SlideShare uma empresa Scribd logo
A MEMBRANA
PLASMÁTICA
BIOLOGIA A (Profª Lara)
Livro Texto Capítulo 8
Caderno 2
Aulas 21 e 22 (Pág. 291 a 292)
 Envelope universal de todas as células.
Mantém a individualidade da células,
permitindo que a sua composição seja específica
e distinta do meio externo.
 Barreira protetora que controla a entrada e a
saída de substâncias da célula (permeabilidade
seletiva).
 Através da membrana plasmática uma célula
percebe sinalizações do ambiente.
 Esta seleção tem certos limites!!!
Membrana Plasmática
As Membranas Celulares
Lipoproteica (Lipídios + Proteínas)
Estrutura da Membrana Plasmática
Fosfolipídeos
Modelo doModelo do Mosaico FluidoMosaico Fluido
 Moléculas de proteínas
espalhadas entre as moléculas de
Fosfolipídeos que constituem a
Bicamada lipídica.
- Proteínas Transmembrana ou
Integrais.
- Proteínas Periféricas.
• Colesterol (Células animais).
• Carboidratos (glicoproteínas,
glicolipídeos) – Gicocálice.
Estrutura da Membrana Plasmática
Mosaico Fluido
Mosaico Fluido
Animação do Mosaico Fluido
Mosaico Fluido.swf
As Proteínas da Membrana
 As proteínas que constituem a membrana plasmática
têm composição e estrutura muito variada.
Proteínas Transportadoras
Proteínas Receptoras
Proteínas Catalisadoras (Enzimas)
MICROVILOSIDADES
 São projeções da membrana plasmática frequentemente
digitiformes (forma de dedo de luva).
 Aumentam o superfície de absorção dos nutrientes pela
mucosa do intestino delgado da maioria dos mamíferos.
Camada de polissacarídeos frouxamente entrelaçados, que
revestem externamente a membrana. Glicoproteínas e
glicolipídios
Funções: funcionam como uma malha de proteção e de retenção
de nutrientes e de enzimas ao redor da célula, importantes na
comunicação e no reconhecimento da célula (“rótulos da célula”).
GLICOCÁLICE (GLICOCÁLIX)
I. Como as substâncias entram ou saem da célula:
 Material atravessa a membrana plasmática.
Difusão, Osmose e Bomba de sódio e potássio
 Material é englobado pela membrana plasmática.
Endocitose, Exocitose
Membranas e as trocas como meio externo
II. Gasto energético:
Transporte Passivo
 Não há gasto de energia pela célula. Ocorre naturalmente, a
favor de um gradiente de concentração, obedecendo às leis físicas
de tendência ao equilíbrio entre duas soluções.
Tipos:
 Difusão simples e Difusão facilitada
 Osmose
Transporte Ativo
 Há gasto de energia pela célula, porque o transporte ocorre
contra um gradiente de concentração. Só pode ocorrer em células
vivas.
Tipos:
 Bomba de Na+
e K+
 Endocitoses (fagocitose e pinocitose) e Exocitose
Membranas e as trocas como meio externo
Transporte Passivo e Transporte Ativo
A favor do gradiente de concentração Contra o gradiente de concentração
Análise da permeabilidade da membrana a variadas
substâncias, considerando-se apenas a bicamada
lipídica:
 Macromoléculas (proteínas, di e polissacarídeos): não podem
atravessar por causa do seu tamanho.
 Moléculas pequenas com carga (íons): não podem atravessar
pois são incapazes de atravessar o interior hidrofóbico (apolar) da
bicamada lipídica.
 Moléculas de água: por sua polaridade, têm dificuldade de
atravessar o interior hidrofóbico da bicamada lipídica. Possui
permeabilidade bastante reduzida.
 Moléculas pequenas e apolares e gases (etanol, O2, CO2):
passam através da membrana de acordo com o seu gradiente de
concentração.
Membranas e as trocas como meio externo
A membrana plasmática
Processos de Transporte Através da Membrana Plasmática
EXERCÍCIO(PÁG. 292)
EXERCÍCIO(PÁG. 292)
PASSAGEM DE SUBSTÂNCIAS
ATRAVÉS DA MEMBRANA
BIOLOGIA A (Profª Lara)
Livro Texto Capítulo 8
Caderno 2
Aulas 23 e 24 (Pág. 293 a 296)
Entendendo um pouco o comportamento das soluções:
SOLUÇÃO = SOLVENTE + SOLUTO
O citoplasma é uma solução aquosa. As moléculas
dissolvidas no citoplasma são os solutos e a água é o
solvente.
CITOPLASMA: solução aquosa;
MOLÉCULAS: solutos (sais, açúcares, aminoácidos etc...);
ÁGUA: solvente.
Membranas e as trocas como meio externo
Solução mais concentrada: MAIOR concentração de SOLUTO.
Solução menos concentrada: MENOR concentração de SOLUTO.
Comparando soluções:
 Uma solução é HIPOTÔNICA  em relação à outra, quando
apresenta MENOR concentração de soluto (e maior de
solvente).
Uma solução é HIPERTÔNICA em relação à outra, quando
apresentar MAIOR concentração de soluto (e menor de
solvente).
 Uma solução é ISOTÔNICA em relação à outra, quando
apresentar concentração IGUAL de soluto.
Membranas e as trocas como meio externo
Membranas e as trocas como meio externo
Difusão SimplesDifusão Simples
Transporte passivo de SOLUTO;Transporte passivo de SOLUTO;
Ocorre a favor do gradiente de concentração (meio maisOcorre a favor do gradiente de concentração (meio mais
concentradoconcentrado  meio menos concentrado);meio menos concentrado);
 Obedece às leis da física.
Não é necessário a utilização de energia;
Transporte de gases e moléculas pequenas, apolares e
lipossolúveis;
Pode ocorrer através da bicamada lipídica.
Transporte Passivo
Transporte Passivo- DIFUSÃO SIMPLES
Transporte Passivo- DIFUSÃO SIMPLES
Ex.: Transporte de O2 e CO2 entre o ar e as células do epitélio
respiratório
Transporte Passivo - DIFUSÃO FACILITADA
Difusão FacilitadaDifusão Facilitada
 TransporteTransporte
passivo de SOLUTO;passivo de SOLUTO;
 Ocorre com oOcorre com o
auxílio deauxílio de proteínasproteínas
transportadorastransportadoras
(PERMEASES);(PERMEASES);
 Transporte deTransporte de
monossacarídeos,monossacarídeos,
aminoácidos, íons.aminoácidos, íons.
Proteínas de Transporte – DIFUSÃOFACILTADA
Transporte Passivo - OSMOSE
OsmoseOsmose
 É a passagem do solvente (líquido) do meio de menor
concentração de soluto (hipotônico) para o meio de maior
concentração de soluto (hipertônico), através de uma
membrana semipermeável.
Transporte Passivo - OSMOSE
Transporte Passivo - OSMOSE
Osmose emCélulas Animais
EXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO ISOTÔNICOEXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO ISOTÔNICO
NÃO ACONTECE NADA COM AS HEMÁCIAS, POIS SUA CONCENTRAÇÃO É IGUAL À DO MEIONÃO ACONTECE NADA COM AS HEMÁCIAS, POIS SUA CONCENTRAÇÃO É IGUAL À DO MEIO
H2O
H2O
Osmose emCélulas Animais
EXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO HIPERTÔNICOEXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO HIPERTÔNICO
H2O
SE O MEIO É HIPERTÔNICO EM RELAÇÃO ÀS HEMÁCIAS, ENTÃO AS HEMÁCIAS SÃO HIPOTÔNICAS
EM RELAÇÃO AO MEIO, PORTANTO PERDEM ÁGUA PARA O MEIO E FICAM CRENADAS (MURCHAS)
SE O MEIO É HIPERTÔNICO EM RELAÇÃO ÀS HEMÁCIAS, ENTÃO AS HEMÁCIAS SÃO HIPOTÔNICAS
EM RELAÇÃO AO MEIO, PORTANTO PERDEM ÁGUA PARA O MEIO E FICAM CRENADAS (MURCHAS)
H2O
H2O
Osmose emCélulas Animais
EXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO HIPOTÔNICOEXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO HIPOTÔNICO
SE O MEIO É HIPOTÔNICO EM RELAÇÃO ÀS HEMÁCIAS, ENTÃO AS HEMÁCIAS SÃO
HIPER-
TÔNICAS EM RELAÇÃO AO MEIO, PORTANTO GANHAM ÁGUA DO MEIO E PODE SOFRER
HEMÓLISE
SE O MEIO É HIPOTÔNICO EM RELAÇÃO ÀS HEMÁCIAS, ENTÃO AS HEMÁCIAS SÃO
HIPER-
TÔNICAS EM RELAÇÃO AO MEIO, PORTANTO GANHAM ÁGUA DO MEIO E PODE SOFRER
HEMÓLISE
H2O
H2O
H2O
Osmose emCélulas Vegetais
 A célula vegetal possui uma membrana celulósica
(parede celular).
 Diferenças nos resultados da osmose.
 Vacúolos – trocas de água por osmose entre a célula
vegetal e o meio. Ganho ou perda de água nos vacúolos.
Osmose emCélulas Vegetais
parede
celular
vacúolo
citoplasma
núcleo
CÉLULA
FLÁCIDA
CÉLULA
TÚRGIDA
CÉLULA
PLASMOLISADA
MEIO ISOTÔNICO MEIO HIPOTÔNICO MEIO HIPERTÔNICO
H2O
H2O
H2O
H2O
 Você já deve ter comido salada de alface, de pepino ou
de tomate, temperada algumas horas antes.
 Então deve ter percebido duas coisas: o vegetal murcha
e a quantidade de líquido do fundo da saladeira aumenta.
 O que acontece nesse caso?
 Qual é o papel do tempero da salada neste processo?
 Você já deve ter comido salada de alface, de pepino ou
de tomate, temperada algumas horas antes.
 Então deve ter percebido duas coisas: o vegetal murcha
e a quantidade de líquido do fundo da saladeira aumenta.
 O que acontece nesse caso?
 Qual é o papel do tempero da salada neste processo?
Osmose e o nosso cotidiano
Transporte Ativo
 Transporte biológico que só pode ocorrer em células
vivas, pois requer gasto de energia.
 Transporte ativo de íons ou moléculas contra o
gradiente de concentração, com o auxílio de uma
proteína carreadora. (Bomba de sódio e potássio)
 Transporte de moléculas maiores, para dentro ou
para fora da célula, por meio da formação de vesículas.
(Endocitose e exocitose)
Transporte Ativo
Bomba de Sódio e PotássioBomba de Sódio e Potássio
•Este tipo de transporte se dá, quando os íons sódio (Na+
) e o
potássio (K+
), tem que atravessar a membrana contra um
gradiente de concentração.
Estes íons possuem concentrações diferentes dentro e fora da
célula:
•Na maioria das células dos organismos superiores a concentração
do sódio (Na+
) é bem mais baixa dentro da célula do que fora
desta.
•O potássio (K+
), apresenta situação inversa, a sua concentração
é mais alta dentro da célula do que fora desta.
Diferenças nas concentrações deste íons: Fundamental para o
metabolismo celular!!
Transporte Ativo
Bomba de Sódio e PotássioBomba de Sódio e Potássio
“A manutenção das diferenças entre as concentrações
interna e externa destes íons exige que a célula gaste
energia. Proteínas de membrana agem como “bombas” de
íons, capturando íons Na+
no citoplasma e transportando-
os para fora da célula. Na face externa da membrana,
essas proteínas capturam íons K+
do meio e os transportam
para o citoplasma.
Esse bombeamento contínuo compensa a incessante
passagem desses íons, através da membrana, por difusão
(transporte passivo). O bombeamento ativo destes íons
consome energia da célula e, por isso, é denominado
transporte ativo.”
Transporte Ativo (Bomba de Na+
e K+
)
Bomba de sódio e potássio.swf
Endocitose: englobamento de partículas
1) Fagocitose  É o nome dado ao processo pelo
qual a célula, graças à formação de pseudópodos,
engloba, no seu citoplasma, moléculas maiores,
partículas ou até mesmo outras células menores. Nos
mamíferos, a fagocitose é feita por células
especializadas na defesa do organismo. Em
protozoários, ela atua como meio de nutrição.
Fagocitose
2) Pinocitose  É processo usado pela célula para
englobar partículas muito pequenas, dispersas em um
meio aquoso. Graças a expansões do citoplasma, ocorre
o englobamento de moléculas que interessam à célula.
Endocitose: englobamento de partículas
Pinocitose
Fagocitose e Pinocitose
Ocorre fusão de uma vesícula originada no interior da
célula com a membrana plasmática, o que possibilita que o
material nela contido seja lançado para o meio
extracelular. Eliminação de secreções, como hormônios e
enzimas.
Exocitose: liberação de partículas
Estruturas de Adesão Celular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Membrana plasmatica
Membrana plasmaticaMembrana plasmatica
Membrana plasmatica
emanuel
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
Caio Maximino
 
A membrana plasmática e a permeabilidade
A membrana plasmática e a permeabilidadeA membrana plasmática e a permeabilidade
A membrana plasmática e a permeabilidade
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia Humana
Pedro Miguel
 
Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)
Nilderlânia Paulino Sampaio
 
Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018
José Nascimento da Silva Júnior
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
luam1969
 
Citoplasma unidade 6
Citoplasma unidade 6Citoplasma unidade 6
Citoplasma unidade 6
César Milani
 
Aula respiração celular
Aula respiração celularAula respiração celular
Aula respiração celular
Tércio De Santana
 
Fisiologia celular
Fisiologia celularFisiologia celular
Fisiologia celular
Tenobio T. Coelho
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
Aula 2 composição química das células
Aula 2   composição química das célulasAula 2   composição química das células
Aula 2 composição química das células
Ed_Fis_2015
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
mainamgar
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 
Sistema ABO
Sistema ABOSistema ABO
Sistema ABO
Safia Naser
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
Isabel Lopes
 
Citologia e membrana celular
Citologia e membrana celularCitologia e membrana celular
Citologia e membrana celular
César Milani
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
Bio
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
Ed_Fis_2015
 

Mais procurados (20)

Membrana plasmatica
Membrana plasmaticaMembrana plasmatica
Membrana plasmatica
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
A membrana plasmática e a permeabilidade
A membrana plasmática e a permeabilidadeA membrana plasmática e a permeabilidade
A membrana plasmática e a permeabilidade
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia Humana
 
Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)Membrana plasmática (plasmalema)
Membrana plasmática (plasmalema)
 
Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
 
Citoplasma unidade 6
Citoplasma unidade 6Citoplasma unidade 6
Citoplasma unidade 6
 
Aula respiração celular
Aula respiração celularAula respiração celular
Aula respiração celular
 
Fisiologia celular
Fisiologia celularFisiologia celular
Fisiologia celular
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Aula 2 composição química das células
Aula 2   composição química das célulasAula 2   composição química das células
Aula 2 composição química das células
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Sistema ABO
Sistema ABOSistema ABO
Sistema ABO
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
 
Citologia e membrana celular
Citologia e membrana celularCitologia e membrana celular
Citologia e membrana celular
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 

Destaque

Aula.1
Aula.1Aula.1
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Membrana plasmatica
Membrana plasmaticaMembrana plasmatica
Membrana plasmatica
Lilian Souza
 
Membrana Plasmática
Membrana PlasmáticaMembrana Plasmática
Membrana Plasmática
Fabio Barbosa
 
Propiedades Bioelèctricas de la membrana plasmática
Propiedades Bioelèctricas de la membrana plasmática Propiedades Bioelèctricas de la membrana plasmática
Propiedades Bioelèctricas de la membrana plasmática
maria delgado
 
Membrana plasmática
Membrana plasmáticaMembrana plasmática
Membrana plasmática
Yidie Alejandra
 
Membrana Plasmática
Membrana PlasmáticaMembrana Plasmática
Membrana Plasmática
Joemille Leal
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
rubiodantas
 
Células Tronco
Células TroncoCélulas Tronco
Células Tronco
342014
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
Suzany Berg
 
Terapias celulares
Terapias celularesTerapias celulares
Terapias celulares
Distripronavit
 
Embriões, células tronco e terapias celulares questões filosóficas e antropol...
Embriões, células tronco e terapias celulares questões filosóficas e antropol...Embriões, células tronco e terapias celulares questões filosóficas e antropol...
Embriões, células tronco e terapias celulares questões filosóficas e antropol...
Thuane Sales
 
Membranas celulares
Membranas celularesMembranas celulares
Membranas celulares
Miguel Adell
 
Terapia celular em doenças Neurológicas
Terapia celular em doenças NeurológicasTerapia celular em doenças Neurológicas
Terapia celular em doenças Neurológicas
Lucianna Auxi Costa
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
ressurreicaorecreio
 
Atividade cruzadinha definitiva do projeto os miseráveis
Atividade cruzadinha definitiva do projeto os miseráveisAtividade cruzadinha definitiva do projeto os miseráveis
Atividade cruzadinha definitiva do projeto os miseráveis
leitura20138a
 
Celulas tronco
Celulas troncoCelulas tronco
Celulas tronco
batepapoespirita
 
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de célulasCartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
Hugo Cabrera
 
Células estaminais
Células estaminaisCélulas estaminais
Células estaminais
12anogolega
 
3 biotermol 1
3 biotermol 13 biotermol 1
3 biotermol 1
Amaury Xavier
 

Destaque (20)

Aula.1
Aula.1Aula.1
Aula.1
 
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
 
Membrana plasmatica
Membrana plasmaticaMembrana plasmatica
Membrana plasmatica
 
Membrana Plasmática
Membrana PlasmáticaMembrana Plasmática
Membrana Plasmática
 
Propiedades Bioelèctricas de la membrana plasmática
Propiedades Bioelèctricas de la membrana plasmática Propiedades Bioelèctricas de la membrana plasmática
Propiedades Bioelèctricas de la membrana plasmática
 
Membrana plasmática
Membrana plasmáticaMembrana plasmática
Membrana plasmática
 
Membrana Plasmática
Membrana PlasmáticaMembrana Plasmática
Membrana Plasmática
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
 
Células Tronco
Células TroncoCélulas Tronco
Células Tronco
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
 
Terapias celulares
Terapias celularesTerapias celulares
Terapias celulares
 
Embriões, células tronco e terapias celulares questões filosóficas e antropol...
Embriões, células tronco e terapias celulares questões filosóficas e antropol...Embriões, células tronco e terapias celulares questões filosóficas e antropol...
Embriões, células tronco e terapias celulares questões filosóficas e antropol...
 
Membranas celulares
Membranas celularesMembranas celulares
Membranas celulares
 
Terapia celular em doenças Neurológicas
Terapia celular em doenças NeurológicasTerapia celular em doenças Neurológicas
Terapia celular em doenças Neurológicas
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Atividade cruzadinha definitiva do projeto os miseráveis
Atividade cruzadinha definitiva do projeto os miseráveisAtividade cruzadinha definitiva do projeto os miseráveis
Atividade cruzadinha definitiva do projeto os miseráveis
 
Celulas tronco
Celulas troncoCelulas tronco
Celulas tronco
 
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de célulasCartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
Cartilha de células-tronco, terapias celulares e bancos de células
 
Células estaminais
Células estaminaisCélulas estaminais
Células estaminais
 
3 biotermol 1
3 biotermol 13 biotermol 1
3 biotermol 1
 

Semelhante a A membrana plasmática

A membrana e a permeabilidade
A membrana e a permeabilidadeA membrana e a permeabilidade
A membrana e a permeabilidade
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Transporte de membrana
Transporte de membranaTransporte de membrana
Transporte de membrana
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Membrana
MembranaMembrana
Membrana
letyap
 
Membranas
 Membranas Membranas
Membranas
colegioibituruna
 
Membranas
 Membranas Membranas
Membranas
Bruno Bosi
 
Biologia aula 01 - apostila-citologia
Biologia   aula 01 - apostila-citologiaBiologia   aula 01 - apostila-citologia
Biologia aula 01 - apostila-citologia
Marcos Vieira
 
Transportes através da membrana e organelas citoplasmáticas
Transportes através da membrana e organelas citoplasmáticasTransportes através da membrana e organelas citoplasmáticas
Transportes através da membrana e organelas citoplasmáticas
César Milani
 
Membrana
MembranaMembrana
Membrana
letyap
 
Transporte de membrana
Transporte de membranaTransporte de membrana
Transporte de membrana
Alpha Colégio e Vestibulares
 
www.CentroApoio.com - Biologia - Membrana Plasmática - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - Biologia - Membrana Plasmática - Vídeo Aulawww.CentroApoio.com - Biologia - Membrana Plasmática - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - Biologia - Membrana Plasmática - Vídeo Aula
Vídeo Aulas Apoio
 
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Minelvina Pessoa
 
Transporte através da membrana
Transporte através da membranaTransporte através da membrana
Transporte através da membrana
Carlos Carvalho
 
Membrana PlasmáTica
Membrana PlasmáTicaMembrana PlasmáTica
Membrana PlasmáTica
profatatiana
 
Aula 01 unidade 2 - transporte de íons através das membranas
Aula 01   unidade 2 - transporte de íons através das membranasAula 01   unidade 2 - transporte de íons através das membranas
Aula 01 unidade 2 - transporte de íons através das membranas
Solange Leite
 
Introdução a fisiologia
Introdução a fisiologiaIntrodução a fisiologia
Introdução a fisiologia
Andrey Moreira
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Herbert Santana
 
A membrana plasmática(5o grupo)
A membrana plasmática(5o grupo)A membrana plasmática(5o grupo)
A membrana plasmática(5o grupo)
Moisés Manuel
 
Transp Celular
Transp CelularTransp Celular
Transp Celular
prof.marcia.bios
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
andreepinto
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
andreepinto
 

Semelhante a A membrana plasmática (20)

A membrana e a permeabilidade
A membrana e a permeabilidadeA membrana e a permeabilidade
A membrana e a permeabilidade
 
Transporte de membrana
Transporte de membranaTransporte de membrana
Transporte de membrana
 
Membrana
MembranaMembrana
Membrana
 
Membranas
 Membranas Membranas
Membranas
 
Membranas
 Membranas Membranas
Membranas
 
Biologia aula 01 - apostila-citologia
Biologia   aula 01 - apostila-citologiaBiologia   aula 01 - apostila-citologia
Biologia aula 01 - apostila-citologia
 
Transportes através da membrana e organelas citoplasmáticas
Transportes através da membrana e organelas citoplasmáticasTransportes através da membrana e organelas citoplasmáticas
Transportes através da membrana e organelas citoplasmáticas
 
Membrana
MembranaMembrana
Membrana
 
Transporte de membrana
Transporte de membranaTransporte de membrana
Transporte de membrana
 
www.CentroApoio.com - Biologia - Membrana Plasmática - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - Biologia - Membrana Plasmática - Vídeo Aulawww.CentroApoio.com - Biologia - Membrana Plasmática - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - Biologia - Membrana Plasmática - Vídeo Aula
 
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
 
Transporte através da membrana
Transporte através da membranaTransporte através da membrana
Transporte através da membrana
 
Membrana PlasmáTica
Membrana PlasmáTicaMembrana PlasmáTica
Membrana PlasmáTica
 
Aula 01 unidade 2 - transporte de íons através das membranas
Aula 01   unidade 2 - transporte de íons através das membranasAula 01   unidade 2 - transporte de íons através das membranas
Aula 01 unidade 2 - transporte de íons através das membranas
 
Introdução a fisiologia
Introdução a fisiologiaIntrodução a fisiologia
Introdução a fisiologia
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
 
A membrana plasmática(5o grupo)
A membrana plasmática(5o grupo)A membrana plasmática(5o grupo)
A membrana plasmática(5o grupo)
 
Transp Celular
Transp CelularTransp Celular
Transp Celular
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Alpha Colégio e Vestibulares
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Alpha Colégio e Vestibulares
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 

A membrana plasmática

  • 1. A MEMBRANA PLASMÁTICA BIOLOGIA A (Profª Lara) Livro Texto Capítulo 8 Caderno 2 Aulas 21 e 22 (Pág. 291 a 292)
  • 2.  Envelope universal de todas as células. Mantém a individualidade da células, permitindo que a sua composição seja específica e distinta do meio externo.  Barreira protetora que controla a entrada e a saída de substâncias da célula (permeabilidade seletiva).  Através da membrana plasmática uma célula percebe sinalizações do ambiente.  Esta seleção tem certos limites!!! Membrana Plasmática
  • 4. Lipoproteica (Lipídios + Proteínas) Estrutura da Membrana Plasmática Fosfolipídeos
  • 5. Modelo doModelo do Mosaico FluidoMosaico Fluido  Moléculas de proteínas espalhadas entre as moléculas de Fosfolipídeos que constituem a Bicamada lipídica. - Proteínas Transmembrana ou Integrais. - Proteínas Periféricas. • Colesterol (Células animais). • Carboidratos (glicoproteínas, glicolipídeos) – Gicocálice. Estrutura da Membrana Plasmática
  • 7. Mosaico Fluido Animação do Mosaico Fluido Mosaico Fluido.swf
  • 8. As Proteínas da Membrana  As proteínas que constituem a membrana plasmática têm composição e estrutura muito variada.
  • 12. MICROVILOSIDADES  São projeções da membrana plasmática frequentemente digitiformes (forma de dedo de luva).  Aumentam o superfície de absorção dos nutrientes pela mucosa do intestino delgado da maioria dos mamíferos.
  • 13. Camada de polissacarídeos frouxamente entrelaçados, que revestem externamente a membrana. Glicoproteínas e glicolipídios Funções: funcionam como uma malha de proteção e de retenção de nutrientes e de enzimas ao redor da célula, importantes na comunicação e no reconhecimento da célula (“rótulos da célula”). GLICOCÁLICE (GLICOCÁLIX)
  • 14. I. Como as substâncias entram ou saem da célula:  Material atravessa a membrana plasmática. Difusão, Osmose e Bomba de sódio e potássio  Material é englobado pela membrana plasmática. Endocitose, Exocitose Membranas e as trocas como meio externo
  • 15. II. Gasto energético: Transporte Passivo  Não há gasto de energia pela célula. Ocorre naturalmente, a favor de um gradiente de concentração, obedecendo às leis físicas de tendência ao equilíbrio entre duas soluções. Tipos:  Difusão simples e Difusão facilitada  Osmose Transporte Ativo  Há gasto de energia pela célula, porque o transporte ocorre contra um gradiente de concentração. Só pode ocorrer em células vivas. Tipos:  Bomba de Na+ e K+  Endocitoses (fagocitose e pinocitose) e Exocitose Membranas e as trocas como meio externo
  • 16. Transporte Passivo e Transporte Ativo A favor do gradiente de concentração Contra o gradiente de concentração
  • 17. Análise da permeabilidade da membrana a variadas substâncias, considerando-se apenas a bicamada lipídica:  Macromoléculas (proteínas, di e polissacarídeos): não podem atravessar por causa do seu tamanho.  Moléculas pequenas com carga (íons): não podem atravessar pois são incapazes de atravessar o interior hidrofóbico (apolar) da bicamada lipídica.  Moléculas de água: por sua polaridade, têm dificuldade de atravessar o interior hidrofóbico da bicamada lipídica. Possui permeabilidade bastante reduzida.  Moléculas pequenas e apolares e gases (etanol, O2, CO2): passam através da membrana de acordo com o seu gradiente de concentração. Membranas e as trocas como meio externo
  • 19. Processos de Transporte Através da Membrana Plasmática
  • 22. PASSAGEM DE SUBSTÂNCIAS ATRAVÉS DA MEMBRANA BIOLOGIA A (Profª Lara) Livro Texto Capítulo 8 Caderno 2 Aulas 23 e 24 (Pág. 293 a 296)
  • 23. Entendendo um pouco o comportamento das soluções: SOLUÇÃO = SOLVENTE + SOLUTO O citoplasma é uma solução aquosa. As moléculas dissolvidas no citoplasma são os solutos e a água é o solvente. CITOPLASMA: solução aquosa; MOLÉCULAS: solutos (sais, açúcares, aminoácidos etc...); ÁGUA: solvente. Membranas e as trocas como meio externo
  • 24. Solução mais concentrada: MAIOR concentração de SOLUTO. Solução menos concentrada: MENOR concentração de SOLUTO. Comparando soluções:  Uma solução é HIPOTÔNICA  em relação à outra, quando apresenta MENOR concentração de soluto (e maior de solvente). Uma solução é HIPERTÔNICA em relação à outra, quando apresentar MAIOR concentração de soluto (e menor de solvente).  Uma solução é ISOTÔNICA em relação à outra, quando apresentar concentração IGUAL de soluto. Membranas e as trocas como meio externo
  • 25. Membranas e as trocas como meio externo
  • 26. Difusão SimplesDifusão Simples Transporte passivo de SOLUTO;Transporte passivo de SOLUTO; Ocorre a favor do gradiente de concentração (meio maisOcorre a favor do gradiente de concentração (meio mais concentradoconcentrado  meio menos concentrado);meio menos concentrado);  Obedece às leis da física. Não é necessário a utilização de energia; Transporte de gases e moléculas pequenas, apolares e lipossolúveis; Pode ocorrer através da bicamada lipídica. Transporte Passivo
  • 28. Transporte Passivo- DIFUSÃO SIMPLES Ex.: Transporte de O2 e CO2 entre o ar e as células do epitélio respiratório
  • 29. Transporte Passivo - DIFUSÃO FACILITADA Difusão FacilitadaDifusão Facilitada  TransporteTransporte passivo de SOLUTO;passivo de SOLUTO;  Ocorre com oOcorre com o auxílio deauxílio de proteínasproteínas transportadorastransportadoras (PERMEASES);(PERMEASES);  Transporte deTransporte de monossacarídeos,monossacarídeos, aminoácidos, íons.aminoácidos, íons.
  • 30. Proteínas de Transporte – DIFUSÃOFACILTADA
  • 31. Transporte Passivo - OSMOSE OsmoseOsmose  É a passagem do solvente (líquido) do meio de menor concentração de soluto (hipotônico) para o meio de maior concentração de soluto (hipertônico), através de uma membrana semipermeável.
  • 34. Osmose emCélulas Animais EXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO ISOTÔNICOEXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO ISOTÔNICO NÃO ACONTECE NADA COM AS HEMÁCIAS, POIS SUA CONCENTRAÇÃO É IGUAL À DO MEIONÃO ACONTECE NADA COM AS HEMÁCIAS, POIS SUA CONCENTRAÇÃO É IGUAL À DO MEIO H2O H2O
  • 35. Osmose emCélulas Animais EXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO HIPERTÔNICOEXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO HIPERTÔNICO H2O SE O MEIO É HIPERTÔNICO EM RELAÇÃO ÀS HEMÁCIAS, ENTÃO AS HEMÁCIAS SÃO HIPOTÔNICAS EM RELAÇÃO AO MEIO, PORTANTO PERDEM ÁGUA PARA O MEIO E FICAM CRENADAS (MURCHAS) SE O MEIO É HIPERTÔNICO EM RELAÇÃO ÀS HEMÁCIAS, ENTÃO AS HEMÁCIAS SÃO HIPOTÔNICAS EM RELAÇÃO AO MEIO, PORTANTO PERDEM ÁGUA PARA O MEIO E FICAM CRENADAS (MURCHAS) H2O H2O
  • 36. Osmose emCélulas Animais EXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO HIPOTÔNICOEXPERIÊNCIAS COM HEMÁCIAS COLOCADAS EM MEIO HIPOTÔNICO SE O MEIO É HIPOTÔNICO EM RELAÇÃO ÀS HEMÁCIAS, ENTÃO AS HEMÁCIAS SÃO HIPER- TÔNICAS EM RELAÇÃO AO MEIO, PORTANTO GANHAM ÁGUA DO MEIO E PODE SOFRER HEMÓLISE SE O MEIO É HIPOTÔNICO EM RELAÇÃO ÀS HEMÁCIAS, ENTÃO AS HEMÁCIAS SÃO HIPER- TÔNICAS EM RELAÇÃO AO MEIO, PORTANTO GANHAM ÁGUA DO MEIO E PODE SOFRER HEMÓLISE H2O H2O H2O
  • 37. Osmose emCélulas Vegetais  A célula vegetal possui uma membrana celulósica (parede celular).  Diferenças nos resultados da osmose.  Vacúolos – trocas de água por osmose entre a célula vegetal e o meio. Ganho ou perda de água nos vacúolos.
  • 39.  Você já deve ter comido salada de alface, de pepino ou de tomate, temperada algumas horas antes.  Então deve ter percebido duas coisas: o vegetal murcha e a quantidade de líquido do fundo da saladeira aumenta.  O que acontece nesse caso?  Qual é o papel do tempero da salada neste processo?  Você já deve ter comido salada de alface, de pepino ou de tomate, temperada algumas horas antes.  Então deve ter percebido duas coisas: o vegetal murcha e a quantidade de líquido do fundo da saladeira aumenta.  O que acontece nesse caso?  Qual é o papel do tempero da salada neste processo? Osmose e o nosso cotidiano
  • 40. Transporte Ativo  Transporte biológico que só pode ocorrer em células vivas, pois requer gasto de energia.  Transporte ativo de íons ou moléculas contra o gradiente de concentração, com o auxílio de uma proteína carreadora. (Bomba de sódio e potássio)  Transporte de moléculas maiores, para dentro ou para fora da célula, por meio da formação de vesículas. (Endocitose e exocitose)
  • 41. Transporte Ativo Bomba de Sódio e PotássioBomba de Sódio e Potássio •Este tipo de transporte se dá, quando os íons sódio (Na+ ) e o potássio (K+ ), tem que atravessar a membrana contra um gradiente de concentração. Estes íons possuem concentrações diferentes dentro e fora da célula: •Na maioria das células dos organismos superiores a concentração do sódio (Na+ ) é bem mais baixa dentro da célula do que fora desta. •O potássio (K+ ), apresenta situação inversa, a sua concentração é mais alta dentro da célula do que fora desta. Diferenças nas concentrações deste íons: Fundamental para o metabolismo celular!!
  • 42. Transporte Ativo Bomba de Sódio e PotássioBomba de Sódio e Potássio
  • 43. “A manutenção das diferenças entre as concentrações interna e externa destes íons exige que a célula gaste energia. Proteínas de membrana agem como “bombas” de íons, capturando íons Na+ no citoplasma e transportando- os para fora da célula. Na face externa da membrana, essas proteínas capturam íons K+ do meio e os transportam para o citoplasma. Esse bombeamento contínuo compensa a incessante passagem desses íons, através da membrana, por difusão (transporte passivo). O bombeamento ativo destes íons consome energia da célula e, por isso, é denominado transporte ativo.” Transporte Ativo (Bomba de Na+ e K+ ) Bomba de sódio e potássio.swf
  • 44. Endocitose: englobamento de partículas 1) Fagocitose  É o nome dado ao processo pelo qual a célula, graças à formação de pseudópodos, engloba, no seu citoplasma, moléculas maiores, partículas ou até mesmo outras células menores. Nos mamíferos, a fagocitose é feita por células especializadas na defesa do organismo. Em protozoários, ela atua como meio de nutrição.
  • 46. 2) Pinocitose  É processo usado pela célula para englobar partículas muito pequenas, dispersas em um meio aquoso. Graças a expansões do citoplasma, ocorre o englobamento de moléculas que interessam à célula. Endocitose: englobamento de partículas
  • 49. Ocorre fusão de uma vesícula originada no interior da célula com a membrana plasmática, o que possibilita que o material nela contido seja lançado para o meio extracelular. Eliminação de secreções, como hormônios e enzimas. Exocitose: liberação de partículas

Notas do Editor

  1. A MEMBRANA PLASMÁTICA TAMBÉM ESTÁ PRESENTE NAS CÉLULAS PROCARIONTES.
  2. MOLÉCULAS POLARES NÃO CARREGADAS: PQ NÃO PERDEU ELETRÓNS OU PRÓTONS. NÃO HOUVE DISSOCIAÇÃO DA MOLÉCULA. DISSOCIAÇÃO é o processo em que compostos iônicos têm seus íons separados.
  3. Membrana Semipermeável: permeável ao solvente e impermeável ao soluto.
  4. Meio Hipotônico: não há risco de ruptura (lise) celular devido à resistência da parede celular. Quando ocorre o equilíbrio entre as forças osmóticas e a resistência exercida pela parede, a célula fica túrgida.
  5. O tempero representa um meio hipertônico, fazendo com que a célula perca água para o meio, por osmose, desidratando-se e ficando murcha.
  6. Importantes no estabelecimento e na manutenção de uma diferença de carga elétrica nas duas faces da membrana plasmática de determinados tipos celulares, como os neurônios. Bombas de sódio, potássio, cloro, cálcio, magnésio e outros íons são essenciais a vários processos vitais.
  7. Junção Adesiva (Desmossomos): filamentos de queratina ancorados à membrana plasmática de duas céls. Epiteliais. Firme adesão das céls. Junção Comunicante: canais proteicos que garantem a comunicação permanente entre o citoplasma de duas céls. Adjacentes. Junção Oclusiva: impede a passagem de substâncias entre duas céls. e marcam a separação entre as faces apical e lateral das células epiteliais.