SlideShare uma empresa Scribd logo
PEDAGOGIA DA AUTONOMIA | Paulo Freire
Texto Completo: http://bit.ly/29cS0Ex
Gostaria, por outro lado, de sublinhar a nós mesmos, professores e professoras, a nossa
responsabilidade ética no exercício de nossa tarefa docente. Sublinhar esta
responsabilidade igualmente àquelas e àqueles que se acham em formação para exerce-
la. Este pequeno livro se encontra cortado ou permeado em sua totalidade pelo sentido da
necessária eticidade que conota expressivamente a natureza da pratica educativa,
enquanto prática formadora. Educadores e educandos não podemos, na verdade,
escapar à rigorosidade ética.
Mas, é preciso deixar claro que a ética de que falo não é a ética menor, restrita, do
mercado, que se curva obediente aos interesses do lucro. Em nível internacional começa
a aparecer uma tendência em acertar os reflexos cruciais da "nova ordem mundial", como
naturais e inevitáveis. Num encontro internacional de ONGs, um dos expositores afirmou
estar ouvindo com certa freqüência em países do Primeiro Mundo a idéia de que crianças
do Terceiro Mundo, acometidas por doenças como diarréia aguda, não deveriam ser
salvas, pois tal recurso só prolongaria uma vida já destinada à miséria e ao sofrimento.
Não falo, obviamente, desta ética. Falo, pelo contrário, da ética universal do ser humano.
Da ética que condena o cinismo do discurso citado acima, que condena a exploração da
força de trabalho do ser humano, que condena acusar por ouvir dizer, afirmar que alguém
falou A sabendo que foi dito B, falsear a verdade, iludir o incauto, golpear o fraco e
indefeso, soterrar o sonho e a utopia, prometer sabendo que não cumprirá a promessa,
testemunhar mentirosamente, falar mal dos outros pelo gosto de falar mal.
A ética de que falo é a que se sabe traída e negada nos comportamentos grosseiramente
imorais como na perversão hipócrita da pureza em puritanismo. A ética de que falo é a
que se sabe afrontada na manifestação discriminatória de raça, de gênero, de classe. É
por esta ética inseparável da prática, jovens ou com adultos, que devemos lutar.
E a melhor maneira de por ela lutar é vive-la em nossa prática, é testemunhá-la, vivaz,
aos educandos em nossas relações com eles. Na maneira como lidamos com os
conteúdos que ensinamos, no modo como citamos autores de cuja obra discordamos ou
com cuja obra concordamos. Não podemos basear nossa crítica a um autor na leitura
feita por cima de uma ou outra de suas obras. Pior ainda, tendo lido apenas a crítica de
quem só leu a contracapa de um de seus livros.
Posso não aceitar a concepção pedagógica desde ou daquela autora e devo inclusive
expor aos alunos as razoes por que me oponho a ela mas, o que não posso, na minha
crítica, é mentir. É dizer inverdades em torno deles. O preparo científico do professor ou
da professora deve coincidir com sua retidão ética.
É uma lástima qualquer descompasso entre aquela e esta.
Formação científica, correção ética, respeito aos outros, coerência, não permitir que o
nosso mal-estar pessoal ou a nossa antipatia com relação ao outro nos façam acusá-lo do
que não fez são obrigações a cujo cumprimento devemos humilde mas
perseverantemente nos dedicar.
É não só interessante mas profundamente importante que os estudantes percebam as
diferenças de compreensão dos fatos, as posições às vezes antagônicas entre
professores na apreciação dos problemas e no equacionamento de soluções. Mas é
fundamental que percebam o respeito e a lealdade com que um professor analisa e critica
as posturas dos outros.
De quando em vez, ao longo deste texto, volto a este tema.
É que me acho absolutamente convencido da natureza ética da prática educativa,
enquanto prática especificamente humana. É que, por outro lado, nos achamos, ao nível
do mundo e não apenas do Brasil, de tal maneira submetidos ao comando da malvadez
da ética do mercado, que me parece ser pouco tudo o que façamos na defesa e na
prática da ética universal do ser humano.
Não podemos nos assumir como sujeitos da procura, da decisão, da ruptura, da opção,
como sujeitos históricos, transformadores, a não ser assumindo-nos como sujeitos éticos.
Neste sentido, a transgressão dos princípios éticos é uma possibilidade mas não é uma
virtude. Não podemos aceita-la.
Não é possível ao sujeito ético viver sem estar permanentemente exposto á transgressão
da ética. Uma de nossas brigas na História, por isso mesmo, é exatamente esta: fazer
tudo o que possamos e favor da eticidade, sem cair no moralismo hipócrita, ao gosto
reconhecidamente farisaico. Mas, faz parte igualmente desta luta pela eticidade recusar,
com segurança, as críticas que vêem na defesa da ética, precisamente a expressão
daquele moralismo criticado.
Em mim, a defesa da ética jamais significou sua distorção ou negação.
Quando, porém, falo da ética universal do ser humano estou falando da ética enquanto
marca da natureza humana, enquanto algo absolutamente indispensável à convivência
humana. Ao faze-lo estou advertindo das possíveis críticas que, infiéis a meu
pensamento, me apontarão como ingênuo e idealista.
Na verdade, falo da ética universal do ser humano da mesma forma como falo de sua
vocação ontológica para o ser mais, como falo de sua natureza constituindo-se social e
historicamente não como um "a priori" da Historia. A natureza que a ontologia cuida se
gesta socialmente na Historia.
É uma natureza em processo de estar sendo com algumas conotações fundamentais sem
as quais não teria sido possível reconhecer a própria presença humana no mundo como
algo original e singular. Quer dizer, mais do que um ser no mundo, o ser humano se
tornou uma Presença no mundo, com o mundo e com os outros.
Presença que, reconhecendo a outra presença como um "não-eu" se reconhece como "si
própria". Presença que se pensa a si mesma, que se sabe presença, que intervém, que
transforma, que fala do que faz mas também do que sonha, que constata, compara,
avalia, valora, que decide, que rompe.
E é no domínio da decisão, da avaliação, da liberdade, da ruptura, da opção, que se
instaura a necessidade da ética e se impõe a responsabilidade.
A ética se torna inevitável e sua transgressão possível é um desvalor, jamais uma virtude.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2dalvabambil
 
Avaliação dos numerais
Avaliação dos numeraisAvaliação dos numerais
Avaliação dos numeraisJúnior Barroso
 
A musica na educacao infantil 02
A musica na educacao infantil 02A musica na educacao infantil 02
A musica na educacao infantil 02Elvis Live
 
Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.Raquel Becker
 
Dia Internacional da Mulher
Dia Internacional da MulherDia Internacional da Mulher
Dia Internacional da Mulhersalaaee
 
Simulado 1 ( 3º ano mat - e.f) - (blog do prof. warles)
Simulado 1 ( 3º ano   mat - e.f) - (blog do prof. warles)Simulado 1 ( 3º ano   mat - e.f) - (blog do prof. warles)
Simulado 1 ( 3º ano mat - e.f) - (blog do prof. warles)Jhonnys Nascimento
 
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SMEProva 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SMELeonardo Kaplan
 
96513559 7-ano-bacterias-protistas-fungos-virus-com-gabarito cópia
96513559 7-ano-bacterias-protistas-fungos-virus-com-gabarito cópia96513559 7-ano-bacterias-protistas-fungos-virus-com-gabarito cópia
96513559 7-ano-bacterias-protistas-fungos-virus-com-gabarito cópiacristiana Leal
 
Plano de aula dia das mães
Plano de aula dia das mãesPlano de aula dia das mães
Plano de aula dia das mãesAndré Moraes
 
Leitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de textoLeitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de textoAugusto Bertotto
 
Quadro numérico
Quadro numéricoQuadro numérico
Quadro numéricoIsa ...
 
Avaliação de Ciência Helena Andrade
Avaliação de Ciência Helena AndradeAvaliação de Ciência Helena Andrade
Avaliação de Ciência Helena AndradeAngela Maria
 
Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Superestagio
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...orientadoresdeestudopaic
 

Mais procurados (20)

SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLOSIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
 
Português 1º ano
Português 1º anoPortuguês 1º ano
Português 1º ano
 
Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2
 
Avaliação dos numerais
Avaliação dos numeraisAvaliação dos numerais
Avaliação dos numerais
 
Slides spaece
Slides spaece Slides spaece
Slides spaece
 
A musica na educacao infantil 02
A musica na educacao infantil 02A musica na educacao infantil 02
A musica na educacao infantil 02
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.
 
Matemática 1º ano
Matemática 1º anoMatemática 1º ano
Matemática 1º ano
 
Ferimentos e cuidados
Ferimentos e cuidadosFerimentos e cuidados
Ferimentos e cuidados
 
Dia Internacional da Mulher
Dia Internacional da MulherDia Internacional da Mulher
Dia Internacional da Mulher
 
Simulado 1 ( 3º ano mat - e.f) - (blog do prof. warles)
Simulado 1 ( 3º ano   mat - e.f) - (blog do prof. warles)Simulado 1 ( 3º ano   mat - e.f) - (blog do prof. warles)
Simulado 1 ( 3º ano mat - e.f) - (blog do prof. warles)
 
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SMEProva 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
 
96513559 7-ano-bacterias-protistas-fungos-virus-com-gabarito cópia
96513559 7-ano-bacterias-protistas-fungos-virus-com-gabarito cópia96513559 7-ano-bacterias-protistas-fungos-virus-com-gabarito cópia
96513559 7-ano-bacterias-protistas-fungos-virus-com-gabarito cópia
 
Plano de aula dia das mães
Plano de aula dia das mãesPlano de aula dia das mães
Plano de aula dia das mães
 
Leitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de textoLeitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de texto
 
Quadro numérico
Quadro numéricoQuadro numérico
Quadro numérico
 
Avaliação de Ciência Helena Andrade
Avaliação de Ciência Helena AndradeAvaliação de Ciência Helena Andrade
Avaliação de Ciência Helena Andrade
 
Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
 

Destaque

Brinquedos Cantados fundamentos
Brinquedos Cantados fundamentosBrinquedos Cantados fundamentos
Brinquedos Cantados fundamentossilvia gomes
 
Apostila de musicalizacao
Apostila de musicalizacao Apostila de musicalizacao
Apostila de musicalizacao Cristina Zoya
 
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1Lucas Bernardo
 
Historia da musica
Historia da musica Historia da musica
Historia da musica Shinnayder
 
Projeto Música na escola
Projeto Música na escolaProjeto Música na escola
Projeto Música na escolaVenicio Borges
 
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Priscila Alencastre
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoAurivan
 
Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)Eliel Mariano
 
A Importância da Música na Escola
A Importância da Música na EscolaA Importância da Música na Escola
A Importância da Música na EscolaBelister Paulino
 
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisadoMTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisadocreito cezares
 

Destaque (17)

Professor em EaD
Professor em EaDProfessor em EaD
Professor em EaD
 
Sala de Informática
Sala de InformáticaSala de Informática
Sala de Informática
 
Brinquedos Cantados fundamentos
Brinquedos Cantados fundamentosBrinquedos Cantados fundamentos
Brinquedos Cantados fundamentos
 
Apostila de musicalizacao
Apostila de musicalizacao Apostila de musicalizacao
Apostila de musicalizacao
 
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
 
Historia da musica
Historia da musica Historia da musica
Historia da musica
 
Projeto Música na escola
Projeto Música na escolaProjeto Música na escola
Projeto Música na escola
 
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
Ensinando figuras de rítmo e valores musicais de forma divertida!
 
Apostila Jogos e Brincadeiras
Apostila Jogos e BrincadeirasApostila Jogos e Brincadeiras
Apostila Jogos e Brincadeiras
 
Abc musical
Abc musicalAbc musical
Abc musical
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - Autismo
 
Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)Caderno de exercicios mts (2)
Caderno de exercicios mts (2)
 
A Importância da Música na Escola
A Importância da Música na EscolaA Importância da Música na Escola
A Importância da Música na Escola
 
Projeto música
Projeto músicaProjeto música
Projeto música
 
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisadoMTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
MTS Método CCB exercicios preenchidos, corrigido e revisado
 
Novo bona ccb
Novo bona ccbNovo bona ccb
Novo bona ccb
 
Jogos E Brincadeiras Musicais
Jogos E Brincadeiras MusicaisJogos E Brincadeiras Musicais
Jogos E Brincadeiras Musicais
 

Semelhante a Pedagogia autonomia Paulo Freire - Trecho sobre Ética

A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógicoA educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógicoeducacaofederal
 
Paulo Freire política-e-educação
Paulo Freire política-e-educaçãoPaulo Freire política-e-educação
Paulo Freire política-e-educaçãoAkMuner1
 
Aula iejo d om_valentino_ pedagogia da autonomia
Aula iejo   d om_valentino_ pedagogia da autonomiaAula iejo   d om_valentino_ pedagogia da autonomia
Aula iejo d om_valentino_ pedagogia da autonomiaNadia Leal
 
Quarta carta_Paulo Freire.pdf
Quarta carta_Paulo Freire.pdfQuarta carta_Paulo Freire.pdf
Quarta carta_Paulo Freire.pdfMabellSales
 
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo DelorosoAndrea Cortelazzi
 
Comportamento assertivo
Comportamento assertivoComportamento assertivo
Comportamento assertivompastana
 
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Daniela Matos
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaSoares Junior
 
Uma QuestãO De Escolha
Uma QuestãO De EscolhaUma QuestãO De Escolha
Uma QuestãO De EscolhaBre_msmd
 
A importância da etiqueta social nas relações de trabalho do
A importância da etiqueta social nas relações de trabalho doA importância da etiqueta social nas relações de trabalho do
A importância da etiqueta social nas relações de trabalho doandreia oliveira
 
Política e educação paulo freire
Política e educação paulo freirePolítica e educação paulo freire
Política e educação paulo freireAndréia De Bernardi
 
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...Selma Aparecida Cesarin
 
2. Educação, moral e ética.pptx
2. Educação, moral e ética.pptx2. Educação, moral e ética.pptx
2. Educação, moral e ética.pptxMichélle Barreto
 

Semelhante a Pedagogia autonomia Paulo Freire - Trecho sobre Ética (20)

Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Introdução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktinIntrodução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktin
 
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógicoA educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
 
Paulo Freire política-e-educação
Paulo Freire política-e-educaçãoPaulo Freire política-e-educação
Paulo Freire política-e-educação
 
Aula iejo d om_valentino_ pedagogia da autonomia
Aula iejo   d om_valentino_ pedagogia da autonomiaAula iejo   d om_valentino_ pedagogia da autonomia
Aula iejo d om_valentino_ pedagogia da autonomia
 
Quarta carta_Paulo Freire.pdf
Quarta carta_Paulo Freire.pdfQuarta carta_Paulo Freire.pdf
Quarta carta_Paulo Freire.pdf
 
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
 
Artigo Axiologia
Artigo AxiologiaArtigo Axiologia
Artigo Axiologia
 
Comportamento assertivo
Comportamento assertivoComportamento assertivo
Comportamento assertivo
 
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Etica behaviorista radiacal
Etica behaviorista radiacalEtica behaviorista radiacal
Etica behaviorista radiacal
 
Uma QuestãO De Escolha
Uma QuestãO De EscolhaUma QuestãO De Escolha
Uma QuestãO De Escolha
 
A importância da etiqueta social nas relações de trabalho do
A importância da etiqueta social nas relações de trabalho doA importância da etiqueta social nas relações de trabalho do
A importância da etiqueta social nas relações de trabalho do
 
Politicaeeducacao p1-freire
Politicaeeducacao p1-freirePoliticaeeducacao p1-freire
Politicaeeducacao p1-freire
 
Política e educação paulo freire
Política e educação paulo freirePolítica e educação paulo freire
Política e educação paulo freire
 
Comportamento humano assertivo
Comportamento humano assertivoComportamento humano assertivo
Comportamento humano assertivo
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
DIMENSÕES ÉTICAS DA EDUCAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES A PARTIR DA OBRA PEDADOGIA...
 
2. Educação, moral e ética.pptx
2. Educação, moral e ética.pptx2. Educação, moral e ética.pptx
2. Educação, moral e ética.pptx
 

Mais de Marcos Mendes

Transformação Digital
Transformação DigitalTransformação Digital
Transformação DigitalMarcos Mendes
 
eBook relacionado à Atividade 4
eBook relacionado à Atividade 4eBook relacionado à Atividade 4
eBook relacionado à Atividade 4Marcos Mendes
 
Um panorama geral sobre a história do ensino a distância
Um panorama geral sobre a história do ensino a distânciaUm panorama geral sobre a história do ensino a distância
Um panorama geral sobre a história do ensino a distânciaMarcos Mendes
 
O aluno em cursos online
O aluno em cursos onlineO aluno em cursos online
O aluno em cursos onlineMarcos Mendes
 
Distancia transacional
Distancia transacionalDistancia transacional
Distancia transacionalMarcos Mendes
 
Dicas para estudar online
Dicas para estudar onlineDicas para estudar online
Dicas para estudar onlineMarcos Mendes
 
Pratica2 Portafolio de trabajo | Coursera | Innovación educativa con recursos...
Pratica2 Portafolio de trabajo | Coursera | Innovación educativa con recursos...Pratica2 Portafolio de trabajo | Coursera | Innovación educativa con recursos...
Pratica2 Portafolio de trabajo | Coursera | Innovación educativa con recursos...Marcos Mendes
 
Coursera-Atividade 1
Coursera-Atividade 1Coursera-Atividade 1
Coursera-Atividade 1Marcos Mendes
 

Mais de Marcos Mendes (18)

Transformação Digital
Transformação DigitalTransformação Digital
Transformação Digital
 
eBook relacionado à Atividade 4
eBook relacionado à Atividade 4eBook relacionado à Atividade 4
eBook relacionado à Atividade 4
 
Um panorama geral sobre a história do ensino a distância
Um panorama geral sobre a história do ensino a distânciaUm panorama geral sobre a história do ensino a distância
Um panorama geral sobre a história do ensino a distância
 
A sala de aula
A sala de aulaA sala de aula
A sala de aula
 
FUNDAMENTOS DE EAD
FUNDAMENTOS DE EADFUNDAMENTOS DE EAD
FUNDAMENTOS DE EAD
 
O Aluno Virtual
O Aluno VirtualO Aluno Virtual
O Aluno Virtual
 
Professor OnLine
Professor OnLineProfessor OnLine
Professor OnLine
 
o Aluno Virtual
o Aluno Virtualo Aluno Virtual
o Aluno Virtual
 
DOCÊNCIA ONLINE
DOCÊNCIA ONLINEDOCÊNCIA ONLINE
DOCÊNCIA ONLINE
 
Fundamentos de EaD
Fundamentos de EaDFundamentos de EaD
Fundamentos de EaD
 
Fundamentos de EaD
Fundamentos de EaDFundamentos de EaD
Fundamentos de EaD
 
O aluno em cursos online
O aluno em cursos onlineO aluno em cursos online
O aluno em cursos online
 
Guia de Atividades
Guia de AtividadesGuia de Atividades
Guia de Atividades
 
O Professor, OnLine
O Professor, OnLineO Professor, OnLine
O Professor, OnLine
 
Distancia transacional
Distancia transacionalDistancia transacional
Distancia transacional
 
Dicas para estudar online
Dicas para estudar onlineDicas para estudar online
Dicas para estudar online
 
Pratica2 Portafolio de trabajo | Coursera | Innovación educativa con recursos...
Pratica2 Portafolio de trabajo | Coursera | Innovación educativa con recursos...Pratica2 Portafolio de trabajo | Coursera | Innovación educativa con recursos...
Pratica2 Portafolio de trabajo | Coursera | Innovación educativa con recursos...
 
Coursera-Atividade 1
Coursera-Atividade 1Coursera-Atividade 1
Coursera-Atividade 1
 

Último

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 

Último (20)

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 

Pedagogia autonomia Paulo Freire - Trecho sobre Ética

  • 1. PEDAGOGIA DA AUTONOMIA | Paulo Freire Texto Completo: http://bit.ly/29cS0Ex Gostaria, por outro lado, de sublinhar a nós mesmos, professores e professoras, a nossa responsabilidade ética no exercício de nossa tarefa docente. Sublinhar esta responsabilidade igualmente àquelas e àqueles que se acham em formação para exerce- la. Este pequeno livro se encontra cortado ou permeado em sua totalidade pelo sentido da necessária eticidade que conota expressivamente a natureza da pratica educativa, enquanto prática formadora. Educadores e educandos não podemos, na verdade, escapar à rigorosidade ética. Mas, é preciso deixar claro que a ética de que falo não é a ética menor, restrita, do mercado, que se curva obediente aos interesses do lucro. Em nível internacional começa a aparecer uma tendência em acertar os reflexos cruciais da "nova ordem mundial", como naturais e inevitáveis. Num encontro internacional de ONGs, um dos expositores afirmou estar ouvindo com certa freqüência em países do Primeiro Mundo a idéia de que crianças do Terceiro Mundo, acometidas por doenças como diarréia aguda, não deveriam ser salvas, pois tal recurso só prolongaria uma vida já destinada à miséria e ao sofrimento. Não falo, obviamente, desta ética. Falo, pelo contrário, da ética universal do ser humano. Da ética que condena o cinismo do discurso citado acima, que condena a exploração da força de trabalho do ser humano, que condena acusar por ouvir dizer, afirmar que alguém falou A sabendo que foi dito B, falsear a verdade, iludir o incauto, golpear o fraco e indefeso, soterrar o sonho e a utopia, prometer sabendo que não cumprirá a promessa, testemunhar mentirosamente, falar mal dos outros pelo gosto de falar mal. A ética de que falo é a que se sabe traída e negada nos comportamentos grosseiramente imorais como na perversão hipócrita da pureza em puritanismo. A ética de que falo é a que se sabe afrontada na manifestação discriminatória de raça, de gênero, de classe. É por esta ética inseparável da prática, jovens ou com adultos, que devemos lutar. E a melhor maneira de por ela lutar é vive-la em nossa prática, é testemunhá-la, vivaz, aos educandos em nossas relações com eles. Na maneira como lidamos com os conteúdos que ensinamos, no modo como citamos autores de cuja obra discordamos ou com cuja obra concordamos. Não podemos basear nossa crítica a um autor na leitura feita por cima de uma ou outra de suas obras. Pior ainda, tendo lido apenas a crítica de quem só leu a contracapa de um de seus livros. Posso não aceitar a concepção pedagógica desde ou daquela autora e devo inclusive expor aos alunos as razoes por que me oponho a ela mas, o que não posso, na minha crítica, é mentir. É dizer inverdades em torno deles. O preparo científico do professor ou da professora deve coincidir com sua retidão ética. É uma lástima qualquer descompasso entre aquela e esta.
  • 2. Formação científica, correção ética, respeito aos outros, coerência, não permitir que o nosso mal-estar pessoal ou a nossa antipatia com relação ao outro nos façam acusá-lo do que não fez são obrigações a cujo cumprimento devemos humilde mas perseverantemente nos dedicar. É não só interessante mas profundamente importante que os estudantes percebam as diferenças de compreensão dos fatos, as posições às vezes antagônicas entre professores na apreciação dos problemas e no equacionamento de soluções. Mas é fundamental que percebam o respeito e a lealdade com que um professor analisa e critica as posturas dos outros. De quando em vez, ao longo deste texto, volto a este tema. É que me acho absolutamente convencido da natureza ética da prática educativa, enquanto prática especificamente humana. É que, por outro lado, nos achamos, ao nível do mundo e não apenas do Brasil, de tal maneira submetidos ao comando da malvadez da ética do mercado, que me parece ser pouco tudo o que façamos na defesa e na prática da ética universal do ser humano. Não podemos nos assumir como sujeitos da procura, da decisão, da ruptura, da opção, como sujeitos históricos, transformadores, a não ser assumindo-nos como sujeitos éticos. Neste sentido, a transgressão dos princípios éticos é uma possibilidade mas não é uma virtude. Não podemos aceita-la. Não é possível ao sujeito ético viver sem estar permanentemente exposto á transgressão da ética. Uma de nossas brigas na História, por isso mesmo, é exatamente esta: fazer tudo o que possamos e favor da eticidade, sem cair no moralismo hipócrita, ao gosto reconhecidamente farisaico. Mas, faz parte igualmente desta luta pela eticidade recusar, com segurança, as críticas que vêem na defesa da ética, precisamente a expressão daquele moralismo criticado. Em mim, a defesa da ética jamais significou sua distorção ou negação. Quando, porém, falo da ética universal do ser humano estou falando da ética enquanto marca da natureza humana, enquanto algo absolutamente indispensável à convivência humana. Ao faze-lo estou advertindo das possíveis críticas que, infiéis a meu pensamento, me apontarão como ingênuo e idealista. Na verdade, falo da ética universal do ser humano da mesma forma como falo de sua vocação ontológica para o ser mais, como falo de sua natureza constituindo-se social e historicamente não como um "a priori" da Historia. A natureza que a ontologia cuida se gesta socialmente na Historia. É uma natureza em processo de estar sendo com algumas conotações fundamentais sem as quais não teria sido possível reconhecer a própria presença humana no mundo como
  • 3. algo original e singular. Quer dizer, mais do que um ser no mundo, o ser humano se tornou uma Presença no mundo, com o mundo e com os outros. Presença que, reconhecendo a outra presença como um "não-eu" se reconhece como "si própria". Presença que se pensa a si mesma, que se sabe presença, que intervém, que transforma, que fala do que faz mas também do que sonha, que constata, compara, avalia, valora, que decide, que rompe. E é no domínio da decisão, da avaliação, da liberdade, da ruptura, da opção, que se instaura a necessidade da ética e se impõe a responsabilidade. A ética se torna inevitável e sua transgressão possível é um desvalor, jamais uma virtude.