O Ambiente

1.990 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.990
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
396
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Ambiente

  1. 1. Trabalho realizado por:As Professoras: Elisa Medeiros e André, n.º4, Bernardo, n.º6, Johnathon, n.º13 eLúcia Nunes Sofia, n.º23 5 de junho de 2012
  2. 2. Preservação Breve Visualização Algumas do Património Introdução de um vídeo; imagens; Natural;Desflorestaçã Biodiversidad oe Algumas Visualização e e extinçãoDesertificação imagens; de um vídeo; de espécies; ; Algumas Entrega de Bibliografia; imagens; um marcador.
  3. 3. Este trabalho foi elaborado no âmbito dedesenvolver os conhecimentos dos alunos para os variados temas sobre o ambiente. Estetrabalho foi realizado nas aulas de cidadania ao longo do 3.º período.
  4. 4. Património Natural é o conjunto decaracterísticas físicas, biológicas e geológicasextraordinárias; habitats de espécies animaisou vegetais em risco e áreas de grande valordo ponto de vista científico e estético ou doponto de vista da conservação.
  5. 5. 1.Formações físicas e biológicas, ou grupos destasformações, de valor universal incalculável do ponto de vistaestético e científico.2.Formações geológicas e fisiográficas e áreas bem delimitadasque constituam o habitat de espécies animais ou vegetais emrisco de valor incalculável do ponto de vista da ciência e da conservação.3.Sítios naturais ou áreas naturais bem delimitadas de valoruniversal incalculável do ponto de vista da ciência, daconservação ou da beleza natural.
  6. 6. A importância da preservação é aceite a nível mundial. É otema recorrente em várias esferas da nossa sociedade.A perda de áreas naturais tem motivado esta nova visãopreservacionista.O património natural compreende áreas que importapreservar por virtude da sua importância histórica, biológicae beleza paisagística, e que transmite à população osignificado do ambiente natural, para que nos lembremosquem somos, o que fazemos, de onde viemos e, porconsequência, como seremos.
  7. 7. Preservaçãodo Património Natural: Efeitos Negativos e Efeitos Benéfico
  8. 8. Biodiversidade Biodiversidade é a riqueza e a variedade do mundo natural. Para entender o que é a biodiversidade, devemos considerar o termo em dois níveis diferentes: todas as formas de vida, assim como os genes contidos em cada indivíduo, e as inter- relações, ou ecossistemas, na qual a existência de uma espécie afeta diretamente muitas
  9. 9. Pontos Críticos da Biodiversidade Um "ponto crítico" (hot spot) de biodiversidade é um local com muitas espécies endémicas. Ocorrem geralmente em áreas de impacto humano crescente. A maior parte deles está localizada nos trópicos. Alguns deles: O Brasil tem 1/5 da biodiversidade mundial, com 50 000 espécies de plantas, 5000 de vertebrados, 10-15 milhões de insectos, milhões de microorganismos. A Índia apresenta 8% das espécies enumeradas, com 47 000 espécies de plantas e 81 000 de animais.
  10. 10. Biodiversidade: tempo e espaço A biodiversidade não é parada. É um sistema em constante evolução tanto do ponto de vista das espécies como também de um só organismo. A meia-vida média de uma espécie é de um milhão de anos e 99% das espécies que já viveram na Terra estão hoje extintas.
  11. 11.  A biodiversidade não é distribuída igualmente na Terra. Ela é, sem dúvida, maior nos trópicos. Quanto maior a latitude, menor é o número de espécies, contudo, as populações tendem a ter maiores áreas de ocorrência. Este efeito que envolve disponibilidade energética, mudanças climáticas em regiões de alta latitude é conhecido como efeito Rapoport. Existem regiões do globo onde há mais espécies que outras. A riqueza de espécies tendem a variar de acordo com a disponibilidade energética, hídrica (clima, altitude) e também pelas suas histórias evolutivas.
  12. 12. Manuseio da biodiversidade:conservação, preservação e protecção A conservação da diversidade biológica tornou-se uma preocupação global. Apesar de não haver consenso quanto ao tamanho e ao significado da extinção actual, muitos consideram a biodiversidade essencial. Há basicamente dois tipos principais de opções de conservação, conservação in-situ e conservação ex-situ. A in-situ é geralmente vista como uma estratégia de conservação elementar. Entretanto, sua implementação é às vezes impossível. Por exemplo, a destruição de habitats de espécies raras ou ameaçadas de extinção às vezes requer um esforço de conservação ex-situ. Além disso, a conservação ex-situ pode dar uma solução reserva para projectos de conservação in-situ. Alguns acham que ambos os tipos de conservação são necessários para assegurar uma preservação apropriada.
  13. 13.  Um exemplo de um esforço de conservação in-situ é a construção de áreas de protecção. Um exemplo de um esforço de conservação ex-situ, ao contrário, seria a plantação de germoplasma em bancos de sementes. Tais esforços permitem a preservação de grandes populações de plantas com o mínimo de erosão genética.
  14. 14. A Ameaça à Biodiversidade Durante as últimas décadas, uma erosão da biodiversidade foi observada. A maioria dos biólogos acredita que uma extinção em massa está a caminho. Apesar de divididos a respeito dos números, muitos cientistas acreditam que a taxa de perda de espécies é maior agora do que em qualquer outra época da história da Terra. Alguns estudos mostram que cerca de 12,5% das espécies de plantas conhecidas estão sob ameaça de extinção. Alguns dizem que cerca de 20% de todas as espécies viventes podem desaparecer em 30 anos. Quase todos dizem que as perdas são decorrentes das actividades humanas, em particular a destruição dos habitats de plantas e animais.
  15. 15. Identificação:O lobo da Península Ibérica (Canis lupus signatus) é um subespécie do Lobo -cinzento. A suapopulação deve rondar entre 1600-1700 indivíduos.Destes, cerca de 170 habitam no nordeste transmontano.Um pouco mais pequeno e esguio que as outras subespécies do lobo cinzento, o lobo ibéricomede entre 130 a 180 cm de comprimento os machos, e 130 a 160 cm as fêmeas.Os machos pesam geralmente entre 20 a 40kg e no caso das fêmeas entre 20 a 35kg.A pelagem é de coloração acinzentada e mesclada de negro, particularmente sobre o dorso.Alimentação:A alimentação é muito variada. As suas principais presas são o javali, o corço e o veado, e aspresas domésticas mais comuns são a ovelha, a cabra, a galinha, o cavalo e a vaca.Ocasionalmente também mata e come cães e aproveita cadáveres que encontra, istoé, sempre que pode é necrófago.Ecologia:Espécie que vive em alcateias formadas por 3 a 8 indivíduos, devidamente hierarquizados.Existe um par dominante (par alfa). Os locais habitados por lobos caracterizam-se porpouca, vestigio humano,embora com elevada taxa de actividade pecuária e uma topografiaacidentada. De actividade essencialmente nocturna, podem percorrer num só dia cerca de 20a 40 km à procura de presas: mamíferos de médio e grande porte.
  16. 16. Habitat:Habitam em bosques abertos, tundra, florestas densas e montanhas onde se refugia em tocas escavadas porele ou reaproveitadas de outros animais.A população Europeia original está agora muito reduzida. A primitiva área de distribuição mundial do loboabrangia quase todo o hemisfério Norte, exceção feita ao Norte do continente Africano. Atualmente estecanídeo ocupa uma área muito mais reduzida, estando classificado como Espécie Vulnerável a nível mundial.Na Península Ibérica, a área de distribuição deste predador restringe-se ao quadrante noroeste dapenínsula, estando classificado como Espécie Vulnerável em Espanha e como Espécie Em Perigo, emPortugal.Reprodução:Geralmente acasalam para toda a vida e, usualmente, apenas o par alfa se reproduz. Atingem a maturidadesexual por volta dos 2-3 anos de idade.Apenas se reproduzem uma vez por ano – fim do Inverno ou início da Primavera (Janeiro a Março) – alturaem que ocorre o acasalamento. Os nascimentos dão-se, em geral, durante o mês de Maio ou Junho. Asninhadas têm geralmente 3 a 8 lobitos nascendo com os olhos fechados e necessitando de cuidadosparentais. Em finais de Outubro saem dos locais de criação e iniciam a sua aprendizagem de caça.Fatores de ameaça:As causas do declínio do lobo são a sua perseguição direta e o extermínio das suas presas selvagens. Odeclínio é atualmente agravado pela fragmentação e da destruição do habitat e pelo aumento do número decães vadios ou assilvestrados.A redução progressiva do número de ungulados silvestres (corço e veado) levou a que este predador tivesseque recorrer aos animais domésticos como recurso alimentar. Deste modo, a perseguição direta por parte dospastores que sofrem prejuízos avultados nos seus rebanhos, sofreu um incremento, apesar da lei que oproíbe. Nas últimas décadas assistiu-se à destruição do habitat preferencial do lobo, com a construção degrandes infra estruturas viárias levou à fragmentação e redução da área de distribuição do lobo em Portugal.Atualmente, também a existência de um elevado número cães vadios/assilvestrados que afeta asobrevivência do lobo uma vez que competem com o lobo na procura de alimento, sendo provavelmenteresponsáveis por muitos dos ataques a animais domésticos incorretamente atribuídos ao lobo.
  17. 17. O meu nome vulgar: Chamo-me Lince Ibérico. O meu nome científico é:"Lynx Pardinus" Como sou:Têm o corpo revestido por pêlos. As suas orelhas caracterizam-se por um tufo depêlos negros nas extremidades. As partes superiores são cinzentas arruivadascom manchas escuras sobre as costas, flancos e patas. A barriga é brancaamarelada e a extremidade da minha cauda é negra. Têm pêlos faciais alongadosque se tornam especialmente notáveis no Inverno e que são um importante órgãode tacto.É uma espécie endémica da Península Ibérica e vive nas áreas montanhosasrecônditas, cobertas por bosque e matagal, mas gosta das planíciesalentejanas, onde existe caça abundante.Tipo de alimento:Para que este possa sobreviver é imprescindível assegurar a preservação deextensas áreas de habitat favorável, nomeadamente as zonas de abrigo ereprodução, através do estabelecimento de áreas protegidas. É um animalcarnívoro de temperamento agressivo e territorial, alimenta-se à base decaça, principalmente coelho bravo e perdizes.
  18. 18. Lince Ibérico Ciclo reprodutivo: O seu acasalamento ocorre em Janeiro e Fevereiro e as suas crias(de 1 a 4 ) nascem em Março ou abril, sendo o período de gestação de 65 a 72 dias. A fase de amamentação dura 3-4 semanas, mas as crias acompanham a mãe até estas voltarem a acasalar. Porquê está em vias de extinção: Está em vias de extinção devido á destruição e fragmentação do seu habitat, provocadas pela remoção indiscriminada da floresta e da construção de barragens e estradas. A sua principal fonte de alimentação, o coelho bravo, morre devido ás doenças e á caça excessiva, o que dificulta a sua sobrevivência. A tudo isto podemos ainda acrescentar o seu abate ilegal em coutos de caça e em batidas a raposas e javalis e o atropelamento nas estradas. O que se pode fazer para salvar o Lince Ibérico? Podes também fazer campanhas de informação e sensibilização para que não destruam o seu habitat natural, para que não cacem coelhos bravos em demasia e para que não me matem enquanto procuram caçar raposas ou javalis.
  19. 19. A lontra-europeia é uma espécie de lontra da família dos mustelídeos O seuhabitat situa-se na Europa Ocidental, Ásia e no Noroeste Africano. Vivem emlagos, rios, riachos e lagoas, e raramente aparecem no litoral.Esta lontra possui hábitos principalmente noturnos matinais, e como todas asoutras lontras, é um animal semi-aquatico. O corpo das lontras europeias medeentre 90 e 120 centímetros, e pesa entre 5 e 15 quilos. É revestida por duascamadas de pelo impermeável, na maior parte do corpo castanha, mas mais clarana garganta. Tem os membros curtos e patas com membranas interdigitais quelhe propulsionam uma natação rápida e vigorosa. A cauda forte, comprida eachatada é o principal órgão propulsor, servindo também de leme. Emmédia, pesa 7–14 kg e mede 57-70 cm sem contar com a cauda, que mede 35-45 cm.A lontra-europeia é um animal geralmente solitário, e ocupa um território que vaide 5 a 15 km, que é marcado com secreções odoríferas e fezes. O macho vivenormalmente sozinho numa área que pode incluir o território de uma ou maisfêmeas. Elas constroem uma toca entre raízes de árvores, em troncos ocos ounuma cavidade rochosa, que às vezes possui uma entrada debaixo da água.Alimentam-se principalmente de peixes e, eventualmente, crustáceos, pássaros eroedores. No interior, caça no escuro, mas nas zonas costeiras é mais ativadurante o dia.
  20. 20. Lontra-europeia São animais vivíparos, atingindo a maturidade sexual entre os dois e os três anos. Embora podendo reproduzir-se durante todo o ano, costumam acasalar entre fevereiro e abril. O período de gestação dura cerca de 60 dias e origina duas a três crias. Estas nascem cegas e são amamentadas durante cerca de três meses, permanecendo junto da progenitora mais de um ano. Atingem o estado adulto aos dois anos e têm uma longevidade de vinte anos, apesar de, em estado selvagem, poucos indivíduos ultrapassarem dos dez anos de vida. A lontra-comum é considerada uma espécie rara. É caçada pela sua pele ou simplesmente por desporte. Sofre os efeitos da poluição da água e da destruição dos habitats fluviais.
  21. 21. A águia-de-bonelli ou Águia-perdigueira (Hieraaetus fasciatus ou Aquila fasciata) é umaave pertencente à família Accipitridae.Esta ave de rapina, devido a ser uma espécie em perigo de extinção, foi classificada emPortugal com o estatuto de conservação "raro" (Livro vermelho dos vertebrados dePortugal continental) e na União Europeia com o estatuto de conservação prioritário.Tem um comprimento de cerca de 60 cm e envergadura de asas de 165 cm.Habita normalmente regiões montanhosas, onde pode ser avistada a pairar, geralmenteaos pares. A sua silhueta em voo é facilmente confundida com a águia-real, masdistingue-se por ter os "dedos" mais curtos e a cauda mais longa e direita.São predominantemente residentes, mas alguns indivíduos migram para zonas maisquentes no inverno.
  22. 22. A puma ou leão-da-montanha, é um mamífero da família felídeos nativo dasAméricas. Este felino grande e solitário tem a maior escala de distribuição do quequalquer outro mamífero selvagem no hemisfério ocidental, estendendo-se deYukon no Canadá ao Andes sulinos da América do Sul. Uma espécie adaptável, opuma é encontrado em qualquer região e tipo de habitat do Novo Mundo. É osegundo felino mais pesado do Novo Mundo, depois do Jaguar (onça pintada), e oquarto mais pesado do mundo, depois do tigre, leão e jaguar, embora seja maisfrequentemente relacionada aos pequenos felinos. Alguns cientistas consideram opuma e guepardo como parentes próximos.O puma possui uma variedade de presas fazendo deles um hábil predador . Asfontes alimentares primárias incluem ungulados como cervos e ovelhas, bem comogado doméstico, cavalos, e ovelhas, em particular na parte do norte da suaespécie, mas também caça espécie tão pequena como insetos e roedores. Preferehabitats com vegetação rasteira densa e áreas rochosas de atacar à espreita, masele pode viver em áreas abertas. Pumas são conhecidos por matarem pelo menosum cervo adulto por semana, mais em climas quente; diferente dos ursos, eles nãogostam de carne estragada.
  23. 23. O puma é territorial e persiste em densidades demográficas baixas. Ostamanhos dos território individuais dependem do terreno, vegetação, eabundância de presas. Enquanto é um grande predador, nem sempre é aespécie dominante na sua variedade, como quando ele compete pelarapina com animais como o lobo cinzento. É um animal reclusos enormalmente evita pessoas. Os ataques em seres humanos permanecemraros, apesar de um aumento recente na frequência.Devido à perseguição depois da colonização europeia das Américas, econtinuação do desenvolvimento humano do habitat do puma, aspopulações estão buscando seu território histórico novamente.Especialmente, o puma foi extinto no leste da América do Norte, excetouma subpopulação isolada na Flórida; o animal pode estar recolonizandopartes do seu antigo território oriental. Com a sua variedade vasta, opuma tem dúzias de nomes e várias referências na mitologia dos povosindígenas das Américas e na cultura contemporânea.
  24. 24. A desflorestação é o processo de destruição da floresta (árvore, plantas), causada peloHomem para poder obter mais solos para cultivações agrícolas e extrair madeiraConsequências: A principal consequência é que devido à destruição das árvores, estasdeixam de realizar a fotossíntese pois estão “mortas”, logo a capacidade do meio ambientede absorver esse gás é menor ( agravando o aquecimento global). Calcula-se que adesflorestação já seja responsável por 10% a 35% das emissões de gases de efeito deestufa anuais. Modificação da crosta terrestre.A desflorestação é um grande problema pois tem vários impactos principalmente sobre oclima e a biodiversidade (e as pessoas). No clima, há o aquecimento Global. Nabiodiversidade, a destruição das florestas muitas vezes destrói o habitat de plantas eanimais, dificultando a relação entre estas espécies, ou até mesmo a morte de algumasespécies ( muitas ainda não identificadas).
  25. 25. Medidas de Prevenção: Para tais problemas não acontecerem, devemos prevenir estassituações não fazer piqueniques, fogueiras e outras coisas na floresta (devemos respeitar olocal); devemos reciclar e reutilizar os variados objetos (para que não seja preciso destruirmais floresta para retirar materiais); criar reservas naturais (com a abolição de cortarárvores); plantar árvores e divulgar às pessoas as consequências deste problema. Devemosprincipalmente proteger as áreas de plantas endémicas (plantas que existem apenasnaquele determinado local), como nos Açores temos, as nativas ( naturais dos Açores) e asinvasoras (não são naturais dos Açores, mas foram postas no determinado local).Como plantas endémicas dos açores temos como exemplos: Louro - Laurus azorica Cedro-do-mato - Juniperus brevifolia Azevinho - Ilex perado ssp. azorica
  26. 26. A desertificação é a transformação de uma área em um deserto (perdendo a capacidadeproduzir novos ecossistemas). Existe igualmente a diminuição da fauna e flora, de outrasespécies e reprodução de espécies raras. Os habitantes, os agricultores e os Solo cada vez pecuaristas geralmente vão viver mais estéril para outro local. Perde a capacidade de Terra perde os reproduzir nova seus nutrientes vegetação As chuvas são poucas e o solo Sobrevivência fica seco e sem fica muito difícil vida
  27. 27. No caso dos desertos arenosos, a desertificação é originada pelo empobrecimento dosolo e a morte da vegetação (sendo esta substituída por terrenos arenosos).No caso dos desertos polares, a causa é evidentemente a temperatura extremamentebaixa naquelas regiões.
  28. 28. Curiosidade: Portugal é umdos países europeus com Reduz amaior risco de produção/oferta de alimentodesertificação, sendo este Económicasquase nulo nas regiões do Custo deTejo recuperação da área abrangida Perda de Consequências Ambientais espécies nativas Migração das populações para cidades Sociais A pobreza, o desemprego e a violência
  29. 29.  Google Imagens http://www.icm.gov.mo/exhibition/tc/nhintroP.asp http://pt.wikipedia.org/wiki/Desertifica%C3%A7%C3%A3o http://www.slideshare.net/dylancosta/desflorestaao-7431956
  30. 30. Trabalho realizado por:As Professoras: Elisa Medeiros e André, n.º4, Bernardo, n.º6, Johnathon, n.º13 eLúcia Nunes Sofia, n.º23 5 de junho de 2012

×