SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
RESPEITO AO CADÁVER NO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA
                                     Professor Renato Locchi

     A utilização do cadáver é uma tríplice lição educativa :

a. Instrutiva ou informativa, como meio de conhecimento da organização do corpo humano,
precedendo ao estudo no vivo;

b. Normativa, disciplinadora do estudo , pelo seu caráter metodológico e de precisão de linguagem;

c. Estético-moral, pela natureza do material de estudo, o cadáver, e pelo método de aprendizado, a
dissecação, que é experiência e fuga repousante na contemp lação da beleza e harmonia de construção
do organismo humano.

     Essencialmente, porém, lição de ética e de humildade, pois :

1. É o cadáver do indigente – homem, mulher, criança, velho – marginal da vida, da família e da
sociedade; cadáver que – como o doente indigente – não é fato isolado da comunidade, mas seu
reflexo, dela provindo; cadáver que é meio para o vivo como o doente o é para a sociedade;
2. Cadáver cujos despojos miseráveis no "abandono da morte parecem ainda sofrer e pedi r piedade";
partes mortas que serão vivificadas pelo calor da juventude estudiosa e de seu sentimento de gratidão;
3. Cadáver de pessoa sem lar, abandonada, esquecida ou ignorada pela família e pela sociedade em
parte, ao menos, culpada; de pessoa que m al viveu, do nascimento à agonia solitária, sem amparo e
sem conforto amigo; vida que de humana só recebe o apelido;
4. Cadáver de um "irmão em humanidade", que não teve ilusões, descrente e sofrido; de pessoa que,
quanto mais atingida pela desventura, mais se aproximava da mesa de dissecação, como prê mio à sua
desgraça;
5. Cadáver de alguém que, se foi inútil, oneroso ou mesmo nocivo à sociedade, paga, pelo
conhecimento que proporciona ao futuro médico, com alto juro, o mal que se lhe atribui, do qual é mais
vítima que culpado;
6. Cadáver que é de alguém anônimo e não de um de nós – eu ou um dos senhores – apenas pelo
capricho do jogo do acaso do destino genético;
7. Cadáver do anônimo que adquire o valor de um símbolo – cadáver desconhecido – e assim
ultrapassa o limite estreito de um nome e, despersonalizado, distribui elementos para o bem coletivo,
sem ter conhecimento quer antes, durante ou depois de sua imolação, do seu destino a um tempo
trágico e de redenção;
8. Despojos de alguém que, pelo seu sacrifício, tudo oferece sem nada haver recebido, que se dá sem
saber que dá e, por isso, sem conhecer a recompensa da gratidão e sem sentimento do valor da sua
dádiva generosa, na mais nobre expressão de caridade universal: caridade de humilde e in digente para
humildes e poderosos;
9. Cadáver que, dissecado, desmembrado, simboliza outra forma de crucificação para o bem comum e
marca o sentido profundamente humano da Medicina;
10. O material de estudo da Anatomia Humana transcende, pois, ao simples valor de meio ou objeto de
aprendizado; e nos fala em linguagem universal que nos educa na humildade da limitação humana.

Eis porque na austeridade do ambiente do Laboratório de dissecação a atitude física, mental e verbal do
aluno deve ser sobriedade, meditação e elevada compostura, manuseando as peças anatômicas com o
mais profundo sentimento de respeito e carinho.

– O Professor Renato Locchi, já falecido, foi Professor Catedrático da Faculdade de Medicina         da
Universidade de São Paulo e da Escola Paulista de Medicina.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Respeito ao cadáver na anatomia

Reflexões sobre a Ética do Discurso
Reflexões sobre a Ética do DiscursoReflexões sobre a Ética do Discurso
Reflexões sobre a Ética do DiscursoClovis de Lima
 
Reflexões sobre a Ética do Discurso
Reflexões sobre a Ética do DiscursoReflexões sobre a Ética do Discurso
Reflexões sobre a Ética do DiscursoClovis de Lima
 
A filosofia na idade tragica dos gregos
A filosofia na idade tragica dos gregosA filosofia na idade tragica dos gregos
A filosofia na idade tragica dos gregosBruno Aparecido
 
Yvone a.pereira dramas da obsesso
Yvone a.pereira dramas da obsessoYvone a.pereira dramas da obsesso
Yvone a.pereira dramas da obsessoAnderson Santana
 
Ensinar a condição humana
Ensinar a condição humanaEnsinar a condição humana
Ensinar a condição humanaWanderson Silva
 
Religiao e religiosidade
Religiao e religiosidadeReligiao e religiosidade
Religiao e religiosidadeManoel Gamas
 
O homem integral fatores de perturbação
O homem integral   fatores de perturbaçãoO homem integral   fatores de perturbação
O homem integral fatores de perturbaçãofespiritacrista
 
Cidade no Além (chico xavier heigorina - andré luiz - lucius)
Cidade no Além (chico xavier   heigorina - andré luiz - lucius)Cidade no Além (chico xavier   heigorina - andré luiz - lucius)
Cidade no Além (chico xavier heigorina - andré luiz - lucius)Darlene Cesar
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentojeconiaseandreia
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentojeconiaseandreia
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Leonardo Pereira
 
Loucura e obsessao divaldo franco
Loucura e obsessao   divaldo francoLoucura e obsessao   divaldo franco
Loucura e obsessao divaldo francossuser72c590
 
Loucura e obsessao divaldo franco
Loucura e obsessao   divaldo francoLoucura e obsessao   divaldo franco
Loucura e obsessao divaldo francoBruno Rodrigues
 
Yvonne a.pereira -_dramas_da_obsessao_-_bezerra_de_menezes
Yvonne a.pereira -_dramas_da_obsessao_-_bezerra_de_menezesYvonne a.pereira -_dramas_da_obsessao_-_bezerra_de_menezes
Yvonne a.pereira -_dramas_da_obsessao_-_bezerra_de_menezeszfrneves
 

Semelhante a Respeito ao cadáver na anatomia (20)

Reflexões sobre a Ética do Discurso
Reflexões sobre a Ética do DiscursoReflexões sobre a Ética do Discurso
Reflexões sobre a Ética do Discurso
 
Reflexões sobre a Ética do Discurso
Reflexões sobre a Ética do DiscursoReflexões sobre a Ética do Discurso
Reflexões sobre a Ética do Discurso
 
A filosofia na idade tragica dos gregos
A filosofia na idade tragica dos gregosA filosofia na idade tragica dos gregos
A filosofia na idade tragica dos gregos
 
Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores
 
Yvone a.pereira dramas da obsesso
Yvone a.pereira dramas da obsessoYvone a.pereira dramas da obsesso
Yvone a.pereira dramas da obsesso
 
Damatta
DamattaDamatta
Damatta
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Ensinar a condição humana
Ensinar a condição humanaEnsinar a condição humana
Ensinar a condição humana
 
Religiao e religiosidade
Religiao e religiosidadeReligiao e religiosidade
Religiao e religiosidade
 
O homem integral fatores de perturbação
O homem integral   fatores de perturbaçãoO homem integral   fatores de perturbação
O homem integral fatores de perturbação
 
Cidade no Além (chico xavier heigorina - andré luiz - lucius)
Cidade no Além (chico xavier   heigorina - andré luiz - lucius)Cidade no Além (chico xavier   heigorina - andré luiz - lucius)
Cidade no Além (chico xavier heigorina - andré luiz - lucius)
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Loucura e obsessao divaldo franco
Loucura e obsessao   divaldo francoLoucura e obsessao   divaldo franco
Loucura e obsessao divaldo franco
 
Loucura e obsessao divaldo franco
Loucura e obsessao   divaldo francoLoucura e obsessao   divaldo franco
Loucura e obsessao divaldo franco
 
Paradoxos da Condição Humana em Blaise Pascal
Paradoxos da Condição Humana em Blaise Pascal  Paradoxos da Condição Humana em Blaise Pascal
Paradoxos da Condição Humana em Blaise Pascal
 
Universalismo
UniversalismoUniversalismo
Universalismo
 
Yvonne a.pereira -_dramas_da_obsessao_-_bezerra_de_menezes
Yvonne a.pereira -_dramas_da_obsessao_-_bezerra_de_menezesYvonne a.pereira -_dramas_da_obsessao_-_bezerra_de_menezes
Yvonne a.pereira -_dramas_da_obsessao_-_bezerra_de_menezes
 

Mais de Natha Fisioterapia (20)

Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Manuseios
 
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria   enfermidades-infano_juvenisFisio pediatria   enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
 
Dnpm
DnpmDnpm
Dnpm
 
Avaliaçao neo
Avaliaçao neoAvaliaçao neo
Avaliaçao neo
 
Avaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonatoAvaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonato
 
Aprendizado motor
Aprendizado motorAprendizado motor
Aprendizado motor
 
Shantala
ShantalaShantala
Shantala
 
Quebra de padroes
Quebra de padroesQuebra de padroes
Quebra de padroes
 
Internação
InternaçãoInternação
Internação
 
Exercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososExercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idosos
 
Estatudo do idoso
Estatudo do idosoEstatudo do idoso
Estatudo do idoso
 
Dor no idoso
Dor no idosoDor no idoso
Dor no idoso
 
Atendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idosoAtendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idoso
 
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucaoAtendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
 
A familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vitalA familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vital
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
 

Respeito ao cadáver na anatomia

  • 1. RESPEITO AO CADÁVER NO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA Professor Renato Locchi A utilização do cadáver é uma tríplice lição educativa : a. Instrutiva ou informativa, como meio de conhecimento da organização do corpo humano, precedendo ao estudo no vivo; b. Normativa, disciplinadora do estudo , pelo seu caráter metodológico e de precisão de linguagem; c. Estético-moral, pela natureza do material de estudo, o cadáver, e pelo método de aprendizado, a dissecação, que é experiência e fuga repousante na contemp lação da beleza e harmonia de construção do organismo humano. Essencialmente, porém, lição de ética e de humildade, pois : 1. É o cadáver do indigente – homem, mulher, criança, velho – marginal da vida, da família e da sociedade; cadáver que – como o doente indigente – não é fato isolado da comunidade, mas seu reflexo, dela provindo; cadáver que é meio para o vivo como o doente o é para a sociedade; 2. Cadáver cujos despojos miseráveis no "abandono da morte parecem ainda sofrer e pedi r piedade"; partes mortas que serão vivificadas pelo calor da juventude estudiosa e de seu sentimento de gratidão; 3. Cadáver de pessoa sem lar, abandonada, esquecida ou ignorada pela família e pela sociedade em parte, ao menos, culpada; de pessoa que m al viveu, do nascimento à agonia solitária, sem amparo e sem conforto amigo; vida que de humana só recebe o apelido; 4. Cadáver de um "irmão em humanidade", que não teve ilusões, descrente e sofrido; de pessoa que, quanto mais atingida pela desventura, mais se aproximava da mesa de dissecação, como prê mio à sua desgraça; 5. Cadáver de alguém que, se foi inútil, oneroso ou mesmo nocivo à sociedade, paga, pelo conhecimento que proporciona ao futuro médico, com alto juro, o mal que se lhe atribui, do qual é mais vítima que culpado; 6. Cadáver que é de alguém anônimo e não de um de nós – eu ou um dos senhores – apenas pelo capricho do jogo do acaso do destino genético; 7. Cadáver do anônimo que adquire o valor de um símbolo – cadáver desconhecido – e assim ultrapassa o limite estreito de um nome e, despersonalizado, distribui elementos para o bem coletivo, sem ter conhecimento quer antes, durante ou depois de sua imolação, do seu destino a um tempo trágico e de redenção; 8. Despojos de alguém que, pelo seu sacrifício, tudo oferece sem nada haver recebido, que se dá sem saber que dá e, por isso, sem conhecer a recompensa da gratidão e sem sentimento do valor da sua dádiva generosa, na mais nobre expressão de caridade universal: caridade de humilde e in digente para humildes e poderosos; 9. Cadáver que, dissecado, desmembrado, simboliza outra forma de crucificação para o bem comum e marca o sentido profundamente humano da Medicina; 10. O material de estudo da Anatomia Humana transcende, pois, ao simples valor de meio ou objeto de aprendizado; e nos fala em linguagem universal que nos educa na humildade da limitação humana. Eis porque na austeridade do ambiente do Laboratório de dissecação a atitude física, mental e verbal do aluno deve ser sobriedade, meditação e elevada compostura, manuseando as peças anatômicas com o mais profundo sentimento de respeito e carinho. – O Professor Renato Locchi, já falecido, foi Professor Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e da Escola Paulista de Medicina.