PÓS-QUALIFICAÇÃO - NERES TIDD

56 visualizações

Publicada em

TEXTO REALIZADO APÓS AS OBSERVAÇÕES APONTADAS DURANTES A QUALIFICAÇÃO DE MESTRADO DE JOSÉ NERES JR. TIDD - PUC-SP

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
56
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PÓS-QUALIFICAÇÃO - NERES TIDD

  1. 1. Defesa - Mestrado Proposta Para Uma Abordagem De Ambiente Remoto Para Estudo de Superposição de Cores Projeto de José Neres de Almeida Jr. Orientador: Prof. Dr. Hermes Renato Hildebrand TIDD – PUC-SP – Mestrado – Programa de Pós-Graduação TIDD São Paulo, 2014-2016
  2. 2. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 2 Sumário Resumo Geral .........................................................................................................................4 Esquema Geral do Projeto ..................................................................................................5 CAPÍTULO I – Contextualização e Fundamentação.................................................. 14 1 Tema: Laboratório Remoto e o Ensino de Física Moderna.............................. 14 2 Problema: Dificuldades práticas - das simulações no ensino de física ao laboratório remoto.............................................................................................................. 14 3 Estado da Arte.............................................................................................................. 17 4 Justificativa................................................................................................................... 40 5 Objetivos da Pesquisa ............................................................................................... 42 5.1 Objetivos Específicos ......................................................................................... 43 6 Hipótese: Estratégias para adequação de laboratório remoto como instrumento de utilização complementar a aulas presenciais ............................... 43 7 Fundamentação Teórica............................................................................................ 48 7.1 Introdução.............................................................................................................. 48 7.2 WebLab................................................................................................................... 49 7.2.1 Arduino No WebLab ............................................................................................ 51 7.2.2 O Que o Webduino traz de novo.......................................................................... 52 7.3 Procedimentos...................................................................................................... 53 7.3.1 Introdução ........................................................................................................... 54 7.3.2 Descrição do WebLab-Deusto ............................................................................. 54 7.3.3 Coleta de Dados .................................................................................................. 61 7.3.4 Segurança ........................................................................................................... 62 CAPÍTULO II - Desenvolvimento ..................................................................................... 63 8 Metodologia................................................................................................................... 63 9 Protótipo - Procedimentos e Desenvolvimento .................................................. 74 9.1 Introdução.............................................................................................................. 74 9.2 Contexto da Espectrofotometria no Ensino de Física Moderna ............. 76 10 Experimento de Espectrofotômetro Remoto Automatizado........................ 78 10.1 Espectrofotômetros e seu Princípio de Funcionamento....................... 79 10.2 Procedimentos de Construção..................................................................... 84 10.2.1 Ajuste Ótico: Montagem do Trilho Emborrachado .............................................. 85 10.2.2 Montagem dos Circuitos (Sensor Detector de Cor TCS34725, Motor de Passo).. 86 10.2.2.1. Motor de passo e controle no sentido de rotação.............................................. 86 10.2.2.2. Sensores: .....................................................................................................101 10.2.2.2.1. Módulo Sensor Detector de Cores (TCS34725).......................................101 10.2.2.2.2. Sensor Infra-Vermelho............................................................................102 10.2.3. Procedimentos de medição do comprimento de onda:......................................115 10.2.3.1. Espectro projetado por difração......................................................................115 10.3. Experimento Remoto.....................................................................................117 10.3.1. Coleta dos Dados de Intensidade Luminosa e Comprimento de Onda: .............118 10.3.1.1. Saída Serial para a Internet ...........................................................................118 10.3.1.2. Interface de Controle Remoto ........................................................................119 10.3.1.2.1. Descrição da Interface............................................................................119 10.3.1.3. Visualização do experimento pela WebCam ...................................................120
  3. 3. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 3 10.4. Ambiente Virtual de Aprendizagem...........................................................122 10.4.1. Conceitos, Teoria e Aplicabilidade .....................................................................122 10.4.1.1. O Moodle......................................................................................................126 10.4.2. Ambientes Virtuais e Ensino de Física ...............................................................129 11. Resultados...............................................................................................................132 11.1. Realização Do Experimento Remotamente .............................................135 11.2. Página do Experimento: montagem, visual e controle ........................136 11.2.1. Página “Sobre o Experimento”...........................................................................137 11.2.2. Página “Resultados” ..........................................................................................137 11.2.3. Página Tabelas...................................................................................................138 11.2.4. Páginas “Teoria” e “Referências” ......................................................................139 11.2.5. Pagina “Simuladores” ........................................................................................140 11.2.6. Página do Blog do Experimento.........................................................................141 11.2.7. Página Faça você mesmo...................................................................................141 11.2.8. Configurações Finais .........................................................................................142 CAPÍTULO III – Análises, Conclusões Parciais e Próximas Etapas ...................144 12. Análises Possíveis e Testes Futuros ...............................................................144 12.1. Usabilidade Do Ambiente Virtual De Aprendizagem ............................144 12.1.1. Análise do Tempo de Latência ...........................................................................144 12.1.2. Interação Aluno-Interface ...................................................................................145 13. Conclusões e Próximas Etapas.........................................................................150 13.1. Considerações Finais....................................................................................150 13.2. Considerações dos Resultados Parciais .................................................151 13.3. Próximas Etapas.............................................................................................152 Referências Bibliográficas .............................................................................................153 ANEXO.................................................................................................................................157 ANEXO 1..........................................................................................................................157 Interface de Controle Remoto: Programação para a Interface de Controle Remoto ..........157 ANEXO 2..........................................................................................................................166 ANEXO 3..........................................................................................................................168 Programação no Arduino ..................................................................................................168
  4. 4. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 4 Uma Proposta de Desenvolvimento de um Protótipo de Laboratório Remoto aplicado ao Ensino de Física Moderna Mestrando: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 Orientador: Hermes Renato Hildebrand Resumo Geral Este trabalho visa apresentar o projeto educacional Webduino e suas características, dentro do contexto do uso de um Laboratório Remoto aplicado ao ensino de Física, ou seja, um laboratório de sensoriamento remoto que se desenvolve na PUC/SP, focado, portanto, no ensino de conteúdos de Física. Para tanto, este estudo, e a implementação do experimento, foram realizados com uma abordagem de construção de protótipo, com base na ideia da metodologia de desenvolvimento, ressaltada por Van den Ayken, visando uma implementação inicial e verificação, com testes de funcionalidade e adequação a possíveis necessidades de usuários, para utilização em projeto futuro do Laboratório Remoto e verificação de possíveis melhorias na aprendizagem de alunos, complementando o ensino ministrado por professores, em escolas. Além disso a metodologia por trás do ambiente em que o laboratório remoto se encontra se caracteriza por uma metodologia baseada em investigação (Dikke et al, 2015); (de Jong et al, 2013); (Zacharia et al, 2015), com os conteúdos do ambiente remoto se orientando para uma ideia que guie o usuário para a compreensão do tema, via método científico (conceitualização, teoria, hipótese, experimento, conclusão). Sendo assim, inicialmente foram realizadas pesquisas de levantamento do estado da arte e foi realizado o levantamento da fundamentação teórica do tema proposto, e frente as necessidades atuais, procedeu-se à montagem do protótipo do experimento, bem como a adaptação da estrutura de arquitetura de rede criada para a adequação do laboratório com acesso remoto, dentro de um ambiente que seja condizente com as necessidades do experimento e metodologia utilizada, visando uma aprendizagem significativa do usuário, com relação a tópicos de Física, principalmente no que se refere ao estudo das cores, para este experimento, bem como à possíveis necessidade pedagógicas dos profissionais da área, esta última ainda em remodelação. Ainda, no ambiente elaborado, o laboratório remoto pretende desenvolver recursos didáticos que permitam utilizar a placa Arduino aplicada ao Ensino de Ciências, em particular no Ensino de Física, em nível Médio e Superior (seja em Licenciaturas, seja em Educação Continuada de Professores). A plataforma de desenvolvimento selecionada para gerenciar os experimentos é o WebLab-Deusto, por sua inteligibilidade, funcionalidade e segurança. Devido às questões estruturais de um Laboratório Remoto, e como apontado na literatura pesquisada (Lima et. al., 2013), (Silva, 2007), (Neto, 2012), também é necessário que a plataforma de desenvolvimento e acionamento do experimento esteja inserida no ambiente remoto do experimento, conforme parâmetros que possibilitem ao usuário a aprendizagem dos conceitos físicos trabalhados e das experiências que ele venha a controlar e coletar os dados para posterior análise. Para tanto, foi reelaborado e readaptado, além do experimento que especifica o laboratório remoto, o ambiente para contemplar as necessidades pedagógicas e educacionais para o ensino e a aprendizagem dos conceitos físicos da experiência que o usuário realiza. PALAVRAS-CHAVE: Arduino, Weblab-Deusto, Laboratório Remoto, Ensino de Física, Ambiente Virtual de Aprendizagem, Física Moderna.
  5. 5. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 5 Esquema Geral do Projeto Frente às necessidades enfrentadas pelas escolas e por alunos em serem apresentados a conteúdos de Física, de uma forma que possibilite ser atraente ao mesmo tempo em que seja significativa para a aprendizagem de quem a estuda, este projeto visa o uso de experimentação remota de conteúdos de Física Moderna, através de uma interface de controle remoto associado a um experimento físico real, de modo que o usuário possa investigar os fenômenos decorrentes do experimento real. Com a possibilidade de a interface do experimento estar inserida dentro de um contexto de ambiente virtual e aprendizagem, acrescenta-se ao experimento a ênfase de seu uso voltado ao aspecto educacional, com enfoque em simulações, textos, imagens e outros conteúdos, mais informais, que possibilitem o enfoque da aprendizagem destes conteúdos da Física Moderna, não somente através do experimento remoto. Para que isso aconteça, este projeto está dividido em Três partes, a citar: Capítulo 1: Contextualização e Fundamentação, o qual trata do contexto da questão dos conteúdos de Física, bem como do uso de laboratórios (reais, virtuais e remotos) na educação, além da justificativa e objetivos deste projeto. Além destes tópicos, neste capítulo são tratadas as metodologias utilizadas para a confecção do argumento teórico e prático da experimentação remota. No Capítulo 2: Desenvolvimento, tratam- se os desenvolvimentos instrumentais e teóricos para a realização da montagem do protótipo bem como resultados coletados até o momento, além da ideia de confecção e as etapas para a realização do ambiente virtual de aprendizagem, mais voltado a uma aprendizagem informal dos conceitos de Física Moderna, além do experimento de espectrofotometria em si; finalmente, o Capítulo 3: Análises e Conclusões trata das discussões teóricas e práticas, desde a idealização de um espectrômetro, passando por questões do contexto da Física Moderna e a Educação até o que é necessário para a montagem, culminando nas análises dos resultados e o que podem servir ao propósito de apoiar o ensino de Física aliado a instrumentalização e visualização remota, dentro dos quais se insere em um contexto interativo, o ambiente de aprendizagem. Para cada um destes capítulos foram subdivididas seções que especificam cada um dos tópicos necessários para uma boa compreensão do contexto, dos objetivos,
  6. 6. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 6 da justificativa e da metodologia, além dos procedimentos utilizados na confecção tanto do trabalho experimental, quanto da parte teórica e conceitual envolvidas na montagem deste protótipo de experimentação remota em Física Moderna. A seguir um breve resumo de cada um dos itens relacionados aos respectivos capítulos: Resumo Geral Trata do resumo geral do projeto, as justificativas que levam o autor a realizar este projeto, as hipóteses do mesmo, seus objetivos, descrição de algumas das metodologias, resultados parciais e o que se conclui até o momento. CAPÍTULO I - Contextualização e Fundamentação 1. Tema: Laboratório Remoto e o Ensino de Física Moderna Aqui se descreve o tema do projeto, a montagem de um protótipo e das arquiteturas necessárias para o desenvolvimento de um laboratório remoto comocomplementação,para aulas presenciais, e auxílio à abordagem de tópicos de Física Moderna, seja experimental, seja teórica. Trata-se, para tanto, das questões teóricas e do contexto do desenvolvimento de laboratórios remotos, bem como do ambiente de aprendizagem no qual será inserido o laboratório, e possíveis testes futuros, para validação em aplicações ligadas ao ensino de Física. 2. Problema: As dificuldades práticas: das simulações no ensino de física ao laboratório remoto. Frente ao tema proposto, neste item são discutidas as problemáticas do ensino de Física, seucontexto em ambiente nacional, os problemas relacionados a falta de significado de determinados assuntos para a vivência do aluno, e como solução a esta questão discorre-se das possibilidades atualmente utilizadas, começando pela simulação/simuladores aplicados ao ensino de Física, tanto para as vantagens quanto desvantagens, passando pelos laboratórios aplicados como possibilidade de tratamento de assuntos mais práticos ao ensino de Física, discorrendo-se da forma como são utilizados, incorrendo-se nos mesmos problemas de aulas tradicionais. Frente a isso, argumenta-se da possibilidade de laboratórios remotos comocomplementaçãoàs aulas práticas, de modo a torna-las mais significativas e interessantes. Levanta-se, porém, o fato de não se utilizar estes laboratórios remotos da mesma forma como vem sendo ministradas as aulas, a fim
  7. 7. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 7 de nãos e voltar ao mesmo problema. Com isso torna-se interessante a utilização de ambientes virtuais de aprendizagem, nos quais serão inseridos os laboratórios remotos, de modo a tornar a aprendizagem dos conteúdos de Física Moderna mais informais e interessantes ao usuário que vier a utilizá-lo. 3. Estado da Arte A partir das problemáticas levantadas demonstra-se neste item o estado da arte relacionado ao uso de laboratórios remotos no ensino de Física, ou seja, o que vem sendo feito hoje em dia e de que forma os laboratórios são utilizados. Além disso, apontam-se que, pelos relatos de pesquisa, como o acesso remoto a experimentos reais pode incrementar o processo de ensino e aprendizagem de Física e de que forma isso pode ser feito. Evidencia-se que a Experimentação Remota associada ao ensino de ciências, no Brasil e no mundo, ainda é um campomuito novo e pouco explorado, de modo que as consequentes e eventuais limitações na utilização desta ferramenta de ensino devem ser estudadas de forma aprofundada, ou seja, deve-se estabelecer uma metodologia adequada, a fim de se suprir as necessidades de uma aula prática. Assim, uma solução passível de se considerar é a de que os laboratórios online, reais ou virtuais, necessitam de um ambiente de aprendizagem completo, que ofereça ao aluno apoio para a realização das experiências, a fim de se atribuir uma aprendizagem significativa ao qual o usuário consiga interagir e visualizar, coletando dados e analisando- os, assimilando assim a teoria acerca do experimento. Para tanto, argumenta-se que o ambiente de aprendizagem deve conter material de apoio, (hipertextos contendo fundamentação teórica, conceitos, metodologia de relatório (exemplos), com a experimentação remota se embasando em uma metodologia própria, devidamente elaborada, da mesma forma que uma aula prática presencial também necessita de uma metodologia específica baseada em teorias de ensino-aprendizagem, para que afinal, nãos e volte aos mesmo problemas atualmente enfrentados, de modo a tornar ao usuário uma experiência de aprendizagem que seja rica para sua vivência e com significado, de modo que este usuário assimile os conceitos, adequando-os à sua experiência. Neste item, finalmente, através dos relatos dos autores lidos, sugere-se que os Laboratórios de Experimentação Remota surgem como algo novo e promissor, com tendência de se tornarem instrumentos de experimentação muito eficientes, precisando, porém de uma quantidade maior de pesquisas sistemáticas sobre suas reais potencialidades, particularmente, na aprendizagem significativa em Física. Para que se possa utilizar as experiências remotas não somente como curiosidade pelo acesso, mas
  8. 8. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 8 como um instrumento, um recurso eficiente para tornar a aprendizagem de conceitos de Física Moderna mais reais aos usuários, e não algo desinteressante e sem significado. 4. Justificativa No item de justificativa, como complementação aos itens de contextualização (problemática) e de estado da arte, formaliza-se o argumento das vantagens associadas ao uso da experimentação remota dentro de um ambiente virtual e aprendizagem bem estruturado e que vise a uma aprendizagem significativa, desassociando a visão de disciplina sem significado e difícil. Coloca-seaqui a possibilidade de uso da experimentação remota dentro do ambiente de aprendizagem, tanto para o usuário aluno quanto para professores, além de futuras iniciativas associando a experimentação remota com cursos de engenharia, como em conteúdos associados a automação e eletrônica, e não somente no curso de Física, com a Física Moderna em si, já que nos cursos de engenharia a Física Moderna serve de referência teórica. 5. Objetivos da Pesquisa e Objetivos Específicos Em resumo, são descritos os objetivos do projeto que tangenciam os procedimentos realizados, no sentido de dar uma finalidade e propósito ao argumento de se construir um experimento que possa ser acionado remotamente. 6. Hipótese: Aqui são apresentadas as hipóteses para se considerar o desenvolvimento deste projeto, principalmente no que se refere às estratégias para adequação de laboratório remoto como instrumento de utilização complementar a aulas presenciais, apresentando o posicionamento de autores que trabalharam no assunto e os resultados que chegaram permitindo a análise da situação atual e possibilidades do que se pode fazer, resultando na adequação dos laboratórios remotos comorecurso a aprendizagem de conteúdos de Física Moderna sob um aspecto mais significativo e atraente ao usuário. 7. Fundamentação Teórica Subdividido nos itens Introdução, WebLab (o qual se divide em “Arduino No WebLab” e em “O Que o Webduino traz de novo”) e Procedimentos (dividido em “Introdução”, “Descrição do WebLab-Deusto”, “Coleta de Dados” e em “Segurança”), este tópico abrange a teoria que cerca a arquitetura cliente-servidor por trás da platarforma de interação e acesso remoto, baseada na interface existente da Universidade de Deusto;
  9. 9. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 9 fundamenta também o porquê de se usar a plataforma de hardware Arduino associadocom um WebLab, para uso educacional, a fim de se disponibilizar conteúdos científicos, bem como poder acionar os experimentos que contém estes conceitos. Descreve-se aqui os procedimentos para a montagem da arquitetura de software, a ideia de criação da plataforma de acesso remoto junto com o Arduino, a contextualização de se usar novas ferramentas tecnológicas em associação com os conteúdos educacionais e científicos, a fim se possibilitar a formação e informação do usuário, para atrair que usar para a descoberta de novos conhecimentos científicos; são detalhadas também as facilidades de acesso e possibilidades de interação do usuário com a interface, além de se estar em um ambiente seguro e com coleta de dados em tempo real. CAPÍTULO II – Desenvolvimento 8. Metodologia No item de metodologia descrevemos as etapas, desde a contextualização e fundamentação teórica (tanto em questão do que é e para que se é utilizado um laboratório remoto, passando por aplicações), até a questão da descrição da montagem do protótipo, (desde a conceituação e definição de componentes e posições,até discussões de prováveis usos futuros do projeto). São descritas neste item as fundamentações metodológicas da pesquisa, no sentido de se utilizar de uma abordagem de pesquisa de desenvolvimento (ou metodologia de desenvolvimento) concomitante a construção de um protótipo, para posterior uso em aplicações educacionais, com vistas a possibilidade de implementação em escolas de ensino médio, com os testes a serem realizados em posterior projeto. Neste tópicos são elencadas as etapas do projeto, desde as pesquisas de levantamento do estado da arte, levantamento da fundamentação teórica do tema proposto, e frente às necessidades atuais, procedendo-se à montagem do protótipo do experimento, e estruturação da arquitetura de rede necessária para a adequação do laboratório com acesso remoto, dentro de um ambiente de aprendizagem que seja condizente com as necessidades educacionais do usuário, com relação a tópicos de Física Moderna, bem comoà possíveis necessidadepedagógicas dos profissionais da área. No casodo ambiente virtual, este está em etapa de conceituação e estruturação. E a fim de se referenciar a metodologia implementada são descritos autores que relatam sobre as vantagens de uso do laboratório remoto (Nedic, 2003), analisando-se os usos que se tem atualmente através de revisão do estado da arte atual (Cardoso e
  10. 10. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 10 Takahashi, 2011), e que, com base nas conclusões coletadas pelos autores, abre-se um campo de possibilidades e de experimentações, as quais devem ser melhor trabalhadas, visando as potencialidades que advém de uma maior sistematização. Frente a este quadro, em termos metodológicos, verificou-se, para esta etapa do projeto, antes da implementação do protótipo e verificação em ambiente educacional, a linha que melhor se enquadra é a de um modelo metodológico misto muito divulgado no domínio da Tecnologia Educativa e que, na literatura, se designa por metodologia de desenvolvimento (VAN DENAKKEN, 1999), a qual, utiliza, para a coleta e análise de dados, instrumentos e técnicas tanto das abordagens quantitativas quanto qualitativas. Ainda, Coutinho e Chaves (2001) sintetizam que as características básicas deste modelo metodológico deve prezar que o fim último da pesquisa não é testar a teoria mas resolver problemas práticos dos professores, ou de usuários; remete que a busca de uma solução para o problema passa pela concepção de uma solução “protótipo” que deve ser fundamentada desde um ponto de vista teórico e prático (ouvidos os profissionais no terreno) e articulada com objetivos de aprendizagem; e com base nesta solução protótipo, deve-se testar, avaliar e refinar o processo, num processo interativo, da solução protótipo concebida, o que implica colaboração permanente entre investigadores, professores, tecnólogos, usuários. Tendo a metodologia a ser empregada, com relação a elaboração, desenvolvimento e avaliação de um protótipo, o passo seguinte foi a escolha do laboratório remoto a utilizar como referência, base para o desenvolvimento do próprio laboratório remoto, inserido em um ambiente virtual de aprendizagem. Diante disso, estamos desenvolvendo nosso próprio laboratório remoto de Física, com foco no ensino de Física, ambientado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com base na investigação dos recursos e vantagens do laboratório remoto da Universidade Federal de Santa Catarina – Campus Araranguape, o RexLab (SILVA, 2006), além da interface de uso do WebLabDeusto (UNIVERSIDADE DE DEUSTO, 2015), para a criação do ambiente virtual. Com base nestes laboratórios, procuramos mesclar características e introduzir outras, principalmente no que se refere ao aspecto pedagógico e conceitual de tópicos de Física Moderna, desde a concepção teórica dos experimentos até questões de aplicações tecnológicas relacionadas ao tema trabalhado no experimento remoto, que podem favorecer uma melhor aprendizagem. 9. Protótipo - Procedimentos e Desenvolvimento
  11. 11. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 11 Aqui se descrevem os procedimentos da montagem do protótipo do experimento real, bem como os procedimentos do experimento remoto (para acesso e controle pela interface colocada dentro do ambiente virtual de aprendizagem, o qual tem seus procedimentos ainda em fase de montagem). São subdivididos em três frentes: uma introdução, considerando como início a metodologia de desenvolvimento descrita anteriormente e com base nas etapas de desenvolvimento, é feita uma breve descriçãodas etapas do nosso desenvolvimento dos procedimentos do protótipo (da estrutura física e da virtual), a segunda parte, mais referencial teórica, para as considerações de um experimento de espectrometria, contidos nos itens “Contexto da Espectrofotometria no Ensino de Física Moderna”, em que se conceitua a importância da Física Moderna, problemas enfrentados no ensino da mesma, e como proposta o uso de laboratórios com recursos, e em particular o laboratório remoto, dentro de uma proposta de ambiente de aprendizagem. Frente às características do laboratório remoto, e suas vantagens, segue- se ao subitem “Experimento de Espectrofotômetro Remoto Automatizado” e “Espectrofotômetros e seu Princípio de Funcionamento”, nos quais são desenvolvidos a ideia de se aplicar o experimento remoto com o experimento de espectrofotometria/espectrometria.Seguindo, a terceira frente é a parte mais prática, dentro da qual são descritos os procedimentos, programações e metodologias de montagem tanto do experimento real, quanto das interfaces de controle remoto e de adequação ao ambiente virtual. Estas considerações estão separadas nos seguintes itens: (acesso remoto do experimento) “Interfaces”, “Visualização do Experimento” e “Interface de Controle Remoto para acionamento da lâmpada de LED”; (descrições do ambiente virtual) “Construção do Ambiente Virtual de Aprendizagem”; (testes de funcionamento) “Teste de Funcionamento da Programação do Arduino”, “Teste de Funcionamento da Programação de Acionamento da Lâmpada de LED” e “Teste de Acionamento do Experimento e Coleta de Dados”. 10. Experimento de Espectrofotômetro Remoto Automatizado Este capítulo descreve as etapas de construção tanto do experimento físico, até as coletas dos dados (seja da composição de cores, seja dos dados de irradiância por comprimento de onda), quanto do experimento remoto (desde as etapas conceituais do ambiente virtual, quanto da montagem das páginas de acesso remoto – e a descrição de como se dá o acesso remoto - e propriamente do ambiente virtual). Este capítulo é dividido em tais partes: 10.1 Espectrofotômetros e seu Princípio de Funcionamento
  12. 12. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 12 10.2 Procedimentos de Construção: foram subdivididos em 10.2.1 Ajuste Ótico: Montagem do Trilho Emborrachado, 10.2.2 Montagem dos Circuitos (Sensor Detector de Cor TCS34725, Motor de Passo), subdividido em 10.2.2.1 Motor de passo e controle no sentido de rotação; 10.2.2.2. Sensores (subdivididos em 10.2.2.2.1. Módulo Sensor Detector de Cores (TCS34725), 10.2.2.2.2. Sensor Infra-Vermelho), 10.2.3 Procedimentos de medição do comprimento de onda (subdivivido em 10.2.3.1. Espectro projetado por difração); . 10.3. Experimento Remoto, dividido em 10.3.1. Coleta dos Dados de Intensidade Luminosa e Comprimento de Onda, (subdividido em 10.3.1.1. Saída Serial para a Internet, 10.3.1.2. Interface de Controle Remoto, (sendo 10.3.1.2.1. Descrição da Interface) e 10.3.1.3. Visualização do experimento pela WebCam); 10.4. Ambiente Virtual de Aprendizagem (dividido em 10.4.1. Conceitos, Teoria e Aplicabilidade, 10.4.1.1. O Moodle e 10.4.2. Ambientes Virtuais e Ensino de Física) 11. Resultados Comoos resultados estão sendo coletos,e estamos em fase de testes da montagem para adequação ao ambiente virtual, o qual, por sua vez, também está sendo readequado às necessidades pedagógicas (possíveis) futuras, neste item, provisoriamente, disponibilizamos as imagens das páginas do experimento, no que se refere ao aspecto visual, descrição das montagens e da interface de controle para acesso ao experimento, com visualização do mesmo. Além de comentar brevemente sobre a necessidade de cada página, sua função no experimento e comentar também sobre a necessidade da descrição do experimento e de objetos educacionais que venham a possibilitar uma melhoria na aprendizagem, de forma a torna-la mais significativa e que o usuário possa por si descobrir novos conceitos, experiências e aplicações. Esta subdividido nas seguintes partes: 11.1. Realização do Experimento e 11.2. Página do Experimento: montagem, visual e controle. Este item (11.2.), por sua vez, se subdivide nos itens a respeito da montagem das páginas, ou seja, em: 11.2.1. Página “Sobre o Experimento”, 11.2.2. Página “Resultados”, 11.2.3. Página Tabelas, 11.2.4. Páginas “Teoria” e “Referências”, 11.2.5. Pagina “Simuladores”, 11.2.6. Página do Blog do Experimento, 11.2.7. Página Faça você mesmo, 11.2.8. Configurações Finais. CAPÍTULO III – Conclusões Parciais e Próximas Etapas
  13. 13. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 13 12. Análises Possíveis e Testes futuros Este item trata a respeito das análises possíveis a serem realizadas a partir dos resultados que esperamos realizar. Obviamente, dependendo dos resultados a serem encontrados podem surgir novas análises. Contudo, mesmo com resultados inesperados este item é importante pois fundamenta a análise a ser realizada e os testes que devemos implementar para verificação da usabilidade do sistema e de como se dá a interação do aluno com a interface, bem como quais problemas podem eventualmente surgirem e de que forma poderemos contornar. Este item se divide em mais um tópico, 12.1. Usabilidade Do Ambiente Virtual De Aprendizagem, que, como o próprio título explica, trata de como se dá a usabilidade do sistema e de que forma poderemos investiga-la e testá-la. Este tópico, por sua vez, se subdivide em outros dois (12.1.1. Análise do Tempo de Latência e 12.1.2. Interação Aluno-Interface) que tratam dos testes a serem realizados, com base em tarefas a serem implementadas, com base no que foi discutido na literatura a respeito, como se encontra em (TAKAHASHI, 2014). 13. Conclusões e Próximas Etapas Neste item são levantadas considerações finais, parciais, do projeto até esse momento, o que fizemos e o que pretendemos fazer, bem como no que ele pode vir a auxiliar, tanto por sua característica quando pelo aspecto inovador e dinâmico. São consideradas e retomadas as ideias iniciais a partir das quais são descritos os procedimentos das etapas desenvolvidas até o momento e o que se obteve a partir delas, pela qual são descritas as próximas etapas, resumidamente, as etapas de construção e ambiente virtual e aprendizagem e melhoria da interface de controle e visualização do experimento. Este item é subdividido em 13.1. Considerações Finais, 13.2 Considerações dos Resultados Parciais e 13.3. Próximas Etapas.
  14. 14. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 14 CAPÍTULO I – Contextualização e Fundamentação 1 Tema: Laboratório Remoto e o Ensino de Física Moderna O tema do trabalho em questão é a montagem de um protótipo e adequação da estrutura das arquiteturas necessárias para o desenvolvimento de um laboratório remoto como complementação, para aulas presenciais, e auxílio à abordagem de tópicos de Física, mais precisamente para o estudo de cores, seja experimental, seja teórica. Para tratar a questão, é necessário se compreender primeiramente o que é um laboratório remoto, também denominado WebLab. O objetivo de um laboratório remoto é possibilitar a realização e controle em tempo real de experimentos, usando como meio a internet. Esse ambiente, já readequado, tanto pratica, quanto teoricamente, deverá ser testado em suas funções e futuramente validado em aplicações ligadas ao ensino de Física. 2 Problema: Dificuldades práticas - das simulações no ensino de física ao laboratório remoto. Os resultados da aprendizagem do aluno (CLOUGH, 2002) podem ser impactadas pelas práticas experimentais, e pela forma como ela é conduzida em sala de aula; isto é, as práticas experimentais em sala de aula somente terá um impacto maior, desde que não se recaia nos problemas das aulas expositivas tradicionais, com giz e lousa, que pouco estimula a criatividade e o envolvimento dos aprendizes (SIEVERS, 2012). Dentro desta perspectiva, os laboratórios são utilizados para fornecer uma prova de que os princípios teóricos podem ser demonstrados na prática. Quando usado adequadamente, eles podem entusiasmar motivar e inspirar estudantes. Para tanto, um laboratório de ensino requer compromissos de tempo, de espaço e de financiamento para aquisição, instalação e manutenção de equipamentos e, em seguida acomodações para os alunos. Por outro lado, uma das questões de uso do laboratório de ensino é o espaço físico, o qual é determinante para realização de cortes para limitação do número de vagas nas escolas. Sendo assim, é possível propor uma solução ao problema através da utilização de tecnologia para aumentar
  15. 15. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 15 os recursos didáticos. Mas como aplicar o uso da tecnologia como forma de investigação dos conceitos trabalhados em um laboratório de ensino, presencial? Uma possibilidade seria o uso de simulações, já que permitem a interação com modelos que representam o comportamento de processos e experimentos nem sempre visíveis a olho nu, dependendo do modelo teórico utilizado, além de ser possível a alteração de parâmetros na simulação, permitindo a comparação do comportamento representado em relação ao comportamento do fenômeno no mundo real. Em relação a função da simulação, para Studart (2010), A principal função da simulação consiste em ser uma efetiva ferramenta de aprendizagem, fortalecendo bons currículos e os esforços de bons professores. A finalidade de uso pedagógico da simulação pode ajudar a introduzir um novo tópico, construir conceitos ou competências, reforçar ideias ou fornecer reflexão e revisão final (STUDART, 2010, p.29). Em contrapartida, caso não se reflita na adequação da simulação ao experimento real, pode-se induzir o aluno a pensar que a simulação represente a realidade, o que se configura como um erro de conceito, já que a simulação, por mais atraente que seja, é uma representação de um modelo matemático, o qual por sua vez, descreve um modelo físico, ou seja, uma interpretação da realidade. É preciso ter-se em mente que o ponto de partida de toda simulação é a imitação de aspectos específicos da realidade, isto significando que, por mais atraente que uma simulação possa parecer, ela estará sempre seguindo um modelo matemático desenvolvido para descrever a natureza, e este modelo poderá ser uma boa imitação ou, por outras vezes, um autêntico absurdo. Uma simulação pode tão somente imitar determinados aspectos da realidade, mas nunca a sua total complexidade. Uma simulação, por isso, nunca pode provar coisa alguma. O experimento real será sempre o último juiz. (MEDEIROS e MEDEIROS, 2002, p. 83). Também por isso, por ser uma representação da realidade, muitas simulações não incluem fatores práticos dos próprios experimentos, como as fontes de incertezas e erros, os quais alteram o resultado real. Dependendo do tipo de experiência, os tipos de erros se analisados poderiam contribuir a uma análise mais rica do próprio fenômeno, além da descoberta de outras relações entre o experimento em si e outras propriedades, submetendo o aluno a um mundo onde poderá encontrar perturbações nos sistemas estudados ou erros de aferição dos equipamentos. Por isso, segundo Hanson (2009) objetos de aprendizagem virtuais, que simulam situações reais através de dados pré-gravados, tem recebido críticas dos alunos e educadores. Com isso, algumas simulações apresentam o mesmo resultado, pois não incluem o erro experimental, que pode ser ocasionado pela calibração dos equipamentos.
  16. 16. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 16 Em um Congresso sobre ensino e internet (INTER-UNIVERSITY, 2008), os desenvolvedores de simulações, concordaram sobre as dificuldades de criar um programa de computador para simular um processo de forma realista. Outra forma de se utilizar a tecnologia é utilizando experimentos apenas com hardware. Nesta direção, uma abordagem alternativa é fornecer laboratórios de acesso remoto, alternativa que vem apresentando uso cada vez mais crescente no exterior, pela crescente disponibilidade e capacidade dos computadores pessoais, como é o caso (apud SIEVERS JUNIOR et al, 2012 p.2): do uso de laboratórios remotos em ciências ambientais e ecológicos (KREHBIEL, 2003), mas são encontrados principalmente nos departamento de engenharia, por exemplo química (SELMER, 2007), elétrica (LANG, 2007) e (LOWE, 2009) e mecânica (WEIGHTMAN, 2007), além de física (HANSON, 2009). O que atrai também ao uso do laboratório remoto é a possibilidade de acesso via internet ao experimento real, de modo que as fontes de incerteza possam ser investigadas; além da possibilidade de se utilizar a experiência real acessada remotamente junto a simulações/objetos de aprendizagem, que possam descrever o modelo utilizado, como uma ferramenta pedagógica, com possibilidade de análises mais ricas e comparativas. A tecnologia do laboratório com acesso remoto, também denominado WebLab, está sendo desenvolvida em um número crescente de instituições de ensino superior e está ramificando para outras disciplinas e para outros níveis de ensino (apud SIEVERS JUNIOR et al, 2012, p. 2): No Brasil podemos encontrar alguns laboratórios como (KYATERA, 2008), e um laboratório para prática remota de aulas Laboratoriais de Física (SILVA, 2007). Muitos laboratórios remotos são acessados por qualquer navegador convencional (WEIGHTMAN, 2007), esses recursos proporcionam oportunidades à instituições de todo o mundo para acesso ao equipamento experimental. Alguns usuários e pequenos grupos estão se formando e deram provas do sucesso da colaboração e compartilhamento de recursos sobre limites internacionais (GARCÍA-ZUBÍA et al, 2012, p. 230). Existe um grande potencial para colaboração e compartilhamento de recursos em escala nacional e internacional. Entretanto, antes dos laboratórios remotos poderem atingir o seu real potencial, várias questões logísticas fundamentais continuam a exigir, tais como: Como as instalações serão financiadas e mantidas? Quem terá acesso e quando? Mais debates
  17. 17. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 17 são necessários para resolver essas questões e chegar a um consenso sobre os pontos fortes e fracos dos laboratórios remotos e seu lugar no currículo, além de discussões acerca da possibilidade de se utilizar com complemento de simulações e como complemento a aulas presenciais. Além destas discussões, há controvérsias em cursos sobre a eficácia dos laboratórios remotos em entregar resultados de aprendizagem, e seus efeitos globais sobre a experiência dos alunos. A maioria dos exemplos de laboratórios remotos hoje são apenas versões remotas dos laboratórios tradicionais e alguns pesquisadores fazem comparações diretas entre os resultados da aprendizagem com os laboratórios tradicionais versus laboratórios remotos. Fato este que evidencia apenas uma transferência da aula expositiva para uma aula laboratorial a distância, o que apenas continua com o problema. Nesse sentido, nosso objetivo, aqui, é começar a investigar de que forma pode se propor a adequação de um laboratório remoto junto a aulas presenciais, no que se diz respeito a conteúdos de Física, como por exemplo o estudo dos padrões de cores, um tema que desperta interessa não apenas da Física mas também de áreas da Biologia, Fotografia, Fisiologia, entre outras, e que pode ser utilizada dentro de uma temática interdisciplinar que venha a despertar um interesse mais significativo aos estudantes. Além disso, e por consequência nosso objetivo também se desmembra para quais interfaces podem ser melhor elaboradas e utilizadas junto ao ambiente no qual o laboratório remoto esteja inserido, visando ao usuário (seja professor ou aluno) desfrutar dos recursos existentes, os trabalhando de forma em que se possa aprofundar a compreensão dos assuntos tratados. 3 Estado da Arte No capítulo de problematização, abordamos o contexto dos laboratórios e mais adiante (no item “Justificativa”) será analisado a escolha e o porquê do uso do laboratório remoto para os propósitos do projeto, bem como, aqui se inicia a abordagem de como está a situação e o usos dos mesmos. Para continuar essa abordagem, analisemos as questões principais levantadas em Vozniuk et al (2015) e Rodríguez-Triana et al (2015), que expressam, respectivamente, as necessidades e características do uso de aplicativos que acessem laboratórios remotos sob uma perspectiva de aprendizagem híbrida, e uma
  18. 18. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 18 análise das necessidades dos ambientes remotos sob a perspectiva dos professores, com base em uma aprendizagem baseada em investigação (IBL, do inglês, Inquiry- Based Learning). Além disso, foram analisados para este levantamento do estado da arte 32 artigos que remetem ao uso dos laboratórios remotos em educação (cujas citações estão disponíveis no portal internacional de laboratórios remotos – GoLab -, em http://www.go-lab-project.eu/publications), dos quais selecionamos 15 artigos, devido às suas características por envolver temas de Ciências e/ou Física aplicadas a uma discussão do ambiente em função de uma aprendizagem significativa. A tabela a seguir mostra os artigos que foram escolhidos, e dentro destes os que foram selecionados. Tabela 1- Índice dos artigos separados para análise e selecionados para releitura bibliográfica Índice Artigo (Referência) Selecionado ou não 1. Kreiter, C.; Garbi Zutin, D.: Enhancing the Usability of the Blackbody Radiation Remote Lab. In: Proceedings of the 3rd Experiment@ International Conference, exp.at'15, p. 55. Publication Publisher: IEEE Computer Society, Ponta Delgada, São Miguel Island, Azores, Portugal, 2015. Download Não. Apenas Resumo. 2. Salzmann, Ch.; Govaerts, S.; Halimi, W.; Gillet, D. : The Smart Device Specification for Remote Labs. In: Proceedings of the 12th International Conference on Remote Engineering and Virtual Instrumentation, REV 2015, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Bangkok, Thailand, 2015. Download Não (sem envolvimento com a Física. Mas a questões interessantes discutidas em análise para a parte educacional) 3. Rodriguez-Gil, L.; Orduña, P.; Bollen, L.; Govaerts, S.; Holzer, A.; Gillet, D.; López-de-Ipiña, D.; García-Zubia, J.: The AppComposer Web Application for School Teachers: A Platform for Translating and Adapting Educational Web Applications. In: Proceedings of the 6th IEEE Global Engineering Education Conference, EDUCON 2015, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Tallin, Estonia, 2015. Download SIM. Plataforma de aplicação web para professors. 4. Dziabenko, O.; García-Zubía, J.: Planning and Designing Remote Experiment for School Curriculum. In: Proceedings of the 6th IEEE Global Não (não é possível baixar o documento)
  19. 19. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 19 Engineering Education Conference, EDUCON 2015, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Tallin, Estonia, 2015. 5. Zervas, P.; Tsourlidaki, E.; Sotiriou, S.; Sampson, D.: Towards a Metadata Schema for Characterizing Lesson Plans Supported by Remote and Virtual Labs for School Science Education. In: Proceedings of the 12th International Conference on Cognition and Exploratory Learning in Digital Age, CELDA 2015, Publication Publisher: Springer, Dublin, Ireland, 2015. Download SIM. Caracterização de planos de aula suportados por laboratórios remotos para educação de Ciências. 6. Zervas, P.; Authentopoulou, A.-E.; Sampson, D.: Characterizing Virtual and Remote Laboratories with Educational Metadata. In: Proceedings of the Open Discovery Space Conference, EDEN Open Classroom 2015, Publication Publisher: EDEN Open Classroom, Athens, Greece, 2015. Download SIM 7. Zacharia, Z.C.; Manoli, C.; Xenofontos, N.; De Jong, T.; Pedaste, M.; Van Riesen, S.; Kamp, E.; Mäeots, M.; Siiman. L.; Tsourlidaki, E.: Identifying potential types of guidance for supporting student inquiry when using virtual and remote labs: A literature review. In: Educational Technology Research and Development: Vol. 63, p. 257-302. Publication Publisher: Association for Educational Communications & Technology, 2015. Não. O artigo não está disponível eletronicamente. 8. Vozniuk, A.; Rodriguez-Triana, M. J.; Holzer, A.; Govaerts, S.; Sandoz, D.; Gillet, D.: Contextual Learning Analytics Apps to Create Awareness in Blended Inquiry Learning. In: Proceedings of the 14th International Conference on Information Technology Based Higher Education and Training, ITHET 2015, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Lisbon, Portugal, 2015. Download SIM. 9. Sergis, S.; Vlachopoulos, P.; Sampson, D.: Flipped Classroom Teaching Model Templates for STEM Education. In: Proceedings of the Open Discovery Space Conference, EDEN Open Classroom 2015, Publication Publisher: EDEN Open Classroom, Athens, Greece, 2015. Download SIM. Modelos de aulas invertidas para o modelos STEM de Ensino.
  20. 20. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 20 10. Salzmann, Ch.; Govaerts, S.; Halimi, W.; Gillet, D.: The Smart Device Specification for Remote Labs. In: International Journal of Online Engineering (iJOE): Vol. 11, No. 4, Publication Publisher: iJOE, 2015. Download e Apresentação SIM. Especificação de Dispositivos Inteligentes para acoplagem em arqiteturas de software de laboratórios remotos, permitindo depuração de resultados e maior troca de informações, visando facilitar o trabalho do professor na comunicação com o usuário. 11. Rodríguez-Triana, M. J.; Holzer, A.; Vozniuk, A.; Gillet, D.: Orchestrating Inquiry-Based Learning Spaces: an Analysis of Teacher Needs. In: Proceedings of the 14th International Conference on Web-based Learning, ICWL 2015, Publication Publisher: Springer, Guangzhou, China, 2015. Download SIM 12. Pedaste, M.; Mäeots, M.; Siiman L. A.; De Jong, T.; Van Riesen, S. A. N.; Kamp, E. T.; Manoli, C. C.; Zacharia, Z. C.; Tsourlidaki, E: Phases of inquiry-based learning: definitions and the inquiry cycle. In: Educational Research Review: Vol. 14, p. 47-61. Publication Publisher: Elsevier Ltd., 2015. Download SIM. Fases da Apendizagem baseada em investigação e desenvolvimento das discussões sobre o ciclo de investigação. 13. Manske, S.; Hecking, T.; Chounta, I.-A.; Werneburg, S.; Hoppe; H. U.: Using Differences to Make a Difference: A Study in Heterogeneity of Learning Groups. In: Proceedings of the 11th International Conference on Computer Supported Collaborative Learning, CSCL 2015, Vol 1, p. 182 – 189. Publication Publisher: ISLS, Gothenburg, Sweden, 2015. Download SIM 14. Manske, S.; Chounta, I.-A.; Rodríguez- Triana, M. J.; Gillet, D.; Hoppe; H. U.: Exploring Deviation in Inquiry Learning: Degrees of Freedom or Source of Problems?. In: Proceedings of the 23rd International Conference on Computers in Education, ICCE 2015, Publication Publisher: Asia-Pacific Society for Computers in Education, Hangzhou, China, 2015. Download SIM. Esse artigo explora os desvios na aprendizagem por investigação no que se refere à Liberdade dada ao aluno e consequencias dessa metodologia no que se refere ao uso dos laboratórios remotos. 15. Kreiter, C.; Garbi Zutin, D.; Auer, M. E.: An HTML Client for the Blackbody Radiation Lab. In: Proceedings of the 12th International Conference on Remote Engineering and Virtual Instrumentation, REV 2015, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Bangkok, Thailand, 2015. Download Não. Apenas resumo. 16. Heintz, M.; Law, E. L.; Soleimani, S.: Paper or Pixel? Comparing Paper- and Não. Arquivo não disponível gratuitamente.
  21. 21. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 21 Tool-based Participatory Design Approaches. In: Proceedings of the 15th IFIP TC.13 International Conference on Human-Computer Interaction, INTERACT 2015, Publication Publisher: Springer, Bamberg, Germany, 2015. Download 17. Heintz, M.; Law, E. L.; Manoli, C.; Zacharia, Z.; Van Riesen, S. A. N.: A survey on the usage of online labs in science education: Challenges and implication. In: Proceedings of the 6th IEEE Global Engineering Education Conference, EDUCON 2015, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Tallin, Estonia, 2015. Não. Arquivo não disponível para download. 18. Heintz, M.; Law, E. L.: Solution-based Requirements Capture with PDot in an E-Learning Context . In: Proceedings of the 15th IFIP TC.13 International Conference on Human-Computer Interaction, INTERACT 2015, Publication Publisher: Springer, Bamberg, Germany, 2015. SIM 19. Halimi, W.; Salzmann, Ch.; Gillet, D.: The Smart Wind Turbine Lab. In: Proceedings of the 3rd Experiment@ International Conference, exp.at'15, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Ponta Delgada, São Miguel Island, Azores, Portugal, 2015. Download Não. Arquivo disponível eletronicamente apenas com o resumo. 20. Govaerts, S.; Cao, Y.; Faltin, N.; Cherradi, F.; Gillet, D.: Tutoring Teachers - Building an Online Tutoring Platform for the Teacher Community. In: Immersive Education, Communications in Computer and Information Science, Vol. 486, p. 39-51. Publication Publisher: Springer, Vienna, Austria, 2015. Download SIM 21. Fernandez, G. C.; Ruiz, E. S.; CastroGil, M.; Mur Perez, F.: From RGB led laboratory to servomotor control with websockets and IoT as educational tool. In: Proceedings of the 12th International Conference on Remote Engineering and Virtual Instrumentation, REV 2015, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Bangkok, Thailand, 2015. Download SIM. Menção ao uso de websockets na arquitetura de software e experimentos variados de tecnologia e de física, nesse ultimo caso, com LED RGB. 22. Fernandez, G. C.; Carrasco Borrego, R.; Plaza Merino, P.; Cañas Lopez, M. A.; San Cristóbal Ruiz, E.; Castro Gil, M.; Não. Texto não disponível para download, mas a apresentação sim.
  22. 22. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 22 Mur Perez, F.: Mechatronics and robotics as motivational tools in remote laboratories. In: Proceedings of the 6th IEEE Global Engineering Education Conference, EDUCON 2015, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Tallin, Estonia, 2015. Apresentação e Download Alguns pontos discutidos ali devem ser utilizados ao longo deste capítulo. 23. Dikke, D.; Faltin, N.: Go-Lab MOOC – An online course for teacher professional development in the field of Inquiry-Based Science Education. In: Proceedings of the 7th International Conference on Education and New Learning Technologies, Publication Publisher: IATED, Barcelona, Spain, 2015. Download SIM. Explora o desenvolivmento professional do professor dentro de uma perspectiva de Ensino de Ciências baseado em investigação, para um curso on-line no projeto Go-Lab (portal de laboratórios remotos). 24. De Jong, T.: Simulation-based learning. In: J. Spector (Ed.): The SAGE encyclopedia of educational technology, p. 647-650. Publication Publisher: SAGE Publications, Inc., Thousand Oaks, California, United States, 2015. Não. Artigo não disponível eletronicamente. 25. Centeno, R.; Rodriguez-Artacho, M.; Garcia, F.; Sancristobal, E.; Diaz, G.; Castro, M.: Towards learning resources rankings in MOOCs: A pairwise based reputation mechanism. In: Proceedings of the 6th IEEE Global Engineering Education Conference, EDUCON 2015, Tallin, Estonia, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Tallin, Estonia, 2015. Download Não. Texto disponível eletronicamente, mas não gratuitamente. 26. Cao, Y.; Kovachev, D.; Klamma, R.; Jarke, M.; Lau, R. W. H.: Tagging diversity in personal learning environments. In: Journal of Computers in Education, March 2015: Vol. 2, Issue 1, p. 93-121. Publication Publisher: Springer, 2015. Download Não. Embora trabalhe o desenvolvimento de um protótipo de ambiente de aprendizagem pessoal e baseado na procura de tag’s, o faz em poemas clássicos chineses, ass 27. Cao, Y.; Tsourlidaki, E.; Edlin-White, R.; Dikke, D.; Faltin, N.; Sotiriou, S.; Gillet, D.: STEM Teachers’ Community Building through a Social Tutoring Platform. In: Proceedings of the14th International Conference on Web-based Learning, ICWL 2015, Publication Publisher: Springer, Guangzhou, China, 2015. Não. Artigo disponível eletronicamente mas não gratuitamente. 28. Tsourlidaki, E.; Zervas, P.; Sotiriou, S.; Sampson, D.: An Investigation with European School Teachers on how to Characterize Virtual and Remote Labs. In: Proceedings of the IEEE 6th Não. Arquivo disponível eletronicamente, mas não gratuitamente.
  23. 23. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 23 International Conference on Engineering Education towards Excellence and Innovation 2015, Publication Publisher: IEEE Computer Society, Tallinn, Estonia, 2015. Download 29. Zervas, P.; Sergis, S.; Sampson, D.; Fyskilis, S.: Towards Competence- Based Learning Design Driven Remote and Virtual Labs Recommendations for Science Teachers. In: Technology, Knowledge and Learning, Publication Publisher: Springer, 2015. Download e Apresentação Não. Arquivo disponível eletronicamente, mas não gratuitamente. Apenas resumo disponível de graça. Apresentação disponível eletronicamente. Por conter elementos sobre o processo de educação aberta nos laboratórios remotos será citada. 30. Pedaste, M.; Mäeots, M.; Siiman, L. A.; de Jong, T.; van Riesen, S. A. N.; Kamp, E. T.; Manoli, C. C.; Zachariac, Z. C.; Tsourlidaki, E.: Phases of inquiry-based learning: definitions and the inquiry cycle. In: Educational Research Review, p. 47-61. Publication Publisher: European Association for Research on Learning and Instruction (EARLI), 2015. Download Sim, por conter uma discussão mais aprofundada sobre o processso cíclico da aprendizagem por investigação, uma bases teóricas aplicada ao desenvolvimento de laboratórios remotos, mundialmente. 31. Zacharia, Z.C.; Manoli, C.; Xenofontos, N.; de Jong, T.; Pedaste, M.; van Riesen, S.A.N, Kamp, E.T.; Mäeots, M.; Siiman, L.; Tsourlidaki, E.: Identifying potential types of guidance for supporting student inquiry when using virtual and remote labs in science: a literature review. In: Educational Technology Research & Development, Publication Publisher: Springer US, 2015. Download SIM. Revisão bibliográfica sobre os potenciais tiposde guias para auxílio a investigação de estudantes no uso de laboratórios remotos e virtuais, nas áreas de Ciências. Posteriormente a seleção dos artigos ainda restringimos mais a escolha no que se refere apenas às discussões teóricas ou práticas do uso de laboratórios remotos nas áreas científicas, tanto quanto nas alternativas de aprendizagem desenvolvidas neles. Após esta restrição, ficamos com 11 artigos (caracterizados pelos índices 3, 5, 9, 10, 11, 12, 14, 21, 23, 30 e 31) que devem ser comentados nos próximos parágrafos. Nesse caso, os artigos de 3 a 10 tratam da temática dos laboratórios remotos no desenvolvimento dos professores e usuários; nos artigos 12 e 14 tratam do desenvolvimento de interfaces para facilitar o uso por parte dos professores e a aprendizagem dos alunos; e nos textos de 23 a 31 tratam da questão da aprendizagem por investigação aplicada aos laboratórios remotos, seja nas possibilidades que
  24. 24. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 24 apresenta ou mesmo nas consequências que se tem com a metodologia, no ensino com ambientes remotos de investigação, na concepção das Ciências. Cabe lembrar que esse levantamento bibliográfico toma os anos mais recentes, e que como o uso de laboratórios remotos é uma área com recente investigação educacional, novas possibilidades e uso de novas tecnologias podem influenciar no próprio uso das plataformas remotas, ou mesmo com melhorias na usabilidade e aplicabilidade dos sistemas. Por exemplo, em relação ao levantamento realizado por Cardoso e Takahashi (2011), o qual era justamente visando o estudo e aplicabilidade dos laboratórios remotos em Física, Engenharia e outras áreas científicas, novas tecnologias surgiram e melhoraram a eficiência das interfaces possíveis dentro dos laboratórios. Novos programas surgiram para melhorar o tempo de resposta entre um comando enviado pelo cliente e recebido pelo servidor (Salzmann et al, 2015). Isso nos remete a entender as discussões a respeito do desenvolvimento e o uso no contexto educacional de Física dos Laboratórios Remotos, além das discussões de usabilidade dos laboratórios remotos e emprego das teorias de ensino e aprendizagem, da época de Cardoso e Takahashi (2011) em comparação com a aplicação de, por exemplo, a Aprendizagem Baseada em Investigação (IBL, do inglês Inquiry Based Learning) (Dikke, et al, 2015), (Pedaste, et al, 2015b) e (Zacharia, et al, 2015), nos tempos mais recentes. Para tanto, como apontado, são estudados os trabalhos realizados por autores que trabalharam neste mesmo tema, dentro das observações levantadas por Cardoso e Takahashi (2011), e consequentemente quais as dificuldades encontradas, as discussões levantadas por eles, em comparação com as observações e desenvolvimentos ocorridos desde então (Rodrigues-Gil, et al, 2015), (Zervas, et al, 2015), (Sergis, et al, 2015), (Salzmann, et al, 2015), (Rodríguez- Triana, et al, 2015), (Pedaste, et al, 2015a), (Manske, et al, 2015), (Fernandez, et al, 2015), (Dikke, et al, 2015), (Pedaste, et al, 2015b) e (Zacharia, et al, 2015) a fim de enquadrar os problemas a serem trabalhados neste projeto. No artigo de Cardoso e Takahashi (2011), publicado na RBPEC, os autores fazem o “[...] levantamento e análise de trabalhos sobre o assunto em revistas e periódicos de ensino e educação, no Brasil e no exterior”, até o ano de 2011. O intuito dos autores, assim como um dos objetivos deste projeto corrente, era investigar se (e como) os laboratórios remotos estão sendo utilizados para o ensino, particularmente, de Física, com o objetivo de avaliar o potencial desse recurso para o ensino-
  25. 25. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 25 aprendizagem da disciplina. Para tanto, os autores discorrem das necessidades de um laboratório remoto e das potencialidades que o uso da experimentação demonstra para o processo de ensino-aprendizagem, fundamentando-se nas avaliações tanto de documentos oficiais como o PCN+ (BRASIL, 2002), quanto de pesquisadores. Dentro deste âmbito, Dikke, et al (2015) e Pedaste, et al (2015b), discorrem sobre a fundamentação dos laboratórios remotos sob a ótica da aprendizagem baseada em investigação, tratando das fases de desenvolvimento para se chegar a um objetivo de estudo. Dikke, et al (2015) discorrem sobre o desenvolvimento profissional dos professores dentro dos laboratórios remotos que tratam dentro da perspectiva da IBL, e quais as melhorias que apresentam. Além disso os autores discorrem sobre o fato da perspectiva dos laboratórios remotos estarem mais coesos hoje em dia, devido à ideia de se formar um consórcio europeu para difundir as investigações com laboratórios remotos aplicados ao estudo de ciência, no que se formulou como o GoLab (consórcio esse que fundamenta as pesquisas selecionadas para este estudo bibliográfico). Esse fato, por si só, já avança um dos problemas que se apresentava na época de Cardoso e Takahashi (2011), no caso, antes de 2011. Isso porque ao se comparar as pesquisas os autores podem avançar em seus conhecimentos, compartilhando impressões, levantando novas possibilidades e trocando materiais de pesquisa e mesmo com mais acessos aos weblabs, se consegue investigações e desenvolvimentos mais aprofundados. Com o GoLab, os professores têm a possibilidade de terem uma formação contínua e se envolverem mais com os avanços dos laboratórios remotos de seus pares e mesmo dos usuários, que com mais acessos se tornam mais íntimos dos laboratórios e a questão do estranhamento com a tecnologia vão diminuindo. A própria perspectiva da experimentação remota ganha mais propriedade através de uma sistematização de investigação, através das fases de investigação, definidas em Pedaste, et al, (2015b). Novas motivações e descobertas surgem através deste viés podem ser trabalhados pelos professores, para que os próprios usuários sejam autônomos em suas descobertas; com isso, o professor passa a orientar o usuário remotamente em seu processo de aprendizagem. O usuário, por outro lado, se familiariza com o processo do método científico. Assim, o estudo científico pode ser mais atraente e possibilita novas descobertas, dentro de um ambiente remoto que
  26. 26. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 26 não apenas serve ao processo de se obter resultados dentro de um experimento, mas também entender o seu significado e contexto, quando colocado dentro de uma perspectiva que tal conhecimento pode ser construído, investigado. Dentro desta perspectiva de experimentação, aliada ao princípio de utilização de materiais de fácil acesso e possibilidade de viabilizar a mesma experiência com acesso remoto, em 2011, Cardoso e Takahashi (2011, p. 188) apontavam que: A utilização desses Laboratórios de Experimentação Remota, como são conhecidos, permitiria a realização cooperativa de experimentos reais com o objetivo de prover uma melhor compreensão dos fenômenos científicos e estimular um interesse maior pela carreira científica. E, indo além (CARDOSO; TAKAHASHI, 2011, p. 188): [...] a Experimentação Remota não auxilia a aprendizagem por si só; o uso da experimentação deve ser amparado por ferramentas didáticas e metodologias devidamente fundamentadas. De forma que concluem que a perspectiva de uso dos laboratórios remotos não se dá somente em ambientes que se utilizem de Educação a Distância (EaD), mas também presencialmente: Assim, um laboratório remoto pode auxiliar na aprendizagem de conceitos físicos, sendo um importante recurso nos cursos de Educação a Distância (EaD) que exigem aulas práticas, como também aulas presenciais tornado-a mais interativa e mais dinâmica. Pode, ainda, auxiliar o aprendiz independentemente das aulas e viabilizar a realização de experimentos mais complexos e/ou de difícil acesso. (CARDOSO; TAKAHASHI, 2011, p.188- 189) Com base nestas prerrogativas, os autores abordam a metodologia de aprendizagem baseada em investigação para laboratórios remotos, desde sua adequação até a sua implementação e uso educacional. Com base nessa metodologia, que se baseia no método científico e em suas fases, para os autores Pedaste et al (2015), o objetivo da metodologia de aprendizagem baseada em investigação é “envolver os alunos em um autêntico processo de descoberta científica”. (Pedaste et al, 2015, p.48): “Do ponto de vista pedagógico, o processo científico complexo é dividido em unidades menores, logicamente conectadas que orientam os alunos, chamando-lhes a atenção para aspectos importantes do pensamento científico. Estas unidades individuais são chamadas fases de investigação e o seu conjunto de conexões forma um ciclo de investigação”.
  27. 27. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 27 Nesse sentido, os autores citados mencionam o modelo do ciclo de aprendizagem dos 5E, que tratam de cinco fases de investigação (fundamentados em (Bybee et al, 2015): engajamento, exploração, explanação, elaboração, e avaliação (em inglês, 5E learning cycle model – engagement, explroation, explanation, elaboration, evaluation). Nestas fases, dependendo do pesquisador, é observado que se pode balancear para mais ou para menos abordagens ora indutivas, ora dedutivas, dependendo da fase de investigação. Por outro lado, para outros autores (Klahr e Dunbar, apud Pedaste et al, 2015b), o processo de raciocínio científico é caracterizado em duas esferas – a da experimentação e da hipótese -, e dentro destes espaços se é trabalhada a investigação em um ambiente remoto, ora indo para a hipótese, ora indo ao experimento. Por isso, a forma de se optar por recursos indutivos ou dedutivos pode depender do campo em que se está trabalhando, bem como da fase em que se está orientando ao usuário. Assim, com base em um levantamento bibliográfico de 32 (trinta e dois) artigos, Pedaste et al (2015b) formulam um modelo de 5 (cinco) fases de investigação (Orientação, Cenceitualização, Investigação e Conclusão – baseado em modelo formulado por de Jong et al, 2014 (apud Pedaste et al, 2015) , porém mais sistematizado e com possibilidades de permutações e novos ciclos dentro de um mesmo processo). Nesta formulação do processo é possível se utilizar como entrada para o processo uma experimentação ou explanação, para depois se formular hipóteses, coletar dados e se concluir, ou mesmo, após a coleta de dados, se formar uma nova contextualização, formular uma nova hipótese, experimentar, explorar, coletar novos dados, e se concluir. Ou seja, o processo se transforma em vários ciclos possíveis dentro de um mesmo processo, algo mais próximo do raciocínio científico, de forma a familiarizar o usuário/aprendiz, e facilitar uma orientação de estratégia ao professor, que por sua vez, tem a sua escolha deixar o processo mais livre, ou delimitar a sua estratégia de uso. Essa formulação permite se utilizar o ambiente remoto tanto dentro de um contexto mais estruturado de ensino quanto em um ambiente mais livre (Pedaste et al, 2015b). No caso da formulação das 5 fases – Orientação, Conceitualização, Investigação e Conclusão -, para os laboratórios remotos, Zacharias et al (2015), apontam que uma derivação da IBL, a aprendizagem baseada em investigação com suporte ao computador (do inglês Computer Suported Inquiry Learning, ou
  28. 28. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 28 simplesmente, CoSIL) é uma das metodologias que utiliza o computador como ambiente para aprendizagem, em conjunto com a ideia de raciocínio científico dentro de uma metodologia investigativa de modo que o usuário possa realizar as etapas do método científico dentro de sua pesquisa. Zacharia et al (2015) apontam que: “os ambientes de aprendizagem computadorizados foram identificados por muitos pesquisadores como sendo um dos melhores meios para se ter, de fato, uma aprendizagem, pois fornecem recursos que outros meios tradicionais (por exemplo, papel–e–lápis, atividades, laboratórios físicos) não podem oferecer, tais como múltiplas representações, feedback pessoal instantâneo, informações estruturadas não-seqüenciais, não-lineares e em que os alunos podem procurar instantaneamente de acordo com as suas necessidades, interesses ou objetivos [...]” (apud Zacharia et al, 2015) Além disso os ambientes em que os laboratórios remotos se encontram, de acordo com Zacharia et al (2015), se projetados apropriadamente, são importantes para o reforço da aprendizagem do estudante. Pela literatura (Zacaria et al, 2015), se percebe que a aprendizagem dentro de tais ambientes coloca desafios para a maioria dos estudantes, principalmente por causa da complexidade cognitiva e meta-cognitiva das experiências de aprendizagem que esses ambientes oferecem, e muito devido (Zacharia et al, 2015) à riqueza de informação e da diversidade de relações que o usuário consegue retirar do ambiente com o qual interage, além da transparência com a qual o usuário consegue perceber o conteúdo. Por outro lado, quando o usuário acessa um laboratório on-line (seja virtual ou remoto), encontra alguns pontos a se considerar, principalmente quando volta a acessar. Na volta (Zacharia et al, 2015), o estudante pode ver o mesmo objeto através de múltiplas representações, incluindo representações de objetos abstratos / conceituais (por exemplo, em uma simulação ou em um laboratório virtual, ele pode observar simulações de raios de luz, de elétrons), que não estão disponíveis no mundo real, e melhorar sua compreensão do fenômeno em estudo (Zacharia et al, 2015), ainda que seja importante mencionar que não se trata do objeto real e sim um conceito (e isso é importante ser explicado no ambiente e pelo professor). No caso dos laboratórios remotos, por exemplo, de Jong et al (2013) analisam as necessidades de guias na metodologia de aprendizagem baseada em investigação, e apontam que é essencial abordar a questão, a fim de que se obtenha melhores orientações dentro dos parâmetros utilizados em um ambiente remoto (do
  29. 29. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 29 laboratório remoto). Inclusive sugerem à comunidade concentrem suas pesquisas no desenvolvimento e utilização de devidas orientações para o abordagem mais eficiente de práticas que se utilizem da metodologia de aprendizagem baseada em investigação (IBL) dentro dos ambientes colcoados nos laboratórios, sejam tanto virtuais quanto remotos. É importante observar que além da motivação dos espaços de investigação (e que acabam por utilizar a metodologia IBL), nos projetos que são desenvolvidos pela proposta do GoLAB, existe uma motivação do apelo científico colocado em núcleos de grandes ideias (Big Ideas - www.golabz.eu/big-ideas ):  1ª ideia- A energia não pode ser criada nem destruída (apenas pode ser transforma de uma forma para a outra). A transformação de energia pode levar à mudança de estado ou de movimento;  2ª ideia - Existem quatro interações/forças fundamentais na natureza (Gravitação, Eletromagnetismo, Força Nuclear Forte, e Força Nuclear Fraca – todos os fenômenos naturais são devidos à presença de uma ou mais dessas interações. As forças atuam nos objetos e podem agir à distância através do campo físico respectivo, causando uma mudança no movimento ou no estado da matéria);  3ª ideia - A Terra é uma parte muitíssimo pequena do Universo (o Universo é composto por bilhões de galáxias, as quais contém bilhões de estrelas – sóis – e outros objetos celestes. A Terra é uma parte muitíssimo pequena de um sistema solar com um sol no seu centro, o qual por sua vez é uma parte muito pequena do Universo);  4ª ideia - Toda a matéria no Universo é composta de partículas muito pequenas (Elas estão em movimento constante e a ligação entre elas são formadas por interações entre as mesmas. Partículas elementares como as conhecemos forma átomos e átomos forma moléculas. Existe um número finito de tipos de átomos no Universo, os quais são os elementos da tabela periódica;  5ª ideia - Em escalas muito pequenas, nosso mundo é sujeito às leis da mecânica quântica (toda a matéria e radiação exibem ambas propriedades de ondas e de partículas. Nós não podemos
  30. 30. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 30 simultaneamente conhecer a posição e o momento de uma partícula – é o princípio da incerteza);  6ª ideia - A evolução é a base tanto da unidade da vida quanto da biodiversidade dos organismos (os organismos passam suas informações genéticas de uma geração à outra);  7ª ideia - Os organismos são organizados em bases celulares (Elas requerem uma fonte de energia e de materiais. Toda a forma de vida no nosso planeta é baseada em um componente-chave comum);  8ª ideia - A Terra é um sistema de sistemas os quais influenciam e são influenciados pela vida no planeta. (O processo ocorrendo dentro desse sistema influencia a evolução de nosso planeta, dão forma ao clima e à superfície terrestre. O sistema solar também influencia a Terra e a vida no planeta). Assim, esta seção “Big Ideas of Science” (ou Grandes Ideias da Ciência) são um conjunto de conceitos-chave científicos que descrevem o mundo que nos rodeia. Eles nos permitem conceber a conexão entre diferentes fenômenos naturais que, à primeira vista, podem parecer irrelevantes, mas que na verdade têm suas raízes nos mesmos princípios e leis da natureza. O GoLab introduz o "Big Ideas" como uma espinha dorsal pela qual os alunos podem construir seu conhecimento com base nessa prerrogativa, conforme se conectam aos assuntos da Ciência, diferente da forma que são ensinados na escola, tanto quanto de eventos e fenômenos de suas vidas os quais lhes são ensinados de maneira tão diferente durante sua vida escolar. Desse modo, dentro dos espaços de investigação, e centrado nestas ideias- chave, o usuário de um laboratório remoto pode experimentar um pouco da prática científica e usufruir do laboratório remoto de forma diferente do que usaria apenas como um visitante. Devido a isso, é necessário que quem dirija a experiência do usuário nestes ambientes tenha a devida orientação e saiba colocar em prática a necessária didática e permitir ao usuário/estudante que ele percorra os caminhos, desde a contextualização até a conclusão. Essas discussões de como se colocar essas orientações às fases do espaço de investigação são discorridas nos artigos de (de Jong, et al, 2013), (Zacharia et al, 2015), (Dikke e Faltin, 2015), (Pedaste et al, 2015a), (PEdaste et al, 2015b), e principalmente em (Dikke et al, 2015), no artigo “GOLABZ: TOWARDS A FEDERATION OF ONLINE LABS FOR INQUIRY-BASED
  31. 31. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 31 SCIENCE EDUCATION AT SCHOOL”, o qual faz um apanhado das motivações, pontos importantes e originais no projeto Go-Lab e que influencia no desenvolvimento do aprendizado de estudantes através do laboratório (virtual e remoto), com o uso de espaços de investigação. Até o momento observamos a situação de pesquisa dos laboratórios remotos e metdologias associadas ao ensino com laboratórios remotos, para os casos dos laboratórios desenvolvidos em conjunto pelos comitês europeus, dentro do projeto GoLAB. O uso de espaços de investigação, da divisão em etapas que simulem o método científico no âmbito da pesquisa estudantil nos laboratórios remotos é relativamente recente. Em 2007, Roccard (Dikke et al, 2015) cita o desenvolvimento de ambientes (espaços) que utilizem a metodologia baseada em investigação científica, comos endo uma forma renovada de pedagogia, no caso do futuro europeu. Desde então, e com a união dos laboratórios de 17 países europeus no Go-Lab essa iniciativa vem tomando mais corpo e tendo novos e eficientes resultados com estudantes utilizando os laboratórios on-line (remotos e virtuais) de forma mais instigante e significativa. No caso brasileiro, os autores Cardoso e Takahashi fizeram o levantamento bibliográfico, entre os anos 2000 e 2009, entre artigos de periódico Qualis 1A, pela lista completa da Capes e apuraram todos os periódicos das seções Educação e Ensino de Ciências e Matemática. Isso com o fim de avaliar a abrangência do uso dos laboratórios remotos, da experimentação remota. Além desses artigos, também selecionaram todos os outros periódicosque continham as palavras ensino, educação e seus correspondentes em inglês e espanhol. No total, encontraram 78 periódicos. Como critério de seleção dos artigos, optaram por pesquisar, nos títulos, as palavras-chave “experimentação remota”, “laboratório remoto” e seus correspondentes em inglês e espanhol. Com este critério de seleção, Cardoso e Takahashi (2011) encontraram 31 artigos. Como forma de comparação, no caso das publicações do Go-Lab, por exemplo, que tratam de propostas de incentivo ao uso de laboratórios remotos, utilizando para isso espaços de investigação que se comunicam com ambientes do laboratório remoto (ou virtual), encontra-se a presença de um número maior de publicações em congressos e eventos que foram sendo realizados para tratarem desta temática, principalmente após o ano de 2013.
  32. 32. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 32 No caso de Cardoso e Takahashi (2011), a partir dos artigos encontrados, eles fizeram um levantamento do número de artigos publicados em cada ano e em cada área de conhecimento, verificando em quais periódicos foram publicados e para qual nível de ensino, de forma a elaborar uma síntese dos objetivos, metodologias e estratégias utilizadas e as principais contribuições para o ensino. A partir disso, os autores fizeram uma análise em relação ao enfoque, à justificativa de utilização da Experimentação Remota, às vantagens e desvantagens do uso do laboratório remoto e à utilização de metodologia de ensino. A partir destas considerações, os autores começam a análise preocupando-se em verificar como vem sendo o desenvolvimento de pesquisas sobre laboratórios remotos nos últimos 10 anos. A partir das análises feitas, constatam que as pesquisas relacionadas a experimentos que podem ser operados remotamente são relativamente recentes, devido ao fato de que a tecnologia só pôde ser desenvolvida devido aos grandes avanços tecnológicos dos últimos tempos, como por exemplo, a engenharia de automação e controle assistida por computadores, Internet (aqui incluso o aumento no poder de processamento dos dados transmitidos, também) e webcams, que são elementos essenciais para esse tipo de experimentação. É interessante notar que, até 2011, em nenhum dos periódicos nacionais Qualis A foram encontrados artigos sobre experimentos remotos, apesar de existirem pesquisas e laboratórios remotos no Brasil. Após 2013, contudo o número de publicações nacionais que tratam sobre o tema começou a aumentar, principalmente devido aos trabalhos do projeto RexLab, da UFSC (Universidade de Santa Catarina), publicados em congressos e publicações internacionais (Silva, et al, 2013), como o caso da VAEP-RITA, da IEEE. Isso explicava o fato de que pouco se divulgava a criação, elaboração, adequação e implementação de laboratórios remotos, fato este que impossibilitava um maior acesso de usuários e do público-alvo (professores e alunos) às potencialidades do uso educacional do laboratório remoto. De 2013 para cá, contudo muito se avançou, desde a concepção dos laboratórios, até a forma de se utilizá-los e evidencia-se que essa forma de utilizar os laboratórios tende a se tornar uma forma muito comum, principalmente devido a possibilidade de se utilizar experimentos reais, mas que não poderiam ser utilizados no lugar em que se encontra o usuário e o professor. Com novas metodologias e interfaces de ambientes remotos, pode-se além disso se obter uma experiência mais significativa, devido ao fato de o
  33. 33. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 33 usuário se colocar como um cientista e trilhar as etapas a fim de se experimentar e entender o que se observa. No caso da Física, até 2011, poderíamos notar, conforme Cardoso e Takahashi (2011) também apuram, que os trabalhos eram desenvolvidos para determinadas áreas de conhecimento, a citar, as Engenharias, devido à necessidade de experimentação, de prática, para a inserção do egresso no mercado de trabalho e que a prática é de fundamental importância para a aprendizagem dos conceitos relacionados com as disciplinas (CARDOSO; TAKAHASHI, 2011). Por outro lado, estas características que são necessárias às Engenharias também são necessárias em outras áreas de Ensino, justamente pelo caráter científico das disciplinas correlatas (por exemplo, Física, Biologia, Química, e eventuais articulações entre elas), as quais são bases para as Engenharias. Ainda que se apresente as mesmas necessidades para estas áreas citas, existiam poucos trabalhos associados ao uso da Experimentação Remota nessas áreas, conforme mostra a Figura 01. Figura 01: Quantidade de artigos por área de conhecimento, até 2011 - reprodução de (Cardoso e Takahashi, 2011). Pela pesquisa de levantamento realizada pelos autores, se percebia a presença de alguns experimentos que poderiam ser utilizados no ensino da Física em nível superior, como alguns experimentos de eletrônica, interferômetro de Michelson, imagens ao microscópio eletrônico de varredura, vibração mecânica unidimensional e pêndulo invertido. Inclusive, relacionando cada experimento à área da Engenharia relacionada, a maior parte dos experimentos é voltada aos cursos de Mecânica/Mecatrônica e Elétrica, áreas cuja base é essencialmente a Física. Justamente com as práticas desenvolvidas pelo grupo do RexLab, da UFSC, justamente algumas dessas experiências podem ser acessadas remotamente, dentro
  34. 34. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 34 da perspectiva de uma metodologia baseada em investigação, bastando ao professor no caso criar um espaço de investigação em sua unidade escolar. A diferença para os projetos desenvolvidos pelo GoLab, da Europa, é que este ambiente de investigação científica já se encontra no próprio portal (http://www.golabz.eu/spaces ), e nas unidades das Grandes Ideias, de forma que o usuário, orientado pelo professor, nas fases do desenvolvimento do conhecimento científico do tema trabalhado, pode experienciar essa forma de ensino de um modo que lhe seja instigante e curioso (pode até mesmo ter a liberdade de trilhar suas próprias fases de investigação, sendo apenas orientado e auxiliado pelo professor/tutor) (Dikke et al, 2015). Até 2011, contudo, pela análise de Cardoso e Takahashi (2011), além das considerações anteriores, é importante ressaltar o enfoque que se dava em cada artigo estudado, ou seja, sob qual ponto de vista os artigos foram desenvolvidos. Categorizando-os pelos objetivos de cada artigo e, com base no que foi apresentado, os autores criaram cinco categorias: Aprendizagem do Aluno (representavam alguma metodologia para ensinar com Experimentação Remota, utilizando planos pedagógicos, estratégias de ensino, etc...), Análise entre Laboratório Virtual e Laboratório Remoto, Análise entre Laboratório Remoto e Laboratório Presencial (nestes dois casos anteriores, em ambas as considerações, eram relacionados artigos que evidenciavam diferenças, vantagens e desvantagens entre os respectivos tipos de laboratório), Infraestrutura (artigos que descreviam a implementação e seus requisitos necessários e ambiente do laboratório remoto), e Viabilidade (artigos que validavam a utilização da experimentação remota). Analisando os objetivos dos artigos chegaram ao fato de que 19 dos 31 artigos estudados se focavam na questão de infraestrutura. Embora os periódicos estejam publicados em revistas essencialmente voltadas ao ensino e educação, dos artigos estudados somente 12,9% abordavam esta temática, evidenciando a baixa prioridade da literatura disponível de análises voltadas a adequação de laboratórios remotos para a temática de aprendizagem. Pois não basta se colocar um laboratório remoto se não houver uma preocupação em que ele esteja bem estruturado em sua questão educacional, o que retornaria somente em uma visualização, um entretenimento, sem um valor significativo para a aprendizagem do usuário. Assim, com essa preocupação é que grupos começaram a se juntar e a metodologia baseada em investigação científica começou a ser utilizada e ambientes
  35. 35. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 35 de investigação começaram a ser criados e colocados em prática dentro do laboratórios remotos de forma se analisar pedagogicamente como os usuários acessariam as experiências e de que forma eles poderiam ser orientados de forma a terem uma aprendizagem que lhes atribuíssem significado. É justamente sobre isso que tratam Dikke et al (2015) e Dikke e Faltin (2015) em seus respectivos artigos que tratam da história do GoLab e o uso das etapas de investigação nas atribuições do conhecimento dos usuários, também trabalhado por (de Jong et al, 2013); (Pedaste et al, 2015a); (Pedaste et al, 2015b); (Zacharia et al, 2015). Com relação aos artigos que enfocavam a aprendizagem (somente 4 – quatro – dentre os analisados), no caso dos artigos anteriores a 2011, Cardoso e Takahashi (2011), mostravam que é possível atingir os objetivos educacionais com o uso de experimentos remotos e uma metodologia de ensino adequada, conforme quadro abaixo: Quadro 2: Descrição dos objetivos, metodologias e estratégias e as principais contribuições para o ensino dos artigos com foco principal em aprendizagem (retirado de (Cardoso e Takahashi, 2011)). Artigo 1 A Distance PLC Programming Course Employing a Remote Laboratory Based on a Flexible Manufacturing Cell Objetivos Aplicar o experimento remoto com uma metodologia de ensino baseada em projetos e avaliar a aprendizagem e o laboratório remoto. Metodologias e estratégias  Vinte e cinco estudantes voluntários participaram do trabalho e foram divididos em dois grupos: o grupo presencial (14 alunos) e o grupo remoto (11 alunos).  Os fundamentos teóricos foram disponibilizados na plataforma de ensino Moodle.  Foi aplicado um questionário para a verificação dos conhecimentos prévios dos alunos.  Os alunos resolveram problemas relacionados ao experimento remoto.  A metodologia de ensino foi baseada em projetos de aprendizagem.  Os alunos elaboraram um relatório documentando o projeto. Contribuições para a aprendizagem A aplicação do experimento remoto foi avaliada de forma positiva. Os dois grupos, presencial e remoto, conseguiram atingir os objetivos relacionados à
  36. 36. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 36 aprendizagem. A comparação entre a aprendizagem dos dois grupos não apresentou diferenças significativas. Os autores acreditam que as vantagens Artigo 10 A Web-Based Remote Interactive Laboratory for Internetworking Education Objetivo Discutir os aspectos pedagógicos e técnicos que influenciam o design e a implementação do ambiente de laboratório remoto. Metodologias e estratégias  A metodologia de ensino empregada teve por base o construtivismo, a aprendizagem colaborativa e técnicas de resolução de problemas.  As atividades no laboratório remoto foram modeladas para implementar as nove etapas de ensino propostas por Gagne (1987, 1992)  Os alunos aprenderam os conceitos teóricos fundamentais em palestras nas quais eram descritas as características funcionais e físicas do experimento remoto.  Os estudantes realizaram o experimento em grupos de 2 a 3 alunos. Contribuições para a aprendizagem O laboratório remoto ajudou a alcançar os objetivos pedagógicos e educacionais do programa. Os resultados da pesquisa também indicaram que o laboratório remoto é mais fácil de usar e mais flexível do que o laboratório presencial. No entanto, o laboratório online é menos acessível fisicamente e menos interativo do que o presencial. Artigo 11 An experience of teaching for learning by observation: Remote-controlled experiments on electrical circuits Objetivo Descrever uma metodologia que facilite a aprendizagem por observação com o emprego de experimentos remotos. Metodologias e estratégias  23 estudantes do ensino fundamental participaram do estudo.  Os alunos foram divididos aleatoriamente em seis grupos. O professor fez uso de um instrumento real para ilustrar o assunto-alvo. O professor introduziu o uso do experimento remoto. Os alunos realizaram atividades em grupo e individualmente e fizeram discussões sobre os resultados. O trabalho foi finalizado com um resumo do professor.
  37. 37. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 37  Métodos quantitativos e qualitativos foram adotados para coletar dados sobre o potencial do laboratório remoto. Contribuições para a aprendizagem Os resultados do estudo revelaram um potencial para maior promoção do uso do laboratório remoto e que o uso do laboratório remoto ajudou os alunos a aprofundar o conhecimento sobre o assunto-alvo. O professor observou que seus alunos estavam muito envolvidos nas atividades porque eles ficaram fascinados com o uso do experimento de controle remoto, que é uma ferramenta totalmente inovadora de aprendizado para eles. Artigo 20 Remote Laboratories for Optical Circuits Objetivo Descrever o processo de concepção e implementação do laboratório remoto assim como os métodos de ensino e avaliação. Metodologias e estratégias  A metodologia foi aplicada a 16 alunos, que realizaram três experimentos remotamente.  A fundamentação teórica foi apresentada aos alunos em sala de aula.  Os alunos participaram de seções de pré-laboratório, nas quais assistiram simulações e vídeos de orientação em relação a cada experimento.  Após as seções de pré-laboratório os alunos realizaram o experimento remoto.  Para avaliar a aprendizagem, os alunos responderam um teste que continha questões fundamentais. Contribuições para a aprendizagem Os alunos foram muito bem-sucedidos e concluíram todas as seções do experimento. As médias das notas foram muito altas. A maioria dos alunos se sentiu confortável diante da interface com os experimentos. Através deste quadro podia se perceber que era possível a adequação dos laboratórios remotos com uma abordagem de ensino voltada para a investigação científica, que se foca na aprendizagem significativa. Se feita de maneira rigorosa, no aspecto metodológico, isso viria (como veio) a beneficiar, possibilitando o uso mais apropriado deste recurso tecnológico, como nos espaços de investigação (Dikke et al, 2015); (Pedaste et al, 2015b); (Zacharia et al, 2015). Ainda, para os artigos que tratavam da viabilidade dos laboratórios remotos, estes focavam tanto o experimento quanto a aprendizagem. Com este aspecto em
  38. 38. Nome: José Neres de Almeida Junior – RA00005091 - Qualificação – Mestrado TIDD – PUC-SP 38 mente, os resultados mostravam que os experimentos remotos são viáveis, pois, além dos estudantes aprovarem o uso dos laboratórios remotos, eles atingiram os objetivos educacionais propostos, como de fato se sucede no uso dos laborat´rios remotos europeus (de Jong et al, 2013) e (Zacharia, et al, 2015). Dos 19 (dezenove) artigos em que se evidenciavam o enfoque na infraestrutura poder-se-ia argumentar o fato de este ser um primeiro passo e de não ser uma tarefa simples estruturar toda a questão arquitetural para visualização e acesso do experimento remotamente. Isso implica no fato de que a maioria se preocupava em evidenciar a questão estrutural, dado o fato de que ainda era um recurso recente em termos de uso e assimilação. Porém, dentre estes 19 (dezenove), 13 (treze) aplicavam e avaliavam os experimentos. Os resultados coletados por Cardoso e Takahashi (2011) foram de extrema importância no que se refere a evidenciar a montagem do experimento, mas também de erros e acertos no desenvolvimento dos laboratórios remotos. Ainda hoje essa preocupação existe e diversas publicações tratam da questão infraestrutural, justamente porque novas tecnologias e interfaces (como o Node.js, que assimila as aplicações em java e facilita o uso em novas plataformas), surgiram desde então (Hech, et al, 2016), além da possibilidade dos laboratórios remotos acessados por smartphones (Lustig et al, 2015), (Bermudez, et al, 2015), (Simão, et al, 2016). Além destes levantamentos, Cardoso e Takahashi ainda analisavam outros critérios, como o fato de se os artigos disponibilizavam materiais de apoio, explicitavam metodologia de ensino, citavam utilização de instrutores, ou mesmo aqueles artigos que não citavam nenhuma estratégia para desenvolvimento dos experimentos. Dentre estes critérios, 7 artigos disponibilizavam materiais de apoio, 4 utilizavam metodologia de ensino, 8 utilizavam instrutores e 9 artigos não citavam sequer uma estratégia. Finalmente, em termos de eficácia em relação à aprendizagem, os laboratórios remotos se mostravam tão eficiente quanto os laboratórios presenciais. O mesmo pode ser notado hoje em dia (de Jong et al, 2013) e (Zacharia et al, 2015). Porém o que era interessante notar, é que, de acordo com Cardoso e Takahashi (2011), ao passo que alguns autores analisados em seus artigos apontavam o laboratório melhor, outros, ao contrário, apontavam que o presencial era melhor, embora a diferença seja pouca. De qualquer modo, conforme os autores explicitavam: “[...] a importância não

×