Formação litúrgica: Advento e Natal

31.629 visualizações

Publicada em

Formação litúrgica: Advento e Natal

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
31.629
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5.243
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
410
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formação litúrgica: Advento e Natal

  1. 1. 1
  2. 2. 2
  3. 3. 3 SUMÁRIOI - PRIMEIRA PARTE: Reflexão Litúrgico-Pastoral 1 Introdução Pág. 02 2 Origem histórica Pág. 02 3 Sentido do Advento Pág. 02 4 Espiritualidade do Advento e Natal Pág. 03 5 A novena do Natal Pág. 03 6 Natal - Origem e sentindo teológico Pág. 03 7 As festas e o tempo do Natal Pág. 04 8 O presépio Pág. 04 9 Personagens do Advento Pág. 05 10 Esquema da liturgia do Advento Pág. 06II - SEGUNDA PARTE: Pistas para as celebrações 11 Propostas litúrgico-pastorais para o Advento e o Natal Pág. 08 1. Retiro sobre o tempo de Advento 2. Celebrar o advento durante a semana (nas reuniões e encontros) 3. Campanha de oração 4. Confraternização da comunidade 5. Concursos de talentos 6. Coleta e visita a irmãos necessitados 7. Ambientação dos espaços físicos 8. Videofórum 9. Celebrações eucarísticas 10. Calendário de Advento 11. Arrependimento e limpeza 12. Equipes de liturgia 12 O canto litúrgico no Ciclo do Natal Pág. 10 1. O CANTO NO ADVENTO a. Critério na escolha dos cantos (o bom senso em primeiro lugar) b. Ensaio e valorização ritual da celebração c. Instrumentos musicais e animação dos cantos 2. O CANTO NO NATAL 3. EPIFANIA (Manifestação do Senhor) 13 Coroa do Advento e simbolismo das velas Pág. 12 a) Origem b) Quanto à forma circular da coroa c) Os ramos verdes
  4. 4. 4 d) A fita vermelha e) As quatro velas f) O ritual das velasIII - TERCEIRA PARTE: Anexos (poemas, orações e benção) ANEXO 1 – Benção para coroa do advento Pág. 14 ANEXO 2 – Ritual das velas Pág. 15 ANEXO 3 – Cantos da coroa do advento Pág. 17 ANEXO 4 – Sugestões para o IV Domingo do Advento Pág. 18 ANEXO 5 – Bênçãos, orações e poemas. Pág. 19
  5. 5. 5 PRIMEIRA PARTE Reflexão Litúrgico-Pastoral1 - Introdução A palavra “advento” quer dizer “que está para vir”. O tempo do Advento é para todaa Igreja, momento de forte mergulho na liturgia e na mística cristã. É tempo de espera eesperança, de estarmos atentos e vigilantes, preparando-nos alegremente para a vinda doSenhor. O Advento começa às vésperas do Domingo mais próximo do dia 30 de novembro evai até as primeiras vésperas do Natal de Jesus, contando quatro domingos. Esse tempo tem duas características: as duas últimas semanas, dos dias 17 a 24de dezembro, visam, em especial, à preparação para a celebração do Natal, a primeiravinda de Jesus entre nós. Nas duas primeiras semanas, a nossa expectativa se volta para asegunda vinda definitiva e gloriosa de Jesus Cristo, Salvador e Senhor da história, no finaldos tempos. Por isso, o Tempo do Advento é um tempo de piedosa e alegre expectativa.2 - Origem histórica Não pode ser determinada com exatidão quando foi pela primeira vez introduzidana Igreja a celebração do Advento. Há relatos de que o Advento começou a ser vividoentre os séculos IV e VII em vários lugares do mundo, como preparação para a festa doNatal. No final do século IV, na Gália (atual França) e na Espanha, tinha caráter de jejum,abstinência e duração de seis semanas, como na Quaresma. Esse caráter de penitênciaservia para a preparação do Natal e se devia à preparação dos catecúmenos para o batismona festa da Epifania. Só após a reforma litúrgica é que o Advento passou a ser celebrado nos seus doisaspectos: a vinda definitiva do Senhor e a preparação para o Natal, mantendo a tradiçãodas quatro semanas. A Igreja entendeu que não podia celebrar a liturgia sem levar emconsideração a sua essencial dimensão escatológica.3 - Sentido do Advento Podemos tomar como ponto de partida a palavra “advento”. Esse termo nãosignifica “espera”, como poderia se supor, mas é a tradução da palavra grega “parusia”,que significa “presença”, ou melhor, “chegada”, quer dizer, presença começada. NaAntiguidade, era usado para designar a presença de um rei ou senhor, ou também do deusao qual se presta culto e que presenteia seus fiéis no tempo de sua “parusia”, chegada. Ouseja, o Advento significa a presença começada do próprio Deus. O Advento significa a presença começada do próprio Deus. Por isso, recorda-nosduas coisas: primeiro, que a presença de Deus no mundo já começou, e que Ele já estápresente; em segundo lugar, que essa presença de Deus acaba de começar, ainda quenão seja total, mas está em processo de crescimento e amadurecimento. Sua presençajá começou, e somos nós, os crentes, que, por sua vontade, devemos fazê-lo presenteno mundo. É por meio de nossa fé, esperança e amor que ele quer fazer brilhar a luzcontinuamente na noite do mundo. A luz de Cristo quer iluminar a noite do mundo através
  6. 6. 6da luz que somos nós; sua presença já iniciada deve seguir crescendo por meio de nós. A celebração do Advento é, portanto, um meio precioso e indispensável para nosensinar sobre o mistério da salvação e assim termos a Jesus como referência e fundamento,dispondo-nos a “perder” a vida em favor do anúncio e instalação do Reino.4 - Espiritualidade do Advento e Natal A liturgia do Advento nos impulsiona a reviver alguns dos valores essenciais cristãos,como a alegria expectante e vigilante, a esperança, a pobreza, a conversão. Deus é fiel a suas promessas: o Salvador virá; daí a alegre expectativa, que deve,neste tempo, não só ser lembrada, mas vivida, pois aquilo que se espera acontecerá comcerteza. Portanto, não se está diante de algo irreal, fictício, passado, mas diante de umarealidade concreta e atual. A esperança da Igreja é a esperança de Israel já realizada emCristo, mas que só se consumará definitivamente na parusia do Senhor. Por isso, o brado daIgreja característico neste tempo é “Marana tha”! Vem Senhor Jesus! O tempo do Advento é tempo de esperança, porque Cristo é a nossa esperança(1Tm 1, 1); esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias,pecados, fraquezas, na vida eterna, esperança que nos forma na paciência diante dasdificuldades e tribulações da vida, diante das perseguições, etc. O Advento também é tempo propício à conversão. Sem um retorno de todo o ser aCristo, não há como viver a alegria e a esperança na expectativa da sua vinda. É necessárioque “preparemos o caminho do Senhor” nas nossas próprias vidas, “lutando até o sangue”contra o pecado, por meio de uma maior disposição para a oração e mergulho na Palavra. No Advento, precisamos nos questionar e aprofundar a vivência da pobreza. Nãopobreza econômica, mas principalmente aquela que leva a confiar, abandonar-se edepender inteiramente de Deus (e não dos bens terrenos), que tem n’Ele a única riqueza, aúnica esperança e que conduz à verdadeira humildade, mansidão e posse do Reino Advento é tempo de voltar-nos para o Deus que nos ama e que está bem perto denós. É tempo da fé nas coisas novas, no novo céu e nova terra onde habita a justiça e apaz. É tempo de limpeza e arrependimento, de opção por uma vida saudável em que sobraespaço para a solidariedade, a verdade, a paz e a comunhão. É tempo da construção daesperança e da vida comunitária que rompem os nossos limites e entendimento. É tempode alegria, de festejar o amor de Deus por nós.5 - A novena do Natal A novena do Natal retoma, de forma latino-americana, a tradição de consagrar osúltimos dias do advento à imediata preparação do Natal. Celebrada especialmente nasfamílias e nos grupos, em solidariedade com os doentes e com os mais pobres, atualiza ogesto de Maria em visita à sua prima Isabel (Lc 1,39-45) e, como elas, oferece e acolhe asalvação e a paz. A novena de Natal retoma o sentido de ansiosa espera pela vinda do reino e assume,de um modo mais ardoroso, a atitude de vigilância, ajudando-nos a viver em nós mesmos, ea desejar para o mundo e para todo universo, a expectativa de um novo parto da salvaçãode Deus.
  7. 7. 76 – Natal: origem e sentindo teológico Natal! A palavra que indica a celebração do nascimento do Menino Deus é de origemlatina. Natal, em latim natalis, diz respeito ao nascimento. Tanto o evento quanto o lugardo nascimento de uma pessoa. A notícia mais antiga que se tem da celebração do Natal no dia 25 de dezembro vemde Roma, do ano 336. Na mesma época, Santo Agostinho relata que também, na África,celebrava-se o Natal em data idêntica. A razão da celebração do Natal no dia 25 de dezembro deve ser buscada nosprimeiros séculos do cristianismo. Em Roma, no dia 25 de dezembro, celebrava-se o diado “Sol Invicto”, uma festa pagã que rendia culto ao deus que venceu as trevas e trouxe aluz. Para manter os fiéis cristãos afastados do culto pagão, a Igreja deu um novo sentidoà festa. Em alusão ao profeta Malaquias, os padres da Igreja relacionaram Cristo com o Solde Justiça (Ml 3,20). Cristo mesmo disse: “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8,12). No Natal, celebramos não somente o nascimento de Cristo e nem tampouco ahumildade de um Deus que se fez homem. O Natal é, sobretudo, a celebração de nossonascimento em Deus. Pelo nascimento de Cristo, fomos incorporados à vida de Deus.7 - As festas e o tempo do Natal O Natal não é apenas a celebração do aniversário de Jesus, é memória da nossaredenção. Em Jesus, Deus se aproximou do mundo, desposou a nossa humanidade. No diado Natal, celebramos a humilde presença de Deus na terra, adoramos o “Verbo que sefez carne e habitou entre nós”. É a festa da Divina solidariedade. Na Epifania, conhecidapopularmente como festa dos reis magos, celebramos a sua manifestação a todos os povosdo mundo. O Batismo de Jesus no Jordão é a sua manifestação, no início da sua missão.Ele, o Servo da simpatia do Pai, destinado a ser luz das nações. É importante resgatar adimensão pascal do Natal. O presépio, as encenações, os gestos e os cânticos do Natal e daEpifania devem nos ajudar a celebrar a “passagem” solidária de Deus na pobreza da gruta,na manifestação Jesus aos povos, em Belém, e na manifestação a seu povo, no Jordão.O rito da aspersão, especialmente na Festa do Batismo, expressa o nosso mergulho nadivindade do Cristo, do mesmo modo como ele mergulhou em nossa humanidade.8 - O presépio Segundo o evangelista Lucas, “Maria deu à luz seu filho primogênito e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria”(Lucas 2,7). A palavra “presépio” tem sua origem no latim praesepire, que literalmentesignifica “cercado na frente”. É formada por dois elementos: pelo prefixo prae, quesignifica “na frente, antes”; e pela palavra sepire, que significa “cercar, envolver”. Ouseja, era um lugar cercado para dar comida e descanso aos animais, hoje conhecido porestábulo ou curral. Isso mesmo: Jesus nasceu num lugar destinado aos animais! O termo “presépio” apareceu pela primeira vez no século V. O Papa Sisto III(432-440) pediu que fosse construído na Basílica de Santa Maria Maior um relicário paraconservação de algumas partes da Gruta de Belém. Desde o século VI, a Basílica tambémficou conhecida como “Santa Maria do Presépio”. A cena que representa o nascimento do Menino Jesus foi sendo criada no decorrerda História. No século V, o presépio era representado apenas com a manjedoura e oMenino, uma vaca e um burro. Certamente era uma referência ao profeta Isaías “O boiconhece o seu possuidor, e o asno, o estábulo do seu dono” (Isaías 3,2). Ao final do século
  8. 8. 8V, foi acrescentada a estrela de Belém. Na mesma época, também a Virgem Maria foirepresentada no presépio. Foi na Idade Média que o presépio se tornou bastante popular. São Francisco deAssis foi o responsável pela popularização do presépio. Em 1223, ao retornar de umaviagem a Roma, informou ao Papa Honório III (1216-1227) sobre seus planos de fazer umarepresentação artística do Natal. Tendo o projeto aprovado, Francisco foi para Greccio e,nas vésperas do Natal, com a ajuda de amigos, construiu uma gruta, agrupando ao redor daimagem do Menino, as imagens de Maria, de José, dos pastores, em adoração ao Salvadorrecém-nascido, e ainda do asno e do boi. A partir desse momento, a tradição natalina foise estendendo por toda a Europa, e de lá para o resto do mundo.
  9. 9. 99 - Personagens do Adventoa) ISAÍAS Isaías é o profeta por excelência do tempo da espera; está espantosamente perto,é entre os nossos, de hoje. Está presente por seu desejo de libertação, desejo do absolutode Deus; o é na lógica bravura de toda sua vida que é luta e combate; o é até em sua arteliterária, na qual nosso século volta a encontrar seu gosto pela imagem desnuda, mas forteaté a crueza. Isaías viveu em uma época de esplendor e prosperidade. Rara vez, os reinos deJudá e Samaria haviam conhecido tal otimismo, e sua posição política lhes permitia sonhosambiciosos. Sua religiosidade atribuiu a Deus a fortuna política, e a religião esperou d’Elenovos sucessos. Em meio deste frágil paraíso, Isaías ergueu-se valorosamente e cumpriu suamissão: mostrar a seu povo a ruína que o esperava por sua negligência. É o profeta que, durante os tempos difíceis do exílio, levava a consolação ea esperança ao povo. Na segunda parte do seu livro, dos capítulos 40 a 55 (Livro daConsolação), anuncia a libertação, fala de um novo e glorioso êxodo e da criação de umanova Jerusalém, reanimando assim, os exilados. As principais passagens deste livro são proclamadas durante o tempo do Adventonum anúncio perene de esperança para os homens de todos os tempos.b) JOÃO BATISTA É o último dos profetas e, segundo o próprio Jesus, “mais que um profeta”, “omaior entre os que nasceram de mulher”, o mensageiro que veio diante d’Ele a fim de lhepreparar o caminho, anunciando a sua vinda (Lc 7, 26-28), pregando aos povos a conversão,pelo conhecimento da salvação e perdão dos pecados (Lc 1, 76s). A figura de João Batista, ao ser o precursor do Senhor e apontá-lo como presença jáestabelecida no meio do povo, encarna todo o espírito do Advento. Por isso ele ocupa umgrande espaço na liturgia desse tempo, em especial no segundo e no terceiro domingo.c) MARIA Não há melhor maneira de se viver o Advento que se unindo a Maria como mãe,grávida de Jesus, esperando o seu nascimento. Assim como Deus precisou do sim de Maria,hoje, Ele também precisa do nosso sim para poder nascer e se manifestar no mundo; assimcomo Maria se “preparou” para o nascimento de Jesus, a começar pele renúncia e mudançade seus planos pessoais para sua vida inteira, nós precisamos nos preparar para vivenciaro seu nascimento em nós mesmos e no mundo, também numa disposição de “Faça-seem mim segundo a sua Palavra” (Lc 1,38), permitindo uma conversão do nosso modo depensar, da nossa mentalidade, do nosso modo de viver, agir, etc. Em Maria, encontramosse realizando a expectativa messiânica de todo o Antigo Testamento. A partir da segunda parte do Advento, a preponderância da Mãe Imaculada é tãogrande, que ela aparece como o centro do Mistério preparado e iniciado. Assim as leiturasevangélicas do quarto domingo, estão dedicadas a Maria. E nas missas próprias dos dias 17a 24, correspondentes às antífonas da Ó, tudo gira ao redor dela. E com razão.d) JOSÉ Nos textos bíblicos do Advento, destaca-se José, esposo de Maria, o homem justo ehumilde que aceita a missão de ser o pai adotivo de Jesus. Ao ser da descendência de Davie pai legal de Jesus, José tem um lugar especial na encarnação, permitindo que se cumpraem Jesus o título messiânico de “Filho de Davi”. José é justo por causa de sua fé, modelo de fé dos que querem entrar em diálogo e
  10. 10. 10comunhão com Deus.10 - Esquema da liturgia do Advento O Advento deve ser celebrado com sobriedade e com discreta alegria. Não se cantao Glória, para que, na festa do Natal, nós nos unamos aos anjos e entoemos esse hinocomo algo novo, dando glória a Deus pela salvação que realiza no meio de nós. Pelo mesmomotivo, o Diretório Litúrgico da CNBB orienta que flores e instrumentos sejam usados commoderação, para que não seja antecipada a plena alegria do Natal de Jesus. As vestes litúrgicas (casula, estola, etc.) são de cor roxa, bem como o panoque recobre o ambão, como sinal de conversão em preparação para a festa do Natal,com exceção do terceiro domingo do Advento, o “Domingo da Alegria”, cuja cortradicionalmente usada é a rósea, em substituição ao roxo, para revelar a alegria da vindado libertador que está bem próxima e se refere à segunda leitura que diz: “Alegrai-vossempre no Senhor. Repito, alegrai-vos, pois o Senhor está perto” (Fl 4,4). O Advento começa com as vésperas do domingo mais próximo ao 30 de novembroe termina antes das vésperas do Natal. Os domingos desse tempo se chamam 1º, 2º, 3º e4º do Advento. Os dias 16 a 24 de dezembro (novena de Natal) tendem a preparar maisespecificamente para as festas do Natal. Podemos distinguir dois períodos: No primeiro deles, que se estende do primeiro domingo do Advento até o dia 16 dedezembro, aparece com maior relevo o aspecto escatológico e nos é orientado à esperada vinda gloriosa de Cristo. As leituras da Missa convidam a viver a esperança na vinda doSenhor em todos os seus aspectos: sua vinda ao fim dos tempos, sua vinda agora, cada dia. No segundo período, que vai de 17 até 24 de dezembro, que se orienta maisdiretamente à preparação do Natal. Somos convidados a viver com mais alegria, porqueestamos próximos do cumprimento do que Deus prometera. Os evangelhos desses diasnos preparam diretamente para o nascimento de Jesus. Com a intenção de fazer sensívelessa dupla preparação de espera, a liturgia suprime, durante o Advento, uma série deelementos festivos. Desta forma, na missa, já não rezamos o Glória. Reduz-se a músicacom instrumentos, os enfeites festivos, as vestes são de cor roxa, a decoração da Igreja émais sóbria, etc. Todas essas coisas são uma maneira de expressar tangivelmente que, enquanto duranosso peregrinar, falta-nos alo para que nosso gozo seja completo. E quem espera é porquelhe falta algo. Quando o Senhor se fizer presente no meio do seu povo, haverá chegado aIgreja à sua festa completa, significada pela Solenidade do Natal. Temos quatro semanas nas quais, de domingo a domingo, vamos nos preparandopara a vinda do Senhor. A primeira semana do Advento está centralizada na vinda do Senhor ao final dostempos. A liturgia nos convida a estar em vigilância, mantendo uma especial atitude deconversão. A segunda semana nos convida, por meio do Batista, a “preparar os caminhosdo Senhor”; isto é, a manter uma atitude de permanente conversão. Jesus segue noschamando, pois a conversão é um caminho que se percorre durante toda a vida. A terceira semana preanuncia já a alegria messiânica, pois já está cada vez maispróximo o dia da vinda do Senhor. A quarta semana, finalmente, fala-nos do advento do Filho de Deus ao mundo.Maria é figura central, e sua espera é modelo e estímulo da nossa espera. Quanto às leituras das missas dominicais, as primeiras são tomadas de Isaías edos demais profetas que anunciam a reconciliação de Deus e a vinda do Messias. Nostrês primeiros domingos, recolhem-se as grandes esperanças de Israel e, no quarto, aspromessas mais diretas do nascimento de Deus. Os salmos responsoriais cantam a salvação
  11. 11. 11de Deus que vem; são orações pedindo sua vinda e sua graça. As segundas leituras sãotextos de São Paulo ou das demais cartas apostólicas, que exortam a viver em espera davinda do Senhor. São quatro os temas que se apresentam durante o Advento:I Domingo: a vigilância A vigilância na espera da vinda do Senhor. Durante essa primeira semana, as leiturasbíblicas e a prédica são um convite com as palavras do Evangelho: “Velem e estejampreparados, pois não sabem quando chegará o momento”. É importante que, comouma família, tenhamos um propósito que nos permita avançar no caminho ao Natal; porexemplo, revisando nossas relações familiares. Como resultado, deveremos buscar o perdãode quem ofendemos e dá-lo a quem nos tem ofendido para começar o Advento, vivendoem um ambiente de harmonia e amor familiar. Desde então, isso deverá ser extensivotambém aos demais grupos de pessoas com as quais nos relacionamos diariamente, comoo colégio, o trabalho, os vizinhos, etc. Essa semana, em família, da mesma forma que emcada comunidade paroquial.II Domingo: a conversão Podemos destacar, de forma predominante, a pregação de João Batista. Durantea segunda semana, a liturgia nos convida a refletir com a exortação do profeta JoãoBatista: “Preparem o caminho, Jesus chega”. Qual poderia ser a melhor maneira depreparar esse caminho que busca a reconciliação com Deus? Na semana anterior, nós nosreconciliamos com as pessoas que nos rodeiam; como seguinte passo, a Igreja nos convidaa acudir ao sacramento da reconciliação (confissão), que nos devolve a amizade com Deusque havíamos perdido pelo pecado. Acenderemos a segunda vela roxa da coroa do Advento,como sinal do processo de conversão que estamos vivendo. Durante essa semana poderíamos buscar, nas diferentes igrejas mais próximas, oshorários de confissões disponíveis, para, quando chegar o Natal, estejamos bem preparadosinteriormente, unindo-nos a Jesus e aos irmãos na Eucaristia.III Domingo: o testemunho, que Maria A liturgia do Advento nos convida a recordar a figura de Maria, que se prepara paraser a Mãe de Jesus e que, além disso, está disposta a ajudar e a servir a todos os quenecessitam. O evangelho nos relata a visita da Virgem à sua prima Isabel, e nos convida arepetir como ela: “Quem sou eu para que a mãe do meu Senhor venha a visitar-me?”. Sabemos que Maria está sempre acompanhando os seus filhos na Igreja, pelo que nosdispomos a viver essa terceira semana do Advento, meditando sobre o papel que a VirgemMaria desempenhou. Propomos que fomentar a devoção à Maria, rezando, em família, oterço.IV Domingo: o anúncio do nascimento de Jesus As leituras bíblicas e a prédica dirigem seu olhar à disposição da Virgem Maria, diantedo anúncio do nascimento do Filho dela, e nos convidam a “aprender de Maria e aceitara Cristo que é a Luz do Mundo”. Como já está tão próximo o Natal, nós nos reconciliamoscom Deus e com nossos irmãos; agora nos resta somente esperar a grande festa. Comofamília, devemos viver a harmonia, a fraternidade e a alegria que essa celebração próximarepresenta. Todos os preparativos para a festa deverão viver-se nesse ambiente, com ofirme propósito de aceitar a Jesus nos corações, as famílias e as comunidades.
  12. 12. 12
  13. 13. 13 SEGUNDA PARTE Sugestões práticas para a celebração11 - Propostas litúrgico-pastorais para celebrar o Advento e o Natal Ao celebrar anualmente a liturgia de Advento, não deveríamos concentrar a nossaatenção apenas celebrações de rotina da comunidade. É preciso pensar o advento noconjunto da nossa ação pastora e vivência de fé. Seguem algumas sugestões litúrgicas e pastorais:1. Retiro sobre o tempo de Advento Preferentemente ao início do tempo litúrgico, realizar um retiro para todos osmembros da pastoral com o fim de obter uma melhor preparação para o Natal. Fortalecer aespiritualidade litúrgica do grupo.2. Celebrar o advento durante a semana (nas reuniões e encontros)a) Reuniões e encontros: durante o Advento, preparar bem os momentos de oração dosencontros e reuniões dentro da espiritualidade do Advento (orações criativas, usandogestos, símbolos e cantos para vivenciar a espiritualidade do Advento).b) Novena de Natal: estimular a organização de vários grupos de novenas de Natal (prepararuma boa celebração de abertura e encerramento da novena). Confraternização dosparticipantes da novena.c) Ofício Divino do Avento e Natal: promover a reza do ofício na comunidade.3. Campanha de oração Pode-se realizar, ao longo de todo o tempo de Advento, uma campanha de oração como fim de intensificar a vida de oração necessária para uma adequada preparação para acelebração do Natal. Podem-se fazer murais com desenhos (quadriculados para serem coloridos) alusivosao Natal. Também é possível ir preparando o presépio com as orações: maços de palha ouerva, madeiras, etc., podem simbolizar determinados exercícios de oração.4. Confraternização da comunidade Os dias mais próximos ao Natal são propícios para realizar alguma celebração natalina.Essa instância é importante para celebrar comunitariamente nossa fé, para fortalecer oslaços de comunhão entre os membros e para estreitar vínculos com amigos e familiares,procurando converter essa celebração em uma ocasião de evangelização. Esta celebração natalina pode ter várias atividades. Por exemplo:○ Acolhida e oração inicial
  14. 14. 14○ Peça de teatro, de bonecos, etc., alusiva ao Natal○ Apresentação de talentos: poesia, cantos, contos, etc.○ Liturgia (orações, cantos, gestos e símbolos)○ Grupo de música natalina○ Chocolate quente (um chá – alguma coisa para partilhar)
  15. 15. 155. Concursos de talentos Pode-se promover o espírito de preparação para o Natal convocando a concursos dedistintos talentos: composição de canções, de canções de Natal, de contos, de poesias,de murais, símbolos e desenhos litúrgicos, etc. A celebração natalina poderia ser uma boaocasião para apresentar alguns desses talentos.6. Coleta e visita a irmãos necessitados O tempo de Advento é muito apropriado para acentuar a vivência da caridade esolidariedade com nossos irmãos mais necessitados. Por isso é recomendável organizaruma coleta de mantimentos, roupa e brinquedos com o fim de doá-los a alguma pessoanecessitada e ou entidade assistencial. Ao término das missas de cada domingo de advento, podem-se repartir caixas depapelão para que cada família ou pessoa colabore com uma família pobre nesse Natal. Ou deixar uma caixa na frente do atar, para que as pessoas façam doação a cadacelebração (caixa do Natal solidário). Fazer uma decoração na caixa - Organizar uma equipe para cuidar da organização e distribuição do material recebido A visita deve envolver a maior quantidade de gente possível, já que pode ser umavivência de uma das dimensões da nossa fé. Não pensar que estamos ajudando-os, estamosnos ajudando a viver em comunidade a prática da caridade.7. Ambientação dos espaços físicos É importante que os ambientes físicos estejam devidamente decorados com motivos deAdvento e de Natal. Devemos gerar um ambiente que favoreça nossa preparação e espera,nossa vida de silêncio e oração, de encontro fraterno. Para obter um maior envolvimento das pessoas, poderia ser organizado um concursode arrumação e decoração por associações e ao interior delas. Também se pode organizaresse concurso, motivando a participação de famílias (é importante acentuar a dimensãocomunitária dessa atividade). Os murais com artigos e desenhos, pôsteres com frases alusivas ao tempo litúrgico doAdvento e Natal (por exemplo: podem-se utilizar refrões de cantos do Advento). Há à disposição algumas liturgias de bênção de símbolos próprios do tempo (coroa,árvore e presépio) que poderiam ser oferecidas aos participantes.8. Videofórum A apresentação de algum filme que, em seguida, possa ser comentado pelosparticipantes pode favorecer a preparação do Natal. Alguns filmes de temas apropriadossão: “Contos de Natal” e “O quarto sábio”.9. Celebrações eucarísticas Nossas celebrações litúrgicas eucarísticas podem ser enriquecidas por distintos meios:○ Bênção da coroa de Advento (ver Ritual de Bênçãos)○ O ascender progressivo, semana após semana, das velas da coroa de Advento○ Rito de inauguração do ano litúrgico, com procissão do Lecionário Dominical○ Utilização do rito de aspersão de água benta (sobretudo da segunda parte do Advento)○ Austeridade na decoração da capela: flores, adornos, etc.
  16. 16. 16○ Austeridade no uso de instrumentos musicais para alguns cantos da celebração○ Uso de desenhos de símbolos litúrgicos○ Colocação, em um lugar visível, de uma cesta para os mantimentos, etc.○ Motivar a comunidade a ir doando os mantimentos no transcurso do tempo de Advento.○ Benção do Menino Jesus, para famílias que montam presépio.
  17. 17. 1710. Calendário de Advento Nesse quadro da esperança, surgiu, na Alemanha, uma tradição familiar, que visaespecialmente a motivar as crianças a esperarem e a compreenderem o ritmo do tempo.As mães, avós, pais e avôs preparam, de várias formas, uma caixinha para cada dia dotempo de Advento. A tradição é colocar em cada caixinha uma mensagem ou tarefascomunitárias, ou uma pequena lembrança, com o intuito de ajudar as crianças a contaremos dias que faltam para o Natal e coordenar a ansiedade delas ao querer ganhar, antesdo tempo, os presentes. Esse calendário e suas tarefas disciplina a espera, tornando-aterapêutica e alegre, com conteúdo que conduz com criatividade a expectativa da criançaaté ao dia do Natal.11. Arrependimento e limpeza Já o profeta João Batista chamava o povo para o arrependimento e aobatismo: “Arrependam-se dos seus pecados porque o Reino do céu está perto! [...] eJoão os batizava no rio Jordão” (Mateus 3,2.6). Não se sabe determinar quando iniciou,mas até hoje, em certas regiões, na época do Advento, as pessoas e famílias fazem umalimpeza interior e externa: avaliam a sua vida e constroem esperanças novas para o futuroe limpam também os seus armários, a casa inteira, os jardins, pintam as casas... etc.12. Equipes de liturgia Reuniu e dedicar tempo para preparar bem as celebrações. Estudar e refletir, nas reuniões das equipes de liturgia, algum tema sobre o Advento.12 - O canto litúrgico no Ciclo do Natal Nosso ano litúrgico, tempo eterno de Deus que invade nossa vida humana paraeternizá-la, desenvolve-se em torno de duas grandes festas: Páscoa e Natal. O ciclo doNatal e o ciclo da Páscoa, completados com o tempo comum. Esses ciclos constam de trêsmomentos: uma preparação, a celebração da festa e um prolongamento desta. Vamos considerar esses momentos do mistério pascal que celebramos no Natal:1. O CANTO NO ADVENTO Com o Advento, inicia-se um novo ano litúrgico, prepara-se para o Natal, paraa manifestação do Senhor. É o tempo de “gestação”, de preparação próxima paraa solenidade do nascimento do Salvador. Tempo de escuta da Palavra, de vigilânciaatenta, de feliz expectativa pela vinda do Senhor. Esperamos a chegada do Salvador esuplicamos: “Vem, Senhor Jesus!”. Além de valorizar símbolos e gestos próprios deste tempo (a Palavra, a Coroa doAdvento, a Novena do Natal, o uso da cor própria, celebrações de reconciliação, gestos desolidariedade...), precisamos valorizar o canto na celebração. Como a nossa comunidadecanta o Advento?Cantos e instrumentos nas celebrações do Advento: d. Critério na escolha dos cantos: (o bom senso em primeiro lugar)
  18. 18. 18 Os cantos e as músicas também são próprios e têm uma função importante, devendoexpressar alegria e esperança, inspirados nos textos bíblicos que falam da vinda doSenhor, o Emanuel, Deus conosco. Os salmos responsoriais e a aclamação ao evangelhoacompanham o sentido das leituras. e. Ensaio e valorização ritual da celebração: Os ministros do canto (cantores e instrumentistas) não podem improvisar, masdevem escolher e preparar bem os cantos que mais estão em sintonia com a Palavra, oTempo e os momentos rituais, dando destaque ao ato penitencial, ao Santo, à aclamaçãomemorial, ao Cordeiro de Deus, algum refrão orante... f. Instrumentos musicais e animação dos cantos: Os instrumentos musicais sejam também silenciados, fazendo um acompanhamentomais suave e discreto. No Advento, não se canta o Glória (Hino de Louvor), porque é tempomarcado pela sobriedade.2. O CANTO NO NATAL O maior presente que o Pai nos deu foi seu Filho Jesus, que sendo Deus, fez-sehomem, vestindo a fragilidade de um menino. Com o seu nascimento, a salvação entradefinitivamente em nossa história, culminando na sua morte e ressurreição. Por isso, noNatal, já celebramos o mistério pascal inteiro. Deus se torna humano para nos divinizar,por isso, no Natal, nossa voz canta emocionada as canções mais ternas, antigas e semprenovas, que falam ao coração. Como a Igreja canta o Natal?- São muitos os símbolos natalinos que expressam o mistério que celebramos (opresépio, o Menino Jesus, luzes e flores, procissões, incenso, sinos, a cor branca,confraternizações...).- O mais importante é a Eucaristia, onde, sempre de novo, a Palavra se faz Carne e habitaentre nós.Cantos e instrumentos na celebração do Natal: a. Os cantos natalinos não são todos apropriados para a Liturgia... Eles devem ter inspiração bíblica, falar do sentido do Natal, estar de acordo com o momento ritual da celebração. b. Um dos cantos mais importantes neste tempo é o “Glória”, cantado pelos anjos na noite de Natal. Cantemos a alegria da boa notícia: em Jesus, Deus visita e salva seu povo! O canto do Glória merece uma motivação especial nessa celebração. Canto conhecido que facilite a participação do povo. (Canto de acordo com as orientações litúrgicas)Considerações sobre o Hino de LouvorO Glória ou Hino de Louvor - Como hino que é, deve ser cantado. É um hino antiquíssimo, que jános primeiros séculos do cristianismo foi incorporado à liturgia cristã. A Igreja, reunida no EspíritoSanto, glorifica a Deus Pai e dirige louvores e súplicas ao Cordeiro, Jesus Cristo, nosso mediador.É, portanto, um hino cristológico e não trinitário. Pode ser cantado por toda a assembleia oualternando-a com o coro ou grupo de canto. O texto desse hino não pode ser substituído por outro,porque constitui o rito. Seja, portanto, o do Missal Romano, ou aprovado pela CNBB, que já possuidezenas de melodias. É omitido na Quaresma e no Advento.
  19. 19. 19Não se trata de qualquer hino de louvor. Nem mesmo os “glórias” cantados por aí (chamadosde “glorinhas” por alguns autores), por mais alegres e bonitos que sejam, conseguem atingir abeleza e a profundidade teológica desse hino. O canto do Glória é um canto ritual. Não é umacessório para acompanhar o rito, ele constitui o próprio rito. c. Quantos aos instrumentos e animação dos cantos, deve se observar a diferenciação dos momentos rituais da celebração. Não se cantam todas as partes com a mesma vibração. Ex.: no ato penitencial e no Salmo, o canto pede mais serenidade para interiorização, não deve estar no mesmo tom da vibração do Glória e da aclamação do Evangelho. Os instrumentistas devem ter esse cuidado ao fazer o acompanhamento deste canto.3. EPIFANIA (Manifestação do Senhor)O tempo do Natal se prolonga até a Epifania (Manifestação do Senhor) (entre 2 e 8 dejaneiro), concentrada na adoração dos magos: “Será manifestada a glória do Senhor e todoo universo verá a salvação de Deus” (Is 40,5). Também é chamada “Festa da Luz”, por seruma contemplação do Cristo como luz das nações.Com a festa do Batismo (domingo após a Epifania) encerra-se o ciclo do Natal: “Este é meuFilho muito amado. Ouvi-o!” (Mt 3,17).Há um rico simbolismo nessas festas litúrgicas, também muito populares entre nós: sentidode busca, oferta, adoração, luz, bênção das águas, batismo de adultos e muitos outros,deixados à criatividade das equipes.Cantos e instrumentos na celebração da Epifania:Lembrando sempre que os cantos devem expressar o mistério celebrado. “Senhor, que atua páscoa seja contínua!”. Especial cuidado para não cometer exagero, o canto deve estarem sintonia com o tema celebrado e com as parte do rito da celebração.13 - A coroa do Advento e simbolismo das velas a. Origem: a coroa do Advento é um símbolo muito expressivo, usado nesse tempo de preparação e expectativa alegre pela vinda do Senhor no seu Natal. Tem sua origem na Alemanha, onde, nessa época, é inverno rigoroso, com dias sem muita luminosidade, o sol fraco, as noites muito frias. Usada pelos colonos e feita com ramos de pinheiros, única árvore que não perde suas folhas no inverno, enfeitavam-na com flores e velas ou lâmpadas, para iluminar a casa e aquecer do frio, sinal de vida em meio à natureza coberta de neve, onde tudo parecia ter morrido... A ideia foi aos poucos sendo adotada pelos católicos alemães, que começaram a enfeitar suas casas e igrejas. E foram os missionários vindos da Alemanha para o Brasil, no início do século XX, que trouxeram tal costume, hoje cada vez mais presente em nossas comunidades.b) Quanto à forma circular da coroa, tem o sentido de perfeição, harmonia einfinitude, sem começo nem fim, como Deus é... Quanto a nós, vamos sendo iluminadose aquecidos pela Luz de Cristo, cuja presença salvadora no mundo cresce aos poucos,
  20. 20. 20até manifestar-se plenamente no Natal. A experiência em nós da LUZ que brilha naescuridão, nos faz também ser luzes de esperança, alegria, justiça, paz e solidariedadeaos irmãos, em meio a tantas trevas...Ela simboliza e comunica que naquela Igreja, casa ou qualquer espaço em que ela estejavivem pessoas que se preparam com alegria para celebrar a vinda de Deus ao mundo, oNatal.c) Os ramos verdes, a coroa de Advento é feita com ramos verdes, geralmenteenvolvida por uma fita vermelha e nela quatro velas são afixadas. Os ramos, mesmocortados, permanecem verdes por semanas: comunicam a esperança, uma esperançaque leva à perseverança, uma entrega total da vida a Deus.d) A fita vermelha: a cor vermelha na tradição litúrgica está ligada à cor do fogo edo sangue. Simboliza a cor da vida, do amor e, ao mesmo tempo, do derramamentodo sangue, sacrifício. A Nova Aliança de Deus com a humanidade foi feita com amor,doação, sacrifício e trouxe a vida plena e eterna.e) As quatro velas: inicialmente ela continha entre 22 a 28 velas, uma para cada diado tempo de Advento. Devido aos custos, diminuiu-se o número de velas.As velas simbolizam que Jesus Cristo é a luz do mundo. Comunica a alegria da vida queprocede de Deus, aquela que vai além dos limites que a vida no mundo impõe.a. A Coroa nos quatros dos Domingos do AdventoNa famíliaEm casa, cada família colocará a Coroa do Advento num lugar apropriado, num lugarde encontro da família. Na noite de Domingo, a família reúne-se e acende a velacorrespondente à semana que se vai viver do Advento. Sugere-se o seguinte esquemade celebração familiar: 1. Leitura da oração semanal. 2. Acender da vela. 3. Bênção dopai ou da mãe.Na celebração da EucaristiaA Coroa de Advento será colocada no altar. Será o sinal-guia que sintetizará o itineráriode preparação do Natal. As velas serão suficientemente grossas e colocadas junto aoambão, com alturas diferentes. O ato de acender as velas pode ser colocado no início daCelebração Eucarística, no início da Liturgia da Palavra ou em qualquer outro momentodesde que se harmonize com a celebração. Em qualquer caso deve ser um momento quecelebra o caminho de espera do Senhor. O acender das velas deve ser acompanhado deuma oração própria e de um canto (o mesmo para os quatro domingos). As velas têmtambém cada uma um nome: 1. vela da profecia 2. vela de Belém 3. vela dos pastores4. vela dos anjos.
  21. 21. 21 TERCEIRA PARTE ANEXOS - SUGESTÕESOrientações Importantes:Nesta terceira parte, apresentamos alguns subsídios que podem ajudar na realização dacelebração. Cabe a equipe de liturgia verificar o que será conveniente e mais celebrativopara a comunidade.É importante combinar antes com o presidente da celebração, para garantir a harmoniano rito celebrativo.Os que se segue são apenas pistas e sugestões, nada obrigatório.ANEXO 1 – BENÇÃO PARA COROA DO ADVENTOa. - Bênção da Coroa do Advento IPresidente: O Senhor seja convoscoPovo: Seja também contigoPresidente: OremosA Terra, Senhor, se alegra nestes dias e a vossa Igreja transborda de alegria diante do vosso Filho,o Senhor, que se aproxima como luz esplendorosa, para iluminar os que jazem nas trevas daignorância, da dor e do pecado. Nós vos pedimos, Senhor: à medida que cada dia se acrescenta oesplendor desta coroa, com novas luzes, + iluminai-nos com o esplendor d’Aquele que, sendo a Luzdo Mundo, veio iluminar todas as trevas. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.Amém.b. - Bênção da Coroa do Advento IIPresidente: O nosso auxílio está no nome do Senhor.Povo: Que fez o céu e a terra.Presidente: Senhor nosso Deus, sois o doador de toda bênçãoe a fonte de todo dom perfeito.Abençoai + esta Coroa em honra do Advento do Cristo, vosso Filho,e dai-nos esperar solícitos a sua vinda.Que ele, ao chegar, nos encontre vigilantes na oraçãoe proclamando o seu louvor.Pelo mesmo Cristo, nosso Senhor.Presidente: O sacerdote asperge com água benta a Coroa e acende a primeira vela. Enquantoacende, pode dizer:Povo: A vós, meu Deus, elevo a minha alma.Confio em vós, que eu não seja envergonhado!Não se riam de mim meus inimigos,pois não será desiludido quem em vós espera (SI 24,1.3)
  22. 22. 22Senhor nosso Deus, sois o doador de toda bênção.
  23. 23. 23ANEXO 2 – RITUAL DAS VELAS a. - O RITUAL DAS VELAS INormalmente, as velas da coroa são acesas no início da celebração, após a saudaçãoinicial, ou antes das leituras, estando num lugar apropriado, que não seja sobre o altar,mas próximo ao ambão. Prefira-se material vivo e natural, evitando muito brilho edecorações artificiais, que não condizem com a verdade dos sinais e, muitas vezes, jáantecipam o Natal. Em alguns lugares, as velas são todas brancas; já na Áustria, são váriascores: roxo, vermelho, rosa e branco. No Brasil, faz parte da nossa cultura africana eindígena usar velas coloridas. Poucas são as informações sobre o uso e o significado dascores, e não há unanimidade sobre o assunto. Mas a tradição aponta o seguinte:A primeira vela é a do profeta, de cor roxa, porque indica tempo de penitência econversão. A luz nascente nos conclama a refletir e aprofundar a proximidade do Natal,em que Cristo, Salvador e Luz do Mundo, brilhará para a humanidade. Lembra ainda operdão concedido a Adão e Eva. A cor roxa nos recorda nossa atitude de vigilância dianteda abertura e espera do Senhor que virá.Oração:A luz de Cristo, que esperamos neste Advento, enxugue todas as lágrimas, acabe comtodas as trevas, consolem quem está triste e encha nossos corações da alegria de prepararsua vinda neste novo ano de graça!A segunda vela é a de Belém, de cor vermelha: a segunda vela nos convida ao desejo deconversão, arrependimento dos nossos pecados e também o compromisso de prepararmos,assim como São João Batista, o caminho do Senhor que virá. Essa vela lembra ainda a fédos patriarcas e de São João Batista, que anuncia a salvação para todos os povos.Oração:A luz de Cristo, que esperamos neste Advento, enxugue todas as lágrimas, acabe comtodas as trevas, consolem quem está triste e encha nossos corações da alegria de prepararsua vinda neste novo ano de graça!A terceira é a vela dos pastores, de cor rosa, ligada ao Domingo da Alegria, sinal daexpectativa alegre pela vinda do Salvador. A terceira vela acesa nos convida à alegriae ao júbilo pela aproximação da chegada de Jesus. A cor litúrgica desse dia, o rosa,indica justamente o Domingo da Alegria, onde transborda nosso coração de alegria pelaproximidade da chegada do Senhor. Essa vela lembra ainda a alegria celebrada pelo reiDavi e sua promessa que, agora, está se cumprindo em Maria.Oração:“Alegrai-vos sempre no Senhor! De novo vos digo: Alegrai-vos! O Senhor está perto!”A quarta vela é a dos anjos, de cor branca, ligada à Virgem Maria, que dará à luz umfilho, Jesus Cristo. A quarta vela marca os passos de preparação para acolher o Salvador,nossa expectativa da chegada definitiva da Luz ao mundo. Simboliza ainda nossa fé emJesus Cristo, que ilumina todo homem que vem a este mundo e também os ensinamentosdos profetas, que anunciaram a chegada do Salvador.Oração:“Céus, deixai cair o orvalho, nuvens, chovei o justo; abra-se a terra, e brote o Salvador!”Rito da vela: O rito pode ser feito da seguinte maneira: uma pessoa entra com a vela acesa
  24. 24. 24(de preferência uma mulher, grávida), enquanto a comunidade canta o refrão e a primeiraestrofe do canto, a cada domingo... ou outro canto apropriado.Benção das velas: o acender das velas, normalmente, é aberto com a bênção das velas,canto e oração própria. Seria também muito próprio fazer, em nossas casas, uma breveoração e acendimento das velas nos domingos que antecedem o Natal.Louvação: também pode ser feita a seguinte louvação, enquanto se coloca a vela na coroa:Bendito sejas, Deus bondoso, pela luz de Cristo, Sol de nossas vidas, a quem esperamoscom toda a ternura do coração!b. O RITUAL DAS VELAS II Oração para cada Domingo do advento1º Domingo do Advento – A VELA DOS PROFETASOração – Deus nosso Pai, ao começar este Advento, queremos acender a primeira veladesta coroa. É um sinal da luz que ilumina a nossa esperança. Queremos que esta velaseja um sinal do nosso permanecer desperto e com os olhos do coração abertos para ler ossinais e vestígios da tua vinda e da tua presença entre nós. Que não deixemos de ver nadado que nos fala de ti. Que não percamos nunca a sensibilidade para sintonizar contigoonde quer que estejas.Cântico2º Domingo do Advento – A VELA DE BELÉMOração - Deus nosso Pai, o caminho do Advento que percorremos encheu-se hoje desonhos e de projetos belos, desses que nos dão ânimo para avançar, mesmo quandoestamos cansados. No teu Reino haverá justiça e paz. Faz, Senhor, que ao acender estasegunda vela da Coroa de Advento, possamos ver que esses sonhos se aproximam da nossarealidade. Faz, Senhor, que do mesmo modo que estas velas nos iluminam, os valores doteu Reino iluminem as nossas vidas.Cântico3º Domingo do Advento – A VELA DOS PASTORESOração - Senhor, acendemos hoje esta terceira vela. Ela une-se às outras para nos daruma luz mais poderosa. Desperta-nos, Senhor, do nosso sono e ajuda-nos para que a nossapresença na sociedade seja um sinal de que vens ao nosso encontro, quando fazemospossível que a justiça, a liberdade e a paz sejam as características da vida dos nossosirmãos.Cântico4º Domingo do Advento – A VELA DOS ANJOSOração - Agora, Senhor, estão acesas as quatro velas. A luz habita entre nós como o fezum dia, graças a uma mulher simples que ouviu a Palavra de Deus, que confiou nele e omanifestou à humanidade. O Natal está tão perto que quase o podemos tocar. A esperançaestá tão madura que é quase uma realidade. É aí, Senhor, entre a realidade e a esperançaque queremos por os nossos corações como Maria. Que tu os enchas de luz. Luz que reflete
  25. 25. 25a tua presença no mundo.Cântico
  26. 26. 26ANEXO 3 – CANTOS DA COROA DO ADVENTOa ) - UMA VELA ACENDEMOS NESTE MOMENTO1 - Uma vela acendemos neste momento. É a primeira vela da coroa do Advento. (bis) Uma voz que clamava no deserto falou: “Preparai os caminhos do Senhor”. (bis) Vem, vem, Jesus! Vem, vem, Jesus! Que nos ilumine a tua luz! (bis)1. - Duas velas acendemos neste momento. É a segunda vela da coroa do Advento. (bis)2. - Três velas acendemos neste momento. É a terceira vela da coroa do Advento. (bis) c. - UMA VELA NA COROA ACENDEMOS1o. DomingoUma vela, na coroa, acendemos.Toda sombra se esvai com sua luz;vigilantes, o Senhor esperemos:chegou o tempo do Advento de Jesus!Meus irmãos, penitência e oração!Arrumemos nossa casa com alegria!Logo a ela o Senhor vai chegarpelo ventre imaculado de Maria!2o. DomingoOutra vela, na coroa, acendemos,penitentes, nos caminhos do Senhor.Consolando os aflitos,busquemos novos céus e nova terra, com ardor! 3o. Domingo A terceira vela hoje acendemos e cantamos: “ Alegrai-vos no Senhor!” No deserto, uma voz escutemos: “Praticai a justiça e o amor!”4o. Domingo Acendemos hoje a última vela, pois tão logo o Emanuel já vai chegar. Com Maria, todos juntos, na espera, “Deus conosco”, pro seu Reino implantar!
  27. 27. 27
  28. 28. 28 ANEXO 4 – SUGESTÕES PARA O IV DOMINGO DO ADVENTO 1. Será oportuno, durante a celebração, em momento apropriado, colocar a imagem ou figura de Maria e de José no presépio e, no final da celebração, cantar um hino mariano.2. A cor rosada continua indicando a alegria da espera e da chegada, agora mais próxima. 3. Valorizara participação das mães gestantes e de crianças nos vários momentos da celebração.4. Quem preside a celebração ou uma mulher grávida traz, na procissão de entrada, a quarta vela do Advento, que deverá ser colocada na coroa do Advento, no momento escolhido e acompanhado por um refrão ou frase bíblica ligada à liturgia da Palavra desse dia.5. Evangelho poderá ser dialogado ou mesmo encenado.6. É bom que a resposta às preces seja cantada, assim como a louvação do Advento (Hinário Litúrgico, p. 73), o Santo e o amém final. 7. Antes da louvação ou abrindo a Oração Eucarística, a comunidade seja convidada a proclamar as esperanças que animam hoje, a caminhada dos pobres.8. Dar uma bênção especial para as mães gestantes presentes e, a todo o povo, a bênção própria do Advento (Missal Romano, p. 519).9. Lembrar que, no dia 22 de dezembro, recordamos Chico Mendes, defensor do meio ambiente.
  29. 29. 29ANEXO 5 – BÊNÇÃOS, ORAÇÕES e POEMAS.5.1 - BÊNÇÃO À MÃE GESTANTENós vos louvamos, Senhor,porque sois o Criador de toda a VIDA.Nós vos louvamos pela vossa SABEDORIAque prepara no ventre da mãeuma primeira casa para o novo ser.Nós vos louvamos, Senhor da VIDA, com o ritmo das batidasdo novo coração, com a pulsação da nova vida que vai nascer.E agora, Senhor, abençoai mãe, pai e filho.Que essa criança nasça para tornar este mundomais humano, mais feliz e santo.Por Cristo, Senhor nosso.Amém.5.2 - BENÇÃO À FAMÍLIASenhor Deus, Pai de todos nós,derramai, pelo Vosso Espírito de amor,todas as bênçãos necessárias para a nossa família aqui reunida,para gue cada um de nós cumpra a sua missão,seguindo o Vosso plano de amor para o bem de todos.Senhor, que nossa família assim abençoada.Seja uma verdadeira imagem da Vossa Trindade,na unidade, na ação, e na vida em comum. Amém(De mãos dadas, façam a oração do Pai-Nosso.)Jesus, Maria e José, iluminai a vida do nosso lar!(Cada qual faça o sinal da cruz com água benta)5.3 - ADVENTO É TEMPO DE PREPARAÇÃO Edson PonickAdvento é tempo de preparaçãoTempo de abrir caminhos para o Deus criançaÉ estar disposto para ajudar o irmãoE uma irmã encher de esperançaAdvento é tempo de avaliaçãoDe unir caminhos e acertar estradasÉ tempo certo de pedir perdãoE perdoar seguindo de mãos dadasAdvento é tempo de transformaçãoSonhar caminhos para o mundo novoE ver que a luz de Deus é doaçãoE a novidade é para todo o povo
  30. 30. 30Advento é tempo de decoraçãoFlorir caminhos e aplainar colinasEncher de amor e paz o coraçãoPara espalhar nas noites natalinas5.4 - ORAÇÃO PARA RENASCER NO NATALSenhor, Jesus Menino,dá-me a graça de renascer neste Natal.Aspiro nascer do alto,creio, porém, que minha fé ainda é pequena.Reaviva em mim a esperança concretade tua encarnação, o desejo real de viver teus ensinamentose a paz de saber que pertenço a ti.Amansa o barro que sou,dá-me uma forma espiritual nova,amolece a secura da minha argilacom gotas de água da vida que provém do teu coração.Limpa o meu ser, retira de dentro de mimtudo aquilo que se instalou e fez morada:a falta de perdão, a raiva, o ciúme, o egoísmo...Na casa que sou eu e que ofereço a ti,coloca tua manjedoura no centro de minha alma,senta-te em minha casa,reina em minha existência,governa...Não deixa que o medo, a insegurançae os problemas da vida retirem de meu rostoa serenidade de saberque tu és meu Deus.Da minha vida tu sabes tudo,passado, presente, futuro,tudo te pertence.Neste Natal, quero nascer de novo,ser colocado ao teu lado no presépio de Beléme sentir o amor de ser cuidado pelos olhos atentosde Maria e José.5.4 - ORAÇÃO DA FAMÍLIA DIANTE DO PRESÉPIOMenino Jesus, Deus que se fez pequeno por nós,diante da cena do teu nascimento, do presépio,
  31. 31. 31estamos reunidos em família para rezar.Mesmo que fisicamente falte alguém,em espírito somos uma só alma.Olhando Maria, tua Mãe Santíssima,rezamos pelas mulheres da família,que cada uma delas acolha com amora palavra de Deus, sem medo e sem reservas,que elas lutem pela harmonia e paz em nossa casa.Vendo teu pai adotivo, São José, pedimos,ó Menino Deus, pelos homens desta família,que eles transmitam segurança e proteção,estejam sempre atentos às necessidades mais urgentes,que saibam proteger nossos lares de tudo que não provém de ti.Diante dos pastores e reis magos,pedimos por todos nós,para que saibamos render-te graças,louvar-te sempre em todas as circunstâncias,e que não nos cansemos de procurar-te,mesmo por caminhos difíceis.Menino Jesus, contemplando tua face serena,teu sorriso de criança, bendizemos tua ação em nossas vidas.Que nesta noite santa, possamos esquecer as discórdias,os rancores, possamos nos perdoar.Jesus querido, abençoa nossa família,cura os enfermos que houver,cura as feridas de relacionamentos.Fazemos hoje o propósito de nos amar mais.Que neste natal a bênção divina recaia sobre nós.Amém.5.4 - ORAÇÃO AO DEUS DA LUZ Víctor Araya Guillén/ Costa Rica"Esta é a mensagem que ouvimos dele e anunciamos:Deus é Luz e não há nenhuma treva nele" (1 João 1,5)Deus conosco, é nossa Luz e Salvação, (Sl 27,1)porque teu amor é para sempre (Sl 106,1)
  32. 32. 32Tu que habitas no Mistério da Luz inefável (1 Tm 6,16)e em quem não há obscuridade alguma (1 Jo 1,5)Tu que com beleza criou a Luz (Gen 1,3ss)e a tens feito brilhar do "meio da escuridão" (2 Cor 4,6)Tu que por tua bondade e carinho inesgotávelprometeste desde sempre e para sempreguiar nossos passos à frente,converter a escuridão em Luz,e por tua graça nos chamaste das trevas para a Maravilhosa LuzTu que fizeste visível a "Luz de teu rosto" (Sl 4,6)e enviaste teu Filho ao mundo, nascido de mulher,cheio de vida e luz (Jo 8,12), cheio de amor e fidelidadepara trazer-nos a Luz da vidaLuz que ilumina a toda pessoaLuz que brilha na escuridãoLuz que a escuridão não pode vencer (Jo 1,5)INUNDA-NOS SEMPRE COM O DOM DE TUA LUZ E SALVAÇÃO!Para que através de tua Luz verdadeirapossamos pela força de teu Espíritover em tua Luz, a luz (Sl 36,10)caminhar em tua Luz (1Ts 5,5)dar testemunho de tua luz (Jo 1,8)fazer as obras da luz (Ro 13,12)Até a vinda de teu Reino, Reino de Luz.Amém, assim seja para sempre!FONTES CONSULTADASAdital - www.adital.com.brCEBI - Centro de Estudos Bíblicos - www.cebi.org.brRevista de Liturgia - www.apostoladoliturgico.com.brRevista Ave Maria - www.avemaria.com.br/revistaComep Paulinas - www.irmamiria.com.br

×