18.ago ouro i 15.30_471_copel-d

294 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
294
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
55
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

18.ago ouro i 15.30_471_copel-d

  1. 1. Protótipo para disseminação de informações para revisão tarifária baseada em padrões abertos e geoprocessamento Sérgio Ferreira de Lima
  2. 2. <ul><li>Dados gerais </li></ul><ul><li>Problemas/Motivação </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Ferramentas utilizadas </li></ul><ul><li>Aplicativo </li></ul><ul><li>Resultados </li></ul>Agenda
  3. 3. <ul><li>Gerente do projeto: Sérgio Ferreira de Lima </li></ul><ul><li>Coordenador de pesquisa: Dário Luís Oliveros </li></ul><ul><li>Ciclos: 2005/2006 – 2006/2007 </li></ul><ul><li>Conclusão do projeto: 10/2009 </li></ul><ul><li>Áreas envolvidas: </li></ul><ul><ul><li>Superintendência Contábil </li></ul></ul><ul><ul><li>Superintendência de Engenharia </li></ul></ul><ul><ul><li>Superintendência de Tecnologia da Informação </li></ul></ul><ul><li>Profissionais do CPqD. </li></ul>Dados gerais
  4. 4. <ul><li>Como fornecer em tempo hábil, informações consistentes sobre os ativos que prestam serviço aos consumidores, de modo que o cálculo de reajuste da tarifa de energia reflita o investimento realizado pela concessionária de distribuição, sem ocasionar perda de receita? </li></ul>Problema ?
  5. 5. <ul><li>Grande número de áreas/pessoas envolvidas; </li></ul><ul><li>Variedade de tecnologias utilizadas; </li></ul><ul><li>Ausência ou baixa integração entre os sistemas; </li></ul><ul><li>Sistemas informatizados heterogêneos; </li></ul><ul><li>Informações não padronizadas; </li></ul>Problema
  6. 6. Problema <ul><li>Detalhamento da informação em diferentes níveis; </li></ul><ul><li>Regras de negócio diferenciadas para as áreas; </li></ul><ul><li>Diferentes formas de contabilização; </li></ul><ul><li>Processos manuais; </li></ul><ul><li>Contabilização em momentos diferentes; </li></ul>
  7. 7. Objetivo geral Desenvolver um protótipo de aplicativo que implementasse um modelo de processo para avaliação da conciliação físico-contábil referente a revisão tarifária de energia elétrica, onde informações são trocadas entre a empresa avaliadora dos ativos, a Aneel e a Copel.
  8. 8. Objetivos específicos <ul><li>Obtenção de conhecimentos em SOA – Service-Oriented Architecture; </li></ul><ul><li>Disponibilização dos dados via web; </li></ul><ul><li>Utilização de padrões abertos de geoprocessamento OGC – Open Geospatial Consortium; </li></ul><ul><li>Integração entre os sistemas contábil e de engenharia; </li></ul><ul><li>Validação da arquitetura; </li></ul>
  9. 9. Principais requisitos <ul><li>Desenvolvimento de protótipo ; </li></ul><ul><li>Implantação dos novos sistemas de gestão de consumidores e ERP; </li></ul><ul><li>Envolvimento da SCD e SED; </li></ul><ul><li>Escopo: </li></ul><ul><ul><li>Ativo imobilizado em serviços de linhas e redes de distribuição – Conta 132.03.1.1.05; </li></ul></ul><ul><ul><li>Ordem de Imobilização e Desativação (ODD); </li></ul></ul><ul><ul><li>Unidades de Cadastro (UCs) e de Adição e Retirada (UARs): Poste, Cabo e Regulador de Tensão; </li></ul></ul>
  10. 10. SOA – Service-Oriented Architecture “ SOA é um modelo arquitetural independente de tecnologia que visa a melhoria da e ficiência, agilidade e produtividade de uma empresa, posicionando serviços como elementos fundamentais através dos quais a lógica de negócio é representada em defesa dos objetivos estratégicos, associados à computação orientada a serviços” Thomas Erl, SOA Principles of Service Design , 2007
  11. 11. Acessando um serviço Consumidor do serviço Provedor do serviço Registro Contrato Registrar contrato Procurar serviço Transação
  12. 12. Principais benefícios de SOA <ul><li>Interoperabilidade; </li></ul><ul><li>Independência de fornecedores; </li></ul><ul><li>Alinhamento entre TI e negócio; </li></ul><ul><li>Agilidade organizacional; </li></ul><ul><li>Redução de custos; </li></ul>
  13. 13. OGC – Open Geospatial Consortium <ul><li>OGC é um consórcio formado por empresas, universidades e agências governamentais de diversos países </li></ul><ul><li>Tem por objetivo promover o desenvolvimento de padrões que facilitem a interoperabilidade entre sistemas que envolvam informações geoespaciais. </li></ul><ul><li>Os produtos do trabalho do OGC são apresentados sob a forma de especificações de interfaces e padrões de intercâmbio. </li></ul>
  14. 14. Utilização de padrões OGC no projeto <ul><li>WMS – Web Map Service produz mapas de dados georeferenciados dinamicamente. O mapa gerado pode ser renderizado como imagem digital ou como elementos gráficos vetoriais; </li></ul>
  15. 15. Utilização de padrões OGC no projeto <ul><li>WFS – Web Feature Service - descreve as funcionalidades e o protocolo que deve ser seguido para o acesso a elas, em um servidor de mapas que disponibiliza o serviço WFS. Nesta especificação, estão descritas as operações, seus parâmetros e esquemas para representação de resultados obtidos; </li></ul>
  16. 16. Arquitetura do aplicativo
  17. 17. O aplicativo <ul><li>Utilização de estilos no servidor WMS para determinar a forma e cor com que a variação da discrepância entre os sistemas fosse exibida no mapa. </li></ul>
  18. 18. O aplicativo <ul><li>Exemplo de visualização de discrepâncias </li></ul>
  19. 19. Resultados
  20. 20. Resultados <ul><li>Comprovação da viabilidade da utilização da metodologia SOA e de padrões OGC na Companhia; </li></ul><ul><li>Visualização do resultado da conciliação físico-contábil através de mapas temáticos, o que facilita e muito o processo de análise; </li></ul><ul><li>Diferentes formas de visualização e totalização dos ativos (por tipo de material, por tipo de ativo, por localidade, por regional) </li></ul>
  21. 21. Principais benefícios para a Companhia <ul><li>Simplificação e padronização dos dados solicitados para a revisão tarifária; </li></ul><ul><li>Dispensa do uso de qualquer software ou tecnologia proprietária na disponibilização dos dados; </li></ul><ul><li>Diminuição do número de horas de trabalho na obtenção dos dados solicitados pelo órgão regulador ou por solicitação de área interna; </li></ul><ul><li>Facilidade de intercâmbio de dados com outras entidades do setor elétrico; </li></ul><ul><li>Domínio da tecnologia e consequente popularização e utilização no âmbito da empresa; </li></ul><ul><li>Facilidade e padronização do relacionamento com a empresa contratada para avaliar os ativos; </li></ul>
  22. 22. Principais benefícios para o órgão regulador <ul><li>Possibilidade de padronizar os dados solicitados as empresas do setor elétrico; </li></ul><ul><li>Facilitar a criação de portal de dados do setor elétrico, congregando diversas empresas; </li></ul>
  23. 23. Obrigado!! Sérgio Ferreira de Lima [email_address]

×