SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
E.B.Diogo Lopes
de Sequeira
Introdução
Neste trabalho, realizado na disciplina de História, iremos abordar um dos mais
importantes acontecimentos da história portuguesa, o 25 de Abril de 1974,
denominado entre o povo como a Revolução dos Cravos. A Revolução de 25 de Abril
de 1974, que ficou conhecida como a Revolução dos Cravos, derrubou o regime
autoritário iniciado por Salazar quarenta e oito anos antes e abriu o caminho para a
democracia em Portugal.
Contestação do Regime
Apesar do seu carácter fechado e repressivo, o regime corporativo fora
profundamente afetado pela década de 1960. Depois da campanha oposicionista do
general Humberto Delgado (assassinado pela polícia política em 1965), a contestação
social e política atingira níveis nunca vistos, ultrapassando os círculos intelectuais e
alastrando aos meios operários e ao movimento estudantil. À medida que se avançava
na década, a Guerra Colonial entretanto iniciada (1961) tornava-se o alvo especial da
oposição - consumia os esforços e as vidas do país e revelava-se como um combate
longo, sangrento e inútil.
Derrube do Regime
A solução acabou por vir do lado de quem fazia a guerra: os militares. No ano de 1973, um
dos mais mortíferos da Guerra Colonial, nascia uma conspiração de oficiais de patente
intermédia, descontentes com a duração e as condições do conflito. Começava o Movimento
das Forças Armadas (MFA). Este movimento politizou-se rapidamente, concluindo pela
inevitabilidade do derrube do regime em Portugal para se poder chegar à paz em África.
16 de Março16 de Março
Tentativa de golpe militar contra o regime. Só o Regimento de Infantaria 5Tentativa de golpe militar contra o regime. Só o Regimento de Infantaria 5
das Caldas da Rainha marcha sobre Lisboa. O golpe falhou. São presos cercadas Caldas da Rainha marcha sobre Lisboa. O golpe falhou. São presos cerca
de 200 militares.de 200 militares.
24 de Março24 de Março
Última reunião clandestina da Comissão Coordenadora do MFA, na qual foiÚltima reunião clandestina da Comissão Coordenadora do MFA, na qual foi
decidido o derrube do regime e o golpe militar.decidido o derrube do regime e o golpe militar.
23 de Abril23 de Abril
Otelo Saraiva de Carvalho entrega, a capitães mensageiros, sobrescritosOtelo Saraiva de Carvalho entrega, a capitães mensageiros, sobrescritos
fechados contendo as instruções para as acções a desencadear na noite defechados contendo as instruções para as acções a desencadear na noite de
24 para 25 e um exemplar do jornal A Época, como identificação, destinada24 para 25 e um exemplar do jornal A Época, como identificação, destinada
às unidades participantes.às unidades participantes.
Acontecimentos : Antes
A Noite de 24
24 de Abril24 de Abril
O jornal República, em breve notícia, chama a atenção dos seus leitores para
a emissão do programa Limite dessa noite, na Rádio Renascença
24 de Abril - 22:00 horas24 de Abril - 22:00 horas
Otelo Saraiva de Carvalho e outros cinco oficiais ligados ao MFA já estão no
Regimento de Engenharia 1 na Pontinha onde, desde a véspera, fora
clandestinamente preparado o Posto de Comando do Movimento. Será ele a
comandar as operações militares contra o Regime.
24 de Abril - 22:55 horas24 de Abril - 22:55 horas
A transmissão da canção " E depois do Adeus ", interpretada por Paulo de
Carvalho, aos microfones dos Emissores Associados de Lisboa, marca o
início das operações militares contra o regime.
Dia de 25 de Abril
25 de Abril - 00:20 horas25 de Abril - 00:20 horas
A transmissão da canção " Grândola Vila Morena " de José Afonso, no programa Limite
da Rádio Renascença, é a senha escolhida pelo MFA, como sinal confirmativo de que
as operações militares estão em marcha e são irreversíveis.
25 de Abril - Das 00:30 às 16:00 horas25 de Abril - Das 00:30 às 16:00 horas
•Ocupação de pontos estratégicos considerados fundamentais (Ocupação de pontos estratégicos considerados fundamentais ( RTPRTP, Emissora, Emissora
Nacional, Rádio Clube Português, Aeroporto de Lisboa, Quartel General, Estado MaiorNacional, Rádio Clube Português, Aeroporto de Lisboa, Quartel General, Estado Maior
do Exército, Ministério do Exército, Banco de Portugal e Marconi).do Exército, Ministério do Exército, Banco de Portugal e Marconi).
•Primeiro Comunicado do MFA difundido pelo Rádio Clube PortuguêsPrimeiro Comunicado do MFA difundido pelo Rádio Clube Português
•Forças da Escola Prática de Cavalaria de Santarém estacionam no Terreiro do Paço.Forças da Escola Prática de Cavalaria de Santarém estacionam no Terreiro do Paço.
•As forças paramilitares leais ao regime começam a render-se: a Legião Portuguesa é aAs forças paramilitares leais ao regime começam a render-se: a Legião Portuguesa é a
primeira.primeira.
•Desde a primeira hora o povo vem para a rua para expressar a sua alegria.Desde a primeira hora o povo vem para a rua para expressar a sua alegria.
•Início do cerco ao Quartel do Carmo, chefiado por Salgueiro Maia, entre milhares deInício do cerco ao Quartel do Carmo, chefiado por Salgueiro Maia, entre milhares de
pessoas que apoiavam os militares revoltosos. Dentro do Quartel estão refugiadospessoas que apoiavam os militares revoltosos. Dentro do Quartel estão refugiados
Marcelo Caetano e mais dois ministros do seu Gabinete.Marcelo Caetano e mais dois ministros do seu Gabinete.
25 de Abril - 16:30 horas25 de Abril - 16:30 horas
Expirado o prazo inicial para a rendição anunciado por megafone pelo CapitãoExpirado o prazo inicial para a rendição anunciado por megafone pelo Capitão
Salgueiro Maia, e após algumas diligências feitas por mediadores civis, MarceloSalgueiro Maia, e após algumas diligências feitas por mediadores civis, Marcelo
Caetano faz saber que está disposto a render-se e pede a comparência noCaetano faz saber que está disposto a render-se e pede a comparência no
Quartel do Carmo de um oficial do MFA de patente não inferior a coronel.Quartel do Carmo de um oficial do MFA de patente não inferior a coronel.
25 de Abril - 17:45 horas25 de Abril - 17:45 horas
Spínola, mandatado pelo MFA entra no Quartel do Carmo para negociar aSpínola, mandatado pelo MFA entra no Quartel do Carmo para negociar a
rendição do Governo.rendição do Governo.
O Quartel do Carmo hasteia a bandeira branca.O Quartel do Carmo hasteia a bandeira branca.
25 de Abril - 19:30 horas25 de Abril - 19:30 horas
Rendição de Marcelo Caetano. A chaimite BULA entra no Quartel para retirar oRendição de Marcelo Caetano. A chaimite BULA entra no Quartel para retirar o
ex-presidente do Conselho e os ministros que o acompanhavam, levando-os, àex-presidente do Conselho e os ministros que o acompanhavam, levando-os, à
guarda do MFA para o Posto de Comando do Movimento no Quartel da Pontinha.guarda do MFA para o Posto de Comando do Movimento no Quartel da Pontinha.
25 de Abril - 20:00 horas25 de Abril - 20:00 horas
Disparos de elementos da PIDE/DGS sobre manifestantes que começavam aDisparos de elementos da PIDE/DGS sobre manifestantes que começavam a
afluir à sede daquela polícia na Rua António Maria Cardoso, fazem quatroafluir à sede daquela polícia na Rua António Maria Cardoso, fazem quatro
mortos e 45 feridos.mortos e 45 feridos.
Continuação do dia de 25 de Abril
Pós 25 de Abril26 de Abril26 de Abril
AA PIDE/DGS rende-sePIDE/DGS rende-se após conversa telefónica entre o General Spínola eapós conversa telefónica entre o General Spínola e
Silva Pais director daquela corporação.Silva Pais director daquela corporação.
Apresentação daApresentação da Junta de Salvação NacionalJunta de Salvação Nacional ao país, perante as câmaras daao país, perante as câmaras da
RTP.RTP.
Por ordem do MFA, Marcelo Caetano, Américo Tomás, César MoreiraPor ordem do MFA, Marcelo Caetano, Américo Tomás, César Moreira
Baptista e outros elementos afectos ao antigo regime, são enviados para aBaptista e outros elementos afectos ao antigo regime, são enviados para a
Madeira.Madeira.
O General Spínola é designado Presidente da República.O General Spínola é designado Presidente da República.
Libertação dos presos políticosLibertação dos presos políticos de Caxias e Peniche.de Caxias e Peniche.
• Forma-se a Junta de SalvaçãoForma-se a Junta de Salvação
NacionalNacional
• Extinção da Polícia PolíticaExtinção da Polícia Política
(PVDE/PIDE) e da Censura(PVDE/PIDE) e da Censura
• Sindicatos livres e osSindicatos livres e os partidos
foram legalizadosforam legalizados
• Os líderes políticos da oposiçãoOs líderes políticos da oposição
no exílio voltaram para as suasno exílio voltaram para as suas
casascasas
• 1º de Maio foi celebrado1º de Maio foi celebrado
legalmentelegalmente
• 1 ano depois realizaram-se as1 ano depois realizaram-se as
primeiras eleições livres para aprimeiras eleições livres para a
Assembleia ConstituinteAssembleia Constituinte
• Acabada a Guerra Colonial, asAcabada a Guerra Colonial, as
colónias africanas tornam-secolónias africanas tornam-se
ConsequênciasConsequências
do 25 de Abrildo 25 de Abril

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Paula Morgado
 
Fotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abrilFotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abril
BE Esah
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
Rui Nobre
 
Apresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abrilApresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abril
Céu Silva
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
Jorge Almeida
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
ceufaias
 

Mais procurados (20)

A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
 
Fotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abrilFotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abril
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Estado Novo 1
Estado Novo 1Estado Novo 1
Estado Novo 1
 
O antes e o depois do 25 de abril - educação
O antes e o depois do 25 de abril - educaçãoO antes e o depois do 25 de abril - educação
O antes e o depois do 25 de abril - educação
 
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
MFA
MFAMFA
MFA
 
Apresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abrilApresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abril
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 

Destaque

Portugal após o 25 de abril
Portugal após o 25 de abrilPortugal após o 25 de abril
Portugal após o 25 de abril
maria40
 
O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974
racatta
 
Capitães de abril
Capitães de abrilCapitães de abril
Capitães de abril
berenvaz
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novo
bandeirolas
 
Teatro 25 abril
Teatro 25 abrilTeatro 25 abril
Teatro 25 abril
alexitf
 
Presentacion Olga Duber
Presentacion Olga DuberPresentacion Olga Duber
Presentacion Olga Duber
olbonza123
 
25 de abril de 1974 miguel nascimento (1)
25 de abril de 1974    miguel nascimento (1)25 de abril de 1974    miguel nascimento (1)
25 de abril de 1974 miguel nascimento (1)
fatimarico
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Ana Paiva
 

Destaque (18)

Portugal após o 25 de abril
Portugal após o 25 de abrilPortugal após o 25 de abril
Portugal após o 25 de abril
 
O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974
 
Carlos 25 De Abril
Carlos 25 De AbrilCarlos 25 De Abril
Carlos 25 De Abril
 
Capitães de abril
Capitães de abrilCapitães de abril
Capitães de abril
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novo
 
Tratamento da Mulher na Imprensa diária de Moçambique no dia 7 de Abril de 2015
Tratamento da Mulher na Imprensa diária de Moçambique no dia 7 de Abril de 2015Tratamento da Mulher na Imprensa diária de Moçambique no dia 7 de Abril de 2015
Tratamento da Mulher na Imprensa diária de Moçambique no dia 7 de Abril de 2015
 
Teatro 25 abril
Teatro 25 abrilTeatro 25 abril
Teatro 25 abril
 
A noite, Saramago
A noite, SaramagoA noite, Saramago
A noite, Saramago
 
Fotos decorat rossello
Fotos decorat rosselloFotos decorat rossello
Fotos decorat rossello
 
Presentacion Olga Duber
Presentacion Olga DuberPresentacion Olga Duber
Presentacion Olga Duber
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
A revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilA revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abril
 
25 de abril de 1974 miguel nascimento (1)
25 de abril de 1974    miguel nascimento (1)25 de abril de 1974    miguel nascimento (1)
25 de abril de 1974 miguel nascimento (1)
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
O 25 de Abril de 1974
O 25 de  Abril de 1974 O 25 de  Abril de 1974
O 25 de Abril de 1974
 
Grandola
GrandolaGrandola
Grandola
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoResumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
 

Semelhante a O antes e o depois do 25 de Abril

25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
Sónia Cruz
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
Paula Morgado
 
As etapas da revolução
As etapas da revoluçãoAs etapas da revolução
As etapas da revolução
andreialag
 
Hgp 25 de abril de 1974 6º g ana f, daniela, const. e margarida
Hgp  25 de abril de 1974 6º g ana f, daniela, const. e  margaridaHgp  25 de abril de 1974 6º g ana f, daniela, const. e  margarida
Hgp 25 de abril de 1974 6º g ana f, daniela, const. e margarida
Rui Pinto
 
25 de abril de 1974(acabadinho2)
25 de abril de 1974(acabadinho2)25 de abril de 1974(acabadinho2)
25 de abril de 1974(acabadinho2)
Isabel Ribeiro
 
25deabrilde1974 100422124959-phpapp02
25deabrilde1974 100422124959-phpapp0225deabrilde1974 100422124959-phpapp02
25deabrilde1974 100422124959-phpapp02
dasc987654321
 
Cravos
CravosCravos
Cravos
dafgpt
 

Semelhante a O antes e o depois do 25 de Abril (20)

25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de abril
25 de abril 25 de abril
25 de abril
 
25 De Abril
25 De Abril25 De Abril
25 De Abril
 
O 25 de abril relato dos acontecimentos
O 25 de abril   relato dos acontecimentosO 25 de abril   relato dos acontecimentos
O 25 de abril relato dos acontecimentos
 
O 25 de abril relato dos acontecimentos
O 25 de abril   relato dos acontecimentosO 25 de abril   relato dos acontecimentos
O 25 de abril relato dos acontecimentos
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
 
As etapas da revolução
As etapas da revoluçãoAs etapas da revolução
As etapas da revolução
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
 
Hgp 25 de abril de 1974 6º g ana f, daniela, const. e margarida
Hgp  25 de abril de 1974 6º g ana f, daniela, const. e  margaridaHgp  25 de abril de 1974 6º g ana f, daniela, const. e  margarida
Hgp 25 de abril de 1974 6º g ana f, daniela, const. e margarida
 
25 de abril de 1974(acabadinho2)
25 de abril de 1974(acabadinho2)25 de abril de 1974(acabadinho2)
25 de abril de 1974(acabadinho2)
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºa25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºa
 
O 25 de Abril
O 25 de AbrilO 25 de Abril
O 25 de Abril
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
 
Boletim bib 25 abril ael
Boletim bib 25 abril aelBoletim bib 25 abril ael
Boletim bib 25 abril ael
 
25deabrilde1974 100422124959-phpapp02
25deabrilde1974 100422124959-phpapp0225deabrilde1974 100422124959-phpapp02
25deabrilde1974 100422124959-phpapp02
 
25deabril
25deabril25deabril
25deabril
 
Cravos
CravosCravos
Cravos
 
25 De Abril
25 De Abril25 De Abril
25 De Abril
 
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
Trabalho DAC História 25 de Abril de 1974
 

O antes e o depois do 25 de Abril

  • 2. Introdução Neste trabalho, realizado na disciplina de História, iremos abordar um dos mais importantes acontecimentos da história portuguesa, o 25 de Abril de 1974, denominado entre o povo como a Revolução dos Cravos. A Revolução de 25 de Abril de 1974, que ficou conhecida como a Revolução dos Cravos, derrubou o regime autoritário iniciado por Salazar quarenta e oito anos antes e abriu o caminho para a democracia em Portugal.
  • 3. Contestação do Regime Apesar do seu carácter fechado e repressivo, o regime corporativo fora profundamente afetado pela década de 1960. Depois da campanha oposicionista do general Humberto Delgado (assassinado pela polícia política em 1965), a contestação social e política atingira níveis nunca vistos, ultrapassando os círculos intelectuais e alastrando aos meios operários e ao movimento estudantil. À medida que se avançava na década, a Guerra Colonial entretanto iniciada (1961) tornava-se o alvo especial da oposição - consumia os esforços e as vidas do país e revelava-se como um combate longo, sangrento e inútil.
  • 4. Derrube do Regime A solução acabou por vir do lado de quem fazia a guerra: os militares. No ano de 1973, um dos mais mortíferos da Guerra Colonial, nascia uma conspiração de oficiais de patente intermédia, descontentes com a duração e as condições do conflito. Começava o Movimento das Forças Armadas (MFA). Este movimento politizou-se rapidamente, concluindo pela inevitabilidade do derrube do regime em Portugal para se poder chegar à paz em África.
  • 5. 16 de Março16 de Março Tentativa de golpe militar contra o regime. Só o Regimento de Infantaria 5Tentativa de golpe militar contra o regime. Só o Regimento de Infantaria 5 das Caldas da Rainha marcha sobre Lisboa. O golpe falhou. São presos cercadas Caldas da Rainha marcha sobre Lisboa. O golpe falhou. São presos cerca de 200 militares.de 200 militares. 24 de Março24 de Março Última reunião clandestina da Comissão Coordenadora do MFA, na qual foiÚltima reunião clandestina da Comissão Coordenadora do MFA, na qual foi decidido o derrube do regime e o golpe militar.decidido o derrube do regime e o golpe militar. 23 de Abril23 de Abril Otelo Saraiva de Carvalho entrega, a capitães mensageiros, sobrescritosOtelo Saraiva de Carvalho entrega, a capitães mensageiros, sobrescritos fechados contendo as instruções para as acções a desencadear na noite defechados contendo as instruções para as acções a desencadear na noite de 24 para 25 e um exemplar do jornal A Época, como identificação, destinada24 para 25 e um exemplar do jornal A Época, como identificação, destinada às unidades participantes.às unidades participantes. Acontecimentos : Antes
  • 6. A Noite de 24 24 de Abril24 de Abril O jornal República, em breve notícia, chama a atenção dos seus leitores para a emissão do programa Limite dessa noite, na Rádio Renascença 24 de Abril - 22:00 horas24 de Abril - 22:00 horas Otelo Saraiva de Carvalho e outros cinco oficiais ligados ao MFA já estão no Regimento de Engenharia 1 na Pontinha onde, desde a véspera, fora clandestinamente preparado o Posto de Comando do Movimento. Será ele a comandar as operações militares contra o Regime. 24 de Abril - 22:55 horas24 de Abril - 22:55 horas A transmissão da canção " E depois do Adeus ", interpretada por Paulo de Carvalho, aos microfones dos Emissores Associados de Lisboa, marca o início das operações militares contra o regime.
  • 7. Dia de 25 de Abril 25 de Abril - 00:20 horas25 de Abril - 00:20 horas A transmissão da canção " Grândola Vila Morena " de José Afonso, no programa Limite da Rádio Renascença, é a senha escolhida pelo MFA, como sinal confirmativo de que as operações militares estão em marcha e são irreversíveis. 25 de Abril - Das 00:30 às 16:00 horas25 de Abril - Das 00:30 às 16:00 horas •Ocupação de pontos estratégicos considerados fundamentais (Ocupação de pontos estratégicos considerados fundamentais ( RTPRTP, Emissora, Emissora Nacional, Rádio Clube Português, Aeroporto de Lisboa, Quartel General, Estado MaiorNacional, Rádio Clube Português, Aeroporto de Lisboa, Quartel General, Estado Maior do Exército, Ministério do Exército, Banco de Portugal e Marconi).do Exército, Ministério do Exército, Banco de Portugal e Marconi). •Primeiro Comunicado do MFA difundido pelo Rádio Clube PortuguêsPrimeiro Comunicado do MFA difundido pelo Rádio Clube Português •Forças da Escola Prática de Cavalaria de Santarém estacionam no Terreiro do Paço.Forças da Escola Prática de Cavalaria de Santarém estacionam no Terreiro do Paço. •As forças paramilitares leais ao regime começam a render-se: a Legião Portuguesa é aAs forças paramilitares leais ao regime começam a render-se: a Legião Portuguesa é a primeira.primeira. •Desde a primeira hora o povo vem para a rua para expressar a sua alegria.Desde a primeira hora o povo vem para a rua para expressar a sua alegria. •Início do cerco ao Quartel do Carmo, chefiado por Salgueiro Maia, entre milhares deInício do cerco ao Quartel do Carmo, chefiado por Salgueiro Maia, entre milhares de pessoas que apoiavam os militares revoltosos. Dentro do Quartel estão refugiadospessoas que apoiavam os militares revoltosos. Dentro do Quartel estão refugiados Marcelo Caetano e mais dois ministros do seu Gabinete.Marcelo Caetano e mais dois ministros do seu Gabinete.
  • 8. 25 de Abril - 16:30 horas25 de Abril - 16:30 horas Expirado o prazo inicial para a rendição anunciado por megafone pelo CapitãoExpirado o prazo inicial para a rendição anunciado por megafone pelo Capitão Salgueiro Maia, e após algumas diligências feitas por mediadores civis, MarceloSalgueiro Maia, e após algumas diligências feitas por mediadores civis, Marcelo Caetano faz saber que está disposto a render-se e pede a comparência noCaetano faz saber que está disposto a render-se e pede a comparência no Quartel do Carmo de um oficial do MFA de patente não inferior a coronel.Quartel do Carmo de um oficial do MFA de patente não inferior a coronel. 25 de Abril - 17:45 horas25 de Abril - 17:45 horas Spínola, mandatado pelo MFA entra no Quartel do Carmo para negociar aSpínola, mandatado pelo MFA entra no Quartel do Carmo para negociar a rendição do Governo.rendição do Governo. O Quartel do Carmo hasteia a bandeira branca.O Quartel do Carmo hasteia a bandeira branca. 25 de Abril - 19:30 horas25 de Abril - 19:30 horas Rendição de Marcelo Caetano. A chaimite BULA entra no Quartel para retirar oRendição de Marcelo Caetano. A chaimite BULA entra no Quartel para retirar o ex-presidente do Conselho e os ministros que o acompanhavam, levando-os, àex-presidente do Conselho e os ministros que o acompanhavam, levando-os, à guarda do MFA para o Posto de Comando do Movimento no Quartel da Pontinha.guarda do MFA para o Posto de Comando do Movimento no Quartel da Pontinha. 25 de Abril - 20:00 horas25 de Abril - 20:00 horas Disparos de elementos da PIDE/DGS sobre manifestantes que começavam aDisparos de elementos da PIDE/DGS sobre manifestantes que começavam a afluir à sede daquela polícia na Rua António Maria Cardoso, fazem quatroafluir à sede daquela polícia na Rua António Maria Cardoso, fazem quatro mortos e 45 feridos.mortos e 45 feridos. Continuação do dia de 25 de Abril
  • 9. Pós 25 de Abril26 de Abril26 de Abril AA PIDE/DGS rende-sePIDE/DGS rende-se após conversa telefónica entre o General Spínola eapós conversa telefónica entre o General Spínola e Silva Pais director daquela corporação.Silva Pais director daquela corporação. Apresentação daApresentação da Junta de Salvação NacionalJunta de Salvação Nacional ao país, perante as câmaras daao país, perante as câmaras da RTP.RTP. Por ordem do MFA, Marcelo Caetano, Américo Tomás, César MoreiraPor ordem do MFA, Marcelo Caetano, Américo Tomás, César Moreira Baptista e outros elementos afectos ao antigo regime, são enviados para aBaptista e outros elementos afectos ao antigo regime, são enviados para a Madeira.Madeira. O General Spínola é designado Presidente da República.O General Spínola é designado Presidente da República. Libertação dos presos políticosLibertação dos presos políticos de Caxias e Peniche.de Caxias e Peniche.
  • 10. • Forma-se a Junta de SalvaçãoForma-se a Junta de Salvação NacionalNacional • Extinção da Polícia PolíticaExtinção da Polícia Política (PVDE/PIDE) e da Censura(PVDE/PIDE) e da Censura • Sindicatos livres e osSindicatos livres e os partidos foram legalizadosforam legalizados • Os líderes políticos da oposiçãoOs líderes políticos da oposição no exílio voltaram para as suasno exílio voltaram para as suas casascasas • 1º de Maio foi celebrado1º de Maio foi celebrado legalmentelegalmente • 1 ano depois realizaram-se as1 ano depois realizaram-se as primeiras eleições livres para aprimeiras eleições livres para a Assembleia ConstituinteAssembleia Constituinte • Acabada a Guerra Colonial, asAcabada a Guerra Colonial, as colónias africanas tornam-secolónias africanas tornam-se ConsequênciasConsequências do 25 de Abrildo 25 de Abril