AS PRINCIPAIS INTERFERÊNCIAS NA GESTÃO DO TRANSPORTE DE CARGAS EXCEDENTES EM REGIME DTA

655 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
655
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AS PRINCIPAIS INTERFERÊNCIAS NA GESTÃO DO TRANSPORTE DE CARGAS EXCEDENTES EM REGIME DTA

  1. 1. Centro Universitário UNA/UNATEC Curso Superior de Gestão em Logística AS PRINCIPAIS INTERFERÊNCIAS NA GESTÃO DO TRANSPORTE DE CARGAS EXCEDENTES EM REGIME DTA Orientador: Renato Matozinhos INTEGRANTES: André dos Santos Canaan Cleverson Rodrigues Damasceno Enoque Oliveira Conceição Israel Henrique de Araújo Patrick Gabriel Oliveira Pedro Augusto Dantas Tiago Martins de Oliveira William dos Santos Neves
  2. 2. Introdução • Cargas Excedentes (Resolução 11 do DNIT, 2004); Comprimento: 21 metros Largura: 3,00 metros Altura: 4,40 metros Peso: 45 toneladas
  3. 3. Exemplo de carga excedente Imagem cedida pela empresa Transpeciais, transportando uma pá eólica, fotografada em Março/2013.
  4. 4. Introdução • Planejamento de transporte; • Processos de transporte de uma carga especial e suas interferências; • Declaração de Trânsito Aduaneiro (DTA);
  5. 5. Objetivos Geral • Analisar as principais interferências no processo de transporte de uma carga excedente importada deste a sua chegada ao porto do Rio de Janeiro – RJ até seu desembaraço no porto seco em Juiz de Fora – MG.
  6. 6. Objetivos Específicos • Identificar e analisar as principais interferências no processo de transporte; • Descrever o processo de transporte de uma carga excedente; • Apresentar as principais normas que regulamenta este tipo de transporte; • Analisar a viabilidade da rota junto a Receita Federal de carga excedente em DTA; • Apresentar a importância de sistema da qualidade para este transporte.
  7. 7. Fundamentação Teórica • Sistema de Transporte (RODRIGUES, 2008, p. 15); • Transporte de Cargas Rodoviárias (BALLOU, 2006, p. 149); • Transporte rodoviário no Brasil (PEREIRA, 2006, p. 129);
  8. 8. Fundamentação Teórica • Declaração de Trânsito Aduaneiro (DTA) – (MATTOS, 2011); • Qualidade (ISHIKAWA, citado por ALVAREZ, 2011, p. 108); • Normas e regulamentações (Resolução 11 do DNIT).
  9. 9. Metodologia • Recursos bibliográficos: livros; • Suporte eletrônico: sites específicos sobre o assunto; • Pesquisa de levantamento de dados presencial: entrevista; • Visita técnica na empresa Transpeciais.
  10. 10. Resultados Principais interferências encontradas no processo: • Excesso de burocracia na Zona primária (Porto do Rio de Janeiro – RJ) e na Zona secundária (Porto seco em Juiz de Fora – MG); • A ineficiência de utilizar a intermodalidade; • Falha na comunicação entre prestador de serviço e o cliente.
  11. 11. Resultados Principais interferências encontradas no processo: • Mão-de-obra especializada; • A lei do motorista; • Excesso de taxas e pedágios.
  12. 12. TAXAS Descrição das taxas cobradas no transporte de cargas excedentes TUV Taxa de Utilização da Via é utilizada quando o PBT (Peso Bruto Total) ultrapassa 74 toneladas, valor por tonelada R$ 26,82. GRU Guia de Recolhimento da União: é uma taxa específica para cargas com PRF (Polícia Rodoviária Federal) o valor é baseado na velocidade estabelecida na AET (Autorização Especial de Trânsito) e fornecida pelo DNIT. Suponhamos que você tenha que percorrer 354 km e sua velocidade permitida for de 20 Km/h, a GRU será no valor de R$ 810,66. AET FEDERAL É cobrada para a liberação da mesma, valor R$ 16,54. AET ESTADUAL É cobrada para a liberação da mesma, sendo que somente a AET R$ 15,00, AET mais batedores R$ 50,00. Permissos Portuários Essas permissos são para os veículos transportadores, nem todos os portos cobram, e o valor varia de porto a porto, com valor que varia de R$ 200,00 a R$ 300,00. Tem validade de um ano. Taxas Intermunicipais Taxas Intermunicipais: são taxas cobradas pela prefeitura municipal de cada região, o valor varia de acordo com cada prefeitura, em média o valor cobrado é de R$ 360,00 por travessia. Pedágio Pedágio: No trecho porto do Rio de Janeiro á Juiz de Fora são cobradas três pedágios, sendo R$ 8,00 por eixo, um veículo transportador tem 6 eixos, no total de R$ 144,00. DAE Documento de Arrecadação Estadual: Vaira em média R$ 78,00 dependendo do trecho. Lista de taxas destinadas a cargas excedentes – Fonte: Órgãos Públicos e Concessionárias administradores das rodovias
  13. 13. Resultados Má condições das rodovias; Foto: Filipe Araújo/AE. Acesso em 27/11/2013.
  14. 14. Resultados Variação de Clima Fonte: <fotos.noticias.bol.uol.com.br>. Acesso em 27/11/2013.
  15. 15. Resultados Mobilidade Urbana Fonte: <http://www.caminhoes-e-carretas.com>. Acesso em 27/11/2013.
  16. 16. Resultados Mau Planejamento Urbanístico
  17. 17. Resultados Viabilidade junto a Receita Federal
  18. 18. Resultados Viabilidade junto a Receita Federal 1º Rota: BR-101 (av. Brasil) e BR-040 2º Rota: BR-101, BR-493, BR-116 e BR-040
  19. 19. Resultados Planejamento operacional do transporte de cargas excedentes Identificar o equipamento transportador Realizar um de estudo de viabilidade Documentação de trânsito Programação com a administradora da via Programação com a PRF e PM Contratações de escoltas licenciadas
  20. 20. Resultados Zona Primária – Rio de Janeiro Zona Secundária – Juiz de ForaDTA DI Processo de transporte de carga excedente
  21. 21. Conclusão Um conhecimento prático pelos profissionais envolvidos das interferências encontradas no processo, agregado a um planejamento antecipado para a concretização do projeto, somente trará benefícios no cumprimento dos prazos e excelência na operação, minimizando riscos, impactos negativos e maximizando os resultados aos gestores e clientes.
  22. 22. Conclusão Interdisciplinaridade • Planejamento e Sistemas de Transporte; • Qualidade e Produtividade; • Comércio Exterior Transporte Internacional; • Gestão Financeira; • Pesquisa Operacional.
  23. 23. Referências • ALVAREZ, Maria Esmeralda Ballestro. Gestão da Qualidade, Produção e Operações. 2º ed. São Paulo: Atlas, 2012, 108 p. • BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/ Logística Empresarial. 5º ed. Porto Alegre: Bookman, 2006, 149- 154-155-157 p. • CAMPOS, Vicente Falconi. TQC-Controle da Qualidade Total. 8º ed. Nova Lima –MG: Editora Falconi, 2004, 11 p. • Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte, Resolução nº 11, Publicada no D.O.U em 25 de outubro de 2004 retificada em 04/01/2005 e 16/06/2005, disponível em <http://www1.dnit.gov.br/aplweb/sis_siaet/download/resolucao11 -04-retificada_DNIT.pdf>, acesso em 10/11/2013.
  24. 24. Referências • É hora de executar os projetos: Revista Anuário do Transporte de Carga 2013. nº 8 p. 06 • MACEDO, Mariano de Matos; Revista Organização Sistêmica, vol.1 – nº 1, p. 110, Jan – Jun. 2012. • MATTOS, Analice Castor de; Registro de Declaração de Trânsito Aduaneiro e Importação por conta e ordem de terceiro. 2011. Disponível em <http://www.delivardemattos.com.br/artigo05.html>. Acesso em 27/10/2013. • MELLO, Carlos H. Pereira; SILVA, Carlos Eduardo Sanches; TURRIONI, João Batista; SOUZA, Luiz Gonzaga Mariano. ISO 9001:2008: Sistema de Gestão da Qualidade. 1º ed. São Paulo: Atlas, 2009, 1, 4, 5 p.
  25. 25. Referências • Museu de Valores do Banco Central do Brasil; Origem e Evolução do Dinheiro, disponível em <http://www.bcb.gov.br/?ORIGEMOEDA>, acesso em 27/10/2013. • NETO, João Batista M. Ribeiro; TAVARES, José da Cunha; HOFFMANN, Silva Carvalho. Sistema de Gestão Integrados. 2º ed. São Paulo: Editora Senac, 2008, 28, 29, 30, 33 p. • O desafio de fazer as coisas certas: Revista Anuário do Transporte de Carga 2013. nº 8 p. 12 • PEREIRA, Luiz C. Bresser. Economia Brasileira na encruzilhada. 1º ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006, 229-230 P.
  26. 26. Referências • PEREIRA, Luiz C. Bresser. Economia Brasileira na encruzilhada. 1º ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006, 229-230 P. • Planejamento indica R$ 140 bilhões para modais: Revista, Anuário do Transporte de Carga 2013. nº 8, p. 16 • POZO, Hamilton. Administração de Recursos Patrimoniais. 6º ed. São Paulo: Atlas, 2010, 161-162 P. • Receita Federal do Brasil; Manual de Despacho de Exportação – Noções Gerais. Disponível em <http://www.receita.fazenda.gov.br/manuaisweb/exportacao/topicos/tra nsito-aduaneiro/Nocoes-Gerais.htm>. Acesso em 27/10/2013. • RODRIGUES, Paulo Roberto Ambronio. Introdução aos Sistemas de Transporte no Brasil e a Logística Internacional. 4º ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007, 15 p.

×