Florestan fernandes

22.585 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22.585
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17.914
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
111
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Florestan fernandes

  1. 1. Florestan Fernandes A Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica(1975)
  2. 2. Formação do Brasil <ul><li>Capitalismo dependente: relação de dependência econômica e de insuficiente poder sobre o excedente econômico . </li></ul><ul><li>Contribuicao de Marx, Weber e Durkheim para usa análise – heteronomia </li></ul><ul><li>Revelar os padrões de desenvolvimento do país </li></ul><ul><li>Resistências à mudança social </li></ul>
  3. 3. “ nossa maneira de ver as coisas” <ul><li>1) a emergência da “Revolução Burguesa” ; </li></ul><ul><li>2) seus caracteres estruturais e dinâmicas; </li></ul><ul><li>3) os limites, a curto e longo prazo, que parecem confiná-la e reduzir sua eficácia com processo histórico-social construtivo </li></ul>
  4. 4. O Brasil moderno se propunha contra o Brasil arcaico <ul><li>Historia social do Brasil centrada num eixo de referências econômicas e políticas que se propunham contraditória </li></ul><ul><li>Predominância da estrutura social de estamentos e não de classes </li></ul>
  5. 5. Escravidão no Brasil <ul><li>Teria gerado: </li></ul><ul><li>Estrutura social </li></ul><ul><li>Instituições duradouras </li></ul><ul><li>Engendrou mentalidades </li></ul><ul><li>“lógica da dominação burguesa dos grupos oligárquicos dominantes” </li></ul>
  6. 6. Brasil pré-moderno ou pré-capitalista <ul><li>“ Mas um pré-capitalismo que não tem uma indiscutível carga de destino no capitalismo especificamente capitalista, eivado de persistências de uma sociedade ao mesmo tempo estamental e escravista , que reuniu, adaptou e combinou o estamentalismo das sociedades ibéricas e a escravidão.” </li></ul>
  7. 7. Preocupações metodológicas: <ul><li>método de investigação e método de explicação, pesquisa empírica e a interpretação. ( dialética e materialismo histórico) </li></ul><ul><li>Para Florestan, o pensamento se pensa todo o tempo, pois a reflexão crítica deve ser sobre o pensamento e o pensado . </li></ul>
  8. 8. Singularidade Brasileira <ul><li>“ Sua interpretação do processo da lenta e complicada revolução burguesa no Brasil tem um dos seus aspectos mais positivos justamente no distanciamento interpretativo em relação ao marxismo ‘oficial’ do longo período em que trabalhou na produção do livro.(...) se contrapõe firmemente a um certo evolucionismo antidialético que, em nome de Marx, tentava propor uma concepção de historia por etapas inexoráveis, segundo um modelo abstrato de processo histórico. Modelo que correspondia a um etapismo mecanicista que supostamente fora característico da história de países em que o socialismo se implantara”(FERNANDES,2006:18) </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Aliando o rigor metodológico à pesquisa empírica , Florestan Fernandes funda a sociologia critica no Brasil . Inaugurando um novo estilo de pensar a realidade social. </li></ul><ul><li>Valorização da pesquisa empírica como fundamento do conhecimento sociológico: propunha e propõe a extração do máximo de informação sociológica dos casos discretos e dos recortes temáticos limitados. “Era a forte presença da tradição dos estudos de caso como modo de esgotar o objeto, como então se dizia.”(FERNANDES, 2006:14 ) </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Pesquisar: </li></ul><ul><li>CAPAL ( Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe ) no Brasil </li></ul><ul><li>Nacional-desenvolvimentismo no Brasil </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>‘A ANÁLISE DA ‘REVOLUÇÃO BURGUESA’ constitui um tema crucial no estudo sociológico da formação e desenvolvimento do capitalismo no Brasil.”(FERNANDES,2006: 29) </li></ul>
  12. 12. Formação do capitalismo periférico <ul><li>&quot;modelo autocrático-burguês de transformação capitalista&quot;, </li></ul><ul><li>constitui no elemento crucial do modelo interpretativo construído por Florestan para explicar a modalidade específica de modernização capitalista no Brasil </li></ul><ul><li>Impasses e limitações no caso brasileiro derivam do contexto histórioco (papel da contra-revolucao burguesa de 1964) = modernizacao tardia </li></ul>

×