SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia
Estado Novo
1
1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia
As principais razões que levaram à Revolução Republicana e queda da monarquia
foram:
 Apesar do desenvolvimento industrial verificado na 2ª metade do século XIX,
grande parte da população portuguesa continuava a trabalhar na agricultura;
 Os maiores centros fabris localizavam-se nas regiões de Lisboa e do Porto;
 O país tinha muitas dívidas;
 Grande agitação e falta de liberdade;
 Descontentamento social.
Estas razões levaram a que em 1876 se formasse o Partido Republicano Português,
que propunha a substituição da Monarquia pela República. Este partido tinha como
principais apoiantes Teófilo Braga, Ramalho Ortigão e Guerra Junqueiro, e defendia o
regime republicano como garantia de liberdade e democracia e culpava a monarquia pela
crise em que o país vivia.
Em 1886, outro acontecimento viria a contribuir para que aumentasse o
descontentamento do povo português – o Mapa cor-de-rosa-, mapa que pretendia unir os
territórios entre Angola e Moçambique (Figura 1). A Inglaterra opôs-se ao mapa, uma vez
que o Mapa Cor-de-rosa interferia com o seu projecto de unir as cidades do Cairo e do
Cabo (Colosso de Rhodes), e por isso enviou um ultimato a Portugal (1890), em que exigia
que os portugueses abandonassem esses territórios, caso contrário declararia guerra a
Portugal. O rei D. Carlos aceitou a exigência dos ingleses, deixando o país numa situação
humilhante, o que provocou muito desagrado entre os portugueses.
Figura 1 – Mapa cor-de-rosa.
[Fonte: Adaptado de Maurício, A., 2011].
História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia
Estado Novo
2
No dia 31 de Janeiro de 1891 ocorre a 1ª revolta armada contra a monarquia, no
Porto, tentativa que foi falhada, uma vez que as forças policiais leais ao regime agiram
rapidamente.
Após esta tentativa de acabar com o regime o rei D. Carlos mandou dissolver o
parlamento e pôs no poder João Franco que passou a governar de forma ditatorial (1906).
No dia 1 de Fevereiro de 1908 ocorre, em Lisboa, o regicídio – atentado que levou
à morte do rei D. Carlos I e do príncipe herdeiro D. Luís Filipe. Sobe ao trono D. Manuel
II que viria a ser o último rei em Portugal, governando entre 1908 e 1910. Este demitiu
João Franco e restabeleceu as instituições democráticas, porém não conseguiu recuperar o
apoio do povo português.
No dia 5 de Outubro de 1910 ocorre a Implantação da República em Portugal, a
partir da varanda do edifício da Câmara Municipal de Lisboa. Cria-se um governo
provisório, presidido pelo Dr. Teófilo Braga. Este governo toma várias medidas como:
 Adoção de uma nova bandeira;
 O hino nacional passa a ser “A Portuguesa”;
 Substituição do real pelo escudo.
Figura 2 – Novos símbolos da República – o hino nacional e a bandeira.
Em 1911, o governo provisório organizou eleições para formar a Assembleia
Constituinte, que organizou a nova constituição - Constituição de 1911, sendo Manuel de
Arriaga eleito pelo povo como o 1º Presidente da República.
A Constituição Republicana tomou várias medidas como:
História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia
Estado Novo
3
 Separação dos poderes – legislativo (parlamento ou congresso da república),
executivo (Presidente da República e governo), judicial (tribunais);
 Liberdade de expressão;
 Igualdade perante a lei;
 Igualdade entre filhos legítimos e ilegítimos.
Reformas no Ensino:
 Criação do ensino infantil para crianças dos 4 aos 7 anos;
 Obrigatoriedade e ensino gratuito para crianças entre os 7 e os 10 anos;
 Criação de Institutos Superiores de Ensino Técnico;
 Criação das Universidades de Lisboa e Porto e reforma da Universidade de
Coimbra;
 Criação de jardins-escola.
No trabalho:
 Direito à greve;
 Direito a 8 horas de trabalho diário e a um dia de descanso semanal;
 Criação de um seguro obrigatório para a doença, velhice e acidentes de trabalho.
Mas as políticas liberais fracassaram, muito em parte devido aos seguintes fatores:
 Descontentamento da igreja;
 Desacordos e rivalidades dentro do Partido Republicano e que levaram a que este se
fragmentasse, formando-se novos partidos políticos;
 Entrada na 1ª Grande Guerra Mundial em 1916, em que Portugal entrou como
aliado da Inglaterra.
Nem o facto de Portugal ter saído vitorioso deste conflito fez com que o
descontentamento do povo português diminuísse, uma vez que a entrada neste conflito
trouxe consequências como:
 Desvalorização da moeda como consequência do aumento do preço dos bens
essenciais;
 Aumento da dívida externa;
 Despesas superiores às receitas;
 Aumento de greves e de revoltas.
História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia
Estado Novo
4
Estes fatores levaram a uma instabilidade governativa entre 1910 e 1926. No dia 28
de Maio de 1926, uma ação militar chefiada pelo General Gomes da Costa põe fim à 1ª
República, mas a instabilidade política manteve-se até 1928, altura em que o general Óscar
Carmona é eleito Presidente da República e chama António de Oliveira Salazar para
ministro das Finanças (Figura 3). Estava aberto o caminho para o Estado Novo.
Figura 3 – António de Oliveira Salazar.
[Fonte: Adaptado de Santos, M., 2013].
Enquanto ministro das Finanças, António de Oliveira Salazar consegue eliminar o
défice financeiro, através de uma política de austeridade (aumento de impostos e redução
das despesas), e por isso foi nomeado como Presidente do Conselho de Ministros, cargo
que desempenhou de 1932 até 1968, passando a governar de uma forma ditatorial -
Salazarismo.
2. Os anos da ditadura – Estado Novo
2.1. O Estado Novo
Entre 1926 e 1933 vigorou em Portugal uma ditadura militar. Em 1933 foi
promulgada uma nova Constituição, que Salazar não respeitou, concentrando em si todos
os poderes - começava assim o Estado Novo.
O Estado Novo é o nome dado a um regime político autoritário e corporativista
que vigorou em Portugal entre 1933 e 1974, quando foi derrubado pela revolução do 25 de
Abril.
Este regime foi um regime totalitário, na medida em que o governador/líder detinha
História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia
Estado Novo
5
em si todos os poderes, decretava leis e tomava decisões políticas e económicas de acordo
com a sua vontade. Recorria a uma polícia política repressiva e controlava o sistema
educacional. As liberdades individuais como a liberdade de expressão, de imprensa, o
direito à greve, foram restringidas. Salazar como Presidente do Conselho tinha mais poder
que o Presidente da República.
O Estado Novo tinha como principais características (Figura 4):
Figura 4 – Características do Estado Novo.
[Fonte: Adaptado de Almeida, J., 2009].
 Militarismo – Salazar criou organizações fascistas que tinham como objetivo
defender o regime salazarista e combater o comunismo. Uma dessas organizações
comunistas criada foi a Legião Portuguesa.
 Nacionalismo – outra organização criada durante o regime do Estado Novo foi a
Mocidade Portuguesa, organização juvenil que procurava desenvolver a devoção à pátria, o
respeito pela ordem, o culto do chefe e o espírito militar. Era obrigatória para todos os
jovens os 11 aos 14 anos.
 Censura – outra caraterística do Estado Novo era a censura à imprensa, instaurada
em 1926. Era aplicada a todos os meios de comunicação como o teatro, a rádio, a televisão
e o cinema, com o objetivo de evitar qualquer tipo de crítica ao Estado novo. Era apelidada
de “Lápis Azul”.
 Polícia política – a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (P.I.D.E.), assim
chamada a partir de 1945, foi criada em 1933, e recorria a tortura física e psicológica.
Enviou vários presos políticos para prisões (como a de Peniche) e campos de deportação
Estado Novo
Imperialismo
Corporativismo
Ideologia oficial
Colonialismo
Totalitarismo
Autoritarismo
Culto da personalidade
Militarismo
Nacionalismo
História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia
Estado Novo
6
(como o do Tarrafal em Cabo Verde), fazendo assim várias vítimas mortais e milhares de
prisioneiros.
 Corporativismo – durante o Estado Novo criaram-se sindicatos nacionais para
funcionários e patrões, como as Casas do Povo, Uniões Rurais de patrões e trabalhadores, e
as Casas dos Pescadores, Associações de Gentes do Mar e seus empresários. Estes
sindicatos tinham como objetivo melhorar as condições de vida.
 Colonialismo – durante o Estado Novo Portugal possuía ainda as colonias de
Angola, Moçambique e de Guiné-Bissau. Estas colónias eram um local de escoamento de
produtos excedentes e eram ricas em matérias-primas. Em 1930 foi implementado o Acto
Colonial, que reforçava a defesa do império e a defesa da nação;
 Existia somente um partido político designado de União Nacional.
2.2. O Estado Novo e as obras públicas
Entre 1939 e 1945 ocorreu a 2ª Guerra Mundial em que Portugal não participou. Esta
neutralidade permitiu a Portugal aumentar as exportações para os países em guerra, o que
aumentou as reservas em ouro do Banco de Portugal. Parte das receitas obtidas foram
aplicadas na construção de obras públicas, como:
 pontes (exemplo: ponte sobre o Tejo, mais tarde chamada de ponte de 25 de Abril);
 estradas;
 aeroportos,
 barragens hidroeléctricas (exemplo: barragem de Castelo de Bode);
 grandes edifícios públicos como tribunais, estações de correio;
 hospitais como o hospital de Santa Maria;
 escolas primárias, liceus, universidade;
 intensificou-se a industrialização do País;
 desenvolvimento do turismo.
3. A Guerra Colonial
A Guerra Colonial ou Guerra do Ultramar (1961-1974) é uma designação dada ao
período de confrontos entre as Forças Armadas Portuguesas e as antigas colónias
ultramarinas de Angola, Guiné-Bissau e Moçambique, que levou à independência destas
História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia
Estado Novo
7
em 1974.
Figura 5 – A Guerra Colonial
4. O 25 de Abril e a Construção da Democracia
Os acontecimentos que ocorreram na madrugada de 24 de Abril são designados por
Revolução dos Cravos, uma vez que o golpe de Estado que derrubou o governo ditatorial
foi feito sem o derramamento de sangue, ou seja, sem o recurso a armas (Figura 6). O
golpe militar que conduziu ao 25 de Abril foi efectuado por um grupo de militares que se
intitulava de Movimento de Forças Armadas (MFA). As principais motivações deste
grupo de militares eram:
 A oposição ao regime ditatorial;
 O desejo de liberdade;
 O descontentamento devido ao desgaste provocado pela Guerra Colonial, que
tornou as condições de vida dos portugueses ainda piores.
Assim, na madrugada do dia 24 de Abril de 1974, uma canção emitida pela Rádio
Renascença (a “emissora da liberdade”), serviu de aviso de que a revolução iria ter início.
Derrubado o governo, era necessário tomar medidas, que foram:
 O fim da polícia política (PIDE);
 Libertação de todos os presos políticos;
 Fim da censura;
 Demissão do Presidente da República e do Primeiro-Ministro Marcelo Caetano
(que substituiu António Salazar em 1968);
 Direito ao voto – todos os indivíduos com idade superior a 18 anos podiam votar -
as primeiras eleições livres decorreram em 25 de Abril de 1975;
História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia
Estado Novo
8
 Reconhecimento da Independência das Colónias Portuguesas de Angola, Guiné-
Bissau e Moçambique (descolonização).
Figura 6 – A Revolução dos Cravos.
A assembleia formada pelos primeiros deputados, eleitos após o 25 de Abril,
elaborou a Constituição de 1976. Esta apresentava como direitos e deveres:
 Direito ao voto;
 Direito ao trabalho;
 Liberdade sindical;
 Liberdade de expressão e de informação.
História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia
Estado Novo
9
Referências Bibliográficas
 http://www.slideshare.net/almauric/1republica-6870056
 http://www.slideshare.net/Maria-santos/a-queda-da-monarquia-17081041
 http://www.slideshare.net/abaj/escola-se
 http://www.slideshare.net/jorgediapositivos/salazar-e-o-estado-novo-1324330
 http://www.prof2000.pt/users/maria_soa/obras%20salazar.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

HistóRia 1ª Republica
HistóRia 1ª RepublicaHistóRia 1ª Republica
HistóRia 1ª Republica
crie_historia9
 
O Golpe Militar De 28 De Maio De 1926 @@
O Golpe Militar De 28 De Maio De 1926 @@O Golpe Militar De 28 De Maio De 1926 @@
O Golpe Militar De 28 De Maio De 1926 @@
bestclass6c2011
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
cattonia
 
5º O fim da 1ª República e a Ditadura Militar
5º O fim da 1ª República e a Ditadura Militar5º O fim da 1ª República e a Ditadura Militar
5º O fim da 1ª República e a Ditadura Militar
Básicas ou Secundárias
 
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militarPortugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
Joao Bernardo Santos
 
Do Golpe Militar Ao Estado Novo
Do Golpe Militar Ao Estado NovoDo Golpe Militar Ao Estado Novo
Do Golpe Militar Ao Estado Novo
jdlimaaear
 
1ªRepublica Portuguesa
1ªRepublica Portuguesa1ªRepublica Portuguesa
1ªRepublica Portuguesa
crie_historia9
 

Mais procurados (19)

1ª república
1ª república1ª república
1ª república
 
HistóRia 1ª Republica
HistóRia 1ª RepublicaHistóRia 1ª Republica
HistóRia 1ª Republica
 
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluçõesB.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluções
 
O Golpe Militar De 28 De Maio De 1926 @@
O Golpe Militar De 28 De Maio De 1926 @@O Golpe Militar De 28 De Maio De 1926 @@
O Golpe Militar De 28 De Maio De 1926 @@
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
 
A república portuguesa
A república portuguesaA república portuguesa
A república portuguesa
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
República Portuguesa
República PortuguesaRepública Portuguesa
República Portuguesa
 
Iconografia da i república
Iconografia da i repúblicaIconografia da i república
Iconografia da i república
 
A Queda da primeira república
A Queda da primeira república A Queda da primeira república
A Queda da primeira república
 
5º O fim da 1ª República e a Ditadura Militar
5º O fim da 1ª República e a Ditadura Militar5º O fim da 1ª República e a Ditadura Militar
5º O fim da 1ª República e a Ditadura Militar
 
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militarPortugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
 
1ª RepúBlica
1ª RepúBlica1ª RepúBlica
1ª RepúBlica
 
Do Golpe Militar Ao Estado Novo
Do Golpe Militar Ao Estado NovoDo Golpe Militar Ao Estado Novo
Do Golpe Militar Ao Estado Novo
 
1ªRepublica Portuguesa
1ªRepublica Portuguesa1ªRepublica Portuguesa
1ªRepublica Portuguesa
 
Crise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da MonarquiaCrise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da Monarquia
 
Queda da monarquia
Queda da monarquiaQueda da monarquia
Queda da monarquia
 
Módulo 8 - Portugal e o Mundo da II Guerra Mundial ao início da década de XX
Módulo 8 - Portugal e o Mundo da II Guerra Mundial ao início da década de XXMódulo 8 - Portugal e o Mundo da II Guerra Mundial ao início da década de XX
Módulo 8 - Portugal e o Mundo da II Guerra Mundial ao início da década de XX
 
Iconografia Da RepúBlica Beatriz
Iconografia Da RepúBlica   BeatrizIconografia Da RepúBlica   Beatriz
Iconografia Da RepúBlica Beatriz
 

Semelhante a Arevolucaorepublicanaeaquedadamonarquia

Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
guest600ffe1
 
Republicarubenleandro 100607164858-phpapp02-1
Republicarubenleandro 100607164858-phpapp02-1Republicarubenleandro 100607164858-phpapp02-1
Republicarubenleandro 100607164858-phpapp02-1
Li Tagarelinhas
 
Republica ruben leandro
Republica ruben leandroRepublica ruben leandro
Republica ruben leandro
eb23ja
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlicaDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica
Minokitas 1
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
filipafonso
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
filipafonso
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
oliviaguerra
 
1ª Republica De Portugal
1ª Republica De Portugal1ª Republica De Portugal
1ª Republica De Portugal
crie_historia9
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
Armin Caldas
 
A revolução repúblicana
A revolução repúblicanaA revolução repúblicana
A revolução repúblicana
eb23ja
 
Da queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da República
guesta40f44
 

Semelhante a Arevolucaorepublicanaeaquedadamonarquia (20)

1.ª Republica
1.ª Republica 1.ª Republica
1.ª Republica
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
 
Republicarubenleandro 100607164858-phpapp02-1
Republicarubenleandro 100607164858-phpapp02-1Republicarubenleandro 100607164858-phpapp02-1
Republicarubenleandro 100607164858-phpapp02-1
 
Republica ruben leandro
Republica ruben leandroRepublica ruben leandro
Republica ruben leandro
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlicaDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica
 
Aquedadamonarquia 1ªrepublica hgp2015
Aquedadamonarquia 1ªrepublica hgp2015Aquedadamonarquia 1ªrepublica hgp2015
Aquedadamonarquia 1ªrepublica hgp2015
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
 
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
 
43 da queda da monarquia à implantação da república
43   da queda da monarquia à implantação da república43   da queda da monarquia à implantação da república
43 da queda da monarquia à implantação da república
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
 
1republica
1republica1republica
1republica
 
1republica
1republica1republica
1republica
 
1ª Republica De Portugal
1ª Republica De Portugal1ª Republica De Portugal
1ª Republica De Portugal
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
A revolução repúblicana
A revolução repúblicanaA revolução repúblicana
A revolução repúblicana
 
Dificuldade Da 1ªRepublica
Dificuldade Da 1ªRepublicaDificuldade Da 1ªRepublica
Dificuldade Da 1ªRepublica
 
Caderno Diário 1ª República
Caderno Diário 1ª RepúblicaCaderno Diário 1ª República
Caderno Diário 1ª República
 
Da queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da República
 

Mais de Marta Pereira

APznzaZFG87UH4DK1dmFu1hma-uc6QYN_U3-_n__kLSmDM1I-rhoFYH48P799NuFaDaNCx3MyTBA6...
APznzaZFG87UH4DK1dmFu1hma-uc6QYN_U3-_n__kLSmDM1I-rhoFYH48P799NuFaDaNCx3MyTBA6...APznzaZFG87UH4DK1dmFu1hma-uc6QYN_U3-_n__kLSmDM1I-rhoFYH48P799NuFaDaNCx3MyTBA6...
APznzaZFG87UH4DK1dmFu1hma-uc6QYN_U3-_n__kLSmDM1I-rhoFYH48P799NuFaDaNCx3MyTBA6...
Marta Pereira
 
APznzaZ5BjJ7j_U8uBQxkpcE9J6JJJeWLG1VcgFMfG8IDRnwj7ixi6mnrWzW__ko4XsATp11G5G6G...
APznzaZ5BjJ7j_U8uBQxkpcE9J6JJJeWLG1VcgFMfG8IDRnwj7ixi6mnrWzW__ko4XsATp11G5G6G...APznzaZ5BjJ7j_U8uBQxkpcE9J6JJJeWLG1VcgFMfG8IDRnwj7ixi6mnrWzW__ko4XsATp11G5G6G...
APznzaZ5BjJ7j_U8uBQxkpcE9J6JJJeWLG1VcgFMfG8IDRnwj7ixi6mnrWzW__ko4XsATp11G5G6G...
Marta Pereira
 

Mais de Marta Pereira (20)

o estranhão.pptx
o estranhão.pptxo estranhão.pptx
o estranhão.pptx
 
Desigualdade de Gênero(Cidadania).pptx
Desigualdade de Gênero(Cidadania).pptxDesigualdade de Gênero(Cidadania).pptx
Desigualdade de Gênero(Cidadania).pptx
 
207737015-Ficha-de-gramatica-de-frances-7º-ano.docx
207737015-Ficha-de-gramatica-de-frances-7º-ano.docx207737015-Ficha-de-gramatica-de-frances-7º-ano.docx
207737015-Ficha-de-gramatica-de-frances-7º-ano.docx
 
FRANCÊS-7ºB (1).pdf
FRANCÊS-7ºB (1).pdfFRANCÊS-7ºB (1).pdf
FRANCÊS-7ºB (1).pdf
 
239308195-Teste-1º-2013-7º-Ano-FRANCES-7º-A.pdf
239308195-Teste-1º-2013-7º-Ano-FRANCES-7º-A.pdf239308195-Teste-1º-2013-7º-Ano-FRANCES-7º-A.pdf
239308195-Teste-1º-2013-7º-Ano-FRANCES-7º-A.pdf
 
APznzaZFG87UH4DK1dmFu1hma-uc6QYN_U3-_n__kLSmDM1I-rhoFYH48P799NuFaDaNCx3MyTBA6...
APznzaZFG87UH4DK1dmFu1hma-uc6QYN_U3-_n__kLSmDM1I-rhoFYH48P799NuFaDaNCx3MyTBA6...APznzaZFG87UH4DK1dmFu1hma-uc6QYN_U3-_n__kLSmDM1I-rhoFYH48P799NuFaDaNCx3MyTBA6...
APznzaZFG87UH4DK1dmFu1hma-uc6QYN_U3-_n__kLSmDM1I-rhoFYH48P799NuFaDaNCx3MyTBA6...
 
APznzaZ5BjJ7j_U8uBQxkpcE9J6JJJeWLG1VcgFMfG8IDRnwj7ixi6mnrWzW__ko4XsATp11G5G6G...
APznzaZ5BjJ7j_U8uBQxkpcE9J6JJJeWLG1VcgFMfG8IDRnwj7ixi6mnrWzW__ko4XsATp11G5G6G...APznzaZ5BjJ7j_U8uBQxkpcE9J6JJJeWLG1VcgFMfG8IDRnwj7ixi6mnrWzW__ko4XsATp11G5G6G...
APznzaZ5BjJ7j_U8uBQxkpcE9J6JJJeWLG1VcgFMfG8IDRnwj7ixi6mnrWzW__ko4XsATp11G5G6G...
 
caractc3a9risation-physique (1).docx
caractc3a9risation-physique (1).docxcaractc3a9risation-physique (1).docx
caractc3a9risation-physique (1).docx
 
3º_ciclo_-_propriedades_físico-químicas_da_Água.pptx
3º_ciclo_-_propriedades_físico-químicas_da_Água.pptx3º_ciclo_-_propriedades_físico-químicas_da_Água.pptx
3º_ciclo_-_propriedades_físico-químicas_da_Água.pptx
 
B.2.1 ficha informativa o golpe militar de 28 de maio
B.2.1 ficha informativa   o golpe militar de 28 de maioB.2.1 ficha informativa   o golpe militar de 28 de maio
B.2.1 ficha informativa o golpe militar de 28 de maio
 
B.2.3 ficha informativa a oposição ao estado novo
B.2.3 ficha informativa   a oposição ao estado novoB.2.3 ficha informativa   a oposição ao estado novo
B.2.3 ficha informativa a oposição ao estado novo
 
B.2.4 ficha informativa a guerra colonial
B.2.4 ficha informativa   a guerra colonialB.2.4 ficha informativa   a guerra colonial
B.2.4 ficha informativa a guerra colonial
 
B.2.4 ficha informativa a guerra colonial (1)
B.2.4 ficha informativa   a guerra colonial (1)B.2.4 ficha informativa   a guerra colonial (1)
B.2.4 ficha informativa a guerra colonial (1)
 
B.2.4 ficha informativa a guerra colonial (2)
B.2.4 ficha informativa   a guerra colonial (2)B.2.4 ficha informativa   a guerra colonial (2)
B.2.4 ficha informativa a guerra colonial (2)
 
B.2 teste diagnóstico o estado novo (2)
B.2 teste diagnóstico   o estado novo (2)B.2 teste diagnóstico   o estado novo (2)
B.2 teste diagnóstico o estado novo (2)
 
B.2 teste diagnóstico o estado novo (2) - soluções
B.2 teste diagnóstico   o estado novo (2) - soluçõesB.2 teste diagnóstico   o estado novo (2) - soluções
B.2 teste diagnóstico o estado novo (2) - soluções
 
B.2 teste diagnóstico o estado novo (2) - soluções (1)
B.2 teste diagnóstico   o estado novo (2) - soluções (1)B.2 teste diagnóstico   o estado novo (2) - soluções (1)
B.2 teste diagnóstico o estado novo (2) - soluções (1)
 
ficha advérbios português 6º ano
ficha advérbios português 6º anoficha advérbios português 6º ano
ficha advérbios português 6º ano
 
ficha advérbios português 6º ano
ficha advérbios português 6º anoficha advérbios português 6º ano
ficha advérbios português 6º ano
 
Teste ciencias 6_ano_alimentacao_e_sistema_digestivo
Teste ciencias 6_ano_alimentacao_e_sistema_digestivoTeste ciencias 6_ano_alimentacao_e_sistema_digestivo
Teste ciencias 6_ano_alimentacao_e_sistema_digestivo
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 

Arevolucaorepublicanaeaquedadamonarquia

  • 1. História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia Estado Novo 1 1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia As principais razões que levaram à Revolução Republicana e queda da monarquia foram:  Apesar do desenvolvimento industrial verificado na 2ª metade do século XIX, grande parte da população portuguesa continuava a trabalhar na agricultura;  Os maiores centros fabris localizavam-se nas regiões de Lisboa e do Porto;  O país tinha muitas dívidas;  Grande agitação e falta de liberdade;  Descontentamento social. Estas razões levaram a que em 1876 se formasse o Partido Republicano Português, que propunha a substituição da Monarquia pela República. Este partido tinha como principais apoiantes Teófilo Braga, Ramalho Ortigão e Guerra Junqueiro, e defendia o regime republicano como garantia de liberdade e democracia e culpava a monarquia pela crise em que o país vivia. Em 1886, outro acontecimento viria a contribuir para que aumentasse o descontentamento do povo português – o Mapa cor-de-rosa-, mapa que pretendia unir os territórios entre Angola e Moçambique (Figura 1). A Inglaterra opôs-se ao mapa, uma vez que o Mapa Cor-de-rosa interferia com o seu projecto de unir as cidades do Cairo e do Cabo (Colosso de Rhodes), e por isso enviou um ultimato a Portugal (1890), em que exigia que os portugueses abandonassem esses territórios, caso contrário declararia guerra a Portugal. O rei D. Carlos aceitou a exigência dos ingleses, deixando o país numa situação humilhante, o que provocou muito desagrado entre os portugueses. Figura 1 – Mapa cor-de-rosa. [Fonte: Adaptado de Maurício, A., 2011].
  • 2. História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia Estado Novo 2 No dia 31 de Janeiro de 1891 ocorre a 1ª revolta armada contra a monarquia, no Porto, tentativa que foi falhada, uma vez que as forças policiais leais ao regime agiram rapidamente. Após esta tentativa de acabar com o regime o rei D. Carlos mandou dissolver o parlamento e pôs no poder João Franco que passou a governar de forma ditatorial (1906). No dia 1 de Fevereiro de 1908 ocorre, em Lisboa, o regicídio – atentado que levou à morte do rei D. Carlos I e do príncipe herdeiro D. Luís Filipe. Sobe ao trono D. Manuel II que viria a ser o último rei em Portugal, governando entre 1908 e 1910. Este demitiu João Franco e restabeleceu as instituições democráticas, porém não conseguiu recuperar o apoio do povo português. No dia 5 de Outubro de 1910 ocorre a Implantação da República em Portugal, a partir da varanda do edifício da Câmara Municipal de Lisboa. Cria-se um governo provisório, presidido pelo Dr. Teófilo Braga. Este governo toma várias medidas como:  Adoção de uma nova bandeira;  O hino nacional passa a ser “A Portuguesa”;  Substituição do real pelo escudo. Figura 2 – Novos símbolos da República – o hino nacional e a bandeira. Em 1911, o governo provisório organizou eleições para formar a Assembleia Constituinte, que organizou a nova constituição - Constituição de 1911, sendo Manuel de Arriaga eleito pelo povo como o 1º Presidente da República. A Constituição Republicana tomou várias medidas como:
  • 3. História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia Estado Novo 3  Separação dos poderes – legislativo (parlamento ou congresso da república), executivo (Presidente da República e governo), judicial (tribunais);  Liberdade de expressão;  Igualdade perante a lei;  Igualdade entre filhos legítimos e ilegítimos. Reformas no Ensino:  Criação do ensino infantil para crianças dos 4 aos 7 anos;  Obrigatoriedade e ensino gratuito para crianças entre os 7 e os 10 anos;  Criação de Institutos Superiores de Ensino Técnico;  Criação das Universidades de Lisboa e Porto e reforma da Universidade de Coimbra;  Criação de jardins-escola. No trabalho:  Direito à greve;  Direito a 8 horas de trabalho diário e a um dia de descanso semanal;  Criação de um seguro obrigatório para a doença, velhice e acidentes de trabalho. Mas as políticas liberais fracassaram, muito em parte devido aos seguintes fatores:  Descontentamento da igreja;  Desacordos e rivalidades dentro do Partido Republicano e que levaram a que este se fragmentasse, formando-se novos partidos políticos;  Entrada na 1ª Grande Guerra Mundial em 1916, em que Portugal entrou como aliado da Inglaterra. Nem o facto de Portugal ter saído vitorioso deste conflito fez com que o descontentamento do povo português diminuísse, uma vez que a entrada neste conflito trouxe consequências como:  Desvalorização da moeda como consequência do aumento do preço dos bens essenciais;  Aumento da dívida externa;  Despesas superiores às receitas;  Aumento de greves e de revoltas.
  • 4. História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia Estado Novo 4 Estes fatores levaram a uma instabilidade governativa entre 1910 e 1926. No dia 28 de Maio de 1926, uma ação militar chefiada pelo General Gomes da Costa põe fim à 1ª República, mas a instabilidade política manteve-se até 1928, altura em que o general Óscar Carmona é eleito Presidente da República e chama António de Oliveira Salazar para ministro das Finanças (Figura 3). Estava aberto o caminho para o Estado Novo. Figura 3 – António de Oliveira Salazar. [Fonte: Adaptado de Santos, M., 2013]. Enquanto ministro das Finanças, António de Oliveira Salazar consegue eliminar o défice financeiro, através de uma política de austeridade (aumento de impostos e redução das despesas), e por isso foi nomeado como Presidente do Conselho de Ministros, cargo que desempenhou de 1932 até 1968, passando a governar de uma forma ditatorial - Salazarismo. 2. Os anos da ditadura – Estado Novo 2.1. O Estado Novo Entre 1926 e 1933 vigorou em Portugal uma ditadura militar. Em 1933 foi promulgada uma nova Constituição, que Salazar não respeitou, concentrando em si todos os poderes - começava assim o Estado Novo. O Estado Novo é o nome dado a um regime político autoritário e corporativista que vigorou em Portugal entre 1933 e 1974, quando foi derrubado pela revolução do 25 de Abril. Este regime foi um regime totalitário, na medida em que o governador/líder detinha
  • 5. História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia Estado Novo 5 em si todos os poderes, decretava leis e tomava decisões políticas e económicas de acordo com a sua vontade. Recorria a uma polícia política repressiva e controlava o sistema educacional. As liberdades individuais como a liberdade de expressão, de imprensa, o direito à greve, foram restringidas. Salazar como Presidente do Conselho tinha mais poder que o Presidente da República. O Estado Novo tinha como principais características (Figura 4): Figura 4 – Características do Estado Novo. [Fonte: Adaptado de Almeida, J., 2009].  Militarismo – Salazar criou organizações fascistas que tinham como objetivo defender o regime salazarista e combater o comunismo. Uma dessas organizações comunistas criada foi a Legião Portuguesa.  Nacionalismo – outra organização criada durante o regime do Estado Novo foi a Mocidade Portuguesa, organização juvenil que procurava desenvolver a devoção à pátria, o respeito pela ordem, o culto do chefe e o espírito militar. Era obrigatória para todos os jovens os 11 aos 14 anos.  Censura – outra caraterística do Estado Novo era a censura à imprensa, instaurada em 1926. Era aplicada a todos os meios de comunicação como o teatro, a rádio, a televisão e o cinema, com o objetivo de evitar qualquer tipo de crítica ao Estado novo. Era apelidada de “Lápis Azul”.  Polícia política – a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (P.I.D.E.), assim chamada a partir de 1945, foi criada em 1933, e recorria a tortura física e psicológica. Enviou vários presos políticos para prisões (como a de Peniche) e campos de deportação Estado Novo Imperialismo Corporativismo Ideologia oficial Colonialismo Totalitarismo Autoritarismo Culto da personalidade Militarismo Nacionalismo
  • 6. História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia Estado Novo 6 (como o do Tarrafal em Cabo Verde), fazendo assim várias vítimas mortais e milhares de prisioneiros.  Corporativismo – durante o Estado Novo criaram-se sindicatos nacionais para funcionários e patrões, como as Casas do Povo, Uniões Rurais de patrões e trabalhadores, e as Casas dos Pescadores, Associações de Gentes do Mar e seus empresários. Estes sindicatos tinham como objetivo melhorar as condições de vida.  Colonialismo – durante o Estado Novo Portugal possuía ainda as colonias de Angola, Moçambique e de Guiné-Bissau. Estas colónias eram um local de escoamento de produtos excedentes e eram ricas em matérias-primas. Em 1930 foi implementado o Acto Colonial, que reforçava a defesa do império e a defesa da nação;  Existia somente um partido político designado de União Nacional. 2.2. O Estado Novo e as obras públicas Entre 1939 e 1945 ocorreu a 2ª Guerra Mundial em que Portugal não participou. Esta neutralidade permitiu a Portugal aumentar as exportações para os países em guerra, o que aumentou as reservas em ouro do Banco de Portugal. Parte das receitas obtidas foram aplicadas na construção de obras públicas, como:  pontes (exemplo: ponte sobre o Tejo, mais tarde chamada de ponte de 25 de Abril);  estradas;  aeroportos,  barragens hidroeléctricas (exemplo: barragem de Castelo de Bode);  grandes edifícios públicos como tribunais, estações de correio;  hospitais como o hospital de Santa Maria;  escolas primárias, liceus, universidade;  intensificou-se a industrialização do País;  desenvolvimento do turismo. 3. A Guerra Colonial A Guerra Colonial ou Guerra do Ultramar (1961-1974) é uma designação dada ao período de confrontos entre as Forças Armadas Portuguesas e as antigas colónias ultramarinas de Angola, Guiné-Bissau e Moçambique, que levou à independência destas
  • 7. História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia Estado Novo 7 em 1974. Figura 5 – A Guerra Colonial 4. O 25 de Abril e a Construção da Democracia Os acontecimentos que ocorreram na madrugada de 24 de Abril são designados por Revolução dos Cravos, uma vez que o golpe de Estado que derrubou o governo ditatorial foi feito sem o derramamento de sangue, ou seja, sem o recurso a armas (Figura 6). O golpe militar que conduziu ao 25 de Abril foi efectuado por um grupo de militares que se intitulava de Movimento de Forças Armadas (MFA). As principais motivações deste grupo de militares eram:  A oposição ao regime ditatorial;  O desejo de liberdade;  O descontentamento devido ao desgaste provocado pela Guerra Colonial, que tornou as condições de vida dos portugueses ainda piores. Assim, na madrugada do dia 24 de Abril de 1974, uma canção emitida pela Rádio Renascença (a “emissora da liberdade”), serviu de aviso de que a revolução iria ter início. Derrubado o governo, era necessário tomar medidas, que foram:  O fim da polícia política (PIDE);  Libertação de todos os presos políticos;  Fim da censura;  Demissão do Presidente da República e do Primeiro-Ministro Marcelo Caetano (que substituiu António Salazar em 1968);  Direito ao voto – todos os indivíduos com idade superior a 18 anos podiam votar - as primeiras eleições livres decorreram em 25 de Abril de 1975;
  • 8. História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia Estado Novo 8  Reconhecimento da Independência das Colónias Portuguesas de Angola, Guiné- Bissau e Moçambique (descolonização). Figura 6 – A Revolução dos Cravos. A assembleia formada pelos primeiros deputados, eleitos após o 25 de Abril, elaborou a Constituição de 1976. Esta apresentava como direitos e deveres:  Direito ao voto;  Direito ao trabalho;  Liberdade sindical;  Liberdade de expressão e de informação.
  • 9. História e Geografia 6º ano – Revolução Republicana e Queda da Monarquia Estado Novo 9 Referências Bibliográficas  http://www.slideshare.net/almauric/1republica-6870056  http://www.slideshare.net/Maria-santos/a-queda-da-monarquia-17081041  http://www.slideshare.net/abaj/escola-se  http://www.slideshare.net/jorgediapositivos/salazar-e-o-estado-novo-1324330  http://www.prof2000.pt/users/maria_soa/obras%20salazar.htm