A LOGÍSTICA REVERSA E A PRESERVAÇÃO DO MEIO                 AMBIENTE                                                      ...
Usinas de geração de eletricidade, qualquer que seja a fonte de energia primária, inclusive     a instalação de parques eó...
sofrendo constante evolução, sendo considerada um dos principais elementos utilizados naelaboração do planejamento estraté...
devolução, retorno de embalagens utilizadas e a reciclar, veículos e outros tipos deequipamentos em fim de vida.Figura 1- ...
parte dos Canais Reversos pelo qual fluem estes produtos. Seu objetivo estratégico é o deagregar valor a um produto logíst...
RAZZOLINI FILHO, Edelvino, BERTÉ, Rodrigo. O reverso da logística e as questões ambientaisno Brasil. Curitiba: Ibpex, 2009...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A logística reversa na preservação do meio ambiente1

1.017 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.017
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A logística reversa na preservação do meio ambiente1

  1. 1. A LOGÍSTICA REVERSA E A PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Fernando AlcoforadoAbstract: this article aims to show the basics of reverse logistics and its enormous importance inpreserving the environment.Resumo: este artigo tem por objetivo mostrar os fundamentos da logística reversa e a sua enormeimportância na preservação do meio ambiente.Keywords: logistics concept, the concept of reverse logistics, reverse logistics applications,benefits of reverse logisticsPalavras-chave: conceito de logística, conceito de logística reversa, aplicações da logísticareversa, benefícios da logística reversa1. IntroduçãoTodo empreendimento humano gera impacto ambiental, em maior ou menor escala, seja emsua implantação, seja na operação. Entre os impactos ambientais resultantes, destacam-se odescarte de resíduos durante a implantação e de produtos e resíduos durante a operação dosempreendimentos descritos a seguir: Rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, oleodutos, gasodutos, minero dutos, troncos coletores e emissários de esgoto Fernando Alcoforado, Doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pelaUniversidade de Barcelona, Graduado em Engenharia Elétrica pela UFBA - Universidade Federal daBahia e Especialista em Engenharia Econômica e Administração Industrial pela UFRJ - UniversidadeFederal do Rio de Janeiro, foi Secretário do Planejamento de Salvador (1986/1987), Vice-Presidente daABEMURB – Associação Brasileira das Entidades Municipais de Planejamento e DesenvolvimentoUrbano (1986), Subsecretário de Energia do Estado da Bahia (1988/1991), Diretor de RelaçõesInternacionais da ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Gás Canalizado(1990/1991), Coordenador do Programa Nacional do Dendê- PRONADEN (1991), Presidente do Clube deEngenharia da Bahia (1992/1993), Presidente do IRAE- Instituto Rômulo Almeida de Altos Estudos(1999/2000) e Diretor da Faculdade de Administração das Faculdades Integradas Olga Mettig deSalvador, Bahia (2003/2005). É atualmente professor universitário e consultor de organismos públicos eprivados nacionais e internacionais nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial,planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos. Foi articulista de diversos jornais daimprensa brasileira (Folha de S. Paulo, Gazeta Mercantil, A Tarde e Tribuna da Bahia), publicando artigosversando sobre economia e política mundial e brasileira, questão urbana, energia, meio ambiente edesenvolvimento, ciência e tecnologia, administração, entre outros temas. É autor dos livros Globalização(Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (EditoraNobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Globalização eDesenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XXe Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2007), Aquecimento Global eCatástrofe Planetária (P & A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), The Necessary Conditions of theEconomic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. MüllerAktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), e Amazônia Sustentável- Para o progressodo Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, SãoPaulo, 2011) entre outros. Possui blog na Internet (http://fernando.alcoforado.zip.net) 1
  2. 2. Usinas de geração de eletricidade, qualquer que seja a fonte de energia primária, inclusive a instalação de parques eólicos Linhas de transmissão de energia elétrica Obras hidráulicas para fins de saneamento, drenagem, irrigação, retificação de curso dágua, transposição de bacias, canais de navegação, hidrelétricas, diques Extração de combustível fóssil (petróleo, xisto, carvão, gás natural) e minério em terra e no mar Transporte aéreo, marítimo, rodoviário, ferroviário, hidroviário e dutoviário Aterros sanitários, processamento e destino final de resíduos tóxicos ou perigosos Complexos e unidades industriais (petroquímicas, siderúrgicas, cloroquimicas) e agroindustriais (destilarias de álcool, hulha, extração e cultivo de recursos hídricos) Distritos industriais e zonas estritamente industriais Produção agroindustrial Exploração econômica de madeira ou de lenha Projetos urbanísticosOs produtos descartados e resíduos provenientes desses empreendimentos podem sersólidos, líquidos e gasosos. Para combater a poluição da terra, do ar e da água na cidade e nazona rural, é preciso efetuar a reciclagem dos produtos atualmente utilizados e descartados edos resíduos. Nessa perspectiva, os produtos atualmente utilizados e descartados e osresíduos, quando usados nas diversas aplicações, devem, em primeiro lugar, ser recicladospara formarem um novo produto com o uso da logística reversa, em segundo lugar, serqueimados de modo a extrair toda a energia que contenham, sobretudo no caso dos resíduosgasosos, e, apenas em última instância, devem ser removidos para um aterro sanitário no casodos resíduos sólidos e lançados em lagos, rios e oceano após o devido tratamento no caso deresíduos líquidos.2. O conceito de logísticaLogística é um ramo da Administração cujas atividades estão voltadas para o planejamento daarmazenagem, circulação (terra, ar e mar) e distribuição de produtos. Um dos objetivos maisimportantes da logística é conseguir criar mecanismos para entregar os produtos ao destinofinal no tempo mais curto possível, contribuindo para reduzir os custos. Para isso, devem serestudadas rotas de circulação, meios de transportes, locais de armazenagem (depósitos) entreoutros fatores que influenciam na logística.Com a mundialização do capital, sobretudo a partir da Revolução Industrial, a logística tornou-se cada vez mais importante para as empresas num mercado competitivo. Isto ocorreu, pois aquantidade de mercadorias produzidas e consumidas aumentou muito, assim como o comérciomundial. Nos dias de hoje, com a globalização da economia, os conhecimentos de logística sãode fundamental importância para as empresas. Nos últimos anos, a Logística Empresarial vem 2
  3. 3. sofrendo constante evolução, sendo considerada um dos principais elementos utilizados naelaboração do planejamento estratégico, e muitas vezes é responsável por enorme geração devantagem competitiva das empresas.3. O conceito de logística reversaA partir da década de 1990, com a constante preocupação sobre a utilização dos recursosnaturais, assim como o acúmulo de resíduos industriais nos grandes centros, as grandesempresas foram responsabilizadas pela sociedade por este problema. As grandesorganizações passaram a ter uma nova preocupação; como seria possível encontrar aresolução deste problema sem gerar aumento de custos e despesas? Com o advento destecenário surgiu o conceito de Logística Reversa.Define-se como Logística Reversa, a área que planeja, opera e controla o fluxo, e asinformações logísticas correspondentes ao retorno dos bens de pós-venda e de pós-consumoao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo, através dos Canais de Distribuição Reversos,agregando-lhes valor de diversas naturezas: econômico, ecológico, legal, competitivo, deimagem corporativa, dentre outros.Enquanto a Logística Tradicional trata do fluxo dos produtos fabrica x cliente, a LogísticaReversa trata do retorno de produtos, materiais e peças do consumidor final ao processoprodutivo da empresa. Devido à severa legislação ambiental existente e também pela grandeinfluência da sociedade e de organizações não governamentais, as empresas estão adotandoa utilização de um percentual maior de material reciclado ao seu processo produtivo, assimcomo também passaram a adotar procedimentos para o correto descarte dos produtos que nãopossam ser reutilizados ou reciclados.A logística reversa é a área da logística que trata, portanto, do retorno de produtos,embalagens ou materiais ao seu centro produtivo, conforme está apresentada na Figura 1 aseguir. A logística reversa no processo de reciclagem faz com que os materiais retornem adiferentes centros produtivos em forma de matéria prima. Atividades da administração dalogística reversa preveem o reaproveitamento e remoção de refugo e a administração dedevoluções.Em várias empresas, foi demonstrado que um pequeno investimento no gerenciamento daLogística Reversa resulta em economias substanciais. A Logística Reversa é a última fronteiraem redução de custos. A logística reversa aplica-se a todos os fluxos físicos inversos, isto é, doponto de consumo até à origem ou deposição em local seguro de embalagens, produtos em fimde vida, devoluções, etc., tendo as mais variadas áreas de aplicação.Os fluxos físicos de sentido inverso estão ligados às novas indústrias de reaproveitamento deprodutos ou materiais em fim de ciclo de vida, tais como: desperdícios e detritos, transformaçãode certos tipos de lixo, produtos deteriorados ou objeto de reclamação e consequente 3
  4. 4. devolução, retorno de embalagens utilizadas e a reciclar, veículos e outros tipos deequipamentos em fim de vida.Figura 1- Logística reversaEmpresas incentivadas pelas Normas ISO 14000 e preocupadas com a gestão ambiental,também conhecida como "logística verde", começaram a reciclar materiais e embalagensdescartáveis, como latas de alumínio, garrafas plásticas e caixas de papelão, entre outras, quepassaram a se destacar como matéria-prima e deixaram de ser tratadas como lixo.4. Aplicações da logística reversaA questão principal da Logística Reversa é a viabilização do retorno de bens através de suareinserção no ciclo de produção ou de negócios e para que isso ocorra, faz-se necessário quese desenvolva numa primeira etapa a análise destes bens de pós-venda e de pós-consumo nointuito de definir o estado destes bens e determinar o processo no qual deverá ser submetido.Os materiais podem retornar ao fornecedor ou podem ser revendidos se ainda estiverem emcondições adequadas de comercialização. Além disso, os bens podem ser recondicionados, oureciclados, portanto, um produto só é descartado em último caso.A Logística Reversa de Pós-venda é uma área de atuação da Logística Reversa que se ocupado equacionamento e operacionalização do fluxo físico e das informações logísticascorrespondentes de bens de pós-venda, sem uso ou com pouco uso, que por diferentesmotivos retornam aos diferentes elos da cadeia de distribuição direta, que se constituem uma 4
  5. 5. parte dos Canais Reversos pelo qual fluem estes produtos. Seu objetivo estratégico é o deagregar valor a um produto logístico que é devolvido por razões comerciais, erros noprocessamento dos pedidos, garantia dada pelo fabricante, defeitos ou falhas defuncionamento no produto, avarias no transporte, entre outros motivos.Por sua vez, a Logística Reversa de Pós-consumo é uma área de atuação da LogísticaReversa que equaciona e operacionaliza o fluxo físico e as informações correspondentes debens de pós-consumo descartados pela sociedade em geral que retornam ao ciclo de negóciosou ao ciclo produtivo através de canais de distribuição reversos específicos. Constituem-sebens de pós-consumo os produtos em fim de vida útil ou usados com possibilidade deutilização e os resíduos industriais em geral. Seu objetivo estratégico é o de agregar valor a umproduto logístico constituído por bens inservíveis ao proprietário original, ou que aindapossuam condições de utilização, por produtos descartados por terem atingido o fim de vida útile por resíduos industriais. Estes produtos de pós-consumo poderão se originar de bensduráveis ou descartáveis e fluírem por canais reversos de Reuso, Desmanche, Reciclagem atéa destinação final.5. Benefícios da logística reversaGanhos financeiros e logísticos são apenas alguns dos benefícios que a logística reversa écapaz de proporcionar. Há também os ganhos à imagem institucional da organização poradotar uma postura ecologicamente correta, atraindo a atenção e preferência não só declientes, mas também dos consumidores finais. As iniciativas relacionadas à logística reversatêm trazido consideráveis retornos para as empresas. Economias com a utilização deembalagens retornáveis ou com o reaproveitamento de materiais para produção têm trazidoganhos que estimulam cada vez mais novas iniciativas.O reaproveitamento de materiais é um dos processos que fazem parte da dinâmica da logísticareversa, e é um dos aspectos que mais possibilidades possuem para se agregar valor aosmateriais retornáveis no processo inverso. A utilização da logística reversa como forma dediferencial competitivo é muito importante para a empresa. A obtenção de vantagemcompetitiva é um dos principais fatores que levam as organizações a implementarem oprocesso reverso de distribuição.EMAIL- falcoforado@uol.com.brBIBLIOGRAFIABARTHOLOMEU, Daniela Bacchi; CAIXETA-FILHO, José Vicente.Logística Ambiental deResíduos Sólidos.São Paulo: Atlas, 2011.NOGUEIRA, Amarildo de Souza. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, 2012. 5
  6. 6. RAZZOLINI FILHO, Edelvino, BERTÉ, Rodrigo. O reverso da logística e as questões ambientaisno Brasil. Curitiba: Ibpex, 2009.VEIGA, José Eli da. Economia socioambiental. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009. 6

×