O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
TRAUMATOLOGIABUCO MAXILO FACIAL          Prof. Guilherme Terra
Limites da Buco Maxilo Tragus – Tragus Glabela - Hióide
Epidemiologia Fatores geográficos, sócio-econômicos e  culturais Mudança no padrão epidemiológico   Acidentes automobil...
Abordagem atual Progressos no campo do diagnóstico por  imagem Desenvolvimento de materiais de osteossíntese  para fixaç...
Diagnóstico Dor Edema/Equimoses Crepitação Hipoestesia/Paralisia Maloclusão Distúrbios visuais Assimetrias
Diagnóstico
Diagnóstico
Avaliação radiológica  Radiografia simples         Radiografia    Frente                     panorâmica de    Perfil  ...
Avaliação radiológica Tomografia computadorizada  helicoidal  › Incidência      axial      coronal      sagital  › Jan...
• TC: U$ 121/ série de radiografias: U$ 154• TC de alta resolução – exame primário Turner BG, Rhea JT, et al. Trends in th...
Princípios gerais da abordagem aoTrauma Facial Diagnóstico preciso e completo   Exame físico + exames radiológicos Trat...
Objetivos do   Princípios do tratamento      tratamento
Vias de acesso
Vias de acesso
ImobilizaçãoFraturas buco-faciais              Bloqueio maxilo-mandibular                Interdentário                B...
Fixação Fixação semi-  rígida Fixação rígida
Fixação rígida
Fixação rígidaSistemas de   fixaçãoesquelética    rígida  2.0 mm  2.4 mm  2.7 mm
Fixação rígida   Placas e parafusos    absorvíveis     Fase de crescimento
Fraturas dos ossos da face Frontal Naso-etmoido-orbitárias Órbita Nariz Maxila Zigoma Mandíbula
Fraturas do osso frontal  Quadro clínico    Afundamento frontal    TCE associado  Diagnóstico    TC
Fraturas do osso frontal  Acesso coronal  Redução +  osteossíntese
Fraturas de órbita 10% traumas de face Quadro clínico   Edema/equimose   Diplopia   Enoftalmia   Encurtamento palpeb...
Fraturas de órbita                                                  TETO                               frontal        P A...
Fraturas de órbita Diagnóstico   Incidência Waters   Incidência de Caldwell (Fronto Naso    Placa)   PA de face   Tom...
Fraturas de órbita Vias de acesso   Subciliar   Infraorbitário   Transconjutival   Feridas    traumáticas com    solu...
Fraturas de órbita Osteossíntese   Rígida   Semi-rígida   Restauração do assoalho       Enxertos ósseos       Cartil...
Fraturas de malar(complexo órbito-zigomático)  Arco zigomático  Junção fronto-   zigomática  Parede látero-inferior   d...
Fraturas de zigoma (complexoórbito-zigomático)    Diagnóstico  Exame clínico    Alteração do contorno da     região zigo...
Fraturas de zigoma (complexoórbito-zigomático)
Fraturas de zigoma (complexoórbito-zigomático) Tratamento   Redução   Fixação em três pontos
Fraturas nasais e naso-órbito-etmoidais
Anatomia do nariz Anatomia óssea  › Ossos próprios do nariz  › Processo frontal da      maxila  ›   Ossos lacrimais  ›   ...
Quadro clínico
Quadro clínico
Diagnóstico
Fratura NOE - quadro clínico Equimose periorbitária Telecanto traumático Enoftalmo/diplopia Epífora Afundamento nasal...
Tratamento das fraturas nasais Redução  Imediata  Tardia Tamponamento Molde externo
Tratamento das fraturas NOE Redução e fixação  transcutânea (exceção) Abordagem direta do foco   Acesso coronal ou atra...
Redução transcutânea
Acesso direto através da lesão
Fraturas de maxila          Pilares de sustentação da face Pilares verticais   Naso-maxilar     Pilar Canino   Zigomát...
Fraturas de maxila          Pilares de sustentação da face Pilares horizontais   Frontal   Zigomático   Maxilar   Man...
Fraturas do terço médio da face       Étude experimentale sur les fractures de la machoire superieure I – III. Rev Chir   ...
Fraturas do terço médio da face Começaram a ser estudados por René Le Fort,  em 1901.   Ponto de atuação do trauma;   D...
Fraturas do terço médio da face     Étude experimentale sur les fractures de la machoire superieure I – III. Rev Chir     ...
Le Fort I Fratura horizontal “ Linha da fratura tangencia a margem  inferior da abertura piriforme e dirige-se  horizont...
Fraturas do terço médio da face     Étude experimentale sur les fractures de la machoire superieure I – III. Rev Chir     ...
Le Fort II Fratura Piramidal.   “ Caracteriza por uma linha de fratura que    se inicia na região dos ossos nasais,    d...
Fraturas do terço médio da face     Étude experimentale sur les fractures de la machoire superieure I – III. Rev Chir     ...
Le Fort III Disjunção Crânio-facial. “ Caracteriza-se por uma linha de fratura   que estende-se desde a região da sutura...
Fraturas do terço médio da face Diagnóstico
Fraturas do terço médio da face Tratamento   Acesso     Caldwell-Luc   Fixação semirígida +    bloqueios   Fixaçao rí...
Fraturas mandibulares  Classificadas quanto  Ao meio  Ao mecanismo  Classificação Anatômica  Em relação à estabilidad...
Classificação em relação ao  meio Aberta   Fratura exposta Fechada   Não ocorre lesão nos tecidos externos
Classificação em relação ao  mecanismo Fratura direta   Fratura no local onde ocorreu o trauma. Fratura indireta   Fra...
Fraturas de mandíbula Classificação Anatômica
Classificação em relação à  estabilidade Fraturas favoráveis   Não ocorre deslocamento    dos fragmentos na ação    musc...
Fraturas de mandíbula Classificação quanto à função muscular
Classificação Função muscular
Classificação em relação ao    traço Parcial ou incompleta Fratura em galho verde Simples    Traço único Cominutiva  ...
Fraturas de mandíbula Classificação quanto à  comunicação com  meio externo   Fechada   Exposta
Fraturas de mandíbula Diagnóstico   TC   Rx panorâmica
Métodos de tratamento                    BID                  ALÇAS DE IVY                    BIM                  MULTIPL...
Fraturas de mandíbula  Tratamento    Bloqueio maxilo-mandibular    Redução    Fixação óssea interna rígida
Fraturas de mandíbula Vias de acesso   Intraoral   Extraoral
Fraturas de côndilo  Classificação (Kohler, 1951)  Condilar - linha de fratura   corre dentro da cápsula   articular  S...
Fraturas de côndilo Tratamento conservados das fraturas do côndilo  (cabeça condílica) Fraturas subcondilares     Denti...
Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra    drguilhermeterra@yahoo.com.br
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013

60.444 visualizações

Publicada em

Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013

Publicada em: Educação
  • Caro Dr. Guilherme! Parabéns pela didática e por todo o material apresentado (imagens e foto dos casos) contribui e muito a nossa especialidade. Farei uso desta aula agregando a disciplina. Abraço.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013

  1. 1. TRAUMATOLOGIABUCO MAXILO FACIAL Prof. Guilherme Terra
  2. 2. Limites da Buco Maxilo Tragus – Tragus Glabela - Hióide
  3. 3. Epidemiologia Fatores geográficos, sócio-econômicos e culturais Mudança no padrão epidemiológico  Acidentes automobilísticos  Agressões  Práticas esportivas  Acidentes domésticos e de trabalho  FAF
  4. 4. Abordagem atual Progressos no campo do diagnóstico por imagem Desenvolvimento de materiais de osteossíntese para fixação rígida Aprimoramento das técnicas de reanimação e de atendimento ao politraumatizado
  5. 5. Diagnóstico Dor Edema/Equimoses Crepitação Hipoestesia/Paralisia Maloclusão Distúrbios visuais Assimetrias
  6. 6. Diagnóstico
  7. 7. Diagnóstico
  8. 8. Avaliação radiológica  Radiografia simples  Radiografia  Frente panorâmica de  Perfil mandíbula  Incidência de Caldwell (Fronto Naso Placa)  Incidência Waters  Towne  Hirtz
  9. 9. Avaliação radiológica Tomografia computadorizada helicoidal › Incidência  axial  coronal  sagital › Janela  óssea  partes moles
  10. 10. • TC: U$ 121/ série de radiografias: U$ 154• TC de alta resolução – exame primário Turner BG, Rhea JT, et al. Trends in the Use of CT and Radiography in the Evaluation of Facial Trauma, 1992–2002: Implications for Current Costs. AJR, 2004: 183: 751-54
  11. 11. Princípios gerais da abordagem aoTrauma Facial Diagnóstico preciso e completo  Exame físico + exames radiológicos Tratamento dos ferimentos de partes moles Tratamento das fraturas faciais e mandibulares
  12. 12. Objetivos do Princípios do tratamento tratamento
  13. 13. Vias de acesso
  14. 14. Vias de acesso
  15. 15. ImobilizaçãoFraturas buco-faciais  Bloqueio maxilo-mandibular  Interdentário  Barra de Erich
  16. 16. Fixação Fixação semi- rígida Fixação rígida
  17. 17. Fixação rígida
  18. 18. Fixação rígidaSistemas de fixaçãoesquelética rígida 2.0 mm 2.4 mm 2.7 mm
  19. 19. Fixação rígida Placas e parafusos absorvíveis  Fase de crescimento
  20. 20. Fraturas dos ossos da face Frontal Naso-etmoido-orbitárias Órbita Nariz Maxila Zigoma Mandíbula
  21. 21. Fraturas do osso frontal  Quadro clínico  Afundamento frontal  TCE associado  Diagnóstico  TC
  22. 22. Fraturas do osso frontal  Acesso coronal  Redução + osteossíntese
  23. 23. Fraturas de órbita 10% traumas de face Quadro clínico  Edema/equimose  Diplopia  Enoftalmia  Encurtamento palpebral
  24. 24. Fraturas de órbita TETO frontal P Anatomia esfenóide M P etmóide esfenóide L  Continente  Conteúdo palatino lacrimal ASSOALHO maxila zigoma Mecanismo  Blow-out  Sem blow-out
  25. 25. Fraturas de órbita Diagnóstico  Incidência Waters  Incidência de Caldwell (Fronto Naso Placa)  PA de face  Tomografia computadorizada  Ressonância Magnética  Herniações de tecidos moles para dentro dos seios maxilares
  26. 26. Fraturas de órbita Vias de acesso  Subciliar  Infraorbitário  Transconjutival  Feridas traumáticas com solução de continuidade
  27. 27. Fraturas de órbita Osteossíntese  Rígida  Semi-rígida  Restauração do assoalho  Enxertos ósseos  Cartilagem  Implantes aloplásticos  Implantes metálicos
  28. 28. Fraturas de malar(complexo órbito-zigomático)  Arco zigomático  Junção fronto- zigomática  Parede látero-inferior da órbita  Junção zigomático- maxilar
  29. 29. Fraturas de zigoma (complexoórbito-zigomático) Diagnóstico  Exame clínico  Alteração do contorno da região zigomática  Diplopia  Enoftalmo  Equimose
  30. 30. Fraturas de zigoma (complexoórbito-zigomático)
  31. 31. Fraturas de zigoma (complexoórbito-zigomático) Tratamento  Redução  Fixação em três pontos
  32. 32. Fraturas nasais e naso-órbito-etmoidais
  33. 33. Anatomia do nariz Anatomia óssea › Ossos próprios do nariz › Processo frontal da maxila › Ossos lacrimais › Septo ósseo › Etmóide › Vômer
  34. 34. Quadro clínico
  35. 35. Quadro clínico
  36. 36. Diagnóstico
  37. 37. Fratura NOE - quadro clínico Equimose periorbitária Telecanto traumático Enoftalmo/diplopia Epífora Afundamento nasal Fístula liquórica/rinorréia Desvio septo nasal Alterações neurossensoriais
  38. 38. Tratamento das fraturas nasais Redução  Imediata  Tardia Tamponamento Molde externo
  39. 39. Tratamento das fraturas NOE Redução e fixação transcutânea (exceção) Abordagem direta do foco  Acesso coronal ou através da lesão  Reconstrução
  40. 40. Redução transcutânea
  41. 41. Acesso direto através da lesão
  42. 42. Fraturas de maxila Pilares de sustentação da face Pilares verticais  Naso-maxilar  Pilar Canino  Zigomático  Ptérigo-maxilar
  43. 43. Fraturas de maxila Pilares de sustentação da face Pilares horizontais  Frontal  Zigomático  Maxilar  Mandibular
  44. 44. Fraturas do terço médio da face Étude experimentale sur les fractures de la machoire superieure I – III. Rev Chir 23: 20, 360 – 479, 1901
  45. 45. Fraturas do terço médio da face Começaram a ser estudados por René Le Fort, em 1901.  Ponto de atuação do trauma;  Direção e caminho da fratura; Aumentaram consideravelmente nas últimas três décadas.  Aprimoramento da tecnologia automotiva.  Violência física.  Aprimoramento físico dos esportistas.
  46. 46. Fraturas do terço médio da face Étude experimentale sur les fractures de la machoire superieure I – III. Rev Chir 23: 20, 360 – 479, 1901
  47. 47. Le Fort I Fratura horizontal “ Linha da fratura tangencia a margem inferior da abertura piriforme e dirige-se horizontalmente, através da parede anterior do seio maxilar até a tuberosidade (bilateralmente), comprometendo o processo pterigóide do osso esfenóide e causando a fratura ou disjunção ptérigo- maxilar.” Começa na base da abertura piriforme correndo pelos seios maxilares, bilateralmente, até a porção inferior da apófise pterigóide do osso esfenóide.
  48. 48. Fraturas do terço médio da face Étude experimentale sur les fractures de la machoire superieure I – III. Rev Chir 23: 20, 360 – 479, 1901
  49. 49. Le Fort II Fratura Piramidal. “ Caracteriza por uma linha de fratura que se inicia na região dos ossos nasais, descendo pelo processo frontal do osso maxilar, e estendendo-se lateralmente através dos ossos lacrimais ao assoalho da órbita, rebordo infraorbitário e sutura zigomático-maxilar. A linha atinge então a parede lateral da maxila e estende-se ate o processo pterigóde do osso esfenoide, no qual causa a fratura ptérigo-maxilar.” Trauma na região da sutura fronto-nasal, onde a fratura desce pelo assoalho infra orbital, correndo para a parte posterior da maxila, até a fossa pterigomaxilar.
  50. 50. Fraturas do terço médio da face Étude experimentale sur les fractures de la machoire superieure I – III. Rev Chir 23: 20, 360 – 479, 1901
  51. 51. Le Fort III Disjunção Crânio-facial. “ Caracteriza-se por uma linha de fratura que estende-se desde a região da sutura fronto-nasal, passando pelas paredes mediais e do assoalhos das órbitas, alcançando as suturas zigomático-frontal e zigomático-temporal.” Trauma na região da sutura fronto-nasal, desce pelo assoalho da órbita, osso lacrimal, correndo pela sutura fronto- zigomática, passando pela parede posterior da maxila alcançando a fossa pterigóide.
  52. 52. Fraturas do terço médio da face Diagnóstico
  53. 53. Fraturas do terço médio da face Tratamento  Acesso  Caldwell-Luc  Fixação semirígida + bloqueios  Fixaçao rígida com mini ou micro placas
  54. 54. Fraturas mandibulares  Classificadas quanto  Ao meio  Ao mecanismo  Classificação Anatômica  Em relação à estabilidade  Em relação ao traço de fratura
  55. 55. Classificação em relação ao meio Aberta  Fratura exposta Fechada  Não ocorre lesão nos tecidos externos
  56. 56. Classificação em relação ao mecanismo Fratura direta  Fratura no local onde ocorreu o trauma. Fratura indireta  Fratura distante do local onde ocorreu o trauma.
  57. 57. Fraturas de mandíbula Classificação Anatômica
  58. 58. Classificação em relação à estabilidade Fraturas favoráveis  Não ocorre deslocamento dos fragmentos na ação muscular.  Quando o traço de fratura está contra a ação muscular. Fraturas desfavoráveis  Ocorre deslocamento dos fragmentos na ação muscular.  Quando o traço de fratura está a favor da ação muscular.
  59. 59. Fraturas de mandíbula Classificação quanto à função muscular
  60. 60. Classificação Função muscular
  61. 61. Classificação em relação ao traço Parcial ou incompleta Fratura em galho verde Simples  Traço único Cominutiva  Vários fragmentos Composta  Vários traços de fratura
  62. 62. Fraturas de mandíbula Classificação quanto à comunicação com meio externo  Fechada  Exposta
  63. 63. Fraturas de mandíbula Diagnóstico  TC  Rx panorâmica
  64. 64. Métodos de tratamento BID ALÇAS DE IVY BIM MULTIPLAS ALÇAS FECHADA SPLINTS BARRAS DE ERICH FIOS DE KIRSCHNER FIXADORES EXTERNOS ELÁSTICOSREDUÇÃO FIOS DE AÇO SEMI-RÍGIDA FIOS DE AÇO INTRAÓSSEOS CERCLAGENS ABERTA RÍGIDA COMPRESSIVAS PLACAS NÃO COMPRESSIVAS RÍGIDAS LAG-SCREW
  65. 65. Fraturas de mandíbula  Tratamento  Bloqueio maxilo-mandibular  Redução  Fixação óssea interna rígida
  66. 66. Fraturas de mandíbula Vias de acesso  Intraoral  Extraoral
  67. 67. Fraturas de côndilo  Classificação (Kohler, 1951)  Condilar - linha de fratura corre dentro da cápsula articular  Subcondilar - abaixo da cápsula  alta  baixa  basal
  68. 68. Fraturas de côndilo Tratamento conservados das fraturas do côndilo (cabeça condílica) Fraturas subcondilares  Dentição  Deslocamento dos fragmentos  Outras fraturas concomitantes  Tratamento conservador  Bloqueio maxilo-mandibular
  69. 69. Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra drguilhermeterra@yahoo.com.br

×