UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA
PRO-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊN...
MÚSICA ANGÉLICA
(CHICO BUARQUE)
Quem é essa mulher
Que canta sempre esse estribilho?
Só queria embalar meu filho
Que mora ...
CENSURA NO REGIME MILITAR
(ANTÔNIO GASPARETO JÚNIOR)
A censura no regime militar foi um dos elementos mais marcantes da se...
OS ARQUIVOS DA DITADURA
(EMILIANO JOSÉ)
As ditaduras imaginam, pela voz dos ditadores, que nunca serão punidas por seus
cr...
MÚSICA RODA VIVA
(Chico Buarque)
Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou f...
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a viola prá lá...
Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou nu...
Em 1966, a música “Tamandaré”, incluída no repertório do show “Meu Refrão”,
com Odete Lara e MPB-4, é proibida após seis m...
teve reconhecimento e ascensão na Grécia, pois as festas eram organizadas como uma
homenagem ao deus Dionísio, deus da nat...
censura acaba proibindo o espetáculo. Essa violência e insegurança serviram
para afastar de vez a classe média do teatro. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Módulo 6 TEATRO -DITADURA MILITAR

240 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Módulo 6 TEATRO -DITADURA MILITAR

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRO-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID LETRAS PROJETO: CLIC CULTURA, LITERATURA E CRIATIVIDADE: DO ERUDITO AO POPULAR PROFESSORES: GABRIELA SANTANA DE OLIVEIRA PRISCILA DA SILVA SANTANA RODRIGUES FLÁVIA KELLYANNE MEDEIROS DA SILVA MÓDULO 06: TEATRO ALUNO:_____________________________________ www.projetoclicraul.blogspot.com
  2. 2. MÚSICA ANGÉLICA (CHICO BUARQUE) Quem é essa mulher Que canta sempre esse estribilho? Só queria embalar meu filho Que mora na escuridão do mar Quem é essa mulher Que canta sempre esse lamento? Só queria lembrar o tormento Que fez o meu filho suspirar Quem é essa mulher Que canta sempre o mesmo arranjo? Só queria agasalhar meu anjo E deixar seu corpo descansar Quem é essa mulher Que canta como dobra um sino? Queria cantar por meu menino Que ele já não pode mais cantar Quem é essa mulher Que canta sempre esse estribilho? Só queria embalar meu filho Que mora na escuridão do mar.
  3. 3. CENSURA NO REGIME MILITAR (ANTÔNIO GASPARETO JÚNIOR) A censura no regime militar foi um dos elementos mais marcantes da severidade do regime autoritário que governava o país. O povo brasileiro era controlado pelos órgãos do governo que tentavam transparecer a paz e a estabilidade social no país tendo como sustento o desenvolvimento econômico. Os militares assumiram o poder no país através de um golpe que derrubou o então presidente João Goulart no ano de 1964. O início do governo militar já seria acompanhado também pela repressão, os dois elementos eram amigos que caminhavam juntos a todo momento. Por 21 anos o Brasil seria governado por uma ditadura, que começou a repressão baseando-se no argumento de defesa contra o perigo comunista. Os famosos atos institucionais foram às medidas constitucionais tomadas pelo governo militar que deram as condições necessárias para tornar o Brasil uma ditadura comandada pelos militares por tantos anos. A medida que os Atos Institucionais se avançavam também avançava a severidade do regime, marcado por sua característica despótica, capaz de vetar os direitos que eram garantidos pela constituição brasileira, estabelecendo a opressão militar e policial e também o silêncio dos opositores. Entre 1968 e 1978 mais de 600 filmes, 500 peças teatrais, vários livros e assuntos escolares foram proibidos pela censura. Mas no campo da produção cultural quem mais sofreu com a repressão foi a Música Popular Brasileira, tratada pelo Estado como causadora de mal à população, ofensiva às leis, à moral e aos costumes. A música tem uma capacidade própria de tomar o subconsciente das pessoas e propagar ideias, foi justamente o que causou maior atenção dos censores com os compositores, muitas vezes as músicas eram barradas apenas pelo título escolhido por seu criador. Muitos autores foram presos ou expatriados, discos foram vetados ou recolhidos e algumas canções permaneceram desconhecidas do público. Um dos mais perseguidos e que encabeça uma grande lista de nomes durante a ditadura militar foi Chico Buarque. Os compositores utilizavam de recursos de duplo sentido para propagar suas ideias e conseguir driblar os censores que só se davam conta do verdadeiro significado depois do sucesso da música, como é o caso de Cálice, composta por Chico Buarque. O próprio título da música já faz um jogo sonoro com a expressão “cala-se”.
  4. 4. OS ARQUIVOS DA DITADURA (EMILIANO JOSÉ) As ditaduras imaginam, pela voz dos ditadores, que nunca serão punidas por seus crimes. Não custa lembrar o exemplo do general Ernesto Geisel, que, sem medo dos julgamentos da História, afirmava que “infelizmente” tinha de continuar a matar, tal e qual seus antecessores Garrastazu Médici, Costa e Silva e Castelo Branco. Pinochet certamente também imaginava que não enfrentaria problemas por conta do regime de terror que implantou no Chile. As ditaduras latino-americanas, com a Operação Condor, pensaram poder matar, tal e qual uma multinacional da direita terrorista, sem que nada lhes acontecesse. Só que a roda gira. Algum dia vem o cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar. Nem sempre com toda a justiça. Às vezes, com muitos dos criminosos já mortos de causas naturais. Outras vezes – podemos pensar assim com relação a vários países da América Latina e particularmente se nos referirmos ao Brasil – processos políticos de transição “por cima” terminam por dificultar a punição dos criminosos. Apesar dessas observações – quem sabe cuidados histórico-conceituais de quem experimentou os rigores da ditadura e conseguiu sobreviver –, é inegável que desfrutamos de um saudável momento de acerto de contas em boa parte da América Latina. Acerto de contas aqui não carrega o tom de bravata, nem de vingança, até porque impossível no quadro em que vivemos. O fruto amadurece, vem no tempo. Em anos bem recentes, as ditaduras latino-americanas têm sido julgadas pelos povos. Tem sido assim no Chile, na Argentina e no Brasil, para dar três exemplos. Julgadas de modo mais aberto porque faz muito tempo a população desses países já havia consolidado opinião sobre o que foram aqueles anos de terror. Agora, as coisas estão sendo ditas, providências tomadas. Quem imaginaria um Pinochet levado às barras dos tribunais chilenos? Quem o imaginaria preso antes na Inglaterra? Quem pensaria a hipótese de militares argentinos serem presos e julgados, na Argentina ou fora dela? A história ensinou, à larga, que não há jeito de apagar os vestígios dos crimes políticos. Que, mais cedo ou mais tarde, eles vêm à tona. Que os povos, cada um a seu modo, acabam por exercer seu direito à memória. Esse é um momento singular, e nele vamos consolidando a noção de que a mais imperfeita vida democrática é melhor que qualquer ditadura. Temos consciência da natureza da transição brasileira. Como em vários outros períodos essenciais de nossa história, para que a ditadura fosse ultrapassada houve uma negociação que acabou por anistiar os criminosos, os torturadores. Não cabe o lamento, por inútil. É provável que a correlação de forças daquele momento não possibilitasse outra saída. Mas acontece que a roda gira, o mundo não pára. E a Nação quer saber de tudo, reconhecer-se a si própria, mesmo que ao olhar no espelho reconheça muitos horrores, como os desse período ainda cheio de nuvens e sombras entre 1964 e 1985.
  5. 5. MÚSICA RODA VIVA (Chico Buarque) Tem dias que a gente se sente Como quem partiu ou morreu A gente estancou de repente Ou foi o mundo então que cresceu... A gente quer ter voz ativa No nosso destino mandar Mas eis que chega a roda viva E carrega o destino prá lá ... Roda mundo, roda gigante Roda moinho, roda pião O tempo rodou num instante Nas voltas do meu coração... A gente vai contra a corrente Até não poder resistir Na volta do barco é que sente O quanto deixou de cumprir Faz tempo que a gente cultiva A mais linda roseira que há Mas eis que chega a roda viva E carrega a roseira prá lá... Roda mundo, roda gigante Roda moinho, roda pião O tempo rodou num instante Nas voltas do meu coração... A roda da saia mulata Não quer mais rodar não senhor Não posso fazer serenata A roda de samba acabou... A gente toma a iniciativa Viola na rua a cantar
  6. 6. Mas eis que chega a roda viva E carrega a viola prá lá... Roda mundo, roda gigante Roda moinho, roda pião O tempo rodou num instante Nas voltas do meu coração... O samba, a viola, a roseira Que um dia a fogueira queimou Foi tudo ilusão passageira Que a brisa primeira levou... No peito a saudade cativa Faz força pro tempo parar Mas eis que chega a roda viva E carrega a saudade prá lá Roda mundo, roda gigante Roda moinho, roda pião O tempo rodou num instante Nas voltas do meu coração. A MÚSICA E A CENSURA DA DITADURA MILITAR (JEOCAZ LEE) Após Geraldo Vandré ser o alvo do regime autoritário da ditadura no Brasil tendo suas músicas censuradas, e com sua carreira totalmente sufocada, o foco se virou para Chico Buarque, que foi um dos cantores mais perseguidos pela censura. tanto nas canções de protesto, quanto nas que feriam os costumes morais da época. Os problemas de Chico Buarque com a censura começaram junto com a sua carreira.
  7. 7. Em 1966, a música “Tamandaré”, incluída no repertório do show “Meu Refrão”, com Odete Lara e MPB-4, é proibida após seis meses em cartaz, por conter frases consideradas ofensivas ao patrono da marinha. Era o começo de um longo namoro entre a censura e a obra de Chico Buarque. Exilado na Itália, de 1969 a 1970, Chico Buarque sofreria com a perseguição da censura após o retorno ao Brasil. Em 1970, recém-chegado do exílio, o compositor enviou a música “Apesar de Você” para a aprovação da censura, tendo a certeza que a música seria vetada. Inesperadamente a canção foi aprovada, sendo gravada imediatamente em compacto, tornando-se um sucesso instantâneo. Já se tinha vendido mais de 100 mil cópias, quando um jornal comentou que a música referia-se ao presidente Médici. Revelado o ardil, o exército brasileiro invadiu a fábrica da Philips, apreendendo todos os discos, destruindo-os. Na confusão, esqueceram-se de destruir a matriz. Em 1973 Chico Buarque sofreria todas as censuras possíveis. A peça “Calabar, ou o Elogio à Traição”, escrita em parceria com Ruy Guerra, foi vetada pela censura. As consequências da proibição viriam no seu álbum, “Calabar”, também daquele ano. A capa do disco trazia a palavra “Calabar” pichada num muro. Os censores concluíram que aquela palavra pichada tinha um significado subversivo, o que resultou na proibição da capa. A resposta de Chico Buarque foi lançar o álbum com uma capa totalmente branca e sem título. O disco trazia o registro das canções da peça vetada, por isto teve várias músicas (todas elas em parceria com Ruy Guerra) que amargaram nas malhas da censura. “Vence na Vida Quem Diz Sim” teve a letra totalmente censurada, sendo gravada no disco uma versão instrumental; “Ana de Amsterdam” teve vários trechos censurados. SURGIMENTO DO TEATRO O teatro surgiu através das necessidades do homem. O homem primitivo com suas crenças buscava interagir com deuses através de homenagens, danças e festas. O homem primitivo era caçador e selvagem, por isso sentia necessidade de dominar a natureza. Através destas necessidades surgem invenções como o desenho e o teatro na sua forma mais primitiva. O teatro primitivo era uma espécie de danças dramáticas coletivas que abordavam as questões do seu dia a dia, uma espécie de ritual de celebração, agradecimento ou perda. Estas pequenas evoluções deram-se com o passar de vários anos. Com o tempo o homem passou a realizar rituais sagrados na tentativa de apaziguar os efeitos da natureza, harmonizando-se com ela. Os mitos começaram a evoluir, surgem danças miméticas (compostas por mímica e música). O teatro de fato
  8. 8. teve reconhecimento e ascensão na Grécia, pois as festas eram organizadas como uma homenagem ao deus Dionísio, deus da natureza e do vinho,celebrado com muita dança, em agradecimento as colheitas.essas danças eram compostas com rituais, passos marcados, e com tempo depois surgem o dialogo. Primeiro realizava-se nas ruas e em seguida foi necessário um lugar por despertar tanto interesse na população. CARACTERÍSTICAS DO TEXTO TEATRAL O texto teatral é dividido em atos que podem ser subdivididos em cenas, quando a peça é muito longa. As suas características são: se assemelham ao texto narrativo, possuem personagens, fatos, história (enredo representado) e não possui narrador pelo fato de ser representado e não contado. Em uma peça teatral em primeiro lugar o mais importante é o texto, que se processa através dos diálogos entre atores e constituído por uma sequência linear representada pela introdução (ou apresentação), complicação, clímax e desfecho, com a finalidade de alcançar o público com a arte do texto teatral. Em segundo lugar os atores que assumem um papel de destaque, por meio de um discurso indireto. Em terceiro lugar os recursos como pausas, mímicas, sonoplastia, gestos e elementos ligados á postura corporal. TEATRO NA DITADURA MILITAR NO BRASIL Em 1964 o teatro brasileiro passou pelos piores momentos devido a tomada do poder pelos militares, instaurando o período da ditadura militar no Brasil. Constituída por um tempo de repressão e censura, um regime autoritário,que promovia um assassinato cultural,ao ponto de muitos pensarem que o teatro tinha desaparecido,assim como tortura,prisões,espancamentos e perseguições de qualquer pessoa que confronta-se os atos institucionais (AI-5)e aquelas que principalmente utilizavam a arte para combater e revolucionar. O ponto culminante da repressão ocorreu em julho de 1968, quando pessoas do partido comunistas, invadiram em São Paulo, o teatro onde estava sendo encenada a peça “Roda Viva”,de Chico Buarque.Atores e atrizes foram espancados,cenário e equipamentos destruídos.Marília Pêra e Rodrigo Santiago,(atores da peça Roda Viva)foram obrigados a irem para rua despidos,para servir de exemplo e inibir a apresentação da peça em outros lugares. A
  9. 9. censura acaba proibindo o espetáculo. Essa violência e insegurança serviram para afastar de vez a classe média do teatro. Ainda havia uma forte campanha junto à opinião pública para tentar colocar o teatro com uma imagem de subversivos, de violência e de pervertidos. A qualidade dos espetáculos despencou. O teatro não conseguiu resistir a repressão no Brasil. O público desaprendeu a ir ao teatro, de modo que o prejuízo foi gravíssimo para todo o teatro” Barbara Heliodora O QUE É UMA PARÓDIA? Paródia é uma imitação. Sendo, portanto uma imitação que se utiliza da ironia, do humor ou deboche. Existem paródias de composições literárias, filmes e músicas. Na literatura a paródia é um processo de intertextualização, OU SEJA, DÁ UMA NOVA INTERPRETAÇÃO AO TEXTO. A paródia é um importante elemento utilizado no modernismo brasileiro e na poesia marginal. EXEMPLO DE PARÓDIA LITERÁRIA "Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossos campos tem, mas flores." (Canção do exílio - Gonçalves Dias; poeta romântico brasileiro) A paródia (Oswald de Andrade; POETA MORDENISTA) "Minha terra tem palmares onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá"

×