tcc overdenture

3.898 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.898
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

tcc overdenture

  1. 1. OSSEOINTEGRAÇÃO CONCEITO: “É uma união anatômica e funcional direta entre o osso vivo remodelado e a superfície do implante”. (BRANEMARK,1982)
  2. 2. OVERDENTURE DEFINIÇÃO: Prótese removível parcial ou completa que apóia-se em um ou mais dentes naturais remanescentes, raízes e ou implantes osseointegrados, cobrindo-os total ou parcialmente. (BONACHELA, 1999)
  3. 3. OVERDENTURE VANTAGENS            Menor quantidade de implantes Menor indicação ao uso de enxertos Menor custo laboratorial Posicionamento mais favorável (sem preocupações com ameias) Acesso à higiene simplificado Aplicação de cargas mastigatórias sem stresse sobre os implantes (resiliente) Sem risco de parafunção noturna Manutenção simples Sondagem de controle mais fáceis Prótese intermediária para um tratamento mais extenso Estética DESVANTAGENS  Muco-suportado  Manutenção frequente  Estética
  4. 4. OVERDENTURES Indicações:  Manutenção da saúde, preservando estruturas de suporte dos dentes e mucosa de suporte.  Simplicidade como tratamento reabilitador.  Fácil manipulação e manutenção pelos pacientes.  Casos de reabsorção severa.  Quantidade e qualidade óssea reduzida, que não proporciona as condições estruturais para a instalação de uma prótese total fixa.  Quando a única opção é a instalação de implantes curtos.  Recusa do paciente à submeter-se as técnicas de reconstrução óssea.
  5. 5. OBJETIVOS Revisar os princípios das overdentures que utilizam os sistemas de retenção Ơ ring e Barra Clip.
  6. 6. SISTEMAS DE RETENÇÃO RESILIENTE OU SEMIRÍGIDO RESILIENTE OU SEMIRÍGIDO  Dissipação da carga mastigatória  Menor quantidade de implantes  Desgastes/manutenção frequente  Pré-fabricados  Maior aplicação clínica  Transferência de carga direto ao implante  Maior quantidade de implantes  Baixa manutenção  Pré-fabricados ou individualizados
  7. 7. SISTEMA BARRA CLIPE Fonte: google imagens .
  8. 8. BARRA-CLIPE  Deve estar posicionado há 2mm do rebordo residual  Mais indicado em implantes muito próximos  Regiões bilaterais de incisivos laterais ou posições mesiais de caninos inferiores  Distância mínima entre eles de 10 a 14 mm  Barra cilíndrica posicionada de forma reta para permitir movimentos ânteroposterior  Maxila 4 implantes  Estabilidade dependente das características do rebordo alveolar remanescente
  9. 9. SISTEMA Ơ RING Fonte: google imagens
  10. 10. SISTEMA Ơ RING          Indicado para implantes mais distalizados e paralelos entre si. Região de caninos e pré-molares inferiores. Está indicado para retenção sobre implantes independentes (não esplintados) Consistem em um encaixe esférico aparafusado sobre o implante, e uma cápsula ou fêmea com um anel de retenção incorporado à base da prótese. Facilidade de higienização Manutenção constante Alto grau de movimentação ( rotacionais e verticais ) Requer paralelismo entre os implantes Quanto maior o número de implantes maior o grau de dificuldade de alinhamento entre os pilares
  11. 11. CONCLUSÃO  O sistema barra clipe é mais eficiente na retenção das próteses, e necessita de menos manutenções, comparado ao Sistema O'ring.  O sistema O'ring é mais fácil de higienizar, diminuindo os problemas periimplantares.  O Sistema O’ring é o mais resiliente, levando assim menos carga aos implantes, porém permitem uma maior mobilidade da prótese, o que deixa muitos pacientes insatisfeitos.  Para a indicação correta do sistema de retenção que irá se utilizar devemos avaliar detalhadamente, em cada caso, fatores como: idade do paciente, habilidade motora, espaço inter-oclusal, posicionamento dos implantes e expectativas do paciente.
  12. 12. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AHMED S. A.; MOHAMED A. A. El-D.; MAGDY M. B. Comparison Between Mainly Mucosa- Supported and Combined Mucosa–Implant-Supported Mandibular Overdentures,Implant Dentristy, v. 13, n. 4. p.386-394.Dec. 2004 ALBA JR, RC. Conclusões do Seminário 30 anos “Branemark” Suécia Agosto 1995 referente a Overdenture. IBI JanFev. P. 12-15, 1996. ALBREKTSSON, T. et al. Edentulousness: a handicap. Patient reactions to treatment with jawbone-anchored prostheses. Journal of Oral Reahbilitation, v. 14, n.6, p. 481-87, 1987. BERGENDAL, T. & ENGQVIST, B. Implant-supported overdentures: a longitudinal prospective study. International Journal of Maxilofacial Implants. Lombard, v. 13, p. 253-262, 1998. BONACHELA WC; ROSSETTI PH; FREITAS R. Reabilitação oral com emprego de próteses parciais removíveis de precisão. In: VANZILLOTT PS; SALGADO LP. Atualização multidisciplinar para o clínico e o especialista. Rio de Janeiro: Pedro Primeiro, v.1, p.557-575, 1999. BONACHELA WC; ROSSETTI PH. Overdentures. São Paulo: Santos, 2002. BONACHELA W. C.; PEREIRA T.; CARRILHO G. P. B. Prótese Destacável Conjugando Barra e Attachments do Tipo MK1. Revista Brasileira de Prótese Clínica e Laboratorial, v.4, n.20, p. 296-301, 2002. BRANEMARK, PI. On looking back with Per-Ingvar Branemark. Interview. Implant News vol. 2 nº 4 – Caderno Especial 40 anos – Editorial, 2005. BURNS, D.R. et al. Prospective clinical evaluation of mandibular implant overdentures. Part II: patient satisfaction and preference. Journal of Prosthetic Dentistry, v.73, n.4, p.364-369, Apr. 1995. CAPUTO AA; FANUSCU MI,. Influence of attachment systems on load transfer of an implant-assisted maxillary overdenture. J Prosthodont. v. 13, n. 4, p. 214-220, 2004.
  13. 13. CELIK, G.ULUDAG,B. Photoelastic stress analysis of various retention mechanisms on 3-implant-retained mandibular overdentures. The journal of Prosthetic Dentistry, v.97, n.4, p.229-235, April, 2007. CHUN, H. J. et al. Stress distributions in maxillary bone surrounding overdentures On implants with different overdentures attachments. Journal of Oral Rehabilitation, Oxford, v. 32, p. 193-205, 2005. DAVIS, DM. et al. The extent of maintenance required by implant-retained mandibular overdentures: a 3-year report. International Journal of Oral and Maxilofacial Implants. Lombard. v. 11, p. 764-74, 1996. DELIGA, A. G. , CARDOSO, S. A. Técnicas de Sobrefundição: Aspectos clínicos e laboratorial. BCL,4 (1): 53-8, Jan.-Mar. 1997. DIAS, AHM; DUTRA, JH; DIAS, RJM; NETO, AD. Overdenture do tipo O’ring – Rela-to de caso clinico. Revista Brasileira de Implantodontia & Prótese sobre implantes, v.10, n. 40, p.310-14, 2003. DINATO CJ; POLIDO WD. Implantes osseointegrados. São Paulo: Artes Médicas, 2001. DINATO,P.W. Fisiologia e Técnica de implantes de um estágio cirúrgico, cap. 10, Quintessence Editora LTDA 2007. FERNANDES, C.T.; FRIGÉRIO, M.L.M.A.; SILVA, D.P. Análise fotoelástica das tensões transmitidas a raízes e rebordos alveolares por diferentes sistemas de retenção utilizados em sobredentaduras. RFG – Rev. Pós Grad., 10(3): 211-216, 2003. HOBO, S.; ISHIDA, E. Implantes Osseointegrados em overdentures. In: Teoria e prática da osseointegração. Ed. Santos, São Paulo. 1997. HUNGARO, P; YAMADA, NR; KIAUSINIS, V; HVANOV, VZ. Overdenture implanto – retida: reabilitação orientada pelos conceitos da Prótese Total Convencional. RPG. Pos-grad. v.7, n. 2, p. 172-77, abr./ jun, 2000. JAGGER, RG.; SHAIKH, S.; JAGGER, DC. Clinical effectiveness of mandibular implant-retained overdentures. Primary dental care. v. 8, n. 1, p. 19-24, 2001.
  14. 14. JEMT, T. et al. A 5- year prospective multicenter follow-up report on overdentures supported by osseointegrated implants International Journal of Oral and Maxilofacial Implants. Lombard. v. 11, p. 291-8, 1996. JOHNS, R.B. et al. A multicenter study of overdenture supported by Branemark implants. International Journal of Oral and maxilofacial Implants. Lombard. v. 7, p. 513-22, 1992. LANDULPHO, AB; SILVA, WAB; SILVA, FA; MUZILLI, CA. Soluções protéticas através do Sistema ERA de Attachments - Parte I - Overdenture. Revista Brasileira de Implantodontia & Prótese sobre Implantes, Curitiba. v. 10, n.38, p. 128-31, 2003. LENHARO A; COSSO F. Sobredentaduras: sistema de barra-dupla: relato de caso clínico. Innovations Journal. v. 4, n. 1, p. 14-17, 2000. MERICSKE-STERN R et al. A follow-up study of maxillary implants supporting an overdenture: clinical and radiographic results. Int J Oral Maxilofacial Implants. v. 17, n. 5, p. 678-686, 2002. MEZZOMO E; SUZUKI RM. Reabilitação oral contemporânea. São Paulo: Santos, 2006. NADIN, PS; LINDEN, MSS; PANISSON, VP; NADIN, MA. Fixação de overdenture através de sistema O’ring para implantes osseointegrados. Passo Fundo, v.5, n.2, p.55-59, jul-dez, 2000. NAERT, I; QUIRYNEN, M; HOOGHE, M; et al. A comparative prospective study of splinted and unsplinted Branemark implants in mandibular overdenture therapy. A preliminary report. Journal of Prosthetic Dentistry. St. Louis, v.71, n.5, p. 486-492, May, 1994. NOVAES, LCGF.; SEIXAS, ZA. Prótese Total sobre Implante: técnicas contemporâneas e satisfação do paciente. Int. J Dent, Recife, 7(1): 50-62. Jan.-Marc., 2008. SCHIMITT, A. & ZARB, G. The notion of implant-supported overdentures. Journal of Prosthetic Dentistry. St. Louis, v. 79, p. 60-5, 1998. SPIEKERMANN H. et al. Atlas of dental medicine. Implantology. Thieme. New York: Medical Publishers; 1995.
  15. 15. VAM KAMPEN, F.M.C. et al. Masticatory Function with Implant-supported Overdentures. J Dent Res, v. 83, n. 9. p.708-711. 2004. VEDOVATO, E.; CHILVARQUER, I. “Overdenture” (Sobredentadura): Como e Quando? In: Implantes Osseointegrados – Cirurgia e Prótese. Ed. Artes Médicas, São Paulo. 2001. SAAVEDRA, G.; BARBOSA, S.H; KIMPARA, E.T. Influência do ângulo de inserção na degradação da retenção do o-ring em overdentures. Implant News. v. 4, n3, p. 24953, maio/junho 2007. SULLIVAN RM; FORTIN Y; RANGERT BR. The Marius implant bridge: surgical and prosthetic rehabilitation for the completely edentulous upper jaw with moderate to severe resorption: a 5-year retrospective clinical study. Clin Implant Dent Relat Res. v. 4, n. 2, p. 69-77, 2002. TRAKAS T et al. Attachment systems for implant retained overdentures: a literature review. Implant Dent. v. 15, n. 1, p. 24-34, 2006. TELLES, D; HOLLWEG, H; CASTELLUCCI, L. Prótese Total – Convencional e Sobre Implante. São Paulo: Ed. Santos, 2003. Cap. 2: Próteses Totais Removíveis, P. 59-126. WALTON, J.N. et al. In vitro changes in clips and bars used to retain implant overdentures. Journal of Prosthetic Dentistry. St. Louis, v. 74, p. 482-6, 1994.
  16. 16. OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

×