Voz da Paróquia - Janeiro 2014

211 visualizações

Publicada em

Voz da Paróquia - Janeiro 2014

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
211
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Voz da Paróquia - Janeiro 2014

  1. 1. MiomaMiomaMioma 77ª Edi-77ª Edi-77ª Edi- Oração para 2014 Senhor, nosso Deus, Derrama sobre nós, novamente este ano, As Tuas bênçãos abundantes, Para que sejamos uma bênção para os nossos irmãos E para todo o mundo. Dá-nos força, coragem e esperança Para espalharmos o bem no mundo, Para que assim sejamos considerados testemunhas da fé. Fica connosco tanto nos bons como nos maus momentos E ajuda-nos a crescer no Amor. Ámen.
  2. 2. 2 INDICE Pág. 3 — 2014 com esperança e alegria verdadeiras Pág. 4, 5— domingo Epifania do Senhor; Pág. 6, 7— Domingo Batismo do Senhor; Pág. 7, 8, 9— domingo II do Tempo Comum; Pág. 9, 10, 11— domingo III do Tempo Comum; Pág. 12— Vaticano: Papa considera o «silêncio» a chave da relação com Deus Pág. 12, 13— Vaticano: Papa lamenta «incredulidade» e diz que a oração faz Mi- lagres Pág. 14 - Bênção para o Ano Novo Pág. 15 — A Voz do Conselho Económico; Vaticano: Papa diz que cristãos devem manter «esperança» Pág. 16, 17— Atividades de dezembro do J.E.S. Pág. 18— Culinária Pág. 19 — Passatempos; Agradecemos a todos quantos queiram participar com documentos e/ou testemunhos, que os façam chegar ao J.E.S (Grupo de Jovens Do Espírito Santo de Mioma), da seguinte forma e, prazos, para a edição do mês se- guinte: Em mão ou por correio, até dia 15; Para, jesmioma@hotmail.com, até ao dia 20. Se queres receber no teu correio eletrónico um exemplar da “A Voz da Paróquia” envia uma mensagem para o endereço jesmioma@hotmail.com com o assunto “Quero receber a Voz” Versão Digital: http://www.slideshare.net/jesmioma http://issuu.com/jesmioma
  3. 3. 3 2014 com esperança e alegria verdadeiras O Papa disse no dia primeiro de Janeiro, no Vaticano que o início de um novo ano representa o momento de viver a “esperança” e “alegria verdadeira”, apresentando a Virgem Maria como mo- delo de fé para todos os católicos. Francisco sublinhou que os cristãos de- vem ter “força, coragem e esperan- ça”: “Não uma esperança ilusória, assen- te em frágeis promessas humanas, nem uma esperança ingénua que imagina um futuro melhor simplesmente porque é futuro”, de- clarou, na homilia da primeira missa a que presidiu em 2014, na Basíli- ca de São Pedro. “Esta esperança tem a sua razão de ser precisamente na bênção de Deus; uma bênção que contém os votos maiores, os votos da Igre- ja para cada um de nós, repletos da proteção amorosa do Senhor, da sua ajuda providente”, precisou. A homilia aludiu à solenidade litúrgica do Dia, Maria “Mãe de Deus”, e ao Concílio de Éfeso (431), “no qual se definiu com autoridade a ma- ternidade divina da Virgem”. “Esta verdade da maternidade divina de Maria ecoou em Roma, onde, pouco depois, se construiu a Basílica de Santa Maria Maior, o primeiro santuário mariano de Roma e de todo o Ocidente, no qual se venera a imagem da Mãe de Deus – a Theotokos”, recordou. Francisco destacou o “exemplo de humildade e disponibilidade à vontade de Deus” apresentado pela Virgem Maria, que deve ajudar cada membro das comunidades católicas a “traduzir” a fé “num anún- cio, jubiloso e sem fronteiras, do Evangelho”. “A Ela confiamos o nosso itinerário de fé, os desejos do nosso coração, as nossas necessidades, as carências do mundo intei- ro, especialmente a sua fome e sede de justiça e de paz; e invo- camo-la todos juntos”, acrescentou o Papa, antes de pedir que os participantes na celebração repetissem por três vezes “Mãe de Deus”. Francisco frisou a proximidade de Maria ao itinerário de fé dos cristãos de hoje, porque “teve de caminhar pelas mesmas estradas, às vezes difíceis e obscuras”. “A mulher que, nas bodas de Caná da Galileia, dera a sua colaboração de fé para a manifestação das maravilhas de Deus no mundo, no Cal- vário mantém acesa a chama da fé na ressurreição do Filho, e comuni- ca-a aos outros com carinho maternal”, observou. OC—Ecclesia
  4. 4. 4 DOMINGO Epifania do Senhor (5 de janeiro de 2014) LEITURA I Is 60, 1-6 «Brilha sobre ti a glória do Senhor» Leitura do Livro de Isaías Levanta-te e resplandece, Jerusalém, porque chegou a tua luz e brilha sobre ti a glória do Senhor. Vê como a noite cobre a terra, e a escuridão os povos. Mas sobre ti levanta-Se o Senhor, e a sua glória te ilumina. As nações caminharão à tua luz, e os reis ao esplendor da tua aurora. Olha ao redor e vê: todos se reúnem e vêm ao teu encontro; os teus filhos vão chegar de longe, e as tuas filhas são trazidas nos braços. Quando o vires ficarás radiante, palpitará e dilatar-se-á o teu coração, pois a ti aflui- rão os tesouros do mar, a ti virão ter as riquezas das nações. Invadir-te-á uma multidão de camelos, de dromedários de Madiã e Efá. Virão todos os de Sabá, trazendo ouro e incenso e proclamando as glórias do Senhor. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 71 (72), 2.7-8.10-11.12-13(R. cf. 11) Refrão: Virão adorar-Vos, Senhor, todos os povos da terra. Ó Deus, concedei ao rei o poder de julgar e a vossa justiça ao filho do rei. Ele governará o vosso povo com justiça e os vossos pobres com equidade. Florescerá a justiça nos seus dias e uma grande paz até ao fim dos tempos. Ele dominará de um ao outro mar, do grande rio até aos confins da terra. Os reis de Társis e das ilhas virão com presentes, os reis da Arábia e de Sabá trarão suas ofertas. Prostrar-se-ão diante dele todos os reis, todos os povos o hão-de servir. Socorrerá o pobre que pede auxílio e o miserável que não tem amparo. Terá compaixão dos fracos e dos pobres e defenderá a vida dos oprimidos.
  5. 5. 5 LEITURA II Ef 3, 2-3a.5-6 Os gentios recebem a mesma herança prometida Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios Irmãos: Certamente já ouvistes falar da graça que Deus me confiou a vosso favor: por uma revelação, foi-me dado a conhecer o mistério de Cristo. Nas gerações passa- das, ele não foi dado a conhecer aos filhos dos homens como agora foi revelado pelo Espírito Santo aos seus santos apóstolos e profetas: os gentios recebem a mesma herança que os judeus, pertencem ao mesmo corpo e participam da mesma promes- sa, em Cristo Jesus, por meio do Evangelho. Palavra do Senhor. ALELUIA Mt 2, 2 Refrão: Aleluia. Repete-se Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorar o Senhor. EVANGELHO Mt 2, 1-12 «Viemos do Oriente adorar o Rei» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Tinha Jesus nascido em Belém da Judeia, nos dias do rei Herodes, quando chegaram a Jerusalém uns Magos vindos do Oriente. «Onde está – perguntaram eles – o rei dos judeus que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-l’O». Ao ouvir tal notícia, o rei Herodes ficou perturbado e, com ele, toda a cidade de Jeru- salém. Reuniu todos os príncipes dos sacerdotes e escribas do povo e perguntou-lhes onde devia nascer o Messias. Eles responderam: «Em Belém da Judeia, porque assim está escrito pelo Profeta: ‘Tu, Belém, terra de Judá, não és de modo nenhum a menor entre as principais cidades de Judá, pois de ti sairá um chefe, que será o Pastor de Israel, meu povo’». Então Herodes mandou chamar secretamente os Magos e pediu-lhes informações pre- cisas sobre o tempo em que lhes tinha aparecido a estrela. Depois enviou-os a Belém e disse-lhes: «Ide informar-vos cuidadosamente acerca do Menino; e, quando O encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-l’O». Ouvido o rei, puseram-se a caminho. E eis que a estrela que tinham visto no Oriente seguia à sua frente e parou sobre o lugar onde estava o Menino. Ao ver a estrela, sentiram grande alegria. Entraram na casa, viram o Menino com Maria, sua Mãe, e, prostrando-se diante d’Ele, adoraram-n’O. Depois, abrindo os seus tesouros, oferece- ram-Lhe presentes: ouro, incenso e mirra. E, avisados em sonhos para não voltarem à presença de Herodes, regressaram à sua terra por outro caminho. Palavra da salvação.
  6. 6. 6 DOMINGO Batismo do Senhor (12 de janeiro de 2014) LEITURA I Is 42, 1-4.6-7 «Eis o meu servo, enlevo da minha alma» Leitura do Livro de Isaías Diz o Senhor: «Eis o meu servo, a quem Eu protejo, o meu eleito, enlevo da minha alma. Sobre ele fiz repousar o meu espírito, para que leve a justiça às nações. Não gritará, nem levantará a voz, nem se fará ouvir nas praças; não quebrará a cana fendida, nem apagará a torcida que ainda fumega: proclamará fielmente a justiça. Não desfalecerá nem desistirá, enquanto não estabelecer a justiça na terra, a doutri- na que as ilhas longínquas esperam. Fui Eu, o Senhor, que te chamei segundo a justiça; tomei-te pela mão, formei-te e fiz de ti a aliança do povo e a luz das nações, para abrires os olhos aos cegos, tirares do cárcere os prisioneiros e da prisão os que habitam nas trevas». Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 28 (29), 1a.2.3ac-4.3b.9b-10 (R. 11b) Refrão: O Senhor abençoará o seu povo na paz. Tributai ao Senhor, filhos de Deus, tributai ao Senhor glória e poder. Tributai ao Senhor a glória do seu nome, adorai o Senhor com ornamentos sagrados. A voz do Senhor ressoa sobre as nuvens, o Senhor está sobre a vastidão das águas. A voz do Senhor é poderosa, a voz do Senhor é majestosa. A majestade de Deus faz ecoar o seu trovão, e no seu templo todos clamam: Glória! Sobre as águas do dilúvio senta-Se o Senhor, o Senhor senta-Se como rei eterno. LEITURA II Actos 10, 34-38 «Deus ungiu-O com o Espírito Santo» Leitura dos Actos dos Apóstolos Naqueles dias, Pedro tomou a palavra e disse: «Na verdade, eu reconheço que Deus não faz acepção de pessoas, mas, em qualquer nação, aquele que O teme e pratica a justiça é-Lhe agradável. Ele enviou a sua palavra aos filhos de Israel, anunciando a paz por Jesus Cristo, que é o Senhor de todos.
  7. 7. 7 Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia, a começar pela Galileia, depois do baptismo que João pregou: Deus ungiu com a força do Espírito Santo a Jesus de Nazaré, que passou fazendo o bem e curando todos os que eram oprimidos pelo Demónio, porque Deus estava com Ele». Palavra do Senhor. ALELUIA cf. Mc 9, 6 Refrão: Aleluia. Repete-se Abriram-se os céus e ouviu-se a voz do Pai: «Este é o meu Filho muito amado: escutai-O». EVANGELHO Mt 3, 13-17 «Depois de ter sido baptizado, Jesus viu o Espírito de Deus descer sobre Si» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, Jesus chegou da Galileia e veio ter com João Baptista ao Jordão, para ser baptizado por ele. Mas João opunha-se, dizendo: «Eu é que preciso de ser baptizado por Ti, e Tu vens ter comigo?». Jesus respondeu-lhe: «Deixa por agora; convém que assim cumpramos toda a jus- tiça». João deixou então que Ele Se aproximasse. Logo que Jesus foi baptizado, saiu da água. Então, abriram-se os céus e Jesus viu o Espírito de Deus descer como uma pomba e pousar sobre Ele. E uma voz vinda do Céu dizia: «Este é o meu Filho mui- to amado, no qual pus toda a minha complacência». Palavra da salvação. DOMINGO II do tempo Comum (19 de janeiro de 2014) LEITURA I Is 49, 3.5-6 «Farei de ti a luz das nações, para que sejas a minha salvação» Leitura do Livro de Isaías Disse-me o Senhor: «Tu és o meu servo, Israel, por quem manifestarei a minha glória». E agora o Senhor falou-me, Ele que me formou desde o seio materno, para fazer de mim o seu servo, a fim de Lhe reconduzir Jacob e reunir Israel junto d’Ele. Eu tenho merecimento aos olhos do Senhor, e Deus é a minha força. Ele disse-me então: «Não basta que sejas meu servo, para restaurares as tribos de Jacob e re- conduzires os sobreviventes de Israel. Vou fazer de ti a luz das nações, para que a minha salvação chegue até aos confins da terra». Palavra do Senhor.
  8. 8. 8 SALMO RESPONSORIAL Salmo 39 (40), 2 e 4ab.7-8a.8b-9.10-11ab Refrão: Eu venho, Senhor, para fazer a vossa vontade. Esperei no Senhor com toda a confiança, e Ele atendeu-me. Pôs em meus lábios um cântico novo, um hino de louvor ao nosso Deus. Não Vos agradaram sacrifícios nem oblações, mas abristes-me os ouvidos; não pedistes holocaustos nem expiações, então clamei: «Aqui estou». «De mim está escrito no livro da Lei que faça a vossa vontade. Assim o quero, ó meu Deus, a vossa lei está no meu coração». Proclamei a justiça na grande assembleia, não fechei os meus lábios, Senhor, bem o sabeis. Não escondi a vossa justiça no fundo do coração, proclamei a vossa fidelidade e salvação. LEITURA II 1 Cor l, 1-3 «A graça e a paz de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco» Início da primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios Irmãos: Paulo, por vontade de Deus escolhido para Apóstolo de Cristo Jesus, e o ir- mão Sóstenes, à Igreja de Deus que está em Corinto, aos que foram santificados em Cristo Jesus, chamados à santidade, com todos os que invocam, em qualquer lugar, o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: A graça e a paz de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco. Palavra do Senhor. ALELUIA Jo 1, 14a.12a Refrão: Aleluia. Repete-se O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós. Àqueles que O receberam deu- lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.
  9. 9. 9 EVANGELHO Jo 1, 29-34 «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Naquele tempo, João Baptista viu Jesus, que vinha ao seu encontro, e exclamou: «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. É d’Ele que eu dizia: ‘Depois de mim vem um homem, que passou à minha frente, porque era antes de mim’. Eu não O conhecia, mas foi para Ele Se manifestar a Israel que eu vim baptizar na água». João deu mais este testemunho: «Eu vi o Espírito Santo descer do Céu como uma pomba e permanecer sobre Ele. Eu não O conhecia, mas quem me enviou a baptizar na água é que me disse: ‘Aquele sobre quem vires o Espírito Santo descer e perma- necer é que baptiza no Espírito Santo’. Ora, eu vi e dou testemunho de que Ele é o Filho de Deus». Palavra da salvação. DOMINGO III do tempo Comum (26 de janeiro de 2014) LEITURA I Is 8, 23b – 9, 3 (9, 1-4) Na Galileia dos gentios o povo viu uma grande luz Leitura do Livro de Isaías Assim como no tempo passado foi humilhada a terra de Zabulão e de Neftali, tam- bém no futuro será coberto de glória o caminho do mar, o Além do Jordão, a Galileia dos gentios. O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam nas sombras da morte uma luz se levantou. Multiplicastes a sua alegria, aumentastes o seu contentamento. Rejubilam na vossa presença, como os que se alegram no tempo da colheita, como exultam os que repartem despojos. Vós quebrastes, como no dia de Madiã, o jugo que pesava sobre o povo, o madeiro que ele tinha sobre os ombros e o bastão do opressor. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 26 (27), 1.4.13-14 (R. 1a) Refrão: O Senhor é minha luz e salvação. Ou: O Senhor me ilumina e me salva.
  10. 10. 10 O Senhor é minha luz e salvação: quem hei-de temer? O Senhor é protector da minha vida: de quem hei-de ter medo? Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio: habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para gozar da suavidade do Senhor e visitar o seu santuário. Espero vir a contemplar a bondade do Senhor na terra dos vivos. Confia no Senhor, sê forte. Tem coragem e confia no Senhor. LEITURA II 1 Cor 1, 10-13.17 «Falai todos a mesma linguagem e não haja divisões» Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios Irmãos: Rogo-vos, pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mes- ma linguagem e que não haja divisões entre vós, permanecendo bem unidos, no mesmo pensar e no mesmo agir. Eu soube, meus irmãos, pela gente de Cloé, que há divisões entre vós, que há entre vós quem diga: «Eu sou de Paulo», «eu de Apolo», «eu de Pedro», «eu de Cristo». Estará Cristo dividido? Porventura Paulo foi crucificado por vós? Foi em nome de Pau- lo que recebestes o Baptismo? Na verdade, Cristo não me enviou para baptizar, mas para anunciar o Evangelho; não, porém, com sabedoria de palavras, a fim de não desvirtuar a cruz de Cristo. Palavra do Senhor. ALELUIA Cf. Mt 4, 23 Refrão: Aleluia. Repete-se Jesus proclamava o Evangelho do reino e curava todas as doenças entre o povo. EVANGELHO Forma longa Mt 4, 12-23 «Foi para Cafarnaum, a fim de se cumprir o que anunciara o profeta Isaías»
  11. 11. 11 Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Quando Jesus ouviu dizer que João Baptista fora preso, retirou-Se para a Gali- leia. Deixou Nazaré e foi habitar em Cafarnaum, terra à beira-mar, no território de Zabu- lão e Neftali. Assim se cumpria o que o profeta Isaías anunciara, ao dizer: «Terra de Zabulão e terra de Neftali, caminho do mar, além do Jordão, Galileia dos gentios: o povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam na sombria região da morte, uma luz se levantou». Desde então, Jesus começou a pregar: «Arrependei-vos, porque está proximo o rei- no dos Céus». Caminhando ao longo do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André, que lançavam as redes ao mar, pois eram pescadores. Disse-lhes Jesus: «Vinde e segui-Me, e farei de vós pescadores de homens». Eles deixaram logo as redes e seguiram-n’O. Um pouco mais adiante, viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu ir- mão João, que estavam no barco, na companhia de seu pai Zebedeu, a consertar as redes. Jesus chamou-os, e eles, deixando o barco e o pai, seguiram-n’O. Depois começou a percorrer toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, proclamando o Evangelho do reino e curando todas as doenças e enfermidades entre o povo. Palavra da salvação.
  12. 12. 12 Vaticano: Papa considera o «silêncio» a chave da relação com Deus O Papa Francisco sobre o Evangelho da Anunciação do nascimento do Senhor, explicou que o mistério da relação com Deus realiza-se no silên- cio e sem publicidade, na capela da Casa de Santa Marta. “Cada um de nós sabe como o Senhor atua misteriosamente em nosso coração e em nossa alma”, assinalou Francisco que perguntou hoje de manhã: “Qual será a nuvem, o poder, o estilo do Espírito Santo para cobrir o nosso mistério?”. “Esta nuvem na nossa vida chama-se silêncio. O silêncio é apenas uma nu- vem que cobre o mistério da nossa relação com o Senhor, da nossa santida- de e nossos pecados”, explicou o Papa sobre a sua pergunta. Para Francisco esse “mistério” não se pode explicar mas “quando não há silên- cio o mistério está perdido, vai embora”: “Mantenha o mistério com o silêncio! Essa é a nuvem, é o poder de Deus para nós que é o poder do Espírito Santo", alertou. “O Senhor sempre cobriu o seu mistério” porque “um mistério que faz publici- dade de si não é cristão. E isso foi o que aconteceu com a Virgem Maria quan- do recebe o seu Filho, o mistério da sua maternidade virginal também foi co- berto”, explicou. A homilia centrou-se no Evangelho da Anunciação do nascimento do Senhor [São Lucas 1, 26-38], quando o Anjo Gabriel revelou a Maria que ia ser mãe de Jesus. Para o Papa a mãe de Jesus foi o “ícone perfeito do silêncio” e destacou a sua atitude “desde o anúncio da sua maternidade até ao Calvário” mas acrescenta que “o Evangelho não diz se ela pronunciou ou não alguma pala- vra”. “Ficou calada mas no seu coração, quantas coisas dizia ao Senhor - ‘Você disse que ele seria grande, que daria o trono de David, seu pai, que iria reinar para sempre e agora vejo-O ali’ -. Maria era humana mas com o silêncio ocultou o mistério que não entendia e com seu silêncio, deixou que seu mistério crescesse e florescesse na esperança”, observou Fran- cisco na capela da Casa de Santa Marta. “A sombra de Deus nas nossas vidas ajuda-nos a descobrir o nosso mistério do encontro com o Senhor, do caminho de vida com Ele”, alertou. RV/CB/LFS
  13. 13. 13 Vaticano: Papa lamenta «incredulidade» e diz que a oração faz Milagres Francisco defende que a vida espiritual implica luta para promover transformação O Papa Francisco afirmou no Vaticano que é preciso lutar contra a “incredulidade” e rezar de forma “corajosa” para que os milagres aconte- çam. “Mas porque há esta incredulidade? Penso que é porque o coração não se abre, um coração fechado que quer ter tudo sob controlo”, disse, na homi- lia da missa a que presidiu na capela da Casa de Santa Marta. Esta incredulidade que “todos” têm dentro de si, acrescentou o Papa, re- quer uma “oração humilde e forte”, como pedia Jesus. “A oração para pedir um milagre, para pedir uma ação extraordiná- ria, tem de ser uma oração comprometida, que envolva todos”, acres- centou. Francisco recordou, neste contexto, um episódio que aconteceu na Argentina, sua terra natal, quando o pai de uma menina de 7 anos foi rezar ao Santuário de Lujan, dedicado à Virgem Maria, numa viagem de 70 quilómetros. “Chegou depois das nove da noite, estava tudo fechado, e ele começou a rezar a Nossa Senhora, com as mãos na cancela de ferro. Rezava, rezava, chorava e rezava, e assim ficou toda a noite. Este homem lutava”, relatou. Ao regressar ao hospital, na manhã seguinte, a filha estava sem febre e a respeitar normalmente, sem que os médicos soubessem explicar o que se tinha passado. “Isto ainda acontece, não é? Há milagres”, realçou o Papa. Segundo Francisco, “a oração faz milagres” mas é preciso “acreditar”, de forma “corajosa”, lembrando também as pessoas que sofrem “nas guerras, os refugiados, todos os dramas que existem”. RV/OC
  14. 14. 14 Bênção para o Ano Novo Deus abençoa-te quando te levantas de manhã, antes mesmo de teres tempo de te irritar com as obrigações de mais um dia ou de teres medo Dele. Deus abençoa-te no tumulto do quo)diano, quando nem sequer tens tempo para pensar n’Ele. Deus abençoa-te à noite, ao fazer desaparecer as sombras do teu dia, para que não entrem nos teus sonhos. Onde quer que tu vás ou onde quer que estejas, se estás a rir ou a chorar, a brilhar ou a fracassar. Deus está presente em tudo o que tu fazes ou deixas de fazer, para que confies sempre n’Ele. O Apóstolo Paulo afirma: “Que o Deus da esperança vos encha de toda a alegria e paz na fé, para que transbordeis de esperança, pela força do Espírito Santo.” Rm 15,13
  15. 15. 15 A Voz do Conselho Económico Publicamos nesta edição o relatório de contas, referente ao mês de outubro de 2013 Contributos a entregar na diocese Missas plurintencionais 250,00€ Ofertório do dia 17 3.º domingo—Missões 104,00€ RESUMO FINAL Receita Total 920,48 € A entregar na diocese 354,00 € Saldo para o fundo paroquial 566,48 € Despesas da paróquia 656,00 € Saldo Final menos 89,52 € Vaticano: Papa diz que cristãos devem manter «esperança» Francisco fala na «ternura» de Deus que consola a humanidade O Papa Francisco disse no Vaticano que os cristãos devem ser pessoas de “esperança”, conscientes da “ternura” de Deus que consola a humanidade. “Quando um cristão esquece, ou pior, perde a esperança, a sua vida não tem sentido, é como se a sua vida estivesse diante de um muro: nada. Mas o Senhor consola-nos e refaz-nos, com a esperança, para seguir em frente”, afirmou, na homilia da missa que presidiu na Casa de Santa Marta. O Papa destacou a “proximidade especial” de Deus com cada pessoa, co- mo um pastor que transporta as pequenas ovelhas ao peito. “O Senhor consola-nos com ternura”, acrescentou. Francisco destacou a atitude de Jesus, após a ressurreição, de “aproximar-se e dar esperança, aproximar-se com ternura”. “Que o Senhor nos dê a todos nós a graça de não ter medo da consolação do Senhor, de estar abertos: pedi-la, procura- la, porque é uma consolação que nos dará esperança e nos fará sentir a ternura de Deus Pai”, concluiu. OC—Ecclesia Receita Despesas Dia/Evento Evento Montante Ofertórios dominicais na igreja matriz 270,48 € Venc. Pároco 600,00 € Missas plurintencionais 500,00 € Evang. Voz Paróquia 36,00 € 1 funeral 30,00 € Manutenção da igreja 20,00 € Missas da irmandade 120,00€ TOTAL 920,48 € 656,00 €
  16. 16. 16
  17. 17. 17
  18. 18. 18 Bolo de Chocolate sem ovos Ingredientes: 2 chávenas de farinha com fermento 2 chávenas de açucar (de preferência amare- lo) 1 chávena de chocolate em pó 1 chávena de óleo 2 chávenas de água 2 colheres de sopa de vinagre 1 pitada de sal 1 colher de chá de fermento Creme de chocolate: Uma tablete de chocolate para culinária 3 colheres de sopa de manteiga 4 colheres de sopa de açúcar 1 pacote de natas 1 pitada de baunilha em pó ou 1 colher de sopa de licor de laranja (facultativo) Preparação: Mistura-se a farinha , o açúcar, o fermento e o chocolate. Adiciona-se o óleo e a água. Depois o vinagre e o sal. Unta-se muito bem uma forma sem buraco, quadrada, redonda ou rectangular forra-se o fundo com papel vegetal e volta-se a untar. Polvilha-se com farinha e deita-se a massa ao centro de preferência com a ajuda de um pas- sador para filtrar algum grumo de farinha ou açúcar. Coze em forno brando cerca de 30 minutos. Verifica-se se está cozido com ajuda de um palito e retira-se. Deixa-se arrefecer completamente e depois desenforma-se. Cobrir com um creme de chocolate que se prepara levando numa caçarola a banh -maria todos os ingredientes até derreterem por completo. Mexe-se bem para se misturarem e deixa-se arrefecer. Cobre-se o bolo e leva-se um pouco ao frio. Bolos de arroz Ingredientes (12 bolos): 250 g de açúcar 70 g de margarina 1,5 dl de leite 2 ovos 200 g de farinha com fermento 150 g de farinha de arroz 1 colher de chá de fermento em pó raspa de limão papel vegetal Preparação: Numa tigela misture o açúcar com a manteiga à mão e amasse bem. Depois junte os ovos e continue a amassar. Deite o leite e depois as farinhas com o fermento e raspa de limão. Bata então com uma colher de pau até ficar uma massa homogénea. Deixe descansar durante uma hora. Unte os aros para bolos de arroz e forre-os com tiras de papel vegetal. Ponha-os num tabuleiro e no fundo dos aros ponha circulos de papel vegetal. Depois da massa ter descansado volte a batê-la com uma colher e deite-a cuidadosamente nos aros até encher 2/3 dos mesmos. Polvilhe com açúcar. Leve ao forno bem quente cerca de 25 minutos. Deixe arrefecer e retire os aros. ( Os aros vendem-se em lojas especializadas no ramo da pastelaria ou então pode substitui- los por formas redondas de silicone forrando-as na mesma com tiras de papel vegetal.)
  19. 19. 19 7 3 8 9 1 3 5 8 7 1 7 6 3 2 5 8 3 6 5 7 4 6 9 4 4 9 6 1 5 2 3 8 6 3 2 1 3 5 4 7 4 5 7 1 2 6 8 9 2 1 3 4 7 8 2 4 9 5 9 4
  20. 20. 20 Com a colaboração do JES Por favor guarde a nossa voz, pode ser-lhe útil no futuro. 2014 Lua cheia Lua nova Quarto crescente Quarto Minguante Janeiro O primeiro mês do ano está longe de ser aquele que mais trabalho exige no seu jardim. Nesta época, a grande maioria das plantas encontra-se em descanso vegetativo. Ainda assim, depois de desfazer a árvore de Natal e de arrumar todas as prendas que a sua família recebeu durante a qua- dra natalícia, pode semear petúnias, ervilhas de cheiro e gipsófilas, além de espécies anuais de verão, bienais, rosas e bolbos de vaso. Esta é uma boa altu- ra para o fazer. Se tem uma horta ou gosta de fazer experiências no seu quintal ou até mesmo num dos cantos da sua varanda, pode sempre semear agriões, alfaces, cebolas, coentros, espinafres e nabiças.

×