SlideShare uma empresa Scribd logo
Biologia Celular
Cursinho Pré-Enem 2022
Prof. Me. Hericton Raiol
Célula
• Considerando-se a hierarquia estrutural da
vida, a célula é considerada como o nível
organizacional mais baixo que é capaz de
executar todas as atividades para a vida.
• A célula é a unidade morfofisiológica dos
seres vivos.
• Morfofisiologia – estuda o funcionamento
macro e micro da célula e sua composição.
Níveis de Organização dos Seres Vivos
CÉLULA
TECIDO
ÓRGÃO
SISTEMA
ORGANISMO
POPULAÇÃO
COMUNIDADE
ECOSSISTEMA
BIOSFERA
As células possuem informação que é
herdável
• As células apresentam uma molécula chamada
de DNA que é a substância dos genes
(unidades da herança que transmitem as
informações dos parentais à descendência).
DNA é o material genético dos seres vivos
• A estrutura molecular do DNA é formada por
duas longas cadeias antiparalelas chamadas de
dupla-hélice. As cadeias são formadas por
nucleotídeos.
Existem duas formas principais
de células
• Todas as células compartilham certas
características. Por exemplo, cada célula é envolta
por uma membrana que regula a passagem de
materiais entre as células ou suas “vizinhanças”.
• Toda célula usa o DNA como informação genética.
• Duas formas de células podem ser distinguidas: as
células procariotas e as células eucariotas.
Teoria celular
1.Célula é a unidade morfofisiológico do ser vivo.
(Schleinden e Schwann – 1830).
2. Cada animal aparece como uma soma de unidades
vitais, cada uma das quais leva em suas
características completas da vida.
A principal consequência dessa teoria foi a
descoberta de que uma célula se origina de outra
preexistente e dá origem a outras,explicando o
fenômeno da perpetuação da espécie (Virchow 1858).
A Descoberta da Constituição
dos seres Vivos
• Robert Hooke, Cientista Inglês (1635-1703)
• Imagem da cortiça observada ao microscópio.
…Pude aperceber-me, claramente, que esta era toda perfurada e porosa,
assemelhando-se a um favo de mel … Esses poros ou células consistiam
num grande número de pequenas caixas ….
• Microscópio e o sistema
de iluminação aumentava
a imagem 270 X
Microscópio óptico
de Hooke
Microscópio óptico
vulgar
O Microscópio
Instrumento óptico com a capacidade de ampliar a imagem.
• Microscópio óptico (até 2000 vezes);
• Microscópio eletrônico (até 100 milhões de vezes);
Constituição do microscópio óptico
Vírus: seres acelulares
Celulares
• Os seres vivos formados por células podem ser
organizados em:
– Unicelulares: Seres vivos formados por uma única
célula. Ex: bactérias, algas e protozoários.
Celulares
• Seres multicelulares ou pluricelulares: seres vivos
formados por muitas células. Ex: animais e vegetais.
Formas das células
Esféricas
Fusiformes (alongadas)
Discóides
Estreladas
• As células adaptam-se a uma função específica
Morfologia da Célula
As células nervosas são
estreladas, para transmitir
mensagens em várias
direções.
As células musculares são
alongadas para poderem
contrair e distender.
Organização das células
num ser pluricelular
As células idênticas reúnem-se em tecidos.
Os tecidos agrupam-se e formam os órgãos.
Os órgãos agrupam-se para realizar uma tarefa específica e formam o
sistema.
O conjunto de todos os sistemas formam o organismo.
Organização das células
e dos seres vivos
Quanto a organização estrutural:
• Procariotos:
1. Possuem organização simples;
2. O material genético se encontra disperso; no
citoplasma;
3. Não possui núcleo definido (nucleóide);
4. Não possui carioteca.
Células procarióticas
Procariontes
• Procariontes:
- menores (bactérias)
- DNA sem envoltório e sem histonas
- DNA + as histonas (proteínas) formam
nucleossoma. Têm um papel importante na
regulação dos genes. São encontradas no
núcleo das células eucarióticas.
- organelas sem membranas
Quanto a organização estrutural:
• Eucariotos:
1. Possuem várias organelas citoplasmáticas;
2. Mais complexas;
3. Possuem o núcleo organizado;
4. Possuem carioteca: membrana que delimita
o material genético.
Célula eucariota
• Célula eucariótica Animal
Eucariontes
Eucariontes
• DNA contido em um compartimento separado, o
núcleo, delimitado por uma membrana de dupla
camada.
• Possui uma variedade de organelas.
Mitocôndrias
Retículo endoplasmático
Aparelho de Golgi
Citoesqueleto
Outros
Composição celular
Compostos orgânicos Compostos inorgânicos
Carboidratos
Lipídios
Proteínas
Vitaminas
Ácidos nucléicos (DNA e RNA)
Água – 75 a 85%
Sais minerais – 2 a 3%
Diferenciação celular
• Resulta da expressão diferencial
de genes que ocorre no
desenvolvimento dos seres
multicelulares.
Diferenciação celular
Alterações das propriedades físicas e funcionais da
célula à medida que proliferam no embrião para formar as
diferentes estruturas corporais.
Diferenciação celular – Tecido epitelial
• O processo de diferenciação ou maturação celular é um
estágio de especialização e geralmente atinge um ponto
final com função e estruturas estabilizadas.
Diferenciação celular
Exemplos de células especializadas
Estruturas das células
• Basicamente uma célula é formada por três partes:
– Membrana: “capa” que envolve a célula;
– Citoplasma: região que fica entre a membrana e o núcleo;
– Núcleo: estrutura que controla as atividades celulares.
Membrana Plasmática
Membrana Citoplasmática- Membrana celular -
Plasmalema
O envoltório celular presente em todos os tipos de células é a
membrana plasmática.
Envoltórios Celulares - Membrana
Membrana plasmática- encontrada em todas as células. A membrana
celular é semelhante em todos os organismo.
Parede Celular- encontrada nas bactérias e cianobactérias, nas células
de alguns protistas, nos fungos em os vegetais. Ausente nas células
animais.
Célula animal
Membrana celular
A fluidez da bicamada lipídica
permite a movimentação das
moléculas de lipídios e
proteínas.
Membrana plasmática
• Conceito- é uma película delgada e elástica que envolve todas as
células, revestindo-as e separando-as do meio externo, realizando a
contenção do citoplasma e controlando o intercâmbio de substâncias
entre a célula e o meio extracelular.
Funções
Proteção
Permeabilidade
Seletiva
Composição
Química
Lipídeos
Proteínas
Propriedades
Elasticidade
Regeneração
MEMBRANA PLASMÁTICA
Proteínas
Lipídeos
O MODELO DA MEMBRANA PLASMÁTICA É DENOMINADO MOSAICO FLUÍDO
PORQUE AS MOLÉCULAS DE PROTEÍNAS NÃO ESTÃO FIXAS E SIM MERGU-
LHADAS ENTRE AS MOLÉCULAS DE FOSFOLIPIDIOS. ESSE MODELO FOI
PROPOSTO POR SINGER E NICHOLSON
MEMBRANA PLASMÁTICA
glicocálix
A MEMBRANA POSSUI UMA PORÇÃO HIDROFÍLICA QUE CORRESPONDE ÀS CAMADAS
EXTERNAS DE LIPÍDEOS E UMA PORÇÃO HIDROFÓBICA, CORRESPONDENTE À CAMADA
INTERNA DA MEMBRANA.
HIDROFOBIA
HIDROFILIA
• Quimicamente essa membrana é lipoprotéica, formada
principalmente por fosfolipídios e proteínas, nos animais
também o colesterol.
• Funciona como uma barreira seletiva facilitando ou
dificultando a entrada de substâncias que interessam à célula.
Hidrofílicas - dissolvem na água
Hidrofóbicas - não se dissolvem na
• Modelo de estrutura da membrana plasmática aceito atualmente
foi proposto em 1972 por Singer e Nicolson, e denomina-se
modelo do mosaico fluido.
• Este modelo propõe que a membrana é composta por três tipos
de moléculas: lipídios (fosfolipídios e colesterol), proteínas
(globulares) e uma pequena fração de glicídios.
• Nas células animais os glicídios podem estar aderido a proteínas
e a lipídios, formando os glicolipídios e as glicoproteínas, que
juntas formam o glicocálix, que protege, recepta substâncias e dá
certas características à célula.
Hidrofílicas= dissolvem na água
Hidrofóbicas não se dissolvem na água
(Glicocálix)*
Revestimento celular
Bicamada
lipídica
*
• Principais tipos de lipídios das membranas celulares são os
fosfolipídios, o colesterol e o glicolipídio. Todos esses tipos de
lipídios apresentam porções de suas moléculas com afinidade
diferencial em relação à água.
• Uma parte da molécula é hidrofílica (“gosta” de água) e outra é
hidrofóbica (“não gosta” da água). Devido a essas
propriedades, quando essas moléculas estão completamente
envoltas por água, dispõem-se naturalmente em duas
camadas, de modo a ficarem com a água, e a parte
hidrofóbica para dentro.
• Glicocálix (glico=açúcar; calix= envoltório) é um envoltório externo à
membrana e ocorre nas células animais e alguns protistas, como as
amebas.
• Composto de moléculas de açúcar associadas aos fosfolipídios e ás
proteínas dessa membrana.
• Funções: proteção a superfície celular contra lesões mecânicas e
químicas; adesão entre as células e ao reconhecimento célula a célula
(no caso do espermatozoide e o ovócito).
NÃO GASTA
ENERGIA
GRANDES
MOLÉCULAS
GASTA
ENERGIA
Passivo Ativo Quantidade
TRANSPORTES
MEMBRANA PLASMÁTICA
Transporte através da Membrana
Os processos de troca na célula podem ser agrupados em 3 categorias:
• Processos passivos: ocorrem sem gasto de energia (difusão, osmose e
difusão facilitada);
• Processos ativos: ocorrem com gasto de energia (bomba de sódio (Na) e
potássio (k));
• Processos mediados por vesículas: ocorrem quando vesículas são
utilizadas para a entrada de partículas ou organismos na célula, ou para a
eliminação de substâncias da célula.
Quando ocorre entrada – ENDOCITOSE (fagocitose e pinocitose);
saída - EXOCITOSE ou CLASMOCITOSE
Difusão
• Corresponde ao movimento de partículas do local em que elas
estão mais concentradas para onde estão menos
concentradas. Através da MP das células, há difusão de
pequenas moléculas, como O2 e o CO2.
1. Difusão simples:
• Fluxo espontâneo de partículas, de uma região onde a
concentração de uma determinada partícula é maior para outra
onde a concentração é menor.
Ex.: entrada de oxigênio em nossas células e a saída de gás
carbônico.
DIFUSÃO SIMPLES: OCORRE QUANDO UMA SUBSTÂNCIA PASSA DO MEIO
ONDE ELA ESTÁ EM MAIOR CONCENTRAÇÃO PARA UM MEIO ONDE ELA SE
ENCONTRA EM MENOR CONCENTRAÇÃO, PORTANTO A FAVOR DE UM
GRADIENTE DE CONCENTRAÇÃO, SEM GASTO DE ENERGIA.
MEMBRANA PLASMÁTICA
ÁGUA
SACAROSE
Solução A Solução B
Difusão simples
FONTE: http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso1.asp
O2
Co2
+
+
Difusão facilitada
• É a passagem de substâncias de um meio mais concentrado
para um meio menos concentrado com o auxílio de um
carregador. Ex.: a glicose necessita de insulina para entrar nas
células do fígado (hepatócitos).
• Moléculas pequenas entram por difusão simples na célula. A
entrada de moléculas um pouco maiores depende de proteínas
que se abrem e fecham ou de proteínas com "canais" que
facilitam a passagem. Não há gasto de energia, uma vez que as
moléculas movem-se sempre de maior para as de menor
concentração.
Difusão facilitada
Permease
A molécula do soluto liga-se nos sítios ligantes da
permease que se deforma e libera o soluto no outro
lado da membrana.
G
L
I
C
O
S
E
RECONHECIMENTO
M.P
LIBERAÇÃO
MEMBRANA PLASMÁTICA
CAPTURA
M.P M.P
TRANSLOCAÇÃO
Glicose
M.P
Permease
DIFUSÃO FACILITADA: É A PASSAGEM DE SUBSTÂNCIAS ATRAVÉS DA
MEMBRANA PLASMÁTICA COM A AJUDA DE FACILITADORES, TAMBÉM
CHAMADOS DE CARREADORES DE MEMBRANA OU PERMEASES (ENZIMAS)
Difusão Facilitada
Fonte: http://www.universitario.com.br/celo/aulas/Transp_celular/transp_celular.ppt#13
Difusão facilitada
• É um tipo de transporte que obedece às leis da difusão, mas
que depende da participação de proteínas especiais da
membrana, denominadas permeases. Essas proteínas, que se
movimentam em "giros" na estrutura da membrana, recolhem
substâncias no meio extracelular, levando-as para o meio
intracelular.
• Ex.: transporte de açúcares simples e aminoácidos, como no
esquema.
Difusão facilitada - além de ser um transporte a favor do gradiente de
concentração, tem o auxílio de proteínas transportadoras ou carregadoras chamadas
de permeases. As glicoses são pouco solúveis em lipídeos. Em condições normais,
no entanto, atravessam a matriz lipídica com relativa facilidade. Isso se deve à
presença de carregadores.
Solução:
• SOLUÇÃO  SOLVENTE + SOLUTO.
SOLUÇÃO  ( ÁGUA ) + ( Qq SUBSTÂNCIA )
Ex.: NaCl ( sal de cozinha )
Tipos de soluções:
• S. HIPERTÔNICA: A concentração do soluto é
maior que a concentração de solvente.
• S. ISOTÔNICA: A concentração do soluto é igual
que a concentração de solvente.
• S. HIPOTÔNICA: A concentração do soluto é
menor que a concentração de solvente.
Quando duas concentrações têm a mesma concentração = ISOTÔNICAS
OU ISOSMÓTICAS.
Quando as concentrações são diferentes, a solução + concentrada é
chamada hipertônica ou hiperosmótica, e a – concentrada hipotônica ou
hiposmótica.
1L
1G OSE
1L
3G OSE
A B
1L
2G OSE
1L
2G OSE
C D
ISO ISO
HIPO HIPER
Osmose
• É um caso particular de difusão através de membranas, onde
há passagem apenas de solvente da solução menos
concentrada (maior número de moléculas de água) para a mais
concentrada (menor número de moléculas de água).
• Meio hipotônico- soluções menos concentradas que o
citoplasma.
• Meio hipertônico- soluções mais concentradas que o
citoplasma.
• Meio isotônico- o meio que circunda a célula tem
concentração do soluto equivalente a do líquido citoplasmático.
Meio Hipotônico:
Quando uma célula animal, como por exemplo uma hemácia humana, é
colocada em uma solução hipotônica em relação ao seu citoplasma (ex: sol.
NaCl 0,1%), ocorre entrada de água na célula com aumento do volume
celular, levando ao rompimento da membrana plasmática. Esse fenômeno é
denominado plasmoptise.
Obs.: No caso especial da hemácia, a plasmoptise recebe o nome de hemólise.
Meio Hipertônico:
Quando células animais (hemácias, por exemplo) são colocadas em soluções
hipertônicas, ocorre perda de água com redução de volume e
murchamento celular. Esse fenômeno recebe o nome de plasmólise.
Osmose
A
Solução
hipo
B
Solução
hiper
Água pura
Exemplos práticos:
• Quando uma célula é mergulhada numa solução hipertônica, perde água.
Esse processo se chama PLASMÓLISE( murcha ).
• Quando a célula é retirada desta solução e colocada numa solução
HIPOTÔNICA, num primeiro instante volta a sua condição original, num
processo chamado DEPLASMÓLISE.
• A célula então é mantida nesta solução e ganha aumento de volume, num
processo chamado TURGÊNCIA (incha ), caso continue nesta solução a
membrana plasmática irá se romper por excesso de água, num processo
que se chama PLASMOPTISE.
• Células vegetais não sofrem plasmoptise em função da parede celular.
Obs.: A plasmólise de hemácias recebe o nome especial de crenação.
Hiper-perde água
Iso- equilíbrio
Hemólise
Cheia de água Plasmólise –perde H2O
Desplasmólise
Transporte ativo
• Ocorre contra o gradiente de concentração.
• É feito por proteínas transmembrana chamadas ATPases
ou BOMBAS. Quebram ATP e liberam energia.
• Transporta sempre íons e moléculas polares.
• ATPaes são específicas. Ex. Bomba de Na+; bomba de
Ca++...
ATP: energia para a célula realizar trabalho
A energia de que a célula dispõe é sintetizada por ela mesma, armazenada na forma
de uma molécula chamada andenosina trifostato (ATP). Ela é o resultado de
processos bioquímicos em que a célula, utilizando-se de uma fonte, os nutrientes,
produz sua própria energia.
Assim, ATP é sinônimo de energia celular. Por isso, podemos dizer que o transporte
através da membrana celular ocorre com ou sem gasto de ATP.
Bomba de sódio e potássio = com gasto
de energia.
Numa célula, como por exemplo um neurônio, a concentração de íons Na no
meio extracelular é significativamente maior que a concentração desses íons
no meio intracelular. Inversamente, a concentração de íons K no meio
intracelular é muito maior em relação ao meio extracelular. Assim, existe
uma forte tendência de penetração de íons. Na célula e de saída de K para o
meio externo por difusão simples, visando equilibrar as concentrações. No
entanto, todos os íons Na que entram na célula são "bombeados" para o
meio extracelular, da mesma forma que os íons K que saem da célula são
"bombeados" para o meio intracelular. Em ambos os casos, o transporte
iônico dá-se contra um gradiente de concentração, resultando em gasto de
energia pela célula.
Transporte Ativo
Bomba de Na++ e K+
Exemplo de transporte ativo
BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO
FONTE: www.octopus.furg.br/ensino/anima/atpase/NaKATPase.html
Transporte em bloco
• Representa o englobamento ou eliminação de
macromoléculas ou partículas maiores que não conseguem
atravessar a membrana plasmática por nenhum dos
mecanismos já estudados. Em função do sentido no qual as
partículas são transportadas, temos dois tipos de transporte
em bloco: a endocitose e a exocitose.
• Endocitose: É o transporte de partículas ou
macromoléculas por englobamento, ou seja, do meio
extracelular para o meio intracelular. Existem dois tipos de
endocitose:
MEMBRANA PLASMÁTICA
TRASPORTE
EM
QUANTIDADE
ENDOCITOSE
EXOCITOSE
FAGOCITOSE
PINOCITOSE
CLASMOCITOSE
GRANDES
MOLÉCULAS
ENGLOBAMENTO
ELIMINAÇÃO RESÍDUOS
LÍQUIDOS
SÓLIDOS
MEMBRANA PLASMÁTICA
Partícula sólida
FAGOCITOSE: É O ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS SÓLIDAS PELA CÉLULA
A PARTÍCULA ENGLOBADA SERÁ, POSTERIORMENTE, DIGERIDA PELOS LISOSSOMOS
Fagossomo
Lisossomos
Pseudópodes
Fagocitose
• Neste processo, a célula engloba partículas sólidas
relativamente grandes. A célula, entrando em contanto com
a partícula, emite pseudópodes que englobam, formando um
vacúolo alimentar (fagossomo).
• A fagocitose é observada principalmente em células
isoladas, como amebas e glóbulos brancos. No caso da
ameba, trata-se de um processo nutritivo; no caso dos
glóbulos brancos, é um prcesso de defesa contra bactérias
que invadem o organismo.
Pinocitose
• É um processo mais delicado do que a fagocitose sendo difícil sua
observação ao microscópio óptico. Partículas líquidas muito
pequenas são capturadas por esse processo.
• A membrana plasmática, na região de contato com a partícula, se
invagina, aprofundando-se no interior do citoplasma; forma-se um
canal. Por fim, a partícula envolvida por um pedaço de membrana
solta-se, formando um vesícula de pinocitose ou pinossomo.
• É provável que a maioria das células seja capaz de realizar a
pinocitose; esse processo é então geral, enquanto a fagocitose se
restringe apenas a alguns tipos de células.
MEMBRANA PLASMÁTICA
Canal de
pinocitose
Partícula líquida
pinossomo
PINOCITOSE: É O ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS LÍQUIDAS PELA CÉLULA
A PARTÍCULA ENGLOBADA SERÁ, POSTERIORMENTE, DIGERIDA PELOS LISOSSOMOS
MEMBRANA PLASMÁTICA
RESÍDUOS
Vacúolo resídual
CLASMOCITOSE: É A ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS DA DIGESTÃO CELULAR
EXOCITOSE
RESUMO
DIFUSÃO SIMPLES
MEMBRANA PLASMÁTICA
M.P
S U B S T Â N C I A S
MEIO MEIO
]
[ ]
[
RESUMO
TRANSPORTE ATIVO
MEMBRANA PLASMÁTICA
M.P
S U B S T Â N C I A S
MEIO
]
[
MEIO
]
[
RESUMO
DIFUSÃO FACILITADA
MEMBRANA PLASMÁTICA
M.P
M O L É C U L A S
PERMEASE
MEIO INTERNO
MEIO EXTERNO
SÓLIDOS
FAGOCITOSE
LÍQUIDOS
PINOCITOSE
RESÍDUOS
CLASMOCITOSE
TRANSPORTE EM QUANTIDADE
RESUMO
MEMBRANA PLASMÁTICA
Especializações da membrana ou
Diferenciações de Membrana
Microvilosidades
Plasmodesmos
Desmossomos
Interdigitações
Cílios e flagelos
1-MICROVILOSIDADES
São especializações da membrana em que, em que um pequeno
espaço, a superfície é capaz de absorver muito mais substâncias em
um tempo menor; ou projeções (evaginações) da membrana,
formando um número enorme de finos prolongamentos celulares
em forma de dedo de luva. Ex: célula intestinal pode apresentar até
3000 microvilosidades.
AUMENTAM A SUPERFÍCIE DE
ABSORÇAO DE ÁGUA NOS TÚBULOS
RENAIS
INVAGINAÇÕES DE BASE
ENCONTRADAS NO EPITÉLIO DE
REVESTIMENTO DO INTESTINO ONDE
AUMENTAM A SUPERFÍCIE DE
ABSORÇAO DE NUTRIENTES.
MICROVILOSIDADES
ESPECIALIZAÇÕES PARA AUMENTAR A SUPERFÍCIE DE ABSORÇÃO
MEMBRANA PLASMÁTICA
2-DESMOSSOMOS
São pontos de espessamentos nas membranas de células vizinhas. Entre esses
espessamentos há uma espécie de cimento, formado de numerosas partículas
de glicoproteínas e destinado a firmar a ligação entre as células. A partir dos
espessamentos saem as tonofibrilas, que são finos filamentos radiados de
natureza protéica. A metade de um desmossomo pertence a uma célula e a
outra metade à célula vizinha. Ex: células epiteliais.
Meio extracelular
Desmossomo
Interdigitação
Desmossomo
MEMBRANA PLASMÁTICA
DESMOSSOMOS E INTERDIGITAÇÕES SÃO
ENCONTRADOS NO TECIDO EPITELIAL DE
REVESTIMENTO.
ESPECIALIZAÇÕES PARA AUMENTAR A ADERÊNCIA.
3- INTERDIGITAÇÕES
São saliências e reentrâncias da membrana de 2 células vizinha que se
encaixam entre si, aumentando a aderência entre elas. Ex: células
epiteliais.
4- PLASMODESMOS
São pontes de contato ente células vegetais vizinhas, permitindo a
comunicação entre os citoplasmas.
5- CÍLIOS E FLAGELOS
São formações que apresentam na superfície de certas células de invertebrados, de
protistas e de organismos superiores, proveniente do alongamento de nove fibrilas
ou microtúbulos de centríolo. É comum fazer-se a distinção entre cílios e flagelos
pelo número e pela dimensão dos mesmos. Os cílios são curtos e numerosos,
enquanto os flagelos são longos e em pequeno número. Ambos tem a participação
nos movimentos celulares. Ex: cílios protozoários ciliados (paramecium), flagelos
protozoários flagelados, sptz, bactérias, anterezóides...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Organização celular 2
Organização celular 2Organização celular 2
Organização celular 2
Silvana Sanches
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Divisão celular mitose e meiose biologia
Divisão celular mitose e meiose biologiaDivisão celular mitose e meiose biologia
Divisão celular mitose e meiose biologia
Gov. Estado do Paraná
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
5. A descoberta da célula
5. A descoberta da célula5. A descoberta da célula
5. A descoberta da célula
Rebeca Vale
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
emanuel
 
Aula 5 núcleo celular
Aula 5   núcleo celularAula 5   núcleo celular
Aula 5 núcleo celular
Nayara de Queiroz
 
Células
CélulasCélulas
Células
Killer Max
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
Marcionedes De Souza
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
Lucas Roberto
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
Marcia Bantim
 
Histologia humana
Histologia humanaHistologia humana
Histologia humana
César Milani
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
Fatima Comiotto
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Ronaldo Santana
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
UERGS
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Gabriel Resende
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
Rebeca Vale
 
Teoria endossimbiótica
Teoria endossimbióticaTeoria endossimbiótica
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
Tânia Reis
 

Mais procurados (20)

Organização celular 2
Organização celular 2Organização celular 2
Organização celular 2
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
 
Divisão celular mitose e meiose biologia
Divisão celular mitose e meiose biologiaDivisão celular mitose e meiose biologia
Divisão celular mitose e meiose biologia
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
5. A descoberta da célula
5. A descoberta da célula5. A descoberta da célula
5. A descoberta da célula
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Aula 5 núcleo celular
Aula 5   núcleo celularAula 5   núcleo celular
Aula 5 núcleo celular
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Histologia humana
Histologia humanaHistologia humana
Histologia humana
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
 
Teoria endossimbiótica
Teoria endossimbióticaTeoria endossimbiótica
Teoria endossimbiótica
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
 

Semelhante a Citologia.ppt

Biologia Celular
Biologia CelularBiologia Celular
Biologia Celular
jandesonbiologo
 
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdfCitologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
CristianaLealSabel
 
AULA DE REVISÃO.pdf
AULA DE REVISÃO.pdfAULA DE REVISÃO.pdf
AULA DE REVISÃO.pdf
HllemSimone
 
Fundamentos de Citologia: células de mamíferos desde a membrana celular até d...
Fundamentos de Citologia: células de mamíferos desde a membrana celular até d...Fundamentos de Citologia: células de mamíferos desde a membrana celular até d...
Fundamentos de Citologia: células de mamíferos desde a membrana celular até d...
paulosa14
 
A CéLula
A CéLulaA CéLula
A CéLula
jonaskiko
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Mariinazorzi
 
Citologia
Citologia Citologia
Citologia
Mariinazorzi
 
Biologia Celular 8 ano
Biologia Celular 8 anoBiologia Celular 8 ano
Biologia Celular 8 ano
denizecardoso
 
Biologia fai enfermagem 2 semestre 2011 ok
Biologia fai enfermagem  2 semestre 2011 okBiologia fai enfermagem  2 semestre 2011 ok
Biologia fai enfermagem 2 semestre 2011 ok
enfermagemfai
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
HenriqueMoraismeneze
 
Citologia I
Citologia ICitologia I
Resumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a CitologiaResumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a Citologia
loirissimavivi
 
Revisão - Biologia celular
Revisão - Biologia celularRevisão - Biologia celular
Revisão - Biologia celular
Raphael Spessoto
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Tatiana Faria
 
Citoplasma unidade 6
Citoplasma unidade 6Citoplasma unidade 6
Citoplasma unidade 6
César Milani
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
João Monteiro
 
biologia geral
biologia geral biologia geral
biologia geral
alvido muaviraca
 
Biologia geral
Biologia geralBiologia geral
Biologia geral
alvido muaviraca
 

Semelhante a Citologia.ppt (20)

Biologia Celular
Biologia CelularBiologia Celular
Biologia Celular
 
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdfCitologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
 
AULA DE REVISÃO.pdf
AULA DE REVISÃO.pdfAULA DE REVISÃO.pdf
AULA DE REVISÃO.pdf
 
Fundamentos de Citologia: células de mamíferos desde a membrana celular até d...
Fundamentos de Citologia: células de mamíferos desde a membrana celular até d...Fundamentos de Citologia: células de mamíferos desde a membrana celular até d...
Fundamentos de Citologia: células de mamíferos desde a membrana celular até d...
 
A CéLula
A CéLulaA CéLula
A CéLula
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Citologia
Citologia Citologia
Citologia
 
Biologia Celular 8 ano
Biologia Celular 8 anoBiologia Celular 8 ano
Biologia Celular 8 ano
 
Biologia fai enfermagem 2 semestre 2011 ok
Biologia fai enfermagem  2 semestre 2011 okBiologia fai enfermagem  2 semestre 2011 ok
Biologia fai enfermagem 2 semestre 2011 ok
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
 
Citologia I
Citologia ICitologia I
Citologia I
 
Resumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a CitologiaResumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a Citologia
 
Revisão - Biologia celular
Revisão - Biologia celularRevisão - Biologia celular
Revisão - Biologia celular
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
 
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02Aulacitologia 091108142823-phpapp02
Aulacitologia 091108142823-phpapp02
 
Citoplasma unidade 6
Citoplasma unidade 6Citoplasma unidade 6
Citoplasma unidade 6
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
 
biologia geral
biologia geral biologia geral
biologia geral
 
Biologia geral
Biologia geralBiologia geral
Biologia geral
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 

Citologia.ppt

  • 1. Biologia Celular Cursinho Pré-Enem 2022 Prof. Me. Hericton Raiol
  • 2. Célula • Considerando-se a hierarquia estrutural da vida, a célula é considerada como o nível organizacional mais baixo que é capaz de executar todas as atividades para a vida. • A célula é a unidade morfofisiológica dos seres vivos. • Morfofisiologia – estuda o funcionamento macro e micro da célula e sua composição.
  • 3. Níveis de Organização dos Seres Vivos CÉLULA TECIDO ÓRGÃO SISTEMA ORGANISMO POPULAÇÃO COMUNIDADE ECOSSISTEMA BIOSFERA
  • 4. As células possuem informação que é herdável • As células apresentam uma molécula chamada de DNA que é a substância dos genes (unidades da herança que transmitem as informações dos parentais à descendência).
  • 5. DNA é o material genético dos seres vivos • A estrutura molecular do DNA é formada por duas longas cadeias antiparalelas chamadas de dupla-hélice. As cadeias são formadas por nucleotídeos.
  • 6. Existem duas formas principais de células • Todas as células compartilham certas características. Por exemplo, cada célula é envolta por uma membrana que regula a passagem de materiais entre as células ou suas “vizinhanças”. • Toda célula usa o DNA como informação genética. • Duas formas de células podem ser distinguidas: as células procariotas e as células eucariotas.
  • 7. Teoria celular 1.Célula é a unidade morfofisiológico do ser vivo. (Schleinden e Schwann – 1830). 2. Cada animal aparece como uma soma de unidades vitais, cada uma das quais leva em suas características completas da vida. A principal consequência dessa teoria foi a descoberta de que uma célula se origina de outra preexistente e dá origem a outras,explicando o fenômeno da perpetuação da espécie (Virchow 1858).
  • 8. A Descoberta da Constituição dos seres Vivos • Robert Hooke, Cientista Inglês (1635-1703) • Imagem da cortiça observada ao microscópio. …Pude aperceber-me, claramente, que esta era toda perfurada e porosa, assemelhando-se a um favo de mel … Esses poros ou células consistiam num grande número de pequenas caixas ….
  • 9. • Microscópio e o sistema de iluminação aumentava a imagem 270 X Microscópio óptico de Hooke Microscópio óptico vulgar O Microscópio Instrumento óptico com a capacidade de ampliar a imagem.
  • 10. • Microscópio óptico (até 2000 vezes); • Microscópio eletrônico (até 100 milhões de vezes);
  • 13. Celulares • Os seres vivos formados por células podem ser organizados em: – Unicelulares: Seres vivos formados por uma única célula. Ex: bactérias, algas e protozoários.
  • 14. Celulares • Seres multicelulares ou pluricelulares: seres vivos formados por muitas células. Ex: animais e vegetais.
  • 15. Formas das células Esféricas Fusiformes (alongadas) Discóides Estreladas
  • 16. • As células adaptam-se a uma função específica Morfologia da Célula As células nervosas são estreladas, para transmitir mensagens em várias direções. As células musculares são alongadas para poderem contrair e distender.
  • 17. Organização das células num ser pluricelular As células idênticas reúnem-se em tecidos. Os tecidos agrupam-se e formam os órgãos. Os órgãos agrupam-se para realizar uma tarefa específica e formam o sistema. O conjunto de todos os sistemas formam o organismo.
  • 18. Organização das células e dos seres vivos
  • 19. Quanto a organização estrutural: • Procariotos: 1. Possuem organização simples; 2. O material genético se encontra disperso; no citoplasma; 3. Não possui núcleo definido (nucleóide); 4. Não possui carioteca.
  • 21. Procariontes • Procariontes: - menores (bactérias) - DNA sem envoltório e sem histonas - DNA + as histonas (proteínas) formam nucleossoma. Têm um papel importante na regulação dos genes. São encontradas no núcleo das células eucarióticas. - organelas sem membranas
  • 22. Quanto a organização estrutural: • Eucariotos: 1. Possuem várias organelas citoplasmáticas; 2. Mais complexas; 3. Possuem o núcleo organizado; 4. Possuem carioteca: membrana que delimita o material genético.
  • 23. Célula eucariota • Célula eucariótica Animal
  • 24. Eucariontes Eucariontes • DNA contido em um compartimento separado, o núcleo, delimitado por uma membrana de dupla camada. • Possui uma variedade de organelas. Mitocôndrias Retículo endoplasmático Aparelho de Golgi Citoesqueleto Outros
  • 25. Composição celular Compostos orgânicos Compostos inorgânicos Carboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucléicos (DNA e RNA) Água – 75 a 85% Sais minerais – 2 a 3%
  • 26. Diferenciação celular • Resulta da expressão diferencial de genes que ocorre no desenvolvimento dos seres multicelulares.
  • 27. Diferenciação celular Alterações das propriedades físicas e funcionais da célula à medida que proliferam no embrião para formar as diferentes estruturas corporais.
  • 28. Diferenciação celular – Tecido epitelial • O processo de diferenciação ou maturação celular é um estágio de especialização e geralmente atinge um ponto final com função e estruturas estabilizadas.
  • 29. Diferenciação celular Exemplos de células especializadas
  • 30. Estruturas das células • Basicamente uma célula é formada por três partes: – Membrana: “capa” que envolve a célula; – Citoplasma: região que fica entre a membrana e o núcleo; – Núcleo: estrutura que controla as atividades celulares.
  • 31. Membrana Plasmática Membrana Citoplasmática- Membrana celular - Plasmalema O envoltório celular presente em todos os tipos de células é a membrana plasmática.
  • 32. Envoltórios Celulares - Membrana Membrana plasmática- encontrada em todas as células. A membrana celular é semelhante em todos os organismo. Parede Celular- encontrada nas bactérias e cianobactérias, nas células de alguns protistas, nos fungos em os vegetais. Ausente nas células animais.
  • 33. Célula animal Membrana celular A fluidez da bicamada lipídica permite a movimentação das moléculas de lipídios e proteínas.
  • 34. Membrana plasmática • Conceito- é uma película delgada e elástica que envolve todas as células, revestindo-as e separando-as do meio externo, realizando a contenção do citoplasma e controlando o intercâmbio de substâncias entre a célula e o meio extracelular.
  • 36. Proteínas Lipídeos O MODELO DA MEMBRANA PLASMÁTICA É DENOMINADO MOSAICO FLUÍDO PORQUE AS MOLÉCULAS DE PROTEÍNAS NÃO ESTÃO FIXAS E SIM MERGU- LHADAS ENTRE AS MOLÉCULAS DE FOSFOLIPIDIOS. ESSE MODELO FOI PROPOSTO POR SINGER E NICHOLSON MEMBRANA PLASMÁTICA glicocálix A MEMBRANA POSSUI UMA PORÇÃO HIDROFÍLICA QUE CORRESPONDE ÀS CAMADAS EXTERNAS DE LIPÍDEOS E UMA PORÇÃO HIDROFÓBICA, CORRESPONDENTE À CAMADA INTERNA DA MEMBRANA. HIDROFOBIA HIDROFILIA
  • 37. • Quimicamente essa membrana é lipoprotéica, formada principalmente por fosfolipídios e proteínas, nos animais também o colesterol. • Funciona como uma barreira seletiva facilitando ou dificultando a entrada de substâncias que interessam à célula. Hidrofílicas - dissolvem na água Hidrofóbicas - não se dissolvem na
  • 38. • Modelo de estrutura da membrana plasmática aceito atualmente foi proposto em 1972 por Singer e Nicolson, e denomina-se modelo do mosaico fluido. • Este modelo propõe que a membrana é composta por três tipos de moléculas: lipídios (fosfolipídios e colesterol), proteínas (globulares) e uma pequena fração de glicídios. • Nas células animais os glicídios podem estar aderido a proteínas e a lipídios, formando os glicolipídios e as glicoproteínas, que juntas formam o glicocálix, que protege, recepta substâncias e dá certas características à célula. Hidrofílicas= dissolvem na água Hidrofóbicas não se dissolvem na água
  • 40. • Principais tipos de lipídios das membranas celulares são os fosfolipídios, o colesterol e o glicolipídio. Todos esses tipos de lipídios apresentam porções de suas moléculas com afinidade diferencial em relação à água. • Uma parte da molécula é hidrofílica (“gosta” de água) e outra é hidrofóbica (“não gosta” da água). Devido a essas propriedades, quando essas moléculas estão completamente envoltas por água, dispõem-se naturalmente em duas camadas, de modo a ficarem com a água, e a parte hidrofóbica para dentro.
  • 41. • Glicocálix (glico=açúcar; calix= envoltório) é um envoltório externo à membrana e ocorre nas células animais e alguns protistas, como as amebas. • Composto de moléculas de açúcar associadas aos fosfolipídios e ás proteínas dessa membrana. • Funções: proteção a superfície celular contra lesões mecânicas e químicas; adesão entre as células e ao reconhecimento célula a célula (no caso do espermatozoide e o ovócito).
  • 42. NÃO GASTA ENERGIA GRANDES MOLÉCULAS GASTA ENERGIA Passivo Ativo Quantidade TRANSPORTES MEMBRANA PLASMÁTICA
  • 43. Transporte através da Membrana Os processos de troca na célula podem ser agrupados em 3 categorias: • Processos passivos: ocorrem sem gasto de energia (difusão, osmose e difusão facilitada); • Processos ativos: ocorrem com gasto de energia (bomba de sódio (Na) e potássio (k)); • Processos mediados por vesículas: ocorrem quando vesículas são utilizadas para a entrada de partículas ou organismos na célula, ou para a eliminação de substâncias da célula. Quando ocorre entrada – ENDOCITOSE (fagocitose e pinocitose); saída - EXOCITOSE ou CLASMOCITOSE
  • 44. Difusão • Corresponde ao movimento de partículas do local em que elas estão mais concentradas para onde estão menos concentradas. Através da MP das células, há difusão de pequenas moléculas, como O2 e o CO2. 1. Difusão simples: • Fluxo espontâneo de partículas, de uma região onde a concentração de uma determinada partícula é maior para outra onde a concentração é menor. Ex.: entrada de oxigênio em nossas células e a saída de gás carbônico.
  • 45. DIFUSÃO SIMPLES: OCORRE QUANDO UMA SUBSTÂNCIA PASSA DO MEIO ONDE ELA ESTÁ EM MAIOR CONCENTRAÇÃO PARA UM MEIO ONDE ELA SE ENCONTRA EM MENOR CONCENTRAÇÃO, PORTANTO A FAVOR DE UM GRADIENTE DE CONCENTRAÇÃO, SEM GASTO DE ENERGIA. MEMBRANA PLASMÁTICA ÁGUA SACAROSE Solução A Solução B
  • 47. Difusão facilitada • É a passagem de substâncias de um meio mais concentrado para um meio menos concentrado com o auxílio de um carregador. Ex.: a glicose necessita de insulina para entrar nas células do fígado (hepatócitos). • Moléculas pequenas entram por difusão simples na célula. A entrada de moléculas um pouco maiores depende de proteínas que se abrem e fecham ou de proteínas com "canais" que facilitam a passagem. Não há gasto de energia, uma vez que as moléculas movem-se sempre de maior para as de menor concentração.
  • 48. Difusão facilitada Permease A molécula do soluto liga-se nos sítios ligantes da permease que se deforma e libera o soluto no outro lado da membrana.
  • 49. G L I C O S E RECONHECIMENTO M.P LIBERAÇÃO MEMBRANA PLASMÁTICA CAPTURA M.P M.P TRANSLOCAÇÃO Glicose M.P Permease DIFUSÃO FACILITADA: É A PASSAGEM DE SUBSTÂNCIAS ATRAVÉS DA MEMBRANA PLASMÁTICA COM A AJUDA DE FACILITADORES, TAMBÉM CHAMADOS DE CARREADORES DE MEMBRANA OU PERMEASES (ENZIMAS)
  • 51. Difusão facilitada • É um tipo de transporte que obedece às leis da difusão, mas que depende da participação de proteínas especiais da membrana, denominadas permeases. Essas proteínas, que se movimentam em "giros" na estrutura da membrana, recolhem substâncias no meio extracelular, levando-as para o meio intracelular. • Ex.: transporte de açúcares simples e aminoácidos, como no esquema.
  • 52. Difusão facilitada - além de ser um transporte a favor do gradiente de concentração, tem o auxílio de proteínas transportadoras ou carregadoras chamadas de permeases. As glicoses são pouco solúveis em lipídeos. Em condições normais, no entanto, atravessam a matriz lipídica com relativa facilidade. Isso se deve à presença de carregadores.
  • 53. Solução: • SOLUÇÃO  SOLVENTE + SOLUTO. SOLUÇÃO  ( ÁGUA ) + ( Qq SUBSTÂNCIA ) Ex.: NaCl ( sal de cozinha )
  • 54. Tipos de soluções: • S. HIPERTÔNICA: A concentração do soluto é maior que a concentração de solvente. • S. ISOTÔNICA: A concentração do soluto é igual que a concentração de solvente. • S. HIPOTÔNICA: A concentração do soluto é menor que a concentração de solvente.
  • 55. Quando duas concentrações têm a mesma concentração = ISOTÔNICAS OU ISOSMÓTICAS. Quando as concentrações são diferentes, a solução + concentrada é chamada hipertônica ou hiperosmótica, e a – concentrada hipotônica ou hiposmótica. 1L 1G OSE 1L 3G OSE A B 1L 2G OSE 1L 2G OSE C D ISO ISO HIPO HIPER
  • 56. Osmose • É um caso particular de difusão através de membranas, onde há passagem apenas de solvente da solução menos concentrada (maior número de moléculas de água) para a mais concentrada (menor número de moléculas de água). • Meio hipotônico- soluções menos concentradas que o citoplasma. • Meio hipertônico- soluções mais concentradas que o citoplasma. • Meio isotônico- o meio que circunda a célula tem concentração do soluto equivalente a do líquido citoplasmático.
  • 57. Meio Hipotônico: Quando uma célula animal, como por exemplo uma hemácia humana, é colocada em uma solução hipotônica em relação ao seu citoplasma (ex: sol. NaCl 0,1%), ocorre entrada de água na célula com aumento do volume celular, levando ao rompimento da membrana plasmática. Esse fenômeno é denominado plasmoptise. Obs.: No caso especial da hemácia, a plasmoptise recebe o nome de hemólise. Meio Hipertônico: Quando células animais (hemácias, por exemplo) são colocadas em soluções hipertônicas, ocorre perda de água com redução de volume e murchamento celular. Esse fenômeno recebe o nome de plasmólise.
  • 60. Exemplos práticos: • Quando uma célula é mergulhada numa solução hipertônica, perde água. Esse processo se chama PLASMÓLISE( murcha ). • Quando a célula é retirada desta solução e colocada numa solução HIPOTÔNICA, num primeiro instante volta a sua condição original, num processo chamado DEPLASMÓLISE. • A célula então é mantida nesta solução e ganha aumento de volume, num processo chamado TURGÊNCIA (incha ), caso continue nesta solução a membrana plasmática irá se romper por excesso de água, num processo que se chama PLASMOPTISE. • Células vegetais não sofrem plasmoptise em função da parede celular.
  • 61. Obs.: A plasmólise de hemácias recebe o nome especial de crenação. Hiper-perde água Iso- equilíbrio
  • 63. Cheia de água Plasmólise –perde H2O Desplasmólise
  • 64. Transporte ativo • Ocorre contra o gradiente de concentração. • É feito por proteínas transmembrana chamadas ATPases ou BOMBAS. Quebram ATP e liberam energia. • Transporta sempre íons e moléculas polares. • ATPaes são específicas. Ex. Bomba de Na+; bomba de Ca++...
  • 65. ATP: energia para a célula realizar trabalho A energia de que a célula dispõe é sintetizada por ela mesma, armazenada na forma de uma molécula chamada andenosina trifostato (ATP). Ela é o resultado de processos bioquímicos em que a célula, utilizando-se de uma fonte, os nutrientes, produz sua própria energia. Assim, ATP é sinônimo de energia celular. Por isso, podemos dizer que o transporte através da membrana celular ocorre com ou sem gasto de ATP.
  • 66. Bomba de sódio e potássio = com gasto de energia.
  • 67. Numa célula, como por exemplo um neurônio, a concentração de íons Na no meio extracelular é significativamente maior que a concentração desses íons no meio intracelular. Inversamente, a concentração de íons K no meio intracelular é muito maior em relação ao meio extracelular. Assim, existe uma forte tendência de penetração de íons. Na célula e de saída de K para o meio externo por difusão simples, visando equilibrar as concentrações. No entanto, todos os íons Na que entram na célula são "bombeados" para o meio extracelular, da mesma forma que os íons K que saem da célula são "bombeados" para o meio intracelular. Em ambos os casos, o transporte iônico dá-se contra um gradiente de concentração, resultando em gasto de energia pela célula. Transporte Ativo
  • 69. Exemplo de transporte ativo BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO FONTE: www.octopus.furg.br/ensino/anima/atpase/NaKATPase.html
  • 70.
  • 71. Transporte em bloco • Representa o englobamento ou eliminação de macromoléculas ou partículas maiores que não conseguem atravessar a membrana plasmática por nenhum dos mecanismos já estudados. Em função do sentido no qual as partículas são transportadas, temos dois tipos de transporte em bloco: a endocitose e a exocitose. • Endocitose: É o transporte de partículas ou macromoléculas por englobamento, ou seja, do meio extracelular para o meio intracelular. Existem dois tipos de endocitose:
  • 73. MEMBRANA PLASMÁTICA Partícula sólida FAGOCITOSE: É O ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS SÓLIDAS PELA CÉLULA A PARTÍCULA ENGLOBADA SERÁ, POSTERIORMENTE, DIGERIDA PELOS LISOSSOMOS Fagossomo Lisossomos Pseudópodes
  • 74. Fagocitose • Neste processo, a célula engloba partículas sólidas relativamente grandes. A célula, entrando em contanto com a partícula, emite pseudópodes que englobam, formando um vacúolo alimentar (fagossomo). • A fagocitose é observada principalmente em células isoladas, como amebas e glóbulos brancos. No caso da ameba, trata-se de um processo nutritivo; no caso dos glóbulos brancos, é um prcesso de defesa contra bactérias que invadem o organismo.
  • 75. Pinocitose • É um processo mais delicado do que a fagocitose sendo difícil sua observação ao microscópio óptico. Partículas líquidas muito pequenas são capturadas por esse processo. • A membrana plasmática, na região de contato com a partícula, se invagina, aprofundando-se no interior do citoplasma; forma-se um canal. Por fim, a partícula envolvida por um pedaço de membrana solta-se, formando um vesícula de pinocitose ou pinossomo. • É provável que a maioria das células seja capaz de realizar a pinocitose; esse processo é então geral, enquanto a fagocitose se restringe apenas a alguns tipos de células.
  • 76. MEMBRANA PLASMÁTICA Canal de pinocitose Partícula líquida pinossomo PINOCITOSE: É O ENGLOBAMENTO DE PARTÍCULAS LÍQUIDAS PELA CÉLULA A PARTÍCULA ENGLOBADA SERÁ, POSTERIORMENTE, DIGERIDA PELOS LISOSSOMOS
  • 77.
  • 78. MEMBRANA PLASMÁTICA RESÍDUOS Vacúolo resídual CLASMOCITOSE: É A ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS DA DIGESTÃO CELULAR
  • 80. RESUMO DIFUSÃO SIMPLES MEMBRANA PLASMÁTICA M.P S U B S T Â N C I A S MEIO MEIO ] [ ] [
  • 81. RESUMO TRANSPORTE ATIVO MEMBRANA PLASMÁTICA M.P S U B S T Â N C I A S MEIO ] [ MEIO ] [
  • 82. RESUMO DIFUSÃO FACILITADA MEMBRANA PLASMÁTICA M.P M O L É C U L A S PERMEASE MEIO INTERNO MEIO EXTERNO
  • 84. Especializações da membrana ou Diferenciações de Membrana Microvilosidades Plasmodesmos Desmossomos Interdigitações Cílios e flagelos
  • 85. 1-MICROVILOSIDADES São especializações da membrana em que, em que um pequeno espaço, a superfície é capaz de absorver muito mais substâncias em um tempo menor; ou projeções (evaginações) da membrana, formando um número enorme de finos prolongamentos celulares em forma de dedo de luva. Ex: célula intestinal pode apresentar até 3000 microvilosidades.
  • 86. AUMENTAM A SUPERFÍCIE DE ABSORÇAO DE ÁGUA NOS TÚBULOS RENAIS INVAGINAÇÕES DE BASE ENCONTRADAS NO EPITÉLIO DE REVESTIMENTO DO INTESTINO ONDE AUMENTAM A SUPERFÍCIE DE ABSORÇAO DE NUTRIENTES. MICROVILOSIDADES ESPECIALIZAÇÕES PARA AUMENTAR A SUPERFÍCIE DE ABSORÇÃO MEMBRANA PLASMÁTICA
  • 87. 2-DESMOSSOMOS São pontos de espessamentos nas membranas de células vizinhas. Entre esses espessamentos há uma espécie de cimento, formado de numerosas partículas de glicoproteínas e destinado a firmar a ligação entre as células. A partir dos espessamentos saem as tonofibrilas, que são finos filamentos radiados de natureza protéica. A metade de um desmossomo pertence a uma célula e a outra metade à célula vizinha. Ex: células epiteliais.
  • 88. Meio extracelular Desmossomo Interdigitação Desmossomo MEMBRANA PLASMÁTICA DESMOSSOMOS E INTERDIGITAÇÕES SÃO ENCONTRADOS NO TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO. ESPECIALIZAÇÕES PARA AUMENTAR A ADERÊNCIA.
  • 89. 3- INTERDIGITAÇÕES São saliências e reentrâncias da membrana de 2 células vizinha que se encaixam entre si, aumentando a aderência entre elas. Ex: células epiteliais.
  • 90. 4- PLASMODESMOS São pontes de contato ente células vegetais vizinhas, permitindo a comunicação entre os citoplasmas.
  • 91. 5- CÍLIOS E FLAGELOS São formações que apresentam na superfície de certas células de invertebrados, de protistas e de organismos superiores, proveniente do alongamento de nove fibrilas ou microtúbulos de centríolo. É comum fazer-se a distinção entre cílios e flagelos pelo número e pela dimensão dos mesmos. Os cílios são curtos e numerosos, enquanto os flagelos são longos e em pequeno número. Ambos tem a participação nos movimentos celulares. Ex: cílios protozoários ciliados (paramecium), flagelos protozoários flagelados, sptz, bactérias, anterezóides...