Mioma 78ª Edição, fevereiro de 2014Mioma 78ª Edição, fevereiro de 2014Mioma 78ª Edição, fevereiro de 2014
2
INDICE
Pág. 3 — Papa destaca importância do Batismo
Pág. 4, 5, 6— Apresentação do Senhor;
Pág. 6, 7, 8— domingo V do Tem...
3
O Papa Francisco destacou no Vaticano a
importância do Batismo e pediu aos católi-
cos que mantenham viva a “memória” da...
4
Apresentação do Senhor
(2 de fevereiro de 2014)
LEITURA I Mal 3, 1-4
«Entrará no seu templo o Senhor a quem buscais»
Lei...
5
LEITURA II Hebr 2, 14-18
« Devia tornar-Se semelhante em tudo aos seus irmãos»
Leitura da Epístola aos Hebreus
Uma vez q...
6
O pai e a mãe do Menino Jesus estavam admirados com o que d’Ele se
dizia. Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua Mãe:
«...
7
SALMO RESPONSORIAL Salmo 137 (138), 1-2a.2bc-3.4-5.7c-8 (R. 1c)
Refrão: Na presença dos Anjos, eu Vos louvarei, Senhor.
...
8
Mas pela graça de Deus sou aquilo que sou, e a graça que Ele me deu
não foi inútil. Pelo contrário, tenho trabalhado mai...
9
DOMINGO VI do tempo Comum
(16 de fevereiro de 2014)
LEITURA I Jer 17, 5-8
«Maldito quem confia no homem; bendito quem co...
10
E se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, ainda estais nos vossos pecados;
e assim, os que morreram em Cristo perec...
11
David e Abisaí penetraram de noite no meio das tropas: Saul estava
deitado a dormir no acampamento, com a lança cravada...
12
Como o Oriente dista do Ocidente,
assim Ele afasta de nós os nossos pecados;
como um pai se compadece dos seus filhos,
...
13
Então será grande a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo, que é
bom até para os ingratos e os maus.
Sede miser...
14
Papa defende humildade para dialo-
gar em vez de construir muros que se-
param dos outros
O Papa Francisco disse hoje n...
15
A Voz do Conselho Económico
Publicamos nesta edição o relatório de contas, referente ao mês de dezembro de 2013
Contrib...
16
17
18
II Ceia de Natal
No passado dia 21 de Dezembro, no Centro Cultural e Social das Lajes, realizou-se a
II Ceia de Natal. ...
19
20
Com a colaboração do JES
Por favor guarde a nossa voz, pode ser-lhe útil no futuro.
2014
Lua cheia Lua nova Quarto cres...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Voz da Paróquia - Fevereiro 2014

204 visualizações

Publicada em

Voz da Paróquia - Fevereiro 2014

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
204
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Voz da Paróquia - Fevereiro 2014

  1. 1. Mioma 78ª Edição, fevereiro de 2014Mioma 78ª Edição, fevereiro de 2014Mioma 78ª Edição, fevereiro de 2014
  2. 2. 2 INDICE Pág. 3 — Papa destaca importância do Batismo Pág. 4, 5, 6— Apresentação do Senhor; Pág. 6, 7, 8— domingo V do Tempo Comum; Pág. 9, 10 — domingo VI do Tempo Comum; Pág.10, 11, 12, 13— domingo VII do Tempo Comum; Pág. 13—Papa diz que ciúmes, invejas e mexericos destroem a Igreja Pág. 14 - Papa defende humildade para dialogar em vez de construir muros que separam dos outros Pág. 15 — A Voz do Conselho Económico; Oração pela Paz; Pág. 16, 17— JES nas Casinhas de S. Pedro Pág. 18— Ceia de Natal em Lajes; Pág. 19 — Passatempos; Agradecemos a todos quantos queiram participar com documentos e/ou testemunhos, que os façam chegar ao J.E.S (Grupo de Jovens Do Espírito Santo de Mioma), da seguinte forma e, prazos, para a edição do mês se- guinte: Em mão ou por correio, até dia 15; Para, jesmioma@hotmail.com, até ao dia 20. Se queres receber no teu correio eletrónico um exemplar da “A Voz da Paróquia” envia uma mensagem para o endereço jesmioma@hotmail.com com o assunto “Quero receber a Voz” Versão Digital: http://www.slideshare.net/jesmioma http://issuu.com/jesmioma
  3. 3. 3 O Papa Francisco destacou no Vaticano a importância do Batismo e pediu aos católi- cos que mantenham viva a “memória” da sua entrada na Igreja. “O Batismo é o Sacramento sobre o qual se fundamenta a nossa fé e que nos faz mem- bros vivos de Cristo e da sua Igreja: não é um simples rito ou acontecimento formal, é um ato que afeta em profundidade a exis- tência”. O Papa sustentou que o Batismo não é uma “formalidade”, mas “um ato que toca em profundidade” a existência. “Pode surgir em nós uma questão: é realmente necessário o Batismo para viver como cristãos e seguir Jesus? Não é, no fundo, um simples rito, um ato formal da Igreja para dar o nome à criança? É uma pergunta que pode surgir”, admitiu. Francisco respondeu com um sublinhado da “vida nova” que surge com este Sa- cramento: “Não é o mesmo uma criança ser batizada ou não, não é o mes- mo”. À imagem do que fizera noutras ocasiões, a respeito do mesmo tema, o Papa desafiou os presentes a descobrir a “data feliz” do seu dia de Batismo e disse que este era um “trabalho de casa” que deixava aos participantes, para que essa celebração não se limite a ser um facto do “passado” e possa levar os fiéis a “viver cada dia aspirando à vocação” que receberam nesse Sacramento. Segundo Francisco, ninguém se pode batizar a si próprio, porque este é um “ato de fraternidade, de filiação à Igreja”, que funciona como uma cadeia. “Pelo Batismo mergulhamos na fonte inesgotável da vida quem brota da morte de Jesus. Assim podemos viver uma vida nova, de comunhão com Deus e com os irmãos”, declarou. O Papa explicou que nos Sacramentos, “centro da fé cristã”, Deus “comunica a sua graça, torna-se presente e atua” na vida de todos. “Os sete Sacramentos da Igreja prolongam na história a ação salvífica e vivifican- te de Cristo, com a força do Espírito Santo. Se seguimos Jesus e permanecemos na Igreja, com os nossos limites e fragilidades, é graças aos Sacramentos”, pre- cisou. Francisco deixou uma saudação aos peregrinos de língua portuguesa presentes no Vaticano, encorajando-os a viver o Batismo como “realidade atual” da existên- cia. “Não deixeis que vos roubem a vossa identidade cristã! Com estes votos, invoco sobre vós e vossas famílias a abundância das bênçãos do Céu”, disse. Adaptado, OC Agência Ecclesia
  4. 4. 4 Apresentação do Senhor (2 de fevereiro de 2014) LEITURA I Mal 3, 1-4 «Entrará no seu templo o Senhor a quem buscais» Leitura da Profecia de Malaquias Assim fala o Senhor Deus: «Vou enviar o meu mensageiro, para preparar o caminho diante de Mim. Imediatamente entrará no seu templo o Senhor a quem buscais, o Anjo da Aliança por quem suspirais. Ele aí vem diz o Senhor do Universo. Mas quem poderá suportar o dia da sua vinda, quem resistirá quando Ele aparecer? Ele é como o fogo do fundidor e como a lixívia dos lavandeiros. Sentar-Se-á para fundir e purificar: purificará os filhos de Levi, como se purifica o ouro e a prata, e eles serão para o Senhor os que apresentam a oblação segundo a justiça. Então a oblação de Judá e de Jerusalém será agradável ao Senhor, como nos dias antigos, como nos anos de outrora. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 23 (24), 7.8.9.10 (R. 10b) Refrão: O Senhor do Universo é o Rei da glória. Levantai, ó portas, os vossos umbrais, alteai-vos, pórticos antigos, e entrará o Rei da glória. Quem é esse Rei da glória? O Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso nas batalhas. Levantai, ó portas, os vossos umbrais, alteai-vos, pórticos antigos, e entrará o Rei da glória. Quem é esse Rei da glória? O Senhor dos Exércitos, é Ele o Rei da glória.
  5. 5. 5 LEITURA II Hebr 2, 14-18 « Devia tornar-Se semelhante em tudo aos seus irmãos» Leitura da Epístola aos Hebreus Uma vez que os filhos dos homens têm o mesmo sangue e a mesma carne, também Jesus participou igualmente da mesma natureza, para destruir, pela sua morte, aque- le que tinha poder sobre a morte, isto é, o diabo, e libertar aqueles que estavam a vida inteira sujeitos à servidão, pelo temor da morte. Porque Ele não veio em auxílio dos Anjos, mas dos descendentes de Abraão. Por isso devia tornar-Se semelhante em tudo aos seus irmãos, para ser um sumo sa- cerdote misericordioso e fiel no serviço de Deus, e assim expiar os pecados do povo. De facto, porque Ele próprio foi provado pelo sofrimento, pode socorrer aqueles que sofrem provação. Palavra do Senhor. ALELUIA Lc 2, 32 Refrão: Aleluia. Repete-se Luz para se revelar às nações e glória de Israel, vosso povo. EVANGELHO Forma longa Lc 2, 22-40 «Os meus olhos viram a vossa salvação» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas Ao chegarem os dias da purificação, segundo a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, para O apresentarem ao Senhor, como está escrito na Lei do Se- nhor: «Todo o filho primogénito varão será consagrado ao Senhor», e para oferece- rem em sacrifício um par de rolas ou duas pombinhas, como se diz na Lei do Senhor. Vivia em Jerusalém um homem chamado Simeão, homem justo e piedoso, que espe- rava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava nele. O Espírito Santo revelara-lhe que não morreria. antes de ver o Messias do Senhor; e veio ao templo, movido pelo Espírito. Quando os pais de Jesus trouxeram o Menino para cumprirem as prescrições da Lei no que lhes dizia respeito, Simeão recebeu-O em seus braços e bendisse a Deus, ex- clamando: «Agora, Senhor, segundo a vossa palavra, deixareis ir em paz o vosso servo, porque os meus olhos viram a vossa salvação, que pusestes ao alcance de todos os povos: luz para se revelar às nações e glória de Israel, vosso povo».
  6. 6. 6 O pai e a mãe do Menino Jesus estavam admirados com o que d’Ele se dizia. Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua Mãe: «Este Menino foi estabelecido para que muitos caiam ou se levantem em Israel e pa- ra ser sinal de contradição; e uma espada trespassará a tua alma assim se revelarão os pensamentos de todos os corações». Havia também uma profetiza, Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada e tinha vivido casada sete anos após o tempo de donze- la e viúva até aos oitenta e quatro. Não se afastava do templo, servindo a Deus noite e dia, com jejuns e orações. Estando presente na mesma ocasião, começou também a louvar a Deus e a falar acerca do Menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. Cumpridas todas as prescrições da Lei do Senhor, voltaram para a Galileia, para a sua cidade de Nazaré. Entretanto, o Menino crescia e tornava-Se robusto, enchendo- Se de sabedoria. E a graça de Deus estava com Ele. Palavra da salvação. DOMINGO V do tempo Comum (9 de fevereiro de 2014) LEITURA I Is 6, 1-2a.3-8 «Eis-me aqui: podeis enviar-me» Leitura do Livro de Isaías No ano em que morreu Ozias, rei de Judá, vi o Senhor, sentado num trono alto e sublime; a fímbria do seu manto enchia o templo. À sua volta estavam serafins de pé, que tinham seis asas cada um e clamavam alter- nadamente, dizendo: «Santo, santo, santo é o Senhor do Universo. A sua glória enche toda a terra!». Com estes brados as portas oscilavam nos seus gonzos e o templo enchia-se de fu- mo. Então exclamei: «Ai de mim, que estou perdido, porque sou um homem de lá- bios impuros, moro no meio de um povo de lábios impuros e os meus olhos viram o Rei, Senhor do Universo». Um dos serafins voou ao meu encontro, tendo na mão um carvão ardente que tirara do altar com uma tenaz. Tocou-me com ele na boca e disse -me: «Isto tocou os teus lábios: desapareceu o teu pecado, foi perdoada a tua culpa». Ouvi então a voz do Senhor, que dizia: «Quem enviarei? Quem irá por nós?». Eu respondi: «Eis-me aqui: podeis enviar-me». Palavra do Senhor.
  7. 7. 7 SALMO RESPONSORIAL Salmo 137 (138), 1-2a.2bc-3.4-5.7c-8 (R. 1c) Refrão: Na presença dos Anjos, eu Vos louvarei, Senhor. De todo o coração, Senhor, eu Vos dou graças, porque ouvistes as palavras da minha boca. Na presença dos Anjos Vos hei-de cantar e Vos adorarei, voltado para o vosso templo santo. Hei-de louvar o vosso nome pela vossa bondade e fidelidade, porque exaltastes acima de tudo o vosso nome e a vossa promessa. Quando Vos invoquei, me respondestes, aumentastes a fortaleza da minha alma. Todos os reis da terra Vos hão-de louvar, Senhor, quando ouvirem as palavras da vossa boca. Celebrarão os caminhos do Senhor, porque é grande a glória do Senhor. A vossa mão direita me salvará, o Senhor completará o que em meu auxílio começou. Senhor, a vossa bondade é eterna, não abandoneis a obra das vossas mãos. LEITURA II Forma longa 1 Cor 15, 1-11 «É assim que pregamos e foi assim que acreditastes» Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios Recordo-vos, irmãos, o Evangelho que vos anunciei e que recebestes, no qual per- maneceis e pelo qual sereis salvos, se o conservais como eu vo-lo anunciei; aliás teríeis abraçado a fé em vão. Transmiti-vos em primeiro lugar o que eu mesmo recebi: Cristo morreu pelos nos- sos pecados, segundo as Escrituras; foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras, e apareceu a Pedro e depois aos Doze. Em seguida apare- ceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez, dos quais a maior parte ainda vive, enquanto alguns já faleceram. Posteriormente apareceu a Tiago e depois a todos os Apóstolos. Em último lugar, apareceu-me também a mim, como o abortivo. Porque eu sou o menor dos Apóstolos e não sou digno de ser chamado Apósto- lo, por ter perseguido a Igreja de Deus.
  8. 8. 8 Mas pela graça de Deus sou aquilo que sou, e a graça que Ele me deu não foi inútil. Pelo contrário, tenho trabalhado mais que todos eles, não eu, mas a graça de Deus, que está comigo. Por conseguinte, tanto eu como eles, é assim que pregamos; e foi assim que vós acreditastes. Palavra do Senhor. ALELUIA Mt 4, 19 Refrão: Aleluia. Repete-se Vinde comigo, diz o Senhor, e farei de vós pescadores de homens. EVANGELHO Lc 5, 1-11 «Deixaram tudo e seguiram Jesus» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas Naquele tempo, estava a multidão aglomerada em volta de Jesus, para ouvir a pala- vra de Deus. Ele encontrava-Se na margem do lago de Genesaré e viu dois barcos estacionados no lago. Os pescadores tinham deixado os barcos e estavam a lavar as redes. Jesus su- biu para um barco, que era de Simão, e pediu-lhe que se afastasse um pouco da ter- ra. Depois sentou-Se e do barco pôs-Se a ensinar a multidão. Quando acabou de fa- lar, disse a Simão: «Faz-te ao largo e lançai as redes para a pesca». Respondeu-Lhe Simão: «Mestre, andámos na faina toda a noite e não apanhámos nada. Mas, já que o dizes, lançarei as redes». Eles assim fizeram e apanharam tão grande quantidade de peixes que as redes co- meçavam a romper-se. Fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para os virem ajudar; eles vieram e encheram ambos os barcos, de tal modo que quase se afundavam. Ao ver o sucedido, Simão Pedro lançou-se aos pés de Jesus e disse-Lhe: «Senhor, afasta-Te de mim, que sou um homem pecador». Na verdade, o temor tinha-se apoderado dele e de todos os seus companheiros, por causa da pesca realizada. Isto mesmo sucedeu a Tiago e a João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. Jesus disse a Simão: «Não temas. Daqui em diante serás pescador de homens». Tendo conduzido os barcos para terra, eles deixaram tudo e seguiram Jesus. Palavra da salvação.
  9. 9. 9 DOMINGO VI do tempo Comum (16 de fevereiro de 2014) LEITURA I Jer 17, 5-8 «Maldito quem confia no homem; bendito quem confia no Senhor» Leitura do Livro de Jeremias Eis o que diz o Senhor: «Maldito quem confia no homem e põe na carne toda a sua esperança, afastando o seu coração do Senhor. Será como o cardo na estepe, que nem percebe quando che- ga a felicidade: habitará na aridez do deserto, terra salobre, onde ninguém habita. Bendito quem confia no Senhor e põe no Senhor a sua esperança. É como a árvore plantada à beira da água, que estende as suas raízes para a corren- te: nada tem a temer quando vem o calor e a sua folhagem mantém-se sempre ver- de; em ano de estiagem não se inquieta e não deixa de produzir os seus frutos». Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 1, 1-2.3.4.6 (R. Salmo 39,5a) Refrão: Feliz o homem que pôs a sua esperança no Senhor. Feliz o homem que não segue o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, mas antes se compraz na lei do Senhor, e nela medita dia e noite. É como árvore plantada à beira das águas: dá fruto a seu tempo e sua folhagem não murcha. Tudo quanto fizer será bem sucedido. Bem diferente é a sorte dos ímpios: são como palha que o vento leva. O Senhor vela pelo caminho dos justos, mas o caminho dos pecadores leva à perdi- ção. LEITURA II 1 Cor 15, 12.16-2o «Se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé» Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios Irmãos: Se pregamos que Cristo ressuscitou dos mortos, porque dizem alguns no meio de vós que não há ressurreição dos mortos? Se os mortos não ressusci- tam, também Cristo não ressuscitou.
  10. 10. 10 E se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, ainda estais nos vossos pecados; e assim, os que morreram em Cristo pereceram também. Se é só para a vida presente que temos posta em Cristo a nossa esperança, somos os mais miseráveis de todos os homens. Mas não. Cristo ressuscitou dos mortos, como primícias dos que morreram. Palavra do Senhor. ALELUIA Lc 6, 23ab Refrão: Alegrai-vos e exultai, diz o Senhor, porque é grande no Céu a vossa recompensa. EVANGELHO Lc 6, 17.20-26 «Bem-aventurados os pobres. Ai de vós, os ricos» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas Naquele tempo, Jesus desceu do monte, na companhia dos Apóstolos, e deteve-Se num sítio plano, com numerosos discípulos e uma grande multidão de toda a Judeia, de Jerusalém e do litoral de Tiro e Sidónia. Erguendo então os olhos para os discípulos, disse: Bem-aventurados vós, os pobres, porque é vosso o reino de Deus. Bem-aventurados vós que agora tendes fome, porque sereis saciados. Bem-aventurados vós que agora chorais, porque haveis de rir. Bem-aventurados sereis, quando os homens vos odiarem, quando vos rejeitarem e insultarem e proscreverem o vosso nome como infame, por causa do Filho do ho- mem. Alegrai-vos e exultai nesse dia, porque é grande no Céu a vossa recompensa. Era assim que os seus antepassados tratavam os profetas. Mas ai de vós, os ricos, porque já recebestes a vossa consolação. Ai de vós, que agora estais saciados, porque haveis de ter fome. Ai de vós que rides agora, porque haveis de entristecer-vos e chorar. Ai de vós quando todos os homens vos elogiarem. Era assim que os seus antepassados tratavam os falsos profetas. Palavra da salvação. DOMINGO VII do tempo Comum (23 de fevereiro de 2014) LEITURA I 1 Sam 26, 2.7-9.12-13.22-23 «O Senhor entregou-te nas minhas mãos, mas eu não quis atentar contra ti» Leitura do Primeiro Livro de Samuel Naqueles dias, Saul, rei de Israel, pôs-se a caminho e desceu ao deserto de Zif com três mil homens escolhidos de Israel, para irem em busca de David no deserto.
  11. 11. 11 David e Abisaí penetraram de noite no meio das tropas: Saul estava deitado a dormir no acampamento, com a lança cravada na terra à sua cabe- ceira; Abner e a sua gente dormia à volta dele. Então Abisaí disse a David: «Deus entregou-te hoje nas mãos o teu inimigo. Deixa que de um só golpe eu o crave na terra com a sua lança, e não terei de o atingir segunda vez». Mas David respondeu a Abisaí: «Não o mates. Quem poderia estender a mão contra o ungido do Senhor e ficar im- pune?». David levou da cabeceira de Saul a lança e o cantil, e os dois foram-se embora. Nin- guém viu, ninguém soube, ninguém acordou. Todos dormiam, por causa do sono profundo que o Senhor tinha feito cair sobre eles. David passou ao lado oposto e ficou ao longe, no cimo do monte, de sorte que uma grande distância os separava. Então David exclamou: «Aqui está a lança do rei. Um dos servos venha buscá-la. O Senhor retribuirá a cada um segundo a sua justiça e fidelidade. Ele entregou-te hoje nas minhas mãos, e eu não quis atentar contra o ungido do Senhor». Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 102 (103), 1-2.3-4.8.10.12-13 (R. 8a) Refrão: O Senhor é clemente e cheio de compaixão. Ou: Senhor, sois um Deus clemente e compassivo. Bendiz, ó minha alma, o Senhor e todo o meu ser bendiga o seu nome santo. Bendiz, ó minha alma, o Senhor e não esqueças nenhum dos seus benefícios. Ele perdoa todos os teus pecados e cura as tuas enfermidades; salva da morte a tua vida e coroa-te de graça e misericórdia. O Senhor é clemente e compassivo, paciente e cheio de bondade; não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos castigou segundo as nossas culpas.
  12. 12. 12 Como o Oriente dista do Ocidente, assim Ele afasta de nós os nossos pecados; como um pai se compadece dos seus filhos, assim o Senhor Se compadece dos que O temem. LEITURA II 1 Cor 15, 45-49 «Assim como trazemos em nós a imagem do homem terreno, procuremos também trazer em nós a imagem do homem celeste» Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios Irmãos: O primeiro homem, Adão, foi criado como um ser vivo; o último Adão tornou- se um espírito que dá vida. O primeiro não foi o espiritual, mas o natural; depois é que veio o espiritual. O primeiro homem, tirado da terra, é terreno; o segundo homem veio do Céu. O homem que veio da terra é o modelo dos homens terrenos; o homem que veio do Céu é o modelo dos homens celestes. E assim como trouxemos em nós a imagem do homem terreno, traremos também em nós a imagem do homem celeste. Palavra do Senhor. ALELUIA Jo 13, 34 Refrão: Aleluia. Repete-se Dou-vos um mandamento novo, diz o Senhor: amai-vos uns aos outros, como Eu vos amei. EVANGELHO Lc 6, 27-38 «Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas Naquele tempo, Jesus falou aos seus discípulos, dizendo: «Digo-vos a vós que Me escutais: Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, abençoai os que vos amaldiçoam, orai por aqueles que vos injuriam. A quem te bater numa face, apresenta-lhe também a outra; e a quem te levar a capa, deixa-lhe também a túnica. Dá a todo aquele que te pedir, e ao que levar o que é teu, não o reclames. Como quereis que os outros vos façam, fazei-lho vós também. Se amais aqueles que vos amam, que agradecimento mereceis? Também os pecadores amam aqueles que os amam. Se fazeis bem aos que vos fazem bem, que agradecimento mereceis? Também os pe- cadores fazem o mesmo. E se emprestais àqueles de quem esperais receber, que agradecimento mereceis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, a fim de receberem outro tanto. Vós, porém, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem nada esperar em troca.
  13. 13. 13 Então será grande a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo, que é bom até para os ingratos e os maus. Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso. Não julgueis e não sereis julgados. Não condeneis e não sereis condenados. Perdoai e sereis perdoados. Dai e dar-se-vos-á: deitar-vos-ão no regaço uma boa medida, calcada, sacudida, a transbordar. A medida que usardes com os outros será usada também convosco». Palavra da salvação. Papa diz que ciúmes, invejas e mexericos destroem a Igreja O Papa Francisco apontou hoje no Vaticano os “ciúmes”, as “invejas” e os “mexericos” como sentimentos que “dividem e destroem as comunidades eclesiais”. “Os cristãos devem fechar as portas aos ciúmes, às invejas e aos mexericos que dividem e destroem as nossas comunidades”, disse o Papa na homilia da Missa a que presidiu na capela da Casa de Santa Marta. Francisco começou por refletir sobre a primeira leitura do dia, que fala da vitória dos israelitas sobre os filisteus, graças à coragem do jovem David que matou Golias, e de que forma a alegria da vitória se transformou em tristeza quando o rei Saul, invejoso porque as mulheres louvaram David, o mandou executar. “É isto que o ciúme faz no nosso coração, traz uma inquietação cruel: não toleramos que um irmão ou irmã tenha algo que nós não temos”, analisou o Papa para de seguida acrescentar que “o ciúmes leva a matar, foi pela porta da inveja que o diabo entrou no mundo, o ciúme e a inveja abrem as portas ao mal, são um veneno.” “As pessoas invejosas e ciumentas são amargas: não sabem cantar, não sabem lou- var e não conhecem a alegria” pelo contrário acabam por semear “a sua amargura e difundem-na por toda a comunidade”. Outra consequência deste comportamento, são os mexericos, porque “quando uma pessoa não tolera que outra tenha algo que ela não tem, tenta rebaixá-la, falando mal dela; atrás de um mexerico estão sempre ciúmes e inveja”. “Quantas belas comunidades cristãs andavam bem até que o verme da inveja contagiou um dos seus membros e com ele trouxe a tristeza, o ressentimen- to e os mexericos”, disse. “Rezemos pelas nossas comunidades cristãs para que a semente do ciúme não seja semeada entre nós; para que a inveja não penetre nos nossos cora- ções e possamos ir em frente, louvando o Senhor, com a graça de não cair- mos na tristeza”, concluiu o Papa. RV/MD—Agência Ecclesia
  14. 14. 14 Papa defende humildade para dialo- gar em vez de construir muros que se- param dos outros O Papa Francisco disse hoje no Vaticano que para dialogar é preciso “humildade” de forma a evitar a edificação de “muros de Berlim” que dificultem uma reconcilia- ção. “Dialogar é difícil, mas pior do que tentar construir uma ponte com o adversário é deixar crescer no coração o rancor por ele” porque ao agir dessa maneira “permanece-se isolado na amargura do ressentimento”, afirmou, na homilia da Missa a que presidiu na capela da Casa de Santa Marta. Francisco partiu da reflexão sobre uma passagem da Bíblia que fala sobre o con- fronto entre o rei Saul e David, em que este escolheu “a estrada da aproximação, do esclarecimento, da explicação”, o caminho do “diálogo para fazer as pazes”, um diálogo que para ser frutuoso necessita de ser estabelecido com “humildade”. “Não é um problema se algumas vezes voam pratos, na família, nas comunidades, nos bairros: o importante é tentar fazer as pazes o mais rápido possível, com uma palavra, com um gesto” porque só assim se evita a criação de “um muro, como aquele que por tantos anos dividiu Berlim, porque também no coração se pode ter um Muro de Berlim com os outros”, afirmou o Papa. “Eu tenho medo desses muros, desses muros que crescem a cada dia e favorecem os ressentimentos, inclusive o ódio”, disse Francisco, lembrando de seguida o exemplo de David que “poderia perfeitamente ter-se vingado, expulsado o rei, mas preferiu escolher o caminho do diálogo, com humildade, bondade e doçura”. “É preciso ser-se humilde e tentar sempre criar pontes, sempre! Isso é ser cristão. Não é fácil, mas Jesus conseguiu: humilhou-se até o fim, mostrou-nos o caminho”, concluiu Francisco. RV/MD—(Ecclesia)
  15. 15. 15 A Voz do Conselho Económico Publicamos nesta edição o relatório de contas, referente ao mês de dezembro de 2013 Contributos a entregar na diocese Missas plurintencionais 175,00 € RESUMO FINAL Receita Total 1.504,19 € A entregar na diocese 175,00 € Saldo para o fundo paroquial 1.329,19 € Despesas da paróquia 817,20 € Saldo Final 511,99 € Receita Despesas Dia/Evento Evento Montante Ofertórios dominicais na igreja matriz 206,02 € Venc. Pároco 600,00 € Adoração do Menino 57,60 € Evang. Voz Paróquia 36,00 € 1 batizado 10,00 € Manutenção da igreja 111,20 € Missas plurintencionais 350,00 € TOTAL 1.504,19 € 817,20 € Lampadário 146,60 € 1 batizado 30,00 € Sacristão 70,00 € Catecismos 2013/2014 225,00 € Festa de Santa Bárbara 373,97 € 1 funeral 40,00 € 1 casamento 45,00 € Oferta para a igreja 20,00 €
  16. 16. 16
  17. 17. 17
  18. 18. 18 II Ceia de Natal No passado dia 21 de Dezembro, no Centro Cultural e Social das Lajes, realizou-se a II Ceia de Natal. Participaram cerca de 120 pessoas numa noite onde reinou a ani- mação e a alegria. Começámos por jantar o famoso bacalhau cozido com couves e batatas seguido por fantásticas sobremesas e o tradicional bolo-rei. Depois do jantar realizou-se um sorteio onde participaram todas as pessoas presen- tes e onde se sortearam produtos típicos do Natal, como o bolo-rei, o bacalhau, bis- coitos, enchidos entre outros. Para animar a noite, o Francisco Sousa brindou-nos com umas músicas tocadas no acordeão e os jovens das Lajes com uma dança muito animada. Para finalizar houve muita animação com um karaoke onde todos participámos a cantar. Foi uma noite muito bem passada e muito animada. Queremos agradecer à Câmara Municipal de Sátão e à Junta de Freguesia de Mioma por se terem feito representar neste jantar. Queremos também agradecer a quem se disponibilizou a ajudar oferecendo produtos para o jantar e para o sorteio. Agradece- mos também à Associação por ter organizado mais um evento com grande aderência e a todos os que participaram por terem feito com que este jantar se pudesse reali- zar. Adriana Machado
  19. 19. 19
  20. 20. 20 Com a colaboração do JES Por favor guarde a nossa voz, pode ser-lhe útil no futuro. 2014 Lua cheia Lua nova Quarto crescente Quarto Minguante Fevereiro O Carnaval aproxima-se a passos largos mas a máscara que vai usar este ano não pode ser a única coisa a ocupar a sua mente. Nesta altura do ano, deve ter as tesouras de poda sempre prontas para os trabalhos de poda. Tudo o que se encontre seco, deteriorado ou com mau aspeto deve ser removido. Esta é também a altura em que deve plantar co- níferas, árvores de sombra de folha caduca e espécies de folha perene. Esta é ainda uma boa época para semear ervilhas de cheiro e gipsófilas, caso não o tenha feito em janeiro. Na horta, é tempo de avançar com a sementeira de abóboras, acelgas, agriões, aipos, alfaces, alho francês, beterrabas, cebolas, coentros, couve galega, couve de repolho, couve tronchuda, nabos, rabanetes, salsa e tomate.

×