SlideShare uma empresa Scribd logo
?+!
Vendas
Colaborativas
N A AT U A L I D A D E
Colaboração em Todos
os Setores
Arranjo Produtivo Local (APL) caracteriza-se por um aglomera-
do significativo de empreendimentos em determinado território
e indivíduos que atuam em torno de uma atividade produtiva
predominante, que compartilham formas percebidas de co-
operação e algum mecanismo de governança, e pode incluir
pequenas, médias e grandes empresas (Oficina Regional de
Orientação à instalação de APLs - GTP APL, MDIC, 2006).
As APLs são sinônimos de colaboração
em todos os setores da empresa.
Evolução da viabilidade
econômica da Venda
Colaborativa
Shopping Center
Supermercados
Lojas Multimarcas
Feiras
Vendas Coletivas
Loja Colaborativa
Shopping Center
É uma estrutura que contém esta-
belecimentos comerciais como lo-
jas, lanchonetes, restaurantes, salas
de cinema, playground e estaciona-
mento, caracterizado pelo seu fecha-
mento em relação à cidade.
É um espaço planejado sob uma ad-
ministração centralizada, compos-
to de lojas destinadas à exploração
comercial e à prestação de serviços,
sujeitas a normas contratuais padroni-
zadas, para manter o equilíbrio da
oferta e da funcionalidade, procuran-
do assegurar convivência integrada.
Fonte: Wikipédia
Shopping Center
• Muito Frequentado por clien-
tes;
• Localização estratégica;
• Grande suporte administrati-
vo e comercial;
• Pensada para o Consumo;
• Diversificação de atrações.
• Custo muito alto para ter uma
loja;
• Muitos concorrentes;
• Restrições Contratuais de Pa-
dronização.
Supermercados
Locais que reúne as principais marcas
e produtos para uso doméstico. Em-
presas do segmento vendem para es-
ses locais e eles comercializam os pro-
dutos para o consumidor final com sua
taxa de lucro embutida.
• Variedade de produtos para
consumo doméstico;
• Possibilidade de aumento
das vendas;
• Espaço para contato com o
consumidor final;
• Vendas no atacado;
• Redução nas etapas de
Venda.
• Concorrentes no mesmo lo-
cal;
• Condicionamento de preços
pelos Super ou Hipermerca-
dos;
• Problemas de exposição;
• Segmentado para uma ne-
cessidade especifica;
• Difícil acesso para micro e
pequenas empresas.
Supermercados
Lojas Multimarcas
Um tipo de comércio que foi forte na-
cionalmente nos anos 70, entrou em
decadência nos 80 e princípio dos 90
_ porque valia mais a pena desenvolv-
er a própria marca e vender para suas
próprias lojas, formando grandes re-
des _,e agora, com a possibilidade de
importar, está voltando a se fortalecer.
Ex: C&A; RENNER; C18.
• Elimina custos com Loja;
• Propagação maior da Marca;
• Venda no atacado.
• Preços Reduzidos;
• Concorrentes juntos;
• Defasagem do conceito da
Marca.
Lojas Multimarcas
Feiras
Uma feira é um evento em um local
público em que as pessoas, em dias e
épocas predeterminados, expõem e
vendem mercadorias. 
Ex: Top Fashion Bazar, feiras de bair-
ro, feiras livres, feiras de negócios.
• Grande concentração de pes-
soas em datas determinadas;
• Volume maior de vendas;
• Preço mais acessível que
shoppings.
• Regularidade;
• Concorrentes juntos;
• Pouca assistência dos loca-
dores.
Feiras
Vendas Coletivas
Site de Vendas Coletivas
São os já famosos sites de compras
coletivas que integram um conceito de
colaboração para os consumidores.
Nesse modelo de negócio a vantagem
é transferida para o consumidor final
que paga muito barato sem comprar
em grandes quantidades, pois o site
promove que muitas pessoas com-
prem ao mesmo tempo em um curto
período de tempo.
Ex: GROUPON, Peixe Urbano, Hotel
Urbano.
• Vendas muito rápidas;
• Muitos clientes visitam sua
empresa;
• A empresa só paga se vender;
• Crescimento absurdo do Fatu-
ramento.
• As vendas podem ser superiores
as suas capacidades de atendi-
mento;
• A empresa recebe o dinheiro e
passa sua parte posteriormente;
• Muitos problemas de pagamento
online;
• Muitas vezes o preço baixo causa
prejuízo.
• Encarado como venda, não mar-
keting.
Vendas Coletivas
Loja Colaborativa
Em expansão pelo Brasil tem um con-
ceito de alugar espaços dentro de
uma loja para vários pequenos pro-
dutores e vendedores expor seus
produtos. O produtor não fica na loja
e o locador fica responsável por toda
comercialização.
Ex: Como assim?, Endossa, Koisa e
Tal, Coletiva.
Faixa de preço: entre R$ 200,00 e R$
250,00.
Não encontrei nenhuma no Rio de
Janeiro.
• Possibilidade de concen-
tração de clientes;
• Custo mais baixo que feiras e
shoppings;
• Suporte do locador na pro-
moção do local.
• Espaço Pequeno para ex-
posição;
• O locador não tem expertise
de produto para a venda;
• Muitos Concorrentes.
Loja Colaborativa
Como vender de forma
colaborativa?
• Expor em lojas colaborativas.
• Revender para grandes e pequenos varejistas.
• Desenvolver uma oferta em sites de compra coletiva.
• Vender para APL’s.
Vantagens para
Micro empresas
• Escoar a produção sobressalente.
• Ganhos em Grande escala.
• Maior visibilidade.
• Expansão do Negócio em microescalas.
• Fortalecimento da Marca.
• Aumento das Vendas.
!
Cuidados com as vendas
colaborativas
• Analisar o público-alvo da venda.
• Ver se seu projeto se enquadra com o modelo de venda esperado.
• Cuidado com as restrições e custos da locação.
• Atenção com os cuidados que irão tomar com a comercialização,
organização e exposição dos seus produtos.
• Cuidado ao escolher a forma de colaboração que vai utilizar.
• Fique atento à margem de Lucro.
+
Outras formas de
Colaboração
• iTunes.
• Lojas online multimarcas.
• Distribuidores online (aliexpress).
• Colaboração Social (Supermercado Alemão).
• Economia Colaborativa (Colaboração Online, Crowdfunding).
• Aluguel de roupas.
Outras formas de
Colaboração
+
	 Segundo Camila Haddad, especialista em consumo colaborativo
e co-criadora da plataforma Cinese.me (plataforma de crowdlearn-
ing, que tem o objetivo de conectar pessoas que querem ensinar e
aprender), novas empresas estão surgindo usando a conexão peer-
to-peer e a colaboração como base de seus negócios. E isso vai des-
de o compartilhamento de carros (Zazcar) e bicicletas (Bike Sampa),
até financiamento coletivo de projetos (Catarse, Benfeitoria), passan-
do por mercados secundários de roupas (Desapegue), livros (Skoob)
e até móveis (Enjoei).
Fonte: Consumo Colaborativo:entenda o conceito | Portal Carreira & Sucesso 
?
Como desenvolver o comércio
colaborativo
• Procure instituições que façam esse tipo de projeto ou procure através
de associações, empresas afins e complementares com seu negócio.
• Monte uma proposta de colaboração.
• Apresente-a às empresas procuradas.
• Desenvolva um Estatuto que delimite quem são os responsáveis, quais
as obrigações de cada participante.
• Desenvolva estratégias de venda, promoção e merchandising das merca-
dorias.
• Crie um cronograma para o projeto.
?+!Jorge Eduardo
www.vidadeumempreendedor.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Marketing de varejo
Marketing de varejoMarketing de varejo
Marketing de varejo
Júnior Medeiros
 
Apresentacao casas bahia
Apresentacao casas bahiaApresentacao casas bahia
Apresentacao casas bahia
luizhs_
 
Apresentação Content4Business
Apresentação Content4BusinessApresentação Content4Business
Apresentação Content4Business
Content4Business
 
Aulas 1 e 2 - Cenários
Aulas 1 e 2 - CenáriosAulas 1 e 2 - Cenários
Aulas 1 e 2 - Cenários
Marcos Sérgio
 
Aula Marketing de Varejo - Professor Robert - 02-03-2012
Aula Marketing de Varejo - Professor Robert - 02-03-2012Aula Marketing de Varejo - Professor Robert - 02-03-2012
Aula Marketing de Varejo - Professor Robert - 02-03-2012
Anderson Oliveira
 
Estratégias de varejo
Estratégias de varejoEstratégias de varejo
Estratégias de varejo
Sara Rosário
 
Reunião Comercial / Mkt
Reunião Comercial / MktReunião Comercial / Mkt
Reunião Comercial / Mkt
Hélio Cabral
 
O varejo de shopping center
O varejo de shopping centerO varejo de shopping center
O varejo de shopping center
Sistema CNC
 
Centros comerciais mfh
Centros comerciais mfhCentros comerciais mfh
Centros comerciais mfh
Pedro Falhas
 
IXO Group - Apresentação em Slide "Português".
IXO Group - Apresentação em Slide "Português".IXO Group - Apresentação em Slide "Português".
IXO Group - Apresentação em Slide "Português".
Zeferino Silva Júnior
 
2012... O que vem por aí?
2012... O que vem por aí?2012... O que vem por aí?
2012... O que vem por aí?
Ponto de Referência
 
Apresentação Oficial IXO Group
Apresentação Oficial IXO GroupApresentação Oficial IXO Group
Apresentação Oficial IXO Group
Zeferino Silva Júnior
 
Artigo - O poder de marketing dos shopping centers
Artigo - O poder de marketing dos shopping centersArtigo - O poder de marketing dos shopping centers
Artigo - O poder de marketing dos shopping centers
Gustavo Josetti
 
Atacarejo revista gestão e regionalidade 29 05 2011
Atacarejo revista gestão e regionalidade 29 05 2011Atacarejo revista gestão e regionalidade 29 05 2011
Atacarejo revista gestão e regionalidade 29 05 2011
Marcos Bueno
 
Case Marluvas no Pé. Dinheiro na Mão (Finalista Prêmio Octo 2014)
Case Marluvas no Pé. Dinheiro na Mão (Finalista Prêmio Octo 2014)Case Marluvas no Pé. Dinheiro na Mão (Finalista Prêmio Octo 2014)
Case Marluvas no Pé. Dinheiro na Mão (Finalista Prêmio Octo 2014)
Diego Rezende
 
E-commerce
E-commerceE-commerce
T.I.G - Casas bahia a empresa
T.I.G - Casas bahia a empresaT.I.G - Casas bahia a empresa
T.I.G - Casas bahia a empresa
João Silva
 
Como Preparar Sua Loja Para Vender Mais Dia Dos Pais1
Como Preparar Sua Loja Para Vender Mais   Dia Dos Pais1Como Preparar Sua Loja Para Vender Mais   Dia Dos Pais1
Como Preparar Sua Loja Para Vender Mais Dia Dos Pais1
joel azevedo
 
Proxy media
Proxy mediaProxy media
Proxy media
Gabriela Freitas
 
Bath Truck - Modelo de negócio
Bath Truck - Modelo de negócioBath Truck - Modelo de negócio
Bath Truck - Modelo de negócio
Luiz Henrique Pinho de Sá
 

Mais procurados (20)

Marketing de varejo
Marketing de varejoMarketing de varejo
Marketing de varejo
 
Apresentacao casas bahia
Apresentacao casas bahiaApresentacao casas bahia
Apresentacao casas bahia
 
Apresentação Content4Business
Apresentação Content4BusinessApresentação Content4Business
Apresentação Content4Business
 
Aulas 1 e 2 - Cenários
Aulas 1 e 2 - CenáriosAulas 1 e 2 - Cenários
Aulas 1 e 2 - Cenários
 
Aula Marketing de Varejo - Professor Robert - 02-03-2012
Aula Marketing de Varejo - Professor Robert - 02-03-2012Aula Marketing de Varejo - Professor Robert - 02-03-2012
Aula Marketing de Varejo - Professor Robert - 02-03-2012
 
Estratégias de varejo
Estratégias de varejoEstratégias de varejo
Estratégias de varejo
 
Reunião Comercial / Mkt
Reunião Comercial / MktReunião Comercial / Mkt
Reunião Comercial / Mkt
 
O varejo de shopping center
O varejo de shopping centerO varejo de shopping center
O varejo de shopping center
 
Centros comerciais mfh
Centros comerciais mfhCentros comerciais mfh
Centros comerciais mfh
 
IXO Group - Apresentação em Slide "Português".
IXO Group - Apresentação em Slide "Português".IXO Group - Apresentação em Slide "Português".
IXO Group - Apresentação em Slide "Português".
 
2012... O que vem por aí?
2012... O que vem por aí?2012... O que vem por aí?
2012... O que vem por aí?
 
Apresentação Oficial IXO Group
Apresentação Oficial IXO GroupApresentação Oficial IXO Group
Apresentação Oficial IXO Group
 
Artigo - O poder de marketing dos shopping centers
Artigo - O poder de marketing dos shopping centersArtigo - O poder de marketing dos shopping centers
Artigo - O poder de marketing dos shopping centers
 
Atacarejo revista gestão e regionalidade 29 05 2011
Atacarejo revista gestão e regionalidade 29 05 2011Atacarejo revista gestão e regionalidade 29 05 2011
Atacarejo revista gestão e regionalidade 29 05 2011
 
Case Marluvas no Pé. Dinheiro na Mão (Finalista Prêmio Octo 2014)
Case Marluvas no Pé. Dinheiro na Mão (Finalista Prêmio Octo 2014)Case Marluvas no Pé. Dinheiro na Mão (Finalista Prêmio Octo 2014)
Case Marluvas no Pé. Dinheiro na Mão (Finalista Prêmio Octo 2014)
 
E-commerce
E-commerceE-commerce
E-commerce
 
T.I.G - Casas bahia a empresa
T.I.G - Casas bahia a empresaT.I.G - Casas bahia a empresa
T.I.G - Casas bahia a empresa
 
Como Preparar Sua Loja Para Vender Mais Dia Dos Pais1
Como Preparar Sua Loja Para Vender Mais   Dia Dos Pais1Como Preparar Sua Loja Para Vender Mais   Dia Dos Pais1
Como Preparar Sua Loja Para Vender Mais Dia Dos Pais1
 
Proxy media
Proxy mediaProxy media
Proxy media
 
Bath Truck - Modelo de negócio
Bath Truck - Modelo de negócioBath Truck - Modelo de negócio
Bath Truck - Modelo de negócio
 

Semelhante a Vendas Colaborativas na Atualidadede

Marketplace significado
Marketplace significadoMarketplace significado
Marketplace significado
Olist
 
Marketing Mix - Ponto de Vendas
Marketing Mix - Ponto de VendasMarketing Mix - Ponto de Vendas
Seminário varejo e atacado
Seminário   varejo e atacadoSeminário   varejo e atacado
Seminário varejo e atacado
Bruna Mussolin
 
Seminário: varejo e atacado
Seminário: varejo e atacadoSeminário: varejo e atacado
Seminário: varejo e atacado
Bruna Mussolin
 
[Grocery & Drinks| Congresso do E-Commerce] Como alavancar vendas online com ...
[Grocery & Drinks| Congresso do E-Commerce] Como alavancar vendas online com ...[Grocery & Drinks| Congresso do E-Commerce] Como alavancar vendas online com ...
[Grocery & Drinks| Congresso do E-Commerce] Como alavancar vendas online com ...
E-Commerce Brasil
 
Do Comércio Tradicional ás Grandes Modernas Superficies
Do Comércio Tradicional ás Grandes Modernas SuperficiesDo Comércio Tradicional ás Grandes Modernas Superficies
Do Comércio Tradicional ás Grandes Modernas Superficies
Ana Carqueijeiro
 
Conceitos varejo e atacado
Conceitos varejo e atacadoConceitos varejo e atacado
Conceitos varejo e atacado
Diego Sater da Luz Teixeira
 
Como Estimular Suas Vendas São Luis do Paraitinga
Como Estimular Suas Vendas São Luis do  ParaitingaComo Estimular Suas Vendas São Luis do  Paraitinga
Como Estimular Suas Vendas São Luis do Paraitinga
joel azevedo
 
Guia de orientacao_para_varejo_contratacao_de_projeto
Guia de orientacao_para_varejo_contratacao_de_projetoGuia de orientacao_para_varejo_contratacao_de_projeto
Guia de orientacao_para_varejo_contratacao_de_projeto
leopaiva217101
 
Canais dedistribuiçãoagosto2011dia1
Canais dedistribuiçãoagosto2011dia1Canais dedistribuiçãoagosto2011dia1
Canais dedistribuiçãoagosto2011dia1
Gerson Ramos
 
PDV como ferramenta estratégica.
PDV como ferramenta estratégica.PDV como ferramenta estratégica.
PDV como ferramenta estratégica.patich
 
Depto comercial 3.0 Primeiro dia
Depto comercial 3.0  Primeiro diaDepto comercial 3.0  Primeiro dia
Depto comercial 3.0 Primeiro dia
Gerson Ramos
 
Marketing decomercialização
Marketing decomercializaçãoMarketing decomercialização
Marketing decomercialização
Warm-up Semana de aquecimento UPE Caruaru
 
61 ideias marketing
61 ideias marketing61 ideias marketing
61 ideias marketing
Alfredo Gonçalves Júnior
 
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Luiz Otavio Nascimento - "LON"
 
Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1
Gerson Ramos
 
Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1
Gerson Ramos
 
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Gerson Ramos
 
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Gerson Ramos
 
O ponto de vendas como ferramenta estratégica de marketing
O ponto de vendas como ferramenta estratégica de marketingO ponto de vendas como ferramenta estratégica de marketing
O ponto de vendas como ferramenta estratégica de marketing
Patrícia Chiela
 

Semelhante a Vendas Colaborativas na Atualidadede (20)

Marketplace significado
Marketplace significadoMarketplace significado
Marketplace significado
 
Marketing Mix - Ponto de Vendas
Marketing Mix - Ponto de VendasMarketing Mix - Ponto de Vendas
Marketing Mix - Ponto de Vendas
 
Seminário varejo e atacado
Seminário   varejo e atacadoSeminário   varejo e atacado
Seminário varejo e atacado
 
Seminário: varejo e atacado
Seminário: varejo e atacadoSeminário: varejo e atacado
Seminário: varejo e atacado
 
[Grocery & Drinks| Congresso do E-Commerce] Como alavancar vendas online com ...
[Grocery & Drinks| Congresso do E-Commerce] Como alavancar vendas online com ...[Grocery & Drinks| Congresso do E-Commerce] Como alavancar vendas online com ...
[Grocery & Drinks| Congresso do E-Commerce] Como alavancar vendas online com ...
 
Do Comércio Tradicional ás Grandes Modernas Superficies
Do Comércio Tradicional ás Grandes Modernas SuperficiesDo Comércio Tradicional ás Grandes Modernas Superficies
Do Comércio Tradicional ás Grandes Modernas Superficies
 
Conceitos varejo e atacado
Conceitos varejo e atacadoConceitos varejo e atacado
Conceitos varejo e atacado
 
Como Estimular Suas Vendas São Luis do Paraitinga
Como Estimular Suas Vendas São Luis do  ParaitingaComo Estimular Suas Vendas São Luis do  Paraitinga
Como Estimular Suas Vendas São Luis do Paraitinga
 
Guia de orientacao_para_varejo_contratacao_de_projeto
Guia de orientacao_para_varejo_contratacao_de_projetoGuia de orientacao_para_varejo_contratacao_de_projeto
Guia de orientacao_para_varejo_contratacao_de_projeto
 
Canais dedistribuiçãoagosto2011dia1
Canais dedistribuiçãoagosto2011dia1Canais dedistribuiçãoagosto2011dia1
Canais dedistribuiçãoagosto2011dia1
 
PDV como ferramenta estratégica.
PDV como ferramenta estratégica.PDV como ferramenta estratégica.
PDV como ferramenta estratégica.
 
Depto comercial 3.0 Primeiro dia
Depto comercial 3.0  Primeiro diaDepto comercial 3.0  Primeiro dia
Depto comercial 3.0 Primeiro dia
 
Marketing decomercialização
Marketing decomercializaçãoMarketing decomercialização
Marketing decomercialização
 
61 ideias marketing
61 ideias marketing61 ideias marketing
61 ideias marketing
 
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
Como Criar Valor No Varejo de Moda Rev01
 
Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1
 
Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1
 
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
 
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
Canais dedistribuiçãoprimeirodiafevereiro2011
 
O ponto de vendas como ferramenta estratégica de marketing
O ponto de vendas como ferramenta estratégica de marketingO ponto de vendas como ferramenta estratégica de marketing
O ponto de vendas como ferramenta estratégica de marketing
 

Mais de Jorge Eduardo Nascimento

Vamos fechar (1)
Vamos fechar  (1)Vamos fechar  (1)
Vamos fechar (1)
Jorge Eduardo Nascimento
 
Quando você vai pedir para namorar seu cliente?
Quando você vai pedir para namorar seu cliente?Quando você vai pedir para namorar seu cliente?
Quando você vai pedir para namorar seu cliente?
Jorge Eduardo Nascimento
 
Marketing de relacionamento ou Marketing de massa.
Marketing de relacionamento ou Marketing de massa.Marketing de relacionamento ou Marketing de massa.
Marketing de relacionamento ou Marketing de massa.
Jorge Eduardo Nascimento
 
Como empreender ainda na Universidade
Como empreender ainda na UniversidadeComo empreender ainda na Universidade
Como empreender ainda na Universidade
Jorge Eduardo Nascimento
 
O Poder da Colaboração em A História das Vendas Colaborativas
O Poder da Colaboração em A História das Vendas ColaborativasO Poder da Colaboração em A História das Vendas Colaborativas
O Poder da Colaboração em A História das Vendas Colaborativas
Jorge Eduardo Nascimento
 
8 Regras para Aprimorar seu Canal de Atendimento
8 Regras para Aprimorar seu Canal de Atendimento8 Regras para Aprimorar seu Canal de Atendimento
8 Regras para Aprimorar seu Canal de Atendimento
Jorge Eduardo Nascimento
 
Características do vendedor de sucesso
Características do vendedor de sucessoCaracterísticas do vendedor de sucesso
Características do vendedor de sucesso
Jorge Eduardo Nascimento
 

Mais de Jorge Eduardo Nascimento (7)

Vamos fechar (1)
Vamos fechar  (1)Vamos fechar  (1)
Vamos fechar (1)
 
Quando você vai pedir para namorar seu cliente?
Quando você vai pedir para namorar seu cliente?Quando você vai pedir para namorar seu cliente?
Quando você vai pedir para namorar seu cliente?
 
Marketing de relacionamento ou Marketing de massa.
Marketing de relacionamento ou Marketing de massa.Marketing de relacionamento ou Marketing de massa.
Marketing de relacionamento ou Marketing de massa.
 
Como empreender ainda na Universidade
Como empreender ainda na UniversidadeComo empreender ainda na Universidade
Como empreender ainda na Universidade
 
O Poder da Colaboração em A História das Vendas Colaborativas
O Poder da Colaboração em A História das Vendas ColaborativasO Poder da Colaboração em A História das Vendas Colaborativas
O Poder da Colaboração em A História das Vendas Colaborativas
 
8 Regras para Aprimorar seu Canal de Atendimento
8 Regras para Aprimorar seu Canal de Atendimento8 Regras para Aprimorar seu Canal de Atendimento
8 Regras para Aprimorar seu Canal de Atendimento
 
Características do vendedor de sucesso
Características do vendedor de sucessoCaracterísticas do vendedor de sucesso
Características do vendedor de sucesso
 

Vendas Colaborativas na Atualidadede

  • 2. Colaboração em Todos os Setores Arranjo Produtivo Local (APL) caracteriza-se por um aglomera- do significativo de empreendimentos em determinado território e indivíduos que atuam em torno de uma atividade produtiva predominante, que compartilham formas percebidas de co- operação e algum mecanismo de governança, e pode incluir pequenas, médias e grandes empresas (Oficina Regional de Orientação à instalação de APLs - GTP APL, MDIC, 2006). As APLs são sinônimos de colaboração em todos os setores da empresa.
  • 3. Evolução da viabilidade econômica da Venda Colaborativa Shopping Center Supermercados Lojas Multimarcas Feiras Vendas Coletivas Loja Colaborativa
  • 4. Shopping Center É uma estrutura que contém esta- belecimentos comerciais como lo- jas, lanchonetes, restaurantes, salas de cinema, playground e estaciona- mento, caracterizado pelo seu fecha- mento em relação à cidade. É um espaço planejado sob uma ad- ministração centralizada, compos- to de lojas destinadas à exploração comercial e à prestação de serviços, sujeitas a normas contratuais padroni- zadas, para manter o equilíbrio da oferta e da funcionalidade, procuran- do assegurar convivência integrada. Fonte: Wikipédia
  • 5. Shopping Center • Muito Frequentado por clien- tes; • Localização estratégica; • Grande suporte administrati- vo e comercial; • Pensada para o Consumo; • Diversificação de atrações. • Custo muito alto para ter uma loja; • Muitos concorrentes; • Restrições Contratuais de Pa- dronização.
  • 6. Supermercados Locais que reúne as principais marcas e produtos para uso doméstico. Em- presas do segmento vendem para es- ses locais e eles comercializam os pro- dutos para o consumidor final com sua taxa de lucro embutida.
  • 7. • Variedade de produtos para consumo doméstico; • Possibilidade de aumento das vendas; • Espaço para contato com o consumidor final; • Vendas no atacado; • Redução nas etapas de Venda. • Concorrentes no mesmo lo- cal; • Condicionamento de preços pelos Super ou Hipermerca- dos; • Problemas de exposição; • Segmentado para uma ne- cessidade especifica; • Difícil acesso para micro e pequenas empresas. Supermercados
  • 8. Lojas Multimarcas Um tipo de comércio que foi forte na- cionalmente nos anos 70, entrou em decadência nos 80 e princípio dos 90 _ porque valia mais a pena desenvolv- er a própria marca e vender para suas próprias lojas, formando grandes re- des _,e agora, com a possibilidade de importar, está voltando a se fortalecer. Ex: C&A; RENNER; C18.
  • 9. • Elimina custos com Loja; • Propagação maior da Marca; • Venda no atacado. • Preços Reduzidos; • Concorrentes juntos; • Defasagem do conceito da Marca. Lojas Multimarcas
  • 10. Feiras Uma feira é um evento em um local público em que as pessoas, em dias e épocas predeterminados, expõem e vendem mercadorias.  Ex: Top Fashion Bazar, feiras de bair- ro, feiras livres, feiras de negócios.
  • 11. • Grande concentração de pes- soas em datas determinadas; • Volume maior de vendas; • Preço mais acessível que shoppings. • Regularidade; • Concorrentes juntos; • Pouca assistência dos loca- dores. Feiras
  • 12. Vendas Coletivas Site de Vendas Coletivas São os já famosos sites de compras coletivas que integram um conceito de colaboração para os consumidores. Nesse modelo de negócio a vantagem é transferida para o consumidor final que paga muito barato sem comprar em grandes quantidades, pois o site promove que muitas pessoas com- prem ao mesmo tempo em um curto período de tempo. Ex: GROUPON, Peixe Urbano, Hotel Urbano.
  • 13. • Vendas muito rápidas; • Muitos clientes visitam sua empresa; • A empresa só paga se vender; • Crescimento absurdo do Fatu- ramento. • As vendas podem ser superiores as suas capacidades de atendi- mento; • A empresa recebe o dinheiro e passa sua parte posteriormente; • Muitos problemas de pagamento online; • Muitas vezes o preço baixo causa prejuízo. • Encarado como venda, não mar- keting. Vendas Coletivas
  • 14. Loja Colaborativa Em expansão pelo Brasil tem um con- ceito de alugar espaços dentro de uma loja para vários pequenos pro- dutores e vendedores expor seus produtos. O produtor não fica na loja e o locador fica responsável por toda comercialização. Ex: Como assim?, Endossa, Koisa e Tal, Coletiva. Faixa de preço: entre R$ 200,00 e R$ 250,00. Não encontrei nenhuma no Rio de Janeiro.
  • 15. • Possibilidade de concen- tração de clientes; • Custo mais baixo que feiras e shoppings; • Suporte do locador na pro- moção do local. • Espaço Pequeno para ex- posição; • O locador não tem expertise de produto para a venda; • Muitos Concorrentes. Loja Colaborativa
  • 16. Como vender de forma colaborativa? • Expor em lojas colaborativas. • Revender para grandes e pequenos varejistas. • Desenvolver uma oferta em sites de compra coletiva. • Vender para APL’s.
  • 17. Vantagens para Micro empresas • Escoar a produção sobressalente. • Ganhos em Grande escala. • Maior visibilidade. • Expansão do Negócio em microescalas. • Fortalecimento da Marca. • Aumento das Vendas.
  • 18. ! Cuidados com as vendas colaborativas • Analisar o público-alvo da venda. • Ver se seu projeto se enquadra com o modelo de venda esperado. • Cuidado com as restrições e custos da locação. • Atenção com os cuidados que irão tomar com a comercialização, organização e exposição dos seus produtos. • Cuidado ao escolher a forma de colaboração que vai utilizar. • Fique atento à margem de Lucro.
  • 19. + Outras formas de Colaboração • iTunes. • Lojas online multimarcas. • Distribuidores online (aliexpress). • Colaboração Social (Supermercado Alemão). • Economia Colaborativa (Colaboração Online, Crowdfunding). • Aluguel de roupas.
  • 20. Outras formas de Colaboração + Segundo Camila Haddad, especialista em consumo colaborativo e co-criadora da plataforma Cinese.me (plataforma de crowdlearn- ing, que tem o objetivo de conectar pessoas que querem ensinar e aprender), novas empresas estão surgindo usando a conexão peer- to-peer e a colaboração como base de seus negócios. E isso vai des- de o compartilhamento de carros (Zazcar) e bicicletas (Bike Sampa), até financiamento coletivo de projetos (Catarse, Benfeitoria), passan- do por mercados secundários de roupas (Desapegue), livros (Skoob) e até móveis (Enjoei). Fonte: Consumo Colaborativo:entenda o conceito | Portal Carreira & Sucesso 
  • 21. ? Como desenvolver o comércio colaborativo • Procure instituições que façam esse tipo de projeto ou procure através de associações, empresas afins e complementares com seu negócio. • Monte uma proposta de colaboração. • Apresente-a às empresas procuradas. • Desenvolva um Estatuto que delimite quem são os responsáveis, quais as obrigações de cada participante. • Desenvolva estratégias de venda, promoção e merchandising das merca- dorias. • Crie um cronograma para o projeto.