SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Baixar para ler offline

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Maria João Drumond
Fevereiro de 2008

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

GRUPOS DE RISCO? ?

?

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme


leite
materno

HIV/SIDA

esperma
fluidos da vagina

sangue

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

VÍRUS
IMUNO DEFICIÊNCIA
HUMANA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

VÍRUS
IMUNO DEFICIÊNCIA
HUMANA
SEROPOSITIVO

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

A human immunodeficiency viral particle is seen
budding from the infected cell surface at the top, with a
complete viral particle at bottom in this high
magnification electron micrograph.

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

INFECÇÃO PRIMÁRIA - síndrome retrovírico agudo
PERÍODO DE INCUBAÇÃO: 2-4 semanas (até 6 semanas)
SINTOMÁTICA EM 50 a 90% dos casos
SINTOMAS PERSISTEM POR 1 a 4 semanas (em média 2)
Sintomas inespecíficos - dificuldade diagnóstica
febre (96%)
adenopatias (74%)
faringite (70%)
exantema (70%)
mialgias ou artralgias (54%)

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

diarreia e cefaleias (32%)
candidose oral (12%)
meningoencefalite (8%)
neuropatia periférica (8%)

HIV/SIDA

INFECÇÃO PRIMÁRIA - síndrome retrovírico agudo
Formas sintomáticas
Síndrome mononucleósico
Síndrome febril agudo
Síndrome febril exantémico
Meningite aguda
Meningoencefalite aguda
Formas assintomáticas

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Serologia HIV positiva 4-10 semanas após exposição
(≥95% em 6 meses)

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme


PERÍODO DE LATÊNCIA CLÍNICA

HIV/SIDA

ESTABILIZAÇÃO DA CARGA VÍRICA
E DA
CONTAGEM DOS LINFÓCITOS TDC4

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

INFECÇÃO SINTOMÁTICA PRECOCE
PRESENÇA DE SINTOMAS B (não definidores de SIDA)
candidose orofaríngea
herpes zoster
listeriose
purpura trombocitopénica idiopática
neuropatia periférica
febre ou diarreia por mais de um mês
…

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Candidose oral

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

SÍNDROME
IMUNO
DEFICIÊNCIA
ADQUIRIDA
IMUNOSSUPRESSÃO GRAVE

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

SÍNDROME
IMUNO
DEFICIÊNCIA
ADQUIRIDA
DOENTE DE SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Tuberculose pulmonar

HIV/SIDA

Sarcoma de Kaposi

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme


INFECÇÃO AVANÇADA

HIV/SIDA

LINFÓCITOS TDC4 <50/mmc
SOBREVIDA MÉDIA: 12 a 18 meses na ausência de tratamento
anti-retrovírico

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme


ESTADIOS DA INFECÇÃO VIH: história natural

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

1981

médicos em Nova York e Califórnia
observaram agregação de casos de doenças raras em
homens jovens, previamente saudáveis, homossexuais.
Apresentavam dimiuição de linfócitos TDC4
Descrição do Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA)

1983 identificação do HIV-1
1985 primeiro teste de diagnóstico para o HIV-1
1987 primeiro fármaco anti-retrovírico - zidovudina
1996 HAART - highly active antirectroviral therapy

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

1º caso clínico diagnosticado em Outubro de

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

1983

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Os sintomas da SIDA podem demorar até dez
anos para aparecer, por isso não adianta ficar à
espera dos sintomas da SIDA. Se fez sexo sem
preservativo, partilhou seringas com outra
pessoa, faça o teste da SIDA. Quanto mais
cedo for diagnosticada a infecção pelo VIH e
iniciar-se o tratamento adequado, melhor será
sua qualidade de vida.
Mas lembre-se que o teste só deve ser feito
após a "janela imunológica" (até 3 meses após
a exposição), período que o corpo leva para
produzir anticorpos que possam ser detectados.

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

INDICAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE TESTES SEROLÓGICOS

Homossexuais / Heterossexuais
Toxicodependentes
Pessoas com DST
Hemofílicos e transfundidos
Parceiro sexual regular dos grupos anteriores ou com HIV
Mulheres grávidas
Doentes com tuberculose activa
Pós-exposição ocupacional
Profissionais de saúde que realizem manobras de risco
Dadores de sangue, sémen, leite ou órgãos => obrigatório
Pessoas que se considerem em risco ou queiram fazer o teste

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

INDICAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE TESTES SEROLÓGICOS

Linfadenopatia generalizada
Demência inexplicada
Meningite aguda / encefalite
Neuropatia periférica
Febre prolongada
Diarreia
Perda de peso
Doenças que habitualmente complicam a infecção HIV (herpes
mucocutâneo crónico, candidose oral/vaginal recorrente, dermatite
Seborreica…)

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

INDICAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE TESTES SEROLÓGICOS

Herpes zoster generalizado ou atingindo mais do que um
Dermátomo
Infecções oportunistas associadas a deficiência de imunidade
celular - tuberculose entre outras
Pneumonia bacteriana recorrente
Sarcoma de Kaposi
Linfoma de células B
Citopenias inexplicadas
Displasia cervical e carcinoma do colo do útero
…

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme


Anónimo - não é pedido nenhum
dado pessoal (nome, morada, etc.)
ou seja, não é pedido nenhum
documento,
sendo
apenas
atribuído um cartão com um código
de barras que serve para identificar
o utente quando este for levantar o
resultado do teste.

HIV/SIDA

Confidencial
–
todos
os
profissionais têm o dever de
guardar total confidencialidade
sobre os dados obtidos.

Saúde

Gratuito – O atendimento
totalmente
gratuito.
Não
necessária marcação prévia,
atendimento ocorre por ordem
chegada.

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

é
é
o
de


leite
materno

HIV/SIDA

esperma
fluidos da vagina

sangue

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

SEM RISCO

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

RISCO

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

HIV/SIDA

Saúde

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
 
Vih Sida
Vih SidaVih Sida
Vih Sida
 
AIDS
AIDSAIDS
AIDS
 
Herpes vírus e vírus hiv
Herpes vírus e vírus hivHerpes vírus e vírus hiv
Herpes vírus e vírus hiv
 
SIDA
SIDASIDA
SIDA
 
A Sida
A SidaA Sida
A Sida
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Sida 6ano
Sida 6anoSida 6ano
Sida 6ano
 
A sida
A sidaA sida
A sida
 
O Que é A Sida
O Que é A SidaO Que é A Sida
O Que é A Sida
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Aids (hiv)
Aids (hiv)Aids (hiv)
Aids (hiv)
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
Aids - Prevenir é melhor do que remediar!
 
Power Point Sobre A Sida 1
Power Point Sobre A Sida 1Power Point Sobre A Sida 1
Power Point Sobre A Sida 1
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Projeto AIDS - João Victor
Projeto AIDS - João VictorProjeto AIDS - João Victor
Projeto AIDS - João Victor
 
AIDS - The Skeletons
AIDS - The SkeletonsAIDS - The Skeletons
AIDS - The Skeletons
 

Destaque (14)

6 ciclos vida
6 ciclos vida6 ciclos vida
6 ciclos vida
 
7 neuro hormonal2
7 neuro hormonal27 neuro hormonal2
7 neuro hormonal2
 
1 ocupação antrópica
1 ocupação antrópica1 ocupação antrópica
1 ocupação antrópica
 
9 sistemas classificação
9 sistemas classificação9 sistemas classificação
9 sistemas classificação
 
3 crescimento renovação_celular
3 crescimento renovação_celular3 crescimento renovação_celular
3 crescimento renovação_celular
 
4 rochas magmáticas
4 rochas magmáticas4 rochas magmáticas
4 rochas magmáticas
 
2 mitose
2 mitose2 mitose
2 mitose
 
8 fermentação respiração
8 fermentação respiração8 fermentação respiração
8 fermentação respiração
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
 
7 unicelularidade multicelularidade
7 unicelularidade multicelularidade7 unicelularidade multicelularidade
7 unicelularidade multicelularidade
 
1 diversidade biosfera
1 diversidade biosfera1 diversidade biosfera
1 diversidade biosfera
 
5 reprodução sexuada
5 reprodução sexuada5 reprodução sexuada
5 reprodução sexuada
 
8 mecanisnos evolução
8 mecanisnos evolução8 mecanisnos evolução
8 mecanisnos evolução
 
6 hereditariedade
6 hereditariedade6 hereditariedade
6 hereditariedade
 

Semelhante a 4 hiv sida (20)

www.medicinauninter.blogspot.com
www.medicinauninter.blogspot.comwww.medicinauninter.blogspot.com
www.medicinauninter.blogspot.com
 
Medinter
MedinterMedinter
Medinter
 
www.medicinauninter.blogspot.com
www.medicinauninter.blogspot.comwww.medicinauninter.blogspot.com
www.medicinauninter.blogspot.com
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Hiv trabalho prof paulo
Hiv trabalho  prof pauloHiv trabalho  prof paulo
Hiv trabalho prof paulo
 
Resumo tudo sobre AIDS
Resumo tudo sobre AIDSResumo tudo sobre AIDS
Resumo tudo sobre AIDS
 
Patologias e prevenções
Patologias e prevençõesPatologias e prevenções
Patologias e prevenções
 
Cartilha infeccoes sexualmente transmissiveis
Cartilha infeccoes sexualmente transmissiveisCartilha infeccoes sexualmente transmissiveis
Cartilha infeccoes sexualmente transmissiveis
 
Dst
DstDst
Dst
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Power Point Informatica.
Power Point   Informatica.Power Point   Informatica.
Power Point Informatica.
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Primeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VIPrimeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VI
 
DST-AIDS.pptx
DST-AIDS.pptxDST-AIDS.pptx
DST-AIDS.pptx
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosasSociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
 
Aids 1 E
Aids 1 EAids 1 E
Aids 1 E
 

Mais de Maria João Drumond (16)

5 reprodução sexuada
5 reprodução sexuada5 reprodução sexuada
5 reprodução sexuada
 
10 regulação animais
10 regulação animais10 regulação animais
10 regulação animais
 
9 trocas gasosas
9 trocas gasosas9 trocas gasosas
9 trocas gasosas
 
7 transporte animais
7 transporte animais7 transporte animais
7 transporte animais
 
6 transporte plantas
6 transporte plantas6 transporte plantas
6 transporte plantas
 
3 reprodução humana-parte_ii
3 reprodução humana-parte_ii3 reprodução humana-parte_ii
3 reprodução humana-parte_ii
 
4 reprodução assexuada
4 reprodução assexuada4 reprodução assexuada
4 reprodução assexuada
 
1 dna síntese_proteica
1 dna síntese_proteica1 dna síntese_proteica
1 dna síntese_proteica
 
2 reprodução humana-parte_i
2 reprodução humana-parte_i2 reprodução humana-parte_i
2 reprodução humana-parte_i
 
1 saúde individual_comunitária
1 saúde individual_comunitária1 saúde individual_comunitária
1 saúde individual_comunitária
 
5 fotossíntese
5 fotossíntese5 fotossíntese
5 fotossíntese
 
2 base celular_vida
2 base celular_vida2 base celular_vida
2 base celular_vida
 
4 heterotrofia
4 heterotrofia4 heterotrofia
4 heterotrofia
 
3 biomoléculas
3 biomoléculas3 biomoléculas
3 biomoléculas
 
11 catástrofes homem
11 catástrofes homem11 catástrofes homem
11 catástrofes homem
 
10 catástrofes naturais
10 catástrofes naturais10 catástrofes naturais
10 catástrofes naturais
 

Último

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 

Último (20)

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 

4 hiv sida

Notas do Editor

  1. São os 2 símbolos mais associados pelos jovens ao HIV/SIDA… Porquê? Preservativo: diminui o risco de transmissão do HIV Laço vermelho: símbolo da luta contra a SIDA
  2. Faz sentido associar esta imagem à SIDA? Homossexuais (era um dos “grupos” de risco)
  3. Faz sentido associar esta imagem à SIDA? Prostitutas/prostitutos (era um dos “grupos” de risco)
  4. Faz sentido associar esta imagem à SIDA? Toxicodependentes (era um dos “grupos” de risco)
  5. Se no início, quando se começou a falar em SIDA, se falava claramente em “grupos” de risco, hoje em dia, sabemos que, se fossemos a apontar um grupo de risco, esse grupo sería o que está representado aqui… (todos nós - toda a população mundial, independentemente de idade, sexo, raça, profissão, etc)
  6. Faz sentido, numa apresentação sobre HIV/SIDA apresentar imagens como estas? Na realidade, estas são as imagens de abertura do site da coordenação nacional de luta contra a SIDA… Várias idades, várias cores, aspecto saudável… porque é mesmo assim, porque podemos estar infectados com o vírus da SIDA (o HIV) e não estarmos ainda doentes… e no entanto, já podemos transmitir o vírus a outras pessoas…
  7. Longe vão os tempos em que se associavam imagens como esta… Isto é a famosa campanha da benetton, muito elogiada e criticada na altura: por um lado, alertou as pessoas para este problema, por outro, utilizou a imagem da morte de uma pessoa (David) Chamar atenção para o aspecto do doente, característico de quem toma medicação antiretroviral (as “covas” no rosto)
  8. Se em relação à foto do David, ainda há quem possa dizer “era homossexual” “era toxicodependente”, etc… numa tentativa de arranjar “culpas” para a doença, neste caso - todas estas crianças estão infectadas pelo HIV - já ninguém consegue atribuir “culpas”… a única coisa que estas crianças fizeram, o único “grupo” de risco aqui, foi, muito provavelmente, terem nascido…
  9. Então? Podemos falar de “grupos de risco”? NÃO!!! Há, sim, comportamentos de risco, que qualquer pessoa pode ter, ou melhor, deve evitar…
  10. Na realidade, e para alguma “sorte” nossa, o vírus da SIDA não é resistente fora de determinados meios… ele “sobrevive” apenas em 4 fluídos: sangue, leite materno, esperma e fluidos da vagina. Ou seja, só se transmite se entrarmos em contacto com estes fluidos (de pessoas infectadas).
  11. Afinal, o que significa HIV (em inglês) ou VIH (em português)…
  12. Quando uma pessoa está infectada com este vírus, diz-se que é: SEROPOSITIVA Não está ainda doente, não tem SIDA, é portadora do vírus, pode transmitir o vírus a outras pessoas, e pode ficar assim - seropositiva - vários anos…
  13. Existe, que se saiba, o HIV-1 e o HIV-2, e cada um deles, tem muitos sub-tipos… aqui, estão apenas os sub-tipos do HIV-1… esta grande diversidade é um dos factores que torna tão difícil a descoberta de uma vacina para o HIV… aliás, apesar de se estar a tentar produzir uma vacina, não está previsto que a ciência encontre uma resposta na próxima década… Nota: é, por exemplo, possivel que uma pessoa já infectada com um sub-tipo, sofra uma 2ª infecção com outro sub-tipo, e assim piore o seu estado de saúde, ou complique o tratamento…
  14. A “bola” grande, representa um glóbulo branco (um linfócito T CD4), dentro dele, uma “bola” mais pequena a representar o núcleo do linfócito e o material genético… se acompanharmos as setinhas, vê-se o HIV a entrar no glóbulo branco e a utilizar o nosso material genético para se reproduzir… destruindo assim os nossos linfícitos T CD4…
  15. Foto, absolutamente espectacular, do momento em que o HIV sai do linfócito…
  16. Chamar a atenção para o facto de os primeiros sintomas serem muito inespecíficos… podemos ter sintomatologia desta, associada a qualquer outra coisa que não está em nada relacionada com a infecção pelo HIV..
  17. Podemos detectar a infecção por análise ao sangue cerca de 4-10 semanas após, mas a maioria só passados cerca de 6 meses…
  18. Depois de estarmos infectados, há um período de latência em que se verifica estabilização da carga vírica e dos linfócitos
  19. Podemos aproveitar aqui para alertar para o facto de a candidose ser uma infecção sexualmente transmissível, mas não só… é muito frequente em pessoas que estão debilitadas (particularmente nas crianças e idosos) - chama-se vulgarmente de “sapinhos”… é tb muito vulgar em pessoas que fazem tratamento com um antibiótico (como este destrói as bactérias, fica mais “espaço” para este fungo se desenvolver). É comum na boca e na zona genital… quando surge no esófago, no entanto, não deixa margem para dúvidas em relação ao HIV.
  20. Quando a contagem de linfócitos TCD4 é muito baixa, e a carga viral muito elevada, a pessoa está imunodeprimida, e altamente susceptível a doenças “oportunistas”. Passa a estar doente…
  21. Deixa de se chamar “seropositivo” e passa a ser um “doente de SIDA”
  22. Uma das doenças oportunistas mais comuns…
  23. Outra doença oportunista de algum modo característica…
  24. Quando a contagem de linfócitos TCD4 é muito baixinha, a pessoa só dura, sem tratamento antiretroviral, cerca de 1 ano a ano e meio
  25. Notar a linha azul (linfócitos) a diminuir até à morte Notar a linha vermelha (carga viral) a aumentar em flecha nas semanas após a infecção, e a ter um novo pico antes da morte. Notar o período de latência referido anteriormente…
  26. Não há cura… mas há medicação antiretroviral, que pode fazer com que a pessoa viva (apesar de continuar a poder transmitir o vírus, e a ter problemas com as doenças oportunistas) As duas mãos de cima representam +- o que um doente de SIDA tinha que tomar por dia!!!! Tratamento muito complicado de seguir, e altamente incompatível com uma vida “normal” Hoje, a HAART, a medicação utilizada já há cerca de 10 anos, é bastante mais simples de seguir, embora continue a ser “dura” em termos de efeitos secundários..
  27. História da SIDA
  28. Entre nós, o primeiro caso diagnosticado, nao certamente o 1º que tivemos, mas o 1º diagnosticado.
  29. Só há mesmo uma maneira de saber…
  30. Único obrigatório: dadores de sangue, de sémen ou de órgãos… No entanto, a mulheres grávidas, informa-se e faz-se sempre… não é normal haver recusa, porque bem informadas, as mulheres percebem que, se estiverem infectadas, e se souber, pode-se tentar salvar a criança… Inicia-se terapia, e faz-se cesariana, e aquele bebé não pode mamar… As grávidas fazem 3x o teste, 1º trimestre, 2º trimestre e antes do parto. Em alguns países africanos em vias de desenvolvimento, não há cesarianas (nem sequer há anestesias) e não há dinheiro para leite de farmácia… por isso, na maioria das vezes, entre a criança morrer em pouco tempo com diarreia devido a infecções transmitidas pelos alimentos/água, ou arriscar a infecção por HIV, opta-se pela 2ª, e as crianças mamam…
  31. Hoje, os testes fazem-se de forma simples, com um sistema parecido com o que os diabéticos usam, e o resultado pode-se saber em cerca de 15 a 20 min.
  32. Onde nos podemos dirigir para fazer o teste… CAD
  33. Relembrando… o vírus só “sobrevive” nestes 4 meios… Por isso, só se transmite em contacto com esses meios.
  34. Alertar para o preservativo: não é na realidade um método “sem risco”, mas é um método “mais seguro”… Os mosquitos costumam ser uma dúvida… mas não há mistura do sangue que o mosquito já sugou, com o da pessoa que ele vai picar depois…
  35. A título de curiosidade: pessoas infectadas em 2006
  36. Pessoas a receber tratamento antiretroviral… Notar o “desnivel”
  37. Últimas mensagens: Não esquecer que este vírus não escolhe idades, sexos, crenças ou raças Não esquecer também que tocar e acarinhar um seropositivo ou um doente de SIDA não comporta riscos…
  38. É sabido que todos os anos líderes mundiais se ocupam a discutir campanhas de prevenção, metas, objectivos, mecanismos de protecção… Quando no entanto essas reuniões de pouco servem se…
  39. Se não formos nós a tomar uma atitude… E essa atitude não passa por usar o laço vermelho a mostrar que nos preocupamos
  40. Não interessa pensarmos que as campanhas estão bem feitas, que a mensagem pode ser determinante…
  41. Nada disto faz sentido, se não adoptarmos comportamentos assertivos…
  42. A mensagem final: Esta campanha espanhola diz tudo… Km de compromisso… de cada um de nós… em respeitarmo-nos e respeitarmos os outros…