SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 78
Baixar para ler offline
MANOBRA DE
  SÍNTESE

  Prof. Ms. Guilherme T. C. Terra
INTRODUÇÃO


 A manobra de síntese é a manobra que visa
 reposicionar os tecidos após uma intervenção
 cirúrgica.

 A manobra utilizada para a manutenção da
 síntese é a sutura.




                                    Guilherme T. C. Terra
SUTURA É MANOBRA


  NÃO SE REMOVE A
SUTURA, E SIM O PONTO,
  QUE É O FRUTO DA
      SUTURA

                Guilherme T. C. Terra
INTRODUÇÃO


 Uma correta manobra de síntese, independente

 da extensão e da demora do procedimento
 operatório, o pós-operatório imediato e mediato,
 incluindo a cicatrização tecidual, será mais
 controlável e previsível.




                                      Guilherme T. C. Terra
INTRODUÇÃO


 Os retalhos devem ficar unidos e coaptados,
 porém, não devem ficar isquêmicos pois isto
 afeta o suprimento sanguíneo.

 Macroscopicamente uma ferida bucal está
 cicatrizada entre 7 e 15 dias.




                                    Guilherme T. C. Terra
INTRODUÇÃO


 Microscopicamente iniciam-se após a formação
 do coágulo, na fase inflamatória, passando pela
 migração de neutrófilos e monócitos, que se
 transformam em macrófagos.

 Após essa fase ocorre a migração e proliferação
 celular, produção de colágeno.




                                     Guilherme T. C. Terra
INTRODUÇÃO

 Concomitante a esses eventos, acorre a
 angiogênese, por proliferação das células
 endoteliais, com formação de capilares e a
 organização da cicatrização.

 Realizada de maneira correta, a síntese permite
 que todo esse processo fisiológico da
 cicatrização ocorra.



                                     Guilherme T. C. Terra
FATORES ENVOLVIDOS NA CICATRIZAÇÃO



 Oxigenação


 Vitamina C


 Idade


 Vascularização da área



                            Guilherme T. C. Terra
FATORES ENVOLVIDOS NA CICATRIZAÇÃO



 Grau do trauma cirúrgico


 Manutenção da higiene local


 Fio de sutura


 Condição sistêmica



                                Guilherme T. C. Terra
REPARAÇÃO

 É o fenômeno de reposição tecidual que ocorre
  sempre que um tecido for seccionado.
     Ocorre através da proliferação celular ou da adaptação
      das células à nova situação.

 Na restituição tecidual podem ser observados:
   contração, que é a readaptação mecânica das células à
    nova situação tecidual;
   regeneração, que se trata da substituição do tecido
    perdido através da proliferação de tecido semelhante;
   cicatrização, seria a substituição por tecido conjuntivo.



                                               Guilherme T. C. Terra
CICATRIZAÇÃO


 Podem ocorrer de duas maneiras distintas:



    cicatrização por primeira intenção


    cicatrização por segunda intenção




                                          Guilherme T. C. Terra
CICATRIZAÇÃO

 cicatrização por primeira intenção
   Ocorre quando as bordas do tecido foram bem
    aproximadas no ato da sutura.

 cicatrização por segunda intenção
   Ocorre quando as bordas do tecido não foram bem
    aproximadas no ato da sutura.
        Lesões com perda tecidual, ou, quando as bordas do tecido
         mantiveram-se afastadas na sutura.


    Leva mais tempo para ser concluída.


                                                       Guilherme T. C. Terra
OBJETIVOS DA SÍNTESE


 Hemostasia.


 Evitar a exposição óssea e do implante, reduzindo
 a instalação de restos alimentares, exsudatos e
 seqüelas infecciosas.

 Unir ou aproximar os bordos da ferida cirúrgica.




                                      Guilherme T. C. Terra
AGULHAS

 Quanto a forma se dividem em ponta, corpo e
 fundo.

 Quanto ao trauma causado, são classificadas em
 traumáticas e atraumáticas.

 Quanto à curvatura podem ser retas e curvas.




                                     Guilherme T. C. Terra
QUANTO À FORMA




            Guilherme T. C. Terra
PONTA


   Parte ativa de penetração dos tecidos.

      Triangular               Cilíndrica




                                     Guilherme T. C. Terra
CORPO


Apresentam-se em várias formas:


   Triangulares
   Cilíndricas
   Ovaladas
   Quadradas



                                  Guilherme T. C. Terra
QUANTO AO TRAUMA


 Agulhas traumáticas - provoca trauma tecidual
 maior devido à diferença de diâmetro entre a
 ponta, corpo da agulha e o fio.

 Agulhas atraumáticas - o fio é pré-montado de
 mesma dimensão da agulha.




                                    Guilherme T. C. Terra
FUNDO


 Fundo fixo ou verdadeiro
   Agulha do tipo comum de costura.



 Fundo falso
   O fio de sutura é fixado sob pressão.



 Atraumático
   O fio vem encastoado no fundo da agulha.




                                               Guilherme T. C. Terra
TRAUMÁTICA




             Guilherme T. C. Terra
ATRAUMÁTICA




              Guilherme T. C. Terra
QUANTO À CURVATURA



 Podem ser 1/4 de círculo, 3/8 de círculo, semi-
 círculo e 5/8 de círculo.

 A mais indicada em Odontologia é a semi-círculo




                                      Guilherme T. C. Terra
1/4 DE CÍRCULO




                 Guilherme T. C. Terra
3/8 DE CÍRCULO




                 Guilherme T. C. Terra
SEMI-CÍRCULO




               Guilherme T. C. Terra
5/8 DE CÍRCULO




                 Guilherme T. C. Terra
Técnica de Sutura

 O porta agulha que deve ser utilizado é o Mayo
 Hegar




                                        Guilherme T. C. Terra
Técnica de Sutura

 O porta agulha que deve ser utilizado é o Mayo
 Hegar




                                        Guilherme T. C. Terra
Técnica de Sutura




                    Guilherme T. C. Terra
Técnica de Sutura




                    Guilherme T. C. Terra
Técnica de Sutura




                    Guilherme T. C. Terra
Técnica de Sutura




                    Guilherme T. C. Terra
TIPOS DE SUTURA EM CBMF


       Pontos interrompidos
        Simples
        Em “8”
        Em “U”
        Em “X”


       Pontos contínuos
        Contínuo Simples
        Contínuo Festonado
        Colchoeiro Horizontal Contínuo

                                          Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO SIMPLES


 Mais utilizados em exodontias de poucos
 elementos.

  Vantagens
    Ideal   para quem ainda não têm habilidade.


  Desvantagens
    Técnica   relativamente demorada de ser realizada.

                                          Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO SIMPLES




                    Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO SIMPLES




                    Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO SIMPLES




                    Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO EM “8”




                    Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO EM “8”




                    Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO EM “8”




                    Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO HORIZONTAL EM “U”




                           Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO HORIZONTAL EM “U”




                           Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO VERTICAL EM “U” DE DONATTI




                                 Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO VERTICAL EM “U” DE DONATTI




                                 Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO EM “X”




                    Guilherme T. C. Terra
PONTO INTERROMPIDO EM “X”




                    Guilherme T. C. Terra
PONTO CONTÍNUO

 Mais indicado em grandes retalhos e
 exodontias múltiplas , na mesma arcada.

    Vantagens
      Técnica rápida de ser realizada.


    Desvantagens
      Necessita de habilidade.
      Se a sutura se rompe o retalho pode ficar solto.



                                           Guilherme T. C. Terra
PONTO CONTÍNUO SIMPLES




                  Guilherme T. C. Terra
PONTO CONTÍNUO SIMPLES




                  Guilherme T. C. Terra
PONTO CONTÍNUO SIMPLES




                  Guilherme T. C. Terra
PONTO CONTÍNUO FESTONADO




                   Guilherme T. C. Terra
PONTO CONTÍNUO FESTONADO




                   Guilherme T. C. Terra
PONTO CONTÍNUO FESTONADO




                   Guilherme T. C. Terra
COLCHOEIRO HORIZONTAL CONTÍNUO




                      Guilherme T. C. Terra
COLCHOEIRO HORIZONTAL CONTÍNUO




                      Guilherme T. C. Terra
Remoção dos Pontos




                     Guilherme T. C. Terra
Remoção dos Pontos




                     Guilherme T. C. Terra
FIOS DE SUTURA


 Desempenham um papel fundamental nas feridas
 bucais como elemento de auxilio à reparação
 tecidual.

 Auxiliam para manter o retalho posicionado.




                                     Guilherme T. C. Terra
CLASSIFICAÇÃO


 Origem
 Absorvíveis e não-absorvíveis.
 Pelo número de filamentos.
 Diâmetro.
 Resistência à tração.
 Plasticidade.



                                   Guilherme T. C. Terra
ORIGEM

       Quanto à origem, os fios de sutura podem ser
        classificados em quatro tipos:

           Mineral
             Fio de aço
           Vegetal
             Algodão
           Animal
             Seda e Catgut
           Sintético
             Nylon, Poliglactina 910 e Ácido Poliglicólico
           Misto
             Poliéster polipropileno e algodão encapado com poliéster


                                                          Guilherme T. C. Terra
ABSORVÍVEIS

 Mais utilizados em suturas internas

    Catgut simples
        Absorvido por enzimas orgânicas
        Perde cerca de 50% de sua força tênsil nas 1ªs 24 horas no meio bucal
        Totalmente absorvido em 3 a 5 dias

    Catgut cromado
        Absorvido por enzimas orgânicas
        Perde cerca de 50% de sua força tênsil em 5 dias
        Totalmente absorvido em 7 a 10 dias

    Ácido Poliglicóico e Poliglactina 910 (VICRYL®)
        Absorvida por hidrólise
        Perde cerca de 50% de sua força tênsil em 5 dias
        Totalmente absorvido em 21 a 28 dias

                                                            Guilherme T. C. Terra
NÃO-ABSORVÍVEIS



 Seda


 Algodão


 Nylon


 Aço



                              Guilherme T. C. Terra
CARACTERÍSTICAS DOS FIOS
      DE SUTURA



                  Guilherme T. C. Terra
Características dos Fios de Sutura
 Configuração Física de um fio

     Dada pelo número de filamentos que
      o compõem

         Monofilamentar:

             Nylon
             Aço

         Multifilamentar

             Algodão
             Seda
             Catgut
             Ácido Poliglicóico
             Poliglactina 910 – VICRYL®

                                           Guilherme T. C. Terra
Características dos Fios de Sutura


 Absorção de Fluidos

    Determinada pela capacidade que o fio tem de absorver fluidos


    Os multifilamentados como a seda e o algodão têm maior
     capilaridade e absorção de fluídos que os monofilamentados




                                                 Guilherme T. C. Terra
Características dos Fios de Sutura

 Diâmetro do fio

    Determinado em milímetros e expressado em zeros

    Quanto menor o diâmetro, maior o número de zeros.

    Os fios de sutura de maior calibre são o de n° 3
        Diâmetro oscila entre 0.60 e 0.80 mm


    Os fios de sutura de menor calibre são os de n° 12.0
    Diâmetro oscila entre 0.001 a 0.01 mm


                                                   Guilherme T. C. Terra
DIÂMETRO


 São classificados por numeração, que segue a seguinte
 seqüência, do mais fino para o mais grosso: 12.0 - 6.0 -
 5.0 - 4.0 - 3.0 - 2.0 - 1.0 - 1 - 2 - 3.

 Em cirurgias bucais são mais indicados os fios 5.0 - 4.0
 - 3.0.




                                           Guilherme T. C. Terra
Características dos Fios de Sutura

 Elasticidade
   É a capacidade que o fio tem de retornar à sua forma e
    tamanho originais após tracionamento.


 Plasticidade
   É a capacidade de manter-se sob a nova forma após
    tracionado.

 Tenacidade – Força Tênsil
   Força necessária para romper o fio de sutura dividida pelo
    diâmetro


                                                 Guilherme T. C. Terra
RESISTÊNCIA À TRAÇÃO



 Capacidade de resistir a "quebra" do fio.


 Ligada diretamente ao diâmetro do fio.


 Quanto maior a Força Tênsil, maior a resistência
 à tração



                                      Guilherme T. C. Terra
Características dos Fios de Sutura


 Coeficiente de atrito
   Fio com alto coeficiente de atrito tendem a não deslizar nos
    tecidos
   Mais difícil de desatar o nó cirúrgico espontaneamente



 Reação tecidual
   Grau de irritabilidade que o fio provoca nos tecidos




                                                  Guilherme T. C. Terra
CARACTERÍSTICAS IDEAIS DE UM FIO DE SUTURA


 Ser biocompatível.


 Mantém a força tênsil até que a cicatriz adquira
 sua própria resistência.

 Ter plasticidade.


 Ter resistência à tração e torção.


                                       Guilherme T. C. Terra
CARACTERÍSTICAS IDEAIS DE UM FIO DE SUTURA



 Reter o mínimo possível de placa.


 Não ser incômodo ao paciente.


 Não provocar reações alérgicas teciduais.


 Passível de esterilização eficiente.


 Baixo custo.


                                         Guilherme T. C. Terra
DERMABOND


 Adesivo líquido, estéril, que contém uma
 formulação monomérica (2-octil cianoacrilato).

 Só pode ser usado quando há coaptação dos bordos
 da ferida cirúrgica.

 Excelente força tênsil.




                                       Guilherme T. C. Terra
DERMABOND

 Bacteriostático.


 Baixo acúmulo de placa.


 Após a aplicação, polimeriza-se em até 3
 minutos.

 Alto custo.



                                     Guilherme T. C. Terra
DERMABOND




            Guilherme T. C. Terra
DERMABOND




            Guilherme T. C. Terra
QUAL FIO ESCOLHER???



 A escolha de um fio de sutura deve respeitar

 alguns aspectos, como habilidade do cirurgião,
 higiene do paciente, natureza do procedimento,
 tempo de espera para a remoção dos pontos,
 entre outras...



                                     Guilherme T. C. Terra
Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra
    drguilhermeterra@yahoo.com.br



                                         Guilherme T. C. Terra

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Guilherme Terra
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatórioprofcelsoklein
 
Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013Guilherme Terra
 
Paramentação em Cirurgia BMF
Paramentação em Cirurgia BMFParamentação em Cirurgia BMF
Paramentação em Cirurgia BMFprofguilhermeterra
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelRhuan
 
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...André Milioli Martins
 
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para OdontologiaDescubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para OdontologiaAndré Milioli Martins
 
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e AnelásticosClassificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e AnelásticosAndré Milioli Martins
 
Delineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removívelDelineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removívelLorem Morais
 
Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia  Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia Ines Jacyntho Inojosa
 
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de BlackAula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de BlackAndré Milioli Martins
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfThiago Dant
 
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]André Milioli Martins
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localItalo Gabriel
 

Mais procurados (20)

Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
 
Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013Estudo dos dentes inclusos 2013
Estudo dos dentes inclusos 2013
 
Paramentação em Cirurgia BMF
Paramentação em Cirurgia BMFParamentação em Cirurgia BMF
Paramentação em Cirurgia BMF
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removível
 
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
 
Obturacão de canais
Obturacão de canaisObturacão de canais
Obturacão de canais
 
Cirurgia Pré Protética
Cirurgia Pré ProtéticaCirurgia Pré Protética
Cirurgia Pré Protética
 
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para OdontologiaDescubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
 
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e AnelásticosClassificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
Classificação dos Materiais de Moldagem - Elásticos e Anelásticos
 
Delineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removívelDelineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removível
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Cariologia
CariologiaCariologia
Cariologia
 
Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia  Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia
 
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de BlackAula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
Aula de Dentística - Classificação das Cavidades de Black
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdf
 
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
 
Odontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia localOdontologia- Anestesia local
Odontologia- Anestesia local
 

Destaque

Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Guilherme Terra
 
Tutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blogTutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blogGuilherme Terra
 
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013Guilherme Terra
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Guilherme Terra
 
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Guilherme Terra
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILACamilla Bringel
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfGuilherme Terra
 
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1Guilherme Terra
 
Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Guilherme Terra
 
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013Guilherme Terra
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 
Apostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgicaApostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgicaDeyvyd Lima
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Guilherme Terra
 
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1Guilherme Terra
 
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013Guilherme Terra
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Guilherme Terra
 

Destaque (20)

Fios e suturas
Fios e suturasFios e suturas
Fios e suturas
 
Fios de suturas
Fios de suturasFios de suturas
Fios de suturas
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
 
Tutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blogTutorial para baixar os arquivos do blog
Tutorial para baixar os arquivos do blog
 
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
Traumatologia Buco Maxilo Facial 2013
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
 
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
 
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
Apresentação disciplina de dentística restauradora 2012 1
 
Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013Anestesia geral e sedação consciente 2013
Anestesia geral e sedação consciente 2013
 
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf   2013
Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Apostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgicaApostila tecnicacirurgica
Apostila tecnicacirurgica
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013
 
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
Apresentação disciplina dentística operatória aplicada 2012 1
 
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
 
SÍNTESE E FIOS DE SUTURA
SÍNTESE E FIOS DE SUTURASÍNTESE E FIOS DE SUTURA
SÍNTESE E FIOS DE SUTURA
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
 

Mais de Guilherme Terra

Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013Guilherme Terra
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfGuilherme Terra
 
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1Guilherme Terra
 
Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1
Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1
Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1Guilherme Terra
 
Cronograma dentística restauradora 2012 1
Cronograma dentística restauradora 2012 1Cronograma dentística restauradora 2012 1
Cronograma dentística restauradora 2012 1Guilherme Terra
 
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Guilherme Terra
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Guilherme Terra
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Guilherme Terra
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Guilherme Terra
 
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1Guilherme Terra
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarGuilherme Terra
 
Cronograma urgência i segunda-feira- 2012-1
Cronograma urgência i   segunda-feira- 2012-1Cronograma urgência i   segunda-feira- 2012-1
Cronograma urgência i segunda-feira- 2012-1Guilherme Terra
 

Mais de Guilherme Terra (12)

Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013Lista de material cbmf 2013
Lista de material cbmf 2013
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
 
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada   2012-1
Cronograma de atividades – dentística operatória aplicada 2012-1
 
Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1
Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1
Lista de material – dentística operatória aplicada 2012 1
 
Cronograma dentística restauradora 2012 1
Cronograma dentística restauradora 2012 1Cronograma dentística restauradora 2012 1
Cronograma dentística restauradora 2012 1
 
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
 
Cronograma urgência i segunda-feira- 2012-1
Cronograma urgência i   segunda-feira- 2012-1Cronograma urgência i   segunda-feira- 2012-1
Cronograma urgência i segunda-feira- 2012-1
 

Último

APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 

Último (20)

APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 

Síntese e técnicas sutura 2013

  • 1. MANOBRA DE SÍNTESE Prof. Ms. Guilherme T. C. Terra
  • 2. INTRODUÇÃO  A manobra de síntese é a manobra que visa reposicionar os tecidos após uma intervenção cirúrgica.  A manobra utilizada para a manutenção da síntese é a sutura. Guilherme T. C. Terra
  • 3. SUTURA É MANOBRA NÃO SE REMOVE A SUTURA, E SIM O PONTO, QUE É O FRUTO DA SUTURA Guilherme T. C. Terra
  • 4. INTRODUÇÃO  Uma correta manobra de síntese, independente da extensão e da demora do procedimento operatório, o pós-operatório imediato e mediato, incluindo a cicatrização tecidual, será mais controlável e previsível. Guilherme T. C. Terra
  • 5. INTRODUÇÃO  Os retalhos devem ficar unidos e coaptados, porém, não devem ficar isquêmicos pois isto afeta o suprimento sanguíneo.  Macroscopicamente uma ferida bucal está cicatrizada entre 7 e 15 dias. Guilherme T. C. Terra
  • 6. INTRODUÇÃO  Microscopicamente iniciam-se após a formação do coágulo, na fase inflamatória, passando pela migração de neutrófilos e monócitos, que se transformam em macrófagos.  Após essa fase ocorre a migração e proliferação celular, produção de colágeno. Guilherme T. C. Terra
  • 7. INTRODUÇÃO  Concomitante a esses eventos, acorre a angiogênese, por proliferação das células endoteliais, com formação de capilares e a organização da cicatrização.  Realizada de maneira correta, a síntese permite que todo esse processo fisiológico da cicatrização ocorra. Guilherme T. C. Terra
  • 8. FATORES ENVOLVIDOS NA CICATRIZAÇÃO  Oxigenação  Vitamina C  Idade  Vascularização da área Guilherme T. C. Terra
  • 9. FATORES ENVOLVIDOS NA CICATRIZAÇÃO  Grau do trauma cirúrgico  Manutenção da higiene local  Fio de sutura  Condição sistêmica Guilherme T. C. Terra
  • 10. REPARAÇÃO  É o fenômeno de reposição tecidual que ocorre sempre que um tecido for seccionado.  Ocorre através da proliferação celular ou da adaptação das células à nova situação.  Na restituição tecidual podem ser observados:  contração, que é a readaptação mecânica das células à nova situação tecidual;  regeneração, que se trata da substituição do tecido perdido através da proliferação de tecido semelhante;  cicatrização, seria a substituição por tecido conjuntivo. Guilherme T. C. Terra
  • 11. CICATRIZAÇÃO  Podem ocorrer de duas maneiras distintas:  cicatrização por primeira intenção  cicatrização por segunda intenção Guilherme T. C. Terra
  • 12. CICATRIZAÇÃO  cicatrização por primeira intenção  Ocorre quando as bordas do tecido foram bem aproximadas no ato da sutura.  cicatrização por segunda intenção  Ocorre quando as bordas do tecido não foram bem aproximadas no ato da sutura.  Lesões com perda tecidual, ou, quando as bordas do tecido mantiveram-se afastadas na sutura.  Leva mais tempo para ser concluída. Guilherme T. C. Terra
  • 13. OBJETIVOS DA SÍNTESE  Hemostasia.  Evitar a exposição óssea e do implante, reduzindo a instalação de restos alimentares, exsudatos e seqüelas infecciosas.  Unir ou aproximar os bordos da ferida cirúrgica. Guilherme T. C. Terra
  • 14. AGULHAS  Quanto a forma se dividem em ponta, corpo e fundo.  Quanto ao trauma causado, são classificadas em traumáticas e atraumáticas.  Quanto à curvatura podem ser retas e curvas. Guilherme T. C. Terra
  • 15. QUANTO À FORMA Guilherme T. C. Terra
  • 16. PONTA  Parte ativa de penetração dos tecidos. Triangular Cilíndrica Guilherme T. C. Terra
  • 17. CORPO Apresentam-se em várias formas:  Triangulares  Cilíndricas  Ovaladas  Quadradas Guilherme T. C. Terra
  • 18. QUANTO AO TRAUMA  Agulhas traumáticas - provoca trauma tecidual maior devido à diferença de diâmetro entre a ponta, corpo da agulha e o fio.  Agulhas atraumáticas - o fio é pré-montado de mesma dimensão da agulha. Guilherme T. C. Terra
  • 19. FUNDO  Fundo fixo ou verdadeiro  Agulha do tipo comum de costura.  Fundo falso  O fio de sutura é fixado sob pressão.  Atraumático  O fio vem encastoado no fundo da agulha. Guilherme T. C. Terra
  • 20. TRAUMÁTICA Guilherme T. C. Terra
  • 21. ATRAUMÁTICA Guilherme T. C. Terra
  • 22. QUANTO À CURVATURA  Podem ser 1/4 de círculo, 3/8 de círculo, semi- círculo e 5/8 de círculo.  A mais indicada em Odontologia é a semi-círculo Guilherme T. C. Terra
  • 23. 1/4 DE CÍRCULO Guilherme T. C. Terra
  • 24. 3/8 DE CÍRCULO Guilherme T. C. Terra
  • 25. SEMI-CÍRCULO Guilherme T. C. Terra
  • 26. 5/8 DE CÍRCULO Guilherme T. C. Terra
  • 27. Técnica de Sutura  O porta agulha que deve ser utilizado é o Mayo Hegar Guilherme T. C. Terra
  • 28. Técnica de Sutura  O porta agulha que deve ser utilizado é o Mayo Hegar Guilherme T. C. Terra
  • 29. Técnica de Sutura Guilherme T. C. Terra
  • 30. Técnica de Sutura Guilherme T. C. Terra
  • 31. Técnica de Sutura Guilherme T. C. Terra
  • 32. Técnica de Sutura Guilherme T. C. Terra
  • 33. TIPOS DE SUTURA EM CBMF  Pontos interrompidos  Simples  Em “8”  Em “U”  Em “X”  Pontos contínuos  Contínuo Simples  Contínuo Festonado  Colchoeiro Horizontal Contínuo Guilherme T. C. Terra
  • 34. PONTO INTERROMPIDO SIMPLES  Mais utilizados em exodontias de poucos elementos.  Vantagens  Ideal para quem ainda não têm habilidade.  Desvantagens  Técnica relativamente demorada de ser realizada. Guilherme T. C. Terra
  • 35. PONTO INTERROMPIDO SIMPLES Guilherme T. C. Terra
  • 36. PONTO INTERROMPIDO SIMPLES Guilherme T. C. Terra
  • 37. PONTO INTERROMPIDO SIMPLES Guilherme T. C. Terra
  • 38. PONTO INTERROMPIDO EM “8” Guilherme T. C. Terra
  • 39. PONTO INTERROMPIDO EM “8” Guilherme T. C. Terra
  • 40. PONTO INTERROMPIDO EM “8” Guilherme T. C. Terra
  • 41. PONTO INTERROMPIDO HORIZONTAL EM “U” Guilherme T. C. Terra
  • 42. PONTO INTERROMPIDO HORIZONTAL EM “U” Guilherme T. C. Terra
  • 43. PONTO INTERROMPIDO VERTICAL EM “U” DE DONATTI Guilherme T. C. Terra
  • 44. PONTO INTERROMPIDO VERTICAL EM “U” DE DONATTI Guilherme T. C. Terra
  • 45. PONTO INTERROMPIDO EM “X” Guilherme T. C. Terra
  • 46. PONTO INTERROMPIDO EM “X” Guilherme T. C. Terra
  • 47. PONTO CONTÍNUO  Mais indicado em grandes retalhos e exodontias múltiplas , na mesma arcada.  Vantagens  Técnica rápida de ser realizada.  Desvantagens  Necessita de habilidade.  Se a sutura se rompe o retalho pode ficar solto. Guilherme T. C. Terra
  • 48. PONTO CONTÍNUO SIMPLES Guilherme T. C. Terra
  • 49. PONTO CONTÍNUO SIMPLES Guilherme T. C. Terra
  • 50. PONTO CONTÍNUO SIMPLES Guilherme T. C. Terra
  • 51. PONTO CONTÍNUO FESTONADO Guilherme T. C. Terra
  • 52. PONTO CONTÍNUO FESTONADO Guilherme T. C. Terra
  • 53. PONTO CONTÍNUO FESTONADO Guilherme T. C. Terra
  • 54. COLCHOEIRO HORIZONTAL CONTÍNUO Guilherme T. C. Terra
  • 55. COLCHOEIRO HORIZONTAL CONTÍNUO Guilherme T. C. Terra
  • 56. Remoção dos Pontos Guilherme T. C. Terra
  • 57. Remoção dos Pontos Guilherme T. C. Terra
  • 58. FIOS DE SUTURA  Desempenham um papel fundamental nas feridas bucais como elemento de auxilio à reparação tecidual.  Auxiliam para manter o retalho posicionado. Guilherme T. C. Terra
  • 59. CLASSIFICAÇÃO  Origem  Absorvíveis e não-absorvíveis.  Pelo número de filamentos.  Diâmetro.  Resistência à tração.  Plasticidade. Guilherme T. C. Terra
  • 60. ORIGEM  Quanto à origem, os fios de sutura podem ser classificados em quatro tipos:  Mineral  Fio de aço  Vegetal  Algodão  Animal  Seda e Catgut  Sintético  Nylon, Poliglactina 910 e Ácido Poliglicólico  Misto  Poliéster polipropileno e algodão encapado com poliéster Guilherme T. C. Terra
  • 61. ABSORVÍVEIS  Mais utilizados em suturas internas  Catgut simples  Absorvido por enzimas orgânicas  Perde cerca de 50% de sua força tênsil nas 1ªs 24 horas no meio bucal  Totalmente absorvido em 3 a 5 dias  Catgut cromado  Absorvido por enzimas orgânicas  Perde cerca de 50% de sua força tênsil em 5 dias  Totalmente absorvido em 7 a 10 dias  Ácido Poliglicóico e Poliglactina 910 (VICRYL®)  Absorvida por hidrólise  Perde cerca de 50% de sua força tênsil em 5 dias  Totalmente absorvido em 21 a 28 dias Guilherme T. C. Terra
  • 62. NÃO-ABSORVÍVEIS  Seda  Algodão  Nylon  Aço Guilherme T. C. Terra
  • 63. CARACTERÍSTICAS DOS FIOS DE SUTURA Guilherme T. C. Terra
  • 64. Características dos Fios de Sutura  Configuração Física de um fio  Dada pelo número de filamentos que o compõem  Monofilamentar:  Nylon  Aço  Multifilamentar  Algodão  Seda  Catgut  Ácido Poliglicóico  Poliglactina 910 – VICRYL® Guilherme T. C. Terra
  • 65. Características dos Fios de Sutura  Absorção de Fluidos  Determinada pela capacidade que o fio tem de absorver fluidos  Os multifilamentados como a seda e o algodão têm maior capilaridade e absorção de fluídos que os monofilamentados Guilherme T. C. Terra
  • 66. Características dos Fios de Sutura  Diâmetro do fio  Determinado em milímetros e expressado em zeros  Quanto menor o diâmetro, maior o número de zeros.  Os fios de sutura de maior calibre são o de n° 3  Diâmetro oscila entre 0.60 e 0.80 mm  Os fios de sutura de menor calibre são os de n° 12.0  Diâmetro oscila entre 0.001 a 0.01 mm Guilherme T. C. Terra
  • 67. DIÂMETRO  São classificados por numeração, que segue a seguinte seqüência, do mais fino para o mais grosso: 12.0 - 6.0 - 5.0 - 4.0 - 3.0 - 2.0 - 1.0 - 1 - 2 - 3.  Em cirurgias bucais são mais indicados os fios 5.0 - 4.0 - 3.0. Guilherme T. C. Terra
  • 68. Características dos Fios de Sutura  Elasticidade  É a capacidade que o fio tem de retornar à sua forma e tamanho originais após tracionamento.  Plasticidade  É a capacidade de manter-se sob a nova forma após tracionado.  Tenacidade – Força Tênsil  Força necessária para romper o fio de sutura dividida pelo diâmetro Guilherme T. C. Terra
  • 69. RESISTÊNCIA À TRAÇÃO  Capacidade de resistir a "quebra" do fio.  Ligada diretamente ao diâmetro do fio.  Quanto maior a Força Tênsil, maior a resistência à tração Guilherme T. C. Terra
  • 70. Características dos Fios de Sutura  Coeficiente de atrito  Fio com alto coeficiente de atrito tendem a não deslizar nos tecidos  Mais difícil de desatar o nó cirúrgico espontaneamente  Reação tecidual  Grau de irritabilidade que o fio provoca nos tecidos Guilherme T. C. Terra
  • 71. CARACTERÍSTICAS IDEAIS DE UM FIO DE SUTURA  Ser biocompatível.  Mantém a força tênsil até que a cicatriz adquira sua própria resistência.  Ter plasticidade.  Ter resistência à tração e torção. Guilherme T. C. Terra
  • 72. CARACTERÍSTICAS IDEAIS DE UM FIO DE SUTURA  Reter o mínimo possível de placa.  Não ser incômodo ao paciente.  Não provocar reações alérgicas teciduais.  Passível de esterilização eficiente.  Baixo custo. Guilherme T. C. Terra
  • 73. DERMABOND  Adesivo líquido, estéril, que contém uma formulação monomérica (2-octil cianoacrilato).  Só pode ser usado quando há coaptação dos bordos da ferida cirúrgica.  Excelente força tênsil. Guilherme T. C. Terra
  • 74. DERMABOND  Bacteriostático.  Baixo acúmulo de placa.  Após a aplicação, polimeriza-se em até 3 minutos.  Alto custo. Guilherme T. C. Terra
  • 75. DERMABOND Guilherme T. C. Terra
  • 76. DERMABOND Guilherme T. C. Terra
  • 77. QUAL FIO ESCOLHER???  A escolha de um fio de sutura deve respeitar alguns aspectos, como habilidade do cirurgião, higiene do paciente, natureza do procedimento, tempo de espera para a remoção dos pontos, entre outras... Guilherme T. C. Terra
  • 78. Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra drguilhermeterra@yahoo.com.br Guilherme T. C. Terra