Membrana plasmatica

7.484 visualizações

Publicada em

0 comentários
26 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.484
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
26
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Membrana plasmatica

  1. 1. Membranaplasmática Prof. Emanuel
  2. 2. Definição Prof. EmanuelÉ uma fina película, vista apenas ao M.E.,que delimita todas as células separando o meio intra do extracelular M.O. M.E.
  3. 3. Funções gerais Prof. Emanuel  Funcionar como uma barreira seletiva e permeável
  4. 4. Funções gerais Prof. Emanuel  Participar da junção e comunicação intercelular
  5. 5. Funções gerais Prof. Emanuel  Funcionar como um sítio de receptação de sinais externos
  6. 6. Funções gerais Prof. Emanuel  Participar da transdução de sinais
  7. 7. Composição química e organização Prof. Emanuel• As membranas biológicas são fundamentalmentelipoprotéicas• Modelo do mosaico fluido de Singer e Nicholson A plasmalema é glicolipoprotéica
  8. 8. Composição química e organização Prof. Emanuel
  9. 9. Lipídios da membrana Prof. Emanuel Camada bimolecular Citosol Cabeças polares Caudas apolares Cabeças polares
  10. 10. Lipídios da membrana Prof. EmanuelOs lipídios da plasmalema formam uma camadabimolecular conhecida como matriz lipídica• Tipos: - Fosfolipídios, esteróides e glicolipídiosExtra Fosfolipídio CarboidratoMatriz lipídica Colesterol Proteínas integrais Proteína periféricaIntra
  11. 11. Lipídios da membrana Prof. Emanuela) Fosfolipídios – Mais abundantes, anfipatia, fluidez Colina Zona hidrofílica Fosfato GlicerolZona hidrofóbica Cauda de ácidos graxos Cabeça polar Caudas apolares
  12. 12. Lipídios da membrana Prof. Emanuelb) Esteróides – Colesterol (animais), regulador de fluidez
  13. 13. Lipídios da membrana Prof. Emanuelc) Glicolipídios – Proteção para condições adversas,reconhecimento de sinais Exclusivamente encontrados na parte externa da matriz lipídica
  14. 14. Características da matriz lipídica Prof. Emanuel  FluidezRotação Flip-flop Flexão Difusão lateral Influenciada pela natureza dos ácidos graxos dos fosfolipídios, pelo teor de esteróides (colesterol),temperatura.
  15. 15. Características da matriz lipídicaProf. Emanuel Fluidez – Ácidos graxos Saturação Insaturação Reduz fluidez Aumenta fluidez
  16. 16. Características da matriz lipídica Prof. Emanuel Fluidez – Colesterol (regulador da fluidez) “Enrijece” a bicamada lipídica tornando-a menos fluida.
  17. 17. Características da matriz lipídica Prof. Emanuel Flexibilidade Automontagem Resistência elétrica Matriz lipídica
  18. 18. Características da matriz lipídica Prof. Emanuel Permeabilidade seletiva - A matriz lipídicapossui alta afinidade por compostos pequenos, semcarga elétrica e apolares (lipossolúveis) Compostos pequenos Compostos maiores íons
  19. 19. Características da matriz lipídica Prof. Emanuel Gases Alta Moléculaspermeabilidade pequenas Apolares Média Águapermeabilidade Uréia Baixa permeabilidade Glicose Íons Moléculas sem polares e compermeabilidade carga Macromoléculas
  20. 20. Características da matriz lipídica Prof. Emanuel Aquaporinas – Canais proteícos que facilitam o trânsito de água pela membrana
  21. 21. Proteínas da membrana Prof. Emanuel São de dois tipos:a) Proteínas integrais ou transmembranasb) Proteínas periféricas Proteína periférica Proteína integral
  22. 22. Funções das proteínas Prof. Emanuel  Mediar o transporte de compostos  Funcionar como sítio de ancoramento do citoesqueleto  Participar da adesão intercelular  Funcionar como catalisadores de reações membranaresExtraMatrizlipídicaIntra
  23. 23. Funções das proteínas Prof. Emanuel  Mediar o transporte de compostos  Funcionar como sítio de ancoramento do citoesqueleto  Participar da adesão intercelular  Funcionar como catalisadores de reações membranaresExtraMatrizlipídicaIntra
  24. 24. Funções das proteínas Prof. Emanuel
  25. 25. Carboidratos da membrana Prof. Emanuel Encontram-se voltados para o meio extracelular Associam-se com: - Lipídios→ Glicolipídios - Proteínas→ Glicoproteínas
  26. 26. Carboidratos da membrana Prof. Emanuel Nos animais e em alguns protistas oscarboidratos formam um envoltório externoconhecido como glicocálix • Proteção e adesão • Recepção de sinais • Inibição por contato • Histocompatibilidade
  27. 27. Carboidratos da membrana Prof. Emanuel Marcadores de superfície celular
  28. 28. Diferenciações da membrana Prof. Emanuela) Microvilosidades São dobras que aumentam a superfície de contato com o meio facilitando a Vilosidades intestinais absorção Ex. Células da mucosa do intestino delgado
  29. 29. Diferenciações da membrana Prof. Emanuel Desmossomos b) Desmossomos e interdigitações • Aumentam a coesão intercelular • Ex. Células epiteliais Membrana plasmática Placas protéicas Filamentosde queratina Proteínas de adesão Espaço intercelular
  30. 30. Diferenciações da membrana Prof. Emanuel
  31. 31. Diferenciações da membrana Prof. Emanuelc) Junções Gap ou nexus• Comunicação intercelular• Ex. Sinapses elétricas
  32. 32. Diferenciações da membrana Prof. Emanuel Sinapse Química Sinapse Elétrica Com Sem neurotransmissor neurotransmissor
  33. 33. Parede celular Prof. Emanuel É uma membrana esquelética que reforça amembrana plasmática de algumas células Parede celular É perméavel Membrana plasmática Parede celularMembranaplasmática
  34. 34. Composição química da parede celular Prof. Emanuel Vegetais – Celulose Fungos – Quitina Protistas – Sílica oucelulose Bactérias – Peptoglicano
  35. 35. Parede celular - PlasmodesmosProf. Emanuel São pontes citoplasmáticas entre célulasvegetais (circulação intercelular) Parede celularRetículo endoplasmático rugoso Ribossomos Plasmodesmos Membrana plasmática Projeções do RER
  36. 36. Transportes passivos Prof. Emanuel  Características gerais • Ocorrem sem consumo de energia da célula (ATP) • Ocorrem a favor do gradiente de concentração • EX. Difusão Osmose
  37. 37. Difusão Prof. Emanuel É a passagem de solutos e/ou solventes, através de uma membrana permeável, obedecendo ao gradiente de concentraçãoTipos:a) Difusão simples – Compostos passam através da matriz lipídicab) Difusão facilitada – Compostos passam através de proteínas da membrana (Canais iônicos e permeases)
  38. 38. Esquema da difusão Prof. Emanuel CO2 O2 Difusão simples N2 Íons Difusão facilitada (Canal iônico) Glicose Difusão facilitada Aminoácido (Permease) i
  39. 39. Concentração das soluções Prof. Emanuel Sangue [NaCl] = 0,9% HIPERtônica ISOtônica HIPOtônica Água do Mar Soro fisiológico Água destilada [NaCl] > 0,9% [NaCl] = 0,9% [NaCl] < 0,9%
  40. 40. Osmose Prof. Emanuel É a passagem de solvente,através de uma membrana semipermeável, do meio hipotônico para o meio hipertônico Solução Solução hipotônica hipertônica Membrana semiperméavel
  41. 41. Osmose na célula animal Prof. Emanuel Meio isotônico [NaCl] = 0,9% Soro fisiológico • Equilíbrio osmótico • Não ocorre alteração morfológica
  42. 42. Osmose na célula animal Prof. Emanuel Meio hipotônico [NaCl] < 0,9% Água destilada • A célula ganha água • Fica túrgida • Pode sofre plasmoptise (hemólise)
  43. 43. Osmose na célula animal Prof. EmanuelMeio hipertônico [NaCl] > 0,9% Água do mar • A célula perde água • Fica flácida • Pode sofrer plasmólise (crenação)
  44. 44. Meio hipertônico Prof. Emanuel
  45. 45. Osmose e afogamento Em água salgada • Entrada de solução hipertônica nos alvéolos pulmonares • Passagem de água Hipertônica do sangue para o alvéolo (edema) • Redução da volemia
  46. 46. Osmose e afogamento Em água doce • Entrada de solução hipotônica nos alvéolos pulmonares • Passagem de água do alvéolo para a Hipotônica corrente sanguínea • Aumento da volemia
  47. 47. Osmose na célula vegetal Prof. Emanuel Na célula vegetal deve-se considerar apresença da parede celular e do vacúolo aose estudar a osmose
  48. 48. Equação da osmose na célula vegetal Prof. Emanuel Sc = Sucção celularSc = Si – M Si = Sucção interna do vacúolo M = Resistência da parede M Si
  49. 49. Meio hipotônico Prof. Emanuel  A célula ganha água  O volume interno do vacúolo aumenta  Ocorre turgescência A célula vegetal não sofre plasmoptise
  50. 50. Meio hipertônico Prof. Emanuel  A célula perde água  A célula fica flácida  A reversão da plasmólise é conhecida como deplasmólise Encarquilhamento
  51. 51. Osmose em vegetais Prof. Emanuel Célula túrgida Célula plasmolisada Vacúolo Citoplasma Vacúolo Citoplasma Parede celular Parede celular
  52. 52. Osmose reversa Prof. Emanuel  É a inversão no sentido da osmose, mediante aplicação de uma pressão elevada sobre a solução hipertônica  Aplicação: a) Purificação e tratamento da água b) Dessalinização Osmose Hipo Hiper Osmose reversa Água SalPressão Microrganismos Osmose Metais Hiper reversa Hipo Sabores e odores
  53. 53. Transporte ativo Prof. Emanuel  Características gerais • Ocorre com gasto de energia da célula (ATP) • Ocorre contra o gradiente de concentração A B • Ex: Bomba iônica
  54. 54. Cotransporte Prof. Emanuel É o transporte conjunto de dois compostos (íons/moléculas) através da membrana. Ambos no mesmo sentido - SIMPORTE. Sentidos opostos - ANTIPORTE. Molécula transportada Íon cotransportado Matriz lipídica Íon cotransportado Uniporte Simporte Antiporte Cotransporte
  55. 55. Transportes na membrana Prof. Emanuel
  56. 56. Bomba iônica Na+e K+ Prof. Emanuel É uma proteína integral da plasmalema quetransporta íons contra o gradiente deconcentração Durante o bombeamento de íons a proteínautiliza ATP ( ATPase) Nos neurônios e fibras cardíacas relaciona-secom a geração e propagação do impulso elétrico
  57. 57. Bomba iônica Prof. Emanuel Na+ Na+ ATPase K+ K+
  58. 58. Transporte em bloco Prof. Emanuel• É o transporte de macromoléculas porenglobamento• Ex.Exocitose e endocitose (fagocitose,pinocitose)
  59. 59. Fagocitose (Fagos = comer) Prof. Emanuel• Englobamento de sólidos• Necessita dos pseudópodos• Ex. Fagócitos do sistema imune
  60. 60. Fagocitose (Fagos = comer) Prof. Emanuel
  61. 61. Pinocitose (Pinos = beber) Prof. Emanuel• Englobamento de líquidos• Não necessita de pseudópodos• Formação do canal de pinocitose

×