embratel-ebook

54 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
54
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

embratel-ebook

  1. 1. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 2 A transformação digital, o avanço da Internet das Coisas (IoT), o aumento das máquinas inteligentes, a infinidade de dados gerados e a consequente preocupação com a segurança das informações devem causar um impacto ainda maior nas organizações nos próximos anos. Para orientar a sua empresa a se preparar para as mudanças que estão no caminho, a Embratel reuniu algumas das principais tendências sobre Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) no Brasil para 2017 e 2018. Mas antes de saber sobre as tendências, vale entender um pouco mais sobre esse mercado: o Brasil ocupa uma posição respeitável no Top 10 do mercado de TIC mundial, com perspectiva de crescimento em torno de 1,8% até 2020. O setor de Serviços de TI nacional também tem expectativa favorável no período, com evolução ao redor de 7,0%, de acordo com dados da IDC. No atual cenário de desenvolvimento, eficiência e diferenciação competitiva darão o tom dos investimentos no País. Nos negócios, a comprovação de reduções de custos será a regra principal. Além disso, provedores tecnológicos que conseguirem transitar nos vários idiomas do cliente (CIO, CDO, CxO) terão mais sucesso. Entre os desafios que serão enfrentados pela indústria da tecnologia da informação, o principal é a segurança. As preocupações quanto à proteção são apontadas como uma barreira para a adoção em massa, o que indica que a segurança deve ser uma prioridade. Este e-book detalha cada um desses pontos, em 10 orientações fundamentais para o progresso sustentável das empresas em um cenário de transformação. As principais tendências e soluções são apresentadas junto de sua aplicação, com indicações de para onde olhar e no que investir. Também apresenta o que chamamos de “Chaves para o Futuro”, que são dicas curtas e diretas para guiar os investimentos com precisão. Boa leitura e feliz 2017! I N T R O D U Ç Ã O
  2. 2. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 INTRODUÇÃO 02 #1 SEGURANÇA A importância de proteger as informações no novo contexto 04 #2 CLOUD Infraestrutura e serviços no centro das atenções 05 #3 MOBILIDADE CORPORATIVA Foco na eficiência com maior controle dos processos 06 #4 TELECOM E TI Novos serviços de Telecom se integrando ao mundo de TI 07 #5 INTERNET DAS COISAS Mais “coisas” conectadas já em 2017 08 #6 ANALYTICS Projetos de análise de dados vão se multiplicar 09 #7 TRANSFORMAÇÃO DIGITAL Novos modelos de negócio ganharão ainda mais espaço 10 #8 EVOLUÇÃO DOS DESENVOLVEDORES Foco na elasticidade da arquitetura das aplicações 11 #9 TUDO DEFINIDO POR SOFTWARE Softwares ganharão cada vez mais espaço 12 #10 BIG DATA Projetos originados nas áreas de negócios 13 AS CHAVES DO FUTURO 15 SOBRE A EMBRATEL 24 Í N D I C E
  3. 3. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 4 O orçamento de segurança avançará em torno de 2 pontos percentuais em sua participação no total do orçamento de TI das empresas já em 2017/2018. Os serviços de proteção vão caminhar cada vez mais para além da conectividade, passando por todas as camadas de tecnologia presentes nas empresas: CLOUD: questões de governança entram na pauta de discussão, dividindo a atenção com tópicos como acesso e conectividade. A adoção do serviço de nuvem vai impulsionar o interesse em segurança no “endpoint”, seja para computadores ou para dispositivos, com a necessidade de assegurar a confiabilidade de acesso e dos dados trafegados. MOBILIDADE: a necessidade de controle vai aumentar na medida em que novas aplicações e processos de negócio tornarem- se disponíveis para dispositivos móveis. As empresas vão querer assegurar que seus dispositivos (BYOD1 ou contratados diretamente) tenham uma camada adicional de proteção. A maioria dos dispositivos móveis (como tablets e smartphones) ainda não conta com aplicações de segurança, por esse motivo, vai crescer a demanda para esse tipo de solução. IOT (“Internet of Things” ou “Internet das Coisas”, em português): ainda não existem práticas de segurança bem definidas para IoT. 01 P A R A A C O M P A N H A R O S N O V O S C O N T E X T O S D E M O B I L I D A D E E C L O U D , A S E M P R E S A S P R E C I S A R Ã O E V O L U I R A S U A S E G U R A N Ç A S E G U R A N Ç A 1 BYOD (Bring Your Own Device) – “Traga seu próprio aparelho”, em português. É uma tendência nas empresas, que permite que os funcionários tragam e utilizem o seu próprio dispositivo para acessar dados e informações da companhia.
  4. 4. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 5 Poucos elementos na tecnologia corporativa terão um crescimento tão intenso nos próximos dois anos quanto Cloud. Para se ter uma ideia, a Cloud Pública deve crescer acima de 20% ao ano até o fim da década. 02 I N F R A E S T R U T U R A E S E R V I Ç O S E S T A R Ã O N O C E N T R O D A S A T E N Ç Õ E S No entanto, esta opção está se tornando a solução comum, tanto em infraestrutura como em aplicações e conectividade. O nível de maturidade no Brasil é inferior ao dos países que começaram primeiro, porém está alinhado com o restante da América Latina. A adoção depende ainda de uma cobertura mais ampla e econômica da rede de telecomunicações. Novos players vão surgir no mercado ao longo dos próximos anos. Com o estabelecimento da TI híbrida (convivência de nuvens pública e privada, além de ambiente físico), surgirá com força o mercado de Gerenciamento Multicloud para atender a esta demanda. CLOUDPÚBLICA–IaaS2 aindadespertarámaior atenção e será a porta de entrada para o mundo Cloud. PaaS3 e SaaS4 terão o foco em atividades que serão consideradas “corriqueiras”. CLOUD PRIVADA – Soluções convergentes e híbridas continuarão a receber mais atenção por parte dos gestores de infraestrutura. EVOLUÇÃO DO MERCADO TI BRASIL E PUBLIC CLOUD C L O U D 2 IaaS (Infrastructure as a Service) – “Infraestrutura como Serviço”, em português. Na nuvem, o cliente pode contratar produtos em 3 modalidades principais: IaaS, PaaS e SaaS 3 PaaS (Platform as a Service) – “Plataforma como Serviço”, em português. É um ambiente baseado na nuvem no qual você pode desenvolver, testar, executar e gerenciar seus aplicativos. 4 SaaS (Software as a Service) – “Software como Serviço”, em português. Programas são usados como um serviço pela internet, sem estar instalado em nenhum computador. SUPORTE E TREINAMENTO PROJETOS ORIENTADOS TERCEIRIZAÇÃO PUBLIC CLOUD NUVEM PRIVADA Fonte: IDC, 2016 2010 R$ 16.0 R$ 14.0 R$ 12.0 R$ 10.0 R$ 8.0 R$ 6.0 R$ 4.0 R$ 2.0 R$ 0.0 2011 2012 2013 2014 2015
  5. 5. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 6 03 F O C O N A E F I C I Ê N C I A C O M M A I O R C O N T R O L E D O S P R O C E S S O S Em 2016, cerca de 50% das empresas restringiram o BYOD e mais de 70% delas tiveram algum tipo de controle associado à mobilidade. A maior disponibilidade de aplicações de negócio para dispositivos móveis acentuou o interesse pelo serviço. O uso avançou em várias indústrias, com equipes de campo, equipes de atendimento e aumento de colaboradores. Contudo, os avanços são limitados e a tendência de uso é baseada em funções, ou microsserviços. A busca por eficiência operacional e redução de custos farão as empresas pensarem nos processos a serem mobilizados, ao invés de quais pessoas devem contar com mobilidade. O aumento de dispositivos (corporativos ou de BYOD) com acesso a funcionalidades de negócio exigirá maior controle por parte das empresas. Com isso, operadoras serão mais influentes e presentes nos processos de mobilidade corporativa. 
 Atualmente, aproximadamente 1/5 dos funcionários usam “devices” corporativos para trabalhar longe de suas mesas. Considerando o BYOD,aproporçãoalcança1/3dosfuncionários. Entretanto, soluções de gerenciamento e controle sãomuitopoucousadas,asaplicaçõesdisponíveis são simples e a integração com sistemas legados ainda é difícil e custosa. 
 M O B I L I D A D E C O R P O R A T I V A
  6. 6. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 7 04 N O V O S S E R V I Ç O S D E T E L E C O M S E I N T E G R A N D O A O M U N D O D E T I O 4G deve adquirir massa crítica e os serviços móveis e serviços profissionais para redes corporativas impulsionarão o mercado de TIC. Aplicativos e Pagamento via dispositivos móveis continuam sendo os maiores impulsionadores de Dados Móveis. As operadoras com foco em Data Center e Serviços Hosteados terão aumento de demanda de Dados Fixos e Voz em redes convergentes. 
 Em 2017, sairão as primeiras ofertas de SDN5 , permitindo serviços de Rede definidos por software, com novos serviços de Telecom se integrando com o mundo de TI. T E L E C O M E T I 5 SDN (Software-Defined Networking) - em português, rede definida por Software. O conceito visa desacoplar as funções do hardware que as implementa e executá-las em Software.
  7. 7. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 8 05 M A I S “ C O I S A S ” C O N E C T A D A S J Á E M 2 0 1 7 Os projetos-pilotos nacionais já se encontram em fase de produção e diversos setores já estão utilizando e planejando novos projetos. Empresas tendem a migrar aplicações tradicionais, como telemetria e monitoramento, para IoT. Os CIOs estão atentos a essa novidade, mas com muitas dúvidas, especialmente em relação a: • Cloud – onde processar e armazenar os dados? 
 • Segurança – quais são os riscos inerentes? 
 • Rede – como planejá-la? 
 • Modelo de negócios – como calcular o ROI? A IoT doméstica já existe no Brasil 
 Em pesquisa recente, a IDC identificou um grande número de dispositivos domésticos conectados à internet, como consoles de jogos, Smart TVs, ar condicionado, câmeras de segurança, entre outros. Cerca de 10% dos lares entrevistados apresentam algum dispositivo que transmite e recebe dados por meio da internet (excluindo PCs e smartphones). As grandes empresas serão catalizadoras da adoção. No Brasil, 19% têm planos para os próximos 12 meses. Um exemplo: empresas com operações distribuídas, mesmo não geograficamente dispersas, poderão ter um monitoramento online e fulltime, como por exemplo, as de gôndolas de supermercado. I N T E R N E T D A S C O I S A S ( I O T ) Em 2016, a Internet das Coisas movimentou cerca de US$ 6,2 bilhões noBrasil,eestima-sequeosdispositivos domésticos movimentaram cerca de US$ 50 milhões.
  8. 8. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 9 06 P R O J E T O S D E A N Á L I S E D E D A D O S V Ã O S E M U L T I P L I C A R O impulso será dado pela necessidade de resultados de curto prazo. Em 2016, o mercado de Business Analytics se firmou como ferramenta para inovação de negócios, principalmente associada à mobilidade. Esse mercado deve atingir US$ 811 milhões de receita no Brasil. A proximidade entre as áreas de TI e de Negócios, somada ao momento desafiador do País, continuará alavancando os projetos de Big Data e Analytics. O melhor entendimento das necessidades das organizações já gerou resultados, e isso deve se intensificar em 2017, com mais casos de uso e ampliação das áreas de negócio. A N A L Y T I C S No entanto, a escassez de skill específico continua na pauta e deve começar a se resolver nos próximos anos. Os profissionais entrarão no mercado formados pelas turmas de instituições de ensino montadas em 2013/2014. Pelo seu lado, os fabricantes seguem a tendência de “embarcar” Analytics em suas soluções, trazendo benefícios imediatos e pré-formatados para simplificar adoção e utilização.
  9. 9. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 10 07 N O V O S M O D E L O S D E N E G Ó C I O G A N H A R Ã O A I N D A M A I S E S P A Ç O T R A N S F O R M A Ç Ã O D I G I T A L Uma pesquisa realizada em 2016, apontou que 54% das médias e grandes empresas declaram que embarcarão em projetos de Transformação Digital em 2017, no Brasil. Para esse processo ser efetivo são necessários líderes, perfil que será escasso, o que deve alterar as organizações. Com isso, CIOs e CTOs precisão ajustar seus papéis para serem habilitadores do movimento para a Transformação Digital. Novos modelos de negócio continuarão a ganhar espaço, amparados por Cloud, Big Data, Social Business e Mobilidade, os pilares da 3a Plataforma. Modelos colaborativos ou de compartilhamento terão maior apelo para os usuários finais, e os negócios 100% digitais e baseados em informação vão se proliferar. Também serão desenhadas novas aplicações para rodarem em Cloud, com grande atenção para a Customer Experience (CX), a experiência consistente, em qualquer lugar e em qualquer dispositivo. Atenção ainda aos aplicativos (Apps), que têm papel importante graças à grande e crescente penetração de dispositivos móveis, pessoais ou corporativos. CLOUD COMPUTING BIG DATA E ANALYTICS SERVIÇOS DE DATA CENTER SEGURANÇA MOBILIDADE NEGÓCIOS SOCIAIS CIDADES INTELIGENTES INTERNET DAS COISAS COMPONENTES DA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
  10. 10. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 11 08 D E S E N V O L V I M E N T O V O L T A D O P A R A A 3 ª P L A T A F O R M A E X I G I R Á E S S A E V O L U Ç Ã O E V O L U Ç Ã O D O S D E S E N V O L V E D O R E S A arquitetura das aplicações deve mudar, deixando de focar na previsão de uma determinada capacidade de processamento e passando a mirar na elasticidade. A maioria dos desenvolvedores ainda não está preparada para essa transição, o que pode acentuar a escassez de mão de obra de boa qualidade e ocasionar a supervalorização desses profissionais. Um fenômeno semelhante acontecerá com desenvolvedores mobile, que têm exigências cada vez mais fortes em relação à experiência, conectividade e inteligência de suas aplicações. Os investimentos em Application Development and Deployment seguirão acelerados em 2017, chegando a US$ 1,4 bilhões em 2018 no Brasil.
  11. 11. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 12 09 “ S O F T W A R E - D E F I N E D ” C O N T I N U A R Á M O V E N D O A I N T E L I G Ê N C I A D O H A R D W A R E P A R A O S O F T W A R E T U D O D E F I N I D O P O R S O F T W A R E AssoluçõesdeSDx(Software-definedEverything, na sigla em inglês) significa “tudo definido por software”. Ou seja, os softwares continuarão ganhando espaço, seja para armazenamento, rede ou automação e tomarão os recursos de Datacenter. O SDx é impulsionado pela crescente demanda por ambientes de nuvem – pública, privada ou híbrida. O crescimento desse tema está relacionado à transformação gradual da TI tradicional para o modelo de ITaaS (“IT as a Service”, ou “TI como serviço”). A área de System Management Software deve atingir US$ 500 milhões em 2017.
  12. 12. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 13 10 3 5 % D O O R Ç A M E N T O P A R A P R O J E T O S D E B I G D A T A V I R Á D O L O B * B I G D A T A Em 2017, a demanda de SaaS vai crescer com um maior envolvimento dos executivos de negócio (CxO). A maioria dos projetos de Big Data e Analytics e também de Internet das Coisas terão origem nas áreas de negócio. Osdesafiosdesegurançaeamaiorcomplexidade na integração com o legado farão com que haja uma maior colaboração entre LOB6 e o CIOs. 6 Line of Business (LOB), em português, ramos dos negócios.
  13. 13. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 14
  14. 14. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 15 DEMANDA POR MAIS SERVIÇOS DE VALOR AGREGADO AUTOMAÇÃO PARA EFICIÊNCIA LABORAL PROJETOS DE ROI DE CURTO PRAZO CRESCIMENTO DO BIG DATA COMO UM DRIVE AS CHAVES D0 FUTUR0 D A T A C E N T E R M E R C A D O E X I G I N D O M A I S S E R V I Ç O S D E V A L O R A D I C I O N A D O , E M B O R A A I N D A H A J A D E M A N D A P O R S E R V I Ç O S M A I S B Á S I C O S
  15. 15. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 16 NUVEM HÍBRIDA INTEGRAÇÃO DE IaaS E PaaS TUDO COMO SERVIÇO À MEDIDA QUE OS SERVIÇOS DE CLOUD CRESCEM, PADRÕES DE SEGURANÇA SURGEM E M B O R A O U T R O S S E R V I Ç O S G A N H E M E S P A Ç O , S a a S P E R M A N E C E R Á C O M O O P R I N C I P A L S E R V I Ç O D E C O M P U T A Ç Ã O E M N U V E M E M 2 0 1 7 / 2 0 1 8 AS CHAVES D0 FUTUR0 C L O U D
  16. 16. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 17 ALGORITMOS SERÃO MAIS AMIGÁVEIS BIG DATA IRÁ MELHORAR O DESEMPENHO DOS NEGÓCIOS INTEGRAÇÃO DE BIG DATA COM DATA WAREHOUSES LEGADOS EMPRESAS SERÃO CONDUZIDAS POR DADOS AS CHAVES D0 FUTUR0F O C O N O V A L O R D O S D A D O S , M A I S D O Q U E N A V E L O C I D A D E E V A R I E D A D E B I G D A T A E A N A L Y T I C S
  17. 17. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 18 AUMENTO NA DEMANDA POR SERVIÇOS DE COMPLIANCE PREOCUPAÇÃO COM A SEGURANÇA NA NUVEM PÚBLICA MUDANÇAS NAS SOLUÇÕES/ ABORDAGENS PARA ATENDER ÀS CAPACIDADES DE ATAQUES QUESTÕES COM A PROPAGAÇÃO DA INTERNET DAS COISAS (IOT) AS CHAVES D0 FUTUR0 S E G U R A N Ç A D E M A N D A C A D A V E Z M A I O R P O R S E R V I Ç O S D E S E G U R A N Ç A M A I S C O M P L E X O S
  18. 18. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 19 CRESCIMENTO DE AMEAÇAS RELACIONADAS A DISPOSITIVOS MÓVEIS AUMENTO DA PRODUTIVIDADE COMO UMA VANTAGEM COMPETITIVA USO DO SMARTPHONE COMO UM WEARABLE (“TECNOLOGIA VESTÍVEL”) IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS DE BYOD NAS EMPRESAS AS CHAVES D0 FUTUR0M O V I M E N T O B R I N G Y O U R O W N D E V I C E ( B Y O D ) C O N T I N U A C R E S C E N D O M O B I L I D A D E
  19. 19. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 20 ESTRATÉGIAS DE RACIONALIZAÇÃO DE DADOS CRESCIMENTO DE DADOS BASEADOS EM CONTEXTOS BIG DATA E ANALYTICS COMO FERRAMENTAS DE ENTENDIMENTO E INOVAÇÃO DE NEGÓCIOS AUMENTO DE DISPOSITIVOS CONECTADOS AS CHAVES D0 FUTUR0P R O J E T O S S A I N D O D O “ P A P E L ” , E M P R E S A S C O M E Ç A M A S E V O L T A R P A R A A R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D O S D A D O S I N T E R N E T D A S C O I S A S
  20. 20. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 21 SERVIÇOS PÚBLICOS SERÃO OS IMPULSIONADORES PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA SERÃO MANDATÓRIAS CIDADÃOS CADA VEZ MAIS PREOCUPADOS COM A SUA SEGURANÇA E PRIVACIDADE AUMENTO DOS PROJETOS RELACIONADOS À MELHORIA DA MOBILIDADE AS CHAVES D0 FUTUR0 I N I C I A T I V A S I S O L A D A S C O N T I N U A R Ã O N O S P R Ó X I M O S 2 A N O S C I D A D E S I N T E L I G E N T E S
  21. 21. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 22 REDES SOCIAIS COMO CANAL DE ATENDIMENTO AO CLIENTE FOCO NA EXPERIÊNCIA SOCIAL DO CLIENTE SEGMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS SOCIAIS REDES SOCIAIS COMO UM MOTOR DE DESCOBERTAS AS CHAVES D0 FUTUR0 M Í D I A S S O C I A I S M I G R A N D O P A R A N E G Ó C I O S S O C I A I S , F O C O N A R E N T A B I L I D A D E S O C I A L B U S I N E S S
  22. 22. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 23
  23. 23. P R E V I S Õ E S T I C B R A S I L 2 017 - 2 018 24 Considerada uma das maiores empresas de telecomunicações da América Latina, a Embratel oferece um portfólio completo de soluções convergentes de TI e Telecom com Mobilidade. Entre as ofertas estão os serviços de transmissão de dados, vídeo, internet, telepresença, cloud computing, data center, outsourcing, segurança, soluções por satélite, mobilidade corporativa, telefonia fixa, longa distância nacional e internacional. Com ampla experiência no fornecimento dessas soluções, a Embratel está sempre presente nos principais acontecimentos do Brasil, levando informação, comunicação e aproximando pessoas, como nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, dos quais foi Patrocinadora e Fornecedora Oficial de Serviços de Telecomunicações. Conte com a Embratel para ajudar a sua empresa a enfrentar os desafios de 2017. Acesse e conheça nossas soluções: www.embratel.com.br S O B R E A E M B R A T E L

×