8 b grp08_trab1

1.173 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.173
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

8 b grp08_trab1

  1. 1. 100 Anos da Implantação da Republica em Portugal<br />Trabalho realizado por:<br /><ul><li> David Carajote nº6
  2. 2. Tiago Galinha nº198ºB</li></ul>25 de Abril de 1974 <br />Área de Projecto<br />Escola Básica 2º e 3º ciclos José Maria dos Santos<br />
  3. 3. O 25 de Abril de 1974<br />O 25 de Abril de 1974, mais conhecido pela “Revolução dos Cravos”, foi o Golpe de Estado que pôs fim ao Estado Novo.<br />Este golpe foi conduzido pelo MFA(Movimento das Forças Armadas), composto por capitães que tinham participado na Guerra Colonial apoiados pelos oficiais milicianos, estudantes recrutados, muitos deles universitários.<br />
  4. 4. Antes do 25 de Abril<br />Antes do 25 de Abril a informação e as formas de expressão cultural eram controladas, fazia-se uma censura prévia que abrangia a imprensa, o cinema, o teatro, as artes plásticas, a música e a escrita. Não havia liberdade.<br />A actividade política estava condicionada e não existiam eleições livres. A oposição ao regime era perseguida pela polícia política (PIDE).<br />Os oposicionistas, sob acusação de pensarem e agirem contra as ideias e práticas do Estado Novo, eram presos em cadeias e centros especiais de detenção. <br />
  5. 5. A Constituição não garantia o direito dos cidadãos à educação, à saúde, ao trabalho, à habitação. <br />As manifestações eram proibidas. <br />
  6. 6. Durante o 25 de Abril <br />É a rádio que dá o sinal na manhã de 25 de Abril de 1974. A Rádio Renascença passa, a partir das três horas da madrugada, a música de José Afonso, “Grândola Vila Morena”, que moveria as tropas a diversos pontos estratégicos que iriam permitir um verdadeiro “assalto” ao país.<br />Radiotelevisão, Rádio Clube Português, o quartel-general de Lisboa, o aeroporto, o banco de Portugal a rádio Marconi são os primeiros alvos das tropas. <br />
  7. 7. Para impedir qualquer reacção por parte dos defensores do regime houve uma parcela de tropas que se direccionaram aos centros de decisão mais importantes.<br />Uma vez nas ruas os militares encontraram o conforto dos portugueses que aderem à causa e juntam-se por um Portugal livre.<br />
  8. 8. Nas ruas floristas cedem cravos aos soldados. <br />Os cravos não simbolizam a inexistência de tiros, 4 pessoas chegaram mesmo a falecer naquele dia e jovens foram hospitalizados. <br />No fim Marcelo Caetano rende-se mas não até lhe ser garantido que a pasta do poder seria entregue a um responsável: O general Spínola. <br />
  9. 9. Depois do 25 de Abril<br />Após o golpe foi criada a Junta de Salvação Nacional, responsável pela nomeação do Presidente da República e pelo programa do Governo Provisório. <br />
  10. 10. Assim, a 15 de Maio de 1974, o General António de Spínola foi nomeado Presidente da República que por sua vez atribuiu o cargo de Primeiro-ministro a Adelino da Palma Carlos.<br />Fig.2 António de Spínola <br />Fig.3 Adelino da Palma Carlos <br />
  11. 11. Seguiu-se um período de grande agitação social, política e militar conhecido como o PREC (Processo Revolucionário Em Curso), marcado por manifestações, ocupações, governos provisórios, nacionalizações, e confrontos militares, apenas terminado com uma tentativa de golpe de Estado fracassada a 25 de Novembro de 1975.<br />Na sequência destes eventos foi instituído em Portugal um feriado nacional no dia 25 de Abril, denominado "Dia da Liberdade".<br />

×