1º Numero do Bioletter

660 visualizações

Publicada em

Este é o primeiro numero do Bioletter, o Jornal do curso de Biologia da ESA IPBeja

Publicada em: Educação, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

1º Numero do Bioletter

  1. 1. BioLetter Nº 1/2010: Março/Abril Jornal do Curso de Biologia Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja EDITORIAL 2010— Ano Internacional da estudantil. Surgiu, assim, o Bioletter , em cupações comuns sobre as ameaças cons- duas versões: o jornal e blog. tantes e crescentes à biodiversidade do Biodiversidade Este é um contributo, sem dúvida nosso planeta, e uma forma de envolvermos Num ano que pretende ser um marco modesto, face à dimensão do problema de um número cada vez maior de elementos da na problemática da conservação da bio- perda de biodiversidade que ameaça o comunidade estudantil. diversidade, os alunos do curso de licen- planeta Terra e, consequentemente, a São os jovens que poderão marcar a ciatura em Biologia (da Escola Superior espécie humana, tão dependente dos diferença, numa época em que a preserva- Agrária de Beja) pretenderam contri- recursos naturais, ainda que, negada ou ção da biodiversidade (natural e cultural) é buir, de forma activa, para a divulgação minorada por muitos “poderes” da nossa uma luta diária. Esperamos, por isso, con- desta preocupação global e criar uma sociedade global. tribuir para a sua consciencialização e plataforma de discussão e divulgação de É no entanto, uma forma de nos jun- mobilização. iniciativas, aberta a toda a comunidade tarmos à “aldeia global” que partilha preo- Maria Margarida Pereira Coordenadora de Curso de Biologia A Opinião de ….. António Domingos Abreu, Bastonário da Ordem dos Biólogos Há décadas que investigadores e divulgadores andam a tentar mostrar à sociedade a importância e o valor económico que dependem dos bens e serviços fornecidos pela diversidade biológica, nos seus diferentes níveis de organização funcional e, em particular, nos ecossistemas. Não foi fácil porém pregar esta evidência que, geralmente encontrava no valor intrínseco o seu mais alto reconhecimento. Com efeito, as sociedades desenvolvidas, na melhor das hipóteses, lá foram con- cedendo o chamado direito à existência da biodiversidade, em nome do valor universal do conceito de  Editorial vida. É o clássico valor espiritual da biodiversidade, bem reconhecido mas sem expressão de mercado,  A Opinião de …. logo muitas vezes ignorado quando se trata de proceder a avaliações e definição de estratégias. As alterações climáticas e a mudança global são factores decisivos para esta mudança. Passou a ser  Links úteis fácil entender que a perda de biodiversidade não é apenas o usual folclore associado aquelas espécies emblemáticas com que se foi construindo o ambientalismo idealista do século XX. Os actores agora são  Próximas Activida- outros. Bancos, multinacionais ligadas à produção, seguros, governos, vêm juntar-se aos militantes de des sempre. Hoje a biodiversidade é encarada de forma séria pelo mercado, que procura então aprender como assegurar uma posição privilegiada neste sector. Finalmente parece que a biodiversidade pode ser traduzida em Euros ou dólares. Aliás é essa a medida que deveria se utilizada para avaliar as suas fun- ções prestadas no turismo, na regulação climática, na depuração de contaminações, ou no fornecimento Nesta Edição( de matérias primas utilizadas desde a alimentação à farmacêutica, com toda a explosão que as biotec- nologias estão a sugerir neste início de novo século. Workshop de Cogume- 2 É tempo de procurar, não só conhecer e avaliar o valor objectivo da biodiversidade, mas sobretudo los Silvestres integrá-lo na equação que mede o desenvolvimento, seja ele o de uma empresa, região, ou de um país. Portugal tem na biodiversidade, uma nova oportunidade. O sucesso da afirmação de uma posição Craig Venter volta a dar privilegiada requer decisões urgentes e coerentes. Precisamos de conhecimento e inovação. Isso impli- 3 ca, no que diz respeito à I & D, na área da conservação da natureza e biodiversidade, que se definam cartas estratégias e compromissos que mudem rapidamente o paradigma ao estilo: “de projecto em projecto”, para uma verdadeira linha de ID&T sobre a biodiversidade a médio e longo prazo. Uma ID&T que dispo- Pólo Ictiológico do Gua- 3 nibilize informação segura de apoio à decisão e gestão do recurso biodiversidade. diana António Domingos Abreu Biólogos da ESAB na 4 Bastonário da Ordem dos Biólogos Europa
  2. 2. Página 2 BioLetter Workshop de Cogumelos Silvestres Aproveitando o ano inter- de de cogumelos que emergem 10h00, deu-se inicio ao work- nacional sobre a biodiversida- em solos nacionais e sensibili- shop de cogumelos, Como de, não nos podemos esquecer zar os participantes para a tema de abertura, iniciação à de todos os organismos vivos importância dos fungos nos micologia e morfologia de que habitam o planeta Terra. ecossistemas e preservação cogumelos, onde Luís Morgado Os fungos não foram esqueci- dos nossos recursos micológi- abordou os temas sobre graus dos, e como tal, foi realizado cos. Com a colaboração taxonómicos, as característi- Foto1: Pleurotus ostreatus. um workshop sobre cogumelos imprescindível dos biólogos e cas dos fungos e caracteriza- Cogumelos c omestíveis já silvestres no Ecocentro de oradores do Centro de Estu- ção das estruturas morfológi- são comercial izados, depois Compostagem Caseira, em dos da Avifauna Ibérica, Car- cas, identificação de macro- de emergirem do saco, Gasparões, Ferreira do Alen- los Vila-Viçosa e Luís Morga- fungos, identificação e taxo- estão prontos a ser c olhi- tejo, com objectivo de dar a do, no passado dia 06 de nomia de cogumelos. dos e cozinha dos. conhecer a enorme diversida- Fevereiro de 2010, pelas http://w w w .youtube.com/ w atch? v=4r6qiJoT0 ps &feature=player _embedded “Há quem passe pelo bosque e só veja lenha para a fogueira” Leon Tolstoi Depois de um reforço abordou temas sobre ecologia como outro tipo de activida- energético, seguiu-se a saída e habitats, gestão do recurso des a realizar no Ecocentro. de campo, onde se colheu, micológico, a importância eco- observou e identificou os lógica e sócio- económica do Agradecimentos: Associação cogumelos que ali surgiam, recurso. Foram feitas reco- de Estudantes da ESAB, Ins- num típico montado alenteja- lhas de esporos (esporadas), tituto Politécnico e Direcção no. Apesar de não haver muita dos cogumelos colhidos no da Escola Agrária, EC3- quantidade de cogumelos, a campo. e observações de Ecocentro de Compostagem variedade era imensa, o que estruturas do cogumelo ao Caseira, Carlos Vila-Viçosa, foi bastante positivo para os microscópio. Luís Morgado, e a todos os participantes. Com a chegada da primave- participantes no workshop. De regresso ao Ecocentro, ra e melhoria de condições Carlos Vila-Viçosa falou sobre climatéricas, aguardam-nos os recursos micológicos e mais saídas micológicas, tal Texto/ Fotos: Miguel Capela. Foto3 (à esquerda): Russula ssp; Foto2: Amanita muscaria Foto4 (à direita): Clathrus ruber. Nem todos os cogumelos são Foto 5 (em baixo): Montado. comestíveis: se for parecido com os que costuma apanhar, mas se lhe falta alguns aspec- tos característic os da espé - cie, e se não tiver a certeza, não arrisque. O cogum elo fará mais falta na natureza do que no seu prato. ht t p://ww w .d bio.ue vora.pt / ectoiberica/GUME/ http:// miscara.blog spot.c om/2 007/ 08/ associao- micolgica -marifusa. html http://w w w .fungos.net/
  3. 3. Nº 1/2010: Março/Abril Página 3 Craig Venter volta a dar cartas O nome Craig Venter poderá revistas científicas afirmam água que vai recolhendo dos não ser estranho ao ouvido. que a investigação abriu cami- locais por onde passa. O Isto deve-se ao facto de nho ao estudo do património objectivo? Sequenciar o este cientista ter descodifi- genético individual, para genoma de milhões de micror- cado o genoma humano de alcançar uma medicina perso- ganismos, esperando encon- uma só pessoa - ele próprio. nalizada. trar, em alguns deles, uma Esta investigação foi bas- Indiferente a tudo isto, bactéria capaz de transfor- tante criticada devido aos John Craig Venter está, des- mar a luz solar em energia elevados custos (dezenas de de 2003 ,a dar a volta ao limpa. milhares de dólares) envolvi- mundo a bordo do navio Sor- O cientista esteve nos dos nesta técnica de decifra- cerer II, ao estilo de Açores em 2009 e andará Fonte gem e ainda ao facto de “os “Charles Darwin e a origem pelo Mediterrâneo em 2010. “elproyectomatriz.wordpres resultados obtidos sobre a das espécies”. O cientista Se os prazos se cumprirem, s.com” variabilidade do genoma está convencido de que no acabará a sua aventura no humano são interessantes fundo dos oceanos estará a final do ano. Esperamos assim Sabia que… mas, por si só não trazem chave para a criação de fár- que a viagem seja frutuosa e nada de novo sobre o conheci- macos ajustáveis ao ADN de que em poucos anos tenhamos Craig Venter foi surfista na sua mento de doenças genéticas”, cada um. Mas o seu principal combustível sem emissões de juventude e passou pela Guerra comentou o director da objectivo é descobrir um CO2. do Vietname, onde foi Génescope (Centro Francês novo combustível, sem emis- paramédico no hospital de de Genética Molecular) à sões de CO2. Venter montou Texto de Eunice Santos um laboratório a bordo do campanha ? France Press. Aluno do 2º ano de Biologia Apesar das críticas as navio onde junta amostras de Pensamentos e reflexões Polo Ictiológico do Guadiana "Há um tempo em que Vai ser criado pólo dedicado não são detectadas por estas que gere o projecto Alqueva, é preciso abandonar as aos peixes do rio Guadiana paragens algumas há já deze- e uma das grandes dinamiza- roupas usadas que já em Mértola nas de anos, como o esturjão, doras do Baixo Alentejo. Mértola foi escolhida famoso pelas características Prevê-se que comece a têm a forma do nosso para acolher o pólo ictiológico gastronómicas das suas ovas funcionar em 2011. Numa corpo e esquecer os do Guadiana, ou seja, um cen- (caviar). próxima edição vamos tentar nossos caminhos que tro onde serão expostas e A promoção deste centro aprofundar este tema junto nos levam sempre aos estudadas espécies de peixes está a cargo do Instituto da de algum dos responsáveis mesmos lugares. É o originárias daquele rio, algu- Conservação da Natureza e pelo projecto. tempo da travessia e, mas delas em risco de extin- Biodiversidade (ICNB), com o se não ousarmos fazê- ção, como por exemplo o apoio da Câmara Municipal de Texto de Ivo Monteiro la, teremos ficado, para Saramugo, e outras que já Mértola e da EDIA, empresa Aluno do 2º ano de Biologia sempre, à margem de nós mesmos." Nova ameaça no rio Guadiana Fernando Pessoa De acordo com informações 70, numa bacia hidrográfica da ( Anaecypris hispanica ), ou fornecidas pelo nosso colabora- Catalunha (Espanha), . comercialmente importantes dor em Mértola, o biólogo Carlos A Portugal esta ameaça como o Sável (Alosa alosa), visto Carrapato, no dia 7 de Feverei- apenas chegou há cerca de 10 o Lucioperca ser uma espécie ro de 2010, foram capturados 2 anos, sendo detectado primeira- carnívora que se alimenta quase indivíduos da espécie Lúcioperca mente no rio Ave. exclusivamente de peixes, (Sander lucioperca) no Rio Gua- A chegada desta espécie ao podendo atingir 60 cm de com- diana. Guadiana, representa uma amea- primento. Esta é uma espécie invasora ça a várias outras espécies, natural da Europa Central, que algumas delas endémicas e em Texto de Ivo Monteiro e Sander lucioperca foi introduzida na década de risco, com o o Saramug o Carlos Carrapato Foto: Miguel Capela
  4. 4. BioLetter: Como tiveste conhecimento deste programa de estágios? Biólogos da ESAB na Europa Lia: Tomei conhecimento do Programa Leonardo da Vinci o ano passado, mas a parceria deste ano com o IPB foi através de uma amiga ex-aluna, que por sua Duas antigas alunas do curso de Biologia vão iniciar, vez foi informada por uma professora da Escola Superior Agrária. em Março, estágios profissionais, em Itália e na República Checa, ao abrigo do programa Leonardo da B.: Para que locais e instituições vais estagiar? L.: Vou estar 6 meses a viver no centro de Praga, República Checa e fui aceite Vinci. Resolvemos conhecer as expectativas de Lia para estagiar no Departamento de Hidrobiologia e Limnologia, pertencente à Valido antes da partida. Faculdade de Ciências da Universidade de Charles. B.: Que tipo de trabalho (ou áreas) vais desenvolver? L.:Apesar de ainda não estar definido o tema especifico, escolhi a Limnologia como área principal de trabalhos, sendo esta uma área com grandes avanços na Links úteis faculdade. Espero fazer parte de um projecto já a decorrer e que se prolonga- rá até 2013. http://ambiente.maiadigital.pt/educacao- B.: Quais as expectativas que levas? Que benefícios esperas recolher ambiental desta experiência? http://portal.icnb.pt/ICNPortal/vPT2007/ L.: Primeiro que tudo, espero adaptar-me facilmente à cultura, linguagem e ao http://www.naturlink.sapo.pt clima. Depois, sem dúvida, os benefícios virão ao enriquecer conhecimentos http://www.quercus.pt/scid/webquercus/ na área que gosto, com pessoas já destacadas no tema, e evoluir aprendendo http://www.ceai.pt com o sistema de ensino e funcionamento de uma faculdade estrangeira. Por http://www.lpn.pt/ último, não só concretizar um trabalho experimental, útil de modo a ser publi- http://www.e-escola.pt/canal.asp?nome=biologia cado, mas que também possa ser aproveitado para projectos ou estudos no http://www.ordembiologos.pt meu país. Por outro lado, seriam opções a considerar, se no futuro ocorrer http://www.johnkyrk.com/index.pt.html uma oportunidade de tirar um mestrado ou até mesmo trabalhar em Praga. http://speco.fc.ul.pt http://www.iucn.org Entrevista realizada por: Doutora Margarida Pereira IMPORTANTE Próximas Actividades .....para Março/Abril No dia 5 de Maio vai realizar- 15 a 19 Março: Avaliação do Impacte Ambiental. Organização: LPN, Lisboa. se, na Escola Superior Agrária http://projectos.lpn.pt/formacao de Beja, um Seminário para assi- nalar o Ano Internacional da 20/ Março: Vamos limpar Portugal ! Para se inscrever no PLP, registe-se em http:// Biodiversidade. limparportugal.ning.com As inscrições são gratuitas e devem ser enviadas para o nosso mail : 20 Março a Junho: Workshop “2010 Biodiversidade”. Local : Jardim Zoológico de Lisboa. biologia_ipb@hotmail.com http://www.zoo.pt Mais informações na próxima 22/Março: 10.º Congresso da Água. Local: Hotel Pestana Alvor Praia; http://www.aprh.pt/ BioLetter e também no blog. congressoagua2010 27 e 28 Março: IV Jornadas da Biologia da Conservação. Local: Campo Maior. Mais informa- Este pequeno jornal digital ções: aldeia.eventos@gmail.com pretende ser um elemento de ligação interactiva entre os alunos 2 a 4 de Abril: Identificação de Aves Marinhas e sua Observação em Portugal. Organização: do Curso de licenciatura em Biolo- SPEA. Contacto para mais informações: alexandra.lopes@spea.pt gia da Escola Superior Agrária de Beja e a comunidade estudantil e profissional com interesses na 10 e 11 Abril: Fotografia da Natureza em Castro Verde II. Local: Castro Verde. Organização: área da conservação da natureza. LPN. http://projectos.lpn.pt/formacao Contamos, por isso, com a colaboração de todos os interes- sados e aguardamos, com expec- tativa, notícias, sugestões e ESTAMOS TAMBÉM NO FACEBOOK informações que nos queiram enviar. Organização E EM http:// Só com a colaboração exter- na é possível alcançar os objecti- biologiaipb.blogspot.com vos a que nos propusemos com a Redacção criação da BioLetter. As vossas contribuições podem ser enviadas para o mail : Eunice Santos biologia_ipb@hotmail.com Correio electrónico: biologia_ipb@hotmail.com em ficheiro Word, e com identifi- Ivo Monteiro cação dos autores. Miguel Capela PARTICIPEM ! Comissão Técnico-Científica e Pedagógica do curso de Biologia

×