SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 51
ANÁLISE DE FUSÕES/INCORPORAÇÕES: UM ESTUDO NO
SETOR DE CARNES E DERIVADOS NO BRASIL, PERÍODO DE
2010 A 2012.
RESUMO
É realizada uma análise econômica e financeira das empresas do
setor de carnes e derivados do Brasil que sofreram
fusão/incorporação em 2009, verificando os principais
indicadores econômico-financeiros de 2010 a 2012. O estudo
considerou aspectos referentes à rentabilidade, liquidez e estrutura
de capital. A pesquisa realiza um estudo comparativo da situação
das companhias a partir das demonstrações contábeis. Os
resultados apontaram que nos índices de rentabilidade a BRF
apresentou melhores resultados em todos os indicadores. A
divergência observada refere-se a melhores resultados obtidos
pela JBS no giro do ativo, com a obtenção de maior produtividade.
Os índices de liquidez não foram satisfatórios no tocante à liquidez
geral, apresentando uma média abaixo de $1 em praticamente
todas as empresas em todos os períodos, significando que as
empresas não tinham dinheiro suficiente para honrar suas dívidas
totais. O endividamento observado pela estrutura de capital
apresentou-se com índices elevados na Marfrig, comprometendo o
capital próprio, sendo este equilibrado na JBS e na BRF.
Palavras-chave: Setorde carnes e derivados. Indic adores
econômico-financeiros.
ABSTRACT
It held an economic and financial analysis of companies in the
meat sector and meat products from Brazil who suffered
fusion/takeover in 2009, checking the main economic and
financial indicators for 2010-2012. The study considered issues
relating to the profitability, liquidity and capital structure. The
research performs a comparative study of the situation of the
companies from the financial statements. The results showed that
the profitability ratios observed that BRF showed better results in
all indicators. The divergence observed refers to the best results
obtained by JBS in asset turnover, with achieving higher
productivity. The liquidity ratios were not satisfactory, as regards
the general liquidity with an average below $ 1 in virtually every
company in every period, which means that companies do not
have enough money to pay its total debts. The indebtedness
observed by capital structure presented with high levels in
Marfrig committing capital, which is balanced on JBS and BRF.
Keywords: Meat sector and meat products. Economic and
Financial Indicators.
1
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 52
1 INTRODUÇÃO
Durante muito tempo a
contabilidade teve suas informações
analisadas, predominantemente, pelo
caráter tributário. Não obstante, fatores
como a globalização e a forte concorrência
das empresas, tanto no mercado interno
como no externo, vêm fazendo com que
essas informações contábeis tenham
valores além do caráter fiscal, alcançando
assim um patamar importante nas tomadas
de decisões.
A contabilidade representa uma das
principais fontes de informação para que
as organizações tomem decisões com maior
grau de eficiência e eficácia através de seu
corpo administrativo. Para que isso seja
possível, é necessária a utilização das
informações econômico-financeiras
extraídas das demonstrações contábeis
traduzidas em indicadores, que serão, por
sua vez, o espelho do desempenho da
empresa.
Durante a crise econômica mundial,
que alcançou seu ápice nos períodos de
2008 e 2009, várias fusões e incorporações
ocorreram em diversos setores da
economia, encontrando-se entre eles o
setor de carnes e derivados, no qual se
percebeu a adoção dessas medidas por
empresas de expressão neste setor. Com a
percepção desse cenário, surge o seguinte
questionamento: “Qual o quadro
econômico-financeiro dessas empresas a
partir das alterações estruturais?” Assim, a
partir desse contexto, o presente trabalho
aborda a análise econômico-financeira da
fusão empresarial ocorrida entre a Sadia e
a Perdigão, formando a BRF Foods, e das
incorporações da Bertin pela JBS e da Seara
pela Marfrig, todas do setor de carnes e
derivados. Desse modo, o estudo tem como
objetivo geral analisar os indicadores
econômico-financeiros durante os
exercícios de 2010 a 2012 das três
companhias que sofreram estas alterações
no ano de 2009, período em que a
economia mundial lutava contra uma forte
crise econômica.
Para a operacionalização do objetivo
geral foram definidos os seguintes
objetivos específicos:
a) caracterizar o perfil das empresas
avaliadas: quem são, mercado de
atuação, produto, faturamento, público-
alvo e quantidade de funcionários;
b) descrever e relatar os indicadores
econômico-financeiros das companhias
no período;
c) comparar a situação das companhias a
partir dos indicadores obtidos.
O presente trabalho se justifica na
importância da reestruturação das citadas
empresas durante o período de crise
através de fusão/incorporação, já que esse
é um comportamento também observado
em outros setores da economia, buscando-
se, assim, contribuir para a disseminação
do tema. Todavia dar-se-á como foco a
evolução das companhias através da
análise econômico-financeira de seus
indicadores, dos fatores de insolvência,
assim como também de suas expectativas
de crescimento futuro ou de possíveis
riscos e ameaças a que estas possam estar
expostas.
O trabalho está estruturado em
quatro momentos: o primeiro apresenta o
referencial teórico, no qual são expostos os
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul/set. 2015. 53
conceitos de análise financeira, indicadores
econômicos financeiros, os indicadores de
liquidez, rentabilidade, estrutura de capital
e dos índices que compõem cada indicador,
além dos fatores de insolvência; no
segundo momento torna-se presente a
metodologia da pesquisa; o terceiro exibe
os resultados e discussões e finalmente as
conclusões.
2 REFERENCIAL TEÓRICO
Segundo a Lei 6.404/76, as
demonstrações financeiras se constituem
por um conjunto de informações revestidas
pela obrigatoriedade e periodicidade de
suas divulgações, quando a empresa se
configurar como sociedade por ações ou
sociedade de grande porte, sendo estas
últimas incluídas entre as alterações
provocadas pela Lei 11.638/07 à Lei
6.404/76. Estas divulgações são, por sua
vez, uma prestação de contas aos
acionistas, sócios e a sociedade. Essa
prestação de contas será anual e formada
pelas demonstrações contábeis, relatórios
da administração, notas explicativas, além
dos pareceres da auditoria independente e
do conselho fiscal. Tendo em vista a
importância dessas informações geradas
pelas empresas, é imperioso se ter o
conhecimento de termos como:
demonstrações contábeis, análise
econômico-financeira e de cada um dos
indicadores necessários a este estudo.
Assim, inicia-se pelas demonstrações
contábeis e suas variações nominais
tratadas pela doutrina da seguinte forma.
As demonstrações contábeis, também
denominadas de demonstrações financeiras na
legislação societária (Lei nº 6.404/76), são
utilizadas pelos administradores para prestar
contas sobre os aspectos públicos de
responsabilidade da empresa, perante
acionistas, credores, governo e a comunidade
em geral. Têm, portanto, por objetivo, revelar, a
todas as pessoas interessadas, as informações
sobre o patrimônio e os resultados da empresa,
a fim de possibilitar o conhecimento e a análise
de sua situação econômico-financeira (BRAGA,
2003, p.75).
Apenas com a compreensão da
estrutura contábil das demonstrações
financeiras é possível avaliar as empresas
de maneira mais detalhada. Precisamente,
o processo de análise, em sua totalidade,
requer largo conhecimento dos formatos
de contabilização e apuração das
demonstrações, pois sem este, as
conclusões extraídas sobre o desempenho
da empresa ficariam seriamente limitadas
(REIS, 2003).
Como as principais demonstrações
contábeis são exposições sintéticas dos
componentes patrimoniais e de suas variações,
a elas recorremos quando desejamos conhecer
os diferentes aspectos da situação patrimonial e
de suas variações. Sendo demonstrações
sintéticas, não oferecendo informações
detalhadas sobre o estado patrimonial e sobre
suas variações. Daí a necessidade de aplicação
da técnica contábil denominada análise das
demonstrações contábeis, também conhecidas
por análise de balanços (FRANCO, 1989, p.93).
As demonstrações financeiras
auxiliam com informações de previsão dos
dividendos e lucros futuros. Pela percepção
do investidor, a previsão é a base da análise
financeira; entretanto, visualizando-se pelo
prisma da administração, a análise é uma
ferramenta útil para se antecipar às
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 54
condições futuras e planejar medidas que
possam influenciar o andamento de
eventos futuros (WESTON; BRIGHAM,
2000).
As demonstrações financeiras
tornam presente à situação financeira da
empresa em um determinado espaço de
tempo, e colaboram para que os riscos e o
retorno desta sejam avaliados (SILVA,
2012).
Segundo Matarazzo (2007, p.15), “as
demonstrações financeiras fornecem uma
série de dados sobre a empresa, de acordo
com regras contábeis”. Posto isso, é possível
notar a importância da contabilidade e das
demonstrações que ela produz para que se
possam transformar os dados oriundos
destas em informações relevantes para as
tomadas de decisões. Para facilitar as
tomadas de decisões, os dados fornecidos
pelas demonstrações contábeis são
transformados em indicadores para que se
possa realizar por meio deles a análise
econômico-financeira, termo que será
tratado a partir de agora.
Embora possa variar a sua
denominação – análise contábil, análise
financeira, análise econômico-financeira,
análise de balanços etc. – a análise das
demonstrações contábeis tem por objetivo
observar e confrontar os elementos
patrimoniais e os resultados das operações,
visando ao conhecimento minucioso de sua
composição qualitativa e de sua expressão
quantitativa, de modo a revelar os fatores
antecedentes e determinantes da situação
atual, e, também, a servir de ponto de
partida para delinear o comportamento
futuro da empresa (BRAGA, 2003, p.137).
A análise de balanços deve ter seu
entendimento conforme suas possibilidades
e limitações, sendo importante o
conhecimento de suas duas faces. A
primeira visualiza mais problemas a serem
investigados do que indica soluções, já a
segunda aponta que a análise de balanço,
sendo utilizada de forma conveniente,
transforma-se em uma poderosa
ferramenta de controle da administração
(IUDÍCIBUS, 1998)
As denominações análise de balanço,
análise das demonstrações, relatórios
financeiros são sinônimas. A análise visa
demonstrar pelas informações contábeis da
empresa a situação econômico-financeira
atual, os motivos que determinaram o
presente cenário e as perspectivas futuras.
Assim, é possível concluir que pelas
análises de balanços extraem-se dados
sobre a situação passada, presente e futura
de uma empresa (ASSAF NETO, 2008).
Elas possuem grande relevância nas
empresas, haja vista fomentarem os
empresários de informações relevantes
sobre a situação econômico-financeira da
empresa (PADOVEZE, 2005). Segundo o
autor, a análise financeira é a metodologia
clássica para uma análise abrangente do
desenvolvimento da empresa. Munidos de
um conjunto composto de procedimentos e
conceitos aplicados, inter-relacionados,
podem-se ter como produto indicadores
que possibilitem uma avaliação sobre a
situação da empresa e do retorno do
investimento. Visando o sucesso de
qualquer administração e o resguardo da
integridade patrimonial contra surpresas
futuras, torna-se necessário alocar a
atividade econômica em uma base
planificada, exprimindo previsões
econômicas, determinando probabilidades
e gerenciando as previsões por meio da
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 55
técnica da análise econômica e financeira
dos balanços periódicos (HERRMANN
JÚNIOR, 2004).
A análise das demonstrações é
observada em três níveis, que são:
Introdutório, Intermediário e Avançado. No
primeiro são apreciados apenas os
seguintes indicadores: liquidez,
rentabilidade e endividamento. O segundo
nível, intermediário, na abordagem dos
indicadores do primeiro nível, pode
aprofundar a análise mediante outro grupo
de indicadores que melhor explica e
detalha a condição econômico-financeira
da empresa. É importante salientar que no
nível intermediário os indicadores não são
exclusivos para que se obtenham
informações específicas de cada unidade
do tripé (liquidez, rentabilidade e
endividamento). No nível avançado, a
análise é realizada por uma série de
indicadores e instrumentos que agregam
valor às conclusões referentes à condição
econômico-financeira da empresa
(MARION, 2005).
Pela análise de balanços é possível
ponderar a condição econômica e a
condição financeira da empresa. A análise
da condição econômica é realizada com
base nos dados que compõem a
demonstração do resultado do exercício,
pelo estudo e interpretação do produto
obtido pela movimentação do patrimônio.
Essa análise auxilia no conhecimento da
rentabilidade obtida pelo capital investido
na empresa. Já a análise da condição
financeira é realizada com base nos
elementos oriundos do balanço
patrimonial, possibilitando o conhecimento
do grau de endividamento, como também a
existência ou não de solvência suficiente
para que a empresa cumpra seus
compromissos de curto ou longo prazo
(RIBEIRO, 1999).
Em uma análise investigativa e
comparativa das relações entre distintas
informações financeiras, e uma das formas
mais relevantes de análise das empresas
pelos tomadores de decisões, os indicadores
financeiros são geralmente a primeira
etapa deste processo. São por meio desses
indicadores que os usuários externos
buscam benefícios através de informações
da situação e evolução da empresa.
Beneficiando-se também destas
informações, os usuários internos as
utilizam para que possam tomar decisões
mais precisas, buscando eliminar os pontos
fracos e aproveitar os pontos fortes,
visando sempre o alcance dos objetivos da
instituição (MATARAZZO, 2003).
Segundo Matarazzo (2003, p.150),
os índices são divididos em índices
que evidenciam aspectos da situação
financeira, que tratam da liquidez e
estrutura; e índices que evidenciam
aspectos da situação econômica, que
verificam a rentabilidade da
companhia.
Tais índices são organizados
conforme o esquema seguinte: segundo
Marion (2005, 141), “a rentabilidade é
medida em função dos investimentos”.
Diante disso, pode-se concluir que a
rentabilidade pondera os resultados
percebidos por uma instituição, ou seja,
quanto ela está rentável, quanto recurso foi
gerado em função dos investimentos.
Investimentos esses que, segundo o autor
(op. cit.), podem ter como fontes o capital
próprio e o capital de terceiros.
Visualizando a rentabilidade pela visão da
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 56
administração financeira, segundo Gitman
(2004, p.52):
Como grupo, essas medições
permitem ao analista avaliar os
lucros da empresa em relação a certo
nível de vendas, a certo nível de
ativos ou ao volume de capital
investido pelos proprietários.
Não auferindo lucro, uma empresa
não seria atraente para o capital externo.
Os principais índices de
rentabilidade utilizados neste estudo são:
giro do ativo, margem líquida,
rentabilidade do ativo e rentabilidade do
patrimônio líquido. Para o entendimento
desses índices expõe-se a seguir seus
conceitos, fórmulas e análises. Tais índices
podem ser ilustrados de maneira
esquemática no Quadro 1 abaixo.·.
Quadro 1 - Índices de Rentabilidade
GIRO DO ATIVO
Fórmula (vendas líquidas / ativo)
Objetivo Quanto à empresa vendeu para cada $ 1 de investimento total
Análise Quanto maior,melhor.
MARGEM LÍQUIDA
Fórmula (lucro líquido / vendaslíquidas)
Objetivo Quanto à empresa obtém de lucro para cada $ 1 vendido
Análise Quanto maior,melhor.
RENTABILIDADE DO ATIVO
Fórmula (lucro líquido / ativo)
Objetivo Quanto à empresa obtém de lucro para cada $ 1 de investimento total
Análise Quanto maior,melhor.
RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Fórmula (lucro líquido / patrimônio líquido)
Objetivo Quanto à empresa obtém de lucro para cada $ 1 de capital próprio investido, em média no
exercício.
Análise Quanto maior,melhor.
Fonte: Adaptado de Matarazzo (2003) e Padoveze (2007)
O Giro do ativo é o indicador que
demonstra o grau de qualidade com que a
instituição emprega seus ativos a fim de
gerar reais de vendas. Deste modo, quanto
maior for a geração de vendas, maior será
o emprego eficiente dos ativos. O indicador
em questão também é conhecido como
“produtividade” (MARION, 2005).
Margem líquida, segundo o autor
(op. cit.), é o índice que simboliza a
diferença entre as receitas auferidas pelas
vendas e serviços, e os custos e despesas,
incluindo-se entre estas o imposto de
renda. Logo, quanto maior a margem,
melhor.
Conforme os ensinamentos de
Matarazzo (2003, p.179), o índice da
rentabilidade do ativo é o índice que
“mostra quanto à empresa obteve de lucro
líquido em relação ao ativo. É uma medida
do potencial de geração de lucro da parte
da empresa”. Ainda seguindo os preceitos
de Matarazzo (2003, p.181), a
rentabilidade do patrimônio líquido
“mostra qual a taxa de rendimento do
capital próprio”.
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 57
Quanto à análise da situação
financeira, apontam-se os indicadores de
liquidez e estrutura. Os índices de liquidez
objetivam gerar como produto o indicador
da capacidade da instituição liquidar suas
dívidas obtendo-os a partir da comparação
entre direitos realizáveis e as exigibilidades
(SILVA, 1999). Para Westerfield (2002,
p.39), “a liquidez contábil refere-se à
facilidade e velocidade com a qual os
ativos podem ser convertidos em dinheiro”.
Tais índices podem ser ilustrados de
maneira esquemática no Quadro 2.·.
Quadro 2 - Índices de Liquidez
LIQUIDEZ SECA
Fórmula (ativo circulante - estoque - despesas antecipadas) / passivo circulante
Objetivo Quanto à empresa possui de ativo circulante, para $ 1 de dívida de curto prazo, sem
comprometer os estoques.
Análise Quanto maior melhor
LIQUIDEZ CORRENTE
Fórmula (ativo circulante/ passivo circulante)
Objetivo Quanto à empresa possui de ativo circulante para cada $ 1 de dívida de curto prazo
Análise Quanto maior melhor
LIQUIDEZ IMEDIATA
Fórmula (caixa+bancos+aplicações financeiras) / (passivo circulante)
Objetivo Quanto à empresa possui disponível imediatamentepara cada $ 1 de dívida de curto
prazo.
Análise Quanto maior melhor
LIQUIDEZ GERAL
Fórmula (ativo circulante+ realizável LP) / (passivo circulante + exigível LP)
Objetivo Quanto à empresa possui de ativo circulante + realizável a LP para cada $ 1 de dívida
total
Análise Quanto maior melhor
Fonte: Adaptado de Matarazzo (2003), Assaf Neto (2008) e Padoveze (2007).
A liquidez seca, seguindo a
explicação de Assaf Neto (2008, p.190),
“demonstra a porcentagem das dívidas a
curto prazo em condições de serem
saldadas mediante a utilização de itens
monetários de maior liquidez do ativo
circulante”. Já a liquidez corrente é o
índice que “indica o quanto existe de ativo
circulante para cada $1 de dívida em curto
prazo. Quanto maior a liquidez corrente,
mais alta se apresenta a capacidade da
empresa em financiar suas necessidades de
capital de giro”. O autor explica ainda que
a Liquidez Imediata “revela a porcentagem
das dívidas a curto prazo (circulante) em
condições de serem liquidadas
imediatamente. Esse quociente é
normalmente baixo pelo pouco interesse
das empresas em manter recursos
monetários em caixa, ativo
operacionalmente de reduzida
rentabilidade.” E por fim, a liquidez geral,
conforme Silva (1999, p.267), “indica
quanto a empresa possui em dinheiro, bens
e direitos realizáveis a curto e longo prazo,
para fazer face às suas dívidas totais”.
Finalizando os indicadores da
situação financeira têm-se os índices de
estrutura de capitais a serem considerados
para este artigo. Tais índices estão
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 58
resumidos no quadro 3 apresentado
abaixo:
A estrutura de capitais é composta
pelos índices que expressão as importantes
linhas de decisões financeiras, visualizando
a obtenção e a aplicação de recursos
(MATARAZZO, 2003). Diante dessas
decisões financeiras a respeito da estrutura
de capitais: “É convencional fazer
referência a escolhas a respeito de
estrutura de capital de terceiros e capital
próprio como decisões a respeito de
estrutura de capital” (ROSS; WESTERFIELD;
JAFFE, 2010, p. 318).
Sob uma visão mais administrativa e
apresentada com o nome estrutura – alvo
de capital, o indicador em questão é
conceituado como “o mix de
endividamento, ações preferenciais e ações
ordinárias com a qual a empresa planeja
financiar seus investimentos” (WESTON;
BRIGHAM, 2000, p. 658).
Quadro 3 - Índices de Estrutura de capital
PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS (ENDIVIDAMENTO GERAL)
Fórmula (capitais de terceiros / patrimônio líquido)
Objetivo Quanto à empresa tomou de capitais de terceiros para cada $1 de capital próprio
Análise Quanto menor,melhor.
COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO
Fórmula (passivo circulante / capitais de terceiros)
Objetivo Qualpercentual de obrigações em curto prazo em relação às obrigações totais
Análise Quanto menor,melhor.
ENDIVIDAMENTO FINANCEIRO
Fórmula (empréstimos e financiamentos(Cp e Lp) / patrimônio líquido)
Objetivo Quanto de$ a empresa tomou deempréstimo financeiro para cada $ 1 de capital próprio
Análise Quanto menor,melhor.
IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Fórmula (ativo permanente/ patrimônio líquido)
Objetivo Quanto de$ a empresa aplicou no ativo permanentepara cada $ 1 de patrimônio líquido
Análise Quanto menor,melhor.
Fonte: Adaptado de Matarazzo (2003), Gitman (2004) e Padoveze (2007).
Outro ponto importante a se revelar
sobre a estrutura de capitais é no que se
refere à diferença existente desta estrutura
entre empresas, independente de
pertencerem ao mesmo setor (BRIGHAM;
HOUSTON, 1999).
A participação de capital de terceiros
(endividamento) é o índice que indica a
dependência do capital de terceiros, pela
instituição. Observando por um prisma
estritamente financeiro, quanto maior o
vínculo entre o capital de terceiros e o
patrimônio líquido, menor a autonomia
das decisões financeiras da instituição ou
maior a dependência a esses terceiros
(MATARAZZO, 2003). Ainda sobre este
índice, Gitman, analisando-o através das
lentes da administração financeira, fez o
seguinte comentário:
O índice de endividamento de uma
empresa indica o volume de dinheiro de
terceiros usado para gerar lucros. Em
geral, o analista financeiro preocupa-se
mais com as dívidas de longo prazo
porque elas comprometem a empresa
com uma série de pagamentos por
muitos anos. Em geral, quanto mais
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 59
capital de terceiros é usado por uma
empresa em relação a seus ativos totais,
maior sua alavancagem financeira, isto
é, a ampliação do risco e do retorno
introduzido pelo uso de financiamento a
custo fixo, como o obtido com a emissão
de títulos de dívida e ações preferenciais.
Quanto mais uma empresa servir-se de
dívidas a custo fixo, maiores serão o
risco e o retorno dela esperados
(GITMAN, 2004, p.49).
Ainda tendo como foco o
endividamento tem-se o índice de
endividamento geral, utilizado na medição
da proporção de ativos totais financiados
por credores da empresa. Esse índice tem
sua análise apreciada de modo que, quanto
maior o valor do índice de endividamento
geral, maior o volume de recursos de
terceiros usado na geração de lucros na
empresa (GITMAN, 2004). A composição
do endividamento é, segundo Matarazzo
(2003, p.155), “o percentual de obrigações
de curto prazo em relação às obrigações
totais”.
Segundo o autor esse índice deve ser
analisado tendo a interpretação de quanto
menor melhor. O endividamento
financeiro apresenta o total que a empresa
possui de Capital Próprio comprometido
com dívidas em bancos no curto e longo
prazo. (PADOVEZE, 2007). O autor citado
sinaliza também que o mencionado índice
deve ter sua análise pautada no sentido de
que quanto menor, melhor será o
desempenho da empresa. Já a imobilização
do patrimônio líquido é o índice que
demonstra quanto à instituição
disponibilizou ao ativo permanente para
cada $ 100 de patrimônio líquido. Quanto
mais recursos à instituição investir no ativo
permanente, menos serão os recursos
próprios remanescentes para o ativo
circulante, portanto, menor será sua
independência de capitais de terceiros para
o financiamento do ativo circulante
(MATARAZZO, 2003).
O fator de insolvência é o indicador
através do qual é possível verificar a
possibilidade de continuidade da empresa,
ou seja, é o instrumento pelo qual se torna
possível prever a possibilidade de falência
da empresa utilizando para isso os índices
de rentabilidade do patrimônio líquido,
liquidez geral, liquidez seca, liquidez
corrente e da participação de capital de
terceiros (KANITZ, 1974).
3 METODOLOGIA
O presente estudo foi elaborado a
partir de pesquisa do tipo descritiva, com
enfoque quantitativo e qualitativo e com
base bibliográfica e documental.
Para Gil (2010, p.1), “pode-se definir
pesquisa como o procedimento racional e
sistemático que tem como objetivo
proporcionar respostas aos problemas que
são propostos”.
Sampei, Colado e Lucio (2006,
p.100), sobre o objetivo no estudo
descritivo, afirmam que “o objetivo do
pesquisador consiste em descrever
situações, acontecimentos e feitos, isto é,
dizer como é e como se manifesta
determinado fenômeno”.
Sobre pesquisa bibliográfica e
documental, Severino (2007, p.122)
tratou-a assim: “é aquela que se realizam a
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 60
partir do registro disponível, decorrente de
pesquisas anteriores, em documentos
impressos, como livros, artigos, teses etc.”.
Já observando o enfoque
quantitativo e qualitativo, os mesmos
autores citados no parágrafo anterior o
apontam como o que “utiliza a coleta e a
análise de dados para responder às
questões de pesquisa e testar as hipóteses
estabelecidas previamente, e confia na
medição numérica, na contagem e
frequentemente no uso da estatística”.
A metodologia de pesquisa adotada
foi a bibliográfica e documental que,
segundo o autor (GIL, 2010) é a
desempenhada tendo como base o material
existente, formado principalmente por
livros e artigos científicos.
O foco de observação das
instituições selecionadas foram os
indicadores econômico-financeiros
(rentabilidade, liquidez e estrutura de
capital), formados com base nas
demonstrações contábeis publicadas nos
sites da BM&F - Bolsa de Mercado e
Futuros, BOVESPA - Bolsa de Valores do
Estado de São Paulo, e CVM – Comissão de
Valores Mobiliários.
Como método de análise utilizou-se
a observação estruturada para a realização
dos procedimentos necessários para a
elaboração do presente artigo.
As pesquisas bibliográfica e
documental estão baseadas na literatura
nacional e internacional sobre o tema
principal e temas auxiliares de necessário
conhecimento para a execução deste
trabalho, reunindo assim referencial de
apoio ao desenvolvimento da pesquisa.
A coleta dos dados secundários foi
realizada na base de dados da BM&F –
BOVESPA e CVM, e das companhias
analisadas (BRF, JBS e MARFRIG) para o
acesso às informações a respeito do perfil
de cada empresa e aos relatórios e
demonstrações contábeis necessários ao
estudo de caso com a finalidade da
elaboração dos cálculos dos índices que
compõem os indicadores econômico-
financeiros (rentabilidade, liquidez e
estrutura de capital) no período de 2010 a
2012 para suas respectivas análises.
A análise qualitativa dos dados foi
elaborada a partir das técnicas contábeis
de análise dos indicadores, segundo ASSAF,
MATARAZZO, MARION, e exposta de
forma descritiva em tabelas e gráficos
apresentados no corpo do estudo e em seus
apêndices.
4 CARACTERIZAÇÃO DAS EMPRESAS PESQUISADAS
Para que se possam conhecer
melhor cada uma das empresas
selecionadas para este estudo e entender
sua importância no mercado, inicia-se
nesta etapa do trabalho a apresentação de
cada uma das companhias com base nos
sítios institucionais de cada uma delas e o
entendimento de como serão realizadas as
análises.
O Grupo Marfrig, uma das maiores
empresas globais de alimentos à base de
carnes bovinas, suína, de aves e peixes;
possui uma plataforma operacional
diversificada e flexível composta por
unidades produtivas, comerciais e de
distribuição instaladas em vinte e dois
países e cinco continentes, tendo seus
produtos presentes em cento e quarenta
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 61
países. O Grupo Marfrig, composta pelas
empresas Marfrig, Marfood USA,
Tacuarembó, Moy Park, Keystone Foods e
Seara, emprega em suas unidades
aproximadamente noventa mil
funcionários, sendo também o maior
produtor de ovinos da América do Sul, a
maior companhia de carnes na Argentina,
o maior produtor de aves no Reino Unido e
a maior companhia privada no Uruguai e
na Irlanda do Norte. Fundada em 1956, a
Seara foi incorporada pelo Grupo Marfrig,
sendo esta uma das maiores produtoras e
exportadoras de alimentos à base de carne
de aves e suínos do mundo.
A JBS, por sua vez, é a maior
empresa em processamento de proteína
animal do mundo, com atuação nas áreas
de alimentos, couro, biodiesel, colágeno e
latas, estando presente em todos os
continentes, com plataformas de produção
e escritórios no Brasil, Argentina, Itália,
Austrália, Estados Unidos, Uruguai,
Paraguai, México, China, Rússia, entre
outros países. Com acesso a todos os
mercados consumidores, a empresa possui
cento e quarenta unidades de produção no
mundo e aproximadamente cento e vinte
mil colaboradores. A JBS foi a primeira
companhia do setor a negociar suas ações
na bolsa, o que ocorreu com a abertura do
capital em 2007, ano em que se consolidou
como a maior empresa do mundo no setor
de carne bovina com a aquisição da Swift
& Company tendo os direitos da marca
Swift em nível mundial. Em 2009, a JBS
ingressou no segmento de frangos com a
compra da Pilgrim’s Pride e seguindo sua
ampliação com a incorporação da Bertin
Ltda entrando também nos segmentos de
lácteos e biodieseis.
A terceira empresa selecionada para
este trabalho é a BRF, que surgiu da fusão
ocorrida entre Perdigão e Sadia, em que os
acionistas da Perdigão S/A participam em
sessenta e oito por cento, ao passo que os
da Sadia S/A são possuidores dos trinta e
dois por cento restantes. A empresa nasceu
como um dos maiores “players” globais do
setor alimentício, reforçando a posição do
país como potência no agronegócio. Sua
atuação está voltada ao segmento de carnes
(aves, suínos e bovinos), alimentos
processados de carnes, lácteos, margarinas,
massas, pizzas e vegetais congelados com
marcas consagradas como Sadia, Perdigão,
Batavo, Elegê, Qualy, entre outras.
Ela é uma das maiores empregadoras
do país, com cerca de cento e dez mil
funcionários com operações em cinquenta
fábricas em todas as regiões do Brasil e
trinta e três centros de distribuição. No
tocante ao mercado externo, responsável
por aproximadamente quarenta e um por
cento das receitas líquidas em 2012, ela
mantém nove unidades industriais na
Argentina e duas na Europa, sendo estas na
Inglaterra e na Holanda, além de dezenove
escritórios comerciais para atendimento a
mais de cento e vinte países dos cinco
continentes. A BRF integra o Novo Mercado
da BM&F Bovespa, consolidando sua
posição de excelência em gestão,
incorporando elevados padrões de
Governança Corporativa.
A partir dos dados pesquisados nas
análises econômico-financeiras e nos
fatores de insolvência das empresas
Marfrig, JBS e BRF é possível que se possa
visualizar o desempenho destas após as
alterações estruturais ocorridas, seja pela
fusão, no caso da BRF (Sadia/Perdigão), ou
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 62
pelas incorporações, Bertin pela JBS e Seara
pela Marfrig. Para as análises econômico-
financeiras das três companhias, levaram-
se em consideração os indicadores tratados
neste artigo e os dados apresentados nos
balanços patrimoniais e nas demonstrações
dos resultados dos exercícios dos períodos
pós-crise financeira até a situação
presente. Ressalta-se que as demonstrações
contábeis compõem o apêndice deste
trabalho.
5 RESULTADOS DAS ANÁLISES ECONÔMICO-FINANCEIRAS
No tocante ao retorno dos recursos
aplicados referentes aos Indicadores de
Rentabilidade, observou-se a situação
econômica das instituições (Tabela 1).
Tabela 1 – Indicadores de Rentabilidade – Elaboração: 2013
GIRO DO ATIVO
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 0,70% 1,25% 0,82%
2011 0,88% 1,25% 0,86%
2012 0,93% 1,25% 0,93%
MARGEM LÍQUIDA
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 0,9% -0,5% 3,5%
2011 -3,6% -0,5% 5,3%
2012 -1,0% 1,0% 2,9%
RENTABILIDADE DO ATIVO
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 0,6% -1,0% 2,9%
2011 -3,1% -0,7% 4,6%
2012 -0,9% 1,5% 2,7%
RENTABILIDADE DO PL
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 3,0% -1,0% 6,0%
2011 -22,0% -2,0% 10,0%
2012 -5,0% 4,0% 6,0%
Fonte: www.bmfbovespa.com.br.
Iniciando as análises pelo Giro do
Ativo e tendo a empresa Marfrig como
ponto de partida desta análise, percebeu-se
que ela finalizou o período de 2010 com o
índice de 0,70, ou seja, para cada $1 de
investimento total a empresa vendeu $0,70,
demonstrando um cenário preocupante,
haja vista o baixo valor das receitas se
comparadas às outras empresas analisadas.
Do período de 2010 para 2011, a empresa
melhorou seu Giro do Ativo chegando ao
patamar de 0,88, o que pode ser explicado
pela melhoria nas receitas de vendas que
obtiveram um aumento de 24,44%,
enquanto o ativo total por sua vez cresceu
5,14%, tendo como grande responsável por
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 63
esse aumento o ativo não circulante, já que
neste período o ativo circulante sofre uma
redução.
Analisando o período de 2012, é
notável a melhoria do índice, agora em
menor escala, passando para 0,93 já que as
receitas de vendas evoluíram neste período
em 11,43%, exigindo para isso um
investimento maior em 6,90%. Este índice
ocorreu em virtude do aumento dos ativos
circulante e não circulante, tendo este
último sua maior representatividade de
aumento no ativo permanente. É
importante notar que em mais um período
a empresa encerra com prejuízo em sua
DRE, mesmo que menor em relação ao
período de 2011, pois no período de 2010
a companhia obteve lucro.
A empresa JBS finalizou suas
atividades de 2010 com um índice de Giro
do Ativo de 1,25, sendo o maior entre as
empresas analisadas nesse período. Apesar
de esta ser a maior receita entre elas, é a
que possui maior ativo, sendo ele em sua
maioria concentrado no ativo não
circulante. Para o período de 2011 houve
aumento nas receitas de 11,46%, exigindo-
se para isso um aumento do ativo total em
7,51%, aparecendo às disponibilidades do
ativo circulante como maiores causadoras
deste aumento, o que elevou o Giro do
Ativo para 1,31. O período de 2012 foi
dentre os analisados o melhor visualizando
este índice, pois ele saltou de 1,31 para
1,53 exigindo investimentos de 4,70%,
inferiores aos do período anterior e
aumentando as receitas em 27,72%,
destacando o lucro em sua DRE, o que não
se viu nos dois últimos períodos.
Analisando a BRF, observa-se um
índice de 0,82 em 2010, período em que a
empresa apresentou menor Giro do Ativo
entre os períodos, visto que este aumentou
para 0,86 em 2011. O pequeno aumento
deu-se em conta do equilíbrio que houve
entre os investimentos efetuados e as
receitas, pois aqueles aumentaram em
7,44% para que estas alcançassem 11,77%
de aumento. Em 2012 o percentual seguiu
aumentando, alcançando o patamar de
0,93 devido ao aumento das receitas em
9,86%, exigindo-se apenas o investimento
de 2,56% para isso. A BRF, ao contrário das
demais empresas analisadas, não encerrou
nenhum período com prejuízo.
A comparação desses indicadores
revela que a JBS tem maior giro entre as
três, significando vantagem competitiva
com a perspectiva de recuperação de
Ativos investidos com maior rapidez.
Com atenção agora voltada para o
índice da Margem Líquida, verifica-se
como as despesas operacionais e
financeiras, e os custos dos bens e/ou
serviços vendidos influenciam fortemente
neste índice da Rentabilidade.
Analisando a Marfrig através da
Margem Líquida, observa-se que no
período de 2010, o único entre os
analisados que obteve lucro, o índice
apresentou 0,9% de lucro para cada $1
vendido, sendo considerado baixo, por
exemplo, se comparado ao da BRF que no
mesmo período atingiu 3,5%. Esse baixo
percentual é traduzido pela baixa receita
desse período, já mencionada na análise do
índice anterior e dos altos valores de
despesas operacionais e financeiras vistas
na DRE. Em 2011, ano de maior prejuízo
dentre os analisados, a empresa apresentou
-3,6% de Margem Líquida. Neste período
apesar de ter obtido um melhor resultado
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 64
bruto (diferença entre receitas líquidas e
custos de bens e/ou serviços vendidos) a
Marfrig teve suas despesas operacionais
aumentadas e um acréscimo de mais de
50% em suas despesas financeiras. Mesmo
continuando em prejuízo no ano de 2012,
a companhia reduziu suas despesas
financeiras e aumentou seu resultado
bruto o que, apesar de não satisfatório,
melhorou o índice para -1%.
A JBS fez o caminho contrário ao da
Marfrig, começando os períodos analisados
com índices negativos, chegando a um
índice positivo em 2012. Analisando o
exercício de 2010, verifica-se que a
empresa o encerrou com prejuízo, haja
vista aos valores correspondentes às
despesas operacionais e financeiras,
gerando um índice de Margem Líquida de
-0,5%. Em 2011, apesar de se manter com
o mesmo índice de 2010, algumas
mudanças puderam ser observadas, entre
elas, o início da redução das despesas
financeiras. Mantendo a mesma estratégia
de 2011, a JBS conseguiu uma redução
ainda mais expressiva em suas despesas
financeiras e, auxiliadas pelo aumento das
receitas, a Margem Líquida chegou ao
patamar de 1,0% em 2012, ano em que a
JBS apresentou lucro em sua DRE.
A BRF também teve oscilações em
sua Margem Líquida, mas sempre dentro
de percentuais positivos, visto não ter
prejuízo em nenhum dos períodos
analisados. Em 2010 seu percentual foi de
3,5%, sendo o maior entre as três empresas.
O exercício de 2011 foi o que a empresa
apontou com o maior percentual,
chegando a 5,3%, muito em virtude do
aumento apresentado pelas vendas e
redução das despesas financeiras. O último
ano por sua vez não foi tão positivo quanto
os demais, tendo seu pior percentual 2,9%,
pois, apesar do aumento das receitas, a BRF
sofreu redução no seu resultado bruto e
aumento das despesas operacionais e
financeiras.
No tocante à Margem líquida, a BRF
apresentou indicadores positivos e a
melhor situação no setor, tornando-se mais
competitiva com relação ao aspecto da
lucratividade e, em contraposição, as
demais apresentaram margens negativas,
evidenciando a necessidade urgente de
gestão para enxugar gastos, pois os
indicadores mostraram que, se persistir tal
situação, quanto mais produzir e vender,
mais poderão perder recursos, cabendo
análise de custos e dos processos de
produção e vendas.
No tocante à Rentabilidade do Ativo,
observou-se que além da influência dos
custos e despesas as quais interferem no
lucro líquido, uma das variáveis deste
índice tem-se também o ativo total que, em
todos os períodos analisados das três
empresas, sofreu aumentos em percentuais
já mencionados na análise do Giro do
Ativo.
A Marfrig apresentou em 2010 um
valor de 0,6% de lucro para cada $1 de
investimento total de Rentabilidade do
Ativo, visto os motivos aqui já levantados,
sobretudo o baixo lucro líquido afetado
pelas despesas operacionais e financeiras e
a receita líquida pouco expressiva. No
exercício seguinte, a empresa teve como
índice -3,1%, ou seja, prejuízo de 3,1%
sobre cada $1 de investimento total. Em
2011, a companhia apresentou o pior
resultado deste índice, tendo em vista o
aumento dos investimentos e um
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 65
crescimento acentuado das despesas
financeiras auxiliando na obtenção do
prejuízo. No ano de 2012 o percentual
negativo reduziu para -0,9% em virtude da
redução das despesas financeiras,
amenizando o prejuízo em relação a 2011.
Como visto na Margem Líquida, a
JBS veio de resultados negativos em 2010 e
2011 até conseguir passar de prejuízo a
lucro em 2012. Do exercício de 2010 ao
de 2011 o índice negativo que era de -
0,6% no primeiro período chegou a -0,7%
em 2011, visto os aumentos do prejuízo e
dos investimentos. No exercício de 2012,
devido ao lucro gerado pelo aumento das
receitas e da redução das despesas
financeiras, além do baixo investimento
total, obteve-se índice de 1,5% sendo o
único positivo do período analisado.
A BRF mais uma vez, ao contrário
das demais, teve índices positivos nos três
períodos sendo de 2,9% em 2010,
chegando a 4,6%, o maior entre eles, em
2011, por causa do aumento do lucro
líquido como já citado, e tendo queda para
2,7% em 2012 quando, apesar do baixo
aumento do ativo total, houve queda do
lucro líquido, sendo o responsável mais
uma vez o aumento das despesas
financeiras.
Analisada a Rentabilidade do Ativo,
percebeu-se que a BRF apresentou melhor
retorno sob o investimento total, enquanto
as demais empresas apresentaram prejuízo
sob o ativo pelo menos em dois períodos
dos três selecionados para esta análise,
sendo importante salientar a recuperação
da JBS no último ano.
Finalizando o rol dos Indicadores de
Rentabilidade, tem-se o índice de
Rentabilidade do Patrimônio Líquido, que é
gerado pela relação entre o lucro líquido e
o patrimônio líquido. Para análise desse
índice, observaram-se as variações do
lucro líquido aqui já mencionadas na
análise dos índices de Margem Líquida e de
Rentabilidade do Ativo. Assim, será mais
intensa a tratativa das variações do
patrimônio líquido nesta análise.
Iniciando a análise pela Marfrig, que
em 2010 teve índice de 3,0% em média no
exercício obtido para cada $1 de capital
próprio investido, pode-se observar através
de suas demonstrações contábeis que além
do baixo lucro do período o patrimônio
líquido apresentou um prejuízo acumulado
de R$ 563.144,00. Para o período seguinte,
o mais crítico dentre os analisados,
observou-se vários fatores para justificar o
índice de -22,0%, sendo os seguintes: o
prejuízo destacado na demonstração do
resultado do exercício, o aumento do saldo
negativo em 53,71% na conta prejuízo
acumulado e a apresentação de saldo
negativo na conta ajustes de avaliação
patrimonial. Em 2012 mais uma vez a
empresa teve prejuízo com o resultado do
exercício, sendo este menor em relação ao
período anterior. Com relação ao
patrimônio líquido, é possível notar que,
embora ele tenha sofrido acréscimo em
decorrência do aumento do capital social
realizado, também apontou aumento no
prejuízo acumulado e um aumento de
pouco mais que três vezes no saldo
negativo da conta ajustes de avaliação
patrimonial, o que lhe gerou mais um
índice negativo, sendo ele agora de -5,%.
A JBS, embora tenha apresentado
prejuízo em suas demonstrações do
resultado dos exercícios de 2010 e de
2011, não apresentou em seus balanços
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 66
prejuízo acumulado em nenhum dos
períodos analisados. Assim, no período de
2010 a empresa apresentou um índice de -
1,0%. Este índice seguiu negativo em 2011
chegando ao patamar de -2,0% em
decorrência de um prejuízo ainda maior
que o de 2010 e pelo aumento do
patrimônio líquido, tendo como maior
responsável o aumento em 16,09% do
capital social realizado. No último período
analisado, 2012, a JBS apresentou um
quadro diferente dos demais exercícios,
obtendo o índice de 4,0%, visto que,
diferente dos demais períodos analisados a
mesma gerou lucro e também sofreu
redução em seu patrimônio líquido,
protagonizado principalmente pelo saldo
negativo das reservas de capital.
Quanto à BRF, salienta-se que não
apresentou prejuízo em nenhum dos três
períodos e em seu patrimônio líquido não
foram diagnosticados prejuízos
acumulados. Logo, a companhia atingiu a
marca de 6,0% em 2010 de índice de
Rentabilidade do Patrimônio Líquido.
Partindo para o ano de 2011, no qual se
observou maior lucro líquido entre os
períodos, o índice aumentou para 10,0%,
embora a empresa ainda tenha destacado
um aumento gerado em seu patrimônio
líquido muito em conta da maior
concentração de capital em suas reservas
de lucro. No exercício seguinte, tendo em
vista a queda ocorrida nos lucros em
relação a 2011 e o aumento do patrimônio
líquido, destaca-se mais uma vez as
reservas de lucro que foram fomentas em
22,14% a mais que no período passado, aos
quais levaram a BRF ao mesmo índice de
2010, 6,0%. A BRF, apesar de não ter
apresentado índices expressivos de
Rentabilidade do Patrimônio Líquido, foi a
única a não apresentar índices negativos,
sobretudo por não ter acusado prejuízo em
nenhum dos períodos analisados, tendo o
melhor desempenho neste índice.
Mais uma vez pôde-se observar
como os prejuízos aferidos pela Marfrig e
pela JBS afetaram o rendimento de seus
índices, desta vez o de Rentabilidade do
Patrimônio Líquido, no qual se percebeu
novamente a importância de uma melhor
gestão de custos e de despesas. No que se
refere à BRF, é perceptível o controle de
investimento de capital próprio em relação
aos lucros gerados.
Com a visão geral sob a análise dos
Indicadores de Rentabilidade, pôde-se
perceber a situação preocupante da
Marfrig durante os períodos analisados, em
especial o ano de 2011, o que a credencia
como a menos rentável das três empresas.
A JBS, apesar dos maus resultados em 2010
e 2011, demonstrou reação em 2012. No
que se refere à BRF, esta se mostrou
equilibrada em seus índices, gerando-lhe
retorno positivo durante os três períodos,
sendo esta a de melhor desempenho, a mais
rentável.
Já no que se refere à capacidade das
instituições liquidarem suas dívidas,
voltam-se as atenções aos índices do
Indicador de Liquidez.
Abrindo as análises da situação
financeira, tem-se como ponto de partida
os Indicadores de Liquidez Geral que
apontam o quanto a empresa possui de
ativo circulante mais o realizável a longo
prazo para cada $1 de dívida total (passivo
circulante mais exigível a longo prazo).
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 67
Tabela 2 – Indicadores de Liquidez – Elaboração: 2013
LIQUIDEZ GERAL
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 0,62 0,66 1,02
2011 0,59 0,75 0,99
2012 0,63 0,76 0,95
LIQUIDEZ CORRENTE
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 1,35 1,62 1,76
2011 1,40 1,71 1,39
2012 1,33 1,67 1,55
LIQUIDEZ IMEDIATA
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 56% 43% 59%
2011 52% 51% 34%
2012 41% 47% 34%
LIQUIDEZ SECA
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 103% 115% 139%
2011 102% 119% 106%
2012 98% 122% 115%
Fonte: www.bmfbovespa.com.
Analisando a Marfrig sob a ótica
desse índice, verificou-se que em nenhum
dos períodos o índice chegou a 1,
revelando um cenário desfavorável, haja
vista que em nenhum momento o
montante dos direitos foi maior que o das
obrigações. Como exemplo tem-se o
exercício de 2010 em que o baixo índice
de 0,62 foi alcançado pela empresa
merecendo destaque às dívidas de longo
prazo do ano em questão. No ano seguinte
o índice sofreu uma queda, chegando a seu
pior percentual dentre os três anos
analisados, 0,59, o que foi reflexo do pouco
aumento do ativo circulante e do realizável
a longo prazo. No que diz respeito ao
montante do passivo, notou-se que nem
mesmo a redução das obrigações de curto
prazo foi suficiente para equilibrar o
expressivo aumento no longo prazo
protagonizado em sua maior parte pelo
aumento de 27,91% nos empréstimos e
financiamentos em relação ao ano anterior.
O último exercício refletiu o melhor índice
entre os três analisados, chegando a 0,63
alcançados devido ao crescimento do ativo
circulante e do realizável em longo prazo,
especialmente na conta de tributos
diferidos, enquanto o passivo sofreu
redução dos empréstimos e financiamentos
em longo prazo.
Seguindo os baixos índices da
Marfrig, a JBS também não obteve
patamares elevados de Liquidez Geral,
embora tenham crescido ano após ano. O
primeiro período analisado, 2010, foi o
menor, atingindo o número de 0,66, em
que a exemplo de sua concorrente teve
seus direitos no curto e longo prazos
inferiores às obrigações. No ano seguinte, a
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 68
JBS cresceu em suas disponibilidades
aumentando então seu ativo circulante e
ao mesmo tempo promoveu uma redução
nas obrigações de longo prazo,
melhorando seu índice para 0,75. De 2011
para 2012 o crescimento da Liquidez Geral
foi pouco notada, visto o pequeno salto de
0,75 para 0,76, imagem da melhora
ocorrida especialmente no realizável a
longo prazo.
Ao contrário da JBS, a BRF vem
apresentando índices decrescentes ano a
ano. Entretanto, foi a única a apresentar
em um período um montante de direitos
maior que o de obrigações, o que pode ser
observado no exercício de 2010, quando
este índice foi de 1,02. Em 2011 algumas
alterações em relação a 2010 devem ser
observadas para se entender a queda do
índice para 0,99, como: o crescimento das
obrigações no curto prazo, principalmente
na conta de fornecedores que aumentou
em 23,20%; e os empréstimos e
financiamentos a curto prazo com um
aumento de 35,47%. No último exercício, o
índice seguiu em queda, refletindo o
percentual de 0,95 que se explica pela
redução do realizável em longo prazo em
que os tributos diferidos caíram em
72,42% de 2011 para 2012. Além desta
redução e apesar da diminuição dos
empréstimos e financiamentos em curto
prazo, a BRF aumentou em 35% o saldo
desta mesma conta no longo prazo.
De modo geral, as empresas não
apresentaram uma Liquidez Geral
satisfatória, haja vista apenas a BRF, das
três empresas, em apenas um dos períodos,
ter apresentado capacidade de liquidar
suas dívidas totais com seus ativos, no qual
podendo-se perceber a dependência de
capital de terceiros em todas elas.
No que se refere aos índices de
Liquidez Corrente, no qual se verifica
quanto de ativo circulante as empresas
possuem para cada $1 de dívida de curto
prazo (passivo circulante), o resultado se
mostrou mais positivo em relação à
Liquidez Geral. A Marfrig, empresa que
apresentou os índices mais modestos das
três empresas, encerrou 2010 no patamar
de 1,35, o qual saltou para 1,40 no ano
seguinte, embora o ativo circulante de
2011 tenha reduzido em função das
quedas das contas Disponibilidades e
Créditos, o passivo circulante também
decresceu com a redução das obrigações
trabalhistas e de empréstimos e
financiamentos. No exercício de 2012 a
Marfrig obteve o menor índice de todos os
períodos analisados entre as três
companhias, sendo de 1,33, isso em virtude
principalmente do crescimento das dívidas
trabalhistas, fiscais e de empréstimos e
financiamentos.
De modo geral, a exemplo da
primeira empresa, a JBS também teve
Liquidez Corrente satisfatória se
comparada aos índices de Liquidez Geral.
Em 2010 chegou a 1,62 de Liquidez
Corrente, atingindo seu melhor patamar
em 2011 com 1,71 em virtude do
crescimento das disponibilidades e dos
estoques, mesmo sofrendo com acréscimos
nas contas fornecedores e empréstimos e
financiamentos em relação ao período
anterior. No último ano houve uma
redução desse índice para 1,67. Mesmo
com o aumento da conta Créditos, maior
responsável pelo aumento do ativo
circulante neste período, a JBS seguiu
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 69
aumentando as dívidas com obrigações
trabalhistas, empréstimos e
financiamentos.
Em 2010 a BRF chegou a 1,76 de
Liquidez Corrente, sendo o melhor índice
de todos os períodos das três companhias.
Mas, em 2011 esse número caiu para 1,39,
visto que enquanto o ativo circulante
cresceu 9,92% o passivo circulante
emplacou um incremento de 28,81%,
sendo o maior contribuinte para isso os
empréstimos e financiamentos. A Liquidez
Corrente da BRF reagiu em 2012 atingindo
1,55; em virtude da crescente dos estoques
e dos créditos, o ativo circulante aumentou,
ao passo que o passivo circulante reduziu
tendo como maior causador a redução em
29,30% dos empréstimos e financiamentos
em relação ao ano de 2011.
Utilizando o ativo circulante como
recurso para saldar as dívidas de curto
prazo, as empresas se encontraram em
patamares parecidos, sendo todas capazes
de honrar suas obrigações no curto prazo
nesta condição.
No intuito de descobrir quanto às
empresas possuem imediatamente
disponível para liquidar dívidas de curto
prazo, passa-se a analisar os índices de
Liquidez Imediata, relacionando às
disponibilidades com o passivo circulante.
Com a análise dos índices da Marfrig
obteve-se em 2010 seu melhor percentual
que foi de 56%, não conseguindo repeti-lo
em 2011, descendo ao patamar de 52%,
visto a redução de 10,30% em suas
disponibilidades, enquanto o passivo
circulante reduziu apenas 3,96%. A queda
seguiu em 2012, quando o referido índice
acusou seu pior percentual dos três
períodos, 41%, devido à contínua redução
das disponibilidades, sendo no referido ano
de 8,59%, ao contrário do passivo
circulante com crescimento de 13,19%,
todos em relação a 2011.
A JBS teve seu menor percentual de
Liquidez Imediata em 2010 com 43%
saltando para o maior entre os três
períodos, 51%. O crescimento em 2011 foi
reflexo do aumento das disponibilidades
em 22,95% em relação a 2010, enquanto o
passivo circulante cresceu 9,42% em
relação ao mesmo período. No exercício de
2012, a JBS viu sua Liquidez Imediata
reduzir para 47%, haja vista o aumento de
9,90% das dívidas de curto prazo e de
apenas 1,76% das disponibilidades em
relação ao exercício anterior.
A BRF exibiu em 2010 a maior
Liquidez Imediata dos períodos analisados
entre as empresas, chegando esta liquidez a
59%. Entretanto, nos anos seguintes, 2011
e 2012, a empresa viu este índice cair para
34% nos dois períodos. De 2010 para 2011
as disponibilidades desceram um
percentual de 18,05%, ao passo que as
dívidas de curto prazo subiram 28,81%.
Do período de 2011 para 2012 as
disponibilidades e o passivo circulante
sofreram crescimentos parecidos, sendo de
6,82% para aquelas e de 6,56% para este, o
que não refletiu em alteração à Liquidez
Imediata.
No tocante à Liquidez Imediata, é
importante salientar o crescimento das
dívidas de curto prazo ocorridas na BRF
nos períodos de 2011 e 2012, diminuindo
de forma consistente os percentuais nestes
períodos. Com relação às demais empresas,
observara-se um índice minimamente
equilibrado na JBS e reduções ano a ano na
Marfrig.
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 70
A seguir avalia-se o índice de
Liquidez Seca, em que se vê quanto às
empresas possuem de ativo circulante para
cada $1 de dívida de curto prazo, sem
comprometer os estoques.
Começando pela empresa que
apresentou os índices mais baixos das três
em estudo, a Marfrig gerou no primeiro
período 103% de Liquidez Seca, sendo este
seu melhor percentual nos três anos, haja
vista o efeito decrescente deste índice a
cada ano, como se verá adiante. No
segundo período, 2011, o percentual
reduziu em 1%, chegando aos 102%
devido a maior representação dos estoques
no total do ativo circulante em relação a
2010, embora as dívidas de curto prazo
tenham sofrido redução. Queda um pouco
mais acentuada se constatou com o
percentual de 98% em 2012, ano em que,
como já comentado, apresentou-se
aumento de 13,19% do passivo circulante
em relação a 2011, sendo ainda
importante salientar que este percentual
foi maior que o crescimento da diferença
entre ativo circulante e estoques no mesmo
período, que foi de 9,28%.
Mais uma vez, ao contrário da
Marfrig, a JBS exibiu percentuais
crescentes ano a ano, partindo em 2010
com 115% de Liquidez Seca. Ela chegou ao
final do exercício de 2011 com o índice de
119%, pois o aumento de 9,42% no passivo
circulante não atrapalhou o crescimento,
visto que os estoques foram menos
representativos no ativo circulante em
relação a 2010. Em 2012, com 122% a
companhia em análise chegou ao seu
maior índice nos últimos três anos e, a
exemplo do ano anterior, mesmo tendo
crescimento das dívidas de curto prazo, em
9,90%, a empresa obteve um aumento na
sobra dos ativos circulantes, excluindo
destes os estoques.
A BRF diferente das demais teve uma
oscilação em sua Liquidez Seca entre 2010
e 2012, visto que seu menor índice foi em
2011. O primeiro exercício analisado
mostrou o maior percentual dentre todos
os períodos analisados das empresas em
estudo o qual foi de 139%, sendo reduzido
a 106% em 2011. Apesar da maior sobra
do ativo circulante subtraído do estoque, a
BRF teve ao mesmo tempo aumento em
suas dívidas de curto prazo, destacando-se
os empréstimos e financiamentos com
acréscimo de 35,47%, como já mencionado
na análise de outros índices. A Liquidez
Seca voltou a crescer em 2012, haja vista
uma menor participação dos estoques no
ativo circulante e a redução do passivo
circulante que teve em sua composição
uma redução de 29,30% dos empréstimos e
financiamentos de curto prazo.
Com relação à Liquidez Seca,
observou-se que em todos os períodos as
empresas conseguiriam liquidar suas
dívidas de curto prazo utilizando o ativo
circulante sem os estoques, exceto no
período de 2012 da Marfrig, empresa que
vem piorando este índice a cada período.
Ao observar o quadro geral dos
Indicadores de Liquidez, verifica-se que
todas as empresas em estudo se encontram
desfavoráveis no que diz respeito à
liquidação das dívidas totais, visto os
índices de Liquidez Geral. No que se refere
à liquidação das obrigações de curto prazo,
observou-se que, embora a Marfrig ainda
seja a detentora dos índices mais baixos, é
notável a redução dos índices da BRF em
face do aumento do endividamento no
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 71
curto prazo. A JBS, por sua vez, manteve o
equilíbrio nos índices sem oscilações
expressivas.
Na sequência apresentam-se os
Indicadores de Estrutura de Capital.
Tabela 3 – Indicadores de Estrutura de Capital – Elaboração: 2013
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 4,64 1,35 1,04
2011 5,97 1,20 1,12
2012 4,94 1,33 1,11
ENDIVIDAMENTO FINANCEIRO
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 2,41 1,0 0,53
2011 3,42 0,88 0,57
2012 2,91 0,96 0,65
COMPOSIÇÃO DO INDIVIDAMENTO
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 37,4% 37,5% 40,3%
2011 32,7% 40,3% 50,3%
2012 36,1% 40,7% 46,1%
IMOBILIZAÇÃO DO PL
EMPRESAS MARFRIG JBS BRF
ANO
2010 2,78 1,46 0,98
2011 3,42 1,30 1,01
2012 2,81 1,32 1,06
Fonte: www.bmfbovespa.com.br.
Atentando-se aos índices de
Endividamento Geral, inicia-se mais uma
vez a análise pela Marfrig, que mostrou
índices bem superiores à JBS e à BRF,
apontando em 2010 o endividamento de
geral de 4,64 e o ampliando ao patamar de
5,97 no exercício de 2011. Vale ressaltar
que esse aumento em grande parte ocorreu
devido ao crescimento do passivo não
circulante, em que sua conta de
empréstimos e financiamentos foi afetada
por um aumento de 27,91%. No período de
2012 a Marfrig conseguiu uma pequena
redução deste índice para 4,94, pois,
embora os empréstimos e financiamentos
de curto prazo tenham aumentado em
32,73%, consequentemente aumentando o
passivo circulante, o patrimônio líquido
também cresceu em 20,58%.
A JBS teve seus Indicadores de
Estrutura de Capital posicionados entre os
da Marfrig e os da BRF. Seus índices de
endividamento geral foram melhores que
os da empresa analisada anteriormente,
haja vista, por exemplo, o período de 2010,
quando a empresa chegou a 1,35 de
endividamento geral, e reduzindo-o para
1,20 em 2011 por mérito do aumento do
capital social realizado que auxiliou no
crescimento do patrimônio líquido em
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 72
13,42%. Em 2012, a JBS piorou seu índice
para 1,33, principalmente por ter
fomentado seus empréstimos e
financiamentos a curto e longo prazos.
A BRF obteve os melhores índices de
Endividamento Geral, visto que estes foram
os menores entre as empresas analisadas
nos três anos. Iniciando pelo índice de 1,04
em 2010, a BRF alimentou seus
empréstimos e financiamentos de curto
prazo em 35,47% o que ajudou a
impulsionar este endividamento geral para
1,12 em 2011. Em 2012, apesar de a
empresa reduzir em 29,30%, ela conta que
havia sofrido o aumento no ano anterior e
o índice teve uma redução muito baixa,
ficando em 1,11 no último período.
Com a análise dos índices de
Endividamento Geral pode-se perceber o
protagonismo das contas de empréstimos e
financiamentos de curto e longo prazo.
Assim, direcionam-se os estudos neste
momento às análises de endividamento
financeiro para que se possa perceber
quanto cada empresa tomou de
empréstimos financeiros para cada $1 de
patrimônio líquido.
Com os índices menos favoráveis,
visto que quanto menores melhor, a
Marfrig vem apresentando os maiores
índices de Endividamento Financeiro entre
as três companhias. No período de 2010 a
Marfrig exibiu o índice de 2,41 e finalizou
2011 com 3,42, haja vista o já mencionado
aumento de 27,91% nos empréstimos de
longo prazo auxiliados pela redução do
patrimônio líquido em 14,71%. No
exercício de 2012, a Marfrig conseguiu
reduzir seu endividamento financeiro, pois,
embora tenha crescido em seus
empréstimos de curto prazo, conseguiu
gerar aumento em seu patrimônio líquido
e redução dos empréstimos de longo prazo.
Contemplada com um
Endividamento Financeiro menor que a
Marfrig, a JBS teve esse índice avaliado em
1,0 em 2010, reduzindo-o a 0,88 em
2011, sendo essa redução reflexo do
aumento do patrimônio líquido em
13,42%, já comentado quando analisado o
endividamento geral. Com o crescimento
dos empréstimos de curto e longo prazos e
a redução no patrimônio líquido, o
aumento para 0,96 no endividamento
financeiro em 2012 foi inevitável.
A BRF, com os índices mais brandos
de Endividamento Financeiro, não mostrou
grande oscilação de 2010 para 2011,
quando seus índices foram de 0,53 naquele
e de 0,57 neste. Por sua vez, em 2012,
percebendo-se um aumento de 34,99% em
seus empréstimos e financiamentos de
longo prazo, o endividamento saltou para
0,65.
Podem-se notar índices de
Endividamento Financeiro tanto na JBS
quanto na BRF, sendo estes mais
satisfatórios nesta última. No tocante à
Marfrig, ela mostra índices bem mais
elevados que as demais, indiciando
expressiva dependência de capital de
terceiros.
Sobre o índice de composição do
endividamento, observa-se qual o
percentual de obrigações de curto prazo
em relação às obrigações totais, sendo
desejado o menor percentual possível.
Esse índice foi a única exceção da
Marfrig na análise dos Indicadores de
Estrutura de Capital, pois nos demais a
empresa se mostrou em condição
desfavorável em relação as demais
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 73
empresas. Visualizando os índices,
percebe-se que em 2010 a companhia
apresentava na composição de seu
endividamento 37,4% de suas obrigações
no curto prazo, o que foi ainda melhorado
em 2011 ao percentual de 32,7% quando a
empresa reduziu em 18,10% os
empréstimos e financiamentos de curto
prazo e os aumentou em 27,91% no longo
prazo. Em 2012, o índice aumentou para
36,1%, sendo mais uma vez capitaneado
pelas contas de empréstimos e
financiamentos de curto e longo prazos
gerando, por sua vez aumento no passivo
circulante e redução no não circulante.
A JBS com percentuais maiores que
os da Marfrig vêm crescendo ano após ano
nos índices de composição do
endividamento, permitindo concluir que se
tem dado preferência a dívidas de curto
prazo em vez das de longo prazo. Observa-
se esse crescimento quando se analisa os
percentuais e percebe-se o aumento que
passou o índice de 37,5% em 2010 para
40,3% em 2011, tendo como maior
responsável para isso o crescimento do
passivo circulante, em que os empréstimos
e financiamentos de curto prazo
aumentaram em 7%, enquanto as dívidas
de longo prazo reduziram. No período de
2012 esse índice aumentou em baixa
escala, haja vista o crescimento parecido
entre as dívidas de curto e longo prazo
chegando a 40,7%.
Das três companhias a BRF vem
sendo a que mais prestigia as dívidas de
curto prazo, visto possuir os maiores
percentuais. Do período de 2010 para
2011 a empresa apresentou, nesta análise,
o maior crescimento nesse índice quando
evoluiu de 40,3% a 50,3%. Do período de
2010 para 2011 foi possível ainda notar o
aumento do passivo circulante em 28,81%,
enquanto o passivo não circulante foi
reduzido. Em 2012, com a redução das
dívidas de curto prazo e o aumento das de
longo prazo, esse percentual desceu a
46,1%.
Analisados os índices de
Endividamento Financeiro pôde-se
perceber a preferência do endividamento
no longo prazo da Marfrig em relação às
demais empresas. A BRF, com os maiores
índices, deixou transparente a preferência
em dívidas no curto prazo, contudo é
preciso dar atenção ao comportamento da
JBS neste indicador, haja vista o
crescimento sistemático do endividamento
no curto prazo período a período.
Finalizando os Indicadores de
Estrutura de Capital, ver-se-á a partir deste
ponto a relação entre o ativo permanente
(investimentos, imobilizado e intangível) e
o patrimônio líquido para que se possa
chegar aos índices de Imobilização do
Patrimônio Líquido. Este índice trata da
demonstração de quanto à empresa
aplicou no ativo permanente para cada $1
de seu patrimônio líquido.
A empresa que mais investiu seu
capital próprio em ativos permanentes foi
a Marfrig. Nesta empresa iniciou-se a
análise em 2010 com um índice de 2,78 e
o incrementando para 3,42 em 2011,
período em que se constatou uma redução
de 14,71% do patrimônio líquido e
aumento do ativo permanente em 4,48%
em relação ao período anterior. No último
ano, 2012, a imobilização do patrimônio
líquido reduziu para 2,81, haja vista o
crescimento do patrimônio líquido em
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 74
20,58%, tendo maior expressão neste
aumento o capital social realizado.
A JBS com índices intermediários
entre as outras duas empresas abre a
análise em 2010 com 1,46 de imobilização
do patrimônio líquido, tendo redução deste
para 1,30 em 2011, devido ao aumento em
seu patrimônio líquido de 13,42% em
relação ao exercício anterior. O
crescimento desse índice para 1,32 em
2012 se justifica no percentual de aumento
de 0,93% do ativo permanente e a redução
em 0,83% no patrimônio líquido.
Os menores índices de Imobilização
do Patrimônio Líquido ficaram por conta
da BRF. O período de 2010 foi o que esta
empresa apresentou menor índice, 0,98,
aumentando para 1,01 em 2011 com o
crescimento de 6,15% no ativo permanente
contra os 3,36% de seu patrimônio líquido
em relação a 2010. No último período a
imobilização do capital próprio chegou a
1,06, visto o crescimento de 8,11% do ativo
permanente em relação a 2011 e de
apenas 3,20% no patrimônio líquido em
relação ao mesmo período.
Em vista da análise da Imobilização
do Patrimônio Líquido percebeu-se os
maiores índices presentes na Marfrig,
enquanto a JBS e a BRF mantêm baixo
comprometimento do capital próprio em
ativos permanentes.
Analisando de modo geral os índices
dos Indicadores de Estrutura de Capital,
pôde-se observar que a Marfrig é a
detentora dos maiores índices e a BRF dos
menores, exceto no que diz respeito aos
índices de composição do endividamento,
em que as situações se invertem. Assim,
percebeu-se que a BRF se endivida mais em
curto prazo ao passo que a Marfrig
concentra a maioria de suas dívidas no
longo prazo. Ainda foi possível notar que
as empresas JBS e BRF possuem
endividamentos homogêneos, sem grandes
oscilações, o que difere da realidade da
Marfrig a qual, além do endividamento
acentuado, apresenta desenvolvimento
irregular dos índices.
5.1 ANÁLISES DOS FATORES DE
INSOLVÊNCIA
A fim de analisar a possibilidade de
falência das três empresas utilizou-se o
modelo dos Fatores de Insolvência
desenvolvido pelo professor Stephen C.
Kanitz (ano). O Fator de Insolvência,
segundo a teoria do autor anteriormente
citado, pode ser encontrado pela fórmula
(X1+X2+X3-X4-X5), em que X1 será o
índice de rentabilidade do patrimônio
líquido multiplicado por 0,05, X2 é
representado pela multiplicação do índice
de liquidez geral a 1,65, X3 será o produto
da multiplicação entre o índice de liquidez
seca e 1,35, X4 o produto da liquidez
corrente vezes 1,06 e X5 a multiplicação
entre a participação de capital de terceiros
(endividamento geral) e 0,33. A avaliação
dos resultados encontrados pode ser
analisada de três formas, como o
representado esquematicamente no quadro
04 a seguir:
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 75
Quadro 4 – Avaliação dos Resultados dos Fatores de Insolvência
0 a 7
0 a -3
-3 a -7
RESULTADOS
Intervalo de Solvência (reduzidas possibilidades de falência)
Zona de "Penumbra" (situação Indefinida)
Zona de Insolvência ( Propensão a Falência)
Fonte: Adaptado de Kanitz
Com o entendimento do cálculo dos
Fatores de Insolvência e seus possíveis
resultados, passa-se a análise de cada
empresa durante os períodos de 2010,
2011 e 2012, começando pela Marfrig que
gerou os seguintes resultados
demonstrados na tabela 4 abaixo:
Tabela 4 – Fatores de Insolvência – Marfrig
2010 2011 2012
X1 0,001747332 -0,010919 -0,002709
X2 1,015 0,982 1,046
X3 1,389 1,382 1,323
X4 1,434 1,487 1,411
X5 1,530 1,969 1,632
-0,6 -1,1 -0,7
FATOR DE INSOLVÊNCIA
RENTABILIDADE DO PL X 0,05
LIQUIDEZ SECA X 1,35
LIQUIDEZ GERAL X 1,65
LIQUIDEZ CORRENTE X 1,06
PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS X 0,33
RESULTADO (X1+X2+X3-X4-X5)
PERÍODO
Fonte: Dados da Tabela 1, Tabela 2 e Tabela 3.
A Marfrig apresentou resultados que
requerem atenção, haja vista a
permanência na “zona de penumbra” nos
últimos três anos.
Situação diferente é vista na JBS, pois
além de ter reduzidas possibilidades de
falência, a empresa vem melhorando
gradualmente este índice ano após ano
como se pode observar.
Tal progresso rumo ao solidificação
da solvência pode ser percebido na tabela
5 a seguir.
Tabela 5 – Fatores de Insolvência – JBS
2010 2011 2012
X1 -0,001 -0,001 0,002
X2 1,095 1,238 1,249
X3 1,549 1,610 1,645
X4 1,720 1,815 1,768
X5 0,446 0,397 0,439
0,5 0,6 0,7
PERÍODO
RENTABILIDADE DO PL X 0,05
LIQUIDEZ GERAL X 1,65
LIQUIDEZ SECA X 1,35
PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS X 0,33
RESULTADO (X1+X2+X3-X4-X5)
FATOR DE INSOLVÊNCIA
LIQUIDEZ CORRENTE X 1,06
Fonte: Dados da Tabela 1, Tabela 2 e Tabela 3.
A BRF, apesar de apresentar os
melhores resultados e se encontrar com
reduzida possibilidade de falência (assim
como a JBS), tem seus resultados
representados por índices decrescentes a
cada ano, o que deve ser tratado
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 76
criteriosamente, de forma a manter
intervalo de solvência. Para melhor
compreensão do desempenho do Fator de
Insolvência da BRF observa-se a tabela 6 a
seguir.
Tabela 6 – Fatores de Insolvência – BRF
2010 2011 2012
X1 0,003 0,005 0,003
X2 1,686 1,640 1,560
X3 1,872 1,427 1,550
X4 1,868 1,476 1,646
X5 0,342 0,371 0,367
1,4 1,2 1,1
LIQUIDEZ SECA X 1,35
FATOR DE INSOLVÊNCIA
PERÍODO
LIQUIDEZ CORRENTE X 1,06
PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS X 0,33
RESULTADO (X1+X2+X3-X4-X5)
RENTABILIDADE DO PL X 0,05
LIQUIDEZ GERAL X 1,65
Fonte: Dados da Tabela 1, Tabela 2 e Tabela 3.
6 CONCLUSÕES E SUGESTÕES
A pesquisa teve como objetivo geral
analisar os indicadores econômico-
financeiros durante os exercícios de 2010
a 2012 das companhias Marfrig, JBS e RBF,
componentes do setor de carnes do Brasil,
que sofreram fusão/incorporação no final
do ano de 2009, período em que a
economia mundial lutava contra uma forte
crise econômica.
Os resultados mostraram que a
respeito dos Indicadores de Rentabilidade,
a JBS, com relação ao Giro do Ativo, foi a
empresa que alcançou a melhor
produtividade. Embora tenha obtido
resultados positivos no Giro do Ativo, a JBS
juntou-se à Marfrig nos resultados
negativos nos demais índices de
Rentabilidade, visto o deficiente
gerenciamento dos custos e despesas destas
empresas, comprometendo assim o lucro
líquido. A BRF, por sua vez, vem sendo a
exceção neste indicador, mostrando
equilíbrio em sua Rentabilidade,
ressalvados os resultados adquiridos no
Giro do Ativo, em que, contudo,
demonstraram melhorias a cada período.
Com os resultados observados dos
Indicadores de Liquidez, concluiu-se que a
Marfrig foi a empresa a apresentar maior
deficiência nos índices de Liquidez,
retratando o desequilíbrio entre os ativos e
passivos desta empresa. Em contra partida
as empresas JBS e BRF exibem Indicadores
de Liquidez satisfatórios, porém, é cabível a
observação a que se refere à Liquidez
Geral, ponto que deve ser tratado pelas
empresas visando melhorias futuras na
capacidade delas liquidarem suas dívidas
com maior facilidade e velocidade.
Concluiu-se ainda com a análise dos
Indicadores de Estrutura de Capital que a
Marfrig é a empresa a qual mostra uma
condição preocupante no tocante ao seu
endividamento, principalmente no que se
retrata no Endividamento Geral e no
Endividamento Financeiro, deixando
transparecer sua extrema dependência do
capital de terceiros. Ao contrário do
apresentado pela Marfrig, a JBS e a BRF
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 77
demonstraram equilíbrio e controle em
seus índices de endividamento.
Com a conclusão das análises, pode-
se observar a diferença de estratégias entre
as incorporações ocorridas pela Marfrig e
pela JBS. A Marfrig incorporando-se a
Seara, visou ampliar sua atuação no
mercado em que já atuava apostando assim
na força da marca Seara em nível mundial,
especialmente na divulgação desta através
de patrocínios esportivos como no Santos
Futebol Clube, na Seleção Brasileira de
Futebol, na Copa América de 2011 e da
Copa do Mundo FIFA 2014. Essa estratégia
não se tem mostrado interessante visto que
seus indicadores não apresentam índices
desejáveis e refletem pioras a cada período
em muitos deles.
A JBS, com a incorporação, visou a
ampliação de áreas de atuação, permitindo
a companhia atuar em mercados e com
produtos diferentes dos que atuava, o que
já havia ocorrido com a incorporação da
Pilgrim’s Pride com o propósito de
ingressar no segmento de frangos, repetiu-
se incorporando a Bertin para a entrada no
segmento de lácteos e biodiesel. Pôde-se
perceber que do período entre 2010 a
2012 a empresa melhorou vários de seus
indicadores chamando a atenção para o
crescimento periódico de seu Giro do
Ativo, sendo inclusive bem mais positivo
que nas demais empresas analisadas, haja
vista seu maior raio de atuação e com
maior gama de produtos.
A BRF diferentemente da Marfrig e
da JBS, nasceu da fusão entre dois grupos
renomados, Sadia e Perdigão, com o
propósito de unir forças e ampliar suas
atuações principalmente no mercado
internacional, o que em 2012 a fez
responsável por 9% das exportações
mundiais de proteína animal. A BRF foi
constituída sob o conceito de excelência de
gestão, que vem promovendo índices
positivos à companhia, haja vista seu
equilíbrio econômico-financeiro,
ressalvados seus índices de Liquidez Geral,
que acusam quedas periódicas,
impossibilitando-a de liquidar suas dívidas
totais.
De modo geral, pode-se perceber a
necessidade de medidas corretivas na
Marfrig visando à redução do
endividamento, e o equilíbrio entre seus
direitos realizáveis e suas exigibilidades em
busca de melhoramentos para geração de
lucro líquido satisfatório. A JBS aponta
melhoramento a cada período mostrando
conseguir sanar suas deficiências a cada
exercício e a BRF espelha bom
gerenciamento e controle de suas
atividades, mas demonstrou pequena
redução em alguns indicadores, o que
merece ser observado para ser mantida
esta harmonia.
Este trabalho trouxe como maiores
desafios: a seleção de empresas do mesmo
setor que vivenciassem a mesma estratégia
e no mesmo período, o estudo das extensas
demonstrações contábeis e a seleção da
melhor doutrina na elaboração dos
indicadores, visto a diferença do
posicionamento de alguns dos autores a
respeito dos indicadores.
Em fim, observando a amplitude que
o tema demonstra, sugere-se estudos a
respeito das análises econômico-
financeiras comparando o desempenho de
fusões entre empresas de setores diferentes
a fim de avaliar em qual setor a fusão foi
mais benéfica.
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 78
REFERÊNCIAS
ASSAF NETO, A. Estrutura e análise de balanços. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2008. ______.
Finanças corporativas. São Paulo: Atlas, 2003.
BRAGA, H. R. Demonstrações contábeis: estrutura, análise e interpretação. 5. ed. São Paulo :
Atlas, 2003.
BRIGHAM, E. F. Fundamentos da moderna administração financeira. Tradução de Maria
Imilda da Costa e Silva. Rio de Janeiro: Campus, 1999.
FRANCO, H. Estrutura, análise e interpretação de balanços: de acordo com a nova lei das S.A.,
Lei nº 6.404, de 15-12-1976 15. ed. São Paulo : Atlas, 1989.
WESTON, J. F.; BRIGHAM, E. Fundamentos da administração financeira. 10. ed. São Paulo:
Pearson Education do Brasil, 2000
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa 5. ed. São Paulo : Atlas, 2010.
HERRMANN JÚNIOR, F. Análise de balanços para a administração financeira: (análise
econômica e financeira das empresas). São Paulo: Atlas, 2004.
IUDÍCIBUS, S. Análise de balanços 7. ed. São Paulo : Atlas, 1998.
GITMAN, L. Princípios de administração financeira. 10. ed. São Paulo: Pearson Addison
Wesley, 2004.
KANITZ, S. C. Como prever falências, artigo publicado na Revista Exame 12/1974
MARION, J. C. Análise das demonstrações contábeis. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2005.
MATARAZZO, D. C. Análise financeira de balanços: abordagem básicae gerencial/ Dante
Carmine Matarazzo. 6. ed. São Paulo : Atlas, 2007.
PADOVEZE, C. L. Introdução à administração financeira. São Paulo: Pioneira Thomson
Learning, 2005.
REIS, A. C. de R. Demonstrações contábeis: estrutura e análise. São Paulo: Saraiva, 2003.
RIBEIRO, O. M. Estruturae análise de balanços fácil. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.
ROSS, S. A. Administração Financeira; tradução Antônio Zoratto Sanvicente. 2. ed. São Paulo :
Atlas, 2010.
SAMPIERI, R. H. Metodologia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.
SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez,
2007.
SILVA, J. P. Análise financeira das empresas. 11 ed. São Paulo: Atlas, 2012.
ROOS, S. D.; WESTERFIELD,R.; JAFFE, J. Administração financeira. 2. ed. São Paulo: Atlas,
2002.
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 79
APÊNDICE A - BALANÇO PATRIMONIAL – MARFRIG
Balanço patrimonial – MARFRIG
Período 2012 2011 2010 Período 2012 2011 2010
AtivoTotal 25.589.454 23.823.441 22.599.586 PassivoTotal 25.589.454 23.823.441 22.599.586
AtivoCirculante 10.234.652 9.359.113 9.400.239 PassivoCirculante 7.687.320 6.673.099 6.948.559
Disponibilidades 3.178.194 3.476.960 3.876.356 Fornecedores 2.580.227 2.783.120 2.310.763
Créditos 1.793.315 1.302.906 1.361.945 EmpréstimoseFinanciamentos 3.741.780 2.517.245 3.073.579
Estoques 2.703.732 2.526.827 2.249.314 Outras Obrigações 1.365.313 1.372.734 1.564.217
Outros 2.559.411 2.052.420 1.912.624
AtivoNãoCirculante 15.354.802 14.464.328 13.199.347 PassivoNãoCirculante 17.902.134 17.150.342 15.651.027
AtivoRealizávelaLP 15.354.802 14.464.328 13.199.347 PassivoExigívelaLP 13.597.042 13.731.128 11.642.286
Outros 3.261.150 2.781.092 2.039.469 Empréstimos eFinanciamentos 8.786.467 9.162.817 6.605.437
Investimentos 11.107 13.195 10.040 OutrasObrigações 4.810.575 4.568.311 5.036.849
Imobilizado 8.010.620 7.315.085 6.963.142
Intangível 4.071.925 4.354.956 4.186.696 PatrimônioLíquido 4.305.092 3.419.214 4.008.741
BALANÇO PATRIMONIAL-MARFRIG
Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013)
APÊNDICE B - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO – MARFRIG
Demonstração do resultado do exercício - MARFRIG
Descrição da Conta 2012 2011 2010
Receita Líquida de Vendas e/ou Serviços 23.726.394 21.014.111 15.878.469
Custo de Bens e/ou Serviços Vendidos -20.167.234 -18.032.316 -13.277.024
Resultado Bruto 3.559.160 2.981.795 2.601.445
Despesas/Receitas Operacionais -2.397.534 -2.001.198 -1.725.703
Com Vendas -1.736.934 -1.485.370 -1.407.500
Gerais e Administrativas -783.737 -684.553 -562.688
Outras Receitas Operacionais 122.468 168.725 244.485
Resultado de Equivalência Patrimonial 669 0 0
LAJIR 1.161.626 980.597 875.742
Financeiras -2.081.394 -2.300.684 -1.147.242
LAIR -919.768 -1.320.087 -271.500
Provisão para IR e Contribuição Social 430.215 543.274 411.592
Resultado Líq. das Oper. Descontinuadas 256.322 30.130 0
Lucro/Prejuízo do Período -233.231 -746.683 140.092
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO - MARFRIG
Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013)
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 80
APÊNDICE C – BALANÇO PATRIMONIAL – JBS
Balanço Patrimonial - JBS
Período 2012 2011 2010 Período 2012 2011 2010
AtivoTotal 49.613.232 47.279.851 43.727.794 PassivoTotal 49.613.232 47.279.851 43.727.794
Ativo Circulante 19.240.438 17.800.248 15.280.243 Passivo Circulante 11.537.573 10.395.699 9.416.485
Disponibilidades 5.383.087 5.288.194 4.074.574 Fornecedores 3.564.270 3.323.886 2.962.395
Créditos 5.688.648 4.679.846 4.036.104 Empréstimose Financiamentos 6.098.898 5.339.433 4.966.198
Estoques 5.182.187 5.405.705 4.476.934 OutrasObrigações 1.874.405 1.732.380 1.487.892
Outros 2.986.516 2.426.503 2.692.631
AtivoNãoCirculante 30.372.794 29.479.603 28.447.551 PassivoNãoCirculante 38.075.659 36.884.152 34.311.309
Ativo Realizável a LP 30.372.794 29.479.603 28.447.551 Passivo Exigível a LP 16.785.314 15.415.997 15.724.285
Outros 2.198.322 1.568.270 1.397.851 EmpréstimoseFinanciamentos 14.390.046 13.532.761 13.679.368
Investimentos 258.620 0 0 OutrasObrigações 2.395.268 1.883.236 2.044.917
Imobilizado 16.207.640 15.378.714 14.624.201
Intangível 11.708.212 12.532.619 12.425.499 Patrimônio Líquido 21.290.345 21.468.155 18.587.024
Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013)
APÊNDICE D - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO – JBS
Demonstração do resultado do exercício – JBS
Descrição da Conta 2012 2011 2010
Receita Líquida de Vendas e/ou Serviços 75.696.710 61.796.761 54.712.832
Custo de Bens e/ou Serviços Vendidos -67.006.886 -55.100.207 -47.994.792
Resultado Bruto 8.689.824 6.696.554 6.718.040
Despesas/Receitas Operacionais -5.969.295 -4.915.934 -4.436.449
Com Vendas -3.877.714 -3.144.069 -2.627.201
Gerais e Administrativas -2.057.415 -1.739.198 -1.641.024
Outras Despesas Operacionais -35.002 -32.667 -168.224
Resultado de Equivalência Patrimonial 836 0 0
LAJIR 2.720.529 1.780.620 2.281.591
Financeiras -1.338.243 -2.010.728 -2.223.021
LAIR 1.382.286 -230.108 58.570
Provisão para IR e Contribuição Social -619.396 -92.777 -325.428
Resultado Líq. das Oper. Descontinuadas 0 0 12.246
Lucro/Prejuízo do Período 762.890 -322.885 -254.612
Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013)
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 81
APÊNDICE E - BALANÇO PATRIMONIAL – BRF
Balanço patrimonial – BRF
Período 2012 2011 2010 Período 2012 2011 2010
AtivoTotal 30.772 29,983,456 27,751,547 PassivoTotal 30.772.248 29.983.456 27.751.547
AtivoCirculante 11,589,980 11,123,751 10,020,699 PassivoCirculante 7.464.218 7.987.829 5.686.384
Disponibilidades 2.552.601 2.739.514 3.343.018 Fornecedores 3.381.246 2.681.343 2.059.196
Créditos 3.208.619 3.264.748 2.606.696 EmpréstimoseFinanciamentos 2.440.782 3.452.477 2.227.713
Estoques 3.018.576 2.679.211 2.135.809 OutrasObrigações 1.642.190 1.854.009 1.399.475
Outros 2,810,184 2,440,278 1,935,176
AtivoNãoCirculante 19.182.268 18.859.705 17.730.848 PassivoNãoCirculante 23.308.030 21.995.627 22.065.163
AtivoRealizávelaLP 19.182.268 18.859.705 17.730.848 PassivoExigívelaLP 8.731.990 7.885.710 8.428.645
Outros 3.723.249 4.654.837 4.399.259 EmpréstimoseFinanciamentos 7.077.539 4.601.053 4.975.226
Investimentos 36.658 20.399 17.494 OutrasObrigações 1.654.451 3.284.657 3.453.419
Imobilizado 10.670.700 9.798.370 9.066.831
Intangível 4.751.661 4.386.099 4.247.264 PatrimônioLíquido 14.576.040 14.109.917 13.636.518
Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013)
APÊNDICE F - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO – BRF
Demonstração do resultado do exercício – BRF
Descrição da Conta 2012 2011 2010
Receita Líquida de Vendas e/ou Serviços 28.517.383 25.706.238 22.681.253
Custo de Bens e/ou Serviços Vendidos -22.063.563 -19.046.963 -16.951.152
Resultado Bruto 6.453.820 6.659.275 5.730.101
Despesas/Receitas Operacionais -5.064.905 -4.658.146 -4.245.521
Com Vendas -4.317.304 -3.837.537 -3.523.073
Gerais e Administrativas -388.930 -426.872 -332.882
Outras Receitas Operacionais 201.628 343.104 107.496
Outras Despesas Operacionais -582.737 -745.819 -501.397
Resultado de Equivalência Patrimonial 22.438 8.978 4.335
LAJIR 1.388.915 2.001.129 1.484.580
Financeiras -570.602 -479.523 -483.126
LAIR 818.313 1.521.606 1.001.454
Provisão para IR e Contribuição Social 2.354 -156.517 -196.458
Lucro/Prejuízo do Período 820.667 1.365.089 804.996
Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013)
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 82
APENDICE G – GRÁFICOS COMPARATIVOS DOS INDICADORES DE RENTABILIDADE
Gráfico 1 – Indicadores de Rentabilidade – Giro do Ativo
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
Gráfico 2 – Indicadores de Rentabilidade – Margem Líquida
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
Gráfico 3 – Indicadores de Rentabilidade – Rentabilidade do Ativo
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
Gráfico 4 – Indicadores de Rentabilidade – Rentabilidade do PL
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
0,70
0,88 0,93
1,25 1,31
1,53
0,82 0,86 0,93
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
0,9%
-3,6%
-1,0%-0,5% -0,5%
1,0%
3,5%
5,3%
2,9%
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
0,6%
-3,1%
-0,9%-0,6% -0,7%
1,5%
2,9%
4,6%
2,7%
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
0,03
-0,22
-0,05
-0,01 -0,02
0,040,06
0,10
0,06
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 83
APENDICE H – GRÁFICOS COMPARATIVOS DOS INDICADORES DE LIQUIDEZ
Gráfico 5 – Indicadores de Liquidez – Liquidez Geral
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
Gráfico 6 – Indicadores de Liquidez – Liquidez Corrente
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
Gráfico 7 – Indicadores de Liquidez – Liquidez Imediata
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
Gráfico 8 – Indicadores de Liquidez – Liquidez Seca
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
0,62 0,59 0,630,66 0,75 0,76
1,02 0,99 0,95
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
1,35 1,40 1,33
1,62 1,71 1,671,76
1,39
1,55
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
1,35 1,40 1,33
1,62 1,71 1,671,76
1,39
1,55
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
103% 102% 98%
115% 119% 122%
139%
106%
115%
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes...
Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 84
APENDICE I – GRÁFICOS COMPARATIVOS DOS INDICADORES
DE ESTRUTURA DE CAPITAL
Gráfico 9 – Indicadores de Estrutura de Capital – Endividamento Geral
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
Gráfico 10 – Indicadores de Estrutura de Capital – Endividamento Financeiro
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
Gráfico 11 – Indicadores de Estrutura de Capital – Composição do Endividamento
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
Gráfico 12 – Indicadores de Estrutura de Capital – Imobilização do PL
Fonte: Bovespa – Elaboração (2013)
4,64
5,97
4,94
1,35 1,20 1,331,04 1,12 1,11
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
2,41
3,42
2,91
1,00 0,88 0,96
0,53 0,57 0,65
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
37,4%
32,7% 36,1%37,5% 40,3% 40,7%40,3%
50,3%
46,1%
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF
2,78
3,42
2,81
1,46 1,30 1,32
0,98 1,01 1,06
2010 2011 2012
MARFRIG
JBS
BRF

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Balancos analise financeira
Balancos analise financeiraBalancos analise financeira
Balancos analise financeira
admcontabil
 
Cap 03 demonstracoes.financeiras
Cap 03 demonstracoes.financeirasCap 03 demonstracoes.financeiras
Cap 03 demonstracoes.financeiras
capitulocontabil
 
Apostila i analise de balancos
Apostila i   analise de balancosApostila i   analise de balancos
Apostila i analise de balancos
zeramento contabil
 
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia ...
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia  ...Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia  ...
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia ...
Delza
 
Apostila de orçamento e contabilidade pública
Apostila de orçamento e contabilidade públicaApostila de orçamento e contabilidade pública
Apostila de orçamento e contabilidade pública
zeramento contabil
 
Balanço de Fontes e Aplicações de Fundos
Balanço de Fontes e Aplicações de FundosBalanço de Fontes e Aplicações de Fundos
Balanço de Fontes e Aplicações de Fundos
Martinho Doce
 
Demonstracões e balanços
Demonstracões e balançosDemonstracões e balanços
Demonstracões e balanços
ctidigital
 
Analise das demonstr finance
Analise das demonstr financeAnalise das demonstr finance
Analise das demonstr finance
apostilacontabil
 

Mais procurados (19)

001 capitulo 01 - o que é analise das demonstracoes financeiras
001   capitulo 01 - o que é analise das demonstracoes financeiras001   capitulo 01 - o que é analise das demonstracoes financeiras
001 capitulo 01 - o que é analise das demonstracoes financeiras
 
Balancos analise financeira
Balancos analise financeiraBalancos analise financeira
Balancos analise financeira
 
Cap 03 demonstracoes.financeiras
Cap 03 demonstracoes.financeirasCap 03 demonstracoes.financeiras
Cap 03 demonstracoes.financeiras
 
Curso de contabilidade cap. 1
Curso de contabilidade   cap. 1Curso de contabilidade   cap. 1
Curso de contabilidade cap. 1
 
A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...
A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...
A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...
 
Análise de Balanços
Análise de BalançosAnálise de Balanços
Análise de Balanços
 
DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA VERSUS DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE...
DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA VERSUS DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE...DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA VERSUS DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE...
DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA VERSUS DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE...
 
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
 
Aula fiscal 01 apostila
Aula fiscal 01   apostilaAula fiscal 01   apostila
Aula fiscal 01 apostila
 
Apostila i analise de balancos
Apostila i   analise de balancosApostila i   analise de balancos
Apostila i analise de balancos
 
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia ...
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia  ...Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia  ...
Uma investigação do perfil financeiro da companhia de eletricidade da bahia ...
 
Análise financeira de empresas
Análise financeira de empresasAnálise financeira de empresas
Análise financeira de empresas
 
Quanto Investir em 2021
Quanto Investir em 2021Quanto Investir em 2021
Quanto Investir em 2021
 
Apostila de orçamento e contabilidade pública
Apostila de orçamento e contabilidade públicaApostila de orçamento e contabilidade pública
Apostila de orçamento e contabilidade pública
 
Balanço de Fontes e Aplicações de Fundos
Balanço de Fontes e Aplicações de FundosBalanço de Fontes e Aplicações de Fundos
Balanço de Fontes e Aplicações de Fundos
 
Apostila controladoria 1
Apostila controladoria 1Apostila controladoria 1
Apostila controladoria 1
 
Demonstracões e balanços
Demonstracões e balançosDemonstracões e balanços
Demonstracões e balanços
 
Analise das demonstr finance
Analise das demonstr financeAnalise das demonstr finance
Analise das demonstr finance
 
CapíTulo 2
CapíTulo 2CapíTulo 2
CapíTulo 2
 

Semelhante a ANÁLISE DE FUSÕES/INCORPORAÇÕES: UM ESTUDO NO SETOR DE CARNES E DERIVADOS NO BRASIL, PERÍODO DE 2010 A 2012.Trabalho 2015 felipe_graça e souza neto

02 análise por meio..
02 análise por meio..02 análise por meio..
02 análise por meio..
acmartins9
 
Apresentação de Nelito Maia e Ntoya.pptxh
Apresentação de Nelito Maia  e Ntoya.pptxhApresentação de Nelito Maia  e Ntoya.pptxh
Apresentação de Nelito Maia e Ntoya.pptxh
JoaoNelito
 
Cursooo modulo 2
Cursooo modulo 2Cursooo modulo 2
Cursooo modulo 2
consulte
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1
joseesade
 
A retenção de lucros como forma de financiamento de investimentos: O Caso Val...
A retenção de lucros como forma de financiamento de investimentos: O Caso Val...A retenção de lucros como forma de financiamento de investimentos: O Caso Val...
A retenção de lucros como forma de financiamento de investimentos: O Caso Val...
Paulo Jose
 

Semelhante a ANÁLISE DE FUSÕES/INCORPORAÇÕES: UM ESTUDO NO SETOR DE CARNES E DERIVADOS NO BRASIL, PERÍODO DE 2010 A 2012.Trabalho 2015 felipe_graça e souza neto (20)

02 análise por meio..
02 análise por meio..02 análise por meio..
02 análise por meio..
 
Contabilidade para nao_contadores
Contabilidade para nao_contadoresContabilidade para nao_contadores
Contabilidade para nao_contadores
 
Análise de fusões paper 2015.1
Análise de fusões paper 2015.1Análise de fusões paper 2015.1
Análise de fusões paper 2015.1
 
Apresentação de Nelito Maia e Ntoya.pptxh
Apresentação de Nelito Maia  e Ntoya.pptxhApresentação de Nelito Maia  e Ntoya.pptxh
Apresentação de Nelito Maia e Ntoya.pptxh
 
Cursooo modulo 2
Cursooo modulo 2Cursooo modulo 2
Cursooo modulo 2
 
Administração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises Bagagi
Administração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises BagagiAdministração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises Bagagi
Administração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises Bagagi
 
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiaoAps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1
 
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilísticaContabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
 
A retenção de lucros como forma de financiamento de investimentos: O Caso Val...
A retenção de lucros como forma de financiamento de investimentos: O Caso Val...A retenção de lucros como forma de financiamento de investimentos: O Caso Val...
A retenção de lucros como forma de financiamento de investimentos: O Caso Val...
 
Gestão de Custos no Processo de Recuperação Judical de Empresas
Gestão de Custos no Processo de  Recuperação Judical de EmpresasGestão de Custos no Processo de  Recuperação Judical de Empresas
Gestão de Custos no Processo de Recuperação Judical de Empresas
 
Apostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdfApostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdf
 
Apostila contab internacional
Apostila contab internacionalApostila contab internacional
Apostila contab internacional
 
Análise das demonstrações contábeis - Aula.pptx
Análise das demonstrações contábeis - Aula.pptxAnálise das demonstrações contábeis - Aula.pptx
Análise das demonstrações contábeis - Aula.pptx
 
MasterclassV_AnaliseFinanceiranaGestaoEmpresarial.pdf
MasterclassV_AnaliseFinanceiranaGestaoEmpresarial.pdfMasterclassV_AnaliseFinanceiranaGestaoEmpresarial.pdf
MasterclassV_AnaliseFinanceiranaGestaoEmpresarial.pdf
 
Gesta_o_Financeira.docx
Gesta_o_Financeira.docxGesta_o_Financeira.docx
Gesta_o_Financeira.docx
 
Contabilidade Internacional
Contabilidade InternacionalContabilidade Internacional
Contabilidade Internacional
 
Analise+das+demonstrações+financeiras
Analise+das+demonstrações+financeirasAnalise+das+demonstrações+financeiras
Analise+das+demonstrações+financeiras
 
A importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacionalA importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacional
 
Artigo USP.pdf
Artigo USP.pdfArtigo USP.pdf
Artigo USP.pdf
 

ANÁLISE DE FUSÕES/INCORPORAÇÕES: UM ESTUDO NO SETOR DE CARNES E DERIVADOS NO BRASIL, PERÍODO DE 2010 A 2012.Trabalho 2015 felipe_graça e souza neto

  • 1. Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 51 ANÁLISE DE FUSÕES/INCORPORAÇÕES: UM ESTUDO NO SETOR DE CARNES E DERIVADOS NO BRASIL, PERÍODO DE 2010 A 2012. RESUMO É realizada uma análise econômica e financeira das empresas do setor de carnes e derivados do Brasil que sofreram fusão/incorporação em 2009, verificando os principais indicadores econômico-financeiros de 2010 a 2012. O estudo considerou aspectos referentes à rentabilidade, liquidez e estrutura de capital. A pesquisa realiza um estudo comparativo da situação das companhias a partir das demonstrações contábeis. Os resultados apontaram que nos índices de rentabilidade a BRF apresentou melhores resultados em todos os indicadores. A divergência observada refere-se a melhores resultados obtidos pela JBS no giro do ativo, com a obtenção de maior produtividade. Os índices de liquidez não foram satisfatórios no tocante à liquidez geral, apresentando uma média abaixo de $1 em praticamente todas as empresas em todos os períodos, significando que as empresas não tinham dinheiro suficiente para honrar suas dívidas totais. O endividamento observado pela estrutura de capital apresentou-se com índices elevados na Marfrig, comprometendo o capital próprio, sendo este equilibrado na JBS e na BRF. Palavras-chave: Setorde carnes e derivados. Indic adores econômico-financeiros. ABSTRACT It held an economic and financial analysis of companies in the meat sector and meat products from Brazil who suffered fusion/takeover in 2009, checking the main economic and financial indicators for 2010-2012. The study considered issues relating to the profitability, liquidity and capital structure. The research performs a comparative study of the situation of the companies from the financial statements. The results showed that the profitability ratios observed that BRF showed better results in all indicators. The divergence observed refers to the best results obtained by JBS in asset turnover, with achieving higher productivity. The liquidity ratios were not satisfactory, as regards the general liquidity with an average below $ 1 in virtually every company in every period, which means that companies do not have enough money to pay its total debts. The indebtedness observed by capital structure presented with high levels in Marfrig committing capital, which is balanced on JBS and BRF. Keywords: Meat sector and meat products. Economic and Financial Indicators. 1
  • 2. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 52 1 INTRODUÇÃO Durante muito tempo a contabilidade teve suas informações analisadas, predominantemente, pelo caráter tributário. Não obstante, fatores como a globalização e a forte concorrência das empresas, tanto no mercado interno como no externo, vêm fazendo com que essas informações contábeis tenham valores além do caráter fiscal, alcançando assim um patamar importante nas tomadas de decisões. A contabilidade representa uma das principais fontes de informação para que as organizações tomem decisões com maior grau de eficiência e eficácia através de seu corpo administrativo. Para que isso seja possível, é necessária a utilização das informações econômico-financeiras extraídas das demonstrações contábeis traduzidas em indicadores, que serão, por sua vez, o espelho do desempenho da empresa. Durante a crise econômica mundial, que alcançou seu ápice nos períodos de 2008 e 2009, várias fusões e incorporações ocorreram em diversos setores da economia, encontrando-se entre eles o setor de carnes e derivados, no qual se percebeu a adoção dessas medidas por empresas de expressão neste setor. Com a percepção desse cenário, surge o seguinte questionamento: “Qual o quadro econômico-financeiro dessas empresas a partir das alterações estruturais?” Assim, a partir desse contexto, o presente trabalho aborda a análise econômico-financeira da fusão empresarial ocorrida entre a Sadia e a Perdigão, formando a BRF Foods, e das incorporações da Bertin pela JBS e da Seara pela Marfrig, todas do setor de carnes e derivados. Desse modo, o estudo tem como objetivo geral analisar os indicadores econômico-financeiros durante os exercícios de 2010 a 2012 das três companhias que sofreram estas alterações no ano de 2009, período em que a economia mundial lutava contra uma forte crise econômica. Para a operacionalização do objetivo geral foram definidos os seguintes objetivos específicos: a) caracterizar o perfil das empresas avaliadas: quem são, mercado de atuação, produto, faturamento, público- alvo e quantidade de funcionários; b) descrever e relatar os indicadores econômico-financeiros das companhias no período; c) comparar a situação das companhias a partir dos indicadores obtidos. O presente trabalho se justifica na importância da reestruturação das citadas empresas durante o período de crise através de fusão/incorporação, já que esse é um comportamento também observado em outros setores da economia, buscando- se, assim, contribuir para a disseminação do tema. Todavia dar-se-á como foco a evolução das companhias através da análise econômico-financeira de seus indicadores, dos fatores de insolvência, assim como também de suas expectativas de crescimento futuro ou de possíveis riscos e ameaças a que estas possam estar expostas. O trabalho está estruturado em quatro momentos: o primeiro apresenta o referencial teórico, no qual são expostos os
  • 3. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul/set. 2015. 53 conceitos de análise financeira, indicadores econômicos financeiros, os indicadores de liquidez, rentabilidade, estrutura de capital e dos índices que compõem cada indicador, além dos fatores de insolvência; no segundo momento torna-se presente a metodologia da pesquisa; o terceiro exibe os resultados e discussões e finalmente as conclusões. 2 REFERENCIAL TEÓRICO Segundo a Lei 6.404/76, as demonstrações financeiras se constituem por um conjunto de informações revestidas pela obrigatoriedade e periodicidade de suas divulgações, quando a empresa se configurar como sociedade por ações ou sociedade de grande porte, sendo estas últimas incluídas entre as alterações provocadas pela Lei 11.638/07 à Lei 6.404/76. Estas divulgações são, por sua vez, uma prestação de contas aos acionistas, sócios e a sociedade. Essa prestação de contas será anual e formada pelas demonstrações contábeis, relatórios da administração, notas explicativas, além dos pareceres da auditoria independente e do conselho fiscal. Tendo em vista a importância dessas informações geradas pelas empresas, é imperioso se ter o conhecimento de termos como: demonstrações contábeis, análise econômico-financeira e de cada um dos indicadores necessários a este estudo. Assim, inicia-se pelas demonstrações contábeis e suas variações nominais tratadas pela doutrina da seguinte forma. As demonstrações contábeis, também denominadas de demonstrações financeiras na legislação societária (Lei nº 6.404/76), são utilizadas pelos administradores para prestar contas sobre os aspectos públicos de responsabilidade da empresa, perante acionistas, credores, governo e a comunidade em geral. Têm, portanto, por objetivo, revelar, a todas as pessoas interessadas, as informações sobre o patrimônio e os resultados da empresa, a fim de possibilitar o conhecimento e a análise de sua situação econômico-financeira (BRAGA, 2003, p.75). Apenas com a compreensão da estrutura contábil das demonstrações financeiras é possível avaliar as empresas de maneira mais detalhada. Precisamente, o processo de análise, em sua totalidade, requer largo conhecimento dos formatos de contabilização e apuração das demonstrações, pois sem este, as conclusões extraídas sobre o desempenho da empresa ficariam seriamente limitadas (REIS, 2003). Como as principais demonstrações contábeis são exposições sintéticas dos componentes patrimoniais e de suas variações, a elas recorremos quando desejamos conhecer os diferentes aspectos da situação patrimonial e de suas variações. Sendo demonstrações sintéticas, não oferecendo informações detalhadas sobre o estado patrimonial e sobre suas variações. Daí a necessidade de aplicação da técnica contábil denominada análise das demonstrações contábeis, também conhecidas por análise de balanços (FRANCO, 1989, p.93). As demonstrações financeiras auxiliam com informações de previsão dos dividendos e lucros futuros. Pela percepção do investidor, a previsão é a base da análise financeira; entretanto, visualizando-se pelo prisma da administração, a análise é uma ferramenta útil para se antecipar às
  • 4. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 54 condições futuras e planejar medidas que possam influenciar o andamento de eventos futuros (WESTON; BRIGHAM, 2000). As demonstrações financeiras tornam presente à situação financeira da empresa em um determinado espaço de tempo, e colaboram para que os riscos e o retorno desta sejam avaliados (SILVA, 2012). Segundo Matarazzo (2007, p.15), “as demonstrações financeiras fornecem uma série de dados sobre a empresa, de acordo com regras contábeis”. Posto isso, é possível notar a importância da contabilidade e das demonstrações que ela produz para que se possam transformar os dados oriundos destas em informações relevantes para as tomadas de decisões. Para facilitar as tomadas de decisões, os dados fornecidos pelas demonstrações contábeis são transformados em indicadores para que se possa realizar por meio deles a análise econômico-financeira, termo que será tratado a partir de agora. Embora possa variar a sua denominação – análise contábil, análise financeira, análise econômico-financeira, análise de balanços etc. – a análise das demonstrações contábeis tem por objetivo observar e confrontar os elementos patrimoniais e os resultados das operações, visando ao conhecimento minucioso de sua composição qualitativa e de sua expressão quantitativa, de modo a revelar os fatores antecedentes e determinantes da situação atual, e, também, a servir de ponto de partida para delinear o comportamento futuro da empresa (BRAGA, 2003, p.137). A análise de balanços deve ter seu entendimento conforme suas possibilidades e limitações, sendo importante o conhecimento de suas duas faces. A primeira visualiza mais problemas a serem investigados do que indica soluções, já a segunda aponta que a análise de balanço, sendo utilizada de forma conveniente, transforma-se em uma poderosa ferramenta de controle da administração (IUDÍCIBUS, 1998) As denominações análise de balanço, análise das demonstrações, relatórios financeiros são sinônimas. A análise visa demonstrar pelas informações contábeis da empresa a situação econômico-financeira atual, os motivos que determinaram o presente cenário e as perspectivas futuras. Assim, é possível concluir que pelas análises de balanços extraem-se dados sobre a situação passada, presente e futura de uma empresa (ASSAF NETO, 2008). Elas possuem grande relevância nas empresas, haja vista fomentarem os empresários de informações relevantes sobre a situação econômico-financeira da empresa (PADOVEZE, 2005). Segundo o autor, a análise financeira é a metodologia clássica para uma análise abrangente do desenvolvimento da empresa. Munidos de um conjunto composto de procedimentos e conceitos aplicados, inter-relacionados, podem-se ter como produto indicadores que possibilitem uma avaliação sobre a situação da empresa e do retorno do investimento. Visando o sucesso de qualquer administração e o resguardo da integridade patrimonial contra surpresas futuras, torna-se necessário alocar a atividade econômica em uma base planificada, exprimindo previsões econômicas, determinando probabilidades e gerenciando as previsões por meio da
  • 5. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 55 técnica da análise econômica e financeira dos balanços periódicos (HERRMANN JÚNIOR, 2004). A análise das demonstrações é observada em três níveis, que são: Introdutório, Intermediário e Avançado. No primeiro são apreciados apenas os seguintes indicadores: liquidez, rentabilidade e endividamento. O segundo nível, intermediário, na abordagem dos indicadores do primeiro nível, pode aprofundar a análise mediante outro grupo de indicadores que melhor explica e detalha a condição econômico-financeira da empresa. É importante salientar que no nível intermediário os indicadores não são exclusivos para que se obtenham informações específicas de cada unidade do tripé (liquidez, rentabilidade e endividamento). No nível avançado, a análise é realizada por uma série de indicadores e instrumentos que agregam valor às conclusões referentes à condição econômico-financeira da empresa (MARION, 2005). Pela análise de balanços é possível ponderar a condição econômica e a condição financeira da empresa. A análise da condição econômica é realizada com base nos dados que compõem a demonstração do resultado do exercício, pelo estudo e interpretação do produto obtido pela movimentação do patrimônio. Essa análise auxilia no conhecimento da rentabilidade obtida pelo capital investido na empresa. Já a análise da condição financeira é realizada com base nos elementos oriundos do balanço patrimonial, possibilitando o conhecimento do grau de endividamento, como também a existência ou não de solvência suficiente para que a empresa cumpra seus compromissos de curto ou longo prazo (RIBEIRO, 1999). Em uma análise investigativa e comparativa das relações entre distintas informações financeiras, e uma das formas mais relevantes de análise das empresas pelos tomadores de decisões, os indicadores financeiros são geralmente a primeira etapa deste processo. São por meio desses indicadores que os usuários externos buscam benefícios através de informações da situação e evolução da empresa. Beneficiando-se também destas informações, os usuários internos as utilizam para que possam tomar decisões mais precisas, buscando eliminar os pontos fracos e aproveitar os pontos fortes, visando sempre o alcance dos objetivos da instituição (MATARAZZO, 2003). Segundo Matarazzo (2003, p.150), os índices são divididos em índices que evidenciam aspectos da situação financeira, que tratam da liquidez e estrutura; e índices que evidenciam aspectos da situação econômica, que verificam a rentabilidade da companhia. Tais índices são organizados conforme o esquema seguinte: segundo Marion (2005, 141), “a rentabilidade é medida em função dos investimentos”. Diante disso, pode-se concluir que a rentabilidade pondera os resultados percebidos por uma instituição, ou seja, quanto ela está rentável, quanto recurso foi gerado em função dos investimentos. Investimentos esses que, segundo o autor (op. cit.), podem ter como fontes o capital próprio e o capital de terceiros. Visualizando a rentabilidade pela visão da
  • 6. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 56 administração financeira, segundo Gitman (2004, p.52): Como grupo, essas medições permitem ao analista avaliar os lucros da empresa em relação a certo nível de vendas, a certo nível de ativos ou ao volume de capital investido pelos proprietários. Não auferindo lucro, uma empresa não seria atraente para o capital externo. Os principais índices de rentabilidade utilizados neste estudo são: giro do ativo, margem líquida, rentabilidade do ativo e rentabilidade do patrimônio líquido. Para o entendimento desses índices expõe-se a seguir seus conceitos, fórmulas e análises. Tais índices podem ser ilustrados de maneira esquemática no Quadro 1 abaixo.·. Quadro 1 - Índices de Rentabilidade GIRO DO ATIVO Fórmula (vendas líquidas / ativo) Objetivo Quanto à empresa vendeu para cada $ 1 de investimento total Análise Quanto maior,melhor. MARGEM LÍQUIDA Fórmula (lucro líquido / vendaslíquidas) Objetivo Quanto à empresa obtém de lucro para cada $ 1 vendido Análise Quanto maior,melhor. RENTABILIDADE DO ATIVO Fórmula (lucro líquido / ativo) Objetivo Quanto à empresa obtém de lucro para cada $ 1 de investimento total Análise Quanto maior,melhor. RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Fórmula (lucro líquido / patrimônio líquido) Objetivo Quanto à empresa obtém de lucro para cada $ 1 de capital próprio investido, em média no exercício. Análise Quanto maior,melhor. Fonte: Adaptado de Matarazzo (2003) e Padoveze (2007) O Giro do ativo é o indicador que demonstra o grau de qualidade com que a instituição emprega seus ativos a fim de gerar reais de vendas. Deste modo, quanto maior for a geração de vendas, maior será o emprego eficiente dos ativos. O indicador em questão também é conhecido como “produtividade” (MARION, 2005). Margem líquida, segundo o autor (op. cit.), é o índice que simboliza a diferença entre as receitas auferidas pelas vendas e serviços, e os custos e despesas, incluindo-se entre estas o imposto de renda. Logo, quanto maior a margem, melhor. Conforme os ensinamentos de Matarazzo (2003, p.179), o índice da rentabilidade do ativo é o índice que “mostra quanto à empresa obteve de lucro líquido em relação ao ativo. É uma medida do potencial de geração de lucro da parte da empresa”. Ainda seguindo os preceitos de Matarazzo (2003, p.181), a rentabilidade do patrimônio líquido “mostra qual a taxa de rendimento do capital próprio”.
  • 7. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 57 Quanto à análise da situação financeira, apontam-se os indicadores de liquidez e estrutura. Os índices de liquidez objetivam gerar como produto o indicador da capacidade da instituição liquidar suas dívidas obtendo-os a partir da comparação entre direitos realizáveis e as exigibilidades (SILVA, 1999). Para Westerfield (2002, p.39), “a liquidez contábil refere-se à facilidade e velocidade com a qual os ativos podem ser convertidos em dinheiro”. Tais índices podem ser ilustrados de maneira esquemática no Quadro 2.·. Quadro 2 - Índices de Liquidez LIQUIDEZ SECA Fórmula (ativo circulante - estoque - despesas antecipadas) / passivo circulante Objetivo Quanto à empresa possui de ativo circulante, para $ 1 de dívida de curto prazo, sem comprometer os estoques. Análise Quanto maior melhor LIQUIDEZ CORRENTE Fórmula (ativo circulante/ passivo circulante) Objetivo Quanto à empresa possui de ativo circulante para cada $ 1 de dívida de curto prazo Análise Quanto maior melhor LIQUIDEZ IMEDIATA Fórmula (caixa+bancos+aplicações financeiras) / (passivo circulante) Objetivo Quanto à empresa possui disponível imediatamentepara cada $ 1 de dívida de curto prazo. Análise Quanto maior melhor LIQUIDEZ GERAL Fórmula (ativo circulante+ realizável LP) / (passivo circulante + exigível LP) Objetivo Quanto à empresa possui de ativo circulante + realizável a LP para cada $ 1 de dívida total Análise Quanto maior melhor Fonte: Adaptado de Matarazzo (2003), Assaf Neto (2008) e Padoveze (2007). A liquidez seca, seguindo a explicação de Assaf Neto (2008, p.190), “demonstra a porcentagem das dívidas a curto prazo em condições de serem saldadas mediante a utilização de itens monetários de maior liquidez do ativo circulante”. Já a liquidez corrente é o índice que “indica o quanto existe de ativo circulante para cada $1 de dívida em curto prazo. Quanto maior a liquidez corrente, mais alta se apresenta a capacidade da empresa em financiar suas necessidades de capital de giro”. O autor explica ainda que a Liquidez Imediata “revela a porcentagem das dívidas a curto prazo (circulante) em condições de serem liquidadas imediatamente. Esse quociente é normalmente baixo pelo pouco interesse das empresas em manter recursos monetários em caixa, ativo operacionalmente de reduzida rentabilidade.” E por fim, a liquidez geral, conforme Silva (1999, p.267), “indica quanto a empresa possui em dinheiro, bens e direitos realizáveis a curto e longo prazo, para fazer face às suas dívidas totais”. Finalizando os indicadores da situação financeira têm-se os índices de estrutura de capitais a serem considerados para este artigo. Tais índices estão
  • 8. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 58 resumidos no quadro 3 apresentado abaixo: A estrutura de capitais é composta pelos índices que expressão as importantes linhas de decisões financeiras, visualizando a obtenção e a aplicação de recursos (MATARAZZO, 2003). Diante dessas decisões financeiras a respeito da estrutura de capitais: “É convencional fazer referência a escolhas a respeito de estrutura de capital de terceiros e capital próprio como decisões a respeito de estrutura de capital” (ROSS; WESTERFIELD; JAFFE, 2010, p. 318). Sob uma visão mais administrativa e apresentada com o nome estrutura – alvo de capital, o indicador em questão é conceituado como “o mix de endividamento, ações preferenciais e ações ordinárias com a qual a empresa planeja financiar seus investimentos” (WESTON; BRIGHAM, 2000, p. 658). Quadro 3 - Índices de Estrutura de capital PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS (ENDIVIDAMENTO GERAL) Fórmula (capitais de terceiros / patrimônio líquido) Objetivo Quanto à empresa tomou de capitais de terceiros para cada $1 de capital próprio Análise Quanto menor,melhor. COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO Fórmula (passivo circulante / capitais de terceiros) Objetivo Qualpercentual de obrigações em curto prazo em relação às obrigações totais Análise Quanto menor,melhor. ENDIVIDAMENTO FINANCEIRO Fórmula (empréstimos e financiamentos(Cp e Lp) / patrimônio líquido) Objetivo Quanto de$ a empresa tomou deempréstimo financeiro para cada $ 1 de capital próprio Análise Quanto menor,melhor. IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Fórmula (ativo permanente/ patrimônio líquido) Objetivo Quanto de$ a empresa aplicou no ativo permanentepara cada $ 1 de patrimônio líquido Análise Quanto menor,melhor. Fonte: Adaptado de Matarazzo (2003), Gitman (2004) e Padoveze (2007). Outro ponto importante a se revelar sobre a estrutura de capitais é no que se refere à diferença existente desta estrutura entre empresas, independente de pertencerem ao mesmo setor (BRIGHAM; HOUSTON, 1999). A participação de capital de terceiros (endividamento) é o índice que indica a dependência do capital de terceiros, pela instituição. Observando por um prisma estritamente financeiro, quanto maior o vínculo entre o capital de terceiros e o patrimônio líquido, menor a autonomia das decisões financeiras da instituição ou maior a dependência a esses terceiros (MATARAZZO, 2003). Ainda sobre este índice, Gitman, analisando-o através das lentes da administração financeira, fez o seguinte comentário: O índice de endividamento de uma empresa indica o volume de dinheiro de terceiros usado para gerar lucros. Em geral, o analista financeiro preocupa-se mais com as dívidas de longo prazo porque elas comprometem a empresa com uma série de pagamentos por muitos anos. Em geral, quanto mais
  • 9. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 59 capital de terceiros é usado por uma empresa em relação a seus ativos totais, maior sua alavancagem financeira, isto é, a ampliação do risco e do retorno introduzido pelo uso de financiamento a custo fixo, como o obtido com a emissão de títulos de dívida e ações preferenciais. Quanto mais uma empresa servir-se de dívidas a custo fixo, maiores serão o risco e o retorno dela esperados (GITMAN, 2004, p.49). Ainda tendo como foco o endividamento tem-se o índice de endividamento geral, utilizado na medição da proporção de ativos totais financiados por credores da empresa. Esse índice tem sua análise apreciada de modo que, quanto maior o valor do índice de endividamento geral, maior o volume de recursos de terceiros usado na geração de lucros na empresa (GITMAN, 2004). A composição do endividamento é, segundo Matarazzo (2003, p.155), “o percentual de obrigações de curto prazo em relação às obrigações totais”. Segundo o autor esse índice deve ser analisado tendo a interpretação de quanto menor melhor. O endividamento financeiro apresenta o total que a empresa possui de Capital Próprio comprometido com dívidas em bancos no curto e longo prazo. (PADOVEZE, 2007). O autor citado sinaliza também que o mencionado índice deve ter sua análise pautada no sentido de que quanto menor, melhor será o desempenho da empresa. Já a imobilização do patrimônio líquido é o índice que demonstra quanto à instituição disponibilizou ao ativo permanente para cada $ 100 de patrimônio líquido. Quanto mais recursos à instituição investir no ativo permanente, menos serão os recursos próprios remanescentes para o ativo circulante, portanto, menor será sua independência de capitais de terceiros para o financiamento do ativo circulante (MATARAZZO, 2003). O fator de insolvência é o indicador através do qual é possível verificar a possibilidade de continuidade da empresa, ou seja, é o instrumento pelo qual se torna possível prever a possibilidade de falência da empresa utilizando para isso os índices de rentabilidade do patrimônio líquido, liquidez geral, liquidez seca, liquidez corrente e da participação de capital de terceiros (KANITZ, 1974). 3 METODOLOGIA O presente estudo foi elaborado a partir de pesquisa do tipo descritiva, com enfoque quantitativo e qualitativo e com base bibliográfica e documental. Para Gil (2010, p.1), “pode-se definir pesquisa como o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos”. Sampei, Colado e Lucio (2006, p.100), sobre o objetivo no estudo descritivo, afirmam que “o objetivo do pesquisador consiste em descrever situações, acontecimentos e feitos, isto é, dizer como é e como se manifesta determinado fenômeno”. Sobre pesquisa bibliográfica e documental, Severino (2007, p.122) tratou-a assim: “é aquela que se realizam a
  • 10. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 60 partir do registro disponível, decorrente de pesquisas anteriores, em documentos impressos, como livros, artigos, teses etc.”. Já observando o enfoque quantitativo e qualitativo, os mesmos autores citados no parágrafo anterior o apontam como o que “utiliza a coleta e a análise de dados para responder às questões de pesquisa e testar as hipóteses estabelecidas previamente, e confia na medição numérica, na contagem e frequentemente no uso da estatística”. A metodologia de pesquisa adotada foi a bibliográfica e documental que, segundo o autor (GIL, 2010) é a desempenhada tendo como base o material existente, formado principalmente por livros e artigos científicos. O foco de observação das instituições selecionadas foram os indicadores econômico-financeiros (rentabilidade, liquidez e estrutura de capital), formados com base nas demonstrações contábeis publicadas nos sites da BM&F - Bolsa de Mercado e Futuros, BOVESPA - Bolsa de Valores do Estado de São Paulo, e CVM – Comissão de Valores Mobiliários. Como método de análise utilizou-se a observação estruturada para a realização dos procedimentos necessários para a elaboração do presente artigo. As pesquisas bibliográfica e documental estão baseadas na literatura nacional e internacional sobre o tema principal e temas auxiliares de necessário conhecimento para a execução deste trabalho, reunindo assim referencial de apoio ao desenvolvimento da pesquisa. A coleta dos dados secundários foi realizada na base de dados da BM&F – BOVESPA e CVM, e das companhias analisadas (BRF, JBS e MARFRIG) para o acesso às informações a respeito do perfil de cada empresa e aos relatórios e demonstrações contábeis necessários ao estudo de caso com a finalidade da elaboração dos cálculos dos índices que compõem os indicadores econômico- financeiros (rentabilidade, liquidez e estrutura de capital) no período de 2010 a 2012 para suas respectivas análises. A análise qualitativa dos dados foi elaborada a partir das técnicas contábeis de análise dos indicadores, segundo ASSAF, MATARAZZO, MARION, e exposta de forma descritiva em tabelas e gráficos apresentados no corpo do estudo e em seus apêndices. 4 CARACTERIZAÇÃO DAS EMPRESAS PESQUISADAS Para que se possam conhecer melhor cada uma das empresas selecionadas para este estudo e entender sua importância no mercado, inicia-se nesta etapa do trabalho a apresentação de cada uma das companhias com base nos sítios institucionais de cada uma delas e o entendimento de como serão realizadas as análises. O Grupo Marfrig, uma das maiores empresas globais de alimentos à base de carnes bovinas, suína, de aves e peixes; possui uma plataforma operacional diversificada e flexível composta por unidades produtivas, comerciais e de distribuição instaladas em vinte e dois países e cinco continentes, tendo seus produtos presentes em cento e quarenta
  • 11. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 61 países. O Grupo Marfrig, composta pelas empresas Marfrig, Marfood USA, Tacuarembó, Moy Park, Keystone Foods e Seara, emprega em suas unidades aproximadamente noventa mil funcionários, sendo também o maior produtor de ovinos da América do Sul, a maior companhia de carnes na Argentina, o maior produtor de aves no Reino Unido e a maior companhia privada no Uruguai e na Irlanda do Norte. Fundada em 1956, a Seara foi incorporada pelo Grupo Marfrig, sendo esta uma das maiores produtoras e exportadoras de alimentos à base de carne de aves e suínos do mundo. A JBS, por sua vez, é a maior empresa em processamento de proteína animal do mundo, com atuação nas áreas de alimentos, couro, biodiesel, colágeno e latas, estando presente em todos os continentes, com plataformas de produção e escritórios no Brasil, Argentina, Itália, Austrália, Estados Unidos, Uruguai, Paraguai, México, China, Rússia, entre outros países. Com acesso a todos os mercados consumidores, a empresa possui cento e quarenta unidades de produção no mundo e aproximadamente cento e vinte mil colaboradores. A JBS foi a primeira companhia do setor a negociar suas ações na bolsa, o que ocorreu com a abertura do capital em 2007, ano em que se consolidou como a maior empresa do mundo no setor de carne bovina com a aquisição da Swift & Company tendo os direitos da marca Swift em nível mundial. Em 2009, a JBS ingressou no segmento de frangos com a compra da Pilgrim’s Pride e seguindo sua ampliação com a incorporação da Bertin Ltda entrando também nos segmentos de lácteos e biodieseis. A terceira empresa selecionada para este trabalho é a BRF, que surgiu da fusão ocorrida entre Perdigão e Sadia, em que os acionistas da Perdigão S/A participam em sessenta e oito por cento, ao passo que os da Sadia S/A são possuidores dos trinta e dois por cento restantes. A empresa nasceu como um dos maiores “players” globais do setor alimentício, reforçando a posição do país como potência no agronegócio. Sua atuação está voltada ao segmento de carnes (aves, suínos e bovinos), alimentos processados de carnes, lácteos, margarinas, massas, pizzas e vegetais congelados com marcas consagradas como Sadia, Perdigão, Batavo, Elegê, Qualy, entre outras. Ela é uma das maiores empregadoras do país, com cerca de cento e dez mil funcionários com operações em cinquenta fábricas em todas as regiões do Brasil e trinta e três centros de distribuição. No tocante ao mercado externo, responsável por aproximadamente quarenta e um por cento das receitas líquidas em 2012, ela mantém nove unidades industriais na Argentina e duas na Europa, sendo estas na Inglaterra e na Holanda, além de dezenove escritórios comerciais para atendimento a mais de cento e vinte países dos cinco continentes. A BRF integra o Novo Mercado da BM&F Bovespa, consolidando sua posição de excelência em gestão, incorporando elevados padrões de Governança Corporativa. A partir dos dados pesquisados nas análises econômico-financeiras e nos fatores de insolvência das empresas Marfrig, JBS e BRF é possível que se possa visualizar o desempenho destas após as alterações estruturais ocorridas, seja pela fusão, no caso da BRF (Sadia/Perdigão), ou
  • 12. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 62 pelas incorporações, Bertin pela JBS e Seara pela Marfrig. Para as análises econômico- financeiras das três companhias, levaram- se em consideração os indicadores tratados neste artigo e os dados apresentados nos balanços patrimoniais e nas demonstrações dos resultados dos exercícios dos períodos pós-crise financeira até a situação presente. Ressalta-se que as demonstrações contábeis compõem o apêndice deste trabalho. 5 RESULTADOS DAS ANÁLISES ECONÔMICO-FINANCEIRAS No tocante ao retorno dos recursos aplicados referentes aos Indicadores de Rentabilidade, observou-se a situação econômica das instituições (Tabela 1). Tabela 1 – Indicadores de Rentabilidade – Elaboração: 2013 GIRO DO ATIVO EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 0,70% 1,25% 0,82% 2011 0,88% 1,25% 0,86% 2012 0,93% 1,25% 0,93% MARGEM LÍQUIDA EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 0,9% -0,5% 3,5% 2011 -3,6% -0,5% 5,3% 2012 -1,0% 1,0% 2,9% RENTABILIDADE DO ATIVO EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 0,6% -1,0% 2,9% 2011 -3,1% -0,7% 4,6% 2012 -0,9% 1,5% 2,7% RENTABILIDADE DO PL EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 3,0% -1,0% 6,0% 2011 -22,0% -2,0% 10,0% 2012 -5,0% 4,0% 6,0% Fonte: www.bmfbovespa.com.br. Iniciando as análises pelo Giro do Ativo e tendo a empresa Marfrig como ponto de partida desta análise, percebeu-se que ela finalizou o período de 2010 com o índice de 0,70, ou seja, para cada $1 de investimento total a empresa vendeu $0,70, demonstrando um cenário preocupante, haja vista o baixo valor das receitas se comparadas às outras empresas analisadas. Do período de 2010 para 2011, a empresa melhorou seu Giro do Ativo chegando ao patamar de 0,88, o que pode ser explicado pela melhoria nas receitas de vendas que obtiveram um aumento de 24,44%, enquanto o ativo total por sua vez cresceu 5,14%, tendo como grande responsável por
  • 13. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 63 esse aumento o ativo não circulante, já que neste período o ativo circulante sofre uma redução. Analisando o período de 2012, é notável a melhoria do índice, agora em menor escala, passando para 0,93 já que as receitas de vendas evoluíram neste período em 11,43%, exigindo para isso um investimento maior em 6,90%. Este índice ocorreu em virtude do aumento dos ativos circulante e não circulante, tendo este último sua maior representatividade de aumento no ativo permanente. É importante notar que em mais um período a empresa encerra com prejuízo em sua DRE, mesmo que menor em relação ao período de 2011, pois no período de 2010 a companhia obteve lucro. A empresa JBS finalizou suas atividades de 2010 com um índice de Giro do Ativo de 1,25, sendo o maior entre as empresas analisadas nesse período. Apesar de esta ser a maior receita entre elas, é a que possui maior ativo, sendo ele em sua maioria concentrado no ativo não circulante. Para o período de 2011 houve aumento nas receitas de 11,46%, exigindo- se para isso um aumento do ativo total em 7,51%, aparecendo às disponibilidades do ativo circulante como maiores causadoras deste aumento, o que elevou o Giro do Ativo para 1,31. O período de 2012 foi dentre os analisados o melhor visualizando este índice, pois ele saltou de 1,31 para 1,53 exigindo investimentos de 4,70%, inferiores aos do período anterior e aumentando as receitas em 27,72%, destacando o lucro em sua DRE, o que não se viu nos dois últimos períodos. Analisando a BRF, observa-se um índice de 0,82 em 2010, período em que a empresa apresentou menor Giro do Ativo entre os períodos, visto que este aumentou para 0,86 em 2011. O pequeno aumento deu-se em conta do equilíbrio que houve entre os investimentos efetuados e as receitas, pois aqueles aumentaram em 7,44% para que estas alcançassem 11,77% de aumento. Em 2012 o percentual seguiu aumentando, alcançando o patamar de 0,93 devido ao aumento das receitas em 9,86%, exigindo-se apenas o investimento de 2,56% para isso. A BRF, ao contrário das demais empresas analisadas, não encerrou nenhum período com prejuízo. A comparação desses indicadores revela que a JBS tem maior giro entre as três, significando vantagem competitiva com a perspectiva de recuperação de Ativos investidos com maior rapidez. Com atenção agora voltada para o índice da Margem Líquida, verifica-se como as despesas operacionais e financeiras, e os custos dos bens e/ou serviços vendidos influenciam fortemente neste índice da Rentabilidade. Analisando a Marfrig através da Margem Líquida, observa-se que no período de 2010, o único entre os analisados que obteve lucro, o índice apresentou 0,9% de lucro para cada $1 vendido, sendo considerado baixo, por exemplo, se comparado ao da BRF que no mesmo período atingiu 3,5%. Esse baixo percentual é traduzido pela baixa receita desse período, já mencionada na análise do índice anterior e dos altos valores de despesas operacionais e financeiras vistas na DRE. Em 2011, ano de maior prejuízo dentre os analisados, a empresa apresentou -3,6% de Margem Líquida. Neste período apesar de ter obtido um melhor resultado
  • 14. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 64 bruto (diferença entre receitas líquidas e custos de bens e/ou serviços vendidos) a Marfrig teve suas despesas operacionais aumentadas e um acréscimo de mais de 50% em suas despesas financeiras. Mesmo continuando em prejuízo no ano de 2012, a companhia reduziu suas despesas financeiras e aumentou seu resultado bruto o que, apesar de não satisfatório, melhorou o índice para -1%. A JBS fez o caminho contrário ao da Marfrig, começando os períodos analisados com índices negativos, chegando a um índice positivo em 2012. Analisando o exercício de 2010, verifica-se que a empresa o encerrou com prejuízo, haja vista aos valores correspondentes às despesas operacionais e financeiras, gerando um índice de Margem Líquida de -0,5%. Em 2011, apesar de se manter com o mesmo índice de 2010, algumas mudanças puderam ser observadas, entre elas, o início da redução das despesas financeiras. Mantendo a mesma estratégia de 2011, a JBS conseguiu uma redução ainda mais expressiva em suas despesas financeiras e, auxiliadas pelo aumento das receitas, a Margem Líquida chegou ao patamar de 1,0% em 2012, ano em que a JBS apresentou lucro em sua DRE. A BRF também teve oscilações em sua Margem Líquida, mas sempre dentro de percentuais positivos, visto não ter prejuízo em nenhum dos períodos analisados. Em 2010 seu percentual foi de 3,5%, sendo o maior entre as três empresas. O exercício de 2011 foi o que a empresa apontou com o maior percentual, chegando a 5,3%, muito em virtude do aumento apresentado pelas vendas e redução das despesas financeiras. O último ano por sua vez não foi tão positivo quanto os demais, tendo seu pior percentual 2,9%, pois, apesar do aumento das receitas, a BRF sofreu redução no seu resultado bruto e aumento das despesas operacionais e financeiras. No tocante à Margem líquida, a BRF apresentou indicadores positivos e a melhor situação no setor, tornando-se mais competitiva com relação ao aspecto da lucratividade e, em contraposição, as demais apresentaram margens negativas, evidenciando a necessidade urgente de gestão para enxugar gastos, pois os indicadores mostraram que, se persistir tal situação, quanto mais produzir e vender, mais poderão perder recursos, cabendo análise de custos e dos processos de produção e vendas. No tocante à Rentabilidade do Ativo, observou-se que além da influência dos custos e despesas as quais interferem no lucro líquido, uma das variáveis deste índice tem-se também o ativo total que, em todos os períodos analisados das três empresas, sofreu aumentos em percentuais já mencionados na análise do Giro do Ativo. A Marfrig apresentou em 2010 um valor de 0,6% de lucro para cada $1 de investimento total de Rentabilidade do Ativo, visto os motivos aqui já levantados, sobretudo o baixo lucro líquido afetado pelas despesas operacionais e financeiras e a receita líquida pouco expressiva. No exercício seguinte, a empresa teve como índice -3,1%, ou seja, prejuízo de 3,1% sobre cada $1 de investimento total. Em 2011, a companhia apresentou o pior resultado deste índice, tendo em vista o aumento dos investimentos e um
  • 15. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 65 crescimento acentuado das despesas financeiras auxiliando na obtenção do prejuízo. No ano de 2012 o percentual negativo reduziu para -0,9% em virtude da redução das despesas financeiras, amenizando o prejuízo em relação a 2011. Como visto na Margem Líquida, a JBS veio de resultados negativos em 2010 e 2011 até conseguir passar de prejuízo a lucro em 2012. Do exercício de 2010 ao de 2011 o índice negativo que era de - 0,6% no primeiro período chegou a -0,7% em 2011, visto os aumentos do prejuízo e dos investimentos. No exercício de 2012, devido ao lucro gerado pelo aumento das receitas e da redução das despesas financeiras, além do baixo investimento total, obteve-se índice de 1,5% sendo o único positivo do período analisado. A BRF mais uma vez, ao contrário das demais, teve índices positivos nos três períodos sendo de 2,9% em 2010, chegando a 4,6%, o maior entre eles, em 2011, por causa do aumento do lucro líquido como já citado, e tendo queda para 2,7% em 2012 quando, apesar do baixo aumento do ativo total, houve queda do lucro líquido, sendo o responsável mais uma vez o aumento das despesas financeiras. Analisada a Rentabilidade do Ativo, percebeu-se que a BRF apresentou melhor retorno sob o investimento total, enquanto as demais empresas apresentaram prejuízo sob o ativo pelo menos em dois períodos dos três selecionados para esta análise, sendo importante salientar a recuperação da JBS no último ano. Finalizando o rol dos Indicadores de Rentabilidade, tem-se o índice de Rentabilidade do Patrimônio Líquido, que é gerado pela relação entre o lucro líquido e o patrimônio líquido. Para análise desse índice, observaram-se as variações do lucro líquido aqui já mencionadas na análise dos índices de Margem Líquida e de Rentabilidade do Ativo. Assim, será mais intensa a tratativa das variações do patrimônio líquido nesta análise. Iniciando a análise pela Marfrig, que em 2010 teve índice de 3,0% em média no exercício obtido para cada $1 de capital próprio investido, pode-se observar através de suas demonstrações contábeis que além do baixo lucro do período o patrimônio líquido apresentou um prejuízo acumulado de R$ 563.144,00. Para o período seguinte, o mais crítico dentre os analisados, observou-se vários fatores para justificar o índice de -22,0%, sendo os seguintes: o prejuízo destacado na demonstração do resultado do exercício, o aumento do saldo negativo em 53,71% na conta prejuízo acumulado e a apresentação de saldo negativo na conta ajustes de avaliação patrimonial. Em 2012 mais uma vez a empresa teve prejuízo com o resultado do exercício, sendo este menor em relação ao período anterior. Com relação ao patrimônio líquido, é possível notar que, embora ele tenha sofrido acréscimo em decorrência do aumento do capital social realizado, também apontou aumento no prejuízo acumulado e um aumento de pouco mais que três vezes no saldo negativo da conta ajustes de avaliação patrimonial, o que lhe gerou mais um índice negativo, sendo ele agora de -5,%. A JBS, embora tenha apresentado prejuízo em suas demonstrações do resultado dos exercícios de 2010 e de 2011, não apresentou em seus balanços
  • 16. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 66 prejuízo acumulado em nenhum dos períodos analisados. Assim, no período de 2010 a empresa apresentou um índice de - 1,0%. Este índice seguiu negativo em 2011 chegando ao patamar de -2,0% em decorrência de um prejuízo ainda maior que o de 2010 e pelo aumento do patrimônio líquido, tendo como maior responsável o aumento em 16,09% do capital social realizado. No último período analisado, 2012, a JBS apresentou um quadro diferente dos demais exercícios, obtendo o índice de 4,0%, visto que, diferente dos demais períodos analisados a mesma gerou lucro e também sofreu redução em seu patrimônio líquido, protagonizado principalmente pelo saldo negativo das reservas de capital. Quanto à BRF, salienta-se que não apresentou prejuízo em nenhum dos três períodos e em seu patrimônio líquido não foram diagnosticados prejuízos acumulados. Logo, a companhia atingiu a marca de 6,0% em 2010 de índice de Rentabilidade do Patrimônio Líquido. Partindo para o ano de 2011, no qual se observou maior lucro líquido entre os períodos, o índice aumentou para 10,0%, embora a empresa ainda tenha destacado um aumento gerado em seu patrimônio líquido muito em conta da maior concentração de capital em suas reservas de lucro. No exercício seguinte, tendo em vista a queda ocorrida nos lucros em relação a 2011 e o aumento do patrimônio líquido, destaca-se mais uma vez as reservas de lucro que foram fomentas em 22,14% a mais que no período passado, aos quais levaram a BRF ao mesmo índice de 2010, 6,0%. A BRF, apesar de não ter apresentado índices expressivos de Rentabilidade do Patrimônio Líquido, foi a única a não apresentar índices negativos, sobretudo por não ter acusado prejuízo em nenhum dos períodos analisados, tendo o melhor desempenho neste índice. Mais uma vez pôde-se observar como os prejuízos aferidos pela Marfrig e pela JBS afetaram o rendimento de seus índices, desta vez o de Rentabilidade do Patrimônio Líquido, no qual se percebeu novamente a importância de uma melhor gestão de custos e de despesas. No que se refere à BRF, é perceptível o controle de investimento de capital próprio em relação aos lucros gerados. Com a visão geral sob a análise dos Indicadores de Rentabilidade, pôde-se perceber a situação preocupante da Marfrig durante os períodos analisados, em especial o ano de 2011, o que a credencia como a menos rentável das três empresas. A JBS, apesar dos maus resultados em 2010 e 2011, demonstrou reação em 2012. No que se refere à BRF, esta se mostrou equilibrada em seus índices, gerando-lhe retorno positivo durante os três períodos, sendo esta a de melhor desempenho, a mais rentável. Já no que se refere à capacidade das instituições liquidarem suas dívidas, voltam-se as atenções aos índices do Indicador de Liquidez. Abrindo as análises da situação financeira, tem-se como ponto de partida os Indicadores de Liquidez Geral que apontam o quanto a empresa possui de ativo circulante mais o realizável a longo prazo para cada $1 de dívida total (passivo circulante mais exigível a longo prazo).
  • 17. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 67 Tabela 2 – Indicadores de Liquidez – Elaboração: 2013 LIQUIDEZ GERAL EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 0,62 0,66 1,02 2011 0,59 0,75 0,99 2012 0,63 0,76 0,95 LIQUIDEZ CORRENTE EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 1,35 1,62 1,76 2011 1,40 1,71 1,39 2012 1,33 1,67 1,55 LIQUIDEZ IMEDIATA EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 56% 43% 59% 2011 52% 51% 34% 2012 41% 47% 34% LIQUIDEZ SECA EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 103% 115% 139% 2011 102% 119% 106% 2012 98% 122% 115% Fonte: www.bmfbovespa.com. Analisando a Marfrig sob a ótica desse índice, verificou-se que em nenhum dos períodos o índice chegou a 1, revelando um cenário desfavorável, haja vista que em nenhum momento o montante dos direitos foi maior que o das obrigações. Como exemplo tem-se o exercício de 2010 em que o baixo índice de 0,62 foi alcançado pela empresa merecendo destaque às dívidas de longo prazo do ano em questão. No ano seguinte o índice sofreu uma queda, chegando a seu pior percentual dentre os três anos analisados, 0,59, o que foi reflexo do pouco aumento do ativo circulante e do realizável a longo prazo. No que diz respeito ao montante do passivo, notou-se que nem mesmo a redução das obrigações de curto prazo foi suficiente para equilibrar o expressivo aumento no longo prazo protagonizado em sua maior parte pelo aumento de 27,91% nos empréstimos e financiamentos em relação ao ano anterior. O último exercício refletiu o melhor índice entre os três analisados, chegando a 0,63 alcançados devido ao crescimento do ativo circulante e do realizável em longo prazo, especialmente na conta de tributos diferidos, enquanto o passivo sofreu redução dos empréstimos e financiamentos em longo prazo. Seguindo os baixos índices da Marfrig, a JBS também não obteve patamares elevados de Liquidez Geral, embora tenham crescido ano após ano. O primeiro período analisado, 2010, foi o menor, atingindo o número de 0,66, em que a exemplo de sua concorrente teve seus direitos no curto e longo prazos inferiores às obrigações. No ano seguinte, a
  • 18. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 68 JBS cresceu em suas disponibilidades aumentando então seu ativo circulante e ao mesmo tempo promoveu uma redução nas obrigações de longo prazo, melhorando seu índice para 0,75. De 2011 para 2012 o crescimento da Liquidez Geral foi pouco notada, visto o pequeno salto de 0,75 para 0,76, imagem da melhora ocorrida especialmente no realizável a longo prazo. Ao contrário da JBS, a BRF vem apresentando índices decrescentes ano a ano. Entretanto, foi a única a apresentar em um período um montante de direitos maior que o de obrigações, o que pode ser observado no exercício de 2010, quando este índice foi de 1,02. Em 2011 algumas alterações em relação a 2010 devem ser observadas para se entender a queda do índice para 0,99, como: o crescimento das obrigações no curto prazo, principalmente na conta de fornecedores que aumentou em 23,20%; e os empréstimos e financiamentos a curto prazo com um aumento de 35,47%. No último exercício, o índice seguiu em queda, refletindo o percentual de 0,95 que se explica pela redução do realizável em longo prazo em que os tributos diferidos caíram em 72,42% de 2011 para 2012. Além desta redução e apesar da diminuição dos empréstimos e financiamentos em curto prazo, a BRF aumentou em 35% o saldo desta mesma conta no longo prazo. De modo geral, as empresas não apresentaram uma Liquidez Geral satisfatória, haja vista apenas a BRF, das três empresas, em apenas um dos períodos, ter apresentado capacidade de liquidar suas dívidas totais com seus ativos, no qual podendo-se perceber a dependência de capital de terceiros em todas elas. No que se refere aos índices de Liquidez Corrente, no qual se verifica quanto de ativo circulante as empresas possuem para cada $1 de dívida de curto prazo (passivo circulante), o resultado se mostrou mais positivo em relação à Liquidez Geral. A Marfrig, empresa que apresentou os índices mais modestos das três empresas, encerrou 2010 no patamar de 1,35, o qual saltou para 1,40 no ano seguinte, embora o ativo circulante de 2011 tenha reduzido em função das quedas das contas Disponibilidades e Créditos, o passivo circulante também decresceu com a redução das obrigações trabalhistas e de empréstimos e financiamentos. No exercício de 2012 a Marfrig obteve o menor índice de todos os períodos analisados entre as três companhias, sendo de 1,33, isso em virtude principalmente do crescimento das dívidas trabalhistas, fiscais e de empréstimos e financiamentos. De modo geral, a exemplo da primeira empresa, a JBS também teve Liquidez Corrente satisfatória se comparada aos índices de Liquidez Geral. Em 2010 chegou a 1,62 de Liquidez Corrente, atingindo seu melhor patamar em 2011 com 1,71 em virtude do crescimento das disponibilidades e dos estoques, mesmo sofrendo com acréscimos nas contas fornecedores e empréstimos e financiamentos em relação ao período anterior. No último ano houve uma redução desse índice para 1,67. Mesmo com o aumento da conta Créditos, maior responsável pelo aumento do ativo circulante neste período, a JBS seguiu
  • 19. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 69 aumentando as dívidas com obrigações trabalhistas, empréstimos e financiamentos. Em 2010 a BRF chegou a 1,76 de Liquidez Corrente, sendo o melhor índice de todos os períodos das três companhias. Mas, em 2011 esse número caiu para 1,39, visto que enquanto o ativo circulante cresceu 9,92% o passivo circulante emplacou um incremento de 28,81%, sendo o maior contribuinte para isso os empréstimos e financiamentos. A Liquidez Corrente da BRF reagiu em 2012 atingindo 1,55; em virtude da crescente dos estoques e dos créditos, o ativo circulante aumentou, ao passo que o passivo circulante reduziu tendo como maior causador a redução em 29,30% dos empréstimos e financiamentos em relação ao ano de 2011. Utilizando o ativo circulante como recurso para saldar as dívidas de curto prazo, as empresas se encontraram em patamares parecidos, sendo todas capazes de honrar suas obrigações no curto prazo nesta condição. No intuito de descobrir quanto às empresas possuem imediatamente disponível para liquidar dívidas de curto prazo, passa-se a analisar os índices de Liquidez Imediata, relacionando às disponibilidades com o passivo circulante. Com a análise dos índices da Marfrig obteve-se em 2010 seu melhor percentual que foi de 56%, não conseguindo repeti-lo em 2011, descendo ao patamar de 52%, visto a redução de 10,30% em suas disponibilidades, enquanto o passivo circulante reduziu apenas 3,96%. A queda seguiu em 2012, quando o referido índice acusou seu pior percentual dos três períodos, 41%, devido à contínua redução das disponibilidades, sendo no referido ano de 8,59%, ao contrário do passivo circulante com crescimento de 13,19%, todos em relação a 2011. A JBS teve seu menor percentual de Liquidez Imediata em 2010 com 43% saltando para o maior entre os três períodos, 51%. O crescimento em 2011 foi reflexo do aumento das disponibilidades em 22,95% em relação a 2010, enquanto o passivo circulante cresceu 9,42% em relação ao mesmo período. No exercício de 2012, a JBS viu sua Liquidez Imediata reduzir para 47%, haja vista o aumento de 9,90% das dívidas de curto prazo e de apenas 1,76% das disponibilidades em relação ao exercício anterior. A BRF exibiu em 2010 a maior Liquidez Imediata dos períodos analisados entre as empresas, chegando esta liquidez a 59%. Entretanto, nos anos seguintes, 2011 e 2012, a empresa viu este índice cair para 34% nos dois períodos. De 2010 para 2011 as disponibilidades desceram um percentual de 18,05%, ao passo que as dívidas de curto prazo subiram 28,81%. Do período de 2011 para 2012 as disponibilidades e o passivo circulante sofreram crescimentos parecidos, sendo de 6,82% para aquelas e de 6,56% para este, o que não refletiu em alteração à Liquidez Imediata. No tocante à Liquidez Imediata, é importante salientar o crescimento das dívidas de curto prazo ocorridas na BRF nos períodos de 2011 e 2012, diminuindo de forma consistente os percentuais nestes períodos. Com relação às demais empresas, observara-se um índice minimamente equilibrado na JBS e reduções ano a ano na Marfrig.
  • 20. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 70 A seguir avalia-se o índice de Liquidez Seca, em que se vê quanto às empresas possuem de ativo circulante para cada $1 de dívida de curto prazo, sem comprometer os estoques. Começando pela empresa que apresentou os índices mais baixos das três em estudo, a Marfrig gerou no primeiro período 103% de Liquidez Seca, sendo este seu melhor percentual nos três anos, haja vista o efeito decrescente deste índice a cada ano, como se verá adiante. No segundo período, 2011, o percentual reduziu em 1%, chegando aos 102% devido a maior representação dos estoques no total do ativo circulante em relação a 2010, embora as dívidas de curto prazo tenham sofrido redução. Queda um pouco mais acentuada se constatou com o percentual de 98% em 2012, ano em que, como já comentado, apresentou-se aumento de 13,19% do passivo circulante em relação a 2011, sendo ainda importante salientar que este percentual foi maior que o crescimento da diferença entre ativo circulante e estoques no mesmo período, que foi de 9,28%. Mais uma vez, ao contrário da Marfrig, a JBS exibiu percentuais crescentes ano a ano, partindo em 2010 com 115% de Liquidez Seca. Ela chegou ao final do exercício de 2011 com o índice de 119%, pois o aumento de 9,42% no passivo circulante não atrapalhou o crescimento, visto que os estoques foram menos representativos no ativo circulante em relação a 2010. Em 2012, com 122% a companhia em análise chegou ao seu maior índice nos últimos três anos e, a exemplo do ano anterior, mesmo tendo crescimento das dívidas de curto prazo, em 9,90%, a empresa obteve um aumento na sobra dos ativos circulantes, excluindo destes os estoques. A BRF diferente das demais teve uma oscilação em sua Liquidez Seca entre 2010 e 2012, visto que seu menor índice foi em 2011. O primeiro exercício analisado mostrou o maior percentual dentre todos os períodos analisados das empresas em estudo o qual foi de 139%, sendo reduzido a 106% em 2011. Apesar da maior sobra do ativo circulante subtraído do estoque, a BRF teve ao mesmo tempo aumento em suas dívidas de curto prazo, destacando-se os empréstimos e financiamentos com acréscimo de 35,47%, como já mencionado na análise de outros índices. A Liquidez Seca voltou a crescer em 2012, haja vista uma menor participação dos estoques no ativo circulante e a redução do passivo circulante que teve em sua composição uma redução de 29,30% dos empréstimos e financiamentos de curto prazo. Com relação à Liquidez Seca, observou-se que em todos os períodos as empresas conseguiriam liquidar suas dívidas de curto prazo utilizando o ativo circulante sem os estoques, exceto no período de 2012 da Marfrig, empresa que vem piorando este índice a cada período. Ao observar o quadro geral dos Indicadores de Liquidez, verifica-se que todas as empresas em estudo se encontram desfavoráveis no que diz respeito à liquidação das dívidas totais, visto os índices de Liquidez Geral. No que se refere à liquidação das obrigações de curto prazo, observou-se que, embora a Marfrig ainda seja a detentora dos índices mais baixos, é notável a redução dos índices da BRF em face do aumento do endividamento no
  • 21. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 71 curto prazo. A JBS, por sua vez, manteve o equilíbrio nos índices sem oscilações expressivas. Na sequência apresentam-se os Indicadores de Estrutura de Capital. Tabela 3 – Indicadores de Estrutura de Capital – Elaboração: 2013 EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 4,64 1,35 1,04 2011 5,97 1,20 1,12 2012 4,94 1,33 1,11 ENDIVIDAMENTO FINANCEIRO EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 2,41 1,0 0,53 2011 3,42 0,88 0,57 2012 2,91 0,96 0,65 COMPOSIÇÃO DO INDIVIDAMENTO EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 37,4% 37,5% 40,3% 2011 32,7% 40,3% 50,3% 2012 36,1% 40,7% 46,1% IMOBILIZAÇÃO DO PL EMPRESAS MARFRIG JBS BRF ANO 2010 2,78 1,46 0,98 2011 3,42 1,30 1,01 2012 2,81 1,32 1,06 Fonte: www.bmfbovespa.com.br. Atentando-se aos índices de Endividamento Geral, inicia-se mais uma vez a análise pela Marfrig, que mostrou índices bem superiores à JBS e à BRF, apontando em 2010 o endividamento de geral de 4,64 e o ampliando ao patamar de 5,97 no exercício de 2011. Vale ressaltar que esse aumento em grande parte ocorreu devido ao crescimento do passivo não circulante, em que sua conta de empréstimos e financiamentos foi afetada por um aumento de 27,91%. No período de 2012 a Marfrig conseguiu uma pequena redução deste índice para 4,94, pois, embora os empréstimos e financiamentos de curto prazo tenham aumentado em 32,73%, consequentemente aumentando o passivo circulante, o patrimônio líquido também cresceu em 20,58%. A JBS teve seus Indicadores de Estrutura de Capital posicionados entre os da Marfrig e os da BRF. Seus índices de endividamento geral foram melhores que os da empresa analisada anteriormente, haja vista, por exemplo, o período de 2010, quando a empresa chegou a 1,35 de endividamento geral, e reduzindo-o para 1,20 em 2011 por mérito do aumento do capital social realizado que auxiliou no crescimento do patrimônio líquido em
  • 22. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 72 13,42%. Em 2012, a JBS piorou seu índice para 1,33, principalmente por ter fomentado seus empréstimos e financiamentos a curto e longo prazos. A BRF obteve os melhores índices de Endividamento Geral, visto que estes foram os menores entre as empresas analisadas nos três anos. Iniciando pelo índice de 1,04 em 2010, a BRF alimentou seus empréstimos e financiamentos de curto prazo em 35,47% o que ajudou a impulsionar este endividamento geral para 1,12 em 2011. Em 2012, apesar de a empresa reduzir em 29,30%, ela conta que havia sofrido o aumento no ano anterior e o índice teve uma redução muito baixa, ficando em 1,11 no último período. Com a análise dos índices de Endividamento Geral pode-se perceber o protagonismo das contas de empréstimos e financiamentos de curto e longo prazo. Assim, direcionam-se os estudos neste momento às análises de endividamento financeiro para que se possa perceber quanto cada empresa tomou de empréstimos financeiros para cada $1 de patrimônio líquido. Com os índices menos favoráveis, visto que quanto menores melhor, a Marfrig vem apresentando os maiores índices de Endividamento Financeiro entre as três companhias. No período de 2010 a Marfrig exibiu o índice de 2,41 e finalizou 2011 com 3,42, haja vista o já mencionado aumento de 27,91% nos empréstimos de longo prazo auxiliados pela redução do patrimônio líquido em 14,71%. No exercício de 2012, a Marfrig conseguiu reduzir seu endividamento financeiro, pois, embora tenha crescido em seus empréstimos de curto prazo, conseguiu gerar aumento em seu patrimônio líquido e redução dos empréstimos de longo prazo. Contemplada com um Endividamento Financeiro menor que a Marfrig, a JBS teve esse índice avaliado em 1,0 em 2010, reduzindo-o a 0,88 em 2011, sendo essa redução reflexo do aumento do patrimônio líquido em 13,42%, já comentado quando analisado o endividamento geral. Com o crescimento dos empréstimos de curto e longo prazos e a redução no patrimônio líquido, o aumento para 0,96 no endividamento financeiro em 2012 foi inevitável. A BRF, com os índices mais brandos de Endividamento Financeiro, não mostrou grande oscilação de 2010 para 2011, quando seus índices foram de 0,53 naquele e de 0,57 neste. Por sua vez, em 2012, percebendo-se um aumento de 34,99% em seus empréstimos e financiamentos de longo prazo, o endividamento saltou para 0,65. Podem-se notar índices de Endividamento Financeiro tanto na JBS quanto na BRF, sendo estes mais satisfatórios nesta última. No tocante à Marfrig, ela mostra índices bem mais elevados que as demais, indiciando expressiva dependência de capital de terceiros. Sobre o índice de composição do endividamento, observa-se qual o percentual de obrigações de curto prazo em relação às obrigações totais, sendo desejado o menor percentual possível. Esse índice foi a única exceção da Marfrig na análise dos Indicadores de Estrutura de Capital, pois nos demais a empresa se mostrou em condição desfavorável em relação as demais
  • 23. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 73 empresas. Visualizando os índices, percebe-se que em 2010 a companhia apresentava na composição de seu endividamento 37,4% de suas obrigações no curto prazo, o que foi ainda melhorado em 2011 ao percentual de 32,7% quando a empresa reduziu em 18,10% os empréstimos e financiamentos de curto prazo e os aumentou em 27,91% no longo prazo. Em 2012, o índice aumentou para 36,1%, sendo mais uma vez capitaneado pelas contas de empréstimos e financiamentos de curto e longo prazos gerando, por sua vez aumento no passivo circulante e redução no não circulante. A JBS com percentuais maiores que os da Marfrig vêm crescendo ano após ano nos índices de composição do endividamento, permitindo concluir que se tem dado preferência a dívidas de curto prazo em vez das de longo prazo. Observa- se esse crescimento quando se analisa os percentuais e percebe-se o aumento que passou o índice de 37,5% em 2010 para 40,3% em 2011, tendo como maior responsável para isso o crescimento do passivo circulante, em que os empréstimos e financiamentos de curto prazo aumentaram em 7%, enquanto as dívidas de longo prazo reduziram. No período de 2012 esse índice aumentou em baixa escala, haja vista o crescimento parecido entre as dívidas de curto e longo prazo chegando a 40,7%. Das três companhias a BRF vem sendo a que mais prestigia as dívidas de curto prazo, visto possuir os maiores percentuais. Do período de 2010 para 2011 a empresa apresentou, nesta análise, o maior crescimento nesse índice quando evoluiu de 40,3% a 50,3%. Do período de 2010 para 2011 foi possível ainda notar o aumento do passivo circulante em 28,81%, enquanto o passivo não circulante foi reduzido. Em 2012, com a redução das dívidas de curto prazo e o aumento das de longo prazo, esse percentual desceu a 46,1%. Analisados os índices de Endividamento Financeiro pôde-se perceber a preferência do endividamento no longo prazo da Marfrig em relação às demais empresas. A BRF, com os maiores índices, deixou transparente a preferência em dívidas no curto prazo, contudo é preciso dar atenção ao comportamento da JBS neste indicador, haja vista o crescimento sistemático do endividamento no curto prazo período a período. Finalizando os Indicadores de Estrutura de Capital, ver-se-á a partir deste ponto a relação entre o ativo permanente (investimentos, imobilizado e intangível) e o patrimônio líquido para que se possa chegar aos índices de Imobilização do Patrimônio Líquido. Este índice trata da demonstração de quanto à empresa aplicou no ativo permanente para cada $1 de seu patrimônio líquido. A empresa que mais investiu seu capital próprio em ativos permanentes foi a Marfrig. Nesta empresa iniciou-se a análise em 2010 com um índice de 2,78 e o incrementando para 3,42 em 2011, período em que se constatou uma redução de 14,71% do patrimônio líquido e aumento do ativo permanente em 4,48% em relação ao período anterior. No último ano, 2012, a imobilização do patrimônio líquido reduziu para 2,81, haja vista o crescimento do patrimônio líquido em
  • 24. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 74 20,58%, tendo maior expressão neste aumento o capital social realizado. A JBS com índices intermediários entre as outras duas empresas abre a análise em 2010 com 1,46 de imobilização do patrimônio líquido, tendo redução deste para 1,30 em 2011, devido ao aumento em seu patrimônio líquido de 13,42% em relação ao exercício anterior. O crescimento desse índice para 1,32 em 2012 se justifica no percentual de aumento de 0,93% do ativo permanente e a redução em 0,83% no patrimônio líquido. Os menores índices de Imobilização do Patrimônio Líquido ficaram por conta da BRF. O período de 2010 foi o que esta empresa apresentou menor índice, 0,98, aumentando para 1,01 em 2011 com o crescimento de 6,15% no ativo permanente contra os 3,36% de seu patrimônio líquido em relação a 2010. No último período a imobilização do capital próprio chegou a 1,06, visto o crescimento de 8,11% do ativo permanente em relação a 2011 e de apenas 3,20% no patrimônio líquido em relação ao mesmo período. Em vista da análise da Imobilização do Patrimônio Líquido percebeu-se os maiores índices presentes na Marfrig, enquanto a JBS e a BRF mantêm baixo comprometimento do capital próprio em ativos permanentes. Analisando de modo geral os índices dos Indicadores de Estrutura de Capital, pôde-se observar que a Marfrig é a detentora dos maiores índices e a BRF dos menores, exceto no que diz respeito aos índices de composição do endividamento, em que as situações se invertem. Assim, percebeu-se que a BRF se endivida mais em curto prazo ao passo que a Marfrig concentra a maioria de suas dívidas no longo prazo. Ainda foi possível notar que as empresas JBS e BRF possuem endividamentos homogêneos, sem grandes oscilações, o que difere da realidade da Marfrig a qual, além do endividamento acentuado, apresenta desenvolvimento irregular dos índices. 5.1 ANÁLISES DOS FATORES DE INSOLVÊNCIA A fim de analisar a possibilidade de falência das três empresas utilizou-se o modelo dos Fatores de Insolvência desenvolvido pelo professor Stephen C. Kanitz (ano). O Fator de Insolvência, segundo a teoria do autor anteriormente citado, pode ser encontrado pela fórmula (X1+X2+X3-X4-X5), em que X1 será o índice de rentabilidade do patrimônio líquido multiplicado por 0,05, X2 é representado pela multiplicação do índice de liquidez geral a 1,65, X3 será o produto da multiplicação entre o índice de liquidez seca e 1,35, X4 o produto da liquidez corrente vezes 1,06 e X5 a multiplicação entre a participação de capital de terceiros (endividamento geral) e 0,33. A avaliação dos resultados encontrados pode ser analisada de três formas, como o representado esquematicamente no quadro 04 a seguir:
  • 25. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 75 Quadro 4 – Avaliação dos Resultados dos Fatores de Insolvência 0 a 7 0 a -3 -3 a -7 RESULTADOS Intervalo de Solvência (reduzidas possibilidades de falência) Zona de "Penumbra" (situação Indefinida) Zona de Insolvência ( Propensão a Falência) Fonte: Adaptado de Kanitz Com o entendimento do cálculo dos Fatores de Insolvência e seus possíveis resultados, passa-se a análise de cada empresa durante os períodos de 2010, 2011 e 2012, começando pela Marfrig que gerou os seguintes resultados demonstrados na tabela 4 abaixo: Tabela 4 – Fatores de Insolvência – Marfrig 2010 2011 2012 X1 0,001747332 -0,010919 -0,002709 X2 1,015 0,982 1,046 X3 1,389 1,382 1,323 X4 1,434 1,487 1,411 X5 1,530 1,969 1,632 -0,6 -1,1 -0,7 FATOR DE INSOLVÊNCIA RENTABILIDADE DO PL X 0,05 LIQUIDEZ SECA X 1,35 LIQUIDEZ GERAL X 1,65 LIQUIDEZ CORRENTE X 1,06 PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS X 0,33 RESULTADO (X1+X2+X3-X4-X5) PERÍODO Fonte: Dados da Tabela 1, Tabela 2 e Tabela 3. A Marfrig apresentou resultados que requerem atenção, haja vista a permanência na “zona de penumbra” nos últimos três anos. Situação diferente é vista na JBS, pois além de ter reduzidas possibilidades de falência, a empresa vem melhorando gradualmente este índice ano após ano como se pode observar. Tal progresso rumo ao solidificação da solvência pode ser percebido na tabela 5 a seguir. Tabela 5 – Fatores de Insolvência – JBS 2010 2011 2012 X1 -0,001 -0,001 0,002 X2 1,095 1,238 1,249 X3 1,549 1,610 1,645 X4 1,720 1,815 1,768 X5 0,446 0,397 0,439 0,5 0,6 0,7 PERÍODO RENTABILIDADE DO PL X 0,05 LIQUIDEZ GERAL X 1,65 LIQUIDEZ SECA X 1,35 PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS X 0,33 RESULTADO (X1+X2+X3-X4-X5) FATOR DE INSOLVÊNCIA LIQUIDEZ CORRENTE X 1,06 Fonte: Dados da Tabela 1, Tabela 2 e Tabela 3. A BRF, apesar de apresentar os melhores resultados e se encontrar com reduzida possibilidade de falência (assim como a JBS), tem seus resultados representados por índices decrescentes a cada ano, o que deve ser tratado
  • 26. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 76 criteriosamente, de forma a manter intervalo de solvência. Para melhor compreensão do desempenho do Fator de Insolvência da BRF observa-se a tabela 6 a seguir. Tabela 6 – Fatores de Insolvência – BRF 2010 2011 2012 X1 0,003 0,005 0,003 X2 1,686 1,640 1,560 X3 1,872 1,427 1,550 X4 1,868 1,476 1,646 X5 0,342 0,371 0,367 1,4 1,2 1,1 LIQUIDEZ SECA X 1,35 FATOR DE INSOLVÊNCIA PERÍODO LIQUIDEZ CORRENTE X 1,06 PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS X 0,33 RESULTADO (X1+X2+X3-X4-X5) RENTABILIDADE DO PL X 0,05 LIQUIDEZ GERAL X 1,65 Fonte: Dados da Tabela 1, Tabela 2 e Tabela 3. 6 CONCLUSÕES E SUGESTÕES A pesquisa teve como objetivo geral analisar os indicadores econômico- financeiros durante os exercícios de 2010 a 2012 das companhias Marfrig, JBS e RBF, componentes do setor de carnes do Brasil, que sofreram fusão/incorporação no final do ano de 2009, período em que a economia mundial lutava contra uma forte crise econômica. Os resultados mostraram que a respeito dos Indicadores de Rentabilidade, a JBS, com relação ao Giro do Ativo, foi a empresa que alcançou a melhor produtividade. Embora tenha obtido resultados positivos no Giro do Ativo, a JBS juntou-se à Marfrig nos resultados negativos nos demais índices de Rentabilidade, visto o deficiente gerenciamento dos custos e despesas destas empresas, comprometendo assim o lucro líquido. A BRF, por sua vez, vem sendo a exceção neste indicador, mostrando equilíbrio em sua Rentabilidade, ressalvados os resultados adquiridos no Giro do Ativo, em que, contudo, demonstraram melhorias a cada período. Com os resultados observados dos Indicadores de Liquidez, concluiu-se que a Marfrig foi a empresa a apresentar maior deficiência nos índices de Liquidez, retratando o desequilíbrio entre os ativos e passivos desta empresa. Em contra partida as empresas JBS e BRF exibem Indicadores de Liquidez satisfatórios, porém, é cabível a observação a que se refere à Liquidez Geral, ponto que deve ser tratado pelas empresas visando melhorias futuras na capacidade delas liquidarem suas dívidas com maior facilidade e velocidade. Concluiu-se ainda com a análise dos Indicadores de Estrutura de Capital que a Marfrig é a empresa a qual mostra uma condição preocupante no tocante ao seu endividamento, principalmente no que se retrata no Endividamento Geral e no Endividamento Financeiro, deixando transparecer sua extrema dependência do capital de terceiros. Ao contrário do apresentado pela Marfrig, a JBS e a BRF
  • 27. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 77 demonstraram equilíbrio e controle em seus índices de endividamento. Com a conclusão das análises, pode- se observar a diferença de estratégias entre as incorporações ocorridas pela Marfrig e pela JBS. A Marfrig incorporando-se a Seara, visou ampliar sua atuação no mercado em que já atuava apostando assim na força da marca Seara em nível mundial, especialmente na divulgação desta através de patrocínios esportivos como no Santos Futebol Clube, na Seleção Brasileira de Futebol, na Copa América de 2011 e da Copa do Mundo FIFA 2014. Essa estratégia não se tem mostrado interessante visto que seus indicadores não apresentam índices desejáveis e refletem pioras a cada período em muitos deles. A JBS, com a incorporação, visou a ampliação de áreas de atuação, permitindo a companhia atuar em mercados e com produtos diferentes dos que atuava, o que já havia ocorrido com a incorporação da Pilgrim’s Pride com o propósito de ingressar no segmento de frangos, repetiu- se incorporando a Bertin para a entrada no segmento de lácteos e biodiesel. Pôde-se perceber que do período entre 2010 a 2012 a empresa melhorou vários de seus indicadores chamando a atenção para o crescimento periódico de seu Giro do Ativo, sendo inclusive bem mais positivo que nas demais empresas analisadas, haja vista seu maior raio de atuação e com maior gama de produtos. A BRF diferentemente da Marfrig e da JBS, nasceu da fusão entre dois grupos renomados, Sadia e Perdigão, com o propósito de unir forças e ampliar suas atuações principalmente no mercado internacional, o que em 2012 a fez responsável por 9% das exportações mundiais de proteína animal. A BRF foi constituída sob o conceito de excelência de gestão, que vem promovendo índices positivos à companhia, haja vista seu equilíbrio econômico-financeiro, ressalvados seus índices de Liquidez Geral, que acusam quedas periódicas, impossibilitando-a de liquidar suas dívidas totais. De modo geral, pode-se perceber a necessidade de medidas corretivas na Marfrig visando à redução do endividamento, e o equilíbrio entre seus direitos realizáveis e suas exigibilidades em busca de melhoramentos para geração de lucro líquido satisfatório. A JBS aponta melhoramento a cada período mostrando conseguir sanar suas deficiências a cada exercício e a BRF espelha bom gerenciamento e controle de suas atividades, mas demonstrou pequena redução em alguns indicadores, o que merece ser observado para ser mantida esta harmonia. Este trabalho trouxe como maiores desafios: a seleção de empresas do mesmo setor que vivenciassem a mesma estratégia e no mesmo período, o estudo das extensas demonstrações contábeis e a seleção da melhor doutrina na elaboração dos indicadores, visto a diferença do posicionamento de alguns dos autores a respeito dos indicadores. Em fim, observando a amplitude que o tema demonstra, sugere-se estudos a respeito das análises econômico- financeiras comparando o desempenho de fusões entre empresas de setores diferentes a fim de avaliar em qual setor a fusão foi mais benéfica.
  • 28. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 78 REFERÊNCIAS ASSAF NETO, A. Estrutura e análise de balanços. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2008. ______. Finanças corporativas. São Paulo: Atlas, 2003. BRAGA, H. R. Demonstrações contábeis: estrutura, análise e interpretação. 5. ed. São Paulo : Atlas, 2003. BRIGHAM, E. F. Fundamentos da moderna administração financeira. Tradução de Maria Imilda da Costa e Silva. Rio de Janeiro: Campus, 1999. FRANCO, H. Estrutura, análise e interpretação de balanços: de acordo com a nova lei das S.A., Lei nº 6.404, de 15-12-1976 15. ed. São Paulo : Atlas, 1989. WESTON, J. F.; BRIGHAM, E. Fundamentos da administração financeira. 10. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2000 GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa 5. ed. São Paulo : Atlas, 2010. HERRMANN JÚNIOR, F. Análise de balanços para a administração financeira: (análise econômica e financeira das empresas). São Paulo: Atlas, 2004. IUDÍCIBUS, S. Análise de balanços 7. ed. São Paulo : Atlas, 1998. GITMAN, L. Princípios de administração financeira. 10. ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2004. KANITZ, S. C. Como prever falências, artigo publicado na Revista Exame 12/1974 MARION, J. C. Análise das demonstrações contábeis. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2005. MATARAZZO, D. C. Análise financeira de balanços: abordagem básicae gerencial/ Dante Carmine Matarazzo. 6. ed. São Paulo : Atlas, 2007. PADOVEZE, C. L. Introdução à administração financeira. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. REIS, A. C. de R. Demonstrações contábeis: estrutura e análise. São Paulo: Saraiva, 2003. RIBEIRO, O. M. Estruturae análise de balanços fácil. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. ROSS, S. A. Administração Financeira; tradução Antônio Zoratto Sanvicente. 2. ed. São Paulo : Atlas, 2010. SAMPIERI, R. H. Metodologia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006. SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007. SILVA, J. P. Análise financeira das empresas. 11 ed. São Paulo: Atlas, 2012. ROOS, S. D.; WESTERFIELD,R.; JAFFE, J. Administração financeira. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2002.
  • 29. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015 79 APÊNDICE A - BALANÇO PATRIMONIAL – MARFRIG Balanço patrimonial – MARFRIG Período 2012 2011 2010 Período 2012 2011 2010 AtivoTotal 25.589.454 23.823.441 22.599.586 PassivoTotal 25.589.454 23.823.441 22.599.586 AtivoCirculante 10.234.652 9.359.113 9.400.239 PassivoCirculante 7.687.320 6.673.099 6.948.559 Disponibilidades 3.178.194 3.476.960 3.876.356 Fornecedores 2.580.227 2.783.120 2.310.763 Créditos 1.793.315 1.302.906 1.361.945 EmpréstimoseFinanciamentos 3.741.780 2.517.245 3.073.579 Estoques 2.703.732 2.526.827 2.249.314 Outras Obrigações 1.365.313 1.372.734 1.564.217 Outros 2.559.411 2.052.420 1.912.624 AtivoNãoCirculante 15.354.802 14.464.328 13.199.347 PassivoNãoCirculante 17.902.134 17.150.342 15.651.027 AtivoRealizávelaLP 15.354.802 14.464.328 13.199.347 PassivoExigívelaLP 13.597.042 13.731.128 11.642.286 Outros 3.261.150 2.781.092 2.039.469 Empréstimos eFinanciamentos 8.786.467 9.162.817 6.605.437 Investimentos 11.107 13.195 10.040 OutrasObrigações 4.810.575 4.568.311 5.036.849 Imobilizado 8.010.620 7.315.085 6.963.142 Intangível 4.071.925 4.354.956 4.186.696 PatrimônioLíquido 4.305.092 3.419.214 4.008.741 BALANÇO PATRIMONIAL-MARFRIG Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013) APÊNDICE B - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO – MARFRIG Demonstração do resultado do exercício - MARFRIG Descrição da Conta 2012 2011 2010 Receita Líquida de Vendas e/ou Serviços 23.726.394 21.014.111 15.878.469 Custo de Bens e/ou Serviços Vendidos -20.167.234 -18.032.316 -13.277.024 Resultado Bruto 3.559.160 2.981.795 2.601.445 Despesas/Receitas Operacionais -2.397.534 -2.001.198 -1.725.703 Com Vendas -1.736.934 -1.485.370 -1.407.500 Gerais e Administrativas -783.737 -684.553 -562.688 Outras Receitas Operacionais 122.468 168.725 244.485 Resultado de Equivalência Patrimonial 669 0 0 LAJIR 1.161.626 980.597 875.742 Financeiras -2.081.394 -2.300.684 -1.147.242 LAIR -919.768 -1.320.087 -271.500 Provisão para IR e Contribuição Social 430.215 543.274 411.592 Resultado Líq. das Oper. Descontinuadas 256.322 30.130 0 Lucro/Prejuízo do Período -233.231 -746.683 140.092 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO - MARFRIG Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013)
  • 30. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 80 APÊNDICE C – BALANÇO PATRIMONIAL – JBS Balanço Patrimonial - JBS Período 2012 2011 2010 Período 2012 2011 2010 AtivoTotal 49.613.232 47.279.851 43.727.794 PassivoTotal 49.613.232 47.279.851 43.727.794 Ativo Circulante 19.240.438 17.800.248 15.280.243 Passivo Circulante 11.537.573 10.395.699 9.416.485 Disponibilidades 5.383.087 5.288.194 4.074.574 Fornecedores 3.564.270 3.323.886 2.962.395 Créditos 5.688.648 4.679.846 4.036.104 Empréstimose Financiamentos 6.098.898 5.339.433 4.966.198 Estoques 5.182.187 5.405.705 4.476.934 OutrasObrigações 1.874.405 1.732.380 1.487.892 Outros 2.986.516 2.426.503 2.692.631 AtivoNãoCirculante 30.372.794 29.479.603 28.447.551 PassivoNãoCirculante 38.075.659 36.884.152 34.311.309 Ativo Realizável a LP 30.372.794 29.479.603 28.447.551 Passivo Exigível a LP 16.785.314 15.415.997 15.724.285 Outros 2.198.322 1.568.270 1.397.851 EmpréstimoseFinanciamentos 14.390.046 13.532.761 13.679.368 Investimentos 258.620 0 0 OutrasObrigações 2.395.268 1.883.236 2.044.917 Imobilizado 16.207.640 15.378.714 14.624.201 Intangível 11.708.212 12.532.619 12.425.499 Patrimônio Líquido 21.290.345 21.468.155 18.587.024 Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013) APÊNDICE D - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO – JBS Demonstração do resultado do exercício – JBS Descrição da Conta 2012 2011 2010 Receita Líquida de Vendas e/ou Serviços 75.696.710 61.796.761 54.712.832 Custo de Bens e/ou Serviços Vendidos -67.006.886 -55.100.207 -47.994.792 Resultado Bruto 8.689.824 6.696.554 6.718.040 Despesas/Receitas Operacionais -5.969.295 -4.915.934 -4.436.449 Com Vendas -3.877.714 -3.144.069 -2.627.201 Gerais e Administrativas -2.057.415 -1.739.198 -1.641.024 Outras Despesas Operacionais -35.002 -32.667 -168.224 Resultado de Equivalência Patrimonial 836 0 0 LAJIR 2.720.529 1.780.620 2.281.591 Financeiras -1.338.243 -2.010.728 -2.223.021 LAIR 1.382.286 -230.108 58.570 Provisão para IR e Contribuição Social -619.396 -92.777 -325.428 Resultado Líq. das Oper. Descontinuadas 0 0 12.246 Lucro/Prejuízo do Período 762.890 -322.885 -254.612 Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013)
  • 31. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 81 APÊNDICE E - BALANÇO PATRIMONIAL – BRF Balanço patrimonial – BRF Período 2012 2011 2010 Período 2012 2011 2010 AtivoTotal 30.772 29,983,456 27,751,547 PassivoTotal 30.772.248 29.983.456 27.751.547 AtivoCirculante 11,589,980 11,123,751 10,020,699 PassivoCirculante 7.464.218 7.987.829 5.686.384 Disponibilidades 2.552.601 2.739.514 3.343.018 Fornecedores 3.381.246 2.681.343 2.059.196 Créditos 3.208.619 3.264.748 2.606.696 EmpréstimoseFinanciamentos 2.440.782 3.452.477 2.227.713 Estoques 3.018.576 2.679.211 2.135.809 OutrasObrigações 1.642.190 1.854.009 1.399.475 Outros 2,810,184 2,440,278 1,935,176 AtivoNãoCirculante 19.182.268 18.859.705 17.730.848 PassivoNãoCirculante 23.308.030 21.995.627 22.065.163 AtivoRealizávelaLP 19.182.268 18.859.705 17.730.848 PassivoExigívelaLP 8.731.990 7.885.710 8.428.645 Outros 3.723.249 4.654.837 4.399.259 EmpréstimoseFinanciamentos 7.077.539 4.601.053 4.975.226 Investimentos 36.658 20.399 17.494 OutrasObrigações 1.654.451 3.284.657 3.453.419 Imobilizado 10.670.700 9.798.370 9.066.831 Intangível 4.751.661 4.386.099 4.247.264 PatrimônioLíquido 14.576.040 14.109.917 13.636.518 Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013) APÊNDICE F - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO – BRF Demonstração do resultado do exercício – BRF Descrição da Conta 2012 2011 2010 Receita Líquida de Vendas e/ou Serviços 28.517.383 25.706.238 22.681.253 Custo de Bens e/ou Serviços Vendidos -22.063.563 -19.046.963 -16.951.152 Resultado Bruto 6.453.820 6.659.275 5.730.101 Despesas/Receitas Operacionais -5.064.905 -4.658.146 -4.245.521 Com Vendas -4.317.304 -3.837.537 -3.523.073 Gerais e Administrativas -388.930 -426.872 -332.882 Outras Receitas Operacionais 201.628 343.104 107.496 Outras Despesas Operacionais -582.737 -745.819 -501.397 Resultado de Equivalência Patrimonial 22.438 8.978 4.335 LAJIR 1.388.915 2.001.129 1.484.580 Financeiras -570.602 -479.523 -483.126 LAIR 818.313 1.521.606 1.001.454 Provisão para IR e Contribuição Social 2.354 -156.517 -196.458 Lucro/Prejuízo do Período 820.667 1.365.089 804.996 Fonte: www.bmfbovespa.com.br, (2013)
  • 32. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 82 APENDICE G – GRÁFICOS COMPARATIVOS DOS INDICADORES DE RENTABILIDADE Gráfico 1 – Indicadores de Rentabilidade – Giro do Ativo Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) Gráfico 2 – Indicadores de Rentabilidade – Margem Líquida Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) Gráfico 3 – Indicadores de Rentabilidade – Rentabilidade do Ativo Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) Gráfico 4 – Indicadores de Rentabilidade – Rentabilidade do PL Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) 0,70 0,88 0,93 1,25 1,31 1,53 0,82 0,86 0,93 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF 0,9% -3,6% -1,0%-0,5% -0,5% 1,0% 3,5% 5,3% 2,9% 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF 0,6% -3,1% -0,9%-0,6% -0,7% 1,5% 2,9% 4,6% 2,7% 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF 0,03 -0,22 -0,05 -0,01 -0,02 0,040,06 0,10 0,06 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF
  • 33. Maria da Graça de Oliveira Carlos, José de Souza Neto e Felipe Albuquerque Nascentes Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 83 APENDICE H – GRÁFICOS COMPARATIVOS DOS INDICADORES DE LIQUIDEZ Gráfico 5 – Indicadores de Liquidez – Liquidez Geral Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) Gráfico 6 – Indicadores de Liquidez – Liquidez Corrente Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) Gráfico 7 – Indicadores de Liquidez – Liquidez Imediata Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) Gráfico 8 – Indicadores de Liquidez – Liquidez Seca Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) 0,62 0,59 0,630,66 0,75 0,76 1,02 0,99 0,95 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF 1,35 1,40 1,33 1,62 1,71 1,671,76 1,39 1,55 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF 1,35 1,40 1,33 1,62 1,71 1,671,76 1,39 1,55 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF 103% 102% 98% 115% 119% 122% 139% 106% 115% 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF
  • 34. Análise de Fusões/Incorporações: Um estudo no setor de carnes... Capital Intelectual, Centro Universitário Estácio do Ceará, v.1, n.1, p.51-84, jul./set. 2015. 84 APENDICE I – GRÁFICOS COMPARATIVOS DOS INDICADORES DE ESTRUTURA DE CAPITAL Gráfico 9 – Indicadores de Estrutura de Capital – Endividamento Geral Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) Gráfico 10 – Indicadores de Estrutura de Capital – Endividamento Financeiro Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) Gráfico 11 – Indicadores de Estrutura de Capital – Composição do Endividamento Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) Gráfico 12 – Indicadores de Estrutura de Capital – Imobilização do PL Fonte: Bovespa – Elaboração (2013) 4,64 5,97 4,94 1,35 1,20 1,331,04 1,12 1,11 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF 2,41 3,42 2,91 1,00 0,88 0,96 0,53 0,57 0,65 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF 37,4% 32,7% 36,1%37,5% 40,3% 40,7%40,3% 50,3% 46,1% 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF 2,78 3,42 2,81 1,46 1,30 1,32 0,98 1,01 1,06 2010 2011 2012 MARFRIG JBS BRF