Qualquer um que me conheça poderá dizer que está longe de ser de meu
feitio falar sobre futebol. Nasci no Brasil, mas eu o...
o futebol. A Fifa é uma das instituições mais corruptas do mundo, se os
sucessivos escândalos são qualquer indicativo, os ...
é de “incompetente”, alcunha que não me cabe taxar ou não o atual
técnico da seleção brasileira. E mais, ninguém perde int...
Mas eu não culpo isso na Confederação Brasileira de Futebol, na Fifa, na
Dilma, no Alkmin ou no establishment. Eu culpo as...
Crédito das Imagens:
André Durrão/Globoesporte.com
KAL/The Economist
Divulgação/Claro
Marcelo de Jesus/UOL
Avener Prado/Fo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Minha Opinião do Jogo Brasil e Alemanha, Causas e consequências

250 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Minha Opinião do Jogo Brasil e Alemanha, Causas e consequências

  1. 1. Qualquer um que me conheça poderá dizer que está longe de ser de meu feitio falar sobre futebol. Nasci no Brasil, mas eu odeio o esporte com uma paixão fervente. No entanto, os recentes acontecidos demandam de todos que se posicionem de alguma maneira. Aqui está a minha singela opinião. Vamos abordar o assunto em etapas. Já disse que não gosto de futebol, e, já que não gosto, não é difícil concluir que eu não entenda de táticas e estratégias, portanto não é sobre isso que vou tratar aqui. Começamos do início, da escalação. Naquela época, ninguém com um nome de peso dizia que deveria ser levado este ou aquele jogador ao invés deste ou daquele outro. Havia, cito a maior formadora de opinião desse país, um “clima de consenso” em torno da lista de convocados. Agora é muito fácil dizer que um jogador de “experiência” poderia ter substituído um outro, que a dita má fase de certo jogador deveria ser relevada. Se a cúpula técnica da CBF tivesse feito as alterações tardiamente propostas por estes comentaristas, profissionais ou não, talvez tivesse sido criticada há 40, 50 dias atrás quando fez o anúncio dos jogadores que comporam a seleção brasileira na sua última campanha. Depois, quaisquer alterações não seriam nenhuma garantia de vitória. Digo mais, posso estar errado, mas eu acredito que o “clima de consenso” que surgiu na convocação foi porque ela refletiu quase perfeitamente a seleção campeã da Copa das Confederações, melhor ainda, porque ela refletiu a seleção que ganhou da Espanha, a Invencível Armada do nosso tempo, que, como aquela pretérita, fez uma cena ridícula e naufragou facilmente em uma situação em que era a favorita. Outra possível razão dada pelo fracasso da seleção brasileira foi o establishment de tal esporte no nosso país. Sinto informar, mas a figura do cartola é global. Casos de corrupção assolam o esporte, todas as modalidades, mas especialmente
  2. 2. o futebol. A Fifa é uma das instituições mais corruptas do mundo, se os sucessivos escândalos são qualquer indicativo, os grandes times europeus são financiados com recursos de origem dúbia da mão de conhecidos “chefões” da assim chamada “máfia russa”. No Oriente Médio, esse esporte é um dos muitos caprichos de uma aristocracia hedonista e decadente, que queima recursos falsamente considerados como infinitos e que, na concepção mais amplamente difundida, seriam de propriedade pública nacional. Acredita-se até que um dos países daquela região, o Catar, tenha literalmente comprado o direito de sediar a Copa do Mundo por meio de infindáveis esquemas de pagamento de propinas. Eu poderia citar, expor e explicar detalhadamente vários esquemas de corrupção envolvendo o esporte, mas esse não é o propósito do texto. Sigamos adiante. Sobre a imagem que o técnico Luís Felipe Scolari teve durante o mundial. Até a fatídica data, Scolari era, por falta de palavra melhor, deificado por sua posição enquanto técnico da seleção brasileira. Era quase nauseante a quantidade absurda de tempo em que ele aparecia na rede de televisão aberta deste país. A sensação era que todas as empresas eram patrocinadoras oficiais de alguma coisa relacionada ao mundial e/ou a seleção brasileira, que todas elas tinham Scolari como garoto-propaganda. Entre final de janeiro e início de maio, de acordo com rankings da organização Controle da Concorrência, Neymar, Ronaldo, Luís Felipe Scolari e Hulk em 1653 inserções nas redes de TV Globo, Bandeirantes, Record, SBT e Rede TV. E, em um espaço de 90 minutos, ele se torna, cito, “asqueroso”. A inconstância do comportamento desta nação é comparável ao de uma criança que é facilmente distraída com um doce ou um objeto brilhante. O senhor Luís Felipe Scolari é um ser humano merecedor de dignidade. Eu já acho um absurdo que os jogadores o chamem de “professor”, e não de S. Ex. Sr. Técnico Luís Felipe Scolari. O máximo que ele poderia ser chamado pela imprensa, e quem quer que fosse, nos limites do aceitável,
  3. 3. é de “incompetente”, alcunha que não me cabe taxar ou não o atual técnico da seleção brasileira. E mais, ninguém perde intencionalmente, Scolari fez tudo no limite de sua capacidade, não lhe é justo queimá-lo em praça pública pelo resultado mais que infortúnio. A imagem da criança crédula me volta a mente quando eu vejo os limites que alguns dos meus conterrâneos vão em nome desse esporte. É admissível se entristecer, sentir-se desapontado, desanimado, verter algumas lágrimas. Mas não há justificativa se comportar como se em um velório, ou pior, queimar bandeiras, atacar estrangeiros, tentar subverter a ordem, desrespeitar altas autoridades, e outros espetáculos patéticos que só reforçam a imagem nefasta que o mundo tem de nós: selvagens incivilizados vivendo em uma selva. A imprensa tem a sua parcela de culpa nestas reações inflamadas da sociedade ao passo que esta deu motivações e atenção às injúrias a Scolari como também perpetua a ideia do futebol como fonte única de orgulho nacional. Não havia jornal, revista, site ou programa de televisão que não falasse no assunto da derrota do Brasil para a Alemanha por 7 gols a 1. E mais, o jornalismo morre durante a Copa do Mundo, visto que nenhuma outra coisa é noticiada em veículo nenhum. Vou deixar bem claro um ponto: ninguém, repito, ninguém precisa de informações de hora em hora de cada minúsculo movimento de qualquer agremiação de futebol ou pseudo-estatísticas de décadas de idade, isso não acrescenta em nada na vida do cidadão comum desta nação. Despertamos pena na comunidade internacional. Isso é o que deveria doer mais o nosso orgulho. Ontem, fomos dignos da generalizada piedade, um cachorro morto que não vale a pena chutar.
  4. 4. Mas eu não culpo isso na Confederação Brasileira de Futebol, na Fifa, na Dilma, no Alkmin ou no establishment. Eu culpo as gerações de brasileiros que vieram antes de mim e aqueles que me são contemporâneos que elegeram como únicas fontes de orgulho nacional uma festa popular de apoio minguante, uma reputação de promiscuidade ímpar, e uma tola atividade física escrava dos desígnios do azar. Temos outras riquezas que são desprezadas pela nossa gente. Uma geografia piedosa, o melhor programa de combate a AIDS, uma das melhores organizações de mídia do planeta, uma agropecuária fecunda, uma vocação diplomática admirável. Aos brasileiros só digo mais uma coisa: enxugue as lágrimas ou encontre outra razão pela qual chorar, o hexacampeonato só foi adiado pelo menos por quatro anos. Quanto a mim, eu dou este assunto como encerrado. Pedro Klein Garcia Ivinhema, 10 de julho de 2014
  5. 5. Crédito das Imagens: André Durrão/Globoesporte.com KAL/The Economist Divulgação/Claro Marcelo de Jesus/UOL Avener Prado/Folhapress Thomas Hodel/Reuters

×