SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO)
      CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE                      PRIMEIRA VERSÃO
                                                               ISSN 1517-5421    lathé biosa   1
          PRIMEIRA VERSÃO
        ANO I, Nº01 MAIO - PORTO VELHO, 2001
                         Volume I

                       ISSN 1517-5421


                         EDITOR
                   NILSON SANTOS


                 CONSELHO EDITORIAL
            ALBERTO LINS CALDAS - História
             ARNEIDE CEMIN - Antropologia
            FABÍOLA LINS CALDAS - História
         JOSÉ JANUÁRIO DO AMARAL - Geografia
                MIGUEL NENEVÉ - Letras
            VALDEMIR MIOTELLO - Filosofia

Os textos de até 5 laudas, tamanho de folha A4, fonte Times
New Roman 11, espaço 1.5, formatados em “Word for Windows”
           deverão ser encaminhados para e-mail:

                     nilson@unir.br                            ANTES QUE SEJA TARDE, RETIREMOS A
                                                                   UNIVERSIDADE DO GERÚNDIO
                     CAIXA POSTAL 775
                     CEP: 78.900-970
                      PORTO VELHO-RO
                                                                                     NILSON SANTOS

                TIRAGEM 150 EXEMPLARES

      EDITORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA                                  
Caro Leitor


        O Centro de Hermenêutica do Presente tem a satisfação de apresentar sua
mais recente publicação: PRIMEIRA VERSÃO .
        Trata-se de produção indexada destinada a divulgar ensaios breves na área
de Ciências Humanas.
        Esta publicação prioriza:
        - resultados iniciais de pesquisas, dada a importância de seu registro;
        - discussões setorizados como temas de aulas, seminários e palestras.
        - reflexões em torno de obras recém lançadas no mercado editorial.
        - considerações teóricas de temas polêmicos da vida universitária.
        A tiragem de cada edição será de 150 exemplares, distribuídos na própria
universidade e encontrados também no Centro de Hermenêutica do Presente.
        Por dedicar cada número a um único trabalho, sua elaboração, impressão e
caráter gráfico têm uma dinâmica diferente dos periódicos da universidade. Desta

forma, a   PRIMEIRA VERSÃO pretende ser presença efervescente no quotidiano da
universidade.
        Além do ensaio, a publicação terá uma seção final chamada VITRINE com
avisos de lançamentos de livros, informes sobre pesquisas, links importantes para
consulta na internet e outros assuntos de interesse acadêmico.
        As contribuições de ensaios e comunicações para a VITRINE devem ser
encaminhadas por e-mail, diretamente para o editor, ou para o Conselho Editorial.

        Primeira versão    é uma publicação de distribuição gratuita e pode ser
encontrada no hall de entrada da biblioteca do campus.

                                    NILSON SANTOS
                                       EDITOR




                                                            ISSN 1517 - 5421        2
Nilson Santos                                                                                ANTES QUE SEJA TARDE, RETIREMOS
       Professor de Filosofia e História da Educação                                                   A UNIVERSIDADE DO GERÚNDIO
       nilson@unir.br



       Estamos atravessando dias, ou melhor, anos procurando por ventos mais lúcidos. Mas nossa paciência parece estar sendo esgotada, na mesma proporção
de nosso ânimo. Procurando superar os pesadelos de uma origem mal digerida da universidade como misto de escolão de segundo grau e curso profissionalizante,
e recuperada a normalidade acadêmica, ficamos pensando que viria a bonança; e confessemos: continuaremos até o último momento sonhando com isto.
       Sempre foi elemento de unificação e pacificação dos espíritos discordantes a crença de que a universidade só estaria saindo do cadafalso quando estivesse
carreando todas as suas energias para o ensino, para a pesquisa e para a extensão (desculpem a falta de originalidade, mas os docentes vivem esquecendo a
finalidade da universidade) afinal, deveríamos encontrar TODOS os docentes ensinando e pesquisando, com os alunos aprendendo, participando e pesquisando.
       E aqui começa o pântano do gerúndio, que transforma a certeza inicial em dúvida mais que sartreana, ao ouvirmos tantos: estamos estudando, estamos
implementando, está sendo projetado, estamos liberando, estamos conseguindo, estamos planejando, estamos reunindo, estamos debatendo, estamos
buscando, estamos consolidando, estamos viabilizando, estamos lendo, num eterno gerúndio, que nunca se materializa em tempo verbal algum.
       Em tempos de pós modernidade onde nada é sólido, tudo está desmanchado ou melhor desmanchando; ao menos desta forma podemos sentir que
estamos participando da “Pós” Modernidade, vivendo as glórias da vanguarda!
       Até quando vamos ficar andando em cima do muro da mesmice, sem um divisor de águas sólido?
       Ao nos despojarmos das gosmentas palavras de ordem deveríamos ter posto a criação para ficar fomentando coisas novas, mas o tempo acabou trazendo
um corpo sem forma, sem vontade, sem alma, sem sonho, sem nada para professar ou professorar.
       Até quando vamos continuar dependentes do voluntarismo bem intencionado, que acaba construindo tão pouco?
       Por enquanto só há uma resposta uníssona: estamos estudando.
       Lembremos que se no Gênese alguém tivesse afirmado: estamos fazendo, teríamos até hoje um projeto inacabado.
       Este bálsamo que vai encobrindo nossos sabidos e pretendendo fazer sarar as feridas da vontade, acaba cansando e calando os descontentes que se vão,
ficando a plena sensação de paz, a verdadeira “pax romana”, onde nada acontece. Aliás, há anos nada está acontecendo, a não ser uma ou outra patetada
buscando um poleiro à desocupar.
       Deveria estar sendo alvo de nossas reflexões a procura não só destas perguntas sem resposta, mas a identificação da engrenagem que está nos
emperrando, mastigando nosso juízo, lobotomizando alunos e professores. Porém o grau de dificuldade para tal movimento está parecendo ser parte da resposta.


                                                                                                                                        ISSN 1517 - 5421       3
É muito fácil elaborar um discurso identificando o mal que habita fora, ele é visível, personificado por vezes, tem nome, é passível de ser neutralizado, mas quando
estamos fazendo parte dele, quando nos vemos comungando com ele, quando estamos sendo ele, é pouco provável que se consiga tal abstração, afinal, a mão
que estaria extirpando o lado podre estaria cortando seu próprio ombro.
       Assim, não estamos mergulhando numa crise, somos produtivos, somos responsáveis, temos bons cursos de graduação, realizamos pesquisas relevantes,
temos uma boa inserção na sociedade, estamos nos empenhando por enfrentar os dilemas existenciais do nosso tempo. Nos achamos, portanto, os melhores, e
continuamos a fazer carreira.
       Dentro desta lógica da ilusão, não há incoerências, ninguém está perdendo o sono, pois estamos sendo o máximo daquilo que queremos ser. É
uma reflexão tautológica sempre se justificando, não gerando desconfiança, porque sentimos a convicção do valor do nosso trabalho. Kant disse que
antes de realizarmos qualquer exercício racional, deveríamos questionar as nossas razões; fazer a crítica. Assim, perguntar-se pela legitimidade de
qualquer atitude não nos torna críticos, apenas perseguidoras de justificativas.
            O presente mais que perfeito da nossa universidade é o gerúndio, quem não conjuga sua existência desta maneira, faz discurso anacrônico.
       Por isso o discurso de Miguel de Unamuno pode parecer aos desavisados um discurso fora de lugar.




                                                            O DISCURSO DE MIGUEL DE UNAMUNO


       Em 1936, no início da Guerra Civil Espanhola, Unamuno era reitor vitalício da Universidade de Salamanca. No dia 12 de outubro daquele ano,
durante uma sessão pública no campus universitário, o general Millán Astray fez um discurso veemente criticando os adversários do franquismo,
sobretudo a ação dos intelectuais. É nesse discurso que o general profere o famoso grito: “Abajo la inteligencia! Viva la muerte!” Fez-se um silêncio
gelado na assembléia. Ninguém ousara até então desafiar os militares e todos aguardaram, com expectativa a palavra do reitor. Desafiar o general seria o
mesmo que desafiar o franquismo. A palavra de Unamuno não se fez esperar:
       “Estais esperando minhas palavras. Me conheceis bem e sabeis que sou incapaz de permanecer em silêncio. Às vezes, permanecer calado equivale
a mentir. Porque o silêncio pode ser interpretado como consentimento. Quero fazer alguns comentários ao discurso do general Millán Astray, que se
encontra entre nós. Deixarei de lado a ofensa pessoal que supõe sua repentina contra bascos e catalões. Eu mesmo, como sabeis, nasci em Bilbao. O
Bispo, queira ou não, é catalão, nascido em Barcelona. Porém, agora, acabo de ouvir o necrófilo e insensato grito ‘Viva a morte’. E eu que passei minha
vida compondo paradoxos que incitavam a ira de alguns que não os compreendiam, devo lhes dizer, como conhecedor da matéria, que este ridículo



                                                                                                                                             ISSN 1517 - 5421          4
paradoxo me parece repugnante. O general Millám Astray é um inválido. Não é necessário que digamos isto em baixo tom. É um invalido de guerra.
Também Cervantes o foi. Porém, desgraçadamente na Espanha, existem hoje mutilados em demasia. E se Deus não nos ajudar rapidamente aumentarão
ainda mais. Me atormenta o pensar que o general pudera ditar as normas da psicologia das massas. Um mutilado que carece da grandeza espiritual de
Cervantes. É de se esperar que encontra um terrível alívio vendo como se multiplicam os mutilados ao seu redor.”
        Neste momento, o general gritou: “Abaixo a inteligência! Viva a morte”
        “Este é o templo da inteligência. E eu sou seu sumo sacerdote. Estais profanando este recinto sagrado. Vencereis porque tens força bruta de sobra. Porém,
não convencereis. Para convencer, há que persuadir. E para persuadir necessitareis algo que os falta: razão e direito na luta. Me parece inútil pedir-lhe que pense
na Espanha.” ESTADO DE SÃO PAULO – FOLHETIM – 15.02.81 – p. 36




                                                                                                                                              ISSN 1517 - 5421        5
VITRINE
                    SUGESTÃO DE LEITURA                                                                            LINKS
                                                                                  Centro Brasileiro de Filosofia Para Crianças
                    ORALIDADE, TEXTO E HISTÓRIA                                   http://www.cbfc.com.br
                        Para ler a história oral
                                                                                  Núcleo de Estudos em HistóriaOral - USP
                           ALBERTO LINS CALDAS                                    http://www.fflch.usp.br/dh/neho/index.html
                               Edições Loyola
                                                                                  Setor de História Oral do CP-DOC/FGV
                                                                                  http://www.fgv.br/cpdoc/historal.htm
RESUMO: O livro tem duas estruturas. Na primeira, constitui uma crítica ao
conhecimento, às naturalizações, universalizações e paradigmas da                 Laboratório de História Oral do Centro de Memória - Unicamp
ocidentalidade, propondo uma Hermenêutica do Presente como instância de           http://www.ssac.unicamp.br/suarq/cmu/cmu-laho.html
debate e resistência; na segunda, delineia o diálogo dessa Hermenêutica
com a História Oral e, em especial, com a obra de José Carlos Sebe Bom            Centro de Documentação e Memória/UNESP
Meihy, tentando superar os atuais impasses tanto da História quanto da            http://www.cedem.unesp.br/default.htm
História Oral, pondo em diálogo teorias, métodos e procedimentos em busca
de uma maior autonomia das reflexões em torno da oralidade.                       Laboratório de História Oral e Iconografia
                                                                                  http://web4u.com.br/gph/labhoi.htm

SUMÁRIO: A Natureza, Os Sentidos, O Olhar, O Corpo, A História, Ficção,           Centro de Estudos Rurais e Urbanos
Tempo e Memória, A Razão do Senhor, A Ciência, Empirismo, O Tempo da              http://www.usp.br/prpesq/ceru.htm
História Oral, Memória, Psicologia Textual, História Oral, Ficção e Realidade,
Premissas Métodologicas, Procedimentos Gerais, Procedimentos Específicos,         Programas "Memórias da Unicamp" - História Oral - SIARQ/Unicamp
Comunidade de Destino / Colônia / Rede, O Projeto, As Gravações, A                http://www.ssac.unicamp.br/suarq/siarq/programas.htm
Entrevista, A Transcrição, A Textualização, A Transcriação, Interpretação e
Leitura.                                                                          Centro de Memória da Justiça do Trabalho de Minas Gerais
                                                                                  http://www.trt.gov.br/horal.htm

Áreas de interesse: História, Sociologia, Antropologia, Filosofia, Letras.        Memória da Sociologia do Direito no Brasil/IDES
                                                                                  http://www.alternex.com.br/~ides/pesq3.htm

Palavras-chave:      Hermenêutica,     História   Oral,   Metodologia,   Texto,   Memorial do Imigrante
Interpretação.                                                                    http://www.memorialdoimigrante.sp.gov.br/historia.htm




                                                                                                                                     ISSN 1517 - 5421   6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (13)

Uma pedagogia da compaixão
Uma pedagogia da compaixãoUma pedagogia da compaixão
Uma pedagogia da compaixão
 
O crepusculo dos idolos
O crepusculo dos idolosO crepusculo dos idolos
O crepusculo dos idolos
 
Uma pedagogia da compaixão0001
Uma pedagogia da compaixão0001Uma pedagogia da compaixão0001
Uma pedagogia da compaixão0001
 
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
 
A rebeliao-das-massas
A rebeliao-das-massasA rebeliao-das-massas
A rebeliao-das-massas
 
Rebeliaodasmassas
RebeliaodasmassasRebeliaodasmassas
Rebeliaodasmassas
 
Sem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um AcenoSem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um Aceno
 
Cenas 00
Cenas 00Cenas 00
Cenas 00
 
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS nº 563 an 15 março 2016.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS nº 563 an 15 março 2016.okAGRISSÊNIOR NOTÍCIAS nº 563 an 15 março 2016.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS nº 563 an 15 março 2016.ok
 
Rebeliaodasmassas
RebeliaodasmassasRebeliaodasmassas
Rebeliaodasmassas
 
Historia e utopia emil cioran
Historia e utopia   emil cioranHistoria e utopia   emil cioran
Historia e utopia emil cioran
 
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIAMEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
 
Boaventura
BoaventuraBoaventura
Boaventura
 

Destaque

Destaque (18)

Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
 
Lego
LegoLego
Lego
 
Untitled 4
Untitled 4Untitled 4
Untitled 4
 
Untitled 10
Untitled 10Untitled 10
Untitled 10
 
Love is hurt
Love is hurtLove is hurt
Love is hurt
 
Sekolah ramah lingkungan (SCC/LPDP-PK 6/BHAYANGKARA PUPUTAN)
Sekolah ramah lingkungan (SCC/LPDP-PK 6/BHAYANGKARA PUPUTAN)Sekolah ramah lingkungan (SCC/LPDP-PK 6/BHAYANGKARA PUPUTAN)
Sekolah ramah lingkungan (SCC/LPDP-PK 6/BHAYANGKARA PUPUTAN)
 
Volume viii 2003
Volume viii 2003Volume viii 2003
Volume viii 2003
 
Trabajo sracth
Trabajo sracthTrabajo sracth
Trabajo sracth
 
Pp test
Pp testPp test
Pp test
 
Minyak temu lawak
Minyak temu lawakMinyak temu lawak
Minyak temu lawak
 
Volume xix 2007
Volume xix 2007Volume xix 2007
Volume xix 2007
 
3
33
3
 
Susu aneshafidz
Susu aneshafidzSusu aneshafidz
Susu aneshafidz
 
PT Lestari Dini Tunggul
PT Lestari Dini TunggulPT Lestari Dini Tunggul
PT Lestari Dini Tunggul
 
Slde v
Slde vSlde v
Slde v
 
A vida
A vidaA vida
A vida
 
Peluang Bisnis Pendidikan Jari Hitung Cepat Indonesia (JHCI)
Peluang Bisnis Pendidikan Jari Hitung Cepat Indonesia (JHCI)Peluang Bisnis Pendidikan Jari Hitung Cepat Indonesia (JHCI)
Peluang Bisnis Pendidikan Jari Hitung Cepat Indonesia (JHCI)
 
IPAYMU untuk INDONESIA COMPETITION 2013
IPAYMU untuk INDONESIA COMPETITION 2013IPAYMU untuk INDONESIA COMPETITION 2013
IPAYMU untuk INDONESIA COMPETITION 2013
 

Semelhante a 01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.

Etio bolt2012 2 mar abr total pdf
Etio bolt2012 2 mar abr total pdfEtio bolt2012 2 mar abr total pdf
Etio bolt2012 2 mar abr total pdf
etiotio
 
Mia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Mia couto-o-escritor-e-a-cienciaMia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Mia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Helena Maria
 
O Bandeirante - n.210 - Maio de 2010
O Bandeirante - n.210 - Maio de 2010O Bandeirante - n.210 - Maio de 2010
O Bandeirante - n.210 - Maio de 2010
Marcos Gimenes Salun
 
Cadernos desafios 4_verfinal (6)
Cadernos desafios 4_verfinal (6)Cadernos desafios 4_verfinal (6)
Cadernos desafios 4_verfinal (6)
ProgramaEscolasTEIP
 
Jornal online - 4
Jornal   online - 4Jornal   online - 4
Jornal online - 4
Fabio Rossi
 

Semelhante a 01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001. (20)

03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
 
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
 
Volume VI
Volume VIVolume VI
Volume VI
 
VolumeIV
VolumeIVVolumeIV
VolumeIV
 
Voulme XXVII
Voulme XXVIIVoulme XXVII
Voulme XXVII
 
Ed 2. chispas literarias
Ed 2.   chispas literariasEd 2.   chispas literarias
Ed 2. chispas literarias
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
 
Etio bolt2012 2 mar abr total pdf
Etio bolt2012 2 mar abr total pdfEtio bolt2012 2 mar abr total pdf
Etio bolt2012 2 mar abr total pdf
 
Mia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Mia couto-o-escritor-e-a-cienciaMia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Mia couto-o-escritor-e-a-ciencia
 
Steiner
SteinerSteiner
Steiner
 
Ciencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdf
Ciencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdfCiencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdf
Ciencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdf
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
 
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
 
A filosofia não é para os tímidos
A filosofia não é para os tímidosA filosofia não é para os tímidos
A filosofia não é para os tímidos
 
O Bandeirante - n.210 - Maio de 2010
O Bandeirante - n.210 - Maio de 2010O Bandeirante - n.210 - Maio de 2010
O Bandeirante - n.210 - Maio de 2010
 
Prof. Neil Postman
Prof. Neil PostmanProf. Neil Postman
Prof. Neil Postman
 
Cadernos desafios 4_verfinal
Cadernos desafios 4_verfinalCadernos desafios 4_verfinal
Cadernos desafios 4_verfinal
 
Cadernos desafios 4_verfinal (6)
Cadernos desafios 4_verfinal (6)Cadernos desafios 4_verfinal (6)
Cadernos desafios 4_verfinal (6)
 
Jornal online - 4
Jornal   online - 4Jornal   online - 4
Jornal online - 4
 

Mais de estevaofernandes

Indice de artigos maio de 2001 a abril de 2011
Indice de artigos maio de 2001 a abril de 2011Indice de artigos maio de 2001 a abril de 2011
Indice de artigos maio de 2001 a abril de 2011
estevaofernandes
 

Mais de estevaofernandes (18)

07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
 
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
 
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
 
Volume xx 2007
Volume xx 2007Volume xx 2007
Volume xx 2007
 
Volume xviii 2007
Volume xviii 2007Volume xviii 2007
Volume xviii 2007
 
Volume xvii 2006
Volume xvii 2006Volume xvii 2006
Volume xvii 2006
 
Volume xvi 2006
Volume xvi 2006Volume xvi 2006
Volume xvi 2006
 
Volume xv 2006
Volume xv 2006Volume xv 2006
Volume xv 2006
 
Volume xiv 2005
Volume xiv 2005Volume xiv 2005
Volume xiv 2005
 
Volume xiii 2005
Volume xiii 2005Volume xiii 2005
Volume xiii 2005
 
Volume xi 2004
Volume xi 2004Volume xi 2004
Volume xi 2004
 
Volume x 2004
Volume x 2004Volume x 2004
Volume x 2004
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
 
Volume V
Volume VVolume V
Volume V
 
Volume IX
Volume IXVolume IX
Volume IX
 
Volume III
Volume IIIVolume III
Volume III
 
Volume II
Volume IIVolume II
Volume II
 
Indice de artigos maio de 2001 a abril de 2011
Indice de artigos maio de 2001 a abril de 2011Indice de artigos maio de 2001 a abril de 2011
Indice de artigos maio de 2001 a abril de 2011
 

01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO) CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE PRIMEIRA VERSÃO ISSN 1517-5421 lathé biosa 1 PRIMEIRA VERSÃO ANO I, Nº01 MAIO - PORTO VELHO, 2001 Volume I ISSN 1517-5421 EDITOR NILSON SANTOS CONSELHO EDITORIAL ALBERTO LINS CALDAS - História ARNEIDE CEMIN - Antropologia FABÍOLA LINS CALDAS - História JOSÉ JANUÁRIO DO AMARAL - Geografia MIGUEL NENEVÉ - Letras VALDEMIR MIOTELLO - Filosofia Os textos de até 5 laudas, tamanho de folha A4, fonte Times New Roman 11, espaço 1.5, formatados em “Word for Windows” deverão ser encaminhados para e-mail: nilson@unir.br ANTES QUE SEJA TARDE, RETIREMOS A UNIVERSIDADE DO GERÚNDIO CAIXA POSTAL 775 CEP: 78.900-970 PORTO VELHO-RO NILSON SANTOS TIRAGEM 150 EXEMPLARES EDITORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA 
  • 2. Caro Leitor O Centro de Hermenêutica do Presente tem a satisfação de apresentar sua mais recente publicação: PRIMEIRA VERSÃO . Trata-se de produção indexada destinada a divulgar ensaios breves na área de Ciências Humanas. Esta publicação prioriza: - resultados iniciais de pesquisas, dada a importância de seu registro; - discussões setorizados como temas de aulas, seminários e palestras. - reflexões em torno de obras recém lançadas no mercado editorial. - considerações teóricas de temas polêmicos da vida universitária. A tiragem de cada edição será de 150 exemplares, distribuídos na própria universidade e encontrados também no Centro de Hermenêutica do Presente. Por dedicar cada número a um único trabalho, sua elaboração, impressão e caráter gráfico têm uma dinâmica diferente dos periódicos da universidade. Desta forma, a PRIMEIRA VERSÃO pretende ser presença efervescente no quotidiano da universidade. Além do ensaio, a publicação terá uma seção final chamada VITRINE com avisos de lançamentos de livros, informes sobre pesquisas, links importantes para consulta na internet e outros assuntos de interesse acadêmico. As contribuições de ensaios e comunicações para a VITRINE devem ser encaminhadas por e-mail, diretamente para o editor, ou para o Conselho Editorial. Primeira versão é uma publicação de distribuição gratuita e pode ser encontrada no hall de entrada da biblioteca do campus. NILSON SANTOS EDITOR ISSN 1517 - 5421 2
  • 3. Nilson Santos ANTES QUE SEJA TARDE, RETIREMOS Professor de Filosofia e História da Educação A UNIVERSIDADE DO GERÚNDIO nilson@unir.br Estamos atravessando dias, ou melhor, anos procurando por ventos mais lúcidos. Mas nossa paciência parece estar sendo esgotada, na mesma proporção de nosso ânimo. Procurando superar os pesadelos de uma origem mal digerida da universidade como misto de escolão de segundo grau e curso profissionalizante, e recuperada a normalidade acadêmica, ficamos pensando que viria a bonança; e confessemos: continuaremos até o último momento sonhando com isto. Sempre foi elemento de unificação e pacificação dos espíritos discordantes a crença de que a universidade só estaria saindo do cadafalso quando estivesse carreando todas as suas energias para o ensino, para a pesquisa e para a extensão (desculpem a falta de originalidade, mas os docentes vivem esquecendo a finalidade da universidade) afinal, deveríamos encontrar TODOS os docentes ensinando e pesquisando, com os alunos aprendendo, participando e pesquisando. E aqui começa o pântano do gerúndio, que transforma a certeza inicial em dúvida mais que sartreana, ao ouvirmos tantos: estamos estudando, estamos implementando, está sendo projetado, estamos liberando, estamos conseguindo, estamos planejando, estamos reunindo, estamos debatendo, estamos buscando, estamos consolidando, estamos viabilizando, estamos lendo, num eterno gerúndio, que nunca se materializa em tempo verbal algum. Em tempos de pós modernidade onde nada é sólido, tudo está desmanchado ou melhor desmanchando; ao menos desta forma podemos sentir que estamos participando da “Pós” Modernidade, vivendo as glórias da vanguarda! Até quando vamos ficar andando em cima do muro da mesmice, sem um divisor de águas sólido? Ao nos despojarmos das gosmentas palavras de ordem deveríamos ter posto a criação para ficar fomentando coisas novas, mas o tempo acabou trazendo um corpo sem forma, sem vontade, sem alma, sem sonho, sem nada para professar ou professorar. Até quando vamos continuar dependentes do voluntarismo bem intencionado, que acaba construindo tão pouco? Por enquanto só há uma resposta uníssona: estamos estudando. Lembremos que se no Gênese alguém tivesse afirmado: estamos fazendo, teríamos até hoje um projeto inacabado. Este bálsamo que vai encobrindo nossos sabidos e pretendendo fazer sarar as feridas da vontade, acaba cansando e calando os descontentes que se vão, ficando a plena sensação de paz, a verdadeira “pax romana”, onde nada acontece. Aliás, há anos nada está acontecendo, a não ser uma ou outra patetada buscando um poleiro à desocupar. Deveria estar sendo alvo de nossas reflexões a procura não só destas perguntas sem resposta, mas a identificação da engrenagem que está nos emperrando, mastigando nosso juízo, lobotomizando alunos e professores. Porém o grau de dificuldade para tal movimento está parecendo ser parte da resposta. ISSN 1517 - 5421 3
  • 4. É muito fácil elaborar um discurso identificando o mal que habita fora, ele é visível, personificado por vezes, tem nome, é passível de ser neutralizado, mas quando estamos fazendo parte dele, quando nos vemos comungando com ele, quando estamos sendo ele, é pouco provável que se consiga tal abstração, afinal, a mão que estaria extirpando o lado podre estaria cortando seu próprio ombro. Assim, não estamos mergulhando numa crise, somos produtivos, somos responsáveis, temos bons cursos de graduação, realizamos pesquisas relevantes, temos uma boa inserção na sociedade, estamos nos empenhando por enfrentar os dilemas existenciais do nosso tempo. Nos achamos, portanto, os melhores, e continuamos a fazer carreira. Dentro desta lógica da ilusão, não há incoerências, ninguém está perdendo o sono, pois estamos sendo o máximo daquilo que queremos ser. É uma reflexão tautológica sempre se justificando, não gerando desconfiança, porque sentimos a convicção do valor do nosso trabalho. Kant disse que antes de realizarmos qualquer exercício racional, deveríamos questionar as nossas razões; fazer a crítica. Assim, perguntar-se pela legitimidade de qualquer atitude não nos torna críticos, apenas perseguidoras de justificativas. O presente mais que perfeito da nossa universidade é o gerúndio, quem não conjuga sua existência desta maneira, faz discurso anacrônico. Por isso o discurso de Miguel de Unamuno pode parecer aos desavisados um discurso fora de lugar. O DISCURSO DE MIGUEL DE UNAMUNO Em 1936, no início da Guerra Civil Espanhola, Unamuno era reitor vitalício da Universidade de Salamanca. No dia 12 de outubro daquele ano, durante uma sessão pública no campus universitário, o general Millán Astray fez um discurso veemente criticando os adversários do franquismo, sobretudo a ação dos intelectuais. É nesse discurso que o general profere o famoso grito: “Abajo la inteligencia! Viva la muerte!” Fez-se um silêncio gelado na assembléia. Ninguém ousara até então desafiar os militares e todos aguardaram, com expectativa a palavra do reitor. Desafiar o general seria o mesmo que desafiar o franquismo. A palavra de Unamuno não se fez esperar: “Estais esperando minhas palavras. Me conheceis bem e sabeis que sou incapaz de permanecer em silêncio. Às vezes, permanecer calado equivale a mentir. Porque o silêncio pode ser interpretado como consentimento. Quero fazer alguns comentários ao discurso do general Millán Astray, que se encontra entre nós. Deixarei de lado a ofensa pessoal que supõe sua repentina contra bascos e catalões. Eu mesmo, como sabeis, nasci em Bilbao. O Bispo, queira ou não, é catalão, nascido em Barcelona. Porém, agora, acabo de ouvir o necrófilo e insensato grito ‘Viva a morte’. E eu que passei minha vida compondo paradoxos que incitavam a ira de alguns que não os compreendiam, devo lhes dizer, como conhecedor da matéria, que este ridículo ISSN 1517 - 5421 4
  • 5. paradoxo me parece repugnante. O general Millám Astray é um inválido. Não é necessário que digamos isto em baixo tom. É um invalido de guerra. Também Cervantes o foi. Porém, desgraçadamente na Espanha, existem hoje mutilados em demasia. E se Deus não nos ajudar rapidamente aumentarão ainda mais. Me atormenta o pensar que o general pudera ditar as normas da psicologia das massas. Um mutilado que carece da grandeza espiritual de Cervantes. É de se esperar que encontra um terrível alívio vendo como se multiplicam os mutilados ao seu redor.” Neste momento, o general gritou: “Abaixo a inteligência! Viva a morte” “Este é o templo da inteligência. E eu sou seu sumo sacerdote. Estais profanando este recinto sagrado. Vencereis porque tens força bruta de sobra. Porém, não convencereis. Para convencer, há que persuadir. E para persuadir necessitareis algo que os falta: razão e direito na luta. Me parece inútil pedir-lhe que pense na Espanha.” ESTADO DE SÃO PAULO – FOLHETIM – 15.02.81 – p. 36 ISSN 1517 - 5421 5
  • 6. VITRINE SUGESTÃO DE LEITURA LINKS Centro Brasileiro de Filosofia Para Crianças ORALIDADE, TEXTO E HISTÓRIA http://www.cbfc.com.br Para ler a história oral Núcleo de Estudos em HistóriaOral - USP ALBERTO LINS CALDAS http://www.fflch.usp.br/dh/neho/index.html Edições Loyola Setor de História Oral do CP-DOC/FGV http://www.fgv.br/cpdoc/historal.htm RESUMO: O livro tem duas estruturas. Na primeira, constitui uma crítica ao conhecimento, às naturalizações, universalizações e paradigmas da Laboratório de História Oral do Centro de Memória - Unicamp ocidentalidade, propondo uma Hermenêutica do Presente como instância de http://www.ssac.unicamp.br/suarq/cmu/cmu-laho.html debate e resistência; na segunda, delineia o diálogo dessa Hermenêutica com a História Oral e, em especial, com a obra de José Carlos Sebe Bom Centro de Documentação e Memória/UNESP Meihy, tentando superar os atuais impasses tanto da História quanto da http://www.cedem.unesp.br/default.htm História Oral, pondo em diálogo teorias, métodos e procedimentos em busca de uma maior autonomia das reflexões em torno da oralidade. Laboratório de História Oral e Iconografia http://web4u.com.br/gph/labhoi.htm SUMÁRIO: A Natureza, Os Sentidos, O Olhar, O Corpo, A História, Ficção, Centro de Estudos Rurais e Urbanos Tempo e Memória, A Razão do Senhor, A Ciência, Empirismo, O Tempo da http://www.usp.br/prpesq/ceru.htm História Oral, Memória, Psicologia Textual, História Oral, Ficção e Realidade, Premissas Métodologicas, Procedimentos Gerais, Procedimentos Específicos, Programas "Memórias da Unicamp" - História Oral - SIARQ/Unicamp Comunidade de Destino / Colônia / Rede, O Projeto, As Gravações, A http://www.ssac.unicamp.br/suarq/siarq/programas.htm Entrevista, A Transcrição, A Textualização, A Transcriação, Interpretação e Leitura. Centro de Memória da Justiça do Trabalho de Minas Gerais http://www.trt.gov.br/horal.htm Áreas de interesse: História, Sociologia, Antropologia, Filosofia, Letras. Memória da Sociologia do Direito no Brasil/IDES http://www.alternex.com.br/~ides/pesq3.htm Palavras-chave: Hermenêutica, História Oral, Metodologia, Texto, Memorial do Imigrante Interpretação. http://www.memorialdoimigrante.sp.gov.br/historia.htm ISSN 1517 - 5421 6