GAZETA DO SANTA CÂNDIDA DEZEMBRO 2012

725 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
725
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

GAZETA DO SANTA CÂNDIDA DEZEMBRO 2012

  1. 1. EXPEDIENTE Diretor: Adilson da Costa Moreira Fones 8433-7462 e 3328-0176 Dep. comerciail: Antonio Fernando Soares Neto Rua Eng. Luiz Augusto L. Fonseca, 520 - Santa Cândida - Curitiba E-mail: gazetasantacandida@gmail.com Tiragem: 10.000 exemplares www.santacandida.blogspot.com As matérias assinadas não refletem necessariamente a opinião do jornal. 2 Cidade nos EUA quer proibir cachorros e outros animais domésticos. Prefeitura de Beaver Falls, na Pensilvânia, afirma que os bichos perturbam o ambiente e ameaçam a segurança A cidade norte- americana de Beaver Falls, na Pensilvânia, está tentando combater a crise econômica com uma medida inusitada: proibir cachorros e outros a n i m a i s domésticos de circular no centro. Passear com cães pelo centro pode se tornar ilegal em Beaver Falls, na Pensilvânia, EUA. A proposta da prefeitura, que pode ser efetivada até o final do ano, dividiu a opinião dos 9 mil moradores do município. As informações são do Huffington Post. A iniciativa faz parte do plano municipal de revitalização do centro e pretende evitar que o melhor amigo do homem atrapalhe potenciais consumidores. Políticos argumentaram que os cachorros perturbam o ambiente e ameaçam a segurança dos transeuntes. Segundo Steve Johnson, prefeito da pequena cidade, cães do “tamanho de pôneis” são amarrados em postes, da onde tentam atacar idosos e crianças. O administrador ainda acrescentou ao jornal local Beaver County Times que recebeu inúmeras reclamações Conheça a cidade que pretende proibir cachorros e animais domésticos de moradores sobre problemas de limpeza e segurança relacionados aos animais. O vereador John “Chuckie” Kirkland explicou à emissora CBS que as principais ruas comerciais de Beaver Falls estão repletas com fezes de animais. “Eu fico com muito nojo porque as pessoas não estão limpando a sujeira de seus cachorros”, disse ele. Críticas O projeto, no entanto, gerou muitas críticas entre os moradores, que exigem novas respostas para os problemas urbanos da pequena cidade. Segundo apuração do Beaver County Times, alguns cidadãos acusaram a prefeitura de não tratar de questões mais urgentes, como prostituição e crimes relacionados às drogas. A empresa de consultoria Consumerist também reagiu à proposta, afirmando que cachorros circulam em ruas comerciais famosas e chiques como a QuintaAvenida, em Nova York, e a Champs Elysees, em Paris — sem causar maiores transtornos. Liberdade de expressão Liberdade de expressão é a palavra mágica do momento. Estados Unidos e Israel, apesar da afirmação de que não concordam com o filme que ofende o islamismo, dizem nada poder fazer já que é uma questão de “liberdade de expressão”. Pena que sejam cínicos. Quer dizer, ofender a religião dos outros é valido em nome da liberdade de expressão? Como explicam a proibição aos historiadores em revisar o holocausto? Posso ofender a religião, posso ofender Deus, mas não posso duvidar do holocausto? Que raio de liberdade é essa? E eu, particularmente, não duvido do holocausto. Duvido de todos aqueles que tratam o holocausto como um dogma. E por favor, não pensem que o holocausto será atenuado se ao invés de 6 milhões tenham morrido seis mil. Eu sou visceralmente contra a brutalidade. Entendo que a morte de um ser humano é a morte de toda a humanidade. Não se trata de discutir números, mas da crueldade. A mim interessa saber quem financiou os nazistas, já que a Alemanha estava literalmente quebrada e se recuperando da Primeira Grande Guerra. A mim interessa saber quem supriu o armamento que jamais faltou aos nazistas. A mim interessa saber quais foram os bancos e as empresas que jamais faltaram aos nazistas. Gostaria de ter acesso a esses documentos e muitos outros mais. Documentos secretos. Quero entender a crueldade. A mesma crueldade que hoje elimina milhões de semitas árabes em nome da cobiça. E ninguém acusa os governos terroristas euro-estadunidenses de anti-semitas. E aqui reafirmo mais uma vez. As revoltas nos países árabes são uma conseqüência da opressão em que as massas vivem. O islamismo é apenas a parte mais visível. E como a História ensina, esse é apenas o começo. Georges Bourdhoukan Jornalista, escritor, apresentador do primeiro programa de rádio Árabe em Curitiba na decada de 70.
  2. 2. No início de setembro de 1966 a Prefeitura de Curitiba enviou operários para demolir a velha casa canônica da Paróquia de Santa Cândida, construída a partir de 1906, a fim de fazer uma praça no fim da Avenida Paraná, recém-as- faltada até a altura do terreno da- quela paróquia. Já com cerca de meio milhão de habitantes em 1965, a cidade estava chegando cada vez mais perto da isolada Colônia Santa Cândida. Segundo o Plano Diretor elaborado na ges- tão do prefeito Ivo Arzua, a idéia era promover um crescimento li- near do centro servido por vias es- truturais de circulação rápida, en- tre as quais as aveni-das de liga- ção entre bairros. Segundo os mo- radores do bairro Santa Cândida, a Avenida Paraná iria facilitar em 3 SANTA CÂNDIDA (1960 a 1980) Início da Associação de Moradores Fernando de Noronha muito as "viagens" para o centro da cidade.Até então, utilizavam os ônibus de Colombo ou da Vila Tingüi, bastante lotados e cujos pontos eram distantes. Tempos modernos estavam che- gando. Apesar disso, muitas ruas ainda não ti- nham asfalto, apesar de conviverem com os pos- tes de luz elétrica, como mostra a foto em que os filhos da Senhora, Antonia Spisla brincam próximo da esqui-na das ruas João Mequetti e Fernando de Noronha. Em 1974, as avenidas Paraná e João Gualberto foram inteiramente re- modeladas para receber uma pista central desti- nada exclusivamente para os ônibus tipo Ex- presso. Duas eram as li- nhas iniciais, uma em di- reção ao sul e outra no sentido norte. Nesta, a Avenida João Gualberto representava o eixo principal, a partir do qual encaminhava os no- vos ônibus em direção a um dos primeiros terminais de transporte da cidade, localizado em Santa Cândida. Não foram somente os Expressos e o terminal que modi- ficaram a paisagem de Santa Cân- dida. Um dos mais tradicionais edifícios do bairro, o Salão de Bai- xo, localizado em terreno doado por Francisco Kulik, em 1975 foi desmontado e transferido para o bosque da igreja. Desde o começo do século XX, o Salão de Baixo, provido de palco, chapeleiro, co- zinha, sala para refeições e dormi- tório para crianças, abrigou diver- sassociedadesculturais,comoaSo- ciedade Oswialy Ludowei (que sig- nificava Sociedade Cultura do Povo), aí instalada em 1903. Essas sociedades culturais promoviam, principalmente, festas em homena- gens a datas cívicas polonesas e brasileiras e o baile da festa da Co- roa, em homenagem à colheita do trigo. Na foto, moradores com tra- jes típicos mostram a coroa de tri- go enfeitada. Após desfilar pelas ruas exibindo a coroa, ocorria um baile na Sociedade. Em 1980 no mes de Abril foi criada a Associação dos Morado- res de Fernando de Noronha, como entidade representante dos mora- dores dessa região localizada um pouco distante do centro de Santa Cândida, representado pela igreja São João Batista do bairro Tingui. A comunidade do Fernando de Noronha nasceu do loteamento das antigas propriedades rurais dos des- cendentes dos poloneses, e a Asso- ciação precisou lutar muito em prol de melhorias e de infra-estrutura urbana. Até a década de 1970, por exemplo, a água encanada só ia até a altura da Sociedade Rio Branco, localizada na atual Rua Fernando de Noronha. Moradores antigos nessa região, como a família de Antonia e Vicente Spisla, já esta- vam acostumados a ir buscar água a pé em algum tanque ou olho d'água e recolhê-la em latas. Mas os novos moradores conseguiram trazer essa melhoria para perto; a própria Associação dos Moradores de Fernando de Noronha construiu as manilhas para o saneamento de Curitiba, tornando a cena da foto de Dona Antonia uma imagem do passado.
  3. 3. 4 Saia de casa no fim de semana e aproveite as opções de passeios ao ar livre com a família. Curitiba tem 21 parques espalhados por toda a cidade com atrações diversas. Somados a 15 bosques e mais de mil praças e jardinetes são quase 25 milhões de metros quadrados de área verde em Curitiba. Um dos destaques é o Jardim Botânico, espaço público mais visitado da cidade, com média de frequência anual de um milhão de visitantes. Com área total de 178 mil metros quadrados, no ano passado foi o destino que registrou maior número de paradas do ônibus da Linha Turismo. Outra ótima opção de passeio nos fins de semana é o Zoológico de Curitiba, localizado no Alto Boqueirão. Com mais de 1,8 mil animais de 130 espécies - entre aves, peixes, mamíferos exóticos e nativos, primatas e répteis – o espaço é garantia de diversão e conhecimento. O zoo ganhou melhorias com o novo estacionamento e uma nova praça de acesso. O estacionamento antigo passou por uma completa revitalização. “As benfeitorias melhoram a infraestrutura do Zoo, trazendo mais conforto e segurança aos visitantes”, comenta o diretor do departamento de Pesquisa e Conservação de Fauna da Secretaria de Meio Ambiente, Alfredo Trindade. Ele explica que a média oficial de público é de 650 mil pessoas por ano. “Se forem consideradas as visitas de grupos escolares, cujas crianças não passam pelas roletas, este número se aproxima de um milhão de pessoas por ano”, afirma. A nova praça, com área de convívio superior a 1.600 m2, conta com dez bancos, 18 luminárias decorativas, um toten, gramado e árvores nativas. O acesso foi pavimentado com blocos de pavers coloridos. Leia mais: Ônibus de dois terminais levam ao Zoo Mais vagas - O estacionamento Aproveite os finais de semanas nos parques já existente, com 155 vagas regulares, sete para ônibus e cinco para portadores de deficiência, foi totalmente revitalizado. O local ganhou novo asfalto e sinalização. O novo estacionamento tem 120 vagas regulares, três vagas para portadores de deficiência e seis vagas para idosos. O Zoológico de Curitiba, inaugurado em 1982, tem aproximadamente 1.800 animais de 130 espécies, entre aves, peixes, mamíferos exóticos e nativos, primatas e répteis. Um dos maiores do Brasil, com 589 mil m², o Zoo tem entre as principais atrações um leão, quatro leoas, um urso de óculos, um casal de girafas, três hipopótamos, três jacarés, um tigre de bengala, quatro onças pintadas e um chimpanzé, além de onças pardas, macacos e aves. Passeio Público - Visitar um zoológico em pleno centro da cidade é outra ótima opção para as férias escolares. No Passeio Público - o mais antigo parque municipal de Curitiba, inaugurado em 1886 – há 390 pequenos animais, de 150 espécies diferentes. São 40 mamíferos, 280 aves, 70 répteis e 20 peixes. Em 2011, foi registrado o nascimento de três macacos-aranha, espécie que habita uma das ilhas do parque. Numa área de quase 70 mil metros quadrados, com muitas ilhas e pontes, há diversas espécies nativas e exóticas. Entre as árvores estão carvalhos, ciprestes, paineiras, jacarandás, plátanos, ipês-amarelos, canelas e eucaliptos. Uma das maiores atrações do parque é um terrário que abriga serpentes e lagartos de espécies exóticas e raras, vindas de diversas partes do mundo. Também há um aquário, com variedades de peixes de rios e ornamentais da região amazônica e da África. No Passeio há restaurante, play-ground, aquário, terrário, sanitários, rinque de patinação, ponte pênsil, casa da guarda, pedalinhos, pista para caminhadas, ciclovia, bicicletário. Zoológico de Curitiba Rua João Miqueletto, Alto Boqueirão. Horário de funcionamento: Terça-feira a domingo, das 9 às 17 horas. Passeio Público Esquina das ruas Presidente Farias e João Gualberto, Centro Horário de funcionamento: Terça-feira a domingo, das 6 às 20 horas (o aquário e o terrário abrem das 9 às 17 horas) Jardim Botânico Avenida Professor Lothario Meissner, esquina com a Rua Engenheiro Ostoja Roguski. Horário de funcionamento: Diariamente das 6 às 20 horas.
  4. 4. 5 O governador Beto Richa decidiu nesta quinta-feira (13/09) promover mudanças na Secretaria de Segurança Pública e na Corregedoria e Ouvidoria Geral do Estado. O secretário Reinaldo de Almeida Cesar deixa o posto e em seu lugar assume o procurador de Justiça Cid Vasques, que ocupava a Corregedoria. Almeida Cesar passa a responder por esta área. A troca de cargos acontece na próxima segunda-feira (17/09). As mudanças têm o objetivo de acelerar as ações para reduzir os índices de criminalidade e melhorar a segurança pública em todo o Paraná. “Entendi que seria importante uma troca buscando uma nova dinâmica e resultados ainda melhores na área da segurança pública. Temos novos desafios a serem superados para garantir a segurança que a sociedade paranaense deseja e tem direito. Vamos acelerar o ritmo de realizações, decisões e ações”, afirmou o governador. O governador ressaltou o trabalho realizado pelo governo estadual para reestruturar a área de segurança pública, que é uma das principais prioridades da gestão. De acordo com ele, já existem recursos alocados para investimentos vigorosos no setor. “Num primeiro momento conseguimos reestruturar a segurança pública, fortalecer a Polícia Militar, a Polícia Civil e os serviços de inteligência.Agora, num novo momento, tão importante quanto o primeiro, é colocar em prática todas as ações planejadas”, disse. Segundo Richa, os resultados obtidos até agora, como a contratação de 3.120 policiais - a maior da história do Estado -, implantação de Unidades do Paraná Seguro (UPS), a criação do Batalhão de Fronteira em Marechal Cândido Rondon, construção das delegacias cidadãs e dos novos prédios do IML, além de outras iniciativas de modernização do sistema de segurança pública, mostram que o governo tem projetos em andamento, mas é preciso avançar mais. Richa troca o comando da Secretaria de Segurança Pública Governador Beto Richa recebe no gabinete do Palácio Iguaçu, o novo secretário de Segurança Pública, Cid Vasques, secretário da Corregedoria e Ouvidoria Geral, Reinaldo de Almeida César, diretor geral da secretaria de Segurança Pública, Ramatis Fávero, secretário chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Sebastiani e o secretário chefe de Gabinete, Deonilson Roldo.Foto: ANPr “Os compromissos que assumimos de melhoria da segurança nos obrigam a produzir novos resultados no combate à criminalidade. Sinto essa necessidade no contato direto com a população de todas as regiões do Estado”, disse Richa. O governador afirmou que nesta semana cerca de 2.000 novos policiais militares iniciaram o trabalho de rua em diversas regiões do Estado. Richa disse que a reestruturação da segurança pública exigiu um grande esforço do governo. “Encontramos na área de segurança pública um desmantelo completo. Conseguimos avanços importantes com um grande planejamento de ações que começam a acontecer de forma mais intensa e mais vigorosa a partir de agora”, afirmou. “Toda a população do Paraná vai perceber a mudança significativa para melhor na área da segurança”. Cid Vasques afirmou que aceitou com serenidade a convocação do governador para assumir a nova pasta. “Estou bastante animado. Um governo que tem a sua gestão marcada por projetos definidos em contrato pode garantir a prosseguimento das suas políticas públicas, sem que a alteração de um ou outro membro da equipe cause algum entrave na consecução dessas metas”, disse. “Os avanços significativos que já se verificam na área da segurança pública serão potencializados para que a população possa sentir esses efeitos num curto prazo”. O secretário Reinaldo deAlmeida Cesar disse que a troca de postos mostra o espírito de coesão, interação e cooperação que norteia a equipe do governo. Segundo ele, o novo titular da Segurança Pública vai encontrar um plano diretor definido para ações nas oito áreas que compõem a pasta. “Este governo construiu as bases para a efetiva recuperação da segurança pública. Nos próximos anos os investimentos vão chegar a R$ 1 bilhão”, destacou Almeida Cesar. Ele destacou que o novo secretário é “um homem preparado, com uma sólida formação jurídica e humanista”. CURRICULOS - Cid Vasques foi delegado de polícia entre 1984 e 1986, quando ingressou no M i n i s t é r i o Público do Paraná, como promotor de Justiça. Em 2010 foi promovido a p r o c u r a d o r . Atuou no gabinete da Procuradoria-Geral de Justiça e na Corregedoria-Geral do Ministério Público. Foi presidente da Associação Paranaense do Ministério Público. Em 2011 assumiu o cargo de secretário da Corregedoria e Ouvidoria Geral do Estado. A diretoria-geral da Secretaria da Segurança Pública será ocupada por Ramatis Favero, que é promotor de Justiça do Ministério Público do Paraná. Oficial da reserva da Polícia Militar, Favero comandou o Batalhão de Choque e dirigiu o Comando de Operações Especiais da corporação. Ele também chefiou a Procuradoria de Investigações Criminais (PIC), hoje Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público (Gaeco). CORREGEDORIA - Novo secretário da Corregedoria e Ouvidoria Geral, Reinaldo de Almeida Cesar é delegado de Polícia Federal, bacharel em Direito, pós- graduado em segurança Pública. Presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, foi chefe da divisão de cooperação internacional da PF e responsável pelo escritório central da Interpol no Brasil. Trabalhou no Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. Foi advogado e professor de Direito Penal na UFPR, além de chefe de gabinete do governador do Paraná e Secretário de Administração e Negócios Jurídicos da Prefeitura de Ponta Grossa.
  5. 5. 6 Marry Ducci foi homenageda hoje nesta quinta-feira, pela Associação Cultural e Beneficente Nipo-Brasileira de Curitiba, o Nikkei Clube, pelos relevantes serviços prestados na área da assistência social, durante sua gestão como presidente da Fundação de Ação Social - FAS. A cerimônia foi realizada na sede da rua Padre Julio Saavedra, 598, no Uberaba e contou com a presença de representantes da colônia japonesa em Curitiba. Marryagradeceua premiação e falou sobre a importância da rede sócio-assistencial existente, com os 45 CRAS – Centro de Referência de Assistência Social, as 11 Unidades de Atendimento, os 10 CREAS – Centro de Referência Especializado da Assistência Social, dois Centros de Convivência EspaçoAmigo Curitibano e dois Centros POP - Centros de Referência Especializado para População em Situação de Rua. “Serviços importantes que fazem de nossa cidade uma referência na assistência social, implantados por Beto Richa e Luciano Ducci para melhorar a qualidade Marry Ducci é homenageada pela excelência da área social de vida da população e promover a erradicação de miséria”, disse Marry. No último ano, a FAS atendeu 7.000 famílias no programa Família Curitibana, outras 223.123 participantes em ações de geração de trabalho e renda nos Liceus de Ofício, 142.623 famílias cadastradas no CadÚnico; uma média de 1.500 pessoas em situação de rua com a t e n d i m e n t o especializado. “Curitiba é a cidade com o maior número de CREAS do Brasil e, pelo 4º ano consecutivo, a cidade com o maior número de Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) nota 10 do Brasil, segundo o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à FomedoGovernoFederal”,disseMarry. Em 2011 o programa Família Curitibana recebeu o prêmio Boas Práticas de Gestão. Em 2012, a Rede Solidária para o Morador de Rua conquistou a mesma premiação. O prêmio é instituído pelo Cogemas - Colegiado Nacional de Gestores da Assistência Social. Durante a tarde, Marry esteve na vila Barigui, na CIC, onde visitou moradores e o comércio das ruas Cid Campello e Algacir Maeder Munhoz. A Secretaria da Saúde do Paraná vai solicitar ao Ministério da Saúde a antecipação da campanha de vacinação contra as influenzas no Estado e a inclusão de crianças menores de seis anos entre os grupos prioritários para receber a imunização. O objetivo é intensificar as ações preventivas para evitar surtos maiores da doença. Segundo o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz, a proposta leva em conta a vulnerabilidade da região Sul em relação às síndromes respiratórias, o que requer uma atenção especial. Paz afirmou que o período de aplicação da vacina, em maio e junho, é impróprio para os estados do Sul. “Temos uma situação climática diferente e a partir de março as temperaturas começam a cair e os riscos aumentam”, disse ele. As propostas serão encaminhadas ao ministério após o término do I Seminário Paranaense sobre Síndromes Respiratórias Agudas, que está acontecendo em Curitiba nesta sexta e sábado (14 e 15). O evento é um espaço aberto para a discussão das estratégias desenvolvidas pelo governo do Paraná no enfrentamento da gripe e outras doenças respiratórias. “Vamos elaborar um relatório sobre a experiência paranaense, contendo uma série de propostas para serem levadas ao Paraná propõe antecipar vacinação contra gripe ministério” destaca o superintendente. Ele lembrou que desde 2011 o Paraná vem pedindo ao governo federal a ampliação do número de vacinas para atender a maior número de paranaenses NÚMEROS DA GRIPE – Durante o seminário foram divulgados os novos números da gripe H1N1. De janeiro a setembro deste ano, 1.111 casos da doença foram confirmados laboratorialmente no Estado; 40 pessoas morreram. A maioria das mortes está relacionada à busca tardia pelo tratamento ou a alguma outra doença crônica pré- existente, como o câncer, por exemplo. Segundo a coordenadora do Centro de Investigação e Respostas Rápidas de Vigilância em Saúde, Angela Maron de Mello, os números deste ano são maiores do que os registrados em 2011 – quando houve apenas dois casos e nenhuma morte –, mas estão bem longe do registrado durante a pandemia de 2009. “O vírus Influenza H1N1 já circula em todo Paraná desde 2009, contudo seu comportamento é diferente a cada ano. Em 2012, o vírus voltou a circular com mais frequência, porém neste ano estávamos preparados e pudemos evitar que o número de casos e mortes fosse maior”, ressaltou Angela. A pandemia de 2009 deixou mais de 80 mil doentes pela H1N1 no Paraná e foi responsável por 339 mortes. VACINA E TRATAMENTO – A estratégia do Paraná contra a gripe este ano abrangeu vacinação e medicamentos. A campanha de vacinação do Paraná atingiu a meta e imunizou quase 2 milhões de pessoas dos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde.
  6. 6. 7 Luciano Ducci vai construir mais 22 creches em 2013 O prefeito Luciano Ducci vai começar em 2013 a construção de mais 22 creches municipais. O anúncio foi feito nesta ter- ça-feira (17), em entrevista ao jornal RPC TV- primeira edição. Estas e outras obras de Luciano Ducci vão abrir mais 15 mil vagas em creches na cidade. “Logo após as eleições vamos assinar o convênio para receber os recursos e licitar as obras e co- meçar as obras no começo de 2013”, des- tacou Luciano Ducci. “Temos bons proje- tos e articulação para conseguir recursos, além disso nossas equipes de planejamen- to urbano sabe aonde estão as demandas da cidade para essas obras”, afirmou o pre- feito. Das 15 mil vagas que Luciano vai abrir, 7 mil são para crianças de zero a 3 anos e 8 mil vagas na Educação Infantil de 4 a 5 anos. “Essa é nossa meta e nosso compro- misso que está registrado em cartório”, destaca Luciano. Ainda na Educação Luciano Ducci vai: Construir 5 novas Escolas Municipais: uma no bairro São João; duas no Ganchinho e Sitio Cercado; uma no Tatuquara e uma na Barreirinha. Implantar 10 Centros Educacionais em tempo integral em regiões de alta vulnerabilidade social Aumentar o atendimento escolar em tempo integral, com a oferta de 5.000 no- vas vagas de contraturno Instalar o Centro Municipal de Aten- dimento Especializado para Transtornos de Conduta e Autismo na nova escola da Vila Torres Construir dois Centros Municipais de Atendimento Especializado no Cajuru e no Bairro Novo Construir mais duas Escolas Especi- ais, no Tatuquara e na CIC; Implantar o 2º terminal do Sistema Integrado de Transporte do Ensino Espe- cial (SITES), na Região Sul. Instalar internet wireless banda larga em todas as salas de aula. Distribuir 20.000 netbooks para os alu- nos com software educacional. Um tablet para cada professor. O prefeito Luciano Ducci, candidato à reeleição pela Coligação Curitiba Sempre na Frente, subiu 8 pontos e assumiu a liderança na pesquisa Ibope divulgada nesta sexta- feira (14), com 31% das intenções de voto. É a quarta pesquisa Ibope desde abril. Luciano Ducci cresceu 15 pontos percentuais no período. “A pesquisa mostra nossa tendência de crescimento. Agora, estaremos mais presentes em todos os bairros, vamos conversar com ainda mais pessoas, para mostrar o trabalho que já fizemos e o que vamos fazer nos próximos quatro anos”, disse Luciano Ducci. Na pesquisa, encomendada pela Luciano assume liderança segundo Pesquisa Ibope Globo/RPC, Luciano Ducci subiu de 23% para 31%, Ratinho Junior oscilou de 27% para 30% e Gustavo Fruet (PDT), caiu de 21% para 16%. Foram entrevistados 805 eleitores entre 11 e 13 de setembro. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral, sob o número 00162/2012. EVOLUÇÃO - A primeira pesquisa do Ibope foi divulgada em abril. Luciano tinha 16%, Fruet, 26% e Ratinho, 24%. — Pesquisa registrada no TRE-PR, sob o número 001/2012. Em 10 de agosto, Luciano tinha 25% no Ibope, Fruet com 24%, Ratinho Jr, com 23%, Greca, com 6%, Carlos Moraes, com 1%. — Pesquisa registrada no TRE-PR, sob o número 040/2012. Naterceirapesquisa,de24deagosto, Ratinho Jr tinha 27%, Luciano Ducci, 23%, Gustavo Fruet, 21%, Rafael Greca, 6%, e Bruno Meirinho, 1%. Agora,LucianoDuccicresceu15pontos e mantém a liderança na intenção de voto. — Pesquisa registrada no TRE- PR, sob o número 066/2012.
  7. 7. 8 Alzimara Bacellar (PPL) propõe Secretaria da Mulher para Curitiba A candidata a prefeita, a servidora pública estadual Alzimara Bacellar pelo Partido Pátria livre afirma que a escolha pela candidatura própria servirá para afirmar as posições e a presença do partido em todo o país. “É um programa bastante ousado, que vem ao encontro dos interesses da nossa gente”, diz Alzimara. Um dos temas que serão defendidos pela candidata é o da inclusão social das mulheres no mercado. Alzimara explica que essa causa é um compromisso antigo. “Eu sou uma ativista do movimento das mulheres. Tenho um compromisso com essa classe”, conta ela, que foi candidata à vereadora em 2008, pelo PMDB. Ao mesmo tempo, ela também pretende trabalhar pela inclusão de outras classes sociais, como os negros e os deficientes físicos. A candidata do PPL não teme o fato de que um partido novo possa causar estranhamento dos eleitores. Ela acredita que como há um mesmo grupo político há muitos anos no comando da cidade, isso acabou criando um esgotamento por falta de iniciativas. Ratinho Junior incentiva arte, esporte e cultura Neste sábado, o candidato a prefeito de Curitiba fez numa visita a Regional da Matriz, espaço que reúne vários comitês de sua campanha, como Movimento Negro, Cultura, Professores, Escolas de Samba,Artesanato.A regional fica no coração do Largo da Ordem e é aberto a toda população para promover e debater arte, cultura, esporte e lazer. O espaço já é um sucesso e tem sido freqüentado, todos os dias, por estudantes, professores, atletas, artistas e simpatizantes. “A nossa campanha tem espaços por toda cidade onde as pessoas podem dar suas sugestões, opiniões e participar da campanha de umaforma inclusiva, assim como fizemos para montar o nosso plano de governo”, explicou o candidato. E a Regional da Matriz tem reunido pessoas de todas as classes e segmentos para debater a cidade. É muito bom ver a população engajada de verdade neste nosso novo projeto para Curitiba”, enfatizou Ratinho Junior. “Fruet sempre foi aliado do setor tecnológico” Afirmação foi feita durante encontro no Parque de Software, na CIC. Presidente da APL Software relembrou que Gustavo Fruet foi relator da Comissão de Ciência e Tecnologia no Congresso Nacional “A área de tecnologia será um dos setores prioritários em nossa gestão, com investimentos em infraestrutura e incentivos fiscais. Ela é essencial e estratégica para o nosso projeto de desenvolvimento e transformação econômica da capital paranaense”, afirmou Gustavo Fruet em almoço realizado na terça-feira (18) no Parque de Software, localizado na Cidade Industrial de Curitiba. O futuro prefeito de Curitiba foi recebido por Sergio Mainetti Jr., presidente da Associação Parque de Software – que reúne 20 empresas e gera 1,5 mil empregos diretos –, e lideranças de entidades representativas do setor de tecnologia da cidade, conversando também com funcionários das empresas do parque. Fruet reafirmou que sua gestão irá retomar o planejamento físico e resgatar a qualidade dos serviços públicos da capital.Ainda na área tecnológica, ele garantiu que sua administração irá oxigenar o ICI (Instituto Curitiba de Informática), para que se torne verdadeiramente um organismo de ligação entre o governo municipal e a população. Em conversa com estudantes do Curso e Colégio Dynâmico, no Largo da Ordem, em Curitiba, na manhã desta terça-feira, 18, o candidato do PMDB a prefei- to de Curitiba, Rafael Greca, disse que vai transformar a capital paranaense em uma “cidade wi-fi, wireless, ligadona para o jovem”. No encontro, Greca pediu para os jovens analisarem as propos- tas dele, compararem-no aos demais candidatos e prestarem atenção nos programas e proje- tos desenvolvidos por ele quan- do foi prefeito de Curitiba, entre 1993 e 1996. Também ressaltou que é o único candida- to engenheiro, qualificado para devolver planejamento à Curitiba, em diferentes áreas “Vou oferecer minha cabeça e meu coração para o bem da cidade”, afirmou Greca. E completou, ao reforçar a importância do ensino para o desenvolvimento intelectual e profissional dos jovens, durante a aplicação das provas de vesti- bular: “Estudem bastante, mas na véspera do vestibular dur- mam bem. Quando eu vou para um debate e estou bem anima- do, é porque eu dormi bastante antes”, conclui. Greca quer tranformar Curitiba em uma cidade Wi-Fi
  8. 8. 9 Agiotagem especulativa com a dívida desarma Forças Armadas e ameaça riquezas do pré-sal Os comandantes das forças armadas em reunião com o ministro da Defesa Celso Amorim têm diante de si a evidencia fatal: se o Brasil for atacado por forças estrangeiras a fim de abocanharem as riquezas nacionais, como as do pré-sal, no litoral marítimo, não teria como se defender de forma competente. Falta, praticamente, tudo. Para defesa nacio- nal, os recursos são totalmente insuficientes, ao contrário do que acontece com a satisfa- ção dos interesses dos banqueiros que têm assegurados na Constituição cláusula pétrea determinando jamais o não contingenciamento dos recursos orçamentários para liquidar os serviços da dívida. O país já está escravo do capital financeiro especulavio; pode se tornar, também, escravo dos poderoso impérios, ar- mados até os dentes, dispostos a assegura- rem para si as riquezas do mundo indispen- sáveis ao desenvolvimento dos poderosos in- teresses oligopolizados. Não há força capaz de segurá-los. Os militares brasileiros estão com uma mão na frente outra atrás. E o naci- onalismo que poderia ser levantado como bandeira para privilegiar a inteligência e in- dústria nacionais de defesa não faz efeito ne- nhum. Só há discurso. Será que o petróleo na costa marítima brasileira suportaria os ataques da OTAN, como os que foram direcionados para se apoderarem do petróleo da Líbia? Se quiser de fato ter soberania nacional sobre o petróleo pré-sal, o Brasil deve inves- tir, até 2030, nada menos que 223,5 bilhões de reais para dotar o país de poder naval do porte das riquezas a defender. Foi esta a tôni- ca de audiência pública realizada na Comis- são de Relação Exteriores do Senado, nesta semana, com depoimentos de autoridades militares. O tema: “Como defender o pré-sal?”, Despertou vivo interesse corpo diplomático, lá presente. Mas, não teve cobertura da mídia convencional à altura da envergadura dos te- mas ali tratados, afinal, decisivos para os des- tinos da Nação, mesmo para quem tem reser- vas, políticas ou filosóficas, a temas milita- res. Vale constatar: defesa nacional não é debate prioritário na sociedade brasileira hoje, para o que contribui, em boa medida, o não fornecimento de informações objetivas por parte da mídia à sociedade, em contraste do estardalhaço sensacionalista da overdose de coberturas sobre violência e criminalidade, sob clichê de segurança pública. Tampouco é tema com presença regular na agenda das forças progressistas, muito embora o Governo Lula tenha dado uma boa mexida na Política Nacional de Defesa. As autoridades militares deram o tamanho do problema: o Brasil precisa ter 20 novos submarinos convencionais e pelo menos seis nucleares. Precisa ainda de uma segunda esquadra. Sem esquecer, a continuidade do Programa Nuclear, que recebeu novos aportes durante o governo Lula. Enfatizou- se: isto não é megalomania, mas indispensável poder de dissuasão em tempos de paz para evitar o conflito armado. Leia-se, tempos em que o mundo dispõe de reservas petrolíferas para apenas mais 45 anos e os EUA para apenas mais 10 anos. Tempos em que os EUA estão tomando, na marra, as riquezas energéticas de quem as possui, invadindo o Iraque, oAfeganistão e agora, com carnificina selvagem, a Líbia. Um dos expositores, o professor da Escola Superior de Guerra, Simon Rosental, desenvolveu um pouco mais o quadro internacional em que deve ser programada e planejada a forma mais adequada para garantir a soberania nacional sobre as riquezas do pré-sal. “ O Brasil descobriu o pré-sal quando no mundo as reservas declinam. O que devemos fazer? Utilizar as três Forças conjuntamente para garantir poder de dissuasão sobre toda essa área e defender a soberania e a integridade do país. É comum ouvir que não há necessidade de recursos para as Forças Armadas, pois estamos no Atlântico Sul, o lugar mais tranquilo do planeta. Há certa verdade nisso, mas o erro é o foco. A ameaça vem da linha do Equador para cima” — alertou o especialista. Sucata aérea Há anos rola a novela da compra de novos aviões de defesa para fiscalizar o litoral brasileiro. O assunto se arrasta, mas as decisões não saem. O tema defesa nacional não interessa à grande mídia, rendida aos interesses do capital externo. Este, é claro, não quer e resiste, evidentemente, a qualquer discussão relativa a dinheiro mais substancial para defesa do território. Sobraria menos recursos para pagar os juros da dívida externa. O capital é o grande beneficiado pela política econômica voltada a satisfazer o mais bárbaro agiotismo jamais visto na história brasileira em 511 anos depois do descobrimento. Falta tudo, no país, em matéria de educação, saúde, segurança, infraestrutura. Só não falta dinheiro para banqueiro. Ampliando este raciocínio, o presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate, -brigadeiro do ar Carlos de Almeida Baptista Junior, sustentou em sua exposição que a região onde estão localizadas as reservas do pré-sal será uma “área sensível” do território brasileiro, e que o país precisará estar preparado para garantir “pronta resposta” a qualquer ameaça externa. “O pré-sal é e será ponto de cobiça. Trata- se de uma riqueza que precisa ser defendida, por isso a dissuasão deve ser permanente” ressaltou Baptista. Informando que na região será construído um dos mais modernos sistemas de controle de tráfego aéreo do mundo, o Brigadeiro, des- tacou que Aeronáutica aguarda ansiosa a de- cisão sobre a compra dos jatos supersônicos. Recentemente, em entrevista á TV Senado, Ozires Silva, fundador da Embraer, disse que estes contratos para a compra de aviões de- vem ser dados não a estrangeiros, mas àque- la indústria aeronáutica nacional, asseguran- do que ela teria plenas condições de fabricar aqui mesmo os caças indispensáveis. “A Boeing também terceiriza parte do que pro- duz. Nenhuma empresa produz todos os com- ponentes fundamentais, Se derem a oportu- nidade a Embraer dá conta do recado”, asse- gurou. Construir aqui gera emprego, tecnologia e, especialmente, independência tecnológica. “Armas, último argumento?” Como destaca o professor Teotônio San- tos, se a poderosa Quarta Frota americana, que ronda, de norte a sul, o litoral Atlântico, entrar na Baia de Guanabra e der um três ti- ros de canhão, prá cima, não precisa nem direcionar para a população, toma o Brasil de assalto. Quem iria resistir, os canhões do for- te Copacabana? A verdade é que o país está despreparado em matéria de defesa e os in- teresses nacionais que poderiam ser fomen- tados por uma política de defesa nacionalis- ta, fortalecendo empresas como a Embraer, não são, devidamente, acionados. Prisionei- ro do capital especulativo, o Ministério da De- fesa, sem orçamento capaz de defender o li- toral, para evitar suposto assalto ao pré-sal, o governo brasileiro está, simplesmente, rendi- do aos especuladores que o impede de fazer política econômica voltada aos interesses nacionais. No discurso, fala grosso; na prática, fala fino. Fazer o que, se quem determi- na as coordenada nacionais são os agiotas? Diante da magnitude do vo- lume de recursos mencionados para de verdade organizar uma defesa soberana do petróleo do fundo do mar, o senador Cristovam Buarque, que presi- diu a audiência pública, assina- lou que, se os investimentos para defesa dos recursos do pré-sal forem maiores do que os previstos para a defesa do país, isso deve ser feito com recur- sos provenientes dessas própri- as riquezas e “não da nação bra- sileira como um todo. Nenhuma menção foi feita ao fato de Bra- sil esterilizar, anualmente, uma verdadeira montanha de recur- sos para o pagamento dos en- cargos da dívida - já chamada de a Bolsa Selic, regiamente paga aos que odeiam o Bolsa Família - muito embora problemas cruciais continuem a ser não enfrentados, entre eles o da defesa do país. Isto é, o Brasil se dá ao luxo de direcionar enorme fluxo de recursos orçamentários para os rentistas, em que pese não ter recursos para controlar o tráfico de armas e, pior ainda, em que pese a gravidade do cenário internacional hoje, com crescen- tes intervenções militares imperiais, de multi- plicação de seus orçamentos bélicos. Assim, , o que se pode dizer após uma audiência com duros alertas de especialistas é que , diante do porte do país e das riquezas a defender, o Brasil ainda anda desarmado. A audiência foi encerrada com citação de pro- vérbio romano: “Nossa soberania termina onde finda o alcance de nossas armas”. Tudo indi- ca, na caserna entendeu-se com mais realis- mo a Mensagem da Líbia, enviada pelo impé- rio, consumidor viciado em petróleo. Não de- vem as forças progressistas agendar concre- tamente, sob a sua ótica, o debate da sinistra Mensagem da Líbia.? Ao participar, em julho, de uma reunião ampliada na Escola Superior de Guerra, quando estava em curso o bom- bardeio sobre a Líbia, Lula sintetizou numa frase: “se fizeram com a Líbia, podem fazer com outro país depois”. Afinal, convém lembrar que face ao se- qüestro do Conselho de Segurança da ONU pelos poderes imperiais, atropelando qualquer vestígio de legalidade e arrancando resoluções na marra, o que pode estar sendo colocado em prática é outro provérbio romano: “Armas, o último argumento”. Beto Almeida, Jornalista
  9. 9. 10 IDENTIFICAÇÃO DO DERRAME: Durante uma festa, a esposa de um amigo tropeçou e levou uma pequena queda – ela garantiu que estava bem e que havia somente tropeçado no rejunte do ladrilho, por causa de seu sapato novo. (Foi oferecido chamar a ambu- lância) As pessoas a ajudaram e deram-lhe um novo prato de comida e Ingrid pa- receu se divertir o resto da noite. No entanto, mais tarde, o marido de Ingrid telefonou avisando que ela havia sido levada ao hospital – (às 6:00hs, Ingrid faleceu.) Ela havia sofrido um derrame na festa. Se eles soubessem identificar os sinais de um derrame, talvez Ingrid ain- da estivesse conosco hoje. Alguns não morrem. Eles sobrevi- vem, mas ficam totalmente dependen- tesesuacondiçãoélimitadíssima.Leva apenas poucos minutos para você ler isso... Um médico neurologista afirma que se ele puder chegar a uma vítima de derrame dentro de 3 horas, ele pode re- verter completamente os efeitos do derrame...totalmente. Ele afirma que a dica é reconhecer o derrame, diagnosticá-lo e daí submeter o paci- ente à cuidados médicos até dentro de 3 horas. O que é difícil acontecer. Lembre-se desses 3 Passos. Leia e aprenda! Algumas vezes os sintomas de um derrame são difíceis de identificar. In- SAÚDE: COMO RECONHECER UM DERRAME felizmente a falta de conhecimento leva ao desastre. A vítima de derrame pode sofrer danos mentais severos, quando as pessoas a sua volta não são capazes de reconhecer os sintomas do derrame. Agora, os médicos dizem que um acompanhante pode identificar o der- rame, fazendo apenas 3 perguntas sim- ples: • Peça a pessoa que SORRIA... •AFALA. Peça a pessoa que FALE UMA FRASE SIMPLES coerentemen- te (tipo: “Está ensolarado lá fora”). • Peça a pessoa que LEVANTE OS DOIS BRAÇOS ao mesmo tempo. Se ele ou ela tiver problemas com QUALQUER UMA dessas 3 coisas, chame a ambulância e descreva os sin- tomas ao atendente. Sinais de derrame: 1. Peça a pessoa que coloque a lín- gua para fora. 2. Se a língua estiver enrolada, se ela pender para um lado ou para outro isso é sinal de um derrame. Um importante cardiologista afir- mou que se todos compartilharem es- sas informações; pode apostar que uma vida acabará sendo salva. A quem interessa a crise na Síria? A Síria coleciona uma longa lista de inimigos como os Estados Unidos, a Inglaterra, Israel, a Arábia Saudita, o Qatar, o Kuwait, o Bahrein, dentre outros, mas por quê? O Governo Sírio é socialista, pan-arabista e nacionalista, o presidente é Alauita, grupo étnico-religioso do Médio Oriente, proeminente na Síria, que constitui cerca de 10% da população e que domina as estruturas políticas. O governo de Bashar é composto por cristãos ortodoxos, o que representa a pluralidade no governo, possui a maioria no parlamento, além de contar com um amplo apoio popular. Os terroristas que estão tentando tirar o presidente do poder são claramente financiados por estados inimigos. Os rebeldes entraram em território Sírio pela fronteira com Israel, nas colinas de Golan, tomadas por Israel na guerra dos Seis Dias, em 1967, e até hoje não devolvidas, mesmo existindo resoluções da ONU determinando o Crise na Síria restabelecimento dessas terras ao povo Sírio. Este fato demonstra o total desrespeito do estado sionista com as leis Internacionais. O jogo de xadrez da região é mais complexo do que uma simples análise possa sugerir. Temos de analisar a região por diferentes aspectos, territorial, religiosa e etnicamente. Nesse jogo temos de um lado do tabuleiro Arábia Saudita, Bahrein, Qatar, Kuwait e Israel- aliados dos Estados Unidos - e do outro o Irã, Líbano, Síria e Palestina - apoiados por Rússia e China. Irã e Arábia Saudita têm divergências religiosas muito severas. A Síria, aliada ao Irã na região, possui um exército melhor equipado, com armamento de tecnologia atual. A Arábia Saudita é aliada dos Estados Unidos, que é inimigo do Irã e agora da Síria. O presidente sírio Bashar Al-Assad foi eleito em uma eleição livre e democrática, ao contrario dos mandatários sauditas, do Bahrein, Qatar e Kuwait, que governam com mão de ferro, perseguindo minorias e claramente desrespeitando os Direitos Por Hussein Mohamad Taha* Humanos. O contrário ocorre na Síria e no Irã, onde não há perseguições e nem ditaduras, e sim liberdade, onde a democracia impera. A crise na Síria em nada tem haver com a Primavera Árabe, na qual a população saiu às ruas e tirou do poder governantes corruptos como no Egito, na Tunísia e Iêmen, que oprimiam a população e se submetiam a interesses americanos. As pessoas não tinham empregos, nem saúde, moradia ou quaisquer necessidades básicas atendidas. Na Síria, esses problemas são quase inexistentes, então por que essa crise? Terroristas infiltrados na Síria têm espalhado o terror, medo e a insegurança entre os civis, acusando o governo de promover massacres muitas vezes cometidos por eles mesmos, levando a imprensa mundial e nacional a chamar o governo legitimamente eleito de “ditadura”, “fascista”, “assassino”, dentre outros adjetivos. Um exemplo desse comportamento foi o ato terrorista ao prédio do governo, que vitimou algumas pessoas do alto escalão do governo Sírio. A Comunidade Internacional imputou o ocorrido ao governo sírio, o que não aconteceu com os países aliados à Síria, como a China, a Rússia, a Venezuela e o Irã. Esse fato mostra claramente que terroristas internacionais estão infiltrados na Síria e intitulam-se “Exército Livre da Síria” e seus lideres “Amigos da Síria”. Eles nada têm a ver com a população síria, nem a representam, não têm interesse nos problemas sírios e muito menos um plano para a Síria. Apenas querem o poder e submeter o país a interesses petrolíferos norte-americanos, como servir de base pra tropas americanas numa possível guerra com o Irã. Outro importante ator na região é Israel, que claramente descumpre resoluções internacionais da ONU, com amparo americano, resoluções como a devolução das Colinas de Golan ao povo Sírio, seu verdadeiro dono, a construção do muro na Palestina, a construção de assentamentos de colonos judeus em território palestino, a ocupação do Sul do Líbano entre outras, em claro desrespeito às Leis Internacionais. Interessa aos Estados Unidos, a Israel, à Inglaterra e a muitas potências europeias um governo sírio fraco e submisso a interesses imperialistas na região. Todo governo que se opõe ou é hostil aos interesses de Washington tem problemas e sofre com denúncias infundadas, como foi o caso iraquiano, acusado de possuir armas de destruição em massa. Aliás, onde estão as famosas armas que serviram de pretexto para os americanos invadirem o Iraque e saírem de lá com o caos instalado naquele país? Com o enfraquecimento da Síria e a instalação de um governo alinhado com os Estados Unidos, seria teoricamente muito mais fácil para os americanos um embate com o Irã, mas apenas teoricamente. *Hussein Mohamad Taha é formado em Relações Internacionais pela Universidade Tuiuti do Paraná e com Pós-Graduação em Geopolítica e Relações Internacionais pela Universidade Tuiuti do Paraná.
  10. 10. 11 A discípula pergunta ao Mestre zen: - Mestre, não entendo uma coisa. Se um homem transa com várias mulheres, ele é visto como um garanhão. Se uma mulher transa com vários homens, ela é vista como “galinha”. Não é injusto? O Mestre zen responde à discípula: - Minha filha, pense nisto da seguinte forma: se uma chave abre vários cadeados, ela é uma chave mestra, uma coisa boa de se ter! Já um cadeado que é aberto por várias chaves diferentes… bem, esta é uma péssima coisa para se ter… -o-o-o-o-o-o-o- Juíza pergunta para a prostituta: - Quando você percebeu que havia sido estuprada? A prostituta, secando as lágrimas diz: - Quando o cheque voltou. -o-o-o-o-o-o-o- Mãe é mãe Coisas que nossas mães diziam e faziam... Era uma forma, hoje condenada pelos educadores e psicólogos, mas funcionou com a gente, e por isso não saímos nos drogando, sequestrando a namorada, nem matando os outros. Minha mãe ensinou a VALORIZAR O SORRISO: - ME RESPONDE DE NOVO E EU TE ARREBENTO OS DENTES! Minha mãe me ensinou a RETIDÃO: - EU TE AJEITO NEM QUE SEJA NA PANCADA! Minha mãe me ensinou a VALORIZAR AO TRABALHO DOS OUTROS: - SE VOCÊ E SEU IRMÃO QUEREM SE MATAR, VÃO PRA FORA. ACABEI DE LIMPAR A CASA! Minha mãe me ensinou LÓGICA E HIERARQUIA: - PORQUE EU DIGO QUE É ASSIM! PONTO FINAL! QUEM É QUE MANDA AQUI? Minha mãe me ensinou o que é MOTIVAÇÃO: - CONTINUA CHORANDO QUE EU VOU TE DAR UMA RAZÃO VERDADEIRA PARA VOCÊ CHORAR! Minha mãe me ensinou a CONTRADIÇÃO: - FECHA A BOCA E COME! Minha Mãe me ensinou sobre ANTECIPAÇÃO: - ESPERA SÓ ATÉ SEU PAI CHEGAR EM CASA!” Minha Mãe me ensinou sobre PACIÊNCIA: - CALMA!... QUANDO CHEGARMOS EM CASA VOCÊ VAI VER SÓ... Minha Mãe me ensinou a ENFRENTAR OS DESAFIOS: - OLHE PARA MIM! RESPONDA QUANDO EU TE FIZER UMA PERGUNTA! Minha Mãe me ensinou sobre RACIOCÍNIO LÓGICO: - SE VOCÊ CAIR DESSA ÁRVORE VAI QUEBRAR O PESCOÇO E EU VOU TE DAR UMA SURRA! Minha Mãe me ensinou MEDICINA: - PÁRA DE FICAR VESGO MENINO! PODE BATER UM VENTO E VOCÊ VAI FICAR ASSIM PARA SEMPRE. Minha Mãe me ensinou sobre o REINO ANIMAL: - SE VOCÊ NÃO COMER ESSAS VERDURAS, OS BICHOS DA SUA BARRIGA VÃO COMER VOCÊ! Minha Mãe me ensinou sobre GENÉTICA: - VOCÊ É IGUALZINHO AO SEU PAI! Minha Mãe me ensinou sobre minhas RAÍZES: - TÁ PENSANDO QUE NASCEU DE FAMÍLIA RICA É? Minha Mãe me ensinou sobre a SABEDORIA DE IDADE: - QUANDO VOCÊ TIVER A MINHA IDADE, VOCÊ VAI ENTENDER. Minha Mãe me ensinou sobre JUSTIÇA: - UM DIA VOCÊ TERÁ SEUS FILHOS, E EU ESPERO ELES FAÇAM PRA VOCÊ O MESMO QUE VOCÊ FAZ PRA MIM! AÍ VOCÊ VAI VER O QUE É BOM! Minha mãe me ensinou RELIGIÃO: - MELHOR REZAR PARA ESSA MANCHA SAIR DO TAPETE!” Minha mãe me ensinou o BEIJO DE ESQUIMÓ: - SE RABISCAR DE NOVO, EU ESFREGO SEU NARIZ NA PAREDE! Minha mãe me ensinou CONTORCIONISMO: - OLHA SÓ ESSA ORELHA! QUE NOJO! Minha mãe me ensinou DETERMINAÇÃO: - VAI FICAR AÍ SENTADO ATÉ COMER TODA COMIDA! Minha mãe me ensinou habilidades como VENTRÍLOCO: - NÃO RESMUNGUE! CALA ESSA BOCA E ME DIGA PORQUE É QUE VOCÊ FEZ ISSO? Minha mãe me ensinou a SER OBJETIVO: - EU TE AJEITO NUMA PANCADA SÓ! Minha mãe me ensinou a ESCUTAR: - SE VOCÊ NÃO ABAIXAR O VOLUME, EU VOU AÍ E QUEBRO ESSE RÁDIO! Minha mãe me ensinou a GOSTAR DOS ESTUDOS: - SE EU FOR AÍ E VOCÊ NÃO TIVER TERMINADO ESSA LIÇÃO, VOCÊ JÁ SABE! Minha mãe me ajudou na COORDENAÇÃO MOTORA: - AJUNTA AGORA ESSES BRINQUEDOS! PEGA UM POR UM! Minha mãe me ensinou os NÚMEROS: - VOU CONTAR ATÉ DEZ. SE ESSE VASO NÃO APARECER VOCÊ LEVA UMA SURRA! Valeu Mãe! -o-o-o-o-o-o-o- Mulheres no shopping Como nasceu o hábito dos casais andarem de mãos dadas? Resposta: Foi um procedimento de iniciativa masculina: - Se eu a soltar, ela vai às compras. -o-o-o-o-o-o-o- Joãozinho no cinema Joãozinho estava na porta do cinema querendo entrar para ver um filme ‘impróprio para menores’, mas o guarda não deixava de jeito nenhum... Ele pediu: - Deixa eu entrar, seu guarda !? O guarda: - Nem pensar ! Já tá tarde e você é muito novo para assistir esse filme! Então Joãozinho anda para lá e para cá insistindo para entrar mas o guarda não deixa, até que ele dá um cuspe para cima e deixa cair na sua cabeça. O guarda estranha sua atitude e pergunta: - Porque você está fazendo isso, menino!? - Deixa eu entrar, que eu te conto! - Nem pense nisso! - Tá bom ! Você é quem sabe! E ele continuou a cuspir para cima e deixar cair na cabeça... O guarda insistiu: - Por quê você faz isso, menino!? - Deixa eu entrar que eu te conto! - Pare com isso garoto! Você não vai entrar! Ele continuou cuspindo e deixando cair na cabeça até que o guarda não aguentou mais e disse: - Tá bom pode entrar, mas me diga logo porque está fazendo isso!? - Primeiro eu vou assistir o filme e depois eu conto! Ao sair do cinema, o guarda chama Joãozinho: - Ei ! Volte aqui! Agora já assistiu o filme, então me conte o seu segredo! - É que ontem à noite eu ouvi minha irmã dizer para o namorado dela: - Cospe na cabeça que entra. E não é que dá certo !?
  11. 11. 12 Avendinha que Jorge Luiz Skora man- tém há 22 anos na rua Maria Noemia dos Santos, bairro Santa Cândida virou atra- ção: carros eram parados, cachorros foram impedidos de seguirem seu caminho e frequentadores do Tia Marta – o negócio dos Skora – degustavam cerveja nas cal- çadas e não nos bancos que se alinhavam rente ao balcão. Sem contar os pedidos de fotos e autógrafos ao ator JacksonAntunes – todos atendidos, diga-se. O que acontecia era a gravação de Curitiba Zero Grau, filme do curitibano Eloi Pires Ferreira – também diretor de O Sal da Terra (2008). Eloi e sua equipe ven- ceram a terceira edição Prêmio Estadual de Cinema e Vídeo, que destina R$ 180 mil a três telefilmes e R$ 1 milhão a um longa-metragem – em 2007 o vencedor foi Corpos Celestes (de Marcos Jorge e Fernando Severo) e ano passado Mysterios (Beto Carminatti e Pedro Merege). As gravações começaram dia 16 de maio. O frio e a chuva contribuíram tanto para reforçar o inverno do filme quanto a trama de Curitiba Zero Grau. “Trabalha- mos alguns temas que são peculiares à ci- dade, mas que ao mesmo tempo são uni- versais. Se, em O Sal da Terra, tínhamos o homem em movimento na estrada, ago- ra temos um movimento urbano”, explica Pires. O longa, segundo o diretor, também fala de como as pessoas se encontram ou se desencontram, e como atitudes peque- nas podem afetar direta ou indiretamente o destino de alguém que não conhecemos. O filme segue o rumo de quatro perso- nagens, que se dividem no protagonismo da história. Há um empresário do ramo de automóveis, que vende carros seminovos; um motoboy; um catador de papel e um motorista de ônibus. Este é Ramos, inter- pretado por Jackson Antunes – o Leo-nardo da novela A Favorita. “O Ramos é um cidadão comum, mas o que o torna não tão comum é que ele tem um coração de ouro que acolhe pesso- as desconhecidas em sua própria casa”, ex- plica o ator. Curitiba Zero Grau não tem esse nome por acaso. O frio da cidade há muito é com- parado ao comportamento do curitibano e essa fama – lenda, mito ou fato – está su- tilmente tratada no filme de Eloi. “Fazemos referência através do com- portamento dos personagens. Mas não é nada explícito. Isso se tornou um folclore, mas não tem uma base na história e na Bairro Santa Cândida foi cenário de Curitiba Zero Grau O filme Curitiba Zero Grau, dirigido por Eloi Pires Ferreira estreiou nos cine- mas do Paraná dia 17 deAgosto. O longa é uma produção da Tigre Produções Ci- nematográficas com produção associada da Camarada Filmes e pôde ser rodada graças aos recursos do Prêmio Estadual de Cinema e Vídeo do Paraná, terceira edição, gerido pela Secretaria Estadual de Cultura, complementados pela Lei do Audiovisual junto com o programa Con- ta Cultura viabilizado pela Copel. A dis- tribuição e o lançamento foram possíveis através do Edital de Difusão Nacional e Internacional de Cinema oferecido pela Fundação Cultural de Curitiba. Curitiba Zero Grau teve sua primeira exibição pública no Festival Internacio- nal do Rio de Janeiro, A produção que traz em seu elenco o ator global Jackson Antunes,além de Edson Rocha, Lori San- tos e Diego Kozievitch, também foi exi- bida no festival de Havana, em Cuba, na mostra de filmes brasileiros no Japão e no Cinesul 2011 – Festival Ibero-Ame- ricano de Cinema e Vídeo/RJ, onde con- quistou o primeiro lugar na categoria “Eleitos do Público”, Na semana mais fria de um inverno curitibano, os dramas de homens se cru- zam, e cada um a seu modo traça um novo perfil do povo curitibano, que vem se mo- dificando com o inchaço da cidade e com os desafios pela sobrevivência na capital mais fria do país. Curitiba Zero Grau foi rodado em pe- lícula e finalizado em 35mm. Segundo o diretor “A intenção é mostrar um outro Brasil, ou um Brasil menos conhecido – o paranaense”. Suas locações, pontos tu- rísticos e ruas conhecidas de Curitiba ca- racterizam bem os contrastes da capital paranaense. A produção é assinada por Talicio Sirino e Salete Machado tendo como pro- dutores associados Marcos Cordiolli e J. Olímpio (in memoriam), com roteiro de Altenir Silva, Erico Beduschi e Eloi Pi- res Ferreira. O filme precisou de 4 me- ses de pré-produção, dois meses de pro- dução e mais 6 meses de pós-produção, e ainda envolveu direta e indiretamente 800 pessoas, “Curitiba é um manancial de bons atores e técnicos, e isto está co- laborando muito com o audiovisual bra- sileiro” acrescentou Eloi Pires Ferreira, diretor do longa. cultura do nosso povo”, diz o diretor. Para o ator, a tese era confirmada até contracenar com o ator e músico curitibano Alexandre Nero, também na novela A Fa- vorita. “Rapaz, chega aquele moço, tão humil- de e envergonhado, meio perdido no set da tevê. Eu falei ‘Caramba, ele é muito tímido’. Mas, de repente, ele me dá um disco e por trás disso se revela um roquei- ro, um tribalista completamente diferen- te. Ele foi um amigo que a vida me deu e aí comecei a ver Curitiba com outros olhos”, dizAntunes, que já formou sua opi- nião também sobre Eloi Pires. “Ele é o primeiro diretor com quem eu trabalho que não tem storyboard. Isso é bacana porque, como a vida é imprevisível, imagino que o cinema também deva ser”, afirma. Momentos antes da entrevista, a repor- tagem acompanhou Jackson Antunes em ação, durante uma cena no bar Tia Marta. Ao final do take, o personagem esqueceu de pagar o pão que comprava. Conversas rápidas com Eloi e pronto. Ramos só assi- nou algo no ar, como quem pede a conta em um restaurante para um garçom que está longe. “Esses detalhezinhos enrique- cem a obra”, defende Antunes. A cena foi repetida, no mínimo, cinco vezes. “O Eloi é muito detalhista e isso nos deixa muito tranquilos. Se precisar voltar, ele volta. Isso aumenta o custo de produção, mas também a qualidade do material”, diz Salete Machado, que divi- de a produção com Talício Sirino. Da esquerda para direita: Artemis Cavalli, Jackson Antunes, Jorge L. Skora, Jorge Skora (Pai) Cena do filme

×