Boletim Informativo Digitálicos

2.268 visualizações

Publicada em

Boletim Informativo sobre Digitálicos

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.268
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
151
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Boletim Informativo Digitálicos

  1. 1. 1 FARMÁCIA INFORMATIVA - BOLETIM INFORMATIVO - 3ª Edição, Setembro/ 2013 Medicamentos digitálicos Por: Diane Fonseca Borges Viega O que são digitálicos? Os digitálicos, ou cardioglicosídeos, fazem parte de um grupo de fármacos utilizados no tratamento de patologias do coração, geralmente arritmias e insuficiências cardíacas. Agem aumentando a contração ventricular e corrigindo arritmias por flutter, arritmias supraventriculares e fibrilação auricular (CUNHA, 2011). O nome digitálico é devido ao gênero vegetal Digitalis, que fornece a maior parte dos cardioglicosídeos clinicamente úteis atualmente. A dedaleira (Digitalis purpurea) é uma importante fonte desses agentes – Figura 1. Figura 1: Espécies vegetais Digitalis purpurea (A) e Digitalis lanata (B). Outro exemplo é a espécie Digitalis lanata, de onde é obtida, por exemplo, a digoxina, protótipo dessa classe de medicamentos – Figura 2 (KATZUNG, 2007). Figura 2: Estrutura química da digoxina. O Brasil possui uma vasta biodiversidade vegetal, várias espécies medicinais que poderiam ser empregadas com finalidade terapêutica. As pesquisas envolvendo plantas utilizadas empiricamente são de grande importância para que possam ser descobertas novas moléculas promissoras no tratamento de muitas patologias (FOGLIO et al., 2006). Dentre as plantas estudadas, muitas são usadas como matéria-prima para manipulação, ou na indústria para obtenção de princípios ativos ou (A) (B)
  2. 2. 2 precursores em semi-síntese (FOGLIO et al., 2006). Mecanismo de ação Os digitálicos agem inibindo a Na+ /K+ -ATPase, presentes nas membranas das células cardíacas. Sendo assim, aumentam a concentração de Na+ intracelular e diminuem a expulsão de Ca2+ da célula, por meio do permutador Na+ /Ca2+ (KATZUNG, 2007), conforme mostrado na Figura 3. Figura 3: Mecanismo de ação dos digitálicos (Adaptado de http://www.cncardio.com) Dessa forma, aumentam a contratilidade cardíaca, devido ao aumento da concentração de cálcio livre nas proximidades das proteínas contráteis durante a sístole (KATZUNG, 2007). Os digitálicos são substâncias de alta toxicidade e por isso é preciso um maior cuidado de seu uso durante o tratamento (KATZUNG, 2007). Doses recomendadas A dose ideal para cada paciente deve ser orientada pelo médico, de forma a prevenir níveis tóxicos e manter os devidos cuidados na administração. Geralmente, é aconselhada dose inicial de 0,125 mg/dia de digoxina, observando-se que em idosos e pacientes com insuficiência renal, esta dose deve ser administrada em dias alternados. As recomendações da Sociedade Europeia de Cardiologia são de um nível sérico entre 0,6 e 1,2 ng/ml. Deve-se observar também que alguns medicamentos como amiodarona (antiarrítmico classe III), diltiazem (anti-hipertensivo bloqueador dos canais de cálcio), verapamil (antiarrítmico classe IV e bloqueador dos canais de cálcio), e alguns antibióticos podem aumentar os níveis séricos da digoxina. Alguns subgrupos de indivíduos são mais susceptíveis à intoxicação digitálica, tais como:  Idosos (devido à maior sensibilidade e confusão com doses e demais tratamentos);  Mulheres (devem usar doses mais baixas);  Insuficientes renais (devido ao aumento da concentração sérica);
  3. 3. 3  Pacientes com artérias coronárias afetadas (pois a isquemia afeta a sensibilidade da bomba Na+ /K+ , interferindo na ação da digoxina);  Pacientes poli-medicados (pelo risco de interação medicamentosa) (PERDIGÃO, 2013). Sintomas de intoxicação Podem ocorrer náuseas, vômitos, anorexia e diarreia como sintomas digestivos. Os sintomas neurológicos variam desde uma simples fadiga e cefaléias, até confusões mentais, desorientação e delírio (PERDIGÃO, 2013). Em relação à visão, pode ocorrer alteração na percepção das cores, halo verde-amarelado em torno de imagens e luzes, bem como visão esfumada ou diplopia. Já em relação aos sintomas cardíacos, podem ocorrem arritmias diversas e complexas (PERDIGÃO, 2013). Importante ressaltar que na intoxicação digitálica aguda, os sintomas e os sinais eletrocardiográficos podem ser bastante exuberantes, enquanto que na intoxicação crônica podem ocorrer de forma mais atenuada (PERDIGÃO, 2013). Importância de uma boa orientação O correto acompanhamento e orientação médica e farmacêutica são de muita importância em um paciente que faz uso desse tipo de medicamento, devido à sua alta toxicidade e também para prevenção e monitoramento de efeitos adversos (NUNES et al., 2008). O devido acompanhamento por um profissional de saúde capacitado também evita danos ao paciente e melhora a eficácia terapêutica, como por exemplo, minimizar erros de dosagem, interações com demais medicamentos, dentre outros fatores relevantes (NUNES et al., 2008). Conclusão Os digitálicos são uma classe terapêutica importante no tratamento de pessoas com patologias do coração, porém devem ser administrados com cautela e sob orientação médica, devido ao elevado risco de intoxicação. Referências CUNHA, V. B. F. Importância da detecção dos níveis de Digitálicos em casos de morte súbita em cadáveres de idade igual ou superior a 55 anos. Instituto de ciências biomédicas Abel Salazar: Universidade do Porto. Dissertação de Mestrado em Medicina Legal, 2011.
  4. 4. 4 FOGLIO, M. A; QUEIROGA, C. L. et al. Plantas medicinais como fonte de recursos terapêuticos: um modelo multidisciplinar. Construindo a história dos produtos naturai. Divisão de fitoquímica, CPQBA/UNICAMP, 2006. NUNES, P. H. C; PEREIRA, B. M. G. et al. Intervenção farmacêutica e prevenção de efeitos adversos. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, vol. 44, n. 4, 2008. KATZUNG, B. G. Farmacologia básica e clínica. 10ª edição, São Paulo: AMGH Editora Ltda, 2007. PERDIGÃO, C. Gestão do rico dos medicamentos: Toxicidade da digoxina. Revista Factores de risco, n. 28, 2013.

×