Fisiologia GeralPatrícia Silva e Tiago Gonçalves12ºBT1
   É muito comum, atualmente, conotar a heroína como uma    droga, geralmente administrada por via intravenosa, cujo    o...
   Nome : Heroína, Diamorfina ou Acetomorfina   Nome científico : Diacetilmorfina   Fórmula Química : C21H23NO5   É um...
Inicialmente, a morfina erausada no tratamento deferidos na guerra civilamericana, porém, ocorreuum aumento de viciados.De...
A heroína é produzidaem laboratóriosclandestinos que estãolocalizados,principalmente, empaíses do Oriente.                ...
   A heroína atua de forma semelhante aos opiáceos naturais    do organismo, permitindo assim, a libertação de dopamina  ...
   Opiáceos são moléculas que se produzem no nosso    organismo em situações de prazer.   Quando se ligam aos seus recet...
   Existem recetores de opiáceos no tronco cerebral (parte do    cérebro que coordena processos automáticos essenciais à ...
Inicialmente  Bocejos   contínuos  Choro  SudaçãoPosteriormente  Ansiedade  Irritabilidade  Tremores  Vómitos  Naú...
Há uma grande variedade de tratamentos eficazes   para os dependentes de heroína, que são mais   eficazes quanto mais cedo...
   A metadona, é um opiáceo sintético que vai bloquear os    efeitos da heroína durante 24h a 36h, eliminando os sintomas...
   Como pudemos constatar, a heroína simula os opiáceos    naturais do nosso corpo, provocando uma hiperestimulação    na...
“A diferença entre o venenoe o antídoto é a dose!”                  Paracelso
   http://psicoativas.ufcspa.edu.br/heroina.html   pt.wikipedia.org/wiki/HeroÌna   oficina.cienciaviva.pt/~pw020/g/hero...
   www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0405/heroina/index.h    tm   www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/.../heroina...
Heroína - Fisiologia Geral!
Heroína - Fisiologia Geral!
Heroína - Fisiologia Geral!
Heroína - Fisiologia Geral!
Heroína - Fisiologia Geral!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Heroína - Fisiologia Geral!

4.835 visualizações

Publicada em

http://youtu.be/E4DnEgZkqwU - The video of Mouse Party

Credits for: http://learn.genetics.utah.edu/content/addiction/drugs/mouse.html

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.835
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
149
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Heroína - Fisiologia Geral!

  1. 1. Fisiologia GeralPatrícia Silva e Tiago Gonçalves12ºBT1
  2. 2.  É muito comum, atualmente, conotar a heroína como uma droga, geralmente administrada por via intravenosa, cujo objetivo é fornecer uma sensação de relaxamento, bem estar e prazer ao toxicodependente. O irónico da história é que todas as drogas surgiram por uma questão de ajuda à saúde humana e acabaram por ter o “efeito” antagónico.
  3. 3.  Nome : Heroína, Diamorfina ou Acetomorfina Nome científico : Diacetilmorfina Fórmula Química : C21H23NO5 É uma droga obtida partir de uma planta encontrada no Oriente chamada Papoula, Papaver somniferum. Esta planta é encontrada exclusivamente em alguns países do Oriente. A heroína é comercializada em pó, geralmente castanho ou branco.
  4. 4. Inicialmente, a morfina erausada no tratamento deferidos na guerra civilamericana, porém, ocorreuum aumento de viciados.Devido a esta situação eranecessário encontrar umsubstituto à morfina, surgindoentão a heroína, naAlemanha. A Guerra CivilContudo, comprovou-se que a Americana. Milhares deheroína é ainda mais viciante soldados regressaram aque a morfina e, por causa casa dependentes dedesta situação, os Estados morfina.Unidos da América passarama considerar a heroína ilegal.
  5. 5. A heroína é produzidaem laboratóriosclandestinos que estãolocalizados,principalmente, empaíses do Oriente. Papaver somniferum
  6. 6.  A heroína atua de forma semelhante aos opiáceos naturais do organismo, permitindo assim, a libertação de dopamina na sinapse que, consequentemente, vai provocar sensações de bem estar e de alguma euforia no indivíduo.
  7. 7.  Opiáceos são moléculas que se produzem no nosso organismo em situações de prazer. Quando se ligam aos seus recetores, inibem a libertação de neurotransmissores inibitórios e promovem a libertação de dopamina. Assim, o organismo relaxa e mantém-se num estado de prazer, por vezes, eufórico. A heroína causa habituação, tornando-se, assim, um vício praticamente incontrolável.
  8. 8.  Existem recetores de opiáceos no tronco cerebral (parte do cérebro que coordena processos automáticos essenciais à vida, tais como, respiração, pressão sanguínea, estimulação). A heroína, ao viciar estes recetores, provoca um desequilíbrio na homeostasia do organismo. Por isto, na maioria das overdoses desta droga, o dependente morre asfixiado, devido à falta de oxigenação cerebral.
  9. 9. Inicialmente Bocejos contínuos Choro SudaçãoPosteriormente Ansiedade Irritabilidade Tremores Vómitos Naúseas
  10. 10. Há uma grande variedade de tratamentos eficazes para os dependentes de heroína, que são mais eficazes quanto mais cedo se identificar a dependência.O ideal é combinar o tratamento farmacológico com outro apoio ao toxicodependente. MetadonaA desintoxicação tem como objetivo primordial aliviar os sintomas do síndrome de abstinência.O tratamento da dependência da heroína baseia-se na“substituição” desta por um opiáceo de longa duração e ir diminuindo a dose progressivamente. BuprenorfinaSão exemplos destes opiáceos a metadona, o LAAM ou a buprenorfina.
  11. 11.  A metadona, é um opiáceo sintético que vai bloquear os efeitos da heroína durante 24h a 36h, eliminando os sintomas de abstinência. Quando a metadona é combinada com as terapias de comportamento e outros serviços de apoio, permite aos pacientes o abandono da heroína e o regresso a uma vida estável e, posteriormente, produtiva.
  12. 12.  Como pudemos constatar, a heroína simula os opiáceos naturais do nosso corpo, provocando uma hiperestimulação na sinapse, transmitindo ao toxicodependente múltiplas sensações de prazer e de paz. Contudo, provoca hábito tornando-se, assim, um vício que poderá, ou não, destruir a vida de um ser humano.
  13. 13. “A diferença entre o venenoe o antídoto é a dose!” Paracelso
  14. 14.  http://psicoativas.ufcspa.edu.br/heroina.html pt.wikipedia.org/wiki/HeroÌna oficina.cienciaviva.pt/~pw020/g/heroina.htm www.dianova.pt/centro-de-conhecimento/...de...de.../101-heroina pt.thefreedictionary.com/heroÌna http://www.vidasemdrogas.org/opiaceos.html http://www.eternamisericordia.com.br/artigo/337-heroina http://umaquestaodecerebro.blogs.sapo.pt/2612.html http://www.braincampaign.org/Common/Docs/Files/2780/ptchap4.pdf http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=6&materia_id=96&materiaver=1 http://heroin-effects.com/index.htm http://bci.ucsd.edu/~pineda/COGS260/opiates/neural%20systems%20and%20opiate%2 0addiction.pdf http://learn.genetics.utah.edu/content/addiction/drugs/mouse.html http://learn.genetics.utah.edu/content/addiction/drugs/index.html http://azevedolab.dominiotemporario.com/doc/biofisica6_neurotransmissores.pdf http://www.cerebromente.org.br/n12/fundamentos/neurotransmissores/neurotransmitte rs2_p.html
  15. 15.  www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0405/heroina/index.h tm www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/.../heroina/tratamento.ht m www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0405/heroina/historia. htm www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0405/heroina/efeitos. htm www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0405/heroina/mecan ismo.htm http://www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0405/heroina/ biotransformacao.htm http://www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0405/heroina/ bibliografia.htm www.atelier-heroina.com/

×