SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
PRESENTED BY:
NAME :ARMANDO GASPAR
NRE : 2013 04 02 014
ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM
FACULDADE MEDICINA E CIENCIAS DE SAUDE
UNIVERSIDADE NACIONAL TIMOR LOROSA’E
DILI
2014
A Giardia foi descoberta em 1681, por Anton Van
Leeuwenhoek quando examinava as suas próprias fezes
diarreicas sob o microscópio. O parasita foi descrito
novamente em 1859, pelo médico tcheco Vilém Dusan
Lamblo qual o denominou Cercomas intestinalis.
Em 1915, a equipe do zoólogo Charles Stiles criou o nome
Giardia lamblia, para homenagear as pesquisas do biólogo
francês Alfred Mathieu Giard e Vilém Dusan Lambl.
A Giardia é um pequeno protozoário parasita do intestino
delgado e, algumas vezes, do intestino grosso que pode
causar diarreia aguda e crônica, ocasionalmente má
formação e, raramente, êmese ou Giardíase.
Os Protozoários do gênero Giardia lamblia são parasitas
flagelados que habitam no trato de gastrointestinal
 É flagelado (se locomoveatravés de flagelos);
 É um sermicroscópico, medindocerca de 0,017
milímetros. Sópodemservisualizados com uso de
microscópiospotentes.
 Existem em duas formas: cistos (ovos) e
ostrofozoítas (forma adulta);
 A alimentação ocorre na parede intestinal do
hospedeiro, através da absorção dos alimentos;
 A reproduçãonão é sexual, mas na forma de
divisão binaria longitudinal.
Especie Giardia lamblia
cística
espécie Giardia lamblia na
forma cística e Giardia
lamblia trofozoíta
espécie Giardia lamblia na
forma trofozoíta
Domínio : Eukaria
Reino : Protista
Subreino : Protozoa
Filo : Sarcomastigophora
Subfilo : Mastigophora
Classe : Zoomastigophora
Ordem : Diplomonadida
Família : Hexamitidae
Gênero : Giardia
Espécie : G. lamblia
Em 2007, segundo a OMS, revelam prevalência de parasitas
intestinais de 56,7%. Neste experimento, Giardia intestinalis
estava presente em 2,32% dos animais.
Em Timor-leste, em 2008 foi realizado uma pesquisa por
Ministeiro de Saúde atravez da Escola Superior de
Tecnologia da Saúde de Lisboa e Escola Superior da Cruz
Vermelha Portuguesa, com o resultado relatado que a
Giardiase “Giardia Lamblia” foi o triceiro caso maior em
Timor-Leste seguindo a Entamoeba Histolical dispar.
No.
Parasitas intestinais Média
1.
B. Hominis 53,3%
2.
E. Histolitical dispar 11,4%
3.
G. Lamblia 5,8%
4.
Outras parasitas 29,5%
TOTAL 100%
Etiologia
 A Giardia Lamblia é um protozoário que
possui duas formas , uma forma cística,
que é eliminada nas fezes que pode
sobreviver durante meses no ambiente
e é infecciosa para outros animais.

 Estes cistos são arredondados, com
dois ou quatro núcleos, quatro corpos
parabasais, quatro axonemas e com
parede celular grossa e imóveis. A
forma de trofozoíta, que se desenvolve
no intestino delgado a partir de cistos
ingeridos e causa sinais clínicos.
Epedeomologia
 A prevalência da Giárdia apresenta
índices variáveis, dependendo da
localização geográfica
 A giárdia é adquirida via ingestão de
fezes contaminadas, ou de alimento ou
água contaminada. Não existe migração
extra-intestinal e nem ocorre infecções
transplacentárias e transmamárias.
Uma vez ingeridos, os cistos de Giárdia
podem ser eliminados nas fezes 5 a 16
dias mais tarde, podendo permanecer
subsistentes na água de rios ou de
lagos por até 84 dias.
Ciclos biológicos da Giardia. mostrando autoinfecção
em humanos
Patologia-Mecanismos De
Infecção
 Os sinais da destruição em
virtude da má absorção podem
ocorrer como resultado da
infecção prolongada e extensiva.
 Cobrir a superfície da mucosa do
intestino Delgado, pois causando
um infiltrado sub-mucosal
 A má absorção de gorduras
Sinais e Sintomas Clínicos
 Os sinais e sintomas clínicos sdo
intestino delgado, ocasionalmente
diarreia do intestino grosso ou
intestinal mista, esteatorreia,
borborigmo e perda de peso.
Raramente a infecção é grave,
porém pode causar desidratação,
letargia e anorexia. ão diarreia
O método da padrão para o diagnóstico da giardíase é o
exame directo das fezes ou de material do duodeno obtido
por aspiração.
O diagnóstico laboratorial é feito pela identificação de
cistos ou trofozoítos no exame direto de fezes ou
identificação de trofozoítos no fluído duodenal, obtido
através de aspiração. A detecção de antígenos pode ser
realizada pelo ELISA, com confirmação diagnóstica. Em
raras ocasiões, poderá ser realizada biópsia duodenal, com
identificação de trofozoítos
 Aos indivíduos que practicam caminho ou acampamento podem
evitar episódios desagradaveis de diarreia, fervendo filtrando a
água que bebem ou tratando-a com quantida de suficiêntes de
Cloro e Iodo.
 Ferver as águas com uma temperature até 200 oC, lavar bem os
alimentos que se consume em cru, lavar bem os vegetais antes
de preparar com águas potáveis.
O tratamento da forma não complicada pode ser feito com
levamisol, albendazol, mebendazol, pamoato de pirante
louivermectina.
O tratamento pode ser realizado com secnidazol, tinidazol,
metronidazol, furazolidona, nimorazol, paromomicina,
albendazol e nitazoxanida.
 www.editorafaef.com.br/giardíase-felina-revisão-de-literatura ano IX–Número 16–
Janeiro de 2011 – Periódicos Semestral
 www.faef.edu.br/giardíase-felina-revisão-de-literatura, ano IX–Número 16–Janeiro
de 2011 – Periódicos Semestral
 Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária é uma publicação semestral da
Faculdade de Medicina veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF e Editora FAEF,
mantidas pela Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG. Ano IX – Número 16 –
Janeiro de 2011 – Periódicos Semestral.
 NB: Todas essas referencias são apenas por um portal ou seja têm portais iguais
 Livro de actas do 1o congresso das ciências da saúde de Timor-Leste em dezembro
2008 por Ministeiro da Saúde e Instituto de Ciências de Saúde Timor-Leste
THANK YOU!!!!!!
THANK TOU
BABY!!!!!!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletroforese
EletroforeseEletroforese
Eletroforese
UERGS
 
Câncer colo útero estudo de caso pdf
Câncer colo útero   estudo de caso pdfCâncer colo útero   estudo de caso pdf
Câncer colo útero estudo de caso pdf
Tuani Varella
 
A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica
SEMED de Santarém/PA
 
Replicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotosReplicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotos
UERGS
 
Genética e doenças - Super Super Med
Genética e doenças - Super Super MedGenética e doenças - Super Super Med
Genética e doenças - Super Super Med
emanuel
 

Mais procurados (20)

Aula de coccídios
Aula de coccídiosAula de coccídios
Aula de coccídios
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Giardia lamblia
Giardia lambliaGiardia lamblia
Giardia lamblia
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Eletroforese
EletroforeseEletroforese
Eletroforese
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Câncer colo útero estudo de caso pdf
Câncer colo útero   estudo de caso pdfCâncer colo útero   estudo de caso pdf
Câncer colo útero estudo de caso pdf
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
 
Mastigophora
MastigophoraMastigophora
Mastigophora
 
Trichuris trichiura
Trichuris trichiuraTrichuris trichiura
Trichuris trichiura
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?
Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?
Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?
 
Aula de Parasitologia do dia: 18.08.2016
Aula de Parasitologia do dia: 18.08.2016Aula de Parasitologia do dia: 18.08.2016
Aula de Parasitologia do dia: 18.08.2016
 
A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica
 
Replicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotosReplicacao e transcriçao DNA procariotos
Replicacao e transcriçao DNA procariotos
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Genética e doenças - Super Super Med
Genética e doenças - Super Super MedGenética e doenças - Super Super Med
Genética e doenças - Super Super Med
 

Semelhante a Gíardia lamblia presentation

7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Lucia Tavares
 
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasFlagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
ARTHUR CALIXTO
 

Semelhante a Gíardia lamblia presentation (20)

Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando GasparSobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Gíardia lamblia
Gíardia lambliaGíardia lamblia
Gíardia lamblia
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdf
 
Giard_ase.pptx
Giard_ase.pptxGiard_ase.pptx
Giard_ase.pptx
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
 
Enterobácterias - Salmonella e E. Colli
Enterobácterias - Salmonella e E. ColliEnterobácterias - Salmonella e E. Colli
Enterobácterias - Salmonella e E. Colli
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasFlagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 

Mais de Armando Gaspar

O estresse no local de trabalho
O estresse no local de trabalhoO estresse no local de trabalho
O estresse no local de trabalho
Armando Gaspar
 
Introdução sobre a saúde
Introdução sobre a saúdeIntrodução sobre a saúde
Introdução sobre a saúde
Armando Gaspar
 
Trabalho do grupoo sobre hiv
Trabalho do grupoo sobre hivTrabalho do grupoo sobre hiv
Trabalho do grupoo sobre hiv
Armando Gaspar
 

Mais de Armando Gaspar (10)

O estresse no local de trabalho
O estresse no local de trabalhoO estresse no local de trabalho
O estresse no local de trabalho
 
Introdução sobre a saúde
Introdução sobre a saúdeIntrodução sobre a saúde
Introdução sobre a saúde
 
Fracture
FractureFracture
Fracture
 
Doenca ocupacional (prevencao)
Doenca ocupacional (prevencao)Doenca ocupacional (prevencao)
Doenca ocupacional (prevencao)
 
O comma diabetico (definicao, etiomologia, causas, prevencao e tratamento)
O comma diabetico (definicao, etiomologia, causas, prevencao e tratamento)O comma diabetico (definicao, etiomologia, causas, prevencao e tratamento)
O comma diabetico (definicao, etiomologia, causas, prevencao e tratamento)
 
Trabalho do grupoo sobre hiv
Trabalho do grupoo sobre hivTrabalho do grupoo sobre hiv
Trabalho do grupoo sobre hiv
 
About Heart>> english presentation::Armando Gaspar
About Heart>> english presentation::Armando GasparAbout Heart>> english presentation::Armando Gaspar
About Heart>> english presentation::Armando Gaspar
 
Exemplo nova area de__intervenção_no_local_de_trabalho:: Armando Gaspar
Exemplo nova area de__intervenção_no_local_de_trabalho:: Armando GasparExemplo nova area de__intervenção_no_local_de_trabalho:: Armando Gaspar
Exemplo nova area de__intervenção_no_local_de_trabalho:: Armando Gaspar
 
LEAFLET TENTANG MIOMA UTERY::ARMANDO GASPAR
LEAFLET TENTANG MIOMA UTERY::ARMANDO GASPARLEAFLET TENTANG MIOMA UTERY::ARMANDO GASPAR
LEAFLET TENTANG MIOMA UTERY::ARMANDO GASPAR
 
DEFINISI DAN KLASIFIKASI FRAKTUR :: ARMANDO GASPAR
DEFINISI DAN KLASIFIKASI FRAKTUR :: ARMANDO GASPARDEFINISI DAN KLASIFIKASI FRAKTUR :: ARMANDO GASPAR
DEFINISI DAN KLASIFIKASI FRAKTUR :: ARMANDO GASPAR
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (8)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 

Gíardia lamblia presentation

  • 1. PRESENTED BY: NAME :ARMANDO GASPAR NRE : 2013 04 02 014 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM FACULDADE MEDICINA E CIENCIAS DE SAUDE UNIVERSIDADE NACIONAL TIMOR LOROSA’E DILI 2014
  • 2. A Giardia foi descoberta em 1681, por Anton Van Leeuwenhoek quando examinava as suas próprias fezes diarreicas sob o microscópio. O parasita foi descrito novamente em 1859, pelo médico tcheco Vilém Dusan Lamblo qual o denominou Cercomas intestinalis. Em 1915, a equipe do zoólogo Charles Stiles criou o nome Giardia lamblia, para homenagear as pesquisas do biólogo francês Alfred Mathieu Giard e Vilém Dusan Lambl.
  • 3. A Giardia é um pequeno protozoário parasita do intestino delgado e, algumas vezes, do intestino grosso que pode causar diarreia aguda e crônica, ocasionalmente má formação e, raramente, êmese ou Giardíase. Os Protozoários do gênero Giardia lamblia são parasitas flagelados que habitam no trato de gastrointestinal
  • 4.  É flagelado (se locomoveatravés de flagelos);  É um sermicroscópico, medindocerca de 0,017 milímetros. Sópodemservisualizados com uso de microscópiospotentes.  Existem em duas formas: cistos (ovos) e ostrofozoítas (forma adulta);  A alimentação ocorre na parede intestinal do hospedeiro, através da absorção dos alimentos;  A reproduçãonão é sexual, mas na forma de divisão binaria longitudinal. Especie Giardia lamblia cística espécie Giardia lamblia na forma cística e Giardia lamblia trofozoíta espécie Giardia lamblia na forma trofozoíta
  • 5. Domínio : Eukaria Reino : Protista Subreino : Protozoa Filo : Sarcomastigophora Subfilo : Mastigophora Classe : Zoomastigophora Ordem : Diplomonadida Família : Hexamitidae Gênero : Giardia Espécie : G. lamblia
  • 6. Em 2007, segundo a OMS, revelam prevalência de parasitas intestinais de 56,7%. Neste experimento, Giardia intestinalis estava presente em 2,32% dos animais. Em Timor-leste, em 2008 foi realizado uma pesquisa por Ministeiro de Saúde atravez da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa e Escola Superior da Cruz Vermelha Portuguesa, com o resultado relatado que a Giardiase “Giardia Lamblia” foi o triceiro caso maior em Timor-Leste seguindo a Entamoeba Histolical dispar.
  • 7. No. Parasitas intestinais Média 1. B. Hominis 53,3% 2. E. Histolitical dispar 11,4% 3. G. Lamblia 5,8% 4. Outras parasitas 29,5% TOTAL 100%
  • 8. Etiologia  A Giardia Lamblia é um protozoário que possui duas formas , uma forma cística, que é eliminada nas fezes que pode sobreviver durante meses no ambiente e é infecciosa para outros animais.   Estes cistos são arredondados, com dois ou quatro núcleos, quatro corpos parabasais, quatro axonemas e com parede celular grossa e imóveis. A forma de trofozoíta, que se desenvolve no intestino delgado a partir de cistos ingeridos e causa sinais clínicos. Epedeomologia  A prevalência da Giárdia apresenta índices variáveis, dependendo da localização geográfica  A giárdia é adquirida via ingestão de fezes contaminadas, ou de alimento ou água contaminada. Não existe migração extra-intestinal e nem ocorre infecções transplacentárias e transmamárias. Uma vez ingeridos, os cistos de Giárdia podem ser eliminados nas fezes 5 a 16 dias mais tarde, podendo permanecer subsistentes na água de rios ou de lagos por até 84 dias.
  • 9. Ciclos biológicos da Giardia. mostrando autoinfecção em humanos
  • 10. Patologia-Mecanismos De Infecção  Os sinais da destruição em virtude da má absorção podem ocorrer como resultado da infecção prolongada e extensiva.  Cobrir a superfície da mucosa do intestino Delgado, pois causando um infiltrado sub-mucosal  A má absorção de gorduras Sinais e Sintomas Clínicos  Os sinais e sintomas clínicos sdo intestino delgado, ocasionalmente diarreia do intestino grosso ou intestinal mista, esteatorreia, borborigmo e perda de peso. Raramente a infecção é grave, porém pode causar desidratação, letargia e anorexia. ão diarreia
  • 11. O método da padrão para o diagnóstico da giardíase é o exame directo das fezes ou de material do duodeno obtido por aspiração. O diagnóstico laboratorial é feito pela identificação de cistos ou trofozoítos no exame direto de fezes ou identificação de trofozoítos no fluído duodenal, obtido através de aspiração. A detecção de antígenos pode ser realizada pelo ELISA, com confirmação diagnóstica. Em raras ocasiões, poderá ser realizada biópsia duodenal, com identificação de trofozoítos
  • 12.  Aos indivíduos que practicam caminho ou acampamento podem evitar episódios desagradaveis de diarreia, fervendo filtrando a água que bebem ou tratando-a com quantida de suficiêntes de Cloro e Iodo.  Ferver as águas com uma temperature até 200 oC, lavar bem os alimentos que se consume em cru, lavar bem os vegetais antes de preparar com águas potáveis.
  • 13. O tratamento da forma não complicada pode ser feito com levamisol, albendazol, mebendazol, pamoato de pirante louivermectina. O tratamento pode ser realizado com secnidazol, tinidazol, metronidazol, furazolidona, nimorazol, paromomicina, albendazol e nitazoxanida.
  • 14.  www.editorafaef.com.br/giardíase-felina-revisão-de-literatura ano IX–Número 16– Janeiro de 2011 – Periódicos Semestral  www.faef.edu.br/giardíase-felina-revisão-de-literatura, ano IX–Número 16–Janeiro de 2011 – Periódicos Semestral  Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária é uma publicação semestral da Faculdade de Medicina veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF e Editora FAEF, mantidas pela Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG. Ano IX – Número 16 – Janeiro de 2011 – Periódicos Semestral.  NB: Todas essas referencias são apenas por um portal ou seja têm portais iguais  Livro de actas do 1o congresso das ciências da saúde de Timor-Leste em dezembro 2008 por Ministeiro da Saúde e Instituto de Ciências de Saúde Timor-Leste