Tr580440 8838 Helio Ujihara Enegep[1]

359 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
359
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tr580440 8838 Helio Ujihara Enegep[1]

  1. 1. Hélio Massaharu Ujihara Avaliação de resultados obtidos em certificação de sistema de gestão da qualidade em empresa de injeção plástica
  2. 2. SUMÁRIO <ul><li>1. Objetivo </li></ul><ul><li>2. Metodologia </li></ul><ul><li>3. Introdução </li></ul><ul><li>3.1 Norma NBR ISO 9001:2000 </li></ul><ul><li>3.2 Sistemas de Gestão da Qualidade </li></ul><ul><li>3.3 Treinamento e aprendizagem </li></ul><ul><li>3.4 Certificações e indicadores de qualidade </li></ul><ul><li>3.5 Melhoria contínua e satisfação de clientes </li></ul><ul><li>4. Discussão e Resultados </li></ul><ul><li>5. Conclusões </li></ul><ul><li>6. Referências </li></ul>
  3. 3. 1. OBJETIVOS <ul><li>Avaliar os resultados decorrentes da implantação do SGQ em empresa de injeção plástica denominada Gama, conforme a NBR ISO 9001:2000; </li></ul><ul><li>Abordar os aspectos relevantes que contribuíram para as melhorias de qualidade obtidas; </li></ul><ul><li>Discutir os resultados perante um universo mais amplo de empresas certificadas, de acordo com pesquisa efetuada pela ABNT/CB-25 e em 41 empresas do mesmo segmento. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Os meios utilizados para o desenvolvimento deste trabalho foram a pesquisa bibliográfica e documental; </li></ul><ul><li>Resultados extraídos dos indicadores da qualidade, registrados em atas de reunião de análise crítica do SGQ da empresa Gama, localizado no Vale do Paraíba/SP; </li></ul><ul><li>Resultados obtidos em pesquisa efetuada pelo CB-25 da ABNT e pesquisa de levantamento efetuada em 41 empresas do segmento de injeção plástica. </li></ul>2. METODOLOGIA
  5. 5. 3. INTRODUÇÃO 3.1 NBR ISO 9001:2000 <ul><li>Baseou-se num modelo de processos que pode ser aplicado em qualquer empresa, de produção, de processos, ou prestadora de serviços; </li></ul><ul><li>Todos os requisitos da nova norma são escritos em termos genéricos. </li></ul><ul><li>Essa falta de especificidade torna a norma mais amigável às operações das empresas; </li></ul>
  6. 6. 3.1 NBR ISO 9001:2000 <ul><li>Destaca a importância, para uma organização: </li></ul><ul><li>- identificar, implementar, gerenciar e melhorar continuamente a eficácia dos processos e; </li></ul><ul><li>- gerenciar as interações desses processos para atingir a satisfação dos clientes; </li></ul><ul><li>Exige dos usuários: </li></ul><ul><li>- um maior alinhamento entre suas atividades e as expectativas dos clientes; </li></ul><ul><li>- agregarem valor e melhorar continuamente o desempenho. </li></ul>
  7. 7. 3.2 Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) <ul><li>Os sistemas são as instalações, os recursos materiais, as práticas e a respectiva base documentada; </li></ul><ul><li>Sistema de gestão da qualidade é apenas um conjunto de recursos e regras mínimas, implementado de forma adequada; </li></ul><ul><li>Objetiva orientar cada parte da empresa para que execute de maneira correta e no tempo devido a sua tarefa; </li></ul>
  8. 8. 3.2 Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) <ul><li>Direciona as tarefas para o objetivo comum da empresa: ser competitiva (ter qualidade com produtividade); </li></ul><ul><li>As práticas, parte do sistema , são aquelas ações do dia-a-dia de cada organização que as pessoas aprendem e fazem por treinamento. </li></ul>
  9. 9. 3.3 Treinamento e aprendizagem <ul><li>Uma organização de aprendizagem é hábil no criar, adquirir e transferir conhecimento e no modificar de seu comportamento para refletir novos conhecimentos e insights ; </li></ul><ul><li>Não se pode esquecer que o aprendizado ocorre no dia-a-dia e que existem mecanismos onde a organização que aprende pode influir nos resultados finais; </li></ul>
  10. 10. 3.3 Treinamento e aprendizagem <ul><li>O treinamento nas organizações é voltado principalmente para complementar a competência de conhecimento em “o que fazer” e em “como fazer” (NBR ISO 9001:2000); </li></ul><ul><li>A questão chave do sucesso parece ser o comprometimento das pessoas e; </li></ul><ul><li>A solução para os problemas passa a ser como desenvolver esse comprometimento nas pessoas ; </li></ul><ul><li>Não há comprometimento quando há imposição. </li></ul>
  11. 11. 3.4 Certificações do SGQ <ul><li>As certificações dos sistemas de gestão da qualidade segundo a Norma NBR ISO 9001:2000 não implicam que a organização tenha qualidade. </li></ul><ul><li>Possíveis causas: </li></ul><ul><li>Má definição dos processos com conseqüente falha da medição dos mesmos e com pouca visibilidade da melhoria contínua; </li></ul>
  12. 12. 3.4 Certificações do SGQ <ul><li>Os gerentes encaram a certificação como mais uma burocracia de funções, pois várias dificuldades são encontradas nas preparações para auditorias; </li></ul><ul><li>Falha dos processos de treinamento e auditorias internas com pouca ou nenhuma indicação da verificação da eficácia; </li></ul><ul><li>Dificuldade no gerenciamento dos processos. </li></ul>
  13. 13. 3.5 Melhoria contínua e satisfação de clientes <ul><li>A melhoria contínua, quando aplicada ao ambiente de trabalho, significa envolvimento de todos os que integram as equipes de trabalho em busca de resultados sempre melhores. </li></ul><ul><li>O objetivo da melhoria contínua de um SGQ é aumentar a probabilidade de fazer crescer a satisfação dos clientes e de outras partes interessadas. </li></ul><ul><li>A retro alimentação dos clientes e de outras partes interessadas, as auditorias e a análise crítica do SGQ podem também ser utilizadas para identificar oportunidades de melhoria. </li></ul>
  14. 14. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO FIGURA 1 – Motivações para certificação Fonte: Adaptado de ABNT/CB-25
  15. 15. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO FIGURA 2 – Principais dificuldades na implementação do SGQ Fonte: Adaptado de ABNT/CB-25
  16. 16. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO FIGURA 3 – Vantagens na certificação Fonte: Pesquisa de levantamento ( 41 empresas do segmento de injeção plástica)
  17. 17. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO FIGURA 4 – GAMA: Índice de refugos do setor de Injetoras
  18. 18. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO FIGURA 5 – Carga horária média de treinamento acumulada per capita Fonte- GAMA-Ata de Reunião de Análise Crítica do SGQ.Nov. de 2005
  19. 19. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO FIGURA 6 – Pesquisa de Satisfação de clientes Fonte: GAMA-Ata de Reunião de Análise Crítica do SGQ.Nov.de 2005
  20. 20. 5. CONCLUSÕES <ul><li>A iniciativa exógena de implementação dos SGQ´s pode dificultar o comprometimento das pessoas; </li></ul><ul><li>A implementação dos sistemas de gestão da qualidade pode encontrar dificuldades devido a possíveis mudanças de cultura e resistência dos funcionários; </li></ul><ul><li>A certificação dos SGQ´s traz benefícios diversos, mas não necessariamente melhoria da qualidade. </li></ul>
  21. 21. 5. CONCLUSÕES <ul><li>No caso da empresa em estudo, verificou-se que : </li></ul><ul><li>- o treinamento teve influência na melhoria de qualidade da empresa; </li></ul><ul><li>a implementação do SGQ e sua certificação contribuíram para a melhoria da qualidade, evidenciada pela diminuição dos índices de refugos; </li></ul><ul><li>atingiu-se o objetivo,segundo a norma, com melhoria na satisfação dos clientes. </li></ul>
  22. 22. 5. REFERÊNCIAS ABNT/CB-25. Pesquisa de Credibilidade das certificações ISO 9000. Abril de 2005. < http://www.inmetro.gov.br/qualidade/Apresentacao%20CB25%20Rev0.pdf > .Acesso em 5 de Maio, 2006. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9001: sistemas de gestão da qualidade-requisitos. Rio de Janeiro, 2000. CARDOSO, G.A.G.J; CARDOSO, A.A; CHAVES,C.A.. Qualidade Gerencial – uma visão crítica. UNINDU 2005: 1st International Congress University-Industry Cooperation, Setembro de 2005. Empresa Gama. Ata de Reunião de Análise Crítica do SGQ. Taubaté, Novembro de 2005 GARVIN, DAVID A. Building a Learning Organization. In: Harvard Business Review. Boston, July-August, 1993. IMAI, M..Kaizen , A estratégia para o sucesso competitivo. São Paulo: IMAM, 1994. MARANHÃO, M.. ISO série 9000(versão 2000) – Manual de Implementação. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005. MIGUEL, PAULO AUGUSTO CAUCHICK. Qualidade: Enfoques e ferramentas. São Paulo: Artliber, 2001. MELLO, CARLOS H. P. et al. ISO 9001:2000, sistema de gestão da qualidade para operações de produção e serviços. São Paulo: Atlas, 2002. PEARCH, C.; KITKA, J.. Answering Questions About ISO 9000: 2000. Disponível em < http://www.pcimag.com/CDA/Archives/bcd09fb6a36a7010VgnVCM100000f932a8c0___ >Acesso em 30.04.2006 . SENGE, P. A Quinta disciplina: Arte e prática da organização que aprende. São Paulo: Best Seller, 2000.
  23. 23. Muito obrigado !

×