O slideshow foi denunciado.

Relatorio AutoavaliaçAo 2007| 08

2.558 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Relatorio AutoavaliaçAo 2007| 08

  1. 1. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA (Carlos Teixeira – 11º ano [2007|2008] RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO 2007 e 2008
  2. 2. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO1 GRUPO DE TRABALHO: Emília Ferreira Graça Solha Lúcia Oliveira Paula Ribeiro (colaboraram os professores Maurícia Silva, Celso Mota e Joaquim Alexandre Ribeiro) 1 Este relatório foi elaborado a partir do modelo proposto na obra: Morris, L. C., Fitz-Gibbon & M. E. Freeman (1987 ). How to Communicate Evaluation Findings. 2
  3. 3. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO ÍNDICE I - INTRODUÇÃO ………………………………………………………………………... 4 II - METODOLOGIA …………………………………………………………………….. 5 1. Motivações ………………………………………………………………………. 5 2. Quadro de referência e escala de avaliação ………………………………… 6 3. Caracterização da população…………………………………………………. 7 4. Instrumentos e procedimentos na recolha de dados………………………… 8 5. Dificuldades e constrangimentos.……………………………………………… 8 III - APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DE RESULTADOS ……………............... 9 Resultados dos questionários | 2007…………………………………………… 9 IV - RESULTADOS ESCOLARES……………………………………………………. 31 1. Resultados escolares 2006 | 2007 ……………………………………………. 31 1.1. Ensino Secundário ………………………………………………………… 31 1.2. Ensino Básico - 9.º Ano …………………………………………………… 34 2. Resultados escolares 2007 | 2008 ……………………………………………. 36 2.1. Ensino Secundário ………………………………………………………… 36 2.2. Ensino Básico – 9.º Ano …………………………………………………... 39 3. Evolução dos resultados escolares em contexto de avaliação externa…….. 41 3.1. Ensino Básico – 9.º Ano……………………………………………………. 42 3.2. Ensino Secundário ………………………………………………………….. 44 V - CONSIDERAÇÕES FINAIS ……………………………………………………….. 46 3
  4. 4. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I – INTRODUÇÃO O presente Relatório refere-se à Auto-avaliação da Escola Secundária de Lousada. Esta foi desenvolvida por uma equipa constituída por elementos pertencentes à Assembleia de Escola de acordo com o previsto pelo Regulamento Interno em vigor nesta escola. Nesta fase inicial a equipa decidiu ouvir alunos e professores, recolhendo evidências que permitam identificar pontos fortes e fracos do desempenho desta escola, bem como as oportunidades de desenvolvimento criadas e os constrangimentos a ultrapassar, com vista a ser disponibilizado um conjunto de informações que constitua um instrumento de regulação interna e de prestação de contas sobre a qualidade dos desempenhos escolares, indispensáveis à administração e à sociedade em geral. Para o efeito a professores e a alunos foi pedido que respondessem a questionários desenvolvidos pela equipa de auto-avaliação a partir de modelos apresentados em obras de referência. 4
  5. 5. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO II – METODOLOGIA 1. Motivações O modelo de auto-avaliação proposto a esta comunidade educativa pretende apresentar um conjunto de características que se podem resumir do seguinte modo: • é um processo de melhoria da escola, conduzido através da construção de referenciais e da procura de provas para a formulação de juízos de valor; • é um exercício colectivo, assente no diálogo e no confronto de perspectivas sobre o sentido e os objectivos da escola e da educação; • é um processo de desenvolvimento profissional; • é um acto de responsabilidade social, ou seja, um exercício de civismo; • é uma avaliação orientada para a utilização; • é um processo conduzido internamente, mas que poderá contar com a intervenção de agentes externos. Deste modo o processo de auto-avaliação servirá sobretudo para: • prestar contas à comunidade educativa; • produzir um melhor conhecimento acerca das várias dimensões da escola, preparando-a para responder à avaliação externa e para o aprofundamento da autonomia; • promover o desenvolvimento da escola. 5
  6. 6. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO 2. Quadro de referência e escala de avaliação O modelo usado na construção do referencial tem por base o utilizado pela IGE no programa Avaliação Integrada das Escolas. Este integra a investigação científica mais recente neste domínio e faz alguma adaptação à realidade das escolas portuguesa. Assim, neste processo foram avaliados os seguintes domínios chave: • Organização e gestão escolar • Ensino e aprendizagem • Cultura de escola • Problemas e aspectos positivos A escala de avaliação é também a utilizada pela IGE e a que a seguir se apresenta: Níveis de classificação e seu significado2 Muito Bom – No critério considerado, a escola revela predominantemente pontos fortes, isto é, o seu desempenho é mobilizador e revela uma acção intencional sistemática, com base em procedimentos bem definidos que lhe dão um carácter sustentado e sustentável no tempo. Alguns aspectos menos conseguidos não afectam a mobilização para o aperfeiçoamento contínuo. Bom – No critério considerado, a escola revela bastantes pontos fortes, isto é, o seu desempenho revela uma acção intencional frequente, relativamente à qual foram recolhidos elementos de controlo e regulação. Alguns dos pontos fracos têm impacto nas vivências dos intervenientes. As actuações positivas são a norma, mas decorrem frequentemente do empenho e iniciativa individuais. Suficiente – No critério considerado, a escola revela situações em que os pontos fortes e os pontos fracos se contrabalançam, revelando frequentemente uma acção com alguns aspectos positivos, mas pouco determinada e sistemática. As vivências dos alunos e demais intervenientes são empobrecidas pela existência dos pontos fracos e as actuações positivas são erráticas e dependentes do eventual empenho de algumas pessoas. As acções de aperfeiçoamento são pouco consistentes ao longo do tempo. 2 Fonte: Inspecção Geral de Educação (IGE) 6
  7. 7. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Insuficiente – No critério considerado, a escola revela situações em que os pontos fracos ultrapassam os pontos fortes e as vivências dos vários intervenientes são generalizadamente pobres. A atenção prestada a normas e regras tem um carácter essencialmente formal, sem conseguir desenvolver uma atitude e acções positivas e comuns. A capacidade interna de melhoria é muito limitada, podendo existir alguns aspectos positivos, mas pouco consistentes ou relevantes para o desempenho global. 3. Caracterização da população A Escola Secundária de Lousada é uma escola com ensino com 3º ciclo do ensino básico, ensino secundário, ensino recorrente por unidades capitalizáveis e PIEF. Os 1123 alunos que a frequentam encontram-se distribuídos por 46 turmas de acordo com o seguinte quadro: Anos de Nº de Turmas escolaridade 7º 4 8º 6 9º 7 10º 12 11º 10 12º 10 PIEF 1 EB recorrente 1 ES recorrente 5 Trabalham nesta escola 132 professores, 11 funcionários administrativos e 36 auxiliares de acção educativa. 7
  8. 8. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO 4. Instrumentos e procedimentos na recolha de dados Na auto-avaliação a arte dos avaliadores consiste em aproveitar o trabalho que já está feito, por um lado, e em construir e/ou seleccionar instrumentos simples que permitam cobrir todas as áreas que se pretendem avaliar. Uma vez que nesta escola há já algum trabalho feito pois executam-se tarefas de avaliação sistemática, pelo menos no que diz respeito ao aproveitamento dos alunos, ao nível de abandono e de conclusão dos diferentes níveis de ensino, a equipa de auto-avaliação decidiu não integrar estes dados no processo. Relativamente às técnicas de recolha de dados optou-se pelo questionário. Assim foram utilizados dois questionários, um destinado aos alunos e outro aos professores, uma vez que foram estes os elementos da comunidade educativa que se decidiu ouvir neste processo. Decidiu-se ainda que todos os professores em exercício de funções nesta escola seriam solicitados a participar no processo respondendo ao questionário que lhes era destinado. Por outro lado, relativamente aos alunos procedeu-se à recolha das suas opiniões por amostragem. Para que a amostra fosse aleatória a equipa escolheu, pelo número de ordem, em cada turma dois alunos, um do sexo masculino e outro do sexo feminino, e contou com a colaboração dos Directores de Turma que distribuíram e recolheram os inquéritos. De modo a assegurar a confidencialidade das respostas todos os inquéritos são anónimos. 5. Dificuldades e constrangimentos Apesar do apoio que a equipa de auto-avaliação sentiu, quer do Presidente do Conselho Executivo quer dos elementos da Assembleia de Escola, houve alguns constrangimentos nomeadamente a exiguidade de tempo. Assim julgamos pertinente sugerir que, para que este processo possa ser alargado a outros elementos da comunidade educativa nos próximos anos lectivos e para que o mesmo melhore em qualidade tornando-se cada vez mais útil para a melhoria eficaz do serviço que a escola presta à comunidade, se constituam as equipas de auto-avaliação atempadamente, de modo a que no horário/semanário dos elementos que as constituam, haja lugar à marcação de tempos lectivos comuns, para que a equipa se reúna e trabalhe com a regularidade que esta tarefa exige. 8
  9. 9. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO III - APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DE RESULTADOS Resultados dos questionários | 2007 Foram entregues 117 questionários aos professores e recolhidos apenas 54. Aos alunos foram entregues e recolhidos 92 questionários. 1. ORGANIZAÇÃO E GESTÃO 1. Funcionamento do Grupo Disciplinar (Fonte: Questionário aos professores) Indique com que frequência os seguintes assuntos são abordados nas reuniões do seu Grupo Disciplinar. Nunca ou Sempre Algumas Muitas quase ou quase vezes vezes nunca sempre Discussão de problemas de política de escola 5 30 18 1 Distribuição dos tópicos dos programas por períodos 4 23 16 8 lectivos/número de aulas Planificação de unidades lectivas 4 22 17 13 Selecção e/ou elaboração de materiais pedagógicos 10 26 14 3 Discussão de estratégias de diferenciação pedagógica 15 18 13 6 Planeamento de actividades interdisciplinares (visitas de 1 31 13 9 estudos, exposições…) Elaboração de testes ou de outros instrumentos de avaliação 17 25 8 3 Definição de critérios de avaliação da disciplina 0 19 16 20 Análise dos resultados alunos na(s) disciplina(s), por ano e 3 18 19 16 turma Análise e reflexão sobre práticas educativas 5 27 16 5 Avaliação da eficácia das estratégias de ensino utilizadas 8 26 16 5 Avaliação de efeitos de decisões anteriores 10 25 14 3 Análise de problemas pessoais dos alunos 23 28 2 1 Análise de necessidades de formação dos professores 16 32 3 1 Organização de actividades de complemento curricular 13 27 10 2 9
  10. 10. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Pontos fortes • Planificação de unidades lectivas. • Definição de critérios de avaliação da disciplina. • Análise dos resultados alunos na(s) disciplina(s), por ano e turma. Pontos fracos • Discussão de problemas de política de escola. • Discussão de estratégias de diferenciação pedagógica. • Elaboração de testes ou de outros instrumentos de avaliação. • Análise e reflexão sobre práticas educativas. • Avaliação da eficácia das estratégias de ensino utilizadas. Avaliação: Insuficiente Sugestões de melhoria: • Sugere-se que os grupos disciplinares possam reunir em pequeno grupo, de acordo com os níveis/disciplinas que os diferentes professores leccionam. Para que tal seja possível é necessário que: - se constituam equipas que em cada ano lectivo leccionem os mesmos níveis/disciplinas; - os tempos de escola atribuídos a cada horário/semanário dos professores que leccionam os mesmos níveis/disciplinas coincidam de modo a que possam trabalhar em grupo; - se criem espaços físicos de trabalho destinados aos diferentes departamentos; - os departamentos/grupos disciplinares sejam libertados das tarefas mais burocráticas. • Sugere-se ainda que os órgãos de gestão (Conselho Executivo, Conselho 10
  11. 11. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Pedagógico) desenvolvam mecanismos de envolvimento dos membros dos diferentes departamentos de modo a que estes sintam que são elementos activos nos processos de tomada de decisão. 2. Funcionamento dos Conselhos de Turma A - Indique com que frequência os seguintes assuntos são abordados nas reuniões dos Conselhos de Turma de que é membro: ( Fonte: questionário aos professores) Nunca ou Muita Sempre Não Algumas Responde quase s ou quase vezes nunca vezes sempre Atribuição de classificações 0 2 9 42 0 Análise do aproveitamento dos alunos 0 1 2 49 0 Análise do cumprimento/implementação do Projecto Curricular 0 14 13 24 3 de Turma Planeamento de actividades curriculares interdisciplinares 3 26 15 10 0 Elaboração de planos de apoio a alunos 1 15 17 21 0 Definição de estratégias comuns para apoio a alunos com 3 24 18 9 0 dificuldades de aprendizagem Definição de critérios de avaliação para a turma 12 20 11 11 0 Avaliação da eficácia das medidas de apoio implementadas 5 15 17 17 0 Definição de estratégias tendentes ao envolvimento dos encarregados de educação no acompanhamento dos seus 5 26 13 10 0 educandos Avaliação da eficácia das estratégias de ensino 3 22 14 16 0 Análise de problemas pessoais dos alunos 2 18 19 15 0 Análise de queixas/discordâncias apresentadas por 12 26 11 5 0 encarregados de educação Análise de problemas disciplinares da turma 6 10 16 22 0 Estabelecimento de normas de comportamento na turma 7 18 18 11 0 11
  12. 12. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Pontos fortes • Análise do aproveitamento dos alunos. • Análise do cumprimento/implementação do Projecto Curricular de Turma. • Elaboração de planos de apoio a alunos. • Definição de estratégias comuns para apoio a alunos com dificuldades de aprendizagem. Pontos fracos • Avaliação da eficácia das estratégias de ensino. • Análise de queixas/discordâncias apresentadas por encarregados de educação. Avaliação: Bom Sugestões de melhoria: De acordo com os itens avaliados o funcionamento dos Conselhos de turma necessita apenas de melhorar a coordenação de estratégias de ensino utilizadas pelos professores que leccionam as diferentes disciplinas. 12
  13. 13. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO B - Indique com que frequência os seguintes assuntos são abordados nas reuniões formais ou em conversas informais com o seu Director de Turma: (Fonte: questionário aos alunos) Nunca Algumas Muitas vezes Sempre ou quase vezes ou quase nunca sempre Análise da assiduidade e/ou pontualidade dos 4 13 26 48 alunos Análise do aproveitamento nas diferentes 4 9 43 35 Disciplinas Análise de classificações de final de período 0 26 22 43 Análise do comportamento dos alunos da turma 0 22 17 52 Planeamento de actividades curriculares 9 9 43 30 Interdisciplinares Discussão de planos de apoio a alunos 0 17 43 31 Avaliação da eficácia das medidas de apoio 4 9 56 22 implementadas Análise de problemas pessoais dos alunos 4 13 43 30 Análise de problemas disciplinares da turma 0 0 39 52 Análise de problemas de relacionamento entre 4 17 43 26 alunos Análise de problemas de relacionamento entre 4 17 48 22 aluno(s)/professor(es) da turma Estabelecimento de normas de comportamento 0 4 39 48 na turma Pontos fortes • Todos. Pontos fracos • Nenhum. Avaliação: Muito Bom Sugestões de melhoria: Nada a sugerir. 13
  14. 14. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO 3. Funcionamento do Conselho Pedagógico Indique o seu grau de concordância relativamente às seguintes afirmações, a propósito do funcionamento do Conselho Pedagógico. (Fonte: Questionário aos professores) Discordo Concordo Discordo Concordo Não totalmente totalmente responde Define as linhas gerais da política educativa da escola 0 0 35 16 3 Elabora e aprova o PEE 0 1 35 17 1 Elabora e aprova o PCE 0 1 35 17 1 Define estratégias de apoio aos professores menos 7 20 22 4 1 experientes Acompanha o desenvolvimento dos projectos desenvolvidos 0 3 39 11 1 na escola Define a política de avaliação das aprendizagens 0 3 33 17 1 Define estratégias comuns para apoio a alunos com 2 8 39 4 1 dificuldades de aprendizagem Aprova os critérios de avaliação da escola 0 2 24 27 1 Avalia a eficácia das medidas de apoio educativo 1 5 30 17 1 implementadas Elabora o plano de formação da escola 4 11 30 8 1 Define as prioridades da escola relativamente ao 3 10 21 19 1 estabelecimento de parcerias e intercâmbios  Define critérios de formação de turmas 2 6 34 11 1  Define critérios de atribuição de turmas e horários aos 0 8 32 13 1 professores  Estabelece o perfil do Director de Turma 4 11 25 13 1 Pontos fortes • De uma forma geral os professores consideram que o Conselho Pedagógico funciona bem cumprindo as funções que lhe estão atribuídas. Pontos fracos • Definição de estratégias de apoio aos professores menos experientes. Avaliação: Muito Bom 14
  15. 15. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Sugestões de melhoria: Sugere-se que seja mais efectivo o plano de acompanhamento e integração dos novos professores e ainda que o Conselho Pedagógico melhore a comunicação entre este órgão e a comunidade docente em geral. Esta sugestão baseia-se no facto de serem poucos os elementos que manifestam concordância total relativamente a funções e tarefas que são por força de lei deste órgão. 4. Exercício da liderança pelo CE A - Indique o seu grau de concordância relativamente às seguintes afirmações, a propósito do exercício da liderança. (Fonte: Questionário aos professores) Discordo Concordo Discordo Concordo Não totalmente totalmente responde Gere eficazmente os recursos humanos 7 2 12 26 11 3 Apoia o desenvolvimento profissional do pessoal 0 15 34 2 3 Delega funções noutros actores educativos 5 8 30 8 3 Deposita expectativas elevadas nos professores 0 16 31 4 3 Tem expectativas elevadas acerca dos alunos 0 8 34 9 3 Possui expectativas elevadas nos funcionários 0 14 30 6 6 Conhece os assuntos sobre os quais tem de decidir 0 5 24 22 3 Envolve os outros nas tomadas de decisão 7 14 20 10 3 Integra diferentes contributos na tomada de decisão 4 12 25 10 3 Divulga a informação atempada e eficazmente 0 2 20 29 3 Estimula o desenvolvimento profissional dos diferentes 4 16 21 9 4 actores educativos Envolve os outros em projectos 3 5 33 8 5 Possui um projecto pedagógico para a escola 3 2 29 17 3 Possui visão estratégica 2 5 26 17 4 Fomenta a participação dos pais na vida da escola 1 4 35 11 3 Desenvolve estratégias de aproximação à comunidade 2 8 32 8 4 15
  16. 16. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO B - Indique o seu grau de concordância relativamente às seguintes afirmações, a propósito do trabalho do Conselho Executivo. (Fonte: questionário aos alunos) Discordo Discordo Concordo Concordo totalmente totalmente Mostra disponibilidade para ouvir os alunos quando 1 7 54 29 estes o solicitam Apoia o desenvolvimento de actividades 5 17 50 19 (culturais, desportivas, etc.) propostas pelos alunos Assegura a circulação de informação relativa a 1 5 61 22 assuntos de interesse dos alunos em tempo oportuno Preocupa-se com a manutenção da disciplina na 1 0 50 39 escola Preocupa-se como bem-estar dos alunos 0 9 60 22 É imparcial na apreciação de problemas/queixas 5 23 50 13 apresentadas por alunos relativamente a professores É imparcial na apreciação de problemas/queixas 3 21 57 10 apresentadas por alunos relativamente a funcionários É imparcial na apreciação de problemas/queixas apresentadas por alunos relativamente a outros 3 17 59 12 alunos Estimula o desenvolvimento profissional dos 1 6 73 11 diferentes actores educativos Incentiva a participação dos alunos na vida da escola 3 9 47 32 Pontos fortes Professores: • Possui um projecto educativo. • Divulga a informação atempada e eficazmente. • Possui visão estratégica para a escola. • Conhece os assuntos sobre os quais tem de decidir. • Fomenta a participação dos pais na vida da escola. Alunos: • Todos. Pontos fracos • Professores: Envolve os outros nas tomadas de decisão. Avaliação: Muito Bom Sugestões de melhoria: Sugere-se apenas que o CE, tal como faz e bem, com a informação divulgue de que forma são tomadas algumas das decisões mais importantes na área da gestão para que os professores se sintam envolvidos nessas tomadas de 16
  17. 17. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO decisão. 2. ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Utilização de materiais na sala de aula A - Indique com que frequência utiliza os seguintes materiais nas suas aulas. ( Fonte: Questionário aos professores) Sempre Nunca ou Algumas Muitas ou Não quase vezes Vezes quase responde nunca sempre Manual adoptado 1 8 13 28 4 Outros manuais escolares 11 22 18 2 1 Suportes escritos (fichas de trabalho, fichas informativas…) 0 17 26 11 0 Livros da especialidade 7 31 11 4 1 Materiais manipuláveis 8 29 14 3 0 Suportes visuais (fotografias, diapositivos…) 8 28 17 1 0 Suportes audiovisuais (vídeos, filmes, DVD, CD…) 8 33 12 1 0 Internet 27 21 5 0 1 Computador 19 16 16 2 1 B - Indique quantos dos seus professores utilizam os seguintes materiais nas aulas. ( Fonte: questionário aos alunos) Nenhum/ Poucos Muitos Todos/ Quase Quase todos nenhum Manual escolar adoptado 0 0 26 51 Outros manuais escolares 9 52 17 13 Suportes escritos (fichas de trabalho, fichas 0 4 43 43 informativas…) Livros da especialidade 17 35 22 17 Materiais manipuláveis 9 52 17 13 Suportes visuais (fotografias, diapositivos…) 9 52 26 4 Suportes áudio-visuais (vídeos, filmes, DVD, CD…) 13 61 13 4 Internet 35 43 9 4 Computador 26 48 13 4 17
  18. 18. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Comentário • Com estes quadros pretendia-se conhecer quais os materiais mais utilizados nas actividades lectivas. Pelas respostas de professores e alunos pode concluir-se que o manual adoptado ainda é o suporte mais utilizado bem como os suportes escritos. • Note-se que há alguma discordância quando se comparam as respostas de alunos e professores relativamente à utilização de meios audiovisuais e internet. 2. Organização do trabalho A - Indique com que frequência utiliza as seguintes modalidades de trabalho. (Fonte: Questionário aos professores) Sempre Nunca ou Algumas Muitas ou Não quase vezes Vezes quase responde nunca sempre Trabalho em grupo-turma 8 18 18 8 2 Trabalho de grupo 5 30 12 6 1 Trabalho de pares 3 17 27 7 0 Trabalho individual 0 8 30 15 1 Diferentes modalidades em simultâneo 23 10 12 7 2 B - Indique quantos dos seus professores utilizam as seguintes modalidades de trabalho. (Fonte: questionário aos alunos) Nenhum/ Poucos Muitos Todos/ Quase Quase nenhum todos Trabalho em grupo-turma 13 26 35 17 Trabalho de grupo 13 56 22 0 Trabalho de pares 17 48 26 0 Trabalho individual 0 61 26 4 Diferentes modalidades em simultâneo 2 38 47 4 Comentário • Professores e alunos concordam que as modalidades de trabalho mais utilizadas são o trabalho individual e o trabalho de grupo. • A extensão dos programas e o número de alunos por turma serão provavelmente os factores que mais impedem que outras modalidades de trabalho sejam utilizadas. 18
  19. 19. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO 3. Tipologia do trabalho A - Indique com que frequência implementa/promove as seguintes actividades e tarefas. (Fonte: Questionário aos professores) Sempre Algumas Muitas ou Raramente vezes vezes quase sempre Exposição oral de tópicos do programa 2 7 25 20 Trabalho experimental 25 14 12 3 Actividades de pesquisa na Internet 15 24 15 0 Actividades de pesquisa em suporte escrito (enciclopédias, 10 31 9 4 livros, etc.) Apresentação de sugestões 4 25 20 5 Sínteses orais 7 13 17 17 Apresentação dos assuntos que serão abordados na aula 0 13 26 15 Debates sobre tópicos do programa 10 19 16 9 Discussão de trabalhos realizadas pelos alunos 5 19 20 10 Registos escritos sobre tópicos do programa 5 22 18 9 Discussão de relatórios de trabalhos experimentais 26 15 11 2 Proposta de actividades específicas para (grupos de) alunos 15 28 10 1 Explicitação dos critérios de avaliação 0 9 15 30 Devolução comentada dos trabalhos dos alunos 1 5 22 26 B - Indique quantos dos seus professores implementam as seguintes actividades e tarefas. (Fonte: questionário aos alunos) Nenhum/ Poucos Muitos Todos/ Quase nenhum Quase todos Exposição oral de tópicos do programa 13 26 35 17 Trabalho experimental 13 56 22 0 Actividades de pesquisa na Internet 17 48 26 0 Actividades de pesquisa em suporte escrito 0 61 26 4 (enciclopédias, livros, etc.) Apresentação de sugestões 0 39 48 4 Sínteses orais 9 13 43 26 Apresentação dos assuntos que serão 0 22 52 17 abordados na aula Debates sobre tópicos do programa 13 35 35 9 Discussão de trabalhos realizados pelos alunos 17 22 48 4 Registos escritos sobre tópicos do programa 13 26 26 26 Discussão de relatórios de trabalhos 13 43 22 13 experimentais Actividades específicas para (grupos de) alunos 9 39 39 4 Explicitação dos critérios de avaliação 9 9 30 43 Devolução comentada dos trabalhos dos alunos 13 26 48 4 19
  20. 20. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO • É visível que a exposição oral quer dos tópicos do programa quer dos conteúdos programáticos são as actividades mais utilizadas na sala de aula. Constata-se ainda que a explicitação dos critérios de avaliação é tarefa realizada pela grande maioria dos professores que deste modo conseguem envolver os alunos no seu processo de avaliação tornando claras e conhecidas as regras utilizadas. • Das tarefas menos realizadas, merece destaque o trabalho experimental que de acordo com as orientações programáticas deveria ser especialmente utilizado nomeadamente nas disciplinas de Ciências (Biologia e Geologia, Física e Química). Consideramos que esta é uma lacuna importante no trabalho desenvolvido nesta escola. Esta falha é reconhecida por todos nomeadamente pelos professores que leccionam estas áreas disciplinares, mas há uma explicação para este facto. A escola tem apenas uma sala construída e projectada como laboratório e mesmo esta não reúne as condições mínimas de segurança para o efeito. Há mais cinco salas, para além da referida, três para a Biologia e Geologia e duas para a Física e Química. Todas são salas de aula normais com a particularidade de possuírem algumas bancadas de parede com torneira. Não há bancadas de trabalho fixas, não há sistemas de ventilação, não há armários de fumos (Hottes) e nem sequer arrecadações compatíveis com o armazenamento em segurança de reagentes. Os professores estão conscientes de que a escola não reúne as condições mínimas de segurança para que possam permitir que os alunos realizem a maioria dos trabalhos experimentais previstos autonomamente. 4. Técnicas e instrumentos de avaliação A- Indique com que frequência utiliza as seguintes técnicas e instrumentos de avaliação. (Fonte: Questionário aos professores) Nunca ou Sempre Algumas Muitas quase ou quase vezes vezes nunca sempre Testes de resposta aberta 3 12 24 15 Testes de resposta fechada 6 19 20 9 Testes mistos 1 8 26 19 Questionários orais 9 13 22 10 Relatórios de trabalhos individuais 17 23 13 1 Relatórios de trabalho em grupo 14 29 10 1 Relatórios de trabalhos experimentais 27 14 12 1 Relatórios de visitas de estudo 33 13 3 5 Portfolio 32 10 10 2 B- Indique quantos dos seus professores utilizam as seguintes técnicas e instrumentos de avaliação. (Fonte: questionário aos alunos) 20
  21. 21. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Nenhum/ Poucos Muitos Todos/ Quase Quase todos nenhum Testes de resposta aberta 13 26 35 17 Testes de resposta fechada 0 22 56 13 Testes mistos 9 22 43 17 Questionários orais 26 35 22 9 Relatórios de trabalhos individuais 30 39 17 4 Relatórios de trabalho de grupo 13 43 26 9 Relatórios de trabalhos experimentais 13 61 13 4 Relatórios de visitas de estudo 30 43 0 17 Portfolio 26 43 13 9 Comentário • Os instrumentos de avaliação mais utilizados são sem dúvida os testes escritos. Note-se que enquanto os professores indicam como método muito utilizado os questionários orais os alunos referem que este é um instrumento pouco utilizado. • São instrumentos pouco utilizados os relatórios e o portfolio. Recomenda-se que estes instrumentos sejam cada vez mais utilizados até por força das actuais orientações legislativas sobre avaliação. 5. Relação pedagógica A - Indique com que frequência toma as seguintes atitudes perante os alunos. ( Fonte: Questionário aos professores) Sempre Nunca ou Algumas Muitas ou quase vezes vezes quase nunca sempre Ouve as sugestões dos alunos 0 4 19 31 Comenta com os alunos os seus progressos e dificuldades 0 5 14 35 Esclarece dúvidas sobre assuntos abordados na aula 0 1 9 44 Integra saberes dos alunos no trabalho realizado na aula 0 6 27 21 Modifica o seu comportamento face a críticas pertinentes dos 2 17 21 14 alunos Estimula a participação dos alunos 0 1 8 45 Elogia o trabalho realizado pelos alunos 0 1 14 39 Mostra disponibilidade para ouvir problemas pessoais dos 0 5 14 35 alunos Procura soluções 0 6 16 32 B - Indique quantos dos seus professores têm as atitudes seguintes face os alunos. (Fonte: questionário aos alunos) 21
  22. 22. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Nenhum/ Poucos Muitos Todos/ Quase nenhum Quase todos Ouve as sugestões dos alunos 0 4 52 35 Comenta com os alunos os seus progressos 4 13 57 17 e dificuldades Esclarece dúvidas sobre assuntos abordados 0 4 35 52 na aula Integra saberes dos alunos no trabalho 0 4 61 26 realizado na aula Modifica o seu comportamento face a críticas 4 17 62 8 pertinentes dos alunos Estimula a participação dos alunos 0 4 57 30 Elogia o trabalho realizado pelos alunos 9 4 52 26 Mostra disponibilidade para ouvir problemas 8 22 52 9 pessoais dos alunos Procura soluções 4 22 43 22 Comentário • A análise das respostas leva-nos a concluir que há uma boa relação pedagógica entre alunos e professores desta escola. • Sublinhe-se apenas que os professores consideram, na sua maioria, não modificarem o seu comportamento perante possíveis críticas mas os alunos não têm a mesma opinião e acham que a maioria dos professores é susceptível a essas críticas. 22
  23. 23. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO 3. CULTURA DE ESCOLA Cultura de escola A- Indique o seu grau de concordância relativamente às seguintes afirmações, a propósito da cultura de escola. (Fonte: Questionário aos professores) Sempre Discordo Algumas Muitas ou Não Totalmente vezes vezes quase responde As normas e o regulamento da escola são aplicados 0 4 26 24 0 Os alunos são encorajados a trabalhar com empenho 1 9 28 16 0 Os professores são reconhecidos quando desenvolvem bom 7 26 16 5 0 trabalho Os alunos são reconhecidos quando desenvolvem bom 4 17 21 12 0 trabalho Os funcionários são reconhecidos quando desenvolvem bom 1 29 14 7 3 trabalho Existe uma cultura de organização 6 7 28 15 4 Os professores são estimulados a participar em actividades 10 24 13 7 0 de desenvolvimento A oferta cultural é diversificada 10 19 20 5 0 Os pais são estimulados a participar nas actividades da 6 28 16 4 0 escola Os actores educativos envolvem-se na tomada de decisão 2 39 12 1 0 A escola é um lugar disciplinado e seguro 0 7 27 20 0 A escola é um lugar onde é agradável estar 1 7 27 19 0 Os alunos são informados, em tempo oportuno, dos 1 8 21 24 0 assuntos relevantes de política educativa Os professores são informados, em tempo oportuno, dos 0 8 19 27 0 assuntos relevantes de política educativa Os professores são exigentes na atribuição de classificações 1 14 30 9 0 Os professores são justos na atribuição de classificações 1 7 29 17 0 As expectativas acerca dos alunos são elevadas 3 24 23 4 0 23
  24. 24. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO B - Indique o seu grau de concordância relativamente às seguintes afirmações, a propósito da cultura de escola. (Fonte: questionário aos alunos) Discordo Discordo Concordo Concordo totalmente totalmente As normas e o regulamento da escola são 4 4 69 13 aplicados Os alunos são encorajados a trabalhar com 0 4 56 30 empenho Os professores são reconhecidos quando 0 9 65 17 desenvolvem bom trabalho Os alunos são reconhecidos quando desenvolvem 0 13 52 26 bom trabalho Os funcionários são reconhecidos quando 0 22 56 13 desenvolvem bom trabalho Existe uma cultura de organização 4 4 53 30 Os professores são estimulados a participarem em 4 13 65 9 actividades de desenvolvimento A oferta cultural é diversificada 13 17 48 13 Os pais são estimulados a participar nas 22 22 35 14 actividades da escola Os actores educativos envolvem-se na tomada de 4 17 61 9 decisão A escola é um lugar disciplinado e seguro 0 13 56 22 A escola é um lugar onde é agradável estar 0 9 52 30 Os professores são informados, em tempo oportuno, dos assuntos relevantes de política 4 9 65 13 educativa Os professores são exigentes na atribuição de 0 0 69 22 classificações Os professores são justos na atribuição de 0 17 57 17 classificações As expectativas acerca dos alunos são elevadas 4 17 61 9 Pontos fortes Professores: • As normas e o regulamento da escola são aplicados. • Os alunos são encorajados a trabalhar com empenho. • Existe uma cultura de organização. • A escola é um lugar disciplinado e seguro. • A escola é um lugar onde é agradável estar. • Os alunos são informados, em tempo oportuno, dos assuntos relevantes de política educativa. • Os professores são justos na atribuição de classificações. Alunos: • As normas e o regulamento da escola são aplicados. • Os alunos são encorajados a trabalhar com empenho. • Os professores são exigentes na atribuição de classificações. • A escola é um lugar disciplinado e seguro. • A escola é um lugar onde é agradável estar. 24
  25. 25. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Pontos fracos Professores: • Os professores são estimulados a participar em actividades de desenvolvimento. • Os professores são reconhecidos quando desenvolvem bom trabalho. • Os pais são estimulados a participar nas actividades da escola. • Os actores educativos envolvem-se na tomada de decisão. Alunos: • Os professores são estimulados a participarem em actividades de desenvolvimento. Avaliação: Muito Bom Sugestões de melhoria: • Recomenda-se que os órgãos competentes, nomeadamente o Conselho Executivo, encontrem formas de demonstrar reconhecimento pelo bom trabalho desenvolvido pelos professores merecedores desse reconhecimento. Simultaneamente recomenda-se que haja maior estímulo à participação e envolvimento de todos os actores educativos (pais, professores e alunos) na vida da escola. • O cumprimento das regras existentes e a organização são pontos fortes que devem ser mantidos e por isso sugere-se que se mantenham e se possível se reforcem todas as medidas que conduziram à actual situação. 25
  26. 26. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Comentário • Os pontos sinalizados como fortes relativamente às respostas dos alunos referem-se apenas aos itens que obtiveram uma concordância quase plena. Registe se que, na maioria dos itens, a percentagem de concordância é elevada. • A opinião dos professores é mais crítica, nomeadamente em relação ao estímulo que recebem para se sentirem motivados a participar em actividades de enriquecimento e/ou nas tomadas de decisão. • Professores e alunos concordam que a escola é um local de trabalho onde há organização, regras e consequentemente bom ambiente de trabalho. • Deve ainda destacar-se a opinião dos alunos relativamente à justiça na atribuição de classificações e ao rigor que os professores usam nos momentos de avaliação. 26
  27. 27. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO 4. PROBLEMAS E ASPECTOS POSITIVOS DA ESCOLA 1. Problemas da escola A - Indique o grau em que se apresentam, na escola, cada um dos problemas identificados. (Fonte: Questionário aos professores) Não Problema Problema Problema constitui Não mínimo moderado grave problema responde Desmotivação dos professores 4 14 23 13 Absentismo dos professores 15 22 12 4 1 Fraco investimento dos professores em actividades de 11 23 17 3 0 desenvolvimento profissional Falta de preparação científica ou pedagógica dos 24 23 5 2 0 professores Falta de cooperação entre os professores 14 24 13 3 0 Conflitos entre professores e/ou grupos de professores 26 20 7 1 0 Desmotivação dos alunos 3 4 24 23 0 Absentismo dos alunos 6 13 27 8 0 Abandono dos alunos 3 16 22 13 0 Indisciplina dos alunos 5 22 18 9 0 Má preparação prévia dos alunos 1 9 20 24 0 Desmotivação dos funcionários 9 28 11 4 2 Absentismo dos funcionários 16 24 10 4 0 Falta de preparação dos funcionários para as funções que 13 23 11 5 2 desempenham Conflitos entre funcionários e/ou grupos de funcionários 16 23 11 2 2 Fraco envolvimento dos pais nas actividades da escola 1 9 19 23 2 Fraco envolvimento dos pais no acompanhamento dos 1 14 23 16 0 trabalhos dos filhos Falta de interacção da escola com a comunidade 10 21 20 2 1 Falta de liderança dos órgãos de direcção da escola 30 21 1 2 0 Falta de liderança dos órgãos de gestão intermédia da 25 13 14 2 0 escola Participação limitada no processo de tomada de decisão 15 22 11 5 1 Recursos insuficientes 28 19 6 2 1 Apoio insuficiente dos órgãos de gestão 12 26 8 7 1 Ofertas de formação insuficientes 9 19 20 5 1 Meio socio-económico desfavorecido 5 14 28 7 0 27
  28. 28. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO B - Indique grau em que se apresentam, na escola, cada um dos problemas identificados. Não Problema Problema Problema constitui mínimo moderado grave problema Desinteresse dos professores 39 17 4 30 Absentismo dos professores 26 22 30 13 Insuficiência de funcionários 39 17 26 9 Falta de preparação dos funcionários para o 30 26 13 22 exercício das funções que desempenham Conflitos entre funcionários e alunos 48 4 17 22 Desinteresse dos alunos 5 30 17 39 Absentismo dos alunos 22 26 17 26 Abandono dos alunos 13 22 22 34 Indisciplina na sala de aula 4 17 39 30 Violência na escola 26 22 13 30 Escassez de oferta de actividades de complemento 22 30 30 9 curricular Informação insuficiente acerca do prosseguimento de 17 39 22 13 estudos e/ou ingresso no mercado de trabalho Funcionamento deficiente dos serviços de orientação 13 39 26 13 educativa Indisponibilidade dos professores para ouvirem 35 30 22 4 problemas pessoais dos alunos Exigência dos professores na atribuição de notas 26 35 26 4 Qualidade do trabalho dos professores 35 17 22 17 Actividades de apoio pedagógico insuficientes 26 17 39 9 Horários de funcionamento dos diferentes serviços (Secretaria, Centro de Recursos, Papelaria, etc.) 13 43 22 13 pouco satisfatórios Horários das aulas mal elaborados 9 22 26 34 Recursos de ensino (computadores, livros, material 35 12 22 22 de laboratório, etc.) insuficientes Má qualidade das instalações e equipamentos 35 9 22 26 Falta de liderança dos órgãos de direcção da escola 26 26 30 9 Participação limitada no processo de tomada de 35 13 35 9 decisão Indisponibilidade do Conselho Executivo para tratar 35 9 17 30 problemas apresentados pelos alunos Indisponibilidade do Director de Turma para resolver 43 0 22 26 problemas apresentados pelos alunos Outro(s) Comentário Este último quadro destina-se a cumprir duas funções: • Contém afirmações que se destinam apenas a controlar o grau de consistência das respostas obtidas nos quadros anteriores. • Contém afirmações que se destinam a avaliar aspectos que consideramos não se 28
  29. 29. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO enquadrarem nas áreas anteriormente avaliadas. Assim é possível aferir que não há enviesamentos de respostas relativamente a questões sensíveis e importantes na avaliação do serviço prestado pela escola nomeadamente quando se pretende concluir sobre a relação entre os alunos e o seu director de turma, a liderança do Conselho Executivo, o envolvimento dos pais ou a participação dos professores nos processos de tomada de decisão. Pela leitura deste último quadro é possível concluir que os pontos fortes assinalados nos quadros anteriores aparecem aqui como não constituindo problema ou problema mínimo, enquanto que alguns pontos fracos são agora assinalados como constituindo problema moderado e/ou grave. Relativamente aos aspectos que aqui se avaliam pela primeira vez no âmbito deste trabalho destacamos como problemas mais preocupantes, os seguintes:  A insatisfação dos alunos relativamente aos seus horários.  A escassez de actividades de apoio pedagógico.  A indisciplina na sala de aula.  O abandono dos alunos.  O fraco envolvimento dos pais no acompanhamento dos trabalhos dos filhos e nas actividades da escola.  A má preparação prévia dos alunos.  A desmotivação dos professores. 2. Aspectos mais positivos da escola Indique, por ordem decrescente, os três aspectos da escola que considera mais positivos . (Questionário aos alunos e professores) Alunos e professores apontam aspectos positivos diferentes. Enquanto os professores realçam a existência de bons recursos informáticos, o empenho dos professores no desempenho das suas funções e a qualidade da informação difundida no interior da escola, os alunos valorizam mais a disciplina e a segurança, a limpeza da escola e o bom ambiente vivenciado no dia-a-dia. 29
  30. 30. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO 3. Sugestões de melhoria Indique, por ordem decrescente, os três aspectos da escola que considera prioritário melhorar. Professores:  Aquecimento  Maior colaboração entre professores  Eliminação de alguns aspectos burocráticos Alunos:  Aquecimento  Fim das aulas de substituição  Áreas cobertas (acesso à portaria e ao pavilhão gimnodesportivo) Professores e alunos fazem outras sugestões de melhoria que consideramos pertinentes nomeadamente a diminuição do número de alunos por turma, melhoria das condições dos balneários e dos laboratórios, recuperação das salas de aula e melhoria do serviço da cantina. 30
  31. 31. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO IV - RESULTADOS ESCOLARES 1. Resultados escolares 2006 | 2007 1.1. Ensino Secundário No quadro seguinte apresentam-se os resultados obtidos pelos alunos internos do ensino secundário desta escola nos exames nacionais relativos ao ano lectivo de 2006/07. No mesmo quadro registaram-se ainda as médias nacionais bem como a comparação destas com os resultados internos. Apresentam-se ainda as percentagens de reprovações por cada prova/código (internas e nacionais). Nº de alunos Média de exame Média % Reprovados CÓDIGO/DISCIPLINA Média Nac. % Repro. Nac. 1ª Fase 2ª Fase 1ª Fase 2ª Fase Total 1ª Fase 2ª Fase 639/Português-Português B 150 36 111 102 109 113 4 5,6 5 635/MatemáticaA-Matemática 103 39 103 100 102 106 1,7 25,6 18 835/Mat. Apli. Ciên. Sociais 39 4 98 113 99 118 2,6 25 7 702/Biologia e Geologia 78 45 90 80 86 91 21,8 33,3 12 708/Geometria Descritiva A 15 5 89 88 89 106 6,7 20 14 715/Física e Química A 55 49 73 91 82 74 21,8 28,6 31 719/Geografia A/Geografia 57 14 101 94 100 110 3,5 7,1 7 623/História-Hist.B-História 24 5 89 55 83 94 8,3 40 17 140/Psicologia 15 3 113 54 103 109 6,7 33,3 5 Comparação médias internas versus médias nacionais Gráfico 1 % de reprovações no Ensino Secundário 31
  32. 32. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Gráfico 2 De uma forma geral, os resultados dos alunos internos do ensino secundário em exame nacional, foram inferiores à média nacional, à excepção da disciplina de Física e Química A onde os resultados foram ligeiramente superiores. Note-se no entanto que a diferença entre as classificações dos alunos desta escola e a média nacional é inferior a 10/200 pontos, ou seja, é inferior a 5%. Deste modo considera-se que os resultados são bons apesar de estarmos conscientes que o corpo docente desta escola está, na sua maioria, empenhado em conseguir ainda melhores médias. Com a estabilização do corpo docente que vem sendo cada vez maior, a escola vê melhorar o desempenho dos seus alunos nas avaliações externas por comparação com as médias nacionais. Há no entanto necessidade de melhorar os resultados, principalmente nas disciplinas que apresentam médias inferiores a 100 pontos. Note-se que esta melhoria não depende exclusivamente do trabalho de professores e alunos. Existem factores internos e externos que têm implicações mais ou menos evidentes nestes resultados tais como: - A extensão e alguma desarticulação horizontal e vertical dos diferentes programas/currículos; - Alguma falta de recursos físicos da escola, nomeadamente de salas específicas para algumas disciplinas; 32
  33. 33. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO - Falhas na concepção das provas de exame nomeadamente itens de exame mal formulados, de critérios específicos que ultrapassam largamente o que a questão exige ao aluno e cenários de resposta alinhados por um claro excesso que, não raras vezes, colocam graves problemas de validade, coerência e justiça. Pelo exposto torna-se evidente que há trabalho a fazer pela escola mas existem também condicionantes que escapam ao seu controlo. Algumas, das nomeadas, afectam de igual modo toda a realidade nacional e só assim se compreende que, apesar de não serem os desejados, os resultados dos alunos internos desta escola sejam no entanto muito próximos dos resultados nacionais. Quanto à percentagem dos alunos reprovados é na 1ª fase inferior à da 2ª fase em todas as disciplinas. A comparação entre estas e as percentagens nacionais está representada no gráfico 2. Uma vez que o Ministério da Educação não disponibiliza dados por cada fase de exame não é possível tirar ilações dessa comparação. Saliente-se no entanto que a percentagem de alunos que reprovaram a Física e Química A e a Biologia e Geologia é a mais alta da escola talvez por serem estas as disciplinas onde as condicionantes acima referidas mais se fazem sentir. Note-se que, tal como já referido, a média dos alunos internos à disciplina de Física e Química A é superior à nacional. Recomenda-se: - A continuidade do trabalho realizado pelos professores; - A exigência à tutela de mais e melhores recursos físicos; - A aposta que os Órgãos de Gestão, nomeadamente o Conselho Executivo, vem fazendo na criação de equipas de professores responsáveis pelas disciplinas sujeitas a exame nacional; - O reforço do apoio prestado pelos professores aos alunos, nos tempos e espaços extra sala de aula, nomeadamente na Sala de Estudo criada nesta escola durante todo o ano lectivo e nos horários de atendimento aos alunos que normalmente os professores disponibilizam nos dias que medeiam entre o término das actividades lectivas e o início da época de exames. 33
  34. 34. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO 1.2. Ensino Básico - 9.º ano Analisam-se apenas as duas disciplinas sujeitas a avaliação externa, Língua Portuguesa e Matemática. Língua Portuguesa Cf CE CF % % Nacional Nível 1 0 0 0 0 0,1 Nível 2 11 14 11 11 11,9 Nível 3 102 87 101 68,5 53,9 Nível 4 9 22 11 17,3 31,4 Nível 5 5 4 4 3,2 2,7 Gráfico 3 A partir da análise dos resultados verificados à disciplina de Língua Portuguesa, constata-se que os resultados positivos dos alunos internos do 9.º ano, em exame nacional, foram ligeiramente superiores aos apresentados a nível nacional. Todavia, é de realçar que a grande percentagem de positivas se concentra no nível 3, onde se denota uma vantagem em relação aos resultados nacionais (68,5% contra 53,9%). Verifica-se a mesma tendência relativamente ao nível cinco. Porém, o número de alunos com nível 4, em exame nacional, é bastante inferior ao apresentado pelos resultados obtidos a nível nacional. 34
  35. 35. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Mediante os resultados verificados, é fundamental continuar a fomentar os hábitos de leitura, insistir nos Planos Individuais de Leitura e continuar a pôr em prática o Plano Nacional de Leitura. É essencial persistir no desenvolvimento de actividades que promovam o contacto com diversas tipologias de textos. No que se refere aos resultados de Matemática, os valores obtidos, em exame nacional, foram inferiores aos apresentados a nível nacional. Constata-se que 12,6% dos alunos internos do 9.º ano obtiveram positiva no exame nacional. Quanto aos resultados apresentados a nível nacional, 29 %. Matemática Cf CE CF % % Nacional Nível 1 0 42 0 33,1 22,9 Nível 2 66 69 63 54,3 48,2 Nível 3 54 13 58 10,2 18,9 Nível 4 7 3 6 2,4 8,6 Nível 5 0 0 0 0 1,5 Gráfico 4 35
  36. 36. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Não obstante, se observarmos os resultados finais obtidos pelos alunos internos do 9.º ano, na disciplina de Matemática, verifica-se uma melhoria. O acentuado número de alunos com nível 1 no exame nacional obtiveram nível 2 de classificação final, tal pode ser explicado pela valorização de uma avaliação contínua, na qual se tem em consideração aspectos formativos tais como o empenho, a participação, a execução de tarefas na sala de aula e em casa, entre outras. Face aos resultados verificados, deve-se apostar na continuidade dos docentes ao longo do ciclo, implementar aulas de apoio, sempre que o professor da disciplina ou o conselho de turma julgue necessário tal complemento e continuar a pôr em prática o Plano da Matemática. 2. Resultados escolares 2007 | 2008 2.1. Ensino Secundário Da análise dos quadros e gráfico que se apresentam é possível constatar que nas disciplinas de MACS (835), Geometria Descritiva A (708), Física e Química A (715), Geografia A (719) e Desenho A (706) os resultados obtidos em exame pelos alunos internos desta escola foram superiores à média nacional nas mesmas provas. São de salientar os resultados obtidos pelos alunos à disciplina de MACS que superaram a média nacional, aproximadamente em dois valores, e ainda o facto de pelo segundo ano consecutivo os resultados à disciplina de Física e Química A serem superiores à média nacional. Nº de alunos % Média de exame Média Média % Reprovados CÓDIGO/DISCIPLINA Repro. 1ª Fase 2ª Fase 1ª Fase 2ª Fase Total Nac. 1ª Fase 2ª Fase Nac. 639/Português-Português B 133 19 90 120 99 110 2,2 5 8 635/MatemáticaA-Matemática 67 5 125 104 119 129 4,5 60 7 835/Mat. Apli. Ciên. Sociais 35 3 112 97 110 92 0 33 13 702/Biologia e Geologia 134 13 103 101 102 110 3,7 23 8 708/Geometria Descritiva A 12 5 105 86 98 95 16,6 40 14 715/Física e Química A 93 44 96 94 95 94 20 45 22 719/Geografia A/Geografia 63 4 116 104 114 112 3,2 50 5 623/História-Hist.B-História 25 6 91 90 91 106 8 33 10 724/História e Cult. Das Artes 1 16 125 84 86 98 0 19 10 712/ Economia A 19 3 123 139 126 131 0 0 2 706/Desenho A 17 0 118 130 120 115 0 0 1 36
  37. 37. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Nos restantes códigos os resultados obtidos apesar de inferiores às respectivas médias nacionais não se afastam mais de 10% desta, à excepção das disciplinas de Português (639), Matemática A (635), História A (623) e História e Cultura das Artes (724). Registe-se, no entanto, que nas três disciplinas referidas os resultados dos alunos são superiores ou aproximadamente iguais a 10 valores. No Gráfico 5 apresentam-se as percentagens de reprovações dos alunos internos, quer da 1ª como da 2ª fase, e a comparação destes com o mesmo indicador a nível nacional. Comparação médias internas versus médias nacionais Gráfico 5 Gráfico 6 37
  38. 38. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Verifica-se que a percentagem de alunos desta escola, reprovados em cada um dos códigos/ disciplinas é menor na 1ª fase que na 2ª. Uma vez que a maioria dos alunos realizou os seus exames na 1ª fase e como o Ministério da Educação não disponibiliza as percentagens nacionais por fases, será provavelmente mais fiável comparar os resultados da escola na 1ª fase com os totais nacionais. Assim é possível constatar que a percentagem de alunos reprovados, é inferior à percentagem nacional a todas as disciplinas, com excepção da disciplina de Geometria Descritiva A (708). Numa análise global, pode-se concluir que os resultados dos alunos do ensino secundário desta escola são satisfatórios. Esta foi também a conclusão a que chegaram os diferentes grupos disciplinares que analisaram estes mesmos dados. Apesar do exposto, tanto os professores como os órgãos de gestão e as estruturas pedagógicas desta escola, continuam a apostar numa melhoria contínua destes resultados. Algumas disciplinas apresentam, ainda, médias de exame inferior a dez valores e este é, sem dúvida, um dos factos que mais atenção terá de merecer no próximo ano lectivo. Novamente se reitera, tal como se referiu na análise relativa aos resultados do ano de 2007, a necessidade de promover estratégias conducentes à melhoria dos resultados. Assim há práticas que devem ter continuidade tais como: - o bom e empenhado trabalho que vem sendo realizado pelos professores; - a aposta dos Orgãos de Gestão na continuidade das equipas pedagógicas e, em particular, na continuidade das equipas de professores que leccionam disciplinas sujeitas a exame nacional; - o funcionamento da sala de estudo onde tem sido possível reforçar o apoio dado aos alunos por todos os professores. Outras estratégias poderão ser implementadas tais como: - uso da plataforma Moodle, já em funcionamento mas subaproveitada, que permitirá a troca e partilha de recursos entre professores e o trabalho virtual entre alunos e professores; - elaboração de testes/ou matrizes comuns (por nível de ensino) elaborados a nível de escola ou disponibilizados pelo GAVE (testes intermédios); - mais e melhor articulação interdisciplinar; - aumentar a diversidade dos materiais e a tipologia de trabalho, utilizados nas aulas, de modo a motivar os alunos para o trabalho em contexto de sala de aula. 38
  39. 39. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Reforçam-se aqui alguns aspectos também já referidos neste relatório aquando da análise efectuada aos resultados do ano lectivo anterior e que se prendem com a necessidade de existirem, em maior quantidade e melhor qualidade, salas específicas para algumas disciplinas nomeadamente laboratórios de Biologia, Física, Química e Matemática, melhor articulação entre currículos e uma clarificação da tipologia das provas de exame que em algumas disciplinas e analisando as provas dos últimos anos lectivos, se torna necessária. 2.2. Ensino Básico - 9.º ano Tal como no ano lectivo anterior, analisam-se apenas os resultados às duas disciplinas sujeitas a avaliação externa: Língua Portuguesa e Matemática. Língua Portuguesa Cf CE CF % % Nacional Nível 1 0 0 0 0 0,2 Nível 2 8 6 5 3,5 14,9 Nível 3 88 79 91 64,1 47,3 Nível 4 31 48 35 24,6 33,3 Nível 5 15 9 11 7,7 4,3 Gráfico 7 Pela análise dos resultados é possível verificar que os resultados dos alunos desta escola à disciplina de Língua Portuguesa devem ser considerados bons uma vez 39
  40. 40. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO que a percentagem de resultados negativos (níveis 1 e 2) é claramente inferior à percentagem de resultados positivos. Constata-se mesmo que a percentagem de alunos que obtiveram nível 5 (7,7%) é superior à percentagem nacional (4,3%). A estes resultados não será porventura alheio o facto de a prova apresentada aos alunos se ter revelado equilibrada e de acordo com os objectivos do programa. Recomenda-se a continuação do bom trabalho que tem vindo a ser realizado pelos professores que leccionam o ensino básico, pois os resultados destes exames reflectem o trabalho realizado com os alunos, ao longo de três anos lectivos. Todo o empenho que os professores têm demonstrado no fomento de hábitos de leitura, nomeadamente com a implementação dos Planos Individuais de Leitura, deve ter continuidade. Sugere-se, no entanto, uma maior aposta no desenvolvimento das capacidades de escrita e de interpretação de textos de diferentes tipologias. Em relação à disciplina de Matemática apresentam-se os resultados obtidos nesta escola e a comparação destes com os resultados nacionais. Matemática Cf CE CF % % Nacional Nível 1 1 1 0 0 2,8 Nível 2 55 50 56 39,4 39,9 Nível 3 64 40 63 44,4 26,3 Nível 4 16 37 16 11,3 22,4 Nível 5 6 12 7 4,9 8,7 Gráfico 8 40
  41. 41. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Pode-se concluir que os resultados obtidos nesta escola são superiores aos nacionais, nomeadamente no nível 3 . A percentagem de alunos que obtiveram nível 2 foi inferior à percentagem nacional. Regista-se, ainda, a não existência de alunos com nível 1 nesta escola. Estes resultados podem ser considerados bons. Apesar desta realidade, o grupo disciplinar de Matemática elaborou um plano de melhoria que será implementado no próximo ano lectivo onde se incluem estratégias tais como, mais e melhor trabalho de equipa entre os professores que leccionam o mesmo ano de escolaridade, elaboração de testes e de critérios de correcção comuns com o objectivo de equilibrar os resultados, promover o gosto pelo saber e pelo aprender, entre outros. Propõem-se, ainda, continuar a implementar o Plano de Acção da Matemática. 3. Evolução dos resultados escolares em contexto de avaliação externa Apesar deste relatório se referir apenas aos anos lectivos de 2006/2007 e 2007/2008 esta escola há já vários anos, faz anualmente a análise dos resultados obtidos pelos seus alunos em contexto de avaliação externa e a comparação destes com as classificações internas de frequência. Esta análise era, e é, feita pelas várias estruturas da escola: Conselho Executivo, Conselho Pedagógico e Grupos Disciplinares. A escola monitoriza também os números de abandono escolar assim como o número de alunos que em cada disciplina/ano de escolaridade anula a matrícula. Aos alunos do ensino secundário que, em virtude dos seus resultados escolares, anulam a matrícula ou que se vêem legalmente impedidos de efectuar matricula, a alguma disciplina do seu currículo, a escola tem procurado oferecer a ajuda possível na superação destas situações. Com a cooperação dos professores, e sempre que há condições logísticas, é permitida a assistência destes alunos às aulas e proporcionado o apoio de docentes, fora do contexto de sala de aula, para a necessária preparação para os exames que tiverem de realizar. Os alunos que completam o ensino secundário e que por diversas vicissitudes não conseguem o almejado acesso ao ensino superior encontram também na escola, sempre que possível, todo o apoio dos professores e do Conselho Executivo para que se preparem para a repetição dos exames nacionais. 41
  42. 42. ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Uma vez que a escola possui dados julgou-se interessante e útil incluir nesta análise a evolução dos resultados desde o ano lectivo de 2005/2006, ano em que entrou em vigor a última reforma curricular, até 2007/2008. 3.1. Ensino básico – 9º ano Nos quadros que abaixo se apresentam registaram-se as percentagens de negativas e positivas obtidas pelos alunos nos três anos em análise. Língua Portuguesa 2005/2006 2006/2007 2007/2008 Níveis % % % 1 2 29 11,1 7,3 3 4 5 71 88,9 92,7 Matemática 2005/2006 2006/2007 2007/2008 Níveis % % % 1 47 88,1 43,8 2 3 53 11,9 56,2 4 5 A partir da análise dos quadros apresentados é possível verificar que as duas disciplinas sujeitas a avaliação externa apresentam cenários de evolução diferentes. Na disciplina de Língua Portuguesa é visível uma evolução positiva da percentagem de alunos que obtiveram em exame níveis positivos. Registe-se que no último ano lectivo dos 162 alunos internos que realizaram este exame apenas 11 alunos apresentaram um resultado negativo. A percentagem de 42

×