resolu-
ção, os clientes são atendidos e inte-
ragem em ambiente seguro, fechado.
Pode-se abrir um gráfico grande, e
conversar com o analista, gerente
ou diretor do banco, sem qualquer
restrição”, diz Cavalcanti.
Para ele, a relação banco-cliente
muda quando se adotam tecnologias
que privilegiam o contato humano.
“Com esta visão, podemos ter uma
sala de vídeo, em uma cidade peque-
na, para clientes e funcionários aces-
sarem a matriz em uma apresentação
de investimento, crédito ou compra
de ações”, completa o executivo.
Rodrigo Gonsales, da Cisco, refor-
ça que o vídeo aumenta a produtivi-
dade dos bancos, por conta da escala.
“Há bancos do segmento Premium
que têm especialistas circulando
pelas agências. Se este profissional
não precisar ir à agência, podendo
dar um atendimento personalizado
com alta definição, o banco ganha
produtividade, cobertura e aumenta
a disponibilidade”, argumenta.
E as soluções ainda podem explo-
rar a mobilidade, com transações e
relacionamentos feitos por meio de
smartphones. Aliás, a mobilidade, diz
Cavalcanti, é a primeira etapa na fase
detransformaçãodoBradesco.ONext
funcionanãoapenascomolaboratório,
mostrando tudo que há de inovação,
como, junto com a Cisco, faz o clien-
te perceber que as novas tecnologias
fazem sentido no dia a dia.
“Esta solução já está em teste em
uma agência”, revela Cavalcanti, ao
explicar que a ideia é levar o con-
ceito Next para as agências e para
os smartphones.
O Bradesco lançou,
no final de maio, o
depósito em cheque via
smartphone
11CAPA
3030
Instituição implementa solução com autenticação
integrada à base de usuários e proteção contra interferências
fio, conta Miguel Sanchez, gestor de
Infraestrutura de TI da Eniac.
Com o novo ambiente, foi pos-
sível criar diferentes configurações
de redes sem fio para cada público
(alunos, professores, funcionários, vi-
sitantes, etc). São redes distintas, com
acessos e métodos de autenticação
diferentes, mas todas compartilhan-
do uma única infraestrutura.
Para a autenticação das redes
acadêmica e administrativa, toda a
solução foi integrada aos dois domí-
nios Active Directory (distintos e já
existentes), de modo que, agora, não
há mais a necessidade de efetuar o
cadastro do MAC Address de cada
dispositivo móvel no software pro-
prietário da Eniac, que era utilizado
para o controle de acesso.
ENIAC ABRE WI-FI
PARA ALUNOS,
FUNCIONÁRIOS
E VISITANTES
O
Centro Educacional e Tec-
nológico Eniac, instalado
em Guarulhos, na Gran-
de São Paulo, está entre
as maiores instituições de ensino do
país. Atende a mais de 10 mil alunos
- desde a educação infantil até o en-
sino superior, reunindo um público
de alunos, professores e funcionários
que acessam a internet para diferentes
fins e com cada vez maior frequência.
Pensando neste aumento de deman-
da por conectividade, a instituição
necessitava de soluções abrangentes,
que garantissem: acesso wireless ao
corpo acadêmico e administrativo;
cobertura em todas as dependências
do complexo educacional; autenti-
cação integrada à base de usuários
existente (Active Directory); e pro-
teção contra interferências.
Essaequaçãocomeçouasersolucio-
nadaapósacontrataçãodaInfraPrime,
parceira da Cisco, que compôs uma
solução abrangente de rede sem fio,
estruturada com Cisco Wireless LAN
Controller(WLC)eoCiscoPrimeNe-
twork Control System (NCS).
A principal reclamação da ins-
tituição de ensino em relação à in-
fraestrutura anterior se resumia em
cadastros complicados, problemas
técnicos frequentes, suporte técnico
inexistente e insatisfação de alunos
e colaboradores quanto à rede sem-
Resultado
Para oferecer maior cobertura de
sinal, estabilidade e segurança, fo-
ram utilizados Access Points Cisco
3500 Series. Estes aparelhos foram
distribuídos em posições estratégi-
cas no campus – corredores e salas
– proporcionando uma cobertura de
aproximadamente 16 mil m2.
Toda a solução é monitorada pela In-
fraPrime, que utiliza sistema de alertas
comaberturadechamadosautomática,
oquediminuiconsideravelmenteotem-
poderespostaaincidentes.Alémdisso,
todososequipamentosinstaladospos-
suem o serviço Cisco SMARTnet, que
garante,emcasodefalhadohardware,a
substituiçãodoequipamentodefeituoso
em até 24 horas.
Através da utilização do recurso
Cisco Clean Air, os chamados ao su-
porte técnico por falhas na qualidade
de conexão e interferências foram
completamente extintos. O Clean
Air tornou a rede sem fio da Eniac
rápida e disponível a qualquer hora
e a partir de qualquer lugar.
Oobjetivodainstituiçãofoialcançado
quandotodaacomunidadeacadêmica,
em especial os alunos, foi diretamente
beneficiada pela nova rede, agora mais
estável, rápida e segura. “Atualmente
contamos com um serviço com 100%
dequalidadeeasatisfaçãode99,9%dos
usuários”, comemora Sanchez.
11VOZ DO CLIENTE
3232
11VOZ DO CLIENTE
P
egue o controle remoto,
sente-se no sofá e faça a sua
escolha varrendo um vasto
menu de conteúdo em alta
resolução. A programação do NOW,
serviço da NET, inclui filmes, séries,
programas esportivos e de varieda-
des, além dos longas 3D, que come-
çam instantaneamente, na hora que
você quiser. Estamos diante do ser-
viço de vídeo sob demanda da NET,
construído sobre uma rede Cisco e
disponível em mais de 40 cidades.
O produto foi lançado em 2011,
como resultado de mais um passo na
parceria entre a operadora e a fabri-
cante. “Desde 2007 trabalhamos com
a Cisco no desenvolvimento de tec-
nologia de alta definição e na oferta
dos decodificadores preparados para
on-demand”, conta Alessandro Maluf,
gerente de produtos pay TV da NET.
A primeira etapa dessa aliança
ALTA DEFINIÇÃO
SOB DEMANDA
E SEM INTERVALOS
ocorreu à época do lançamento da
TV Digital no Brasil, quando Cisco
e NET lançaram um decodificador
capaz de exibir e gravar programas em
alta definição. Agora, o objetivo da
NET, segundo Maluf, é prover serviço
de alta qualidade, proporcionando
experiência singular ao usuário.
E o NOW é parte deste plano. Para
se ter ideia, uma casa com três pontos
de recepção pode assistir três dife-
rentes programas simultaneamente,
acessar a internet e falar ao telefone
sem que um serviço interfira na qua-
lidade e no desempenho do outro.
Isso é possível porque a rede da
operadora foi preparada para carregar
vídeo on-demand em alta definição e
está baseada na tecnologia HFC (Hi-
brid Fiber and Coaxial). A infraestru-
tura foi construída com fibra óptica
no núcleo e cabos coaxiais na última
milha (até a casa do usuário).
O serviço utiliza o conceito CDN,
sigla que em inglês significa Con-
tent Delivery Network, ou Rede de
Distribuição de Conteúdo, sistema
estruturado com servidores posicio-
nados hierarquicamente na rede NET,
ou seja, uma árvore de distribuição
de conteúdos com servidores cen-
tralizados com 100% dos conteúdos,
servidores intermediários localizados
em pontos estratégicos da rede e,
finalmente, servidores descentraliza-
dos próximos aos usuários, os quais
contêm os filmes mais assistidos.
Essa rede é conhecida como Cisco
VDS-TV, sigla que em inglês significa
Cisco Videoscape Distribution Suite
for Television.
No modelo, assim que um assinan-
te solicita o acesso a um determinado
conteúdo do NOW, o sistema iden-
tifica a sua localização geográfica e
coloca o decodificador em contato
com o servidor mais próximo do
usuário. Esse servidor “espelha” o
conteúdo gerado pelo data center
aumentando a velocidade de carre-
gamento do conteúdo.
“Temos NOW em Manaus (AM)
e em São Paulo, onde está o core da
rede (servidores). Assim, o filme vai
de São Paulo a Manaus por meio de
um Caching Nodes da Cisco e fica
disponível em “long tail” para os assi-
nantes de Manaus”, explica o gerente
da NET. Ele reforça as vantagens do
sistema: “80% do conteúdo é stream.
O ‘Homem Aranha’, por exemplo, vai
sempre estar nas pontas, porque tem
alta demanda”.
O NOW está disponível em 40 ci-
dades, principalmente capitais, para
os clientes HD e HD Max.
NET inova com entrega de conteúdo
sob demanda, com qualidade HD
a um toque do controle remoto
Podemos fazer muito mais por sua empresa.
wittel.com
SOLUÇÕES DE CRM
E CUSTOMER CARE
Business Process
Automation
Qualidade
Dynamic
Decisioning
Solution
SOLUÇÕES
e Eficiência
Relacionamento
Gestão de
Produtividade
NETWORK ASSESSMENT
Consultoria
MANAGED SERVICES
DESENVOLVIMENTO
DE APLICAÇÕES
Trading Floor
Solutions
Gerenciamento
de Projetos
SPEECH
ANALYTICS
Manutenção e Instalação
CUSTOMER
FEEDBACK
Convergência
e Colaboração
Integração
ConferenceCall
TREINAMENTOS
FRAUD DETECTION
REAL TIME
AUTHENTICATION
Humanização do Atendimento
3434
11VOZ DO CLIENTE
C
iente da multiplicação de
equipamentosconectadosem
rede e do aumento da varie-
dade de dispositivos ligados
ao ambiente corporativo e circulando
dentroeforadaempresa,aCPFLempre-
endeuumprojetodecontroledeacesso
àrede,dedicadoaimpedirquepessoas
nãoautorizadasseconectassem,defor-
maindiscriminadaesemautorização,ao
ambiente tecnológico da companhia.
À área de Infraestrutura e Segu-
rança, liderada por Márcio Felix, ge-
rente de Tecnologia e Segurança da
Informação da CPFL, foi estipulado
o desafio de avaliar, definir e imple-
mentar uma solução que atendesse
às expectativas e que permitisse a
aplicação de políticas contextuais em
redes com e sem fio, com visibilidade
de todos os sistemas, serviços inte-
grados de AAA, criação de perfis,
CPFL ADOTA SOLUÇÃO
DE CONTROLE DE
ACESSO À REDE
Baseado em
tecnologia Cisco,
iniciativa controla
a conectividade
dentro e fora
do ambiente
corporativo,
independente
do dispositivo
utilizado pelo
usuário ou visitante
posturas e convidados, mantendo a
disponibilidade de recursos de múl-
tiplos dispositivos e a produtividade
que ele permite, porém simplificando
implantações e cortando custos.
Levado adiante a partir de uma
parceria com a Dominion - integra-
dora Cisco Silver Partner, o projeto
incluiu a instalação de uma solução
de autenticação que garante a se-
gurança dos usuários da rede e de
visitantes. A CPFL adotou uma in-
fraestrutura baseada em switches da
linha Cisco 3560 e 2960 PoE e Access
Point 3500 com controladora 5500. O
Cisco Identity Services Engine (ISE)
foi adotado para ajudar a aplicar, com
confiabilidade, as normas de confor-
midade, aumentar a segurança da in-
fraestrutura e simplificar operações
de serviços.
Governança
Com a plataforma baseada em
identidade, que reúne informações
da rede em tempo real, dos dispo-
sitivos e dos usuários, o ISE utiliza
informações sobre o perfil de usuá-
rios para tomar decisões proativas de
governança, aplicando políticas em
toda a infraestrutura da rede.
Felix conta que toda a solução é
gerenciada pelo Cisco Prime Infras-
tructure. “Os desafios foram inúme-
ros. A implementação do projeto foi
bastante complexa e exigiu um plane-
jamento diferenciado para evitarmos
impactos ao ambiente”, completa.
A identificação do dispositivo e a
conformidade com políticas e pro-
visionamento de aplicativos, usando
soluções de gerenciamento integra-
do de múltiplos dispositivos, foram
fundamentais para a CPFL atingir o
resultado esperado.
Apesar da fase inicial da operação
da nova solução tecnológica, os ga-
nhos, segundo Felix, são inúmeros e
visíveis. O principal deles é a garantia
de que nenhum equipamento desco-
nhecido conseguirá se conectar à rede
corporativa. “O fator segurança ganha
visibilidade e reforça o controle de
acesso”, diz o executivo, ao comple-
tar que a CPFL buscava um ambiente
com um elevado nível de proteção.
“O fator segurança
ganha visibilidade
e reforça o contro-
le de acesso”
— MÁRCIO FELIX, GERENTE DE
TECNOLOGIA E SEGURANÇA
DA INFORMAÇÃO DA CPFL
3636
11PARCEIRO
6 EM ETAPAS
O programa Certificações
profissionais da Cisco é
um programa de vários
níveis. Veja abaixo:
EXPERT
CCIE™ (Cisco Certified
Internetwork Expert)
ão restam dúvidas: as certi-
ficações Cisco dão mesmo
um bom empurrão na vida
de um profissional, seja ele
iniciante ou já maduro. Isso porque
elas constituem uma espécie de pon-
to de controle, o reconhecimento
oficial de que um certo volume de
conteúdo técnico é dominado pelo
profissional que conquistou o título.
SegundoAlexandreMoraes,Consul-
tingSystemsEngineer,CISSPedetentor
detrês certificações CCIE, há várias ca-
racterísticas importantes para o profis-
sional que decide trilhar o caminho da
certificação Cisco: a disciplina, a per-
sistênciaeacapacidadedeinvestigação
(após a formulação clara do enunciado
do problema que precisa ser resolvido).
Estaúltimaéparticularmenterelevante
paraaquelesqueanseiamobteralguma
das certificações mais avançadas. “As
dicaspráticasparaoprofissionalchegar
GARIMPANDO O FUTURO
à senioridade são: traçar objetivo claro;
desenvolver um método de estudo; ter
disciplinaeinvestirseriamenteemlíngua
inglesa (se você tem dúvida sobre essa
última,ésófazerumapesquisarápidana
Internetsobrequalquertemadetecnolo-
giaecompararaquantidadedematerial
disponível em inglês)”, diz Moraes.
Noblog‘AlexandreM.S.P.Moraes’o
especialistacomenta:“comtantasáreas
decertificaçãodisponíveis,muitagente
meperguntaqualseriaocaminhomais
natural a seguir. Independente da área
com a qual você mais se identifique,
entendo que o conhecimento básico
de redes é um ‘denominador comum’
ou a ‘plataforma que integra as várias
tecnologiasavançadas(Segurança,Data
Center, Wireless, Collaboration).
Para Moraes, o domínio dessa área
dá ao profissional uma amplitude de
atuação no mercado de trabalho. “É
mais fácil entender segurança, por
exemplo, se você conhece o funcio-
namento dos protocolos de rede que
precisam ser protegidos”, pondera.
As empresas atuais, dependentes da
Internet e de complexas redes internas,
precisam de profissionais com habi-
lidades para mantê-las funcionando
adequadamente e em expansão. Ao
oferecertreinamentorigorosonasmais
recentes tecnologias de informação,
certificandoacapacidadetécnicaefor-
necendorecursosparaumaprendizado
contínuo,oprogramadecertificações
profissionaisdaCiscoprestaumserviço
aosprofissionaisderedeseàsempresas
queoempregam.Emváriosníveis(veja
quadro) o programa de Certificações
deprofissionaisdaCiscoéreconhecido
pelomercado,porquetreinaecertifica
profissionais para projetar, instalar e
operar redes Cisco.
cedo e, desde o início, você tem
que saber exatamente o que está
procurando. Mesmo que, em seus
ou Redes...
฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀
SÃO PAULO (11) 5186-4343
querocisco.br@comstor.comwww.comstor.com.br
RIO DE JANEIRO (21) 3535-9343
Agora é a hora de adquirir os switches líderes de mercado.A
Comstor está oferecendo descontos exclusivos nas linhas de
switches Catalyst das séries 2000 e 3000.
Entre em contato com a Comstor e garanta
preços especiais em toda a linha Catalyst
Series 2000 e 3000, à pronta entrega.
Confira os principais benefícios:
฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀
SWITCHES CISCO CATALYST
SERIES 2000 E 3000.
PREÇOS PROMOCIONAIS E
À PRONTA ENTREGA.
SEGURO.
CONFIÁVEL.
DIRETO.
BORDERLESS
NETWORK
A C E S S E N O S S A L O J A V I R T U A L
w w w.
. c o m . b r
E X P R E S SC O M S T O RT O R
NOSSOS SERVIÇOS CONECTAM OS MELHORES NEGÓCIOS.
฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀
3838
11PARCEIRO
Times latino-americano e brasileiro de
marketing da Cisco promovem dinâmico
encontro com parceiros para discutir
novas estratégias e oportunidades
VELOCITY: PLANEJAMENTO
E ESTRATÉGIAS ALINHADAS
P
ela primeira vez, a Cisco do
Brasil realizou, em São Pau-
lo, um workshop voltado aos
profissionais de marketing da
empresa e de seus parceiros. O Velo-
city, como foi chamado o encontro,
contou com a presença do time de
marketing do Brasil e da América
Latina da Cisco, e permitiu não só
o alinhamento das estratégias das
equipes de diferentes regiões e em-
presas, mas também serviu como
uma oportunidade para estreitar re-
lacionamentos profissionais.
O objetivo do Velocity, explicou
o diretor de marketing da Cisco do
Brasil, Marco Barcellos, foi não só
facilitar a troca de experiências entre
os participantes, mas também iniciar
o planejamento de marketing da em-
presa para o próximo ano fiscal, que
começa em agosto, além de partilhar
técnicas e métricas que aumentem a
produtividade dos profissionais.
“É preciso tirar o máximo de conhe-
cimentopossívelnonossoecossistema,
para falar a mesma língua, com os mes-
mos planos e onde cada estratégia se
encaixa”,disseBarcellosaosparticipan-
tes. O diretor apresentou ainda a nova
campanhadebrandingdaempresa,que
inclui ações na mídia brasileira.
A nova campanha, explicou o exe-
cutivo, busca principalmente tornar a
marca Cisco reconhecida pelo grande
público através de suas potencialida-
des. Com o tema “Tomorrow starts
here” (O Amanhã Começa Aqui, em
tradução livre), o foco passa a ser não
diretamente os equipamentos e so-
luções produzidos pela companhia,
mas a tendência da “internet de todas
as coisas” (“internet of everything”).
“Não vamos deixar de falar de proto-
colos de rede e roteadores, mas vamos
fazê-loembaixodeumcontextomaior”,
ponderou Barcellos aos participantes
do Velocity. “Hoje falamos com o CIO
e com o executivo de gestão, mas os
executivosdetecnologiatambémpreci-
samsaberdosnossosprodutos.Ouseja,
nãoéumamudançatotal,masgradual.”
Planejamento
“Aquele que fracassa ao planejar, pla-
neja para fracassar”, diz o provérbio
citado por Walter Kusmaul, gerente
de marketing para parceiros da Cisco
para a América Latina, que participou
do Velocity. O executivo, em parceria
com o time de marketing da Cisco do
Brasil,realizoudinâmicasdegrupocom
os participantes do evento para refor-
çar a importância do planejamento na
estratégia de marketing dos parceiros.
“Quanto melhor o planejamento, mais
rápida a execução”, ponderou.
Larissa Vinhati, da 5F Soluções,
elogiou a iniciativa e disse que en-
contros como o Velocity deveriam
acontecer com mais frequência pela
oportunidade de atualização profis-
sional e também pela possibilidade
de aproximação com a Cisco.
AopiniãodelaéendossadaporDanilo
“Não vamos deixar
de falar de rede e
roteadores, mas vamos
fazê-lo embaixo de
um contexto maior”
— MARCO BARCELLOS,
DA CISCO DO BRASIL
marketing da Cisco promovem dinâmico
3939
4040
Dinâmica entre participantes do Velocity buscou partilhar técnicas e métricas para
departamentos de marketing
Sella, gerente de marketing da Promon-
Logicalis, que disse que esse tipo de
encontro é importante para conhecer
novas ferramentas e se aproximar do
planejamento da Cisco.
Para Walter Kusmaul, o Velocity no
Brasilsedestacadaquelesrealizadosno
resto da América Latina pelo tamanho
(“sãomaispessoasparticipando”)epelo
nível dos profissionais. Mas “as necessi-
dades são as mesmas, pois os departa-
mentosdemarketingprecisamdemais
dinheiro para investir. Porém, no Brasil,
com a economia melhor, os parceiros
nãotêmmedodegastar,poisháretorno.”
Capacitação
Apoiar e impulsionar os canais da
Cisco para que estes desenvolvam as
habilidades de marketing de seus pro-
fissionais: este é o objetivo do Partner
MarketingProfessionalBadge,primeira
ação de treinamento na área para ca-
nais na América Latina. O processo
de obtenção do selo inclui cursos on-
line organizados em quatro módulos:
fundamentos,planejamento,execução,
ferramentas e recursos da Cisco.
Entre os conhecimentos adquiridos
no programa estão técnicas para levar
ao mercado as arquiteturas da Cisco,
utilizandoprogramasinovadores.Tam-
bémfazempartedaaçãotreinamentos
sobre estratégias de mídia social, ava-
liaçãodedesempenho,ferramentasde
gestão de vendas e uso da plataforma
de marketing digital dentro do pro-
grama de marekting cooperado Cisco,
o Partner Marketing Central (PMC).
DesenvolvidopelaCiscoepelaZuiLi
University, instituição acadêmica espe-
cializadaemcursosdemarketingonline,
mídiassociais,administraçãocomunitá-
ria,mercadoenegóciosparaosetorde
TI, o curso é gratuito e está disponível
globalmente em português, espanhol,
inglês e outros sete idiomas.
“Este reconhecimento único na re-
gião representa uma excelente opor-
tunidade para que nossos parceiros
formem equipes especializadas e
incrementem suas habilidades em
marketing para obter vantagem des-
te mercado em crescimento”, expli-
cou Barcellos.
O Cisco Partner Marketing Pro-
fessional Badge exige que o partici-
pante complete todos os módulos e
exames com qualificação mínima de
80 pontos. Posteriormente os parti-
cipantes deverão completar cursos
subsequentes, disponíveis no portal
de e-learning, para manter o título
de Cisco Marketing Professional.
11PARCEIRO
4242
1ARTIGO
R
ecentemente, me deparei com o artigo “25 coisas
mais estranhas na Internet de Todas as Coisas”,
publicado na InfoWorld, que reflete as mudanças
que a internet está provocando na nossa rotina.
O artigo descreve as muitas coisas que poderiam, um dia,
ser conectadas à internet, bem como a reação em cadeia
que essas conexões (e suas ideias) terão.
Como eu já mencionei anteriormente, a gota d’água é uma
grande metáfora para a Internet of Everything (IOE). Assim
como uma gota d’água, uma única pessoa, bit de dados,
ou coisa conectada com bilhões de outras pessoas, dados
e coisas também podem mudar a face do nosso Planeta.
Mas será que a conexão de tudo com tudo é mesmo
estranho ou somos nós que ainda não alcançamos a di-
mensão da Internet de Todas as Coisas? A Cisco estudou,
recentemente, como as conexões de ambientes até então
desconectados irão alterar a nossa rotina. A proposta foi
olhar para um objeto e considerar como ele será quando
estiver conectado à internet e puder nos fornecer informa-
ções importantes para melhorar o mundo em que vivemos.
Como o artigo da infoWorld observou, as possibilidades
são infinitas. Basta olhar a sua frente: o que você vê, e o
que um dia poderá ser conectado? Vamos lá:
Carrinhos de compras
Ao conectar sua lista de compras com o inventário da
loja e os dados de localização dos produtos, capturados
a partir das compras de outros clientes, o carrinho pode
conduzi-lo pela loja de forma mais eficiente, tornando
mais fácil a localização dos produtos e mais rápida a
conclusão da compra. E se o item que você precisa
Uma escova de dentes que lhe dá um check-up virtual a cada
escovação. Isso é estranho ou será realidade?
ESTRANHO OU
INEXPLORADO? Dave Evans *
não estiver disponível, a conexão do carrinho pode até
recomendar uma alternativa.
Correios
Na era dos pagamentos de contas on-line e e-cards,
o serviço de correio torna-se, teoricamente, obsoleto.
Mas, como a maioria das famílias ainda usa o correio
tradicional, a conexão de cartas e encomendas com os
respectivos sensores nas caixas de correio e internet, nos
permite controlar e acompanhar as entregas. Os remeten-
tes saberiam, por exemplo, quando uma correspondência
foi entregue e os beneficiários poderiam ver o que está
em suas caixas de correio sem ter que abri-las.
Smart grid
Imagine um mundo onde os veículos elétricos dominam o
transporte. Para garantir quea energia suficiente é fornecida
a estações de carregamento de veículos durante grandes
eventos, que atraem grandes audiências, vários dispositivos
devem ser conectados e ter a capacidade de se comunicar
comumabasedecontroledeinformação.Tomecomoexem-
plo um concerto ou evento esportivo, onde 50 mil carros
estejam naquele mesmo local precisando ser recarregados
durante o evento ou antes da saída. A rede inteligente pode
detectareatémesmopreveresteafluxodeveículoselétricos,
e redirecionar a energia para suportar o aumento da carga
nas estações de carregamento daquele local.
Enfim, basta olhar ao redor para enxergar os ganhos
que você poderia obter se as coisas a sua volta estivessem
conectadas à internet.
* Dave Evans é chefe futurista do Cisco Internet Business
Solutions Group (IBSG)
4343
4444
© 2013 CiscoSystems,Inc. Todoslos derechosreservados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revista Cisco Live ed 14
Revista Cisco Live ed 14Revista Cisco Live ed 14
Revista Cisco Live ed 14Cisco do Brasil
 
Revista cisco live ed 20
Revista cisco live ed 20Revista cisco live ed 20
Revista cisco live ed 20Cisco do Brasil
 
Cisco Live Magazine ed. 8 (Português)
Cisco Live Magazine ed. 8 (Português)Cisco Live Magazine ed. 8 (Português)
Cisco Live Magazine ed. 8 (Português)Cisco do Brasil
 
Revista Cisco Live ed 17
Revista Cisco Live ed 17Revista Cisco Live ed 17
Revista Cisco Live ed 17Cisco do Brasil
 
Revista Cisco Live ed 16
Revista Cisco Live ed 16Revista Cisco Live ed 16
Revista Cisco Live ed 16Cisco do Brasil
 
Revista Cisco Live ed 18
Revista Cisco Live ed 18Revista Cisco Live ed 18
Revista Cisco Live ed 18Cisco do Brasil
 
Cisco Live Magazine ed. 9 (Português)
Cisco Live Magazine ed. 9 (Português)Cisco Live Magazine ed. 9 (Português)
Cisco Live Magazine ed. 9 (Português)Cisco do Brasil
 
Revista Cisco Live ed19
Revista Cisco Live ed19Revista Cisco Live ed19
Revista Cisco Live ed19isamicali
 
A transformação digital com a internet de todas as coisas
A transformação digital com a internet de todas as coisasA transformação digital com a internet de todas as coisas
A transformação digital com a internet de todas as coisasCisco do Brasil
 
Revista Cisco Live Ed 24
Revista Cisco Live Ed 24Revista Cisco Live Ed 24
Revista Cisco Live Ed 24Cisco do Brasil
 
Revista Cisco Live Ed 23
Revista Cisco Live Ed 23Revista Cisco Live Ed 23
Revista Cisco Live Ed 23Cisco do Brasil
 
White paper - Relatório sobre Segurança Cisco
White paper - Relatório sobre Segurança Cisco White paper - Relatório sobre Segurança Cisco
White paper - Relatório sobre Segurança Cisco Cisco do Brasil
 
Relatório anual de segurança da Cisco de 2016
Relatório anual de segurança da Cisco de 2016 Relatório anual de segurança da Cisco de 2016
Relatório anual de segurança da Cisco de 2016 Cisco do Brasil
 
Transferência para uma nuvem privada com confiança
Transferência para uma nuvem privada com confiançaTransferência para uma nuvem privada com confiança
Transferência para uma nuvem privada com confiançaCisco do Brasil
 
A Evolução dos Negócios na Era da Consumerização
A Evolução dos Negócios na Era da ConsumerizaçãoA Evolução dos Negócios na Era da Consumerização
A Evolução dos Negócios na Era da ConsumerizaçãoCisco do Brasil
 
Abordando o Gap de Habilidades em Redes na América Latina para Promover o Des...
Abordando o Gap de Habilidades em Redes na América Latina para Promover o Des...Abordando o Gap de Habilidades em Redes na América Latina para Promover o Des...
Abordando o Gap de Habilidades em Redes na América Latina para Promover o Des...Cisco do Brasil
 
Como identificar e implementar a melhor estratégia de Cloud para sua empresa
Como identificar e implementar a melhor estratégia de Cloud para sua empresaComo identificar e implementar a melhor estratégia de Cloud para sua empresa
Como identificar e implementar a melhor estratégia de Cloud para sua empresaCisco do Brasil
 
Revista Cisco Live ed 25 oficial
Revista Cisco Live ed 25 oficialRevista Cisco Live ed 25 oficial
Revista Cisco Live ed 25 oficialCisco do Brasil
 
Habilidades de rede na América Latina
Habilidades de rede na América LatinaHabilidades de rede na América Latina
Habilidades de rede na América LatinaCisco do Brasil
 
Relatório de Segurança Anual da Cisco de 2013
Relatório de  Segurança  Anual da Cisco de 2013Relatório de  Segurança  Anual da Cisco de 2013
Relatório de Segurança Anual da Cisco de 2013Cisco do Brasil
 

Mais procurados (20)

Revista Cisco Live ed 14
Revista Cisco Live ed 14Revista Cisco Live ed 14
Revista Cisco Live ed 14
 
Revista cisco live ed 20
Revista cisco live ed 20Revista cisco live ed 20
Revista cisco live ed 20
 
Cisco Live Magazine ed. 8 (Português)
Cisco Live Magazine ed. 8 (Português)Cisco Live Magazine ed. 8 (Português)
Cisco Live Magazine ed. 8 (Português)
 
Revista Cisco Live ed 17
Revista Cisco Live ed 17Revista Cisco Live ed 17
Revista Cisco Live ed 17
 
Revista Cisco Live ed 16
Revista Cisco Live ed 16Revista Cisco Live ed 16
Revista Cisco Live ed 16
 
Revista Cisco Live ed 18
Revista Cisco Live ed 18Revista Cisco Live ed 18
Revista Cisco Live ed 18
 
Cisco Live Magazine ed. 9 (Português)
Cisco Live Magazine ed. 9 (Português)Cisco Live Magazine ed. 9 (Português)
Cisco Live Magazine ed. 9 (Português)
 
Revista Cisco Live ed19
Revista Cisco Live ed19Revista Cisco Live ed19
Revista Cisco Live ed19
 
A transformação digital com a internet de todas as coisas
A transformação digital com a internet de todas as coisasA transformação digital com a internet de todas as coisas
A transformação digital com a internet de todas as coisas
 
Revista Cisco Live Ed 24
Revista Cisco Live Ed 24Revista Cisco Live Ed 24
Revista Cisco Live Ed 24
 
Revista Cisco Live Ed 23
Revista Cisco Live Ed 23Revista Cisco Live Ed 23
Revista Cisco Live Ed 23
 
White paper - Relatório sobre Segurança Cisco
White paper - Relatório sobre Segurança Cisco White paper - Relatório sobre Segurança Cisco
White paper - Relatório sobre Segurança Cisco
 
Relatório anual de segurança da Cisco de 2016
Relatório anual de segurança da Cisco de 2016 Relatório anual de segurança da Cisco de 2016
Relatório anual de segurança da Cisco de 2016
 
Transferência para uma nuvem privada com confiança
Transferência para uma nuvem privada com confiançaTransferência para uma nuvem privada com confiança
Transferência para uma nuvem privada com confiança
 
A Evolução dos Negócios na Era da Consumerização
A Evolução dos Negócios na Era da ConsumerizaçãoA Evolução dos Negócios na Era da Consumerização
A Evolução dos Negócios na Era da Consumerização
 
Abordando o Gap de Habilidades em Redes na América Latina para Promover o Des...
Abordando o Gap de Habilidades em Redes na América Latina para Promover o Des...Abordando o Gap de Habilidades em Redes na América Latina para Promover o Des...
Abordando o Gap de Habilidades em Redes na América Latina para Promover o Des...
 
Como identificar e implementar a melhor estratégia de Cloud para sua empresa
Como identificar e implementar a melhor estratégia de Cloud para sua empresaComo identificar e implementar a melhor estratégia de Cloud para sua empresa
Como identificar e implementar a melhor estratégia de Cloud para sua empresa
 
Revista Cisco Live ed 25 oficial
Revista Cisco Live ed 25 oficialRevista Cisco Live ed 25 oficial
Revista Cisco Live ed 25 oficial
 
Habilidades de rede na América Latina
Habilidades de rede na América LatinaHabilidades de rede na América Latina
Habilidades de rede na América Latina
 
Relatório de Segurança Anual da Cisco de 2013
Relatório de  Segurança  Anual da Cisco de 2013Relatório de  Segurança  Anual da Cisco de 2013
Relatório de Segurança Anual da Cisco de 2013
 

Semelhante a Cisco Live Magazine ed.10 (Português)

Revista Cisco Live Ed 22
Revista Cisco Live Ed 22Revista Cisco Live Ed 22
Revista Cisco Live Ed 22Cisco do Brasil
 
FEITA PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOSSO PAÍS
FEITA PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOSSO PAÍSFEITA PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOSSO PAÍS
FEITA PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOSSO PAÍSCisco do Brasil
 
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015Gabriel Coimbra
 
Cisco Live Magazine ed 19
Cisco Live Magazine ed 19Cisco Live Magazine ed 19
Cisco Live Magazine ed 19Cisco do Brasil
 
Driving the Transformation. Owning the Conversation
Driving the Transformation. Owning the ConversationDriving the Transformation. Owning the Conversation
Driving the Transformation. Owning the ConversationRaquel1704
 
VND_EBOOK_TRANSFORMAÇÃO_DIGITAL_SEGUROS_FINAL-1.pdf
VND_EBOOK_TRANSFORMAÇÃO_DIGITAL_SEGUROS_FINAL-1.pdfVND_EBOOK_TRANSFORMAÇÃO_DIGITAL_SEGUROS_FINAL-1.pdf
VND_EBOOK_TRANSFORMAÇÃO_DIGITAL_SEGUROS_FINAL-1.pdfGabriel956616
 
FEITA PARA SER UMA PLATAFORMA DE INOVAÇÃO NO BRASIL.
FEITA PARA SER UMA PLATAFORMA DE INOVAÇÃO NO BRASIL.FEITA PARA SER UMA PLATAFORMA DE INOVAÇÃO NO BRASIL.
FEITA PARA SER UMA PLATAFORMA DE INOVAÇÃO NO BRASIL.Cisco do Brasil
 
Encarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
Encarte Especial Revista Cisco Live para FuturecomEncarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
Encarte Especial Revista Cisco Live para FuturecomCisco do Brasil
 
Guia Tecnologia
Guia TecnologiaGuia Tecnologia
Guia Tecnologiaeparente
 
O desafio da digitalização dos grupos de mídia
O desafio da digitalização dos grupos de mídiaO desafio da digitalização dos grupos de mídia
O desafio da digitalização dos grupos de mídiaAlex Ivonika
 
Espaço SINDIMETAL 76
Espaço SINDIMETAL 76Espaço SINDIMETAL 76
Espaço SINDIMETAL 76SINDIMETAL RS
 
Possibilidades para o mercado de trabalho na área de TI
Possibilidades para o mercado de trabalho na área de TIPossibilidades para o mercado de trabalho na área de TI
Possibilidades para o mercado de trabalho na área de TIEduardo Ricoldi
 
I Seminário Big Data Brasil
I Seminário Big Data BrasilI Seminário Big Data Brasil
I Seminário Big Data BrasilMarcos CAVALCANTI
 
Sugestão de Leitura de Cristina Miguens, na Revista Digital, página 19.
Sugestão de Leitura de Cristina Miguens, na Revista Digital, página 19.Sugestão de Leitura de Cristina Miguens, na Revista Digital, página 19.
Sugestão de Leitura de Cristina Miguens, na Revista Digital, página 19.WIND - Internacionalização
 
100 Mini Papers sobre tecnologia
100 Mini Papers sobre tecnologia100 Mini Papers sobre tecnologia
100 Mini Papers sobre tecnologiaMarcelo Sávio
 

Semelhante a Cisco Live Magazine ed.10 (Português) (20)

Revista Cisco Live Ed 22
Revista Cisco Live Ed 22Revista Cisco Live Ed 22
Revista Cisco Live Ed 22
 
Directorio-das-TIC-2017
Directorio-das-TIC-2017Directorio-das-TIC-2017
Directorio-das-TIC-2017
 
FEITA PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOSSO PAÍS
FEITA PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOSSO PAÍSFEITA PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOSSO PAÍS
FEITA PARA O DESENVOLVIMENTO DO NOSSO PAÍS
 
Programa de Transformacao Digital - FAMURS
Programa de Transformacao Digital - FAMURSPrograma de Transformacao Digital - FAMURS
Programa de Transformacao Digital - FAMURS
 
Entrega de marca CIO PERSPECTIVES SP | CUBO
Entrega de marca CIO PERSPECTIVES SP | CUBOEntrega de marca CIO PERSPECTIVES SP | CUBO
Entrega de marca CIO PERSPECTIVES SP | CUBO
 
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
 
Cisco Live Magazine ed 19
Cisco Live Magazine ed 19Cisco Live Magazine ed 19
Cisco Live Magazine ed 19
 
Driving the Transformation. Owning the Conversation
Driving the Transformation. Owning the ConversationDriving the Transformation. Owning the Conversation
Driving the Transformation. Owning the Conversation
 
VND_EBOOK_TRANSFORMAÇÃO_DIGITAL_SEGUROS_FINAL-1.pdf
VND_EBOOK_TRANSFORMAÇÃO_DIGITAL_SEGUROS_FINAL-1.pdfVND_EBOOK_TRANSFORMAÇÃO_DIGITAL_SEGUROS_FINAL-1.pdf
VND_EBOOK_TRANSFORMAÇÃO_DIGITAL_SEGUROS_FINAL-1.pdf
 
FEITA PARA SER UMA PLATAFORMA DE INOVAÇÃO NO BRASIL.
FEITA PARA SER UMA PLATAFORMA DE INOVAÇÃO NO BRASIL.FEITA PARA SER UMA PLATAFORMA DE INOVAÇÃO NO BRASIL.
FEITA PARA SER UMA PLATAFORMA DE INOVAÇÃO NO BRASIL.
 
Encarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
Encarte Especial Revista Cisco Live para FuturecomEncarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
Encarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
 
INSECURE 2016
INSECURE 2016INSECURE 2016
INSECURE 2016
 
Guia Tecnologia
Guia TecnologiaGuia Tecnologia
Guia Tecnologia
 
O desafio da digitalização dos grupos de mídia
O desafio da digitalização dos grupos de mídiaO desafio da digitalização dos grupos de mídia
O desafio da digitalização dos grupos de mídia
 
Espaço SINDIMETAL 76
Espaço SINDIMETAL 76Espaço SINDIMETAL 76
Espaço SINDIMETAL 76
 
Possibilidades para o mercado de trabalho na área de TI
Possibilidades para o mercado de trabalho na área de TIPossibilidades para o mercado de trabalho na área de TI
Possibilidades para o mercado de trabalho na área de TI
 
I Seminário Big Data Brasil
I Seminário Big Data BrasilI Seminário Big Data Brasil
I Seminário Big Data Brasil
 
Sugestão de Leitura de Cristina Miguens, na Revista Digital, página 19.
Sugestão de Leitura de Cristina Miguens, na Revista Digital, página 19.Sugestão de Leitura de Cristina Miguens, na Revista Digital, página 19.
Sugestão de Leitura de Cristina Miguens, na Revista Digital, página 19.
 
Empresa digital
Empresa digitalEmpresa digital
Empresa digital
 
100 Mini Papers sobre tecnologia
100 Mini Papers sobre tecnologia100 Mini Papers sobre tecnologia
100 Mini Papers sobre tecnologia
 

Mais de Cisco do Brasil

O seu DNS está protegido
O seu DNS está protegidoO seu DNS está protegido
O seu DNS está protegidoCisco do Brasil
 
Rio 2016 em Números - Cisco
Rio 2016 em Números - CiscoRio 2016 em Números - Cisco
Rio 2016 em Números - CiscoCisco do Brasil
 
Cisco Tetration Analytics
Cisco Tetration AnalyticsCisco Tetration Analytics
Cisco Tetration AnalyticsCisco do Brasil
 
Brazilian Scenario - Trends and Challenges to keep IT investments
Brazilian Scenario - Trends and Challenges to keep IT investmentsBrazilian Scenario - Trends and Challenges to keep IT investments
Brazilian Scenario - Trends and Challenges to keep IT investmentsCisco do Brasil
 
Cloud Computing: a chave para inovar durante a crise
Cloud Computing: a chave para inovar durante a criseCloud Computing: a chave para inovar durante a crise
Cloud Computing: a chave para inovar durante a criseCisco do Brasil
 
Transforme sua rede em um mecanismo de inovação
Transforme sua rede em um mecanismo de inovaçãoTransforme sua rede em um mecanismo de inovação
Transforme sua rede em um mecanismo de inovaçãoCisco do Brasil
 
5 perguntas para ajudar você a escolher uma rede na nuvem ou no local
5 perguntas para ajudar você a escolher  uma rede na nuvem ou no local5 perguntas para ajudar você a escolher  uma rede na nuvem ou no local
5 perguntas para ajudar você a escolher uma rede na nuvem ou no localCisco do Brasil
 
5 principais maneiras de extrair informações da sua rede
5 principais maneiras de extrair informações da sua rede5 principais maneiras de extrair informações da sua rede
5 principais maneiras de extrair informações da sua redeCisco do Brasil
 
5 motivos para atualizar sua rede
5 motivos para atualizar sua rede5 motivos para atualizar sua rede
5 motivos para atualizar sua redeCisco do Brasil
 
5 formas de simplificar as operações e economizar seu orçamento
5 formas de simplificar as operações e economizar seu orçamento5 formas de simplificar as operações e economizar seu orçamento
5 formas de simplificar as operações e economizar seu orçamentoCisco do Brasil
 
Brasil: O investimento proativo em segurança pode evitar perdas e sustentar o...
Brasil: O investimento proativo em segurança pode evitar perdas e sustentar o...Brasil: O investimento proativo em segurança pode evitar perdas e sustentar o...
Brasil: O investimento proativo em segurança pode evitar perdas e sustentar o...Cisco do Brasil
 
Agenda oil & gas summit 2016
Agenda oil & gas summit 2016Agenda oil & gas summit 2016
Agenda oil & gas summit 2016Cisco do Brasil
 
Benefícios comerciais da adoção da nuvem
Benefícios comerciais da adoção da nuvemBenefícios comerciais da adoção da nuvem
Benefícios comerciais da adoção da nuvemCisco do Brasil
 
Uma infraestrutura mais moderna (data center) Cisco e Microsoft
Uma infraestrutura mais moderna (data center) Cisco e MicrosoftUma infraestrutura mais moderna (data center) Cisco e Microsoft
Uma infraestrutura mais moderna (data center) Cisco e MicrosoftCisco do Brasil
 
Obtenha seu usuário de parceiro cisco
Obtenha seu usuário de parceiro ciscoObtenha seu usuário de parceiro cisco
Obtenha seu usuário de parceiro ciscoCisco do Brasil
 
Segurança no novo espaço de trabalho
Segurança no novo espaço de trabalho Segurança no novo espaço de trabalho
Segurança no novo espaço de trabalho Cisco do Brasil
 
Protegendo a nova geração de redes
Protegendo a nova geração de redes Protegendo a nova geração de redes
Protegendo a nova geração de redes Cisco do Brasil
 

Mais de Cisco do Brasil (19)

O seu DNS está protegido
O seu DNS está protegidoO seu DNS está protegido
O seu DNS está protegido
 
Rio 2016 em Números - Cisco
Rio 2016 em Números - CiscoRio 2016 em Números - Cisco
Rio 2016 em Números - Cisco
 
Cisco Tetration Analytics
Cisco Tetration AnalyticsCisco Tetration Analytics
Cisco Tetration Analytics
 
Brazilian Scenario - Trends and Challenges to keep IT investments
Brazilian Scenario - Trends and Challenges to keep IT investmentsBrazilian Scenario - Trends and Challenges to keep IT investments
Brazilian Scenario - Trends and Challenges to keep IT investments
 
Cloud Computing: a chave para inovar durante a crise
Cloud Computing: a chave para inovar durante a criseCloud Computing: a chave para inovar durante a crise
Cloud Computing: a chave para inovar durante a crise
 
Vença o jogo da rede
Vença o jogo da redeVença o jogo da rede
Vença o jogo da rede
 
Transforme sua rede em um mecanismo de inovação
Transforme sua rede em um mecanismo de inovaçãoTransforme sua rede em um mecanismo de inovação
Transforme sua rede em um mecanismo de inovação
 
5 perguntas para ajudar você a escolher uma rede na nuvem ou no local
5 perguntas para ajudar você a escolher  uma rede na nuvem ou no local5 perguntas para ajudar você a escolher  uma rede na nuvem ou no local
5 perguntas para ajudar você a escolher uma rede na nuvem ou no local
 
5 principais maneiras de extrair informações da sua rede
5 principais maneiras de extrair informações da sua rede5 principais maneiras de extrair informações da sua rede
5 principais maneiras de extrair informações da sua rede
 
5 motivos para atualizar sua rede
5 motivos para atualizar sua rede5 motivos para atualizar sua rede
5 motivos para atualizar sua rede
 
5 formas de simplificar as operações e economizar seu orçamento
5 formas de simplificar as operações e economizar seu orçamento5 formas de simplificar as operações e economizar seu orçamento
5 formas de simplificar as operações e economizar seu orçamento
 
Brasil: O investimento proativo em segurança pode evitar perdas e sustentar o...
Brasil: O investimento proativo em segurança pode evitar perdas e sustentar o...Brasil: O investimento proativo em segurança pode evitar perdas e sustentar o...
Brasil: O investimento proativo em segurança pode evitar perdas e sustentar o...
 
Agenda oil & gas summit 2016
Agenda oil & gas summit 2016Agenda oil & gas summit 2016
Agenda oil & gas summit 2016
 
Benefícios comerciais da adoção da nuvem
Benefícios comerciais da adoção da nuvemBenefícios comerciais da adoção da nuvem
Benefícios comerciais da adoção da nuvem
 
Uma infraestrutura mais moderna (data center) Cisco e Microsoft
Uma infraestrutura mais moderna (data center) Cisco e MicrosoftUma infraestrutura mais moderna (data center) Cisco e Microsoft
Uma infraestrutura mais moderna (data center) Cisco e Microsoft
 
Obtenha seu usuário de parceiro cisco
Obtenha seu usuário de parceiro ciscoObtenha seu usuário de parceiro cisco
Obtenha seu usuário de parceiro cisco
 
Network as a sensor
Network as a sensorNetwork as a sensor
Network as a sensor
 
Segurança no novo espaço de trabalho
Segurança no novo espaço de trabalho Segurança no novo espaço de trabalho
Segurança no novo espaço de trabalho
 
Protegendo a nova geração de redes
Protegendo a nova geração de redes Protegendo a nova geração de redes
Protegendo a nova geração de redes
 

Último

Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORDRONDINELLYRAMOS1
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfRodolpho Concurde
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)Alessandro Almeida
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Dirceu Resende
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 

Último (11)

Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORD
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 

Cisco Live Magazine ed.10 (Português)

  • 1. > 1º semestre 2013 | edição 10 LIDERANÇA Rodrigo Dienstmann assumepresidência daCiscodoBrasil VOZ DO CLIENTE NETexpandeserviço NOWeinstala hotspotsemruasde grandecirculação INOVAÇÃO Novas tecnologias revolucionam sala de aula ; Colégio Porto Seguro adere ao WiFi Bancos adotam ferramentas de colaboração e personalizam atendimento futuro do Aagência
  • 2. Access Point - WAP121 Roteadores - RV180 Telefones - IP SPA 525G2 Switches - SG500-52P SSoluções CCCisco para PPeqquennnas e MMéédiass Emmprreesas Produtos que possibilitam a melhor comunicação, conexão e segurança Andeloce.com A Cisco ajuda as empresas a enfrentar os desafios tecnológicos. Soluções de rede sem fio, infraestrutura de rede e comunicação unificada. Visite a página de Lançamento da Linha Cisco para Pequenas e Médias Empresas e saiba como podemos ajudá-lo a resolver sua crise tecnológica. wwwww.cisco.o.o.com.br/d/descoconectctctadososananonononimimos SS CCC PP qq nnn MMéé ss mm rree wwww o.o.o. /d/d coco ctctct ososanonononimim
  • 3. 1 33 EDITORIAL SUMÁRIO CURTAS 04Liderança Rodrigo Dienstmann assume presidência da Cisco do Brasil 05Carro conectado 96 % dos brasileiros andariam em carro que dispensa motorista 06Comunicação Unificada UCC está na estratégia de 78% dos líderes de TI 08Conexão Cisco espera 50 bilhões de dispositivos conectados até 2020 CONNECT 10Barômetro Brasil rumo à Banda Larga 2.0 12Dados Móveis Estudo constata que tráfego alcançará 134,4 exabytes 14Internet de Todas as Coisas IoE: oportunidade de US$ 14 trilhões INOVAÇÃO 16Educação Novas tecnologias revolucionam sala de aula 20Telemedicina Tecnologiavencepreconceitos 24Capa O banco do futuro já está em construção VOZ DO CLIENTE 30WI-FI Eniac adota solução com autenticação integrada à base de usuários 32Vídeo NET NOW: alta definição sob demanda e sem intervalos 34Acesso à rede CPFL controla conectividade dentro e fora do ambiente corporativo PARCEIRO 36Carreira Certificações Cisco: resultados positivos na vida profissional 38Velocity Times de marketing da Cisco alinham estratégias com parceiros ARTIGO 40Potencial Como a Interneto of Everything pode mudar a nossa rotina EQUIPE RESPONSÁVEL CISCO DO BRASIL Presidente Rodrigo Dienstmann Diretor de Engenharia Marcelo Ehalt Diretor de Canais Eduardo Almeida Diretor de Marketing & RP Marco Barcellos CISCO LIVE MAGAZINE É UMA PUBLICAÇÃO DA CISCO DO BRASIL Conselho Editorial Adriana Bueno, Fabricio Mazzari, Isabela Polito, Isabella Micali, Jackeline Carvalho, Mariana Fonseca, Monica Lau, Renata Barros, Sandro Barrella e Marco Barcellos. PRODUÇÃO Comunicação Interativa Editora Jornalista Responsável Jackeline Carvalho MTB 12456 Diretora de Redação Jackeline Carvalho Reportagem Jackeline Carvalho Edição Luciana Robles Revisão Comunicação Interativa Asssessoria de Imprensa In Press Porter Novelli Arte Marcelo Max Tiragem 5000 exemplares OS BANCOS NÃO SÃO MAIS OS MESMOS P ara aqueles que viveram os períodos de inflação em alta e corrida diária às agências bancárias, é interessante notar que o relacionamento com banco hoje é sinônimo de Internet. E caminha a passos largos para o celular, ou seja, está cada vez mais à mão do cliente, sem filas e atropelos. Isso provocou também uma inversão de papel das agências, que pouco a pouco foram perdendo tamanho e ganhando ares de sala de visita, até chegarem ao es- tágio de atendimento personalizado. Talvez hoje não mais com o cafezinho com o gerente, mas recuperamos a oportunidade de olhar nos olhos de especialistas para tirar dúvidas sobre investimentos, novos serviços ou gestão financeira. Um laptop, tablet ou smartphones agora são suficientes para colocá-lo na frente de um especialista dentro do banco. Ou mesmo uma Telepresença, como a do Bradesco Next, em nossa reportagem de capa. Assim, rompemos a barreira da distância ou de locomoção nas grandes cidades do país. O atendimento também pode não acontecer na sua agência de origem, já que as tecnologias de colaboração promovem isso. Mesmo em agências ou cidades pequenas, o cliente pode ter acesso a um especialista para discutir seus planos de investimento,semprecisardeumprofissionalnaagência100%dotempo.Bompara obanco,queexploraoconceitodepresença,economizandotempoemelhorando oatendimento.Bomparaocliente,quetemaoportunidadedeesclarecerdúvidase receber informações diretamente da pessoa que vai influenciar suas decisões. As tecnologias estão mudando os bancos, é verdade. Mas, vale lembrar que isto é apenas o início da revolução da Internet de Todas as Coisas (IoE – Internet of Everything), uma mudança no cenário mundial que representa um potencial eco- nômicodeUS$14trilhõesparaasempresasdosetorprivadoatéapróximadécada. Umresultadodiretodamaiorconectividadeentrepessoas,processos,dadosecoisas. E,porfim,aCiscoLIVEMagazinecomemoraanomeaçãodeRodrigoDienstmann comoonovopresidentedaCiscodoBrasil.Apartirdeagora,eleseráoresponsável por comandar a filial brasileira e dar continuidade à estratégia da companhia de incentivar a inovação e o desenvolvimento socioeconômico no país. Sem dúvida, uma ótima notícia para todos nós. Boa leitura! Marco Barcellos 1
  • 4. 44 11CURTAS 6 RODRIGO DIENSTMANN É NOMEADO PRESIDENTE DA CISCO DO BRASIL 6 CISCO AMPLIA PORTFÓLIO DE REDES PARA ARMAZENAMENTO EM DATA CENTERS A Cisco lançou soluções de redes para armazenamento dedados dentro do portfó- lio MDS, que promete me- lhorarodesempenho,escalabilidadee confiabilidade dos recursos, e ajudar líderes de TI a lidar com as tendências de computação em nuvem, big data e a internet de todas as coisas. Oportfólio,quecompreendeswitches modularesdearmazenamento,servido- res, gerenciamento central e o siste- ma operacional da empresa, promete ajudar companhias que necessitam de acesso mais rápido a métricas de negócios para melhorar a tomada de decisão, inclusive na área da saúde. Entre os produtos estão o MDS 9710 Multilayer Director, já dis- ponível no mercado e que promete largura de banda até três vezes maior em switches modulares de armaze- namento; e o MDS 9250i Multiser- vice Fabric Switch, cuja previsão de lançamento é no terceiro trimestre do ano, e é recomendado para ser- viços de redes de armazenamento na matriz SAN. De acordo com David Yen, vice presidente sênior do grupo de Data Center da Cisco, o anúncio consolida a empresa como líder em tecnologia para o mercado de switch modular de armazenamento. A Cisco nomeou Rodrigo Dienstmann como novo presidente da empresa no Brasil. O executivo será responsável por dar continuidade à estratégia da companhia de incenti- var a inovação, a transformação e o desenvolvimento socioeconômico, expandindo a presença da Cisco no País e destacando a importância de investimentos em Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC - para o crescimento e competitivi- dade locais. “O Brasil é um país estratégico para a Cisco e uma fonte de crescimento para a companhia. Nós queremos ser o melhor e o mais estratégico par- ceiro de tecnologia para o Brasil e fazer com que a companhia se torne a número 1 de TI no País”, afirma Jordi Botifoll, presidente da Cisco Améri- ca Latina. “Rodrigo é um executivo experiente, com forte habilidade de liderança e visão de negócios, e será fundamental para aumentar nossa presença no País”. Dienstmann, que assumiu interi- namente a presidência da empresa em março de 2013, está na Cisco há quatro anos. Neste período, ocupou importantes cargos como diretor de vendas dos segmentos de operadoras e de empresas de grande porte. O executivo tem mais de 20 anos de experiência na indústria de tele- comunicações e uma profunda com- preensão do mercado brasileiro, com passagens pela Oi, como diretor na área de mercado; e como vice presi- dente da GVT, além de outras posi- ções executivas na Intelig, Iridium Sudamérica e Siemens Telecom. Dienstmann é graduado em Enge- nharia Eletrônica e Telecomunica- ções pela Universidade Federal Tec- nológica do Paraná, e possui MBA em Administração de Negócios pelo IBMEC-RJ. Executivo será responsável por dar continuidade à estratégia da companhia de incentivar a inovação, a transformação e o desenvolvimento socioeconômico do País
  • 5. 55 Cisco marca presença no iPlanet 2013 e mostra que investir em tecnologia traz competitividade para as PMEs O s números gerais do iPla- net 2013, evento que reú- ne empresas de TI e Au- tomação, realizado pela Officer Distribuidora, comprovam a relevância do encontro: foram cerca de 3800 pessoas, 30 estandes e mais de 120 palestras técnicas e comerciais. A Cisco esteve presente e, em uma de suas palestras, mostrou que para pequenas e médias empresas (PMEs) ganharem competitividade é necessário investir em tecnologia. Segundo a diretora de vendas da companhia, Ana Claudia Plihal, as PMEs desconfiam da segurança dos equipamentos de TI e, por isso, o de- safio é fazê-las entender que adquirir tecnologia é essencial para o futuro dos negócios. 6 OPORTUNIDADE DE QUEM SAI NA FRENTE 6 CORRIDA VIRTUAL Como afirma, “a primeira preocupa- çãodeinvestimentoemtecnologiaque apequenaemédiaempresatemé:como eu mantenho isso seguro depois?” Para reduzir essa desconfiança, Ana Plihal defende iniciativas como as da Cisco, que disponibiliza os equipamentos para instalação, expe- rimentação e validação dos recursos. Em sua apresentação no iPlanet, a executiva também lembrou que a computação em nuvem ajudou a democratizar o acesso à tecnologia. “Em cloud, é possível adquirir solu- ções sofisticadas, as mesmas utiliza- das pelas grandes empresas”, disse. Segundo a executiva, o preço das soluções em cloud é um diferencial relevante para as pequenas e médias empresas, uma vez que o modelo de cobrança é baseado no uso, o que permite às empresas menores terem condições de acesso ao que existe de melhor no mercado. 96% dos brasileiros andariam em carro que dispensa motorista U m estudo feito pela Cis- co sobre a experiência do consumidor (Customer Ex- perience Report) do setor automotivo mostrou que o uso da tecnologia tem sido relevante nesta área, desde o processo de escolha e compra à manutenção e à direção do veículo. O estudo pesquisou mais de 1.5 mil consumidores em 10 países - Alemanha,Brasil,Canadá,China,Esta- dosUnidos,França,Índia,Japão,Reino Unido e Rússia - e constatou que 61% dos entrevistados usam websites das montadores para pesquisas antes de comprar um carro; e 78% dos consu- midores confiam nas pesquisas online. Dos entrevistados, 83% preferem pesquisarinformaçõessobreumcarro pela internet, e 61% usa o site do fa- bricante, mas 17% preferem telefonar ou ir a uma concessionária. Em média 65%dosentrevistadosinformaramque compartilhariaminformaçõespessoais comoaltura/peso,hábitosdedireçãoe preferênciasementretenimentoseisso levasse a um veículo e experiência de direção mais customizados. Valorização da marca e tecnologia A pesquisa afirma que 47% valori- zam a reputação da marca na adoção da tecnologia ao comprar um veículo, e globalmente os consumidores espe- ram ver mais mudanças de transporte na customização, segurança, tempo e economia de custos. Os mercados emergentes, como Brasil, China e Índia, são os mais dis- postos a oferecer informações so- bre hábitos de direção, em troca de eficiência em custo e tempo, e mos- tram mais confiança em veículos sem motorista. No Brasil, esse nível de confiança é maior que em outros países, e cerca de 92% deixariam os filhos em carros automatizados, ao contrário de consumidores do Japão, França e Alemanha, onde 6% permitiriam que os filhos andassem em um veículo não pilotado
  • 6. 66 11CURTAS No entanto, investimentos em tecnologias de comunicações unificadas e colaboração podem ser perdidos se não cairem nas “graças” dos usuários UCC ESTÁ NA ESTRATÉGIA DE 78%DOSLÍDERESDE TI O s tomadores de decisão da área de TI de grandes organizações deverão in- vestir US$ 53 milhões em serviços de suporte a comunicações unificadas e colaboração (UCC - Uni- fied Communications and Collabora- tion) nos próximos dois anos. No entanto, a pesquisa mundial sobre o uso de UCC nas Américas, Austrália, Ásia, Europa e África do Sul, encomendada pela Dimension Data, aponta que esses investimentos podem fracassar se os funcionários não utilizarem os recursos. De acordo com o estudo Dimen- sion Data 2013 Global UCC Study, feito pela Ovum, 78% dos entrevista- dos disseram ter um plano estratégico atualizado e orçamento para imple- mentar “componentes selecionados” de UCC. 43% tem um orçamento para a “maioria dos componentes” de UCC, enquanto 42% dos tomadores de decisão indicaram ter orçamento para realizar investimentos em “todos ou na maioria dos aspectos” de UCC. “Essa é uma mudança surpreen- dente, especialmente quando as condições econômicas e as limita- ções operacionais colocam um freio nos investimentos em comunicações “Para as organizações que querem formular ou renovar uma UCC, a opinião dos colaboradores é fundamental” — CRAIG LEVIEUX, GERENTE GERAL DO GRUPO DIMENSION DATA PARA COMUNICAÇÕES CONVERGENTES empresariais”, diz o gerente geral do Grupo Dimension Data para Comuni- cações Convergentes, Craig Levieux. “Dos tomadores de decisão em TI que fizeram grandes investimentos em UCC nos últimos dois anos, 61% ci- tou economias mensuráveis de custos, produtividade e retenção de talentos. Isso envia uma forte mensagem às or- ganizações que não reconhecem as comunicações unificadas como uma arma estratégica de produtividade e economias de custo”, diz. Mas, por enquanto, as aspirações de UCC das organizações não cor- respondem às de seus funcionários. A pesquisa revelou que as empre- sas pecam ao deixar de avaliar o perfil e as necessidades de seus colaboradores. Segundo Levieux, essa falta de conscientização dos funcionários pode colocar em risco o sucesso dos investimentos em UCC, já que os tomadores de deci- são afirmaram basear seus investi- mentos na melhoria dos processos empresariais e da produtividade. “Para as organizações que querem formular ou renovar uma UCC, a opinião dos colaboradores é funda- mental. Em um mundo onde mais e mais funcionários trazem seus pró- prios dispositivos para o trabalho, a falta de entendimento entre os to- madores de decisão e empregados pode resultar em um custo acima do real”, declara Levieux.
  • 7.
  • 8. 88 11CURTAS Cisco aposta em recursos para colaboração MERCADO GLOBAL CHEGARÁA2020 COM 50 BILHÕES DE DISPOSITIVOS CONECTADOS A Cisco informou, durante a Enterprise Connect Orlan- do 2013, que cerca de 50 bilhões de dispositivos es- tarão conectados até 2020, o que pode gerar um valor de US$ 14,4 trilhões. A companhia aproveitou a oportunidade para anunciar novas ferramentas para soluções de colaboração. Dos US$ 14 trilhões, Robert Lloyd, presidente de desenvolvimento e ven- das da Cisco, informou que cerca de US$ 3 trilhões serão destinados à ino- vação, enquanto US$ 3,7 trilhões para melhorar a experiência do usuário; o resto será distribuído na cadeia de ati- vos, suprimentos e produtividade. Na ocasião,ogestordemonstrouonovore- cursodetelepresençadoCiscoWebEx. O diferencial da solução, segundo a Cisco, é a possibilidade de estender a reunião para usuários externos à corporação, pois o novo software promete às empresas monitorar por- tas, banda larga e infraestrutura, para suportar a videoconferência e ajustar recursos automaticamente. “Permitindo a telepresença como parte do software WebEx, podemos estender a experiência em vídeo para qualquer tipo de endpoint, sendo ou não dispositivo móvel, sala de telepre- sença ou telefone IP. Qualquer pessoa com um browser pode ter capacidade de vídeo”, explicou Thomas Wyatt, vice presidente e gerente geral de negócios de colaboração e infraes- trutura da empresa. Inovações A Cisco também informou que tem trabalhadonaexpansãodaarquitetura medianet para endpoints de telepre- sença e clientes da solução ‘Jabber’, e explicou que a arquitetura provê à TI gerenciamento com visibilidade den- tro do tráfego de vídeo na rede e sin- croniza endpoints automaticamente. “O medianet está prestes a viabilizar aplicações para interagir com a infra- estrutura básica e otimizar a rede para a entrega de vídeo”, adicionou Wyatt. Por fim, a Cisco informou que ex- pandiu produtos na forma VaaS (vídeo como serviço) para os parceiros, e pode entregar diferentes formas de consumo para que o usuário possa utilizar recursos de videoconferência de forma segura, mas sem precisar fazer ‘reserva’ ou digitar um código de acesso. “Estamos lançando uma sala de reunião virtual, um conceito que permite a parceiros realizar uma reunião ‘improvisada’ na nuvem”, co- mentou Wyatt . “Os usuários querem se encontrar em qualquer lugar e a qualquer hora, apenas com uma cha- mada rápida”, finalizou o executivo.
  • 9.
  • 10. 1010 11CONNECT Conexões acima de 2Mbps cresceram 13,4%, sendo 57,6% até 2Mbps, e 42,2% na faixa de 10Mbps MOBILIDADE DOMINA EXPANSÃODA BANDA LARGA O Barômetro Cisco de Ban- da 2.0, estudo conduzido pela Cisco em parceria com a IDC, analisou a penetração da Banda larga no Bra- sil, no segundo semestre de 2012, e mostrou que o País alcançou a marca dos 25,820 milhões de conexões (so- madas as fixas e móveis), enquanto, na primeira metade do ano passado, o número foi 23,590 milhões. No período, os serviços móveis chegaram a 19,063 milhões, um cres- cimento de 10,6%, enquanto as cone- xões de banda larga fixa cresceram 9,1%. “O crescimento é impulsionado pelo desejo de ter acesso ao serviço em casa. O País é o terceiro no con- sumo de notebooks no mundo e isso empurra a penetração da banda larga”, afirma João Bruder, analista especia- lizado em telecomunicações da IDC. Ele ainda destaca o crescimento da banda larga 2.0, com conexões acima de 2Mbps, que já oferecem uma melhor experiência aos usuários domésticos, e informa que o número de conexões acima dessa marca cres- ceu 13,4%, sendo 57,6% até 2Mbps, e 42,2% na faixa de 10Mbps ou mais. Presente à apresentação do Barô- metro, Márcio Carvalho, diretor de produtos e serviços da NET, explicou que, na companhia, 70% dos clientes fazem parte dessa geração 2.0, e têm conexões acima de 10Mbps. “Já esta- mos vendo a NET chegar em regiões carentes de infraestrutura, um gargalo no Brasil. Nosso desafio é levar o ser- viço para o interior do País”, destaca. Das tecnologias fixas, ele informa que o xDSL representa 5% das cone- xões do período, enquanto o cabo soma 31%. “Juntas essas tecnologias representam94,8%dasconexões”,diz. Anderson André, diretor geral do segmento de provedores de serviços da Cisco do Brasil, destaca que, em- bora haja o crescimento na adoção de fibra óptica, as outras tecnologias continuarão dominantes no mercado. Aumento do tráfego Com os usuários móveis deman- dando cada vez mais serviços, a mobilidade e, consequentemente, o tráfego de dados foram abordados durante o encontro. Os executivos da Cisco apontaram a necessidade de investimentos em WiFi e offload das redes móveis 3G e 4G para viabilizar mais conexões. “Os usuários de banda larga de- mandam cada vez mais serviços, como vídeos e jogos online. E tam- bém há a demanda de OTT, que tem o NetFlix como exemplo”, pontua Giuseppe Marrara, diretor de ques- tões regulatórias e governos da Cis- co. Segundo ele, “o offload das redes é essencial para escoar esse tráfego, principalmente em locais com grande concentração de pessoas”. Anderson André conta que durante 6 SOBREPOSIÇÃO Banda larga móvel cresce mais que a fixa Serviços móveis tiveram expansão de 10,6% Conexões de banda larga fixa cresceram 9,1% os Jogos Olímpicos de Londres, pri- meira Olimpíada da era smartphones e tablets, o WiFi fez a diferença para viabilizar a comunicação de dados. “Um aspecto importante é que Lon- dres e Pequim tiveram mais hotspots depois dos eventos mundiais”, comen- ta, ao dizer que “o Brasil tem de 0,60% a 0,70% da base global de hotspots”. O diretor de questões regulatórias e governos da Cisco também ressalta a perspectiva positiva para o setor de telecom em 2013. “Esse será um ano importante para o setor de telecom, com algumas regulamentações, como oREPNBL,quedeveacelerarumasérie de investimentos; regulamentação da faixa de 700MHz, que será mais um espectro global para 4G; o PNBL 2.0, que surge com expectativa de baixo custo para desoneração de serviços; e por fim, a Lei das Antenas”.
  • 11.
  • 12. 1212 11CONNECT Estudo constata que tráfego alcançará 134,4 exabytes DADOS MÓVEIS ILIMITADOS C om a explosão do número de dispositivos conecta- dos, o tráfego global de dados transitando através das redes móveis deve crescer cerca de 13 vezes nos próximos cinco anos, chegando a 11,2 exabytes por mês, ou 134,4 exabytes por ano. Somente no Brasil, a previsão de aumento do tráfego móvel, no mesmo período, é de 12 vezes até 2017. Revelado no início do ano pelo rela- tório Visual Networking Index (VNI) Global Mobile Data Traffic Forecast 2012-2017, o crescimento exponen- cial se deve, em parte, ao crescimento contínuo do número de dispositivos conectadosàinternet,incluindoasapli- cações máquina-a-máquina (M2M). Paraseterideiadoimpactodestecres- cimento,os134,4exabytesequivalem a 30 trilhões de imagens, ou 10 fotos tiradas diariamente durante um ano inteiro por cada pessoa na terra. Entre 2012 e 2017, a Cisco esti- ma que o tráfego global de dados móveis crescerá três vezes mais que o tráfego global de dados fixos. Os principais motivos do crescimento são um maior número de usuários móveis (de 4,3 bilhões em 2012 para 5,2 bilhões em 2017) e de disposi- tivos e conexões M2M (10 bilhões “As operadoras precisarão de redes mais inteligentes e com melhor gestão” — RODRIGO DIENSTMANN, PRESIDENTE DA CISCO DO BRASIL de devices, sendo 1,7 bilhão de co- nexões M2M). Além disso, as velocidades médias das redes móveis saltarão mais de sete vezes (de 0,5 Mbps para 3,9 Mbps) e o consumo de vídeos deve chegar a 66% do tráfego móvel global. Dados locais No Brasil, a previsão é que o tráfego aumente 12 vezes entre 2012 e 2017, atingindo 251,5 mil terabytes (0,25 exabytes) por mês, o equivalente a 63 milhões de DVDs. O número é 568 vezes maior que todo o volume de tráfego móvel no País há 10 anos. A base instalada de dispositivos móveis deve saltar de 285 milhões, em 2012, para 357 milhões em 2017. “Com o crescimento da nuvem, os investimentosdasoperadorasemaplica- çõespararedesmóveistambémaumen- ta”,dizodiretordeoperadorasdaCisco doBrasil,AndersonAndré.“Eovídeoé o‘applicationkiller’,comaevoluçãopara a alta definição (HD) e 3D. Por isso, a necessidadedeasoperadorasinvestirem cada vez mais em infraestrutura.”
  • 13. 1313 todo tráfego móvel no Brasil em cin- co anos. “As operadoras terão que ter redes mais inteligentes, com melhor gestão”, pondera o presidente da Cis- co do Brasil, Rodrigo Dienstmann. “Aí entram os investimentos em WiFi, pois quando explode o tráfego de da- dos não basta simplesmente aumentar o uso de antenas.” 6 BASE INSTALADA A distribuição do tráfego de dados por dispositivo móvel, mensal: Smartphones 167 milterabytes Notebooks 53 milterabytes Tablets 19 milterabytes “Com o crescimento da nuvem, os investimentos das operadoras em redes móveis também aumenta” — ANDERSON ANDRÉ, DA CISCO DO BRASIL Um ponto relevante do estudo é o ganho de importância do WiFi: 90% do tráfego total associado a dispo- sitivos móveis e portáteis utilizarão estas redes, 4% motivado pelo offlo- ad das redes móveis convencionais. O 4G será responsável por 7% das conexões de dispositivos móveis e M2M em 2017, tomando 30% de
  • 14. 1414 11CONNECT Para o presidente global da Cisco, John Chambers, empresas que anteciparem tendência obterão melhor desempenho INTERNET DETODAS AS COISAS CRIA OPORTUNIDADE DEUS$ 14 TRILHÕES E m um futuro não tão distan- te todas as coisas estarão co- nectadas, o que significa uma oportunidade econômica de aproximadamente US$ 14 trilhões para as empresas do setor privado durante a próxima década. É o que revela uma análise divulgada pela Cis- co a respeito das potencialidades da chamada Internet de Todas as Coisas, ou IoE (Internet of Everything). Este valor resultará do aumento de receitas e da redução de custos criados ou migrados entre as cor- porações de 2013 até 2022, graças à maior conectividade entre pessoas, processos, dados e coisas. Cerca de 66% deste valor virá de transformações específicas, basea- das em tecnologia como smart grid e automações. Os outros 34% virão de mudanças por toda a indústria, inclusive aquelas relacionadas ao tra- balho remoto (teletrabalho). John Chambers, CEO da Cisco, escreveu um artigo no qual analisa as oportunidades da tecnologia. “A Internet de Todas as Coisas tem o potencial de aumentar os lucros das empresas globais em 21% durante os próximos 10 anos”, escreveu o executivo. “Acredito que as empresas e indústrias que rapidamente apro- veitarem as vantagens da IoE serão recompensadas com uma fatia maior dessa crescente rentabilidade.” Segundo os autores do relatório, cinco fatores principais devem impul- sionar a Internet de Todas as Coisas. O primeiro deve ser a redução de cus- tos com ativos, estimada em US$ 2,5 trilhões, pois estes passariam a ser melhor controlados em um ambiente totalmente conectado. Além disso, há o aumento da eficiência e da produ- tividade dos trabalhadores, gerando ganhos de outros US$ 2,5 trilhões. Outrofatorimportantedaconectivi- dade universal é a redução de desper- dícios logísticos e na cadeia de supri- mentos,estimadaemUS$2,7trilhões. Os últimos dois fatores são o aumento donúmerodeclientesfinaisatravésdo aprimoramentodaexperiênciadecon- sumo (US$ 3,7 trilhões) e o aumento “O IoE aumenta o lucro das empresas em 21%” — JOHN CHAMBERS, CEO DA CISCO 6CINCO FATORES DEVEM IMPULSIONAR A INTERNET DE TODAS AS COISAS: Redução de custos com ativos US$ 2,5 trilhões Aumento da eficiência e da produtividade dos trabalhadores US$ 2,5 trilhões Conectividade universal e redução de desperdícios logísticos e na cadeia de suprimentos US$ 2,7 trilhões Aumento do número de clientes finais US$ 3,7 trilhões Aumento da inovação, reduzindo o tempo de chegada ao mercado US$ 3 trilhões da inovação, reduzindo o tempo de chegada ao mercado (US$ 3 trilhões). Tendências tecnológicas (nuvem e mobilidade,bigdata,etc.)eeconômicas estão impulsionando as cifras da IoE. Pesquisadores estimam que 99,4% de todososobjetosfísicosquepoderiam ser conectados ainda não estão.
  • 15. 1515
  • 16. 1616 11INOVAÇÃO A snovasgeraçõesestãomais conectadas,eainterativida- de com os dispositivos, in- clusive os móveis, pode ser vistaemqualquerlugar.Nasinstituições deensino,essaafirmaçãosetornacada vezmaisverdadeiraecolocaosetorde educação em evidência para fornece- dores de serviços e produtos de TIC. DuranteaInterdidática2013,FeiraIn- ternacionaldeTecnologiaEducacional, issofoicomprovadocomaapresentação de tecnologias que podem tornar as sa- las de aula mais dinâmicas e aumentar a eficiência da área administrativa das instituiçõesdeensino.Entreassoluções estavamaSecretariadealunos3.0,Cor- reção Digital de Gabaritos de Provas, Lousas Digitais e Plataformas EAD. Ricardo Santos, responsável pelo desenvolvimento de negócios para o mercado de Educação da Cisco, conta que o Brasil tem dedicado, gradativamente, maiores recursos à educação. “Em 2000, cerca de 2% do PIB (Produto Interno Bruto) foi des- tinado à educação; no ano passado, o número saltou para 5,1%, com o PIB bem maior do que o de 2000”, diz. Em paralelo, segundo executivos da Cisco, a tecnologia aplicada à educa- Recursos tecnológicos apoiam plano pedagógico de instituições de ensino e resultam em melhor desempenho para alunos e professores EDUCAÇÃO 3.0: UM CONCEITO BASEADO EM COLABORAÇÃO ção tem o desafio de se aliar ao plano pedagógicodasinstituiçõesetornaro ambientefavorávelaumnovoconceito deaprendizagem,baseadoemrecursos “A educação é uma grande indústria e há oportunidades para trabalhar com governos, iniciativa privada, grandes e pequenas empresas” — RICHARD HALKETT, DIRETOR EXECUTIVO DO SETOR PÚBLICO E DE TRANSFORMAÇÃO EMPRESARIAL NA REGIÃO DAS AMÉRICAS de colaboração: a educação 3.0. “A educação é uma grande indústria eháoportunidadesparatrabalharcom governos, iniciativa privada, grandes e pequenas empresas; e é onde vemos surgirnovasparcerias”,afirmaRichard Halkett,diretorexecutivodosetorpú- blico e de transformação empresarial na região das Américas. Ele menciona as grandes oportu- nidades na área de educação para a Cisco e atribui boa parte dessa eu- foria ao uso de recursos de colabo- ração, destacando que a tecnologia não irá substituir o papel didático do professor, mas permitirá o trabalho conjunto dos alunos em sala de aula. O executivo ainda ressalta que o País tem passado por uma fase de transformação, pois migrou da ‘dis- tribuição de tecnologias’ para um modelo mais estratégico. “Passa- mos por uma fase de experimento e distribuição de tecnologias, com tablets e computadores para escolas. Isso foi feito com boa intenção, mas com pouco critério. Agora, temos a chance de evitar que a tecnologia seja usada de forma não pensada e não integrada com o projeto pedagógico da instituição de ensino”, conclui.
  • 17. 1717 “Analisamos todas as soluções tecnológicas e escolhemos a Cisco, que era a mais adequada para um projeto desse porte” — KALIL PETERMANN, GERENTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO COLÉGIO VISCONDE DE PORTO SEGURO U mdoslíderesdosegmentode educação no Brasil, o Colé- gioViscondedePortoSegu- ro, que possui seis unidades educacionais – quatro em São Paulo e duas no interior - adotou tecnologia Cisco para substituir o backbone de toda rede corporativa. O projeto, que atende as seis unidades, aumentou em 50% a capacidade da rede interna, en- tregando a professores e alunos uma infraestrutura que torna os recursos tecnológicosdetodasasáreas,inclusive das salas de aula, mais rápidos. Para Kalil Petermann, gerente de Tecnologia da Informação do Colégio ViscondedePortoSeguro,aeficiência operacional é o principal benefício. No setor administrativo, a vantagem se traduz em maior eficiência em pro- cessosdefechamentofiscal,contábile financeiro, enquanto nas salas de aula a velocidade da rede impede interrup- ções e paradas nos sistemas. “Cada aula deve ser impecável. En- tão, quanto menos interrupções, do ponto de vista tecnológico, melhor. Em uma aula de 45 minutos, cinco minutos de parada já é um prejuízo enorme”, explica Petermann. A renovação da rede propiciou o desenvolvimento de outros projetos da instituição, como as lousas digitais e plataforma EAD. “A Cisco tem uma participação nesses projetos porque toda estrutura de rede do Colégio é dela”, diz o gestor. Aliança ParaPetermann,alémdapreocupação comaáreadeeducação,aexperiênciada Cisconorteouaescolhadosdispositivos contratados para o backbone. “Anali- samos todas as soluções tecnológicas e escolhemos a Cisco, que era a mais adequadaparaumprojetodesseporte”, afirma Petermann. Fernando Silva, especialista de edu- cação para o segmento Commercial da Cisco, informa que a companhia desenhou a rede de acordo com a ne- cessidade do cliente, e diz que o apoio da equipe de TI da instituição foi in- dispensável para o sucesso do projeto. SegundoPetermann,essefoioprimei- ro projeto conjunto feito pelas equipes daCiscoedoColégioVicondedePorto Seguro,masorelacionamentonãopara por aí. As companhias já trabalham em um projeto de CFTV, que combina se- gurança e inteligência de rede. COLÉGIO VISCONDE DE PORTO SEGURO APOSTA EM EFICIÊNCIA DE REDE Instituição investiu na renovação do backbone corporativo e aumentou a eficiência da rede oferecida para áreas estratégicas, como administrativa e educacional O Colégio Visconde de Porto Seguro aumentou em 50% a capacidade da rede interna, entregando a professores e alunos uma infraestrutura que torna os recursos tecnológicos de todas as áreas mais rápidos
  • 18.
  • 19.
  • 20. 2020 Q uase oito em cada dez consumidores (76%) bra- sileiros aceitariam receber algum tipo de atendimen- to médico por meio virtual. Segun- do uma parcela ainda maior (84%), a qualidade da assistência médica é muito mais importante do que a presença física de um médico du- rante a consulta. Esses dados fazem parte de um relatório global sobre a experiência de clientes da área de saúde feito pela Cisco, o Customer Experience Report, que ouviu con- sumidores e tomadores de decisão na área de saúde em 10 países. O estudo global foi realizado no Estudo da Cisco mostra que pacientes preferem qualidade à presença física do médico. Resultado coincide com lançamentos da fabricante para saúde conectada gência do aspecto digital com o físico, existe a oportunidade de aumentar a colaboração e o compartilhamento de informação por parte dos provedores para melhorar a experiência de atendi- mento e operar com mais eficiência.” Outro ponto importante é a ob- tenção de informações médicas via dispositivos móveis: no Brasil, 42% dos consumidores fazem pesquisas e 34% checam resultados de labo- ratório em seus gadgets antes de ir a consultas médicas. Os consumido- res do país também têm interesse em receber recomendações médicas via tecnologia: 76% gostaria de receber mais indicações sobre saúde nos seus 11INOVAÇÃO TELEMEDICINA VENCE PRECONCEITOS início de 2013 e ouviu 1.547 consu- midores e profissionais de saúde dos EUA, Canadá, México, Brasil, Reino Unido,Alemanha,Rússia,China,Índia e Japão. Na média global, três quartos (74%) dos consumidores dizem gos- tar da ideia de se comunicar com um médico usando a tecnologia ao invés de uma consulta presencial, incluin- do recursos de videoconferência e até mesmo mensagens de celular (SMS). “A experiência de pacientes e ope- radoras é a principal preocupação em todo o mundo”, pondera a executiva de marketing para o setor público e de saúde da Cisco, Kathy English. “Devido ao crescimento da conver-
  • 21. 2121 computadores ou dispositivos móveis (o maior índice de todos os países). A pesquisa apontou ainda que qua- tro em cada 10 consumidores têm interesse em receber recomendação sobre médicos e hospitais, entre ou- tros dados de saúde, automaticamen- te em computadores ou dispositivos móveis. A mesma proporção de con- sumidores (40%) gostaria de receber lembretes de saúde – no Brasil esse número salta para 76%. Privacidade Os profissionais de saúde se reve- laram mais dispostos a compartilhar informações pessoais e privadas do que pacientes e outros cidadãos. A maioria dos consumidores se sente à vontade em disponibilizar na nuvem, contanto que de forma segura, infor- mações sobre a própria saúde. Na América do Norte, a maioria (80%) não vê problemas em enviar históricos médicos completos e diag- nósticos para as operadoras de planos de saúde, para que elas tenham infor- mações disponíveis para tratamen- tos e diagnósticos mais precisos. Até mesmo fornecer amostras de DNA para médicos ou outros profissionais de saúde parece uma boa ideia para 78% dos consumidores do mundo. No Brasil, este índice chega a 88%. Lançamentos Noiníciode2013,aCiscoanunciou três novas ofertas de saúde conecta- da: a HealthPresence 2.5, o Services for Connected Health (serviços) e o Architectures for Connected Health 6 Cisco anuncia três novas ofertas de saúde conectada: a HealthPresence 2.5, o Services for Connected Health (serviços) e o Architectures for Connected Health (arquitetura de hardware) 2121 (arquitetura de hardware). O objetivo é entregar softwares e serviços que ajudematornarasinstituiçõesmédicas maiscolaborativas,alémdeeficientese precisas no tratamento dos pacientes. OHealthPresence2.5éumaplatafor- ma de colaboração para telemedicina quepretendeviabilizarcuidadosmédi- cos a um grande número de pacientes atravésdeumaredequeaprimoraapro- dutividade e os fluxos de informações clínicas.Entreosrecursosestáousode padrõesparaumavariedadededisposi- tivosmédicos,quepodemserfacilmen- te conectados via USB e S-Video, por exemplo. A própria videoconferência permite o uso de qualquer dispositi- vo compatível com os padrões SIP e H.323.EndpointsdaCisco,comooVX Clinical Assistant, o SX20, o MX200 e o C60, bem como dispositivos de outros fabricantes, podem ser confi- guradosparafuncionarcomosistema. Com a solução, o cliente pode esco- lher a infraestrutura de hardware que quer empregar para suporte à solução, de acordo com necessidades específi- cas, incluindo dispositivos de vídeo, desktops e data center. A solução é flexível, podendo ser implantada pela própria equipe de TI da instituição de saúde ou uma equipe certificada da Cisco e dos parceiros. Outra novidade é a disponibilidade global do Cisco Services e do Cisco Architectures para Saúde Conectada. As duas soluções foram desenvolvidas especificamente para que instituições médicas possuam infraestruturas ro- bustas, seguras e escaláveis para su- portar tecnologias na área de saúde. Construção e Normatização de Data Center Rede Elétrica Infraestrutura Cabeamento Estruturado Metálico Cabeamento Óptico Wireless Indoor e Outdoor Controle de Acesso Telefonia IP Sistemas de Monitoramento Projeto de TI/Telecom Sistema de Detecção e Combate a Incêndio Equipe de Técnicos Residentes LAN Switching A Fundamentos desenvolve e implementa projetos sob medida no formato de “Turn Key”. Serviços Fone: (12) 2139-6600 E-mail: fundamentos@fundamentos.com.br Endereço: Av. Francisco José Longo, 1612/1614 Vl. Bethânia - S. José dos Campos - SP Entre em contato conosco: www.fundamentos.com.br
  • 22.
  • 23.
  • 24. 2424 O BANCO DO FUTURO JÁ ESTÁ EM CONSTRUÇÃO 11CAPA Mobilidade, biometria e consultoria por vídeo são algumas das inovações que já começam a ser apresentadas aos clientes da rede bancária 2424
  • 25. 2525 “Não fazemos com que os nossos clientes se adaptem às nossas tecnologias, fazemos tecnologias adaptadas às pessoas” — LUCA CAVALCANTI, DIRETOR DOS CANAIS DIGITAIS DO BRADESCO E nquanto no passado recente, os bancos investiram forte- mente em tecnologia para esvaziar agências e, conse- quentemente, reduzir custos ope- racionais, hoje eles voltam os olhos ao relacionamento querem sim, estar mais próximos aos seus clientes e oferecer um atendimento cada vez mais personalizado. Dois movimentos singulares do Bra- desco são prova dessa nova realidade: a abertura do Bradesco Next, instala- do no Shopping JK Iguatemi, em São Paulo; e a expansão do serviço de depósito em cheque via smartphone. Em ambos os casos está presente a permanente busca por inovações que ofereçam conveniência, segurança e simplicidade ao cliente. E tudo isso no “singular”. Os novos serviços bancários visam atender às demandas pessoais de cada cliente, sem, obviamente, abandonar a ne- cessidade de custo baixo e produti- vidade. “Da década de 80 para agora mudou o fator transacional. Hoje a transação é feita essencialmente pela internet, depois mobile e, por fim, na agência, que é o canal mais caro. “Quanto mais as transações corri- queiras forem levadas para os canais eletrônicos, maior será a eficiência do banco”, lembra Rodrigo Montebelo Gonsales, Vertical Senior Advisor para Serviços Financeiros da Cisco. Segundo ele, as tecnologias de co- laboração devem ser ‘a bola da vez’ no front-end dos bancos, tendo em vista as oportunidades de evolução propostas por este ambiente. “Essa é, hoje, a principal plataforma de interação virtual do cliente com o banco. Ela aproxima esses dois elos”, comenta, citando o projeto Santan- der Select, que contempla a interação cliente/banco usando vídeo. Outra ferramenta identificada pelas instituições financeiras como essencial para o relacionamento moderno com os clientes são os smartphones, hoje a segunda pla- taforma mais usada pelos clientes do Bradesco. O banco saltou de 1,5 milhão de transações pelo celular, há dois anos, para 60 milhões, no dia 03 de abril, e fechou aquele mês com 6300 transações ocorrendo a cada minuto pelo celular. No final de maio, o mesmo Bra- desco colocou em operação o depó- sito em cheque para os clientes das agências digitais e para os clientes Prime. O produto foi testado por cin- co meses e consiste na realização de depósitos em cheques digitalizados, por meio de um aplicativo instalado nos aparelhos. “Queremos propor uma solução que faça a convergência do che- que ao conceito digital”, diz Luca Cavalcanti, diretor dos Canais Di- gitais Bradesco. O aplicativo teve como principal preocupação pro- porcionar um tráfego em ambiente seguro e, por isso, os dados farão “Há bancos do segmento Premium que têm especialistas circulando pelas agências. Se este profissional não precisar ir à agência, o banco ganha produtividade, cobertura e aumenta a disponibilidade” — RODRIGO MONTEBELO GONSALES, DA CISCO
  • 26. 2626 6 O Bradesco saltou de 1,5 milhão de transações pelo cellular, há 2 anos, para 60 milhões em abril uso de assinatura digital, seguindo padrões e protocolos de formatos estabelecidos pelas normas vigentes. Também, com o objetivo de trazer o cliente de volta à agência com uma oferta mais personalizada no atendi- mento, sem filas e buscando ofertar maior valor às transações, o Bradesco colocou em operação, no ano pas- sado, o Bradesco Next - um espaço que propicia o contato com soluções tecnológicas únicas, permitindo ao cliente utilizar inovações que só ima- ginaríamos existir no futuro. “Não fazemos com que os nossos clientes se adaptem às nossas tecno- logias, fazemos tecnologias adapta- das às pessoas”, diz Luca Cavalcanti. Em seis meses, mais de 90 mil pes- soas visitaram o ambiente no qual é possível experimentar aplicações que ainda estão em fase de laborário, como m-token (mobile token), que substitui o cartão de segurança, ou o token convencional, pelo celular; ou a biometria aplicada à seguran- ça nos saques com o cartão. E tudo acompanhado pelo robô “Link 237”. “O cliente convive com o avatar, fala com o atendente, baixa aplica- 11CAPA 6BRADESCO NEXT O banco do futuro é composto pelas seguintes funcionalidades: Link 237 a recepção do Bradesco Next fica a cargo do robô Link 237, que passeia pelo espaço recepcionando os visitantes, emitindo sons e alterando sua expressão facial PainelMultiApps parede interativa multitouch que reage ao calor gerado pelo movimento do corpo. Na tela, com resolução máxima 4x full HD, atendentes virtuais apresentam como utilizar os diferentes aplicativos para realizar operações bancárias. O cliente acessa as informações por gestos. A tela será utilizada também para apresentação de vídeos com as inovações do Bradesco ATMNEXT os inovadores caixas de autoatendimento do Bradesco Next apresentam design diferenciado e mantém a privacidade do cliente, pois não possibilitam a formação de fila atrás do usuário. Com design futurista, os equipamentos oferecem tela touchscreen com navegação interativa. Os comprovantes de transações de transferência são enviados por e-mail, dispensando o uso de papel. As transações podem ser realizadas com os cartões com dispositivo “contactless”, por aproximação, e o menu pode ser acessado nos idiomas português, inglês e espanhol. Os ATMs também estão ligados a um dispositivo PDA, ferramenta que identifica o cliente após a realização uma operação; com essa identificação é possível, com a ajuda de uma ferramenta de CRM, abordar o cliente e ofertar produtos e serviços que possam ser de seu interesse. Ciclo de Vida mesa interativa com tela touch que possibilita consultoria financeira a partir de um processo interativo. Pelo toque dos dedos, o cliente define seus projetos de vida nos próximos anos e informa sua situação financeira. O Banco aponta as melhores opções para atingir os objetivos e os dados, que podem ser visualizados na mesa do gerente e também podem ser enviados ao e-mail do cliente. tivos da web, com ‘n’ opções, como o QR Code, etc. Isso é o Next. O cliente sai com a aplicação na palma da mão”, sintetiza o executivo. Atendimento em HD Com o auxílio da Cisco, o Brades- co construiu, no 2º piso do Next, a área de assessoria financeira para uma análise da capacidade de in- vestimento atual e futura do cliente. “Temosociclodeinvestimentoeociclo de sonhos em uma tela touchscreen”, narra Cavalcanti, explicando que a aplicação pode mostrar o poder de compra do cliente em uma determi- nada janela de tempo. Hátambémumasalaquesimulaage- rência bancária do futuro, que foi equi- padacomoauxíliodaCisco,eondeestá instalada a mesa Ciclo de Vida – mesa interativacomtelatouch,quepossibilita No Bradesco Next, o cliente é assistido por novas tecnologias, inclusive por meio de vídeo
  • 27.
  • 28. 2828 promocisco@cisco.com consultoria financeira em um processo interativo,noqualgerenteeclientemovi- mentamtelase,eventualmente,assistem a vídeos explicativos. “Esta é a aplicação que hoje temos com a Cisco. Com altíssima resolu- ção, os clientes são atendidos e inte- ragem em ambiente seguro, fechado. Pode-se abrir um gráfico grande, e conversar com o analista, gerente ou diretor do banco, sem qualquer restrição”, diz Cavalcanti. Para ele, a relação banco-cliente muda quando se adotam tecnologias que privilegiam o contato humano. “Com esta visão, podemos ter uma sala de vídeo, em uma cidade peque- na, para clientes e funcionários aces- sarem a matriz em uma apresentação de investimento, crédito ou compra de ações”, completa o executivo. Rodrigo Gonsales, da Cisco, refor- ça que o vídeo aumenta a produtivi- dade dos bancos, por conta da escala. “Há bancos do segmento Premium que têm especialistas circulando pelas agências. Se este profissional não precisar ir à agência, podendo dar um atendimento personalizado com alta definição, o banco ganha produtividade, cobertura e aumenta a disponibilidade”, argumenta. E as soluções ainda podem explo- rar a mobilidade, com transações e relacionamentos feitos por meio de smartphones. Aliás, a mobilidade, diz Cavalcanti, é a primeira etapa na fase detransformaçãodoBradesco.ONext funcionanãoapenascomolaboratório, mostrando tudo que há de inovação, como, junto com a Cisco, faz o clien- te perceber que as novas tecnologias fazem sentido no dia a dia. “Esta solução já está em teste em uma agência”, revela Cavalcanti, ao explicar que a ideia é levar o con- ceito Next para as agências e para os smartphones. O Bradesco lançou, no final de maio, o depósito em cheque via smartphone 11CAPA
  • 29.
  • 30. 3030 Instituição implementa solução com autenticação integrada à base de usuários e proteção contra interferências fio, conta Miguel Sanchez, gestor de Infraestrutura de TI da Eniac. Com o novo ambiente, foi pos- sível criar diferentes configurações de redes sem fio para cada público (alunos, professores, funcionários, vi- sitantes, etc). São redes distintas, com acessos e métodos de autenticação diferentes, mas todas compartilhan- do uma única infraestrutura. Para a autenticação das redes acadêmica e administrativa, toda a solução foi integrada aos dois domí- nios Active Directory (distintos e já existentes), de modo que, agora, não há mais a necessidade de efetuar o cadastro do MAC Address de cada dispositivo móvel no software pro- prietário da Eniac, que era utilizado para o controle de acesso. ENIAC ABRE WI-FI PARA ALUNOS, FUNCIONÁRIOS E VISITANTES O Centro Educacional e Tec- nológico Eniac, instalado em Guarulhos, na Gran- de São Paulo, está entre as maiores instituições de ensino do país. Atende a mais de 10 mil alunos - desde a educação infantil até o en- sino superior, reunindo um público de alunos, professores e funcionários que acessam a internet para diferentes fins e com cada vez maior frequência. Pensando neste aumento de deman- da por conectividade, a instituição necessitava de soluções abrangentes, que garantissem: acesso wireless ao corpo acadêmico e administrativo; cobertura em todas as dependências do complexo educacional; autenti- cação integrada à base de usuários existente (Active Directory); e pro- teção contra interferências. Essaequaçãocomeçouasersolucio- nadaapósacontrataçãodaInfraPrime, parceira da Cisco, que compôs uma solução abrangente de rede sem fio, estruturada com Cisco Wireless LAN Controller(WLC)eoCiscoPrimeNe- twork Control System (NCS). A principal reclamação da ins- tituição de ensino em relação à in- fraestrutura anterior se resumia em cadastros complicados, problemas técnicos frequentes, suporte técnico inexistente e insatisfação de alunos e colaboradores quanto à rede sem- Resultado Para oferecer maior cobertura de sinal, estabilidade e segurança, fo- ram utilizados Access Points Cisco 3500 Series. Estes aparelhos foram distribuídos em posições estratégi- cas no campus – corredores e salas – proporcionando uma cobertura de aproximadamente 16 mil m2. Toda a solução é monitorada pela In- fraPrime, que utiliza sistema de alertas comaberturadechamadosautomática, oquediminuiconsideravelmenteotem- poderespostaaincidentes.Alémdisso, todososequipamentosinstaladospos- suem o serviço Cisco SMARTnet, que garante,emcasodefalhadohardware,a substituiçãodoequipamentodefeituoso em até 24 horas. Através da utilização do recurso Cisco Clean Air, os chamados ao su- porte técnico por falhas na qualidade de conexão e interferências foram completamente extintos. O Clean Air tornou a rede sem fio da Eniac rápida e disponível a qualquer hora e a partir de qualquer lugar. Oobjetivodainstituiçãofoialcançado quandotodaacomunidadeacadêmica, em especial os alunos, foi diretamente beneficiada pela nova rede, agora mais estável, rápida e segura. “Atualmente contamos com um serviço com 100% dequalidadeeasatisfaçãode99,9%dos usuários”, comemora Sanchez. 11VOZ DO CLIENTE
  • 31.
  • 32. 3232 11VOZ DO CLIENTE P egue o controle remoto, sente-se no sofá e faça a sua escolha varrendo um vasto menu de conteúdo em alta resolução. A programação do NOW, serviço da NET, inclui filmes, séries, programas esportivos e de varieda- des, além dos longas 3D, que come- çam instantaneamente, na hora que você quiser. Estamos diante do ser- viço de vídeo sob demanda da NET, construído sobre uma rede Cisco e disponível em mais de 40 cidades. O produto foi lançado em 2011, como resultado de mais um passo na parceria entre a operadora e a fabri- cante. “Desde 2007 trabalhamos com a Cisco no desenvolvimento de tec- nologia de alta definição e na oferta dos decodificadores preparados para on-demand”, conta Alessandro Maluf, gerente de produtos pay TV da NET. A primeira etapa dessa aliança ALTA DEFINIÇÃO SOB DEMANDA E SEM INTERVALOS ocorreu à época do lançamento da TV Digital no Brasil, quando Cisco e NET lançaram um decodificador capaz de exibir e gravar programas em alta definição. Agora, o objetivo da NET, segundo Maluf, é prover serviço de alta qualidade, proporcionando experiência singular ao usuário. E o NOW é parte deste plano. Para se ter ideia, uma casa com três pontos de recepção pode assistir três dife- rentes programas simultaneamente, acessar a internet e falar ao telefone sem que um serviço interfira na qua- lidade e no desempenho do outro. Isso é possível porque a rede da operadora foi preparada para carregar vídeo on-demand em alta definição e está baseada na tecnologia HFC (Hi- brid Fiber and Coaxial). A infraestru- tura foi construída com fibra óptica no núcleo e cabos coaxiais na última milha (até a casa do usuário). O serviço utiliza o conceito CDN, sigla que em inglês significa Con- tent Delivery Network, ou Rede de Distribuição de Conteúdo, sistema estruturado com servidores posicio- nados hierarquicamente na rede NET, ou seja, uma árvore de distribuição de conteúdos com servidores cen- tralizados com 100% dos conteúdos, servidores intermediários localizados em pontos estratégicos da rede e, finalmente, servidores descentraliza- dos próximos aos usuários, os quais contêm os filmes mais assistidos. Essa rede é conhecida como Cisco VDS-TV, sigla que em inglês significa Cisco Videoscape Distribution Suite for Television. No modelo, assim que um assinan- te solicita o acesso a um determinado conteúdo do NOW, o sistema iden- tifica a sua localização geográfica e coloca o decodificador em contato com o servidor mais próximo do usuário. Esse servidor “espelha” o conteúdo gerado pelo data center aumentando a velocidade de carre- gamento do conteúdo. “Temos NOW em Manaus (AM) e em São Paulo, onde está o core da rede (servidores). Assim, o filme vai de São Paulo a Manaus por meio de um Caching Nodes da Cisco e fica disponível em “long tail” para os assi- nantes de Manaus”, explica o gerente da NET. Ele reforça as vantagens do sistema: “80% do conteúdo é stream. O ‘Homem Aranha’, por exemplo, vai sempre estar nas pontas, porque tem alta demanda”. O NOW está disponível em 40 ci- dades, principalmente capitais, para os clientes HD e HD Max. NET inova com entrega de conteúdo sob demanda, com qualidade HD a um toque do controle remoto
  • 33. Podemos fazer muito mais por sua empresa. wittel.com SOLUÇÕES DE CRM E CUSTOMER CARE Business Process Automation Qualidade Dynamic Decisioning Solution SOLUÇÕES e Eficiência Relacionamento Gestão de Produtividade NETWORK ASSESSMENT Consultoria MANAGED SERVICES DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES Trading Floor Solutions Gerenciamento de Projetos SPEECH ANALYTICS Manutenção e Instalação CUSTOMER FEEDBACK Convergência e Colaboração Integração ConferenceCall TREINAMENTOS FRAUD DETECTION REAL TIME AUTHENTICATION Humanização do Atendimento
  • 34. 3434 11VOZ DO CLIENTE C iente da multiplicação de equipamentosconectadosem rede e do aumento da varie- dade de dispositivos ligados ao ambiente corporativo e circulando dentroeforadaempresa,aCPFLempre- endeuumprojetodecontroledeacesso àrede,dedicadoaimpedirquepessoas nãoautorizadasseconectassem,defor- maindiscriminadaesemautorização,ao ambiente tecnológico da companhia. À área de Infraestrutura e Segu- rança, liderada por Márcio Felix, ge- rente de Tecnologia e Segurança da Informação da CPFL, foi estipulado o desafio de avaliar, definir e imple- mentar uma solução que atendesse às expectativas e que permitisse a aplicação de políticas contextuais em redes com e sem fio, com visibilidade de todos os sistemas, serviços inte- grados de AAA, criação de perfis, CPFL ADOTA SOLUÇÃO DE CONTROLE DE ACESSO À REDE Baseado em tecnologia Cisco, iniciativa controla a conectividade dentro e fora do ambiente corporativo, independente do dispositivo utilizado pelo usuário ou visitante posturas e convidados, mantendo a disponibilidade de recursos de múl- tiplos dispositivos e a produtividade que ele permite, porém simplificando implantações e cortando custos. Levado adiante a partir de uma parceria com a Dominion - integra- dora Cisco Silver Partner, o projeto incluiu a instalação de uma solução de autenticação que garante a se- gurança dos usuários da rede e de visitantes. A CPFL adotou uma in- fraestrutura baseada em switches da linha Cisco 3560 e 2960 PoE e Access Point 3500 com controladora 5500. O Cisco Identity Services Engine (ISE) foi adotado para ajudar a aplicar, com confiabilidade, as normas de confor- midade, aumentar a segurança da in- fraestrutura e simplificar operações de serviços. Governança Com a plataforma baseada em identidade, que reúne informações da rede em tempo real, dos dispo- sitivos e dos usuários, o ISE utiliza informações sobre o perfil de usuá- rios para tomar decisões proativas de governança, aplicando políticas em toda a infraestrutura da rede. Felix conta que toda a solução é gerenciada pelo Cisco Prime Infras- tructure. “Os desafios foram inúme- ros. A implementação do projeto foi bastante complexa e exigiu um plane- jamento diferenciado para evitarmos impactos ao ambiente”, completa. A identificação do dispositivo e a conformidade com políticas e pro- visionamento de aplicativos, usando soluções de gerenciamento integra- do de múltiplos dispositivos, foram fundamentais para a CPFL atingir o resultado esperado. Apesar da fase inicial da operação da nova solução tecnológica, os ga- nhos, segundo Felix, são inúmeros e visíveis. O principal deles é a garantia de que nenhum equipamento desco- nhecido conseguirá se conectar à rede corporativa. “O fator segurança ganha visibilidade e reforça o controle de acesso”, diz o executivo, ao comple- tar que a CPFL buscava um ambiente com um elevado nível de proteção. “O fator segurança ganha visibilidade e reforça o contro- le de acesso” — MÁRCIO FELIX, GERENTE DE TECNOLOGIA E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA CPFL
  • 35.
  • 36. 3636 11PARCEIRO 6 EM ETAPAS O programa Certificações profissionais da Cisco é um programa de vários níveis. Veja abaixo: EXPERT CCIE™ (Cisco Certified Internetwork Expert) ão restam dúvidas: as certi- ficações Cisco dão mesmo um bom empurrão na vida de um profissional, seja ele iniciante ou já maduro. Isso porque elas constituem uma espécie de pon- to de controle, o reconhecimento oficial de que um certo volume de conteúdo técnico é dominado pelo profissional que conquistou o título. SegundoAlexandreMoraes,Consul- tingSystemsEngineer,CISSPedetentor detrês certificações CCIE, há várias ca- racterísticas importantes para o profis- sional que decide trilhar o caminho da certificação Cisco: a disciplina, a per- sistênciaeacapacidadedeinvestigação (após a formulação clara do enunciado do problema que precisa ser resolvido). Estaúltimaéparticularmenterelevante paraaquelesqueanseiamobteralguma das certificações mais avançadas. “As dicaspráticasparaoprofissionalchegar GARIMPANDO O FUTURO à senioridade são: traçar objetivo claro; desenvolver um método de estudo; ter disciplinaeinvestirseriamenteemlíngua inglesa (se você tem dúvida sobre essa última,ésófazerumapesquisarápidana Internetsobrequalquertemadetecnolo- giaecompararaquantidadedematerial disponível em inglês)”, diz Moraes. Noblog‘AlexandreM.S.P.Moraes’o especialistacomenta:“comtantasáreas decertificaçãodisponíveis,muitagente meperguntaqualseriaocaminhomais natural a seguir. Independente da área com a qual você mais se identifique, entendo que o conhecimento básico de redes é um ‘denominador comum’ ou a ‘plataforma que integra as várias tecnologiasavançadas(Segurança,Data Center, Wireless, Collaboration). Para Moraes, o domínio dessa área dá ao profissional uma amplitude de atuação no mercado de trabalho. “É mais fácil entender segurança, por exemplo, se você conhece o funcio- namento dos protocolos de rede que precisam ser protegidos”, pondera. As empresas atuais, dependentes da Internet e de complexas redes internas, precisam de profissionais com habi- lidades para mantê-las funcionando adequadamente e em expansão. Ao oferecertreinamentorigorosonasmais recentes tecnologias de informação, certificandoacapacidadetécnicaefor- necendorecursosparaumaprendizado contínuo,oprogramadecertificações profissionaisdaCiscoprestaumserviço aosprofissionaisderedeseàsempresas queoempregam.Emváriosníveis(veja quadro) o programa de Certificações deprofissionaisdaCiscoéreconhecido pelomercado,porquetreinaecertifica profissionais para projetar, instalar e operar redes Cisco. cedo e, desde o início, você tem que saber exatamente o que está procurando. Mesmo que, em seus ou Redes...
  • 37. ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ SÃO PAULO (11) 5186-4343 querocisco.br@comstor.comwww.comstor.com.br RIO DE JANEIRO (21) 3535-9343 Agora é a hora de adquirir os switches líderes de mercado.A Comstor está oferecendo descontos exclusivos nas linhas de switches Catalyst das séries 2000 e 3000. Entre em contato com a Comstor e garanta preços especiais em toda a linha Catalyst Series 2000 e 3000, à pronta entrega. Confira os principais benefícios: ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ SWITCHES CISCO CATALYST SERIES 2000 E 3000. PREÇOS PROMOCIONAIS E À PRONTA ENTREGA. SEGURO. CONFIÁVEL. DIRETO. BORDERLESS NETWORK A C E S S E N O S S A L O J A V I R T U A L w w w. . c o m . b r E X P R E S SC O M S T O RT O R NOSSOS SERVIÇOS CONECTAM OS MELHORES NEGÓCIOS. ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀
  • 38. 3838 11PARCEIRO Times latino-americano e brasileiro de marketing da Cisco promovem dinâmico encontro com parceiros para discutir novas estratégias e oportunidades VELOCITY: PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS ALINHADAS P ela primeira vez, a Cisco do Brasil realizou, em São Pau- lo, um workshop voltado aos profissionais de marketing da empresa e de seus parceiros. O Velo- city, como foi chamado o encontro, contou com a presença do time de marketing do Brasil e da América Latina da Cisco, e permitiu não só o alinhamento das estratégias das equipes de diferentes regiões e em- presas, mas também serviu como uma oportunidade para estreitar re- lacionamentos profissionais. O objetivo do Velocity, explicou o diretor de marketing da Cisco do Brasil, Marco Barcellos, foi não só facilitar a troca de experiências entre os participantes, mas também iniciar o planejamento de marketing da em- presa para o próximo ano fiscal, que começa em agosto, além de partilhar técnicas e métricas que aumentem a produtividade dos profissionais. “É preciso tirar o máximo de conhe- cimentopossívelnonossoecossistema, para falar a mesma língua, com os mes- mos planos e onde cada estratégia se encaixa”,disseBarcellosaosparticipan- tes. O diretor apresentou ainda a nova campanhadebrandingdaempresa,que inclui ações na mídia brasileira. A nova campanha, explicou o exe- cutivo, busca principalmente tornar a marca Cisco reconhecida pelo grande público através de suas potencialida- des. Com o tema “Tomorrow starts here” (O Amanhã Começa Aqui, em tradução livre), o foco passa a ser não diretamente os equipamentos e so- luções produzidos pela companhia, mas a tendência da “internet de todas as coisas” (“internet of everything”). “Não vamos deixar de falar de proto- colos de rede e roteadores, mas vamos fazê-loembaixodeumcontextomaior”, ponderou Barcellos aos participantes do Velocity. “Hoje falamos com o CIO e com o executivo de gestão, mas os executivosdetecnologiatambémpreci- samsaberdosnossosprodutos.Ouseja, nãoéumamudançatotal,masgradual.” Planejamento “Aquele que fracassa ao planejar, pla- neja para fracassar”, diz o provérbio citado por Walter Kusmaul, gerente de marketing para parceiros da Cisco para a América Latina, que participou do Velocity. O executivo, em parceria com o time de marketing da Cisco do Brasil,realizoudinâmicasdegrupocom os participantes do evento para refor- çar a importância do planejamento na estratégia de marketing dos parceiros. “Quanto melhor o planejamento, mais rápida a execução”, ponderou. Larissa Vinhati, da 5F Soluções, elogiou a iniciativa e disse que en- contros como o Velocity deveriam acontecer com mais frequência pela oportunidade de atualização profis- sional e também pela possibilidade de aproximação com a Cisco. AopiniãodelaéendossadaporDanilo “Não vamos deixar de falar de rede e roteadores, mas vamos fazê-lo embaixo de um contexto maior” — MARCO BARCELLOS, DA CISCO DO BRASIL marketing da Cisco promovem dinâmico
  • 39. 3939
  • 40. 4040 Dinâmica entre participantes do Velocity buscou partilhar técnicas e métricas para departamentos de marketing Sella, gerente de marketing da Promon- Logicalis, que disse que esse tipo de encontro é importante para conhecer novas ferramentas e se aproximar do planejamento da Cisco. Para Walter Kusmaul, o Velocity no Brasilsedestacadaquelesrealizadosno resto da América Latina pelo tamanho (“sãomaispessoasparticipando”)epelo nível dos profissionais. Mas “as necessi- dades são as mesmas, pois os departa- mentosdemarketingprecisamdemais dinheiro para investir. Porém, no Brasil, com a economia melhor, os parceiros nãotêmmedodegastar,poisháretorno.” Capacitação Apoiar e impulsionar os canais da Cisco para que estes desenvolvam as habilidades de marketing de seus pro- fissionais: este é o objetivo do Partner MarketingProfessionalBadge,primeira ação de treinamento na área para ca- nais na América Latina. O processo de obtenção do selo inclui cursos on- line organizados em quatro módulos: fundamentos,planejamento,execução, ferramentas e recursos da Cisco. Entre os conhecimentos adquiridos no programa estão técnicas para levar ao mercado as arquiteturas da Cisco, utilizandoprogramasinovadores.Tam- bémfazempartedaaçãotreinamentos sobre estratégias de mídia social, ava- liaçãodedesempenho,ferramentasde gestão de vendas e uso da plataforma de marketing digital dentro do pro- grama de marekting cooperado Cisco, o Partner Marketing Central (PMC). DesenvolvidopelaCiscoepelaZuiLi University, instituição acadêmica espe- cializadaemcursosdemarketingonline, mídiassociais,administraçãocomunitá- ria,mercadoenegóciosparaosetorde TI, o curso é gratuito e está disponível globalmente em português, espanhol, inglês e outros sete idiomas. “Este reconhecimento único na re- gião representa uma excelente opor- tunidade para que nossos parceiros formem equipes especializadas e incrementem suas habilidades em marketing para obter vantagem des- te mercado em crescimento”, expli- cou Barcellos. O Cisco Partner Marketing Pro- fessional Badge exige que o partici- pante complete todos os módulos e exames com qualificação mínima de 80 pontos. Posteriormente os parti- cipantes deverão completar cursos subsequentes, disponíveis no portal de e-learning, para manter o título de Cisco Marketing Professional. 11PARCEIRO
  • 41.
  • 42. 4242 1ARTIGO R ecentemente, me deparei com o artigo “25 coisas mais estranhas na Internet de Todas as Coisas”, publicado na InfoWorld, que reflete as mudanças que a internet está provocando na nossa rotina. O artigo descreve as muitas coisas que poderiam, um dia, ser conectadas à internet, bem como a reação em cadeia que essas conexões (e suas ideias) terão. Como eu já mencionei anteriormente, a gota d’água é uma grande metáfora para a Internet of Everything (IOE). Assim como uma gota d’água, uma única pessoa, bit de dados, ou coisa conectada com bilhões de outras pessoas, dados e coisas também podem mudar a face do nosso Planeta. Mas será que a conexão de tudo com tudo é mesmo estranho ou somos nós que ainda não alcançamos a di- mensão da Internet de Todas as Coisas? A Cisco estudou, recentemente, como as conexões de ambientes até então desconectados irão alterar a nossa rotina. A proposta foi olhar para um objeto e considerar como ele será quando estiver conectado à internet e puder nos fornecer informa- ções importantes para melhorar o mundo em que vivemos. Como o artigo da infoWorld observou, as possibilidades são infinitas. Basta olhar a sua frente: o que você vê, e o que um dia poderá ser conectado? Vamos lá: Carrinhos de compras Ao conectar sua lista de compras com o inventário da loja e os dados de localização dos produtos, capturados a partir das compras de outros clientes, o carrinho pode conduzi-lo pela loja de forma mais eficiente, tornando mais fácil a localização dos produtos e mais rápida a conclusão da compra. E se o item que você precisa Uma escova de dentes que lhe dá um check-up virtual a cada escovação. Isso é estranho ou será realidade? ESTRANHO OU INEXPLORADO? Dave Evans * não estiver disponível, a conexão do carrinho pode até recomendar uma alternativa. Correios Na era dos pagamentos de contas on-line e e-cards, o serviço de correio torna-se, teoricamente, obsoleto. Mas, como a maioria das famílias ainda usa o correio tradicional, a conexão de cartas e encomendas com os respectivos sensores nas caixas de correio e internet, nos permite controlar e acompanhar as entregas. Os remeten- tes saberiam, por exemplo, quando uma correspondência foi entregue e os beneficiários poderiam ver o que está em suas caixas de correio sem ter que abri-las. Smart grid Imagine um mundo onde os veículos elétricos dominam o transporte. Para garantir quea energia suficiente é fornecida a estações de carregamento de veículos durante grandes eventos, que atraem grandes audiências, vários dispositivos devem ser conectados e ter a capacidade de se comunicar comumabasedecontroledeinformação.Tomecomoexem- plo um concerto ou evento esportivo, onde 50 mil carros estejam naquele mesmo local precisando ser recarregados durante o evento ou antes da saída. A rede inteligente pode detectareatémesmopreveresteafluxodeveículoselétricos, e redirecionar a energia para suportar o aumento da carga nas estações de carregamento daquele local. Enfim, basta olhar ao redor para enxergar os ganhos que você poderia obter se as coisas a sua volta estivessem conectadas à internet. * Dave Evans é chefe futurista do Cisco Internet Business Solutions Group (IBSG)
  • 43. 4343
  • 44. 4444 © 2013 CiscoSystems,Inc. Todoslos derechosreservados.