Ciclo de Debates Mobilidade Urbana MOBILIDADE DE BENS E SERVIÇOS Vereador Chico Macena
Movimentação de Cargas em São Paulo Área edificada: 22,5% Comércio/Serviços 5,8% Indústrias CEAGESP: 10 mil ton./dia de al...
A Rede Viária de São Paulo Sistema Estrutural:  3304 km Vias Locais:  12238 km Total:  15542 km Velocidade Média no Sistem...
<ul><li>Veículos em Circulação Diariamente </li></ul><ul><li>Aproximadamente: </li></ul><ul><ul><ul><li>Autos:  3,7 milhõe...
<ul><li>Veículos em Circulação Diariamente </li></ul><ul><li>Caminhões em circulação: </li></ul><ul><ul><ul><li>200 mil no...
Concentração da Demanda 55 mil caminhões/dia 28% do total em circulação 70% da demanda de entregas Mais de 30% de outros E...
<ul><li>PESSOAS </li></ul><ul><li>Trabalho </li></ul><ul><li>Escola </li></ul><ul><li>Lazer  </li></ul><ul><li>MERCADORIAS...
Ocupação das vias estruturais ao longo do dia 0 6 22 24 12 Saturação
Evolução da regulamentação Enfoque inicial: Restrição à circulação de caminhões, Foco no veículo
Evolução da regulamentação 1982 - ZRC Marginal Tietê Marginal Pinheiros
Evolução da regulamentação 1986 - ZMRC Marginal Tietê Marginal Pinheiros
Evolução da regulamentação 1987 – Corredor 9 de Julho/Sto. Amaro  Marginal Tietê Marginal Pinheiros
Evolução da regulamentação 1988 – Exceções na ZMRC  Marginal Tietê Marginal Pinheiros
Evolução da regulamentação 1993 – Redução do Horário de restrição na ZMRC  Marginal Tietê Marginal Pinheiros
Evolução da regulamentação Marginal Tietê Marginal Pinheiros 1993 – Rótula Central Rebouças Rio Branco
Evolução da regulamentação 1996 – 23 de Maio Marginal Tietê Marginal Pinheiros
Evolução da regulamentação 1998 – Paulista ZMRC – Centro ( 25 de Março) Marginal Tietê Marginal Pinheiros
Corredores regulamentados apenas por sinalização Marginal Tietê Marginal Pinheiros Tiradentes Ligação Leste-Oeste
Evolução da regulamentação Restrição de Circulação de Produtos Perigosos Marginal Tietê Marginal Pinheiros
Conseqüências Diminuição dos conflitos de trânsito e melhoria da fluidez. Impacto negativo no comércio e na prestação de a...
Regulamentação de veículos alternativos para áreas com restrição 1997   Regulamentação dos: Veículo Urbano de Carga – VUC ...
Locais com restrição a Caminhões <ul><li>Zona de Máxima Restrição de Circulação - ZMRC </li></ul><ul><li>Vias Estruturais ...
Padronização da legislação, compatibilizando as necessidades de abastecimento e com as do trânsito.  Publicação de Portari...
Resumo das Restrições a Veículos de Carga <ul><li>De natureza operacional </li></ul><ul><ul><ul><li>Conflito de demanda </...
Mobilidade de Bens e Serviços Foco na carga, na logística, no abastecimento e na economia urbana
Objetivos: Manter e desenvolver a movimentação de Bens e Serviços que viabilizam as funções econômicas urbanas e regionais...
Estratégias: Racionalizar O uso e a ocupação do Sistema Viário A frota da Distribuição Urbana Descentralizar Os grandes Pó...
Gestão de fluxos diversos Marginal Tietê Estado Fernão Dias Ayrton Senna Dutra Bandeirantes Anhanguera Castelo Branco Régi...
Fórum de  Cargas de São Paulo Zoneamento Rede Básica Regulamentação Controle e Monitoramento Entrega Programada Noturna PM...
Zoneamento Priorização de uso do Sistema Viário segundo necessidades de transporte e desempenho do trânsito. Otimização da...
Centro Av Paulista Jardins Zoneamento Áreas  críticas de demanda e desempenho do Sistema Viário
Rede Estrutural Definição e tratamento para rede estrutural de cargas. Integração com Rodoanel. Implantação de equipamento...
Rede Estrutural Marginal Tietê Estado Fernão Dias Ayrton Senna Dutra Bandeirantes Bandeirantes Anhanguera Castelo Branco R...
Entrega Noturna Priorização de uso do Sistema Viário segundo necessidades de transporte e desempenho do trânsito. Otimizaç...
Ocupação racional das vias: Entrega Noturna 0 6 22 24 12 Saturação
Uma cidade com menos automóveis em circulação e estacionados nas vias; Transporte coletivo público mais eficiente, de maio...
Experiências de Entrega Noturna Empresa Ação Redução da Frota Outras Vantagens Shell operação 24 horas Aproximadamente 50%...
Experiências de Entrega Noturna Entrega noturna Grupo Pão de Açúcar / Extra / Barateiro <ul><li>Redução de 90% tempo  de e...
O Poder Público, como regulador das atividades urbanas deve, à sua medida, acompanhar este dinamismo enquanto, ao mesmo te...
Ciclo de Debates Mobilidade Urbana Terceiro Painel MOBILIDADE DE BENS E SERVIÇOS
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mobilidade de Bens e Serviços

1.712 visualizações

Publicada em

Apresentação do Vereador Chico Macena sobre Mobilidade de Bens e Serviços

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.712
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • * ... Para o funcionamento da Cidade, as mercadorias * precisam estar presentes. * A Cidade precisa ser abastecida. Os caminhões são os principais responsáveis por isso. * E circulam e estacionam também para prestarem serviços de reparos e manutenção, ou de emergência como os bombeiros, as regionais, a própria CET... * Existem também os caminhões que se utilizam da Cidade como passagem... Por exemplo para o transporte de produtos diversos do interior do Estado de São Paulo (ou de outros Estados) visando acessar o Porto de Santos... * Gerando conflitos com as pessoas que também precisam circular e parar/estacionar por diversos motivos, como * trabalho, * escola, * lazer, * entre outros ... *
  • * ... Para o funcionamento da Cidade, as mercadorias * precisam estar presentes. * A Cidade precisa ser abastecida. Os caminhões são os principais responsáveis por isso. * E circulam e estacionam também para prestarem serviços de reparos e manutenção, ou de emergência como os bombeiros, as regionais, a própria CET... * Existem também os caminhões que se utilizam da Cidade como passagem... Por exemplo para o transporte de produtos diversos do interior do Estado de São Paulo (ou de outros Estados) visando acessar o Porto de Santos... * Gerando conflitos com as pessoas que também precisam circular e parar/estacionar por diversos motivos, como * trabalho, * escola, * lazer, * entre outros ... *
  • * ... Para o funcionamento da Cidade, as mercadorias * precisam estar presentes. * A Cidade precisa ser abastecida. Os caminhões são os principais responsáveis por isso. * E circulam e estacionam também para prestarem serviços de reparos e manutenção, ou de emergência como os bombeiros, as regionais, a própria CET... * Existem também os caminhões que se utilizam da Cidade como passagem... Por exemplo para o transporte de produtos diversos do interior do Estado de São Paulo (ou de outros Estados) visando acessar o Porto de Santos... * Gerando conflitos com as pessoas que também precisam circular e parar/estacionar por diversos motivos, como * trabalho, * escola, * lazer, * entre outros ... *
  • * ... Para o funcionamento da Cidade, as mercadorias * precisam estar presentes. * A Cidade precisa ser abastecida. Os caminhões são os principais responsáveis por isso. * E circulam e estacionam também para prestarem serviços de reparos e manutenção, ou de emergência como os bombeiros, as regionais, a própria CET... * Existem também os caminhões que se utilizam da Cidade como passagem... Por exemplo para o transporte de produtos diversos do interior do Estado de São Paulo (ou de outros Estados) visando acessar o Porto de Santos... * Gerando conflitos com as pessoas que também precisam circular e parar/estacionar por diversos motivos, como * trabalho, * escola, * lazer, * entre outros ... *
  • * ... Para o funcionamento da Cidade, as mercadorias * precisam estar presentes. * A Cidade precisa ser abastecida. Os caminhões são os principais responsáveis por isso. * E circulam e estacionam também para prestarem serviços de reparos e manutenção, ou de emergência como os bombeiros, as regionais, a própria CET... * Existem também os caminhões que se utilizam da Cidade como passagem... Por exemplo para o transporte de produtos diversos do interior do Estado de São Paulo (ou de outros Estados) visando acessar o Porto de Santos... * Gerando conflitos com as pessoas que também precisam circular e parar/estacionar por diversos motivos, como * trabalho, * escola, * lazer, * entre outros ... *
  • * ... Para o funcionamento da Cidade, as mercadorias * precisam estar presentes. * A Cidade precisa ser abastecida. Os caminhões são os principais responsáveis por isso. * E circulam e estacionam também para prestarem serviços de reparos e manutenção, ou de emergência como os bombeiros, as regionais, a própria CET... * Existem também os caminhões que se utilizam da Cidade como passagem... Por exemplo para o transporte de produtos diversos do interior do Estado de São Paulo (ou de outros Estados) visando acessar o Porto de Santos... * Gerando conflitos com as pessoas que também precisam circular e parar/estacionar por diversos motivos, como * trabalho, * escola, * lazer, * entre outros ... *
  • Mobilidade de Bens e Serviços

    1. 1. Ciclo de Debates Mobilidade Urbana MOBILIDADE DE BENS E SERVIÇOS Vereador Chico Macena
    2. 2. Movimentação de Cargas em São Paulo Área edificada: 22,5% Comércio/Serviços 5,8% Indústrias CEAGESP: 10 mil ton./dia de alimentos frescos 15 mil caminhões / dia 32 mil Indústrias = 21% dos empregos formais Mais de 1800 Supermercados na RMSP 300 mil m³ de concreto / mês em Betoneiras 16 mil toneladas / dia de lixo
    3. 3. A Rede Viária de São Paulo Sistema Estrutural: 3304 km Vias Locais: 12238 km Total: 15542 km Velocidade Média no Sistema Estrutural caiu 2km/h por ano de 1999 a 2001 e estabilizou em 2002 Neste mesmo período, a frota registrada de automotores aumentou 13% As viagens diárias se dividem em 67% motorizadas e 33% a pé
    4. 4. <ul><li>Veículos em Circulação Diariamente </li></ul><ul><li>Aproximadamente: </li></ul><ul><ul><ul><li>Autos: 3,7 milhões </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Caminhões: 200 mil </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Utilitários: 500 mil </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Moto-frete: 300 mil </li></ul></ul></ul><ul><li>Interferências provocadas anualmente por tipo de veículo: </li></ul><ul><ul><ul><li>Autos: 32/1000 autos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Caminhões: 230/1000 caminhões </li></ul></ul></ul><ul><li>Acidentes com vítimas fatais - 11% com caminhões </li></ul><ul><li>Atropelamentos registrados - 15% por caminhões </li></ul>
    5. 5. <ul><li>Veículos em Circulação Diariamente </li></ul><ul><li>Caminhões em circulação: </li></ul><ul><ul><ul><li>200 mil no total </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>80 mil chegam pelas rodovias </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>15 mil são de passagem </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>Multas aplicadas a caminhões (2002): </li></ul><ul><ul><ul><li>Total: 45.371 </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>65% Local/horário não permitido </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>27% Fora da faixa da direita </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>4,5% Faixa exclusiva de ônibus </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>2,5% Produto perigoso em local proibido </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>1% Outros </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>Obediência em áreas restritas: 67% </li></ul>
    6. 6. Concentração da Demanda 55 mil caminhões/dia 28% do total em circulação 70% da demanda de entregas Mais de 30% de outros Estados Centro Pinheiros/ Jardins
    7. 7. <ul><li>PESSOAS </li></ul><ul><li>Trabalho </li></ul><ul><li>Escola </li></ul><ul><li>Lazer </li></ul><ul><li>MERCADORIAS </li></ul><ul><li>Abastecimento </li></ul><ul><li>Prestação de Serviços </li></ul><ul><li>Passagem </li></ul>X Conflitos de Mobilidade
    8. 8. Ocupação das vias estruturais ao longo do dia 0 6 22 24 12 Saturação
    9. 9. Evolução da regulamentação Enfoque inicial: Restrição à circulação de caminhões, Foco no veículo
    10. 10. Evolução da regulamentação 1982 - ZRC Marginal Tietê Marginal Pinheiros
    11. 11. Evolução da regulamentação 1986 - ZMRC Marginal Tietê Marginal Pinheiros
    12. 12. Evolução da regulamentação 1987 – Corredor 9 de Julho/Sto. Amaro Marginal Tietê Marginal Pinheiros
    13. 13. Evolução da regulamentação 1988 – Exceções na ZMRC Marginal Tietê Marginal Pinheiros
    14. 14. Evolução da regulamentação 1993 – Redução do Horário de restrição na ZMRC Marginal Tietê Marginal Pinheiros
    15. 15. Evolução da regulamentação Marginal Tietê Marginal Pinheiros 1993 – Rótula Central Rebouças Rio Branco
    16. 16. Evolução da regulamentação 1996 – 23 de Maio Marginal Tietê Marginal Pinheiros
    17. 17. Evolução da regulamentação 1998 – Paulista ZMRC – Centro ( 25 de Março) Marginal Tietê Marginal Pinheiros
    18. 18. Corredores regulamentados apenas por sinalização Marginal Tietê Marginal Pinheiros Tiradentes Ligação Leste-Oeste
    19. 19. Evolução da regulamentação Restrição de Circulação de Produtos Perigosos Marginal Tietê Marginal Pinheiros
    20. 20. Conseqüências Diminuição dos conflitos de trânsito e melhoria da fluidez. Impacto negativo no comércio e na prestação de alguns serviços.
    21. 21. Regulamentação de veículos alternativos para áreas com restrição 1997 Regulamentação dos: Veículo Urbano de Carga – VUC até 5,50m x 2,20m Veículo Leve de Carga - VLC até 6,30m x 2,20m
    22. 22. Locais com restrição a Caminhões <ul><li>Zona de Máxima Restrição de Circulação - ZMRC </li></ul><ul><li>Vias Estruturais - Corredores </li></ul><ul><li>Vias e Áreas de Pedestres </li></ul><ul><li>Túneis, Viadutos e Pontes </li></ul><ul><li>Vias de Trânsito Seletivo </li></ul><ul><li>Zona Especial de Restrição de Circulação – ZERC (uso residencial) </li></ul><ul><li>Faixas e Pistas Exclusivas de Ônibus </li></ul>
    23. 23. Padronização da legislação, compatibilizando as necessidades de abastecimento e com as do trânsito. Publicação de Portaria com tratamentos uniformes por tipo de segmento ou serviço. Criação do “Cartão Caminhão” . 2002 Nova regulamentação de exceções por Portaria em locais com restrições
    24. 24. Resumo das Restrições a Veículos de Carga <ul><li>De natureza operacional </li></ul><ul><ul><ul><li>Conflito de demanda </li></ul></ul></ul><ul><li>De natureza física </li></ul><ul><ul><ul><li>Geometria viária, declividade, gabarito </li></ul></ul></ul><ul><li>De natureza ambiental </li></ul><ul><ul><ul><li>Produtos perigosos </li></ul></ul></ul>
    25. 25. Mobilidade de Bens e Serviços Foco na carga, na logística, no abastecimento e na economia urbana
    26. 26. Objetivos: Manter e desenvolver a movimentação de Bens e Serviços que viabilizam as funções econômicas urbanas e regionais. Reduzir conflitos de trânsito, racionalizar a ocupação do sistema viário e proporcionar melhores padrões de mobilidade de pessoas e mercadorias
    27. 27. Estratégias: Racionalizar O uso e a ocupação do Sistema Viário A frota da Distribuição Urbana Descentralizar Os grandes Pólos Geradores de viagens de cargas Requalificar A Rede Estrutural O atendimento ao transportador O controle de ocorrências e a fiscalização Estruturas e economias urbanas
    28. 28. Gestão de fluxos diversos Marginal Tietê Estado Fernão Dias Ayrton Senna Dutra Bandeirantes Anhanguera Castelo Branco Régis Bitencourt Anchieta Salim F. Maluf Passagem Abastecimento e Escoamento Distribuição Urbana Bandeirantes Raposo Tavares Imigrantes Marginal Pinheiros
    29. 29. Fórum de Cargas de São Paulo Zoneamento Rede Básica Regulamentação Controle e Monitoramento Entrega Programada Noturna PMBS Instrumentos de Gestão Terminais Rotas Centrais de Atendimento Portarias Equipamentos e Operação Zoneamento de Tráfego
    30. 30. Zoneamento Priorização de uso do Sistema Viário segundo necessidades de transporte e desempenho do trânsito. Otimização da ocupação das vias em áreas de demanda crítica.
    31. 31. Centro Av Paulista Jardins Zoneamento Áreas críticas de demanda e desempenho do Sistema Viário
    32. 32. Rede Estrutural Definição e tratamento para rede estrutural de cargas. Integração com Rodoanel. Implantação de equipamentos logísticos urbanos. Implantação da Central de Apoio ao Transportador. Micro-Terminais na área central. Promoção da inter-modalidade com Ferrovia.
    33. 33. Rede Estrutural Marginal Tietê Estado Fernão Dias Ayrton Senna Dutra Bandeirantes Bandeirantes Anhanguera Castelo Branco Raposo Tavares Régis Bitencourt Anchieta Imigrantes Salim F. Maluf Marginal Pinheiros
    34. 34. Entrega Noturna Priorização de uso do Sistema Viário segundo necessidades de transporte e desempenho do trânsito. Otimização da ocupação das vias em áreas de demanda crítica. Dispositivos que atendam os vários segmentos de comércio e serviços.
    35. 35. Ocupação racional das vias: Entrega Noturna 0 6 22 24 12 Saturação
    36. 36. Uma cidade com menos automóveis em circulação e estacionados nas vias; Transporte coletivo público mais eficiente, de maior capacidade e de melhor qualidade; Parcerias em equipamentos logísticos urbanos; Redefinir as prioridades de uso do sistema viário; Pólos de desenvolvimento descentralizados. Gestão Integrada de Fluxos
    37. 37. Experiências de Entrega Noturna Empresa Ação Redução da Frota Outras Vantagens Shell operação 24 horas Aproximadamente 50% reformulação logística operação 24h 70% + 60% viagens/veíc. COMBRAERO querosene (aviação ) Alteração do horário das 6h as 15h para das 0h as 6h 33% ganho financeiro Rhodia - Sal Nylon transporte 24 horas produto 8 ton./mês 40% - US$ 240 mil/ano Grupo Fosfértil / Ultrafértil
    38. 38. Experiências de Entrega Noturna Entrega noturna Grupo Pão de Açúcar / Extra / Barateiro <ul><li>Redução de 90% tempo de espera (recebimento) </li></ul><ul><li>Redução de 60% tempo de descarga </li></ul><ul><li>Redução de estoques nas lojas de 2 dias </li></ul>Panamco Brasil (Coca-Cola) <ul><li>entrega noturna </li></ul><ul><li>mini depósito </li></ul><ul><li>integração logística </li></ul><ul><li>racionalização </li></ul><ul><li>operacional </li></ul><ul><li>5,5% na frota </li></ul><ul><li>de entrega </li></ul><ul><li>28,8% na frota de transporte </li></ul>- 25% custo c/ distribuição + 21% ocupação da frota + 5% volume vendido Empresa Ação Redução da Frota Outras Vantagens
    39. 39. O Poder Público, como regulador das atividades urbanas deve, à sua medida, acompanhar este dinamismo enquanto, ao mesmo tempo, deve conciliar interesses particulares ou setoriais com os interesses da coletividade. A Cidade é viva e dinâmica !
    40. 40. Ciclo de Debates Mobilidade Urbana Terceiro Painel MOBILIDADE DE BENS E SERVIÇOS

    ×